Archive setembro 2019

Converta a experiência do cliente digital em receita para o seu negócio

Por Rafael Martins

Hoje, todos nós passamos boa parte do dia online. Neste cenário, como um e-commerce pode impactar seus clientes de diferentes formas e fazer parte da sua rotina e contexto? Avalio que, quanto melhor a experiência do cliente, maiores serão as chances de obter taxas de conversão e aumentar o valor geral das transações para sua loja virtual. Por isso, sua plataforma de e-commerce deve fornecer uma resposta estratégica para essa questão.

Na hora de escolher uma ferramenta, avalie que ela deve promover agilidade e capacidade de adaptação ao seu ambiente de negócios, desempenhando um papel crucial no desenvolvimento de uma vantagem competitiva em seu mercado. Um exemplo disso é a melhora da experiência do usuário em seu site por meio da promoção de conteúdos dinâmicos de marketing que acompanham o comportamento dos consumidores.

Imagine, por exemplo, que seu cliente esteja navegando e se depare com um anúncio de 15% de desconto na compra de qualquer tênis de sua loja virtual. Se ele estiver precisando comprar um tênis novo para jogar, esse anúncio pode ser perfeito. Porém, talvez ele nem costume praticar esporte e passe batido por esse anúncio.

Agora, pense que ele esteja navegando pelas suas redes sociais e passe por um artigo sobre os benefícios da prática de esporte ou com dicas para escolher o tênis ideal para caminhadas. Esse tipo de conteúdo pode chamar a atenção de um público ainda maior, e não apenas daquele que está procurando por um tênis. Entretanto, é uma conversão que dificilmente leva a uma venda imediata.

Apesar de possuírem objetivos diferentes, ambas são estratégias de vendas baseadas na experiência do cliente no mundo digital, que podem ser usadas pelas empresas para aumentar a conversão de receita nas lojas online. Uma avaliação de como alavancar as vendas deve iniciar com uma análise da abordagem utilizada.

Desta forma, a sua plataforma de e-commerce deve promover uma melhor colaboração, alinhando processos operacionais e fornecendo uma visibilidade completa dos dados em tempo real das transações realizadas, contribuindo, desta forma, para que os gestores possam tomar as melhores decisões estratégicas, além de fornecer uma opção de receita proveniente do site.

Usar a plataforma de e-commerce para mensuração de dados ajudará na construção da conversão da experiência do cliente digital em receita para o seu negócio. Com ela, será possível identificar de onde estão chegando os usuários, quais os canais de atração são possíveis utilizar para aumentar o tráfego e conversão, entre outros indicadores.

Portanto, depois do tempo, do dinheiro e do esforço que as empresas dedicam na criação de um site, é importante converter o tráfego em vendas. Sendo assim, não importa se você faz negócios para o mundo B2B ou B2C, sua plataforma de e-commerce precisa fazer muito mais do que apenas realizar as transações em sua loja virtual.

Os dados apontam estratégias que podem resultar em mais vendas para a loja online. Explorar o contexto digital é uma obrigação e a plataforma de e-commerce é uma ferramenta para isso. E, se você quer ser competitivo em mercados de alta performance, ofereça mais vantagens e benefícios para os clientes e garanta uma ampla satisfação deles. Está preparado para esse cenário?

Rafael Martins, CEO da LifeApps, empresa do Grupo Máxima responsável por plataformas de e-commerce

Hackaton da Netshoes premiou estudantes da USP

No último fim de semana, de 28 a 29 de setembro, a Netshoes realizou seu primeiro Hackaton com o objetivo de encontrar soluções inovadoras para aprimorar os canais de atendimento ao cliente e aperfeiçoar a gestão do marketplace. A maratona de programação contou com a participação de mais de 40 estudantes de tecnologia da USP, que se reuniram na sede da companhia e trabalharam durante 30h ininterruptas para resolver os desafios e propor melhorias por meio da utilização da Inteligência Artificial.

Os alunos — que formaram 10 grupos com cinco integrantes cada — contaram com todo o suporte do time de desenvolvedores da Netshoes. Já a banca julgadora, que avaliou os trabalhos e definiu os vencedores, foi composta por Marcio Kumruian, CEO da Netshoes; Graciela Kumruian, COO da empresa; Elísio Pereira, Diretor de TI da Netshoes; Luciane Ortega, professora de Empreendedorismo e Inovação da USP; além de executivos do Magalu. Os vencedores ganharam videogames PS4 e os integrantes do grupo que ficou em segundo lugar ganharam um Nintendo Switch cada.

“Foi uma enorme satisfação receber e disponibilizar o espaço da Netshoes para uma iniciativa tão importante. Fiquei impressionada com o nível das apresentações e das soluções propostas. O resultado foi muito positivo e já estamos pensando em promover novos Hackatons no próximo ano”, afirmou Graciela Kumruian.

Para Luciane, da USP, é fundamental aplicar na prática todos os conhecimentos teóricos que são debatidos nas aulas. “O grande diferencial do Hackaton é a oportunidade que os alunos têm de colocar em prática todos os conteúdos estudados. Além do conhecimento em si, os alunos puderam vivenciar um dia em um ambiente empresarial e entender os desafios que enfrentarão quando ingressarem no mercado de trabalho”, destacou. “Temos uma incubadora e queremos continuar e expandir os trabalhos iniciados com a Netshoes no Hackaton em nosso campus”, complementou.

Para Elísio Pereira, da Netshoes, a parceria com a USP é bem estratégica para a companhia. “Os alunos trouxeram ideias criativas e inovadoras. Propuseram soluções de altíssimo nível, totalmente aplicáveis e viáveis não só do ponto de vista técnico, mas também sustentáveis para o negócio e com valor para o cliente. Aproveitamos também esse contato para identificar talentos que possam vir a integrar nosso time de tecnologia”, concluiu.

Câmara Espanhola abre as inscrições para o 7º Prêmio de Sustentabilidade

Com o objetivo de promover a cultura sustentável no país, a Câmara Espanhola de Comércio no Brasil abre as inscrições para o 7º Prêmio Câmara Espanhola de Sustentabilidade. Independente de qual seja o porte e padrão de atuação da companhia, a iniciativa tem como mérito de identificar e disseminar as boas práticas sustentáveis pelas empresas que atuam no Brasil, e que muitas vezes são desconhecidas do público.

“O Prêmio Câmara Espanhola de Sustentabilidade reconhece as práticas empresariais que gerem benefícios cada vez mais tangíveis ao negócio a partir da integração das questões ASG e da identificação de oportunidades de geração de negócios. Na última edição foram inscritos excelentes projetos que compartilhamos em nossa tradicional Memória de Sustentabilidade” afirma Alejandro Gómez, diretor executivo da Câmara Espanhola de Comércio no Brasil.

Com 3 novas categorias: socioambiental, inovação e diversidade, tanto as grandes companhias como também as Pequenas Médias Empresas (PMEs), serão contempladas nesta edição do prêmio. “O nosso objetivo é prestigiar os melhores projetos, independente do porte da companhia, em cada uma das categorias. Com isso, mostraremos que as melhores práticas podem ser disseminadas por todos”, acrescenta o executivo.

As inscrições do 7º Prêmio Câmara Espanhola de Sustentabilidade vão até o dia 15 de outubro e se estendem a todas as empresas associadas da Câmara, e também não associadas no caso de concorrentes na categoria PMEs. O júri de peso composto pelas entidades Pacto Global, Instituto Ethos e Ideia Sustentável avaliarão todos os projetos inscritos. Os vencedores serão conhecidos no dia 3 de dezembro de 2019, em grande evento realizado pela Câmara, com a presença de autoridades espanholas, empresários e líderes da área de sustentabilidade.

EDIÇÃO 2018

A edição 2018 do Prêmio Câmara Espanhola de Sustentabilidade superou as expectativas. Dos 22 projetos, 69% se inscreveram na categoria Grandes Empresas e 31% em Pequenas e Médias Empresas.

Os projetos inscritos registraram a marca de R$ 117 milhões de investimentos, beneficiando cerca de 14 mil famílias em mais de 730 municípios em todo o Brasil. Desenvolvidos em diferentes áreas como educação, proteção ambiental, promoção de energias renováveis, erradicação da pobreza, empoderamento, microcrédito, saúde, inovação, reutilização de resíduos, redução da pegada de carbono, entre outros.

Clique aqui e saiba como se inscrever no 7º Prêmio Câmara Espanhola de Sustentabilidade.

Para saber mais informações, acesse o site: www.camaraespanhola.org.br.

Iniciativas ajudam mulheres a se destacarem na área da tecnologia

A forma como mulheres e homens são criados influencia diretamente na vida profissional e pessoal de cada um. Uma das consequências é a falta de representatividade de mulheres em equipes de todas as áreas do mercado, mas principalmente na tecnologia.

Até o ano passado, grandes empresas desse setor como o Facebook, Google, Twitter e Apple, empatavam na lista feita pela agência de risco Standard & Poor’s com apenas um terço de suas equipes composto por mulheres.

Desde então, algumas dessas empresas já perceberam a importância e necessidade da diversidade em suas equipes. A Apple, por exemplo, aumentou em 6% o número de suas funcionárias, número ainda baixo perto do interesse e da quantidade de mulheres capacitadas e qualificadas na área da tecnologia.

Iniciativas como a HerForce, primeira plataforma de divulgação de vagas e avaliação de empresas voltada para mulheres no Brasil, quer mudar esse cenário o mais rápido possível. “Nosso propósito é conectar mulheres a empresas que valorizam a diversidade, além de ajudar as empresas a cuidarem de seu ambiente de trabalho e aumentarem a representatividade de mulheres em suas equipes”, explica a fundadora e CEO da HerForce, Silaine Stüpp, que sentiu na pele a desigualdade de tratamento pela qual as mulheres passam em entrevistas de trabalho, por exemplo.

Segundo a gerente dos Princípios de Empoderamento Econômico da ONU Mulheres Brasil, Adriana Carvalho, 74% das meninas que estão em idade escolar possuem interesse no campo da ciência, tecnologia e exatas. No entanto, elas estão fora dos principais postos de trabalho gerados pela revolução tecnológica, sendo que, atualmente, apenas 25% da força de trabalho da indústria digital é composta por mulheres.

Para Carine Roos, cofundadora da ELAS, são inúmeras as barreiras que impedem as mulheres de acender no mercado de tecnologia. “A primeira delas tem a ver com estimulo que recebemos. Desde pequenas não somos estimuladas a ter um raciocínio mais analítico e lógico. As meninas ganham brinquedos mais relacionados com o cuidado – como, por exemplo, brincar de casinha”, explica Carine.

Em busca da diversidade e mais líderes mulheres

De acordo com a Associação Telecentro de Informação e Negócio (ATN), mais de 36 mil mulheres formadas na área de tecnologia buscam colocação no mercado.

Com o intuito de diminuir essa desigualdade, a plataforma da HerForce atua em duas frentes: dando voz às mulheres e credibilidade às empresas que buscam reforçar o valor da diversidade.

As profissionais podem avaliar uma organização em que já tenha trabalhado, responder critérios específicos ao público feminino, visualizar avaliações e comentários pela ótica de outras mulheres, acessar vagas de trabalho e enviar o currículo. Já as empresas podem criar seus perfis de marca empregadora, divulgar vagas, contratar serviços focados no aprimoramento do seu ambiente de trabalho e ainda obter o selo HerForce, indicando que empresa valoriza e exerce a diversidade de gênero e inclusão.

Com a missão de empoderar mulheres na sociedade e no trabalho, a ELAS, fundada em agosto de 2017, já impactou mais de 4 mil mulheres por meio de palestras, imersões e workshops. A escola possui 500 alunas certificadas, sendo que 30% delas já foram promovidas ou receberam aumento salarial dentro de seis meses após participarem do Programa ELAS.

O objetivo das iniciativas é tornar as participantes mais seguras, confiantes e autossuficientes. “Fazemos um trabalho de desenvolvimento pessoal, para que as mulheres, principalmente essas que estão em áreas em que são a minoria, possam exercer autoridade sem serem autoritárias. Assim elas aprendem a se posicionar em momentos nos quais são interrompidas, por exemplo”, conta Carine que trabalha em conjunto da Amanda Gomes, também cofundadora da escola.

Com uma metodologia própria, experiência em equidade de gênero e desenvolvimento comportamental, Carine e Amanda formam mulheres que desejam assumir posições de destaque no mundo corporativo e na sociedade. “Apesar do ambiente ainda não estar preparado para lidar com mulheres, ela terá as ferramentas necessárias para conseguir hackear o sistema”.

No Brazil Summit 2019, revista britânica The Economist debate perspectivas econômicas e desafios políticos no Brasil

A revista britânica The Economist realiza o Brazil Summit 2019, conferência sobre os rumos da economia brasileira, no dia 24 de outubro, em São Paulo. Com o tema Back to business? – De volta aos negócios? – em tradução livre – o evento irá reunir políticos, acadêmicos e os principais líderes empresariais brasileiros para discutir o futuro social, político e econômico do país.

Desde a eleição de Jair Bolsonaro, todas as atenções se voltaram para o Brasil – oitava maior economia do mundo – à espera da recuperação da economia local. Mesmo com o lento reaquecimento do mercado, os investidores se apresentam mais confiantes. As perspectivas de crescimento após o período de crise é um dos assuntos de destaque que será debatido no evento. “O Brasil está em processo de troca de poder e recuperação econômica. Mas, existe um lado positivo: as instituições estão voltando a funcionar, a troca de poder político deve trazer uma onda de positividade e alguns investidores estrangeiros serão atraídos pelo otimismo em relação ao aquecimento da economia brasileira. Acima de tudo, agora com outros projetos de crescimento, o governo e o setor privado precisam ser mais eficientes, produtivos e inovadores”, afirma Sarah Maslin, chefe sênior da The Economist no Brasil.

A terceira edição do evento, que já ocorreu no Brasil em 2013 e 2015, conta com mais de 200 nomes de peso do cenário empresarial e governamental, além dos editores da revista britânica. Entre os palestrantes confirmados estão o Ministro da Justiça, Sergio Moro, a economista-chefe da XP Investimentos, Zenia Latif, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o co-presidente do Conselho de Administração da Natura, Guilherme Leal, Ilona Szabó, diretora executiva do Instituto Igarapé, David Vélez, chefe executivo do Nubank, Sérgio Gusmão, diretor-presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, Paula Paschoal, gerente geral da PayPal Brasil, Christopher Garman, diretor da área de Américas do Grupo Eurasia, entre outros.

Os painéis tratarão sobre perspectivas econômicas, o futuro da América Latina, a reforma da previdência, práticas de compliance e relações com investidores, fintechs – as startups do sistema financeiro – a relação do Brasil com a China, Amazônia, mudanças climáticas e inteligência artificial, entre outros.

Mais informações, inscrições e programação completa do Brazil Summit 2019 no site da revista The Economist. O evento é patrocinado pela CDN Comunicação, SwissCam Brasil, BCCC, Brazilian American Chamber of Commerce, ArabBrazilian Chamber of Commerce, CACB, ICC e ANBIMA.

Brazil Summit 2019

Data: 24 de outubro de 2019

Horário: das 8h às 17h 50min

Local: Rooftop 033 (Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 – Vila Olímpia, São Paulo – SP)

Mais informações: events.economist.com/events-conferences/americas/brazil-summit/

ABES e BayBrazil selam parceria para promover a entrada de startups do Vale do Silício, EUA, para o mercado brasileiro

A ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) formalizou uma parceria com a BayBrazil, organização sem fins lucrativos localizada nos EUA, com o intuito de unir esforços para estimular o intercâmbio de negócios entre empresas de TI baseadas no Brasil e no Vale do Silício. Rodolfo Fücher, presidente da ABES, esteve presente no Brazil In The 21st Century, evento promovido pela BayBrazil na Califórnia, EUA, no dia 22 de agosto, onde alinhou os detalhes da parceria com Margarise Correa, CEO e fundadora da organização.

“Trabalhamos por muitos anos com o objetivo de solidificar a presença da ABES como referência do setor de TI brasileiro – agora, estamos expandindo os nossos esforços para o mercado internacional, colocando toda essa experiência à disposição das empresas estrangeiras interessadas em investir no mercado brasileiro. Nesse sentido, a parceria com a BayBrazil, cujo foco principal é aproximar o ecossistema de profissionais e empresas brasileiras e americanas, faz todo sentido. Acreditamos que essa parceria será de grande valor para estreitar as relações e criar novas oportunidades para os empreendedores e empresários de TI nos dois países, impactando positivamente diversos negócios e setores”, afirma Rodolfo Fücher, presidente da ABES.

Como resultado dessa parceria, a ABES oferecerá seis meses de acesso aos serviços oferecidos pela entidade sem custo às startups ligadas à BayBrazil, buscando oferecer uma referência do ambiente de negócios para aqueles interessados em compreender como operar no Brasil.

“A BayBrazil tem liderado diversas iniciativas com o objetivo de aproximar o Vale do Silício e o Brasil e promover diálogo e interação entre empresas e indivíduos que atuam no mercado digital nas duas regiões. Nossa missão é unir a comunidade formada por profissionais brasileiros e americanos do setor de tecnologia e estreitar laços entre o Vale e Brasil. Nesse sentido, o trabalho que a ABES vem executando, incentivando mais inovação e empreendedorismo no Brasil, vai diretamente de encontro à nossa missão. Vamos somar forças e trabalhar juntos no apoio às empresas de tecnologia das duas regiões”, completa Margarise Correa, CEO e fundadora do BayBrazil.

Como resultado da parceria firmada, a Margarise Correa virá ao Brasil no dia 14 de outubro para participar do evento ABES Software Conference 2019, cujo tema este ano é “Disrupção: Negócios Exponenciais”, onde abordará como empresários brasileiros poderão desenvolver negócios no Vale do Silício.

Colgate-Palmolive busca quatro startups para seu programa de aceleração em parceria com a Liga Ventures

A Colgate-Palmolive está com inscrições abertas para o seu programa de aceleração Co.lab, realizado em parceria com a Liga Ventures – aceleradora especializada em conectar startups a grandes corporações. O projeto tem como objetivo buscar startups que tenham sinergia com a Colgate-Palmolive, que é um dos maiores players do mercado de personal e home-care. Entre as áreas de interesse do Co.lab estão: DataDriven, Desenvolvimento de Produtos e Tecnologia, Vendas Inteligentes, Sustentabilidade e Processos Internos.

As inscrições para o programa de aceleração poderão ser feitas até dia 13 de outubro por meio do site https://colabcolgatepalmolive.liga.ventures/. Após esse período, a Liga Ventures fará a seleção de alguns empreendedores, que serão entrevistados e apresentarão seus negócios para uma banca formada por executivos da corporação e Liga.

O programa de aceleração

Durante quatro meses, as startups escolhidas passarão por um processo de aceleração e aprimoramento com acompanhamento de profissionais de diversas áreas e expertises da Colgate-Palmolive. Além disso, terão acesso à rede de mentores da Liga e aos tomadores de decisão da companhia – com suporte de um executivo da corporação parceira.

“A Colgate-Palmolive está sempre em busca de inovações que façam sentido para seus negócios e para seus clientes. Contar com a parceria das startups é fundamental para elevarmos ainda mais a qualidade dos produtos e experiências que proporcionamos aos nossos consumidores”, comenta Luciana Abe, diretora associada de marketing digital da Colgate-Palmolive.

Para Rogério Tamassia, co-fundador da Liga Ventures, o Co.Lab é uma grande oportunidade para as startups crescerem e para a corporação contar com a agilidade e DNA inovador dos empreendedores selecionados. “Verificar tendências, testar múltiplos mercados e modelos de negócio em conjunto com as startups é uma importante oportunidade para o desenvolvimento de grandes corporações, como a Colgate-Palmolive, que poderá contar com soluções inovadoras para seu negócio de forma mais ágil”, afirma.

São Paulo recebe Tray E-commerce Conf em outubro

Depois de passar por seis cidades brasileiras, será a vez da capital paulista receber, no dia 29 de outubro, o Tray E-commerce Conf, um evento itinerante de e-commerce que oferece aos empreendedores a oportunidade de debater e ficar por dentro dos conteúdos do mundo digital. A Tray, unidade de e-commerce da Locaweb, promove a conferência anualmente com o objetivo de compartilhar todas as informações e novidades da área.

A cidade de São Paulo foi a escolhida nesta edição por reunir o maior mercado de e-commerce do país. No primeiro semestre deste ano, a região Sudeste cresceu 34% em comparação a 2018.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, a estimativa é que todo setor deve atingir um volume de vendas de R$ 79,9 bilhões em 2019, sendo o maior avanço anual registrado desde 2015. Diante do cenário, é fundamental, cada vez mais, debater as estratégias e buscar novidades para ampliar o negócio online.

Nesta edição do Tray E-commerce Conf estão confirmados palestrantes que são referência no assunto no Brasil. Entre eles, estão Marcelo Tas, jornalista e membro do conselho de professores do IBMEC, Alex Moro, CEO da Efeito Empreendedor, Sandro Magaldi, co-fundador do meuSucesso.com – maior plataforma de empreendedorismo do Brasil, e Willians Marques, diretor-geral e fundador da Tray.

O dia será repleto de aprendizado e networking para o público. Entre os temas que serão abordados estão a importância da comunicação na Aceleração Digital, a performance em marketplace, KPIs e métricas necessárias nos negócios digitais, fraudes no e-commerce e os desafios para vender mais e melhor.

Willians Marques, diretor-geral da Tray, explica que o objetivo do evento é levar para o público o dia a dia do comércio online. “O Tray E-commerce Conf apresenta para o mercado o ecossistema completo de uma loja virtual em um único lugar. Todos os participantes terão acesso ao melhor conteúdo do segmento, compartilhado por quem faz esse mercado crescer diariamente”, afirma.

O Tray E-commerce Conf já passou neste ano pelas cidades de Marília (SP), Londrina (PR), Ribeirão Preto (SP), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS). Ao todo 100 palestrantes apresentaram mais de 60 horas de conteúdo. O evento será realizado no Shopping Frei Caneca, em São Paulo, no dia 29 de outubro, a partir das 7h30. Os interessados podem encontrar a agenda completa do evento e o link para compra de ingressos por meio do site www.ecommerceconf.com.br.

Tray E-commerce Conf
Quando: 29 de outubro de 2019
Horário: a partir das 7h30 (credenciamento)
Onde: Shopping Frei Caneca – São Paulo
Informações: www.ecommerceconf.com.br

DSM anuncia Programa de Estágio 2020

A DSM, empresa global de origem holandesa que atua com foco em ciências e que desenvolve soluções para diversas indústrias, anuncia o Programa de Estágio DSM 2020. As inscrições estão abertas e podem ser feitas até 16 de outubro pelo site da Companhia de Estágios. Neste ano, as 15 vagas disponíveis são para atuação nas unidades da empresa localizadas em duas cidades paulistas, São Paulo (SP) e Mairinque; além da unidade em Pecém, no Ceará.

Devido à diversidade de negócios da DSM, há vagas para estudantes cursando várias carreiras, como Administração de Empresas, Ciências dos Alimentos, Ciências da Computação, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comércio Exterior, Economia, Engenharia da Computação, Engenharia de Produção, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Gestão, Estatística, Farmácia, Matemática, Psicologia, Química e Relações Internacionais. O programa tem duração de dois anos, com previsão de início em janeiro de 2020, e os candidatos devem ter conhecimento intermediário em Pacote Office e inglês em nível intermediário ou avançado. Espanhol é um diferencial, pois a companhia tem forte atuação em países da América Latina, onde está presente com plantas em 13 países.

Com origem holandesa, a DSM é uma empresa global que desenvolve e fornece soluções científicas inovadoras (ingredientes e matérias-primas) para indústrias de vários setores, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas e o planeta. Seguindo os valores da empresa, o programa de estágio visa ampliar o time de talentos para apoiar o crescimento dos negócios na América Latina, baseado na atuação de estudantes que têm interesse de aprender mais sobre o mercado e contribuir para a elaboração de projetos sustentáveis.

“A diversidade de talentos faz parte do DNA da DSM e, por isso, nosso programa de estágio é bastante abrangente, com oportunidades para estudantes de diferentes áreas. Ao mesmo tempo que o estagiário tem a oportunidade de experimentar e aprender no ambiente corporativo, também contribui com o nosso propósito de desenvolver soluções inovadoras que melhoram a qualidade de vida das pessoas e beneficiam o planeta”, ressalta a Diretora de RH para América Latina, Alessandra Ditt.

Link para a inscrição: https://recrutamento.ciadeestagios.com.br/dsm/

Bancos podem perder US$ 280 bilhões em receita de pagamentos até 2025, aponta relatório da Accenture

Até 15% da receita global de pagamentos dos bancos, o equivalente a US$ 280 bilhões, provavelmente serão deslocadas pelo crescimento dos pagamentos digitais e pela concorrência de instituições não bancárias, à medida que os pagamentos se tornarem mais instantâneos, invisíveis e gratuitos, de acordo com o relatório Banking Pulse Survey: Two Ways To Win da Accenture (NYSE: ACN).

O estudo constatou que a receita global de pagamentos provavelmente crescerá a uma taxa anual de 5,5%, de US$ 1,5 trilhão em 2019 para mais de US$ 2 trilhões até 2025. Somente bancos que transformarem seus modelos de negócios para adotar as mais recentes tecnologias e se concentrar em fornecer mais valor agregado em serviços para seus clientes capturarão uma fatia dos US$ 500 bilhões em crescimento adicional de receita.

O relatório é baseado em um modelo de análise de risco de receita desenvolvido pela Accenture para medir tendências de métodos de pagamentos entre consumidores e projeta mudanças no comportamento, tecnologia e regulamentação dos agentes de mercado. A análise é complementada por uma pesquisa com 240 executivos de pagamentos em bancos de 22 países para determinar como planejam mitigar e capitalizar sobre a disrupção nos modelos de pagamentos para aumentar a lealdade de clientes, receitas e lucratividade.

“Em vez de estar na vanguarda da nova onda do crescente mercado de pagamentos, os bancos estão sentindo a pressão da nova concorrência e vendo suas margens apertarem”, avalia Gareth Wilson, líder global de pagamentos da Accenture. “Enfrentamos um mundo em que os modelos de pagamentos instantâneos, virtuais e gratuitos são inexoráveis, o que gera desafios para os bancos que não querem perder espaço nesse mercado. Mas também apresenta oportunidades de explorar um novo modelo de negócios baseado nesse avanço do digital”.

O relatório aponta que, nos próximos seis anos, os bancos enfrentarão uma pressão adicional sobre as receitas de transações e taxas de cartões, com os métodos livres de impostos colocando em risco 8% da receita de pagamentos. Além disso, a concorrência de instituições não bancárias em pagamentos invisíveis – por meio dos quais os pagamentos são concluídos em uma ‘carteira virtual’ em um aplicativo ou dispositivo móvel – colocará em risco 3,9% das receitas bancárias. A substituição do cartão por pagamentos instantâneos, em que os fundos são liquidados e transferidos em tempo real e os bancos oferecem pouco ou nenhum juro, é projetado para colocar um risco adicional de 2,7% das receitas de pagamentos.

O cenário se baseia nos atuais declínios em receitas de transações e taxas de cartões, em que a regulamentação vem desencadeando a compressão de taxas e a tecnologia, substituindo o papel dos bancos nos novos modelos de pagamentos. Entre 2015 e 2018, a receita das transações de cartão de crédito de clientes corporativos caiu 33%; a receita de transações com cartão de débito de pessoa física caiu quase 15% e a receita oriunda de cartões de crédito caiu quase 12%.

A pesquisa mostra que o setor está ciente dos desafios colocados pelas novas tecnologias em pagamentos. Mais de dois terços (71%) dos executivos entrevistados concordam que os pagamentos estão se tornando gratuitos; quase três quartos (73%) acreditam que a maioria dos pagamentos já é invisível ou o será nos próximos 12 meses; e ainda mais executivos (78%) disseram que os pagamentos já são ou se tornarão instantâneos nos próximos 12 meses.

“O boom digital significará que os bancos precisam mudar fundamentalmente a maneira de pensar sobre a composição de receita”, afirma Alan McIntyre, que lidera globalmente a prática bancária da Accenture. “Canais por meio dos quais os bancos outrora faturaram bilhões de dólares deixarão de existir. Para ter sucesso no futuro, os bancos precisarão desenvolver novos modelos de negócios digitais em escala, com pagamentos em um clique como nova norma e focados em oferecer experiências seguras, convenientes e práticas para o cliente”.

Em resposta a esses desafios-chave do mercado, quase um em cada cinco (18%) entrevistados disseram que a principal prioridade do banco é aumentar a segurança nas transações de pagamentos de varejo. Quase um quarto (22%) citou os centros de inteligência artificial, robótica, machine learning e inovações em pagamentos como os principais recursos tecnológicos de plataforma necessários para adaptar seus sistemas centrais a fluxos de pagamento contínuos e de alta velocidade.

Apex-Brasil prepara delegação com mais de 100 empresas para Anuga, na Alemanha

O Brasil vai tomar conta da maior feira de alimentos e bebidas da Alemanha, Anuga, que alcança sua centésima edição neste ano. O evento, que acontece entre 05 e 09 de outubro em Colônia, receberá 114 empresas brasileiras: todas elas levadas pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), que participa do evento pelo nono ano consecutivo. Dessas empresas, 41 integram projetos de promoção internacional realizados com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC – 19 empresas) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA – 22 empresas, e integrarão os pavilhões coordenados pelas entidades.

Realizada a cada dois anos, a expectativa da feira é superar, neste ano, os 7,4 mil expositores e os mais de 165 mil visitantes de 198 países que foram registrados na última edição, em 2017. Neste ano o Brasil é o 15º país em área ocupada na feira, com presença nos pavilhões nacional, bebidas, tradings de frango e tradings de carne (coordenados pela Apex-Brasil), carnes (coordenado pela ABIEC) e frango (coordenado pela ABPA). Em 2017, ano da edição anterior, foram gerados US$ 2,54 bilhões em negócios. “A feira Anuga é uma oportunidade única para empresas brasileiras que buscam contatos de negócios com os principais players globais de seu setor e para expor seus produtos na maior feira de alimentos e bebidas do mundo”, destaca o gerente de Agronegócios da Apex-Brasil, Igor Brandão.

As empresas brasileiras participantes foram selecionadas por meio de critérios pré-definidos como faixa de exportação, apresentar website e material promocional em língua estrangeira, participação em outras ações organizadas pela agência, dentre outros. Os destaques vão para as empresas-vitrines, presentes em todos os pavilhões, que foram definidas a partir de critérios convergentes com o público europeu, como sustentabilidade, criatividade, inovação e diversidade.

Além da delegação empresarial que participa junto à Apex-Brasil, a Anuga 2019 receberá uma delegação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que será capitaneada pela ministra Tereza Cristina.

Catálogo das empresas participantes

catalogo.apexbrasil.com.br/anuga-2019

Black Friday: Nuvemshop cria ação educativa para ajudar varejistas

A Black Friday tem se estabelecido no Brasil como uma das principais datas para o e-commerce, porém, exige preparo por parte dos varejistas. Para auxiliar os lojistas que estão se organizando para a sexta-feira de descontos, que este ano será no dia 29 de novembro, a Nuvemshop, líder de e-commerce na América Latina, desenvolveu uma página educativa. O espaço trará dicas e analisará problemas dos anos anteriores, oferecendo soluções personalizadas, de acordo com o perfil de cada varejista, para que não se repitam. A página, lançada nesta segunda-feira (30), ficará no ar até 29 de novembro. O acesso será gratuito e aberto ao público.

Toda a interação dos comerciantes será feita com ajuda de um assistente virtual. Após a apresentação dos problemas, será entregue um diagnóstico da operação de e-commerce do lojista e materiais educativos da Universidade do E-commerce, da Nuvemshop, como podcasts e artigos do blog, para complementar o aprendizado. Todo o conteúdo tem como foco ajudar os lojistas a se preparem melhor.

A ideia de montar a página surgiu a partir de uma pesquisa de mercado realizada pela companhia, que mapeou os principais desafios dos consumidores e lojistas. “Analisando os resultados, percebemos similaridades em diversos pontos apresentados por ambos os grupos ouvidos, como controle de estoque e problemas com os preços. Por isso, tivemos a ideia de criar uma ação educativa para ajudar a evitar que isto volte a acontecer, auxiliando as Pequenas e Médias Empresas (PMEs) em toda América Latina a gerar uma melhor experiência para os consumidores e ter sucesso nas vendas”, explica Alejandro Vázquez, Cofundador e Chief Commercial Officer (CCO) da companhia.

A experiência dos lojistas foi o principal ponto considerado quando a companhia desenvolveu a ação. “Precisávamos ter uma plataforma intuitiva, interativa, ágil e que contribuísse positivamente com os negócios dos varejistas, gerando valor para o negócio. No fim da experiência, entregamos um plano prático do que deve ser feito, com um conteúdo robusto para ser consultado, gerando impacto imediato”, completa Vázquez.

Educação é, aliás, um dos principais pilares da companhia, que desenvolve, desde sua criação, uma série de soluções instrutivas com foco em auxiliar todos que querem melhorar sua atuação no e-commerce. Na Universidade do E-commerce são oferecidos conteúdos gratuitos sobre mercado e marketing digital para marcas em qualquer nível de operação de comércio digital na América Latina. Nela, além dos cursos, os usuários têm à disposição podcasts, e-books, vídeos e artigos sobre assuntos relevantes ao segmento. “A Nuvemshop surgiu do sonho de potencializarmos histórias de sucesso. Sabemos que isso vai além da tecnologia, chegando ao ensino e, por isso, oferecemos um amplo leque de ferramentas e possibilidades tanto para pessoas que querem empreender, quanto para aquelas que já possuem negócios offline e querem migrar para o mundo online”, finaliza Alejandro.

Para saber mais sobre a ação educativa, acesse:

www.nuvemshop.com.br/potencialize-sua-blackfriday

Para mais informações sobre as iniciativas educacionais da Universidade do E-commerce, entre em:

www.nuvemshop.com.br/universidade-ecommerce

Abertura de conta digital nos bancos será facilitada em 2020

Em breve, será mais fácil abrir uma conta digital no país. O Conselho Monetário Nacional (CMN), simplificou, ontem (26), as regras para abertura, manutenção e encerramento de contas de depósitos, com a publicação da resolução nº 4.753, que entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2020. A FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos participou das discussões que tinham como objetivo modernizar o processo.

As novas regras revogam 10 normas relacionadas ao assunto, incluindo as resoluções 2.025/93 e 4.480/16, que determinavam, entre outros itens, que os bancos pedissem documentos e comprovantes físicos na abertura de contas, já dispensados, atualmente, nas contas em instituições de pagamento. Agora, as instituições bancárias poderão determinar, segundo suas próprias políticas de negócios e de acordo com o perfil de cada cliente, quais documentos o cliente terá de enviar para começar seu relacionamento com cada banco.

“Com a nova resolução, o processo de abertura de relacionamento em canais digitais ficará mais amigável e conveniente para os clientes”, afirma Leandro Vilain, diretor de Negócios e Operações da FEBRABAN, que vê vantagens, também, para a população atualmente excluída do sistema bancário. “A maior flexibilidade para pedir diferentes documentos também irá melhorar a experiência do usuário, no processo da abertura da conta digital, o que facilitará a inclusão financeira e o uso de canais digitais.”

Para Vilain, o processo também ganhou maior sofisticação, porque permitirá o uso de mais fatores de autenticação dos usuários e das operações, como georreferenciamento e a consulta de dados em outras bases públicas ou privadas de informação.

Os bancos também poderão encerrar contas nas quais identificarem irregularidades consideradas graves em informações prestadas. Além disso, o cliente, agora, poderá indicar qual será a destinação de eventual saldo credor na conta: poderá transferir recursos em conta na própria instituição, ou até indicar outro banco para a destinação do saldo.

Sistema Grátis faz parceria com MadeiraMadeira, maior home center do Brasil

A venda pela internet de móveis, itens para decoração de casa e peças artesanais é uma forma estratégica de diversificar canais para comercializar produtos com boas chances de faturamento. Pensando nisso, o Sistema Grátis, plataforma de gestão empresarial com planos gratuitos, acaba de fechar parceria com o home center mais conceituado do Brasil, o MadeiraMadeira, oferecendo, assim, oportunidade de inclusão de pequenos varejistas moveleiros nas vendas virtuais.

Para revendedores e fabricantes de objetos de decoração de todo o Brasil, a integração da plataforma com o MadeiraMadeira só traz vantagens: além de ter um ERP com módulos que otimizam o dia a dia da empresa, há a facilidade de integrar a exposição dos produtos nas “prateleiras virtuais” do marketplace com os dados lançados dentro do sistema.

O Sistema Grátis, aliás, foi criado para melhorar a rotina de pequenos negócios, especialmente varejistas e prestadores de serviço, ao garantir controle de informações necessárias para a administração de uma empresa, como evolução de vendas, quantidade de estoque, contas a pagar e a receber, emissão de notas fiscais, entre outras funcionalidades.

“Com essa parceria que fizemos, quem tem uma loja ou até mesmo produz alguma mercadoria em pequena escala de produção no setor de móveis, decoração ou itens para o lar pode agora contar com a projeção de vender dentro do MadeiraMadeira. É uma nova forma de vender”, explica o diretor do Sistema Grátis, Robinson Idalgo.

Como funciona a integração

O Sistema Grátis proporciona aos clientes a integração com o MadeiraMadeira de forma fácil e prática. Funciona assim: o vendedor coloca o produto à disposição no site e, quando o comprador finaliza o pedido, o ERP gera automaticamente a baixa no estoque e a nota fiscal eletrônica, que pode ser enviada ao cliente.

Por que é vantajoso

O MadeiraMadeira tem, atualmente, mais de 300 mil produtos cadastrados para reforma, decoração e mobília de casa.

“Estar em um marketplace como esse é vantajoso para lojistas que estão atentos ao comportamento digital dos compradores”, diz Robinson. “Como as pessoas costumam comparar a qualidade e a segurança que o site proporciona durante a compra, incluir os produtos no que é referência em home center traz, de um lado, a confiança do cliente e, de outro, a visibilidade para o vendedor”.

Vale lembrar que este é um setor vantajoso na internet. Pesquisa do Sebrae sobre e-commerce do final de julho mostra que objetos para casa e decoração são os mais vendidos pela web no Brasil (26%), seguido de itens de moda (24%). Isto significa que oferta e demanda precisam estar alinhadas – e quem está atento a esse movimento no mercado pode sair na frente.

O cadastro em marketplace pelo microempreendedor ainda pode aumentar as vendas, projetar a marca entre a concorrência e representar um aspecto de profissionalização da marca.

Sistema Grátis e outras integrações

A integração do Sistema Grátis com marketplaces é um benefício para empresas que precisam diversificar as formas de venda e buscam atuação digital de forma assertiva. Por essa razão, além da integração com a MadeiraMadeira, a plataforma oferece funcionalidades integradas a empresas de gestão de frete, de logística, e módulo integrado para envio de conteúdo para o cliente por WhatsApp.

O futuro da certificação digital passa pelas novas tecnologias da Revolução 4.0

“Esse é o futuro da nossa área, é um caminho inevitável para quem trabalha com assinaturas digitais e segurança da informação. Está chegando uma nova era, que transformará todo o setor invariavelmente. Assim é a tecnologia”, declarou o diretor de Infraestrutura de Chaves Públicas do ITI, Eduardo Lacerda, no painel Novas Tecnologias, no CERTFORUM 2019.

O diretor explicou que uma assinatura digital é feita a partir de um processo matemático criptográfico, que associa, com integridade, os dados de uma transação eletrônica a uma pessoa ou entidade.

“Não se trata de ter validade ou não, mas sim presunção de validade, eficácia probatória. É isso que difere uma assinatura digital de uma eletrônica, já que esta não possui tal presunção”, complementou o diretor. Lacerda ainda defende que o uso de login e senha nos acessos a serviços digitais não é suficiente para garantir a segurança: “a comprovação está nos inúmeros casos de vazamento de dados registrados em todo mundo”.

A indústria 4.0 traz grandes transformações para o mercado de certificação digital. O surgimento de tecnologias como blockchain, no entanto, devem ter como máxima a segurança e interoperabilidade em sua infraestrutura. Critérios que muitas não disponibilizam em integralidade.

Segundo Lacerda, apenas a assinatura digital com ICP-Brasil dispõe de todos os requisitos de autenticidade, integridade, confidencialidade, não repúdio e presunção de validade jurídica nas transações em ambiente digital, o que garante o seu reconhecimento mundial.

Internet das coisas

A conectividade do usuário com segurança no ambiente digital é a máxima deste cenário. “Essa é uma experiência recente que o mundo tem vivido e sobre a qual ainda existem muitas e grandes dúvidas. Hoje utilizamos aplicativos que, teoricamente, devem nos fornecer informações precisas, e é neste contexto que entra a segurança fornecida pelo certificado digital ICP-Brasil”, declarou.

A temática foi apresentada pela presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia – Inmetro, Angela Flôres Furtado, que também palestrou no painel.

Furtado anunciou que a já reconhecida segurança da ICP-Brasil estará presente, ainda este ano, nos medidores de combustível. A medida garantirá ao consumidor que o volume que o display está mostrando é efetivamente o mesmo pelo qual o cidadão está pagando, evitando possíveis fraudes.

O Inmetro está em processo de credenciamento para se tornar autoridade certificadora de 1o nível, responsável por implantar as políticas de certificação digital para objetos metrológicos. O intuito é eliminar fraudes, conferir segurança e possibilitar a disponibilização de serviços inovadores para instrumentos de medição, produtos em geral, dispositivos de internet das coisas.

As entidades federais assinaram um protocolo de intenções em 24 de setembro e preveem, ainda este ano, o início do projeto de implantação de certificação digital nos medidores das bombas de combustível dos postos.

“A responsabilidade é conjunta, do ITI, do Inmetro, e de todas as entidades certificadoras que estarão operando os certificados digitais das coisas para uma cidadania digital, que incluirá os brasileiros nos melhores padrões de segurança do mundo”, finalizou.

Conheça startups que estão revolucionando o mercado financeiro no Brasil

Muito provavelmente você já ouviu falar em fintechs, termo utilizado para designar as startups com soluções tecnológicas desenvolvidas para melhorar a relação dos clientes com o setor financeiro. Somente no Brasil existem 496 empresas no setor, de acordo com a Associação Brasileira de Startups (Abstartups): São Paulo lidera o ranking, com 196 instituições.

A principal ideia das fintechs é deixar de lado alguns serviços burocráticos dos bancos tradicionais, permitindo, por exemplo, que as pessoas paguem compras online em dinheiro físico; parcelem boletos no cartão de crédito; façam empréstimos pessoais e até mesmo investimentos de forma segura, através de um smartphone ou tablet. E, também, ajudando micro e pequenos empreendedores a expandirem seus negócios por meio do empréstimo online.

Por conta da comodidade e da praticidade das soluções, as fintechs caíram no gosto dos brasileiros. Abaixo, listamos empresas que estão revolucionando o mercado financeiro do país, bem como os respectivos ramos de atuação:

Novas formas de pagamento:

Dedicada a inovar e democratizar a indústria de pagamentos no país, a PagBrasil – fintech brasileira líder no processamento de pagamentos para e-commerces ao redor do mundo – tem entre as suas soluções o PEC Flash®, método de pagamento alternativo voltado para as pessoas que não têm contas bancárias, cartões de crédito e débito ou que preferem realizar pagamentos em dinheiro. Através da tecnologia, os consumidores conseguem fazem compras pela internet e realizar o pagamento presencialmente em qualquer agência lotérica.

Parcelamento de boletos no cartão de crédito:

A Taki Pagamentos, startup com soluções para facilitar diversos tipos de pagamentos, permite que as pessoas parcelem seus boletos em até 12x no cartão de crédito. A iniciativa tem sido bastante procurada pelos motoristas donos de veículos com placa de São Paulo que precisam quitar débitos veiculares, como o licenciamento e o IPVA. Credenciada do Governo do Estado de São Paulo, todos os processos dos pagamentos de veículos são feitos por meio da sua plataforma online, sem precisar de órgãos intermediadores.

Empréstimo para MPME:

A BizCapital, fintech que proporciona aos MPMes um processo de crédito online, rápido e seguro, disponibiliza valores de R$ 5 mil a R$ 150 mil, com a possibilidade de entrega do valor no mesmo dia. Segundo Francisco Ferreira, sócio-fundador da BizCapital, a falta de recurso imediato acaba penalizando esses empreendedores, que perdem a chance de ampliarem sua competitividade no segmento em que atuam. “Hoje, 60% das pequenas e médias empresas que pediram empréstimo na plataforma cresceram e 50% dos pedidos de crédito foram tomados para Capital de Giro”, afirma o executivo.

Crédito pessoal:

Desde 2015 concedendo crédito pessoal, a Geru – primeira Fintech de empréstimo online do Brasil – realiza operações 100% online e sem garantia, com o objetivo de proporcionar praticidade, transparência e segurança aos clientes. A plataforma já recebeu mais de R$ 24 bilhões em pedidos de empréstimos e disponibiliza valores de R$ 2 mil a R$ 50 mil, por meio de serviços totalmente digitais, praticando taxas mais acessíveis, longe dos métodos tradicionais e da burocracia de grandes instituições bancárias. Os dados são avaliados por meio de algoritmos e a resposta é imediata.

Negociação de moedas estrangeiras:

A Meu Câmbio, startup acelerada pelo programa InovAtiva Brasil, é a primeira plataforma independente que permite a negociação de moedas estrangeiras. A ferramenta realiza pesquisa de preço, unificação de cadastro e encaminhamento de pedidos, levando às pessoas a comodidade de não precisarem fazer ligações nem sair de casa. Por meio de uma rigorosa seleção de parceiros e de um sistema capaz de identificar a melhor solução disponível para cada cliente, a empresa proporciona economia frente às taxas disponíveis no mercado.

Investimentos para pessoas físicas:

Criado em 2017, o TradersClub, ou TC, é um dos principais agentes de educação financeira do país, com a missão de ajudar o investidor pessoa física a tomar a melhor decisão sobre seus investimentos . Por meio de sua plataforma web e aplicativo, é possível acessar informações sobre o mercado financeiro, trocar ideias com outros investidores e ter acesso a um conteúdo exclusivo para assinantes. O TC foi fundado por Pedro Albuquerque, um dos principais gestores do Brasil, que gere o fundo multimercado Cosmos e é fundador da TEx Tecnologia, líder no segmento de insure tech.

Educação financeira para crianças:

A OinCoin é uma fintech acelerada pelo programa InovAtiva Brasil que auxilia na educação financeira de crianças de 8 a 14 anos e na preparação delas para a idade adulta. A empresa criou um aplicativo que permite a definição de objetivos e o acompanhamento das etapas para atingi-lo. Com isso, pais e filhos podem criar tarefas bônus para aumentar as receitas da criança, acelerar o objetivo ou guardar dinheiro para novas metas.

Motores elétricos devem reduzir o desperdício de energia

Parceiros da indústria, os motores elétricos — equipamentos destinados a diversos usos, como ventiladores, bombas hidráulicas, compressores de ar, elevadores etc. — consomem cerca de 25% da energia no país. Uma Pesquisa Mercadológica sobre Motores Recondicionados, feita pela PUC-Rio e pelo Procobre (Instituto Brasileiro do Cobre), ressalta qual o impacto da baixa qualidade de determinados produtos na economia e na energia consumida no país. Tal impacto resulta na mudança na legislação, que passa a definir, por meio do Ministério de Minas e Energia (MME), novos valores mínimos de eficiência para motores de indução trifásicos.

O estudo aponta que o gasto com energia é equivalente ao consumo de 4,47 milhões de residências brasileiras, o que deixa em evidência o impacto da baixa eficiência de motores usados no país. A mudança anunciada pelo MME substitui os motores IR2 (alto rendimento) pelo IR3 (rendimento premium). O gerente de Engenharia da Hercules Motores Elétricos, Leandro Bertolino, aponta que, para aumentar o rendimento de motores elétricos, é possível utilizar três estratégias: usar materiais mais nobres; usar maior quantidade de materiais ou melhorar o projeto elétrico/mecânico dos motores.

A Portaria Interministerial No-1, de 29 de junho de 2017, estabelece a mudança no índice de rendimento dos motores e desde então, a Hercules vem trabalhando para se adequar no prazo estipulado. Bertolino comenta como a empresa teve que se adaptar: “Realizamos uma série de estudos técnicos, econômicos e investimentos em máquinas de última geração para conseguir entregar um produto com um bom custo-benefício” afirma.

O estudo feito pela PUC – Rio, ainda conclui que a perda de energia apenas em 2013 foi estimada em 7,1 TW h, e em 2016 8,43 TW h, com o aumento de 18,9% Valor desperdiçado em 2016 que equivale a 5,9 vezes a produção do mesmo ano da Usina Hidrelétrica de Sobradinho ou a 4,5 milhões de veículos elétricos, tipo o Tesla modelo S, rodando no Brasil por ano. Por isso, como os motores elétricos são responsáveis por boa parte da demanda elétrica, a redução desse consumo acarreta em inúmeros benefícios, não somente para a natureza, mas para a sociedade e toda a geração futura.

Gartner apresenta cinco etapas para que CIOs virem líderes na era digital

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, alerta que, apesar do desenvolvimento tecnológico, ainda é bastante forte a ideia de que os clientes preferem lidar pessoalmente com as organizações, tendo as interações humanas como algo fundamental para o sucesso dos negócios. Porém, analistas do Gartner destacam que essa realidade está mudando, com os consumidores optando cada vez mais por interações digitais para obterem experiências que atendam às suas necessidades de maneira eficiente. Nesse contexto, está surgindo uma nova visão de gestão, que apresenta enormes oportunidades para companhias dos mais diversos setores.

“A mudança contínua dos mercados digitais exigirá uma adaptação recorrente da liderança das organizações”, diz Graham Waller, Vice-Presidente de Pesquisa e Analista Distinto do Gartner. “Como qualquer humano, os CIOs (Chief Information Officers) lutam para abandonar a mentalidade de liderança que os serviu bem no passado. Mas os líderes modernos não podem fornecer os recursos digitais necessários para o momento atual, sem adaptar seu pensamento às novas realidades do mercado.”

Para levar suas empresas a uma nova mentalidade de gerenciamento, os CIOs devem entender e evangelizar a destreza digital de todos. De acordo com um recente estudo do Gartner, os funcionários de uma companhia têm 2,6 vezes mais chances de ter alta destreza digital se seu líder definir o tom e modelar o comportamento de evolução das ações, mas apenas 17% das organizações têm líderes que fazem esse trabalho de maneira consistente.

Para mudar esse cenário, o Gartner apresentará no Gartner IT Symposium/XpoTM 2019 cinco etapas essenciais para que os CIOs possam desenvolver a destreza digital necessária para se tornarem líderes de negócios digitais mais eficazes:

Etapa 1: Reformule sua perspectiva, desafiando as crenças pré-estabelecidas – Muitos líderes têm crenças fixas e profundamente arraigadas sobre suas organizações. Mas essas crenças centrais e imutáveis muitas vezes podem criar pontos cegos. Desafie essas ideias para garantir que as operações ainda estão alinhadas às demandas atuais do mundo dos negócios. Os CIOs que não fazem isso correm o risco de manter o status quo em detrimento do progresso. Realize um workshop que estimule algo como “Desafie o que você sabe” e vire a imagem pré-consolidada e tradicional ao contrário. Por exemplo: “Nossos clientes desejam possuir o produto e compram e atualizam por meio de um modelo transacional” pode se tornar uma condição como “Nossos clientes desejam os benefícios do produto e adotam um modelo de assinatura (como serviço)”. Identifique como e quando os novos modelos, conceitos e oportunidades podem ser adicionados ao trabalho de sua organização, verifique isso em relação às ações dos concorrentes e use este exercício para descobrir quais crenças básicas podem ser modificadas ou descartadas.

Etapa 2: Defina sua nova mentalidade de líder da Era Digital – Os CIOs precisam ter a mentalidade certa para o contexto de negócios atual. Os líderes digitais de sucesso, nesse cenário, têm seis características:

– Trabalham para prosperar, apesar das incertezas;

– Buscam resultados de negócios inovadores;

– Exploram as novas opções competitivas da era digital;

– Começam, experimentam, aprendem e repetem as ações para o sucesso de suas companhias;

– Cultivam a criatividade e uma cultura de inovação;

– Atraem talentos de destreza digital de alto nível.

Os analistas do Gartner recomendam que os CIOs classifiquem suas próprias habilidades em cada ponto, seguindo uma escala de 1 a 5 – sendo 1 a pior capacidade e 5 as capacidades plenamente utilizadas no dia a dia. Depois, os especialistas sugerem que os executivos de TI se concentrem no desenvolvimento das habilidades que estão com notas de 2 a 4 e que, portanto, podem ser melhoradas.

Etapa 3: Foque na transformação das iniciativas e de sua postura – Depois que novas mentalidades forem identificadas, é hora de internalizá-las. Durante todo esse processo, você geralmente ouvirá duas vozes em sua cabeça, com a velha e a nova mentalidade em conflito. Por exemplo: alguém pode dizer “Vamos seguir em frente, apesar da incerteza, e depois continuar ou voltar com base no que aprendemos”; a outra voz dirá algo como “Vamos estudar e esperar até ter certeza de que podemos fazer isso”. É essencial mudar essa conversa cerebral. Tente agendar 15 minutos no seu calendário para avaliar em quais pontos você usou a nova mentalidade e em quais optou pela antiga. Feito isso, reserve um tempo para realmente pensar e reconhecer as opções para evitar a reversão e peça aos colegas de confiança que o ajudem a mantê-lo em evolução.

Etapa 4: Reforce a nova mentalidade por meio de ações rotineiras – Para garantir que sua nova mentalidade permaneça em uso, crie rotinas com ações pequenas e viáveis, ou hacks culturais para reforça-los de maneira prática. Uma dica para aprofundar a “busca de resultados comerciais inovadores” é reservar 30 minutos, toda sexta-feira, para revisar o que foi feito durante a semana. Nessa conversa, pergunte a si mesmo se você estava pensando em segurança nos próximos passos ou em saltos ousados. Uma vez por mês, visite uma nova startup ou empresa de um setor diferente que esteja usando modelos de negócios diferentes e considere como você pode usá-los em sua própria organização.

Etapa 5: Consolide esses novos comportamentos com o aprendizado experimental – Um programa de desenvolvimento deve incluir 70% do aprendizado experimental, 20% de orientação ou treinamento e 10% de educação formal. A melhor maneira de criar essa mentalidade é dedicar tempo e recursos às ações. A aprendizagem experiencial pode ser usada para fortalecer uma característica específica. Para cultivar criatividade e inovação, considere hospedar eventos de hackers ou empresas de turismo conhecidas por esses traços.

Para discutir o tema e apresentar dicas sobre como aplicar este processo, os analistas do Gartner apresentarão pesquisas e novidades durante o Gartner IT Symposium/XpoTM 2019 principal evento do Gartner no Brasil, que acontecerá de 28 a 31 de outubro. Trata-se do mais importante encontro de CIOs e executivos de TI do mundo. Líderes da área confiam em eventos como esses para obter insights sobre como suas organizações podem usar TI para superar desafios de negócios e melhorar a eficiência operacional de suas empresas. Acompanhe novidades sobre os eventos no Twitter: #GartnerSYM.

Interessados em participar do Gartner IT Symposium/XpoTM 2019 podem entrar em contato com o Gartner pelos telefones (11) 5632-3109, 0800-7741440, e-mail conferencias.brasil@gartner.com ou site www.gartner.com/br/symposium.