Tag startups

Softex anuncia fundo de R$ 50 milhões para startups

A Softex, em parceria com a Bertha Capital e M8 Partners, se uniram para lançar um Fundo de Investimento em Participações – Capital Semente, voltado a investir em startups da Quarta Revolução Industrial.  O advento da digitalização como um vetor de transformação de processos, produtos, serviços e modelos de negócio tem impactando significativamente a atividade empresarial. Soma-se a isso um conjunto de outras tecnologias relacionadas a impressão 3D, novos materiais e biologia sintética, por exemplo, que integram o mundo físico, digital e biológico caracterizando uma 4a. revolução industrial.
 

O “Fundo Softex 4RI” será dedicado ao desenvolvimento de iniciativas disruptivas, de base tecnológica, que busquem alavancar soluções com tecnologias voltadas à Quarta Revolução Industrial. O objetivo é contribuir significativamente para ampliar o volume de startups ligadas à Quarta Revolução Industrial, em especial àquelas com soluções que possam apoiar a digitalização da economia brasileira.
 

O FIP Softex 4RI terá como cotistas empresas beneficiárias da Lei de Informática Nacional que poderão investir recursos de P&D no Fundo, apoiando a geração de startups e se transformando em sócias dos negócios nascentes de base tecnológica. O FIP nasce aderente às regulamentações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), com vistas à captação do recurso das contrapartidas em P&D da Lei de Informática com o foco em capital semente, investindo em empresas de base tecnológica com faturamento médio limite de R$ 16 milhões por ano no momento do aporte, detendo participação sempre minoritária.
 

Do ponto de vista da base legal aplicável e da estratégia de investimento, destacamos:

  • O Fundo deve se destinar à capitalização de empresas de base tecnológica, empresa de desenvolvimento ou produção de bens e serviços de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC);
  • O Fundo não poderá ter participação majoritária na empresa investida;
  • A startup deve apresentar pelo menos duas das seguintes características:
  • desenvolver bens, serviços ou processos tecnologicamente novos ou significativas melhorias tecnológicas nesses;
  • comercializar direitos de propriedade intelectual ou direitos de autor de sua propriedade, ou que estão em fase de obtenção; ou bens protegidos por esses direitos;
  • as despesas de P&D não sejam inferiores a 5% da receita bruta, sendo excluídas dessas despesas os valores direcionados à formação de ativo imobilizado; ou
  • execute por meio de sócios ou empregados diretos, profissionais técnicos de nível superior, atividades de desenvolvimento de software, engenharia, pesquisa e desenvolvimento tecnológico e de mercado.
  • Além disso, a startup também deve satisfazer:
  • Receita bruta anual de até R$16MM, com receita apurada não superior a esse limite nos últimos 3 anos e distribuir, no máximo, 25% dos lucros durante o período em que receber aporte de recursos do Fundo;
  • O investimento não poderá ser feito em empresa controlada, direta ou indiretamente, por sociedade que apresente ativo total superior a R$80MM ou receita bruta anual superior a R$100MM
  • O fundo deve manter, no mínimo, 90% (noventa por cento) de seu patrimônio líquido investido nos ativos (empresas de base tecnológica, podendo investir até 10% do valor do Fundo em ativos no exterior. O Fundo Inova 4RI tem o objetivo de captar R$ 50 milhões em até quatro anos. Os aportes nas startups irão de R$ 500 mil a R$ 5 milhões.

Segundo Ruben Delgado, presidente da Softex, instituição que executa vários programas de apoio a startups no Brasil (Startup Brasil, Conecta Startup, Conexão Startup-Indústria, dentre outros), a oportunidade de um Fundo de Investimento era a peça final que faltava no ecossistema Softex, pois permitirá que muitos recursos alocados nas fases mais arriscadas na forma não-reembolsável em diferentes programas poderão ser aproveitados pelo Fundo de investimento, criando mais um mecanismo de apoio ao ecossistema de startups.  Muitas startups interessantes poderão ser acessadas pelas empresas beneficiárias de Lei de Informática, que poderão ter um “quinhão” do fundo para as suas verticais de negócios definidas.

Do ponto de vista da tese de investimento e das áreas nas quais as startups serão selecionadas, Rafael Moreira, CEO da Bertha Capital, salienta que tecnologias disruptivas tais como Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT) e Computação em Nuvem são exemplos de tecnologias transversais que habilitam negócios inovadores que estarão no centro da tese de investimento. “O Fundo Inova 4RI possui um foco em colocar mais um instrumento para o ecossistema de startups e para as empresas beneficiárias da Lei de Informática, porque combinará startups nas principais tecnologias habilitadoras no mercado, além de trazer várias corporações empresariais com seus desafios e, portanto, oportunidades de demanda e apoio segmentado em setores econômicos tais como bancos, indústria, eletrônica, dentre outros”, ressalta Moreira.

Para mais informações sobre o fundo, acesse: https://fip4ri.softex.br/   

Tags,

Mapeamento Abstartups aponta que mais de 70% das startups não receberam investimentos

A despeito do maciço crescimento das startups do Brasil e da atenção que os negócios nacionais estão, aparentemente, recebendo do exterior, dados da Mapeamento de Comunidades 2020, feito pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema, apontam que a maioria (73,8%) das empresas de inovação não recebeu nenhum investimento ou incentivo financeiro desde sua fundação. No Nordeste, a porcentagem dos negócios que nunca recebeu investimentos sobe para 79,7% – o maior número se comparado com as demais regiões do País.

Das startups que tiveram aportes, a maior parte foi aportada por investidores anjo (41,5%), seguido por Seed (28,4%) e aceleradoras (21,6%) – o restante é dividido por investimentos séries A, B e C. Quanto a origem dos investimentos, 43,6% vieram de investidores locais; 26,8% de outro estado; 21,9% do mesmo estado e apenas 7,7% internacional. A maioria (51,5%) dos negócios de inovação no Brasil também não foi incubada, acelerada ou pré acelerada.

Quanto a faixa de faturamento das pesquisadas, a maioria (41,9%) ainda não tem faturamento; 13,5% faturam entre R$ 50 a R$ 250 mil e 11,8% têm faturamento entre R$ 10 e R$ 50 mil.

Realizados entre maio e setembro de 2020 com dados do Startupbase, a base de mais de cinco mil startups associadas e participantes de três mil startups espalhadas pelo Brasil, os Mapeamentos de Comunidades têm o objetivo de conhecer mais a fundo alguns dados de empreendedorismo e inovação de cada região do país, identificando as principais dores e potenciais locais.

Tags,

Startups do inovabra habitat estão no Top 10 do Ranking 100 Open Startups 2020

O Ranking 100 Open Startups, publicação anual que destaca as startups mais atraentes para o mercado corporativo, anunciou durante o Whow! Festival de Inovação as empresas que mais se destacaram em 2020. Entre elas estão 10 habitantes do inovabra habitat – ambiente de coinovação do Bradesco, com atuação física e digital. As startups CoBlue, GETMORE, Smarkets, CleanCloud, Implanta IT, Digitalk, Guiando, Oficina de Valor, SVA Tech e Jobecam concorreram com mais de 13 mil inscritos e ficaram no Top 10 de oito categorias diferentes.

A Oficina de Valor, empresa focada em Data & Analytics que usa machine learning para ajudar as empresas a colocar os dados no dia a dia dos negócios, ficou em 1° lugar no ranking BigData; a Guiando, empresa especialista em desenvolvimento de tecnologias inteligentes para T.E.M. (Telecom Expense Management) e contas a pagar, também ficou em 1° lugar no ranking Fintech, a GETMORE, que atua no design e implementação de ações de gamificação, cashback e engajamento, ficou em 2° lugar no ranking Fintech; a Digitalk, que oferece SaaS para a transformação das centrais de atendimento, possibilitando um CRM omnichannel, ficou em 3° lugar no ranking Customer Service, a Implanta IT, startup especialista em inteligência de dados, que integra indústrias com seus canais de distribuição, ficou em 5° lugar no ranking de Agritechs.

A Smarkets, que consolida a demanda de diversos segmentos e possibilita a comercialização em alta escala de serviços e produtos, também ficou em 5° lugar no ranking Marketplace; a CoBlue, plataforma de gestão de desempenho & OKRs, ficou em 6° lugar no ranking New Trends; a SVA Tech, que desenvolve soluções de vídeo analítico baseadas em inteligência artificial e deep Learning, ficou em 6° lugar no ranking Indtechs; a CleanCloud, que oferece produtos para reduzir custos e melhorar conformidade com LGPD em nuvem AWS e Azure, ficou em 8° lugar no ranking NewTrends, a Jobecam, plataforma de empregos com vídeo recrutamento, inteligência artificial e entrevista às cegas por vídeo, ficou em 9° lugar no ranking Inteligência Artificial.

“Ficamos muito felizes em saber que as startups do inovabra habitat estão entre as mais atraentes para o mercado corporativo. Nosso objetivo é justamente conectar as melhores empresas e suas soluções aos desafios do Bradesco e das corporates do inovabra habitat. Vê-las no Top 10 em diferentes segmentos mostra que estamos no caminho certo. Queremos ampliar ainda mais as oportunidades de negócios conectando startups do Brasil inteiro, por meio do novo modelo digital do inovabra habitat”, destaca Renata Petrovic, head do inovabra habitat.

Tags, , ,

500 Startups e AMBEV promovem 4 Bootcamps virtuais

Uma das maiores dores que as startups encontram ao iniciar sua operação está na criação de seu product market fit e na busca por investimentos. Desde 2011, a‌ ‌‌500‌ ‌Startups, ‌fundo‌ ‌de‌ ‌capital‌ ‌semente‌ ‌mais‌ ‌ativo‌ ‌do‌ ‌mundo‌ ‌e‌ ‌com‌ ‌maior‌ número‌ ‌de‌ ‌saídas‌ ‌nos‌ ‌Estados‌ ‌Unidos‌ ‌e‌ ‌globalmente,‌ ‌segundo‌ ‌o‌ ‌‌Pitchbook‌ ‌2019, tem olhado atentamente para o ecossistema brasileiro de startups. E, após investir em mais de 40 negócios, está criando ações para ajudar esses empreendedores a escalarem.

Pensando em fortalecer ainda mais sua atuação no Brasil, o Fundo de Venture Capital escolheu a AMBEV como sua primeira parceira para criar ações de desenvolvimento para o ecossistema e irá promover bootcamps exclusivos para founders. Entre os dias 30 de novembro e 03 de dezembro, as empresas irão promover 4 bootcamps virtuais exclusivos para empreendedores que estão com suas startups em estágio inicial. Serão selecionados 10o negócios, até o dia 27 de novembro, e os 10 que melhor performarem, contarão com uma mentoria exclusiva com o time da 500 Startups.

“Nossa metodologia nasceu no Vale do Silício, mas acreditamos no acesso democratizado do conteúdo e da nossa rede de mentores para os empreendedores do mundo todo. Encontramos um alinhamento muito forte com a AMBEV para trabalharmos em conjunto e contribuir para o ecossistema brasileiro. Por isso, decidimos investir em um conteúdo digital, com o objetivo de atrair negócios de diferentes regiões do país e em diversas verticais. Será uma excelente oportunidade , principalmente durante essa fase de pandemia, de se conectar com founders e mentores ao redor do Brasil”, comenta Bedy Yang, sócia da 500 Startups.

Durante a parceria, a AMBEV ativará sua comunidade nacional, líderes de ecossistemas de startups e parceiros de inovação para garantir que a oportunidade seja visível em todo o país. Já o fundo de Venture Capital, irá compartilhar seu manual global de product market fit e abordará temas como fundraising e criação de pitch. Além disso, os mentores compartilharão atividades práticas, que ajudarão esses fundadores no desenvolvimento de seus negócios.

“Desbloquear o potencial dos fundadores em estágio inicial é peça chave para o desenvolvimento do ecossistema. Sabemos que a construção de startups bem fundamentadas pode aumentar as chances de sobrevivência durante o chamado vale da morte, no qual esses negócios já iniciaram as operações, mas ainda não obteve lucro. Por isso, queremos trazer um conteúdo rico e fechar novas parcerias para ajudar esses negócios crescerem”, reforça Flávio Dias, sócio da 500 Startups no Brasil.

A AMBEV interage com mais de 300 startups anualmente no Brasil e ouve as dores de desenvolvimento de suas equipes. Os esforços da companhia para construir uma comunidade de inovação forte levaram a corporação a conquistar o Startup Awards 2020 como a melhor empresa para se fazer negócios. “Essa parceria com a 500 Startups reforça nosso objetivo de ajudar o ecossistema de inovação como um todo. Queremos democratizar cada vez mais nosso ecossistema. Temos certeza de que podemos fazer diferença na comunidade de empreendedores do país”, ressalta Bruno Stefani, Diretor de Inovação Global da AMBEV.

Para se inscrever na série de bootcamps acesse: brasil.500.co/bootcamp

Tags, , ,

Estudo da Abstartups aponta pouca diversidade nas startups do Brasil

A Associação Brasileira de Startups, entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema, acaba de lançar o Mapeamento de Comunidades 2020, cujo objetivo é conhecer mais a fundo alguns dados de empreendedorismo e inovação de cada região do país, identificando as principais dores e potenciais locais. A pesquisa foi realizada entre os meses de maio e setembro com dados do Startupbase, a base de mais de 5 mil startups associadas e participantes de 3 mil startups espalhadas pelo Brasil.

Para este ano, pela primeira vez, a entidade levantou também informações sobre o perfil dos fundadores e equipes. Sobre os fundadores, o Mapeamento aponta que os homens são maioria entre os founders de startups no Brasil, representando 59,2% do total; enquanto as mulheres respondem por 12,6%. Os quadros em que há mais de um fundador e a maioria são homens somam 18,5%; e 2,4% são os quadros com maioria feminina.

Na divisão por raça, a maioria se autodeclara branca (64,8%), seguida pelos pardos (22,7%), negros (5,8%), amarelos (2,2%) e indígenas (0,5%). No cruzamento entre raça e gênero, os homens pardos e amarelos são 84,5% contra 15,5% das mulheres. O público masculino também são maioria entre os que se afirmam negros (80,7%) e 100% dos autodeclarados indígenas.

No que tange a orientação sexual, 92,3% se declaram heterossexuais, 3,9% são homossexuais e 1,5% são bissexuais.

Diversidade no time


Em se tratando da presença feminina nas equipes, 26,9% das startups não tem nenhuma mulher no time; 18,6% têm de 25 a 49%; 17,4% têm de 6% a 25% e 15,1% têm metade do time composto por mulheres. Os negros, por sua vez, estão ausentes de 52,8% das empresas do setor, 19,3% das startups têm entre 6% e 25% de pessoas que se autointitulam negras; 11% têm menos de 5% e 9,6% têm entre 25% e 49% dos colaboradores desta etnia.

As pessoas com deficiência também não estão bem representadas no ecossistema: 94,5% das startups não têm nenhum deficiente no time – somente 3,2% têm menos de 5% de profissionais PCD na equipe. Os transexuais também estão ausentes em 96,7% das empresas participantes do levantamento.

Percepções


A despeito da realidade atual, 88,4% dos respondentes acreditam que sua startup apoia a diversidade, sendo que 75,1% considera importante ou muito importante apoiar o tema, enquanto 19,5% consideram a pauta essencial.

Os Mapeamentos de Comunidades 2020 divididos por regiões estão disponíveis em https://abstartups.com.br/comunidades

Tags, , ,

A partir de agora, foco nas startups “zebras” e não nos “unicórnios”

Por Rodrigo Blanco


Anualmente, o número de novas startups no Brasil cresce em torno de 20%. Hoje, temos algo próximo de 13 mil dessas operações mapeadas no País, segundo a Associação Brasileira de Startups (ABS). Apesar de alta, essa porcentagem de crescimento é menor em comparação aos outros países e vemos uma concentração cada vez mais constante de capital proveniente de investidores experientes e com sólido conhecimento de mercado.

Com esse pensamento de crescimento a todo e qualquer custo, a geração de retornos malsucedidos aos investidores e a necessidade de expansão agressiva em cima do capital arrecadado por parte das startups mostram que mesmo as bilionárias não vivem apenas de saldos positivos. Essa cultura de injeção de capital em empresas pela troca de participação societária é a base da construção na qual uma grande parcela das organizações de inovação tecnológica foi erguida. Poderia existir outra forma de fazer negócios crescerem que não seja através de rodadas de capitalização? Sim, por meio das startups zebras.

Esse conceito nasceu nos Estados Unidos em 2017 e é responsável não apenas por desenvolver empreendimentos sustentáveis, mas por encorajar a ética neste setor. Em geral, essa categoria de startups é focada numa expansão que se sustenta e é caracterizada pelo desenvolvimento de um negócio que busca o crescimento, mas não a todo e qualquer custo. Ou seja, seu foco não está apenas na lucratividade, mas também numa causa a fim de corrigir problemas existentes na atualidade, sejam eles sociais, ambientais ou voltados à saúde.

Sendo assim, é de extrema importância o desenvolvimento sustentável desta categoria de startups através de parcerias estratégicas que façam o investimento financeiro e forneçam o devido suporte para essas operações poderem entregar soluções em conjunto com as grandes corporações. Ainda mais porque, na maioria dos casos, as organizações mais tradicionais são as que consumirão esse tipo de serviço e potencializarão o ecossistema.

Mas o que as zebras querem, afinal? A volta de fundamentos básicos e a possibilidade de gerir de maneira organizada a inovação em seus negócios para que estes não sejam apenas empreendimentos de curto prazo. Para isso, é preciso entender se o negócio atende ao tripé: sustentabilidade ambiental, social e econômica. Uma curiosidade é que ao contrário dos unicórnios, não são impostos rótulos às zebras, o termo é subjetivo.

Segundo a Impact Hub Floripa, uma empresa de Coworking brasileira que se considera parte deste movimento, seu crescimento é de 80% ao ano. Ou seja, ser zebra não impede a evolução do negócio, muito pelo contrário. Aliás, os fundadores dos unicórnios brasileiros afirmam que o estímulo de capital é efetuado às empresas que fazem parte do networking dos investidores ou que estejam sendo acompanhadas na arena do mercado, como o caso da Kaszek Ventures e da Nubank.

Unicórnios não deixarão de surgir, mas o mercado já se mostra cada vez mais inseguro sobre essa ascensão dos seres bilionários. Os motivos são numéricos, como a queda das ações da Uber em 18% e as da Slack em 47%. Os investimentos que recebem são altos, mas ao analisar suas construções com essas aplicações, há uma contrapartida de falta de lucratividade e de IPOs (Oferta pública inicial) malsucedidos.

Observar que esse ecossistema das zebras vive seu melhor momento de investimentos é empolgante e muitas outras startups devem alcançar o valuation de U$1 bilhão neste ano, mas, o que se espera é que elas e seus investidores sejam mais cautelosos quanto aos seus gastos, focando na sustentabilidade a longo prazo e, com isso, se multipliquem, mantendo cada vez mais seu potencial de rentabilidade e objetivos sociais.

Rodrigo Blanco, consultor de Negócios Digitais e Transformação na ICTS Protiviti

Tags, , ,

Wayra e Cubo Itaú anunciam parceria estratégica

A Wayra, hub de inovação aberta da Vivo no Brasil e da Telefónica no mundo, e o Cubo Itaú, maior hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico da América Latina, fecharam uma parceria estratégica com o objetivo de escalar iniciativas de inovação aberta e promover ainda mais as conexões e negócios entre startups e corporações, com uma agenda em conjunto entre as duas instituições. A Wayra passa a ter um espaço exclusivo no prédio do Cubo como ponto de encontro e networking, além de acesso a toda rede de conexão digital do hub, que conta com mais de 400 startups, 20 grandes empresas e presença de organizações estratégicas.

“Estamos muito animados com essa parceria com o Cubo, pois iremos estreitar ainda mais o relacionamento das startups do hub com a rede Wayra, além de conectar as startups do nosso portfólio com outras corporações e parceiros, buscando gerar mais negócios e impacto no ecossistema”, declara Livia Brando, Country Manager da Wayra Brasil. Livia ainda acredita ser uma oportunidade de reforçar o posicionamento da Wayra como investidor, estando ainda mais próximo de um de seus parceiros, a gestora Redpoint eventures, cujo fundo recebeu aporte pelo TIV – Telefónica Innovation Ventures, braço de investimento global da Telefónica.

Além de explorar sinergias em várias atividades que as duas instituições já realizam, a parceria terá uma agenda em conjunto para beneficiar as startups dos dois lados. “Essa nova parceria reflete e reafirma nosso propósito de transformar a vida das pessoas por meio de conexão curada para gerar resultados exponenciais”, celebra Pedro Prates, co-head do Cubo. Para o executivo, ter a Wayra na comunidade Cubo é mais do que uma soma – significa multiplicar a entrega de valor ao empreendedorismo tecnológico.

Para a comunidade do Cubo, a Wayra oferecerá a oportunidade de participação nos encontros de Wayra Pitch Day, evento para fundadores apresentarem suas startups para a Vivo, acesso aos Desafios Wayra e como consequência mais chances de fazer negócios com a Vivo e escalar. Já as investidas do portfólio da Wayra terão acesso livre como visitante ao Cubo, fast track nos desafios corporativos lançados na plataforma do hub, interação com startups em estágio mais maduro para troca de conhecimento, espaço para eventos e reuniões de inovação, assim como um período de degustação no programa de membership do hub do Itaú.

Renata Zanuto, co-head do Cubo, ressalta que empreender é colaborar, somar esforços e, ao aproximar as instituições novas oportunidades são criadas. “Unimos forças para dar acesso: seja a experiências ou solução de problemas, seja a ampliação na oferta de geração de negócios. É estímulo, capacitação e colaboração mútua ao mesmo tempo.”, afirma.

Dando início a esta agenda conjunta, o próximo evento entre Wayra + Cubo = Conexões já tem data marcada:

Painel: Startups + corporações: como ter o match perfeito | Casos de sucesso com a Vivo: Gupy e VOLL
Como primeira iniciativa em conjunto, a Wayra e o Cubo promovem na próxima semana dia 18, às 18h, um painel online para discutir os modelos de colaboração para negócios entre startups e corporações, com dois cases de sucesso (VOLL e Gupy) com a Vivo. Inscrições gratuitas aqui.

Moderação: Renata Zanuto, co-head do Cubo
Participantes:
Livia Brando, country manager da Wayra
Mariana Dias, co-fundadora e CEO da Gupy
Jordana Souza, co-fundadora e CRO da VOLL

Tags, , ,

XP Inc. irá premiar com R$ 25 mil startup com melhor iniciativa de educação financeira no Brasil

A XP Inc. (XP:NASDAQ) em parceria com a XPEED, inovadora escola de educação financeira e de empreendedorismo do grupo, abriu hoje as inscrições para um Pitch Day, no dia 24 de novembro, para avaliar startups que desenvolvam iniciativas voltadas para aprimorar e ampliar a disseminação da educação financeira no país. Ao todo, cinco startups serão selecionadas para a apresentação e os projetos serão julgados por uma banca avaliadora e pelos espectadores.

Os critérios de seleção para o Pitch Day estarão baseados no estágio de maturidade das empresas, quantidade de colaboradores, quantidade de clientes, modelo de negócio, setor de atuação e, também, análises qualitativas dos materiais exigidos no processo de inscrição. As apresentações das empresas selecionadas serão transmitidas no canal do Youtube da XPEED de forma 100% aberta e gratuita.

“Apesar de estarmos evoluindo, a educação financeira no Brasil ainda é algo pouco fomentada. A XPEED nasceu com a missão de transformar esse cenário. Temos uma escola de empreendedorismo e sabemos que nosso papel transcende o apoio com conhecimento. Nossa escola quer cada vez mais fomentar o ecossistema com recursos e iniciativas como essa. Impulsionar a prosperidade do empreendedorismo e amplificar o acesso à educação financeira são os nossos verdadeiros compromissos com o país”, explica Izabella Mattar, CEO da XPEED e uma das integrantes da banca avaliadora, que contará com outros quatro membros: Marcos Sterenkrantz (Head da XP Ventures), Thiago Nigro (Primo Rico), José Berenguer (CEO do Banco XP) e Thiago Godoy (Head de Educação Financeira da XPEED).

Além da escolha da banca, o público que estiver acompanhando a transmissão também poderá participar do processo de seleção. Será disponibilizado um QR Code na tela que dá acesso a uma página onde será possível avaliar cada um dos projetos. A nota final será composta 50% pela banca avaliadora e 50% pelo voto do público.

Para Marcos Sterenkrantz, Head da XP Ventures, o Pitch Day é mais uma ação que reforça o compromisso da XP Inc. com a educação financeira no Brasil e com o impulsionamento do empreendedorismo. “Apesar de apenas uma empresa ganhar o prêmio, a participação e transmissão do evento de forma 100% digital e gratuita são maneiras de engajar, incentivar e inspirar ideias potenciais que auxiliem nesse processo de educar os brasileiros sobre seu dinheiro”, explica.
A empresa vencedora receberá um prêmio de R$ 25 mil reais, cursos livres sobre mercado financeiro para todo o time e um MBA de empreendedorismo e gestão exponencial da XPEED para pessoa fundadora. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 15 de novembro por meio deste link: https://xpi.typeform.com/to/BC3NB9dt

Tags, , ,

Startups aceleradas pelo InovAtiva são destaque no CASE Startup Summit

Durante o mês de outubro, foi realizado o CASE + Startup Summit , evento que uniu a Conferência Anual de Empreendedorismo e Startups e o principal evento do ecossistema de inovação do Sul do país em iniciativa inédita para criar a maior reunião digital de empreendedorismo latino-americana. Ao todo, 25.190 pessoas participaram, 4.480 empresas foram atendidas e 85 startups brasileiras exibiram suas soluções.

Para estimular ainda mais startupeiros de todo o continente a alavancar seus negócios, o InovAtiva Brasil , hub de aceleração, conexão e capacitação de startups brasileiras, participou ativamente do evento, oferecendo, de forma online e gratuita, mentorias coletivas e até mesmo um Demoday. Assim, conseguiu atingir mais de 1,1 mil players do ecossistema.

“Estamos trabalhando para a construção de um Brasil que valoriza a inovação e esta oportunidade nos ajuda a ir ainda mais longe, estruturando uma rede que poderá nos transformar na maior nação empreendedora do mundo”, comenta Carlos Da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (SEPEC/ME).

O evento também contou com grandes premiações, como o Startup Awards e o Sebrae Like a Boss + Get In The Ring que geraram visibilidade a startups e também a agentes fomentadores do empreendedorismo no país. Todas as atividades ocorreram de maneira digital, no site do evento.

“O Case Startup Summit foi uma soma de esforços, onde conseguimos mobilizar todo o ecossistema de startups do Brasil. Ter parceiros envolvidos nas mais diversas ações mostra a força que o empreendedorismo inovador tem no país e como juntos podemos realizar feitos incríveis”, destacou o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

InovAtiva Conecta

Para gerar uma experiência ainda mais enriquecedora aos participantes, o InovAtiva Brasil, em parceria com WOW Aceleradora, Investimentos Acate e Cotidiano Aceleradora, promoveu um Demoday em que oito startups apresentaram suas soluções para uma banca formada por investidores e aceleradoras.

A escolha dessas empresas foi feita com base em critérios como faturamento de até R﹩ 30 mil mensais, de preferência não ter recebido investimento previamente e atuar com agropecuária, finanças, varejo, indústria, educação, saúde ou recursos humanos, priorizando aquelas que, dentro destes quesitos, tivessem algum impacto socioambiental.

Desta forma, as startups aceleradas selecionadas foram: PecSmart e UpFlux. Além das aceleradas, participaram também Atmos, Fácil Consulta, Ímpar, Matched, NanoScoping e Trocados.

Mentorias Coletivas

Junto com as aceleradoras Darwin Startups e Ace Startups, o InovAtiva Brasil também promoveu 24 sessões de mentorias coletivas, que atingiram um total de 1.143 pessoas, somando as participações pela plataforma do evento e as visualizações do Youtube.

Essas palestras abordaram temas como impacto socioambiental, branding, marketing digital, Growth Hacking, gestão empresarial, tração de vendas, conexão com grandes empresas, entre outros.

Tags, ,

Astrazeneca e InovaHC selecionam startups para projetos de aceleração e inovação na saúde

A “Jornada do Pulmão”, projeto de otimização da jornada dos pacientes com doenças pulmonares desenvolvido em uma parceria entre a AstraZeneca e o InovaHC – o Centro de Inovação do HC FMUSP-, entra em uma nova fase com a seleção de quatro startups que desenvolverão, nessa parceria, soluções para essa jornada: Predict Vision, Philo Care, MaChiron e Analytix.me.

Em comum, o uso da inteligência artificial na busca de formatos que possam auxiliar milhares de pessoas que pertencem ao ciclo de doenças pulmonares altamente impactantes e pouco priorizadas, como a asma e câncer de pulmão. Essas startups passarão por um processo de aceleração que está sendo desenvolvido pela AstraZeneca através de uma parceria com o C.E.S.A.R., um dos maiores centro de pesquisa em inovação do país, com mais de 20 anos de experiência acelerando startups.

“Almejamos com esse projeto combinar inovação, novas tecnologias e a experiência de profissionais de saúde para ter um ecossistema capaz de promover um efetivo cuidado do paciente, olhando para toda sua jornada, por isso demos o nome de Jornada do Pulmão. Poderemos impactar a vida de 5 milhões de pacientes nos próximos quatro anos”, diz Bruno Pina, diretor de Inovação e Tecnologia da AstraZeneca Brasil.

O projeto, lançado há um ano e agora em uma fase de evolução, está baseado em quatro pilares: prevenção e conscientização com incentivo ao fim do tabagismo e conhecimento dos sintomas; diagnóstico e estadiamento precoces por meio do uso da inteligência artificial; acesso e tratamento; e manejo e bem-estar, baseado no gerenciamento de dados clínicos e laboratoriais. Para a diretora médica da AstraZeneca Brasil, Maria Augusta Bernardini, “os quatros pilares olham de forma atenta para todas as etapas da jornada do paciente, o que possibilita a criação de propostas mais assertivas”.

Além disso, o gerente de Inovação do Hospital das Clínicas, Ivisen Lourenço, pontua que “apesar das startups terem a Inteligência Artificial como um ponto em comum, cada uma tem suas especialidades, que juntas agregam no projeto como um todo. Por isso, o In.Pulse, programa de aceleração do InovaHC, busca integrar as áreas, dando todo o suporte necessário para a execução dos formatos propostos”.

Para Marco Bego, diretor do InovaHC, ter a união do setor privado e público com as suas expertises é o melhor caminho para o desenvolvimento de ferramentas com soluções de impacto em todos os níveis da área da saúde. “Acreditamos muito em poder disponibilizar serviços eficientes, já que de um lado temos profissionais do hospital das Clínicas e da Faculdade de Medicina da USP, no quadrilátero da maior instituição de saúde da América Latina, e de outro a AstraZeneca, uma biofarmacêutica global, voltada para inovação, com foco principal no desenvolvimento de medicamentos”.

Veja abaixo os perfis das startups

• Predict Vision – Plataforma baseada em nuvem que apoia as decisões médicas e consultoria de inteligência artificial;

• Philo Care – Oferece monitoramento de saúde a baixo custo, graças ao uso de inteligência artificial em sua tecnologia proprietária;

• MaChiron – Utiliza a inteligência artificial e o aprendizado da máquina (Machi) aliados a uma expertise humana interdisciplinar para oferecer soluções em saúde;

• Analytix.me – Busca democratizar o acesso a dados públicos e privados com automação de processos e visualização de dados focada em planos de ação.

Tags, , , ,

Grupo Sabin e Fleury criam fundo de Venture Capital de R$ 200 milhões

O córtex humano tem papel central em atividades complexas do cérebro. É ele o responsável por captar os impulsos produzidos pelas vias de sensibilidade e interpretá-las. É desse local também que tem origem os impulsos nervosos para comandar os movimentos. Não à toa, este foi o nome escolhido para batizar, em inglês, o Kortex Ventures, um dos maiores fundos de Corporate Venture Capital de saúde no Brasil.

Criado pelo Grupo Fleury e Grupo Sabin, o Kortex é um Corporate Venture Capital (CVC) que pretende atuar como um elo centralizador de informações, identificando oportunidades no mercado, analisando e tomando ações para gerar valor nas empresas investidas. O fundo pretende aportar R﹩ 200 milhões em empresas nascentes de tecnologia de saúde nacionais e estrangeiras, e seu principal objetivo é investir de forma minoritária em negócios de medicina diagnóstica, medicina personalizada e saúde digital, ajudando a promover o desenvolvimento dessas pequenas empresas. A meta é que em quatro anos o fundo seja sócio de 15 a 18 healthtechs.

O Kortex já nasce carregando o conhecimento e a experiência de dois gigantes e reconhecidos players no setor de saúde brasileiro. Ao se tornarem sócias do fundo, as startups terão acesso à extensa rede de relacionamento, à estrutura técnica e científica das áreas de Pesquisa&Desenvolvimento e à longa trajetória de atuação das companhias, presentes em todas as regiões brasileiras. Para as aspirantes, também é a oportunidade de iniciarem sua jornada no mercado com Sabin e Fleury não apenas como parceiros, mas também como clientes.

Por sua vez, o Grupo Sabin e o Grupo Fleury estarão ainda mais conectados ao ecossistema de startups e healthtechs. Para eles, é a oportunidade de ver nascer negócios promissores e levar o que há de mais inovador aos seus clientes.

“O investimento no Kortex Ventures é mais uma etapa do planejamento do Grupo Sabin para fortalecer o ecossistema de saúde no País, posicionando a empresa como parceira estratégica de empreendedores e de negócios, que entrega, além do investimento, uma plataforma de conhecimento, desenvolvimento e validação de tecnologias, produtos e serviços para o mercado brasileiro com maior velocidade e maior consistência. As duas empresas possuem grande expertise médica e técnico-científica, bem como uma das maiores redes de relacionamento em saúde do Brasil, que é relevante porta de entrada para diversas regiões do País. Temos o objetivo de apoiar empresas que inclusive transcendam a medicina diagnóstica, contribuindo com soluções inovadoras para os cuidados integrados da saúde tanto do indivíduo como da população”, avalia Lídia Abdalla, presidente executiva do Grupo Sabin.

“Queremos preservar a independência, agilidade e espírito empreendedor das empresas investidas ao mesmo tempo em que aprendemos com elas e incorporamos ao nosso negócio suas melhores soluções. Pretendemos unir nossa experiência secular com a mentalidade das startups. O fundo irá acelerar exponencialmente esse movimento”, analisa Carlos Marinelli, presidente do Grupo Fleury.

Capital estratégico – O Kortex é um Corporate Venture Capital (CVC) com atuação e gestão independentes. O fundo foi formado a partir do investimento conjunto de R﹩ 200 milhões do Grupo Fleury e Grupo Sabin. Diferentemente de um Venture Capital puro, o CVC vai além do conceito “smart money” e se posiciona como um fundo de “strategic money”, ou capital estratégico. Isto significa que o Kortex Ventures pretende investir em healthtechs que tenham sinergias com os negócios de ambas as companhias, ajudando as empresas não apenas financeiramente como também oferecendo acesso à expertise e estrutura operacional do Fleury e Sabin.

No mercado de saúde nacional e internacional, o Kortex atuará identificando as startups promissoras e alinhadas estrategicamente aos seus valores. As healthtechs podem entrar em contato diretamente com fundo e se candidatar para receber os aportes: http://www.kortexventures.com .

Tags, , , , , ,

Associação Brasileira de Startups anuncia nova diretoria para biênio 2021-2022

Em Assembleia Geral Ordinária realizada em 30 de outubro, a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema, realizou eleições para definir a nova Diretoria da Associação, cujo mandato será válido por dois anos a partir de janeiro de 2021. Em chapa única inscrita, a votação se deu por aclamação na Assembleia com associados.

Na ocasião, Felipe Matos Sardinha Pinto, founder da 10kDigital foi apresentado para assumir o cargo de presidência, tendo Ingrid Barth, founder da Linker, como sua vice presidente, e Cristiano Fernandes de Freitas, sócio da Syhus Contabilidade, como novo diretor financeiro. José Muritiba segue como diretor executivo, cargo que assumiu no início de 2020.

Mestre em Empreendedorismo pela USP e Autor do livro “10 Mil Startups”, Matos é sócio da 10K Startups, consultoria em empreendedorismo, transformação digital e aceleração de ecossistemas de inovação para startups, empresas e governos, e já apoiou mais de 10 mil startups no Brasil. Foi fundador da aceleradora Startup Farm, COO do programa governamental Start-Up Brasil no MCTI e co-fundador do venture builder Instituto Inovação; e de outras iniciativas que o levaram a trabalhar com inovação em mais de 10 países.

“Me sinto honrado pela confiança que o ecossistema de startups depositou em mim para liderar a Abstartups. Para o futuro, pretendo fortalecer o papel da associação como uma das principais vozes de representação do setor junto à sociedade e ao poder público, atuando para avançar em políticas públicas e iniciativas que possam dinamizar o segmento. Também pretendo avançar na produção de dados mais completos e abrangentes, na formação de talentos qualificados, na promoção da diversidade e inclusão e no desenvolvimento das comunidades locais de startups pelo Brasil, que já são uma marca forte da história da entidade”, pontua o novo presidente da Abstartups.

Bacharel em economia e finanças pela Universidade Metodista de São Paulo e com MBA em Neuroeconomia e Economia Comportamental pela ESPM, Ingrid Barth tem larga experiência em vendas e coordenação de operações de crédito e gestão de tesouraria, bem como conhecimento em negociações contratuais relacionadas a operações cross boarder de derivativos e empréstimos. Em 2018, fundou a Linker, o 1º banco digital 100% focado em startups e seus empreendedores, onde atua como COO. Atualmente, também é CEO da ABFintechs, faz parte do Comitê de Jovens Empreendedores na FIESP, entre outros.

Já o novo diretor financeiro da Abstartups é empreendedor e compartilha seus conhecimentos como palestrante oficial da ContaAzul e mentor do Founder Institute, Eretz.bio, Liga Ventures, Parque Tecnológico de Sorocaba e mais de outras 10 aceleradoras/incubadoras pelo Brasil. Desde 2013, busca construir um legado de inovação no mercado contábil como fundador e CEO da Syhus, hub de serviços contábeis especializado no mercado de tecnologia e novos modelos de negócio.

Até a posse em 01 de janeiro de 2021, o presidente Amure Pinho segue no comando da entidade.

Tags, ,

Como a inovação aberta pode fortalecer o ecossistema de startups?

Por Mariana Yazbéck

Inovar é preciso! Prova disso é que o número de startups que tem a inovação como parte de seu DNA vem aumentando consideravelmente ao longo dos anos. Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), temos hoje 13.478 iniciativas mapeadas por todo o Brasil, em 2011 esse número era de apenas 600.

Com a chegada da pandemia do Covid-19, ficou ainda mais evidente a necessidade de apostar na inovação dentro das empresas. Prova disso é um estudo da agência FleishmanHillard, que apontou que 80% dos entrevistados acreditam que o coronavírus mudará de maneira irrevogável a forma como veem o mundo. Além disso, de acordo com o artigo “Knowing When to Reinvent“, da Harvard Business Review, em média, 80% dos executivos de grandes companhias reconhecem que é preciso se transformar. Ou seja, mais do que nunca, precisamos falar sobre o assunto e conhecer novas formas de trazer mudanças para dentro das organizações, principalmente aquelas que atuam em verticais mais tradicionais.

Neste contexto, é necessário falarmos em inovação aberta. Segundo Henry Chesbrough (2003), esse termo se refere ao uso de entradas e saídas intencionais de conhecimento para acelerar a inovação interna e expandir os mercados pelo uso externo da inovação, respectivamente. Ou seja, esse tipo de metodologia permite a troca de conhecimentos entre empresas em prol da transformação, principalmente no âmbito tecnológico.

Se olharmos para o mercado, podemos ver diversas iniciativas neste sentido e que têm prosperado. Um exemplo disso foi a parceria entre a Cargo Sapiens, startup acelerada pela FIEMG Lab, e a Usiminas, Líder no Mercado de Aços Planos no Brasil, para a otimização do processo de contratação do frete internacional das operações de importação.

Por meio de plataforma própria, a solução da Cargo Sapiens eliminou cerca de quatro meses de trabalho envolvido no processo de licitação de frete internacional (BID) e gerou redução de custo global de 13,48%. A iniciativa trouxe ainda simplificação e agilidade ao processo, além de ter elevado o nível de governança e compliance, se tornando o case de inovação com startup de maior destaque na Usiminas em 2019.

Outra parceria que podemos destacar é a da Termica Tech Solutions, startup Digitalização de Processos Térmicos e a Fiat Chrysler Automobiles (FCA), um dos maiores grupos automotivos do mundo, que teve como objetivo aumentar a produtividade no processo de tratamento térmico das peças do câmbio da FCA. A solução apresentada pela Termica analisa os dados históricos para a identificação de ganhos potenciais. A partir disso, levantou-se um potencial de aumento da produtividade de até 20% em uma linha de tratamento térmico.

Esses são apenas alguns exemplos entre muitos que existem atualmente no mercado e que não só podem, como devem ser replicados. A utilização de soluções criadas por startups permite que muitas organizações incorporem inovações que jamais teriam sido implementadas, por uma série de fatores como falta de tempo, conhecimento ou recursos disponíveis.

Ao mesmo tempo, criar parcerias com essas empresas altamente tecnológicas permite que todo o ecossistema seja fortalecido, ou seja, é uma relação de ganha-ganha, onde todos crescem durante o processo. Por isso, afirmo sem medo que a inovação aberta é um caminho altamente vantajoso e que pode ser utilizado em diversos setores, promovendo transformações positivas e potencializando o crescimento de todos os envolvidos. Aposte nessa ideia!

Mariana Yazbéck, gerente do FIEMG Lab, maior hub de inovação aberta de startups industriais

Tags, , , ,

BossaBox recebe aporte de R$ 8 milhões para potencializar transformação digital em empresas brasileiras

BossaBox, primeira a operar por squads-as-a-service no Brasil, acaba de receber um aporte de R$ 8 milhões liderado pela Astella Investimentos, acompanhada pela Redpoint eventures e MIT Angels – ambas empresas conhecidas por investir em empreendedores e startups que têm foco em tecnologia e no mercado digital. “A pandemia acelerou tendências que prevíamos na BossaBox e, por conta disso, tomamos a decisão de realizar essa captação. Estamos aqui para suprir o mercado que necessita de agilidade em inovação e transformação digital, bem como dar as melhores oportunidades de desenvolvimento para a nossa base de profissionais”, afirma André Abreu, CEO da BossaBox.

Planejando triplicar sua receita até o fim de 2020, a organização – que já desenvolveu soluções para empresas como Corteva, Valid, Neoenergia e Hering, entre outras – pretende fechar o ano com faturamento de R$ 11 milhões. A nova rodada de investimento fará com que a startup pioneira em conectar empresas a freelancers de tecnologia no Brasil entregue mais valor para todas as partes interessadas. Para seus clientes, a BossaBox quer ampliar a jornada de transformação digital em grandes corporações ao ir além da construção ágil de produtos digitais, apoiando também a inovação tecnológica e cultural dentro das organizações.

A empresa investirá em desenvolvimento profissional e pretende alcançar maiores níveis de impacto em sua base de prolancers, reforçando seu propósito de fazer com que profissionais de tecnologia de todo o país atuem em projetos com as marcas mais importantes do País, tudo isso sem precisarem se deslocar para os grandes centros urbanos. Com seu serviço, a BossaBox democratiza as oportunidades nessa área e aposta no desenvolvimento profissional dos prolancers, algo que será intensificado com o investimento recebido.

Para Marcelo Sato, sócio da Astella Investimentos, “a BossaBox traz o modelo mental típico aos times de desenvolvimento das startups de crescimento exponencial para o mundo corporativo em transformação digital. A solução permite aos gestores manterem o foco nas estratégias corporativas além de municiá-los com produtos digitais para se diferenciarem de forma rápida e eficiente. Encontramos no time de founders – André, Giovanni, Eduardo e João – a energia e conhecimento necessários para levar a BossaBox para o próximo estágio de maturidade e escalabilidade.”

O CEO da startup destaca ainda que o investimento é um grande reconhecimento pelo trabalho que a BossaBox tem desenvolvido durante os últimos anos. “Com fundos que são referência investindo em nossa empresa, conseguimos dar um grande passo para executar nossos planos. Ter o apoio do time da Astella e a Redpoint na companhia mostra que estamos no caminho certo e com a equipe certa. Somos fãs do trabalho que os dois fundos desenvolvem no ecossistema e estamos muito empolgados com o que está por vir com essa parceria”, comenta o empreendedor.

A BossaBox possui mais de 10 mil profissionais cadastrados e já desenvolveu mais de 90 projetos em todo o país. Com agilidade, excelência, segurança e praticidade, a plataforma monta em poucos dias o time que contribuirá em grandes projetos de inovação, além de absorver toda a responsabilidade pelo desenvolvimento das soluções adequadas a cada cliente. As organizações apostam na expertise e agilidade dos profissionais da BossaBox para acelerar a inovação dentro de estruturas mais tradicionais e alocar suas próprias equipes de tecnologia em projetos internos voltados para a estrutura de TI da companhia.

Depois de enfrentarem um rigoroso processo seletivo criado pela BossaBox, os prolancers, como são chamados os profissionais freelancers cadastrados na plataforma da startup, praticam novas habilidades, se envolvem em projetos relevantes, possuem autonomia e acesso a uma fonte de renda estável, mesmo trabalhando de forma remota.


A startup encontrou neste formato um meio de promover a diversidade e inclusão dentro da área de tecnologia, sem esquecer a qualidade. Além de ampliar o acesso a oportunidades profissionais que antes só estavam disponíveis nos grandes centros urbanos, a BossaBox também apoia ativamente iniciativas como a capacitação de mulheres em tecnologia da Reprograma, projeto para o qual a empresa doou toda a receita de seu evento Product Masterclass, realizado em julho e agosto deste ano.

Tags, , , , , ,

Três startups brasileiras estão na final global do Starter Business Acceleration

Depois do recorde de candidaturas em 2020, o Starter Business Acceleration, programa mundial de aceleração de negócios com startups que oferecem soluções aplicáveis ao setor de energia, selecionou as nove finalistas globais. Idealizado pela EDP, empresa que atua em toda a cadeia de valor do setor elétrico, o concurso terá três representantes brasileiras na final: Energy Source, Nuveo Technologies e Plataforma Verde. A final do concurso acontece no próximo dia 18 em formato virtual e a startup vencedora garante um prêmio de 50 mil euros.

Neste ano, o programa recebeu 820 candidaturas de 74 países, sendo o Brasil um dos países com maior número de inscrições, com mais de 120 candidatos. Além das brasileiras, são finalistas as seguintes startups: Aerones (Letônia), Aplanet (Espanha), ClimaCell (Estados Unidos), EET (Dinamarca), YData (Portugal) e Yotta Energy (Estados Unidos). O Starter Business Acceleration teve módulos na América Latina, Europa e América do Norte.

Na grande final, as startups apresentarão suas soluções para as empresas do Grupo EDP, que detém uma capacidade instalada de 27GW – 74% dela provenientes de energias limpas (eólica, solar e hídrica)— e 12 milhões de clientes, e para duas utilities parceiras que integram o programa: a Verbund, maior fornecedora de eletricidade da Áustria; e a Turning Tables, empresa de inovação do grupo espanhol Cuerva.

As finalistas oferecem soluções alinhadas com temas prioritários para as utilities: energias limpas, soluções com foco no cliente, inovação digital, armazenamento de energia, redes inteligentes, inovação em processos internos e inovação de impacto.

“Tivemos um ano desafiador em todos os sentidos e, mesmo assim, podemos ver uma edição de excelência em nosso programa de aceleração. Além do recorde de inscrições, o nível e maturidade das startups participantes impressionou. Teremos uma final com soluções de alto nível e com alta aplicabilidade para o setor elétrico”, destaca Andrea Salinas, diretora de Inovação e Ventures da EDP Brasil.

Tags, , ,

Inscrições abertas para 2º edição do prêmio EDF Pulse no Brasil

O Grupo EDF abriu inscrições para a 2ª Edição do Prêmio EDF Pulse Brasil, que vai reconhecer projetos inovadores de empresas e startups nacionais que contribuam para os desafios das cidades e indústrias. O EDF Pulse Brasil 2021 vai oferecer dois prêmios de R$ 20 mil, um para cada categoria – Smart City e Smart Factory. Cada vencedor poderá apresentar a sua iniciativa às equipes da EDF Pulse Croissance, o fundo de investimento e incubadora do Grupo EDF. Além disso, caso alguma inovação seja de interesse das empresas do Grupo EDF no Brasil, haverá a possibilidade da realizar uma parceria para o desenvolvimento do projeto. As inscrições do prêmio vão até 8 de janeiro de 2021 pelo site http://www.edf.fr/pulse-brasil, e a cerimônia de premiação será realizada em evento 100% digital em março de 2021.

As empresas do Grupo promoverão um webinar para apresentação do prêmio e esclarecimento de eventuais dúvidas. O encontro virtual será no dia 10 de novembro, às 14h, pelo link http://www.youtube.com/watch?v=bfNLhP9mmI8

Estão habilitadas a concorrer pequenas empresas e startups, domiciliadas no Brasil e compostas por no máximo 30 colaboradores, que podem ter sociedade com empresas de até 500 pessoas. Para ser elegível, o projeto também precisa estar em nível avançado de desenvolvimento: contar com um protótipo, já ser comercializado ou estar na fase pré-marketing.

Os projetos serão avaliados por um júri de especialistas e executivos do Grupo EDF a partir dos seguintes critérios: qualidade e robustez da solução; impacto e progresso para a sociedade; sustentabilidade do modelo do negócio; e a equipe (visão, complementaridade, experiências, habilidades).

Na 1ª edição do Prêmio Pulse Brasil, que ocorreu no ano passado, os vencedores foram: HVEX na categoria Smart City ao possibilitar a gestão ativa de energia para grandes consumidores, como redes comerciais e indústrias e Pix Force na categoria Smart Factory, que desenvolveu uma solução baseada na visão computacional para inspeção das linhas de transmissão.

Líder global em energia de baixo carbono, o Grupo EDF promove o Prêmio Pulse desde 2014, com edições na França, Itália, Reino Unido e África. No Brasil, o prêmio é resultado da parceria entre as principais empresas do Grupo no país: Citelum, EDF Norte Fluminense, EDF Renewables e Framatome.

2º EDIÇÃO DO PRÊMIO EDF PULSE BRASIL

Inscrições: até 8 de janeiro de 2021 pelo site http://www.edf.fr/pulse-brasil

Podem concorrer: pequenas empresas e startups domiciliadas no Brasil e compostas por no máximo 30 colaboradores, que podem ter sociedade com empresas de até 500 pessoas.

Categorias: a) Smart City (R$ 20 mil): inovações que transformem cidades e territórios para enfrentar desafios demográficos e ambientais e b) Smart Factory (R$ 20 mil): iniciativas que visam acelerar a convergência entre meios e processos industriais e tecnologias digitais para maior eficiência e novos ganhos na otimização do consumo.

Tags, ,

ASICS abre inscrições para programa global de aceleração de startups

A ASICS começou a aceitar novas inscrições para a 4ª edição do ASICS Accelerator Program – seu programa global de aceleração de startups, que aceitará inscrições de qualquer país, incluindo o Brasil, até o dia 16 de novembro.

O tema da pesquisa do ASICS Accelerator Program este ano é a filosofia principal da marca: Sound Mind, Sound Body ™ (Mente Sã, Corpo São). O recrutamento visa captar, principalmente, ideias para produtos e serviços que usarão a tecnologia e a força da ASICS para contribuir em iniciativas com foco em wellness e bem-estar, tanto da perspectiva da mente quanto do corpo, tornando possíveis o estilos de vida equilibrado para mais pessoas, bem como criar um novo valor.

As inscrições para o programa acontecem até o dia 16 de novembro. Após a primeira etapa de inscrição para o programa e uma entrevista de triagem, as startups serão selecionadas para participar do Demo Day – todas as selecionadas poderão consultar os mentores da ASICS para melhorar a eficácia de seus planos de parceria de negócios até o Demo Day.

O Demo Day será realizado de forma online em fevereiro de 2021, e o corpo diretivo da ASICS irá avaliar as apresentações de cada startup antes de tomar uma decisão final sobre a vencedora. Em seguida, serão realizadas demonstrações e realizados planos de parceria de negócios com as startups selecionadas.

No ano passado, quatro propostas de parceria de negócios foram concretizadas a partir do resultado do Programa ASICS Accelerator – com produtos, serviços e conteúdo que contribuíram para oportunidades comerciais em 2020, foram solicitados e testados no mercado. A ASICS desenvolveu em conjunto o sapato inteligente EVORIDE ™ ORPHE, que oferece respostas sobre as mudanças no movimento do pé em tempo real, juntamente com o vencedor do Grande Prêmio no new folk studio, Inc.

À medida que a sociedade e o meio ambiente passam por mudanças rápidas, é fundamental que a ASICS reforce sua pesquisa em tecnologia e também busque ativamente parcerias promissoras para poder oferecer produtos, serviços e um ambiente que contribuam para melhorar as condições de saúde das pessoas, tanto da perspectiva da mente quanto do corpo. A ASICS deseja alcançar um crescimento sustentável por meio de parcerias com startups que gerem valor para a sociedade como um todo, visando um futuro mais sustentável.

Para saber mais sobre o programa e inscrições, acesse http://corp.asics.com/en/ventures/accelerator_program/.

Tags, , ,

Como iniciar uma cultura de CX para a sua startup?

Por Kristen Durham, vice-presidente de Startups da Zendesk.

Se a sua startup ainda não pensou no suporte ao cliente, você não está sozinho. Em pesquisa recente com fundadores e tomadores de decisão de startups, mais de 70% dos entrevistados relataram que não têm uma estratégia formal de suporte ao cliente. E não é nenhuma surpresa. Os fundadores têm muitas prioridades paralelas: desenvolver produtos, arrecadar fundos, estabelecer a adequação do produto ao mercado, montar uma equipe e definir a cultura da empresa, por exemplo.

Embora todos saibamos intuitivamente que uma startup só sobrevive e cresce com a aquisição e retenção de clientes, passar do reconhecimento desse fato para construir uma estratégia formal para atender às necessidades do cliente exige esforço. Não importa em que estágio você esteja, cada decisão de concentrar recursos em algum lugar significa que há menos recursos disponíveis para todo o resto.

Então, quando e como você começa a priorizar os investimentos na experiência do cliente em sua startup? Para embasar essa resposta com dados, analisamos os comportamentos históricos de suporte ao cliente de mais de 4.400 startups que participam da pesquisa Startup Benchmark, e comparamos isso a indicadores externos de desempenho.

Nossa pesquisa encontrou uma ligação clara entre melhores experiências do cliente e crescimento mais rápido. As startups de alto crescimento se movem com mais rapidez e investem mais do que seus pares para atender clientes. A pesquisa mostrou que, em média, as startups de rápido crescimento adicionaram suporte dentro de 10 meses de sua primeira rodada de financiamento. Além disso, as startups de rápido crescimento oferecem mais maneiras de seus clientes entrarem em contato com eles; quase 60% fornecem suporte omnicanal – o que significa oferecer opções de contato por e-mail, chat, centros de ajuda, mensagens e/ou telefone – para ajudar a reduzir o tempo de espera e construir equipes mais eficientes.

As startups de rápido crescimento também aproveitam melhor a tecnologia para seu benefício e, por isso, são capazes de conduzir equipes mais eficientes com melhores resultados. Eles criam centros de ajuda 1,3x mais robustos, utilizam APIs 1,4x mais frequentemente para criar tickets de suporte e usam 2,8x mais automações de fluxo de trabalho em suas equipes de suporte. O resultado final é que essas equipes podem lidar com quase 50% mais tickets por agente do que seus pares, e o fazem em 40% menos tempo. Você sempre pode optar por trabalhar mais, mas não há razão para não trabalhar de maneira mais inteligente.

Cinco etapas para começar

Nossa pesquisa identificou cinco ações nas quais as empresas devem se concentrar para operar como uma startup de rápido crescimento nos primeiros dois anos, em ordem de prioridade:

• Configure uma função de suporte ao cliente que priorize velocidade e conveniência para seus clientes e equipe de atendimento (9 a 10 meses a partir do financiamento);


• Adicione canais ao vivo, como telefone e chat, que são alternativas mais rápidas para e-mail e tickets pela web (12-17 meses a partir do financiamento);


• Lance canais de mensagens, como mídias sociais e WhatsApp, para alcançar clientes nos canais que eles usam em suas vidas diárias (14 meses a partir do financiamento);


• Estabeleça uma central de ajuda ou Perguntas Frequentes e inclua pelo menos 30 artigos que respondam às questões mais frequentes (30 artigos até o sexto mês);


• Apresente pelo menos um novo aplicativo ou integração à plataforma de suporte ao cliente a cada seis meses para aumentar a produtividade do agente de suporte e otimizar os fluxos de trabalho. Isso pode ajudar a manter os tempos de primeira resposta e de resolução entre três e oito horas.

Se você ainda não tem certeza de que é o momento certo para adotar uma plataforma de suporte ao cliente, procure esses gatilhos que os líderes de startups identificaram como os mais importantes para agir: aumento do volume de consultas de clientes, aumento de custos (devido ao aumento de contratação e custos de tecnologia dos sistemas existentes de suporte) ou o lançamento de um novo produto.

Embora não haja uma fórmula mágica para um crescimento mais rápido, nossa pesquisa sugere benefícios claros em fornecer melhores experiências ao cliente. Afinal, clientes satisfeitos são aqueles que sempre voltam e recomendam você para outras pessoas – e isso é sempre bom para os negócios.

Tags, , , ,