Tag venture capital

Startup de drones Aeroscan capta R$1,3 milhão em apenas seis horas via EqSeed

Em apenas seis horas, a  Aeroscan, plataforma de gerenciamento de drones inteligentes focada em segurança patrimonial das empresas, captou o valor de R$1,3 milhão via EqSeed, principal plataforma de venture capital online do Brasil. Em fevereiro, a startup já havia captado R$850 mil também pela EqSeed, mas seu crescimento foi tão acelerado que a empresa decidiu se capitalizar para manter o ritmo de expansão. Entre outros indicadores, a startup de drones dobrou o faturamento se comparado a dezembro de 2020, registrou um crescimento de 460% no primeiro semestre de 2021 frente ao ano passado e passou a atender grandes players do mercado, entre eles empresas como Via Varejo, Brasil Terminal Portuário, Electrolux e Heineken, onde estas duas últimas através de seus parceiros e integradores.

Para o sócio-fundador da EqSeed, Brian Begnoche, o forte desempenho da Aeroscan logo após a sua primeira rodada, em fevereiro deste ano, chamou a atenção dos investidores. “A startup dobrou o faturamento mensal se comparado a dezembro de 2020, ampliou sua carteira de clientes e provou sua solução em outros setores. O investidor da nossa base vem acompanhando o mercado e identificou na Aeroscan uma empresa de grande potencial. Para nós, é uma satisfação muito grande poder ser o agente que conecta uma startup tão promissora a um grupo qualificado de investidores que não teriam essa oportunidade de acessar esse investimento por outro canal”. 

De acordo com Marcelo Musselli Filho, sócio e fundador da Aeroscan, a EqSeed preencheu um gap muito importante para empresas em franca expansão, que precisam acessar capital de forma descomplicada. “É a segunda vez que precisamos levantar aportes de forma rápida e sempre encontramos investidores engajados e qualificados na EqSeed”.  

Para Marco Forjaz, sócio e co-fundador da Aeroscan a EqSeed foi fundamental para o rápido crescimento da startup, onde encontrou todo o suporte necessário durante e após as duas captações. “A EqSeed nos deu todo o suporte antes e depois da primeira captação, com isso, estávamos muito conectados com eles para a entrega dos resultados no primeiro semestre, este trabalho nos permitiu entender ainda mais as nossas responsabilidades para o sucesso da segunda captação,  que foi a colheita de um trabalho conjunto”.

“Enxame de drones”

Além do mercado de segurança patrimonial, a Aeroscan prevê  aumentar o portfólio de produtos e atuar na utilização de drone indoor para grandes centros logísticos,  controle de inventário externo, além de  drone autônomo para monitoramento de áreas com grandes extensões ( indústrias, áreas de mata, etc).  “Em alguns mercados, especificamente grandes indústrias, o uso de drones tem diversas aplicações e algumas delas com difícil acesso pela sua extensão e mata intensa, mas com os drones autônomos pretendemos atender esta demanda do mercado”, explica Musselli, COO da empresa.

Para dar corpo a essa forte expansão, a startup deve investir pesado em tecnologia e estrutura. Entre os setores que devem gerar novos postos de trabalho vale destaque para equipe de vendas e atendimento ao cliente. “Há uma demanda crescente por drones em todo o território nacional e entendo que estamos entrando em uma fase de escalonar o nosso negócio. Estamos fazendo um estudo de expansão geográfica e quem sabe a abertura de novas unidades da Aeroscan nos principais estados do País, podendo até ser uma franquia”, finaliza Forjaz. 

Tags,

Grupo Sabin e Fleury criam fundo de Venture Capital de R$ 200 milhões

O córtex humano tem papel central em atividades complexas do cérebro. É ele o responsável por captar os impulsos produzidos pelas vias de sensibilidade e interpretá-las. É desse local também que tem origem os impulsos nervosos para comandar os movimentos. Não à toa, este foi o nome escolhido para batizar, em inglês, o Kortex Ventures, um dos maiores fundos de Corporate Venture Capital de saúde no Brasil.

Criado pelo Grupo Fleury e Grupo Sabin, o Kortex é um Corporate Venture Capital (CVC) que pretende atuar como um elo centralizador de informações, identificando oportunidades no mercado, analisando e tomando ações para gerar valor nas empresas investidas. O fundo pretende aportar R﹩ 200 milhões em empresas nascentes de tecnologia de saúde nacionais e estrangeiras, e seu principal objetivo é investir de forma minoritária em negócios de medicina diagnóstica, medicina personalizada e saúde digital, ajudando a promover o desenvolvimento dessas pequenas empresas. A meta é que em quatro anos o fundo seja sócio de 15 a 18 healthtechs.

O Kortex já nasce carregando o conhecimento e a experiência de dois gigantes e reconhecidos players no setor de saúde brasileiro. Ao se tornarem sócias do fundo, as startups terão acesso à extensa rede de relacionamento, à estrutura técnica e científica das áreas de Pesquisa&Desenvolvimento e à longa trajetória de atuação das companhias, presentes em todas as regiões brasileiras. Para as aspirantes, também é a oportunidade de iniciarem sua jornada no mercado com Sabin e Fleury não apenas como parceiros, mas também como clientes.

Por sua vez, o Grupo Sabin e o Grupo Fleury estarão ainda mais conectados ao ecossistema de startups e healthtechs. Para eles, é a oportunidade de ver nascer negócios promissores e levar o que há de mais inovador aos seus clientes.

“O investimento no Kortex Ventures é mais uma etapa do planejamento do Grupo Sabin para fortalecer o ecossistema de saúde no País, posicionando a empresa como parceira estratégica de empreendedores e de negócios, que entrega, além do investimento, uma plataforma de conhecimento, desenvolvimento e validação de tecnologias, produtos e serviços para o mercado brasileiro com maior velocidade e maior consistência. As duas empresas possuem grande expertise médica e técnico-científica, bem como uma das maiores redes de relacionamento em saúde do Brasil, que é relevante porta de entrada para diversas regiões do País. Temos o objetivo de apoiar empresas que inclusive transcendam a medicina diagnóstica, contribuindo com soluções inovadoras para os cuidados integrados da saúde tanto do indivíduo como da população”, avalia Lídia Abdalla, presidente executiva do Grupo Sabin.

“Queremos preservar a independência, agilidade e espírito empreendedor das empresas investidas ao mesmo tempo em que aprendemos com elas e incorporamos ao nosso negócio suas melhores soluções. Pretendemos unir nossa experiência secular com a mentalidade das startups. O fundo irá acelerar exponencialmente esse movimento”, analisa Carlos Marinelli, presidente do Grupo Fleury.

Capital estratégico – O Kortex é um Corporate Venture Capital (CVC) com atuação e gestão independentes. O fundo foi formado a partir do investimento conjunto de R﹩ 200 milhões do Grupo Fleury e Grupo Sabin. Diferentemente de um Venture Capital puro, o CVC vai além do conceito “smart money” e se posiciona como um fundo de “strategic money”, ou capital estratégico. Isto significa que o Kortex Ventures pretende investir em healthtechs que tenham sinergias com os negócios de ambas as companhias, ajudando as empresas não apenas financeiramente como também oferecendo acesso à expertise e estrutura operacional do Fleury e Sabin.

No mercado de saúde nacional e internacional, o Kortex atuará identificando as startups promissoras e alinhadas estrategicamente aos seus valores. As healthtechs podem entrar em contato diretamente com fundo e se candidatar para receber os aportes: http://www.kortexventures.com .

Tags, , , , , ,

MAPFRE patrocina desafio universitário do mercado de venture capital e startups

A MAPFRE é uma das patrocinadoras do VC Challenge, competição destinada a estudantes de graduação interessados no mercado de venture capital e de startups. O objetivo da disputa é permitir aos alunos conhecer de perto o dia a dia de um investidor de Venture Capital e do empreendedor de uma startup de tecnologia.

Para isso, a disputa é dividida em duas etapas. Na primeira, os universitários assumem o papel de um investidor e terão de escolher em qual startup investiriam, entre as apresentadas, justificando sua decisão para um comitê avaliador. Na segunda fase, os grupos finalistas devem atuar como CEOs da startup escolhida e desenvolver um plano de negócios. Todo o processo conta com a mentoria de executivos de grandes empresas.

Durante a competição, realizada pela gestora de Venture Capital KPTL, a MAPFRE realizará três palestras. Dentre elas, o diretor de inovação disruptiva, Joan Cusco, falará sobre a estratégia da MAPFRE sob uma perspectiva global. (Madrid), Flávia Varga, Nikolaus Maack e Rogerio Hashimoto abordarão os desafios digitais para o mercado de seguros.

“A universidade é um espaço de inovação e quando as empresas se conectam a esse público podem usufruir das ideias disruptivas que ele oferece. Ao unir o conhecimento dos estudantes à estratégia de negócios é possível promover as transformações que são essenciais à sobrevivência das empresas e capazes de impactar positivamente toda sociedade”, acredita Flávia Varga, head de Inovação da MAPFRE Brasil.

Para participar, os universitários devem formar grupos de até 4 pessoas e se inscrever até 22 de outubro pelo link http://vcchallenge.kptl.com.br/cadastre-se. A competição acontece online entre os dias 24 de outubro e 7 de novembro.

O grupo vencedor ganha viagem para Europa e ingressos para o Web Summit 2020, um dos principais eventos de tecnologia do mundo.

Tags, , ,

Drummond Ventures e Bossa Nova lançam comitê de investimento com foco na internacionalização de startups

Seguindo sua missão de ser a micro venture capital mais ativa da América Latina, a Bossa Nova Investimentos, gestora que investe em startups em estágio pré-seed com atuação em todo território nacional, anuncia o lançamento de um comitê de investimentos internacional em parceria com a Drummond Ventures, braço de investimentos do Grupo Drummond que atua como uma venture builder americana para negócios no Brasil e nos EUA. Juntas, as empresas pretendem investir entre US﹩ 100 e US﹩150 mil em cada startup que queira iniciar seu processo de internacionalização.

O comitê será liderado por João Kepler, Diretor da Bossa Nova Investimentos, e por Bruno Drummond, CEO da Drummond Ventures, que vão estar ao lado de co-investidores. Ao todo, entre 10 e 13 startups devem ser selecionadas para o projeto, que tem como missão ajudá-las no processo de internacionalização, criando mais tração para que elas expandam seus negócios para outros países e se consolidem no exterior.

Drummond comemora a parceria e prevê ótimos resultados. “Estamos extremamente felizes e orgulhosos em poder estar ao lado da Bossa Nova Investimentos, a grande responsável por movimentar e aquecer o universo das startups na América Latina, em uma iniciativa que certamente trará mais oportunidades e inovação ao mercado. Nossas expectativas não poderiam ser melhores”, afirma.

Segundo Kepler, esse novo projeto vai ao encontro com as ambições da Bossa Nova, que é cada vez mais fortalecer o ecossistema brasileiro dentro e fora do país. “Acreditamos muito no potencial das soluções criadas aqui e sabemos que com recursos elas podem chegar muito longe. Receberemos inscrições tanto de startups que já foram aportadas por nós anteriormente, como outras que estão no mercado buscando essa expansão. E ter a Drummond como parceiro, que irá auxiliar em todo o processo burocrático que a internacionalização exige, é um excelente diferencial para o projeto”, conta o Diretor da Bossa Nova Investimentos.

Tags, , , ,

FGV realiza workshop sobre Private Equity, Venture Capital e Investimentos em Startups

A Fundação Getulio Vargas realizará na segunda-feira (2/12), a partir das 8h30, em São Paulo, um workshop sobre o mercado de private equity, venture capital e investimentos em startups. O objetivo é debater o crescimento e desenvolvimento do país a partir dos investimentos em startups, inovação, venture capital e private equity.

O evento reunirá em um mesmo ambiente investidores, gestores de private equity e venture capital, corporações interessadas em inovação, conselheiros e executivos de fundos de pensão, formuladores de políticas públicas, consultores, advogados, fundadores de startups e demais interessados no tema.

O workshop será dividido em quatro painéis: Alocação pelos LPs em Venture Capital e Private Equity: Desafios e Oportunidades; Investimentos de Private Equity; Inovação, Venture Capital, Private Equity e a Revolução nos Negócios Tradicionais; e Venture Capital e Investimentos em Startups.

Participam grandes nomes do mercado como: Eric Acher, sócio, Monashees; Luís Ricardo Martins, presidente, ABRAPP; Luiz Chrysostomo, sócio, NEO Investimentos e Diretor, ANBIMA; Carlos Garcia, sócio, Itajubá Investimentos; Alexandre Saigh, sócio, Patria Investments; Cristiano Lauretti, sócio, Kinea Private Equity; Mario Malta, sócio, Advent International; Priscila Rodrigues, sócia, Crescera Investimentos; Luiz Maia, sócio, Brookfield; Anderson Thees, sócio, Redpoint eventures; Frederico Pompeu, sócio, BTG Pactual e head, BoostLab; Rafael Padilha, diretor, Bradesco Private Equity & Venture Capital; Cláudio V. Furtado, presidente, INPI; Fernando Wagner da Silva, sócio, Crescera Investimentos; Izabel Gallera, sócia, Canary; Laura Constantini, sócia, Astella Investimentos; Pedro Oliveira, senior investment officer, Kaszek Ventures; e Maria Rita Spina Bueno, diretora executiva, Anjos do Brasil.

Inscrições:http://educacao-executiva.fgv.br/sp/sao-paulo/eventos/workshop-de-lancamento-do-mba-em-private-equity-venture-capital-e-investimentos-em-startups?geo-popup=hide

Workshop Private Equity e Venture Capital

Data: 2 de dezembro de 2019

Horário: 8h30-13h

Local: FGV – Rua Itapeva, 432 – Auditório FGV

Tags, , , ,

Corporate Venture in Brasil chega à quarta edição apostando em tecnologia

Passaram-se três anos desde que a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) deu seu primeiro passo para aquecer o cenário de investimento corporativo no Brasil. Provocada pelo mercado, a Agência mergulhou no ecossistema empreendedor e estruturou o Corporate Venture in Brasil, cuja primeira edição ocorreu em 2015. O esforço valeu a pena: até hoje, o evento contribuiu para o aporte de mais de US$ 175 milhões em investimentos no país. A quarta edição do Corporate Venture in Brasil acontece nos dias 02 e 03 de outubro no Hotel Intercontinental, em São Paulo, e a expectativa é exibir ao mercado as oportunidades no setor de Energia e em Construtech, Agritech, HealthTech (respectivamente, tecnologias em construção civil, mineração e mercado imobiliário; tecnologias para a agricultura; e tecnologias para saúde).

A quarta edição do Corporate Venture in Brasil já tem mais de 600 inscritos, de diversas nacionalidades, número que supera os 525 inscritos da edição de 2017. Desde sua primeira edição, em 2015, mais de 1000 pessoas participaram do evento, e centenas de reuniões privadas foram facilitadas pela Apex-Brasil e pela ABVCAP (Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital). “Esse crescimento constante do interesse nas oportunidades de investimento, mesmo durante a crise recente no país, demonstra que o ecossistema brasileiro de investimento corporativo inspira confiança nos investidores e grandes empresas internacionais e nacionais”, destaca a diretora da Negócios da Apex-Brasil, Márcia Nejaim.

No campo da construção civil, mercado imobiliário e mineração, englobados pelo termo Construtech, a janela de oportunidade para inovação tecnológica é bastante ampla. O setor representa cerca de 22% do PIB do país e vivenciou o surgimento inicial de startups focadas em processos, como a compra e aquisição de materiais de construção, equipamentos e a necessidade de gerenciamento eficiente de projetos em geral, que anteriormente dependia da tecnologia “papel e caneta”. Atualmente, no entanto, muitas startups estão navegando a onda de modelagem de informação de construção (BIM), a tecnologia que permite o projeto cross-design e uma abordagem holística e digital para projeto e execução, muito superior ao CAD. O campo de Construtech também está aquecido em realidade virtual e aumentada, no qual startups estão trazendo o modelo 3D do edifício para o canteiro de obras.

“Podemos também ver a ascensão em aplicações de Internet de coisas e wearables que podem melhorar consideravelmente a gestão da mão-de-obra e segurança, bem como a produtividade alavancadas pelo uso de analytics de pessoas, grandes dados e algoritmos preditivos”, destaca o Gerente de Investimentos da Apex-Brasil, Ricardo Santana. Já no campo de tecnologia para o Agronegócio, fica evidente uma nova dinâmica. No centro desse cenário estão as startups, com características difíceis de replicar em grandes organizações (velocidade, energia/engajamento do time, propensão ao risco e cultura de inovação) e conectadas com todos os atores do ecossistema de inovação do país: produtores, cooperativas, revendas, investidores, academia, corporações entre outros. O aquecimento deste mercado pode ser ilustrado pela aquisição, em março deste ano, da Strider pela Syngenta, por exemplo, mas também se nota um forte movimento em busca da co-criação de valor em toda a cadeia.

“O cenário de investimentos também está evoluindo no agronegócio. Grandes cooperativas estão atentas às oportunidades. É o caso da Coplacana, que anunciou recentemente investimento em duas startups, e ainda o primeiro equity crowdfunding para uma startup de Agritech”, complementa Santana. Além disso, merece menção o envovimento da Raízen, com o The Pulse, em Piracicaba (SP) e os investimentos da Monsanto Growth Partners, junto com Microsoft e Qualccomm, em empresas de Agtritech.

Outra aposta, para o Corporate Venture deste ano são as tecnologias em saúde, conhecidas como Healtechs. Para compreender a inovação no Brasil e promover a efetividade de parcerias internacionais neste setor, Apex-Brasil, Fundação Biominas e Associação Brasileira da Indústria Farmoquímica e de Insumos Farmacêuticos (Abiquifi) realizaram, no primeiro semestre de 2018, um mapeamento de soluções inovadoras no país. A pesquisa mapeou 1066 organizações (incluindo projetos de pesquisa, startups e empresas) em 20 Estados brasileiros e no Distrito Federal. Destas, as startups eram o tipo de organização mais recorrente (45%), seguida por empresas (30%), e somente então projetos de pesquisa (25%). Em relação à concentração geográfica das organizações, observou-se que a região sudeste brasileira reúne o maior número de iniciativas, em torno de 71%. O resto é distribuído em todo o Sul (16%), Nordeste (8%), Midwest (5%) e norte (1%) regiões.

“Além da busca ativa por organizações, identificamos um total de 354 soluções para o setor, relacionando o potencial das tecnologias, negócios e para internacionalização. Especificamente, quanto ao estágio de maturidade das organizações, cerca de 59% estão na prototipagem suas ideias e projetos e 43,5% dos entrevistados têm algum tipo de atividade internacional. Há uma possibilidade e uma vontade por essas organizações de explorar as atividades internacionais para garantir a sua presença em novos mercados”, ressalta Santana. Em razão de todas as oportunidades mapeadas, nos diversos setores prioritários, a agenda do Corporate Venture deste ano inclui também espaço para que cerca de 20 startups apresentem suas soluções e oportunidades de investimento, além das dezenas de reuniões entre investidores, empreendedores, aceleradoras e grandes empresas investidoras.

Corporate Venture in Brasil

DATA: 02 e 03 de outubro

HORA: 9h – 18h

LOCAL: Hotel Intercontinental (Alameda Santos, 1123, São Paulo)

Tags, , , , , , , , ,

FGV realiza o workshop de lançamento oficial de seu “Núcleo de Estudos em Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity”

A Fundação Getulio Vargas promove no dia 9 de agosto, das 08h30 às 13h30, no Rio de Janeiro, o workshop de lançamento oficial do FGVnest – Núcleo de Estudos em Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity, com participação do presidente da FGV, Carlos Ivan Simonsen Leal, além de outras autoridades.

“A capacidade de empreender e inovar, associada à existência de investidores dispostos a tomar os riscos daí resultantes, como os fundos de venture capital e private equity, é fundamental para o aumento sustentável da produtividade, principal fonte de crescimento econômico no longo prazo. O Nest, como componente da FGV Crescimento e Desenvolvimento Econômico, tem como objetivo contribuir para difundir e fortalecer o empreendedorismo e a inovação”, aponta o diretor do FGV Crescimento & Desenvolvimento, Roberto Castello Branco.

Na ocasião, investidores, gestores de private equity e venture capital, empresas inovadoras, empreendedores e formuladores de políticas públicas debaterão o Impacto de Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity no Crescimento e Desenvolvimento do Brasil. A programação do workshop conta com três painéis que visam garantir um amplo espaço de reflexão sobre a possibilidade de construção de uma agenda positiva para o crescimento e desenvolvimento econômico do país por meio de negócios inovadores de alto impacto. O primeiro painel será “A Contribuição de Startups e Venture Capital no Desenvolvimento Econômico”; o segundo, “Inovação, Investimentos e Corporate Ventures”; e, por fim, o painel “Private Equity e Venture Capital: Presente e Futuro”.

Participarão dos painéis representantes da Anjos do Brasil, Antera Gestão de Recursos, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bozano Investimentos, BTG Pactual, Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Gaia Silva Gaede Advogados, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), TOTVS, Turim Family Office e Vinci Partners, entre outros convidados.

“Esta iniciativa pioneira do FGV Crescimento & Desenvolvimento contribuirá ativamente com o ecossistema empreendedor de alto impacto do país. O FGVnest será um hub de referência nos segmentos de Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity, agregando, promovendo e estimulando iniciativas da própria FGV, bem como de investidores, empreendedores, formuladores de políticas públicas, empresas inovadoras e outras instituições acadêmicas, por meio da geração e disseminação de conhecimento”, afirma Caio Ramalho, coordenador do FGVnest.

Workshop de lançamento oficial do FGVnest – Núcleo de Estudos em Startups, Inovação, Venture Capital e Private Equity da FGV
Dia: 9 de agosto
Local: Auditório Engº M F Thompson Motta – Praia de Botafogo, 190 – 12º andar
Horário: 08h30 às 13h30
Inscrições: http://www.fgv.br/eventos/?P_EVENTO=4016&P_IDIOMA=0
Programação:

08h30 às 08h50 – Credenciamento

08h50 às 09h55 – Boas-vindas e Lançamento Oficial do FGVnest
– Carlos Ivan Simonsen Leal (Presidente, FGV)
– João Victor Issler (Diretor de Pesquisa, FGV Crescimento & Desenvolvimento)
– Pedro Cavalcanti (Diretor Executivo, FGV Crescimento & Desenvolvimento)
– Roberto Castello Branco (Diretor Institucional, FGV Crescimento & Desenvolvimento)
– Caio Ramalho (Coordenador, FGVnest)

09h55 às 10h55 – A Contribuição de Startups e Venture Capital para o Desenvolvimento Econômico
– Eliane Lustosa (Diretora de Investimento, BNDES)
– Alessandro Dantas (Diretor de Inovação e Propriedade Intelectual, MDIC)
– Fernando Silva (Sócio, Bozano Investimentos)
Moderador: Paulo Queiroz (Líder do Núcleo RJ, Anjos do Brasil)

10h55 às 12h15 – Inovação, Investimentos e Corporate Ventures
– Marcos Cintra (Presidente, FINEP)
– Juliano Seabra (Head de Inovação, TOTVS)
– Frederico Pompeu (Sócio, BTG Pactual e Head BoostLab)
– Rodrigo Pereira (Superintendente de Negócios e Inovação, B3) – a confirmar
Moderador: Mauro Jacob (Sócio, Gaia Silva Gaede Advogados)

12h15 às 13h25 – Private Equity e Venture Capital: Presente e Futuro
– Antonio Carlos Berwanger (Superintendente de Desenvolvimento de Mercado, CVM)
– Bruno Zaremba (Sócio, Vinci Partners)
– Robert Binder (Sócio, Antera Gestão de Recursos)
– Rodrigo Louro (Sócio, Turim Family Office)
Moderador: Cláudio Furtado (Professor, FGV EAESP)

13h25 às 13h30 – Encerramento

Tags, , , , ,

Venture Capital e startups: os dois lados da moeda

Por Bernardo Srulzon, diretor de negócios do GetNinjas.com.br

Deixar um emprego formal. Ter uma ideia. Encontrar um co-founder. Criar um MVP. Captar uma rodada de investimento com um fundo de Venture Capital. Este é o processo que a maioria dos empreendedores de tecnologia segue quando está começando um novo negócio, mas poucos de fato entendem a dinâmica destes fundos de investimento e como impactam no dia a dia de suas startups.

Tive a incrível oportunidade de conhecer os dois lados da moeda. Trabalhei na Monashees, um dos principais fundos de Venture Capital brasileiros. Lá pude atuar lado a lado com empreendedores para identificar novas oportunidades de investimento, além de prestar auxílio às empresas que já receberam algum fundo, naquilo que fosse necessário. Hoje, faço parte do time do GetNinjas, desenvolvendo equipes com foco em dados, marketing de performance e produto.

Ao longo dos últimos anos, recebi perguntas sobre os dois lados e espero que esse artigo ajude a consolidar esse conhecimento e sirva como referência para outros empreendedores.

Primeiro, para que servem os fundos de Venture Capital (VC)?

Venture Capital pode ser definido como uma “tecnologia de aceleração de crescimento”. Ou seja, os fundos investem em empresas com potencial para serem muito grandes e injetam dinheiro para acelerar esta jornada em troca de ações da empresa. Este é o caso dos unicórnios brasileiros 99 e Nubank, que em menos de 10 anos construíram empresas que valem mais de U$ 1 bilhão.

De onde vem esse dinheiro?

Na maior parte das vezes, os fundos de Venture Capital investem capital de terceiros, principalmente bancos de investimento, famílias com grande patrimônio, hedge funds e outras instituições financeiras – ou seja, os investidores também possuem investidores! Essas instituições são atraídas para o modelo de venture capital na expectativa de retornos maiores do que as aplicações tradicionais: esperam pelo menos 20% ao ano. Essa é uma forma eficiente de diversificar os investimentos e maximizar o retorno da carteira.

Portfólio: reduzindo riscos

Para conseguir entregar essa rentabilidade, os fundos de Venture Capital também buscam diversificar seus investimentos ao investir em startups de diferentes segmentos – assim, reduzem o risco e conseguem fazer apostas mais ousadas sem prejudicar o retorno final do fundo aos seus investidores.

Um portfólio típico tem de 30 a 50 empresas, investidas ao longo de 5 a 10 anos. São investimentos que demoram para “maturar” (nenhuma empresa grande é construída da noite para o dia), e têm baixíssima liquidez (os fundos não podem retirar o dinheiro da startup após ter investido). Considerando um retorno de 20% ao ano, ao final de 7 anos o fundo precisará ter mais do que triplicado de tamanho!

Como são feitas as decisões de investimento?

Apesar do modelo de portfólio suportar a quebra de algumas empresas sem prejudicar o retorno final, a escolha desse portfólio é crítica para o sucesso do fundo. No momento do investimento, todas têm o potencial de ser o “home run” – aquele investimento que supera todas as expectativas e “paga a conta” das demais empresas.

O principal fator para uma decisão de investimento é o time de fundadores. Mesmo que o mercado seja gigante, que o modelo de negócios esteja bem pensado, um time que não tem visão de longo prazo e capacidade de execução terá chances muito menores de sucesso. Por isso, boa parte das conversas são para entender o que motiva os empreendedores, quais são seus skills, que tipo de cultura incentivam na empresa, quais são seus estilos de liderança, como lidam com situações de incerteza, que relacionamento têm com outros empreendedores, etc.

Smart Money: como investidores agregam valor além do dinheiro

Após o investimento, boa parte dos fundos de Venture Capital brasileiros exerce um papel de consultoria para as empresas investidas – é o que chamamos na indústria de “smart money”. Ou seja, além do dinheiro investido, também pode acelerar o crescimento das startups por meio da sua rede de contatos, ajuda nas contratações de diretores, eventos para networking entre empresas do portfólio, contato para outros fundos de VC, etc.

Um ponto importante é que a decisão final sobre o negócio sempre é do time de fundadores – apesar de ter aportado capital e eventualmente possuir a maioria das ações da empresa, os fundos não costumam comprar o controle da empresa (o que é especialmente verdade nos estágios de Seed, Series A e Series B).

Do outro lado da moeda: a experiência numa startup

Quando fiz a mudança da Monashees para o GetNinjas, tive um choque de realidade, percebi que o mindset e a forma de trabalho de um Venture Capital e uma startup são muito diferentes, apesar de estarem inseridos no mesmo contexto.

Em primeiro lugar, é muito importante escolher bem seu investidor. Existem investidores especializados em um modelo de negócios (marketplaces, software-as-a-service, fintechs, big data, e-commerce, etc), outros atuam com uma abordagem generalista; alguns com experiência “mão na massa”, outros mais distantes da gestão; alguns com “bolso fundo” para investir nas rodadas seguintes, outros focados em estágios iniciais; alguns que se propõe a ser “smart money”, outros que só oferecem o dinheiro. Dependendo de quais são os desafios da empresa, diferentes perfis de investidores podem acelerar seu crescimento de forma mais eficiente.

Segundo, em uma startup você não tem um portfólio – é tudo ou nada. Os riscos são grandes, assim como a expectativa de retorno. E isso muda o mindset dos empreendedores em uma série de fatores:

Gerenciar bem o caixa torna-se uma obsessão, já que esta é uma das principais métricas da saúde de uma empresa. Sem uma posição confortável de caixa, todo o poder de negociação fica nas mãos dos investidores.

A preocupação com a qualidade do time é constante. Precisamos atrair os melhores talentos em todas as áreas e em todos os níveis, então investimos semanas em processos seletivos rigorosos. Confiamos em quem contratamos e damos autonomia para o time tomar decisões importantes.

Os objetivos e metas precisam estar claros. Utilizamos a metodologia de OKRs, em que definimos objetivos e metas trimestrais para todos os times. Os times ficam mais engajados, propõe soluções melhores e continuam alinhados com os objetivos da empresa.

Decisões não podem ser baseadas em “achismo”, então investimos em uma infraestrutura de dados que nos ajuda a tomar todas as decisões importantes de negócio e de produto.

Qualquer um pode ter boas ideias – o que realmente faz a diferença é a execução. Para cada startup bem sucedida, havia centenas de competidores que foram deixados para trás por um time de melhor qualidade, com maior atenção aos detalhes e entregas mais eficientes.

Por fim, uma das características mais importantes de empreendedores bem-sucedidos é a resiliência. Algumas empresas estão construindo novos mercados, novas tecnologias e novas tendências, que podem levar tempo até se tornarem realidade. Os times que lidam bem com o fracasso, que estão preparados para adaptar sua estratégia e trabalhar incansavelmente, são os que provavelmente conseguirão construir grandes empresas.

Após vivenciar os dois lados da moeda, em Venture Capital e numa startup, avalio que ainda estamos desenvolvendo um ecossistema de tecnologia no Brasil, com maior qualificação dos empreendedores, talentos sendo formados pelas principais universidades, crescimento dos fundos de investimento e alguns casos de vendas e IPOs de empresas brasileiras que valem mais de 1 bilhão de dólares. Por isso, trata-se de um excelente momento para investir ou trabalhar em tecnologia no Brasil e incentivo todo mundo a se arriscar como eu.

Tags, , , , , , ,

Fintech de crédito corporativo F(x) recebe novo aporte de capital

Dan Cohen, da F(x)
Foto: Allan Kirsten

A F(x) – leia-se FdeX, fintech que conecta empresas que buscam crédito a fontes de financiamento, concluiu o aporte de capital junto à gestora de Venture Capital da e.BRICKS Ventures. Com os recursos, a fintech espera aumentar o seu portfólio de produtos e multiplicar a base atual de clientes.

“Com esses recursos iremos lançar a plataforma SaaS (Software as a Service), uma poderosa ferramenta que centralizará o relacionamento das empresas com o mercado financeiro, desenvolveremos mais funcionalidades de maneira mais rápida e ampliaremos a área comercial da empresa”, explica Dan Cohen, CEO da F(x).

Criada em 2016, a fintech oferece uma robusta plataforma online que conta com mais de 150 alternativas de financiamento entre bancos médios, fundos de investimento, financeiras, cooperativas de crédito, entre outros. Através de tecnologia de matching e inteligência artificial, os algoritmos da F(x) não somente identificam as melhores combinações entre a necessidades de financiamento das empresas e os financiadores cadastrados, como também fazem sugestões para que as empresas aumentem as suas chances de sucesso em uma captação.

“Estamos muito entusiasmados com a parceria e vamos trabalhar junto com o time da companhia para acelerar o crescimento e para transformar a F(X) em sinônimo de crédito para médias e grandes empresas no Brasil”, diz Pedro Sirotsky, managing director da e.Bricks Ventures.

A gestora de Venture Capital e.Bricks Ventures foi fundada em 2013 pelas famílias Sirotsky e Szajman, empreendedoras brasileiras conhecidas por seus grupos econômicos, Grupo RBS e Grupo VR, respectivamente. Com um posicionamento diferenciado no mercado de Venture Capital brasileiro, a e.Bricks Ventures trabalha junto aos fundadores para agregar muito mais do que apenas capital às empresas investidas. Como parte se sua estratégia, a gestora reuniu entre seus investidores empresários líderes de diferentes indústrias que estão comprometidos em apoiar o empreendedorismo como um meio de impactar a economia e a vida das pessoas. Desde de sua criação, a e.Bricks Ventures já realizou mais de 20 investimentos no Brasil e América Latina, incluindo algumas das startups de maior sucesso no mercado brasileiro, como Guia Bolso, Contabilizei, Infracommerce, Rock Content e AppProva.

Em franco crescimento

O último ano foi de grande crescimento para a F(x), que superou as previsões, alcançando 593 milhões de reais em propostas de financiamento, com 81 novas listagens em sua plataforma e mais de 150 usuários financiadores. A fintech também manteve seus investimentos em tecnologia e atingiu a versão 373 seu algoritmo core com a capacidade de realizar 30 mil matches por segundo com um índice de acerto de 89%.

Tags, , , , , , , , ,