Tag retail

Store in the Cloud: um mercado de TI para os varejistas se fortalecerem

Por Carlos Capps, líder de Retail, Healthcare e Life Science para IBM Services América Latina


Poucas organizações e executivos de negócios estavam preparados para a mudança da noite para o dia na nova era inaugurada pela pandemia. Indústrias essenciais como o varejo conseguiram pivotar negócios e operações para surfar a nova onda, fortalecendo e/ou redirecionando para canais digitais, reconfigurando o supply chain para novos canais e padrões de demanda e repriorizando planos de investimento em tecnologia. O que era uma meta de longo prazo tornou-se um desafio chave para empresas em todo o mundo. E a pergunta que ouvimos todos os dias é: em que investir agora para ajudar as organizações a se fortalecerem no futuro?

A IBM vem realizando todos os meses entrevistas com mais de 14.500 pessoas no Brasil, China, Alemanha, Índia, México, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos, para entender os novos hábitos de consumo. De acordo com nossa pesquisa mais recente, a pandemia levou os consumidores a explorar diferentes ferramentas e serviços, e muitos dizem que continuarão a usá-los no futuro. No Brasil, por exemplo, 58% dos entrevistados fizeram um pedido por meio de um aplicativo móvel durante a COVID-19. No mundo, mais de 2,14 bilhões de pessoas devem comprar bens e serviços online até 2021*.

Ao quebrar as resistências às compras online, a Covid-19 se tornou no ponto de inflexão para a transformação digital – os serviços digitais se expandirão em importância em um número crescente de setores e atividades. E o sucesso dependerá da velocidade de aplicação da tecnologia para melhorar experiências, lançar novas ofertas e repensar como o trabalho é feito.

Hoje, os consumidores sabem o que, quando, onde e como querem, e os varejistas estão lutando para mudar com rapidez suficiente para entregar os bens e serviços que os clientes desejam. Os varejistas dizem que seu modelo operacional e tecnologias de suporte têm o desafio de oferecer inovação rápida que atenda às expectativas dos clientes em constante mudança, enquanto gerenciam a inflação de custos nas operações da loja.

Por mais que o entusiasmo ajude a longo prazo, o que os varejistas mais precisam agora são soluções testadas que possam implantar rapidamente.

‘Store in the Cloud’: reinventando o papel da loja

Para ajudar os varejistas nesse momento, a IBM lançou o Store in The Cloud, um conjunto de tecnologias desenvolvidas para funcionar em uma arquitetura de nuvem aberta e híbrida, onde qualquer varejista do mundo pode aproveitar a mais ampla gama de plataformas líderes, como RedHat OpenShift ou IBM Watson. Desta forma, eles podem expandir ou desenvolver rapidamente novas soluções e serviços, para fornecer os melhores recursos aos seus clientes finais, enquanto melhoram os processos online e na loja de ponta a ponta. Alguns benefícios são:

• Redução de custos. Os varejistas podem operar a um custo menor, diferenciar a experiência do cliente nos canais digitais e físicos e ter a capacidade de inovar de forma rápida.


• Acessar Insights. Treinar os funcionários e gerentes da loja com ferramentas e acesso a informações para ajudá-los a oferecer uma experiência diferenciada ao cliente.


• Visibilidade do estoque. Combinar a visibilidade total do estoque e das vendas anteriores e previstas com disponibilidade em tempo real para acelerar o reabastecimento, redução de preços e outras tarefas.


• Promoções e experiências personalizadas. Usar dados e inteligência artificial para exibir promoções e comunicações altamente personalizadas durante a jornada de compra.


• Informações no site em tempo real. Aplicar dados hiperlocais a preços e conteúdo digital para fornecer informações contextuais aos clientes quando eles estiverem comprando.

Não sabemos o que o futuro reserva, mas entendemos que ele exigirá que os varejistas continuem a operar em um ecossistema muito complexo de dispositivos, software e sistemas para atender às necessidades dos clientes. A nuvem híbrida proporciona aos varejistas a facilidade de construírem sobre o que têm hoje, aprimorando as experiências na loja e online para atender às expectativas dos clientes, e dando-lhes uma forma de emergir mais fortes no mercado, reinventando o papel da loja.


http://www.statista.com/statistics/251666/number-of-digital-buyers-worldwide/

Tags, , , ,

Os consumidores querem Inteligência Artificial e personalização nas lojas físicas

Por Alan Prando

A última edição do relatório anual Connected Shoppers, elaborado pela Salesforce, em oito países – incluindo o Brasil, para investigar os hábitos de consumo e como as pessoas usam a tecnologia como parte do processo de compra trouxe índices interessantes para o varejo. Dos entrevistados brasileiros, 75% disseram que aceitariam compartilhar suas preferências e outros dados pessoais em troca de uma personalização que oferecesse um serviço mais rápido e conveniente nas lojas físicas, enquanto que 80% afirmaram que gostam de receber recomendações de produtos com base em seu histórico de compra.

O que já é comum no mundo digital, traz à tona uma carência no varejo físico: a necessidade de personalização e recomendação de produtos. Com o empoderamento do consumidor, independente do seu canal de compra, ele quer se sentir único, e não apenas mais um. Ele não quer ser encarado como uma cifra, mas como um cliente exclusivo. Os varejistas, por sua vez, precisam satisfazer os desejos desses compradores, com experiências mais inteligentes e cada vez mais personalizadas e, assim, manter sua competitividade.

Embora os e-commerces ofereçam muitas praticidades, as lojas físicas ainda têm um papel importante no varejo. Nele, o consumidor tem a possibilidade de comprar e levar o produto na hora, além de negociar descontos; pode tocar e testar o produto. Brasileiro tem essa mania de “ver com as mãos”, é cultural. Também é possível evitar taxas de entrega, uma vez que o frete é um dos entraves do e-commerce.

A tecnologia, associada ao uso de Inteligência Artificial, pode ser uma forte aliada para dar suporte às vendas do varejo tradicional. Da mesma maneira que o e-commerce tem acesso direto aos dados de consumo dos clientes, a tendência é que as lojas físicas comecem a fazer isso também, com o uso de dispositivos já disponíveis no mercado, como o foot tracking, que permite entender e analisar o caminho que os consumidores fazem dentro de uma loja.

Outro ponto importante para considerar é que todos os canais de venda precisam estar conectados e se complementar, com a possibilidade de trocas nas unidades físicas de compras feitas no e-commerce, por exemplo, ou a implementação de conceitos como “click and collect” e “pick-up in store”, que permitem recolher na loja uma mercadoria adquirida na internet.

Em um futuro próximo, as lojas farão sugestões de produtos para seus clientes de maneira semelhante ao que é feito nos e-commerces, por meio de vitrines personalizadas e e-mail comportamental, por exemplo. Para isso, também serão utilizadas tecnologias diversas, como espelhos inteligentes, aplicativos sincronizados e cadastro universal.

Toda experiência positiva cativa e fideliza clientes, além de atrair novos consumidores, por meio do famoso “boca a boca” – que nunca sai da moda e funciona como uma eficaz ferramenta de propagação (gratuita) da marca. No mundo “real”, essa experiência tem a vantagem do “tête-à-tête”, pois todo mundo gosta de um cumprimento, de um sorriso, de receber uma atenção especial. E se a tecnologia pode melhorar essa relação, então o objetivo de proporcionar uma experiência completa será concluída com sucesso.

Alan Prando é CTO e cofundador da Biggy, plataforma especializada em Big Data e Inteligência Artificial, com foco em personalização e recomendação de e-commerce.

Tags, , , , , , , ,

Diebold Nixdorf traz inovação para jornada de compra conectada

A experiência de compra e atendimento personalizado nunca foram tão falados no varejo brasileiro. Imagine que você está em um Self-Checkout supermercado e recebe uma notificação em seu celular de que a loja oferece diversas ofertas e uma delas é de molhos de tomate. Não seria estranho, já que você está na sessão de macarrão. Mas, como a loja sabe que você está naquele local exato? As soluções de software da DN utilizam dispositivos de geolocalização, que mostram como é possível localizar o cliente dentro de determinada sessão e direcionar ofertas intuitivas e personalizadas. “Sabemos que dentro da jornada de compra o protagonista é o consumidor. Por isso, desenhamos produtos que ofereçam opções customizadas para cada perfil de consumo”, explica Miriane Paulino, líder de negócios de Varejo da DN no Brasil.

Seguindo a linha de soluções que promovem a experiência do cliente nas lojas, o Self-Checkout que já está disponível no mercado brasileiro e permite que o próprio consumidor pese os produtos, escaneie cada um dos códigos de barras e efetue o pagamento via cartão de crédito ou débito.

Albert AEVI 2

Já o dispositivo Albert AEVI possibilita que pagamentos sejam feitos em qualquer lugar do supermercado. A solução inédita no Brasil é um smartPOS móvel que se destaca por ter um marketplace único e definido a partir da linha do negócio do varejista. Com ele, é possível baixar apps e oferecer novas opções a um ponto de venda que vão além do pagamento de compras ou fechamento de comanda. Com ele é possível pedir táxi, adquirir ingressos, dentre outras conveniências para o cliente.

A plataforma de software DN Mobile faz parte do app de relacionamento que conecta a loja física à digital. Por meio de biometria facial, escaneamento no totem ou gôndola, os clientes podem efetuar pagamento em moeda digital ou checkout mobile. Para blindar todo o sistema das lojas, o DN Analytics Cloud é a solução de segurança e combate às fraudes para transações digitais. Ela é integrada ao DN Mobile e mapeia o perfil comportamental dos clientes com intuito de eliminar fraudes em transações eletrônicas e programas de fidelidade.

De acordo com Miriane, o mercado brasileiro oferece diversas oportunidades para implantação de tecnologias disruptivas que podem gerar valor para as experiências do novo perfil de consumo. “Vemos que o setor está se remodelando para conectar os mundos físico e digital. Por isso, nosso foco é na jornada de compras guiada por conexões e experiências do cliente. Com isso, podemos colaborar com o desenvolvimento do comércio conectado no país”, comenta a executiva.

Essas soluções estão expostas na Convenção da ABRAS 2018, que acontece de 19 a 21 de março, no Riocentro, no Rio de Janeiro.

Tags, , , , , , , , ,

Fórum LIDE do Varejo: tecnologia influencia mudanças no mercado

O primeiro dos três painéis do 6º Fórum LIDE do Varejo, realizado entre 16 e 18 de março no Hotel Sofitel Jequitimar, em Guarujá (SP), destacou a crescente influência da tecnologia tanto no desenvolvimento de processos e gestão de negócios como no atendimento a um consumidor cada vez mais atuante nas mídias sociais e no uso de tecnologia para realizar suas compras. O evento, promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, com curadoria do LIDE COMÉRCIO, reuniu cerca de 350 empresários e líderes do setor varejista para três dias de palestras e networking e abordou como tema central “A expansão e democratização do consumo”. O encontro foi aberto pelo prefeito do Guarujá, Valter Suman e por Luiz Fernando Furlan, chairman do LIDE.

Marcos Gouvêa de Souza, fundador e diretor-geral da GS& e presidente do LIDE COMÉRCIO, abriu o painel, destacando a retomada do crescimento do mercado. “Estamos saindo de dois anos difíceis, em que tivemos uma redução de 7,1,% do PIB e queda nas vendas de 10,2%. O que temos hoje é muito melhor do que o passado recente, mas aquém do precisamos buscar no longo prazo”.

Este cenário de retomada de crescimento tem ainda o desafio de atrair consumidores cada vez mais conectados digitalmente. Segundo Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza, com 56% dos brasileiros conectados por celular, o importante é não ter medo de inovar. A tecnologia digital tem permitido que os funcionários das lojas físicas da rede acessem vários aplicativos para realizar vendas, acompanhar estoques, e verificar o atendimento das demandas do consumidor. Nas redes sociais, ele destacou a criação de fanpages das lojas, administradas por eles e que intensificam o relacionamento com os consumidores regionais. Por outro lado, ele ressaltou o potencial do e-commerce, motivado pelo crescimento de meios de pagamento.

A integração entre ambientes físico e digital foi apontada também por Mario Laffitte, vice-presidente da Samsung. Segundo ele, o próximo passo é melhorar a experiência do cliente, transformando as lojas físicas em centros de serviços ao consumidor”.

Ao lado de Luiz Fernando Furlan, chairman do LIDE, estiveram presentes no primeiro painel do 6º Fórum LIDE do Varejo: Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza; Junior Durski, sócio-fundador do Madero; Mario Laffitte, vice-presidente da Samsung; Marcilio Pousada, presidente da Raia Drogasil; Miguel Abuhab, CEO da Neogrid; Vander Giordano, vice-presidente da Multiplan; e Urubatan Helou, diretor-presidente da Braspress.

O 6º Fórum LIDE do Varejo conta com participação especial da BRAGA, NASCIMENTO & ZILIO, LINX, NEOGRID e SYNAPCOM. São colaboradores: 3 CORAÇÕES, ACCENTURE, ARIZONA, ARYZTA, ATHIE WOHNRATH, AUDI, BRASPRESS, GOCIL, MAGAZINE LUIZA, MARTINS, MULTIPLAN, POLISHOP, PROSEGUR, RIACHUELO, UOL e WAZE. Entre os fornecedores oficiais estão ONE MORE DRINK, 3 CORAÇÕES, 3 SEG, ANTILHAS, APIS HEALTH TECH, CACAU SHOW, CARUSO LOUNGE, COCA-COLA FEMSA, ECCAPLAN, ECOSIMPLES, F&Q BRASIL, FORMAG’S, FREDISSIMO, GRUPO CDI, JOHNNIE WALKER – DIAGEO, PROGRAMASOM, ROBERTO RISCALA PAISAGISMO, RODOBENS COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL, SUNGLASS HUT e UPS. O evento também conta com o apoio institucional do GRUPO GS&. Como mídia partners estão a rádio JOVEM PAN, o jornal O ESTADO DE S.PAULO, PROPAGANDA & MARKETING, PR NEWSWIRE, ATMO, LIDE PLAY e REVISTA LIDE

Tags, , , , , , ,

Como o uso dos tablets pode agilizar e personalizar o atendimento no varejo

Por Arnaldo Mello

Tecnologia, inovação, globalização… Esses termos têm tudo a ver com a realidade que o mundo vive hoje e como tudo isso está inserido no contexto do varejo moderno. O tema, inclusive, foi abordado em uma palestra presidida pelo VP da “ArmorActive”, Travis Hooper, durante a NRF.

Em sua apresentação, Hooper falou, entre outros assuntos, sobre como a mobilidade dos tablets está transformando a forma de fazer negócios. De acordo com ele, a modernização do varejo físico é inevitável e imprescindível para não perder espaço perante o comércio digital.

Nos últimos tempos, as pessoas têm optado por um atendimento rápido e personalizado e é justamente nesta oportunidade que o tablet se encaixa, uma vez que contribui para a agilizar o atendimento aos consumidores.

Com ele em mãos, o atendente tem acesso a todo o estoque da loja sem sair de perto do cliente. Ao usá-lo, o atendimento não só ganha velocidade, como também aumenta, consideravelmente, a busca por produtos capazes de agradar o cliente.

A experiência do consumidor (em inglês, customer experience) é o epicentro de todas as marcas e indústrias, seja qual for a parte do mundo. Devido a sua importância, a capacitação digital vem ganhando força e espaço nas discussões estratégicas de grandes empresas.

Ainda segundo Travis Hooper, há seis fatores que conduzem as agendas de reuniões estratégicas. São elas: a discussão digital deve sempre estar presente na pauta dos encontros; as marcas precisam de um relacionamento íntimo com os clientes; o oferecimento de uma experiência diferenciada; a possibilidade de financiamento governamental; a presença de eficiência operacional, bem como a redução de custos; e a permanência no mercado de forma relevante e inovadora.

Não é de hoje que a inclusão de um gadget como o tablet no dia a dia do varejo transforma a maneira como as vendas são efetuadas, otimiza o tempo e faz com que o atendimento fique ainda mais personalizado. Além disso, ele permite que o vendedor tenha acesso imediato a outras informações sobre o cliente como também facilita a finalização do pedido e pagamento.

Mas, se são tantas as vantagens para o varejo, por que ainda não está sendo utilizado em todos os estabelecimentos? A resposta é simples: seu uso requer preparação e planejamento para superar os desafios que poderão surgir com o decorrer do tempo, como, por exemplo, desvencilhar a imagem de entretenimento do aparelho, trazendo uma imagem profissional para o seu uso; como protegê-lo enquanto estiver sendo usado; e qual será o melhor modelo, software e sistema operacional a ser utilizado.

Por último, mas não menos importante, os responsáveis pela área de equipamentos e inovação devem considerar que vale a pena investir no equipamento. Isto contribuirá tanto para criar uma experiência única no que se refere ao atendimento como também será um diferencial na forma como as empresas se apresentam aos seus consumidores.

Arnaldo Mello é colaborador da Academia de Varejo

Tags, , , , , , ,

FGV EAESP faz seminário sobre os desafios, as tendências e as perspectivas para o varejo neste ano

O Centro de Excelência em Varejo (GVcev) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP) irá realizar na quarta-feira (21), a partir das 8h30, um seminário com especialistas do varejo para discutir sobre os desafios, as tendências e as perspectivas para o varejo neste ano.

O objetivo do evento é apresentar o panorama político-econômico nacional para 2018 e suas tendências. Expor as tecnologias e novidades voltadas para o Varejo exibidas tanto na NRF 2018 como nas visitas técnicas realizadas na cidade de Nova York e contribuir para repensar o varejo, seus formatos, processos e formas de gestão.

O seminário é voltado para profissionais do varejo, gerentes, diretores, fornecedores e demais interessados no tema.

Para se inscrever basta acessar o site do GVcev: www.fgv.br/cev . Informações: apoiocev@fgv.br (11) 3799-7970. Caro jornalista, caso queira acompanhar o evento é só entrar em contato com a assessoria.

Seminário: Os desafios, as tendências e as perspectivas para o varejo

Data: 21/02/2018

Horário: 8h30 – 13h

Local: FGV – Rua Itapeva, 432 – 4º andar – Salão Nobre

Tags, , , , , , ,

Cognizant apresenta solução que integra benefícios da conveniência on-line e da experiência na loja física

A Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, desenvolveu a solução Adaptive SpacesTM, que transforma a maneira pela qual os consumidores interagem com os espaços comerciais, como lojas, hotéis ou restaurantes, e geram valor para o investimento imobiliário. Até 2025, qualquer negócio que necessitar de um espaço físico para vender produtos e serviços terá seu modelo transformado e deverá ser um diferencial para a melhoria da experiência dos clientes.

A solução Adaptive Spaces busca transformar o negócio em quatro camadas principais: Experiência – fornece uma visão 360° do cliente em todos os canais e pontos de contatos; Operação – melhora a produtividade e a eficiência por meio de robotização e inteligência artificial; Tecnologia – utiliza soluções de IoT e realidade aumentada; e Integração – integra as atividades do cliente aos sistemas da empresa e gera insights por meio do uso de analytics.

A solução traz como benefícios o aumento de tráfego e a conversão de negócios, reduções de falta de estoque e de custos logísticos, melhoria na exatidão dos estoques e na qualidade das informações para tomadas de decisão.

“Hoje, olhando-se o modelo de demanda e consumo dos millennials, o cliente não abre mão da pesquisa digital antes da compra e, ao mesmo tempo, quer ser atendido de forma personalizada. A solução Adaptive SpacesTM faz com que o ambiente da loja seja um reflexo das necessidades emocionais e físicas do cliente, e foi desenhada para facilitar e motivar emoções e comportamentos desejados”, afirma Bruno Chimentão, diretor associado de Varejo e Bens de Consumo da Cognizant no Brasil.

Na prática

Durante a NRF Retail’s Big Show 2018, maior feira de tecnologia para varejo do mundo, a Cognizant fez uma demonstração do uso da solução. O cliente podia entrar na loja do futuro e ter à sua disposição informações digitais de um tênis, como cores e tamanhos disponíveis, em que região era mais vendido, celebridades que usavam o modelo e o publicavam nas mídias sociais, entre outros pontos relevantes. Caso gostasse do produto, uma atendente trazia o modelo escolhido para o cliente experimentar.

Tags, , , , , , , , , , ,

Empresas criam centro de fomento de negócios para e-commerce

Com o objetivo de reunir em um mesmo espaço empresas que possuem sinergia de negócios, a COPA Network e a VTEX se unem para criar um centro de fomento para o ecossistema de varejo eletrônico, chamado COPA E-COMMERCE by VTEX. O intuito é trazer soluções para empreendedores que trabalham ou querem trabalhar com e-commerce, oferecendo provedores de pagamento, consultoria, logística, performance, precificação e segurança.

“O COPA E-COMMERCE vai conectar o empreendedor ao comércio eletrônico. As pessoas terão acessos ao ecossistema de e-commerce de uma forma geral, explica Alexandre Guerra, responsável pela operação do COPA.

Já para Alessandro Gil, Chief Experience Officer (CXO) da VTEX, o conceito de co-working surgiu há alguns anos com a promessa de integrar empresas diferentes em um mesmo ambiente de negócios. “Na prática, elas só compartilham o espaço físico, mas continuam isoladas. Com esta iniciativa, criamos uma estrutura específica para o ecossistema de e-commerce, com o objetivo de reunir empresas que possuem sinergia, fomentando novos negócios”, conclui.

Localizado na Avenida Faria Lima, um dos principais distritos financeiros da cidade de São Paulo, o centro de referência possui mais de 1.000 m² e iniciará suas atividades em fevereiro de 2018. O local também contará com uma agenda permanente de conteúdo e formação, com diversas atividades de fomento na vertical de e-commerce.

“Para criar um ambiente fértil ao empreendedorismo, o COPA E-COMMERCE terá frequentemente oficinas e workshops sobre os mais diversos temas. Além disso, o local terá um grande espaço de convivência para incentivar o networking”, completa Guerra.

Tags, , , , , , , , , , ,

Linx aponta cinco tendências para o varejo em 2018

A Linx, empresa de tecnologia que atende cerca de 40% do varejo nacional, indica quais serão as cinco principais tendências para o setor em 2018. Jean Klaumann, vice-presidente de Operações da companhia, listou o que deve nortear o mercado no próximo ano.

1 – Omnicanalidade ou omnichannel

Hoje em dia, é normal que as pessoas pesquisem pela internet e façam compras no varejo físico. Neste cenário, o conceito consiste na convergência de todos os canais utilizados por uma empresa. As principais vantagens desta integração são redução de custos de frete, tempo de entrega, ganhos fiscais, maior conversão de vendas, geração de fluxo em loja, além de uma gestão de estoque mais inteligente.

2 – Reengajamento no e-commerce

No ambiente virtual, é comum que consumidores busquem produtos, adicionem ao carrinho, mas não finalizem a compra. Empresas como a Linx, que adquiriu a ShopBack em outubro de 2017, oferecem sistemas de retargeting capazes de reverter este abandono, trazer o usuário de volta para o site e recuperar vendas consideradas perdidas.

3 – Migração para a nuvem

O varejo está em uma busca constante de eficiência na gestão de seus processos e atividades. A solução para isso pode estar na nuvem. Atualmente, já existem lojistas apostando neste modelo e a Linx vem suportando os clientes que estão dispostos a migrar seus dados. A previsão da companhia é que 50% da carga de trabalho seja migrada em 2018 e estima que, em três anos, 90% de todo o processamento será em nuvem pública.

4 – Big data, data lake e inteligência artificial

O principal benefício de trabalhar com informações em nuvem é a criação de um grande banco de dados alimentado em tempo real. Com isso, varejistas podem conhecer melhor seus consumidores, entender o perfil e comportamento de cada um e oferecer produtos e serviços personalizados por meio de ferramentas de inteligência artificial.

5 – Chatbots

Com toda essa evolução nos processos internos e de vendas ao consumidor final, é natural que a gestão do relacionamento com o cliente também se torne mais inteligente. Provedores de tecnologia para o varejo já permitem que lojistas prestem assistência por meio de ferramentas online, com destaque para as redes sociais. Desta forma, a tendência é que a automatização do atendimento siga crescendo e mais problemas sejam solucionados em tempo real.

Tags, , , , , , , , , , ,

Liga Ventures fecha parceria com Grupo Pão de Açúcar para impulsionar startups de varejo

Com o objetivo de acompanhar as inovações e tendências do mercado de varejo e buscar novas ideias para o segmento, a Liga Ventures – aceleradora focada em gerar negócios entre startups e grandes corporações – acaba de fechar parceria com o GPA, um dos principais grupos varejistas do Brasil, controlador das bandeiras Pão de Açúcar e Extra, entre outras. O GPA fará parte dos dois próximos ciclos de aceleração da Liga Retail – programa que prospecta, seleciona e acelera startups com soluções para otimização de lojas, inteligência artificial, uso de dados e big data, e etc-, previstos para o segundo trimestre de 2018.

Para Rogério Tamassia, co-fundador da Liga Ventures, a chegada do grupo fará com que o programa comece com grandes expectativas. “A entrada de um parceiro como o GPA permite que o programa de aceleração Liga Retail fique ainda mais interessante para as startups de varejo, além de ser uma grande oportunidade do próprio GPA de estreitar seu relacionamento com quem está inovando”, comenta.

Do outro lado, participar da aceleração permite que o GPA contribua para o desenvolvimento de inovações que devem revolucionar o mercado de varejo e buscar soluções que impulsionem o negócio da companhia. “Atuamos a partir do estímulo à cultura da inovação, conectando as pessoas às novas tendências, além de promover o desenvolvimento contínuo de novas soluções e explorando tendências de mercado em experiência com o consumidor”, explica Illan Israel, Head de Inovação do GPA.

Um exemplo do DNA inovador do grupo foi a realização do concurso de inovação para startups da bandeira Pão de Açúcar, o “Pitch Day Pão de Açúcar”, em agosto deste ano. A ação teve como objetivo aproximar a companhia do ecossistema de inovação dos empreendedores digitais no varejo. Do concurso, foram selecionados três vencedores, que já estão desenvolvendo projetos-pilotos no GPA. “O diferencial da Liga é que se trata de um programa estruturado com mentoria e capacitação, entre outras etapas, o que permitirá ao GPA atuar com mais efetividade na aproximação com as startups”, completa Israel.

Programa de Aceleração Liga Retail

As inscrições para o programa de aceleração iniciam-se em janeiro, mas as startups já podem fazer a pré-inscrição pelo site http://liga.ventures/retail/. Após o encerramento, serão selecionadas quatro startups que tenham inovações relacionadas à otimização de lojas, inteligência artificial, uso de dados, big data e engajamento do consumidor, entre outras.

Durante quatro meses, as startups escolhidas passarão por um programa de aceleração na sede da OasisLab, primeiro espaço brasileiro de inovação especializado em varejo, que tem o apoio da Sociedade Brasileira de Varejo e Comércio e conta com um ecossistema completo de parceiros como startups, desenvolvedores de tecnologia, consultores, associações e varejistas. Os empreendedores poderão explorar oportunidades de negócios com as grandes empresas participantes, receber mentoria de executivos da Liga Ventures, além de acessar um amplo networking com parceiros e possíveis investidores. Nenhuma contrapartida em participação societária ou propriedade intelectual é exigida das startups aceleradas.

Tags, , , , , , , , , , , ,

1° projeto do Brasil em vendas assistidas: FH faz implementação de SAP Hybris na Leroy Merlin

Antes, os clientes chegavam à loja, discutiam com o vendedor o projeto de sua casa, verificavam o preço e a disponibilidade de estoque de determinado produto. Hoje, por meio do multiatendimento, usando o site e o celular, os vendedores podem ofertar mais informações sobre cada produto, o que transforma a compra em uma experiência única e diferenciada. Com essa integração entre site e mobile, a Leroy Merlin se tornou a primeira rede no setor de Varejo de Materiais de Construção (multiespecialista do lar, especializada em construção, acabamento, bricolagem, decoração e jardinagem) a atuar 100% no modelo omnichannel.

O primeiro projeto em vendas assistidas omnicanal do Brasil, com a ferramenta SAP Hybris, foi implementado pela FH, empresa de tecnologia especializada em processos de negócios e software, na Leroy Merlin, o projeto iniciou em janeiro de 2016 e teve duração de um ano e meio. A unidade piloto, ou seja, a loja 3D foi a de São Bernardo do Campo.

Segundo o Diretor de TI e Inovação da Leroy Merlin, Matthieu Grymonprez, após a implementação na loja de São Bernardo do Campo, com o go live em julho de 2017, a Leroy deve fazer o rollout na loja da marginal Tietê. “Na realidade, em um prazo de oito meses almejamos implementar o mesmo sistema nas 41 lojas da rede. 2018 será um ano transformador para Leroy”, acrescenta.

Grymonprez diz, ainda, que o omnicommerce é uma tendência que os varejistas devem seguir para manter a competitividade no mercado. Ele comenta que, junto com a FH, foi criada uma ferramenta sob medida para Leroy. “É fundamental ter um parceiro estratégico, que entende o negócio, as necessidades e a velocidade que se pretende implementar os desafios. A escolha da FH foi satisfatória pela experiência em SAP e SAP Hybris”.

Atendimento customizado, serviço sob medida para os clientes e vendas 100% assistidas. “É isso que a Leroy vem fazendo”, afirma o Head of Technology Business Unit FH, Sandro Stanczyk, que destaca a importância de acompanhar os clientes em toda a jornada de compras.

Stanczyk explica que a solução SAP Hybris dá suporte completo ao vendedor em um processo de venda assistida. “Por exemplo, o cliente vai até a loja e o vendedor acessa direto do celular os produtos e informações específicos sobre o mesmo (características, promoções, quantidade disponível), se por ventura aquela mercadoria não estiver na loja, ele consegue visualizar o estoque das outras unidades. Ou seja, com essa ferramenta, o atendente amplia as possibilidades de venda”, esclarece.

Em resumo, conforme expõe o Head da FH, a venda assistida omnicanal além de melhorar o controle de estoque; flexibilizar e aprimorar os fluxos de saída de vendas; compartilhar oportunidades em todos os canais de venda; também diminui o tempo de atendimento; possibilita ofertas personalizadas; proporciona o multiatendimento, ou seja, permite atender vários clientes ao mesmo tempo, com mais de um carrinho por pessoa; determina o melhor fluxo logístico; entre outros benefícios.

Acompanhar a jornada de compras dos clientes faz a diferença

O Diretor de TI e Inovação da Leroy Merlin confirma que as conversões aumentaram: “80% dos clientes que iniciam a jornada no site finalizam a compra na loja. A interatividade entre o site e a loja é alta, isso porque os clientes verificam informações dos produtos, baixam tutoriais, tiram dúvidas. Anteriormente, havia distorção entre as ferramentas de e-commerce e das lojas. Então, para garantir uma experiência diferenciada e ‘sem costura’, resolvemos unificá-las em uma mesma plataforma e criamos um carrinho compartilhado. Isso significa que o cliente inicia sua jornada de compra em casa, no tablet, no celular e termina a compra na loja”.

Tags, , , , , , , , , , , , ,

FecomercioSP e Brasscom debatem a transformação digital no varejo brasileiro

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) realizou nesta quarta-feira, 29, o evento “A transformação digital e o impacto no comércio de bens e serviços”, promovido pela Entidade em parceria com a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). O encontro reuniu especialistas, empresários do varejo e fornecedores de serviços digitais para discutir como o segmento de comércio e serviços se transforma diante das mudanças impostas pela tecnologia.

“O objetivo da Brasscom é trazer à tona essa discussão sobre tecnologias de transformação digital e fazer com que esse debate entre na sociedade com base nos agentes econômicos”, disse o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo. “Inovação é aquilo que destrói o concorrente – no fundo, todos nós estamos correndo o risco de nos tornarmos obsoletos. Com o avanço tecnológico, o que era impossível passou a ser possível.”

Estar presente em apenas um local – como site ou aplicativo – já não é uma opção, concordaram os palestrantes. Para conquistar o consumidor, é preciso entender seu comportamento e oferecer serviços personalizados, assertivos, imediatos e que integrem plataformas on e offline. Da formação de preços, passando pelo atendimento, até o cálculo do estoque ideal, o empresário deve acompanhar as tendências para não perder mercado e construir sua marca aos olhos do público. “Se 27% dos brasileiros consomem conteúdo da televisão e da internet, simultaneamente precisamos nos perguntar: o que isso muda para o varejo?”, provocou o presidente do Conselho do Comércio Eletrônico da FecomercioSP e CEO da Ebit, Pedro Guasti.

Ainda segundo Guasti, 47% das vendas que ocorrem no ambiente offline têm origem em plataformas online, por meio de pesquisas ou buscas feitas pelos consumidores. Enquanto 40% das pessoas tiram fotos dos produtos quando estão em uma loja, apenas 9% realmente efetivam a compra imediatamente em lojas físicas. O 36º relatório Webshoppers, da Ebit, divulgado em agosto, mostrou que o e-commerce segue se tornando cada vez mais relevante no Brasil: apenas no primeiro semestre deste ano, faturou R$ 21 bilhões, crescimento nominal de 7,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando as vendas somaram R$ 19,6 bilhões.

Os caminhos para fazer negócios estratégicos com base nas mudanças de comportamento dos clientes na economia digital (que deve atingir US$ 2,5 trilhões de dólares ainda neste ano) envolvem, em geral, aproveitar os dados que a tecnologia é capaz de fornecer sobre cada um para criar experiências de venda.

“Nesses modelos disruptivos, quem manda é o consumidor final”, enfatizou a CEO da Stefanini Brasil, Mônica Herrero. “O futuro é hoje, não dá para adiar. O e-commerce tem de estar acessível 24 horas, a qualquer tempo, em qualquer lugar, de qualquer forma e em apenas um toque. A loja física não vai desaparecer, mas deve ter um papel diferente do de hoje ao se integrar à jornada do cliente”, completou a executiva.

Experiência do consumidor

As pesquisas sobre o comportamento de quem compra ajudam as empresas a criar uma experiência de consumo que favoreça o aumento das vendas. “Mais de 50% dos usuários de smartphone abandonaram o site depois de esperar três segundos para que uma página carregue”, contou o gerente de Marketing e Produtos de Soluções Digitais da Embratel, Augusto Bezerra. “A experiência do consumidor via smartphone é importante, e para suportar essa demanda, será necessária uma tecnologia robusta de processamento e estratégia”. De acordo com o Relatório Webshoppers, o faturamento das vendas por dispositivos móveis cresceu 56,2%, no primeiro semestre de 2017, e o tíquete médio dessas compras foi 14,9% maior que no ano passado.

Ainda segundo Bezerra, as mudanças disruptivas (termo que descreve a inovação tecnológica que utiliza quebra de paradigmas para superar uma tecnologia dominante no mercado) incluem também mudar o modelo de negócio das empresas. “Devemos passar do commodity para produto de valor agregado e de valor estratégico. A informação é o bem mais valioso para uma organização, e o compartilhamento é um modelo para otimização de recursos”, explicou.

Marketing

O uso da tecnologia nas estratégias de marketing também foi tema de discussão no evento. “Os clientes querem ser conhecidos como únicos. Por isso, o mundo digital nunca foi tão fácil e tão difícil de compreender”, explicou o representante da Stefanini, Victor Hugo Cardoso Alves. “Temos de entender o consumidor e captar o que é importante no meio de uma explosão de dados para, assim, gerar valor agregado. Quem não entender a jornada que seu cliente faz, por meio de cliques em sites e entradas na loja física, vai ter dificuldades em vender”, completou Alves. Segundo ele, 85% das interações entre clientes e empresas vão ser digitais até 2020.

Para o industry advisor da DXC Technology, Marcelo Raducziner, há uma mudança radical em como as situações se dão. “As pessoas seguiam processos no seu dia a dia e eram suportadas pela tecnologia. Agora a tecnologia passa a seguir processos definidos e orientados por pessoas”, disse, durante sua apresentação.

Da mesma maneira, o e-mail marketing precisa estar alinhado à experiência de compra que as firmas buscam proporcionar. “O e-mail marketing representa 30% da receita dos grandes varejistas, mas um e-mail marketing equivocado faz o cliente sentir que a empresa não o conhece”, afirmou o gerente de marketing da Locaweb, Welington Souza. “Precisamos agir de forma transacional e multicanal, identificar comportamentos como abandono de carrinho e de navegação; e ter a informação do cliente centralizada, para começar a impactá-lo em qualquer canal”.

Plataformas digitais, integração e Internet das Coisas

De nada adianta ter canais de atendimento que funcionem bem se a experiência final do cliente não for efetivamente prazerosa, dizem os especialistas. “A experiência omnichannel deve ser intuitiva, personalizada, mas é preciso também que ela efetivamente resolva a questão proposta pelo cliente, disse o diretor de pré-vendas de Soluções Digitais da Embratel, Paulo Venâncio Marcelino.

A Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) e sua presença no País também foi destacada pelos palestrantes presentes. Até 2020, 20 bilhões de “coisas” estarão conectadas no planeta – número muito superior ao de pessoas. “Para que a Internet das Coisas seja um elemento, de fato, de transformação, uma solução IoT precisa de coisas conectadas (sensor de temperatura e sensor de quantidade de pessoas, por exemplo) que estarão ligadas a um gateway, uma plataforma que organiza tudo para que os negócios possam se aproveitar dessas decisões. Assim, seu negócio soluciona um problema específico e você gera um novo valor”, comentou o vice-presidente de Negócios para o segmento de microempresas da Totvs, Eros Jantsch.

No Brasil, 37% dos entrevistados em pesquisa conduzida pela Localis em 2017 afirmaram que IoT é importante nos seus negócios. Além disso, 18% dos pesquisados já adotaram e 19% estão adotando processos da Internet das Coisas. “O agronegócio é um dos setores que mais usam esse tipo de tecnologia e 14% dos empresários do comércio afirmam que adotam IoT. O comércio tem muito a se beneficiar do uso da Internet das Coisas, mas ele precisa começar a de fato fazer”, observou o diretor de Tecnologia da Logicalis, Lucas Pinz.

Tags, , , , , , , , , , ,

Black Friday movimenta R$ 2,48 bi no comércio eletrônico, aponta ABComm; Varejo físico vê alta no fluxo

A Black Friday, realizada na última sexta-feira, 24, movimentou R$ 2,48 bilhões nas lojas virtuais do País. É o que avalia a Associaçao Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). De acordo com a entidade, esse montante representa um crescimento de 16% quando comparado com a mesma data do ano passado.

A ABComm considerou as lojas virtuais e também os marketplaces dentro do período de 20 a 24 de novembro. No total foram realizados 10 milhões de pedidos, com um tíquete médio de R$ 246. Dentre os produtos mais buscados na data estiveram Informática, Celulares, Eletrônicos, além de Moda e Casa e Decoração.

De acordo com Mauricio Salvador, presidente da ABComm, esse resultado demonstra que a Black Friday está cada vez mais consolidada no Brasil. “Como esperado, muitos consumidores se prepararam para aproveitar as promoções do período, bem como os lojistas virtuais”, afirma.

Outros players do comércio eletrônico também sentiram os impactos positivos na data. A Tatix, empresa especializada em gestão completa (full service) de comércio eletrônico, observou um crescimento médio de 20% dentro da sua carteira de clientes. A companhia opera as lojas virtuais de grandes marcas do varejo, como Pernambucanas, Som Livre, Glamour, Giga Barato, entre outras.

De acordo com Luis Fernando Miller, sócio-diretor da Tatix, o Volume Bruto de Vendas (Gross Merchandise Volume, na sigla em inglês), indicador que mede vendas próprias de mercadorias e vendas de terceiros, foi de cerca de R$ 10 milhões no fim de semana da Black Friday. De acordo com ele, o destaque foi a categoria Moda. “Assim como esperado pelo mercado, os números registrados foram bastante expressivos”, afirma o executivo.

Varejo físico apresenta alta no fluxo

O varejo tradicional, que vem aderindo com mais intensidade às promoções da Black Friday, também observou crescimento na movimentação de consumidores. O fluxo nos shopping centers do País cresceu 8,13% no dia do evento em relação ao ano anterior, segundo o Índice de Visitantes em Shopping Centers (IVSC), realizado pela ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers) em parceria com a FX Retail Analytics, empresa especializada no monitoramento de fluxo de visitantes para o varejo.

“Realidade no e-commerce, os números mostram que a Black Friday está se consolidando no mundo físico, com um aumento proporcionado não só pelas ofertas dos varejistas, mas também por lanchonetes, restaurantes e boutiques de doces, que também aderiram ao movimento”, afirma Walter Sabini Junior, sócio-fundador da FX Retail Analytics.

Recuperação de compras

Os lojistas virtuais também recuperaram uma grande quantia de compras que então seriam alvo de desistência pelos consumidores. De acordo com dados da Linx+ShopBack, empresa especializada na recuperação de clientes por meio de abordagens inteligentes baseadas em Big Data, 806 lojas virtuais recuperaram R$ 121 milhões entre a noite de quinta-feira (23) até o final da sexta (24) com ações direcionadas.

Ainda de acordo com informações da empresa, esse valor representa mais de 283 mil novos pedidos realizados após uma primeira desistência, com tíquete médio de R$ 427. As ações que mais resultaram em recuperação de clientes foram por e-mail, com 29%, seguidas por notificações push, com 26% e por overlays inteligentes (mensagens que aparecem na própria página antes do abandono), com 19% de recuperação. Os segmentos que mais resgataram vendas por esse modelo foram: Eletrodomésticos, Eletrônicos, Moda e Acessórios e Viagens.

“Ferramentas inteligentes, capazes de abordar os consumidores de forma assertiva, se tornam ainda mais importantes durante a Black Friday, diante da enorme concorrência e da necessidade de um rápido tempo de resposta”, afirma Isaac Ezra, CEO da ShopBack. “O desafio é engajar o consumidor por meio de ofertas relevantes em tempo real, e isso só é possível com o uso da inteligência dos dados”, ressalta.

Tags, , , , , , , , , , , , , , ,