Tag Apple Pay

Braspag viabiliza pagamentos pelo Apple Pay

A Braspag, empresa do grupo Cielo, viabiliza pagamentos realizados pelo Apple Pay, serviço que a Apple acaba de lançar no país. Com a solução é possível realizar pagamentos usando os dispositivos da marca – celular ou relógio – por aproximação, substituindo-se, assim, o cartão. Também é viável pagar compras em lojas e aplicativos, semelhante ao funcionamento de uma carteira digital.

Neste segundo formato, a cada transação, o consumidor escolhe em sua carteira digital com qual cartão deseja pagar (ele pode armazenar quantos desejar). O lojista recebe, a partir do aparelho, os dados do cartão de forma criptografada. Essa criptografia é transmitida à Braspag, decodificada pela empresa e transmitida ao adquirente. Neste processo, ninguém tem acesso aos dados abertos do cartão em nenhum momento e somente a Braspag é capaz de decodificar os dados criptografados, proporcionando, assim, mais segurança ao lojista e ao portador.

A Nextel e a Ticket 360 são os primeiros clientes Braspag a oferecer o novo método. O lojista interessado em operar com o Apple Pay deverá ser homologado pela Braspag que entregará a ele uma espécie de chave para cifrar os dados do cartão de crédito do cliente. Tais dados estarão salvos na carteira digital do cliente, ou seja, armazenados no aparelho compatível com a tecnologia: o Apple Pay é compatível com iPhones, iPads e Macs com sensor biométrico – ou reconhecimento facial, no caso do iPhone X.

“Acreditamos muito no potencial do Apple Pay. A Braspag está sempre buscando possibilitar aos lojistas que ofereçam as mais variadas formas de pagamento aos seus clientes, trazendo praticidade para o dia a dia da operação, segurança e ampliando, assim, as chances de conversão de vendas”, afirma Rogério Signorini, diretor geral da Braspag.

Tags, , , , , , ,

Apple, Google, Samsung: o que os novos pays significam para o e-commerce brasileiro?

Por Rogério Signorini, Diretor geral da Braspag

O e-commerce segue crescendo no país. Foram 12% no ano passado, estimativas apontam para 15% em 2018 e agora o setor ganha importantes aliados: os novos pays. Os serviços de pagamento da Apple, Google e Samsung vêm fortalecer ainda mais este mercado, trazendo mais comodidade aos consumidores e mais chances de conversão para lojistas.

Segundo o estudo E-commerce Radar 2017, idealizado pelo Atlas, com o aumento da penetração de smartphones, a parcela de compras por dispositivos móveis cresceu de 22% para 31% entre 2016 e 2017, percentual que só tende a subir ainda mais, visto que, segundo projeções da FGV, o número de smartphones no Brasil deve se igualar em breve ao de habitantes, devendo chegar a 236 milhões em dois anos. Todos esses números só comprovam o enorme potencial de vendas que os novos pays trazem ao e-commerce. Mas em que consiste a tecnologia?

Para os e-commerces, os novos pays funcionam no formato de carteira digital. O usuário deve capturar a frente do cartão com a câmera do aparelho ou adicionar os dados manualmente. A cada transação, o cliente escolhe em sua carteira digital com qual cartão deseja pagar. O lojista recebe, a partir do aparelho, os dados do cartão de forma criptografada. Essa criptografia é transmitida à empresa responsável pelo gateway de pagamento, que decodifica os dados e transmite ao adquirente. Tudo de forma muito segura, tanto para o lojista quanto para o portador do aparelho. Nas transações online e em apps, um toque e o dedo posicionado no Touch ID confirmam a compra.

E falando em compras via aplicativos, de acordo com o Mobile Payment Journey, a nossa familiaridade com os smartphones, e mais ainda, com os apps, é notável: 78% dos brasileiros que possuem os aparelhos preferem comprar via app, número que fica acima dos 71% da média global. O mesmo estudo indica, porém, que ao mesmo tempo em que os brasileiros são atraídos pelos benefícios da velocidade e simplicidade de comprar via app, também abandonam as compras por desconfiar da segurança. Muito provavelmente os novos pays ajudarão a diminuir essa desconfiança. Vale lembrar ainda que os novos sistemas de pagamento também funcionam no varejo físico, por tecnologia de aproximação (NFC – Near Field Communitacion).

E se com todos esses números ainda não ficou clara a força dos novos pays para o comércio, aqui vai mais um dado: o potencial do Apple Pay no Brasil é de, inicialmente, 1,2 milhão de pessoas, segundo estimativas de mercado, pois esta seria a quantidade de clientes que acessam um dos bancos habilitados hoje por meio de um iPhone 6 ou superior (dispositivo compatível com a tecnologia). Imagine isso somado ao Google Pay – que conta com suporte do Bradesco, Banco do Brasil, Neon, Banrisul, Brasil Pré-Pagos, Caixa Econômica Federal e Porto Seguro – e ao Samsung Pay (este já disponível para dezenas de cartões com bandeiras Visa e Mastercard)?

Os novos pays vieram para ficar, ou melhor, para mudar a história dos meios de pagamento no Brasil e projetar ainda mais o crescimento do e-commerce. A tecnologia está aí, disponível para os consumidores e lojistas, basta começar a usar para escrever também suas próprias e bem-sucedidas histórias no comércio digital!

Tags, , , , , , , , , ,

Ingresso Rápido inova no mercado de tickets e passa a oferecer pagamento via Apple Pay

A partir de 04 de abril, a Ingresso Rápido, maior marketplace de tickets de entretenimento ao vivo da América Latina, passa a oferecer um novo meio de pagamento aos seus mais de 3 milhões de clientes: o Apple Pay, lançado este mês no Brasil.

Além de poder comprar e efetuar o pagamento dos ingressos com um único clique, os usuários da Ingresso Rápido também terão uma vantagem: não será preciso ter cadastro no site para efetuar compra, já que a própria Ingresso Rápido conseguirá criar esse login e senha, enviando posteriormente para o comprador os dados e permitindo que o usuário altere todos o conteúdo cadastrado.

“A Ingresso Rápido tem como grande objetivo se consolidar cada vez mais como uma empresa de tecnologia, e ter parceiros como a Apple é de extrema importância, para conseguirmos oferecer ao consumidor uma experiência única de compra, além de um serviço personalizado e direcionado”, explica Diego Barreto, CFO da Ingresso Rápido.

A Apple Pay está transformando o mercado de pagamentos móveis, com um produto seguro, privado e fácil de ser gerenciado. Além disso, segurança e privacidade são a base do novo lançamento. Quando o usuário utiliza o cartão de crédito ou débito com o Apple Pay, os números reais dos cartões não são armazenados no dispositivo nem nos servidores da Apple. Em vez disso, um número de conta de dispositivo exclusivo é atribuído, criptografado e armazenado de forma segura no elemento seguro no seu dispositivo. Cada transação é autorizada com um código de segurança dinâmico único e único.

Tags, , , , , , ,

One-click-social commerce

As redes sociais já são a extensão de nossas vidas e o território ideal para as marcas disseminarem conteúdo e, agora também, vendas.

Por Eric Kanner, da iProspect – Tradução e adaptação de Allan Benedecti

Como a mídia social continua a evoluir e tornando-se cada vez mais incorporada em nossa vida cotidiana, é mais fácil vê-la como o lugar ideal para disseminação de conteúdo. Os profissionais de marketing alcançam o usuário independentemente de onde estiverem ou que dispositivo estejam usando. Usuários marcam o que os interessam através de likes e follows e em troca recebem informações, conteúdos e anúncios relevantes, de forma orgânica, sem a necessidade da busca.

A fraqueza do Facebook e do Twitter sempre foi o e-commerce. Se um usuário avistar um produto ou serviço de interesse enquanto navega no seu newsfeed, terá de deixar a rede social caso queira efetuar uma compra, mas em 17 de julho de 2014, o Facebook anunciou que este cenário pode mudar.

Foi apresentada uma experiência restrita que permite aos usuários fazerem transações diretamente na plataforma social através de um botão “Compre agora”, como um meio para fornecer a eles uma maneira mais fácil de comprar. Em 8 de setembro, o Twitter seguiu o exemplo, anunciando um beta-test semelhante. Ambas as redes sociais têm lançado mudanças ao longo do último ano para melhorar a capacidade de aumentar o retorno de investimento em mídia, mas os novos botões são uma verdadeira revolução, tornando-se possível executar uma campanha social de resposta direta sem precisar tirar o usuário da plataforma. Com um único clique de um botão, o cartão de crédito do usuário é cobrado e o pedido é enviado para o endereço desejado. Esta transação quase que imperceptível é possível quando o usuário fornece seus dados de faturamento e envio previamente.

Simplificar o Caminho para a Compra

Um e-commerce social que viabiliza o one-click-shop faz sentido porque a mídia social é uma comunidade na qual os usuários vão para interagir e consumir conteúdo relevante de amigos, colegas e marcas. Toda a experiência requer muito pouco esforço, pois o recebimento da informação não precisa que ninguém procure por nada, tudo o que o usuário quer está, literalmente, na ponta dos dedos, sem digitação necessária, fazendo com que a interação seja totalmente mobile-friendly. Anteriormente, uma campanha de resposta direta neste ambiente não era contínua, e mesmo o melhor e mais persuasivo post patrocinado teria que redirecionar o usuário para outra página para concluir a compra. O botão “Comprar” é importante já que simplifica e facilita este caminho, não só porque o usuário nunca deixa a plataforma, mas também porque ele não vai nunca mais precisar inserir seus dados de frete e pagamento para comprar, ou seja, o melhor veículo para compras por impulso.

Até agora, o one-click shop foi alavancado principalmente por e-commerces como a Amazon e iTunes, permitindo-lhes monetizar mais facilmente o crescimento explosivo de dispositivos móveis. Seus sistemas de gerenciamento de IDs permite aos usuários inserirem todos os formatos de pagamento uma única vez, criando assim uma experiência de navegar-e-comprar que parece ter sido feita para smartphones.

A Apple Pay vai transferir o pagamento da carteira para o telefone ou relógio, e esperamos que muito em breve o pagamento nas lojas físicas seja tão fácil quanto apertar um botão “Comprar Agora” online. O sucesso da Apple Pay depende da premissa que os usuários confiem que seus smartphones sejam um substituto razoavelmente seguro para sua carteira. Se a base de usuários móveis existente no Facebook e Twitter servir de indicativo, o “Compre Agora” e Apple Pay trarão revoluções para o modo como fazemos pagamentos hoje. Da mesma forma, como as mídias sociais em geral rumam para uma experiência multi-plataforma, os formatos de pagamento devem seguir o exemplo.

Beneficiando Marcas e Fãs

Hoje o ato da compra está completamente integrado na experiência dos usuários digitais, e Facebook e o Twitter podem ser canais de vendas sociais onde ambos – marcas e os usuários – são beneficiados. Marcas se beneficiam porque seus produtos são exibidos para uma audiência relevante de uma forma significativa, enquanto os usuários se beneficiam porque são apresentados a produtos que lhes interessam de acordo com seu estilo de vida.
No entanto, proporcionar aos usuários uma boa experiência significativamente imperceptível e contínua, conforme descrito acima, não é fácil. Isto requer um planejamento meticuloso e uma compreensão profunda de ambas as plataformas.

Facebook e Twitter foram feitos para se tornarem máquinas autônomas de vendas online em dispositivos mobile. No Twitter, primeiro os marqueteiros selecionam cuidadosamente quais palavras-chaves, hashtag e segmentações serão utilizadas para identificar usuários apropriados no momento mais relevante possível. Com um botão “Comprar Agora”, os anunciantes podem apresentar aos usuários exatamente o que eles estão procurando no momento certo. Um exemplo: é inverno e está um dia especialmente frio em São Paulo. Enquanto todos estão twittando sobre isso, algumas pessoas expressaram que ainda não compraram uma jaqueta de inverno e isto é ótimo, porque um comerciante digital antenado pode lhes proporcionar a oportunidade de comprar imediatamente sua nova jaqueta de inverno.

No Facebook, os comerciantes podem contar com categorias de interesse mais sofisticadas e segmentações demográficas. Se objetivo da marca é impulsionar as vendas de seu novo tênis de corrida, os comerciantes podem usar uma variedade de combinações para definir um público-alvo de prováveis corredores e atingi-los com uma mensagem relevante. Ou eles podem realizar remarketing para os clientes que já visitaram seu site em busca de um tênis de corrida, mas ainda não compraram, talvez até mesmo oferecendo-lhes um desconto para comprar imediatamente.

Mas Lembre-se

O botão “Comprar Agora” não deve ser visto como o Santo Graal do marketing de resposta direta, em vez disso, os profissionais de marketing devem trabalhar para entender melhor como seu público-alvo usa suas plataformas sociais, e quando e como eles preferem fazer compras. Uma vez compreendido, eles podem então tornar a experiência de compras em uma plataforma social muito mais fácil e emocionante.

Se mal executada, as campanhas podem ser vistas como invasivas ou então ser completamente ignoradas, mas se executada corretamente, com uma abordagem integrada, as marcas provavelmente finalmente descobrirão um meio de gerar receita através das mídias sociais e os usuários serão felizes por ter uma solução de one-click-shop nas plataformas sociais, pois terão sua experiência enriquecida.

O ditado “o meio é a mensagem” nunca foi tão verdadeiro. Tendo os usuários com um papel ativo na evolução das mídias sociais, este meio tornou-se o meio dos conteúdos interativos e plataforma de compra. Os usuários só precisam clicar ou tocar para obter o que desejarem a qualquer momento – seja isto enquanto leem a atualização de status de um amigo, assistindo o mais engraçado viral do momento, ou reclamando da falta de um casaco para um inverno fora do comum de frio em São Paulo.

As mídias sociais oferecem uma experiência cross-device imperceptível e perfeita. Na iProspect, acreditamos que a mídia social – e o marketing digital como um todo – têm de ser personalizados para as necessidades do indivíduo, adaptando-os tanto ao o contexto e conteúdo, quanto para agregar valor ou economizar tempo. O botão “Compre Agora” é um importante passo nessa direção.

Tags, , , , , ,

Apple Pay: info testa inovação que quer dispensar senhas e chips para compra

Foto: Info/Divulgação
A INFO de novembro traz teste feito em Nova York com o sistema de pagamento móvel Apple Pay, a última inovação da Apple, que estreou em 20 de outubro e já contava com 1 milhão de usuários nas primeiras 72 horas após o lançamento. Isso apesar grandes redes, como Walmart e CVS, não terem aderido, já que planejam lançar um sistema de pagamento móvel concorrente.

Na experiência, o colaborador de INFO Rodrigo Brancatelli fez compras usando um iPhone 6 — ao lado do iPhone 6 Plus, os únicos modelos habilitados para este novo método de pagamento. Basta apontá-lo para uma máquina compatível com a tecnologia sem fio NFC (Near Field Communication) e se autenticar com o leitor biométrico do smartphone — dispensando assinaturas, tarjas magnéticas, leituras de chip ou códigos de segurança.
O funcionamento do Apple Pay é simples: primeiro, é preciso cadastrar o cartão de crédito no sistema. Após instalar a atualização do iOS 8, os usuários de iPhone 6 contam com o aplicativo Passbook, que permite cadastrar cartões das bandeiras MasterCard, Visa, Discover ou American Express apontando a câmera do smartphone para o cartão: automaticamente os dados são repassados para o celular, que ainda faz uma verificação com o banco por meio de uma ligação ou uma mensagem de texto. Esse processo foi cronometrado pelo repórter e não passou de 40 segundos.

No momento da compra, o cliente seleciona na tela do celular o cartão que deseja usar e posiciona o dedo sobre o botão Home do smartphone. O leitor biométrico TouchID reconhece a impressão digital e faz a autenticação do pagamento.

A reportagem constata que o pagamento é rápido, eficiente e elogiado pelos próprios lojistas. No entanto, pelo número ainda restrito de estabelecimentos que trabalham com o Apple Pay, como a rede McDonald’s, o futuro a curto e médio prazo não deve tornar a carteira um item obsoleto. Nos Estados Unidos, porém, deve se considerar que o mercado potencial do Apple Pay são os 40 milhões de usuários de iPhone 6.

No Brasil, o uso de dispositivos móveis como meio de efetuar uma compra continua crescendo. A expectativa é que, até o final do ano, até 10% de todas as compras feitas em lojas online sejam realizadas por meio de smartphones — no primeiro semestre, o e-commerce registrou 48 milhões de vendas, sendo 7% praticado pelo m-commerce, o comércio móvel. Grandes varejistas como Casas Bahia, Extra e Ponto Frio apontaram que as vendas pelo canal mobile cresceram 19 vezes entre 2012 e 2013.

Tags, , , , , , , ,