Projetos de Geração Distribuída devem se concentrar na baixa tensão por conta da abertura do Mercado Livre

Projetos de Geração Distribuída devem se concentrar na baixa tensão por conta da abertura do Mercado Livre

A GD (Geração Distribuída) ficará ainda mais focada nos consumidores de baixa tensão com a abertura do ACL (Ambiente de Contratação Livre ou Mercado Livre) para toda a alta tensão, prevista para janeiro de 2024, conforme portaria do MME (Ministério de Minas e Energia). Contudo, o novo cenário trará novas oportunidades de negócios para as energias renováveis no Mercado Livre, devido à tendência de os novos consumidores livres optarem pela energia mais limpa e à necessidade de diversificação das fontes energéticas, avalia a Turiya Renováveis, braço de geração de energia renovável do Grupo Indra.


“Com a nova portaria, espera-se que aqueles que não poderiam migrar para o mercado livre, optem por entrar no mercado. Principalmente pela liberdade de escolha e pela possibilidade de negociar os prazos dos contratos. Ou seja, a perspectiva é de que os novos consumidores de alta tensão, que poderão ingressar no mercado livre de energia a partir de 2024, voltem-se mais à migração para o mercado livre do que em permanecer em um sistema de Geração Distribuída”, explica Ingrid Santos, CEO da Turiya. “Desta maneira, a GD estará mais direcionada ainda para o atendimento dos consumidores residenciais e comerciais da baixa tensão, que conseguem contar com um desconto na conta de luz e consumo de energia limpa, sem a necessidade de investimentos em equipamentos.”


É esperado que a demanda máxima de classificação do consumidor especial abaixe, e por essa razão, alguns que já estão no ACL poderão se tornar consumidores livres.


“A nossa avaliação é que haverá uma demanda superior por energias renováveis por conta da maior entrada de consumidores especiais no ACL. Com isso, a tendência é provável que se abram mais oportunidades de investimentos neste tipo de fonte, principalmente devido à necessidade da diversificação energética e busca por incentivo às renováveis”, afirma a CEO da Turiya. Para ela, a tendência é que o consumidor livre opte por energia limpa também em função da competitividade dessas fontes e para alinhamento aos princípios ESG.


O novo cenário também faz com que os players do setor se adaptem às novas necessidades dos consumidores. O Grupo Indra, por exemplo, já se mobilizou para atender todos os tipos de consumidores. Com a Indra Comercializadora de Energia, oferece serviços para consumidores de alta tensão, por meio do mercado livre de energia, enquanto a Turiya Renováveis está focada em consumidores de baixa tensão, que conseguem usufruir dos benefícios da economia por meio da GD.


Com a possível migração de clientes para o ACL a partir de 2024, a Turiya tem ajudado a orientar e esclarecer as dúvidas daqueles que estão nesse processo. A empresa realiza análises aprofundadas a fim de evidenciar qual a melhor opção, permanecer na GD ou migrar para o Mercado Livre de energia.

Comments are closed