SAP Brasil alcança marca de 31,1% de mulheres em cargos de liderança

SAP Brasil alcança marca de 31,1% de mulheres em cargos de liderança

A SAP Brasil superou antes do tempo previsto o número de mulheres em cargos de liderança, que agora é de 31,1% do total de 1.200 funcionários. A marca é fruto de um trabalho intenso da alta liderança da SAP pela equidade no ambiente de trabalho da companhia. A quantidade de mulheres dentro da SAP é de 39%. O número é bem superior à média do mercado nacional de tecnologia, que é de cerca de 13% de mulheres.
 

A SAP estabeleceu a meta global de alcançar um equilíbrio entre homens e mulheres até 2030, com metade dos cargos ocupados por mulheres. A empresa alcançou um marco importante na América Latina com cinco unidades regionais lideradas por mulheres, após a nomeação de Marcela Perilla como diretora geral da SAP Região Norte da América Latina, sediada na Colômbia.
 

Além de Marcela, Ángela Gómez (México), Adriana Aroulho (Brasil), Claudia Boeri (Região Sul, com sede na Argentina) e Cristina Palmaka (SAP América Latina e Caribe) comandam a SAP em suas regiões. A América Latina foi a primeira região da SAP no mundo a alcançar o feito de mulheres na presidência das empresas.
 

“É uma alegria muito grande conseguir chegar a esta meta de mulheres líderes na SAP Brasil. Temos trabalhado muito para aumentar a inclusão feminina nos nossos quadros em todos os níveis. Acredito muito que uma empresa mais igual é uma empresa melhor, e seguiremos incentivando as mulheres a virem para a SAP e desenvolverem os seus talentos”, disse Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil.
 

Dentro dos seus vários programadas dedicados à Diversidade e Inclusão, a SAP Brasil tem o Business Women´s Network (BWN), rede de funcionários focada na igualdade de gênero e desenvolvimento de talentos femininos, que tem a participação de mais de 15% dos funcionários na América Latina e Caribe. Um dos objetivos da SAP é atrair, reter e desenvolver talentos femininos, para aumentar o número de líderes mulheres.
 

A SAP tinha o objetivo de alcançar 25% de mulheres em posições de gerência até o final de 2017, o que aconteceu com seis meses de antecedência. O conselho da empresa, então, estendeu o comprometimento ao aumento de um ponto percentual por ano até 2022, chegando a 30% no final deste ano.
 

Para Fernanda Saraiva, diretora de Recursos Humanos da SAP Brasil, a meta alcançada mostra que a empresa está no caminho certo na promoção de um ambiente de trabalho mais inclusivo. “Assumimos na SAP o compromisso de fazer o mundo funcionar melhor e aperfeiçoar a vida das pessoas. Nosso comprometimento começa dentro de casa, ao construirmos um ambiente diverso e inclusivo. E todo esse trabalho é acompanhado e estimulado pela nossa presidente e todas as lideranças”, conclui.
 

Este ambiente de trabalho focando na inclusão e no bem-estar foi reconhecido recentemente pela Great Place to Work que deu o 1º lugar para a SAP Labs Latin America como a Melhor Empresas para Trabalhar no Brasil em 2022, na categoria Grandes Empresas (de 1 mil a 9.999 funcionários). A SAP Brasil figurou em 11º lugar e, no ranking regional do estado de São Paulo, ficou na 2ª posição, subindo duas em relação ao ano passado.

Comments are closed