Tag celulares

Roubo de Smartphones: metade dos internautas brasileiros já teve um celular roubado

A segunda edição da pesquisa anual sobre roubo de celulares realizada por Mobile Time em parceria com Opinion Box revela um crescimento alarmante da proporção de internautas brasileiros que já tiveram um telefone móvel roubado ou furtado. Em 12 meses essa proporção subiu 10 pontos percentuais, passando de 39% para 49%. Ou seja, hoje, metade dos internautas brasileiros já teve um celular roubado ou furtado pelo menos uma vez na vida.

Na pesquisa anterior, 38% das vítimas haviam sido roubadas/furtadas em menos de um ano. Agora, o percentual subiu para 45%. A maioria (62%) foi vítima apenas uma vez na vida; também na nova pesquisa, 35% duas ou três vezes; enquanto que 4% de azarados ou descuidados perderam o aparelho quatro vezes ou mais. Em média cada vítima teve 1,55 celular roubado/furtado. O Panorama Mobile Time/Opinion Box também constatou que o roubo de celular é mais comum que o furto. 63% das vítimas informam que da última vez foram roubadas, enquanto 37% foram furtadas.

“Crise na segurança pública, alto índice de desemprego, smartphones a preços proibitivos e a facilidade de compra e venda de aparelhos usados em mercados clandestinos estão entre os fatores que contribuem para esse aumento”, comenta Fernando Paiva, editor do Mobile Time e coordenador da pesquisa.

A pesquisa revela também o perfil das vítimas, por gênero, idade e classe social. E verifica qual costuma ser o seu comportamento após perder o aparelho (se faz ou não boletim de ocorrência, se compra um celular melhor ou pior que o anterior etc).

Outras descobertas:

– 70% dos usuários que tiveram celulares roubados ou furtados aproveitaram a ocasião para adquirir um aparelho melhor;

– Pouco menos da metade, (48%) registrou boletim de ocorrência (B.O.) na última vez em que foram roubadas/furtadas;

– 39% dos brasileiros já compraram um celular de segunda mão. O percentual é maior (44%) entre os que já tiveram um aparelho roubado ou furtado. Ou seja, quem perde um celular tem mais chance de recorrer à compra de um usado para economizar dinheiro;

– Não há diferença entre classes sociais: tanto nas classes A e B quanto nas classes C,D e E a proporção de vítimas é de 49%;

– É comum o brasileiro tomar providências de segurança somente depois de sofrer com algum problema do gênero: apenas 7% possui seguro para os aparelhos.

Tags, , , ,

Mercado brasileiro de celulares desacelera no terceiro trimestre de 2017, revela IDC Brasil

Entre os meses de julho e setembro, foram comercializados 12,4 milhões de aparelhos, 2% a menos do que no mesmo período de 2016.

Apenas as vendas de smartphones foram 5% maiores na comparação com o terceiro trimestre de 2016. Os features phones apresentaram queda de 51%.

Receita aumentou 18%

O mercado brasileiro de celulares voltou a cair no terceiro trimestre de 2016. Segundo o estudo IDC Mobile Phone Tracker Q3, realizado pela IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, entre os meses de julho e setembro de 2017 foram comercializados 12,4 milhões de aparelhos, 2% a menos do que no mesmo período de 2016. Do total de celulares vendidos, 11,7 milhões foram smartphones, 5% a mais do que no terceiro trimestre de 2016, quando foram vendidos 11,2 milhões, e 700 mil unidades foram feature phones, ou seja, 51% a menos do que no terceiro trimestre de 2016, quando foram comercializados 1,4 milhão de aparelhos. A receita total aumentou 18% em relação ao terceiro trimestre de 2016, chegando a R$ 13,1 bilhões.

“O mercado de smartphones ainda apresentou crescimento se comparado com o mesmo período no ano passado, porém ficou abaixo das nossas expectativas para o período. O fim da liberação do FGTS e o adiamento de compra para a Black Friday e o Natal foram os principais motivos que levaram essa pequena queda”, diz Leonardo Munin, analista de pesquisa do mercado de celulares da IDC para América Latina. O analista destaca ainda uma mudança de comportamento do brasileiro em relação aos aparelhos. “O consumidor procura por celulares com melhores funcionalidades. Os modelos que oferecem memória interna acima de 32GB representaram 10,6%, do total de smartphones vendidos em 2016. Em 2017, já representam 33% do acumulado das vendas até setembro”, explica o analista. Além disso, no ano passado foram comercializados 28,9 milhões de aparelhos com tela acima de 5 polegadas, 65% do total do ano. Até setembro de 2017, foram vendidos 29,1 milhões destes aparelhos, ou seja, 83% do total”, finaliza Munin.

O estudo da IDC Brasil também constatou que o tíquete médio dos aparelhos no terceiro trimestre de 2017 teve aumento de 12,4% em relação ao mesmo período do ano passado, passando de R$ 994 para R$ 1118.

Para o último trimestre de 2017, a IDC acredita que serão comercializados 13,1 milhões de smartphones e 650 mil feature phones. Já para o ano todo, a previsão é de que sejam vendidos 52,1 milhões de aparelhos, crescimento de 6% em comparação ao ano de 2016.

Tags, , , , ,

O que vem depois das agências e dos correspondentes bancários? – Por Marcelo França

Entre os anos de 2000 e 2003, o Banco Central criou as resoluções que deram origem a figura do Correspondente Bancário, que tinha como principal objetivo “promover a inclusão financeira”. Na década seguinte, enquanto a quantidade de agências bancárias se manteve relativamente estável, o volume de correspondentes cresceu atingindo cerca de 160 mil pontos em 2012.

Hoje, apesar do crescimento dos canais digitais, os pontos físicos e outros canais de atendimento continuam desempenhando um papel importante no atendimento a clientes. Segundo a última pesquisa da Febraban realizada em 2015, o total de transações realizadas em pontos físicos (agências bancárias, ATMs e correspondentes bancários) foi de 23,6 bilhões, o que representa 45% do total.

O estudo mostra também que, em 2015, o universo de agências físicas sofreu uma ligeira queda (de 22,9 mil em 2015 para contra 23,1 mil no ano anterior), também verificada, de forma mais acentuada, nos correspondentes, PABs e PAEs (postos de atendimento). O total de postos caiu de 45,5 mil, em 2015, ante 51 mil, em 2014. E os correspondentes bancários passaram de 346,5 mil, em 2014, para 293,8 mil em 2015.

De acordo com Gustavo Fosse, diretor Setorial de Tecnologia e Automação Bancária da FEBRABAN, os ajustes estão relacionados a fatores como a conjuntura econômica do País (falta disposição para investir) e a política de eficiência operacional de dos bancos.

Em paralelo, o Instituto Data Popular aponta ainda um volume de sub-bancarizados e desbancarizados de cerca de 50 milhões de brasileiros, quase 40% da população adulta.

Diante deste cenário de fechamento de mais de 60 mil postos bancários físicos só em 2017 e da falta de disposição para investir na abertura de novas agências e correspondentes, a grande pergunta é: quem vai atender as dezenas de milhões de pessoas que não tem (e não querem ter) uma conta ?

Esperamos que nos próximos anos esta lacuna, que vem sendo deixada pelas instituições financeiras por questões de redução de custo, seja preenchida com soluções de fintechs.

Por que não, por exemplo, usar a tecnologia para habilitar pequenos lojistas e autônomos com smartphones para oferecer serviços típicos dos correspondentes, como a venda de recarga, de produtos digitais e até mesmo o recebimento de contas?

E se o smartphone proporciona recursos que não estão disponíveis nos terminais de caixa e POS, por que não ir além disso e oferecer também novos produtos, como passagens de ônibus, consultas da situação do CPF e créditos pré-pagos de TV por assinatura ?

Se hoje faz cada vez menos sentido investir na abertura de postos bancários e a demanda por serviços nesses canais ainda é gigantesca, o uso da tecnologia de novas fintechs pode ser a melhor alternativa. Ao invés de participar de uma licitação para adquirir uma lotérica, quem sabe no futuro bastará baixar um aplicativo.

Marcelo França é CEO e fundador do Celcoin, aplicativo que transforma o celular em uma máquina para revenda de recargas, recebimento de contas e outros serviços.

Tags, , , ,

PSafe alerta: novo golpe do WhatsApp promete pacote de dados gratuito

A PSafe, empresa desenvolvedora do aplicativo DFNDR, identificou um novo golpe que está circulando pelo WhatsApp. Trata-se de um link que faz uma falsa promessa de pacote de dados móveis de diversas empresas de telefonia e foi acessado mais de 20 mil vezes até o momento.

Ao abrir o link recebido pelo app de mensagens, o usuário faz um breve cadastro com seu nome, número de celular e operadora e é induzido a compartilhar o falso benefício com 10 amigos. Ao realizar os compartilhamentos, o site malicioso faz dois direcionamentos: um sugere que o usuário inclua seu número de telefone novamente, só que desta vez o cadastro é para um serviço de SMS pago – que efetua cobranças indevidas; o outro direcionamento é para baixar um app falso, que pode infectar o smartphone e deixá-lo vulnerável a outros tipos de crime ou prejuízo financeiro.

Para que os usuários de Android não se tornem vítimas deste tipo de cibercriminosos, o gerente de Segurança da PSafe, Emilio Simoni, reforça a necessidade de ter um antivírus certificado com a função ‘antiphishing’ instalado no smartphone, que avisará o usuário se o link clicado é confiável ou não, permitindo, assim, uma navegação mais segura. Além disso, “é importante que o usuário tenha um comportamento preventivo na internet, desconfiando de links recebidos via redes sociais e chats, mesmo de conhecidos”, completa o especialista.

Confira algumas capturas de tela do golpe:

Tags, , ,

Quad, Octa, Deca-core… Que diferença isso faz para o seu smartphone? – Por Samir Vani

Desde o auge dos computadores pessoais, vemos uma corrida por parte dos fabricantes de processadores em busca de chips mais velozes, o que impulsionou rapidamente as frequências de clock dos mega para os giga-hertz. Com a chegada dos smartphones, celulares que são verdadeiros computadores de bolso, essa disputa por chips mais poderosos migrou para a palma da mão dos usuários.

Muitos consumidores começam a se familiarizar com termos como quad-core, octa-core e deca-core, que se referem à quantidade de núcleos que um chip possui. Mas, afinal, o que essa característica influencia na performance do seu celular? Quanto mais núcleos você incluir em um processador, melhor será o seu desempenho? O simples fato de ter mais núcleos no chip não é suficiente para dizer que um smartphone terá uma performance melhor que a de um aparelho com menos núcleos. Na prática, é possível encontrar, por exemplo chips dual-core que funcionem melhor que um quad-core.

É importante ressaltar que há vários fatores a considerar. Para começar, velocidade não é tudo. Como bem sabemos, o smartphone virou um equipamento imprescindível, que carregamos o tempo todo e que precisa funcionar o dia inteiro. Por isso, precisa ter autonomia e equilíbrio. Ou seja, não adianta ter um processador extremamente poderoso rodando no seu aparelho se esse chip consumir muita energia. Queremos ter um celular que aguente uma maratona, não uma corrida de 100 metros, certo?

Além da questão da eficiência energética, agravada por telas cada vez maiores, aplicativos que exigem cada vez mais capacidade de processamento e consumidores que não gostam de grandes baterias, é preciso estar atento também à questão da eficiência térmica. A maior capacidade de processamento, além de gastar mais, gera o aquecimento do chip. E estamos falando de unidades que não contam com os grandes coolers (ao contrário do que acontecia nos desktops, quando era possível refrescar o processador com ventiladores).

Os fabricantes de chips têm adotado soluções distintas para lidar com esses desafios. Uma das principais tendências é a adoção de vários núcleos. Na arquitetura conhecida como big.LITTLE, uma das mais populares, é possível encontrar modelos octa-core com dois grupos, com quatro núcleos cada (que se revezam nas tarefas). Os núcleos mais poderosos funcionam para recursos mais exigentes, como games, por exemplo, enquanto os menores dão conta das atividades triviais, que exigem menor poder de processamento, como enviar um e-mail ou trocar mensagens no WhatsApp. Porém, como esses núcleos atuam em grupos de quatro, há desperdício de energia em alguns momentos. É como se você mandasse quatro pessoas buscarem uma caixa do outro lado da rua sabendo que apenas uma delas já daria conta do recado.

Uma das melhores soluções é a adoção de um sistema linear (encontrado em arquiteturas de CPU como true octa-core e deca-core, que trabalham com oito e dez núcleos, respectivamente), com grupos de núcleos que podem atuar de forma independente. Eles entram em ação conforme o aparelho necessita, trabalhando também de forma individual. Assim o usuário não enfrenta desperdício e a bateria dura mais. Ou seja, a arquitetura escolhida faz muita diferença.

De forma semelhante ao que aconteceu com os computadores, quando os consumidores procuravam se informar sobre itens como velocidade do chip, memória RAM disponível e capacidade de armazenamento para realizar uma boa compra, começamos a notar que os usuários de smartphone também estão se familiarizando com as configurações dos celulares. Esse comportamento já é forte em países como a China e começa a ganhar corpo no Brasil.

De maneira geral, para garantir o investimento na hora da compra, vale estar atento ao seguinte:

Busque modelos com processadores com arquiteturas mais modernas. Eles consomem menos energia e permitem leitura mais rápida das informações.
Gerações mais novas de sistemas operacionais – Elas têm soluções melhores para o gerenciamento dos componentes.
RAM – Quanto mais “pesado” for um aplicativo, maior será a exigência por essa memória.
Memória interna – Um aparelho com pouco espaço para o armazenamento também pode comprometer o desempenho.

A corrida por chips mais eficientes não para. Vale à pena conhecer os competidores e sua armas, para não apostar suas fichas no smartphone errado.

Samir Vani, Country Manager da MediaTek no Brasil, empresa fabricante global de semicondutores

Tags, , , ,

Celulares: mercado sofre queda de 5,2% em 2016, revela estudo da IDC

view (3)

Pelo segundo ano consecutivo, o mercado brasileiro de celulares registrou queda. Segundo o estudo IDC Brazil Mobile Phone Tracker Q4, realizado pela IDC Brasil – líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, durante todo o ano de 2016, foram comercializados 48,4 milhões de aparelhos, o que representa 5,2% a menos do que em 2015, quando foram vendidos 51,1 milhões de dispositivos.

“Mesmo com queda nas vendas nos últimos dois anos, o Brasil conseguiu se manter na quarta colocação dos países que mais vendem smartphones no mundo e continua sendo estratégico para os fabricantes”, diz Leonardo Munin, analista de pesquisa do mercado de celulares da IDC para América Latina.

Do total de aparelhos comercializados em 2016, 43,5 milhões foram smartphones (queda de 7,3%) e 4,9 milhões feature phones (crescimento de 18,5%). “O primeiro semestre de 2016 foi muito fraco e refletiu diretamente nas vendas dos smartphones. Foi um período de dólar elevado e muita indecisão político-econômica. Nos três primeiros meses do ano passado, por exemplo, os fabricantes chegaram a pausar a produção por falta de peças (ou insumos) devido às incertezas do mercado. Já no segundo semestre, com a oferta de dispositivos estabilizada e com o consumidor um pouco mais confiante, houve uma melhora, principalmente no último trimestre”, avalia Munin.

O estudo da IDC revela ainda um comportamento bastante diferente em relação às marcas que dominam o mercado de celulares no Brasil. De acordo com o analista, até 2014, 94% dos aparelhos vendidos pertenciam a seis marcas globais. Em 2016, o número passou para 80%. “Fabricantes menores globais ou nacionais ganharam uma fatia importante do mercado. O cenário favoreceu quem trabalha com preços mais acessíveis. Além disso, as empresas passaram a investir mais para atender um consumidor que exige design diferenciado, durabilidade, capacidade de memória e câmera e que gasta mais para ter um celular, tanto que o tíquete médio dos aparelhos passou de R$ 882, em 2015, para R$ 1050, em 2016.

4º Trimestre

O 4º trimestre de 2016 apresentou crescimento de 16% na comparação com o mesmo período de 2015. Foram vendidos 13,8 milhões de aparelhos, sendo 12,5 milhões de smartphones (crescimento de 14%) e 1,3 milhão de feature phones (crescimento de 31%). “O último trimestre foi surpreendente, principalmente por conta da Black Friday, que ganhou força nos últimos anos e se firmou como a principal data para o mercado de celulares. Muitos consumidores anteciparam as compras de final de ano e outros esperaram a data para trocar de aparelho”, completa o analista da IDC para América Latina.
Projeções para 2017

Para Munin, o cenário em 2017 é um pouco mais otimista. A previsão é de que sejam vendidos 49,2 milhões de aparelhos durante o ano, ou seja, 1,6% a mais do que em 2016. Deste total, quase 45 milhões serão smartphones (com crescimento de 3%). “Depois de dois anos seguidos de queda, este resultado será muito satisfatório. Podemos dizer que o pior para o mercado de smartphones já passou”. Além dos fatores macroeconômicos melhores, os canais terão portfolios mais assertivos com os produtos que os consumidores querem. “Também acreditamos em uma competição forte entre os principais fabricantes para oferecer preços atrativos e aparelhos com boas especificações. O consumidor será beneficiado”.

Ainda de acordo com as previsões da IDC, 2017 deve ser um ano de reposição de celular. “Hoje, temos aproximadamente 153 milhões de aparelhos em uso no Brasil, sendo 121 milhões smartphones e 32 milhões feature phones, ou seja, 21% da população ainda deve migrar de um telefone convencional para um aparelho inteligente. Outro fator relevante é que o número de smartphones antigos nessa base de 121 milhões é alto, o que impulsionará nas renovações”, finaliza o analista da IDC.

Tags, ,

Livro Vida Móvel investiga a ascensão da telefonia móvel

unnamed-81

Dos primeiros celulares aos modernos smartphones, a telefonia móvel percorreu um longo caminho nas últimas três décadas. Seja para entretenimento e relações pessoais, seja em atividades ligadas à rotina de trabalho das pessoas, os aparelhos celulares fizeram neste período uma transição de equipamento de comunicação móvel voltado à elite para a mais importante e popular ferramenta eletrônica do mundo. Foi a partir dessa transformação que a desejada inclusão digital passou de desejo a possibilidade real, e a partir do protagonismo dos smartphones assistimos à consolidação da chamada “era da informação”.

É para investigar como e por que esses aparelhos se transformaram em objetos indispensáveis e infiltraram-se no cotidiano de bilhões de pessoas em todo o mundo que a BEI Editora lança Vida móvel, uma obra que mescla palavras e imagens em uma abordagem tanto científica como esteticamente apurada do tema.

No que tange ao texto, o livro reúne dois ensaios de fôlego: “A maior das ferramentas”, do escritor e pesquisador norte-americano Noah Arcenaux, professor da Universidade de San Diego, nos Estados Unidos, que faz uma abordagem universal do tema, fruto de seus principais trabalhos acadêmicos, e “O nascimento de uma nação digital”, do jornalista brasileiro Alexandre Matias, que aborda a transformação do Brasil em um país ultraconectado e digital.

Os textos de Arceneaux e Matias são permeados pelas interpretações dos fotógrafos Eduardo Longman e Fernando Laszlo. O primeiro apresenta de modo primoroso a presença dos telefones em nossa rotina, a partir de fotografias tiradas nas ruas em diversas localidades e em diferentes situações cotidianas, enquanto o segundo traz um olhar esteticamente surpreendente do design dos aparelhos e de suas peças, em um ensaio de macrofotografia que literalmente desconstrói os aparelhos ao longo das páginas.

A onipresença dos celulares nas sociedades contemporâneas ainda é abordada pela jornalista Lúcia Guimarães, que abre Vida móvel com uma reflexão a respeito dos ganhos e das perdas do mundo ultraconectado, e em uma interessante linha do tempo, que destaca a evolução tecnológica a partir dos aparelhos que se tornaram marcos na história da telefonia móvel.

Apoiado em informação atualizada aliada a fotografias de alta qualidade, Vida móvel apresenta um olhar amplo e multifacetado sobre um dos mais significativos fenômenos de nossa época.

Vida Móvel

BEI Editora

224 páginas

Edição bilíngue (português/inglês)

19 x 24 cm

ISBN: 978-85-7850-132-7

Preço: R$ 75,00

Fotos: Eduardo Longman

Sobre os autores

Noah Arceneaux:
Professor da Escola de Jornalismo e Estudos de Mídia, na Universidade de San Diego, seu principal tema de estudo é a história das tecnologias de comunicação. Em 2014, foi professor convidado pela Fundação Fulbright, em Delhi, Índia, pesquisando a proliferação de celulares naquele país. É coeditor de uma antologia sobre o tema The Mobile Media Reader (Peter Lang, 2012).

Alexandre Matias:
É jornalista e dedica-se à pesquisa de cultura, comportamento e tecnologia desde 1995, tendo colaborado com os principais veículos de comunicação no Brasil. Sua produção está centralizada no site Trabalho Sujo (www.trabalhosujo.com.br).

Tags, , , , , ,

Rockcel lança smartphone Quartzo

unnamed-65

A Rockcel, a maior fabricante brasileira de celulares, está lançando o novo smartphone Quartzo dual chip. O aparelho foi desenvolvido para atender um perfil de consumidor que procura aparelhos multifuncionais, com ótimo desempenho e preço acessível.

Disponível para compra pela internet ou televenda por R$ 399,00, o Quartzo segue a estratégia de venda da marca que valoriza o pensamento “mais por menos”. Por isso, o lançamento é considerado um dos mais completos para sua faixa de preço.

Entre os diferenciais da categoria, o smartphone Quartzo vem com sistema operacional Android Lollipop 5.1 e processador Spreadtrum Quad-Core 1,3 Ghz que confere bom desempenho e velocidade, permitindo rodar vários aplicativos ao mesmo tempo e ainda navegar na internet com conexão 3G ou Wi-Fi.

Para garantir o melhor desempenho, o aparelho tem bateria de longa duração com autonomia de 14 horas em uso ou 40 horas em standby, memória RAM de 512 Mb e 4 GB de memória interna ROM, além de memória externa Micro SD de até 32 GB.

Para os usuários que curtem fotos e vídeos, o celular tem tela LCD de 4 polegadas WVGA (800×480), câmera traseira de 5 megapixels e frontal de 2 megapixels. Entre outras funcionalidades, o aparelho tem ainda aplicativos como GPS e rádio FM e já vem com case transparente para proteção adicional em caso de queda.

O Quartzo Rockcel é vendido pelo televendas 0800 580 2010 e pela loja virtual www.compreseucelular.com da NCBrasil – distribuidora autorizada da marca RockCel, especializada em comercializar produtos de alta tecnologia com preços acessíveis. Para conquistar o mercado, a empresa ainda facilita o pagamento em até 10 vezes, sem juros. O produto é homologado pela Anatel e tem um ano de garantia.

Tags, , ,

Estudo da IDC Brasil aponta vendas de 10.3 milhões de celulares no primeiro trimestre

De janeiro a março foram comercializados 1 milhão de feature phones e 9,3 milhões de smartphones; Número é 32,9% menor do que apresentado no mesmo período de 2015.

Dos smartphones, 93% têm sistema operacional Android; Aparelhos com tecnologia 4G representam 60% do mercado.

Entre os meses de janeiro e março de 2016 foram comercializados 10.3 milhões de celulares no Brasil, sendo 9.3 (89,8%) smartphones e 1 milhão (10.2%) feature phones. Os dados fazem parte do estudo IDC Mobile Phone Tracker Q1, realizado pela IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações. Quando comparados com o mesmo período do ano passado, os números representam, em unidades, queda de 32,9% no mercado total, 34,4% em smartphones e 15,7% em feature phones. Em receita, os smartphones movimentaram R$ 9.2 bilhões, ou seja, 6,1% a menos do que no primeiro trimestre de 2015.

De acordo com Diego Silva, analista de pesquisas da IDC Brasil, desde 2015 o mercado de celulares passa por diversas transformações, mas duas delas se destacam: “a maioria dos usuários já está na segunda ou terceira compra. Isso faz com que os fabricantes alterem seus portfólios e passem a oferecer celulares com especificações técnicas superiores. Outro ponto é a oscilação do dólar, que obriga o fabricante a repassar os preços mais altos aos consumidores finais”, conta.

O estudo da IDC mostra também que o ticket médio dos smartphones no primeiro trimestre de 2016 subiu para R$ 1139,23, enquanto no mesmo período do ano passado era de R$ 790,52. “Duas faixas de preços tiveram crescimento. A de valores entre R$ 1 mil a R$ 1299 cresceu 321,9%, e a acima de R$ 3 mil teve um aumento de 110,6%. Há um ano, por exemplo, os aparelhos com valores entre R$1 mil e R$ 1299 representavam 4,4% do total do mercado. Hoje, representam 28,4%”, completa o analista da IDC.

No segmento de feature phones, as vendas de 1 milhão de aparelhos no primeiro trimestre de 2016 acompanha o movimento de queda observado em 2015, quando, no ano todo, foram comercializadas 4,2 milhões de unidades. Segundo Silva, isso reflete também na operação dos fabricantes de celulares. Existe uma concentração de players no mercado de feature phones. Em 2013 tínhamos dez grandes fabricantes. Hoje, temos quatro, que representam 95% do total de aparelhos vendidos”.

Para 2016, a IDC Brasil prevê queda de 17% no mercado total de celulares e de 16% apenas no segmento de smartphones. “Muitos fabricantes estão passando por dificuldades no país e não investirão em lançamentos. Isso impacta agressivamente o mercado, mas por outro lado abre espaço para players menores atuem com mais força. Não podemos esquecer que 35% da população ainda vai adquirir o primeiro smartphone”, finaliza Diego Silva.

Tags, , ,

Samsung aposta em serviços exclusivos para fidelizar o consumidor

view.aspx

Para atender cada vez mais o público exigente e seletivo, a Samsung investe em ferramentas e serviços que trazem diferenciais e exclusividades que, efetivamente, oferecem vantagens para o consumidor. Um exemplo é o Samsung Concierge lançado recentemente para os usuários dos novos Galaxy S7 e Galaxy S7 edge.

O Samsung Concierge, antecipa tendências e garante a evolução contínua da companhia em ofertar o melhor para os clientes. O atendimento exclusivo e personalizado traz benefícios para usuários do Galaxy S7 e Galaxy S7 edge que buscam praticidade e agilidade no atendimento das demandas do dia a dia.

O atendimento desse serviço gratuito é realizado por meio da dedicação exclusiva de um profissional da Samsung, que estará disponível* para atender as necessidades tecnológicas dos usuários, dando dicas para obter o melhor desempenho ou ajudando o usuário a resolver questões de configuração, transferência de dados ou até mesmo agendando horário para serviços que necessitam de assistência técnica. Para deixar o serviço ainda mais personalizado, o cliente será atendido sempre pelo mesmo concierge, que já possui o histórico do consumidor, evitando a necessidade de repeti-lo a cada ligação.

Ao apresentar este diferencial, a empresa procura melhorar a vida de seus consumidores e oferecer a oportunidade para que eles utilizem todo o potencial dos smartphones da empresa para facilitar o seu dia a dia. “Nosso objetivo é oferecer uma variedade de experiências móveis integradas e que beneficiem o usuário. O Samsung Concierge foi criado para ser um serviço único e personalizado para cada consumidor de acordo com as suas necessidades”, afirma Loredana Sarcinella, Diretora Sênior de Marketing da Divisão de Dispositivos Móveis da Samsung Brasil.

*O Samsung Concierge poderá ser acionado pelo aplicativo ou pelo telefone 0800 940 0944. Saiba mais em: www.samsungconcierge.com.br

Tags, , , ,

Empreendedores faturam R$ 12 milhões com acessórios para celular

812253_1 Marcelo Castro e Daniel Doho são amigos de infância e perceberam que o consumidor carecia de acessórios para celulares quando mais precisavam. Eles acabavam recorrendo a produtos paralelos, vendidos em semáforos ou camelôs, ou então tinham que ir até lojas autorizadas e não resolviam o problema emergencial da falta de um carregador ou cabo específico.

Em 2012, resolveram criar a i2GO – uma marca de Acessórios para Smartphones com certificados de qualidade que são vendidos no momento em que o consumidor mais precisa. Os produtos ficam expostos em displays premium de acrílico e são vendidos em lojas de conveniência de postos de gasolina, padarias, mercearias, supermercados e outros pontos de grande movimento. O cliente escolhe o que precisa, retira dos displays e paga no caixa.

O sucesso foi tão grande, que hoje são mais de 3 mil pontos de venda com os produtos i2GO no Brasil e um faturamento que vai saltar de R$ 5 milhões em 2014 para R$ 12 milhões este ano. E não é para menos. Hoje, no Brasil, são 154 milhões de usuários de Smartphone e não há quem não necessite de acessórios, seja num momento de emergência, ou para substituir um antigo.

“Os produtos da i2GO são voltados ao público jovem, com cores e design moderno, e têm preços acessíveis para gerar uma compra de impulso”, explica Marcelo Castro, um dos sócios da empresa.

Para ter volume suficiente para obter os certificados de qualidade internacionais, Marcelo e Daniel viajaram para Miami e firmaram uma sociedade com Takeo Ishii, que já tinha uma operação na China e distribuição em outros países da América Latina. Com isso, os produtos da i2GO contam com os certificados de qualidade mais importantes, como CE, FCC, ROHS, e MFI (Made For iPhone – certificação da própria Apple).

Com preços competitivos que variam entre R$ 19,90 a R$ 69,90, as vendas da i2GO não param de crescer. Para 2016, a meta é chegar a 5 mil pontos de venda e um faturamento 60% maior.

Vending Machines

Para ampliar os negócios e poder entrar em pontos de venda maiores, com grande circulação de pessoas como os aeroportos, em junho de 2015, os produtos i2GO foram lançados em vending machines importadas da Itália. Já são 12 máquinas com os produtos i2GO nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Campinas, Salvador e Fortaleza. Cada uma das máquinas fatura, em média, R$ 3 mil ao mês.

Tags, , , , ,

Gartner: remessas mundiais de dispositivos devem crescer 1,5% em 2015

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, anuncia que as remessas mundiais de dispositivos (PCs, tablets, ultramóveis e celulares) devem atingir 2,5 bilhões de unidades em 2015, um aumento de 1,5% em relação a 2014. A expectativa fica abaixo da previsão do trimestre anterior, que apontava 2,8% de crescimento. Os gastos dos usuários finais com dispositivos totalizarão US$ 606 bilhões em 2015, demonstrando, pela primeira vez desde 2010, um declínio de 5,7% em dólares americanos. Essas e outras informações serão apresentadas durante a Conferência Gartner Segurança e Gestão de Riscos, que acontece nos dias 10 e 11 de agosto (segunda e terça-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel.

“Nossa previsão sobre o crescimento das remessas em unidades para todos os tipos de dispositivos em 2015 caiu 1,3% em relação à estimativa do último trimestre. Isso ocorreu em parte como consequência da contínua desaceleração nas compras de PCs, particularmente na Europa Ocidental, na Rússia e no Japão, principalmente devido aos aumentos de preços resultantes da desvalorização da moeda local em relação ao dólar”, diz Ranjit Atwal, Diretor de Pesquisas do Gartner.

O único mercado que continua a crescer é o de telefones celulares, no qual, em contraste, os preços continuam a cair. Os mercados emergentes estão impulsionando as vendas de smartphones para cima, com a China na liderança. O fim da migração do Windows XP afetou negativamente o mercado de PCs no âmbito global durante a primeira metade de 2015.
Espera-se que o mercado mundial de remessas de PCs totalize 300 milhões de unidades em 2015, um declínio de 4,5% em relação ao mesmo período do ano passado. “Não esperamos que ele se recupere antes de 2016. O lançamento do Windows 10 no dia 29 de julho contribuirá para desacelerar a demanda corporativa de PCs móveis e ultramóveis premiuns em 2015. Entretanto, conforme fornecedores e compradores se ajustam aos novos preços, o Windows 10 pode impulsionar as substituições durante 2016”, diz o Diretor de Pesquisas do Gartner.

O segmento ultramóvel (tablets e celulares clamshell) também deve diminuir. Estima-se que as remessas desses produtos totalizem 214 milhões de unidades em 2015, um declínio de 5,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Tablets serão responsáveis por 207 milhões de unidades, uma redução de 5,9% em relação a 2014. “O mercado de tablets sofre por ter menos novos compradores, pelos ciclos de vida estendidos e pela pouca inovação para incentivar as compras. Ao mesmo tempo, o valor de um smartwatch para o usuário comum ainda não é atraente o suficiente, e o impacto dos wearables em compras de tablets permanece irrelevante”, afirma Roberta Cozza, Diretora de Pesquisas do Gartner. Como resultado, o Gartner acredita que a média de vida útil do tablet aumente para três anos até 2016. “Também esperamos que o mercado de tablets atinja uma penetração em cerca de 50% dos domicílios em mercados maduros até 2016, o que já está próximo”, acrescenta a Diretora de Pesquisas do Gartner.

A taxa de crescimento do mercado de telefonia móvel deve desacelerar 3,3% em 2015. “As vendas globais foram afetadas por um desempenho mais fraco da China. Temos assistido a cada vez menos compradores de primeira ocasião no país. Provedores chineses terão de ganhar os compradores de substituição e melhorar o apelo de suas ofertas de serviços especiais para atrair as atualizações, se quiserem manter ou aumentar sua parcela de mercado. Os fornecedores que procuram intensificar seu desempenho no mercado global de smartphones serão desafiados a melhorar rapidamente sua expansão em mercados emergentes fora da China, onde ainda se observa uma fatia considerável de celulares convencionais e uma oportunidade para o crescimento de dois dígitos em smartphones”, afirma Annette Zimmermann, Diretora de Pesquisas do Gartner.

Tags, , ,