Tag Fiesp

Hackathon da Fiesp cria soluções para as áreas de desburocratização e governo digital

A Fiesp e o Governo Federal promovem a 9ª edição do Hackathon, nos dias 15 e 16 de junho, na sede da Federação, na Avenida Paulista. O evento é uma maratona na qual os participantes passam dois dias desenvolvendo soluções tecnológicas para promover a inovação. Neste ano, os desafios são nas áreas de Desburocratização e Governo Digital. O objetivo do Hackathon é selecionar projetos capazes de colaborar na transformação e inclusão dos serviços públicos federais na era digital, ajudando a solucionar problemas de toda a sociedade. A abertura do evento será às 9h30 da manhã do sábado, 15, e a maratona vai até domingo, 16, às 13h30, com apresentação dos vencedores e a cerimônia de encerramento.

As 25 equipes selecionadas terão acesso a tecnologias de última geração e serão orientadas por grandes especialistas da área. Os critérios para avaliação das melhores soluções tecnológicas são: protótipo, código fonte e apresentação. A programação inclui palestras, brainstorming e mentorias gratuitas para todos os participantes. Como prêmio, um representante de cada equipe vencedora nas duas categorias ganha uma semana em Copenhagen, país número um no mundo em governo digital, com direito a um curso de metodologias e ferramentas para transformação digital.

Desde a 1ª edição, mais de 800 pessoas já participaram do Hackathon da Fiesp, para desenvolver soluções tecnológicas nas áreas de: educação, saúde, segurança, indústria automobilística, indústria eletroeletrônica, pedofilia e corrupção.

9º EDIÇÃO DO HACKATHON

Dias: 15 e 16 de junho

Local: Prédio da Fiesp (Avenida Paulista, 1313)

Mais informações: www.fiesp.com.br/hackathon

Tags, ,

Micro, pequenas e médias indústrias recebem consultoria ao vivo em Congresso na Fiesp

Um dos destaques da 14ª edição do Congresso da Micro, Pequena e Média Indústria – MPI, que será realizado pela Fiesp, nos dias 26 e 27 de maio, na Avenida Paulista, é o Desafio das MPIs, um projeto inédito em que empresas selecionadas apresentarão seus desafios na gestão de seus negócios para o público e um time de especialistas recebendo ao vivo orientações para apoio na tomada de decisão.

Cerca de 150 empreendedores se inscreveram no projeto e 3 casos serão selecionados e conhecidos no dia 26/5, às 13h45. Os principais problemas apresentados pelos empresários de MPIs são das áreas de administração e planejamento (44%), marketing e vendas (25%) e inovação e tecnologia (15%). Hoje, as Micro, Pequenas e Médias indústrias de transformação contribuem com 32,8% do PIB.

PROGRAMAÇÃO

Em mais um ano, o Congresso cria um importante espaço para compartilhar conteúdo, experiências, soluções e networking, com atividades focadas em performance e conteúdo. A programação começa no domingo, 26/5, das 10h às 16h, com palestras e oficinas nas áreas de Gestão de Pessoas, Marketing e Inovação. Na segunda-feira, 27/5, de 8h às 18h, o público poderá participar de paneis diversos e o encerramento acontecerá com talk show de Alex Szapiro, presidente da Amazon Brasil.

Durante os dois dias do Congresso, os participantes também poderão construir a melhor estratégia de financiamento para o seu negócio com a 2ª edição do Feirão de Crédito. O Feirão reúne bancos, cooperativas, fintechs e agentes de desenvolvimento em um único espaço para que as empresas encontrem as melhores soluções de crédito que podem contribuir para o desenvolvimento e o crescimento da micro, pequenas e médias indústrias. Uma oportunidade para conhecer as linhas de crédito, renegociar financiamentos, alongar prazos e conhecer novos agentes financeiros. Os atendimentos serão feitos de 10h às 15h30, no domingo (26/5), e de 9h às 17h, na segunda (27/5).

CONFIRA AQUI E CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA.

CONGRESSO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA – MPI 2019

Data: 26 e 27 de maio

Horário: De 10h às 16h (26/5) e de 8h às 18h (27/5)

Local: Prédio da Fiesp (Avenida Paulista, 1313)

Mais informações e inscrições: hotsite.fiesp.com.br/mpi/2019/

Tags,

Fiesp: Banco Central mantém Selic em 6,5% ao ano, mas o custo do crédito continua acima de 300%

O Banco Central decidiu, na reunião desta quarta-feira (6 de fevereiro), manter a taxa Selic em 6,5% ao ano. Vamos completar um ano com a Selic em seu patamar histórico mais baixo, porém o custo do crédito para as empresas e famílias continua bastante elevado, e o cheque especial, em particular, continua acima de 300% ao ano.

A Federação dos Bancos (Febraban) lançou uma cartilha de 164 páginas com sua receita para baixar os juros no Brasil. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) tem uma receita de apenas quatro palavras: BANCOS, BAIXEM OS JUROS.

O país precisa urgentemente ter um custo de crédito em padrões competitivos para alcançar o crescimento econômico e a geração de empregos de que tanto precisamos.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – Fiesp

Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – Ciesp

Tags, , , ,

Fintechs e indústria se aproximam para gerar negócios

Para apresentar às pequenas e médias indústrias o potencial das fintechs como alternativa aos bancos, a ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs) e a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) realizam em parceria o Seminário Fintechs – Novas soluções financeiras para seu negócio. O evento é gratuito, aberto para empreendedores, e acontece em 21 de agosto (terça-feira) das 9h às 17h30, na sede da Fiesp (Avenida Paulista, 1313), em São Paulo.

“As fintechs vêm revolucionando o mercado financeiro brasileiro. Essa parceria com a Fiesp abre caminhos para que as indústrias conheçam os benefícios de seus serviços, que são mais ágeis e têm custos mais acessíveis”, afirma Bernardo Pascowitch, diretor da ABFintechs. Para Sylvio Gomide, diretor do Comitê Acelera Status da Fiesp (CAF), “essas novas soluções podem ajudar muito as pequenas e médias indústrias. Além disso, essas tecnologias estão transformando o mercado financeiro”, enfatiza.

Durante o seminário, acontece também a Conexão Fintech, uma rodada de atendimento que aproxima diversas fintechs e pequenas e médias indústrias, com foco na geração de negócios. Confira a programação completa:

9h – Abertura

Sylvio Gomide, diretor titular do Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria e Acelera Fiesp;
Rodrigo Soeiro, presidente da ABFintechs;
Bernardo Pascowitch, diretor da ABFintechs e fundador do Yubb.
9h30 – Contextualização: Pesquisa “A percepção das empresas no uso ou contratação de produtos e serviços financeiros que não sejam por bancos comerciais”.

Sylvio Gomide, diretor titular do Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria e Acelera Fiesp.
10h – Palestra: Tendências e perspectivas de fintechs no Brasil e no mundo.

Pedro Englert, conselheiro da ABFintechs e CEO da StartSe;
Bruno Diniz, managing partner da Spiralem – Innovation Consulting, head do Comitê de Fintechs da ABStartups (Associação Brasileira de Startups) e professor da FGV Brasil;
Marcelo Bradaschia, sócio da Clay Innovation.
11h – Painel 1: A importância da regulamentação de fintechs para benefício do atendimento às empresas.

José Prado Villela dos Reis, CEO e co-founder da Insurtech Brasil, founder da Conexão Fintech (moderador);
Otavio Damaso, diretor de regulação do Banco Central – a confirmar;
Daniel Walter Maeda Bernardo, Superintendência de Relações com Investidores Institucionais da CVM (Comissão de Valores Mobiliários);
Matias Fischer, diretor da ABFintechs.
12h15 – Almoço

13h30 – Painel 2: Soluções de crédito de fintechs para micro, pequenas e médias indústrias.

João Pedro Khzouz, founder & CEO da Contaum (moderador);
Marcelo Porteiro Cardoso, superintendente da Área de Operações e Canais Digitais do BNDES;
Fabio Neufeld, cofundador e CEO da Kavod Lending e líder da vertical de crédito da ABFintechs;
Daniel M. Gomes, cofundador e CEO da Nexoos;
Marcos Mansur, sócio-diretor da SRM Asset/Trust Hub;
Theodoro Prado, gerente geral da Biva;
Marco Camhaji, CEO da Adianta.
15h – Painel 3: Soluções de investimento de fintechs para micro, pequenas e médias indústrias.

Romero Rodrigues, Managing Partner da Redpoint e Ventures, membro do Conselho da ABFintechs e diretor do Dempi & Acelera Fiesp (moderador) – a confirmar;
Bernardo Pascowitch, diretor da ABFintechs e fundador do Yubb;
Luciano Tavares, CEO da Magnetis, Board Member da ContaAzul, Founder da Napkn Ventures e Board Member da Rock Content;
Bruno Sayão, CEO da IOUU.
16h – Painel 4: Outras soluções de fintechs para os seus negócios.

Rosine Kadamani, Co-Founder da Blockchain Academy (moderadora);
Alberto Khzouz, Chairman da Conta Um;
Carlos Alberto Santos, CEO da Nota Registrada;
Marc Lahoud, CEO da QueroQuitar;
Joabe Schnack, CEO da Tarion-Beck;
Vinicius Roveda, CEO da ContaAzul – a confirmar;
André Street, CEO da Stone – a confirmar.
17h30 – Encerramento

Seminário Fintechs – Novas soluções financeiras para seu negócio

Data: 21 de agosto de 2018, terça-feira

Horário: Das 9h às 17h30

Local: Sede da FIESP

Endereço: Av. Paulista, 1313 – Cerqueira César, São Paulo – SP

Tags, , , , , , , ,

Indústria paulista gera 9,5 mil postos de trabalho em abril, aponta Fiesp

A indústria paulista encerrou abril com geração de 9,5 mil novos postos de trabalho, uma alta moderada de 0,44% em relação a março na série sem ajuste sazonal. No acumulado do ano, o resultado também sofreu variação positiva, com 32 mil novas vagas (+1,50%). Com ajuste sazonal, o índice apresentou recuo de -0,18% no mês. Os dados de Nível de Emprego do Estado de São Paulo foram divulgados nesta quarta-feira (16/05) pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo.

De acordo com o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, o resultado mostra um viés de baixa para o emprego na indústria paulista. “Apesar de este ser o segundo ano consecutivo em que o emprego em abril apresenta um resultado positivo, os dados estão aquém do esperado, com o nível de emprego industrial exibindo uma recuperação bastante lenta. Por conta ainda de um ambiente de incertezas no cenário político, e dos elevados níveis dos spreads bancários, percebemos que há uma perda de fôlego no processo de retomada da atividade econômica”, avalia Roriz.

Setores e regiões

Entre os 22 setores acompanhados pela pesquisa para o mês de abril, 13 ficaram positivos, 3, estáveis e 6, negativos.

Entre os positivos, os destaques ficaram por conta de produtos alimentícios, com geração de 5.817 postos de trabalho, seguido por coque, derivados de petróleo e biocombustíveis (+1.435), produtos de metal (+1.397) e veículos automotores, reboques e carroceria (+810).

No campo negativo ficaram, principalmente, confecção de artigos do vestuário e acessórios (-941) e produtos têxteis (-380).

A pesquisa apura também a situação de emprego para as grandes regiões do estado de São Paulo e em 36 Diretorias Regionais do CIESP. Por grande região, a variação no mês ficou positiva igualmente em 0,44% no Estado de São Paulo e no Interior paulista. Já na Grande São Paulo, houve queda (-0,07%).

Entre as 36 diretorias regionais, houve variação nos resultados. Nas 27 que apontaram altas, destaque por conta de Franca (2,97%), influenciada pelo setor de artefatos de couro e calçados (4,10%) e produtos alimentícios (2,71%); Sertãozinho (2,58%), por produtos alimentícios (2,41%) e produtos de metal (1,46%) e Piracicaba (2,56%), por produtos alimentícios (9,94%) e veículos automotores e autopeças (1,87%).

Já das 8 negativas, destaque para Jaú (-2,22%), por artefatos de couro e calçados (-28,98%) e produtos de metal (-7,14%); Santos (-1,86%), por impressão e reprodução gravações (-13,82%) e confecção de artigos do vestuário (-13,33%); São Caetano do Sul (-1,37%), influenciado por produtos de metal (-2,65%) e produtos alimentícios (-0,79%).

Tags, , , , , ,

Indústria paulista cria 10.000 vagas em março, e 1º trimestre tem melhor desempenho desde 2013

A indústria paulista criou 10.000 postos de trabalho em março, mostra a Pesquisa de Nível de Emprego da Fiesp e do Ciesp, divulgada nesta segunda-feira (16 de abril). O resultado é superior ao do mesmo mês em 2017 (9.500 novas vagas). No ano, houve acréscimo de 23.000 postos. É o maior saldo no primeiro trimestre de um ano desde 2013, quando foram criadas 34.500 vagas.

José Ricardo Roriz Coelho, segundo vice-presidente da Fiesp e diretor titular de seu Departamento de Economia, Competitividade e Tecnologia, destaca que a recuperação da economia está em trajetória de crescimento, ainda que o ritmo esteja aquém do desejado.

“Continuamos com a recuperação do emprego. Ela é lenta, com um crescimento não tão forte como gostaríamos, por alguns problemas de rota. Agora, nossa preocupação é que esse crescimento passe a ter ritmo mais acelerado”, para compensar a queda habitual do segundo semestre de cada ano. “Se reformas como a da Previdência tivessem sido feitas, acredito que a situação seria bem melhor”, afirma Roriz.

O destaque foi o setor sucroalcooleiro, que devido à época de safra de cana-de-açúcar teve saldo positivo de 5.183 vagas (52% do total dos novos postos industriais).

Nas regiões e setores analisados pela pesquisa houve resultados positivos em 64%.

Dos 22 setores industriais, 14 tiveram aumento do número de postos de trabalho, 2 ficaram estáveis, e 6 apresentaram redução.

O destaque ficou para produtos alimentícios, em que foram criadas 4.349 vagas, variação positiva de 1,24%. Em coque, derivados do petróleo e biocombustíveis, o aumento foi de 6,25% (2.528 novos postos).

Das 36 regiões em que a pesquisa é dividida, 23 tiveram saldo positivo de empregos, 5 se mantiveram estáveis, e em 8 houve redução do número de vagas.

Como destaques positivos, Sertãozinho teve 4,75% de crescimento no número de postos de trabalho. Na região de Bauru, o crescimento foi de 1,96% e na de Presidente Prudente, de 1,63%.

Tags, , , , , , , ,

Indústria paulista gera 2 mil postos de trabalho em fevereiro, aponta Fiesp

A indústria paulista encerrou fevereiro com o melhor saldo de empregos para o mês desde 2014. Apesar de uma alta moderada de apenas 0,10% frente a janeiro, foram criados 2 mil postos de trabalho na série sem ajuste sazonal. Em fevereiro daquele ano, a indústria havia contratado 7,5 mil profissionais e no mesmo mês do ano passado houve corte de 3 mil vagas. No acumulado do ano, o resultado também é o melhor para o período desde 2014, com a criação de 12,5 mil novas vagas (+0,59%). Com ajuste sazonal, o índice ficou estável (-0,03%) no mês. Os dados de Nível de Emprego do Estado de São Paulo foram divulgados nesta quarta-feira (14/03) pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo.

“Apesar de uma estabilidade na geração de empregos na indústria em fevereiro, esperamos aceleração desse saldo para os próximos meses estimulada pelo aumento da confiança empresarial e do consumo”, avaliou o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, lembrando que a entidade prevê a criação de 20 mil vagas no fechamento do ano.

Setores e regiões

Entre os 22 setores acompanhados pela pesquisa para o mês de fevereiro, 10 ficaram positivos, 3, estáveis e 9, negativos.

Entre os positivos, os destaques ficaram por conta de coque, derivado do petróleo e biocombustíveis, com geração de 1.030 postos de trabalho, seguido por confecção de artigos do vestuário e acessórios (1.019).

No campo negativo ficaram, principalmente, produtos de borracha e de material plástico (-1.408) e produtos diversos (-622).

A pesquisa apura também a situação de emprego para as grandes regiões do estado de São Paulo e em 36 Diretorias Regionais do CIESP. Por grande região, a variação no mês ficou positiva no Estado de São Paulo (0,10%), e no Interior paulista (0,27%). Já na Grande São Paulo, houve queda (-0,35%).

Entre as 36 diretorias regionais, houve variação nos resultados. Nas 21 que apontaram altas, destaque por conta de Franca (2,80%), influenciada pelo setor de artefatos de couro e calçados (5,13%) e coque, petróleo e biocombustíveis (2,27%); Mogi das Cruzes (2,03%), por produtos de minerais não metálicos (1,62%) e máquinas e equipamentos (1,72%) e Araraquara (1,35%), por produtos alimentícios (1,26%) e produtos de borracha e plástico (3,10%).

Já das 10 negativas, destaque para Matão (-2,65%), por produtos alimentícios (-3,99%) e máquinas e equipamentos (- 2,74%); Jaú (-2%), por artefato de couro e calçados (-10,10%) e coque, petróleo e biocombustíveis (-0,34%); Santos (-1,53%), influenciado por produtos alimentícios (-2,56%), impressão e reprodução de gravações (-3,27%).

Tags, , , , , ,

Indicador de Nível de Atividade da indústria recua 0,9% em janeiro, aponta Fiesp

O Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista recuou 0,9% em janeiro ante dezembro na série com ajuste sazonal. Já na série sem ajuste, o resultado para o mês ficou positivo em 2,6%, enquanto que na variação acumulada no ano, o indicador apresentou a melhor variação positiva nesta base de comparação (7,6%) desde 2013, quando subiu 6,5%. O fator vendas reais manteve-se estável, 0,0% no mês, mas a variável das horas trabalhadas na produção e o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) recuaram 1,1% e 0,5 p.p., respectivamente, na análise com tratamento sazonal. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 07/03, pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

“O resultado de queda do INA em janeiro não reverte a tendência de recuperação e do crescimento da indústria para os próximos meses, com a retomada do emprego. Não vamos ter um forte ritmo de crescimento, mas um ritmo de crescimento possível”, argumenta o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, lembrando que o INA apresentou crescimento consecutivo nos últimos dois meses – 0,5% em novembro e 1,8% em dezembro.

Entre os setores pesquisados, os destaques ficaram por conta de celulose, papel e produtos de papel, com queda de 0,3% em janeiro, na série com ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção e o NUCI recuaram 0,5% e 0,2 p.p., respectivamente. Apenas o total de vendas reais teve avanço de 2%.

O INA do setor de bebidas também recuou (-1,9%) no mês. As horas trabalhadas na produção apresentaram leve avanço de 0,2%. Já o total de vendas reais e o NUCI recuaram 7,5% e 1,0 p.p, respectivamente.

Sensor

A pesquisa Sensor de fevereiro, também produzida pelas entidades, cedeu 2,1 pontos, para 52,1 pontos. Leituras acima de 50 pontos sinalizam expectativa de aumento da atividade industrial para o mês.

Dos indicadores que compõem o Sensor, a variável de vendas recuou, ao variar de 53,7 pontos em janeiro para 50,8 pontos em fevereiro. Houve retração também no indicador de estoques, que cedeu 1,5 pontos ante janeiro, marcando 51,1 pontos. Resultados acima de 50 pontos indicam que os estoques estão abaixo do nível desejado. Para a variável que capta as condições de mercado, houve recuo para 56,7 pontos em fevereiro, frente os 58,3 pontos de janeiro. Acima dos 50,0 pontos indica melhora das condições de mercado. Por fim, o indicador de emprego também obteve variação negativa, ao cair 0,8 pontos, para 51,9 pontos em fevereiro. Resultados acima dos 50,0 pontos indicam expectativa de contratações para o mês.

Tags, , , , ,

Indústria paulista gera 10.500 empregos em janeiro de 2018

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A indústria paulista contratou 10.500 trabalhadores em janeiro de 2018, o equivalente à variação de 0,50% em relação a dezembro. Foi o melhor resultado para o mês desde janeiro de 2012, nesta base de comparação, segundo a Pesquisa de Nível de Emprego realizada pela Federação e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp). Para se ter uma ideia, a média de contratações no primeiro mês do ano é de 2.800 postos abertos entre 2005 e 2017. Considerando o ajuste sazonal, a variação mensal do emprego na manufatura de São Paulo foi de -0,04%, resultado considerado estável, mas ainda assim, o melhor para janeiro desde 2012 (quando registrou -0,37%).

“O desempenho de janeiro demonstra a consistência do processo de crescimento da economia. O emprego no setor manufatureiro tem mostrado resultados acima da média de forma consistente, seguindo o aumento de produção registrado pela indústria paulista no ano de 2017, que foi de 3,4%.”, explica o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho.

Na avaliação por setores, abriram vagas de trabalho no mês 16 dos 22 setores pesquisados. Os destaques ficaram com as seguintes áreas: veículos automotores, reboques e carrocerias (mais 2.939 postos), confecção de artigos do vestuário e acessórios (2.123) e produtos de minerais não metálicos (1.426).

Já os piores resultados em termos de emprego em janeiro ficaram com produtos químicos (694 demissões), produtos de madeira (-273) e impressão e reprodução de gravações (-155).

Na análise por região do estado, ficou em primeiro lugar com relação à abertura de vagas a região de São João da Boa Vista, com um crescimento de 3.01%, seguida de Mogi das Cruzes (2,42%) e Araraquara (2,07%).

Tais resultados estão ligados aos produtos de minerais não metálicos e máquinas e equipamentos em São João da Boa Vista, produtos têxteis e veículos automotores e autopeças em Mogi das Cruzes e produtos têxteis, e confecção de artigos do vestuário em Araraquara.

No final do ranking de empregos estão Jaú (-1,70%), Jacareí (-1,34%) e Limeira (-0,90%). Isso sob a influência dos setores de produtos diversos e produtos alimentícios em Jaú, produtos de metal e produtos de borracha e plástico em Jacareí e produtos diversos e produtos de minerais não metálicos em Limeira.

Tags, , , , , , ,

Fiesp: BC reduz a Selic, mas precisa atacar os juros para o tomador final

Nesta quarta-feira, 7 de fevereiro, o Banco Central definiu o novo valor da taxa Selic em 6,75% ao ano, redução de 0,25 ponto percentual.

Este é o menor valor da taxa Selic em toda sua história, mas isso adianta muito pouco, porque os juros para o tomador final no Brasil ainda estão entre os maiores do mundo. As altas taxas para o tomador final retiram poder de compra das famílias, inibem o investimento e a geração de emprego por parte das empresas e dificultam a retomada do crescimento.

O Banco Central precisa deixar de só fazer ameaças ao sistema bancário. Tem que tomar ações incisivas para reduzir a taxa de juros ao tomador final.

Paulo Skaf

Presidente da Fiesp e do Ciesp

Tags, , , , , , , , ,

Após três anos de queda, indicador de Nível de Atividade da indústria paulista avança 3,5% em 2017

Após três anos consecutivos de queda, o Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista fechou 2017 com avanço de 3,5%, impulsionado pelo total de vendas reais, que subiram 7,1% no período, estimuladas pelo aumento da produção física da indústria paulista, que segundo estimativa da FIESP e do CIESP é de uma provável alta de 3,3% nesse período. Por outro lado, a variável de horas trabalhadas na produção caiu -2%, na série sem ajuste sazonal e o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou alta modesta de 0,2p.p. no ano, sinalizando que o aumento da atividade ocorreu em razão do aumento de produtividade do trabalho na indústria de transformação. Os dados acumulados em 12 meses até novembro para a indústria paulista são de aumento de 4,7%, acima da média da série histórica iniciada em 2003, que é de 2,1%.

Nos fechamentos de 2014, 2015 e 2016, o recuo do INA foi de -6%, -6,2% e -8,9%, respectivamente. Nesse período, o indicador acumulou perda de cerca de 20%. Na análise mensal, houve queda de -4,2% em novembro e de -13,9% em dezembro. Já na série com ajuste, o resultado para novembro e dezembro ficou positivo em 0,5% e 1,4%, nessa ordem. Os resultados foram divulgados nesta quarta-feira, 31, pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

De acordo com o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, juros baixos e inflação estável devem impulsionar a retomada da economia. “A economia tem apresentado melhoras e os dados do INA confirmam essa análise. O indicador apontou que tivemos um grande aumento de produtividade ao longo de 2017, o que deve ser mantido em 2018”, destaca Roriz.

A variação do INA ficou positiva em 9 dos 20 setores acompanhados em 2017. O INA acompanha o total de vendas reais, as horas trabalhadas na produção e a utilização da capacidade instalada (NUCI) da indústria de transformação paulista, que subiram 2,6%, 0,2% e 0,1 p.p., na série com ajuste sazonal em dezembro.

Entre os setores de destaque está o de metalurgia básica, que teve crescimento de 5,3% no ano, sem ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção caíram 3,4%, mas o total de vendas reais e o NUCI avançaram 9,1% 4 p.p., respectivamente.

O INA de artigos de borracha e plástico subiu 3,1% no ano, puxado pelo avanço de horas trabalhadas na produção, que avançou 3,7%, seguida do total de vendas reais, que cresceram 4,6% e do NUCI que teve leve crescimento de 0,1 p.p., respectivamente.

Sensor

A pesquisa Sensor do mês de janeiro segue pelo décimo segundo mês consecutivo acima dos 50 pontos ao fechar em 54,5 pontos, na série livre de influências sazonais, contra 55,5 pontos de dezembro. Leituras acima de 50 pontos sinalizam expectativa de aumento da atividade industrial para o mês. Já a variável de vendas recuou 4,4 pontos, saindo de 58,7 pontos para 54,3 pontos.

No item condições de mercado, o indicador foi de 63,5 pontos em dezembro para 58,6 pontos em janeiro, queda de -4,9. Acima dos 50,0 pontos, indica melhora das condições de mercado. Já o indicador de emprego avançou 0,3 pontos, para 52,8 pontos, ante os 52,5 pontos de dezembro. Resultados acima dos 50,0 pontos indicam expectativa de admissões para o mês.

O nível de estoque também avançou. Foi de 48,9 pontos em dezembro para 52,6 pontos em janeiro. Leituras superiores a 50,0 pontos indicam estoque abaixo do desejável, ao passo que inferiores indicam sobrestoque.

Tags, , , , , ,

Empresas de tecnologia discutem futuro da economia digital no Brasil

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e o Departamento de Comércio dos Estados Unidos no Brasil promoverão na próxima quinta-feira, 26 de outubro, a Conferência de Economia Digital em São Paulo. O evento reunirá representantes do setor público e privado para discutir o futuro da economia digital, oportunidades no Brasil e os desafios de criar um ambiente que estimule a inovação.

O embaixador dos EUA no Brasil, P. Michael McKinley, e o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, Gilberto Kassab, abrirão o evento. Representantes do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e do Ministério da Agricultura e do Departamento de Comércio dos EUA também farão parte da conferência.

O evento contará ainda com a participação de empresas como Cisco, Microsoft, Salesforce, Monsanto, John Deere, Facebook, IBM, Infor, Dell, AT&T, Uber, Intel, Amazon Web Service, Caterpillar e BayBrazil.

A economia digital faz parte de nossas vidas e é um componente importante para o crescimento econômico e aumento da competitividade. Essas ferramentas e recursos online são usados para fazer negócios, conduzir pesquisas, obter as últimas notícias, evitar trânsito, ficar em contato com amigos e familiares e muitos outros.

A iniciativa tem por objetivo estimular o debate sobre as oportunidades e os desafios dessa nova economia, assim como políticas que afetam o comércio internacional, segurança cibernética e os direitos fundamentais da sociedade.

Evento: Conferência de Economia Digital

Data: Quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Local: Fiesp – Avenida Paulista, 1.313

Horário: 8h30 às 17h30

Programação: goo.gl/nv5zGC

Evento Gratuito. Vagas limitadas: goo.gl/SGWYov

Haverá transmissão online: www.fiesp.com.br/online

Tags,