Tag Softex

Softex anuncia fundo de R$ 50 milhões para startups

A Softex, em parceria com a Bertha Capital e M8 Partners, se uniram para lançar um Fundo de Investimento em Participações – Capital Semente, voltado a investir em startups da Quarta Revolução Industrial.  O advento da digitalização como um vetor de transformação de processos, produtos, serviços e modelos de negócio tem impactando significativamente a atividade empresarial. Soma-se a isso um conjunto de outras tecnologias relacionadas a impressão 3D, novos materiais e biologia sintética, por exemplo, que integram o mundo físico, digital e biológico caracterizando uma 4a. revolução industrial.
 

O “Fundo Softex 4RI” será dedicado ao desenvolvimento de iniciativas disruptivas, de base tecnológica, que busquem alavancar soluções com tecnologias voltadas à Quarta Revolução Industrial. O objetivo é contribuir significativamente para ampliar o volume de startups ligadas à Quarta Revolução Industrial, em especial àquelas com soluções que possam apoiar a digitalização da economia brasileira.
 

O FIP Softex 4RI terá como cotistas empresas beneficiárias da Lei de Informática Nacional que poderão investir recursos de P&D no Fundo, apoiando a geração de startups e se transformando em sócias dos negócios nascentes de base tecnológica. O FIP nasce aderente às regulamentações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), com vistas à captação do recurso das contrapartidas em P&D da Lei de Informática com o foco em capital semente, investindo em empresas de base tecnológica com faturamento médio limite de R$ 16 milhões por ano no momento do aporte, detendo participação sempre minoritária.
 

Do ponto de vista da base legal aplicável e da estratégia de investimento, destacamos:

  • O Fundo deve se destinar à capitalização de empresas de base tecnológica, empresa de desenvolvimento ou produção de bens e serviços de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC);
  • O Fundo não poderá ter participação majoritária na empresa investida;
  • A startup deve apresentar pelo menos duas das seguintes características:
  • desenvolver bens, serviços ou processos tecnologicamente novos ou significativas melhorias tecnológicas nesses;
  • comercializar direitos de propriedade intelectual ou direitos de autor de sua propriedade, ou que estão em fase de obtenção; ou bens protegidos por esses direitos;
  • as despesas de P&D não sejam inferiores a 5% da receita bruta, sendo excluídas dessas despesas os valores direcionados à formação de ativo imobilizado; ou
  • execute por meio de sócios ou empregados diretos, profissionais técnicos de nível superior, atividades de desenvolvimento de software, engenharia, pesquisa e desenvolvimento tecnológico e de mercado.
  • Além disso, a startup também deve satisfazer:
  • Receita bruta anual de até R$16MM, com receita apurada não superior a esse limite nos últimos 3 anos e distribuir, no máximo, 25% dos lucros durante o período em que receber aporte de recursos do Fundo;
  • O investimento não poderá ser feito em empresa controlada, direta ou indiretamente, por sociedade que apresente ativo total superior a R$80MM ou receita bruta anual superior a R$100MM
  • O fundo deve manter, no mínimo, 90% (noventa por cento) de seu patrimônio líquido investido nos ativos (empresas de base tecnológica, podendo investir até 10% do valor do Fundo em ativos no exterior. O Fundo Inova 4RI tem o objetivo de captar R$ 50 milhões em até quatro anos. Os aportes nas startups irão de R$ 500 mil a R$ 5 milhões.

Segundo Ruben Delgado, presidente da Softex, instituição que executa vários programas de apoio a startups no Brasil (Startup Brasil, Conecta Startup, Conexão Startup-Indústria, dentre outros), a oportunidade de um Fundo de Investimento era a peça final que faltava no ecossistema Softex, pois permitirá que muitos recursos alocados nas fases mais arriscadas na forma não-reembolsável em diferentes programas poderão ser aproveitados pelo Fundo de investimento, criando mais um mecanismo de apoio ao ecossistema de startups.  Muitas startups interessantes poderão ser acessadas pelas empresas beneficiárias de Lei de Informática, que poderão ter um “quinhão” do fundo para as suas verticais de negócios definidas.

Do ponto de vista da tese de investimento e das áreas nas quais as startups serão selecionadas, Rafael Moreira, CEO da Bertha Capital, salienta que tecnologias disruptivas tais como Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT) e Computação em Nuvem são exemplos de tecnologias transversais que habilitam negócios inovadores que estarão no centro da tese de investimento. “O Fundo Inova 4RI possui um foco em colocar mais um instrumento para o ecossistema de startups e para as empresas beneficiárias da Lei de Informática, porque combinará startups nas principais tecnologias habilitadoras no mercado, além de trazer várias corporações empresariais com seus desafios e, portanto, oportunidades de demanda e apoio segmentado em setores econômicos tais como bancos, indústria, eletrônica, dentre outros”, ressalta Moreira.

Para mais informações sobre o fundo, acesse: https://fip4ri.softex.br/   

Tags,

Perfil do profissional brasileiro de TI é tema de estudo do Observatório Softex

A escolaridade no setor de TI vem evoluindo e hoje 73% dos profissionais que atuam em setores econômicos tipicamente de TI (Core TI)* possuem curso superior completo. Se considerados profissionais com mestrado e doutorado, são 74%. Essa é uma das conclusões do estudo “Persona TI – Caracterização do Profissional de TI no Brasil”, elaborado pelo Observatório Softex.

O levantamento aponta que também é alta a escolaridade dos profissionais de TI in House**, com 65% deles possuindo curso superior completo (67% somando mestrado e doutorado), e destaca o crescimento das vagas de TI na região Sul, que passa a responder por 15% de participação no mercado total. São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais concentram 62%, cabendo a São Paulo a maior participação: 42%.

No universo Core TI, as principais ocupações dos profissionais são analistas de sistemas, técnicos em programação e técnicos em operação e monitoração de computadores, atuando nas áreas de desenvolvimento de programas, consultoria em TI e suporte. A jornada de trabalho desses profissionais varia entre 31 e 40 horas semanais e 65% estão na faixa etária entre 25 e 39 anos (40% estão entre 30 e 39 anos). As micro e pequenas empresas empregam 42% desses profissionais e as grandes 41%. A remuneração média é de R% 5.955,79 (valor de 2017 atualizado em 1º de janeiro de 2019) e 60% têm menos de três anos na organização em que trabalham.

O profissional de TI in House está presente principalmente nas áreas de comércio, nas indústrias de transformação e em atividades administrativas. As empresas de grande porte absorvem 50% desses profissionais e a remuneração média é de R$ 6.726,78, podendo chegar a mais do dobro em setores-chaves da economia, como o de mineração no qual a média se aproxima dos R$ 14.326,25 (valor de 2017 atualizado em 1º de janeiro de 2019). Em relação à faixa etária, 61% têm entre 25 e 39 anos (41% entre 30 e 39 anos). A jornada de trabalho de 63% desses profissionais situa-se entre 41 e 44 horas semanais e o tempo no emprego de 49% deles é de menos de três anos na organização.

“O estudo apresenta diversos outros dados, detectando, por exemplo, uma tendência de crescimento de programas customizados ou sob encomenda e apontando que as empresas estão cada vez mais trazendo a tecnologia para dentro delas”, comenta Diônes Lima, vice-presidente executivo da Softex.

Ele destaca ainda o aumento do número de cargos diretivos, como os de gerência, apontando para uma leitura da TI mais orgânica e estruturada. “Não só é possível registrar esse fortalecimento da TI brasileira ao longo dos anos, mas também detectar a crescente importância da inovação para esse segmento”, conclui Diônes Lima.
A versão completa do estudo Persona TI está disponível para consulta gratuita no endereço www.softex.br/inteligencia/

* Core TI – Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda; desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis e não-customizáveis; consultoria em TI; suporte técnico, manutenção e outros serviços em TI; tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços e hospedagem; portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet.

** TI In-House – Outros setores que não aqueles considerados tipicamente de TI

Tags, , , , ,

Programa TechD abre chamada para startups, empresas de TI, grupos de pesquisa e consórcios

A Softex, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), anuncia a abertura da chamada pública de inscrições para startups, empresas de TI, grupos de pesquisa e consórcios de empresas interessados em participar do Programa TechD de apoio a tecnologias emergentes focadas em quatro linhas temáticas: IoT, Saúde, Energia e Mobilidade.

Com recursos da ordem de R$ 18 milhões, sua missão é fazer a ponte entre o universo empreendedor e o de pesquisa por meio da integração e da maior convergência entre startups, centros de P&D, universidades e empresas já consolidadas no mercado. A meta é apoiar no mínimo 30 projetos, dos quais 14 devem ser das regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste.

Já foram firmados 22 acordos com Instituições de Pesquisa Científica e Tecnológica (ICTs), universidades e centros de P&D distribuídos por 13 estados que proverão suporte tecnológico aos projetos selecionados e 36 empresas de grande e médio porte para teste das tecnologias que serão desenvolvidas neste contexto de inovação aberta.

Nessa chamada do TechD, startups, empresas de TI, grupos de pesquisa e consórcios de empresas também deverão apresentar uma estratégia para ampliação de mercado nacional e internacionalização. O Programa visa proporcionar parcerias internacionais para aprimoramento da tecnologia e desenvolvimento de negócios fora do país.

O programa prevê a concessão de recursos de até R$ 500 mil de subvenções somados a possíveis investimentos de até 2 milhões que as empresas já habilitadas aportarão por projeto de tecnologia selecionado.

“Ao estimularmos negócios inovadores alinhados às novas tendências tecnológicas estamos colaborando simultaneamente para fortalecer o ecossistema de startups nacional e, também, o de inovação e pesquisa. Somente dessa maneira tornaremos o país menos dependente de tecnologias internacionais e mais competitivo no mercado global”, explica Diônes Lima, vice-presidente da Softex.

O executivo destaca que o TechD aproveita a tendência de inovação aberta e a capilaridade da entidade para fomentar por todo o país o desenvolvimento de tecnologias com maior valor agregado. “Queremos potencializar o uso das tecnologias para fomentar a transformação digital nas empresas que irão testá-las, trazendo potenciais clientes para empreendedores e pesquisadores, além de promover sua consolidação no mercado nacional e sua internacionalização. Os Centros de P&D têm papel fundamental no desenvolvimento tecnológico e se beneficiam dos novos negócios que o programa lhes proporcionará. Outro objetivo é transformar em negócio a pesquisa aplicada realizada pelas universidades. O TechD tem ainda a proposta de auxiliar as startups, empresas de TI, grupos de pesquisa e consórcios participantes a se estabelecerem no mercado de forma mais consistente e escalável”, conclui.

Para a sua realização, o TechD conta com as parcerias estratégicas da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A íntegra do edital para as startups, consórcios, empresas de TI e pesquisadores está disponível para consulta no endereço https://techd.softex.br/

Tags, , , , , , , ,

Programa Conexão Startup Brasil promove Laboratório de Modelagem

Com a presença de empreendedores, empresários, representantes de startups e do setor acadêmico, o Programa Conexão Startup Brasil promoveu ontem na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) um Laboratório de Modelagem.

Entre os objetivos desta primeira iniciativa está a identificação de novos elementos para validação do modelo de conexão entre empresas e empreendedores dentro do Programa, tais como dificuldades, benefícios, interesses, geração de valor e forma.

Resultado de uma ação conjunta entre a Softex, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Programa Conexão Startup Brasil reflete o empenho do Governo Federal em apoiar o empreendedorismo.

“O Ministério entende ser prioritário que o Brasil invista em uma cultura empreendedora e defende o alinhamento dos recursos públicos em uma estratégica única e mais eficiente”, analisa Leonardo Freitas, responsável pela coordenação de ambientes de negócios do MCTIC.

Leonardo Freitas enfatizou que essa visão de otimização dos recursos disponíveis é fundamental para o sucesso de quase uma dezena de projetos com foco na inovação. “Essa é uma das preocupações do MCTIC, que também está trabalhando na modernização do arcabouço normativo brasileiro voltado para o cenário irreversível da transformação digital”, complementa.

A coordenadora de empreendedorismo da Softex, Rayanny Nunes, por sua vez, lembrou que a entidade já coordena o Programa Startup Brasil, é responsável pelo acompanhamento e inteligência de dados do Startup Indústria e que o Conexão Startup Brasil ingressa agora na fase de consolidação. “Trata-se de uma iniciativa nacional com foco regional que busca aumentar a densidade do ecossistema da inovação no país”, ressalta, informando ainda a iniciativa vai alcançar um universo de cerca de 2.000 empreendedores.

O Programa Conexão Startup Brasil tem foco no fomento, desenvolvimento e na transformação de ideias conectadas ao mercado. Em relação aos empreendedores, ele busca a capacitação, a conexão com problemas reais e o acesso tanto ao mercado como a investimentos.

Para as instituições de apoio, o programa busca fomentar o ecossistema empreendedor, dando acesso a projetos com demandas concretas. Já as Universidades e Centros de Pesquisas e de Desenvolvimento se beneficiam da interação com o mercado e com o próprio ecossistema. A iniciativa também auxilia as entidades investidoras ao entregar startups mais preparadas e com a oferta de soluções aderentes às necessidades do mercado.

O mesmo se dá em relação à indústria e a outros setores, que passam a contar com soluções inovadoras graças a uma maior densidade de startups com perfil industrial.

Tags, ,

WAMPS 2018 analisará o impacto das metodologias ágeis e da segurança na qualidade do desenvolvimento de software

Estão abertas as inscrições para a 14ª edição do tradicional Workshop Anual do MPS (WAMPS 2018), que este ano será realizado no dia 24 de agosto em Maringá, no Paraná, como parte da programação do TICNOVA 2018.

O WAMPS 2018 reunirá avaliadores, implementadores e sênior advisors, empreendedores, startups e demais profissionais ligados ao MPS.BR, programa da Softex que conta com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O MPS.BR tem por objetivo melhorar a capacidade de desenvolvimento de software, serviços e as práticas de gestão de RH na indústria de TIC utilizando um modelo adequado à realidade e às necessidades das empresas nacionais.

Com 143 avaliações MPS Software e MPS Serviços realizadas desde 2004, o Paraná é o estado que ocupa a primeira posição no ranking nacional. A liderança paranaense é resultado do trabalho contínuo realizado pelo setor de Tecnologia da Informação no estado e executado pelos agentes regionais da Softex – Cenetic, Software by Maringá e Senai Londrina – com o apoio da Assespro-Paraná e do Sebrae.

Segundo Rafaela Campos, presidente da Software by Maringá, entidade que reúne mais de 100 empresas de TI, startups e profissionais autônomos e que atua como agente Softex, a realização do Workshop Anual do MPS (WAMPS 2018) durante a 6ª edição do TICNOVA, um dos maiores eventos de tecnologia e inovação do sul do país, é de extrema importância para o ecossistema crescente de TI na região.

“Atualmente Maringá é a segunda cidade com o maior número de certificações MPS.BR do Brasil, só perdendo para São Paulo. Queremos que cada vez mais empresas adotem esses processos e se tornem cada vez mais competitivas, ganhando escala global. Mas, além da certificação, as práticas de gestão que são implantadas permitem que a empresa cresça de forma mais estruturada, previsível e segura”, finaliza Rafaela.

Lançado há 14 anos, o MPS.BR é o único programa brasileiro de avaliações de qualidade voltado para setor de TIC. Contempla hoje três modelos de referência – software, serviços e recursos humanos – e conta com 18 instituições implementadoras. Os três modelos do MPS contabilizam um total de 831 avaliações e mais de 6.400 pessoas capacitadas.

Para Diônes Lima, vice-presidente executivo da Softex, “o Programa MPS.BR tem sido importante na melhoria da capacidade de desenvolvimento de software, serviços e gestão de pessoas nas empresas de TI; e também no fomento da competitividade das empresas do setor”.

“Metodologias Ágeis: Desafios e Lições Aprendidas” é um dos temas em debate durante o evento. Trata-se uma alternativa ao modelo tradicional de construção de aplicações tecnológicas usadas para agilizar o trabalho dos desenvolvedores e proporcionar a melhoria contínua dos processos por meio da aproximação e da maior colaboração entre o time de desenvolvimento com os experts de negócios, gerando benefícios como redução de riscos e erros, melhoria da qualidade do produto final, maior produtividade, agilidade na tomada de decisões e no time-to-market.

Destaque também para a palestra “Não há qualidade sem segurança”. Na oportunidade, serão abordados os principais conceitos do desenvolvimento seguro de software e apresentados números comprovando que cuidar da segurança desde início do processo reduz o custo total de desenvolvimento e manutenção de sistemas.

A grade de palestras inclui ainda uma avaliação sobre a integração de processos de melhoria e gestão com MPS Serviços e ISO 20.000 e uma análise sobre a questão da qualidade em gestão de pessoas, software e serviços como fator de excelência e sucesso.

Para informações adicionais, inscrições e acesso à programação completa do WAMPS 2018 visite http://wamps.softex.br/

Tags, , , , , , ,

Melhoria e padronização do software brasileiro será um dos temas do TICNOVA 2018

O TICNOVA 2018, considerado o maior evento de tecnologia e inovação do Sul do país, promovido pela Software by Maringá, será palco do XIV WAMPS – Workshop Anual do MPS, que trata da utilização e evolução tanto do Modelo MPS quanto do Programa MPS. BR – Melhoria de Processo do Software Brasileiro, promovido pela Softex. O workshop, que acontecerá no dia 24 de agosto, reunirá representantes da indústria, academia e governo, envolvidos e interessados na utilização e evolução dos modelos MPS.

A escolha por Maringá não foi em vão. Atualmente Maringá é a segunda cidade com o maior número de certificações MPS.BR do Brasil, só perdendo para São Paulo.

O TICNOVA, em sua 6ª edição, será realizado entre os dias 23 e 26 de agosto, no Sebrae Maringá, reunindo empresários, profissionais, professores, pesquisadores e acadêmicos do ecossistema de TI.

O formato da sexta edição do TICNOVA acompanhará o dos anos anteriores: haverá uma palestra especial na abertura do evento no dia 23/08, e durante os três seguintes, conteúdos voltados para empresas, startups e profissionais (desenvolvedores), além de trilhas específicas para facilitar a participação de todos:

24/08 – Sexta:
Empresas e temas empresariais
WAMPS
Trilha Economia Criativa

25/08 – Sábado:
Profissionais (desenvolvedores)

26/08 – Domingo:
Startups

Desafio TICNOVA

Resolver problemas da cidade de Maringá, com o apoio da prefeitura, para gerar soluções para segurança pública, é o pano de fundo do Desafio TICNOVA, uma competição na qual as empresas podem apresentar os projetos e uma banca examinadora fará a avaliação, definindo a equipe vencedora.

No ano passado, o TICNOVA teve formato de Hackaton e contou com 23 participantes distribuídos em nove equipes competiram para criar uma tecnologia que permitisse a entrega de medicamentos por meio de drones, concorrendo a um prêmio de R$ 5 mil, além de R$ 95 mil para investir na viabilização do projeto.

Tags, , , , , , , ,

Softex anuncia convênio com Virtual Educa e assume seus projetos no Brasil

A Softex firmou com a Virtual Educa, organização dedicada a impulsionar a inovação na Educação com o objetivo de promover a transformação social e o desenvolvimento sustentável na América Latina e no Caribe, convênio para assumir a coordenação e a presidência do Virtual Educa no Brasil. Participaram da solenidade José Maria Antón, secretário-geral do Virtual Educa, e Ruben Delgado, presidente da Softex.

O Virtual Educa passa a ser um programa permanente da Softex focado no aprimoramento da Educação por meio da inovação e da tecnologia. Pelo convênio, as parcerias e projetos desenvolvidos no Brasil por meio do Virtual Educa serão executados pela entidade, o que pode também ocorrer em outros países associados à iniciativa, em caso de interesse. Projetos e programas do Virtual Educa provenientes de outros países serão conduzidos pela Softex no Brasil.

“Entendemos a Virtual Educa como um parceiro estratégico para unir e consolidar a América Latina na Educação. Temos problemas comuns nesta área e por isso mesmo podemos construir e implementar soluções que atendam as necessidades dos países da região. A cooperação é a estratégia correta para que o continente não só eleve seu status educacional, mas para que ele também se apresente de forma mais robusta nos principais mercados internacionais. Somente com a cooperação entre nossos países vizinhos podemos ganhar musculatura e assim nos tornarmos competidores globais”, analisa Ruben Delgado.

Ele lembra ainda que a Softex mantém convênios de colaboração com a Virtual Educa desde 2016 para promover as empresas brasileiras de produtos e serviços voltados para a educação, com destaque para a área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), na região das Américas.

A Virtual Educa foi estabelecida em 2003 pela Organização dos Estados Americanos (OEA) e pela Secretaria Geral Ibero-americana (SEGIB) e opera através de alianças com organismos internacionais, entidades de ensino, agências de cooperação e de instituições públicas e privadas, reunindo os setores público, empresarial, acadêmico e sociedade civil.

Desenvolve, entre outras iniciativas, encontros e foros globais para apresentar políticas e práticas no campo da educação e da formação profissional – como o Virtual Educa Bahia 2018, realizado entre os dias 5 e 8 de junho em Salvador; e projetos de estímulo à inovação em diversas áreas da educação. É o caso do Think Blue, portal para a inovação na educação oceânica com cursos voltados para o conhecimento educacional e de sustentabilidade nos diversos âmbitos dos recursos marítimos como pesca, alimentação, turismo e transporte.

Tags, , ,

Transformação digital, agenda do CIO e internacionalização na pauta do Export Day 2018

Enquanto nos principais mercados mundiais os investimentos programados pelos CIOs para este ano estão direcionados ao crescimento e ao aumento de market share – cliente, no Brasil o foco principal é a transformação digital, às vezes confundida com a informatização da empresa. Esses dados, apresentados por William Hoffert, diretor de desenvolvimento de negócios do Gartner na palestra de abertura do Export Day 2018, fazem parte do estudo “A agenda do CIO para 2018”. Realizado pela consultoria, ele ouviu 3.160 executivos de 98 países responsáveis pela administração de um budget total de US$ 277 bilhões para investimentos em TI.

“Há tempos os CIOs brasileiros são pressionados a fazer mais com menos. Anos de contenção retardaram o avanço da TI no país, principalmente nas grandes empresas, mas a transformação digital tornou-se um imperativo comercial e é preciso tirar esses anos de atraso de alguma forma” disse William Hoffert.

O Export Day, promovido na semana passada em São Paulo pela Softex e pela Apex-Brasil, reuniu mais de 150 pessoas interessadas em levar seus negócios para além das fronteiras nacionais. Este ano, o encontro analisou de que forma o cliente pode colaborar para a expansão global das empresas de TI brasileiras.

No espaço da programação dedicado à apresentação de casos de sucesso de internacionalização nos segmentos de telecom, saúde, varejo e fintech foram abordados os cases da BRQ, Icaro Tech, MV, Navita e Propz. Para dialogar com eles, o painel CIOs trouxe representantes da Ericsson, SulAmérica, PepsiCo e Bradesco que, com intermediação da TGT Consult, debateram as possibilidades de inovação aberta junto a fornecedores de porte médio e startups.

Entretanto, a, expansão global demanda capital para investimento e por isso o Export Day reservou um painel especial para explicar como e quando captar recursos junto a fundos de investimento e instituições financeiras. Ele contou com as participações de Thiago Ferreira, gerente de Comércio Exterior da BNDES; João Pirola, diretor de investimentos da Inseed; Paulo Caputo, sócio-fundador da Oria Capital; e Marcelo Vitali, sócio-diretor da ORBIZ, parceira da Imprimatur Capital baseada em Londres.

Outro aspecto relevante para o sucesso global de uma organização é a inovação e a criação parcerias adequadas que podem impulsionar o sucesso de uma organização no mercado externo, mas a sua sobrevivência no ambiente local. Foi o que abordou Mauricio Costa, diretor do HUB55, que representa a Universidade de Yale no Brasil e o programa Innovation Boost.

“O Export Day surgiu para ser um dia dedicado à discussão de estratégias de internacionalização. Nesta edição, entretanto, decidimos fazer isso focando na agendado CIO, com uma visão da demanda local face às tendências globais de headquarters de grandes corporações. Essa trilha será seguida ao longo de todo este ano”, destacou Guilherme Amorim, gestor do Projeto Setorial Softex.

A 5ª edição do Export Day marcou ainda o kick-off do International Way, uma boutique de soluções de baixo custo e atalhos construídos pela Softex para auxiliar o processo de internacionalização de forma mais ágil, enxuta e eficiente.

Segundo dados da Softex, as empresas de software e serviços de TI exportaram cerca de R$ 3,7 bilhões no ano passado e as 300 integrantes do Projeto Setorial Brasil IT+ colaboraram com a expressiva quantia de R$ 1,5 bilhão para a balança comercial do país.

Tags, , , , , , ,

TI brasileira participa do MWC 2018

Com os objetivos de gerar novos negócios e também mapear tendências e inovação em Internet das Coisas (IoT), o Brasil estará presente uma vez mais ao Mobile World Congress (MWC). O maior encontro mundial da indústria móvel começou ontem (25) em Barcelona, na Espanha, e prossegue até a próxima quinta-feira, 1º de março.

Em mais uma ação do Brasil IT+, iniciativa de cooperação desenvolvida pela Softex e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), 17 empresas de software e serviços de tecnologia da informação estarão presentes ao evento pelo quinto ano consecutivo.

“O MWC projetará para o mundo a proposta de valor das soluções móveis desenvolvidas no Brasil e que estão totalmente aderentes às últimas tendências em BI, Big Data e inteligência artificial, pilares da revolução tecnológica d IoT”, destaca Ruben Delgado, presidente da Softex. Ele acompanhará a delegação nacional e também o Secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Thiago Camargo.

Os visitantes do estande Brasil IT + encontrarão um portfólio robusto e diversificado integrado por soluções de segurança e criptografia produtos de conteúdo para operadoras e plataformas de mídia digital. O espaço contempla sala de reuniões para encontros formais e um longe para encontros casuais e apresentações rápidas.

Irão compor o pavilhão brasileiro no MWC 2018 BRQ, Bwtech, Certisign, Control Informática, EiTV, EveryTI, Icaro Tech, MT4, MC1, Navita, RocketChat, Senior, Sikur, Tokenlab, Vortigo, W5 e a Wavy, recentemente criada pelo Grupo Movile.

“Projetamos cerca de U$ 30 milhões em negócios para empresas participantes nos próximos 12 meses, o que representa um retorno de 80 vezes sobre o investimento aportado pelos envolvidos nesta ação do Brasil IT+”, conclui o presidente da Softex.

Reuniões de negócios já estão pré-agendadas com players globais que visitarão o estande. A agenda contempla também visitas à Qualcomm e à operadora de telefonia francesa Orange e a apresentação de conteúdos da Oracle, Ericson e Banco do Brasil, além de representantes do MCTIC e do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) explicando o Plano Nacional de IoT.

Considerado o principal encontro mundial da indústria de comunicação móvel, o MWC recebeu no ano passado mais de 108 mil visitantes e tem confirmada a participação de 2.300 expositores de 40 países.

Brasil IT+ no Mobile World Congress

Data: 25 de fevereiro a 1 de março
Local: Fira Gran Via – Av. Joan Carles I, 64 – Barcelona
Estande: Hall 8.1 E11

Tags, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Softex reassume a gestão das operações do Start-Up Brasil

Criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC em novembro de 2012, o Start-Up Brasil agrega um conjunto de atores em favor de iniciativas empresariais de base tecnológica. O programa tem como objetivo apoiar soluções inovadoras em software, hardware e serviços de tecnologia da informação (TI) ou de serviços que se utilizem das TICs como parte da solução inovadora.

A nova fase do programa, lançada em Agosto deste ano, dispõe de R$ 9,7 milhões para apoiar 50 projetos de empresas nascentes de base tecnológica (startups) com até R$ 200 mil em bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Os recursos são do orçamento do MCTIC.

O programa é uma das principais iniciativas para impulsionar a economia brasileira e tem como base cinco pilares: desenvolvimento econômico e social, posicionamento internacional, inovação e empreendedorismo, produção científica, tecnológica e de inovação e competitividade.

“A Softex pretende nos próximos dois anos, em parcerias com a Secretaria de Política de Informática – SEPIN e outros atores do ecossistema, conduzir as operações do Start-Up Brasil a um espaço colaborativo para que todos os players do ecossistema nacional possam contribuir na evolução do programa e no mapeamento dos reais desafios do empreendedorismo nacional. O que marcará esta nova gestão será a interface com os demais programas de Governo Federal focados na competitividade nacional, nos quais a Softex atua diretamente, bem como a interação com ações regionais executadas pela Rede Softex por meio do seus 23 agentes regionais e parceiros estratégicos”, comenta o Vice-Presidente Executivo da Softex, Diônes Lima.

A Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro – Softex trabalha desde 1996 com a missão de ampliar a inovação e a competitividade do setor brasileiro de software e serviços de tecnologia da informação, promovendo o desenvolvimento do país.

Ao reassumir a gestão operacional do Start-Up Brasil, a Softex agrega a oferta de programas complementares em diversas áreas, com destaque para inovação, inteligência e internacionalização de empresas de TICs.

O Start-Up Brasil está com inscrições abertas até 04 de outubro

Serão selecionados até 50 projetos de empresas nascentes de base tecnológica. Desde o lançamento, a iniciativa do governo federal já apoiou 183 startups com R$ 34,7 milhões em investimentos. As 50 startups selecionadas deverão se associar às aceleradoras qualificadas pelo Programa.

O Start-Up Brasil já executou dois ciclos de aceleração, de 2013 a 2015, quando apoiou 183 startups, distribuídas por quatro turmas e oriundas de 17 estados e 13 países. Até o momento, o MCTIC aportou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) de startups de tecnologia da informação (TI). A iniciativa alavancou aproximadamente R$ 103 milhões em investimentos privados e gerou mais de 1.200 empregos diretos.

Ao todo, 2.855 propostas se submeteram ao Programa. O apoio contemplou startups de diversos segmentos da economia, como educação, saúde, agronegócio, biotecnologia, varejo e logística. O Start-Up Brasil promoveu integração entre empreendedores de todo o território nacional, com destaque à presença de empresas e aceleradoras das regiões Norte e Nordeste, que, a partir do segundo ciclo, ganharam espaço no ecossistema empreendedor.

As startups também participam de uma série de eventos e atividades de capacitação e de aproximação com grandes companhias nacionais e internacionais, bem como com investidores; além de programas de acesso a mercado e compras públicas. Durante todo este processo as empresas são acompanhadas pelas aceleradoras e também pelos gestores do programa Start-Up Brasil.

Tags, , ,

Ruben Delgado é reeleito presidente da Softex

Em reunião do Conselho de Administração da Softex – Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro realizada na última quinta-feira (24), na sala dos conselhos do MCTIC, Ruben Delgado e Diônes Lima foram reeleitos como presidente e vice-presidente da entidade para o período 2017/2018.

“Os últimos dois anos foram marcados por uma crise e recessão em âmbito nacional que afetou toda a Rede Softex, contudo conseguimos com todo o apoio dos parceiros e conselheiros manter as atividades relevantes para o Setor e participar de discussões decisivas para o futuro do país, tais como a desoneração da folha, a regulamentação do investimento anjo, a defesa da Ciência e tecnologia junto ao congresso. São ações que beneficiam o ecossistema nacional de TI como um todo e que terão continuidade ao longo dos próximos anos. Vamos seguir trabalhando, mas de forma ainda mais colaborativa e sustentável junto com a Rede Softex, no sentido de gerar ainda mais valor para esse segmento tão estratégico para a economia do país”, destaca Ruben Delgado, Presidente – Softex.

O vice-presidente executivo, Diônes Lima, continuará a conduzir a execução de projetos e operações da Softex. “Foram 2 anos de muita discussão junto ao poder público e sociedade civil para a manutenção de projetos relevantes para o País, como o Brasil Mais TI que tem como foco a atração de jovens para as carreiras de TI e o Startup Brasil que tivemos um importante papel de defender junto a várias instâncias do poder público o retorno do projeto. Nesta gestão seguiremos com fortes parcerias, como a expansão da ações da Softex em regiões que ainda não possuem atividade dos agentes Softex, bem como um importante projeto que logo será anunciado com o foco na aproximação entre Empresas, ICTs e Startups.”, destaca.

Para os próximos dois anos, o plano de trabalho da diretoria inclui ainda atuação em projetos de P,D&I que estimulem a competitividade das empresas brasileiras frente aos novos desafios tecnológicos, o aumento do número de empresas atendidas pela Rede Softex, um trabalho de aproximação da indústria tradicional com o setor de TI e especificamente startups; estímulo à internacionalização de novos negócios utilizando a experiência de 20 anos de exportação da Rede Softex; a retomada das discussões sobre modelos estruturados para a competitividade do setor e fomento ao desenvolvimento do setor de TI com foco nas tendências tecnológicas.

Tags, , ,

Softex amplia ações para internacionalização de startups

Parcerias abrem portas para diversas oportunidades e uma delas é a projeção no mercado exterior. A Softex, na sua missão de internacionalizar tecnologias brasileiras, principalmente aquelas desenvolvidas por startups e empresas de TICs, ampliou sua atuação com mais três HUBs, incluindo em seu portfólio parcerias com players internacionais: as canadenses Latam Startup e Dream2B e a americana International Accelerator.

A Latam Startup, Dream2B e International Accelerator colaborarão para projeção de empreendimentos brasileiros no mercado internacional com programas que oferecem inúmeras vantagens e oportunidades para sua empresa alçar voos mais altos, além de implementar a competitividade do ecossistema empreendedor brasileiro.

LatAm Startup

A LatAm Startup é uma aceleradora especializada em promover negócios entre empresas canadenses e latino-americanas. A sede localiza-se em Toronto, Canadá, o centro financeiro e o maior polo industrial do país, bem como um dos principais centros culturais e científicos. A aproximação com Waterloo, cidade próxima a Toronto, também é um diferencial. A região possui um forte centro industrial de alta tecnologia. A maior fonte de renda da cidade é a fabricação de computadores e produtos eletrônicos, seguida pelo fornecimento de serviços educacionais.

O foco do programa são aquelas empresas prontas para internacionalização. Durante quatro meses de imersão no Canadá, a aceleradora preparará a startup para entrar no mercado norte americano por meio de mentorias, conexões empresariais e comunidade digital, e acesso ao espaço de co-working, possibilitando ampliar ainda mais o network.

“O mercado brasileiro é enorme para ser ignorado pelo Canadá”, disse Miryam Lazarte, CEO da LatAm Startups.

A Dream2B

A Dream2B está localizada em Vancouver, Canadá, um dos centros de desenvolvimento de softwares e de biotecnologia do país. Entre os atributos da cidade estão a concentração de filiais de bancos nacionais e internacionais, mão de obra qualificada, diversas incubadoras e espaços de co-working e apenas a duas horas do Vale do Silício.
Durante dois meses, o programa oferecerá treinamentos para minimizar os impactos culturais da chegada no país disponibilizando escritórios estruturados, mentorias sobre como iniciar um negócio, vistos, network e suporte na contratação de equipes locais.

A Dream2B fez o primeiro programa de aceleração exclusivo para startups brasileiras no Canadá. As Startups que participaram do programa por 7 semanas tiveram 40% de taxa de sucesso, incluindo uma que recebeu investimento de um fundo americano (primeira vez que investiu em uma startup da américa latina) e outra que receberá o startup visa. O processo de aceleração coloca as startups em contato direto com os investidores e potenciais clientes com o treinamento desenvolvido especificamente para elas. Como também, a Dream2B tem parceria com o consulado Brasileiro em Vancouver, Ministry of Internacional Trade e NACO.

A startup Mecasei.com, especializada em gerenciar os preparativos para casamento, que também participou do programa Start-Up Brasil, sob a gestão operacional da Softex, fez parte do programa da Dream2B em 2016. “Participar do programa foi fundamental para internacionalização da MeCasei. Estamos nos preparando para entrar no mercado canadenses em 2018”, disse Marcio Acorci, CEO.

IA – International Accelarator

Para que as empresas brasileiras possam expandir a sua presença no exterior, a Softex, em parceria com a Apex-Brasil, desenvolveu o Projeto de Promoção de Exportação do setor de software e serviços de TI. Essa parceria impulsionou cerca de 50% das exportações brasileiras de TI no último ano. Ao assumir a Secretaria de Políticas de Informática (Sepin) em 2016, a primeira missão do Secretário Maximiliano Martinhão incumbiu à Softex a tarefa de viabilizar a internacionalização de tecnologias brasileiras. E a parceria com a International Acceletator possibilita esse objetivo.

A IA, especializada em levar startups estrangeiras para os Estados Unidos, localiza-se em Austin, Texas, EUA. A região oferece fácil acesso a capital, baixo custo de vida, custo de operação viável e acesso a mão de obra qualificada. O programa é diferenciado e surgiu justamente para suprir as falhas de assistência para modelos de negócios e CEOs estrangeiros, pontos que não são abordados em programas convencionais.

Com duração de um ano, contempla o acesso a rede de investidores, mentores, clientes e parceiros nos EUA; treinamento individual criado para fundadores estrangeiros no país; suporte para descolamento e expansão.

“Com a estratégia dos Hubs internacionais, ampliando seu escopo de atuação, além de promoção comercial objetivamos também a transformação das startups brasileiras em empresas globais”, disse Diônes Lima, vice-presidente de operações (COO) da Softex.

A Softex conta com HUBs em Connecticut e Texas, EUA e agora em Toronto e Vancouvert, Canadá.

Fonte: Softex

Tags, , , , , ,

Huawei e Softex colaboram em treinamento e cidades inteligentes

view

A Huawei e a Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) assinaram um memorando de entendimento que prevê cooperação técnica e acadêmica para capacitação de talentos na área de tecnologia da informação e comunicação (TIC) e desenvolvimento de programas conjuntos no campo de cidades inteligentes e segurança pública (Safe City). O acordo foi firmado durante cerimônia de premiação do Seeds for the Future, programa global de capacitação em TIC da Huawei.

De acordo com o memorando assinado hoje, Huawei e Softex trabalharão em conjunto no treinamento de talentos locais para atender os requisitos atuais e futuros da indústria brasileira de tecnologia da informação e comunicação (TIC). A parceria prevê ainda a cooperação no desenvolvimento de programas e projetos ligados a Safe City, além da participação da Softex nos projetos globais de capacitação e intercâmbio da Huawei.

“A Huawei está comprometida em apoiar a transformação digital de empresas públicas e privadas no Brasil e tem apostado na colaboração com principais atores os da indústria de TIC para qualificar os talentos e desenvolver as tecnologias necessárias para tornar as cidades mais inteligentes e seguras. A parceria com a Softex é mais um importante passo para que a Huawei consiga contribuir ainda mais com o fortalecimento do ecossistema de TIC no país”, afirma Liu Wei, Vice-Presidente de Relações Públicas e Comunicações da Huawei.

A Huawei, por meio de seu programa global Seeds for the Future de estimulo à educação e à capacitação em TIC, tem firmado parcerias com as principais instituições de ensino para treinar e certificar profissionais pelos programas HAINA (Huawei Authorized Information & Network Academy) e HANA (Huawei Authorized Network Academy). No Brasil, o programa vem sendo realizado em parceria com o Ministério da Educação (MEC) e universidades.

Tags, , , ,

Brasil participará da Mobile World Congress 2017

A Softex, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) através do Brasil IT+, leva uma delegação de 16 empresas para participar do Mobile World Congress (MWC) 2017, o encontro mundial da indústria de mobilidade, que acontecerá de 27 de fevereiro a 02 de março em Barcelona – Espanha.

Há anos o evento reúne a comunidade global de líderes e as maiores empresas do segmento de tecnologia e telecomunicações. A expectativa dos organizadores é receber mais de 100 mil visitantes e mais de 2.200 organizações. Os executivos levam desses quatro dias de feira internacional as últimas tendências, avanços tecnológicos e as melhores práticas inovadoras necessárias para construir as futuras estratégias de TI.

A delegação do Brasil será representada pelas empresas: BWTECH, EiTV, Icaro Tech, Navita, Reddrummer, Sikur, Tokenlab, Vortigo, W5 Soluções, BRQ, Every TI, FH Cosultoria, Muxi, NEKIT, Senior e Stefanini.

Com um diversificado portfólio voltado para as necessidades e desafios de negócios em variadas indústrias e geografias, juntas as empresas ofertarão consultoria em TI, soluções empresariais móveis, desenvolvimento de apps, segurança e criptografia, sistema de controle de acesso, sistema de suporte a operações (OSS), gestão de dispositivos móveis (MDM) , gestão de custos de telecom (TEM), soluções para pagamentos, plataforma para mídia digital, análise e visualização dinâmica de dados, dashboards cognitivos e, é claro, não poderia faltar, internet das coisas (IOT).

Ruben Delgado, Presidente da Softex, estará presente no evento e comenta: “Devido às mudanças que estão ocorrendo ao redor do mundo, a participação Brasileira no Mobile World Congress deste ano é estratégica, cada dia mais os países estão se posicionando no que se refere a tecnologia de comunicação e o Brasil não fica de fora. A participação além de estratégica é obrigatória pois é uma vitrine de apresentação da nossa tecnologia para o mundo na maior feira do segmento, onde todos os países estarão presentes e nós estaremos lá.”

O Brasil também será representado pelo ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, que fará a abertura oficial do estande do Brasil, no dia 27 de fevereiro às 18h.

Gilberto Kassab comenta que participar do GSMA Mobile World Congress, principal evento de tecnologia móvel do mundo, é muito importante para o ministro responsável pelas políticas públicas e as diretrizes de telecomunicações, inovações e tecnologia, pois esse “mundo” vai muito além do celular, e tem ganho importância, força e proporção cada vez maiores na vida das pessoas. “Estamos atentos aos avanços tecnológicos ao ponto de estarmos elaborando um Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT), o qual, aproveitaremos a MWC, para apresentar alguns pontos já definidos desta regulamentação e discuti-los, inclusive com um foco social. No evento aproveitaremos para prestigiar o espaço da Softex, que neste cenário de conectividade, é essencial para o crescimento das empresas brasileiras de software e serviços de TI nos mercados nacional e internacional, especialmente por ser num setor tão competitivo e importante para o desenvolvimento econômico e social do país” completa o ministro.

A Softex prevê gerar USD 30 milhões de dólares em negócios em 12 meses, para o Brasil em mais de 100 reuniões de negócios que ocorrerão no evento, muitas delas já agendadas com players globais que visitarão o estande do Brasil.

Brasil no Mobile World Congress

Local: Fira Gran Via – Av. Joan Carles I, 64 – Barcelona
Estande: Hall 8.1 – estande E33

Tags, , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Softex lança edital para contratação de empresas de LMS

A Softex torna pública a chamada e convida os interessados a apresentarem propostas para prestação de serviços especializados em Sistemas Integrados e Plataformas de Educação a Distância (LMS – Learning Management System).

Está aberta a chamada para o processo licitatório, que será realizado na modalidade de concorrência, para seleção de propostas voltadas a contratação de empresa integradora de tecnologias educacionais, especializada em plataformas e conteúdo de aprendizagem a distância para adequação e desenvolvimento do atual portal Brasil Mais TI (www.brasilmaisti.com.br) e do Ambiente Virtual de Aprendizagem (LMS). O portal deverá comportar aproximadamente 500 mil usuários, tendo como público alvo os jovens e adultos.

O Brasil mais TI é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e do Ministério da Educação (MEC), é um projeto inovador e dinâmico de educação a distância que atua em três pontos essenciais da formação profissional: conhecimento, capacitação e oportunidades.

Com, atualmente, 278 mil usuários cadastrados e mais de 500 mil capacitações em andamento, a plataforma oferece 39 cursos voltados para o desenvolvimento de habilidades necessárias às carreiras de software e serviços de TI.

Segundo levantamento realizado pela unidade de inteligência, estudos e pesquisas da Softex, o déficit de 408 mil profissionais de TI estimado para 2022 pode significar uma perda de receita de R$ 167 bilhões entre 2010 e 2020 para o setor. Outro gargalo significativo da indústria é o domínio precário do inglês, que dificulta o recrutamento. A proposta da plataforma Brasil mais TI é contribuir para mudar esse quadro, despertar a vocação e assim estimular a entrada de novos profissionais em um setor em franco processo de crescimento e considerado estratégico para o Brasil.

A Softex (www.softex.br), entidade gestora do Brasil mais TI, possui seis áreas, sendo uma delas a área de Educação, que tem como objetivo oferecer capacitação e desenvolvimento de profissionais e empresas. Com a finalidade estimular o crescimento do setor tecnológico no Brasil, de forma a integrar a oferta de aprendizagem às necessidades do mercado de trabalho.

As empresas interessadas em participar deste processo licitatório deverão acessar o edital e enviar as propostas até às 17h do dia 05/01/2017.

Empresas que tenham passado pelo programa Start-Up Brasil ou tenham iniciado o processo formal do Certics ou MPS.BR terão pontuação diferenciada.

O edital está publicado no site da Softex, na página de Editais e Chamadas, e pode ser acessado através do link a seguir:
http://www.softex.br/wp-content/uploads/2016/12/edital-072-16.pdf?x15632

Tags, , ,

Softex recebe homenagem por 20 anos de trabalho

A Softex como entidade referência para o setor foi homenageada, durante o Jantar Anual do Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro – TI RIO.

Para o atual Presidente da Softex, Ruben Delgado, esta homenagem representa o reconhecimento do trabalho que tem sido realizado, não só pela Softex, na aplicação de políticas-públicas, mas também pelos ministérios do governo e entidades parceiras da rede Softex.

“Entendo que esta homenagem é pelos 20 anos, portanto ela cabe a cada presidente que passou pela entidade, tornando-a cada vez mais forte e voltada para o crescimento da competitividade da indústria de software e serviços de TI. Eu como atual presidente tive a sorte de estar nesse momento dos 20 anos, recebendo essa linda homenagem, mas gostaria de compartilhar esse triunfo com todos os demais presidentes que por aqui passaram.”

A Sociedade Softex, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), nasceu em 1996, com a missão de coordenar o Programa Softex e também de ampliar a competitividade das empresas brasileiras de software e serviços de TI, bem como a sua participação nos mercados nacional e internacional.

“Presidir o Conselho Administrativo da Softex é, além de uma honra, um desafio que tomo como um dos mais importantes do meu trabalho atual. O grande potencial do Brasil na área de TI desponta e temos que preservar e valorizar as estratégias que visam o crescimento do setor. Entre as metas, estão a estratégia nacional para startups e a nova lei de informática. Quanto à homenagem, é mais uma prova de que a Softex vem desempenhando com excelência seus serviços em prol do crescimento do país”, destaca Celso Pansera, Presidente do Conselho Administrativo da Softex.

Alguns dos grandes marcos que, durante estes 20 anos, fizeram a história da Softex podem ser acessados através do link: http://www.softex.br/softex20/

Tags, , ,

Programa Start-Up Brasil será relançado nos próximos dias, afirma secretário do MCTIC

Durante abertura do IT Forum Expo, que aconteceu em São Paulo, o secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Maximiliano Martinhão concedeu entrevista ao site It Forum 365 onde listou pontos de atenção da pasta do Ministério e afirmou que o Programa Start-Up Brasil deverá ser relançado nos próximos dias, “O mais importante é gerar desenvolvimento econômico. Falar de regulamentação específica é colateral”, lembrou apontando que seu foco nos próximos dias é relançar o programa de startup do ministério, o Startup Brasil. (Fonte: http://www.itforum365.com.br/noticias/detalhe/121889/mctic-mira-politica-nacional-de-iot-e-fomento-ao-empreendedorismo-para-garantir-competitividade)

Lançado em novembro de 2012, o Start-Up Brasil realiza chamadas públicas para a seleção de empresas nascentes de base tecnológica. O programa apoia atualmente 183 startups nacionais e internacionais, possui uma rede de 18 aceleradoras em oito estados brasileiros e mais de 50 parceiros públicos e privados.
Muito conhecimento foi acumulado ao longo dos quatro anos de realização do Programa, que deve ganhar ainda mais robustez a partir da incorporação da figura da mentoria técnica e do apoio adicional às startups de hardware.

O programa é pioneiro no desenvolvimento do ecossistema empreendedor brasileiro e um dos responsáveis pelo estímulo à criação de um grupo forte de startups de porte global, tendo grande relevância frente a outros programas de aceleração existentes, pois além de caracterizar-se como uma parceria público- privada, proporcionou às 4 turmas aceleradas até o momento um pacote de benefícios robusto com direito a fomento de até R$200 mil em bolsas para pesquisa, desenvolvimento e inovação e um aporte de investimento da aceleradora para inserção no mercado, que varia entre R$ 20 e 150 mil por startup, além de acesso as melhores aceleradoras do país, visto para startups estrangeiras, hubs internacionais em São Francisco, Nova York e Singapura, acesso ao marcado e a benefícios de parceiros do programa e acesso a investidores através de Demo Days nacionais e internacionais.

O Start-Up Brasil é um programa do governo federal, criado pelo MCTIC e em Julho de 2014 passou a ter sua gestão operacional feita pela Softex (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro) que agregou ao programa sua expertise e a oferta de programas complementares em diversas áreas como: inovação, qualidade, inteligência do mercado e internacionalização.

Tags, , , , , , , ,

Brasil Mais TI oferece curso gratuito de Gestão de Riscos em TI

ViewImage.aspx

Gestão de Riscos em TI é o mais novo curso oferecido gratuitamente pela plataforma de ensino a distância Brasil Mais TI, um dos maiores projetos mundiais de capacitação gratuita de programadores (MOOC), que tem gestão, execução e coordenação da Softex.

Com carga horária de 40 horas, o curso tem como público-alvo estudantes, profissionais da área de informática e interessados no tema e é todo ministrado em Língua Portuguesa, com aulas exemplificadas empregando uma metodologia de fácil assimilação, com explicação gradual e conteúdo organizado para otimização de tempo.

Dividido em dez capítulos, o conteúdo programático inclui, entre outros tópicos, uma introdução à gestão de riscos; identificação e avaliação das ameaças; além de vulnerabilidades e consequências, tratamento, comunicação e monitoramento dos riscos. Os interessados em participar necessitam ter um reprodutor de mídia digital instalado em um computador com Internet 6.0, Google Chrome ou Mozila Firefox i, Adobe Reader 7 ou superior, Flash Player 7 ou superior e banda mínima de 64 kbps.

“Decidimos incluir esse curso, desenvolvido e doado pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) aos mais de 30 já oferecidos pela plataforma, por se tratar de um conteúdo extremamente rico e de forte interesse para o mercado”, explica Ana Beatriz Pires, gestora de projeto da Softex.

Acessado em mais de 90 países, o Brasil Mais TI é um projeto inovador desenvolvido pelo Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI), sob a coordenação técnica da Softex, e que atua em três pontos essenciais da formação profissional: conhecimento, capacitação e oportunidade. Além do ensino de Inglês, a plataforma disponibiliza mais de 30 cursos, totalizando cerca de 1.000 horas de aula. Seu público-alvo são jovens entre 16 a 23 anos que buscam uma oportunidade no mercado e também os que ainda não sabem que carreira seguir.

Segundo levantamento realizado pelo Observatório Softex, unidade de inteligência, estudos e pesquisas da entidade, o déficit de 408 mil profissionais de TI estimado para 2022 pode significar uma perda de receita de R$ 167 bilhões entre 2010 e 2020 para o setor.

“A proposta da plataforma Brasil Mais TI é contribuir para mudar esse quadro, despertando a vocação e assim estimulando a entrada de novos profissionais em um setor em franco processo de crescimento e considerado estratégico para o Brasil”, complementa Ana Beatriz Pires.

Para se inscrever no curso Gestão de Riscos em TI na plataforma Brasil Mais TI acesse http://goo.gl/6J2KAl

Tags, , , ,