Archive fevereiro 2014

Fiesp/Ciesp sobre juros: a atividade econômica está esfriando

Nesta quarta-feira (26/02) o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central definiu novo aumento para a taxa Selic, desta vez de 0,25pp. O novo valor da taxa Selic passa a ser de 10,75 % a.a.

Para a Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), não existem fatores que justifiquem mais uma alta dos juros. “A atividade econômica está esfriando e, pelo visto, teremos mais um ano de crescimento abaixo da média mundial. Este novo aumento dos juros, embora menor que os anteriores, dificulta ainda mais a retomada”, afirma Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp.

“Estes meros 0,25pp, que a princípio parecem inofensivos, implicarão em gastos adicionais de juros de mais de R$ 5 bilhões de reais por ano, valor suficiente para construir 500 escolas e 100 hospitais.”

Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp)
Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)

Tags, , , ,

PayPal e Samsung permitem que consumidores façam pagamentos somente com a impressão digital

PayPal e Samsung anunciaram uma parceria que permitirá aos usuários do Samsung Galaxy S5 efetuar pagamentos utilizando apenas a impressão digital. A biometria não exige que os usuários do smartphone lembrem-se de suas senhas ou detalhes de login e o PayPal vai ser a primeira empresa global de pagamentos a apoiar a tecnologia de autenticação de impressão digital móvel da Samsung.

Samsung é uma das fabricantes de celulares mais confiáveis do mundo, com forte presença em mais de 150 países. Ao usar a autenticação de impressão digital em vez de um login e uma senha, os consumidores têm uma experiência de compra ainda mais segura e transparente, em milhões de estabelecimentos que aceitam PayPal.

“Ao liderar o Fast IDentity Online Alliance no ano passado, nós previmos que a indústria logo iria evoluir para além das senhas, e este anúncio nos leva a um passo mais perto da realidade”, disse Hill Ferguson, Chief Product Officer do PayPal”. Ao trabalhar com a Samsung, aproveitamos a tecnologia de autenticação de impressão digital do novo dispositivo, e fomos capazes de demonstrar que o consumidor não precisa enfrentar um dilema entre segurança e conveniência. Com um simples toque, é possível acessar sua conta PayPal de forma segura para fazer compras e pagar com a conveniência que os dispositivos móveis permitem”.

PayPal oferece uma carteira virtual que fica disponível na nuvem e não armazena informações pessoais no dispositivo. Os clientes podem pagar apenas com o toque, já que o software FIDO Ready ™ comunica o sensor de impressão digital do celular e o serviço na nuvem. A única informação compartilhada com o PayPal é uma chave criptografada exclusiva que permite verificar a identidade do cliente, sem ter que armazenar qualquer informação biométrica em servidores da companhia.

“Estamos muito animados sobre a nossa relação com o PayPal e como isso vai trazer uma das soluções de pagamento online mais confiáveis do mundo para um mercado mais amplo como o mercado móvel”, disse Hankil Yoon, vice-presidente sênior de Estratégias de Produtos Móveis da Samsung. “Juntos, esperamos oferecer aos nossos clientes uma experiência perfeita e segura nas compras e pagamentos online”.

A partir de abril, a autenticação de impressão digital PayPal no Samsung Galaxy S5 estará disponível em 26 mercados no mundo, incluindo Austrália, Brasil, Hong Kong, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos.

Tags, , , , ,

Page Personnel indica os sete cargos mais promissores para 2014

A condução de novos projetos aliada à falta de profissionais qualificados devem acirrar ainda mais a disputa por talentos no mercado de trabalho. É o que aponta levantamento realizado pela Page Personnel, uma das maiores empresas globais de recrutamento especializado de profissionais técnicos e de suporte à gestão, parte do PageGroup. A consultoria detectou, a partir de análises de mercado, quais cargos devem ser mais promissores ao longo deste ano. Confira abaixo as sete profissões listadas, divididas em sete áreas, e as tendências de cada uma delas:

1) Finanças
Analista Fiscal

Cenário: há escassez de profissionais com idiomas e bem preparados tecnicamente, o que irá inflacionar os salários entre 10% e 20%, além de levar a promoções precoces.
Salário médio: pode variar, de acordo com o nível de ocupação: R$ 3,3 mil (júnior), R$ 4,6 mil (pleno) e R$ 7,2 mil (sênior).

Aumento da demanda por esse profissional: 10% a 20%

2) Logística

Analista de Logística

Cenário: nota-se uma maior necessidade de profissionais nessa área. Foco em profissionais voltados para projetos de malha logística e eficiência em armazenagem e distribuição. O profissional deverá ter forte habilidade analítica e conhecimento da cadeia e processos logísticos. Engenheiros terão destaque nessas áreas. Acréscimo salarial de 20%.

Salário médio: pode variar, de acordo com o nível de ocupação: R$ 4 mil (júnior), R$5,2 mil (pleno) e R$ 7 mil (sênior).

Aumento da demanda por esse profissional: 15% a 20%

3) TI

Desenvolvedor/ Programador

Cenário: desenvolvedores de linguagens Open Source (como Java e PHP) estão sendo bastante requisitados para a base da operação tecnológica. Por outro lado, há boa perspectiva para os desenvolvedores de linguagens non Open Source (.NET, ABAP e PL/SQL),as linguagens de programação licenciadas. Porém, os players responsáveis (Microsoft, SAP e Oracle) oferecem pacotes de benefícios mais complexos, dando ao gestor de TI mais possibilidades de evolução em todo seu parque tecnológico.

Salário médio: pode variar, de acordo com o nível de ocupação: R$ 3 mil (júnior), R$5 mil (pleno) e R$ 7,5 (sênior).

Aumento da demanda por esse profissional: 20% a 30%

4) Vendas

Executivo de Vendas Hunter (TI)

Cenário: as empresas de TI buscam profissionais com networking e carteira de clientes no segmento para acelerar as vendas o mais rápido possível, e com bom perfil comportamental – alta energia, resiliência, boa apresentação e comunicação.

Salário médio: pode variar, de acordo com o nível de ocupação: R$ 4 mil (júnior), R$ 6 mil (pleno) e R$ 8 mil (sênior).

Aumento da demanda por esse profissional: 15% a 40%

5) Engenharia

Engenheiro de Segurança do Trabalho:

Cenário: um dos principais motivos da alta demanda por profissionais da área de segurança está ligado ao aumento de exigências feitas pelas multinacionais. Investimentos em projetos ambientais, segurança do trabalho e qualidade impactam diretamente na obtenção de mais certificações para a empresa e automaticamente favorecem o aumento dos negócios e contratações de profissionais. Muitas empresas na área automotiva, química, construção civil e alimentícia têm feito investimentos nessa área. Com essa procura, os salários desses profissionais pode ter incremento de 15% a 20%, dependendo do perfil. O que diferencia esse profissional no mercado é inglês avançado, experiência com implantação de certificados ISO e conhecimento de Normas Reguladoras, como também gestão de pessoas.

Salário médio: R$ 7,2 mil

Aumento da demanda por esse profissional: 30%

6) Marketing

Analista de marketing on-line:

Cenário: o aumento da demanda por profissionais na área de marketing online cresce com a mesma velocidade da internet. As empresas usam redes sociais, sites, e-commerce, blogs como canais de comunicação estratégicos. Esses profissionais deixam de fazer parte de uma área de suporte e operacional para fazerem a análise de indicadores e, mais que isso, conseguem direcionar o planejamento estratégico de marketing da empresa/cliente. As agências de publicidade e consultoria têm muitos profissionais especializados na área. Clientes hoje buscam por profissionais para ajudar na análise de métricas e direcionamento do plano de marketing online com um bom perfil analítico, boa comunicação e desenvoltura, já que serão responsáveis por gerar indicadores para áreas de tomada de decisão.

Salário médio:R$4,5 mil a R$ 6 mil

Aumento da demanda por esse profissional:15% a 25%

7) RH

Business partner
Cenário: como parte cada vez mais fundamental em uma organização, o business partner tem sido cada vez mais procurado no mercado de trabalho. O papel do BP é tornar-se um especialista na área que atende, com foco em linhas de negócios específicas dentro da empresa para entender a fundo suas necessidades e intermediar demandas. A carreira desse profissional geralmente começa com a passagem por diferentes subsistemas de RH, para que possa adquirir bagagem e entender seu funcionamento para assumir o papel de intermediador entre linhas de negócio e RH.

Salário médio:R$ 7 mil

Aumento da demanda por esse profissional: 10%

Tags, , , , , , , , , ,

Impostômetro chega aos R$ 300 bilhões amanhã

Nesta terça-feira (25/2), às 14 horas, o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai chegar à marca de R$ 300 bilhões. Esse é o valor pago em impostos, taxas e contribuições por todos os brasileiros neste ano.
Em 2013, os R$ 300 bilhões foram atingidos somente dia 8/3, ou seja, a carga tributária aumentou.

O presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, destaca a necessidade de redução da carga tributária e, também, de simplificação do sistema. “A arrecadação no Brasil é como uma espiral: é imposto sobre imposto sobre imposto. Precisamos, com urgência, de um processo de simplificação tributária, para que a cobrança fique clara. Isso precisa ser feito com racionalidade”, afirma Amato.

Impostos na viagem de Carnaval

Nem na hora de embarcar para a folia o brasileiro vai escapar da alta carga tributária. Do preço da hospedagem em hotel, 29,56% são de impostos. Para trocar o pneu do carro e garantir uma viagem tranquila, são 35,72%. Já o folião que prefere os pacotes que, além do hotel, incluem o ingresso e o transporte para o desfile, vai pagar 36,28% de imposto. E para quem tem bichinho de estimação e não terá condição de levá-lo, hotéis para animais são a melhor opção. A hospedagem pet tem 26,86% de imposto. Os dados são do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação), que abastece o Impostômetro.

O que dá para fazer com o dinheiro

Localizado na Rua Boa Vista, centro da capital paulista, o Impostômetro aponta o valor total de impostos destinados à União, aos estados e aos municípios. Pelo portal www.impostometro.com.br, é possível descobrir o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado. Por exemplo, quantas cestas básicas é possível fornecer, quantos postos de saúde podem ser construídos.

No portal também é possível levantar os valores que as populações de cada estado e município brasileiro pagaram em tributos.

Tags, , ,

Política industrial do Paraguai deve servir de modelo para o Brasil, dizem empresários

Empresários paranaenses que nesta semana participaram da Missão Empresarial Brasil-Paraguai deixaram o país vizinho com uma certeza: o modelo de política de desenvolvimento industrial adotado pelo governo paraguaio deve servir de exemplo para medidas efetivas que recuperem a competitividade da indústria brasileira. Entre terça e quinta-feira (18 a 20), um grupo compostos por 178 empresários ou representantes de empresas e entidades brasileiras esteve em Assunção, capital do país, para conhecer de perto os incentivos oferecidos para investimentos estrangeiros e casos de empreendedores que já estão instalados no país. A missão foi organizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN), e liderada pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

“O que vimos aqui nos mostrou que se o Brasil não reagir para resolver seus problemas, vai ficar para trás”, avalia o empresário Rommel Barion, vice-presidente da Fiep e coordenador do Conselho Temático de Negócios Internacionais da entidade. “O que mais preocupa os empresários brasileiros hoje é a falta de competitividade da nossa indústria. No Paraguai, onde os custos de produção são em média 35% que os do Brasil, vimos que é possível criar um ambiente mais favorável”, completa.

Valter Orsi, também vice-presidente da Fiep e presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Londrina (Sindimetal-Londrina), acrescenta que, apesar de abrir novas perspectivas de negócios, a missão também mostrou que o empresariado precisa se mobilizar cada vez mais para conseguir mudanças que criem um cenário competitivo também no Brasil. “Senti que no Paraguai existe um ambiente de negócios dentro das expectativas dos empresários. Seria muito fácil mudarmos e investir em outro país, mas temos que mostrar que queremos fazer isso em nossa própria nação. Por isso, o empresário precisa de posicionar junto ao governo brasileiro”, afirma Orsi.

A opinião é compartilhada também por empresários paranaenses que já investem no Paraguai. É o caso de Roberto Pecoits, diretor-presidente da Gralha Azul Avícola. A empresa, que tem sede em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná, abriu há 15 anos, junto com um sócio paraguaio, uma unidade encubatória de frangos em Assunção. “O Paraguai tem uma economia estável, um sistema tributário simples, com uma carga tributária muito menor que a do Brasil, e uma legislação trabalhista também simples – o que não significa que o trabalhador não tenha direitos. É um país bom para se investir, que respeita as leis e possui bons marcos regulatórios”, enumera o empresário. “O modelo daqui certamente pode servir de exemplo para o Brasil”, declara.

Durante a missão empresarial, além de receberem informações de autoridades e técnicos do governo paraguaio sobre os incentivos oferecidos para investimentos no país, os empresários também visitaram indústrias já instaladas em território paraguaio.

Dificuldades no Brasil fazem empresários paranaenses levar investimentos ao Paraguai

Alguns dos integrantes da missão que visitou Assunção esta semana já têm planos concretos de instalação no país ou vislumbram boas oportunidades de negócios

O cenário favorável para investimentos estrangeiros no Paraguai vem despertando o interesse de empresários paranaenses. Diversos dos industriais do Estado que integraram a Missão Empresarial Brasil-Paraguai, que nesta semana visitou a região de Assunção, capital do país, já têm planos de expandir seus negócios para além da fronteira. Segundo eles, os relatos ouvidos durante a missão, especialmente de empresários já instalados em território paraguaio, reforçaram a impressão de que as empresas encontram boas condições para se desenvolver no país.

Uma das companhias já com projetos concretos no Paraguai é o Grupo Hübner, do setor metalmecânico. O grupo possui oito unidades no Brasil e, ainda em 2014, em parceria com um sócio paraguaio, deve colocar em operação no país vizinho uma fábrica de componentes automotivos. Além disso, no próximo ano a intenção é implantar uma fundição. “Estamos vindo ao Paraguai por uma questão de sobrevivência, não é por lucro”, declara o diretor do grupo, Nelson Hübner, que é também vice-presidente da Fiep, referindo-se aos inúmeros obstáculos encontrados pelos empreendedores para se investir no Brasil. “A indústria enfrenta muitas dificuldades no Brasil, perdendo competitividade, e é obrigada a buscar alternativas”, completa.

Na opinião de Hübner, o Paraguai tem demonstrado um maior respeito pelo industrial não apenas em relação ao Brasil, mas também aos outros países do Mercosul. O empresário afirma que já tinha essa percepção desde quando começou a prospectar negócios no país, há cerca de quatro anos. “Esta missão serviu para confirmar essa boa impressão e mostrar que o Paraguai é um exemplo para o Mercosul”, afirma o empresário.

A possibilidade de driblar as dificuldades encontradas no Brasil e aproveitar melhores condições para produção chamou a atenção também de Cláudio Luiz Palharin, da Commanders Uniformes Profissionais. Ele participou da missão para prospectar a viabilidade de implantação no Paraguai de um novo projeto da empresa – que atualmente conta com duas unidades no Brasil, em Apucarana e Nova Andradina (MS).

A intenção é passar a produzir roupas para bombeiros, produto que depende de matéria-prima importada. Segundo Palharin, os tributos elevados cobrados no Brasil para a importação do material inviabilizam a implantação do negócio em território nacional. “Uma matéria-prima que eu pagaria US$ 15 (cerca de R$ 35) chega ao Brasil com um custo de R$ 60. No Paraguai, essa matéria-prima chegaria pelos mesmos US$ 15”, explica. Isso é possível graças ao chamado Regime de Maquila, estabelecido por lei, que isenta matérias-primas de impostos de importação. Além disso, no momento de exportar o produto final, a empresa paga um imposto único de 1% sobre o valor agregado.

“Fazer esse tipo de operação no Brasil hoje é impossível”, afirma Palharin, enumerando ainda outras vantagens oferecidas pelo Paraguai, como energia elétrica mais barata e, principalmente, disponibilidade de mão de obra. “Estamos muito preocupados também com a mão de obra brasileira, não apenas pela dificuldade para encontrar pessoal capacitado, mas pelos inúmeros problemas que enfrentamos de relações trabalhistas”, relata.

O empresário acrescenta que, após a missão, a empresa deve voltar ao Paraguai em breve e passar a buscar um sócio paraguaio para analisar a viabilidade do negócio. “A participação em missões como esta sempre abre novas perspectivas e a oportunidades de buscarmos alternativas para nossos negócios”, diz Palharin.

Quem também saiu da missão com a impressão de que o momento é oportuno para investir no Paraguai foi o empresário Waldemir Küerten, do Grupo Küerten, que atua na construção de residências industrializadas e de alvenaria. “Nosso grupo com certeza vai colocar um pé aqui no Paraguai, até por uma questão de equilíbrio para nossos negócios, já que o empresário no Brasil acaba sendo minado por uma série de dificuldades”, declara o empresário. “A questão tributária brasileira, a legislação trabalhista e o excesso de burocracia, aliados à má gestão pública, acabam nos desanimando”, acrescenta.

De acordo com Küerten, a intenção do grupo inicialmente é explorar oportunidades no setor de construção civil convencional. A estimativa do governo paraguaio é que nos próximos cinco anos sejam investidos cerca de US$ 5,4 bilhões em obras de infraestrutura urbana no país. “O Paraguai está no caminho certo, depois de quase 50 anos praticamente parado. Esse trabalho de industrialização vai levantar o país em um curto espaço de tempo e é um modelo que certamente vai dar certo. O momento para investir aqui é agora”, finaliza o empresário.

Fonte: Federação das Indústrias do Paraná

Tags,

Positivo Informática anuncia lucro líquido de R$ 30,9 milhões no quarto trimestre, aumento de 230,6%

Em 2013, a Positivo Informática completou o nono ano consecutivo de liderança no mercado brasileiro de computadores, com market share de 15,3%, crescimento de 1,7 p.p. na comparação com 2012, configurando a maior participação de mercado da companhia no país desde 2009, segundo a IDC. No 4T13, registrou participação de 16,1%, retomada que proporcionou crescimentos de 1,4 p.p. e de 2,7 p.p. em relação ao 4T12 e ao 3T13, nesta ordem. O mercado de varejo de PCs também apresentou recuperação de market share da companhia nos últimos meses do ano, alcançando a fatia de 20,5% no 4T13, crescimento de 3,7 p.p. na comparação com o trimestre anterior. Em 2013, a participação da companhia no varejo foi de 20,4%, praticamente estável em relação a 2012, de acordo com a IDC.

No mercado brasileiro de tablets, a Positivo Informática encerrou 2013 com participação de 5,7%, crescimento de 3,1 p.p. em relação ao ano anterior. Além da maior venda a clientes de governo, destacou-se o avanço da marca nas principais redes varejistas ao longo do segundo semestre, refletindo a aceitação favorável da nova linha de produtos Positivo.
Na Argentina, os computadores Positivo BGH registraram participação de 10,3% no 4T13. No ano, a marca registrou market share de 10,0%, crescimento de 1,5 p.p. em relação a 2012.

Volume, receita e lucro
As vendas do 4T13 totalizaram 802,8 mil computadores e tablets, crescimento de 19,1% em relação ao 4T12. O desempenho do período permitiu a realização da maior receita trimestral da história da companhia e a superação da marca de 3 milhões de unidades vendidas no ano, expansão de 27,6% em relação a 2012. Destacaram-se as vendas de tablets, que registraram crescimento de 96,6% no 4T13, com maior proporção de comercialização no varejo. No segmento de PCs, foram comercializadas 668,6 mil unidades no 4T13 e 2,6 milhões no ano. Entre os canais, a companhia registrou crescimento de vendas nos mercados de governo e corporativo, com avanços de 106,3% e de 114,9% em relação ao 4T12, respectivamente. As vendas de telefones celulares apresentaram crescimento de 87,3% no 4T13, totalizando 97,9 mil unidades, das quais 55,9 mil foram feature phones e 42,1 mil smartphones. No ano de 2013, foram vendidos 266,8 mil aparelhos, expansão de 410,2%, sendo representado por 191,3 mil feature phones e 75,5 mil smartphones.

As vendas no varejo registraram 485,0 mil PCs e tablets no 4T13. O volume foi representado por 425,1 mil PCs e 59,9 mil tablets. Em 2013, as vendas de PCs e tablets no varejo atingiram 1,8 milhão de unidades, volume estável em relação a 2012, sendo representado por 1,7 milhão de PCs e 136,6 mil tablets. As vendas de telefones celulares foram majoritariamente realizadas no varejo e totalizaram 97,9 mil unidades no 4T13, crescimento de 87,3%. Destacou-se o desempenho das vendas de smartphones, com volume de 42,1 mil peças. No ano de 2013, o volume de celulares totalizou 266,8 mil.

No mercado de governo, as vendas no 4T13 foram de 245,8 mil PCs e tablets, crescimento de 106,3%, sendo 172,5 mil no Brasil e 73,3 mil na Argentina. As vendas, compostas por 187,1 mil PCs e 58,7 mil tablets, se referem principalmente a projetos educacionais envolvendo laboratórios de informática, netbooks conversíveis e tablets, e maior volume de desktops para empresas e bancos públicos. Em 2013, as vendas para o segmento alcançaram 1,0 milhão de equipamentos, crescimento de 127,1%, representadas por 715,6 mil unidades no Brasil e 314,7 mil na Argentina. Para 2014, a companhia abre o ano de 2014 com uma carteira de entregas estimada em cerca de 50 mil tablets e mais de 600 mil PCs, dos quais 350 mil no Brasil e 250 mil na Argentina.

As vendas corporativas totalizaram 71,9 mil PCs e tablets no 4T13, crescimento de 114,9%. No período, a companhia acelerou suas vendas diretas para grandes empresas, com destaque para tablets para instituições privadas de ensino, e manteve performance destacada em sua plataforma de vendas indiretas. No ano, foram comercializados 234,9 mil equipamentos no corporativo, crescimento de 61,6% em relação a 2012.
A receita bruta registrou R$ 843,1 milhões no 4T13, novo recorde trimestral, representando crescimentos de 16,7% e de 38,0% em relação ao 4T12 e ao 3T13, respectivamente. Em 2013, a receita bruta atingiu R$ 2,8 bilhões, crescimento anual de 21,2%. Já a receita líquida foi de R$ 769,1 milhões no trimestre, crescimento de 17,9%, e de R$ 2,6 bilhões no ano, aumento de 22,1% na comparação com 2012.

O lucro bruto registrou R$ 176,9 milhões no 4T13, crescimentos de 8,8% e de 62,5% em relação ao 4T12 e ao 3T13, respectivamente, acompanhado de margem bruta de 23,0%. Em 2013, o lucro bruto totalizou R$ 549,1 milhões, aumento de 6,3%, com margem bruta de 21,4%. Foi apurado lucro líquido de R$ 30,9 milhões no 4T13, crescimento de 230,6% em relação ao 4T12, e de R$ 15,6 milhões em 2013.

O EBITDA tradicional totalizou R$ 42,2 milhões no 4T13, crescimento de 57,6% na comparação anual. A margem EBITDA atingiu 5,5% no período, melhora de 1,4 p.p. em relação ao 4T12. No ano, o EBITDA tradicional registrou R$ 104,0 milhões, aumento de 27,7%, com margem EBITDA de 4,1%. O EBITDA Ajustado, que considera 50% do resultado da operação da joint venture da companhia na Argentina, totalizou R$ 54,7 milhões no 4T13, crescimento de 62,7%. A margem EBITDA ajustada expandiu para 7,1%, crescimento 2,0 p.p.. Em 2013, o EBITDA Ajustado registrou R$ 139,3 milhões, crescimento de 40,4%, acompanhado de margem EBITDA Ajustada de 5,4%. A melhora do resultado operacional foi impulsionada pelos repasses de preços praticados pela companhia, pela melhora do perfil das vendas e pela contenção dos custos e despesas ao longo do ano.

Tags,

Começa amanhã o maior evento de empreendedorismo do Brasil

De 22 a 25 de fevereiro, a cidade de São Paulo recebe o maior evento do empreendedorismo do País, a Feira do Empreendedor 2014, realizada pelo Sebrae-SP. O público que for ao Expo Center Norte poderá fazer negócios, passar por consultorias individuais e coletivas, assistir a palestras, ver novidades, tendências e encontrar todo o tipo de informação sobre como abrir e manter um negócio próprio. Uma das grandes novidades para este ano é o espaço especial para quem pensa em aproveitar oportunidades que surgem com a Copa do Mundo FIFA 2014.
Este ano os visitantes terão a oportunidade de percorrer os 21 mil metros quadrados da Feira onde serão montados os estandes temáticos do Sebrae-SP. Nesses espaços, a equipe do Sebrae-SP estará a postos para levar ao empresário ou futuro empresário orientação de qualidade, seja ele do setor de comércio, serviços, indústria ou agronegócios. Este último ganhou atenção especial nesta edição, com um estande que permitirá às empresas apresentarem seus produtos, possibilitando a realização de negócios. “A Feira do Empreendedor é uma verdadeira vitrine das soluções que o Sebrae-SP e parceiros oferecem aos pequenos empresários que querem se tornar mais competitivos e aos futuros empreendedores que estão iniciando sua trilha por este mundo. São quatro dias intensos de atividades de orientação, capacitação e oportunidades de negócios”, destaca Alencar Burti, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP.
Para dar todo o suporte ao empreendedor durante o evento, o Sebrae-SP vai oferecer 78 pontos de atendimento. “Na Feira, o visitante poderá conversar individualmente com um consultor do Sebrae-SP, tirar suas dúvidas e receber a assessoria que precisar”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano. “Além disso, ele poderá acompanhar palestras com especialistas em vários assuntos que ocorrerão em seis salas com capacidade para até 300 pessoas.” Nessas palestras serão abordados temas como gestão, mercado, inovação e tendências, entre outros, formando um vasto leque de opções para levar conteúdo de alto nível ao público.
Cerca de 350 expositores também estarão presentes na Feira abrangendo os segmentos de franquias, negócios online, máquinas e equipamentos e representação comercial.
A feira terá ainda um espaço de atendimento do Sebrae-SP dedicado à formalização do Microempreendedor Individual (MEI). No local, o MEI terá a oportunidade de regularizar seu negócio na hora, resultado da parceria do Sebrae-SP com a Secretaria do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo, da Prefeitura de São Paulo.

Espaço Copa FIFA 2014 traz dicas para aquecer ou ampliar negócios

Sebrae-SP espera atender 500 pessoas/dia na Feira do Empreendedor, orientando sobre oportunidades em comércio, serviços e turismo.

O Sebrae-SP preparou para a Feira do Empreendedor, que vai de 22 a 25 de fevereiro, no Expo Center Norte, um espaço especial para quem pensa em aproveitar oportunidades que surgem com a Copa do Mundo FIFA 2014, principalmente em comércio, serviços e atividades ligadas ao turismo. No estande da Copa, consultores atenderão o público com a realização de palestras e consultorias, realizadas individualmente ou em grupo.
“Nosso objetivo é estimular não apenas o ganho momentâneo, potencializado durante os 30 dias dos jogos, mas melhorias de organização e de gestão, fundamentais para que as empresas conquistem competitividade e longevidade no mercado”, explica o diretor superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano.
A ideia é levar informações e envolver os empresários no clima do mundial, que deve trazer para o Brasil perto de 600 mil turistas estrangeiros e 3 milhões de turistas brasileiros, vindos de várias regiões do País.
“Vamos reunir num mesmo espaço da feira, que espera perto de 60 mil visitantes, um conjunto de produtos e serviços do Sebrae-SP destinados a melhorar a competitividade das empresas e inseri-las nas oportunidades de negócios geradas pela realização do mundial de futebol. Palestras e consultorias terão foco nos segmentos que, daqui até a realização do jogos, terão maiores chances de vender mais ou de crescer”, diz o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP, Alencar Burti.
Serão apresentados aos empreendedores um mapa de oportunidades, que listou mais de 900 possibilidades de negócios com o torneio em vários setores; informações sobre como funciona o licenciamento de produtos ou de como trabalhar ideias de novas frentes de atividade em empreendimentos já em andamento.
Cassio dos Santos, consultor do Sebrae e coordenador da ação, cita como exemplo uma agência de viagens, que pode agregar serviços de turismo receptivo, ou um restaurante que, com a criação de novos pratos, cardápios e serviços destinados aos turistas e às seleções hospedadas em várias cidades, também estará testando caminhos que poderão depois ser adaptados e incorporados ao atendimento da clientela local.
Locais para atendimento online foram montados para que os visitantes conheçam e utilizem os serviços Matriz de Competitividade e Central de Oportunidades – canais criados no programa Sebrae 2014, com foco nos megaeventos, para auxiliar as pequenas empresas e empreendedores individuais a fazerem um diagnóstico do negócio e se tornarem mais competitivos, além de aproximar potenciais compradores e vendedores.
Será disponibilizado ainda para os visitantes o Guia de Orientação Local (GOL), elaborado pelo Comitê Paulista da Copa em parceria com o Sebrae. Voltado para os municípios paulistas, o material esclarece dúvidas de empresários, comerciantes, turistas e do público local, mostrando, por exemplo, como aproveitar o momento de maior visibilidade e a grande circulação de turistas, promovendo festas e eventos, sem infringir regras e direitos comerciais da FIFA e seus patrocinadores.
Olímpiadas 2016 – A feira contará ainda com um estande que dará orientações a empreendedores paulistas e de outros estados interessados em saber mais sobre chances de negócios geradas pelas Olímpiadas 2016. Em 2013, o Sebrae nacional firmou convênio de cooperação técnica com o Comitê Organizador Rio 2016™, entidade privada responsável pela contratação das fornecedoras de produtos e serviços para os jogos Olímpicos e Paralímpicos. A partir daí foi desenvolvido o Projeto Sebrae no Pódio.
Na feira, será apresentado o projeto, pelo qual empresas de todo País poderão integrar a rede de potenciais fornecedores de bens e serviços das Olimpíadas, destacando que 10% do orçamento total das compras será direcionado a pequenas empresas. Para participar, as empresas devem passar por processo de diagnóstico, palestras e capacitações, que permitirão a inclusão no cadastro de fornecedores dos jogos, num universo de mais de 550 itens de compra.

SERVIÇO
Feira do Empreendedor
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Verde, São Paulo
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme
Data: de 22 a 25 de fevereiro
Sábado e domingo: 10h às 21h
Segunda e terça-feira: 13h às 21h
Entrada franca

Fonte: Sebrae-SP

Tags, ,

Gestão de risco não faz parte das estratégias das empresas de energia e recursos naturais, aponta KPMG

As empresas de energia e recursos naturais (ERN) podem estar despreparadas para enfrentar o conjunto de riscos cada vez mais presente no mercado, de acordo com o relatório intitulado “Sem burocracia: transformando a gestão de risco nas empresas de energia e recursos naturais” (do original, em inglês, No paper chase: transforming risk management at energy and natural resources companies). O levantamento foi feito pela KPMG em parceria com a Economist Intelligence Unit, com mais de 1.100 entrevistados de todo o mundo das áreas de risco, compliance, administração geral e financeira.

“Os dados da pesquisa mostram claramente que as empresas de ERN precisam, em caráter de urgência, voltar a focar os pontos fundamentais e repensar o que elas esperam alcançar por meio de seus programas de risco caso pretendam acompanhar a rápida transformação do ambiente em que operam hoje. A gestão desses riscos não está progredindo na mesma velocidade em que as ameaças enfrentadas pelas empresas, e estas, por sua vez, correm o risco de ficar abaixo das expectativas em áreas importantes”, afirma o sócio da KPMG no Brasil, Martiniano Lopes.

A pesquisa apontou que as empresas de ERN já estão começando a ficar para trás. Menos de dois terços dos respondentes disseram que “geralmente” ou “constantemente” incorporam a gestão de risco em suas decisões de planejamento estratégico; somente 14% deles afirmaram que possuíam uma declaração de risco formal; quase metade admitiu não estar realizando anualmente uma avaliação de risco; e mais de um terço disse que sua área de gestão de risco se baseia em uma autoavaliação realizada pelas unidades de negócio, e não por uma área de risco centralizada.

“As empresas de petróleo e gás sempre investiram em atividades de gestão de risco para abordar as ameaças específicas à área, tais como riscos de exploração, de produção e financeiros. O desafio consiste em como integrar todas essas iniciativas a uma estrutura comum para ter certeza de que o conselho de administração e a alta administração sejam informados sobre os principais riscos e os planos de mitigação, visando reforçar a tomada de decisão”, afirma Lopes.

Instabilidade política é o maior desafio

De acordo com o relatório, mais de dois terços (69%) das empresas de ERN que responderam à pesquisa veem a instabilidade geopolítica como a maior ameaça ao setor. O segundo item mais citado (53%) foi a pressão regulatória. A incerteza regulatória é particularmente desfavorável para aquelas empresas de ERN que estão aventurando-se em novos países ou em regiões instáveis.

Um dos maiores obstáculos pela desaceleração das áreas e dos recursos de gestão de risco dentro do setor de ERN se reduz à falta do consenso entre o conselho de administração e os executivos em relação aos objetivos de seu programa e ao retorno sobre seus investimentos. De acordo com os dados, quase um quarto das empresas do setor não possui nenhum recurso para mensurar o retorno sobre o seu investimento em gestão de risco.

“O cerne do problema é que até mesmo as grandes empresas abordam e avaliam riscos de maneira muito simples. A maneira pela qual elas abordam e avaliam os riscos não é conectada às finanças e às metas operacionais da realidade do grupo”, finaliza.

A pesquisa pode ser acessada através do link: “No paper chase: Transforming risk management at energy and natural resources companies (Sem burocracia: Transformando a gestão de risco em empresas de energia e recursos naturais)” .

Tags, , , ,

Empresa lança aplicativo que concentra tudo para quem precisa realizar um evento

Recentemente o grupo EventoFacil, em parceria com a empresa Digital Result criou um aplicativo para quem planeja, organiza e promove eventos corporativos (APP EventoFacil).

Disponível para smartphone e tablet, com download gratuito na APP Store e Google Play, com este aplicativo, o usuário tem acesso à uma agenda com as principais feiras de negócios e eventos que acontecem no Brasil, um guia completo de destinos, espaços para a realização de eventos e os principais fornecedores de produtos e serviços para eventos.

Outra ferramenta do app é a seção de notícias do mercado que é atualizada diariamente.

Sobre o Grupo Eventofacil

O Grupo EventoFacil organiza a Feira de Destinos, Espaços e Fornecedores para Eventos Corporativos, Esportivos, Shows e Gastronomia, que tem como principal objetivo gerar relacionamentos e promover negócios entre os profissionais do mercado de eventos, o EventoFacil Meeting, o Eventofacil Guia e o EventoFacil Café.

Tags,

Museu Paranaense tem novo software de gestão de acervos

O Museu Paranaense já está com parte do seu acervo catalogado e disponível para consulta na plataforma tecnológica Pergamum Museus. Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Pontifícia Universidade Católica (PUC-PR), o software permite que os acervos sejam organizados e disponibilizados para o público, que tem acesso a imagens, especificações técnicas e outras informações.

No caso do Museu Paranaense já estão disponíveis para consulta cerca de 18 mil exemplares, entre o acervo museológico e da biblioteca. “O objetivo é que até o fim de 2014 tenhamos 90% do acervo catalogado e disponível para consulta”, explica Renato Carneiro, diretor do Museu.

A implantação do software traz outros benefícios. “O Pergamum Museus é uma ferramenta importante que possibilita uma série de melhorias aos espaços, além do acesso à informação. No Museu Paranaense, por exemplo, todo o acervo está sendo inventariado e organizado de acordo com padrões internacionais de conservação preventiva”, conta a gestora museológica Karina Muniz Viana.

Para acessar as informações é necessário entrar no Portal de Informações da Cultura (www.sic.cultura.pr.gov.br) e clicar na aba “Museus”.

O PROJETO – O Pergamum é um software criado há mais de 15 anos. O sistema possui as principais funções de atendimento de uma biblioteca, facilita a gestão dos centros de informação e é usado por diversas instituições nacionais e internacionais. Em uma parceira entre o governo do Paraná, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, há dois anos vem sendo desenvolvido o software para a gestão dos acervos museológicos. Alguns espaços já contam com o software, que ainda está em desenvolvimento.

O Paraná é o primeiro Estado a ter esse sistema implantado. “A ideia é fazer com que os museus tenham um software que possibilite gerenciar seus acervos. O Paraná será modelo para o país”, afirma o coordenador do Sistema Pergamum, Marcos Rogério de Souza.

Fonte: Governo do Paraná

Tags, ,

Sebrae-SP lança programa para empresas de TIC

No dia 27 de fevereiro, às 19h30, o Sebrae-SP apresenta o seu programa para empresas de Tecnologia de Informação e Comunicação, o “SPTIC”, cujo objetivo é capacitar as micro e pequenas empresas (MPES) do setor para estarem aptas a prestar serviços para grandes companhias dos setores de bancos, saúde, educação, setor público, e-commerce, entre outros.

As capacitações são gratuitas e visam desenvolver a gestão de negócios em aspectos como gestão administrativa, financeira, inovação e diversificação da carteira de clientes. O objetivo é aumentar a competividade das MPEs e, com isso, fazer com que aumentem mercado e faturamento. Poderão se inscrever empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de todo o Estado de São Paulo. Mais informações sobre a participação no programa podem ser obtidas pelo telefone (11) 3832-5210.

Nos últimos 10 anos, o mercado brasileiro para empresas de tecnologia da informação se encontra em plena expansão, o número de consumidores que compram pela internet, por exemplo, passou de um milhão em 2001 para mais de 40 milhões em 2012. Além disso, são mais de 80 milhões de internautas. Para o empresário tirar proveito dessa tendência, não basta simplesmente criar um site ou uma página nas redes sociais, é sobremaneira importante que ele tenha toda a qualificação necessária para gerir de maneira sustentável e lucrativa a sua empresa.

Para o nosso primeiro evento, teremos referências na área, que atuam junto ao setor público e representam grandes empresas do segmento. Os assuntos discutidos passam desde o cenário atual do mercado de tecnologia no Brasil, com a apresentação do censo TIC 2013 realizado pela ASSESPRO até as dificuldades em contratar micro e pequenas empresas do setor, certificações exigidas e problemas e soluções na qualidade dos serviços.

A apresentação do SPTIC acontece às 19h30, na sede do Sebrae-SP, localizada na Rua Vergueiro, nº 1117, Paraíso, São Paulo, capital.

O evento tem apoio da Softex (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro), Assespro (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação), Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), ITS (Instituto de Tecnologia de Software), Cietec (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia) e Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Instituto Vanzolini e Stefanini.

Tags, ,

Deseja criar uma startup? Confira as dicas do Angels Club

Startup já virou sinônimo de negócio lucrativo. Entretanto, ingressar neste modelo de empreendimento requer mais do que ter uma ideia brilhante na cabeça. Para levar o projeto adiante é importante ter afinidade com a inovação, persistência e muito conhecimento técnico acerca da atividade que se pretende desenvolver e do setor em que se deseja atuar. Além disso, fazer contato com investidores também é outro passo fundamental. Afinal, acreditar na própria ideia é fácil, o desafio é convencer outra pessoa de que seu negócio é algo realmente significativo, com poder de transformar a vida das pessoas.

Para quem deseja criar uma startup de sucesso, o vice-presidente de Negócios e Relacionamento do Angels Club, Junior Borneli, reúne 10 dicas fundamentais. Confira abaixo:

• Antes de tirar o negócio do papel verifique se a ideia original se encaixa nas premissas de uma startup. Esteja aberto a ouvir opiniões, pesquisar o mercado e suas necessidades, identificar o público em potencial e a concorrência. Conversar com quem conhece o mercado e extrair o máximo de informações é fundamental para identificar a oportunidade real do seu negócio;

• Estude, pesquise, investigue. Adquirir conhecimento sobre administração, finanças, marketing e demais assuntos pertinentes ao mundo do empreendedorismo é essencial para a abertura e gestão do negócio. Além disso, trocar vivência com outros empreendedores, fazer cursos ou buscar informações nas redes sociais é mais uma forma de ganhar conhecimento e ampliar o seu negócio;

• Invista em networking. Se você está seguro que sua rede de contatos criará ambientes de geração de negócios e ajudará a ativar sua startup, vá em frente e aposte no negócio;

• Fique atento aos principais cuidados jurídicos básicos, entre eles, a abertura formal da empresa, o registro da marca, dos produtos e dos serviços que serão oferecidos pela startup. É importante ressaltar que qualquer alteração contratual na empresa deve ser informada e atualizada junto às autoridades competentes;

• Mantenha-se antenado e com foco na inovação. Em um ambiente tão competitivo como o mundo dos negócios, ter diferencial e criatividade são fatores que podem definir quão longe sua empresa pode chegar;

• Gere conteúdo para sua startup. Faça-a aparecer. Crie um blog, compartilhe o conteúdo gerado no blog em sua fan page, faça parceria com sites e demais redes sociais;

• Pense globalmente. Ideias globais são sempre mais interessantes. Se a startup criada tem uma solução universal, isso atrai a atenção de investidores, sempre em busca de novas oportunidades;

• Nem sempre os empreendedores dispõem de recurso financeiro próprio, suficiente para investir no negócio. Nesses casos, contar com a ajuda de um ou mais investidores é a melhor alternativa para fazer a empresa crescer. Eles são profissionais experientes, capitalizados e dispostos a participar da criação da startup. Nesse sentido, o Angels Club pode ajudar. Com a missão de democratizar o empreendedorismo no Brasil, o Angels Club é uma plataforma que conecta investidores dispostos a movimentar a economia de forma proativa e multiplicadora a empreendedores de diversos perfis e segmentos de atuação. De tecnologia ao setor imobiliário. De agronegócios a projetos sociais. De automação a biotecnologia. Estes empreendedores podem ainda estar com as suas ideias em fase embrionária ou iniciada (startups), mas precisando de capital e expertise para se consolidarem. Além de poder divulgar o seu projeto por um ano, com o Angels Club o empreendedor terá a chance de participar de eventos com executivos ligados ao universo das startups, o que ampliará consideravelmente o seu networking, terá acesso a cursos e treinamentos e, ainda, receberá clipping e material de apoio, tudo isso gratuitamente;

• Determine regras claras de organização, sobretudo, quando se tratar de funcionários. A contratação informal, por exemplo, pode acarretar em sérios problemas trabalhistas futuros;

• Nunca desista. Não ache que sua ideia não possui concorrentes e que existe uma fórmula mágica para que seu negócio dê certo. A concorrência fortalece e estimula a evolução e qualificação constantes. Saiba lidar com críticas negativas e até possíveis mudanças no projeto sem se deixar abater. Os segredos do jogo são perseverança e resiliência.

Tags