Pesquisa aponta que empresas estão atentas à capacitação de líderes e times, open innovation e programas de intraempreendedorismo

Pesquisa aponta que empresas estão atentas à capacitação de líderes e times, open innovation e programas de intraempreendedorismo

Relatório da ACE Cortex mostra como as organizações estão promovendo a cultura de inovação

Com o objetivo de entender as iniciativas e barreiras para a cultura de inovação dentro das companhias, a ACE Cortex, consultoria de inovação, realizou um mapeamento que entrevistou 277 pessoas com cargos de diretor, gerente, c-level e coordenador de pequenas, médias e grandes corporações com o faturamento anual partindo de R$4,8 milhões até R$500 milhões de receita, de mais de 15 setores, entre eles tecnologia, serviços, finanças, educação, construção, automotivo, energia, varejo, saúde entre outros.

Apesar de 91% dos entrevistados responderem que estão familiarizados com o tema “cultura de inovação”, os dados sobre como esses profissionais identificam o grau de maturidade da sua companhia quando falamos de cultura de inovação mostra como precisamos evoluir nesse aspecto: pouco mais da metade deles (52,4%) define a empresa em que trabalha com um grau de maturidade satisfatório*, contra 46,2% dos entrevistados que avaliam a companhia com uma maturidade insatisfatória.

Sobre os principais benefícios da cultura de inovação, 78% dos entrevistados afirmam que “permite à empresa ser capaz de evoluir seu negócio principal ao mesmo tempo em que explora novas oportunidades de negócios, mercados ou clientes”. Entre outras respostas, para 6,8% “coloca o cliente no centro da tomada de decisões”, e 5,8% acreditam que “viabiliza a adoção de novas tecnologias para maior agilidade nos processos”.

Entre as iniciativas que as empresas dos entrevistados já realizam voltado à cultura de inovação, foram mencionados “capacitação de líderes” (60.1%), “capacitação dos times” (45.1%), “open innovation” (42.2%), “programas de intraempreendedorismo” (38.4%), “Transformação Digital” (33.2%), “comunicação assertiva” (21.6%), “ESG” (10.4%), “gestão de performance” (10.4%), “corporate venture building” (6.3%) e “corporate venture capital” (4.1%).

Partindo do pressuposto que a “capacitação de líderes” foi a mais mencionada pelos respondentes, a pesquisa quis entender quais as vantagens da capacitação da liderança. A maioria respondeu que é para “melhorar eficiência e produtividade” (57.8%), seguida por “liderança mais preparada para os novos desafios” (45.9%), e “ser vista como uma empresa inovadora para o mercado” (39.2%).

Entre as barreiras que as empresas dos entrevistados enfrentam para consolidar uma cultura em prol da inovação, destaque para: silos entre as áreas (26.5%), falta de crença e entendimento que a cultura de inovação gera resultados (21.6%), falta de capacitação dos times (13.1%), inovação não é prioridade da empresa (12.3%), outros (23.9%).

Por fim, o report quis identificar “qual área é a principal responsável pela cultura de inovação de cada empresa” e o que chama a atenção é que o setor de pessoas, o RH, foi citado apenas por 4,1% dos entrevistados. As áreas mais mencionadas foram: “inovação/novos negócios” (40.7%), “comitê estratégico” (15.3%) e “tecnologia” (9.7%), além da área de “marketing” (3.4%). 20.9% dos entrevistados responderam não haver uma área responsável pelo tema.

Comments are closed