Tag empregos

Resource IT abre 250 vagas de TI no Sul, Sudeste e Nordeste

A Resource IT, uma das principais multinacionais brasileiras de serviços de consultoria, TI e Integração Digital, está com 250 vagas abertas para profissionais de Tecnologia da Informação (TI) nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. As oportunidades são para os cargos de Analista Programador Back-End (NODE), Analista Programador Front-End (Angular PI), Especialista VTEX (E-commerce), Analista Programador React Sr, Product Owner e Full STACK. As vagas preveem plano de carreira e contemplam diversos benefícios.

Os interessados em fazer parte da empresa devem ser graduados em Ciências ou Engenharia da Computação e indicar suas experiências profissionais na área de TI no cadastro dos currículos.

Para as vagas de Analista Programador Back-End é preciso ter conhecimentos das linguagens NODE, JavaScript, AWS, Microsserviços GIT, Mongo, DB e Oracle. Para o cargo de Analista Programador Front-End é necessário conhecimento em HTML, CCS-SASS, SCSS-Angular, APIS, REST, GIT, GRUNT e GULP. Para os candidatos a Especialista VTEX é imprescindível domínio de HTML, CSS, SASS, JavaScript, JQUERY, Plataforma VTEX, GIT, GRUNT e GULP. Para os concorrentes à vaga para Analista Programador React Sr é exigido experiência em Android ou IOS, JavaScrip e Angular.

O cargo de Product Owner requer experiência no desenvolvimento e gestão de produtos digitais, participação em eventos ou congressos sobre agilidade, conhecimento de sistemas e produtos Web e Mobile. Ter atuado como Scrum Master é um ponto positivo. Já a vaga para Full STACK solicita conhecimentos em JAVA 5/6 EE, JBoss, Tomcat, WAS, Spring, Springbatch, Jenkins, Maven, ANT, EJB, HTML, CSS, JavaScript, JSP e Struts.

Com 26 anos de atuação no mercado, a Resource IT possui uma equipe de 2.500 profissionais altamente capacitados e aptos para atuar em projetos no Brasil e em cinco países no exterior, em especial na América Latina e Estados Unidos, por meio de uma moderna estrutura com 21 Unidades e Centro de Inovação no Vale do Silício (EUA).

A excelência de seus serviços faz com que a Resource IT seja amplamente reconhecida pelo mercado e por mais de 300 clientes ativos de diversos segmentos da indústria, com ofertas completas de Digital, Serviços Gerenciados e Soluções Empresariais. A Resource IT utiliza as mais modernas tecnologias globais e possui dezenas de certificações técnicas que comprovam seu diferencial competitivo e a qualidade de seu trabalho junto a clientes que desejam obter ganhos de produtividade e maior desempenho em suas operações.

Os candidatos interessados devem enviar seus dados com o currículo atualizado para o e-mail recrutamentoeselecao@resourceit.com. As inscrições já estão abertas e as contratações serão feitas ao longo dos próximos meses. Para mais informações, visite o site www.resourceit.com.

Tags, , , , ,

Inteligência artificial não elimina empregos, ela cria oportunidade

Por Michael Xie, fundador, presidente e CTO da Fortinet

Na Fortinet, investimos em inteligência artificial (IA) há anos. É uma tecnologia incrível que apresenta oportunidades extraordinárias de como proteger as redes e, por fim, a internet. Com a IA se tornando mais comum e mais sofisticada, ela esclarece uma verdade importante: o valor, o poder e a eficiência da IA não surgem da sua capacidade de substituir os seres humanos.

Na verdade, a IA faz exatamente o oposto. Tanto a automação quanto a IA enfatizam a importância da percepção e do conhecimento humano para o sucesso. Argumentos e notícias que colocam a tecnologia como uma ameaça crescente, ampliando as divisões sociais e limitando as oportunidades podem provocar reações mais fortes (e mais cliques), mas, em geral, a inovação não é para adicionar ou subtrair, e sim para multiplicar. Ela cria muito mais oportunidades para mais pessoas e de várias formas, mais do que pudessem imaginar a princípio as pessoas mais diretamente afetadas por ela.

O e-mail substituiu o correio? Embora o número total de funcionários tenha caído de 2007 a 2016, agora é um pouco mais do que era em 1965. O volume de correspondências normais e de marketing diminuiu, mas o volume total de envio de pacotes aumentou de 3,3 bilhões a 5,2 bilhões de pacotes. Os pontos de entrega aumentaram de 148 milhões para 156 milhões e existem milhares de caminhões de entrega adicionais rodando pelas estradas.

Os caixas eletrônicos substituíram os bancos? Não. Além de diminuírem os custos de uma agência, os caixas eletrônicos ajudaram a aumentar o número de bancos em mais de 40%. Na verdade, eles não substituíram nem os caixas de banco, cujos serviços aumentaram para atender à demanda de mais agências.

A ascensão e disseminação da IA nos obriga a nos conscientizar que encher os funcionários de tarefas boas para a IA, como atividades repetitivas e que exigem precisão e controle, sem envolver raciocínio, pensamento de ordem superior ou senso comum, é um estilo de gerenciamento ultrapassado e divisor.

É difícil imaginar um setor que mais depende da tecnologia digital do que a cibersegurança. Desde o do terceiro trimestre de 2017, nossas ferramentas e tecnologias de cibersegurança neutralizaram 91 mil programas de malware, bloqueando o acesso a 150 mil sites mal-intencionados e impedindo 4,4 milhões de tentativas de invasão de rede por minuto.

O mundo digital está repleto de ameaças, que incluem brincalhões maliciosos a criminosos, seitas ideológicas a ciberterroristas patrocinados pelo Estado, ameaçando tudo, desde nossas identidades individuais até a infraestrutura crítica da nossa sociedade; e não há como proteger os dados sem a IA de autoaprendizagem e automação. Para que a cibersegurança seja eficaz, devemos utilizar a IA em tarefas demoradas, como mineração de dados e análise de logs de dados, assim as equipes de cibersegurança podem se concentrar nas tarefas de ordem superior, como identificação e eliminação de ameaças.

Porém, um dos maiores desafios que o nosso setor enfrenta é a falta de talentos. A taxa de desemprego do nosso setor é 0%. Em 2016, foram criados um milhão de novos empregos em cibersegurança cibernética e as estimativas indicam aumento de cinco ou seis milhões nos próximos anos. Em 2015, houve aumento de 74% nas vagas de trabalho em cibersegurança, metade das quais não foram preenchidas.

Em todos os setores, 45% das organizações afirmam ter uma grave escassez de profissionais de cibersegurança. Por isso, as equipes de cibersegurança precisam correr entre uma crise e outra, com pouco tempo para elaborar um planejamento estratégico ou aprendizado contínuo e acompanhar a sofisticação das ameaças.

Estes são certamente desafios das empresas, que se tornam cada vez mais dispendiosos. A demanda em si está promovendo uma guerra por talentos, e o custo relacionado ao cibercrime deve atingir US$ 2,1 trilhões globalmente até o próximo ano.

Não conseguiremos preencher esses cargos se não houver maior conscientização sobre a necessidade deles, treinamento já no ensino Fundamental e Médio e maior envolvimento dos estudantes universitários, principalmente as mulheres, que atualmente representam apenas 14% da força de trabalho no setor de cibersegurança. A automação e a IA não estão eliminando empregos, elas criam novas oportunidades, com altos salários, altos níveis e seguros, a uma velocidade sem precedentes. Com os níveis de dados que não param de crescer, a demanda será ainda maior.

Tags, , , , , ,

Google Cloud lança versão 2.0 do Hire

O Google simplificou os processos de contratação com o lançamento do Hire no ano passado, integrando-o às ferramentas que os recrutadores já usam em boa parte do dia – Gmail, Google Agenda e outros aplicativos do G Suite. Segundo os recrutadores, o Hire aprimorou fundamentalmente o modo como eles trabalham, diminuindo o tempo gasto na conclusão de tarefas comuns de recrutamento, como revisar candidaturas ou programar entrevistas, em até 84%. Baseado nos comentários dos usuários, para resultados ainda melhores, o Google lançou a versão 2.0 do aplicativo com algumas inovações.

Ao incorporar o Google AI (inteligência artificial), o Hire reduz tarefas repetitivas e demoradas em interações com apenas um clique. Isso significa que as equipes de contratação podem gastar menos tempo com logística e mais tempo se conectando com as pessoas.

Veja um pouco mais sobre o que os recrutadores podem fazer com o novo Hire:

Agendar entrevistas em segundos

Recrutadores gastam muito tempo gerenciando a logística de entrevistas – encontrando tempo disponível em calendários, reservando salas e reunindo as informações certas para que os entrevistadores se preparem. Para agilizar esse processo, o Hire agora usa IA para sugerir automaticamente entrevistadores e horários ideais, reduzindo o agendamento de entrevistas para apenas alguns cliques.

Se um entrevistador cancelar na última hora, o Hire avisa e recomenda entrevistadores substitutos disponíveis e facilita o convite rápido para eles. Isso significa que as equipes de contratação podem investir tempo na preparação de entrevistas e na construção de relacionamentos com os candidatos, em vez de agendar salas e verificar calendários.

Realce automático dos currículos

Grande parte do tempo dos recrutadores é gasto na revisão de currículos. Ao observar as pessoas interagindo com o Hire, nota-se que eles usavam com frequência “Ctrl + F” para procurar as habilidades certas enquanto examinavam um currículo – uma tarefa repetitiva e manual que poderia ser facilmente automatizada. Usando a inteligência artificial, o Hire agora analisa automaticamente os termos em uma descrição de trabalho ou consulta de pesquisa e os realça automaticamente nos currículos, incluindo sinônimos e siglas.

Clique para chamar candidatos

Independentemente de estarem analisando candidatos, conduzindo entrevistas ou acompanhando ofertas de emprego, os recrutadores costumam ter dezenas de conversas por telefone todos os dias. Isso significa gastar muito tempo procurando números de telefone ou anotações. A nova versão do Hire agora simplifica todas as conversas telefônicas com a funcionalidade “clique para ligar” e registra automaticamente as chamadas para que os membros da equipe saibam quem falou com um candidato.

“O uso do Hire do Google ajudou a agilizar os processos que costumavam ocupar muito do meu tempo, o que permite me concentrar nos próximos passos para garantir que os candidatos tenham a melhor experiência possível”, afirma Anna McMurray, headhunter da Dandelion Chocolate.

Há uma grande oportunidade para a tecnologia – especificamente para a inteligência artificial – ajudar as pessoas a trabalhar mais rapidamente e, portanto, concentrar seu tempo e esforço em atividades exclusivamente humanas. “Em última análise, é isso que o Hire é, e a funcionalidade que estamos lançando hoje demonstra nosso compromisso em ajudar as empresas a se concentrarem nas pessoas e criarem melhores equipes”, afirma Berit Hoffman, gerente de produto sênior do Hire.

Tags, , , ,

A tecnologia e o futuro do emprego

Por José Pio Martins

Que o mundo está passando por uma gigantesca revolução tecnológica ninguém duvida. Robô sapiens, Internet das Coisas, inteligência artificial, comunicação na palma da mão, redução de intermediação humana em várias atividades (bancária, compras, atendimento, fluxo de documentos etc.) são alguns exemplos do arsenal de mudanças em andamento. Todos os dias lemos que livrarias estão fechando porque os compradores preferem o oceano de ofertas via internet; que as mais sofisticadas operações bancárias são feitas por computador e por celular; que os aplicativos de smartphone estão acabando com tarefas comerciais e burocráticas antes feitas presencialmente e com material físico.

O mundo da burocracia está diminuindo (menos no Brasil). Coisas como ir a um cartório para fazer ou retirar um documento, ir ao laboratório para buscar resultados, gastar tempo para fazer coisas simples que tomam tempo e custam dinheiro são exemplos de atividades que vão sumir. Além dessas, há atividades altamente sofisticadas que estão sendo paulatinamente assumidas pelas tecnologias e vão eliminar milhares de tarefas e de trabalho humano. A ansiedade é saber para onde irão os empregos eliminados em face das novas aplicações tecnológicas.

Já foi publicado que, nos Estados Unidos, 47% dos empregos estão ameaçados de extinção por substituição tecnológica. As pessoas estão assustadas e gritando: “Os robôs irão roubar nossos empregos!” No curto prazo, a explosão de novas tecnologias irá, sim, gerar um deslocamento nos empregos. Mas, no longo prazo, deve acontecer uma mudança nos padrões e formas de trabalho, e milhões de empregos de outro tipo serão criados. A revolução tecnológica irá aumentar a produtividade por hora de trabalho e diminuirá custos.

Quando os custos diminuem, os preços também caem e, por consequência, milhões de consumidores de menor renda passam a ter poder de comprar; logo, melhoram sua qualidade de vida, fazendo que surjam novas formas de emprego. A alta tecnologia resulta de um mercado livre e competitivo e reduz não apenas o custo dos produtos de consumo, mas também os bens de capital – sobretudo as novas máquinas de tecnologia moderna –, que também passam a ser produzidos a custos menores.

Quando ocorre essa sequência de eventos econômicos – avanço da tecnologia, aumento da produtividade do trabalho, barateamento dos bens e serviços, barateamento dos bens de capital, aumento do consumo –, outro fenômeno explode: uma maior parte da renda das pessoas (consumidores) fica liberada para outras compras. E novas demandas surgem, outros bens e serviços têm de ser ofertados, outros empreendimentos são criados e outros tipos de empregos são gerados.

Um computador pessoal que hoje é comprado por US$ 500 custava quatro vezes mais há poucos anos. Os milhões de computadores vendidos no mundo decorrem da diminuição de seu preço nos últimos anos, e o número de empregados trabalhando em toda a cadeia de produção, venda e assistência técnica aumentou vertiginosamente. Em toda a história da humanidade, quando revoluções tecnológicas ocorreram – como a máquina a vapor, o motor a combustão e a eletricidade –, o resultado foi uma abundante criação de empregos. Empregos antigos se tornam obsoletos e são eliminados, e trabalhadores são liberados para os novos empregos.

Em 1970, o Brasil tinha 46% da população vivendo na zona rural. Ou seja, para duas pessoas terem alimento, uma tinha de estar na lavoura, produzindo para ela própria e para mais uma. Em uma sociedade na qual metade da população tem de estar no campo produzindo comida, a pobreza será a norma corrente, e não haverá espaço para produzir educação, saúde, lazer, turismo e uma penca de bens industriais e serviços pessoais a fim de melhorar o padrão médio de bem-estar.

A possibilidade de a humanidade viver melhor veio com a introdução da tecnologia na agricultura e na pecuária, pelo fim da necessidade de tantas pessoas terem de trabalhar na produção de alimentos. A liberação das pessoas da zona rural propiciou a expansão da indústria, depois do comércio e dos serviços, e elevou o padrão de vida. Mas a tecnologia assusta. Quando a eletricidade sepultou velas e lampiões e os automóveis enterraram as carroças e as charretes, não faltou quem prenunciasse o fim dos tempos. O desemprego tem outras causas, entre elas a explosão demográfica. O mundo tinha 1 bilhão de habitantes em 1830; em 100 anos dobrou, e atualmente somos 7,4 bilhões; seremos 9,4 bilhões daqui a 30 anos. A revolução tecnológica será a salvação, não a condenação.

José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

Tags, , , , ,

Indústria paulista gera 9,5 mil postos de trabalho em abril, aponta Fiesp

A indústria paulista encerrou abril com geração de 9,5 mil novos postos de trabalho, uma alta moderada de 0,44% em relação a março na série sem ajuste sazonal. No acumulado do ano, o resultado também sofreu variação positiva, com 32 mil novas vagas (+1,50%). Com ajuste sazonal, o índice apresentou recuo de -0,18% no mês. Os dados de Nível de Emprego do Estado de São Paulo foram divulgados nesta quarta-feira (16/05) pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo.

De acordo com o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, o resultado mostra um viés de baixa para o emprego na indústria paulista. “Apesar de este ser o segundo ano consecutivo em que o emprego em abril apresenta um resultado positivo, os dados estão aquém do esperado, com o nível de emprego industrial exibindo uma recuperação bastante lenta. Por conta ainda de um ambiente de incertezas no cenário político, e dos elevados níveis dos spreads bancários, percebemos que há uma perda de fôlego no processo de retomada da atividade econômica”, avalia Roriz.

Setores e regiões

Entre os 22 setores acompanhados pela pesquisa para o mês de abril, 13 ficaram positivos, 3, estáveis e 6, negativos.

Entre os positivos, os destaques ficaram por conta de produtos alimentícios, com geração de 5.817 postos de trabalho, seguido por coque, derivados de petróleo e biocombustíveis (+1.435), produtos de metal (+1.397) e veículos automotores, reboques e carroceria (+810).

No campo negativo ficaram, principalmente, confecção de artigos do vestuário e acessórios (-941) e produtos têxteis (-380).

A pesquisa apura também a situação de emprego para as grandes regiões do estado de São Paulo e em 36 Diretorias Regionais do CIESP. Por grande região, a variação no mês ficou positiva igualmente em 0,44% no Estado de São Paulo e no Interior paulista. Já na Grande São Paulo, houve queda (-0,07%).

Entre as 36 diretorias regionais, houve variação nos resultados. Nas 27 que apontaram altas, destaque por conta de Franca (2,97%), influenciada pelo setor de artefatos de couro e calçados (4,10%) e produtos alimentícios (2,71%); Sertãozinho (2,58%), por produtos alimentícios (2,41%) e produtos de metal (1,46%) e Piracicaba (2,56%), por produtos alimentícios (9,94%) e veículos automotores e autopeças (1,87%).

Já das 8 negativas, destaque para Jaú (-2,22%), por artefatos de couro e calçados (-28,98%) e produtos de metal (-7,14%); Santos (-1,86%), por impressão e reprodução gravações (-13,82%) e confecção de artigos do vestuário (-13,33%); São Caetano do Sul (-1,37%), influenciado por produtos de metal (-2,65%) e produtos alimentícios (-0,79%).

Tags, , , , , ,

Indústria paulista cria 10.000 vagas em março, e 1º trimestre tem melhor desempenho desde 2013

A indústria paulista criou 10.000 postos de trabalho em março, mostra a Pesquisa de Nível de Emprego da Fiesp e do Ciesp, divulgada nesta segunda-feira (16 de abril). O resultado é superior ao do mesmo mês em 2017 (9.500 novas vagas). No ano, houve acréscimo de 23.000 postos. É o maior saldo no primeiro trimestre de um ano desde 2013, quando foram criadas 34.500 vagas.

José Ricardo Roriz Coelho, segundo vice-presidente da Fiesp e diretor titular de seu Departamento de Economia, Competitividade e Tecnologia, destaca que a recuperação da economia está em trajetória de crescimento, ainda que o ritmo esteja aquém do desejado.

“Continuamos com a recuperação do emprego. Ela é lenta, com um crescimento não tão forte como gostaríamos, por alguns problemas de rota. Agora, nossa preocupação é que esse crescimento passe a ter ritmo mais acelerado”, para compensar a queda habitual do segundo semestre de cada ano. “Se reformas como a da Previdência tivessem sido feitas, acredito que a situação seria bem melhor”, afirma Roriz.

O destaque foi o setor sucroalcooleiro, que devido à época de safra de cana-de-açúcar teve saldo positivo de 5.183 vagas (52% do total dos novos postos industriais).

Nas regiões e setores analisados pela pesquisa houve resultados positivos em 64%.

Dos 22 setores industriais, 14 tiveram aumento do número de postos de trabalho, 2 ficaram estáveis, e 6 apresentaram redução.

O destaque ficou para produtos alimentícios, em que foram criadas 4.349 vagas, variação positiva de 1,24%. Em coque, derivados do petróleo e biocombustíveis, o aumento foi de 6,25% (2.528 novos postos).

Das 36 regiões em que a pesquisa é dividida, 23 tiveram saldo positivo de empregos, 5 se mantiveram estáveis, e em 8 houve redução do número de vagas.

Como destaques positivos, Sertãozinho teve 4,75% de crescimento no número de postos de trabalho. Na região de Bauru, o crescimento foi de 1,96% e na de Presidente Prudente, de 1,63%.

Tags, , , , , , , ,

Seis empresas de tecnologia com vagas abertas

Enquanto mais de 12,7 milhões de pessoas estão desempregadas no Brasil , segundo dados do IBGE, o mercado de tecnologia segue aquecido.

As oportunidades são diversas tanto no que diz respeito aos cargos oferecidos quanto nos segmentos de atuação das empresas, provando que o avanço tecnológico realmente abre portas para candidatos.

Confira:

Nimbi

Empresa de tecnologia especializada em supply chain management, que desenvolve soluções que aumentam a produtividade e geram economia para as organizações, está com vagas para: Estagiário de relacionamento, Assistente de Logística, Comprador Júnior- MRO, Comprador Business Service Júnior, Analista Compras Pleno, Analista de logística Júnior, Analista de Logistica Pleno e Analista de Logística Sênior. Os interessados devem enviar o currículo com o título da vaga para: carla.moraes@nimbi.com.br

Locaweb

Empresa fornecedora de serviços de tecnologia, a Locaweb tem sempre vagas em aberto nos mais diversos departamentos. Os interessados devem ficar atentos às oportunidades divulgadas no site da companhia www.locaweb.com.br/carreira/#

BgmRodotec

Referência em sistemas de gestão para transportadores de cargas e passageiros, a companhia oferece vagas para Analista Financeiro, Consultor Comercial e para implementação de software, Desenvolvedor e Jovem Aprendiz, todos em regime CLT para a cidade de São Paulo. A empresa oferece benefícios como seguro de vida, vale transporte, vale alimentação, plano de saúde e odontológico. Os interessados devem mandar e-mail como título da vaga para: rh@bgmrodotec.com.br

Semantix

Startup especialista em Big Data, Inteligência Artificial e Internet das Coisas tem vagas para Account Manager Pleno ou Sênior, Engenheiro de Dados, e User Interface Designer (UI) Júnior ou Pleno. Informações e inscrições no site: http://www.semantix.com.br/trabalhe-conosco/.

Synapcom

A companhia de Full service para e-commerces, Synapcom está com vagas abertas para Analista de Client Service e Analista Desenvolvedor de Sistemas Web. Os interessados podem enviar o currículo para cv@synapcom.com.br com o nome da vaga e pretensão salarial.

Tray

Desenvolvedora de plataforma para e-commerces, a Tray está com vagas abertas para cargos de Programador Ruby I e II e Analista do Sucesso do Cliente. Os interessados devem enviar o currículo para rh@tray.net.br

Tags, , , , , , , , , , , ,

A Inteligência Artificial é crucial para a transformação da força de trabalho

Por Raj Mukherjee, Vice-Presidente de Produto no Indeed

A força de trabalho atual está passando por um período de mudanças que traz ambientes mais produtivos e eficientes. Mas também está fazendo com que modelos de profissões e carreiras se transformem e as lacunas de talento se ampliem se tornando mais desafiador encontrar e reter os funcionários certos. Assim como os avanços em inteligência artificial (AI), automação e a mobilidade evoluem o local de trabalho, a aquisição e a retenção de talentos – que já representam um dos maiores desafios enfrentados pelas empresas – se tornarão mais importante do que nunca.

A boa notícia é que muitas dessas tecnologias, especialmente a AI, também estão transformando a maneira com a qual identificamos e contratamos talentos, tornando o processo mais produtivo, eficiente e diverso. Ainda que esteja em um de seus estados iniciais, a AI já é capaz de conectar os candidatos aos empregos e, em um futuro próximo, ela será fundamental para ajudar as empresas a reterem funcionários e ajudarem os indivíduos a crescerem e alcançarem suas aspirações de carreira.

O Impacto da AI no processo de contratação

Descrições de emprego

As futuras descrições de emprego serão diferentes. O Processamento de Linguagem Natural (NLP, na sigla e inglês) já está melhorando a categorização da descrição de emprego ao encontrar e extrair critérios cruciais nas postagens e incluí-los nos algoritmos de AI a fim de identificar os empregos mais relevantes para os candidatos. Quando a pontuação do algoritmo demonstra que as qualificações do candidato se enquadram em uma descrição de emprego, ele é encorajado a se candidatar para o cargo.

No futuro, as descrições de emprego e os currículos se tornarão mais personalizados e com recursos que economizam tempo de forma a ajudar a atrair os talentos. Os “agentes” conversacionais – provavelmente robôs ou sistemas automatizados que usam informações humanas ou de máquinas – permitirão que os candidatos e empregadores se engajem uns com os outros e compreendam suas necessidades.

Pense sobre a oportunidade oferecida por um botão de chat em uma descrição de emprego que permita a um candidato fazer perguntas imediatamente sobre um emprego. Ou um que permita que um empregador faça perguntas detalhadas sobre a experiência do candidato. Não só muitas perguntas serão respondidas nesse estágio, mas as que não forem serão encaminhadas para que os gerentes de contratação respondam e, ainda mais importante, serão usadas para treinar o sistema para o futuro.

Agilizando a avaliação dos candidatos

É difícil avaliar milhares de candidatos de forma justa e eficiente. Atualmente, recrutadores avaliam em um currículo a instituição de ensino e os empregos anteriores e isso certamente faz sentido. Mas a melhor maneira de verificar as competências é a aplicação real para a vaga disputada. Isso permite que empregadores em potencial vejam se um candidato pode realizar as funções inerentes ao cargo em uma avaliação simulada do trabalho. Alguns exemplos:

• Um desenvolvedor de software realiza um exercício de codificação enquanto interage com futuros colegas de trabalho (ou virtuais).

• Um analista financeiro desenvolve um modelo financeiro e é classificado em uma conversa sobre regulações financeiras e de melhores práticas.

• Um analista de suporte técnico bilíngue é avaliado pela fluência oral, por lidar com clientes chateados e pela habilidade de aprender sistemas desconhecidos.

Essas são as situações críticas nos atuais processos de entrevistas, mas elas atualmente usam muitos recursos e dependem da habilidade do entrevistador. A AI pode aumentar currículos ao automatizar esses tipos de avaliações. Nesse sentido ela pode dar aos gerentes de contratações um ranking imparcial das qualificações dos candidatos em potencial. Imagine uma biblioteca com milhares de avaliações onde um gerente de contratação pode escolher um conjunto personalizado de simulações de competências para a posição necessária. Essas avaliações personalizadas podem fornecer a ambas as partes a transparência necessária para encontrar o casamento ideal, ao mesmo tempo em que economizam tempo para um grau mais elevado de conexões humanas que possam criar confiança entre as partes e resultar em uma maior confiança na contratação.

Planejamento para a carreira após a contratação

O papel da AI não termina quando um candidato aceita um emprego. Os trabalhadores de hoje esperam trocar de emprego pelo menos algumas vezes ao longo da carreira. Estudos demonstram que a mais nova geração da força de trabalho, conhecida como Millennials, troca de emprego mais frequentemente do que as gerações anteriores. A AI pode ajudar os empregadores a mapearem o caminho da carreira de um indivíduo para garantir que os funcionários fiquem na empresa. Os algoritmos AI, quando se trata de conjunto de habilidades, desempenho e desejos, podem até ajudar os empregadores a saberem o que fazer para manter os funcionários crescendo dentro das suas organizações.

Da mesma forma, a AI pode ajudar um funcionário a compreender o que fazer agora para garantir o sucesso na futura carreira. Imagine uma AI que notifique você quando chegar a hora de pedir um aumento, fazer um treinamento ou conectar você com a pessoa certa para transformar as suas aspirações de carreira em realidade.

O futuro da tecnologia para encontrar o emprego ideal

A tecnologia para encontrar emprego continua evoluindo – tornando-se mais personalizada, perfeita e automatizada. A previsão é de um mundo onde existam dados suficientes para que as pessoas possam virtualmente só apertar um botão e receber uma oferta de trabalho.

Ao mesmo tempo em que a tecnologia AI pode tornar o processo muito mais eficiente, aceitar um emprego ainda requer a decisão do candidato ao emprego.

Uma decisão que é influenciada por relacionamentos, objetivos e a definição individual de um emprego significativo. A tecnologia AI pode dar aos recrutadores, empresas e candidatos mais tempo para focar nas conexões humanas que criem confiança e inspirem o desenvolvimento na carreira. Dessa forma, a AI está transformando rapidamente a maneira como identificamos e contratamos talentos e está no caminho para se tornar a sua companheira de carreira.

Tags, , , , , , ,

Gartner prevê que Inteligência Artificial criará mais empregos do que eliminará a partir de 2020

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, prevê que 2020 será um ano crucial na dinâmica de emprego, uma vez que a Inteligência Artificial (AI) se tornará um positivo motivador. O número de postos de trabalho afetados pela AI irá variar de acordo com a indústria. Até 2019, setores da saúde, do governo e da educação terão uma crescente demanda de empregos, enquanto a manufatura será atingida fortemente. A partir de 2020, a criação de empregos relacionados à Inteligência Artificial (AI) passará por uma transformação positiva, chegando a 2 milhões de novos postos de trabalho em 2025.

“Muitas inovações significativas no passado foram associadas a um período de transição de perda de emprego temporário, seguido de recuperação. Então, a transformação de negócios e a AI provavelmente seguirão essa rota. A Inteligência Artificial melhorará a produtividade de muitos empregos, eliminando milhões de posições de nível médio e baixo, mas também criará milhões de novas posições de habilidades altamente qualificadas, gerenciamento e até mesmo a variedade de nível de entrada e baixa qualificação”, afirma Svetlana Sicular, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner.

“Infelizmente, as previsões mais pessimistas de perdas de emprego confundem a AI com a automação – que ofusca o maior benefício de AI – uma combinação de Inteligência Humana e Artificial, em que ambos se complementam”, diz Svetlana.

Os líderes de TI não devem apenas se concentrar no aumento líquido projetado de empregos. Com cada investimento em tecnologias habilitadas para AI, devem-se levar em consideração quais empregos serão perdidos, quais empregos serão criados e como irá transformar a forma como os trabalhadores colaboram com os outros, como tomarão decisões e como terão os seus trabalhos concluídos.

“Agora é a hora de realmente impactar a sua direção em longo prazo de AI”, afirma Svetlana. “Para o maior valor, concentre-se em aumentar as pessoas com AI. Enriquecer o emprego das pessoas, reimaginar tarefas antigas e criar novas indústrias. Transforme sua cultura para torná-la rapidamente adaptável a oportunidades ou ameaças relacionadas a AI”.

O Gartner identificou previsões adicionais relacionadas ao impacto da AI no local de trabalho:

Em 2022, um em cada cinco trabalhadores envolvidos na maioria das tarefas não rotineiras dependerá da AI para fazer um trabalho. A inovação foi aplicada em tarefas altamente repetitivas em que grandes quantidades de observações e decisões podem ser analisadas para padrões. No entanto, a aplicação de AI para um trabalho de menor rotina que é mais variável e, devido à menor repetitividade, começará a render benefícios superiores. É mais provável que a AI aplicada ao trabalho sirva para ajudar os seres humanos, ao invés de substituí-los, uma vez que as combinações de seres humanos e máquinas funcionarão de forma mais eficaz do que os especialistas humanos ou as máquinas orientadas por AI que trabalhem sozinhas.

“Usar a AI para gerar automaticamente um relatório de status semanal ou escolher os cinco principais e-mails em sua caixa de entrada não tem o mesmo fator surpreendente que, digamos, curar uma doença séria, e é por isso que esses usos práticos e de curto prazo passam despercebidos. As empresas estão apenas começando a aproveitar a oportunidade para melhorar o trabalho não rotineiro através por meio da Inteligência Artificial, aplicando-a a ferramentas de propósito geral. Uma vez que os trabalhadores do conhecimento incorporem a inovação em seus processos de trabalho como uma secretária virtual ou interna, os empregados robôs se tornarão uma necessidade competitiva”, afirma Craig Roth, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner.

Até 2022, os esforços do varejista multicanal para substituir os associados de vendas através por meio da AI não terão êxito, embora o caixa e os empregos operacionais sejam interrompidos. Alavancar tecnologias como AI e robótica, os varejistas usarão automatização de processos inteligentes para identificar, otimizar e automatizar atividades intensivas em mão-de-obra e repetitivas que são atualmente realizadas por seres humanos, reduzindo os custos trabalhistas através mediante da eficiência da sede para centros de distribuição e lojas. Muitos varejistas já estão expandindo o uso da tecnologia para melhorar o processo de pagamento nas lojas. No entanto, a pesquisa sugere que muitos consumidores ainda preferem interagir com um associado experiente de vendas ao visitar uma loja, particularmente em áreas especializadas como material de construção, farmácias e cosméticos, onde os associados informados podem causar um impacto significativo na satisfação do cliente. Embora reduza o trabalho utilizado para o check-out e outras atividades operacionais, os varejistas terão dificuldade em eliminar os conselheiros de vendas tradicionais.

“Os varejistas serão capazes de fazer economias trabalhistas, eliminando empregos altamente repetitivos e transacionais, mas precisarão reinvestir algumas dessas economias em treinamentos que possam melhorar a experiência do cliente”, afirma Robert Hetu, diretor de pesquisa do Gartner. “Como tal, a maioria dos varejistas poderá ver a AI como uma forma de aumentar as experiências dos clientes em vez de simplesmente remover humanos de todos os processos”.

Em 2021, o aumento de AI gerará US$ 2,9 trilhões em valor comercial e recuperará 6,2 bilhões de horas de produtividade do trabalhador. Embora muitas indústrias recebam o crescente valor comercial da AI, a fabricação é uma que receberá uma grande parte da oportunidade de valor do negócio. A automação levará as economias de custos, enquanto a remoção de fricção nas cadeias de valor aumentará ainda mais as receitas, por exemplo, na otimização de cadeias de suprimentos e atividades do mercado.

No entanto, algumas indústrias, como a terceirização, estão vendo uma mudança fundamental em seus modelos de negócios, pelo que a redução de custos de AI e a melhoria da produtividade resultante devem ser reinvestidas para permitir a reinvenção e a leitura de novas oportunidades de modelos de negócios.

“A AI pode assumir tarefas repetitivas e mundanas, liberando humanos para outras atividades, mas a simbiose de humanos com AI será mais matizada diversificada e exigirá reinvestimento e reinvenção em vez de simplesmente automatizar as práticas existentes”, afirma Mike Rollings, vice-presidente de pesquisa do Gartner. “Ao invés de ter uma máquina replicando as etapas que um ser humano executa para alcançar um julgamento particular, todo o processo de decisão pode ser revisto para usar as forças e fraquezas relativas da máquina e do humano para maximizar a geração de valor e redistribuir a tomada de decisão para aumentar a agilidade.”

Tags, , , , , ,

Startups e pequenas empresas estão com mais de 50 vagas abertas

Depois de o País ter passado por uma das piores crises econômicas de sua história, uma pesquisa recente da Fundação Getúlio Vargas (FGV) sinalizou um aumento favorável no mercado de trabalho nos próximos meses. As startups e PMEs estão colaborando com este crescimento. Um estudo inédito feito pelo Sebrae apontou que os pequenos negócios são os responsáveis pela geração de renda de 70% dos brasileiros. Confira algumas das melhores vagas abertas atualmente:

Contabilizei

A Contabilizei, reconhecida pelo prêmio da Love Mondays como uma das melhores empresas (PME) para se trabalhar em 2017, está com mais de 25 oportunidades abertas para profissionais juniores, plenos e seniores. A empresa procura pessoas que tenham finalizado ou estejam cursando o ensino superior, sejam organizadas, disciplinadas e adorem tecnologia. Para a cidade de São Paulo, eles buscam um Inside Sales e um Consultor Contábil Júnior. As outras vagas são para Curitiba.

Inscrições: todas as vagas estão disponíveis no link

Easy Carros

Eleita a melhor startup do Brasil e a segunda melhor do mundo pela G-Startup no Vale do Silício em 2016, a Easy Carros está com diversas vagas abertas para a cidade de São Paulo. As oportunidades são para Desenvolvedor, Analista UX e Head de Sales. Eles vão priorizar os candidatos resilientes, motivados, com boa comunicação, dinâmicos, empáticos e organizados. A startup, que está presente em mais de 70 cidades, usa tecnologia para conectar motoristas e frotas de empresa a profissionais da área automotiva, como lavagem ecológica, troca de óleo, bateria e outros serviços.

Inscrições: As vagas estão disponíveis no link ou pelo próprio linkedin da empresa.

GetNinjas

Listada pela Forbes como uma das empresas mais promissoras do Brasil, o GetNinjas, maior plataforma de contratação de serviços do País, está em busca de Product Manager para o time de pagamentos e Product Manager para aquisição. Há vaga aberta para estagiário de Business Intelligence também. A empresa busca pessoas apaixonadas por tecnologia e que estejam dispostas a aprender sempre mais. A startup de alto crescimento já captou mais de R$ 47 milhões de investimento da Tiger Global, Monashees Capital e Kaszek Ventures – alguns dos mais reconhecidos fundos de venture capital.

Inscrições: todas as vagas estão disponíveis no link

Rappi

Criada no Vale do Silício e acelerada pelo Y Combinator, a mais importante incubadora de startups do mundo, a Rappi, startup que disponibiliza assistentes pessoais pela cidade para delivery de qualquer produto, está em busca de profissionais de Growth & Performance Marketing (Marketing de crescimento e desempenho). A startup levantou 50 milhões de dólares no Vale do Sílicio e está em pleno crescimento, por isso não limita o número de talentos que podem ser contratados.

Inscrições: Envie um e-mail para trabalheconosco@rappi.com com seu Linkedin.

Tags, , , , , , , , , ,

iFood tem mais de 100 vagas abertas

Autonomia, oportunidade real de crescimento, espírito empreendedor, locais para descanso, com videogames, e espaços integrados, que favorecem o compartilhamento de conhecimento, além de bebidas e comidas à vontade são algumas das características do iFood. A empresa brasileira de seis anos é bem avaliada na plataforma Love Mondays pelos colaboradores e acaba de ganhar dois prêmios Great Place To Work. Com mais de 600 colaboradores e registrando um crescimento médio de 120% ao ano, o iFood mantém essa cultura de startup e não para de contratar. Mais de 100 vagas estão abertas e as candidaturas podem ser feitas pela aba Carreiras no site institucional iFood e pela página do iFood no Linkedin.

O iFood busca por talentos que compartilham dos mesmos valores da empresa, que são empreendedorismo, simplicidade, resultado e cliente e que se sintam confortáveis em trabalhar num ambiente em que a mudança é uma certeza. As posições abertas são para diversos níveis, desde jovens talentos até líderes, nas áreas de Tecnologia, Comercial, Finanças, Operações, RH, Jurídico e Marketing.

Na empresa, o contato inicial já é diferente. Por que não trocar a tensão de uma entrevista de emprego por um bate-papo informal? No iFood, o candidato é um convidado, então nada melhor do que oferecer a atmosfera do ambiente mais leve para o primeira entrevista presencial. A informalidade e o senso de colaboração são marcas registradas da empresa. Independentemente do momento de vida e dos cargos, todos têm a oportunidade de conversar de igual para igual; trocar experiências e conhecimento.

A integração no iFood é feita por colaboradores de todas as áreas da empresa e tem duração de quatro meses. Nesse tempo, os novos integrantes do time passam por diferentes sessões, chamadas de Delivery de Conhecimento, onde vão conhecendo mais da empresa, do negócio, das pessoas e vão compartilhando dúvidas e sugestões até se encerrar com o bate-papo com o CEO. É um processo muito rico em que todos aprendem e ensinam.

O desenvolvimento dos colaboradores é o principal foco do iFood. A proposta é que eles terminem o processo sempre melhores do que entraram, independentemente da contratação. Isso faz parte do jeito iFood de ser, ou seja, a empresa estimula a inovação e o empreendedorismo no dia-a-dia.

Tags, , , , , , , , ,

Creditas procura talentos de TI para triplicar a operação no Brasil

A Creditas, plataforma digital de empréstimos, está à caça de talentos na área de TI. Após receber um aporte de R$ 60 milhões em fevereiro para expandir a operação no Brasil, a startup financeira aposta em investimentos em tecnologia desenvolvida dentro de casa para escalonar a plataforma e atingir a meta de triplicar seus resultados por ano. Para isso, a Creditas estima a contratação de cerca de 40 novos profissionais da área até o final de 2017.

“Nosso foco nessa etapa é atrair talentos de tecnologia para acelerarmos o ritmo de crescimento da plataforma, com ganho de eficiência e maior automatização”, explica Sergio Furio, fundador e CEO da Creditas.

As vagas são para diversos níveis e posições como desenvolvedores, engenheiros de dados, cientistas de dados, gerentes de produto, etc., com salários que variam de R$ 3,5 mil a R$ 11 mil e podem ser acessadas no site: http://jobs.kenoby.com/creditas/ . Entre os benefícios, ainda estão gym pass e curso de inglês in company.

Times integrados

Recentemente, a empresa reestruturou a área integrando os times de TI aos demais departamentos operacionais da empresa, criando grupos multidisciplinares mais próximos da experiência do cliente final. Há desenvolvedores presentes em cada etapa, desde a mesa de crédito, formalização até o fechamento da operação financeira.

Além disso, os novos funcionários participam de uma dinâmica de onboarding que inclui o atendimento direto ao cliente, gerando empatia e mostrando o valor de ter tecnologia no núcleo.

“Acreditamos que ao unir negócio e tecnologia, além de investir no conhecimento específico, conseguimos dar autonomia e uma resposta rápida eliminando canais de comunicação que podem só não trazer problemas, mas tornar o dia a dia burocrático”, conta Ronaldo Marciano, agile coach da Creditas.

Tags, , ,