Tag Marco Stefanini

Marco Stefanini participa do 8° Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria

Marco Stefanini, CEO global da Stefanini, participa do 8° Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria 2019, que acontece de 10 a 11 de Junho, no São Paulo Expo – Exhibition & Convention Center. A iniciativa é da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e faz parte da agenda da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI).

O CEO Global da Stefanini será moderador do painel “Blockchain: aplicações que extrapolam o controle de operações financeiras e mudanças no processo produtivo”. Na ocasião, o principal executivo da empresa debaterá com os participantes como o Blockchain está sendo utilizado no desenvolvimento de novas aplicações. Participarão do debate: Marcela Gonçalves, diretora de Desenvolvimento Empresarial da Multiledgers; Alex Nascimento, cofundador do UCLA Blockchain Lab, e Daniel Gasteiger, fundador e CEO, Procivis AG (Suíça).

“Precisamos incentivar mais eventos deste porte para mostrar como as novas tecnologias podem transformar os negócios de maneira exponencial. Os executivos precisam criar um ecossistema competitivo, que possa acelerar os processos internos e promover a transformação digital”, comenta Marco Stefanini.

Para contribuir com a inovação, a CNI e o Sebrae realizam, a cada dois anos, o Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria. O evento reúne representantes do setor produtivo, do governo e da academia para um debate consistente sobre inovação da América Latina.

Palestra: “Blockchain: aplicações que extrapolam o controle de operações financeiras e mudanças no processo produtivo | Marco Stefanini

Dia: 11 de junho
Horário: 11h50 a 12h50
Local: São Paulo Expo – Exhibition & Convention Center – 1,5, Rod. dos Imigrantes – Vila Água Funda

Tags, ,

CEO da Stefanini destaca a importância da diversidade para transformar ambientes corporativos

A Diversidade é um tema que tem sido debatido com frequência em várias frentes, no entanto, está longe de ter sua amplitude inserida devidamente no meio corporativo. Para ampliar esse debate, a CEO da Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, estará presente no Programa Estratégico da Amcham Porto Alegre (RS), que acontece dia 17 de setembro. Na ocasião, Monica Herrero, CEO da companhia, debaterá sobre o tema Cultura e Diversidade no universo corporativo. Entre os tópicos a serem debatidos, estão ‘Diversidade como estratégia organizacional’, ‘Ambientes diversos e inovação’ e ‘Cultura voltada ao fomento da diversidade’.

O Programa voltado para as lideranças femininas consiste em cinco módulos de aprendizagem direcionados para médias e altas gerências. Cada módulo terá 4 horas e abordará um aspecto essencial na formação de lideranças.

O cenário atual está direcionado para o alcance da equidade de gênero em todas as esferas e torna-se fundamental trabalhar questões de fomento e desenvolvimento de mulheres executivas, pensando em um ambiente organizacional mais diverso e atuando com o objetivo de propiciar um espaço de troca e inspiração para as executivas gaúchas.

Com o intuito de multiplicar conhecimentos e auxiliar na missão de transformar o ambiente de negócios, Monica Herrero levará para o evento a experiência da Stefanini, que apoia a diversidade como um todo. “Sabemos que este desafio é grande, mas temos que abrir a discussão e criar mecanismos reais com processos efetivos para que a diversidade permeie as corporações, por meio de um movimento natural e contínuo, seja para mais espaços para a mulher no mercado de trabalho e de pessoas de todos os gêneros”, enfatiza Monica Herrero.

Programação completa:

Módulo 1 | Cenário Global
Panorama atual do mercado de trabalho | Transformação organizacional | Diversidade e performance financeira

Módulo 2 | Liderança Contemporânea
Autoconhecimento | Protagonizando a transformação | Gestão de equipes de alto desempenho
Novas práticas de gestão

Módulo 3 | Cultura e Diversidade
Estratégia organizacional | Ambientes diversos e inovação | Cultura voltada ao fomento
da diversidade

Módulo 4 | Negociação e Networking
Executivas e negociação – como incentivar | Atitude e postura para negociar
A importância do networking para crescimento profissional

Módulo 5 | Carreira
Como equilibrar vida pessoal com a profissional | Destacando-se em um ambiente
masculino | A importância de estabelecer metas profissionais

ANOTE EM SUA AGENDA:
Módulo 3: Cultura e Diversidade
Dia: 17 de setembro, segunda-feira
Horário: 14h às 18h
Local: Amcham Business Center
Endereço: Rua Dom Pedro II, 861, 8º andar – Porto Alegre, RS

Tags, , , , , , , ,

O pós-consumidor no centro do debate

O pós-consumidor tem uma caractetísitca peculiar: é exigente e não está disposto a desculpar uma empresa em caso de falhas. Se houver algum atrito durante uma interação, seja por telefone, chat ou redes sociais, saiba que a empresa caiu no conceito deste cliente, que provavelmente a trocará por outra marca. Portanto, encantar este pós-consumidor demandará das empresas um trabalho contínuo para identificar suas reais necessidades e atendê-las com agilidade.

De olho nesta mudança de comportamento e com foco no cliente, a Stefanini participará desse debate que será a tônica do CONAREC 2018, maior evento de relacionamento entre clientes e empresas, que será promovido nos dias 4 e 5 de setembro no Hotel Transamérica, em São Paulo.

Marco Stefanini, CEO global da Stefanini, participará no dia 4, das 11h15 às 12h15, do painel “O pós-consumidor está aqui entre nós. E pode ser você.”, mediado pelo jornalista Caio Blinder. O fundador da Stefanini abordará a mudança de mindset do cliente e quais são as melhores estratégias para lidar com o pós-consumidor. O painel será realizado na sala 1 (Teatro Alfa) e contará também com a presença de CEOs de outras grandes marcas como C&A, Mastercard, Pepsico Brasil, Facebook & Instagram, Banco do Brasil e Mapfre.

O público também poderá saber mais sobre o Grupo Stefanini no estande de nº 15, onde terá acesso a muitas novidades que ilustram o atendimento do futuro, em que o cliente escolhe o canal de sua preferência para realizar a interação com a empresa que, por sua vez, fará todo o acompanhamento da jornada.

Painel sobre pós-consumidor com participação de Marco Stefanini
Dia: 04/09
Local: Teatro Alfa (Sala 1)
Horário: De 11h15 às 12h15

Tags, , , , , , ,

Stefanini promove Hackathon em Porto Alegre

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, promoverá a 2ª edição do evento HACK W/ STEFANINI, que acontecerá nos dias 19 e 20 de maio de 2018, na unidade da empresa localizada na Tecnopuc, em Porto Alegre (RS). O desafio terá duração de 24 horas com foco na área de banking. As inscrições estão abertas para Desenvolvedores, Designer de UX/UI e Scrum Master, que tenham mais de 18 anos.

Os inscritos devem responder de forma criativa a questão: Como melhorar um dos principais processos de banking utilizando pelo menos um dos seguintes temas: Criptomoedas, Blockchain, Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Realidade Virtual, Realidade Aumentada, Cibersegurança, Machine Learning, Deep Learning e/ou Data Science (Big Data/Analytics).

Os interessados na maratona devem realizar as inscrições – individuais ou em grupo – pelo site. Para os grupos, o ideal é que tenham pelo menos dois desenvolvedores e um designer UX, considerando que os desafios exigirão soluções práticas. Quem se inscrever individualmente não precisa se preocupar, pois todos serão reorganizados e distribuídos em equipes.

Todas as soluções apresentadas serão analisadas pelo júri técnico do evento, que avaliará os seguintes critérios: alinhamento ao desafio, inovação, design e usabilidade. O prêmio será no valor de R$5.000,00 (cinco mil reais) para a equipe vencedora do hackathon.

“Estamos sempre na busca de profissionais de tecnologia – programador, designer, empreendedor ou gerente de projetos – capazes de trazer novos conceitos e práticas que envolvam a transformação digital. Precisamos nos consolidar cada vez mais em um ecossistema de inovação para continuar se destacando no mercado”, afirma Marco Stefanini, fundador e CEO da Stefanini.

Durante o evento, os participantes receberão instruções detalhadas sobre o tema do desafio e os meios que poderão ser utilizados para desenvolver a solução. Também haverá mentores que poderão auxiliar durante a maratona e sanar eventuais dúvidas.

Tags, , , , , ,

Laboratório de Inovação terá parceria PUCRS e Stefanini

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, participa nesta terça-feira, dia 20 de março, às 19h30, do lançamento oficial do Laboratório de Inovação, o iSeed, um espaço elaborado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e revitalizado com o apoio da Stefanini. Marco Stefanini, fundador e CEO global da companhia, estará presente à solenidade, juntamente com outros executivos com expertise em transformaç& atilde;o digital.

O iSeed foi criado para apresentação de tecnologias de ponta e demonstração do potencial de parceria entre a academia e o mercado. O espaço será utilizado no desenvolvimento de ideias inovadoras, que deverão aprimorar problemas do dia a dia, trazendo novas soluções para os mais diferenciados tipos de desafios. Este Laboratório de Inovação busca a sinergia pelo fomento à pesquisa e ao empreendedorismo, incentivando a participação da comunidade acadêmica (alunos, professores, pesquisadores da PUCRS e clientes Stefanini) na elaboração de soluções para o mercado.

Marco Stefanini comenta que espaços como este fazem parte de uma estratégia global da companhia para o desenvolvimento e demonstração de novas tecnologias, a partir do conceito de Design Thinking. “Temos uma cultura inovadora dentro da Stefanini, que será reforçada pelos laboratórios e centros de inovação. A Stefanini quer oferecer, cada vez mais, soluções que promovam a transformação digital dentro das empresas com ferramentas eficientes, leves, flexíveis, fáceis de operar e com rápida implementação”, explica.

Tags, , , , , , , , , , ,

Gauge se une à Stefanini para ampliar atuação em outros mercados no Brasil e no exterior

A Gauge, uma das maiores consultorias de performance e experiência do usuário no Brasil, dos sócios Dante Calligaris e Thiago Paes, acaba de ser adquirida pela Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia. Com este anúncio, a multinacional brasileira amplia sua atuação nas áreas de performance, mídia digital, experiência do usuário e dados.

O objetivo da Stefanini, que vem investindo de maneira significativa na transformação digital, é apostar cada vez mais em inovação para conectar toda a experiência do usuário, ao disponibilizar ferramentas digitais que ampliem a geração de resultados e a melhoria da experiência com produtos e processos.

A Gauge, que atende clientes como Vivo, Itaú, Nike, Embraer, Ambev e Abbott, atuará de maneira independente, porém com a capacidade de integrar todo seu portfólio de serviços à Stefanini e suas coligadas, para que possam, conjuntamente, oferecer soluções focadas em resultados para seus clientes.

“Com a sinergia que existe entre a Gauge e a Stefanini, queremos alcançar resultados acima do esperado e superar metas, a partir da geração de insights, definição da estratégia de negócios, criação da experiência do usuário, implementação da tecnologia que, consequentemente, permitirão a evolução do projeto em todas as áreas. Se o cliente precisar de mídia, por exemplo, poderemos oferecer por aqui. Nosso principal objetivo é disponibilizar todas as ferramentas para que nossos clientes tomem decisões rápidas e precisas, a partir do mapeamento de informações sobre a jornada de seu público-alvo, para alcançar os resultados desejados”, afirma Marco Stefanini, fundador e CEO global da Stefanini.

A aquisição ampliará a oferta de serviços de experiência do usuário, mídia e performance, gestão e implementação de ferramentas de Analytics, como Google e Adobe. “Estamos confiantes no sucesso desta parceria, especialmente porque acreditamos na robustez da Stefanini para ampliar nossa atuação no Brasil e em outros países. A Stefanini tem se consolidado como uma liderança global no desenvolvimento de estratégias digitais, que permitam aos seus clientes promoverem as transformações necessárias na busca de uma melhor experiência do usuário, que também é um dos diferenciais da Gauge. Foi uma decisão mútua significativa para as duas partes: a escolha da Gauge pela Stefanini entre os diversos players do segmento, bem como a opção da Gauge pela multinacional, que &ea cute; referência no mercado mundial”, destaca Dante Calligaris, diretor executivo da Gauge.

“Com a análise de dados e compreensão dos desejos e necessidades das pessoas, inclusive com entrevistas presenciais, é possível influenciar diretamente nos resultados de nossos clientes. Utilizamos dashboards personalizados e interativos para a apresentação de dados em tempo real, o que permite a tomada de decisões de forma mais rápida e objetiva. Com isso, conseguimos garantir maior eficiência em cada área de negócios, com menor esforço operacional e maior disponibilidade de dados de forma ágil”, garante o diretor executivo da Gauge.

“As competências da Gauge complementam o nosso portfólio e se integram à nossa filosofia de priorizar os objetivos de negócios de nossos clientes com foco no mundo digital”, complementa Marco Stefanini.

Tags, , , , , ,

Stefanini e Banco Original são reconhecidos no Prêmio Relatório Bancário

O avanço da tecnologia possibilitou o surgimento de novas maneiras de realizar antigos serviços, de forma mais prática e ágil, o que agrada, principalmente, o novo consumidor, considerado mais exigente e conectado. Atento a essa cenário, o Banco Original inovou ao quebrar paradigmas estabelecidos há anos no mercado financeiro e, com o apoio tecnológico da Stefanini, lançou um modelo 100% digital. A parceria entre as empresas foi reconhecida na segunda-feira (04), na XIII edição do Prêmio Relatório Bancário, organizado pela Cantarino Brasileiro e considerado um dos mais importantes do setor.

Parceiras desde 2015, as empresas foram vencedoras na categoria Aplicativos com o case “Original na Essência, Disruptivo na atitude”, que destaca o trabalho desenvolvido pela Stefanini em três projetos:

– Abertura Remota de Contas: aplicativo desenvolvido para que a equipe possa coletar remotamente as informações necessárias para realizar o cadastro de novas contas, por meio de dispositivos móveis.

– Plataforma de Gerente Comercial: o banco disponibiliza em um tablet todas as funções de uma agência, inclusive orientação de investimentos, para que o gerente possa se locomover para qualquer local, atendendo aos clientes no Brasil inteiro.

– Coleta e Entrega: solução na plataforma Java/Web, com diversos werbservices para integração com os sistemas de canais, como atendimento e plataforma corporativa. O serviço permite ao cliente ter conveniências em casa, como a entrega de dinheiro em espécie (real, dólar e euro), entrega de token físico, cartões, recolhimento de cheques depositados via imagem, entre outros benefícios.

Carlos Augusto de Oliveira, diretor de TI e Operações do Banco Original, conta que o principal desafio era lançar uma nova plataforma tecnológica inovadora, multicanal e segura, além da meta de crescer no varejo, com mais correntistas e ofertas de serviços. O executivo ressalta que a parceria tecnológica com a Stefanini foi essencial para tangibilizar a proposta de ser um banco 100% digital e poder oferecer aos clientes a possibilidade de abertura de conta pelo aplicativo, sem burocracia.

Marco Stefanini, fundador e CEO global da Stefanini, ressalta que o reconhecimento é mais uma prova de que o trabalho realizado foi ousado e disruptivo. “A Stefanini investe em pesquisa e inovação para entender o negócio do cliente e desenvolver a solução que se adeque melhor ao perfil de cada um. O Banco Original já nasceu com a proposta de ser 100% digital e nós ajudamos a concretizar isso. Para a Stefanini, foi uma grande satisfação poder ser parceira nesse projeto audacioso”, finaliza Marco Stefanini.

Tags, , , , , , , , , , , , , ,

Fim de desoneração da folha pode desempregar mais de 83 mil pessoas no setor de TI

view

As maiores empresas de TI, com o apoio da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), estão empenhadas em mostrar ao Governo Federal e ao legislativo a importância da manutenção da política de desoneração da folha de pagamento para o setor. Na semana passada, aconteceu a audiência pública de nº 216, requerida pelo deputado Sandro Alex (PSD-PR), para discutir na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática os impactos da reoneração para o setor de tecnologia da informação (TI). Outras audiências sobre o tema também foram realizadas no âmbito da Comissão Mista e da Comissão de Finanças e Tributação.

As associações e empresas do setor estão alertando as autoridades de que o fim da desoneração pode gerar uma série de demissões – 83 mil profissionais de TI nos próximos três anos, segundo estudo da Brasscom, o que representa quase 15% do total da força de trabalho atual. Os reflexos da desoneração não impactam apenas o setor, mas também o governo, já que existe uma previsão de queda de 2% ao ano na arrecadação federal com o segmento, somando-se as receitas agregadas decorrentes do IRPF, FGTS e INSS, além de um aumento nos gastos, uma vez que o governo é o segundo maior contratante de TI, atrás apenas do setor financeiro.

A Medida Provisória 774 determina o fim da tributação substitutiva, visando minimizar o crescente déficit das contas públicas. Embora o governo entenda que a desoneração da folha não contribuiu para a recuperação da economia, a Brasscom realizou um estudo que destaca que foram gerados mais de 95 mil empregos[1] no setor de TI, com forte formalização de mão de obra. A remuneração cresceu 14,3% ao ano no período, atingindo R$ 28,8 bilhões, entre 2010 e 2015, enquanto a receita bruta[2] chegava a R$ 78,1 bilhões, experimentando um crescimento anual de 12%.

De acordo com as empresas, a política de desoneração permitiu que muitos trabalhadores contratados como pessoas jurídicas fossem formalizados com carteira assinada. Para Sergio Paulo Gallindo, presidente executivo da Brasscom, “os números mostram que a desoneração foi estruturante para o setor na medida em que aumentamos o faturamento das empresas, elevamos a remuneração dos nossos trabalhadores e, principalmente, crescemos e formalizamos a força de trabalho, o que redundou em maior arrecadação para o governo”.

A revisão da política de desonerações, no entanto, não é consenso no governo e no Legislativo. Alguns argumentam que o Brasil vai fechar uma janela de oportunidades se não apoiar fortemente o setor de Tecnologia da Informação. De acordo com o Secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência e Tecnologia, Maximiliano Martinhão, 65% das crianças de hoje exercerão, no futuro, profissões que não existem agora e que estarão ligadas ao desenvolvimento do setor.

Os parlamentares presentes na última audiência pública foram unânimes em criticar a Medida Provisória. O deputado Sandro Alex (PSD-PR), autor do requerimento junto à CCTCI, tem negociado o assunto com o relator da MP, senador Airton Sandoval (PMDB-SP). O parecer do relator deve ser apresentado em reunião agendada para hoje às 15h45.

“O setor de tecnologia, que é um dos que mais empregam no País, está sendo penalizado, mesmo tendo cumprido sua parte na formalização e geração de empregos. Precisamos mudar este cenário para que a oneração não seja prejudicial a todos”, afirma Marco Stefanini, CEO Global e fundador da Stefanini.

Segundo os executivos das empresas de TI, a política de desoneração não se trata de protecionismo, mas sim de equilibrar os custos tributários na produção para estimular a competitividade da indústria doméstica. Para eles, o ideal para garantir isonomia competitiva e menos informalidade nas relações trabalhistas é que a alíquota seja mantida em 4,5% sobre o faturamento de softwares e serviços consumidos no Brasil, independentemente da sua origem e obrigatória para todos, pois a contribuição social se daria no momento do consumo e não em cima do trabalho.

“Com a oneração da folha, regrediremos os avanços conquistados ao longo destes anos, fazendo o setor voltar para clandestinidade e informalidade, perdendo os investimentos no setor e reduzindo a arrecadação”, afirma Benjamin Quadros, CEO e fundador da BRQ.

A reoneração da folha coloca em risco um dos segmentos de maior valor agregado na cadeia produtiva, com impactos e sinergias positivas sobre toda a atividade econômica no país. É a partir do desenvolvimento de novos produtos e serviços que a tecnologia da informação impulsiona a produtividade, a competitividade e a inserção do Brasil nas cadeias globais de inovação, garantindo mais emprego e renda.

“O mundo está vivendo um momento de transformação e o Brasil não pode ficar para trás, pois tecnologia é o motor propulsor dessas mudanças. O setor de TI deseja preservar empregos e contribuir para a retomada da economia”, enfatiza Paulo Marcelo, CEO da Resource.

Tags, , , , , , , , , , ,

Empresas de TI se unem pela competitividade e preservação de empregos e investimentos no Brasil

Stefanini, TOTVS, BRQ e Resource defendem a permanência do setor na política de desoneração da folha de pagamento e a obrigatoriedade da tributação pelo faturamento

As maiores empresas brasileiras de TI, Stefanini, TOTVS, BRQ e Resource, com o apoio da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), se uniram para sensibilizar a sociedade e o Governo Federal quanto à manutenção da política de desoneração da folha de pagamento para o setor. O objetivo deste movimento é garantir que o setor permaneça com a incidência da contribuição previdenciária patronal sobre a receita bruta, mantendo assim a competitividade das empresas e as perspectivas de crescimento e geração de empregos.

No último dia 30 de março, foi publicada Medida Provisória determinando o fim da tributação substitutiva, visando minimizar o crescente déficit das contas públicas. Conforme veiculado, o governo entende que a desoneração da folha não contribuiu para a recuperação da economia. No entanto, a desoneração da folha de pagamento foi instituída como política pública estruturante para TI e TIC, que foi um dos setores piloto. De acordo com dados consolidados pela Brasscom, enquanto esse regime tributário vigorou, entre 2010 e 2015, foram gerados mais de 95 mil empregos[1] no setor de TI, com forte formalização de mão de obra. A remuneração cresceu 14,3% ao ano, no período, atingindo R$ 28,8 bilhões, enquanto a receita bruta[2] chegava a R$ 78,1 bilhões, experimentando um crescimento anual de 12%.

Para Sergio Paulo Gallindo, Presidente Executivo da Brasscom, “os números mostram que a desoneração foi estruturante para o setor na medida em que aumentamos o faturamento das empresas, elevamos a remuneração dos nossos trabalhadores e, principalmente, crescemos e formalizamos a força de trabalho, o que redundou em maior arrecadação para o Governo”.

Caso a decisão não seja revista, o setor, que emprega aproximadamente 600 mil pessoas, pode perder mais de 83 mil postos de trabalho nos próximos três anos – o que representa quase 15% do total de seus trabalhadores, afirmam as quatro empresas. Com efeito, a folha de pagamento de companhias de serviços do setor pode alcançar uma expressiva proporção de seus custos totais, remetendo à dificuldade de absorção de um abrupto choque de custos decorrente do aumento da carga tributária.

“A lei da desoneração não foi um benefício e, sim, um planejamento do Governo, que cumprimos à risca. O setor de tecnologia, que é um dos que mais empregam no país, está sendo penalizado, mesmo tendo cumprido sua parte na formalização e geração de empregos. Precisamos mudar este cenário para que a oneração não seja prejudicial a todos”, afirma Marco Stefanini, CEO Global e fundador da Stefanini.

Risco externo

Se forem obrigadas a se submeter ao encargo proposto de 20% na folha de pagamento, as empresas perdem competitividade perante concorrentes externos. “O setor de TI pode retroceder 10 anos. Sendo um dos mercados com melhor qualificação, remuneração e que investe alto em P&D – só a TOTVS investiu R$ 1,4 bilhão nos últimos seis anos -, queremos igualdade de condições para software produzido localmente e fora do país para continuarmos gerando empregos de alto valor agregado, aumento de renda e preservarmos a competitividade do Brasil no âmbito global”, destaca Laércio Cosentino, CEO da TOTVS.

Segundo os executivos dessas empresas, não se trata de protecionismo, mas sim de equilibrar os custos tributários na produção para estimular a competitividade da indústria doméstica. Para eles, o ideal para garantir isonomia competitiva e menos informalidade nas relações trabalhistas seria a taxa em torno de 4,5% sobre o faturamento de softwares e serviços consumidos no Brasil, independentemente da sua origem e como obrigatoriedade para todos, pois a contribuição social se daria no momento do consumo e não em cima do trabalhador.

“Desde 2011, quando a mudança da incidência tributária foi implantada, até hoje, o setor de TI aumentou a arrecadação, gerou empregos, reduziu a informalidade e gerou igualdade nos softwares e serviços fabricados aqui frente aos desenvolvidos fora do país. Todos esses movimentos fortaleceram o setor de tecnologia no Brasil. Com a oneração da folha, regrediremos os avanços conquistados ao longo destes anos, fazendo o setor voltar para clandestinidade e informalidade, perdendo os investimentos no setor e reduzindo a arrecadação”, afirma Benjamin Quadros, CEO e fundador da BRQ.

Inovação sob ameaça

A reoneração da folha coloca em risco um dos segmentos de maior valor agregado na cadeia produtiva, com impactos e sinergias positivas sobre toda a atividade econômica no país. É a partir do desenvolvimento de novos produtos e serviços que a tecnologia da informação impulsiona a produtividade, a competitividade e a inserção do Brasil nas cadeias globais de inovação, garantindo mais emprego e renda.

“Provamos numericamente a vantagem da desoneração. O mundo está vivendo um momento de transformação e o Brasil não pode ficar para trás, pois tecnologia é o motor propulsor dessas mudanças. O setor de TI deseja preservar empregos e contribuir para a retomada da economia” Paulo Marcelo, CEO da Resource.

Tags, , , , , , , , , , , ,

Stefanini anuncia novo CEO para as regiões da América do Norte e Ásica-Pacífico

A Stefanini anuncia Spencer Gracias como o novo CEO para América do Norte e Ásia-Pacífico. O executivo atuou em empresas como Whirpool, CPFL, TV Globo, General Motors, ABN Amro, Santander, entre outras, contribuindo para o crescimento de todas elas por meio da tecnologia. Sua experiência inclui a implementação de processos globais para infraestrutura distribuída, ambientes de aplicativos e governança.

Baseado em Detroit, Michigan, na sede da Stefanini na América do Norte, Spencer Gracias tem como missão implementar um plano estratégico que reforce o objetivo da Stefanini de atuar como agente de transformação digital para os clientes. “Queremos estreitar cada vez mais a relação com nossos clientes, compreendendo seus principais desafios para atuar em parceria, oferecendo soluções que atendam os seus objetivos de negócios”, disse Gracias.

Antenada às principais tendências tecnológicas, a Stefanini construiu uma oferta robusta para promover a transformação digital de seus clientes, incluindo eficiência operacional, Internet das Coisas (IoT) e a computação em nuvem. “Por meio de uma forte parceria, somos capazes de reconhecer as dores do cliente e demonstrar como a tecnologia pode ajudá-los”, destaca no novo CEO para América do Norte e Ásia Pacífico.

Estratégia de crescimento

No mês passado, a Stefanini anunciou investimentos na América do Norte e na Ásia-Pacífico com o objetivo de crescer 25% nessas regiões até 2020. Para alcançar essa meta, a empresa está investindo em soluções que ajudarão os clientes a promover a transformação digital em suas companhias.

“Estou certo de que Spencer Gracias tem capacidade, experiência e energia para colocar em prática esse plano de crescimento”, disse Marco Stefanini, fundador e CEO global da Stefanini. Para ajudar seus clientes no processo de transformação digital, a Stefanini reúne as últimas novidades em inteligência cognitiva, plataformas de fidelização de clientes, robótica e BPO, entre outras. Todas as soluções da Stefanini podem ser conectadas, garantindo uma oferta inovadora que eleva o nível de excelência com redução de custos.

Mudanças físicas também estão ocorrendo em vários escritórios. A previsão é de que a nova sede da Stefanini em Detroit seja inagurada até o final do primeiro semestre deste ano. A mudança de escritório faz parte da estratégia global de crescimento da multinacional brasileira, presente atualmente em 39 países.

A nova sede da Stefanini em Detroit contará com o primeiro Inovation Center da companhia nos Estados Unidos, reiterando sua cultura de inovação, além de trazer uma série de benefícios para seus funcionários, parcerios e comunidade.

“A América do Norte é o maior mercado consumidor de tecnologia no mundo e um dos grandes promotores da inovação. Desde que iniciamos nossa atuação nos Estados Unidos, em 2001, trabalhamos para ampliar nossas operações locais, o que inclui a possibilidade de adquirir uma empresa que esteja alinhada com nossa estratégia de criar uma presença mais forte na era digital”, complementa Marco Stefanini.

Tags, , , , ,

Stefanini anuncia investimentos nos Estados Unidos e Ásia

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, anuncia novos investimentos na América do Norte a Ásia-Pacífico com o objetivo de crescer 25% até 2020 nas regiões. Para alcancar essa meta, a empresa está focando em uma oferta inovadora e reforçando sua atuação no processo de transformação digital nas empresas.

Atualmente, a companhia conta com uma estrutura robusta para implementar mudanças importantes para que os clientes se preparem para a era da Internet das Coisas e da Indústria 4.0. A base tecnológica desta revolução é a utilização dos sistemas ciberfísicos, internet das coisas e computação em nuvem, além de uma rede de informações em tempo real, para que os processos de produção se tornem cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis.

“Hoje, conseguimos montar um banco 100% digital para qualquer instituição, promover o engajamento dos clientes com campanhas de fidelização, oferecer uma assistente virtual capaz de compreender e processar solicitações via texto e voz de maneira rápida, eficiente e intuitiva, além de garantir mais eficiência operacional para as estruturas de backoffice”, destaca Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini.

Estratégias para América do Norte e Ásia-Pacífico

Com mudanças no direcionamento das operações na América do Norte e Ásia, vários escritórios também passarão por mudanças físicas em 2017, incluindo o headquarter para as duas regiões, localizado na área de Detroit.

No novo escritório, a Stefanini vai inaugurar o primeiro Global Innovation Center nos Estados Unidos, reforçando a cultura da inovação e trazendo muitos benefícios para funcionários, parceiros e a comunidade.

“A América do Norte é um dos maiores consumidorass de tecnologia e uma das maiores promotoras da inovação. Uma vez que estamos presentes nos Estados Unidos desde 2001, chegou a hora de atingirmos voos mais altos e ambiciosos na nossa operação no país, incluindo a possibilidade de aquisição de uma empresa que esteja alinhada com a nossa estratégia de fortalecermos a presença na área de Digital Solutions”, finaliza Stefanini.

A Stefanini está presente nos Estados Unidos há 15 anos, iniciando sua operação em Fort Lauderdale, Flórida. Hoje, a empresa também conta com escritórios em Southfield (Michigan), Atlanta (Georgia), Chicago (Illinois), Nova York (New York), Houston (Texas), Philadelphia (Pennsylvania), Richmond (Virginia) e Davenport (Iowa).

Tags, , , , ,

Stefanini completa 20 anos de operação na Argentina e cresce 40% em 2016

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, comemora 20 anos de atuação na Argentina, sendo a primeira filial da companhia fora do Brasil. Apesar das taxas de inflação acima de 25% ao ano e da retração do câmbio, a Stefanini manteve sua visão de longo prazo e continuou investindo na região, o que permitiu crescer 40% em 2016.

Atualmente, a subsidiária argentina conta com 300 funcionários e 44 clientes ativos, que são atendidos pelos escritórios de Buenos Aires e Córdoba. “A Stefanini Argentina tornou-se um fornecedor bem-sucedido nas operações de TI e nos processos de negócios com clientes internacionais, mantendo o mesmo nível de qualidade e atendimento, independente do tamanho da empresa”, afirma Marcelo Ciasca, CEO da Stefanini na América Latina.

Para o próximo ano, a Stefanini Argentina espera manter seu crescimento de forma sustentável. “Nossa expectativa é positiva porque o país atingiu um padrão elevado na oferta de soluções de infraestrutura, internet de alta velocidade, penetração dos smartphones e utilização das redes sociais, beneficiando a indústria da terceirização”, comenta Ciasca.

De acordo com Damian Mendez, diretor geral da operação na Argentina, a Stefanini possui vasta experiência no fornecimento de soluções neashoring, alavancando operações maduras de prestação de serviços em todo o continente americano. “O fuso horário da Argentina tem pequena diferença do fuso de Nova York, o que facilita ajustes de turnos para coincidir com a carga horária de trabalho dos clientes”, ressalta.

“Queremos que o cliente tenha a mesma experiência, independente de onde o contrato foi fechado. Nossa meta é que ele nos reconheça, cada vez mais, como um parceiro estratégico, capaz de oferecer soluções inovadoras que poderão transformar seus negócios, garantindo maior eficiência operacional, menos custos e uma experiência diferenciada em todos os países em que atuamos”, enfatiza Marco Stefanini, CEO Global do Grupo Stefanini.

Tags, , , ,

Stefanini intensifica investimentos em ofertas voltadas à transformação digital

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, encerra o ano com resultados similares ao do ano passado, totalizando um faturamento de cerca de R$ 2,6 bilhões. Apesar da crise no Brasil, a companhia continuou investindo em novas oportunidades de negócios focadas em inovação.

Ao longo do ano, a Stefanini realizou algumas movimentações importantes. No primeiro semestre, a VANguard, coligada especializada em governança de TI, Segurança e Service Management, se fundiu com a Scala IT, um dos principais parceiros da IBM em software. Atualmente, a Stefanini Scala já atende a quase 100% do portfólio de software da IBM no Brasil.

Na área de segurança cibernética, a Stefanini anunciou a joint-venture com uma das maiores empresas de defesa israelense, a Rafael. A Stefanini Rafael terá uma atuação importante na segurança da automação industrial, especialmente com o crescimento de projetos envolvendo a Internet das Coisas (IoT).

Outra movimentação de destaque foi a aquisição da empresa colombiana Sysman, que trabalha com uma oferta diferenciada de ERP para Governo e complementou o portfólio de soluções do Grupo, dentro de seu projeto de expansão na América Latina.

Desde o ano passado a Stefanini vem intensificando seu processo de aquisições, fusões e joint-ventures. Em 2015 a multinacional brasileira realizou a fusão com a IHM Engenharia, que tem forte atuação no setor industrial. Também promoveu a joint-venture com a Tema Sistemas para criação da Stefanini Capital Market, além de lançar a Stefanini Inspiring, que nasceu como um braço de telecomunicações do grupo. A empresa ainda abriu um escritório em Ontário, no Canadá, e adquiriu 40% da gaúcha Saque e Pague com o objetivo de oferecer serviços inovadores para o varejo.

Antenada às principais tendências tecnológicas, a companhia conta com uma estrutura robusta para implementar mudanças importantes para que os clientes se preparem para a era da Internet das Coisas e da Indústria 4.0, também chamada de 4ª Revolução Industrial. A base tecnológica desta revolução é a utilização dos sistemas ciberfísicos, internet das coisas e computação em nuvem, além de uma rede de informações em tempo real, para que os processos de produção se tornem cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis.

“Hoje, conseguimos montar um banco 100% digital para qualquer instituição, promover o engajamento dos clientes com campanhas de fidelização, oferecer uma assistente virtual capaz de compreender e processar solicitações via texto e voz de maneira rápida, eficiente e intuitiva, além de garantir mais eficiência operacional para as estruturas de backoffice”, destaca Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini.

Segundo o executivo, quem atua no setor de prestação de serviços em TI, como é o caso da Stefanini, tem um desafio ainda maior: promover o Business Transformation. Para auxiliar seus clientes no processo de transformação digital, a Stefanini reúne o que há de mais moderno em inteligência cognitiva, plataformas de fidelização, Robotics, BPO, dentre outras soluções.

A Stefanini Inspiring, um dos centros de excelência e inovação do grupo, conta com soluções escaláveis que tratam grandes volumes de informações, transformando a jornada do cliente e, consequentemente, os negócios das empresas. Com o monitoramento em tempo real dos dados e personalização das informações, os clientes da Stefanini constroem a base para sua transformação digital, de maneira mais rápida e eficiente.

“Todas as nossas soluções podem ser conectadas, o que garante uma oferta inovadora, que eleva os níveis de excelência com redução de custos. Tentamos compreender as dores do cliente para mostrar de que forma a tecnologia poderá ajudá-lo. Nesse sentido, apresentamos ofertas direcionadas por segmentação, capazes de trazer resultados mais eficazes para nossos clientes”, afirma Monica Herrero, CEO da Stefanini no Brasil.

Inteligência Artificial

Batizada de Sophie, a plataforma inteligente da Stefanini é capaz de compreender e processar solicitações via texto e voz de maneira rápida, eficiente e intuitiva. Evolução da plataforma Parli lançada inicialmente em 2014, se tornou uma ferramenta voltada para operações globais da Stefanini, assim como uma personalização da tecnologia de forma a torná-la mais adequada para um número maior de processos de atendimento, independente de seu volume.

De acordo com Alexandre Winetzki, presidente da Woopi, empresa de pesquisa e desenvolvimento da Stefanini e responsável pela implementação da tecnologia no Brasil, os benefícios da plataforma inteligente podem ser obtidos por qualquer empresa ou corporação que deseje aumentar sua capacidade de interagir com seus usuários, por meio de um conjunto de canais mais amplo que um call center tradicional.

Segundo estudo divulgado recentemente pela consultoria Research and Markets, o mercado mundial de produtos de inteligência artificial deve movimentar cerca de 23,4 bilhões de dólares até 2025.

Soluções de BPO

Para garantir que os processos sejam mais ágeis e eficazes, as ofertas de Business Process Outsourcing (BPO) podem ser uma boa solução. A demanda por elas tem crescido tanto que a Stefanini anunciou o processo de internacionalização das ofertas, que contará com quatro delivery centers principais – Brasil, Filipinas, México e Romênia, que são países com operações consolidadas e com grande oportunidade para agregar valor às ofertas de BPO.

“Nossa oferta está bem madura no Brasil, com uma média de crescimento acima do mercado. Por isso, decidimos ampliá-la para outros países, dentro da nossa estratégia de expansão acelerada da área de BPO”, afirma Wander Cunha, diretor da Business Consulting da Stefanini.

De acordo com ele, o grande diferencial da oferta de BPO da Stefanini é o alto nível de automação, que inclui soluções de robotização, analytics e inteligência artificial. “Como a área de BPO é uma das que mais crescem dentro da Stefanini, queremos aproveitar esse momento e a sinergia de gestão para gerar modelos de negócios avançados, que priorizem a eficiência operacional”, detalha. Em momentos de crise, quando as empresas precisam reduzir custos e ganhar produtividade, as soluções de terceirização se apresentam como uma tendência, pois permitem que seus gestores se concentrem nas decisões estratégicas de negócio.

20 anos de internacionalização

A Stefanini Argentina, primeira filial fora do Brasil, completa 20 anos. Apesar das taxas de inflação acima de 25% ao ano e da retração do câmbio, a companhia manteve sua visão de longo prazo e continuou investindo na região, o que permitiu crescer 40% em 2016.
Atualmente, a subsidiária argentina conta com 300 funcionários e 44 clientes ativos, que são atendidos pelos escritórios de Buenos Aires e Córdoba.

“A internacionalização é um dos pilares de crescimento da Stefanini. Estamos sempre observando novas oportunidades que possam agregar soluções inovadoras ao portfólio da companhia, de forma a promover o business transformation dos negócios de nossos clientes, tanto do ponto de vista da qualidade da oferta quanto da redução de custos”, afirma Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini.

Pelo segundo ano consecutivo, a Stefanini aparece no Ranking FDC das Multinacionais Brasileiras 2016, divulgado pela Fundação Dom Cabral, como a 5ª empresa brasileira mais internacionalizada. Segundo a pesquisa, a Stefanini avançou nos critérios de avaliação sobre o número de países onde a empresa está presente e índice de ativos, ocupando a liderança do ranking nessas duas categorias.

Presença global da Stefanini

– Atuação em 39 países, 96 escritórios em 87 Cidades, 35 idiomas
– Mais de 21.000 funcionários
– Brasil: 12.000
– América Latina: 2600
– América do Norte: 2500
– EMEA: 2.300
– APAC: 1.800
– 1ª filial foi inaugurada em 1996, na Argentina, projetando a Stefanini como a primeira multinacional brasileira da área de tecnologia
– A Stefanini chegou aos Estados Unidos em 2001
– Na Europa, a primeira filial foi na Espanha, em 2003
– Chegou na Índia em 2006 e nas Filipinas em 2011
– Em 2010 a Stefanini dá um importante passo rumo à internacionalização ao adquirir a Tech Team

Em 2015 foram cinco movimentações:

1. Fusão com a IHM Engenharia (Fevereiro)
2. Joint-venture com a Tema Sistemas para criação da Stefanini Capital Market (Março)
3. Lançamento da Inspiring, braço de telecomunicações da Stefanini (Junho)
4. Criação do escritório em Ontário, no Canadá (Junho)
5. Aquisição de 40% da Saque e Pague (Agosto)

Em 2016:

1. Aquisição da empresa colombiana Sysman, especializada em ERP para Governo;
2. Fusão com a Scala IT (por meio da coligada VANguard)
3. Joint-venture com a israelense Rafael

Tags, , , , , ,

Amcham lança programa +Competitividade Brasil, focado na maior produtividade e inserção global

view.aspx

Como o setor privado pode contribuir e construir soluções para o aumento da competitividade brasileira? A Amcham lançou no último dia 15/4, em São Paulo, o programa + Competitividade Brasil, focado em capacitações, forças-tarefa e estudos técnicos visando estimular ganhos de produtividade e a maior inserção das empresas brasileiras na economia global. Mais de 51 eventos já estão previstas em 14 cidades brasileiras já neste ano. Calendário completo no www.amcham.com.br/acontece.

“Toda a atividade da Amcham este ano e no próximo terá o programa Mais Competitividade como guia e objetivo para, ao fim do trabalho, chegarmos a um conjunto de propostas e projetos”, detalhou Hélio Magalhães, CEO do Citi Brasil e presidente do Conselho da Amcham. Em 2015, a Amcham promoveu 2000 mil atividades envolvendo mais de 90 mil executivos.

O programa da Amcham é aberto a participação das cinco mil empresas associadas, sendo 85% delas brasileiras. Segundo Hélio Magalhães, o aumento da competitividade global é uma das questões cruciais que o Brasil não pode deixar de enfrentar. “Para alcançar sucesso no mundo cada vez mais globalizado, o Brasil ainda precisa aprender uma lição importante. Representamos 3% do PIB global, mas só 1,2% do comércio entre as nações. Ou seja, alguém está vendendo no nosso lugar. Hoje, 65% dos negócios globais são feitos sob acordos internacionais”, comentou Magalhães.

Dentro da iniciativa, grupos de trabalho vão elaborar propostas práticas empresariais. “Vamos atuar através de três grupos de trabalho: eficiência tributária, inserção do Brasil na cadeia global e modernização da legislação trabalhista”, detalhou Deborah Vieitas, CEO da AMCHAM BRASIL, no lançamento do encontro.

O lançamento contou com apresentações de time de palestrantes e autoridades no tema competitividade: o ex-ministro Pedro Parente, o sócio da AT&Kearney, Mark Essle, os presidentes do Citi Brasil, Hélio Magalhães, Stefanini IT Solutions, Marco Stefanini e da Cummins, Luis Pasquotto, o CEO da JSL, Fernando Simões, e o co-diretor do BRICLab da Columbia University, Marcos Troyjo.

Dentro do programa Mais Competitividade Brasil, a Amcham promove no próximo dia 9/5, em São Paulo, lançamento de estudo inédito “Impactos para o Brasil de acordos de livre comércio com EUA e União Europeia”, uma parceria Amcham-FGV.

O Lançamento

O presidente do Citi Brasil e do Conselho da Amcham, Hélio Magalhães, faz abertura do encontro apresentado o programa. A agenda do +Competitividade Brasil prevê um conjunto de ações visando à modernização da legislação trabalhista, simplificação tributária e processos de comércio exterior, acordos comerciais estratégicos, além de promoções da marca Brasil e cooperação.
Em seguida, o ex-ministro Pedro Parente abriu o painel de discussões com “Ações de Competitividade do Setor privado sem a dependência governamental”. Mark Essle, sócio da AT&Kearney, fala ainda sobre o cenário de competividade neste bloco do encontro. Já Fernanda De Negri, diretora de Políticas de Inovação, Regulação e Infra do IPEA, expõe sobre determinantes para a produtividade do país.

No painel empresarial, foi analisada “As Alavancas para a Produtividade na Crise”, com Fernando Simões, CEO da JSL, e os presidentes da Stefanini IT Solutions, Marco Stefanini, e da Cummins do Brasil, Luis Pasquotto. Ainda no encontro, pesquisa em tempo real sobre a agenda de competitividade ideal na visão dos cerca de 100 empresários presentes. O painel foi mediado por Deborah Vieitas, CEO da Amcham Brasil.

O encerramento do lançamento do +Competitividade Brasil trouxe uma visão sobre “Reindustrialização do Brasil”, com Marcos Troyjo, co-diretor do BRICLAB do Columbia University.

Tags, , , , , , , , , , , , , ,

Stefanini se une à Saque Pague para oferta de serviços inovadores para o varejo

A oferta engloba desde compensação e custódia de cheques até programas de fidelidade, pré-pagos, mobile e sistemas de conciliação para o varejista

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, anuncia a aquisição de 40% da Saque e Pague, rede de autoatendimento multisserviços fundada em 2011, com o objetivo de levar soluções inovadoras para o setor varejista.

A iniciativa integra a estratégia de crescimento da Stefanini que, esse ano, já realizou outras movimentações importantes, como a fusão com a IHM Engenharia, focada no setor industrial; a joint-venture com a Tema Sistemas para criação da Stefanini Capital Market e a abertura de um novo escritório em Ontário, no Canadá.

“Temos certeza de que essa aliança com a Saque e Pague irá gerar resultados positivos, ao proporcionar serviços cada vez mais completos e eficazes para os nossos clientes do varejo”, afirma Marco Stefanini, CEO Global da Stefanini. “Somos uma das maiores empresas de tecnologia do País, temos uma presença muito importante fora do Brasil e possuímos um DNA de inovação muito parecido com o da Saque e Pague”, completa Stefanini.

A oferta engloba desde compensação e custódia de cheques até programas de fidelidade, pré-pagos, mobile, sistemas de conciliação para varejista, originação de demandas de seguros e empréstimos.
De acordo com Givanildo da Luz, presidente da Saque e Pague, o intuito da parceria é levar soluções de tecnologia de autoatendimento para o varejo. “A parceria reforça essa oferta de valor e fortalece mais ainda a relação com os clientes. A expectativa é que essa aliança traga novas soluções inovadoras aos clientes, expandindo, ainda mais, a relação existente”, afirma Luz.

Segundo o executivo, a aliança vai agregar ao portfólio Saque e Pague um leque de produtos inovadores que a Stefanini possui, tais como o processo de compensação de cheques por imagem, BPO e telecom.

Os serviços levam transações em terminais de autoatendimento para diversos setores. Sendo assim, podem ser realizadas transações bancárias, recarga de telefonia, recarga e venda de pré-pagos, transações de cartões private label, pagamentos e compra de passagens.

“A partir desse trabalho conjunto, Stefanini e Saque Pague procuram atender a uma demanda importante do varejo, levando operações bancárias e não bancárias aos clientes com e sem conta corrente, ou seja, atender também ao público não bancarizado que hoje representa uma grande parcela da população brasileira”, finaliza Luz.

A operação depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Tags, , , ,