Author admin

CI&T e IGTI anunciam a última semana de inscrições para programa gratuito de formação em TI para PCDs

Há 27 anos, com o propósito de prover a aceleração do impacto nos negócios por meio de soluções digitais completas, nasceu a CI&T. A multinacional especializada em transformação digital para grandes marcas globais e referência em gestão e formação de pessoas lançou, em parceria com o Instituto de Gestão em Tecnologia da Informação (IGTI), um programa gratuito de formação em TI exclusivo para pessoas com deficiência, cujas inscrições podem ser realizadas somente até 24 de janeiro neste site.

Ao todo, são 500 bolsas de estudo para o curso 100% online, com aulas ao vivo e gravadas voltadas a alunos de todo o Brasil. Podem participar pessoas acima de 18 anos que tenham completado o ensino médio e não é necessário conhecimento prévio na área de tecnologia.

O bootcamp ensinará conceitos e práticas para iniciantes em desenvolvimento de software por meio da utilização das principais ferramentas do mercado: Java, SpringBoot no Back End e Angular no Front End. 

Os participantes também terão a chance de aprender sobre interface de navegação e ferramentas de interação com o usuário, bem como realizar planejamento, criação, implementação e manutenção da estrutura que forma a base de um site. Ao fim do curso intensivo, o aluno estará habilitado para construir páginas na web e atuar com desenvolvimento de software.

“Neste ano, o setor de TI continuará sendo um potente motor econômico e, consequentemente, impactará na alta demanda e procura por profissionais capacitados”, explica Ana Paula Fraga, gestora de Diversidade, Inclusão e Responsabilidade Social da CI&T.

Segundo a IDC, uma das principais empresas de pesquisa, análise e consultoria do setor de TIC, o crescimento do mercado de TI será de aproximadamente 9,4% em 2022.

Oportunidades de trabalho na multinacional

Além da qualificação, o projeto oferece oportunidades de trabalho remoto ao final do bootcamp. A CI&T também promove uma série de ações de sustentabilidade e inclusão. O compromisso da multinacional brasileira é impulsionado por uma visão compartilhada de criar oportunidades de avanço equitativas, fornecer experiências de desenvolvimento educacional e de força de trabalho para grupos sub-representados e reduzir o impacto ambiental para criar um mundo sustentável onde todas as pessoas prosperem.

Em 2021, a CI&T se desafiou a construir uma cultura cada vez mais forte e trabalha hoje no projeto Employee Value Proposition (EVP) com a finalidade de oferecer uma proposta de valor que gere cada vez mais incentivo para suas pessoas. A companhia ocupa o quinto lugar entre as grandes empresas multinacionais no Brasil, no ranking GPTW.

A CI&T também tem adotado uma série de medidas que reforçam o comprometimento de suas ações voltadas à responsabilidade empresarial. Em 2018, a empresa foi premiada na ONU e recebeu o Prêmio Reconhecimento Global “Boas Práticas de Empregabilidade para Trabalhadores com Deficiência – 2018”, com destaque na categoria “Protagonismo” por um de seus programas: o Instituto CI&T.

“Com o curso gratuito para pessoas com deficiência, queremos oferecer oportunidades de trabalho equitativas para todos. Nosso objetivo é a formação qualificada na área para que os profissionais estejam aptos a atuar imediatamente no mercado de TI, que é um dos mais promissores da atualidade”, afirma Fraga. “O bootcamp foi desenvolvido para oferecer todo o suporte necessário para que eles foquem exclusivamente no aprendizado.”

Bootcamp CI&T Next Gen Desenvolvimento de Software
Curso online e gratuito para pessoas com deficiência

500 vagas
Inscrições até 24 de janeiro de 2022
Início das aulas em 27 de janeiro de 2022
Duração de 2 meses

O regulamento completo e mais informações sobre as inscrições e o processo de seleção estão disponíveis em: 

http://www.igti.com.br/bootcamp/desenvolvedor-ciandt

InovAtiva oferecerá mais de 1800 oportunidades de aceleração e conexão para empreendedores em 2022

Neste ano, o InovAtiva, política pública de apoio ao desenvolvimento do empreendedorismo inovador no Brasil, ampliará ainda mais seu alcance, oferecendo um robusto portfólio de oportunidades gratuitas para empreendedores de todo o país, em diversos setores e estágios de maturidade. O hub InovAtiva é realizado pela Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e executado pela Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI).


O InovAtiva promove programas e iniciativas voltadas para a aceleração de projetos e negócios inovadores e para a conexão entre empreendedores e investidores, totalizado 1806 oportunidades em 2022. Destas, serão 1.450 vagas nos programas de aceleração InovAtiva Brasil, InovAtiva de Impacto Socioambiental e Ideaiz — Powered by InovAtiva. Além disso, serão 366 oportunidades de conexão no âmbito dos eventos do InovAtiva Conecta (veja o calendário completo no final do texto).


“O conjunto de programas e ações realizados pelo InovAtiva terá ainda mais representatividade em 2022, impactando empreendedores em todos os níveis de maturidade. Nossas ações para este ano visam a fortalecer e ampliar o alcance do InovAtiva, por meio de um número expressivo de oportunidades e atendimentos oferecidos gratuitamente pelos programas de aceleração e pelo InovAtiva Conecta. Nossa missão é impulsionar o ecossistema apoiando o desenvolvimento e o fortalecimento do ambiente de negócios inovadores em todo o país”, afirma Carlos Da Costa, Secretário Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME).


Somente no ano passado, nos programas de aceleração InovAtiva Brasil e InovAtiva de Impacto Socioambiental, 680 startups foram aceleradas e, destas, 305 foram conectadas diretamente a investidores. Já para o Ideiaz – Powered by InovAtiva foram atendidos 415 projetos em fase de ideação.

Calendário de Oportunidades


InovAtiva Brasil


Maior programa de aceleração de startups da América Latina, o InovAtiva Brasil terá dois ciclos em 2022, oferecendo até 380 vagas por ciclo, com as inscrições abertas a partir de 1o. de fevereiro. Trata-se da ação mais abrangente do hub, que vai selecionar negócios de variados segmentos de atuação, nas fases de validação, operação ou tração. Uma grande novidade no programa é que, durante todo o ano, serão oferecidas também sessões de mentorias coletivas semanais abertas a qualquer interessado, mesmo que não esteja participando dos programas.


Os ciclos do InovAtiva Brasil duram quatro meses e são divididos em duas etapas: Aceleração e Conexão. Na primeira etapa, até 380 startups têm acesso a atividades de mentorias individuais e coletivas com especialistas do mercado. Ao final desse período, é realizado o evento InovAtiva Day, que encerra a etapa Aceleração com uma agenda de palestras e painéis voltados à temática empreendedora e com o treinamento de pitch exclusivo aos participantes do ciclo.


Na sequência, até 160 empreendedores seguem para a etapa Conexão, onde recebem mais um pacote de mentorias para o desenvolvimento de seus negócios. Ao final, é realizado o InovAtiva Experience, evento que encerra totalmente o ciclo com o Demoday — momento em que as startups apresentam suas soluções para investidores.

Novidade no InovAtiva de Impacto Socioambiental


A partir deste ano, o InovAtiva de Impacto Socioambiental, que até agora era realizado uma vez ao ano, foi expandido para dois ciclos anuais. As inscrições para o primeiro ciclo de 2022 também têm início no dia 1o. de fevereiro. Serão selecionados até 40 negócios inovadores por ciclo, focados em soluções de impacto socioambiental, que receberão mentorias e capacitação focada em negócios de impacto. O programa possui a mesma estrutura do InovAtiva Brasil: dividido em duas fases – Aceleração e Conexão – e a oportunidade de apresentação das soluções para investidores focados em startups com soluções para questões sociais e ambientais no Demoday, durante o InovAtiva Experience.

Ideiaz – Powered by InovAtiva.


Para atender aos empreendedores que possuem projetos ainda em fase de ideação, o hub promove o Ideiaz – Powered by InovAtiva, executado pela ANPROTEC. A iniciativa visa a dar suporte no desenvolvimento de ideias para que elas possam se tornar novos negócios, por meio do atendimento gratuito de incubadoras e aceleradoras de todo o país. Serão até 610 oportunidades, divididas em dois ciclos de dez semanas de imersão 100% online. As inscrições para o primeiro ciclo abrem a partir de 15 de março no site do InovAtiva.


“O InovAtiva, neste ano, continua com a missão de democratizar cada vez mais a inovação, levando conhecimento e conexões para startups de todo o país. As diversas ações do programa contribuem para o alcance desta missão, posicionando o programa como um dos mais relevantes do ecossistema” afirma o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick.


Eventos dos programas e InovAtiva Conecta


Além dos já consagrados InovAtiva Experience e Inovativa Day, a novidade para o ano é o InovAtiva Conecta. As ações têm o objetivo de gerar oportunidades e fortalecer interações entre startups, investidores, grandes empresas, fundos de investimento, potenciais parceiros de negócios e clientes.

Serão 10 Rodadas de Negócios, 12 Demodays Online e 8 Laboratórios de Open innovation.


Os Demodays Online são eventos virtuais temáticos em que startups apresentam o pitch de sua solução a potenciais investidores e outros parceiros de negócios. Podem participar startups com soluções validadas e que buscam investidores, fundos, investidores-anjo, aceleradoras, médias e grandes empresas que desejam investir em startups.


O InovAtiva Lab reúne eventos de capacitação e conexão de startups e médias e grandes empresas para inovação aberta.


Já as Rodadas de Negócios são eventos nos formatos de encontros rápidos (speed dating) em que startups apresentam suas soluções para potenciais clientes. As Rodadas de Negócios são destinadas a startups com soluções validadas e a outras organizações interessadas em realizar negócios com startups.

Será promovido, ainda, o InovAtiva Day, aberto ao público externo, com uma parte exclusiva às startups participantes dos ciclos de aceleração. Os eventos do InovAtiva Day estão previstos para ocorrer em 11 de junho e em 8 de outubro. 


Já o InovAtiva Experience é o evento de encerramento da etapa Conexão dos ciclos, em que as startups têm a oportunidade de apresentar suas soluções para a maior banca de investidores do país. O evento também oferece uma parte das suas atividades para participantes externos. O InovAtiva Experience está previsto para acontecer de 30 de julho a 8 de agosto no ciclo 2022.1, e de 26 de novembro a 5 de dezembro no ciclo 2022.2.

Tags

SumUp tem 44 vagas abertas no Brasil

A SumUp, empresa de tecnologia para soluções financeiras, está com 44 vagas abertas em sua operação brasileira. Deste total, 21 oportunidades são destinadas a profissionais de tecnologia, das áreas de engenharia, produto e design.

Vale destacar que algumas posições são remotas e podem ser preenchidas por profissionais de todo o Brasil. As pessoas interessadas podem se candidatar na página de Carreiras da SumUp.

A fintech oferece diferenciais importantes para os SumUppers, como são conhecidos os seus colaboradores. Além de um pacote de benefícios competitivo, eles têm direito a uma verba anual de até R$ 10 mil para investir em capacitação e desenvolvimento profissional.

Os SumUppers de engenharia, produto e design têm ainda rituais que estimulam a criatividade e a criação de soluções disruptivas, como o Hack Day, que ocorre quinzenalmente, às sextas-feiras, e é um dia livre para o colaborador fazer o que quiser. Há ainda uma semana, todos os anos, em que profissionais alocados no mundo todo se juntam para criar e executar projetos.

“A SumUp continua expandindo sua operação no País e na América Latina. Para isso, precisamos atrair novos talentos em diversas áreas, principalmente nas de engenharia, produto e design. Esperamos contratar profissionais capacitados que queiram crescer junto conosco”, afirma Daniella Barbosa, líder de aquisição de talentos da SumUp.

Tags

7Stars Ventures investe na Alfred Delivery para expansão do negócio

Segundo um relatório de Transformação Digital na América Latina, o segmento de entregas movimentou um total de US$ 72 bilhões no último ano. De olho nas tendências desse mercado, a 7Stars Ventures, holding de investimentos, investiu na plataforma Alfred Delivery, startup de logística de last mile delivery, expressão em inglês que designa o momento em que o produto sai da loja ou do centro de distribuição até a casa do consumidor. 

A partir do aporte que tem o objetivo de contribuir na estrutura de capital e gestão necessária para o crescimento da startup, a holding passa a ter participação de 51% na marca. “É importante ressaltar que não estamos entrando com um recurso financeiro apenas para acelerar o negócio. A nossa intenção é promover uma troca de conhecimento estratégico entre as equipes a fim de elevar o nível de amadurecimento da empresa”, diz Daniel Abbud, sócio-fundador e CEO da 7Stars Ventures. Ao todo, o Alfred Delivery está presente em 160 cidades e em mais de 13 mil estabelecimentos comerciais ao redor do Brasil. 

Startup agro é selecionada em programa de aceleração internacional

A agtech Adroit está entre as selecionadas do SP Global, o Programa de Aceleração para Internacionalização de startups Paulistas, iniciativa da InvestSP em conjunto com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo. A ideia é prepara-las para o mercado internacional, o que fortalece a estratégia do Governo do Estado em buscar novos parceiros comerciais e tornar as empresas locais mais competitivas.

Das mais de 100 startups inscritas, foram selecionadas 10, que se enquadram como retailtechs, fintechs, edtechs, agtechs e foodtechs, com base na área de atuação de cada uma. “O Estado de São Paulo é o principal hub de inovação brasileiro, tanto que a maior parte dos unicórnios do Brasil nasceu aqui e o apoio da InvestSP deve ser decisivo para que as startups tenham um crescimento”, afirmou, Gustavo Diniz Junqueira, presidente da InvestSP.

De acordo com Luiz Filipe Olivan, responsável pela expansão internacional da empresa, estar nesse top 10 é uma conquista muito grande. “Ter o apoio e o reconhecimento do Governo do Estado e da InvestSP no que diz respeito em poder exportar para outros países os resultados de uma tecnologia brasileira nos deixa muito felizes. Somado a isso, poder ter acesso a um programa de capacitação direcionada, com mentoria e abertura de mercado, certamente facilitará nossa expansão e crescimento de forma mais assertiva”, diz.

O programa

O SP Global está estruturado em três fases: capacitação, imersão e scaling-out. Na primeira etapa, os empreendedores recebem informações e conhecimento para aprimorarem seus modelos de negócio, inclusive com mentorias para a realização de análises de mercado, que permitirão definir qual país deve ser o principal foco das ações.

Na fase da imersão, serão feitas reuniões com players dos mercados alvos para validar ideias e criar uma rede de contatos, o que permitirá identificar forças e oportunidades e avançar no desenvolvimento do plano de internacionalização.

Por fim, na etapa de scaling-out, a startup coloca este plano em prática com acompanhamento e suporte contínuo da InvestSP para garantir que o negócio cresça de forma estruturada.

Internacionalização

O processo de internacionalização visa garantir que as startups selecionadas no programa conquistem um dos seguintes mercados-prioritários: Alemanha, França, Reino Unido e Península Ibérica (Portugal e Espanha). Para Olivan, poder acessar principalmente a região da Península Ibérica será muito importante para a Adroit.

Isso porque essa região tem um papel relevante dentro da citricultura no mercado europeu, motivo pelo qual em 2019 os diretores da empresa realizaram uma visita em um produtor na região de Sevilha. Ainda segundo ele, apesar das técnicas e condições de plantio apresentarem características distintas, bem como a extensão das áreas plantadas serem menores do que as verificadas no Brasil, as informações coletadas pela tecnologia Leafsense poderão auxiliar os produtores europeus. “Podemos ajudar em decisões que envolvem o ponto de colheita, calibre e maturação dos frutos, possibilitando assim maiores ganhos de produtividade naqueles pomares”, finaliza o diretor.

Twitter aponta tendências para oito setores da indústria de acordo com análise de parceiros oficiais

Relatório Birdseye traz oportunidades para as marcas nos setores de Tecnologia, Finanças, Esportes, Alimentos, Bebidas, Saúde, Mídia e Entretenimento e Cuidados Pessoais

O Twitter lança hoje, dia 19, a primeira edição do Relatório Birdseye. Produzido com o apoio de parceiros oficiais da plataforma globalmente, o relatório traz dados e análises de especialistas em oito setores da economia – Tecnologia, Finanças, Esportes, Alimentos, Bebidas*, Saúde, Mídia e Entretenimento e Cuidados Pessoais.

Os consumidores vão ao Twitter para falar sobre suas experiências, as mudanças na maneira de fazer negócios e os produtos que lhes interessam. Para ajudar as marcas a conhecer as prioridades dos consumidores e garantir que suas estratégias estejam alinhadas com a conversa pública, oito parceiros oficiais do Twitter analisaram conversas da plataforma sobre diferentes setores e utilizaram suas melhores soluções para identificar tendências e percepções ​valiosas para estas indústrias globalmente. Entre os parceiros estão Black Swan Data, Brandwatch, Hootsuite, ListenFirst, Meltwater, NetBase Quid, Sprinklr e Talkwater.

Veja alguns destaques do relatório sobre as conversas no Twitter:

Tecnologia: Ética Digital, Individualidade Cibernética e Metaverso dominaram a conversa sobre tecnologia.


Finanças: Menções a “Crypto” no Twitter aumentaram 549% em 2021.


Esportes: Tweets sobre NFTs no mundo dos esportes aumentaram 306,5% durante o segundo semestre de 2021.


Alimentos: Conversas em torno da nostalgia de doces e chocolate cresceram 55% entre janeiro e outubro de 2021.


Saúde: As menções mensais a “saúde mental” cresceram 44,7% de 2019 a 2021.


Mídia e Entretenimento: Com o crescimento do entretenimento coreano, houve um aumento de mais de 31,2% em conversas mencionando K-dramas de janeiro a novembro de 2021.


Cuidados pessoais: Entre as tendências para cuidados pessoais, houve um aumento 55% no número de Tweets mencionando “natural” e “orgânico” de outubro de 2020 a outubro de 2021.


Bebidas*: Comentários sobre bebidas com pouco ou sem álcool cresceram em 20% de 2020 para 2021 nos EUA, mostrando que marcas e consumidores têm apostado nessas novas experiências.


O relatório completo está disponível para download aqui.

*Conversas analisadas sobre o setor de bebidas são dos EUA. Os demais dados são referentes a conversas do Twitter globalmente.

Brasil tem número recorde de empresas certificadas pelo Top Employers

O Top Employers Institute, autoridade global na certificação da excelência proporcionada por empresas dos mais diversos segmentos aos seus colaboradores, apresenta as 49 empresas brasileiras certificadas, entre 1 857 de 123 países. Trata-se de um número recorde de empresas do Brasil nestes 31 anos de certificação.


Em 2022, as organizações certificadas pelo Top Employers Institute impactam positivamente a vida de mais de oito milhões de funcionários em todo o mundo. 


Aqui no Brasil, de acordo com Gustavo Tavares, líder do Top Employers Institute para as Américas, “as transformações ocorridas nos últimos dois anos impulsionaram as empresas certificadas a reinventarem seus negócios e a forma de se relacionarem com seus colaboradores. Isso criou oportunidades de desenvolvimento e inovação, trazendo as equipes cada vez mais para o centro das decisões, transformando de forma definitiva a maneira como negócios e pessoas são geridos”.


Este programa de certificação global, que mede a evolução das melhores práticas no mercado de trabalho, contemplou empresas de 15 setores da economia, com tecnologia da informação, serviços financeiros, consumo, saúde, indústrias química e farmacêutica, além de energia e varejo, entre os mais preponderantes.


A certificação – O Programa de Certificação Top Employers avalia práticas relacionadas à gestão de pessoas, de todas as empresas participantes, por meio de pesquisa de Melhores Práticas em Recursos Humanos, baseada em fatos e auditada de forma independente, que cobre aproximadamente 450 iniciativas divididas em seis domínios e 20 subtópicos:

Governança e compliance confirmam serem temas cada vez mais relevantes para a estratégia de pessoas das organizações, explicado em parte pelo fato de que praticamente 80% das companhias certificadas aqui no Brasil têm ações cotadas em bolsa ou integram grupos listados.Os resultados obtidos pelo processo de certificação em 2022 indicam a necessidade das empresas em se antecipar à tendência da Gig Economy, conceito onde as pessoas passarão a cada vez mais optar em trabalhar por conta própria e por projetos, abrindo mão de vínculos empregatícios formais. Esta preocupação é claramente observada entre as empresas certificadas no Brasil ao analisarmos a evolução dos resultados em tópicos como Ambiente de Trabalho e Marca Empregadora.


Já como tendência para o curto prazo, é esperada a intensificação de iniciativas em temas relacionados à Sustentabilidade, Diversidade e Inclusão, já que em comparação às melhores práticas globais, observamos que o ritmo de implementação destas práticas entre as empresas certificadas como Top Employer no Brasil esteve um pouco abaixo dos indicadores globais observados para 2022.


Cenário – A avaliação considera as práticas de RH implementadas ao longo de 2021, ainda fortemente impactadas pelos efeitos da pandemia de COVID 19, que exigiu das empresas não só estarem cada vez mais conectadas às necessidades particulares de colaboradores, clientes e comunidades, mas também com o cumprimento de seus objetivos estratégicos de negócio em um cenário ainda muito incerto e altamente desafiador.


David Plink, CEO do Top Employers Institute, observa: “Refletindo sobre o estressante ano que foi 2021 que, à semelhança do que houve no ano anterior, impactou empresas em todos os lugares do mundo, estamos felizes em constatar que as organizações certificadas também aqui no Brasil continuaram a dar prioridade na manutenção de excelentes práticas nos ambientes de trabalho. Apesar dos desafios, elas seguiram buscando superar as mudanças recém-impostas pela pandemia, enquanto se esforçavam incansavelmente para gerar impactos positivos nas vidas de suas equipes”.


O Top Employers Institute, da mesma forma que no ano passado, decidiu realizar a celebração de seu programa de certificação 2022 em ambiente virtual, 100% online, no dia 20 de janeiro, às 14h. “Estamos muito orgulhosos em poder divulgar e celebrar junto todas as empresas certificadas como Top Employer em seus respectivos países durante o nosso segundo evento global virtual. É um privilégio para nós poder contar com representantes dos melhores empregadores do mundo para não apenas comemorar sua certificação, mas principalmente, reconhecer sua contribuição para a construção de um mundo do trabalho melhor”, finaliza David.  

Lista das Empresas Certificadas no Brasil (em ordem alfabética):

Oportunidades de crescimento e valorização profissional são principais prioridades para os brasileiros, aponta Bain & Company

Levantamento da consultoria também apontou que 30% dos brasileiros querem continuar integralmente no modelo home office

Os profissionais brasileiros querem não apenas ser recompensados com salários e benefícios, mas também almejam oportunidades de aprendizado e crescimento dentro das empresas em que atuam. É o que mostrou uma pesquisa inédita elaborada pela Bain & Company no País e em outras nove nações.

O estudo “The Working Future:Re-humanizing work” ouviu cerca de 2 mil brasileiros e mostrou que as três principais prioridades para os trabalhadores do País – dentre 10 listadas – são: bons salários e benefícios (23%); oportunidades de crescimento e aprendizado (17%); e flexibilidade de horas trabalhadas (9%).

A pesquisa teve o objetivo de identificar como os líderes empresariais estão enxergando as mudanças dos perfis profissionais e se estão cientes que precisam mudar a maneira como pensam a sua força de trabalho para ficar à frente das rápidas mudanças tecnológicas e sociológicas. O estudo também quer mostrar quais ações realmente farão a diferença para as organizações no futuro.

“Na nossa visão aqui na Bain, a relação entre trabalhadores e empresas está mudando radicalmente, forçando os líderes a repensar sua abordagem em relação às equipes”, afirma Alfredo Pinto, sócio da Bain & Company. “E nunca houve um momento mais oportuno para fazer isso: o talento está rapidamente se tornando o recurso mais precioso das organizações.” 

A Bain & Company também quis identificar nesse trabalho qual o papel que a pandemia desempenhou nessa mudança de perfil profissional, especialmente em razão de um movimento em massa na adoção do trabalho remoto. De acordo com o estudo, 30% dos brasileiros desejam continuar no modelo “home office” em pelo menos cinco dias na semana, enquanto que 33% optariam por trabalhar de dois a três dias por semana no escritório. 

O estudo considerou que nesse aspecto do trabalho remoto, os avanços na tecnologia de comunicação e o surgimento de novas plataformas digitais estão permitindo que as empresas reduzam custos e melhorem a flexibilidade, deslocando uma parcela cada vez maior do trabalho para além dos espaços físicos tradicionais das organizações.

Por outro lado, o estudo da Bain mostrou que a covid-19 causou uma enorme tensão psicológica, elevando os níveis de estresse dos profissionais. No Brasil, isso foi particularmente identificado nas pessoas entre 18 e 34 anos, com 65% dessa faixa etária afirmando que se sentiram estressados ou sobrecarregados durante o período de isolamento. Nas faixas entre 35-54 anos e acima dos 55 anos esse porcentual foi de 61% e 50%, respectivamente.

Sobre a pesquisa 
A pesquisa “The Working Future:Re-humanizing work” foi realizada pela Bain & Company  com 20 mil profissionais em 10 países – Estados Unidos, Alemanha, França, Itália, Japão, China, Índia, Brasil, Indonésia e Nigéria. O estudo incorpora uma vasta literatura em economia, sociologia, antropologia, psicologia e história, e contribuições de uma ampla gama de especialistas no assunto. Também se baseia nas centenas de conversas que a Bain realizou com executivos desde o início da pandemia por meio de fóruns de CEOs.

A partir desta pesquisa, a Bain & Company identificou cinco temas principais que estão remodelando os modelos de trabalho. São eles:

  • As razões pelas quais trabalhamos estão mudando. Ganhos imensos nos padrões de vida nos últimos 150 anos nos permitiram gastar menos tempo trabalhando, mas também aumentaram nossas expectativas sobre o que um emprego deve proporcionar;
  • As crenças sobre o que constitui um “bom trabalho” são divergentes. Pensar no “profissional médio” não ajuda mais, pois as atitudes em relação ao trabalho se fragmentam. Em vez disso, apresentamos seis arquétipos de trabalhadores, cada um com um conjunto muito diferente de prioridades;
  • A automação está ajudando a re-humanizar o trabalho. Capacidades distintamente humanas – em torno de solução de problemas, conexão interpessoal e criatividade – estão crescendo em importância à medida que a automação elimina o trabalho rotineiro;
  • A mudança tecnológica está confundindo os limites da empresa. O trabalho remoto e contingente (ou ‘gig’) está crescendo em importância, criando problemas iniciais à medida que as empresas tentam manter a coesão;
  • As gerações mais jovens estão cada vez mais sobrecarregadas. Os jovens em economias avançadas estão sob crescente pressão psicológica, com efeitos colaterais em suas vidas profissionais.

Para ver a pesquisa completa, acesse o link.

Cubo Itaú anuncia lançamento do hub Smart Mobility em parceria com Bike Itaú, ConectCar, iCarros e vec Itaú

Data: 11/12/2018 Local: Cubo Itau – Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olimpia, São Paulo – SP Cliente: Cubo Itau Pauta: Banco de imagens do Cubo Itau. Assistente: Alisson Fagner Foto: Celso Doni

O Cubo Itaú, mais relevante hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico da América Latina, ao lado da Bike Itaú, ConectCar, iCarros e vec Itaú, anuncia o lançamento de um hub para dar atenção especial às mobtechs. O Cubo Smart Mobility tem como principal objetivo estimular um ambiente de inovação voltado ao desenvolvimento de soluções tecnológicas que possam ser incorporadas à mobilidade das cidades do Brasil e da América Latina, beneficiando a população e incentivando o uso de modais ativos, além de melhorar o transporte público e o trânsito em geral. A iniciativa conta com o apoio da TIM e da Stellantis — empresas já atuantes no hub para evolução de suas transformações digital e cultural, incentivando a criação e desenvolvimento de startups em seus setores de atuação. A parceria com o Cubo Itaú, estabelecida desde 2019 com a TIM, dá visibilidade aos projetos e testes de 5G liderados pela operadora com a nova tecnologia, em um movimento pioneiro e inovador no mercado brasileiro. A Stellantis, por sua vez, é parceira do Cubo desde 2018 e atua no Hub com o foco em fomentar parcerias com startups e demais players do ecossistema de inovação aberta para o desenvolvimento de soluções para os desafios da mobilidade e da indústria automotiva.

A expectativa é que, a partir desta iniciativa, surjam novas startups focadas em mobilidade, cidades inteligentes, e aumente a quantidade de fornecedores e parceiros para a área. Por meio do apoio a ações B2B e B2C, será possível dar mais visibilidade ao setor e, como consequência, a adesão de inovação no sistema deve ocorrer de forma mais rápida, conectada e integrada a diferentes modais. Outro ponto, é que com o ecossistema mais unificado, é possível oferecer mais soluções alinhadas ao conceito de MaaS (Mobility as a Service).

O Itaú Unibanco embarcará nessa iniciativa por meio de suas diversas marcas que já fomentam, de formas diferentes e complementares, a mobilidade no Brasil. Além da Bike Itaú, projeto que há cerca de dez anos alia mobilidade urbana e tecnologia numa solução de compartilhamento em grandes centros urbanos, o banco trará sua referência em inovação dentro do setor automotivo com a presença do vec Itaú (veículo elétrico compartilhado) e do iCarros, marketplace do Itaú que oferece soluções para a compra e venda de veículos.

“Temos uma longa história de atuação ativa no ecossistema de mobilidade, em que já consolidamos as laranjinhas como uma alternativa relevante para uma micromobilidade mais eficiente nos grandes centros urbanos, além de colocarmos nossa expertise financeira para trabalhar em prol do setor automotivo, por meio de soluções de compra, venda e compartilhamento de veículos. Acreditamos que mobilidade e tecnologia precisam andar lado a lado e, diante disso, o lançamento do hub propiciará um sistema que funciona como um laboratório para o desenvolvimento de novos serviços e programas que nos ajudem a atingir nosso propósito de viabilizar o acesso das pessoas a soluções de mobilidade. Além disso, estamos certos de que a iniciativa será um novo marco para o desenvolvimento de conceitos tão necessários, como o de intermodalidade, e do modo de viver e coabitar no conceito de cidades inteligentes nas próximas décadas”, afirma Rodnei Bernardino de Souza, diretor do Itaú Unibanco.

As marcas do Itaú aproveitarão a oportunidade para acelerar novidades planejadas para o futuro próximo. No caso da Bike Itaú, por exemplo, está prevista a criação de projetos de integração intermodal em parceria com a Tembici com o intuito de beneficiar cidadãos como um todo e os usuários de seu sistema. Quanto ao vec Itaú, a ideia é inaugurar uma estação de compartilhamento de veículos elétricos no Cubo Itaú e em outros locais da cidade de São Paulo até o fim de 2022. Já o iCarros está desenvolvendo uma inteligência de recomendação de compra ou uso do carro de acordo com a necessidade do cliente.

Em um cenário de alta procura por carros por assinatura, de aumento de frotas cada vez mais conectadas em locadoras e de forte crescimento nas vendas de veículos pesados, as startups que atuam nestes segmentos também terão a oportunidade de se conectar ao Hub Smart Mobility e acelerar a digitalização da operação de transportadoras, locadoras e demais vertentes do mercado. Apenas no último ano, as vendas de caminhões tiveram alta de 43%, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Além disso, o segmento apresentou avanços significativos na eletrificação de frotas, tendência que deve ganhar mais força em 2022.

“Estar presente no Cubo Smart Mobility será, portanto, uma oportunidade para as marcas acessarem com facilidade o ecossistema de startups qualificadas para ajudar a acelerar a inovação no mercado e dentro de seus próprios negócios, além de firmar parcerias estratégicas com mobtechs e com os demais parceiros do hub, gerando novos negócios que contribuam com todo o setor”, completa Rodnei. No fim de 2021, o Itaú e a ConectCar lançaram, em parceria, a Tag Itaú, solução de meio de pagamento automático de mobilidade com cobertura em 100% das rodovias e em mais de 1.000 estacionamentos livre de mensalidade para os clientes do banco. A novidade é um exemplo de como diferentes marcas podem atuar de forma complementar para beneficiar a sociedade e facilitar o acesso das pessoas a soluções de mobilidade.

A mobilidade urbana é um setor que movimenta uma grande fatia da economia global. Segundo dados do Oliver Wyman Forum, até 2030 o mercado global de mobilidade deve crescer cerca de 75% saindo de US$ 14,9 trilhões em 2017 para 26,6 trilhões em 2030. Ainda segundo o report, o setor de “Serviços, Sistemas e Dados”, tido como representante da nova mobilidade, é o que promete despontar com 12,5% de taxa de crescimento anual. Já o setor de energia aplicada à mobilidade urbana poderá alcançar sozinho o marco de US$ 4,8 trilhões de valor de mercado em 2030.

Neste cenário de oportunidade, para a ConectCar, empresa de meio de pagamento automático de mobilidade, a intenção é promover eventos conjuntos, resultando em negócios voltados à inovação e democratização de serviços que facilitem a mobilidade urbana. “A ConectCar tem como objetivo a facilidade e a comodidade do ir e vir das pessoas, usando tecnologia de ponta para proporcionar uma experiência cada vez melhor. Fazer parte do hub Smart Mobility irá fortalecer ainda mais estes pilares e a busca por inovação com a potencial chegada de mais startups para o setor”, afirma Felix Cardamone, CEO da ConectCar.

Além de olhar com atenção para assuntos como geolocalização e parcerias com montadoras, a ConectCar também quer aproveitar o hub no Cubo Itaú para fomentar o intercâmbio e o benchmarking, estimulando grupos de trabalho a atuarem no impulsionamento do desenvolvimento de novos modelos de negócio ou novas frentes de atuação para a companhia. Segundo Felix, “a vertical de mobilidade do Cubo trará benefícios, tanto para grandes empresas, quanto para startups que antes não tinham uma representação tão clara. Fomentar a inovação aberta faz parte do DNA da ConectCar e, certamente, ser parte desse movimento conversa com o nosso plano estratégico”.

De acordo com o Startup Scanner Mobilidade, levantamento realizado pela Liga Ventures, em parceria com a PWC, há mais de 140 startups de mobilidade no Brasil distribuídas em 38 cidades e 10 categorias de atuação. Mais de 50% das startups estão no estado de São Paulo. Em relação a área em que atuam, 26% estão relacionadas à mobilidade elétrica, 10% e-sharing, 10% inteligência de dados, 10% e-hailing, entre outras.

“Ter a parceria dessas companhias para atuar em um hub que irá impactar não só o mercado, mas também a qualidade de vida da sociedade por meio da inovação e mobilidade é um importante indicador de amadurecimento para o Cubo. Queremos ter muitas histórias e projetos provenientes das conexões de valor realizadas no ecossistema para apresentar ao longo dos próximos meses”, finaliza Pedro Prates, co-head do Cubo Itaú.

Startups da Incubadora USP/IPEN-Cietec recebem fomento para desenvolvimento de projetos

Ao longo de 2021, mesmo com todas as restrições impostas pela pandemia, 16 empresas da Incubadora USP/IPEN-Cietec receberam recursos de fomento para desenvolvimento de pesquisa inovativa para o mercado. Parte fundamental no processo de incubação oferecido pelo Cietec, o suporte dado à formatação dos projetos de fomento tecnológico é complementar aos serviços de apoio empresarial e mercadológico, no fortalecimento dos negócios incubados.

Uma das empresárias aprovadas no ano de 2021 foi Erika Molina, CEO da startup Bioptamers – que busca o desenvolvimento de terapias de precisão personalizadas e acessíveis para o tratamento de pacientes acometidos com tipos mais agressivos de câncer, ressalta a importância do fomento recebido para a execução de pesquisa científica direcionada à inovação tecnológica. “Todo o valor recebido através do fomento para Projetos de Inovação em Pequenas Empresas da Fundação de Apoio à Pesquisa no Estado de São Paulo impacta diretamente na validação das provas de conceito essenciais para o desenvolvimento empresarial. Além disso, recebemos também um treinamento voltado exclusivamente para o empreendedorismo, buscando ratificar os pressupostos comerciais do dia a dia”, conta.   

 A CEO também destaca a importância do Cietec nessa trajetória, desde a triagem até a divulgação da abertura de ciclos e editais de fomentos, disponibilizando plantão de dúvidas e suporte na inscrição do projeto, colaborações que aumentam as chances de sucesso. “O Cietec nos orientou também na execução do planejamento e monitoramento dos eixos importantes para a seleção para um melhor aproveitamento do fomento visando a tecnologia, capital, gestão, mercado e empreendedorismo”, comemora.

 Já a Cor.Sync, startup que oferece uma solução rápida e precisa para o diagnóstico de infarto na emergência hospitalar, recebeu três fomentos para o desenvolvimento da empresa. A HealthTech conta com uma base científica oriunda da academia, fato que normalmente aumenta o tempo para o lançamento de seus produtos. Por essa razão, o processo de investimento pode demorar cerca de dois anos. “Sem a ajuda do Estado não é possível fazer o incremento de um produto de tecnologia no Brasil, assim como ocorre nos países desenvolvidos. Esses testes não seriam possíveis sem recursos de fomento, pois, o tempo e o custo são elevados demais”, ressalta Raul de Macedo – fundador da startup.

 No caso da Cor.Sync, os recursos oriundos do Programa PIPE Fapesp, na fase 1, foram aplicados na criação do protótipo, início de testes clínicos, aquisição de materiais e contratação de bolsas para pesquisadores. Já os recursos FINEP, foram orientados para levar o produtos a um próximo nível, com incorporação da IoT (internet das coisas) no dispositivo. “Nós também contamos com a expertise do Cietec, que nos orientou perfeitamente para não errar hora de escrever o projeto. Existem os desafios da prestação de contas que toma bastante tempo e, muitas vezes, nós não temos esse conhecimento dos tramites. O Cietec consegue nos indicar nuances que ajudam a economizar tempo e ter uma jornada de captação mais tranquila e efetiva”, finaliza Raul.

Outra startup que também recebeu o fomento foi a Eccaplan, desenvolvedora de tecnologia e serviços voltadas para redução e compensação no impacto ambiental de empresas, pessoas e cidades. “Os recursos conquistados foram do PIPE 2 e do Senai Inovação, ambos ajudaram muito e foram essenciais no desenvolvimento e realização de ciclos e testes para validação do equipamento automatizado e do acelerador de compostagem”, conta Fernando Beltrame, fundador da startup.  

Tags

Shopper anuncia a abertura de 500 vagas de emprego

Investindo na captação de talentos em meio ao forte e acelerado crescimento da empresa, a Shopper, maior supermercado 100% online do Brasil, está com 500 vagas de emprego abertas distribuídas pelas áreas de Logística, Operações, Marketing, Finanças, Compras, Processos, Recursos Humanos, B2B, Facilities e Expansão. As vagas englobam cargos que vão desde operador jr. (que são vagas de entrada da empresa na operação) até especialista em diversas funções.

Algumas oportunidades são para home office, principalmente para o time de tecnologia. Já as vagas presenciais (a maioria) são para as cidades de São Paulo, Bertioga, Campinas e Ribeirão Preto. 

Os interessados em concorrer a uma das oportunidades devem se inscrever por meio do site: #SejaShopper (gupy.io). Nele também podem ser encontrados todos os detalhes de cada uma das vagas. O processo seletivo é composto por etapas online e presenciais. Com regime de contratação CLT, a startup Shopper oferece salário compatível com o mercado e espaço de crescimento. 

Como a empresa triplica de tamanho ano a ano, as oportunidades de crescimento são muito mais aceleradas do que em empresas tradicionais e, com isso, novas vagas são abertas com muita rapidez. A startup tem exemplos de pessoas que entraram como estagiárias e, depois de poucos anos, viraram coordenadoras ou especialistas. Além disso, para aqueles que se destacam e têm interesse em crescer dentro da empresa, há ainda a possibilidade de se tornarem sócios. Dentre os mais de 1.000 membros do time, mais de 25 já se tornaram sócios. A Shopper prevê que esse movimento deve continuar para os próximos anos, com dezenas de pessoas se tornando sócias da startup.

Atualmente, a Shopper conta com pouco mais de 1000 colaboradores e, até o final do ano, pretende triplicar esse número. Com meio milhão de pessoas cadastradas em sua plataforma, a startup é também o maior e melhor supermercado com modelo de compra programada. 

Crescimento também aliado à expansão

Junto com a captação de talentos, a Shopper tem ainda investido seu crescimento também na chegada a mais municípios. A startup expandiu seu negócio para mais 75 cidades de São Paulo somente no ano passado e deve chegar a 120 municípios neste ano, refletindo assim o interesse e alta demanda da população pela compra programada. Além disso, lançou uma nova frente de negócio, a compra programada Fresh, com entrega semanal de frutas, verduras, legumes e produtos refrigerados, que permite ao consumidor ter itens frescos em casa sempre; tornou-se o primeiro supermercado do Brasil a neutralizar a emissão de carbono de toda a operação; passou a contar com Ramatis Rodrigues como novo VP Comercial (ex-CEO da Via Varejo e ex-VP Comercial do Pão de Açúcar); e inaugurou um novo centro de distribuição, que fica localizado em Osasco (SP). 

Em meio a esse crescimento, em 2021 captou 290 milhões de reais em duas rodadas de investimentos, trazendo fundos como GIC para seu quadro de sócios.

Tags

Investimentos de Private Equity e Venture Capital somam R$ 53,8 bilhões em 2021

Segundo pesquisa da ABVCAP e KPMG, aportes em companhias brasileiras cresceram 128% na comparação com o ano anterior

Os aportes dos fundos de Private Equity e Venture Capital em empresas brasileiras alcançaram R$ 53,8 bilhões em 2021, número 128% maior que os R$ 23,6 bilhões investidos em 2020. Os dados são de pesquisa realizada pela KPMG e a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP).

O crescimento foi impulsionado pelos investimentos de Venture Capital (VC) em startups brasileiras, que atingiram a marca histórica de R$ 46,5 bilhões em 2021. Este é o quarto ano consecutivo em que a cifra bate recorde. O volume do ano passado foi 219% superior ao registrado em 2020, quando somou R$ 14,6 bilhões.

As empresas de tecnologia ligadas aos setores financeiro e de seguros (FinTechs e Insurtechs) receberam 28% dos investimentos realizados no último trimestre do ano passado. Já as Retailtechs, startups do setor de varejo, receberam 20% dos investimentos dos fundos de venture capital no mesmo período, e as Healthtechs, do setor de saúde, 8%.


“Os números mostram que seguimos impulsionando o empreendedorismo brasileiro. O Venture Capital tem se destacado diante de uma enorme onda de inovação iniciada pela geração mais empreendedora da nossa história. As “techs” vieram para ficar, trazendo soluções digitais nos mais diversos mercados e vão continuar atraindo grandes volumes de investimentos”, diz Piero Minardi, presidente da ABVCAP.

Em 2021, os investimentos dos fundos de Private Equity (PE) caíram 19% para R$ 7,3 bilhões.  A queda reflete a desaceleração econômica do país, uma vez que os fundos de PE tipicamente investem em empresas maiores e com desempenho mais atrelado à saúde da economia.

“Os fundos e gestores de Private Equity e Venture capital têm sido motores relevantes – talvez os maiores protagonistas – dos investimentos e do desenvolvimento das empresas no Brasil. O volume menor dos Private Equities pode estar refletindo uma sensibilidade maior à necessidade de reformas estruturais ainda pendentes e incertezas da pandemia ou do futuro econômico. Ainda assim, percebemos muita movimentação recente e uma tendência para novos investimentos, especialmente ligados a empresas ou ativos atentos às práticas de ESG. Merece muito destaque e comemoração a performance dos fundos de Venture Capital que cresceu de maneira exponencial, mesmo com atuação mais recente no Brasil, alavancando muitos negócios de diversos setores e avançando inclusive sobre empresas com maior porte e maturidade”, afirma Roberto Haddad, sócio-líder de Private Equity e Venture Capital da KPMG no Brasil.

No quarto trimestre de 2021, a indústria de Venture Capital investiu R$ 13 bilhões em startups brasileiras, um aumento de 261% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já os desembolsos dos fundos de Private Equity (PE) tiveram ligeira queda no período, passando de R$ 2,9 bilhões para R$ 2,8 bilhões.

Principais números (em R$ bi) 

  1. Investimento por trimestre
Investimentos por modalidade
 1ºT 20202ºT 20203ºT 20204ºT 20201ºT 20212ºT 20213ºT 20214ºT 2021
PE3,31,21,72,91,90,42,22,8
VC2,43,35,33,68,813,611,113,0
Total5,74,57,06,410,714,013,315,9
  1. Investimento por ano
 Investimento por Ano20202021%
PE9,17,3-19%
VC14,646,5219%
Total23,653,8128%

Com prêmio de € 10 mil para vencedor, inscrições para a Go Green 2022 vão até 10 de março

Neste ano, a Schneider Electric – líder global em transformação digital e gerenciamento e automação de energia, e nomeada como a corporação mais sustentável do mundo em 2021 pela Corporate Knights – irá realizar mais uma edição de sua competição internacional Schneider Go Green, voltada para estudantes e com foco em ideias de inovação digital e sustentável. Os interessados em participar têm até 10 de março para se inscreverem. 

Em colaboração com o parceiro de software AVEVA, a competição, realizada anualmente, é uma forma de “encontrar talentos interessados em mudar o jogo em todo o mundo no que se refere às ações de sustentabilidade”.

Sustentabilidade e tecnologia atuando de forma conjunta

A Go Green oferece aos alunos a oportunidade de apresentar suas ideias aos principais líderes da indústria, além de receber orientação de especialistas e profissionais, junto com considerações para chances de emprego e de receber um prêmio no valor de até € 10 mil. Podem se inscrever na Go Green equipes compostas por estudantes de graduação em engenharia, marketing e inovação, além de alunos de bacharelado e mestrado nestas áreas.

A competição terá cinco tópicos: Acesso à Energia, Casas do Futuro, Supply Chain do Futuro, Grids of the future e De[codificação] do Futuro. Em 2022, espera-se que, em todas as equipes participantes, de dois a quatro alunos se identifiquem como gênero diverso, de acordo com a política da Schneider Electric de promover a diversidade, equidade e inclusão. 

A edição do ano passado contou com a participação de um número recorde de 25 mil jovens de mais de 3 mil universidades em 130 países. 

“Na Schneider Electric, ter autonomia faz parte do nosso DNA, pois acreditamos firmemente que a liberdade gera inovação”, diz Charise Le, diretora global de Recursos Humanos da empresa. “Por meio da Schneider Go Green, buscamos alunos empoderados e apaixonados, com ideias ousadas e sustentáveis. Acreditamos que o acesso à energia é um direito humano básico e essa competição global oferece novas maneiras de fazer isso.”

Vencedores do Go Green 2021

A ideia vencedora de 2021 partiu de dois estudantes da Universitat Politècnica de Catalunya, na Espanha, que apresentaram sua solução sustentável e voltada para o propósito, conhecida como Light Pill: uma fonte de luz artificial e purificadora de água ultravioleta em forma de tampa de garrafa, projetada para ajudar as comunidades sem acesso a energia e água potável.

SRM Asset planeja disponibilizar R$ 120 milhões para fintechs

O mercado de fintech no país passa por um excelente momento. De acordo com um levantamento realizado pela Distrito Fintech, Report 2020, o número de companhias revelou um crescimento de 34% frente ao mesmo período no ano anterior.

A SRM Asset, líder no mercado de FIDCs, Fundos de Investimentos de Direitos Creditório, planeja disponibilizar, através de uma linha de crédito, mais de 120 milhões de reais em startups do segmento financeiro, neste ano. Recentemente a companhia realizou uma parceria com a Bom, através do FIDC da Asset e levantou uma linha de crédito de 24 milhões de reais para os clientes da empresa.

Segundo o diretor da SRM Asset, Raphael Mansur, os investimentos serão realizados entre cinco e seis companhias. “Nós estamos estudando o mercado e buscamos operações que tenham capacidade de execução e estratégias claras de atuação. O objetivo será disponibilizar linhas de crédito entre R$ 15 – 30 milhões de reais em cada fintech”, finaliza o diretor.
 

Recentemente, a SRM Asset, lançou a Wefin, braço de tecnologia da marca. A missão da plataforma é contribuir para cruzamento de informações mais ágil, eficiente e robusto, aumentando a eficiência financeira na gestão de carteiras e formalização de operações.

Lenovo tem vagas abertas no estado de São Paulo

A Lenovo está com vagas abertas nas cidades de Indaiatuba (SP) e São Paulo (SP), nas mais diversas áreas de atuação, como Administrativo, Engenharia, Financeiro, Pesquisa e Desenvolvimento, Marketing, Vendas, entre outras.
 

A empresa oferece posições para diversos níveis, desde estágio até liderança de equipes, com vagas exclusivas para PCDs (Pessoas com Deficiência), com pacote de benefícios e salários compatíveis com o mercado de companhias de tecnologia, além de ser certificada pelo GTPW como uma ótima empresa para se trabalhar.
 

“Queremos atrair novos talentos que sejam apaixonados por inovação e tecnologia porque acreditamos no impacto positivo que novos produtos podem ter na sociedade. Também valorizamos habilidades de comunicação, resolução de problemas e criatividade.”, afirma Ana Paula Cavioli, diretora de RH da Lenovo no Brasil.
 

Como uma empresa focada em inovação e inclusão, a Lenovo respeita e encoraja a diversidade em todas as contratações.
 

Para mais informações sobre as vagas e outros detalhes, os candidatos e candidatas devem acessar o site de vagas da Lenovo.

Tags

Belgo Bekaert fabrica sua primeira peça por impressão 3D a partir de arame de aço

Peça por impressão 3D de arame de aço em desenvolvimento pela Belgo Bekaert e CIT SENAI

A Belgo Bekaert, maior produtora de arames de aço da América Latina, em parceria com o Centro de Inovação e Tecnologia CIT SENAI, está desenvolvendo sua primeira peça feita por impressão 3D, a partir de arame de aço projetado especificamente para este propósito. O protótipo, impresso em 24 horas pelo processo MADA (Manufatura Aditiva por Deposição a Arco), é a roldana de um equipamento de trefilaria que normalmente demoraria dias para ser fabricada da maneira tradicional. A solução, que pretende otimizar o estoque e tempo de substituição de peças, é pioneira em Minas Gerais e será testada pela própria Belgo Bekaert, na fábrica de Contagem (MG).
 

“Desenvolver a tecnologia da manufatura aditiva (impressão 3D) a partir do nosso arame como insumo abre uma gama de possibilidades para a indústria como um todo. Tanto para a fabricação de uma peça única com mais rapidez, quanto para uma peça que não está mais disponível no mercado, por ser um modelo já antigo, ou mesmo customizar a peça para algum projeto”, explica o Gerente de Inovação de Fronteira Tecnológica da Belgo Bekaert, Glauber Campos.
 

Com base em um modelo tridimensional criado no computador, e usando arame de aço de alta qualidade, conseguiu-se chegar a um resultado que apresenta as mesmas especificações técnicas da peça feita pelo método convencional. “A partir de agora, começaremos os testes de uso do protótipo dentro da Belgo, e, assim, conseguiremos a comparação de performance da impressão 3D de peças com nosso arame e uma peça convencional”, complementa o Gerente de Produtos da Belgo Bekaert Jeremias Antônio da Silva, explicando que já se utiliza comercialmente a impressão 3D a partir de pó metálico, entretanto, disponível apenas para ligas de metais de alto custo. O desenvolvimento de arames de aço, em curso, com o processo MADA, pode proporcionar uma nova área de desenvolvimento para a indústria que produz peças em aço, com um custo mais competitivo.
 

Analista de Tecnologia do CIT SENAI, Givan Martins Macedo Júnior, explica que o processo MADA emprega uma nova abordagem para a fabricação de peças, com redução de custos e outras vantagens. “Na comparação com outros processos tradicionais para a fabricação de peças, já consagrados, o MADA melhora a competitividade e gera novas abordagens da cadeia de manufatura como um todo. Quando faço um componente impresso, gero o produto na forma final que quero, sem desperdício. Posso também combinar diferentes materiais em uma mesma peça, o que não é possível fazer nos processos comuns de fabricação”, pondera Macedo.
 

A capacidade de fazer impressão total de materiais, aponta ainda o analista, gera oportunidades de negócios para as empresas, fomenta a cadeia de manufatura, permite que participem de projetos de forma fracionada e que capacitem pessoas, entre outras possibilidades. Macedo lembra que a Belgo Bekaert já é parceira do CTI SENAI há mais tempo, e que esse desenvolvimento de materiais cria potencial para que a empresa cumpra demandas da própria fábrica e, ainda, possa fornecer para vários players.
 

Belgo Bekaert avança em projetos com impressão 3D

Atenta aos avanços do mercado, desde 2016 a Belgo Bekaert investe em pesquisa e projetos de impressão 3D que utilizam o arame de aço como matéria-prima. Em conjunto com a Universidade Federal de Uberlândia (UFU) a Belgo Bekaert já fez o levantamento das propriedades físicas e metalúrgicas de uma grande gama de arames destinados a Impressão 3D. A primeira peça em aço impressa por esta técnica no Brasil foi desenvolvida com arame Belgo para a Petrobras, em parceria com a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), consolidando o potencial de desenvolvimento de produtos com elevada resistência.

Pesquisa: modelo híbrido é a preferência de 48% das empresas em 2022

A necessidade de distanciamento social nos últimos anos acelerou a inovação e a tendência de novas políticas de trabalho que, cada vez mais, se consolidam como novos modelos de colaboração. A principal delas é o modelo híbrido de trabalho que, em 2022, se torna uma realidade implementada por 48% das empresas, como indica a 18ª edição do Índice de Confiança Robert Half® (ICRH). 

A sondagem leva em conta as respostas de 387 recrutadores, coletadas entre 3 e 30 de novembro, e revela ainda que 38% das empresas devem retornar ao modelo 100% presencial, enquanto apenas 3% devem permanecer no modelo 100% home office. Na ocasião, 11% dos entrevistados afirmaram ainda não ter o modelo definido para 2022. Em junho, esse número era de 58,1%. 

Entre as empresas que já definiram o modelo híbrido de trabalho para 2022, a maioria optou por um maior equilíbrio entre casa e escritório, com 30% delas exigindo a presença dos trabalhadores no escritório por três vezes por semana, e 28%, duas vezes por semana. Apenas 4% definiram o escritório como local de trabalho em quatro dias, e 6% deverão comparecer apenas uma vez por semana.  

“É inegável a mudança de paradigma dos últimos dois anos e a evolução das empresas nesse sentido. Antes da pandemia, eram poucas as empresas que contavam com políticas estruturadas de trabalho remoto, e as que o praticavam ofereciam como um benefício. O cenário que temos hoje, no entanto, é o do trabalho flexível como um modelo de contratação que visa à manutenção da produtividade e à valorização das vivências pessoais e profissionais, dentro e fora do escritório”, afirma Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half para a América do Sul.

O levantamento também ouviu 387 profissionais empregados sobre os maiores desafios que devem enfrentar no retorno ao escritório. Desse grupo, 66% apontaram o desgaste com deslocamentos; 55% indicaram a dificuldade de readequação de uma rotina que já havia sido definida com o trabalho remoto; e 43% ainda se mostram desconfortáveis com a exposição a aglomerações em reuniões e espaços compartilhados. A preocupação em manter o nível de produtividade e a perda da convivência com familiares também foram citadas, com 35% e 24% das menções, respectivamente. 

“Muitas pessoas se deram conta de que sua produtividade independe da presença física nos escritórios, e estão repensando a necessidade de encarar certos desconfortos cotidianamente. As empresas que têm essa possibilidade, mas que não se adequarem a isso, precisam ter em mente que renunciarão à contratação de bons profissionais, além de ter mais dificuldade para atrair os melhores talentos do mercado”, conclui Mantovani.   

Gartner prevê que gastos mundiais de TI crescerão 5,1% em 2022

De acordo com a mais recente pesquisa do Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, os gastos mundiais com TI devem totalizar US$ 4,5 trilhões em 2022, um aumento de 5,1% em relação a 2021. 

Apesar dos potenciais impactos do coronavírus com a variante Ômicron, as altas expectativas em torno da recuperação econômica e a expansão no mercado digital continuarão a impulsionar os investimentos em tecnologia. 

“2022 é o ano em que o futuro retorna para o CIO”, diz John-David Lovelock, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “Os diretores de TI agora estão em uma condição de ir além dos projetos críticos de curto prazo, como os que gerenciaram nos últimos dois anos, para se concentrarem em ações no longo prazo. Simultaneamente, as lacunas de habilidades da equipe, a inflação salarial e a guerra por talentos levarão os líderes da área de TI a confiarem mais em consultorias e empresas de serviços gerenciados para buscar suas estratégias digitais.” 

O Gartner prevê que o segmento de serviços de TI – que inclui consultoria e serviços gerenciados – deverá ter o segundo maior crescimento de gastos em 2022, chegando a US$ 1,3 trilhão, o que representa um aumento de 7,9% em relação a 2021. Os gastos com consultoria de negócios e tecnologia, especificamente, devem crescer 10% em 2022. 

Previsão mundial de despesas com Tecnologia da Informação (TI) – em bilhões de dólares 

 Despesas em 2021 Crescimento em 2021 (%) Despesas em 2022 Crescimento em 2022 (%) Despesas em 2023 Crescimento em 2023 (%) 
Sistemas de Data Center  216,3 11,4 226,4 4,7 237 4,7 
Software Corporativo 604,9 14,4 671,7 11,0 751,9 11,9 
Dispositivos  787,4 13,0 813,6 3,3 804,2 -1,2 
Serviços de TI 1.186,1 10,7 1.279,7 7,9 1.391,7 8,8 
Serviços de Comunicação 1.444,3 3,4 1.462,7 1,3 1.494,1 2,2 
Total 4.239,1 9,0 4.454,3 5,1 4.679,1 5,0 

Fonte: Gartner (Janeiro de 2022) 

Até 2025, as organizações aumentarão sua dependência de consultores externos, à medida que a maior urgência e o ritmo acelerado das mudanças ampliam a lacuna entre as ambições de negócios digitais das organizações e seus recursos e capacidades internos, avaliam os analistas. 

“Isso será particularmente visível com a Nuvem, pois ela serve como um elemento-chave para alcançar as ambições digitais e apoiar o trabalho híbrido”, observa Lovelock. “O Gartner espera que a grande maioria das grandes organizações use consultores externos para desenvolver sua estratégia de Nuvem nos próximos anos.” 

Em 2020, pela primeira vez o mercado de software de aplicações corporativas em Nuvem foi maior do que o mercado sem Nuvem pela primeira vez, devido em parte à pandemia de coronavírus. Até 2025, o Gartner espera que seja o dobro do tamanho do mercado fora do universo Cloud. A Computação em Nuvem é responsável por quase todo o crescimento de gastos de 11% no segmento de software corporativo em 2022, com as organizações se concentrando em atualizar sua estrutura de aplicações para o modelo de software como serviço (SaaS), em busca de mais suporte à flexibilidade e agilidade contínuas.