Tag mobilidade corporativa

Segunda edição do WeMuv Summit abordará futuro da mobilidade corporativa

No dia 28 de novembro, acontecerá a segunda edição de um dos maiores eventos de mobilidade corporativa de São Paulo, o WeMuv Summit. O principal objetivo será discutir o futuro da mobilidade e como as empresas estão auxiliando nessas mudanças atualmente. Serão dez horas de conteúdos exclusivos sobre locomoção corporativa e tendências tecnológicas no Instituto Tomie Ohtake.

Estudos apontam que os aplicativos de compartilhamento de carros e caronas, delivery, organização de rotas, entre outros, estão causando grande impacto na escolha das pessoas na hora de se locomover. Segundo a Kantar TNS, uma multinacional de pesquisa responsável por estudos automotivo e de mobilidade urbana, 75% das pessoas nas cidades estão usando apps para organizar ou orientar seu trajeto. Em São Paulo, o número de motoristas caiu 37% em comparação há seis meses. No Rio de Janeiro, diminuiu em 36%.

A União Internacional dos Transportes Públicos (UITP) realizou simulações nas capitais de países europeus que mostraram que a combinação de transporte público de alta capacidade e o compartilhamento de carros e caronas poderia remover até 65 de cada 100 carros nos horários de pico. Para falar sobre esse futuro cada vez mais próximo, o evento reunirá grandes nomes do setor, como Fábio Rabelo, head de digital e novos modelos da Volkswagen. Além das palestras, também acontecerá uma feira de negócios com stands das empresas, como Movida e Easy Carros, oferecendo experiências de mobilidade para o público que poderão ser vivenciadas durante o evento.

“Acreditamos que empresas e pessoas podem criar um futuro sem trânsito. Essa mudança já vem acontecendo gradativamente, por isso os eventos sobre mobilidade são importantes e precisam ser realizados. O WeMuv Summit vai reunir as empresas que definirão o futuro da mobilidade para debater todos os pontos dessa nova realidade”, disse Fernando Saddi, CEO da Easy Carros, uma das empresas apoiadoras do evento.

Algumas plataformas como de serviços de transporte, delivery, aluguel de carros e helicópteros, e compra de veículos estarão presentes para comentar sobre temas de inovação e mobilidade, como Flávio Tavares (Instituto PARAR), Fernando Saddi (Easy Carros), Carolline Volpato (WeMuv), Fernando Miranda (Webmotors), Maximiliano Fernandes (Ticket Log), Mariana Avezum (WARR Hyperloop), Sylvio de Barros (iCarros), Diego van Dyk (Voom), Marcos Valillo (Pointer), Renato Franklin (Movida), Felix Cardamone (ConectCar), entre outros.

Agenda do evento:

8h – Credenciamento & Welcome Coffee

9h – Abertura: O agora, o amanhã e o futuro da mobilidade!

9h20 – Palestra: Como a inovação em mobilidade transformou minha empresa”

10h10 – Coffee Break & Network

10h40 – Painel: Novos negócios de mobilidade – o que as empresas estão fazendo hoje

11h25 – Palestra: Mobilidade, tecnologia e propósito – qual será o futuro?

12h – Almoço

14h – Painel: O que as empresas estão planejando para os próximos 5 anos

14h45 – Palestra: Carros autônomos: como e quando irão mudar a indústria

15h45 – Painel: Como preparar minha empresa para o futuro da mobilidade

16h30 – Coffee Break & Network

17h – Palestra: Ecossistema WeMuv

17h20 – TEDx: 2040 por millennials – como será o futuro da mobilidade?

17h50 – Palestra: Reflexão sobre o consumidor digital de uma indústria em transformação: mobilidade x prazer de dirigir

18h – Happy Hour & Network

Local: Instituto Tomie Ohtake – Av. Brg. Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo – SP, 05426-100

Mais informações e ingressos, podem ser encontrados aqui.

Tags, , ,

Samsung anuncia parceria estratégica com a Microsoft no mercado de mobilidade empresarial

A Samsung Electronics Co. Ltd. anunciou, no Mobile World Congress, uma parceria estratégica com a Microsoft, que aumentará o poder de mobilidade dos profissionais e dará suporte à desejada transformação dos negócios através da tecnologia digital. Com essa parceria, a Samsung e a Microsoft colocarão à disposição dos profissionais a tecnologia líder para que eles trabalhem de qualquer lugar e a qualquer momento, por meio da integração do melhor dos hardwares, softwares, soluções e serviços das empresas.

Trabalhando em estreita colaboração no projeto e na engenharia do produto, a Samsung e a Microsoft sentem-se felizes em apresentar o novo Galaxy Book, um dispositivo premium 2 em 1 pensado para o cliente corporativo de tecnologia móvel. Equipado com plataforma Microsoft Windows 10, o Samsung Galaxy Book oferece acesso fácil à experiência completa do Microsoft Office em um design ultraportátil 2 em 1, que proporciona uma incomparável produtividade ao profissional que precisa se deslocar.

Disponível em modelos de 10,6 e de 12 polegadas, o Samsung Galaxy Book é leve e conta com a última palavra em portabilidade, pois o usuário pode levá-lo facilmente aonde quer que esteja indo. O Galaxy Book traz o melhor desempenho de nível empresarial com um processador Intel® Core™ i5 de 7ª Geração, Dual Core de 3.1GHz para a versão de 12 polegadas, e um processador Intel® Core™ m3, Dual Core de 2.6GHz para a versão de 10,6 polegadas.

Criar experiências absolutamente integradas que permitam a comunicação simples e segura entre dispositivos é componente chave para uma transformação móvel bem-sucedida. A Samsung aprimorou o Samsung Flow com a Microsoft no Galaxy Book. O Samsung Flow permite que os clientes sincronizem seus smartphones Galaxy com o Galaxy Book para obter acesso prático e conexão Wi-Fi através do roteador do celular quando uma conexão de dados não estiver disponível. O aplicativo Samsung Flow se comunica com o Windows Hello para login e exibição de notificações de modo simples e seguro diretamente do smartphone.

“Acreditamos que a colaboração com parceiros chave como a Microsoft é essencial para a inovação, uma vez que compartilhamos nossa visão de construir a excelência na produtividade móvel”, disse Jeeho Baek, vice-presidente sênior do Grupo de Gestão de Produtos B2B na divisão de Comunicações Móveis da Samsung Electronics. “A mobilidade corporativa permite que as empresas expandam os limites com os quais operam e que os trabalhadores ganhem flexibilidade na maneira como trabalham. Junto à Microsoft, esperamos continuar a vencer os desafios que nossos clientes enfrentam, criando tecnologias flexíveis e seguras.”

“A Microsoft e a Samsung estão trabalhando juntas para oferecer experiências móveis inovadoras e que ajudem as organizações com a transformação digital. O Samsung Galaxy Book é um ótimo exemplo desse foco em ação”, disse Peter Han, vice-presidente de Dispositivos e Soluções para Parceiros da Microsoft. “O novo Galaxy Book da Samsung destaca os recursos digitais do Windows 10, como o Windows Ink, que proporciona aos funcionários a capacidade de conseguir mais, trabalhando de forma mais inteligente, portátil e segura.”

Com esta parceria, a Samsung e a Microsoft estão colocando as necessidades de seus clientes no topo de suas prioridades. Além de trazer uma nova solução de dispositivo e software, as empresas alinharam seus programas de marketing, parceiros e vendas em todo o mundo para oferecer uma experiência positiva de compra a seus clientes.

*Todas as funcionalidades, características, especificações e outras informações dos produtos apresentadas neste documento, incluindo benefícios, design, preço, componentes, desempenho, disponibilidade e funcionalidades estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

**Não há data de lançamento prevista para o Brasil.

Tags, ,

Startup de mobilidade corporativa recebe investimento de R$ 5 milhões

ced5be00-5e08-4f6a-80a0-bcf3594ef65d

A startup uMov.me, empresa de tecnologia desenvolvedora da primeira plataforma brasileira que permite a qualquer pessoa, mesmo sem experiência em programação, criar aplicativos móveis corporativos recebeu investimento do Fundo CVentures Primus, gerido pela CVentures em conjunto com a CRP Companhia de Participações. Com isto o Fundo passa a ter uma participação minoritária não divulgada na uMov.me, contando com um representante no Conselho de Administração cuja missão será implantar as melhores práticas de governança corporativa, além de suporte estratégico no projeto de crescimento da companhia.

O aporte, irá cobrir parte dos R$ 15 milhões que serão investidos nos próximos 36 meses com o objetivo, principalmente, de aprimorar o relacionamento e o desenvolvimento de negócios com sua crescente base de parceiros, que conta com nomes com atuação internacional como Manpower, Neogrid, Contax, TOTVS, entre muitos outros. Eles atendem empresas como pra Nissin, Makro, Bradesco, Hyundai, Renault, Embraer, Etna e mais algumas centenas de empresas dos mais diversos portes e segmentos.

O grande diferencial da plataforma uMov.me é a capacidade de gerar soluções completas (automação, monitoramento e gestão de equipes de campo) de alta qualidade, independente de plataforma e sem programação para qualquer segmento de atuação. Totalmente na nuvem, as soluções permitem automatizar atividades de coleta de dados em campo utilizando recursos de GPS, roteirização, conteúdos multimídia, processamento de imagens e muitos outros.

A uMov.me vem trabalhando há 3 anos na construção de uma rede de parceiros que hoje é composto por de mais de 250 empresas (desenvolvedores e integradores), que constroem aplicativos e atendem os clientes finais com soluções como Automação de Força de Vendas, Logística, Equipes de Serviço, Trade Marketing, Auditorias, Eventos, entre muitos outros. Atualmente são mais de 105 mil usuários utilizando aplicativos desenvolvidos com a plataforma, que já passam dos 7 mil aplicativos.

Além do investimento de canais, a plataforma vai receber novos módulos e recursos que irão aumentar a entrega de valor. Quanto aos serviços, os principais beneficiados serão os parceiros que passam a contar com novos serviços especializados oferecidos por analistas de negócios, marketing e de tecnologia da uMov.me para apoiar o desenvolvimento de suas soluções e ofertas para seus clientes considerando a estratégia de negócio de cada parceiro.

A diretoria da companhia segue inalterada, com Alexandre Trevisan (CEO), Daniel Wildt (CTO) e Vinicius Vasconcelos (CBDO). Trevisan reforça o momento: “a empresa segue com gestão independente e tem como principal objetivo ajudar nossos parceiros a desenvolver negócios na área de mobilidade. É a maior oportunidade do mercado de tecnologia e precisa de empresas especializadas e preparadas para atendê-los. Criar a maior e mais qualificada rede de empresas de mobilidade do Brasil é a nossa missão”.

O mercado recessivo não tem sido barreira para o desenvolvimento acelerado da companhia. Em 2015 apresentou um crescimento de 65% e as expectativas para 2016 são ainda mais agressivas. A companhia considera fazer algumas aquisições pontuais como forma de acelerar ainda mais o crescimento. Elas deverão estar vinculadas a novas ofertas de produtos e serviços e na expansão de mercado. A empresa tem alguns parceiros na América Latina mas entende que há muito espaço no mercado internacional para a sua proposta de valor.

Tags, , , , , ,

5 melhores práticas para mais segurança em mobilidade corporativa

As empresas que decidem implementar a mobilidade para seus funcionários enfrentam um desafio crescente de ameaças de segurança. Para os departamentos de TI, não é fácil manter a segurança dos seus funcionários e também garantir sua satisfação. Os funcionários querem acessar informações em qualquer lugar, a qualquer momento e a partir de qualquer dispositivo sem proteções complicadas que atrapalham seu trabalho.

Por outro lado, a prioridade dos gerentes de negócios é proteger as informações sensíveis da companhia sem abrir mão do crescimento, inovação e competitividade. A Citrix recomenda a inclusão de políticas corporativas inteligentes como parte de uma estratégia robusta de segurança, com execução precisa e monitoramento constante. Essas políticas também devem refletir as necessidades e hábitos dos usuários da companhia.

Baseada em sua experiência com a habilitação de funcionários móveis em todos os tipos de empresa, a Citrix apresenta as cinco melhores práticas que garantem a máxima segurança em mobilidade empresarial para equilibrar esse conflito de interesses.

1. Educar os funcionários

Uma força de trabalho informada e consciente da segurança é a primeira linha de defesa contra as ameaças, por esse motivo deve ser uma prioridade ensinar os funcionários como trabalhar com segurança de qualquer lugar e qualquer dispositivo.

Pregar simplesmente as melhores práticas é uma receita para o fracasso. É importante passar algum tempo descobrindo quem são os usuários, o que fazem e o que precisam. Depois, explicar as políticas de segurança de sua empresa em termos fáceis e relevantes para sua função.

2. Criar uma relação mais próxima entre os executivos de TI e os diretores das linhas de negócio.

É fundamental estabelecer relações de trabalho próximas entre os executivos de TI e os gerentes das linhas de negócio, por que encontros frequentes entre os responsáveis por cada negócio criam um espaço onde os líderes de segurança podem construir estratégias apropriadas e alinhadas com as iniciativas empresariais desde o princípio. Para os executivos de TI, isso oferece uma perspectiva precisa dos riscos que enfrentam e as necessidades de cada grupo de negócios.

3. Uma visão moderna e móvel das políticas de segurança

A informação por si só não garante uma segurança forte. Muitos dispositivos, redes e sistemas de armazenamento usados pelos funcionários estão fora do controle do departamento de TI. Por esse motivo, os executivos de TI devem modernizar sua visão das políticas tradicionais de segurança dentro da nova realidade de serviços em nuvem e a mobilidade.

Comece pensando como pretende habilitar acesso aos dados corporativos de acordo com a localização do funcionário e o tipo de dispositivo usado. A maioria das empresas adotam políticas graduais que protegem as informações sensíveis com mais empenho que as informações públicas e, inicialmente, restringem acesso para colaboradores que usam seus próprios dispositivos.

Depois, eles revisam suas políticas de segurança para levar em conta os riscos como o armazenamento de dados empresariais em dispositivos pessoais, a publicação de senhas em monitores e o uso de um USB não regulado pela companhia.

4. Fiscalização constante e justa de políticas

As políticas de segurança podem perder valor com o passar do tempo se os usuários não acreditam que terão repercussões em caso de violação, ou pior ainda, se acreditam que ignorar as políticas de segurança é uma forma de aumentar sua produtividade. As políticas devem ser mantidas e sempre alinhadas com os negócios da companhia. Por isso, os lideres de segurança devem cumprir as políticas de maneira consciente. A Citrix assegura que, o desenvolvimento das políticas com a colaboração de todos os departamentos das empresas, com uma visão de segurança enraizada na cultura corporativa, torna as violações pouco frequentes.

5. Automatizar a segurança

Para fortalecer ainda mais as políticas de segurança, use um software para automatizar sua aplicação. Por exemplo, muitas soluções de segurança podem implementar várias opções predeterminadas. Também é possível aplicar políticas de segurança mais rígidas nas opções para a experiência do usuário, por exemplo, proibindo a execução de aplicativos não autorizados pela rede da companhia, ou limitando quais aplicativos os arquivos anexados a emails podem abrir.

Tags, , ,

Intel e IDC revelam as tendências da mobilidade corporativa no Brasil

Em evento realizado hoje em São Paulo, a Intel e a IDC revelaram dados preliminares da pesquisa “Mobilidade Corporativa”, que revela tendências sobre a adoção de dispositivos móveis – tablet e smartphones – dentro das empresas. A pesquisa também levantou dados sobre a consumerização e a falta de gerenciamento de dispositivos pessoais usados pelos colaboradores que carregam dados das empresas. A pesquisa entrevistou 288 profissionais entre os meses de Agosto e Setembro de 2013, na sua maioria gerentes de TI, CIOs ou CTOs, em empresas com mais de dez funcionários. Foram consultadas empresas nas verticais de finanças, manufatura, setor público, comércio, saúde, educação e serviços.

Para a IDC, 90% do crescimento da TI entre 2013 e 2020 será relacionado à Terceira plataforma, que agrega computação em nuvem, dispositivos e aplicações móveis, tecnologias sociais e big data. “A terceira plataforma é formada por soluções, e não somente Hardware ou Software” explicou Bruno Freitas, analista de mercado da IDC Brasil. “As grandes oportunidades nesta plataforma estão na combinação de componentes de acordo com as necessidades do negócio. E a mobilidade passa a ser cada vez mais importante à medida que o foco dos profissionais passa a ser as atualizações em tempo real das informações relevantes para a tomada de decisão.”

Em 2013, os smartphones e tablets seguem um movimento de alta popularização, tanto no mercado consumidor quanto no corporativo e governo. A IDC estima que 14% do total da venda de tablets em 2013 irá para o segmento corporativo. Entretanto, por conta da consumerização, o número de dispositivos sendo usado para fins de trabalho será ainda maior. No Brasil, 30% das empresas permitem que os colaboradores acessem dados corporativos em seus smartphones, e 27% permitem o acesso em tablets. O Brasil está marginalmente atrás de outros países na América Latina, onde o acesso de dados corporativos em smartphones chega a 33%, e em tablets, 28%.

Outro estudo da IDC também indica que o uso de tablets caminha lado a lado com os PCs: 44% dos usuários de desktops e 33% dos usuários de notebooks passaram a usar menos os PCs após a adoção do tablet, mas não os substituíram – usuários de desktops diminuíram o uso do PC em 32%, e os de notebooks em 26%. “Esses dados vão ao encontro com a visão da Intel de que o tablet é um dispositivo adicional, e não um substituto, dos computadores”, comentou Rodrigo Tamellini, gerente de produtos para tablets e smartphones da Intel para a América Latina. “O tablet oferece muita versatilidade para o usuário, mas não consegue entregar toda a produtividade de um computador. Uma opção interessante para as empresas são os dispositivos 2 em 1, que funcionam como notebook e como tablet, entregando assim o melhor dos dois mundos para os profissionais.”

Softwares corporativos apresentam oportunidades

Apesar do crescente número de pessoas utilizando dispositivos móveis para funções de trabalho, as aplicações corporativas adaptadas para dispositivos móveis ainda não decolaram no país. Das empresas com mais de 250 funcionários, apenas 19% utilizam algum tipo de aplicação corporativa móvel, como CRM, ERP ou SFA. Nas empresas com menos de 250 funcionários, a número cai para 12%. Aqueles que usam aplicações corporativas, preferem fazê-lo nos tablets do que nos smartphones – estes são preferencialmente utilizados para acesso a email (72%) e Internet (63%).

“Tablets de uso corporativo devem aumentar sua penetração nas empresas de acordo com o avanço dos aplicativos de negócios”, disse Bruno Freitas. “Verificamos que há bastante interesse por parte das empresas em adotar este tipo de aplicação, o que abre enormes oportunidades para empresas de software.”

“O mercado de software brasileiro sempre foi bastante forte no segmento corporativo, e a Intel está ajudando estas empresas a realizarem o salto em direção à mobilidade”, disse Rodrigo Tamellini. “Estamos ajudando os desenvolvedores a extraírem todo o potencial dos processadores Intel para as aplicações móveis, e mantemos comunidades bastante ativas relacionadas à mobilidade, como as comunidades de Android e HTML5. Por meio de programas de apoio, a Intel tem entregado a seus parceiros benefícios diversos, entre eles recursos de marketing e vendas, acesso a papers e materiais técnicos e comunidades online”

Consumerização não é uma escolha para a TI

A consumerização e o BYOD (traga seu próprio dispositivo, na sigla em inglês) continuam a crescer dentro das empresas brasileiras: em 2013, 38% das empresas permitiam o acesso aos dados corporativos em smartphones pessoais, contra 30% em 2012. No caso dos tablets, a permissão para uso no ambiente corporativo cresceu de 27% em 2012 para 29%. “Em 2012-2013, as empresas pararam de permitir o uso de smartphones pessoais enquanto criavam una estratégia integral de mobilidade. Em 2013, com um cenário mais claro, a tendência voltou a crescer, disse Bruno Freitas.

Entretanto, o modelo continua trazendo dor de cabeça aos departamentos de TI, em especial com relação riscos de segurança e de privacidade. No Brasil, apenas 40% dos dispositivos pessoais são inclusos nas plataformas de MDM (gerenciamento de dispositivos móveis, na sigla em inglês). O Brasil se encontra atrás da média da América Latina (47%), e de países como Argentina (64%) e Chile (45%).

A Intel defendeu um novo modelo para as empresas, o CYOD (escolha seu próprio dispositivo, em inglês), ao invés do BYOD. No CYOD, a empresa seleciona um leque de dispositivos de consumo e dá ao colaborador a chance de escolher o que mais lhe agrada. “O CYOD é um caminho do meio, onde a TI adquire um excelente grau de controle sobre os dispositivos que acessam dados corporativos e ao mesmo tempo satisfazem as demandas dos usuários”, explicou Rodrigo Tamellini. “Ignorar o fenômeno da consumerização não é uma opção: as empresas precisam criar políticas claras para os usuários e assegurar o controle dos dados corporativos.”

Nem todos os tablets nascem iguais

A Intel salientou a importância de escolher o dispositivo certo para o uso corporativo. O uso indiscriminado de produtos orientados ao mercado de consumo pode causar perda de produtividade, riscos de segurança e problemas de compatibilidade com os sistemas da empresa.

Os tablets orientados ao uso corporativo são pensados desde o início como uma ferramenta de trabalho eficiente, e que se adequa ao ambiente de TI da empresa. Estes produtos normalmente oferecem opções de gerenciamento remoto e níveis de segurança mais elevados. Também suportam aplicativos de escritório e possuem portas para conexão com periféricos. Como produtividade é essencial, esses modelos contam com maior capacidade de processamento.

A empresa demonstrou diversos novos dispositivos móveis com processadores de alta velocidade e grande capacidade de bateria, preparados para atender as demandas do mercado corporativo. A Intel destacou os benefícios de dispositivos 2 em 1 como boas opções para as empresas, devido a sua capacidade de funcionar como uma estação de trabalho móvel que entrega a mesma performance de um notebook moderno, sem perder a mobilidade dos tablets.

“Para muitos gestores de TI, o 2 em 1 é a solução perfeita, pois reduz o custo total de propriedade, diminui o inventário de dispositivos e entrega uma experiência que é altamente satisfatória e produtiva para o usuário”, concluiu Tamellini.

Tags,