Tag Beenoculus

Conheça a Beetools, escola que associa Gamificação, Big Data, Flipped Classroom, Realidade Virtual e Inteligência Artificial no ensino de idiomas

A startup Beenoculus – pioneira no mercado de realidade virtual no país – se prepara para lançar um projeto inédito de educação no Brasil e no mundo: a Beetools, uma escola de idiomas que se utiliza da realidade virtual (VR), da Gamificação, do Big Data, da metodologia Flipped Classroom e da inteligência artificial (AI) para auxiliar no ensino da língua inglesa. O lançamento oficial acontecerá durante a ABF Franchising Expo (Feira Internacional de Franquias) – que acontece entre os dias 27 e 30 de junho, em São Paulo, onde os visitantes poderão conferir o novo modelo de negócio para educação proposto pela companhia. Durante a feira, os empreendedores interessados na franquia poderão fazer um Tour Virtual por uma escola Beetools, interagir com a tecnologia e entender como o método é aplicado.

No sistema de franquias, o investimento inicial é partir de R$ 290 mil reais. 5 unidades da Beetools começam a operar já no início de julho/2018, em Curitiba, Paraná, e mais 15 franquias contratadas abrirão suas portas até dezembro/2018 nos Estados do PR, MG e SP. “Além de professor de inglês, fui proprietário de escolas de idiomas por 10 anos. Ao criarmos a Beetools buscamos encontrar uma solução para todas as dificuldades no processo de aprendizado dos alunos. Com o uso de tecnologias, como VR e Inteligência Artificial, aliadas ao acompanhamento de um professor presencial, conseguimos que o aluno tenha um resultado muito mais eficiente e possa praticar o idioma em um ambiente virtual, no qual se sente à vontade para utilizar todo o inglês que aprendeu”, explica Fabio Ivatiuk, CEO da Beetools.

Processo de aprendizagem

Com o objetivo de modernizar e tornar ainda mais prático o estudo da língua inglesa, a Beetools chega para transformar a educação por meio da realidade virtual e do processo de flipped classroom (sala de aula invertida), onde a 1ª parte da aula seguinte será feita no término da anterior: ao começar uma nova aula o aluno verá o vocabulário e estruturas gramaticais a serem aprendidas/utilizadas na próxima vez.

O homework será feito por meio do Aplicativo Beetools – todo o material estará disponível para o aluno no app, inclusive a explicação da aula anterior. Ao ir para a próxima aula, em um primeiro momento, ele irá realizar o BeeReady – exercícios de speaking que colocam em prática o que foi ensinado. Aqui, é utilizada a tecnologia de Inteligência Artificial Watson (da IBM) que registra os resultados de cada aluno, gera feedbacks e relatórios de desempenho.

Após essa parte, é o momento da utilização dos óculos VR, onde o aluno será imerso em uma cena do cotidiano onde terá que usar na prática tudo o que aprendeu na teoria, o vocabulário e as regras gramaticais aprendidas na lição. Mais um dos diferencias da Beetools nesta parte é que o aluno fará parte de um “seriado” – foi criado um sistema de storytelling em realidade virtual que pode ser melhor definido como “storyliving” onde a cada aula o aluno será um personagem de uma nova história que está conectada a anterior. Na última parte da aula, ele tem um momento exclusivo com o professor, o qual terá um relatório em tempo real com os resultados de todos os exercícios feitos pelo aluno. Desta forma, o professor consegue identificar possíveis dificuldades do aluno e resolvê-las com muito mais eficiência.

“O método desenvolvido pela Beetools prioriza o aprendizado do aluno, que terá acompanhamento pedagógico, além de aula presencial com professores. A coordenação pedagógica analisará o resultado dos alunos, com a preocupação de entender as dificuldades e orientá-los no aprendizado. O aluno que fizer em média duas aulas por semana consegue concluir o curso completo, chegando ao nível avançado de inglês em apenas 2 anos. Todavia, esse tempo pode ser reduzido se o aluno aumentar a sua carga horária semanal”, explica o Prof. José Motta Filho, especialista em metodologias ativas de ensino e conselheiro do projeto na Beetools.

Além disso, como forma de tornar o ensino agradável, o método inclui gamificação, um conteúdo atual que utiliza muitas referências de filmes, seriados e músicas do momento. “O aprendizado só é efetivo quando ele gera interesse, significado e vínculo emocional ao aluno. Por isso, a Beetools traz elementos que fazem parte do cotidiano dos alunos”, acrescenta o Prof. Motta.

Escola Contêiner

Um dos diferenciais da franquia está na possibilidade de o empreendedor adotar o modelo de escola Contêiner, onde a Beetools tem uma parceria com a Delta Conteiners (que já fornece para grandes redes de franquias) que entrega em até 60 dias uma estrutura pronta para iniciar as aulas. “As vantagens deste modelo é que o franqueado pode ter uma economia alugando apenas o espaço do terreno e não uma casa ou prédio comercial com valor mais alto. E o franqueado pode ainda mudar o ponto e levar a escola para onde ele quiser”, explica o CEO da Beetools.

O lançamento da escola terá inicialmente como foco alunos a partir dos 10 anos de idade. A partir de 2019, também irá oferecer curso para crianças a partir dos 6 anos. A Beetools promete levar dinâmica e praticidade ao dia a dia agitado das pessoas, com método de agendamento de aulas por meio de aplicativo com possibilidade de flexibilização de horário. O aluno pode fazer a sua inscrição diretamente pelo aplicativo, sem pagar qualquer taxa de matrícula ou precisar comprar material didático. Ele pode comprar pacotes de 20, 30, 60 ou até mesmo apenas 1 aula sem precisar assinar nenhum contrato, pois pagará somente pelos créditos de aulas adquiridos. O valor de cada aula varia de acordo com a cidade.

As atividades de imersão em realidade virtual nas salas de aula Beetools irão utilizar os Óculos VR mais modernos do mercado mundial fornecidos pela Beenoculus com tecnologia desenvolvida em conjunto com a Qualcomm Inc., líder mundial em tecnologias mobile de última geração. A Beenoculus que iniciou suas atividades oferecendo tecnologias de realidade virtual de forma acessível à realidade brasileira hoje é uma Scale-Up e Venture Builder que conta com o apoio de uma equipe multidisciplinar capaz de criar soluções para as mais diversas áreas, como comunicação, games, arquitetura, indústria e educação.

O projeto da Beetools tem tudo para escalar exponencialmente agora com a abertura das escolas em todo o Brasil. “Estamos iniciando em capitais como Curitiba, São Paulo e Belo Horizonte onde teremos 20 escolas inauguradas ainda este ano, mas estamos expandindo para todo o país e inclusive já temos negociações iniciadas com empreendedores em países como Portugal, Uruguai e Paraguai”, afirma o CEO da Beetools.

Tags, , ,

Novo caminho para tecnologia de negócios com Inteligência Artificial – Por Rene Abdon

Até pouco tempo atrás, era comum que as empresas monitorassem todas as suas operações em um NOC (Network Operations Center, ou Centro de Comando e Controle). Ainda hoje, encontramos muitas organizações mais tradicionais que continuam a recorrer a essa central. No entanto, é preciso dizer que esse tipo de local está fadado a desaparecer em função da complexidade que a transformação digital está trazendo para o mercado e que impacta todos os departamentos e funções de uma empresa.

Os líderes de negócios possuem como desafio elevar suas companhias para um nível mais alto combinando tecnologias inovadoras aos modelos de negócios organizacionais e operacionais para trazer crescimento. Com a migração para Cloud, microsserviços, Big Data e Internet das Coisas cada vez mais presentes no cotidiano, as estratégias de gestão da performance digital se tornam o foco para gerenciar sistemas cada vez mais complexos. Assim, uma abordagem assertiva é crucial para sobreviver em um cenário em que a experiência do cliente faz a diferença.

Antes, o SLA (sigla em inglês para Acordo de Nível de Serviço) referia-se apenas à disponibilidade do sistema. Agora, esse indicador muda todo o tempo com as novas tecnologias e atualizações constantes das plataformas. Com isso, está cada vez mais desafiador para as empresas manterem seus negócios atualizados. A expectativa de performance cresce e a dificuldade para atingir o melhor desempenho aumenta exponencialmente.

Além disso, o desafio não está apenas na atualização a cada lançamento, mas também em lidar com um cliente cada vez mais empoderado e que não permite que seu tempo seja desperdiçado. Na era em que os consumidores são globalizados e possuem acesso a inúmeros canais digitais, se eles não tiverem recurso, usabilidade e correções que desejam rapidamente, recorrerão aos concorrentes.

Para ser capaz de analisar todos os dados existentes no Big Data, não perder atualizações, prover informações de valor e ainda garantir correções rápidas para que os problemas não impactem na experiência do cliente, é preciso redefinir o conceito de monitoramento com a Inteligência Artificial. Não basta mais que a companhia possua um NOC ou equipes de infraestrutura e operações imersas em suas rotinas de investigar falhas, reunir métricas e preparar relatórios, ignorando alertas de usuários até que o aviso se torne de fato um problema. Com a enorme quantidade de dados disponíveis, torna-se impossível que seres humanos tenham a capacidade de avaliar, encontrar erros e extrair análises apenas com as ferramentas tradicionais e telas cheias de alarmes de erros.

Dessa forma, é necessário recorrer à Inteligência Artificial (IA) para conseguir gerenciar todo esse sistema, encontrar as falhas e determinar o melhor caminho para a autorresolução sempre que possível. Com a análise da tecnologia de negócios, é possível aplicar a aprendizagem automática e IA aos dados das redes de monitoramento, sistemas, servidores, aplicativos, experiências de usuários e clientes, além de dados de negócios. Por meio dessas informações, pode-se vincular problemas de tecnologia, como a resposta lenta do servidor de aplicativos aos carrinhos de compras abandonados, e saber o valor da receita perdida. Os insights gerados ainda conseguem elevar a eficiência da automação, melhorar a experiência dos clientes e os resultados da empresa, além de qualificar o impacto causado no consumidor.

Neste mundo envolvido pela transformação digital, não é possível mais esperar que os problemas aconteçam. É necessário se prevenir, olhando para frente, mudando a maneira de gerir os problemas e passando a utilizar a Inteligência Artificial. Reconhecer que os tradicionais NOCs já não são suficientes e repensar a maneira de monitorar sua performance digital deve ser o novo caminho para a análise de tecnologia dos negócios.

Rene Abdon, Diretor de Serviços da Dynatrace no Brasil

Tags, , , , ,

Educação do Futuro está entre os destaques da Oiweek 2017

Gamificação, ensino à distância, óculos de realidade virtual para alunos de medicina e rede social focada em estudantes são os destaques das startups que prometem revolucionar a educação no Brasil. Elas se apresentam hoje e amanhã durante a 9ª Open Innovation Week, principal evento de empreendedorismo e inovação aberta entre startups e grandes empresas, que acontece em São Paulo.

Confira a lista das principais soluções para educação:

Educacross – plataforma de educação para o ensino de matemática e língua portuguesa, dirigida aos alunos do 1º ao 5º ano, por meio do Game-based Learning (o aprendizado baseado em jogos). Os estudantes interagem com jogos em um ambiente digital totalmente lúdico, enquanto um conjunto de algoritmos, técnicas estatísticas e ferramentas analíticas permitem aos professores a avaliação contínua da evolução das competências cognitivas.

Kriativar – startup de educação e tecnologia que tem como missão promover o protagonismo infantil, oferecendo aos pais e às escolas ferramentas para que eles possam desenvolver todo o potencial criativo de crianças e jovens. A empresa desenvolve os próprios produtos, como a plataforma de cocriação Kriativar, e também oferece soluções customizadas para empresas, que unem tecnologia à produção de conteúdo qualificado. Recentemente, a empresa fundiu suas operações com a startup Kitutor, a partir de uma conexão feita na primeira etapa do 100 Open Startups, permitindo chegar ao mercado em escala, além de atender a outras demandas na área de educação e comunicação corporativa.

mLearn – com mais de 3 milhões de usuários, a plataforma oferece mais de 50 cursos certificados, entre línguas, capacitação profissional e gastronomia. Permite estudar a qualquer hora e lugar. Plataforma gamificada, que torna o estudo ainda mais divertido, além de oferecer a possibilidade de estudar off-line e acessar videoaulas e podcasts que facilitam o aprendizado.

MedRoom – desenvolve simuladores para treinamento médico com realidade virtual. Foi recriada uma sala cirúrgica, onde o aluno pode treinar na prática como fazer procedimentos diversos, como drenagem torácica, intubação, entre outros. A empresa vem para revolucionar a maneira como os estudantes aprendem e praticam a clínica médica.

Beenoculus – há 15 anos trabalha em soluções tecnológicas para serem usadas como linguagem no processo de ensino-aprendizado, para que a tecnologia possa efetivamente auxiliar no desenvolvimento das habilidades sócio emocionais dos alunos. Durante a Open Innovation Week 2017, a Beenoculus apresenta ao mercado um inovador dispositivo de realidade virtual, chamado BEEyond, que consiste num óculos de realidade virtual All-In-On, com telas de resolução1K em cada olho, sistema operacional Android e CPU com processador Qualcomm embarcados que, segundo a empresa, permite experiências premium em realidade virtual. A Beenoculus também mostra os novos recursos de sua plataforma de distribuição de conteúdos VR 360º que está conquistando grandes empresas de diversos setores.

Descola – escola de inovação online, com grandes experiências de aprendizagem para temas como Storytelling, Design Thinking, Empreendedorismo etc. Os cursos são criados a quatro mãos com os professores, pensando em toda a jornada do aluno para um curso online. Todo ciclo de aprendizagem passa por base teórica, exercícios, ferramentas, práticas e reflexão conceitual. Os cursos contam com fotografia, edição e produção de alta qualidade. Os cursos são divididos em capítulos curtos, de até 7 minutos, para atrair a atenção dos alunos, possuem linguagem informal e estão cheios de exemplos e inserções de materiais da internet. Hoje são 32 cursos, mais de 16.000 alunos.

Apta – ambiente de aprendizado gamificado que promove formação inovadora em áreas técnicas e profissionais, através de cursos online, proporcionando maior engajamento dos aprendizes através da ludicidade, com consequente redução das altas taxas de evasão típicas do EAD tradicional e imersão em experiências práticas através de missões em problemas reais.

O evento acontece nesta terça e quarta-feira (21 e 22 de fevereiro), das 8h às 19h, no Centro de Convenções Rebouças, em SP. A Oiweek reúne no mesmo ambiente empreendedores, executivos e pesquisadores da comunidade científica, com o intuito de engajar e propor novas práticas e metodologias de modelos de negócios para a inovação.

Veja a agenda completa no site: www.oiweek.com.br/2017

9ª edição da Open Innovation Week

Dias: 21 e 22 de fevereiro – das 8:00 às 19:00

Local: Centro de Convenções Rebouças: Av. Rebouças, 600 – São Paulo

# Conheça o Movimento “100 Open Startups”: http://www.openstartups.org.br/

Tags, , , , , , , , , , ,

Semifinal brasileira do Open Innovation Business Contest reúne seis projetos de realidade virtual

A everis, consultoria que oferece soluções de estratégia e de negócios, e a NTT DATA anunciam os semifinalistas brasileiros que concorrerão a uma vaga na grande final do Open Innovation Business Contest, competição global de startups, que reúne representantes de 10 países.

Entre os projetos inscritos na competição, de várias regiões do País, foram selecionados seis, todos de inovação empresarial na área de realidade virtual, aumentada e mista. No próximo dia 2 de fevereiro, o representante brasileiro será escolhido por uma comissão julgadora, formada por renomados profissionais do setor de tecnologia, no ISE Business School, em São Paulo, cidade sede da semifinal no Brasil.

O projeto brasileiro escolhido disputará a grande final da premiação, no mês de março, em Tóquio, no Japão, com outros nove projetos selecionados nas semifinais realizadas em São Francisco (Estados Unidos), Londres (Inglaterra), Tel Aviv (Israel), Tóquio (Japão), Toronto (Canadá), Madri e Barcelona (Espanha), Pequim (China) e Cingapura. E, também, ganhará uma bolsa de estudos para o curso WeSTART do ISE Business School, um programa para empreendedores e investidores se aperfeiçoarem e se conectarem.

O vencedor da grande final do Open Innovation Business Contest no Japão receberá US$ 30.000 para serem utilizados no desenvolvimento de seu projeto. Também faz parte da premiação, a oportunidade de trabalhar por três meses com uma equipe da NTT DATA – um dos principais fornecedores mundiais de serviços e inovação na área de TI – no desenvolvimento de um protótipo de serviço-produto, que será oferecido às empresas clientes da companhia.

O objetivo da everis e da NTT DATA é atrair ideias que promovam a inovação empresarial no campo da realidade virtual. Segundo Roberto Pereira, executivo responsável pelas iniciativas de Inovação na everis Brasil, as novas e crescentes exigências dão à inovação primazia nos mais diversos mercados. “Unir raciocínio produtivo e ação inovadora é essencial para obter vantagem competitiva”, destaca.

Os seis projetos semifinalistas

– Plataforma de Realidade Virtual 360º na Nuvem – Beenoculus
Responsável – Rawlinson Terrabuio – Curitiba- PR

Produto de economia criativa, com foco em potencializar o ecossistema de produção e distribuição de conteúdo 360º e o mercado publicitário. Trata-se de um óculos que transforma o smartphone em um ambiente de realidade virtual, permitindo o acesso a aplicativos e vídeos no formato side by. Em seu desenvolvimento foram utilizados recursos de realidade virtual e vídeo 360º. A base tecnológica emprega inteligência artificial e Big Data.

– Plataforma de Realidade Virtual para Projetos Imobiliários – Naked Monkey Games
Responsável – Pedro Matsumara Kayatt – São Paulo-SP

Essa plataforma de realidade virtual permite que arquitetos e profissionais em geral do setor imobiliário façam visitas, por um caminho mais simples aos empreendimentos imobiliários, usando as mais recentes tecnologias de realidade virtual como o HTC Vive e Oculus Rift.

– IOBike – Plataforma IoT para Bicicletas em Áreas Urbanas – LightUp
Responsável – Marcelo Abdala Daher – São Paulo-SP

Solução de iluminação que conecta bicicletas à IoT (Internet das Coisas), proporcionando aos ciclistas segurança e interatividade, além da possibilidade de geomarketing a anunciantes. Um hardware incorporado às rodas da bicicleta se comunica via Bluetooth com balizas geostáticas, que colhem os dados do tráfego de bicicletas, permitindo a interação com o local onde o ciclista circula. Além de melhorar o planejamento urbano e a infraestrutura cicloviária.

– Simulador integrado à gamificação que promove a reabilitação de pessoas com deficiência por meio da experiência de imersão produzida por realidade virtual – Fisioatual
Responsável – Dalton Kina – Catanduva-SP

O simulador utiliza o entretenimento dos jogos integrado a uma plataforma instável equipada com sensores que leem os movimentos das pessoas com deficiência, permitindo que a plataforma funcione como um simulador de exercícios por meio da imersão na realidade virtual. O equipamento é um motivador para a realização dos tratamentos de reabilitação.

– Plataforma de Realidade Virtual Inside Places – Inside Places
Responsável – Willian Machado – Londrina-PR

Com o uso desta ferramenta, arquitetos, designers de interiores e construtoras dão aos seus clientes a oportunidade de estarem dentro de seus imóveis antes mesmo de ficarem prontos, podendo conferir a textura dos materiais, as medidas do mobiliário e do ambiente. A plataforma permite que, por meio de um aplicativo, o cliente possa fazer um tour de 360º em realidade virtual pelo seu imóvel.

– Democratização do acesso à Inteligência Regulatória – LegalBot
Responsável – Alexandre Bess – São Paulo-SP

Com o uso de inteligência artificial, a solução auxilia os profissionais de governança, gestão de riscos e compliance na análise, seleção, classificação e organização dos diversos aspectos normativos. A plataforma aumenta o contato e a experiência do usuário junto às normativas, por meio de uma série de algoritmos que buscam e conseguem analisar e interpretar as informações desejadas.

Tags, , , , , , , ,

Como uma startup brasileira pode revolucionar a Educação no Brasil e no mundo

Estimativas da OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) indicam que, na última década, metade do crescimento econômico nos países desenvolvidos foi devido a habilidades em educação melhoradas.

Segundo a Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para a Educação Básica do MEC, para melhorar as habilidades em educação é indiscutível a importância do experimento na fixação dos conteúdos e o valor do laboratório como fonte essencial do desenvolvimento pedagógico do educando faz parte de um desafio para as políticas públicas. O órgão destaca ainda que em grande parte das escolas brasileiras, os laboratórios estão sucateados, dada a falta de investimentos dos entes públicos, que não oferecem as condições mínimas necessárias à sua modernização ou até mesmo à reposição dos equipamentos que os compõem. (Fonte: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=607-laboratorio&Itemid=30192)

O laboratório didático ajuda na interdisciplinaridade e na transdisciplinaridade, já que permite desenvolver vários campos, testar e comprovar diversos conceitos, favorecendo a capacidade de abstração do aluno. Além disso, auxilia na resolução de situações-problema do cotidiano, permite a construção de conhecimentos e a reflexão sobre diversos aspectos, levando-o a fazer interrelações. Isso o capacita a desenvolver as competências, as atitudes e os valores que proporcionam maior conhecimento e destaque no cenário sociocultural.

Assim, a necessidade de inserir novas tecnologias, mostrar a importância da alfabetização científica e tecnológica no processo de formação dos indivíduos, destacar a associação entre as diferentes teorias e o ensino experimental tornam fundamental o uso de laboratórios nas escolas na era moderna.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), no seu Artigo 35, Inciso IV, diz: “É essencial a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina”. Mostra, pois, que as escolas de ensino médio devem proporcionar ao aluno oportunidades de união entre a teoria e a prática em cada disciplina.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, Anísio Teixeira (Inep), menos de 11% das escolas brasileira possuem laboratório de ciências, e das que possuem, menos de 2% são utilizados por falta de insumos, recursos humanos e segurança.

Além da falta de investimentos em infraestrutura e a precariedade daquelas existentes, temos ainda um grande desafio para educação em nossa Era: Segundo o estudo “O que pensam os jovens de baixa renda sobre a escola” elaborado pela Fundação Victor Civita, Fundação Itaú Social, Fundação Telefonica e publicado pelo CEBRAP em 2013, o grande problema na educação brasileira é que “a Escola perdeu o papel de referência na vida dos jovens”. O que se reflete nos índices alarmantes, que colocam nosso país nas piores posições do ranking mundial da educação, dentre estes, um índice é estarrecedor e revela a má qualidade de nossa educação: “74% da população brasileira não consegue entender um texto simples”.
(Fonte: http://www.fvc.org.br/estudos-e-pesquisas/2012/pdf/relatorio_jovens_pensam_escola.pdf)

A boa notícia é que uma startup brasileira, a Beenoculus, sensível a este grande problema nacional, pesquisa e vem investindo em inovações que acredita, podem melhorar a educação brasileira. Com uma proposta de implementar laboratórios de realidade virtual para simular laboratórios reais, a empresa desenvolveu de forma pioneira em todo o mundo uma inovadora metodologia que permite utilizar a realidade virtual como uma nova linguagem de comunicação com os jovens e não apenas como mais uma ferramenta tecnológica.
Com apenas 1 ano de vida, a Beenoculus ganhou em 2015 diversos prêmios importantes em desafios de startups pelo país, e agora é finalista do movimento 100OpenStartups que identifica as 100 startups mais atraentes do mercado para as grandes empresas. Esse reconhecimento é fruto do trabalho duro e inovador de seus 5 sócios e do apoio que receberam através de mentorias para desenvolvimento de suas estratégias no Programa Promessas Endeavor, no Programa Braskem Labs e como integrante do CUBO Coworking considerado um dos espaços de inovação mais promissores em todo o mundo.

Ainda colhendo os frutos desse trabalho e parcerias, a Beenoculus inicia o ano com investimentos superiores a R$ 1 milhão já assegurados com investidores que chegaram a um Valuation da empresa entre R$ 15 e R$ 20 milhões, recursos suficientes para desenvolver seu planejamento estratégico até o fim de 2016.

Caso raro no mercado, a empresa navega contra a corrente pessimista que assola a economia brasileira, contando com um acordo de cooperação assinado com a Universidade Estácio e outros projetos já contratados, a Beenoculus pretende avançar a passos largos com seus projetos na área de educação, projetando um faturamento superior a 10X o de seu primeiro ano. Com a Estácio a Beenoculus irá desenvolver em coprodução atividades educacionais em realidade virtual e aumentada para as principais disciplinas de ensino superior, atendendo a cursos de educação à distância e presenciais. Áreas como medicina, direito, engenharia, física, química, entre outras, se beneficiarão com as diversas experiências em realidade virtual que serão desenvolvidas através de uma inovadora metodologia criada pela Beenoculus e denominada: “Metodologia de Educação Imersiva em Primeira Pessoa – MEIP”.

E do que se trata esta metodologia? O cofundador e diretor de marketing da Beenoculus Rawlinson Peter Terrabuio explica:
“Com nossa metodologia somos capazes de colocar um sujeito na posição de um outro sujeito que realizou uma determinada ação, este agora passará a enxergar o mundo em 360o através da tecnologia de realidade virtual imersiva, com o mesmo ponto de vista daquele que realizou a ação, quem executa a ação será invariavelmente um profissional, aquele que detém o conhecimento e o domínio do que está realizando, e quem visualiza será o aprendiz.”
Para entender esse conceito peguemos um exemplo de um médico realizando uma cirurgia: A Beenoculus utilizando equipamentos especiais de audiovisual 360o, capta essa ação, edita, acrescenta elementos que auxiliam no entendimento do usuário como: locução, gráficos, animações e outras informações, para então um aprendiz (um aluno ou residente médico) visualizar o procedimento realizado através do ponto de vista do médico com o Beenoculus (um hardware que é a mídia de realidade virtual desenvolvida pela empresa, e tem o mesmo nome). É com essa metodologia que acontece o grande avanço na educação: Para o cérebro do sujeito que visualiza a ação em realidade virtual, é ele próprio quem está executando aquela ação e isso faz com que retenha em sua memória uma experiência próxima a prática, com muito mais qualidade e riqueza de informações do que ao visualizar por exemplo, o mesmo procedimento, em um vídeo na TV ou no computador.

Os potenciais da tecnologia e metodologia, principalmente para um país como o Brasil que tem urgência em avançar na melhoria da qualidade da educação, são gigantescos, isso porque a empresa conseguiu desenvolver uma solução de baixo custo para levar a tecnologia para escolas e universidades, segundo Rawlinson, a infraestrutura de laboratório de realidade virtual da Beenoculus pode ser implantada em uma escola pública ou privada por menos de R$ 80 mil reais, o executivo destaca que não são necessárias obras ou locais específicos para instalação dos laboratórios já que os conjuntos são móveis, ocupam pouco espaço para sua guarda e são utilizados nas próprias salas de aula: “além da realidade virtual transportar os alunos para mundos virtuais simulando as mais variadas situações do cotidiano, agora o aluno não precisa ir até o laboratório, é o laboratório que irá até ele e a qualquer tempo e em qualquer lugar.” complementa Rawlinson.

Grandes empresas mundiais como o Google, a Samsung e o Facebook com a Oculus VR tem suas soluções em realidade virtual, porém a desenvolvida aqui no Brasil pela Beenoculus tem vantagens sobre todas elas: Em relação ao Gear da Samsung a solução da Beenoculus custa 5 vezes menos, comparando com o Oculus Rift essa diferença aumenta para 15 vezes, ao contarmos impostos e custos de importação essa diferença será ainda maior, cerca de 30 vezes o custo do Beenoculus, com diversos recursos como ajuste de foco, ajuste de DIP (distância intrapupilar) permitir assepsia para uso coletivo e se tratar de um bem durável, a solução da Beenoculus está pronta para ser adotada pelas escolas e é muito mais robusta que por exemplo o projeto do Google Cardgoard, um dispositivo descartável feito de papelão.

Mas além de tudo isso, o grande avanço na proposta da Beenoculus é tratar a tecnologia como linguagem de comunicação com os jovens e não como mais uma ferramenta pedagógica.O executivo da Beenoculus destaca que “as atividades educacionais que estão sendo desenvolvidas permitirão aos alunos ter sentimentos e emoções enquanto aprendem, isso é efetivo, aprendendo assim a pessoa retém conhecimento porque vivencia experiências em Realidade Virtual muito próximas a prática”

A Beenoculus está depositando 4 novas patentes de equipamentos de audiovisual 360o para produzir conteúdos para a educação e destaca que está desenvolvendo parcerias com outras empresas e startups que irão fazer uso destas tecnologias para juntos construírem um grande acervo de obras de Realidade Virtual Imersivas para a Educação.

“Nós estamos chamando as empresas para trabalharem com a Beenoculus, empresas de games, de audiovisual, estamos desenvolvendo esse ecossistema, o BEE de nossa marca não é só uma palavra bacana em inglês com sonoridade, trata-se de um símbolo, BEE é Abelha em inglês e representa a cooperação, a colaboração, esse é o nosso DNA, não vamos fazer essa transformação na educação sozinhos, precisamos de Autores, Professores, Criativos, Matemáticos, Físicos, Designers, Programadores, Cineastas, Câmeras, Cientistas, Investidores, entre outros, a Beenoculus traz oportunidades para esses profissionais, para todo o ecossistema, temos um grande problema na Educação em nosso país e é essa enorme carência e necessidade que nos faz usar toda a nossa imaginação e criatividade para desenvolvermos uma inovação mundial que acreditamos irá transformar não só a educação no Brasil, mas em todo o mundo! Quem quiser poderá se unir a Beenoculus para fazer essa transformação.” conclui Rawlinson.

Tags,