Archive agosto 2021

Intermodal Xperience 2021 reúne as principais empresas do setor logístico e de transporte de cargas do país

O maior evento digital da América Latina dedicado à logística, à intralogística, ao transporte de cargas e ao comércio exterior está chegando: o Intermodal Xperience 2021. Promovido pela Intermodal (plataforma de negócios completa para estes mercados) e pela Associação Brasileira de Logística (ABRALOG), o evento chega à segunda edição e começa nesta quarta-feira (1/9), sendo realizado até sexta-feira (3/9), das 9 às 19 horas.

O objetivo é promover o debate sobre o atual cenário e o futuro destes segmentos no país, proporcionar o networking e a geração de negócios às empresas destes mercados e fomentar o desenvolvimento de novas tecnologias e soluções ao setor. É o que diz o diretor do portfólio de infraestrutura da Informa Markets Brasil, organizadora da Intermodal, Hermano Pinto Jr.

“Este evento traz uma série de inovações, novas práticas e processos às empresas do setor, algo fundamental no ambiente de transformação que vivemos hoje em dia – seja em termos de transformação de infraestrutura, de tecnologia, de comportamento do consumidor ou das cadeias produtivas e industriais. Nosso objetivo com o Xperience é justamente este: trazer as novidades, as novas aplicações e, principalmente, as experiências que temos no mercado como uma referência para aqueles que buscam novas soluções para os negócios”, afirma.

Para isso, o Intermodal Xperience conta com o apoio de várias marcas e companhias do setor, nacionais e internacionais, que acreditam no potencial de negócios do evento e em seu poder transformador, aproveitando o espaço para expor aquilo que há de mais moderno em seus respectivos portfólios de soluções. São os casos das companhias de navegação e de transporte marítimo, por exemplo, que participam do evento mais uma vez, como: Aliança Navegação e Logística, Hamburg Sud, Inchcape Shipping Services, Maersk, MSC Mediterranean, Ocean Network Express, Posidonia Shipping e Sealand, entre outras.

Participação garantida no evento também são os aeroportos e companhias de transporte aéreo, como a Air Canada Cargo, American Airline Cargo, ATC Aviation Services, GRU Airport, Latam Cargo, Lufthansa Cargo e Viracopos Cargo. Assim como as empresas de transporte ferroviário (como Brado Logística e MRS Logística) e rodoviário (como Bio Transportes, Buslog, Cia de Transportes, Coopercarga, Jadlog, JSL, Superpesa Transportes, TMSA, Tora Transportes e West Cargo).

Portos e terminais portuários também são presenças confirmadas, como: BTP (Brasil Terminal Portuário), Complexo Industrial e Portuário de Pecém, DP World Santos, Porto da Antuérpia (da Bélgica), Porto de Bilbao (da Espanha), Porto de Bremen (da Alemanha), Porto do Açu, Porto do Rio Grande, Porto Itapoá, Portonave, Sepetiba Tecon e Tecon Suape, entre outros. Bem como operadores logísticos, a exemplo de Brink’s, DB Schenker, DHL Global Forwarding, DSV, Grupo IBL Logística, Tegma Gestão Logística e Wilson Sons.

“Em sua segunda edição, o Intermodal Xperience é um espaço essencial para o debate das tendências do setor de logística brasileiro, além de proporcionar um ambiente de conexão entre as empresas e profissionais da área. Estamos entusiasmados para participar do evento e compartilhar com o mercado as novas tecnologias, soluções e iniciativas desenvolvidas pela companhia em nossa jornada de transformação”, destaca a gerente de desenvolvimento e comunicação corporativa da Wilson Sons, Carolina Ribeiro.

Além delas, várias outras companhias – de armazenagem, comércio exterior, intralogística e todos os outros segmentos contemplados pelo universo da cadeia de distribuição e de suprimentos – participam do evento e trazem as últimas inovações e tecnologias do mercado aos profissionais do setor.

Para o diretor da Informa Markets Brasil, isto é essencial, já que a tecnologia tem sido muito exigida atualmente, tanto pelas companhias do setor quanto pelos clientes. “Cada vez mais temos visto demandas neste sentido, não só por parte das empresas do setor, mas, principalmente, pelos clientes delas, que pedem soluções cada vez mais tecnológicas e integradas – as quais estão sendo buscadas e desenvolvidas pelos players do mercado e que traremos ao Xperience“, conclui.

Para saber mais, acesse – https://bit.ly/CC–Xperience-2021

Serviço – Intermodal Xperience 2021:
Quando: 1 a 3 de setembro.
Horário: Das 9 às 19 horas.
Inscrições Gratuitas: https://bit.ly/CC-Xperience2021-Inscreva-se

Pesquisa mostra que locadoras têm mais de 1,5 mil veículos elétricos

Conforme pesquisa da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA), no primeiro semestre de 2021 o setor de locação ultrapassou, pela primeira vez, a marca de 1,5 mil veículos elétricos em sua frota total. O inédito levantamento mostrou que o setor atingiu exatas 1.507 unidades licenciadas em nome de empresas de aluguel de carros, conforme estatísticas obtidas pela associação junto ao Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

Foram pesquisadas as quantidades de automóveis, de comerciais leves, caminhões, ciclomotores, ônibus e motos movidos à eletricidade e licenciados em nome de empresas de aluguel de veículos. Os resultados apontaram que os automóveis correspondem à maior parcela (769) de veículos elétricos nas locadoras, seguidos pelos ciclomotores (141) e pelas caminhonetes (116).

Há, também, 86 motonetas e 61 motocicletas elétricas no setor, além de 98 ônibus. O Nissan Leaf Tekna é o automóvel elétrico mais presente (246 unidades) na frota do setor de aluguel de carros, seguido pelo ciclomotor Dayang Ecooter E1S (138) e pelo CAOA Chery Arrizo 5E (126 veículos). O BYD E5 (100 unidades) é o caminhão mais emplacado pelas locadoras no Brasil.

Regionalmente, São Paulo é o estado que reúne a maior parte da frota eletrificada das empresas de locação, com 767 unidades licenciadas por empresas de locação. Em seguida vêm Minas Gerais e o Paraná, respectivamente com 378 e 119 unidades, completando o ranking dos três primeiros em quantidade de elétricos nas locadoras no país. Distrito Federal (65), Rio de Janeiro (51) e Santa Catarina (40) também já contam frotas representativas de elétricos no setor de aluguel.

O presidente da ABLA, Paulo Miguel Junior, diz que “para não perder o bonde da história, as locadoras precisam seguir atentas ao avanço da presença dos elétricos”, acrescentando que a eletrificação de frotas também será tema de uma masterclass durante o XVI Fórum Internacional do Setor de Locação, entre 19 e 21 de outubro deste ano.

Para Miguel Junior, é visível o desejo de um crescente número de pessoas, especialmente as mais jovens, por sustentabilidade e isso se aplica também ao transporte. “As locadoras estão sendo cada vez mais incluídas entre os principais players de mobilidade urbana e isso implica em necessidade de nos ajustarmos ainda mais rapidamente às novas tendências”, completa o dirigente da associação.

QuintoAndar anuncia 60 vagas de trabalho para área de tecnologia para todo o Brasil

O QuintoAndar, maior plataforma digital de moradia da América Latina, tem mais de 260 vagas abertas. As oportunidades são para diversas áreas da companhia, com destaque para tecnologia, que tem mais de 50 posições abertas, e operações. As oportunidades em tecnologia seguem o conceito remote first, ou seja, todo o time trabalhará em home office, mesmo quando a pandemia acabar.

Nos últimos 12 meses, a companhia cresceu significativamente e atingiu um novo valor de mercado de US﹩ 5.1 bilhões. Além disso, alcançou as cinco principais regiões do Brasil e anunciou o início da expansão internacional, a começar pelo México. A proptech também cresceu 62% em número de pessoas colaboradoras em relação ao ano anterior, contratando mais de 1.200 pessoas para acompanhar a expansão da companhia.

Como diferenciais de mercado, a empresa oferece para seus colaboradores programas de desenvolvimento profissional, trilha de carreira, um pacote de remuneração competitivo, salário acima da média de mercado e remuneração variável, além de amplo pacote de benefícios e trabalho remoto.

“O QuintoAndar vive um momento de crescimento acelerado e busca profissionais criativos e com coragem de fazer o novo para nos ajudar a revolucionar o mercado imobiliário”, diz Aline Esteves, diretora de people do QuintoAndar. “Por aqui, estimulamos um ambiente cada vez mais dinâmico e diverso que proporcione desafios enriquecedores para os nossos colaboradores”.

O processo seletivo é 100% remoto e os candidatos passam por avaliação do seu perfil técnico, experiência e alinhamento com os valores e cultura da empresa. A maioria das vagas não exige graduação como pré-requisito, mas ter vivências nas áreas de interesse é um grande diferencial. As vagas são abertas para profissionais de todo o Brasil.

Para consultar todas as oportunidades e se candidatar, acesse: https://carreiras.quintoandar.com.br/

Tags,

Compras em casa: supermercados crescem 900% em vendas online

Os supermercados viveram uma das maiores digitalizações da pandemia, buscando alternativas para chegar à casa do consumidor e driblar um momento de desafio das compras presenciais. Resultado da estratégia, esses negócios registraram um aumento de 900% na receita das vendas online entre março de 2020 e julho de 2021. Os dados são de levantamento da Linx, líder em tecnologia para o varejo, a partir de informações da vertical Mercadapp, especialista em e-commerce para supermercados.

O salto sem precedentes nas vendas digitais e por aplicativo são consequência do aumento da procura: o número de pedidos virtuais cresceu 817% no mesmo período. “Em março do ano passado, a pandemia e o isolamento social praticamente obrigaram o consumidor a buscar novas formas de fazer mercado. Porém, a procura não foi uma coisa momentânea: o consumidor experimentou, gostou e se acostumou a receber as compras em casa, sustentando esse crescimento inacreditável no último um ano e meio”, analisa Larissa Lima, diretora de operações da Mercadapp.

Outros índices comprovam a consistência digital do setor. O ticket médio do período analisado foi de R$ 218,01, com uma média de frequência de compras de 175 pedidos por mês e a taxa de conversão de 16,14%, uma porcentagem bastante alta. Para efeitos comparativos, o e-commerce geral no Brasil tem uma taxa de conversão de 1,6%, segundo a Experian Hitwise.

“O hábito de compra mudou e o consumidor deve se manter digital, inclusive para as compras do mês, investindo mais em comodidade no pós-pandemia. As PMEs têm uma janela importante para se digitalizar e investir em tecnologia para as novas formas de consumo. É a chance para buscar mais alcance e fidelização de forma prática e fácil”, finaliza a executiva.

São Paulo, Goiás e Rio Grande do Norte


Entre os estados de destaque na compra de supermercado online, São Paulo registrou a maior média de pedidos, com 158 por mês e ticket médio de R$198,14. No Centro-oeste, Goiás é o líder com 143 pedidos por mês e um valor médio por compra de R$235,45. Já no Nordeste, o Rio Grande do Norte fica na primeira posição, com 57 pedidos por mês e R$258,82 desembolsado por compra pelo consumidor.

Liga Ventures promove segunda edição do maior evento de inovação aberta do país

Liga Ventures , pioneira no mercado de aceleração corporativa, irá promover nos dias 14, 15 e 16 de setembro, a segunda edição do Liga Open Innovation Summit , evento referência em inovação aberta no ecossistema, que une os objetivos de apresentar cases reais gerados entre corporações e startups, debater sobre cultura da inovação, tecnologia, tendências e sociedade do futuro com especialistas renomados no mercado e potencializar novos negócios.

Durante os três dias, os participantes terão acesso a 24 horas de conteúdos diversos com foco em inovação aberta. O evento será dividido em blocos temáticos como o Liga Talks, com mais de 50 líderes, especialistas e gestores de grandes empresas, abordando o impacto da inovação em diversos setores; Liga Insights, com os principais estudos de mercado destacando os desafios e tendências relacionadas à inovação e transformação digital.

Os participantes também terão acesso a Case Sessions: histórias reais sobre como grandes corporações atingiram resultados reais no relacionamento com startups; Living With Unicorns: conversas sobre cultura e gestão de startups unicórnios; e Pitches de mais de 25 startups selecionadas nos principais programas de aceleração do país, apresentando suas soluções e os negócios gerados com players de diversos setores – tudo isso com transmissão ao vivo.

Além disso, o Liga Open Innovation Summit contará com a presença dos keynotes: Seth Stephens-Davidowitz, ex-cientista de dados do Google e autor do best-seller “Everybody Lies”, que explora como as pesquisas do Google abrem uma janela sem precedentes para o comportamento humano, escolhas e tomada de decisão; Victoria Huff, sócia PwC US, Technology, Media and Telecomm. Antes de assumir sua posição atual, fundou e liderou a PwC New Ventures, uma incubadora de negócios, onde atuou na equipe de Liderança Executiva Global e dos EUA; e Edson Higo, presidente da Danone, empresa na qual trabalha há 15 anos. Atuou como presidente nas unidades da Danone na Argentina e na Austrália por 5 anos, e retornou ao Brasil para liderar a fusão de duas divisões da Danone Brasil em 2018, resultando na Danone Nutricia.

Segundo Rogério Tamassia, cofundador da Liga Ventures, o objetivo é fazer com que em sua segunda edição, o Liga Open Innovation Summit seja um grande canal para aproximar empresas do ecossistema de inovação. “A Liga Ventures tem como missão promover um cenário para a troca entre grandes corporações e startups, trazendo, por meio dessa conexão, soluções relevantes para o mercado. Com a segunda edição do Liga Open Innovation Summit, queremos proporcionar um terreno fértil para que essas interações ocorram de maneira genuína”, explica.

Os interessados em participar do Liga Open Innovation Summit 2021, podem se inscrever gratuitamente no site ligasummit.com .

Serviço:

• Data e horário – 14, 15 e 16 de setembro das 09h às 18h
• Custo – gratuito
• Inscrições – ligasummit.com
• Onde acontece – 100% online por meio do link do evento (disponibilizado mediante cadastro).

Tags

ClearSale abre vagas em Uberlândia e Recife com salários de até R﹩ 15 mil

A ClearSale, empresa especializada em soluções antifraudes nos mais diversos segmentos, como e-commerce, mercado financeiro, vendas diretas e telecomunicações, está com 30 vagas abertas nas cidades de Uberlândia e Recife. O processo de seleção é feito 100% online e as vagas são home office.

Os postos de trabalho são para áreas como Tecnologia com Desenvolvimento de Software .NET, Testes com Automação, Desenvolvimento Front End, Devops, Produtos, Ciência de Dados, Modelagem, Engenharia e Customer Success, para todos os níveis, de Junior a Sênior.

Para essas vagas, será necessário experiência e formação superior completa, dependendo dos casos, e os salários são a partir de R﹩5 mil chegando a mais de R﹩15 mil no caso das vagas que exigem maior senioridade.

“Recife e Uberlândia são duas cidades relevantes no setor de tecnologia e com uma população altamente qualificada. Diante disso, nosso objetivo é utilizar essas praças para expandir a pluralidade do quadro de colaboradores e gerar oportunidades na ClearSale por todo o Brasil”, afirma Leonardo Ferraz, diretor de Pessoas da ClearSale.

Para se candidatar às vagas, basta acessar https://br.clear.sale/carreiras

Tags,

Liv Up anuncia mais de 40 vagas para TI

A Liv Up – foodtech de comida natural e mercado online – acaba de anunciar a abertura de 43 vagas remotas em diferentes níveis hierárquicos para a área de Tecnologia. A empresa busca pessoas para trabalhar remotamente com Engenharia de Software, Engenharia Mobile, Designer de Produtos e Analista de Dados. Algumas delas são exclusivas para mulheres e para pessoas negras.

A fim de ampliar a diversidade no ambiente de trabalho, a Liv Up conta com programas de inclusão no ambiente de trabalho. Recentemente, a foodtech lançou o projeto “Mães da Tecnologia”, com a abertura de vagas exclusivas para mães com uma jornada de trabalho reduzida em 40%, e benefícios completos.

“Na Liv Up, acreditamos que existem outras coisas acontecendo além da carreira, que também são importantes para a vida das pessoas. Por conta isso, focamos em perfis diversos para que possam desenvolver o lado profissional, trabalhando para que possamos ter experiências que encantam nossos consumidores”, informa Tatiana Ottenio, Head de Engenharia de Software da Liv Up.

A área de Tecnologia da Informação apresenta altos índices de vagas nos últimos anos, mas é uma das que mais sofre com falta de profissionais. “Apesar do alto índice de desemprego no país, existem poucos profissionais dessa área no Brasil. De acordo com os últimos dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), até 2024 teremos mais de 420 mil vagas neste setor, enquanto as universidades brasileiras foram cerca de 46 mil profissionais anualmente”, finaliza Tatiana.

Todas as vagas disponíveis e as informações completas podem ser acessadas no link: https://www.linkedin.com/jobs/search/?f_C=10475106&geoId=92000000

Tags,

Daniela Spinardi chega à Nuvemshop como Diretora de Canais para LATAM

A Nuvemshop, plataforma de e-commerce líder na América Latina, segue reforçando seu quadro de executivos e anuncia Daniela Spinardi como nova Diretora de Canais para a América Latina. A chegada da executiva acontece após o anúncio do aporte de R$ 2,6 bilhões recebido pela companhia, que está expandindo as operações na região, com foco no México, na Colômbia e no Chile. Atualmente, a Nuvemshop conta com mais de 90 mil lojas online, em sua maioria pequenas e médias empresas.

“Cada mercado tem seus desafios e oportunidades e nosso objetivo é reconhecer essas diferenças”, comenta Daniela. “Chego à Nuvemshop em um momento importante para o crescimento da empresa, com o desafio de evoluir e escalar o programa de parceiros especialistas para ajudar os lojistas a chegarem ainda mais longe com seus negócios. Temos a ambição de construir o melhor programa de parceiros do setor”.

Daniela agrega à Nuvemshop a sua ampla experiência em estratégia de mercado e gestão de negócios digitais, adquirida em mais de 10 anos de atuação, no Brasil e no Exterior, em consultorias como a McKinsey & Company e Booz&Co (chamada Strategy& após aquisição pelo grupo PwC). Graduada em Administração pela Fundação Getúlio Vargas, a executiva também possui MBA pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). 

Responsabilidade social nas empresas e a necessidade de criar ações autênticas

Por José Luiz Camarero Neto, sócio e diretor executivo da Bild Desenvolvimento Imobiliário

Sabemos que empresas que têm a responsabilidade social como um dos seus pilares se destacam no mercado. O que antes parecia uma tendência momentânea, hoje vai muito além do ser politicamente correto, as corporações que buscam contribuir para a construção de uma sociedade mais justa engajam e educam seus funcionários, parceiros e clientes, buscando impactar o maior número de pessoas a fim de fortalecer o ecossistema.

Segundo o relatório trimestral Workmonitor, divulgado pela Randstad, empresa holandesa especializada em soluções de trabalho flexível e recursos humanos, 81% dos brasileiros acham importante trabalhar em uma empresa que tenha um sólido programa de responsabilidade social. Ou seja, a preocupação social das empresas precisa começar de dentro para fora, com a educação e engajamento dos seus colaboradores, como voluntários e agentes de transformação, envolvendo as diversas áreas e setores.

Outro dado interessante dessa mesma pesquisa, mostra que apenas 21% dos entrevistados disseram que as empresas os liberam em horário comercial para fazer algum tipo de trabalho voluntário. A pesquisa ressalta que o voluntariado faz com que as pessoas se conheçam mais, tenham mudanças de comportamento positivas e produzam mais no trabalho. É preciso mostrar que as ações de responsabilidade social não visam apenas lucros e holofotes, mas a somatória de atos voluntários direcionam as atividades para o bem-estar social e conduzem os negócios visando o interesse coletivo.

Uma empresa socialmente responsável está diretamente envolvida em ações sociais e não em assistencialismo, trata-se de total comprometimento da instituição com sua função social. A organização se responsabiliza pelos impactos de suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente, sempre adotando um comportamento ético, agindo com transparência e levando em consideração as expectativas de seus stakeholders.

Ainda tomando como base a pesquisa, a boa notícia é que 60% dos entrevistados trabalham em uma empresa que apoia, pelo menos, uma causa ou iniciativa de caridade. Esta porcentagem está acima da média mundial, que é de 53%, mas não está no ideal e ainda há muito o que fazer quando pensamos nos gargalos que existem na sociedade. Ações voltadas às áreas de saúde, assistência social, cultura, fomento à educação e à moradia, dentre outros, são exemplos de responsabilidade social. Estas podem ser voltadas tanto para o público interno, quanto para o externo, bem como para a comunidade na qual a empresa está inserida. A conexão positiva acontece quando todas as partes envolvidas estão conectadas, pelo propósito maior de transformação social.

É importante ter os objetivos e metas de responsabilidade social bem definidos e ter os negócios geridos em conformidade com leis, normas, diretrizes e os processos precisam ser estruturados de forma integrada com todos os grupos de interesses. Ou seja, não se trata de meras atitudes para prevenir sanções e reduzir impostos e atender à legislação. Na verdade, os ganhos da empresa socialmente responsável são inestimáveis e alcançados a longo prazo.

Trazendo para o âmbito das construtoras, é necessário projetos que além do ecologicamente correto e economicamente viáveis, sejam socialmente justos e culturalmente aceitos. Ações que visam à melhoria da qualidade de vida, do bem-estar e da saúde, fortalecem o papel social e o compromisso com o respeito às comunidades locais. As atividades vão desde campanhas de erradicação do analfabetismo nos canteiros de obras e para familiares de colaboradores, a arrecadação de donativos para entidades carentes do local, campanhas de prevenção à proliferação do mosquito da dengue e outras doenças, atividades de recreação para as crianças, com distribuição de kits escolares e de higiene e melhoria na estrutura de instituições, são exemplos de atividades que contribuem e surtem efeitos bastante positivos entre os participantes.

Um ponto interessante para ser trabalhado é questionar o impacto que sua empresa gera na vida das pessoas e na comunidade a nível local e global. Outra questão é saber se as políticas ambientais adotadas estão compatíveis com a realidade do negócio e do mercado. Atitudes nobres e transparentes trazem benefícios para todos.

Divulgar as ações estimula pessoas e instituições a tomarem atitudes sociais autênticas em prol do ecossistema. 78% dos entrevistados daquela pesquisa que mencionei anteriormente, afirmaram que ao se candidatarem a uma vaga de emprego, pesquisam a atuação da empresa na área de responsabilidade social, isso mostra que as pessoas têm buscado cada vez mais oportunidades alinhadas a um bem comum.

Outra questão que vale levantar é o pilar de ESG – Environmental, Social and Governance, que significa Ambiental, Social e Governança. Segundo um estudo realizado pelo The Boston Consulting Group (BCG), as companhias que têm boas práticas nesses campos apresentam resultados melhores ao longo do tempo, atraindo negócios e investidores. ESG não é luxo, é questão de sobrevivência e competitividade, por isso, é tão importante que as empresas coloquem ESG em sua agenda prioritária de forma responsável.

As empresas que possuem ESG entre os seus pilares precisam atender à risca as práticas de cada uma das siglas. A partir do momento que se comunica a adoção desse pilar o mundo passa a cobrar a tangibilidade dessas práticas

Environmental (Ambiental): Significa reduzir o impacto ambiental e se preocupar com questões como aquecimento global e emissão de carbono; eficiência energética; gestão de resíduos; poluição e recursos naturais.

Social (Social): Além de atender a inclusão e diversidade; direitos humanos; engajamento dos funcionários; privacidade e proteção de dados; políticas e relações de trabalho, as empresas precisam assumir relações com comunidades e treinamento da força de trabalho.

Governance (Governança): Aqui procura-se entender como a companhia adota as melhores práticas de gestão corporativa. Diversidade no conselho; ética e transparência; estrutura dos comitês de auditoria e fiscal; e política de remuneração da alta administração e canal de denúncias fazem parte das práticas de governanças.
Ou seja, a responsabilidade social é tema amplo de alta relevância, que deve estar inserido no planejamento de toda e qualquer empresa moderna que queira ser perene, responsável socialmente e consequentemente lucrativa.

SumUp oferece 1 mês de “férias extras”

Naiana Buck, líder de People da SumUp para a América Latina

A SumUp, pensando no bem-estar de seus colaboradores acaba de lançar o Break 4 Me. O benefício é uma licença remunerada de 30 dias corridos, além das férias já previstas por lei, para pessoas com mais de três anos de empresa. A iniciativa é inédita no Brasil e surgiu para contribuir com a saúde mental e com a qualidade de vida dos SumUppers, como são chamadas as pessoas que trabalham na empresa.

“Sabemos como é intensa a dedicação dos nossos times em ajudar os micro e pequenos negócios a serem bem-sucedidos, ainda mais com os desafios trazidos pela pandemia. Acreditamos que as ‘férias extras’ contribuirão muito para a saúde mental e a qualidade de vida dos SumUppers que completarem 3 anos de casa. Com essa pausa adicional, queremos deixar ainda mais claro o quanto valorizamos quem trabalha com a gente nessa missão”, afirma Naiana Buck, líder de People da SumUp para a América Latina. Apesar da pandemia ter levado à criação do Break 4 Me, vale ressaltar que o benefício será permanente.

Para ter direito ao Break 4 Me, a pessoa tem que cumprir algumas condições. A primeira delas é ter pelo menos três anos de casa. Além disso, ele deverá tirar as “férias extras” em 30 dias corridos – ou seja, o benefício não pode ser fracionado. Além disso, o descanso deve ser usufruído no prazo de até três anos.

“O SumUpper poderá emendar as férias convencionais ao Break 4 Me e ficar até dois meses aproveitando a família ou realizando algum objetivo pessoal. Pensamos no benefício para que as pessoas o utilizem da maneira que melhor funcionar para elas”, diz Naiana.

O Break 4 Me se aplica a todos os níveis hierárquicos da empresa. “Com isso, queremos proporcionar um ambiente cada vez mais saudável e inclusivo e, consequentemente, reter esses talentos”, finaliza Naiana.

Além do Brasil, a SumUp disponibilizou as “férias extras” em todos os seus escritórios ao redor do mundo.

Adobe inicia processo de aquisição da Frame.io

A Adobe anuncia que firmou um acordo para adquirir a Frame.io – plataforma de colaboração de vídeo líder de mercado. Uma vez concluído o processo de compra, a Frame.io integrará as soluções líderes da Adobe, como Premiere Pro e After Effects, bem como a funcionalidade de revisão e aprovação do Frame.io, formando uma plataforma de colaboração que capacita o processo de edição de vídeo de ponta a ponta. 

A criação e o consumo de vídeos estão crescendo de forma exponencial, seja no streaming ou em vídeos curtos nas redes sociais. Nesse sentido, a integração entre Frame.io e Creative Cloud trará excelentes inovações para os criadores de vídeo. No longo prazo, o plano da Adobe é proporcionar colaboração avançada e tecnologia inovadora, incluindo o uso expandido da inteligência artificial para  produção de vídeo com o objetivo de tornar cada criador e a equipe criativa mais colaborativos e produtivos.

Com mais de 1 milhão de usuários em empresas de mídia e entretenimento, agências e marcas globais, a Frame.io agiliza o processo de produção de vídeo, permitindo que os editores e as principais partes interessadas do projeto colaborem perfeitamente utilizando fluxos de trabalho em nuvem.  

Muitos dos maiores estúdios de cinema e televisão do mundo e empresas Fortune 100 confiam no Frame.io. Essa lista inclui a Adobe, que há muito tempo usa o Frame.io na produção de vídeos do site, em mídia social e eventos.

Futuro do vídeo

Os fundadores inovadores e a equipe da Frame.io estão incessantemente focados no futuro do vídeo. Recentemente, por exemplo, a empresa lançou a Camera to Cloud – uma maneira mais rápida, fácil e segura de obter instantaneamente imagens de câmeras para colaboradores em qualquer lugar do mundo.

A missão da Adobe é capacitar a criatividade para todos e, à medida que a criatividade se torna cada vez mais colaborativa, é essencial que os serviços sejam simples e eficientes para pessoas criativas trabalharem juntas e envolverem todas as pessoas que precisam revisar e aprovar seu trabalho. A equipe da Frame.io está comprometida com os mesmos objetivos e tem ideias inovadoras para seguir em frente.

A Adobe tem boas expectativas com essa aquisição e espera que a transação, que está sujeita a aprovações regulatórias e condições normais de fechamento, seja concluída nos próximos meses. Até que o negócio seja finalizado, cada empresa continuará a operar de forma independente.

Ambev e Arena Hub buscam startups por inovação no esporte

No sofá, na arquibancada, no boteco ou na cadeira numerada: onde você vibra? Adepto de uma ou de todas as opções – com direito àquelas mandingas, manias, catimbas e afins – todo fã de futebol sabe bem como torcer é coisa séria, uma experiência única e particular.

Pensando nisso, a Ambev e o Arena Hub anunciam o desafio Golaço, projeto que vai selecionar startups que se dediquem a desenvolver soluções para o mercado de esportes e entretenimentos. A ideia é fomentar a criação de produtos ou serviços inovadores, com os quais a Ambev pretende transformar a experiência do torcedor que consome futebol. A principal demanda é promover maior interação e engajamento dos fãs. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 01 de outubro pelo site.

O ecossistema de SporTechs é composto por Fintechs, HealthTechs, EdTechs, FoodTechs e MediaTechs, entre outras, e todas estão convidadas a participar do desafio.

Este é o primeiro projeto da parceria entre as duas empresas, oficializado em julho. Nela, a Ambev tornou-se a primeira mantenedora oficial do Arena Hub, que é o maior centro de inovação e fomento do empreendedorismo esportivo da América Latina e trabalha para despertar o ecossistema e potencializar negócios entre startups e entidades esportivas.

“Temos como missão fomentar negócios entre os players do esporte e do entretenimento. O desafio Golaço é mais uma iniciativa para incentivar empreendedores criativos que possam oferecer inovações diversas que conversem com torcedores e promovam experiências diferenciadas, impactando todo o mercado”, afirma Ricardo Mazzucca, CEO do Arena Hub. “A Ambev é uma empresa gigante em marketing, comunicação e relacionamento com o público, e é também a nossa primeira mantenedora oficial. A empresa tem contribuído com muitos insights que serão aplicados no hub, não apenas no Golaço, mas em outros projetos que faremos em conjunto”.

As startups selecionadas vão dedicar três meses para o desenvolvimento do produto ou serviço inovador e personalizado. Para lapidar os projetos, os participantes terão um programa que contará com conversas, mentorias, hackdays e uma intensa troca de conhecimento, que são importantes para desenvolver negócios de alto valor. Ao final, cinco finalistas receberão R$20 mil (vinte mil reais) cada, direcionados a cobrir os custos do período em que ficarem incubadas para a criação de POC’s. O programa acontecerá em 2021 e o valor será repassado às participantes em 2022.

“O esporte é um dos nossos territórios e, por isso, estamos muito animados com o Golaço. Um dos nossos objetivos, considerando nosso mindset de transformação digital, é incentivar todo o ecossistema para que, juntos, consigamos trazer soluções inovadoras e disruptivas, que promovam maior interação e engajamento, melhorando ainda mais a experiência do nosso público torcedor e a forma como ele consome o futebol. Para isso, contaremos com um time especializado que vai apoiar as startups finalistas, junto com o Arena Hub, em todo o processo”, comenta Felipe Bratfisch, Diretor de Patrocínios e Marketing de Experiências da Ambev.

Legado ao ecossistema esportivo


A Ambev assumiu protagonismo em projetos que buscam a melhoria do ecossistema esportivo a partir do Movimento por um Futebol Melhor, que oferece vantagens para os torcedores associados a seus times de coração. Lançado em 2013, o projeto se transformou em uma importante ferramenta de consolidação dos programas de sócio torcedor dos clubes brasileiros, que, atualmente, representam uma fonte de receita fundamental para manter o futebol no país. Em 2019, o programa passou a se chamar Clube Nº1, elevando as experiências exclusivas destinadas aos torcedores. Atualmente, o clube de vantagens conta com mais de 1,5 milhão de torcedores cadastrados.

Conheça mais detalhes do desafio Golaço Ambev by Arena Hub


Participar de um desafio como este proporciona aos empreendedores muita troca de conhecimento e networking. Durante o processo, os participantes selecionados terão momentos de capacitação e mentoria de acordo com o seu estágio e necessidade para melhor desempenho no evento. Cada startup será acompanhada por um mentor especialista em startups que irá orientar como modelar o seu negócio, como validar a sua ideia, como diminuir a incerteza do negócio e melhorar o desempenho de mercado da sua startup.

Além disso, estão programados workshops durante todo o período do programa e os empreendedores receberão conteúdo de alto nível para exercitar de forma prática as metodologias que hoje são trabalhadas pelas maiores startups do mundo. Além do chamado smart money, as cinco primeiras startups finalistas receberão aporte de R$ 20 mil (vinte mil reais) oferecidos pela Ambev para cobrir custos da criação de POC’s, e passarão pelas etapas descritas a seguir:

• 3 meses incubado no Arena Hub participando do Desafio Golaço Ambev;
• Acesso a rede de mentores do Arena Hub e da Ambev;
• Divulgação das 5 finalistas em todos os canais da Ambev e do Arena Hub.

Cronograma


Inscrições gratuitas: até 01/10/2021
Site para inscrições: https://www.ambev.com.br/desafio-golaco
Divulgação dos horários de apresentação dos Pitches ao júri selecionado: 25/10/2021
Início das mentorias de Pitch e modelos de negócio: 26/10 a 08/11/2021
Apresentação dos Pitches para a banca examinadora: 16 a 19/11/2021
Divulgação das Vencedoras: 22/11/2021

Tags

São Paulo sediará um dos maiores eventos ESG do mundo

ESG Land pretende mobilizar a sociedade brasileira sobre práticas sustentáveis, sociais e de governança

São Paulo será palco, em 2022, do primeiro evento presencial sobre ESG do Brasil. A conferência, que tem como missão debater e divulgar as práticas sociais, sustentáveis e de governança no país, reunirá instituições, empresas e os principais especialistas sobre o tema.

Idealizado pelo advogado e especialista nas áreas de projetos e educação Arnaldo Maluf Gesuele, o ESG Land acontecerá entre 5 e 7 de setembro de 2022, no Parque do Ibirapuera.

O objetivo principal é sensibilizar pessoas, empresas, governos e instituições sobre a urgência de adotar práticas que visem não só proteger o meio ambiente, mas reduzir desigualdades sociais e promover a transparência e ética nas corporações. “Cuidar melhor do planeta e das pessoas já ultrapassou os limites do simples discurso. Mais do que incentivar e valorizar as boas ações, estamos falando de business, economia. Ou você surfa na onda desse trio, ou está fora do jogo”, resume Gesuele.

O interesse pelo conceito ESG atingiu o ponto mais alto dos últimos cinco anos em 2020. Levantamento do Google Trends mostrou que globalmente o tema nunca foi tão buscado quanto no ano passado. Não à toa os índices de sustentabilidade tiveram performance melhor que os índices de bolsas que não adotam as práticas ESG.

Negócios


Entre os palestrantes confirmados estão Salim Ismail, diretor executivo e fundador da Singularity University, e o economista e empreendedor Ricardo Amorim. “Além de palestras sobre o tema, o evento promoverá o networking entre empresas que já são ESG e entre aquelas que pretendem adotar as práticas sustentáveis. Será uma oportunidade importante para gestores e profissionais de Recursos Humanos se atualizarem sobre as práticas de equidade e diversidade”, afirma o especialista em RH Alexandre Garrett, um dos organizadores e Embaixador da área Social do evento.

Em ESG Land, que acontecerá em uma área de 15 mil metros, uma aceleradora de startups estará pronta para possibilitar funding de projetos e cocriar negócios com a ajuda de mentores e empreendedores experientes.

O evento contará com educação do mercado, percepções, conhecimento dos temas, experiências, networking e fundos de private e public equity, que estarão de olho nas empresas. “A ideia é trazer fundos internacionais para olharem as empresas brasileiras. O Brasil é uma grande potência, precisamos mostrar ao mundo o que nossas empresas vêm fazendo em prol do ESG”, afirma o idealizador.

Windows 11 estará disponível a partir de 5 de outubro

Hoje a Microsoft anunciou que o Windows 11 estará disponível a partir de 5 de outubro de 2021.  

Neste dia, a atualização gratuita para o Windows 11 começará a ser distribuída para PCs Windows 10 qualificados e os PCs que vêm pré-carregados com o Windows 11 começarão a ser disponibilizados para compra. Com uma nova experiência do Windows, o Windows 11 foi projetado para aproximá-lo do que você mais gosta.  

Conforme o PC continua desempenhando um papel mais central do que nunca em nossas vidas, o Windows 11 está pronto para aumentar sua produtividade e inspirar sua criatividade.  

O novo design e sons modernos e bonitos trazem uma sensação de calma e facilidade.  

Com o Iniciar, colocamos você e seu conteúdo no centro. O Iniciar utiliza o poder da nuvem e do Microsoft 365 para mostrar seus arquivos recentes, não importando em qual dispositivo você estava visualizando-os.  

Os Layouts de Ajuste, Grupos de Ajuste e Áreas de Trabalho fornecem uma maneira ainda mais poderosa de trabalhar em ambiente multitarefa e otimizar seus ativos na tela.  

O chat do Microsoft Teams integrado à barra de tarefas fornece uma maneira mais rápida de se conectar às pessoas que mais importam.  

Os Widgets, um novo feed personalizado alimentado por IA, fornece uma maneira mais rápida de acessar informações importantes, e com os recursos de desempenho, velocidade e produtividade do Microsoft Edge, você pode obter mais navegando na web.  

O Windows 11 oferece o melhor Windows de todos os tempos para jogos e desbloqueia todo o potencial do hardware do seu sistema, com tecnologias como DirectX12 Ultimate, DirectStorage e Auto HDR. Com o Xbox Game Pass para PC ou o Ultimate você tem acesso a mais de 100 jogos de alta qualidade para jogar em seu PC no Windows 11 por um baixo custo mensal. (Xbox Game Pass vendido separadamente).  

O Windows 11 vem com uma nova Microsoft Store, reconstruída com um design totalmente novo que facilita a pesquisa e a descoberta de seus aplicativos, jogos, programas e filmes favoritos – tudo em um local confiável. Esperamos continuar nossa jornada para trazer os aplicativos Android para o Windows 11 e a Microsoft Store por meio de nossa colaboração com a Amazon e a Intel; essa prévia para o Windows Insiders começará nos próximos meses.  

O Windows 11 é a versão mais inclusiva do Windows, com melhorias de acessibilidade que foram construídas para pessoas com deficiência.  

O Windows 11 desbloqueia novas oportunidades para desenvolvedores e criadores. Estamos abrindo a Store para permitir que mais desenvolvedores e ISVs (fornecedores independentes de software) tragam seus aplicativos para a Store, melhorando o desenvolvimento de aplicativos nativos e para web com novas ferramentas de desenvolvimento e facilitando a atualização da aparência e da sensação em todos os nossos designs e experiências de aplicativos.  

O Windows 11 é otimizado para velocidade, eficiência e experiências ainda melhores com toque, caneta digital e entrada de voz.  

O Windows 11 é o sistema operacional para o trabalho híbrido, proporcionando novas experiências que funcionam da forma como você trabalha, são seguras por design, fáceis e familiares para a equipe de TI implantar e gerenciar. As empresas também podem testar o Windows 11 hoje, na versão prévia, no Azure Virtual Desktop ou em disponibilidade geral experimentando o Windows 11 no novo Windows 365.  

DHL Supply Chain eletrifica entregas para as lojas do Grupo Boticário na cidade de São Paulo

Assim como a melhoria contínua de suas operações, a sustentabilidade também é um valor muito forte dentro da cultura da DHL Supply Chain, líder global em armazenagem e distribuição. A mais nova iniciativa na área – e uma das mais abrangentes – é uma parceria com o Grupo Boticário para zerar as emissões das entregas da varejista de beleza para suas lojas em São Paulo Capital. O projeto faz parte do objetivo do Grupo Boticário de que 100% das entregas sejam feitas por veículos elétricos até 2025 nas capitais. A DHL Supply Chain, por sua vez, tem a meta de zerar suas emissões até 2050, tendo investido cada vez mais no desenvolvimento de soluções logísticas verdes. Com a parceria, estima-se que mais de 48 toneladas de gases deixarão de ser emitidas por ano a partir de 2022.

“Já estamos fazendo entregas com nossas vans elétricas e, em breve, também colocaremos caminhões modelo VUC para atender a 40% das lojas localizadas na cidade de São Paulo a partir de agosto”, afirma Gabriela Guimarães, Vice-presidente de Retail, E-commerce e Services Logistics da DHL Supply Chain, que complementa que a implantação da nova propulsão nas entregas será realizada em fases.

Neste projeto, que teve início em janeiro de 2021, a DHL Supply Chain transporta os produtos de beleza mais famosos do Brasil de um Centro de Distribuição em São Gonçalo dos Campos (BA) para um hub de transportes da DHL na Grande São Paulo. De lá, são realizadas as entregas para as cerca de 280 lojas em quase todos os bairros da capital paulista, incluindo a movimentação de produtos das marcas O Boticário, Eudora, Quem Disse, Berenice?, BeautyBox, Multi B, Vult, Beleza na Web e O.u.i. Por semana, serão cerca de 10 carretas movimentadas. Para este projeto, a DHL Supply Chain utilizará uma frota dedicada elétrica inicial de 14 veículos. Atualmente, o Grupo Boticário é o maior varejista de beleza e a rede de franquias com maior número de unidades no país.

“Estamos muito felizes com esse projeto por vários motivos, mas o que tem nos motivado de verdade é o fato da união de duas empresas com valores muito parecidos. Sustentabilidade, diversidade, excelência e inovação são alguns deles. Além disso, o uso de veículos elétricos traz muitas vantagens, como é o caso da menor geração de ruído, liberação de restrições de circulação e, claro, a não emissão de gases, reduzindo assim a pegada de carbono das organizações”, ressalta Gabriela Guimarães.

“Esse movimento é um passo importante que reforça o trabalho de longa data que realizamos em ESG, especialmente na frente ambiental. Avançamos nesta agenda, mas sabemos que ainda há muito a ser feito para preservação dos recursos naturais”, afirma Fernando Modé, CEO do Grupo Boticário.

A iniciativa faz parte dos planos do Grupo Boticário de ampliar seu impacto positivo para a sociedade até 2030. Em abril, a companhia assumiu 16 compromissos socioambientais reunidos na plataforma “Uma Beleza de Futuro” que incluem “neutralizar o impacto ambiental de emissões de GEE, água e energia de 100% da operação direta” e “reduzir em 50% o impacto ambiental de emissões de GEE, água e energia dos nossos fornecedores críticos”.

Outro aspecto importante da parceria é a diversidade. A DHL Supply Chain está com um programa para formar motoristas femininas para realizar estas entregas, acrescentando uma visão diferente a um universo ainda predominantemente masculino.

Atualmente, a DHL Supply Chain dispõe de uma frota elétrica de mais de 60 veículos no Brasil, entre vans e um caminhão elétrico, realizando entregas verdes nas regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro. A operadora logística utiliza também bicicletas para entregas urbanas de baixo volume e dispõe de um Centro de Distribuição com uma usina solar no teto que gera quase toda a energia que consome. Nos próximos doze meses, a companhia planeja adquirir cerca de 200 veículos elétricos no Brasil, a fim de expandir ainda mais suas soluções logísticas verdes, hoje mais focadas nos mercados de varejo, moda, eletroeletrônicos e medicamentos.

Situação de trabalho remoto variou bastante nos estados em 2020

São Paulo teve maior contingente de trabalhadores e DF maior percentual

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta terça-feira (31/8), nota sobre o trabalho remoto nas unidades federativas brasileiras durante a pandemia de Covid-19, com base nas médias para o ano 2020 obtidas por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Covid-19, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo mostra que houve grande diversidade na intensidade do trabalho remoto entre as unidades da federação. Enquanto no Distrito Federal, 23,6% das pessoas ocupadas e não afastadas do trabalho exerceram as atividades laborais remotamente ao longo de 2020, no Pará, esse percentual foi de 3,5%.

Em 2020, a população ocupada e não afastada era de 74 milhões de pessoas no Brasil, sendo que 8,2 milhões, ou seja, 11% trabalharam remotamente. O estado que teve o maior contingente de pessoas em trabalho remoto foi São Paulo, com 2,9 milhões de pessoas, seguido por Rio de Janeiro, com 1,1 milhão, e Minas Gerais, com 700 mil profissionais. Enquanto isso, os menores quantitativos foram observados no Amapá (16 mil), Acre (14 mil) e Roraima (13 mil).

O estudo mostrou que, no tocante à diferença (em pontos percentuais) entre o percentual de pessoas em trabalho remoto de cada unidade federativa e a média Brasil, apenas três estados e o Distrito Federal apresentaram resultados acima dessa média nacional: DF (+12,6 p.p.), Rio de Janeiro (+7,7 p.p.), São Paulo (+4,9 p.p.) e Paraíba (+1,1 p.p.). Em contrapartida, Pará (-7,5 p.p.), Mato Grosso (-6,4 p.p.) e Maranhão (-6,1 p.p.) foram os estados com mais de 6 pontos percentuais abaixo da média nacional, apresentando os menores percentuais.

No que diz respeito ao perfil de quem esteve em teletrabalho em 2020, para todas as unidades da federação, observou-se um percentual maior de mulheres, pessoas declaradas brancas e com escolaridade de nível superior completo, no conjunto de pessoas em teletrabalho, relativamente aos respectivos percentuais no total de pessoas ocupadas e não afastadas. No entanto, o resultado é heterogêneo, a depender do estado, nos quesitos faixa etária (com maioria entre 20 e 49 anos), atividade do trabalhador e serviço público. Em relação ao gênero, apesar da maioria das pessoas ocupadas e não afastadas ser do sexo masculino, a maior parte especificamente em teletrabalho é composta por mulheres.

“Há uma grande heterogeneidade do trabalhador remoto entre os estados brasileiros, o que pode ser reflexo das diferenças estruturais profundas nas economias e nos mercados de trabalho locais”, avaliou o pesquisador do Ipea Geraldo Góes, que redigiu a nota em coautoria com Felipe Martins e José Antônio Sena Nascimento. Em julho deste ano, eles apresentaram um estudo com dados gerais sobre o trabalho remoto no país, que agora foi estendido com maior detalhamento nas unidades federativas.

KPMG: fusões e aquisições têm o melhor semestre dos últimos dez anos

As empresas brasileiras realizaram 804 operações de fusões e aquisições, no primeiro semestre deste ano, um aumento de mais de 55% em relação ao mesmo período do ano passado quando foram fechados 514 negócios. Trata-se do melhor semestre dos últimos dez anos. Os dados são de uma pesquisa realizada, trimestralmente, pela KPMG.
“Os números mostraram que o mercado doméstico continuou aquecido, mesmo no período de pandemia. Com a retomada gradativa da economia observada no primeiro semestre deste ano, as empresas têm buscado opções aqui no Brasil para poder crescer. Acreditamos também que muitas operações ficaram represadas no ano passado devido ao momento de incertezas e estão sendo concretizadas este ano. Por isso, tivemos um primeiro semestre tão aquecido, o que indica que estamos em uma fase de recuperação”, analisa o sócio da KPMG e coordenador da pesquisa, Luís Motta.
Com relação ao tipo de transação concretizada nos primeiros seis meses deste ano, 524 foram do tipo doméstica (ou seja, realizada entre empresas brasileiras) e 256 do tipo CB1 (estrangeiro adquirindo empresa Brasil). “Foi o melhor semestre da história tento para as transações domésticas quanto para as transações CB1 desde o início da nossa pesquisa”.

Companhias de internet foram o destaque no período:
Dos 43 setores pesquisados, a grande maioria (36) foi contemplada com operações de fusões e aquisições. O destaque ficou para as companhias de internet com 268. Em seguida, aparecem as empresas tecnologia da informação com 131 e instituições financeiras com 92. Ainda foram citados os seguintes segmentos: varejo com 29; companhias de serviço, 25; imobiliário, 22; telecomunicações, 22; hospital, laboratório de análise clínicas, 22; companhias de energia, 21; educação, 20.
“O processo de transformação digital das empresas que já estava em curso foi acelerado pela pandemia. Com isso, muitas delas passaram a investir em tecnologia para poder acompanhar esse movimento. Esse é um dos motivos pelo qual as companhias de internet e de tecnologia da informação lideram o ranking do semestre. Outro destaque ficou por conta das instituições financeiras que também estão sendo afetadas pela evolução tecnológica”, finaliza o sócio.

Legendas:
Transações Domésticas: entre empresas de capital brasileiro
CB1: Empresa de capital majoritário estrangeiro adquirindo, de brasileiros, capital de empresa estabelecida no Brasil.
CB2: Empresa de capital majoritário brasileiro adquirindo, de estrangeiros, capital de empresa estabelecida no exterior.
CB3: Empresa de capital majoritário brasileiro adquirindo, de estrangeiros, capital de empresa estabelecida no Brasil.
CB4: Empresa de capital majoritário estrangeiro adquirindo, de estrangeiros, capital de empresa estabelecida no Brasil.
CB5: Empresa de capital majoritário estrangeiro adquirindo, de brasileiros, capital de empresa estabelecida no exterior.


Frizata chega ao Brasil com investimento de R$25 milhões liderado pela SP Ventures

Frizata, foodtech  flexitariana com modelo vertical de negócio (DNVB) que surge para desafiar o status quo dos produtos congelados, anuncia o fechamento de uma rodada de investimento de R$25 milhões liderada pelo SP Ventures, fundo brasileiro de venture capital, líder em agri-foodtech na América Latina. Além disso, participam investidores como Marcos Galperin (co-fundador e atual CEO do Mercado Livre), Jaime Soler Bottinelli (ex CEO global da Cencosud), Gonzalo Ramirez Martiarena (ex CEO global Louis Dreyfus, CEO Swiss Pampa e investidor em alimentos sustentáveis), Glocal e Norte Ventures, primeiro clube de investidores formado por empreendedores brasileiros, composto por nomes atrás de startups como Gympass, Brex, iFood, Movile, Mercado Livre e MaxMilhas. No país, a operação inicia na Grande São Paulo, sob a liderança de Henrique Zanuzzo.

“Nascemos para hackear a cadeia de alimentos congelados, que se mantém igual nos últimos 50 anos. Essa é uma realidade não só no Brasil, mas no mundo. Existe uma dominância de empresas com modelos de distribuição que não se renovam e que, juntas aos supermercados, acabam ditando as opções de produtos disponíveis para o consumidor. Chegamos para mudar esse jogo e fazer os produtos que as pessoas querem comer, não os produtos que os mercados querem vender”, afirma Zanuzzo.

Além da Grande SP, a marca também está presente em três metrópoles da Argentina e em Santiago do Chile e em setembro desembarca em San Francisco, nos Estados Unidos. Com esse investimento, os fundadores, Adolfo Rouillon e José Robledo, que pertencem à comunidade Endeavor, dão o primeiro passo para materializar a visão de levar a Revolução Frizata para diferentes cidades do mundo.

“Estamos construindo a plataforma global para aproximar uma nova geração de alimentos inovadores a milhões de consumidores que estão repensando a forma em que se alimentam todos os dias,  com uma experiência simples, preços acessíveis e cuidados com o meio ambiente. Nosso propósito é criar melhores alimentos para mais pessoas, simples assim”,  ressalta Adolfo Rouillon, co-fundador & CEO da Frizata.

Na mesa dos consumidores, sem intermediários

Primeira foodtech flexitariana de alimentos congelados on demand da América Latina, a Frizata foi lançada em Rosário, Argentina, em 2019 e conta com mais de 200 colaboradores em todas as cidades em que está presente.

Empreendedores há mais de 20 anos, Adolfo Rouillon e José Robledo, que pertencem à rede Endeavor, extraíram da expertise empresarial e do profundo conhecimento sobre os desafios da indústria de alimentação em grandes cidades do mundo a resposta para a pergunta: “o que vamos comer hoje?” de maneira simples e única. “Frizata nasceu para mudar a experiência da comida de todos os dias, com um forte impacto na praticidade, qualidade e equilíbrio do que consumimos, preços acessíveis e cuidado com o meio ambiente”, comenta Rouillon. 

Toda essa proposta se materializa graças ao seu inovador modelo de negócios (conhecido como DNVB – digitally native vertical brand). A marca é responsável pelo desenvolvimento dos produtos, produção, comercialização (feita exclusivamente por sua plataforma) e entrega, garantindo ao consumidor uma experiência completa com a marca. Outra vantagem deste modelo é a desintermediação do varejo, o que permite um contato direto com o consumidor e a redução de alguns custos, que são direcionados para um upgrade na qualidade dos produtos e desenvolvimento de novos itens.

“Ficamos muito impressionados com a visão que os fundadores têm para a Frizata no longo prazo, assim como a proposta de valor aos consumidores finais. O fornecimento de alimentos congelados de alta qualidade, desafiando os canais de distribuição tradicionais com um modelo D2C, nos pareceu uma proposta de valor convincente. Porém, a adição do componente de acessibilidade de preços e diversidade de portfólio à equação foi o ingrediente final para chegarmos a essa conclusão”, afirma  Alexandre Stephan, sócio da SP Ventures.

Digitalizando o freezer dos brasileiros

Com cobertura inicial nas cidades de São Paulo, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, Santo André, Barueri e Osasco, o público pode contar com mais de 50 produtos nas categorias de frutas, vegetais, veggies, aperitivos, batatas, pizzas e empanadas no portfólio, muito deles sem similares nos mercados. “Os produtos únicos são desenvolvidos em co-criação com os consumidores, estamos constantemente interagindo com nossos clientes para receber opiniões e sugestões em relação a novos produtos”,  comenta Zanuzzo. 

Complementando o portfólio, um dos destaques de inovação, e exclusividade da marca, foi o desenvolvimento da categoria meat free, que conta com um dos maiores portfólios flexitarianos da América Latina e é composta por sete produtos sem carnes que recriam a maneira de alimentação sem esse tipo de proteína, promovendo o equilíbrio nutricional e da saúde. Essas opções respondem ao crescimento do consumo flexitariano no país, composto por uma dieta com maior consumo de alimentos vegetais e menos proteína animal.