Tag Kickante

Brasileira vence Cartier Women’s Initiative Awards 2017

Candice Pascoal, fundadora e CEO da maior plataforma de financiamento coletivo do Brasil, Kickante , foi vencedora do Cartier Women’s Initiative Awards 2017, evento que tem como objetivo central identificar e apoiar projetos originais de negócios liderados por empresárias do mundo todo, além de fomentar o empreendedorismo feminino. Candice também já foi reconhecida pelos Estados Unidos como uma das 10 brasileiras mais inovadoras na área de tecnologia no Brasil e nomeada pela revista ProXXIma como uma das 50 profissionais mais inovadoras da área de marketing e comunicação do país.

Candice Pascoal é brasileira e vive há 15 anos no exterior, morando principalmente nos Estados Unidos e Holanda, onde realizou diversos projetos importantes durante sua atuação como vice-presidente internacional da Putumayo World Music, em Nova York, quando foi responsável pelo lançamento de grandes nomes do cenário musical mundial. Após seu trabalho no mundo da música, Candice tornou-se referência no segmento de arrecadação de fundos e esteve à frente de importantes projetos para captação de recursos para ONGs na Europa, Ásia e Américas, entre as principais estão Médicos Sem Fronteiras, Cruz Vermelha, WWF e Anistia Internacional.

Hoje, Candice lidera a maior empresa de financiamento coletivo do Brasil, fundada há três anos e com forte impacto nacional, sendo que já lançou mais de 51 mil campanhas e captou mais de R$ 40 milhões. A Kickante detém o recorde de maior arrecadação da América Latina – R$1.006.990,95 captados para a campanha Santuário Animal..

“Ser a vencedora deste prêmio mostra o movimento real do empoderamento feminino nos últimos tempos, que cada vez mais está sendo estimulado com ações de incentivo como essa premiação. O Cartier Women’s Initiative Awards é referência para diversas iniciativas do mundo corporativo. Mundialmente, são mais de 2 mil startups lideradas por mulheres e apenas 18 delas são selecionadas pela iniciativa.”, relata Candice. E complementa: “Como essência, o prêmio busca o elemento transformador da empresa escolhida. No caso da Kickante, fomos além do bê-a-bá do crowdfunding, movimentando um ecossistema do bem no Brasil por meio de três produtos que se comunicam entre si: o crowdfunding, o clube mensal e o evento do bem, com quase um milhão de brasileiros impactados em apenas três anos”.

A nomeação para o prêmio Cartier Women’s Initiative Awards foi um grande reconhecimento para a startup, que também foi escolhida esse ano pelo InovaBRA, programa liderado pelo Bradesco para aproximar as startups mais inovadoras do país do seu público-chave.

Tags, , , ,

Kickante levanta mais de R$ 40 milhões em apenas 3 anos

Com o balanço do ano de 2016, a Kickante se consolida como a maior plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) do Brasil

Em seu terceiro ano de vida, em 2016, a Kickante voou em céu de brigadeiro: foram R$ 18,4 milhões financiados para viabilizar um total de 24,7 mil projetos, entre ações sociais, culturais e de empreendedorismo. No total de seu histórico, os números são ainda mais agressivos: 51,1 mil projetos viabilizados, com mais de R$ 40 milhões levantados.

“Estamos muito orgulhosos desse resultado, pois reflete não só a nossa eficiência operacional e comprometimento com nossos valores mas, ao contrário do que muitos pregam, a grande generosidade do povo brasileiro”, comenta Candice Pascoal, fundadora e CEO da companhia.

O fato é que na última Pesquisa Doação Brasil publicada pelo IDIS (Instituto pelo Desenvolvimento do Investimento Social), 77% dos brasileiros fizeram algum tipo de doação ao longo de um ano.

Além do volume grande de projetos pequenos e médios, o ano de 2016 também fechou com destaques importantes, como a campanha Gotas no Oceano – Construindo um Mundo Melhor. “Esse foi um dos inúmeros projetos que superou a meta em 49%, visto que o objetivo era arrecadar 300 mil reais, mas com a contribuição de 2,3 mil pessoas chegamos a 449 mil reais”, comemora Candice. E finaliza: “Para 2017 pretendemos continuar muito fortes nas ações sociais e continuar crescendo com as ações culturais e de empreendedorismo.

Tags, , ,

Kickante é selecionada para a próxima fase do inovaBra

Em seu terceiro ano, o inovaBra, programa de inovação do Bradesco que busca novos modelos de negócios voltados ao setor financeiro, já virou referência entre as startups brasileiras. E a Kickante, maior plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) e líder no Brasil, está entre as selecionadas para a próxima fase da iniciativa.

“Sabemos que ainda estamos no início do processo que deve ser bem competitivo, dada a qualidade de todas as empresas selecionadas, mas só o fato de termos passado pelo primeiro grande crivo de seleção já é uma honra para nós”, comemora Viviane Sedola, VP de Desenvolvimento e Co-fundadora da Kickante.

Segundo a executiva, essa não foi a única boa notícia a respeito do programa. Outras quatro empresas, que utilizaram a plataforma da Kickante para buscar financiamento coletivo para seus projetos, também foram selecionadas para o inovaBra:

• Easythings Tecnologia, desenvolvedora do Easyglic – Bracelete de detecção de estado hipoglicêmico para pacientes diabéticos;

• Laura Network, com a iniciativa do Robô Laura – tecnologia desenvolvida para detectar precocemente um possível caso de Sepse, ajudando médicos e enfermeiros a salvar muitas vidas;

• Nearbee, com o projeto Alfabee – uma plataforma geosocial que integra pessoas próximas, amigos, familiares e autoridades competentes;

• Vixsystem, com projeto Cão-Guia Robô – desenvolvido para gerar maior autonomia no deslocamento no dia a dia do deficiente visual.

“É gratificante ver empresas tão inovadoras e que confiaram na Kickante para buscar apoio financeiro para seus projetos também participarem desta iniciativa. Seja pela ideia genial ou pelo empenho e persistência, esses projetos merecem sair do papel e ganhar o mundo todo para servirem de exemplo”, comenta Candice Pascoal, CEO e fundadora da Kickante.

Tags, , , , , , , ,

Robô cão-guia pode chegar ao mercado brasileiro por meio de financiamento coletivo

Os cães-guias significam mais autonomia e qualidade de vida para deficientes visuais. Porém, apresentam questões como altos custos para treinamento, restrições para entrada em alguns ambientes, tempo curto de vida dos animais e despesas e trabalho quando ficam doentes. Pensando em colaborar com os deficientes visuais de maneira mais assertiva, prática e econômica, uma equipe de pesquisadores no Espírito Santo está desenvolvendo um robô cão-guia.

E para criar os protótipos da máquina, foi lançada uma campanha de crowdfunding pelo Kickante, maior plataforma brasileira de financiamento coletivo. O objetivo é arrecadar R$ 100 mil, para a produção de dez robôs cães-guias, que serão doados a deficientes visuais, permitindo os primeiros testes e possibilitando a sugestão de melhorias para aperfeiçoar o produto. O valor mínimo de doação é R$ 10 e quem doar a partir de R$ 10 mil terá seu protótipo garantido.

Batizado de Lysa, o robô está em fase final de desenvolvimento e a intenção é aperfeiçoá-lo para que, em breve, o produto possa estar no mercado. Comandada pela idealizadora do projeto, Neide Sellin, a equipe tem atualmente oito pesquisadores envolvidos na criação do cão-guia robô, todos bolsistas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O robô foi apresentado em novembro em evento do Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro onde mais de 120 pessoas com deficiência visual tiveram a oportunidade de conhecer Lysa. Em todo o Brasil há cerca de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual severa e já existe uma lista de espera de 450 nomes interessados em utilizar o produto.

“A campanha é não apenas para permitir a produção dos protótipos, mas também para fazer com que o robô chegue ao público de forma mais acessível possível”, explica a idealizadora do projeto, Neide Sellin. Se os resultados da campanha de financiamento coletivo forem os esperados, o custo do robô Lysa no mercado deverá ficar em até R$ 10 mil. “Os cães-guias convencionais exigem despesas para tratamento e criação, além do custo elevado para adestramento, não sendo portanto acessíveis a muita gente. Calcula-se que hoje no Brasil existam menos de 100 cães-guias”, comenta Neide Sellin.

Ela lembra que devido à insegurança para circular sozinhos, muitos cegos permanecem reclusos em suas residências, deixando de estudar ou trabalhar, o que significa muitas vezes ter dificuldades financeiras para eles e suas famílias. “Em muitos casos eles ficam dependentes de outra pessoa, que também tem sua rotina impactada. Estima-se que no Brasil existam 10 milhões de pessoas afetadas de alguma maneira pela deficiência visual”, explica.

Para a fundadora e presidente do Kickante, Candice Pascoal, campanhas como a do Cão-Guia Robô são capazes de estimular a procura pelo financiamento coletivo para a concretização de projetos e iniciativas. “O conceito do cão-guia robô deixa claro toda a criatividade e talento dos brasileiros, que cada vez mais desejam investir e fomentar suas ideias. Temos certeza que o projeto será um sucesso, e terá a capacidade de auxiliar inúmeros brasileiros por todo o país”, afirma.

Como é o robô Lysa

Com bateria recarregável, o robô Lysa tem funções semelhantes às de um cão-guia convencional. É dotado de dois motores e cinco sensores que avisam ao deficiente visual, por meio de mensagens de voz gravadas, quando há no percurso buracos, obstáculos e riscos de colisões em altura. A intenção é que chegue ao mercado com cerca de 3,5 quilos.

O robô começou a ser pesquisado por Neide Sellin em 2011. “Melhorar a vida das pessoas a partir do desenvolvimento de tecnologias era um sonho antigo, que foi ganhando cada vez mais espaço na minha vida. O projeto deu origem a uma startup e hoje estamos todos determinados a finalizar o produto e disponibilizá-lo o mais rápido possível para o mercado”, finaliza Neide.

A aposentada Joelva Gomes, que perdeu a visão na adolescência devido à degeneração macular, é consultora para o desenvolvimento de Lysa. Para ela, a maior dificuldade dos deficientes visuais é escapar de obstáculos que ficam em altura a partir da cintura, como galhos de árvores.

“A gente não consegue perceber esses obstáculos com a bengala, dificilmente você encontra algum deficiente visual que não tenha uma cicatriz da cintura pra cima. O robô vai nos dar maior independência e segurança ao nos alertar de coisas que a bengala não percebe, nos possibilitando ir trabalhar, estudar ou se divertir e voltar para casa de forma segura”, diz ela, que é formada em Direito e tem pós-graduação em Docência do Ensino Superior.

A irmã de Joelva, Sandra Pagotto, também é deficiente visual e acompanha a criação do produto. “O robô vai beneficiar principalmente as novas gerações de deficientes visuais, mas mesmo as pessoas de gerações menos habituadas com tecnologia aprendem a utilizá-lo de maneira rápida e fácil”, garante.

Mais informações sobre o projeto em http://www.caoguiarobo.com.br/

Tags, , , , , ,

Projeto brasileiro de pulseira para detectar hipoglicemia pode chegar ao mercado por meio do financiamento coletivo

Uma pulseira capaz de detectar o estado hipoglicêmico de um paciente pode chegar no mercado brasileiro em breve. É a tecnologia que a EasyGlic, desenvolvida pela EasyMedical, pretende disponibilizar para toda a população. O produto, que já passou pelas fases de estudo, desenvolvimento, criação da tecnologia, app e protótipo, agora está com sua campanha de financiamento coletivo pela Kickante e pretende arrecadar a quantia necessária para iniciar a produção em massa.

O bracelete, hipoalérgico com bateria de alta duração, é indicado para pessoas com histórico de hipoglicemia como diabéticos e atletas. De fácil utilização, o dispositivo é capaz de detectar quando o estado hipoglicêmico está se aproximando e emite um alerta ao usuário que pode adotar atitudes de prevenção. Além da pulseira, a EasyMedical também desenvolveu um app para smartphone, disponível pra iOS e Android, onde o usuário pode armazenar todas as informações coletadas, além de emitir um aviso a todos números previamente cadastrados no aplicativo.

“Crianças e idosos, por exemplo, que têm um pouco mais de dificuldade ao detectar os sintomas da hipoglicemia, podem usar o bracelete como segurança, e caso aconteça alguma ocorrência, o aplicativo irá notificar os números dos responsáveis que poderão ajudar o usuário”, explica Egmar Rocha, da EasyMedical. A hipoglicemia é o estado onde há diminuição da quantidade normal de glicose no sangue, e pode atingir pessoas com diabetes e atletas, por exemplo. O baixo nível de glicose no sangue pode causar uma série de sintomas desagradáveis e, no caso de hipoglicemia, pode levar à inconsciência, coma ou até à morte.

A campanha, no ar pela Kickante, pretende arrecadar R$500 mil, e receberá contribuições até o dia 29 de agosto. Para estimular as colaborações, os criadores oferecem recompensas como calendário para controle da glicemia (R$ 25), caneca personalizada (R$ 50) e o próprio bracelete (R$ 500).

Para kickar, acesse: http://www.kickante.com.br/campanhas/easyglic-pulseira-de-estados-hipoglicemicos

Tags, , , , , , , , , ,