Category startup

Programa de aceleração da AES Brasil em parceria com a Liga Ventures seleciona três startups em novo ciclo

A AES Brasil , empresa geradora de energia renovável, selecionou três startups em seu 3º ciclo de aceleração em parceria com a Liga Ventures , maior ponte para fomentar a geração de negócios entre grandes empresas e startups. Ao longo do processo, o programa contou com mais de 260 inscrições e as startups contempladas terão a oportunidade de cocriar projetos relacionados aos desafios internos mapeados pela companhia.

Entre os desafios mapeados pela companhia para esse ciclo estão: soluções para estruturação, análise e visualização de dados; soluções para curadoria de conteúdo de monitoramento de mercado; e soluções para gestão de departamento jurídico.

“Neste ciclo, buscamos startups maduras que pudessem desenvolver soluções inovadoras e tangíveis aos desafios propostos pelas áreas Comercial, Financeiro, Jurídico e Regulatório da empresa. Junto à Liga Ventures iremos validar essas soluções por meio de provas de conceito para que, ao final do programa, as startups possam se tornar fornecedoras e parceiras da AES Brasil. Acreditamos que a aproximação com o ecossistema de inovação reforça nossa visão estratégica e impulsiona o futuro do setor elétrico”, afirma Julia Rodrigues, gerente de P&D e Inovação da AES Brasil.

Durante quatro meses, as startups contarão com o acompanhamento dos especialistas e da rede de mentores das corporações parceiras, além do apoio e orientação da Liga Ventures, que possui grande expertise no ecossistema de inovação e já foi responsável por programas de sucesso com mais de 50 empresas, acelerando mais de 350 startups, em mais de 50 ciclos de aceleração.

“Este é nosso terceiro ciclo em parceria com a AES Brasil e, diferente dos anteriores, dessa vez nós apostamos na busca por startups com potencial para propor soluções que pudessem auxiliar na resolução de desafios internos da empresa. O objetivo é gerar valor para a companhia, ao mesmo tempo em que ajudamos a startup a desenvolver seus negócios com auxílio de especialistas que possam orientá-los nesse processo”, afirma Rogério Tamassia, cofundador da Liga Ventures.

Conheça as startups selecionadas:

Crawly

A Crawly automatiza a busca por dados não estruturados em grande escala para empresas. Áreas como pricing, riscos, compliance e outras que precisam de levantar dados, informações e documentos em fontes diversas manualmente, passam a realizar em minutos o que antes demandava semanas, gerando saltos em produtividade e economia.

Oncase

A Oncase possui uma série de produtos técnicos que aceleram qualquer trabalho com dados e uma metodologia de co-criação ágil para construção de soluções inovadoras data-driven. Além dessa frente consultiva, a Oncase possui o Scora Journey, que reúne todos os dados da Jornada do Cliente em um único local e, por meio de uma inteligência artificial, extrai insights que ajudam as corporações a atuarem de forma personalizada por conhecer cada vez mais seus consumidores e aumentar a eficiência das áreas de vendas, marketing e atendimento.

Projuris

Plataforma de Inteligência Legal. Entregam tecnologia para tornar rotinas mais ágeis, seguras e precisas, eliminando riscos, falhas e possibilitando desenvolver e ampliar o desempenho dos profissionais que confiam na Projuris.

Tags

SoftBank acrescenta novos sócios à equipe de investimentos de Fundos da América Latina com foco em empresas em estágio inicial

O SoftBank Group International (“SBGI”) anunciou hoje que Rodrigo Baer e Marco Camhaji farão parte da SBLA Advisers Corp., que administra o SoftBank Latin American Fund (“LatAm Fund”) e o SoftBank Latin American Fund II (“LatAm Fund II”), como sócios com foco na identificação e suporte de empresas em estágio inicial em toda a região da América Latina.

O Sr. Baer e o Sr. Camhaji trazem conhecimento e experiência significativos na identificação e suporte de empresas em estágio inicial de crescimento de tecnologia. Eles estarão baseados em São Paulo, Brasil, e se reportarão a Marcelo Claure, Diretor Corporativo, Vice-Presidente Executivo e Diretor de Operações do SoftBank Group, Diretor Executivo do SBGI e Diretor Executivo da SBLA Advisers Corp.

“Como um dos maiores e mais ativos investidores em tecnologia da América Latina, o LatAm Fund investiu em quase dois terços dos unicórnios que operam na região”, disse o Sr. Claure. “Com Rodrigo e Marco fazendo parte de nossa equipe de investimentos de classe internacional, bem como o lançamento de nosso segundo fundo para a América Latina, seremos ainda mais capazes de identificar grandes empreendedores e apoiá-los em cada etapa de seu ciclo de vida. Estou confiante de que as percepções e a experiência de Rodrigo e Marco irão agregar muito valor às empresas de alto crescimento que apoiamos na América Latina.”

“O SoftBank e o LatAm Fund vêm sendo investidores agressivos na América Latina, uma região que continua crescendo em um ritmo extraordinário”, disse o Sr. Baer. “Estou animado em trabalhar com Marcelo e a equipe para identificar empresas em estágio inicial e fornecer às mesmas capital e suporte operacional, além de ajudá-los a obter sucesso e escalar suas empresas em um mercado cada vez mais desafiador.”

“A América Latina continua sendo um local de inovação com empreendedores revolucionando, redefinindo e criando novos setores”, disse o Sr. Camhaji. “Apoiar estes empreendedores nos estágios iniciais de suas empresas e ajudá-los a cultivar talentos, bem como otimizar e escalar suas operações é uma tremenda oportunidade e mal posso esperar para iniciar neste sentido.”

Tags

Fintech Juros Baixos fecha rodada de investimentos e capta R$3 mi na CapTable

A CapTable, hub de investimentos em startups que conta com a StartSe como sócia, fechou uma nova captação de investimentos. Desta vez a Juros Baixos foi quem realizou a rodada e levantou R$3 mi em aporte de 650 investidores. A fintech contou também contou com co-investimento do Fundo de Investimento Holandês, Componendo Capital, e das brasileiras Prana Capital e Urca Angels.

Avaliada em R$60 milhões, maior valuation de uma startup que já captou investimentos nesta modalidade no Brasil, e inserida em um mercado com mais de 62 milhões de brasileiros inadimplentes, a startup de Jundiaí (SP) conta com mais de 1,2 milhão de usuários cadastrados em seu próprio marketplace de crédito e já gerou mais de R$ 80 milhões em operações por meio da plataforma.

Em operação desde 2016, a fintech atualmente foca em expandir seus serviços para educação financeira com cursos conduzidos por especialistas em finanças e entrar no mercado de seguros. O objetivo da fintech é transformar o Brasil em um país de pessoas com uma situação financeira saudável até 2050. 

A solução de um problema

Muitos brasileiros desconhecem o que é educação financeira. Tanto que atitudes que deveriam ser rotineiras como controlar gastos ainda são um desafio. Além disso, pequenas decisões como pagar o mínimo da fatura do cartão de crédito acabam por se tornar um problema que seria evitável se os conhecimentos financeiros fossem mais acessíveis. 

A Juros Baixos está no mercado justamente para auxiliar as pessoas que querem consertar sua vida financeira. Por outro lado, serviços para empresas também são oferecidos pela fintech que conquistou o aporte. Segundo um levantamento realizado pela PwC’s Employee Financial Wellness Survey em 2020, 54% das pessoas relataram que a maior causa de estresse etava relacionada a problemas financeiros, o que afeta diretamente a performance de um colaborador no trabalho.

Pensando nisso, a startup também desenvolve soluções para serem oferecidas como benefícios pelas empresas aos seus colaboradores, como a disponibilização de um assessor financeiro. As empresas MetLife e EBANX já testam o serviço com seus funcionários.

O CEO da Juros Baixos, Guilherme Nasser, se mostra otimista quanto ao futuro das finanças pessoais dos brasileiros. “Estamos notando uma mudança no jeito do brasileiro gerir seu patrimônio. O primeiro passo para conquistar e consolidar uma saúde financeira satisfatória está em procurar e encontrar os erros a serem corrigidos. A ajuda de um profissional é de extrema importância neste momento”, explica Nasser. 

Plano de crescimento

O plano da Juros Baixos é integrar novos produtos de crédito, adentrar no mercado de seguros e expandir para o maior número de pessoas possíveis a assinatura do serviço de bem-estar financeiro. 

Da captação, 60% do capital investido será destinado para novas  contratações na a equipe de tecnologia e customer experience. Os outros 40% serão reservados ao marketing da fintech, buscando novos canais de aquisição de clientes.

Líder no mercado 

Com a captação da Juros Baixos, a CapTable conclui sua vigésima rodada neste ano, alcançando o resultado de R$33,5 milhões captados até o presente momento. O cofundador da CapTable, Guilherme Enck, afirma que o resultado alcançado até aqui pela plataforma é satisfatório, mas que ainda estão buscando ampliar este montante até o final do ano. 

“Com cada captação concluída com sucesso, fica claro que as pessoas estão aderindo cada vez mais ao investimento em startups. Nossa meta é captar um total de R$100 milhões até dezembro. Para isso, estamos recrutando startups interessadas em abrir sua rodada conosco”, afirma Enck.

Tags,

2W Energia lança programa de aceleração de startups para Smart Cities e GovTechs com BraziLAB

Programa tem foco em soluções de energia para cidades inteligentes; inscrições vão até 20 de setembro

A 2W Energia, uma das maiores clean techs do país que facilita o acesso à energia renovável para pequenas e médias empresas, lança um programa de aceleração de startups juntamente com a BrazilLAB, uma plataforma de inovação com foco em soluções para o setor público. O programa tem o intuito de estimular a inovação e o surgimento de novas tecnologias que contribuam com o desenvolvimento de cidades inteligentes.

O Programa de Aceleração da BrazilLAB busca endereçar, entre outras vertentes, como a tecnologia desenvolvida por startups pode ampliar ou estimular o uso de energia de fontes renováveis pelo poder público. O objetivo é fomentar soluções que possam levar mais eficiência, segurança e sustentabilidade aos municípios no Brasil.

A 2W Energia tem a inovação em seu DNA e por isso apoia iniciativas que tragam novas ideias ao mercado, buscando um modelo digitalizado e que traga benefícios aos consumidores de energia. No início de 2021, a companhia lançou seu programa de inovação, para desenvolver novos modelos de negócio, digitalização de serviços e aceleração de startups. Em junho, concluiu sua primeira aceleração de startup, a Lead Energy, uma plataforma de diagnóstico energético automatizada. A 2W também lançou o aplicativo Energia Livre, com serviços de telemetria para medição do consumo de energia em tempo real.

“Buscamos uma inovação contínua e a digitalização de nossos serviços. A parceria com a BrazilLAB é uma grande oportunidade para investirmos em empresas que tenham soluções inovadoras de energia renovável para o setor público, ajudando cidades a se tornarem mais sustentáveis. O mundo está cada vez mais preocupado com a descarbonização e cidades e empresas querem se tornar neutras em emissão de carbono”, comenta Claudio Ribeiro, CEO da 2W Energia.

As inscrições para o BrazilLAB vão até o dia 20 de setembro. As startups interessadas podem participar de três desafios: Inovação em LegisTech; Cidades Inteligentes e Soluções Sustentáveis; e Digitalização de Serviços Públicos e Inclusão Produtiva. Os selecionados serão divulgados no dia 15 de outubro. A demonstração dos vencedores acontece em 23 de fevereiro de 2022. Para mais informações, acesse https://aceleracao.brazillab.org.br/.   

Tags

Darwin Startups abre inscrições para 11ª turma do Programa de Aceleração para Startups do mercado financeiro

As startups de todo o país podem fazer a inscrição para o Batch #11 pelo site da aceleradora até o dia 6 de outubro

O programa de aceleração para startups do mercado financeiro da Darwin Startups está com inscrições abertas para sua turma de número 11. A aceleradora, eleita a melhor do Brasil em três anos consecutivos, 2018, 2019 e 2020, pela Associação Brasileira de Startups, oferece aos seus acelerados capital, mentorias e suporte para o desenvolvimento do negócio.

O programa é para pessoas empreendedoras de todo o país que atuam nas áreas de Fintech, Big data & Analytics, Ti & Telecom e buscam apoio para encontrar o Product Market Fit (PMF). Ao longo de três meses, a Darwin proporciona conexões com grandes empresas e foca nas pessoas que fazem o negócio acontecer, apostando em suporte psicológico e no desenvolvimento da liderança dos empreendedores e empreendedoras.

Dentre os critérios que são avaliados no processo seletivo estão: sinergia com os parceiros corporativos do programa, a experiência dos empreendedores e time e, por fim, a maturidade do negócio.

Com sede em Florianópolis, a aceleradora está realizando o processo de seleção e aceleração de forma totalmente remota, desde o ano passado, em função da pandemia de covid-19.

Investimento

As selecionadas recebem um investimento de até R$500 mil por uma participação negociável e também contam com diversos serviços e softwares, como Cloud Service, CRMs e ferramentas de marketing, gratuitos e/ou com descontos exclusivos.

A turma de número 11 é a segunda de 2021. Até hoje a Darwin já acelerou mais de 76 startups e conta com mais de R$17 milhões investidos, além de R$30 milhões em novas rodadas.

As inscrições podem ser feitas pelo site: darwinstartups.com

Tags

Alfa finaliza com sucesso operação de R$ 38 milhões para startup

Consolidando sua expansão no mercado de capitais, o Alfa comunica a realização de mais uma operação de destaque no segmento. A instituição foi a responsável pela coordenação da emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) de cerca de R$ 38 milhões para a empresa FINPEC, primeira fintech do setor pecuário do Brasil. 

Fundada em 2018, a FINPEC vem revolucionando os investimentos na área pecuária por meio de uma estratégia de negócio que alia agro, finanças e tecnologia. Apostando em um modelo de atuação light asset, a companhia usa estratégias inovadoras de diversificação geográfica, remuneração por performance e novas tecnologias de monitoramento dos animais, com uso de câmeras e microchip, para tornar o processo de confinamento e engorda de gado mais seguro e rentável. 

Francisco Perez, diretor de Novos Negócios, responsável pelo Hub de Inovação Alfa Collab e pela área de ESG do Alfa, explica que a FINPEC foi uma das primeiras empresas a participar do programa Alfa Collab, iniciativa de inovação aberta e corporate venture capital do Conglomerado Alfa com foco na realização de negócios com startups que já conta com 13 empresas no programa.

Já o diretor-executivo de Corporate & Investment Banking do Alfa, Augusto Martins, comenta: “Em virtude dessa proximidade, já conhecíamos as inovações que a FINPEC vinha realizando no setor pecuário. Por isso, alinhando a expertise do Alfa na estruturação dessas operações inéditas no mercado brasileiro ao sistema disruptivo e promissor da empresa, já tínhamos plena confiança que a captação por meio do CRA obteria o sucesso”.

E o CEO e sócio fundador da FINPEC, Fernando Sartori, destaca que um dos objetivos principais da empresa é tornar o processo de engorda de bois em confinamento mais sustentável, seguro e rentável para os investidores.

“Estamos obtendo excelentes resultados por meio do uso de inteligência artificial e aplicação de novas tecnologias de monitoramento, o que nos permite acompanhar desde o alimento que é disponibilizado aos animais até o peso de cada boi”, salienta o executivo. “E não tenho dúvida de que isso, aliado ao trabalho desenvolvido pelo Alfa, foi fundamental para obtermos uma captação com esse volume, que é o maior da nossa história”.

Esse novo CRA coordenado pelo Alfa complementa a série de operações inéditas que a instituição vem realizando no mercado. Em julho, o Alfa foi o responsável pela emissão dos Certificados de Recebíveis do Agronegócio efetuada pela multinacional norueguesa de fertilizantes Yara, que totaliza montante superior a R$ 255 milhões.

Ainda em julho, o banco coordenou também a maior emissão de debêntures na história da companhia Copel Distribuição, que alcançou um volume de R$ 1,5 bilhão.

Tags

Parceria com startups e programas de inovação acelera crescimento de empresas

Diversos projetos ganharam destaque no Brasil, como um hub de inovação para conectar startups a operadoras de planos de saúde e iniciativas de inovação aberta da ACATE e RTM

Levantamento recente da plataforma 100 Open Startups aponta que o valor de contratos entre empresas tradicionais e startups saltou 175% entre maio de 2020 e junho deste ano. O dado mostra que é cada vez mais forte a aposta de companhias em parcerias desse tipo para inovar e crescer. No Brasil, diversos projetos ganham destaque, como um hub de inovação para conectar startups a operadoras de planos de saúde e iniciativas de inovação aberta da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e RTM.

Na área da saúde, por exemplo, a healthtech Zitrus possuía uma área interna de inovação desde 2019. Mas, diante da pandemia, percebeu que operadoras de planos de saúde tinham desafios semelhantes e precisavam se adaptar. Por isso, resolveu ampliar a iniciativa e lançou, em agosto deste ano, o Zlabs, hub de inovação para conectar startups, empresas e universidades a operadoras, além de promover a cultura de inovação, acelerar negócios, captar investidores e dar alcance a essas iniciativas. Para atender a demanda, há uma equipe fixa de profissionais que atuam no hub, em Joinville (SC). A iniciativa já conta com 23 Unimeds parceiras e deu origem à empresa TARIC, focada em prontuários eletrônicos e medicina preventiva.

“O objetivo é conectar as dificuldades das operadoras com novas frentes e culturas. Para isso, fazemos conversas com centros de inovação, analisamos o mercado para verificar se alguma startup atende a demanda ou desenvolvemos a solução dentro da Zitrus. E ainda trabalhamos a cultura de inovação e da transformação digital”, explica o CTO da Zitrus, José Guilherme Merchiori.

As interações promovidas dentro de um ecossistema tecnológico trazem benefícios tanto para empresas novas quanto para as que atuam há longa data no mercado. É o caso da RTM, o principal hub integrador do mercado financeiro. A empresa, que é da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) e da B3, conquistou o 5º lugar na categoria Telecomunicações do ranking de líderes em open innovation de 2021, divulgado pela 100 Open Startups. A RTM, desde 2016, desenvolve o Programa Conecta de inovação aberta e, por meio da parceria com a Darwin Startups, que oferece capital, mentores e suporte para o desenvolvimento dos negócios, já apoiou a aceleração de 60 empresas, especialmente fintechs, insurtechs e startups de big data. 

“As mudanças nos setores de TI e telecomunicações acontecem numa velocidade avassaladora, então um ecossistema aberto é fundamental para o futuro das organizações e para construir um mercado financeiro mais dinâmico e ágil. O empreendedor aprimora sua visão de mercado e pode se conectar com os principais players do setor e, por outro lado, nós podemos firmar parcerias para oferecer soluções mais completas”, conta André Mello, CEO da RTM.

Em SC, programa gerou aumento de 42% no faturamento médio de startups

Outra iniciativa de destaque na conexão entre corporates e startups é o Linklab, programa de inovação aberta da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE). Com três espaços físicos em Florianópolis, São José e Joinville, e uma unidade virtual, em Chapecó, a iniciativa permite a participação de empresas que estão distantes geograficamente. “Prova disso é que 54% das startups inscritas em 2020 são de fora de Santa Catarina. Agora, a ideia é expandir ainda mais essa iniciativa, transformando o LinkLab em uma rede nacional, em vários pontos do Brasil”, reforça o presidente da ACATE, Iomani Engelmann.

Desde 2017, o programa apoiou mais de 60 negócios entre startups e corporações, com uma taxa de sucesso de 53%. Além disso, garantiu um aumento de 42% no faturamento médio das startups participantes. No total, mais de 30 grandes empresas nacionais e multinacionais fazem parte da iniciativa, como WEG, AMBEV, Whirlpool, Schulz, Governo do Estado de Santa Catarina, entre outras. 

O Linklab também reforça a comunidade de startups em Santa Catarina, considerada uma das melhores do país, pela Associação Brasileira de Startups e Startup Awards. Outro ponto são as capacitações de novos empreendedores, essenciais para promover a inovação. O Programa de Capacitação Startup SC, promovido pelo Sebrae, é um exemplo disso. Ao longo de oito anos, 1.070 empreendedores e 330 startups foram apoiadas pela iniciativa. 

Segundo Alexandre Souza, gestor do Startup SC, as conexões criadas no ecossistema ampliam as possibilidades de desenvolvimento de novos negócios inovadores. “Para além de capacitações técnicas, as iniciativas promovem compartilhamento de experiências entre pares e conexões valiosas na busca de investimentos e acelerações”, complementa Souza. Como exemplo, em 2021, a parceria Sebrae e Fapesc investirá um montante de R$ 1,25 milhão em startups presentes na 11º turma de Capacitação do Startup SC.

Tags

Startups Wayra abrem mais de 50 vagas em todo o Brasil

A Wayra , hub de inovação da Vivo no Brasil e da Telefónica no mundo, anuncia novas vagas para quem busca oportunidades de emprego no ecossistema de empreendedorismo e inovação. As startups que compõem seu portfólio buscam especialistas para diversos cargos e salários para atuar nas empresas.

Confira as vagas abaixo:

iUpay

A startup que viabiliza a melhor experiência de pagamentos para pagadores e emissores, iUPay , está com 4 vagas na área de desenvolvimento de softwares. A empresa busca candidatos com experiência em design de APIs e conhecimento com banco de dados SQL e NoSQL. O profissional irá escrever e revisar códigos em Go, TypeScript e Python e ajudará a desenvolver um melhor ambiente de continuous delivery, atentando para melhores processos na análise de código fonte e testes em geral. Para se inscrever: vagas@iupay.com.br

Getup

A Getup, está com 1 vaga na área de Operações de Infraestrutura. A empresa busca candidatos com experiência em operação de ambientes com containers docker e orquestração Kubernetes, Programação de scripts (Shell, Python e/ou Ruby, regex) e Capacidade de explicar conceitos técnicos de forma clara. Para se inscrever: https://getup.io/carreiras

RankMyAPP

Referência global em inovação e qualidade focada em estratégia de mobile marketing, como o melhor ranqueamento nas lojas virtuais com App Store Optimization e Campanhas de mídia para aplicativos, a RankMyAPP ocupa o 3º lugar no ranking mundial de agências e/ou empresas que trabalham com ASO. A startup está com 20 vagas para os cargos de: Assistente de Atendimento, DevOps, Supervisor de marketing digital, Desenvolvedor(a) Full-Stack | Pleno – (Remoto) e muito mais. Para mais informações acesse: https://rankmyapp.gupy.io/

Docket

A Docket, startup que realiza busca, gestão e pré-análise de documentos, utiliza tecnologia avançada para otimizar processos jurídicos de empresas de vários segmentos. Para ajudar nesse objetivo, a startup busca novos colaboradores para trabalhar em home office durante a pandemia. São mais de 25 vagas abertas para diversos setores, como Analista de Operações, Desenvolvedor Full Stack, Estágio em Ciência de dados, Videomaker e entre outros. Para mais informações, acesse: https://docket.gupy.io

Tags,

inovabra e 100 Open Startups se unem para democratizar a prática de open innovation no país

Atores de alta relevância no ecossistema de inovação brasileiro, o inovabra e a 100 Open Startups acabam de firmar uma parceria com o propósito de escalar o número de conexões entre empresas e startups, fomentar e estimular o acesso de novos players para a open innovation e potencializar a geração de negócios sustentáveis no ecossistema.

Por meio do acordo, o inovabra – ecossistema de inovação do Bradesco – será o patrocinador oficial e parceiro estratégico da principal categoria do Ranking 100 Open Startups, a TOP 100 Open Startups. Além disso, o Bradesco e suas corporações parceiras também poderão utilizar a plataforma digital da 100 Open Startups para lançamento de desafios de inovação e para ampliar conexões e oportunidades com as startups cadastradas.

Outra novidade é o lançamento da categoria TOP 10 ESG inovabra, que vai reconhecer iniciativas e soluções relacionadas ao meio ambiente, à responsabilidade social e às boas práticas de governança corporativa. As startups premiadas nessa categoria terão direito a se tornarem membros do inovabra habitat, ambiente de coinovação do Bradesco, e ter acesso aos desafios de negócios lançados pelas corporações, além de participar dos eventos de conexão físicos ou remotos.

“A dinâmica do Ranking permanece baseada estritamente em dados gerados e validados, sem subjetividade, interpretações ou previsões. A parceria com o inovabra será uma oportunidade de proporcionar ainda mais reconhecimento e destaque para as corporações e startups premiadas. Queremos que essa união seja um motor para ampliar a visibilidade do ecossistema de open innovation e de soluções que trazem benefícios para a sociedade”, comenta Bruno Rondani, CEO da 100 Open Startups.

O inovabra também será parceiro estratégico da edição de novembro da Open Innovation Week | Oiweek Digital Especial ESG, principal encontro de open innovation do país, promovido pela plataforma 100 Open Startups para troca de conhecimento, cocriação de soluções e geração de negócios em inovação. Durante a semana, serão impulsionadas conexões entre as empresas que buscam soluções habilitadoras de negócios sustentáveis e as startups premiadas da categoria TOP 10 ESG do Ranking.

“A parceria com a 100 Open vai trazer um impulso adicional ao ecossistema que já vem crescendo ano a ano, propiciando a entrada de novas empresas na jornada da inovação aberta. Para o inovabra é uma forma de ampliar o portfólio de soluções maduras que podem ser utilizadas pelo Bradesco ou pelos seus clientes membros do inovabra habitat, principalmente as soluções para a pauta ESG”, afirma o superintendente executivo do Departamento de Pesquisa e Inovação do Bradesco, Fernando Freitas.

Tags

Bossanova Investimentos lança comitê para investir até R$5 milhões em startups com soluções para o segmento de segurança

Para ampliar acesso ao mercado de Venture Capital, projeto “CT Segurança” já está em fase de captação e destinará o montante para até 10 empresas

Com a missão de ampliar o acesso ao mercado de Venture Capital no Brasil, a Bossanova Investimentos, micro venture capital que investe em startups em estágio pré-seed com atuação em todo o país, lança comitê para investir em startups com soluções para o mercado de segurança. Nomeado de “CT Segurança”, projeto terá até R$ 5 milhões para aportar em até 10 empresas inovadoras, escaláveis e que resolvam problemas nesse segmento.

Idealizado em parceria com o maior hub de segurança eletrônica da América Latina – o CT Segurança, o comitê busca por companhias que atuem em diversas vertentes do setor desde segurança eletrônica a patrimonial, buscando oportunidades inovadoras em toda a cadeia como sistemas de alarmes, proteção perimetral, drones, controle de acesso, bilhetagem, vídeo monitoramento, inteligência artificial, portarias remotas, cyber segurança, cidades inteligentes, entre outras.

O projeto será liderado por um time de especialistas e profissionais da área como: Adalberto Bem Haja, CEO da BHC Sistemas de Segurança; Christian Visval, Fundador e Proprietário do CT Segurança; Kleber Reis, Sócio proprietário da Engenharia Segura Consultoria e Representação; Antônio Malheiros, Software Engineering Manager no Mercado Livre; Helcio Binelli, Sócio proprietário da Pgb Security; Cândido Brito, Diretor da Alarm Center; e Mauro Mandeltraub, Fundador e Diretor da Mantra Monitoramento.

De acordo com João Kepler, CEO da Bossanova Investimentos, o objetivo é oferecer todos os recursos necessários para que as startups evoluam e tenham conexões valiosas para atingir novos patamares e conquistarem novas oportunidades de negócios.

“Sabemos que o mercado está bem aquecido. Por isso, buscamos cada vez mais por empresas tecnológicas que solucionem problemas de forma inovadora. Com a aceleração da transformação digital, o segmento de segurança se tornou um meio imprescindível para reduzir a incidência de vulnerabilidades. Esperamos dar todo o suporte financeiro e o nosso know-how para que esses players possam crescer ainda mais”, comenta o investidor.

Startups interessadas podem se inscrever por meio do link: https://bossainvest.com/ct-seguranca/

Tags

Captação em Venture Debt permite Smilink a ter êxito na venda da empresa

A Smilink , startup brasileira que democratiza o acesso à ortodontia de ponta por meio de tecnologia proprietária, recentemente foi adquirida pela Neodent, empresa do grupo suíço Straumann, líder global em soluções odontológicas. Apenas 8 meses antes, a empresa havia recebido um aporte em modelo Venture Debt, realizado pela Brasil Venture Debt , no valor de R﹩ 4 milhões.

Segundo Marcos Boysen, diretor executivo da startup, a modalidade foi escolhida por permitir à startup captar recursos relevantes sem implicar em diluição acionária dos atuais empreendedores e investidores. “A captação por Venture Debt permitiu que a Smilink atingisse um novo patamar e conseguisse esse exit. Com a possibilidade de evitar uma diluição acionária dos atuais empreendedores e investidores, tivemos grandes resultados, como o aumento de 40% da nossa receita, entre janeiro e julho deste ano”, conta o executivo.

Com a possibilidade de expansão, a startup abriu mais 10 centros odontológicos e viu seu quadro de funcionários saltar de 60 para 85, em seis meses. Hoje a Smilink conta com diversas clínicas parceiras em 14 cidades brasileiras.

Os destaques da startup são a inteligência de dados e a padronização de processos, que permitem diminuir custos de ineficiências, melhorar resultados dos tratamentos e oferecer ao paciente uma jornada prática, rápida e previsível. O modelo da empresa facilita que o paciente realize uma avaliação clínica e escaneamento digital 3D com um dentista especialmente treinado e, posteriormente, receba um plano completo de tratamento com o resultado esperado e o tempo de tratamento.

O futuro da startup

Após a aquisição, a Smilink poderá colocar em prática seu plano de expansão. “Estimamos que entre 70% e 80% da população adulta tenha questões em relação à saúde bucal. Nesse cenário, nossa solução ganha relevância por ser eficiente, acessível financeiramente e altamente tecnológica. A chegada do grupo Straumann permitirá que ganhemos mercado e ampliemos nossa cobertura”, finaliza Boysen.

Investimento em Venture Debt

Opção para empresas inovadoras, o Venture Debt é uma modalidade que oferece um produto de dívida customizado. “É uma forma de atender as necessidades das empresas e startups por meio de um produto com juros, garantias e prazos adequados à realidade financeira e operacional de cada negócio, tendo como foco a geração de valor de longo prazo. Com esse tipo de captação, a empresa ganha fôlego para consolidar seus bons resultados, aumentar seu valuation e possibilita negócios maiores, como este com o Grupo Straumann”, conta Gabriela Gonçalves, Managing Partner do Brasil Venture Debt, responsável por este aporte, que conta com fundo de R﹩ 140 milhões dedicado exclusivamente a operações de Venture Debt e possui investidores como BNDES, XP Investimentos, BDMG e Bossa Nova.

Utilizado para complementar os investimentos de equity promovidos por fundos de Venture Capital, o Venture Debt tem o benefício de mitigar a diluição ao longo das diversas etapas de fundraising. Além disso, possui processos ágeis de due diligence e permite que as startups alonguem suas runways, realizando captações em estágio com maior maturidade e valuation .

Apesar de novidade no Brasil, o Venture Debt já é consolidado nos Estados Unidos como uma das principais opções de financiamento para startups. Em 2020, gerou operações da ordem de US﹩ 25 bilhões, cinco vezes mais do que em 2010, de acordo com dados do PitchBook.

Tags

Ambev anuncia 3ª turma da Aceleradora 100+ com 20 startups que apresentaram soluções aos desafios socioambientais da atualidade

A terceira turma da Aceleradora 100+ acaba de ser anunciada! Após o Pitch Day, realizado no final de agosto, Ambev, Quintessa e PPA – Parceiros Pela Amazônia definiram a seleção das 20 startups que passarão por um mês de intensive learning, com executivos, mentores especialistas e fundos de investimento.

A seleção das startups teve como premissa conectar cada um dos seis desafios socioambientais propostos a um negócio:

• Gestão da água: monitoramento e análise de água; conservação e administração de bacias hidrográficas; e/ou tratamento e redução do consumo de água em manufatura e supply chain.
Startups selecionadas: Água camelo, Inspectral, Piipee e TRC Sustentável

• Agricultura sustentável: treinamento, engajamento e suporte a produtores e fazendeiros; qualidade e produtividade da colheita; e/ou outras inovações relacionadas à agricultura.
Startups selecionadas: Doroth e Sumá

• Mudança climática: consumo e monitoramento de energia; soluções alternativas e renováveis para o setor energético; redução, captura e remoção de emissões de CO2; análises financeiras e de gestão para mudanças climáticas; e/ou Logística Verde.
Startups selecionadas: Umgrauemeio e Recigases

• Embalagem circular: reciclagem, reutilização e devolução; materiais alternativos e inovações para embalagens; e/ou rastreabilidade e logística reversa de embalagens.
Startups selecionadas: Bioreset Tecnologia Ltda., IQX, Nova Brasil Ambiental e Residuall

• Ecossistema Empreendedor: valorização de produtos gerados no processo de produção da cerveja; rastreabilidade da cadeia produtiva/fornecimento responsável; incentivo a cadeias produtivas locais/regionais; e/ou diversidade e inclusão na cadeia produtiva.
Startups selecionadas: Afroimpacto, Aterra, Diversidade.io, Gran Moar e Linkana

• Conservação da biodiversidade na Amazônia: bioeconomia; sistemas regenerativos/restaurativos; e/ou cadeias de fornecimento sustentáveis.
Startups selecionadas: ForestWatch, Via Floresta e Vivalá

Após o intensive learning, parte das startups implementará pilotos junto à Ambev e parceiros, com acompanhamento de gestores da Quintessa e Ambev. O resultado dos pilotos serão apresentados para o público no início de 2022, no DemoDay, e o primeiro lugar será premiado com o valor de R$ 100 mil.

Tags

Krilltech representará o Brasil em prêmio internacional de startups da KPMG

A startup Krilltech, atuante no setor de AgTech, é a grande vencedora da etapa Brasil da premiação internacional “Global Tech Innovator 2021”, da KPMG. Com isso, a empresa representará o Brasil na última etapa da competição internacional do prêmio em Lisboa, Portugal, em evento a ser realizado entre 1 e 4 de novembro de 2021. Na ocasião, as representantes de mais de 15 países farão apresentações a especialistas do setor no palco, e uma vencedora mundial será selecionada como a KPMG Private Enterprise Global Tech Innovator 2021. Conduzida pela KPMG, a iniciativa tem o propósito de apoiar startups que atendam a determinados critérios e tenham potencial de progredir nos negócios, ajudando os principais inovadores tecnológicos globais interessados em assumir a liderança do mercado no futuro.

“Estamos muito felizes em anunciar a startup vencedora brasileira, que se diferenciou no uso intensivo de tecnologia para transformar os negócios e a sociedade, sendo capaz de demonstrar como ser escalável em outros países, principalmente da América Latina. A iniciativa é uma excelente oportunidade para a startup selecionada fazer a disrupção acontecer, sendo uma forte candidata para ganhar a premiação mundial. Avaliamos startups com propostas de valor muito interessantes, escaláveis, tecnológicas e que resolvem problemas reais da sociedade. Não foi fácil chegarmos na finalista, diante da qualidade das concorrentes, mas certamente a vencedora da etapa nacional merece a conquista”, afirma Jubran Coelho, sócio-líder da área de Private Enterprise da KPMG no Brasil e na América do Sul.

A startup vencedora da última etapa no Brasil receberá: instalações para sua exposição no Web Summit, incluindo um estande dedicado e em destaque; passagem aérea e hospedagem; plataforma de exposição e credencial para a conferência; apresentação do seu negócio para a mídia antes, durante e após o Web Summit; participação em eventos da KPMG com expoentes dos negócios e CEOs de empresas globais de capital fechado de rápido crescimento. A ganhadora poderá também se conectar ainda mais a um ecossistema global focado em crescimento de negócios, com tecnologias inovadoras, modelos operacionais robustos, capacidade de demonstrar tração em suas atividades e potencial para atingir escala global.

As 10 startups que concorreram nesta etapa apresentaram seus negócios no dia 2 de setembro a um grupo de jurados especialistas do setor e convidados, os quais avaliaram os pitches e definiram a vencedora nacional. Entre as finalistas da etapa nacional, estavam startups atuantes nos seguintes setores: FinTech, Retail Tech, HR Tech, Blockchain, AgTecg, HardTech, Beauty Tech, CleanTech. Cada apresentação foi julgada com pontuação em seis categorias com o mesmo peso: disrupção e inovação; potencial de mercado; adoção do cliente; tração de mercado e marketing; potencial de longo prazo; e qualidade da apresentação (pitch). Os jurados da última etapa no Brasil foram os seguintes: Sandra Boccia (Editora Globo S/A), Lícia Souza (WE Impact), Fernando Lemos (Microsoft), Marcelo Sato (Astella Investimentos), Flavio Pripas (Redpoint eventures), Robson Del Fiol (Inmetrics), Lilian Natal (Distrito), Thammy Marcato (KPMG), Marienne Coutinho (KPMG), Jubran Coelho (KPMG) e Oliver Cunningham (KPMG).

A Krilltech é uma AgTech brasileira que emergiu de uma parceria com a Universidade de Brasília (UnB) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) focada no desenvolvimento de uma agricultura sustentável e de alta produtividade. Por meio dessa parceria, foram desenvolvidas tecnologias que buscam oferecer soluções disruptivas baseadas em Nanotecnologia Verde, de modo a aumentar a produtividade e a qualidade nutricional de cultivares. Com o uso de tecnologia na agricultura e horticultura, o objetivo da startup é melhorar o rendimento, a eficiência e a lucratividade do produtor.

Tags

Startup do inovabra habitat é adquirida por empresa de capacitação e comunicação interna

As empresas sabem que para o sucesso dos negócios é fundamental manter os seus colaboradores bem treinados e informados. Mas em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e ambiente de negócios dinâmico, é preciso garantir que seus esforços de comunicação e treinamento sejam não apenas eficazes, mas também tenham um retorno positivo sobre o investimento. Nesse sentido, a aquisição da Hondana, pioneira em microlearning, pela Wunder, aplicativo de capacitação e comunicação interna, confirma a visão de que o conhecimento dos funcionários é a ferramenta mais eficaz para alavancar o desempenho dos negócios.

A Wunder, ferramenta que está ajudando dezenas de empresas a melhorar seus resultados fornecendo conteúdos em microlearning com gamificação. O fundador da Hondana, Greg Bateman, destaca que a missão da startup se alinha perfeitamente com a Wunder para transformar conhecimento em resultados de negócios mensuráveis. “Eu não poderia estar mais animado em ver a equipe Wunder ajudar milhares de funcionários da linha de frente a se aprimorarem e alcançarem um desempenho melhor”, conta.

Ele ressalta que grande parte do sucesso da Hondana e dessa aquisição é resultado da dedicação dos colaboradores, usuários engajados, clientes fidelizados e relacionamento próximo com parceiros de inovação como o inovabra habitat, ambiente de coinovação do Bradesco. “Hoje, as empresas de sucesso entendem que o acesso ao conhecimento é importante em todos os níveis de uma organização. O inovabra habitat nos possibilitou o acesso ao Bradesco e grandes corporações habitantes, sendo um catalisador para realmente desbloquearmos a Transformação Digital em maior escala”, explica Bateman e reforça que a Wunder vai continuar sendo habitante do espaço “com o objetivo de manter os relacionamentos criados pela Hondana e seguir gerando bons negócios”.

Ao adquirir a Hondana, a Wunder ganha a valiosa experiência no aumento de desempenho dos negócios em até 73% para empresas globais como Heineken e Stellantis. Isso promove a estratégia da Wunder em envolver os funcionários da linha de frente com conteúdos mensuráveis. “Estamos muito felizes por unir forças com a Hondana. Nosso momento não poderia ter sido melhor, pois as empresas e os funcionários estão se reinventando para uma economia pós-pandemia”, disse Nils Kauwertz, CEO da Wunder.

Bateman reforça que em 2016, quando a Hondana iniciou suas atividades, os esforços de aprendizagem e desenvolvimento corporativo estavam focados quase exclusivamente na gestão e confinados em uma sala de aula física. “Isso está mudando nos últimos anos e é ótimo fazer parte dessa transformação. A Wunder adquirir a Hondana é um símbolo dessa mudança e que nos possibilita ver um futuro brilhante para todos os funcionários, independentemente de onde eles se encontrem no organograma ou no mundo”, finaliza.

Tags

Sky.One participa do SAP NOW Brasil com o objetivo de auxiliar as empresas na transformação digital

A Sky.One , startup especializada no desenvolvimento de plataformas que automatizam e facilitam o uso da computação em nuvem, será um dos destaques no evento SAP NOW Brasil 2021. Com data marcada para os dias 14 e 15 de setembro, a 26ª edição do evento será 100% digital e gratuita. Este ano, o tema central será “Empresas inteligentes em rede em um mundo em transformação”.

A participação da Sky.One tem como objetivo debater os principais benefícios da jornada para nuvem e auxiliar as empresas de todos os portes a inovarem na era da transformação digital por meio de soluções inovadoras. “A possibilidade de interagirmos diretamente com a própria SAP nas diversas trilhas de conhecimento e painéis é de extrema importância para entendermos o que está por vir nas diferentes aplicações que hoje apoiamos nossos parceiros e clientes. Isso ajuda a Sky.One a estar sempre preparada e a andar na mesma direção da transformação e disrupção digital que a SAP está trazendo ao mercado”, explica o Gerente de Vendas Latam da Sky.One e um dos palestrantes do evento, Guilherme Goulart.

Patrocinadora do evento e da trilha sobre Tecnologia e Plataforma, a Sky.One contará com quatro palestras no primeiro dia de apresentações, as quais contemplarão diversos debates, desde a transformação digital nas empresas até as possibilidades de implementar serviços financeiros na nuvem.

Entre os palestrantes estão: Roberto Arruda, Chief Revenue Officer da Sky.One; Ben-Hur Garcia, Gerente Comercial da Sky.One; Guilherme Goulart, Gerente de Vendas Latam da Sky.One; Caio Klein, Co-fundador e CPO da Sky.One e Leonardo Costanza, Diretor de Inovação e Novos Negócios da Sky.One.

Para participar do SAP NOW Brasil 2021 e conferir todas as palestras ministradas pelos especialistas da Sky.One, basta clicar aqui e preencher o formulário de inscrição.

Serviço – SAP NOW Brasil 2021
Data: 14 e 15 de setembro de 2021
Site e Link para Inscrição: https://sapnow.com.br/

Tags,

Via anuncia investimentos em startups de finanças

Helisson Lemos, Chief Innovation Officer (CINO) / Marketplace da Via

A Via anunciou investimentos nas fintechs GoPublic, Poupa Certo e byebnk, que oferecem diversos serviços, tais como soluções de crédito, pagamento, gestão e educação financeira, incluindo criptomoedas. Os investimentos são em startups em estágio inicial de atuação, de modo que a contribuição e geração de valor para o ecossistema da Via deve ficar mais evidente no longo prazo, mas contribuirão para acelerar a transformação digital da companhia e auxiliarão na busca de soluções inovadoras para melhorar a experiência do cliente em toda a sua jornada de compra e relacionamento.

Com os aportes, a dona de marcas como Casas Bahia, Ponto, Extra.com e banQi inicia o programa Via Next, desenvolvido em parceria com a Distrito. Faz parte da estratégia do Via Next investir até R$ 200 milhões em startups pelos próximos 5 anos, por meio de Corporate Venture Capital (CVC). Os investimentos anunciados hoje foram feitos no formato convertible debt (o valor investido entra como um empréstimo que pode ser convertido futuramente em ações).

A GoPublic oferece um ecossistema de soluções Software as a Service (SaaS) modular para facilitar a jornada de crédito e pagamentos, focado no comportamento do cliente e no fluxo do crédito, com maior eficiência no uso de dados e maior utilização de algoritmos de alta precisão.

A Poupa Certo, que também opera no Peru, no Chile, na Guatemala e no México, é uma plataforma de gestão e educação financeira que oferece uma experiência totalmente digital com estratégia de gamificação para jornadas de educação financeira customizadas.

A byebnk é uma plataforma de gestão de investimentos em criptomoedas que busca possibilitar aos seus clientes/usuários a realização de investimentos em ativos tradicionais por meio da chamada “tokenização” (transformação de ativos financeiros em criptomoeda) e também tem como propósito oferecer serviços de educação financeira aos brasileiros.

“O investimento da Via Next nessas três fintechs nos permite ganhar velocidade e fortalecer o ecossistema financeiro para nossos clientes, consumidores e para os lojistas do nosso marketplace”, afirmou Helisson Lemos, CINO/ Marketplace da Via. “São investimentos com retornos financeiros ou impacto em nosso ecossistema no longo prazo, mas estamos animados com a possibilidade de interagir com elas a partir de agora para acelerar a velocidade da nossa transformação”, conclui.

A companhia afirma que há ainda diversas oportunidades para encurtar caminhos e destravar valores em seu ecossistema, além de gerar negócios que vão além do varejo.

As três startups têm casos de uso já mapeados e em construção com a carteira digital banQi e a fintech Celer. Sempre plugadas ao banQi ou à Celer nas jornadas de banking e payments, propiciarão novas oportunidades aos sellers do Marketplace – tais como pagamentos, gestão financeira e dos seus negócios e acesso a crédito – e aos entregadores integrados à ASAPlog, bem como para outras opções idealizadas – e que oportunamente serão divulgadas.

Tags

Startup Invest Summit irá investir R$ 15 milhões em até 50 startups brasileiras

Iniciativa do Sebrae e Bossanova Investimentos encerra o período de inscrições no dia 10 de setembro. Das centenas de startups já inscritas, 74% nunca receberam investimentos.

O Startup Invest Summit, iniciativa que investirá R$ 15 milhões em até 50 startups de todo o Brasil, encerra o período de inscrição em 10 de setembro. Em busca da ampliação do ecossistema empreendedor em todas as regiões do país, a ação, inédita no país, foi criada em parceria pelo Sebrae, principal entidade de fomento ao empreendedorismo do Brasil, e Bossanova Investimentos, micro venture capital que investe em startups em estágio pré-seed com atuação em todo o país, responsável pelo investimento. Não há custo para inscrição, que deve ser feita pelo site: www.startupinvestsummit.com.br. Os negócios mais bem avaliados seguirão para a etapa seguinte: apresentação do pitch durante o evento Startup Summit 2021, nos dias 14 e 15 de outubro, que ocorrerá em formato híbrido. Ao longo dos dois dias de evento, as bancas avaliadoras divulgarão a seleção de até 50 startups brasileiras e a quantia que receberão. 

De acordo com João Kepler, CEO da Bossanova Investimentos, a iniciativa tem como premissa buscar por modelos de negócios inovadores B2B ou B2B2C, que sejam digitais e escaláveis. “A Bossanova tem como missão, democratizar o acesso ao investimento em todo o país. Acreditamos que o Startup Invest Summit é a grande oportunidade para ajudar empreendedores a receberem investimentos de investidores altamente capacitados e com know how para dar todo subsídio necessário para que as startups evoluam e tenham conexões valiosas para atingir novos patamares e conquistarem novas oportunidades de negócios”, explica.

Outra característica alvo do Startup Invest Summit são negócios com faturamento mínimo de R$ 20 mil mensais e que estejam em rodada de capacitação no estágio pré-seed ou seed. Entretanto, das centenas de inscritas até o momento, 74% nunca receberam nenhum aporte, porcentagem que corrobora o dado da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) de 2020, que apenas 26,2% das startups brasileiras receberam algum investimento ou incentivo financeiro desde sua fundação. Sobre o tempo de criação, os dados parciais apontam que, aproximadamente, 40% já têm mais de 24 meses e que 79% estão nos estágios de primeiros clientes (40,46%) e crescimento de vendas (39,32%).

Inscrições por região

Mesmo com inscrições abertas para todo território nacional, o sudeste ainda é a região-origem de 48,43% das submissões, seguido pelo Sul (28,77%), Nordeste (13,11%), Centro Oeste (7,41%) e Norte, com 2,28%. De acordo com o “Global Startup Ecosystem Index Report” de 2021, o Brasil ocupa a 24ª posição deste ranking mundial, feito a partir de três critérios: quantidade, qualidade e ecossistema de negócios. São Paulo é uma das principais cidades deste ecossistema brasileiro, com 13 dos 20 unicórnios do país. No caso dos dados parciais sobre as inscrições do Startup Invest Summit, a discrepância entre as regiões também recai sobre São Paulo, que possui o maior número de submissões à iniciativa. 

A descentralização e criação de novos centros de inovação para além da capital paulista é um dos objetivos da iniciativa, que pretende selecionar modelos de negócios de todas as regiões do país. Segundo Bruno Quick, diretor técnico do Sebrae, essa característica torna o Startup Invest Summit ainda mais inédito. “Pretendemos tornar esta iniciativa na maior ação de investimentos em startups já realizada no país. Queremos conhecer e fortalecer as startups que fazem diferença em todas as regiões brasileiras e impactam todo o ecossistema de inovação nacional”, ressalta.  

Avaliação dos negócios

As startups inscritas passam por um processo de avaliação, com entrevistas feitas por um comitê especializado, que analisa nove pilares do negócio: time, perfil, escalabilidade, produto, modelo, marketing, mercado, vendas e financeiro. As empresas mais bem avaliadas serão divulgadas no dia 25 de setembro e passam para a última etapa, a apresentação em vídeo do pitch. Esta fase final acontecerá durante o evento Startup Summit, no dia 14 e 15 de outubro, que acontecerá de forma híbrida — presencial com entrada paga e digital com acesso gratuito. Ao longo dos dois dias de evento, os vídeos de apresentação das empresas serão avaliadas por 10 bancas de investidores, que definirão até 50 startups a serem investidas, assim como os valores do investimento. 

“O Startup Summit está consolidado como um dos maiores eventos do ecossistema de inovação do país. Ao apresentar os pitchs finais do Startup Invest Summit e o anúncio dos vencedores durante o evento, buscamos unir as duas iniciativas para potencializar e fortalecer ainda mais as startups brasileiras. E esse trabalho tem sido uma prioridade do Sebrae nos últimos anos”, comenta o diretor técnico do Sebrae/SC, Luc Pinheiro.

Tags

inovabra habitat atrai startups internacionais

Sempre em busca de expandir os horizontes e gerar novos negócios de valor, o inovabra habitat, ambiente de coinovação do Bradesco, tem feito parcerias de sucesso com startups internacionais que oferecem soluções para diferentes setores. WhyWaste (Suécia), Crowdform (Reino Unido), Colorkrew (Japão) e Clara (México) inauguraram recentemente seus escritórios no inovabra habitat, todos como sua primeira filial na América Latina. Já GoalPlan (Suécia) e Austin Labs (Estados Unidos) aproveitaram o recém-lançado modelo “conectado” do inovabra habitat para se juntarem de forma remota ao ecossistema.

“Com essa diversidade na origem das startups, a conexão e a troca de experiências é mais rica. Afinal, isso nos possibilita ver diferentes formas de investimento, funcionamento de mercados, cultura e desenvolvimento de soluções. O nosso objetivo é ampliar o portfólio do habitat para atender às demandas de inovação das corporações e do próprio Bradesco”, comenta a head do inovabra habitat, Renata Petrovic.

A Goalplan oferece uma solução de plataforma digital (SaaS) para organização de vendas e serviços em todo o mundo. O aplicativo possibilita a visualização centralizada e em tempo real de todos os KPIs gerados através de diferentes fontes de dados, melhor comunicação, maior comprometimento e acesso compartilhado a metas e resultados. O CEO da startup, Markus Täkte, explica que as empresas da Suécia têm uma longa história no Brasil e a Goalplan é mais um exemplo de como a tecnologia sueca e o empreendedorismo brasileiro se encaixam. “O vasto país, o ambiente vibrante de negócios e a necessidade de ferramentas digitais tornam o Brasil uma oportunidade perfeita para nós. Nosso objetivo é unir forças com o inovabra habitat, tornando-nos um membro ativo na comunidade, na esperança de nos alinharmos com clientes e parceiros para facilitar a digitalização das empresas brasileiras”, comenta Markus.

Outro exemplo é a WhyWaste, que foi pioneira no uso de inteligência artificial e big data como ferramentas de auxílio na gestão de vencimentos de produtos e com uma atuação que atende às práticas de ESG, que vem do inglês Environmental, Social and Governance, ou seja, Ambiental, Social e Governança (ASG, em português). A startup, que também é de origem sueca, ajuda o varejista a estabelecer regras e alertas de monitoramento de seus prazos de validade. No Brasil, a WhyWaste é a única empresa com sistemas já validados e escaláveis, bem como produtos, profissionais e experiência para atender grandes clientes, tendo alcançado números muito expressivos.

A japonesa Colorkrew funciona como uma rede social corporativa com foco na gestão de OKRs (Objectives and Key Results ou Objetivos e Resultados-Chave), entregando a exposição necessária aos funcionários para que possam compartilhar as conquistas das metas da empresa. Se por um lado as organizações ganham com os melhores resultados, os colaboradores buscam se expor e, consequentemente, crescer na empresa.
Já a Crowdform atua como uma agência de desenvolvimento de produtos e serviços digitais que combina estratégia, tecnologia e design para uma ampla gama de negócios, desde startups até grandes organizações espalhadas pelo mundo.

A Austin Data Labs está revolucionando a forma como Cadeias de Suprimentos complexas capturam oportunidades de margem através de aplicativos configurados em sua plataforma ScAIcloudⓇ. Utilizando Inteligência Artificial, Ciência de Dados e um time de ex-executivos da Indústria, a empresa direciona seus clientes a decisões mais lucrativas suportando processos de Planejamento de Demanda, Otimização da Produção e Revenue Management.

A Clara, última a se juntar ao ecossistema do inovabra habitat, é uma fintech cujo objetivo é facilitar a gestão de gastos corporativos para empresas em rápido crescimento. Os seus primeiros produtos são uma plataforma de controle de despesas e cartões de crédito corporativos. Para Layon Costa, responsável pelas operações da Clara no Brasil, se tornar habitante vai contribuir muito para a geração de novos negócios no país e estimular ainda mais o desenvolvimento da startup. “A Clara é a solução de pagamentos ideal para empresas que estão crescendo em ritmo acelerado, portanto esse é o habitat natural para nossa equipe. Temos plena convicção de que essa colaboração alavancará o crescimento ainda mais rápido de nossas operações em terras brasileiras e será o início de uma parceria frutífera”, destaca.

“Desenhamos um modelo que pudesse abranger empresas de diversos setores e de qualquer lugar do mundo, mesmo que remotamente. Hoje, o inovabra habitat conta com cerca de 200 startups e 73 corporações. Dessas, 44 empresas são conectadas, o que permite a ampliação do nosso portfólio de demandas por soluções inovadoras e potencialização da geração de negócios”, completa Renata.

Tags