Tag Braspag

Braspag abre vagas para diversas áreas em São Paulo e Rio de Janeiro

A Braspag , empresa pioneira em meios de pagamento para e-commerce no Brasil, oferece oportunidades para os profissionais dos mais diversos segmentos se tornarem parte do time da companhia. São diversas vagas para os mais variados setores, desde programação até compliance.

Os benefícios incluem: salário compatível com o mercado, assistência médica, odontológica, auxílio academia, vale-transporte, refeição e alimentação, seguro de vida, participação nos lucros, entre outros.

“Apesar do momento desafiador pelo o qual todo o planeta está passando, nós da Braspag temos uma grande satisfação em anunciar essas vagas, já que elas significam uma oportunidade para profissionais capacitados em meio à pandemia. A empresa está crescendo e, para manter o ritmo, é fundamental a participação de novos talentos”, declarou a Gerente de Recursos Humanos da Braspag, Marcelle Jordão.

Para participar do processo seletivo, os candidatos devem se cadastrar no site da Braspag , onde poderão saber mais sobre o negócio e cultura da companhia, além das oportunidades disponíveis. As vagas são:

Especialista PO – São Paulo

Analista de Operações Júnior – São Paulo

Analista Financeiro Pleno – São Paulo

DeV Android com Java e Kotlin – pleno e sênior – Rio de Janeiro ou São Paulo ou Full Remoto

DeV Ruby on Rails Sênior – Rio de Janeiro ou São Paulo

Analista DevOps Sênior – Rio de Janeiro ou São Paulo

Analista de RiscoPleno – Rio de Janeiro ou São Paulo

DeV .Net – pleno e sênior – Rio de Janeiro

Especialista DeV – Rio de Janeiro

Estagiário Compliance – Rio de Janeiro

Tags, ,

Black Friday 2019 terá pico de vendas às 11h, segundo a Braspag

Segundo análise realizada pela Braspag – empresa do grupo Cielo e líder em soluções de pagamento para e-commerce na América Latina – o pico de vendas da Black Friday deste ano deve ocorrer por volta das 11h. A empresa também afirma que deverá registrar 57% de crescimento no número de transações na Black Friday 2019 em relação ao ano anterior.

Para auxiliar na conversão de vendas e prevenção a fraudes, a Braspag, em parceria com a Cybersource – empresa da Visa focada em gerenciamento de fraudes e pagamentos online – está oferecendo um serviço especial de revisão manual das transações que requerem uma análise mais profunda para seus clientes. Ao invés de ocorrer em até 12h como usual, as transações são analisadas em até 4 horas, o que ajuda na estratégia de vendas e aumenta a conversão. A revisão é feita via sistema, por meio de APIs. A equipe também avalia outras formas de ataques comuns de épocas promocionais, como esvaziamento de estoques, a fim de evitá-los. Além disso, a Braspag conta com a certificação PCI 3.2 em todos os seus produtos, o que garante adesão às normas internacionais de segurança. A empresa também está participando da revisão da versão 4.0 da certificação, que deverá entrar em vigor a partir de 2021. A Braspag é o único gateway brasileiro integrante do conselho consultivo do PCI Security Standards Council.

“Estamos nos preparando há mais de três meses para a Black Friday, data mais importante do e-commerce brasileiro. Além da oferta para elevar a conversão e segurança, realizamos diversos testes em nossos sistemas para prevenir quaisquer eventualidades”, explica o diretor comercial da Braspag,José Carlos Vianna (Zeca). “O nosso ambiente, que já é robusto e elástico, permite adaptação em questão de minutos mesmo para um aumento de transações 5 ou 6 vezes em relação ao número normal. Nosso sistema e equipe estão completamente preparados para esta Black Friday que deve superar significativamente as vendas dos anos anteriores, conclui Zeca.

Tags, ,

O custo de um ticket aberto para as empresas

Por Henrique Santana, Cientista de Dados na Braspag

Levando em consideração o desenvolvimento de um produto no mercado de TI, temos diversos custos atrelados que são uma das bases para precificação, tais como: horas de desenvolvimento, licenças, armazenamento, hospedagem, infraestrutura do escritório, gerenciamento e afins.

Quando falamos em atendimento ao cliente, normalmente negligenciamos o trade-off que enfrentamos. O que é mais custoso: esforços para evitar um deploy com bugs, mais capricho no UX (designer), atenção com a documentação, empoderamento do cliente ou diversas pessoas atendendo chamados?

Na indústria existe uma métrica conhecida como PoNC (Price of Non Conformance) que basicamente mede os custos atrelados aos defeitos de produtos. Cada relatório de não conformidade (NCR) tem um custo ao ser aberto, que leva em consideração o avaliador do problema, o retrabalho, a matéria-prima, as licenças de software, o tempo de espera e a insatisfação do cliente.

Normalmente o PoNC é vinculado a uma meta de redução e segue uma regra bem simples, a do anti-GAP, que basicamente instrui a: não Gerar defeito, não Aceitar defeito e não Passar defeito, considerando fornecedores e clientes internos e externos.

Voltando para o cenário de TI, temos alguns tipos de tickets: pergunta, incidente, problema e atividade. Para cada tipo, podemos mensurar um preço médio baseado em parâmetros parecidos com o que indústria costuma considerar. Exemplo: médias de tempo para resolver um determinado tipo de ticket; quantas pessoas de diversas áreas estão analisando, desenvolvendo soluções, quais softwares necessários e uma estimativa de satisfação do cliente em termos de Churn (evasão de clientes).

Uma das metas deve ser a redução do número de tickets, pois quanto mais tickets, mais gastos. E se um cliente sai por conta da ineficiência de atendê-lo, isso deve também ser refletido nos resultados. A literatura e a mídia deixam bem claro que gastamos cerca de 5 vezes mais tentando atrair clientes do que em mantê-los. Isso significa que além dos custos mencionados investiremos, pelo menos, 5 vezes mais para repor esse cliente,

Quanto ao custo em si, tomemos como exemplo alguns dados fictícios de uma determinada semana (semana 2 no gráfico abaixo). A resolução média foi de 69 tickets por dia, com uma média de 13 analistas distintos por dia nessa semana. O que nos leva a uma capacidade média de pouco mais de 5 tickets por dia por atendente.

Se o custo mensal de um dos 13 analistas girar em torno de R$ 5.000,00 (estimativa meramente explicativa), o custo médio por dia e por analista será de R$ 250,00, considerando 20 dias úteis. E como sua capacidade média é de aproximadamente 5,3 tickets por dia, temos um custo estimado de R$ 47,00 por ticket, sem considerar todos os custos que mencionados anteriormente.

Com a estimativa de R$ 47,00 por ticket na semana 2, vamos estimar o gasto com tickets abertos na semana seguinte (semana 3). Há cerca de 325 tickets abertos, o que significa que, somente com horas de pessoal, teríamos um custo de R$ 15.275,00 nessa semana. Algo em torno de R$ 61.100,00 por mês. Ressalto mais uma vez que estamos considerando só a ponta do iceberg.

Levantar a métrica do custo de um ticket de forma acurada considerando todas as variáveis envolvidas e os produtos, comparado ao PoNC é fundamental. Entretanto, sem o engajamento da companhia para entender o que é esse custo, como usá-lo em seu favor e buscar o retorno sobre o investimento, ele será só mais um indicador natimorto.

Algumas fintechs como o Nubank, que foi considerado o melhor banco do Brasil pela Forbes com base em diversos critérios, incluindo o atendimento, buscam se reinventar com modelos preditivos, interfaces atraentes, investimento em autoatendimento e esforço para excelência na capacitação de sua equipe. De acordo com o Mercado Livre, 56% do total de funcionários do Nubank estão alocados no atendimento, trabalhando dia e noite para que seus clientes “não precisem deles”, ou seja com foco na satisfação do cliente que, além de cumprir a principal missão de qualquer empresa, reduz o número de tickets e mantém a saúde financeira da corporação.

Tags,

Braspag contrata novo diretor comercial

Com o objetivo de manter a primeira posição no mercado, estreitar o relacionamento das áreas técnica, comercial e pós-venda com seus clientes e expandir a carteira, a Braspag, empresa do Grupo Cielo e líder em soluções de meios de pagamento para e-commerce na América Latina, contrata novo diretor para assumir a área comercial.

O escolhido para o cargo é José Carlos Castro de Barros Vianna, mais conhecido no mercado como Zeca. O executivo conta com mais de 15 anos de experiência na área de desenvolvimento de negócios e vendas, em especial na liderança e formação de equipes comerciais em empresas de meio de pagamento, tendo passagens pelo Unibanco, Banco ABC Brasil, Porto Seguro, Mercado Pago, entre outras. “A Braspag é uma empresa sólida, ética e inovadora com a missão de simplificar compras. Transpor esta ideia para as relações com os nossos clientes e serviços é positivamente desafiador”, explica Zeca.

“Unir a nossa expertise e liderança de mercado à vasta experiência do Zeca é uma ação estratégica que acompanha a evolução do mercado. Ao estabelecer maior elo entre áreas e nossos clientes, reforçamos a importância de oferecer uma ótima experiência em cada etapa do uso de nossos serviços para encantá-los, o que é sempre o nosso maior objetivo”, afirma o diretor geral da Braspag, Rogério Signorini.

Zeca é bacharel em Economia pela Universidade Paulista, pós-graduado em Finanças pelo Ibmec e mestre em Administração de Negócios pela Fundação Dom Cabral.

Tags, , , , , ,

A nova era do e-commerce e as 20 maiores tendências

Por Rogério Signorini, Diretor Geral da Braspag

Cada vez mais o e-commerce deixa de ser apenas um canal de vendas online para se tornar um espaço para promover o prazer do consumo. O tão falado Omini Chanel supera barreiras e transcende para um novo universo, onde o ato de comprar não é apenas o fim, mas também o meio.

Dentre as diversas tendências apresentadas no IRCE (Internet Retail Conference + Exhibition) deste ano, observou-se que a experiência do usuário é o objetivo principal desta nova era do comércio eletrônico. Prova disso é o avanço do store pick up no mercado e o desafio dos lojistas de saber a localização do cliente e mostrar apenas produtos disponíveis em suas proximidades, a fim de tornar o processo de compra mais inteligente e ágil. Integrações com sistemas de geolocalização podem ser cruciais neste processo, mas há também outros desafios como a integração de estoques e pedidos online e offline, além da parte fiscal.

De modo geral, a busca incessante pela melhor experiência para se destacar perante a concorrência cada vez mais acirrada culminou em 20 tendências que estão sendo adotadas pelas gigantes do e-commerce norte-americano. Algumas, inclusive, se relacionam ou podem ser integradas ao store pick up. São elas:

1. Flexibilidade Total: eliminar sistemas complexos e adotar micro serviços e APIs para elevar a velocidade das compras. Neste sentido, quanto maior for a flexibilidade sistêmica, maior o poder de conversão.

2. Enterprise Decision Engine: basicamente, consiste em obter um conhecimento centralizado e orquestrar a interação do consumidor entre os canais, ou seja, essa relação precisa ser fluída mas também dinâmica, para tanto, a logística deve ser integrada e altamente funcional.

3. Conversational Commerce (voz): os consumidores cada vez mais utilizam comandos de voz para compras online. É o caso do Siri e Google Assistant, que inclui o produto desejado no carrinho a partir dos resultados das buscas.

4. Conversational Commerce (messaging): outro item bastante utilizado são os robôs inteligentes para mensagens online. Além de reduzir número de chamadas na central de atendimento, o recurso melhora a interação com os clientes já que oferece mais agilidade.

5. Visual Recognition: este recurso traz uma série de funcionalidades que impactam diretamente na experiência de compras:
a. Permite que o consumidor mostre ao site o que ele deseja comprar;
b. Ajuda o lojista a montar o catálogo de produtos de forma personalizada;
c. Guarda roupa virtual: compras anteriores ficam registradas e o sistema sugere produtos relacionados;
d. Integração com redes sociais, que são usadas para conhecer as preferências do consumidor.

6. Shop the Look: compra orientada com recursos de inteligência artificial, que permite encontrar produtos – principalmente roupas – similares a de imagens encontradas na internet.

7. Fit Finders ou Visual Body Maping: oferece roupas personalizadas a partir de fotos do usuário por meio de sistemas de machine learnig e inteligência artificial que fazem as medições do corpo pela foto.

8. Amazon Look: funcionalidade da Amazon que avalia o look do dia do usuário.

9. Smart Gifting: envia o presente online e o comprador pode mudar a cor ou o número antes de realmente fazer a compra. Reduz o custo com devoluções e eleva a satisfação do cliente.

10. Mobile Progressive Website App: sites adaptados para dispositivos móveis que se comportam como aplicativos, oferecendo mais agilidade, funcionalidades avançadas e integração SEO.

11. Blockchain: o aumento da adoção das moedas virtuais e a possibilidade de utilizar este sistema em outros segmentos, faz com que a realização de transações seguras sem intermediários neste caso seja uma nova maneira de fazer negócios.

12. Performance – Optimizing Point Solutions: otimizar a velocidade e performance dos canais de vendas. O site ou aplicativo deve ser rápido e intuitivo.

13. Payments – Mobile & Alternative: dada a facilidade oferecida pelos novos meios de pagamentos via mobile como os XPays (Apple Pay, Google Pay etc), a ausência destas funcionalidades numa loja virtual atualmente coloca os negócios em risco.

14. Smart Fitting Rooms: provadores virtuais com espelhos inteligentes nos quais o usuário avalia se a vestimenta se ajusta ao seu corpo de forma agradável e sem sair de casa.

15. Digital Pop-up Shops: lojas virtuais dentro de lojas de departamentos, oferecendo itens e serviços mais personalizados.

16. Analog Pop-up Shops – Hyperlocal: lojas móveis para testar tendências e pontos de vendas.

17. IOT – Everithing is getting smart: não é de hoje que ouvimos que a Internet das Coisas vai mudar a maneira como interagimos com o mundo e fazemos negócios. O avanço desta tecnologia oferece múltiplas oportunidades. Uma delas é o uso das gôndolas inteligentes, que além de impactarem positivamente a equipe logística para manterem-se sempre completas, é possível identificar padrões de comportamento dos consumidores e ajustar a disposição dos produtos de forma mais atraente, aumentando a conversão.

18. Digital engagement in store: o uso de robôs e self check out possibilita identificar o que o cliente buscou e o que ele verificou de sair da loja, criando as vitrines infinitas, ou seja, se o consumidor não encontrou determinado produto na loja física, ele receberá a sugestão para compra-lo online.

19. Biodesign, development & 3d printing: uso de impressoras 3D para fabricação de produto direto na loja. Como exemplo, temos um tênis feito de material com bactérias que degradam com o calor do produto, permitindo maior ventilação e transpiração dos pés. Além da agilidade na fabricação, esta tendência promove a sustentabilidade.

20. Agile Retail: disposição dos produtos na loja de forma que promova a agilidade no processo de compras.

Embora diversas destas tendências não tenham aterrissado em terras tupiniquins, é fundamental acompanhá-las atentamente, seja para adoção num futuro próximo ou ainda para a percepção de funcionalidades que possam surgir. Cada consumidor é único e é papel não apenas do lojista, mas sim de toda a cadeia do varejo, suprir suas necessidades. Com o veloz avanço tecnológico, é natural que o e-commerce transcenda seus limites e alcance novos patamares. Mais do que atrair novos clientes, essa nova era é guiada pela personalização e pela identificação com a marca. E não há nada que fortaleça mais este elo do que uma ótima experiência.

Tags, , , , ,

O que os pequenos e médios e-commerces devem considerar na hora de escolher soluções de pagamento

O e-commerce brasileiro deve crescer, em média, 11% ao ano até 2019, segundo projeção da Bain & Company. E, de acordo com último levantamento da Fecomércio (2015), nosso comércio virtual é, em sua maioria, composto por lojas de pequeno e médio porte, somando, aproximadamente 40 mil lojas virtuais de bens de consumo. Quem deseja ingressar no setor ou quem já está nele sempre se depara com uma questão importante: como escolher a solução de pagamento.

Para a Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções para e-commerce na América Latina, há alguns pontos que devem ser observados para realizar a escolha. São eles:

1) Não escolher a solução de pagamento apenas pelo valor da taxa. É preciso levar em conta o perfil da loja virtual, tipo de consumidor, ticket médio e condições da operação e confrontar com os benefícios oferecidos por cada fornecedor e as necessidades do lojista.

2) Observar o perfil do consumidor. Se o público-alvo da loja costuma escolher um mesmo meio de pagamento, vale a pena investir primeiro em serviços que atendam bem a este perfil para começar. É importante ter em mente que quanto mais opções de pagamento, não necessariamente maior será o número de clientes. Opções demais podem tornar a experiência de check-out mais confusa, o que reduzirá sua conversão.

3) Procurar um parceiro que entenda as necessidades do negócio e proponha soluções simples e inovadoras. É preciso ter em mente que é este serviço que responsável pela entrada de dinheiro no seu fluxo de caixa.

4) Avaliar a possibilidade de contratar serviços integrados. Soluções antifraude e de conciliação são fundamentais para garantir a segurança.

das transações e a organização financeira da operação. Sendo assim, observe se os serviços oferecidos neste sentido atendem às reais necessidades do negócio e se você possui equipe para acompanhar estes processos de acordo com a demanda. Se a loja está começando, muitas vezes vale contratar uma solução que englobe todos estes serviços. Mas quando o fluxo de compras cresce – o que consequentemente irá requerer aumento da equipe – investir numa integração mais robusta que ofereça relatórios gerenciais e checkout mais transparente será uma boa pedida.

“O e-commerce tem sido uma boa aposta para quem deseja criar seu próprio negócio, mesmo com baixo investimento. O setor tem grande potencial de crescimento, especialmente para mercados de nicho. Por isso, investir em soluções adequadas de pagamento e ter um parceiro de confiança é fundamental”, afirma Rogério Signorini, diretor geral da Braspag.

Tags, , ,

Braspag viabiliza pagamentos pelo Apple Pay

A Braspag, empresa do grupo Cielo, viabiliza pagamentos realizados pelo Apple Pay, serviço que a Apple acaba de lançar no país. Com a solução é possível realizar pagamentos usando os dispositivos da marca – celular ou relógio – por aproximação, substituindo-se, assim, o cartão. Também é viável pagar compras em lojas e aplicativos, semelhante ao funcionamento de uma carteira digital.

Neste segundo formato, a cada transação, o consumidor escolhe em sua carteira digital com qual cartão deseja pagar (ele pode armazenar quantos desejar). O lojista recebe, a partir do aparelho, os dados do cartão de forma criptografada. Essa criptografia é transmitida à Braspag, decodificada pela empresa e transmitida ao adquirente. Neste processo, ninguém tem acesso aos dados abertos do cartão em nenhum momento e somente a Braspag é capaz de decodificar os dados criptografados, proporcionando, assim, mais segurança ao lojista e ao portador.

A Nextel e a Ticket 360 são os primeiros clientes Braspag a oferecer o novo método. O lojista interessado em operar com o Apple Pay deverá ser homologado pela Braspag que entregará a ele uma espécie de chave para cifrar os dados do cartão de crédito do cliente. Tais dados estarão salvos na carteira digital do cliente, ou seja, armazenados no aparelho compatível com a tecnologia: o Apple Pay é compatível com iPhones, iPads e Macs com sensor biométrico – ou reconhecimento facial, no caso do iPhone X.

“Acreditamos muito no potencial do Apple Pay. A Braspag está sempre buscando possibilitar aos lojistas que ofereçam as mais variadas formas de pagamento aos seus clientes, trazendo praticidade para o dia a dia da operação, segurança e ampliando, assim, as chances de conversão de vendas”, afirma Rogério Signorini, diretor geral da Braspag.

Tags, , , , , , ,

Apple, Google, Samsung: o que os novos pays significam para o e-commerce brasileiro?

Por Rogério Signorini, Diretor geral da Braspag

O e-commerce segue crescendo no país. Foram 12% no ano passado, estimativas apontam para 15% em 2018 e agora o setor ganha importantes aliados: os novos pays. Os serviços de pagamento da Apple, Google e Samsung vêm fortalecer ainda mais este mercado, trazendo mais comodidade aos consumidores e mais chances de conversão para lojistas.

Segundo o estudo E-commerce Radar 2017, idealizado pelo Atlas, com o aumento da penetração de smartphones, a parcela de compras por dispositivos móveis cresceu de 22% para 31% entre 2016 e 2017, percentual que só tende a subir ainda mais, visto que, segundo projeções da FGV, o número de smartphones no Brasil deve se igualar em breve ao de habitantes, devendo chegar a 236 milhões em dois anos. Todos esses números só comprovam o enorme potencial de vendas que os novos pays trazem ao e-commerce. Mas em que consiste a tecnologia?

Para os e-commerces, os novos pays funcionam no formato de carteira digital. O usuário deve capturar a frente do cartão com a câmera do aparelho ou adicionar os dados manualmente. A cada transação, o cliente escolhe em sua carteira digital com qual cartão deseja pagar. O lojista recebe, a partir do aparelho, os dados do cartão de forma criptografada. Essa criptografia é transmitida à empresa responsável pelo gateway de pagamento, que decodifica os dados e transmite ao adquirente. Tudo de forma muito segura, tanto para o lojista quanto para o portador do aparelho. Nas transações online e em apps, um toque e o dedo posicionado no Touch ID confirmam a compra.

E falando em compras via aplicativos, de acordo com o Mobile Payment Journey, a nossa familiaridade com os smartphones, e mais ainda, com os apps, é notável: 78% dos brasileiros que possuem os aparelhos preferem comprar via app, número que fica acima dos 71% da média global. O mesmo estudo indica, porém, que ao mesmo tempo em que os brasileiros são atraídos pelos benefícios da velocidade e simplicidade de comprar via app, também abandonam as compras por desconfiar da segurança. Muito provavelmente os novos pays ajudarão a diminuir essa desconfiança. Vale lembrar ainda que os novos sistemas de pagamento também funcionam no varejo físico, por tecnologia de aproximação (NFC – Near Field Communitacion).

E se com todos esses números ainda não ficou clara a força dos novos pays para o comércio, aqui vai mais um dado: o potencial do Apple Pay no Brasil é de, inicialmente, 1,2 milhão de pessoas, segundo estimativas de mercado, pois esta seria a quantidade de clientes que acessam um dos bancos habilitados hoje por meio de um iPhone 6 ou superior (dispositivo compatível com a tecnologia). Imagine isso somado ao Google Pay – que conta com suporte do Bradesco, Banco do Brasil, Neon, Banrisul, Brasil Pré-Pagos, Caixa Econômica Federal e Porto Seguro – e ao Samsung Pay (este já disponível para dezenas de cartões com bandeiras Visa e Mastercard)?

Os novos pays vieram para ficar, ou melhor, para mudar a história dos meios de pagamento no Brasil e projetar ainda mais o crescimento do e-commerce. A tecnologia está aí, disponível para os consumidores e lojistas, basta começar a usar para escrever também suas próprias e bem-sucedidas histórias no comércio digital!

Tags, , , , , , , , , ,

Braspag aponta nove passos para o sucesso no e-commerce

A Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções para e-commerce na América Latina – que chega a processar quase 100 mil transações em um período de uma hora durante eventos importantes do e-commerce como a Black Friday – aponta nove passos que devem ser observados pelos lojistas que desejam crescer no mercado virtual.

A escolha do negócio. É importante que o empreendedor esteja familiarizado com o que vai vender ou busque conhecimento para que seja capaz de responder às dúvidas dos clientes e falar com propriedade sobre o que está comercializando. Cada vez mais o comércio digital está se profissionalizando e os consumidores sabem identificar amadores. A profissionalização é fundamental.

A eficiência do site. O investimento em um site funcional e veloz aumenta as chances de conversão da venda. O ideal é que o cliente chegue até o produto desejado em três cliques. Sites confusos dispersam o internauta, bem como lentidão para carregar imagens. Assim, organização, navegabilidade e velocidade devem ser observados.

A segurança das transações. Uma boa parte dos internautas já sabe reconhecer se um site é protegido e se pode, portanto, inserir seus dados pessoais e efetivar a compra. Há diversas certificações/selos de segurança disponíveis.

Ainda sobre segurança: armazenamento de dados do cartão. Já existem hoje soluções disponíveis para atender lojistas que podem armazenar dados dos cartões dos clientes, bem como aqueles que não podem armazenar nenhum tipo de dado, isto é, soluções para lojistas com diferentes níveis de PCI – PCI Security Standards Council – conjunto de regras que protegem estabelecimentos e consumidores de fraudes de cartão de crédito. A recomendação aqui é conversar com o parceiro de tecnologia para avaliar qual solução se aplica melhor ao seu negócio.

Informação para o cliente. Mantenha-o informado sobre cada fase do processo, como aprovação do pedido, embalagem, entrega, código de rastreio. Trata-se de uma prática simples, mas muitas vezes negligenciada, o que pode causar ansiedade no cliente e até cancelamento da compra. E caso ocorra um problema no decorrer do fluxo, o cliente também deve ser informado imediatamente.

Ainda sobre informação e comunicação. Cada vez mais os consumidores são omnichannel (multicanais) e dificilmente se limitarão a um único ponto de contato com a marca durante o processo de compra e no pós-venda também. Assim, disponibilize mais de um canal de comunicação – e-mails, redes sociais, chat-bots (se o e-commerce comportar) entre outros – e evidentemente, deixe-os sempre ativos e com uma comunicação uniforme (todos devem transmitir as mesmas informações e com o mesmo “tom”).

O cuidado com a logística. A logística ainda é hoje um gargalo para o comércio eletrônico. A dica é trabalhar com mais de um parceiro (e de confiança) para que um substitua o outro quando necessário. Respeitar prazo de entrega e integridade do produto também são condutas obrigatórias. Reforce a logística em períodos de campanhas promocionais em que um aumento das vendas é esperado para que os novos clientes conquistados voltem a comprar.

A versão mobile da loja virtual. Nem é preciso dizer que cada vez mais os smartphones estão se tornando um importante canal de compras. De acordo com o estudo E-Commerce Radar 2017: Resultados do mercado de e-commerce do Brasil produzido pelo Atlas, a parcela de compras por dispositivos móveis cresceu de 22% para 31% entre 2016 e 2017. Assim, ao montar sua loja virtual, escolha um layout que possa ser adaptado para o celular e tablets, mantendo a identidade.

Os meios de pagamento. Quanto mais formas de pagamentos disponíveis no e-commerce, maiores serão as chances na conversão de venda. O cartão de crédito ainda é o meio preferido do consumidor online, mas, se possível, ofereça também as opções de débito e boleto.

“O e-commerce brasileiro cresceu em torno de 12% em 2017, mostrando sua força em meio a um cenário econômico ainda de adversidade. Mas para que seja um investimento bem-sucedido, é preciso apostar em algumas práticas importantes como essas que listamos”, afirma Rogério Signorini, Diretor Geral da Braspag.

Tags, , , , , , ,

Braspag lança aplicativo para gestão de pagamentos

A Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções de pagamentos para e-commerce na América Latina, está lançando o Braspag App para auxiliar os lojistas na gestão financeira e estratégica do negócio. O app será lançado para esta Black Friday, ainda como piloto, e deve ser disponibilizado no início de 2018.

Destinado a gestores e coordenadores de e-commerce, operações, finanças e produtos, bem como executivos de contas que precisam de um rápido overview da operação do seu cliente, o app funcionará como dashboard simplificado da operação, trazendo indicadores-chave de desempenho das lojas.

Terão acesso ao aplicativo, os clientes que hoje utilizam o Pagador Braspag (plataforma de pagamentos) e o Conciliador Braspag (integrador das soluções Braspag, confronta as vendas online e as do mundo físico com os extratos das processadoras e bancos, dando mais transparência à operação). Os dados dessas soluções serão espelhados no aplicativo, em uma versão mais resumida e adaptada para smartphones e tablets, de acordo com o tipo de tecnologia contratada pelo cliente.

Para os lojistas que hoje têm o Pagador Braspag, o app trará informações como transações recebidas, autorizadas, capturadas, o montante total capturado, quais os meios de pagamento utilizados, o quanto foi vendido e recebido, código de autorização, motivo de não autorização de pagamento, entre outros dados. O app oferece ainda indicadores frente a própria operação: o lojista visualiza o comportamento de vendas do dia, um sábado, por exemplo, comparado aos sábados das últimas quatro semanas. Outra importante funcionalidade é a emissão de alertas ao detectar comportamentos diferentes dos usuais, como negativas diante de número de cartão inválido. Assim, o lojista poderá checar rapidamente se está com problemas no site ou mesmo na adquirente e resolver a situação. Já os que têm o Conciliador Braspag poderão visualizar ainda no app as operações do mês, entradas, antecipações, fluxos de caixa, entre outros dados.

“A Braspag sempre trabalha com o objetivo de simplificar a rotina dos lojistas e, consequentemente, a experiência de compra também. Com o app, o empreendedor terá acesso a uma série de informações de forma rápida e prática na palma da sua mão, visualizando como está performando frente a sua própria operação. Assim, ele poderá tomar decisões rápidas quando necessário, como por exemplo, colocar uma promoção no ar quando perceber baixa movimentação para aquele dia ou corrigir alguma falha de segurança ao detectar um comportamento muito diferente do usual”, explica Gastão Mattos, CEO da Braspag.

O aplicativo foi desenvolvido no formato Progressive Web App, ou seja, pode ser acessado por qualquer usuário, independentemente do browser e mesmo se o usuário estiver no modo offline. Não precisa ser baixado, não ocupa memória do telefone e estará sempre atualizado, dispensando o lojista da necessidade de baixar novas versões.

“Vamos continuar trabalhando para evoluir o app tanto nas funções que ele terá hoje – pagamento e conciliador – como para futuramente oferecer ferramentas administrativas, como boletos em aberto ou configuração de alertas de acordo com a demanda do lojista. O teste na Black Friday será fundamental para nos ajudar a aprimorar a ferramenta a partir dos feedbacks que recebermos dos clientes”, finaliza Mattos.

Tags, , , , , , ,

Como escolher soluções de pagamento para pequenas e médias empresas do e-commerce?

A vontade de ter o próprio negócio aliada à dificuldade de conseguir emprego e as facilidades para vender online têm impulsionado empreendedores a apostar cada vez mais no e-commerce. Segundo estudo realizado pela Bain & Company, estima-se um crescimento de 11% ao ano para o e-commerce brasileiro até 2019.

Entretanto, na hora de iniciar as atividades surgem muitas dúvidas. Entre um dos maiores questionamentos está: qual é a solução de pagamento mais adequada para a minha empresa?

Antes de responder a esta pergunta, é importante conhecer todas as possibilidades, uma vez que todas podem se ajustar a cada modelo de negócio, de acordo com a sua necessidade.

Adquirente: são as empresas responsáveis pela comunicação entre as bandeiras de cartão de crédito e débito e lojistas. A Cielo, por exemplo é uma adquirente. Independentemente da solução de pagamento escolhida, a transação passará pela adquirente para que ela faça esta parte do fluxo de pagamento.

Gateway de pagamento: conecta a loja com as financeiras e adquirentes. Trocando em miúdos, é como se fosse a máquina que recebe o cartão para pagamento, mas neste caso o processo é efetuado totalmente online. Os gateways também possibilitam a realização de pagamento com boleto bancário, transferência entre contas e meios de pagamento alternativos, além de permitir a integração com ferramentas antifraude e de conciliação financeira para gerenciar as transações com maior precisão, como é o caso da Braspag. Segundo Gastão Mattos, “uma das principais vantagens do gateway é a ampliação da segurança e controle das transações, algo essencial para todos os tipos de lojas online. Além disso, uma vez integrado com um gateway, se o lojista decide mudar de adquirente ou banco, a integração técnica construída continua valendo”, explica.

Subadquirente ou intermediária: engloba as atividades do gateway, além de análise de risco e conciliação financeira em uma mesma solução. Entretanto, o recebimento neste caso é realizado em nome da intermediária e não da loja, o que às vezes gera insegurança no consumidor na hora de fazer o pagamento. Aqui em geral, o diferencial da solução é a garantia da transação.

Como escolher?

Uma das tentações de quem está começando é escolher a solução de pagamento com as taxas mais baixas, “mas isso é um erro”, diz Mattos. “É preciso avaliar o perfil da loja virtual, tipo de consumidor, ticket médio e condições da operação e confrontar com os benefícios oferecidos por cada fornecedor e as necessidades do lojista. O cálculo de todos esses fatores vai determinar qual o tipo de solução de pagamento adequado”, conta. O executivo também dá outras dicas na hora de escolher:

Perfil de consumidor

Se o público-alvo da loja costuma escolher um mesmo meio de pagamento, vale a pena investir primeiro em serviços que atendam bem a este perfil para começar. Entretanto, é importante ter em mente que quanto mais opções de pagamento, mais chances de aumentar o número de clientes.

Atendimento

Escolha uma empresa que lhe atenda prontamente e entenda as necessidades do negócio, propondo soluções simples e inovadoras. Lembre-se que este serviço será responsável pela entrada de dinheiro no seu fluxo de caixa.

Serviços integrados

Soluções antifraude e de conciliação são fundamentais para garantir a segurança das transações e a organização financeira da operação. Sendo assim, observe se os serviços oferecidos neste sentido atendem às reais necessidades do negócio e se você possui equipe para acompanhar estes processos de acordo com a demanda. Se a loja está começando, muitas vezes vale contratar uma solução que englobe todos estes serviços. Mas quando o fluxo de compras cresce – o que consequentemente irá requerer aumento da equipe – investir numa integração mais robusta que ofereça relatórios gerenciais e checkout mais transparente será uma boa pedida.

“Seja qual for a solução escolhida, o e-commerce tem sido uma boa aposta para quem deseja criar seu negócio, mesmo com baixo investimento. O potencial de crescimento deste setor e a sua alta capacidade de ofertas, como mercados de nicho, sempre geram boas oportunidades”, afirma Mattos.

Tags, , ,

Viagem é a categoria com a melhor conversão no e-commerce brasileiro

O estudo “Cenário do E-Commerce no Brasil” encomendado pela Braspag, empresa do grupo Cielo, líder no desenvolvimento de soluções para processamento de pagamentos, revela que alguns setores já se consolidaram no e-commerce brasileiro. É o caso do Turismo. No estudo, chamou-se de categoria Travel os sites para vendas de Pacotes de Viagens, Hotéis, Voos e Transportes. Eles representam a maior taxa de conversão média do e-commerce no Brasil, totalizando 2,1%.

A taxa de conversão é a relação entre o número de visitas a uma loja online e o número de pedidos feitos em um determinado período de tempo. Na categoria Travel, as maiores taxas são registradas nas compras em sites de Agências de Viagens online, com 2,4% de conversão. Quase empatadas estão as subcategorias Companhias Aéreas e Aeroportos (2,3%) e Acomodações e Hotéis (2,2%), enquanto Transportes registra taxa de 1,7%.

“Encomendamos o estudo para a Netquest com o objetivo de mapear os desafios e as oportunidades do e-commerce no Brasil. O resultado mostra como alguns setores estão consolidados no e-commerce e ainda faz uma análise detalhada, trazendo dados do universo de compras online como, perfil do consumidor e tendências nesse segmento”, destaca o CEO da Braspag, Gastão Mattos.

Tags, , , ,

Braspag aposta em novo posicionamento com compromisso de simplificar compras

DiaB_web170817_162814

A Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções de pagamentos para e-commerce na América Latina, acaba de definir o novo posicionamento da marca, baseado em dois pilares: simplificar compras e transformar a experiência de consumo. A mudança tem o intuito de alinhar a estratégia de inovação à simplificação do processo de compras para toda a cadeia do comércio eletrônico.

“Há um bom tempo deixamos de ser apenas uma empresa de meios de pagamento com a oferta de outros serviços. A Braspag cada vez mais aposta na inovação, atendendo às necessidades do nosso tempo, por isso é fundamental manter nosso posicionamento alinhado com o mercado”, explica do CEO da Braspag, Gastão Mattos.

O processo de construção do novo posicionamento, conduzido pelo time de RH, com o auxílio da consultoria especializada Lumo, levou cerca de quatro meses. “Toda a empresa foi envolvida nesse trabalho, desde entrevistas individuais com colaboradores até a aplicação de pesquisa online e workshops para captar as impressões, tanto do momento atual como do futuro. A partir daí, iniciamos a construção da nova missão e visão da companhia”, destaca a head de Recursos Humanos, Marcelle Jordão.

Com o apoio da agência Laika Design, a Braspag começou uma campanha de engajamento intitulada #Simplifique. A campanha incluiu uma série de iniciativas que resultaram no “Dia B” (Dia Braspag), evento principal onde foram apresentadas as novas diretrizes para todas as equipes no Rio de Janeiro e São Paulo.

Entre as iniciativas estavam a criação de atividades interativas para estimular a integração entre áreas e provocar a expectativa para o principal evento, o “Dia B”.

Com esta iniciativa, a Braspag também pretende lançar novos produtos alinhados à sua nova visão de mercado. As novidades serão anunciadas ao longo do segundo semestre deste ano.

Tags, , ,

Braspag já opera com as novas regras do boleto registrado

A Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções de meios de pagamento para e-commerce na América Latina, já adaptou os seus serviços às novas normas definidas pela FEBRABAN e a rede bancária que determinam o registro dos boletos de pagamentos.

As regras entram em vigor a partir da próxima segunda-feira, 10 de julho, para boletos com valores igual ou superior a R$ 50 mil. A partir de 11 de dezembro deste ano, boletos bancários que não possuírem o CPF e o CNPJ do pagador não serão mais aceitos pelo Banco Central.

Segundo o CEO da Braspag, Gastão Mattos “a Braspag sempre está atenta às normas de segurança e tendências do setor de meios de pagamento, por isso a empresa já dispunha de ferramentas para realizar esta adaptação, ficando apenas a cargo dos bancos emissores utilizarem ou não este serviço”, explica. “Com a nova regra, nos antecipamos para operar neste novo modelo e os bancos que já estiverem preparados para a regra já podem contar com a Braspag”, conta.

De acordo com a FEBRABAN, um dos principais benefícios da nova regra é que o consumidor não precisará mais ir ao banco emissor para quitar um boleto vencido, podendo ser realizado em qualquer agência bancária. Além disso, afere mais segurança ao lojista e consumidor, e também possibilita melhorias na gestão de conciliação de pagamentos, otimiza relatórios e permite o uso dos boletos para averiguar operações de crédito.

“A medida ajudará toda a rede a mitigar fraudes, principalmente no comércio eletrônico, que é o maior alvo. Com mais segurança neste tipo de operação para lojistas e consumidores, este meio de pagamento pode registrar aumento de procura, sendo uma boa opção para usuários com renda insuficiente para possuir cartões de crédito, impactando positivamente o varejo online”, afirma Mattos.

Tags, , , , ,

Braspag é o gateway de pagamento escolhido para ecommerce da Riachuelo

A Braspag, empresa do grupo Cielo e líder de soluções de pagamento para e-commerce na América Latina, é a responsável por todos os processamentos das compras realizadas no novo e-commerce da loja Riachuelo. O novo canal de vendas contou com o investimento de R$ 28 milhões.

O acordo com a Braspag envolve a integração dos cartões de crédito e débito tradicionais do mercado, boleto bancário e também do cartão private label por meio do gateway Pagador Braspag. De acordo com o CEO da Braspag, Gastão Mattos, “a oferta de todos os meios de pagamento em uma única plataforma traz mais flexibilidade ao lojista, inclusive quanto ao cartão administrado pelo próprio estabelecimento, que não possui adquirentes intermediários, o que normalmente exigiria maior esforço da equipe de TI do estabelecimento para efetivar as vendas”, afirma.

As soluções são integradas ao Magento 2.0, nova versão da plataforma que possui a maior quantidade de lojas online no mundo, o que foi possível por meio da parceria entre a Braspag e a Webjump – parceira oficial da Magento no Brasil. Além disso, todas as transações realizadas no site da Riachuelo contam com sistema antifraude Braspag integrado automaticamente ao Pagador. A solução foi desenvolvida em parceria com a Cybersource e garante maior segurança para o lojista e o consumidor. A Riachuelo também contratou o sistema de tokenização, que permite adquirir produtos com apenas 1 clique, agilizando o processo de compras. Todos os dados ficam armazenados em ambiente completamente seguro, trazendo mais facilidade ao consumidor. “A integração com o gateway Braspag possibilita orquestrar em um único caminho o processamento das transações e a gestão dos riscos de fraudes, trazendo mais vantagens na operação, além de aumentar a confiança do usuário, enquanto que a tokenização eleva esse grau de segurança e promove mais agilidade na experiência de compra. O resultado é um aumento na taxa de conversão”, explica Mattos.

A loja online da Riachuelo estreia após um mês de operação no modelo “soft lounch” e dois anos de estudos de mercado e estruturações internas. A empresa investiu R$ 250 milhões na modernização de um novo centro de distribuição situado em Guarulhos a fim de ampliar a capacidade de expedição e apoiar as vendas online, que possui integração com os canais offline. De acordo com o head do e-commerce da Riachuelo, Jonas Ferreira, “chegamos nesse mercado depois dos maiores players, o que nos permitiu analisar o que deu certo ou não. Percebemos que a maioria das companhias tratava o e-commerce como outra empresa, sem nenhuma sinergia com a operação física, o que gera diversos problemas”, conta.

Além do omini channel, o e-commerce da Riachuelo traz diversas funcionalidades, como: propostas para combinar looks, busca personalizada, possibilidade de verificar medidas do corpo e navegação dividida por categoria, produto e estilo. O site também disponibilizará informações e referências de moda para auxiliar os consumidores no ato da compra

Tags, , , ,

5 passos para vender mais no e-commerce

O big data – volume de dados estruturados e não-estruturados, que impactam no dia-a-dia dos negócios – é uma das tendências tecnológicas com mais expectativas de expansão. Segundo projeção da Frost & Sullivan, o mercado de big data e analytics movimentou US$ 2,48 bilhões em 2016 na América Latina e o Brasil possui 46,8% de participação.

Amplamente utilizado em campanhas políticas e abordado em séries de TV do gênero sci-fi, o big data possui alto potencial de análise que permite conhecer profundamente o usuário. De acordo com pesquisadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, é possível prever a orientação sexual, origem étnica, opinião política e religiosa, nível de inteligência e etc de uma pessoa com a análise de 100 curtidas nas redes sociais. Com 150 curtidas é possível conhecer a personalidade do usuário melhor do que o companheiro e em 250 curtidas, o algoritmo compreende a personalidade do usuário melhor do que ele próprio.

Diante das possibilidades dessa tendência, Gastão Mattos, CEO da Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções de meios de pagamento para e-commerce na América Latina, aponta 5 maneiras de aproveitar o big data para vender mais no comércio eletrônico.

– Tempo real: utilize tecnologias que possam avaliar a situação das compras em tempo real e que estejam integradas com soluções que permitam ação imediata para solucionar possíveis problemas e converter em vendas. Por exemplo: identificar motivos de abandono do carrinho de compras e oferecer alternativas para que a compra seja concretizada. Se uma determinada bandeira de cartão de crédito ou banco é negada por problemas sistêmicos ou ausência de limite é possível apresentar ao consumidor outras formas de pagamento, fazendo com que a compra seja concluída.

– Objetividade: ofereça ao cliente o que ele deseja. Através do cruzamento de dados é possível descobrir esta informação antes mesmo que o consumidor saiba. A reunião de tecnologias que além do perfil de compra, tal como: tipos de produtos, frequência de compra, formas de pagamento preferidas e etc, também envolvam dados qualitativos como: comentários e curtidas nas redes sociais é ainda mais eficiente.

– Conheça o concorrente: ter uma visão geral do mercado e separada por segmento é crucial na hora de apresentar ofertas diferenciadas. Ao saber qual segmento é mais vendido ou mais procurado, por exemplo, é possível criar ofertas personalizadas por setor e ampliar o número de vendas.

– Acompanhamento diário: quanto maior o acompanhamento, maior as chances de fazer uma análise altamente qualificada que permita ampliar o número de estratégias de acordo com cada perfil de público.

– Precisão dos dados: não adianta possuir uma série de dados imprecisos, desatualizados ou com possibilidade de análise insatisfatória. Uma das características do big data é o grande número de dados, mas a precisão também é um dos seus principais desafios. Utilize soluções que garantam esta precisão para ampliar a possibilidade de êxito nas ofertas.

Tags, , ,

Os meios de pagamento tradicionais estão próximos do fim? – Por Gastão Mattos

Muito se fala da chegada de novos meios de pagamento e da possível extinção dos sistemas tradicionais para este fim. Isso ocorre, principalmente, devido às novas necessidades dos usuários, cada vez mais exigentes, requerendo melhores experiências e mais facilidade nos processos de compra.

Recentemente, estive em uma drogaria moderna em um bairro nobre da capital paulista. A loja oferecia opções bastante objetivas para selecionar os produtos desejados, com boa iluminação, prateleiras bem distribuídas, ótimo atendimento e funcionamento 24 horas. Entretanto, na hora de pagar, este caráter ágil se perdia: fila única, três pessoas na frente e cinco minutos de espera que pareceram meia hora. Quando finalmente sou atendido no caixa, preciso informar o número do CPF, dizer se desejo Nota Fiscal Paulista, se tenho programa de fidelidade do estabelecimento ou convênio médico e esperar mais um tempo para que, então, possa inserir o cartão de crédito no terminal de vendas. E ainda preciso aguardar a indicação para digitar a senha para finalmente a compra ser aprovada, para depois esperar a impressão da nota fiscal e do comprovante de pagamento do cartão para finalizar a transação.

Em uma outra situação, durante o check-in na World Disney Resorts, em Orlando, eu e minha família recebemos uma Magic Band (pulseira Disney) personalizada para cada um, a partir da qual poderíamos pagar qualquer produto ou serviços nos parques e resorts Disney. A plataforma Disney associa o cartão de crédito usado na reserva, como meio de pagamento virtual para todas as compras da família. Por segurança, uma senha de 4 dígitos é definida para todos. Na hora das compras, basta aproximar a pulseira em um dispositivo situado em todos os caixas para que a pessoa seja identificada. Para concluir a transação, basta digitar a senha pré-cadastrada e o valor é lançado na conta para ser debitada no cartão já salvo no sistema. A facilidade seria melhor percebida se o consumo no parque não contasse com filas enormes para a compra de qualquer produto ou serviço. Mesmo estando em um momento de descontração em família, a impressão foi que a experiência na drogaria em São Paulo sem a ‘Magic Band’ foi rápida.

A forma de vender evoluiu muito, mas em velocidade muito aquém do que a tecnologia poderia agregar com novos elementos e funcionalidades. O consumidor tem uma altíssima expectativa nesta vivência e grande parte deste nível de exigência é derivado do alto padrão tecnológico das compras online, no qual com “1 clique” é possível ultrapassar com sucesso o check-out de pagamento o que não ocorre no mundo físico. Embora, neste universo seja possível agregar tecnologias embarcadas em soluções integradas, que tornariam a usabilidade do pagamento mais rápida e agradável, como no caso do pagamento virtualizado. Entretanto, esta solução pode e deve ser mais explorada no ambiente físico, agregando outras funcionalidades que tornem a experiência de compras mais próxima do ambiente digital, reduzindo também a espera com a aquisição de serviços e produtos, fazendo com que a compra se torne mais ágil, agradável e simples.

Talvez pareça tanto apocalíptico, principalmente no Brasil, determinar que o uso do cartão de crédito comum, por exemplo, esteja com os dias contados, como outras tantas tecnologias que evoluíram ou foram substituídas por sucessores mais eficientes, mas modernizar a experiência de pagamentos é uma necessidade que pode implicar na continuidade ou não de um negócio. Tomemos o exemplo de um restaurante fast food, que normalmente é localizado em centros de grande aglomeração, como shoppings centers. Na hora do almoço, “chovem” consumidores buscando opções para sua refeição. Se a fila for muito longa, sempre haverá um concorrente oferecendo algo equivalente e, então, a decisão de compra, passa a ser influenciada menos pelo produto e mais pela comodidade.

Uma pesquisa realizada pela Salesforce, intitulada 2016 Connected Shoppers Report aponta que 77% dos consumidores evitaram lojas físicas nas compras de fim de ano, preferindo o uso do comércio eletrônico. Dos aproximadamente 4 mil consumidores entrevistados, 58% afirmaram que o motivo era o grande número de pessoas nas lojas. 33% desejavam evitar congestionamentos e 29% optaram pelas compras online devido à conveniência.

Em pouco mais de 20 anos da história do comércio eletrônico, tecnologias e conhecimento foram desenvolvidos e acumulados, tornando sua aplicação uma fonte e vertente para as compras no ambiente físico. As implicações são muitas, desde a unificação da gestão tecnológica entre canais on e off, como o domínio das expertises e técnicas online sobre o offline.

A chamada “Virtualização de Pagamentos” vira premissa no comércio em geral, e aquilo que já se tornara recorrente no comércio eletrônico passa a ser uma demanda essencial para toda e qualquer transação comercial.

Seria o fim dos meios de pagamentos tradicionais? Talvez não, de fato. Contudo, é imperativa uma transformação acelerada, nas quais novos protagonistas podem aparecer e ameaçar antigas referências, satisfazendo com mais eficácia as necessidades dos consumidores, independentemente de seu posicionamento na cadeia do varejo. Mais facilidades criam novas necessidades e é fundamental estar atento a este movimento a fim de acompanhar a evolução do mercado, trazendo inovações que modernizem todo o processo de compras, seja no mundo virtual ou físico.

Gastão Mattos, CEO da Braspag, empresa do grupo Cielo

Tags, , ,

Braspag amplia atuação no Chile

A Braspag, empresa do grupo Cielo e líder em soluções de pagamento para e-commerce na América Latina amplia a atuação de processamento de pagamentos no Chile. Além da conexão direta com a adquirente local, Transbank, que possibilita o suporte imediato e mais velocidade nas vendas, a Braspag agora oferece seus serviços no país em parceria com a Cybersource, empresa subsidiária da Visa.

“A parceria permite novas possibilidades de integração, de forma que o lojista local tenha maior flexibilidade para escolher as prestadoras de serviço de sua preferência”, explica Gastão Mattos, CEO da Braspag. “Estamos muito satisfeitos em iniciar esta nova fase de atuação ao lado da Cybersource, líder global em seu segmento e parceira de longa data, que oferece recursos de segurança de primeira linha para nossos clientes”, conta. O executivo ainda afirma que a Braspag visa outras parcerias na região a fim de explorar o alto potencial do comércio eletrônico chileno.

“O rápido crescimento do comércio online coloca a América Latina como uma das regiões mais atrativas do mundo para o desenvolvimento do e-commerce e isso também atrai a atenção dos fraudadores. A CyberSource, empresa de gestão de pagamentos subsidiária da Visa, trabalhará junto com a Braspag e os comércios da região para oferecer soluções de administração de fraudes rápidas, precisas, que diminuem os gastos operacionais e melhoram a experiência dos consumidores finais”, explica Rogério Signorini, diretor da CyberSource.

Segundo a Câmara de Comércio de Santiago (CCS), o Chile está em 17º no índice mundial de e-commerce da CCS entre 23 países, é o 4º maior mercado da América Latina, e tem apresentado crescimento significativo no setor, com aumento médio anual de 20% de vendas. O índice em questão não se baseia apenas no tamanho do mercado, mas em variáveis que abrangem meios de pagamento, capacidade logística, desempenho de vendas, entre outros. Nas três primeiras posições estão Reino Unido, Estados Unidos e China, respectivamente. O Brasil está em 20º, mas é o maior da América Latina em volume de vendas B2C, com mais de US$ 20 milhões. Neste quesito, mundialmente, a China fica em primeiro lugar, com quase US$ 900 milhões.

A alta taxa de conectividade local torna o Chile um país com alto potencial para investimento no comércio eletrônico. Mais de 13 milhões de pessoas possuem acesso à internet, o que corresponde a quase 80% da população. Aproximadamente 4,5 milhões de pessoas no país já fazem compras online e 10 milhões habitualmente tomam decisões de compra com base no e-commerce. A rápida penetração de smartphones contribuiu para a melhoria do país no ranking, passando de 36% em 2014 para 65% em 2016, a 10ª mais alta mundialmente. “Com este potencial é natural que ocorra um aumento na demanda de lojistas da região. A Braspag vai ao encontro deste movimento a fim de auxiliar o crescimento do mercado chileno com a otimização de serviços”, explica Mattos.

O Chile é o 5º país na região que conta com a integração local da Braspag, maior empresa de gateway de pagamentos da América Latina, além de Paraguai, Argentina, Brasil e Colômbia. Ambos os formatos de integração (direta com adquirente ou por meio de parcerias) utilizam a plataforma Pagador Braspag, possibilitando a aceitação de cartões crédito naquele país. Desta forma, os lojistas já integrados ao Pagador não necessitam de nenhum empenho técnico adicional e novos lojistas terão a opção disponível em uma tecnologia unificada. A Braspag também possui conectividade para lojistas dos Estados Unidos, além de operações de e-commerce globais por meio de parcerias internacionais.

“Com este método, qualquer empresa que tenha autorização para operar no Chile, independentemente da sua nacionalidade, poderá processar suas transações online diretamente com a Braspag. Além de otimizar todo o processo de meios de pagamento, é um grande passo para o crescimento do e-commerce no Brasil e na América Latina”, afirma Mattos.

Tags, , ,