Tag pagamentos

Segurança nas transações financeiras com o PIX

Por Marco Aurélio Rodrigues, Diretor de Software e Serviços Profissionais da Diebold Nixdorf no Brasil

A Transformação Digital já é uma realidade para muitas organizações e isso não seria diferente para os bancos. Antes mesmo da pandemia causada pelo COVID-19, as atividades bancárias ao redor do mundo buscavam formas de otimizar a jornada de seus usuários com o uso de tecnologias como reconhecimento facial, acesso a caixas eletrônicos sem cartão, aplicativos com biometria, assistentes virtuais e aplicativos para dispositivos móveis.

No Brasil, a atual expectativa de inovação para os meios de pagamentos está atrelada ao lançamento do PIX pelo Banco Central, com entrada em operação anunciada para novembro. Com a promessa de ser o primeiro sistema brasileiro de transferências monetárias eletrônicas instantâneas, o PIX – ou Sistema de Pagamentos Instantâneos – visa substituir os procedimentos TED e DOC vigentes. Na prática, a ferramenta utiliza uma rede em funcionamento constante para agilizar transações como pagamentos e depósitos que, de acordo com as determinações do BC, agora precisarão estar disponíveis 24 horas por dia, inclusive em finais de semana e feriados. Além disso, a solução d eve reun ir uma gama maior de instituições financeiras, ampliando assim a quantidade de serviços.

De fato, o PIX será uma revolução do modo como as pessoas utilizam os serviços bancários e de pagamento. Porém, da mesma maneira que pensamos as possibilidades promovidas pela ferramenta, é mandatório também nos preocuparmos com a segurança das operações desde o primeiro dia. Quando tratamos de um cenário altamente digital, os modelos mais convencionais de prevenção de fraudes podem acabar se tornando obsoletos rapidamente.

As instituições financeiras geralmente possuem recursos limitados para filtrar dados e identificar anomalias em seus sistemas on-line, por isso buscam parceiros experientes para ajudá-las a analisar e usufruir ao máximo do ambiente em rede, sem correr maiores riscos. O PIX oferece um ecossistema único e 100% conectado, de fácil acesso para usuários de dispositivos móveis, e necessitará de agilidade e adaptação para um gerenciamento efetivo da segurança.

Já existem no mercado modelos baseados em Inteligência Artificial e presentes em Nuvem que fornecem a melhor alternativa para as instituições, uma vez que promovem a automação e instantaneidade necessários para não prejudicar a experiência dos clientes, combatendo eventuais fraudes de forma centralizada e eficiente, resiliente a falhas e melhorando continuamente o tempo de resposta para possíveis anomalias.

As organizações ainda poderão aproveitar soluções com capacidade de efetuar a análise e o cruzamento de informações geradas por múltiplos canais e fontes de dados, identificando comportamentos suspeitos por meio do gerenciamento desses materiais. Assim, as ameaças podem ser mitigadas com antecedência, antes de se converterem em prejuízos ao usuário final. Além disso, é indicado que empresas do setor financeiro busquem plataformas centradas no cliente e na experiência do usuário, e orquestradas com chaves de segurança e regras de acesso exclusivas.

Para ter certeza de que a segurança está cobrindo os processos de ponta a ponta, é necessário realizar a checagem das informações, a análise comportamental de perfis e, ainda, contar com diferentes formas de autenticação. Essas medidas compõem uma abordagem assertiva de combate a fraudes que visa tornar as operações do PIX mais confiáveis e inteligentes.

Essa é a melhor maneira de aproveitar os benefícios proporcionados pela tecnologia para permitir que os clientes tenham uma experiência positiva e completa. As companhias que souberem realizar essa tarefa estarão um passo à frente dos concorrentes e, sem dúvida, em destaque no mercado.

Tags, , , , ,

Seis dúvidas mais comuns das pequenas e médias empresas a respeito do PIX

Esperar para receber o dinheiro no próximo dia útil ou pagar altas taxas para a utilização de um meio de pagamento – como boletos – sempre foram dores comuns para as empresas de todos os portes. A partir de novembro, porém, será possível fazer recebimentos dentro de apenas dez segundos, em qualquer dia da semana e a qualquer hora. Trata-se do PIX, novo sistema de pagamentos instantâneos operacionalizado pelo Banco Central.

“O PIX veio para mudar a forma como enxergamos os meios de pagamento. Por meio dele, tanto as pessoas físicas quanto as empresas poderão realizar transações de forma mais segura e inovadora, a custos muito mais baixos do que os meios utilizados até hoje”, afirma Luiz Paulo, diretor-executivo da NTW Contabilidade e Gestão Empresarial.

Luiz Paulo listou às seis principais dúvidas dos pequenos e médios empresários sobre como o PIX pode melhorar os processos e as transações dentro das organizações:

1 – Existem intermediários nesta modalidade de pagamentos?

Não. Pelo PIX, os pagamentos ocorrem diretamente entre pagador e recebedor. Por isso, eles são muito mais vantajosos do que os tradicionais boletos, por exemplo. Os intermediários, além de encarecerem as transações, as tornam mais demoradas. “Vale lembrar que a instantaneidade é uma das principais vantagens do PIX”, afirma Luiz Paulo.

2 – Preciso fazer o cadastro em vários bancos?

Segundo o especialista, o recomendado é cadastrar-se no banco que a empresa mais utiliza. Vale avaliar em qual banco o dinheiro rende mais, e também considerar o aplicativo mais intuitivo e menos burocrático. Luiz Paulo lembra que é possível cadastrar até cinco chaves, sendo dois e-mails, dois números de telefone, CPF e CNPJ. “Caso deseje trocar o banco, é possível fazer a portabilidade”, esclarece ele.

3 – O PIX substituirá a função do cartão de débito?

Esta será uma das suas funções, já que ele permite fazer pagamentos pelo celular por meio de um QR Code. “A partir de novembro, inclusive, empresas poderão usar apenas um código para receber via diferentes meios de pagamento, incluindo o PIX. Além de facilitar o processo, isso revoluciona: o cliente não precisará mais andar com uma carteira cheia de cartões”, avalia. Já o cartão de crédito deve permanecer firme por um bom tempo, já que o PIX não oferece a possibilidade de parcelamento das compras.

4 – Como serão revertidas as transações equivocadas?

Este ainda é um ponto nebuloso. Os bancos ainda verificam como deverão proceder, mas de qualquer forma o PIX requer mais cuidado e atenção na hora de conferir os dados. “Por enquanto, depois de confirmada a transação, o dinheiro só retorna se a pessoa que recebê-lo quiser devolver”, alerta o especialista.

5 – O PIX vai expor as movimentações para a Receita Federal?

Como se trata de um sistema centralizado no Banco Central, ficará cada vez mais fácil para os órgãos reguladores descobrirem as movimentações das pessoas físicas e jurídicas. “Quando a Receita encontra indícios de irregularidade em um CPF, automaticamente o status do documento já muda para pendente ou pendente de regularização. Com o PIX, isso pode ocorrer mais facilmente”, avalia Luiz Paulo.

6 – Existe a possibilidade de o PIX ser utilizado para recolhimento automático de impostos?

Sim, isso pode acontecer no futuro, tanto para as pessoas físicas quanto para as jurídicas, já que o governo conhecerá minuciosamente sua movimentação. Já imaginou nunca mais necessitar fazer a declaração do imposto de renda? Este dia pode estar mais perto do que se imagina.

Tags, , , ,

Pix vai acelerar a adesão do QR Code no Brasil

Por Rodrigo Petroni


A pandemia do novo coronavírus tem acelerado a adesão de novos meios de pagamentos no país. Se por um lado os brasileiros têm usado o dinheiro físico com menos frequência para evitar que alguma cédula contaminada toque as mãos, dando espaço para os pagamentos por aproximação, por exemplo, por outro, em decorrência das dezenas de shows digitais que estão sendo transmitidos ao vivo pelo Youtube nessa quarentena, a sociedade passou a criar uma certa familiaridade com o QR Code e as carteiras digitais, que realizam transações financeiras com praticidade, agilidade e segurança.


Com a chegada do Pix, ferramenta de pagamentos instantâneos do Banco Central do Brasil (Bacen) marcada para novembro, o mercado financeiro vai passar por uma mudança ainda mais significativa, já que o sistema vai permitir que pagadores e recebedores movimentem o seu dinheiro online para toda e qualquer entidade, empresa e pessoa física cadastrada em até dez segundos, 24 horas por dia, sete dias da semana – inclusive feriados – e com baixo custo. Esse método de pagamento exigirá apenas dados como o telefone, e-mail, CPF ou CNPJ do destinatário ou a leitura de QR Codes pelos smartphones.


Como os novos métodos de pagamentos dependem apenas de um dispositivo móvel, acredito que a inclusão financeira será o próximo efeito da Covid-19 por aqui. E já existem dados que vão na direção do meu pensamento: de acordo com um estudo sobre m-Commerce e m-Payment feita pelo Panorama Mobile/Opinion Box – conjunto de pesquisas periódicas sobre hábitos dos brasileiros no consumo de conteúdos e serviços móveis – em agosto, o número de pessoas que realizaram compras ou pagamentos via celular aumentou de 85% para 91% entre aqueles que acessam a internet pelo aparelho.


O levantamento citado também apurou que, em relação aos meios de pagamento, o QR Code foi utilizado por 48% dos consumidores, ou seja, o mobile payment deixou de ser uma promessa e hoje já é realidade. Faço ainda uma outra observação: tendo em vista que o pagamento por QR Code não exige smartphones caros, a tendência é que ocorra uma grande inserção do público de baixa renda nas operações, uma vez que a quantidade de fintechs que oferecerem esse tipo de pagamento ao custo muito inferior, é enorme.


Vejo que a mobilidade urbana precisa se modernizar e acompanhar as tendências do mercado para poder evoluir. Oferecer novos métodos de pagamento nos ônibus, metrôs e CPTM é de fundamental importância. Atualmente, os usuários de transporte público perdem muito tempo em filas para compra ou recarga de bilhetes. Com a disseminação do pagamento por QR Code, os trabalhadores teriam mais facilidade no dia a dia e ganhariam tempo para se deslocar pela cidade. A tecnologia é uma solução mais democrática e atende a todos, sem distinção.


O nosso país conta com 45 milhões de pessoas que não mexem na conta bancária há mais de seis meses ou que optaram por não ter conta em banco, mas que movimentam cerca de R$ 800 bilhões anualmente, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles serão os grandes beneficiados dos métodos de pagamento que desburocratizam trâmites bancários e rompem barreiras. O Brasil estava precisando dessas mudanças para poder progredir. O caminho ainda é longo, mas demos o primeiro passo.

Tags, , , ,

QR Code: Os brasileiros estão prontos para esse novo modelo de pagamento?

Desde o começo do mês, usuários do Metrô e da CPTM se depararam com uma nova forma de comprar o bilhete único e liberar a catraca: uma espécie de código de barras em QR Code está equivalendo a uma passagem. O projeto-piloto vai até o dia 18 de outubro e foi implantado pela Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM) do governo do estado com a intenção de substituir, futuramente, a maior parte das compras de bilhete magnético unitário. Para Ralf Germer, CEO da PagBrasil – fintech brasileira líder no processamento de pagamentos para e-commerces ao redor do mundo – todas as iniciativas de empresas ou startups que envolvam QR Code são muito positivas, já que fazem as pessoas se acostumarem com a novidade.

“No Brasil o QR Code ainda não é muito utilizado e para que realmente funcione no país é preciso que o sistema de pagamentos instantâneos – que permitirá que transações financeiras sejam efetuadas imediatamente e sem restrições de datas e horários – esteja estabelecido no mercado. Em comparação com outros lugares do mundo, como a China, por exemplo, estamos atrasados, mas os brasileiros são abertos para novas tecnologias: elas podem funcionar muito bem daqui pra frente!”, explica.

Segundo Ralf Germer, as pessoas estão confundindo a compra do bilhete unitário em formato de QR Code com os pagamentos por aproximação, outro tema que está cada vez mais presente no nosso dia a dia. No entanto, ele explica que uma coisa não tem nada a ver com a outra.

“Dentro deste teste, os usuários que estão comprando o bilhete único com cartão de débito, por exemplo, recebem um comprovante em papel com o código QR Code e catracas específicas leem e caputuram o código, liberando a passagem. É um processo rápido, fácil e bastante cômodo. Os pagamentos por aproximação, por sua vez, têm a intenção de agilizar o processo de compra, mas para isso é preciso que as pessoas tenham um celular com funcionalidade NFC”, explica.

O passageiro pode comprar o QR Code de três formas: com cartão de débito (em totens instalados nas estações), com cartão de crédito (utilizando o aplicativo VouD) e ainda com dinheiro, nas bilheterias que participam do teste: metrô São Judas (Linha1-Azul), Paraíso (Linha 1-Azul e 2-Verde) e Pedro II (Linha3 – Vermelha) e da CPTM: Autódromo (Linha 9-Esmeralda), Tamanduateí (Linha 10-Turquesa), Dom Bosco (Linha 11-Coral) e Aeroporto-Guarulhos (Linha 13-Jade).

Tags, ,

IBM Blockchain World Wire, nova rede global de pagamentos, dará suporte a pagamentos e câmbio de moedas em mais de 50 países

A IBM (NYSE: IBM) anunciou durante o Money 20/20, em Singapura, que o IBM Blockchain World Wire, rede global de pagamentos em tempo real para instituições financeiras regulamentadas, está oficialmente disponível em um número crescente de mercados.

Projetado para otimizar e acelerar os serviços de câmbio e remessa de pagamentos internacionais, o World Wire é a primeira rede de blockchain a integrar serviços de mensagens e confirmações de pagamento, compensação e liquidação de ativos em uma única rede, além de possibilitar que os participantes escolham, de forma dinâmica, a oferta que melhor atenda sua necessidade para liquidação de ativos entre uma variedade de serviços digitais.

“Criamos um novo modelo de rede de pagamentos desenvolvido para acelerar a remessa e transformar a forma como realizamos pagamentos internacionais, facilitando a movimentação de dinheiro nas regiões mais necessitadas do mundo”, disse Marie Wieck, Gerente Geral de IBM Blockchain. “Ao criar uma rede na qual as instituições financeiras suportam múltiplos ativos digitais, esperamos impulsionar a inovação e melhorar a inclusão financeira em todo o mundo”.

Hoje, o IBM World Wire disponibiliza pagamentos em 72 países, em 47 moedas distintas de 44 instituições financeiras. Regulamentações locais continuarão a conduzir as ativações e a IBM estará, de forma constante e ativa, aumentando a rede com a adição de novas instituições financeiras globais.

A rede global de blockchain fornece um modelo direto para pagamentos entre países que utiliza o protocolo Stellar, que realiza transferências de dinheiro ponto-a-ponto em vez de utilizar o modelo bancário tradicional. Esse sistema reduz intermediários e permite que os usuários conduzam processos de liquidação financeira em apenas alguns segundos pela transmissão do valor monetário na forma de ativos digitais, por exemplo, como criptomoeda ou moeda estável. Esta abordagem aumenta a eficiência operacional e o gerenciamento de liquidez, simplificando a reconciliação de pagamentos e reduzindo os custos totais com transações para as instituições financeiras.

O World Wire já permite a liquidação utilizando Stellar Lumens em moeda estável baseada em dólar americano por meio da recém-anunciada colaboração entre IBM e Stronghold. Pendente de aprovações regulatórias e outras análises, seis bancos internacionais, entre eles Banco Bradesco, Bank Busan e Rizal Commercial Banking Corporation (RCBC), assinaram cartas de intenção para participar do projeto piloto no World Wire. A IBM irá continuamente expandir o ecossistema de liquidação de ativos de acordo com a demanda dos clientes.

“O Bradesco adota continuamente a inovação que aprimora a experiência de nossos clientes e melhora nossa eficiência”, diz Luca Cavalcanti, Diretor Executivo de Inovação e Canais Digitais do Bradesco. “A Rede World Wire endereça esses dois aspectos e, portanto, representa uma oportunidade para o Bradesco e seus clientes”.

“O RCBC está muito satisfeito em ser um dos primeiros a inovar com planos de emitir o Peso, nossa própria moeda estável, na Rede Global, pendente de aprovação final pelos nossos órgãos reguladores”, disse Manny T. Narciso, Primeiro Senior Vice-Presidente do RCBC. “Estamos focados na inovação que agrega valor para nossos clientes e a World Wire representa uma grande oportunidade para transformar e aprimorar nossa infraestrutura de pagamento”.

Atualmente, a World Wire está em produção limitada e disponível em um número crescente de países. Organizações interessadas podem obter mais informações em http://www.ibm.com/blockchain/solutions/world-wire.

Tags, , , ,

Cielo lança QR Code Pay

A partir de hoje, milhões de brasileiros que possuem celular com câmera poderão pagar suas compras nas máquinas da Cielo por meio da leitura de um QR Code direto na tela do terminal. Com o QR Code ™ Pay, fazer um pagamento passa a ser tão simples quanto tirar uma foto, tornando fluída e digital a experiência dos lojistas e dos consumidores, preservando o nível de excelência em segurança na transação, marca registrada da companhia.

“O pagamento por meio do QR Code ™ Pay é prático tanto para o varejista quanto para o consumidor. Não será mais preciso levar a carteira para almoçar, ir à academia, ou à balada, basta estar com o celular”, explica Danilo Caffaro, vice-presidente de Produtos, Novos Negócios, Marketing e Inovação da Cielo. “Estudamos profundamente e o potencial dessas transações, que são feitas hoje por meio tradicional, que poderiam ser feitas por meio desta solução, é 10 vezes maior do que as demais soluções”, complementa.

As premissas adotadas para viabilizar esse modelo de pagamento no Brasil foram: a inclusão digital, a escalabilidade e o acesso democrático à solução. A solução é amplamente inclusiva, pois não está limitada ao modelo de celular nem à opção de serviço que o consumidor utiliza. A nova modalidade de pagamento funciona em qualquer celular com câmera. Para se ter uma ideia desse potencial, são 220 milhões de unidades ativas de smartphones no país*.

“No Brasil temos mais smartphones do que pessoas. Por isso, na nossa indústria, muito se discute sobre a utilização de celulares como meio de pagamento e a adoção de novas tecnologias como QR Code, realidade massiva na China, por exemplo”, afirma Caffaro. “Desde o começo pensamos em fazer algo simples para o lojista e acessível para todo o ecossistema. Isso significa que qualquer parceiro que queira usufruir dos benefícios da solução e do seu potencial de escalabilidade pode ter a Cielo como viabilizadora dessa integração, uma vez que a nossa plataforma é aberta”, conclui”.

O QR Code ™ Pay, pagamento com celular por meio do QR Code, estará disponível em todo o parque de máquinas da Cielo até o fim do ano. Em breve, a solução será implantada também nas soluções de e-commerce, Pagamento in-App, TEF, Cielo Mobile, app Cielo, Cielo LIO, entre outros.

A solução agnóstica, desenvolvida com base em API, já nasce apta para uso por clientes do Bradesco e Banco do Brasil, além de parceiros como Agibank, a empresa de benefícios Alelo, o app de pagamentos PicPay e o programa de recompensas Livelo. A solução admite pagamentos feitos com cartões emitidos nas bandeiras Elo, Visa, Mastercard e American Express. Esse ecossistema é responsável por um público potencial de mais de 40 milhões de usuários para a solução.

Livelo

Para a Livelo, que é uma das principais empresas de recompensas do Brasil, a solução traz grande inovação, uma vez que os clientes terão a opção de usar seus pontos em estabelecimentos físicos. “Trabalhamos constantemente para diferenciar a Livelo e gerar valor para nossos clientes e parceiros. Fazemos isso garantindo liberdade de escolha ao dia a dia de nossos mais de 19 milhões de clientes, tanto para juntar como para trocar seus pontos. Com essa parceria junto a Cielo, estamos levando a recompensa com pontos Livelo a um novo patamar, ainda mais democrático, seguro, moderno e inovador”, destaca Marcelino Cruz, diretor de Relacionamento Comercial da Livelo.

Alelo

“Ao adotar o pagamento via QR Code, democratizamos o pagamento pelo celular. Com o Meu Alelo, que já está nas mãos de mais de 5,5 milhões de usuários dos nossos cartões, será possível fazer a compra rapidamente de forma simples e intuitiva. Significa mais uma solução que atende a necessidade dos nossos clientes e está acessível a qualquer modelo de celular que tenha câmera”, diz André Turquetto, diretor de Marketing & Produtos Alelo.

Agibank

“O Agibank é o único banco digital a oferecer uma solução inédita e disruptiva, com imediata abrangência nacional para nossos clientes ativos – que chegaram à marca de 1 milhão neste mês. Essa é apenas uma demonstração do que estamos desenvolvendo no nosso laboratório de inovações. Sempre alinhados ao nosso propósito de fazer o dia a dia das pessoas melhor, promovendo a inclusão financeira, podemos garantir que vem muito mais por aí”, Marciano Testa, Founder e CEO Agibank.

PicPay

“O PicPay é a maior carteira digital do Brasil e essa parceria permitirá que nossos mais de 9 milhões de usuários possam contar com novas oportunidades de pagamento e uso do aplicativo. Com uma maior presença nos estabelecimentos, projetamos transacionar R$ 10 bilhões nos próximos doze meses”, aponta o co-founder e CEO do PicPay, Anderson Chamon.

QR Code ™ Pay – Prático e Digital

A tecnologia traz benefícios para o varejo como um todo. Para o consumidor, por exemplo, não será mais necessário ter um cartão de plástico físico ou smartphone habilitado para efetuar uma transação. Basta abrir o app do parceiro ou a carteira digital no telefone, mirar a câmera no QR Code na máquina da Cielo, selecionar o cartão entre os cadastrados que quer pagar e pronto.

Do ponto de vista do lojista, nada muda no fluxo da transação. A Cielo realizará ações de treinamento e sinalização para a adoção da leitura do QR Code em suas máquinas, tornando o ato do pagamento ainda mais fluído. Todo o processo transacional similar a um pagamento usando o cartão físico, porém, ligeiramente mais ágil, sem necessidade de inseri-lo na máquina. Os serviços nos canais digitais de gestão da Cielo, utilizados para controle das vendas por meio da leitura do extrato, por exemplo, não mudam para o lojista.

Segurança – Toda a transação é autenticada. Isso significa que ela é confirmada pelo próprio usuário, por meio de biometria ou com a inserção da senha direto no aplicativo do parceiro. “Brevemente, esse será mais um diferencial das nossas soluções de e-commerce, já que um dos grandes problemas do lojista online hoje é o chargeback. Nessa solução, a transação é garantida e o lojista não é onerado”, confirma Caffaro.

App – Para quem não for usuário dos serviços dos parceiros e estiver interessado em utilizar, a Cielo também disponibiliza o aplicativo Cielo ID. Basta instalar o app no celular e cadastrar os cartões de crédito que quiser utilizar. O app Cielo ID está disponível nas lojas de apps Google Play e Apple Store.

* 29ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP)

Tags, , , , ,

Mundipagg amplia pacote de soluções digitais para aumentar conversão de vendas recorrentes e em dispositivos móveis

A plataforma de pagamentos Mundipagg está ampliando seu pacote de soluções para ajudar a aumentar o volume de vendas de seus clientes no ambiente online, principalmente por meio de dispositivos móveis. A empresa agora passa a oferecer os seguintes serviços: Apple Pay, Credit Card Updater e Zero Dollar Auth, sendo os dois últimos soluções de renovação automática de cartões e validação de cartões sem efetuar cobranças, respectivamente. Desta forma, o processo de compra fica mais simples, direto e transparente para o consumidor.

O crescimento de vendas por mobile tem sido expressivo e acelerado, considerando que em 2015 a participação dos dispositivos móveis foi de 12% e, em 2016, de 21,5%. De acordo com o mais recente relatório E-Commerce Radar, 31% das compras no ambiente online são feitas por meio de dispositivos móveis. Por outro lado, a taxa de conversão do mobile ainda é muito baixa, deixando clara a necessidade de novas soluções digitais para aumentar as vendas.

“A Mundipagg é uma empresa que tem a tecnologia como principal vetor de mudança da experiência de compra. A ideia é disponibilizarmos soluções digitais completas para que o consumidor possa usar o meio de pagamento que lhe convém e, com isso, gerar mais vendas para os lojistas via mobile”, diz João Barcellos, CEO da Mundipagg.

O Apple Pay permite, por exemplo, que os consumidores possam fazer compras rápidas sem a presença do cartão físico, adicionando previamente os dados do cartão de crédito no Iphone ou qualquer dispositivo Mac. Segundo levantamento recente da Apple, sua carteira digital tem potencial para atingir 1,2 milhão de pessoas no país, a tornando bastante atrativa para impulsionar negócios mobile.

No ambiente online, quando a data de validade de um cartão expira, compras recorrentes atreladas a ele são bloqueadas até o consumidor inserir os dados do novo cartão. Isso é muito comum, por exemplo, em e-commerces e aplicativos de assinaturas ou com sistema de compras com um clique. Com o Credit Card Updater, o cartão vencido será substituído automaticamente pelo cartão novo. Além da praticidade para o consumidor, que não precisará atualizar os dados manualmente, a Mundipagg prevê maior conversão de vendas para seus clientes.

Já com o Zero Dollar Auth, a Mundipagg deixará de efetuar a transação de validação de cartão com cobrança. Na forma antiga – ainda utilizada por boa parte do mercado – o consumidor recebia, durante a validação, uma notificação de cobrança simbólica, posteriormente estornada. Esse fluxo, algumas vezes, gerava confusão e insegurança com a compra. Com a nova funcionalidade, a validação é feita sem a necessidade de transacionar nenhum valor, trazendo mais confiança ao processo.

Tags, , , , , ,

Agibank PayCar transforma a placa do carro em uma conta bancária e revoluciona a forma de pagar por serviços

O Agibank, banco 100% digital, está lançando o Agibank PayCar – funcionalidade que oferece uma nova experiência em transações financeiras para seus clientes. A solução de pagamento para postos de gasolina, pedágios e estacionamentos conveniados ao Agibank utiliza a leitura da placa do automóvel antes da confirmação da operação – que pode ser realizada tanto por uma notificação de push no celular do cliente, quanto pelo reconhecimento facial, sem necessidade de sair do carro. A tecnologia já foi validada em testes piloto pelos laboratórios do Agibank, e está pronta para ir às ruas.

“Por meio de uma solução de IoT (Internet of Things) conectamos a placa do carro dos nossos usuários às suas contas digitais, utilizando a tecnologia de OCR (Optical Character Recognition). O cadastro da conta digital combinado ao segundo fator de autenticação – pelo app ou pelo reconhecimento facial – garante total segurança aos nossos clientes”, explica Marciano Testa, Fundador e CEO do Agibank.

O Agibank PayCar está integrado ao aplicativo do banco, o que permite o débito em conta do cliente e crédito na conta do posto parceiro de forma rápida e transparente. “A solução utiliza IoT nos estabelecimentos auditados por geolocalização e demais camadas de controles de segurança.As tecnologias de reconhecimento de imagens através de OCR operam em conjunto com Machine Learning, sendo ambos os serviços em nuvem”, detalha o CIO do Agibank, Fernando Castro. “No futuro, qualquer eletrodoméstico poderá ter sua conta própria no Agibank, enquanto o cliente apenas aprova as transações de maneira rápida e simples”, projeta Castro.

100% Digital e crédito imediato

O Agibank é um banco 100% digital fundado e liderado por Marciano Testa. Seu propósito é fazer o dia a dia das pessoas melhor, proporcionando a inclusão financeira para milhões de pessoas que não se sentem representadas pelo modelo bancário atual. Primeira e única instituição financeira do mundo a transformar o número do celular no número da conta corrente do cliente, permite que qualquer pessoa com um smartphone se torne correntista Agibank – uma inovação que facilita a usabilidade e conectividade com milhões de pessoas para pagamentos P2P. A possibilidade de enviar dinheiro com a facilidade de se enviar uma mensagem fez com que fosse considerado o “WhatsApp dos bancos”.

Único banco em que o cliente recebe uma oferta de crédito online já na abertura da conta, o Agibank mostra sede por desafiar o estabelecido e construir o que é visto como impossível. Com seu mindset jovem e cultura de startup, desenvolveu o próprio método de transformação digital, o ASA – Agile Scale Agibank – e utiliza o mais moderno conceito de arquitetura de tecnologia omnichannel and open API, que possibilita escalabilidade com baixos custos de infraestrutura. Além disso, a plataforma permite que o cliente acesse os serviços de maneira completa por diversos pontos de contato – aplicativo, terminais de autoatendimento, internet banking e pontos de experiência.

O aplicativo de conta corrente está disponível gratuitamente no sistema Google Android e Apple iOS. Não há a cobrança da taxa de manutenção de conta, tão comum nos bancos tradicionais. Além da sua plataforma digital, o Agibank tem presença em todo o país. Sua estratégia de atuação é omnichannel, com 575 pontos físicos de atendimento em mais de 440 municípios, em todos estados da Federação. Reportando um lucro líquido de R$ 110 milhões no primeiro semestre de 2018, o banco oferece operações de crédito, serviços de conta corrente, cartões, investimentos, consórcios, seguros e meios de pagamento para mais de 1 milhão de clientes.

Tags, , , , ,

Brasileiros querem pagar com WhatsApp, aponta pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box

Acaba de sair a nova pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel, onde pouco mais da metade dos usuários brasileiros de WhatsApp (53%) manifestaram que gostariam de usar o aplicativo de mensagens para realizar pagamentos e transferências bancárias. O número representa aproximadamente 50 milhões de pessoas, cruzando com dados do IBGE e da pesquisa TIC Domicílios e considerando apenas aqueles com 16 anos ou mais de idade.

Foram entrevistados em julho 1.984 brasileiros que acessam a Internet e possuem telefone celular, sendo que a pesquisa tem validade estatística, com grau de confiança de 95% e margem de erro de 2,2 pontos percentuais. A pesquisa contou com o patrocínio da Infobip.

Dentro do grupo que deseja a nova funcionalidade, 44% gostariam que o serviço de pagamento via WhatsApp fosse feito a partir de uma conta bancária virtual criada dentro do próprio app de mensageria. 37% optariam por associar ao WhatsApp sua conta bancária atual. E 19% achariam melhor associar seu cartão de crédito ao aplicativo.

“Embora a pesquisa não tenha apurado quanto os brasileiros estariam dispostos a pagar por esse serviço, nem qual seria o modelo de negócios mais aderente, os resultados indicam um interesse bastante grande e uma oportunidade para o WhatsApp de não apenas se conectar aos bancos, mas de oferecer um serviço próprio de conta virtual. O potencial é enorme”, comenta Fernando Paiva, editor do Mobile Time e coordenador da pesquisa.

Paiva cita modelos usados nos países do Oriente para justificar sua avaliação: “naquela região, os aplicativos de mensageria viraram “super-apps”, dentro dos quais se consegue fazer quase tudo, desde pedir um táxi até encomendar uma pizza, assim como realizar pagamentos e transferências de valores. O exemplo mais notório é do chinês WeChat, que utiliza um sistema de QR codes para a identificação dos usuários e através do qual são feitos os pagamentos”.

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel reafirma a liderança do WhatsApp como o aplicativo de mensagens preferido. Quase a totalidade dos usuários (97%) dos internautas brasileiros com smartphone possuem o WhatsApp instalado e 98% deles abrem o app todo dia ou quase todo dia. “Há alguns meses, o WhatsApp começou a testar uma solução própria de pagamentos na Índia, seu maior mercado no mundo. O Brasil é o seu segundo maior mercado, mas ainda não há previsão de quando o serviço será testado por aqui”, afirma Fernando Paiva.

Outras descobertas do Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel

SMS registra aumento no A2P

O SMS mantém forte utilização entre muitos serviços, desde alertas sobre transações realizadas com cartões até , cobrança. Esta nova edição do Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel apurou que o uso do SMS no Brasil registrou pequeno aumento na sua utilização para a comunicação entre marcas e consumidores, o chamado A2P (Application to Peer).

Ele se reflete em um aumento na proporção de internautas brasileiros que declaram receber SMS todo dia ou quase todo dia, que subiu de 51% para 54% em seis meses, enquanto a proporção que envia SMS todo dia ou quase todo dia permaneceu estável em 25%.

O SMS continua tendo como vantagem sobre o WhatsApp ou qualquer outro app de mensageria o fato de ser universal, ou seja, de funcionar em qualquer celular, mesmo aqueles mais básicos. Além disso, não precisa de conexão com a Internet. Sua universalidade e disponibilidade fazem dele uma opção segura para a entrega de mensagens emergenciais.

Contato mais próximo com as marcas e promoções

A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel também apurou que a utilidade mais comum em todos os mensageiros é conversar com as marcas para tirar dúvidas ou pedir informações. Por esta razão, os apps de mensageria tendem a receber parte do tráfego destinado aos tradicionais SACs das companhias.

Entre janeiro e julho deste ano, ou seja, na comparação com a edição anterior desta pesquisa, houve um aumento significativo do uso de apps de mensagens como canais de relacionamento entre marcas e consumidores no Brasil. No WhatsApp, a proporção de usuários ativos mensais (MAUs) que conversam com marcas dentro do app passou de 55% para 63% em seis meses. No Facebook Messenger, de 51% para 57%. E no Telegram, de 48% para 55%. A explicação pode estar na gradual popularização dos chatbots (robôs de conversação) nessas três plataformas, assim como no desbravamento desse mercado por grandes marcas do varejo e de serviços como telecomunicações e TV por assinatura.

Nesta edição da pesquisa houve um aumento de utilização dos três mensageiros monitorados para o recebimento de promoções. No WhatsApp, subiu de 53% para 60% os usuários que recebem mensagens promocionais pelo app. No Facebook Messenger o aumento também foi de sete pontos percentuais, passando de 46% para 53%. E no Telegram, subiu de 48% para 54%. Ao mesmo tempo, a resistência do consumidor brasileiro em se comunicar com marcas através de apps de mensagens diminuiu nos três mensageiros em seis meses.

Para baixar a pesquisa: http://panoramamobiletime.com.br/

Tags, , , ,

Beblüe lança cartão de crédito gratuito 100% digital

A Beblüe, fintech brasileira de pagamentos, que permite ao consumidor aumentar seu poder de consumo por meio de recompensa em cashback, acaba de lançar seu cartão de crédito 100% digital. Sem plástico e sem tarifas, é a primeira solução gratuita de cartão no Brasil que possui um programa de fidelidade e recompensa atrelado.

Além da conveniência e praticidade, o novo cartão permite ao consumidor acesso rápido ao crédito extra, disponibilizado direto no aplicativo e irá garantir o maior nível de retorno de recompensa do mercado, que pode chegar a 30% de cashback ou até 20 pontos/milhas por dólar gasto. Os benefícios estendem-se ao estabelecimento credenciado, uma vez que o cartão fomenta o consumo na própria rede credenciada. Inicialmente, o cartão será aceito apenas em estabelecimentos parceiros.

Por se tratar de uma opção sem cartão plástico, o consumidor se torna livre para comprar sem depender de carteira ou celular. Tudo que ele precisa é digitar na maquininha de cartão seu CPF e senha de 4 dígitos criada no próprio aplicativo. Não depender de um dispositivo celular também é um importante avanço, já que a limitação de internet e bateria são ainda um obstáculo.

“Nossos planos são expandir as funcionalidades do cartão nos próximos meses, aumentar o poder de consumo dos usuários por meio do crédito e da recompensa e, também, permitir aos comerciantes promoverem suas vendas. A união com uma instituição financeira sólida como a que fizemos recentemente é fundamental para atingirmos esses objetivos”, afirma Daniel Abbud, cofundador e CEO da Beblüe.

Após campanha de lançamento feita em redes sociais, em que a Beblüe anunciou o lançamento do produto, a lista de espera superou a marca de 1 milhão de pessoas. Nessa primeira fase serão selecionadas apenas 20 mil usuários para testar a experiência do cartão digital Beblue. Em poucas semanas será estendido acesso para um maior número de pessoas.

Próximos passos

A intenção da Beblüe é oferecer uma solução híbrida, unificando as funções pré-pago (como um cartão de débito) e pós-pago em um mesmo produto.

“Acreditamos que o futuro do crédito é mobile. Os cartões tradicionais serão substituídos por apps que colocam os consumidores no centro de tudo, permitindo controlar melhor seus gastos e ajudando os portadores a usarem seu crédito de forma simples, garantindo uma experiência mais conveniente e transparente, sem taxas e custos escondidos, além de mais segurança. Nós estamos muito animados com as possibilidades desse novo cenário agregado à recompensa, que já é uma tendência mundial”, finaliza Daniel M. Gava, também cofundador da Beblue.

Tags, , , , , ,

Nexxera, Visa e Adiq simplificam pagamentos de contas e boletos

Nexxera, Visa e Adiq lançam hoje o “Pague suas contas”, um chatbot que permite o pagamento de boletos referentes a suas contas de consumo com cartão de crédito de maneira inovadora. Com a solução, portadores de cartões Visa poderão pagar suas contas de consumo em diferentes segmentos – utilities (luz e água), governos, educação, condomínios, seguros e saúde – usando o Facebook Messenger, dispensando assim à ida a bancos ou casas lotéricas, ou, ainda, a digitação do código de barras na internet. Inicialmente, a nova solução de pagamento estará disponível exclusivamente na Grande Florianópolis, em fase piloto.

Seu funcionamento é simples. O consumidor pode usar o QR code ou o código de barras disponíveis em sua conta para acessar o chatbot ou simplesmente “chamar” o perfil “Pague suas contas” no Messenger.

Após o consumidor digitar o CPF e confirmar outros dados pessoais, o bot identifica as contas associadas ao seu nome e permite realizar o pagamento dentro do próprio Messenger do Facebook, por meio do Visa Checkout.

“O Grupo Nexxera, focado nas facilidades ao usuário, investiu para a entrada das empresas geradoras de contas de consumo neste modelo, dispensando que elas tivessem que realizar mudanças em suas atuais plataformas. Isso é possível em razão dos serviços da Nexxera – que oferecem o motor de pagamento transformando os atuais modelos para uso de cartão com conciliação necessária para o controle do pagamento. Acreditamos numa forte expansão do modelo e na base de usuários”, afirma Edson Silva, Presidente do Grupo Nexxera.

A solução foi desenvolvida com base em APIs plugadas diretamente nos sites de empresas, como condomínios e escolas. Já estão aptas para pagamento faturas da Casan, Celesc, Condomínios administrados pela Embracon, IPTU Florianópolis e o Sinepe – Sindicato de Escolas Particulares de Santa Catarina, representado pelo Colégio Antônio Peixoto. O serviço não tem custo de instalação.

“Utilizamos a metodologia centrada no ser humano para lançar soluções que atendem as necessidades das pessoas. Em meio a transformação digital, o chatbot ‘Pague suas contas’ oferece conveniência e tempo aos consumidores ao reunir as contas em um canal digital e programar seus pagamentos de forma segura”, conta Eduardo Abreu, vice presidente de Desenvolvimento de Negócios da Visa do Brasil.

O projeto conta com a empresa de adquirência do BS2, Adiq, para processar os pagamentos. “Desenvolvemos o projeto junto com a Nexxera e Visa, buscando criar algo inovador e que gere valor para as pessoas, simplificando a vida delas e poupando tempo. Investimos na preparação do nosso o ambiente tecnológico para permitir a união dos sistemas, possibilitando o processamento das transações financeiras e fazendo com que seja possível que o cartão de crédito tenha esta nova funcionalidade”, explica Renata Pentagna Guimarães Martini, vice-presidente executiva do BS2.

Para as empresas geradoras de contas de consumo, trata-se de um novo paradigma que permite competir com custos competitivos com o boleto, além de permitir que seu cliente possa pagar suas contas com mais facilidade, segurança e, ainda, acumular pontos ou milhas em seu cartão, conforme o caso. A solução agrega valor às marcas, diminui a inadimplência – pela possibilidade de o consumidor optar por colocar sua conta em recorrência no cartão – e permite a abertura de novos canais de comunicação para pagamento.

Já para o consumidor, trata-se de uma solução simples, conveniente e que oferece a possibilidade de concentrar a maior quantidade de contas em um único canal, caso seja essa a preferência. Pagar estas contas de consumo com o cartão também possibilita uma flexibilidade maior, com a oportunidade de acúmulo de pontos e milhas, quando assim disponíveis pelo emissor do cartão.

O “Pague suas contas” já está online para os cidadãos de Florianópolis e deve começar sua expansão para outras cidades do Brasil ainda neste semestre. Para acessá-lo, basta clicar nesse link.

Tags, , , , , ,

Pagar.me lança link de pagamentos para vendas pelas redes sociais

A partir de agora, o Pagar.me, empresa de tecnologia de pagamentos online, oferece ao varejo mais uma funcionalidade para aumentar as vendas em canais digitais. A companhia acaba de lançar o Link de Pagamentos, facilitando o envio de uma cobrança por e-mail ou chat de redes sociais, como WhatsApp e Instagram. Além de facilitar as vendas em canais alternativos, a ferramenta proporciona uma nova, prática e segura experiência de compra aos consumidores.

Ao receber o link, o consumidor acessa direto a página para finalização da sua compra por meio de boletos ou cartões de crédito. Assim, o pagamento por link segue a lógica da conveniência para o comprador e aumenta as chances de conclusão de uma compra para os lojistas. “O link é uma ferramenta, que aproxima o consumidor da compra, aumentando o número de vendas”, diz Alessandra Giner, diretora do Pagar.me.

A solução também ajuda na criação de estratégias para recuperação de vendas que não foram finalizadas. Ou seja, é possível enviar o link junto a campanhas de vendas que utilizem dados de carrinhos abandonados ou wishlists, por exemplo, para que o consumidor conclua o pagamento. O link pode ser compartilhado pelas redes sociais, como o Facebook, SMS, e-mail ou qualquer outro canal de contato direto com o consumidor.

Outra possibilidade que o Link de Pagamentos impulsiona é a criação de promoções relâmpago, algo muito utilizado para descontos em datas comemorativas como Dia do Amigo e Dia dos Pais, ou para queimar o estoque de algum produto, por exemplo. Para controlar a procura de acordo com estoque e capacidade de entrega, o lojista pode configurar a expiração do link com o prazo e a quantidade máxima de pedidos desejados. Assim, basta divulgar a promoção nas redes sociais ou outros canais com o link do checkout e levar o consumidor direto para a finalização da compra.

A ferramenta é mais uma alternativa de pagamento adequada às vendas de diversos segmentos, como, por exemplo, varejo de moda, delivery de alimentos e agências de turismo. Esses negócios costumam oferecer a venda em diversos canais, mas, ao transferir o pagamento para o e-commerce, acabam perdendo muitos consumidores durante o processo de compra pelo carrinho. “Em outros casos, os lojistas precisam solicitar os dados do cartão por e-mail e telefone para fazer venda digitada ou recorrer a transferências e depósitos informais, o que afasta muitos compradores por insegurança”, completa Alessandra Giner.

Neste primeiro momento, a funcionalidade estará disponível para empresas com CNPJ e que possuem e-commerce.

Tags, , , , , ,