Category vendas pela internet

Magalu mais que duplica as vendas em novembro e ganha 10 pontos percentuais de participação de mercado no e-commerce

O Magalu fez a maior Black Friday de sua história. Em novembro, mês que contou com promoções diárias nas lojas físicas e nos canais digitais, a empresa mais do que dobrou suas vendas, na comparação com o mesmo período de 2019. De acordo com as consultorias Nielsen e E-bit, durante os quatro dias do evento da Black Friday, o e-commerce do Magalu ganhou dez pontos percentuais de participação de mercado. Foi a Black Friday do #TemNoMagalu. Além de suas categorias tradicionais, como tecnologia e eletrodomésticos-, foram vendidas mais de 5 milhões de fraldas, 90 000 latas de milho e 30 000 pneus. A Black Friday acompanhou, assim, o ritmo forte de crescimento de vendas de novembro.

A categoria Mercado foi um dos destaques do quatro dias de Black Friday. Mais de um milhão de itens — entre produtos de higiene e limpeza, alimentos e bebidas — foram comercializados entre quinta-feira e domingo. O marketplace também teve crescimento expressivo. O número de sellers que participaram desta Black Friday cresceu 152% em relação a 2019.

Mesmo com o crescimento exponencial das vendas, o Magalu manteve a qualidade do serviço ao cliente: as reclamações durante o evento representaram apenas 0,02% dos pedidos e foram 15% menores do que a média dos últimos seis meses, na análise do site Reclame Aqui.

Show da Black das Blacks Magalu


O Magalu começou a Black Friday deste ano com o megashow Black das Blacks Magalu, na virada de quinta pra sexta-feira. O evento ficou em primeiro lugar no Twitter brasileiro, com 37 000 menções da #BlackdasBlacksMagalu. Um dos pontos altos da noite foi a presença da Lu, em holograma, no palco. A influenciadora digital virtual interagiu com a audiência e até dançou ao som do forró dos Barões da Pisadinha.

A segunda edição do show Black das Blacks foi um evento de compras, uma data de festa e entretenimento. O conceito, conhecido como shopstreaming ou live shopping, foi criado na China, para a celebração do Dia dos Solteiros. “Nosso show foi um enorme sucesso — de vendas e de audiência”, diz Ana Paula Rodrigues, diretora de marketing do Magalu. “Fizemos uma virada histórica.”

Com direção de Boninho, a Black das Blacks Magalu foi comandada pelo apresentador Luciano Huck e contou com shows dos principais artistas e influenciadores do país – nomes como a cantora Anitta, que comemorou seus 10 anos de carreira com um medley de seus principais sucessos, a dupla sertaneja Zé Neto & Cristiano, o pagodeiro Dilsinho e os Barões da Pisadinha, além de uma dezena de outras estrelas da música e do humor.

A Black das Blacks trouxe para o palco alguns dos principais marcos do Magalu ao longo de 2020. Os sellers do Parceiro Magalu, plataforma criada para ajudar os pequenos varejistas analógicos que precisaram fechar suas lojas durante o auge da pandemia, apareceram no telão do show para trazer suas histórias – e, claro, oferecer seus produtos. Os vendedores da empresa, por meio da venda remota, interagiram com o comediante Paulo Vieira, ao vivo.

Tags, , ,

Quais os verdadeiros motivos para o abandono do carrinho virtual?

Atrair um consumidor para o seu e-commerce já é uma tarefa árdua. Mas, garantir que ele permaneça na página e finalize a compra também revela desafios para o empreendedor. O famoso abandono de carrinho acontece quando uma pessoa visita um site, pesquisa características do produto, preço,seleciona a mercadoria, mas, quando o processo parece estar chegando ao fim, o usuário desiste.
Essa ação é muito comum, já que o consumid

or costuma fazer uma extensa pesquisa na vitrine virtual para encontrar o melhor preço, compreendendo características, marcas e lojas. Ou seja, existe um longo caminho até a compra ser concluída de fato, mas quando a mercadoria chega no carrinho já é possível identificar um interesse.


Renato Galleti, gerente de marketing e inside sales da Yapay, unidade de meios de pagamento do Grupo Locaweb, reuniu abaixo 4 motivos principais para o abandono de carrinho, dando dicas de como combater o problema. Confira:

1 – Valor do frete


Essa é uma das principais razões para o cliente desistir da compra. Afinal, mesmo que a oferta seja boa, o acréscimo da entrega pode fazer a transação não valer a pena. “Neste caso, a solução pode envolver esforços maiores, como processos logísticos, negociando novos parceiros e soluções, ou até mesmo disponibilizando uma calculadora de frete na página de cada produto para que o consumidor avalie a opção logo de cara”, explica o gerente da Yapay.


2 – Prazo de entrega


Aqui, mais um caso da importância da transparência antes do checkout. É fundamental que o cliente saiba quanto tempo irá demorar para receber o produto antes de finalizar a compra. Neste ponto, é preciso ter cuidado com a logística, principalmente com gestão de estoque da loja para evitar oferecer algo que está em falta. Uma boa estratégia é informar quando se trata de pré-venda, assim o consumidor já estará ciente que o prazo de entrega será maior que o habitual.

3 – Falta de confiabilidade


Da mesma forma que o abandono do carrinho é frustrante para o vendedor, instabilidades no site são desmotivantes para os compradores. Pensando nisso, é fundamental escolher uma boa plataforma de e-commerce, que tenha uma infraestrutura de servidores adequada para o tráfego da loja e cuide da programação com muito carinho para evitar erros na página de pagamento.
Outra dica valiosa: aposte em certificados e selos de segurança, evidenciando-os para visitantes em banners ou ícones na página. Oferecer informações sobre as ferramentas usadas pela loja para preservar os dados dos usuários, como criptografia ou sistemas antifraude, sejam eles próprios ou de terceiros — como os dos intermediadores de pagamento – aumenta a segurança do cliente.

4. Problemas de usabilidade


“Uma boa loja virtual precisa ter usabilidade simples, com informações claras e etapas de cadastro e compra curtas. Para isso, evite formulários longos demais e invista em processos de checkout rápidos, com páginas que possam ser acessadas a partir de poucos cliques, como gmail, facebook etc”, explica Galletti.
Também é importante ter botões bem visíveis para ações-chave, como a própria finalização da compra, principalmente para dispositivos móveis”, completa.
Vale lembrar que o site deve ser responsivo, ou seja, otimizado para visitantes que escolhem acessá-lo via mobile.

Tags, , ,

E-commerce segue em expansão e registra alta nas vendas de 76,46% em agosto

Com a flexibilização da quarenta no país, as vendas por comércio eletrônico seguem em boom. Ao analisar o mês de agosto de 2020, ante o mesmo mês do ano passado, houve alta de 76,46%. Seguindo a mesma base de comparação, o faturamento teve desempenho maior e registrou aumento de 87,64%. Os dados compõem o índice MCC-ENET, desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) em parceria com o Movimento Compre & Confie.

“Mesmo com a reabertura do varejo físico e retomada gradual da sociedade, o comércio eletrônico mantém patamares de vendas muito superiores ao ano passado, comprovando que o comportamento de consumo online do brasileiro realmente passou por um processo de transformação permanente. Com este crescimento, a partir de agora, as fronteiras entre online e offline estão sendo extintas e os varejistas terão que cada vez mais unificar suas operações para oferecerem uma boa experiência para todos consumidores.”, afirma André Dias, coordenador do Comitê de Métricas da camara-e.net e CEO do Neotrust | Compre & Confie.

Vendas online

Entretanto, ao comparar agosto ante julho, as vendas por comércio eletrônico variaram negativamente (-9,15%). No acumulado do ano, a variação segue positiva: 56,73%.

Na comparação regional, nas vendas online de agosto deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, o Nordeste lidera com alta de 108,90%. Na sequência, aparecem Norte (74,90%), Sul (74,08%), Centro-Oeste (73,25%) e Sudeste (71,36%).

No acumulado do ano, o Nordeste também lidera com (82,70%), seguido por Sul (62,01%), Centro-Oeste (57,06%), Norte (54,76%) e, por último, o Sudeste com (51,37%).

Faturamento

O faturamento do setor teve queda de (-4,27%) em agosto frente a julho. Entretanto, no acumulado do ano segue em alta com 58,46%.

A composição regional, usando a base de comparação agosto deste ano com o mesmo mês do ano passado, ficou da seguinte forma: Nordeste (134,76%), Norte (108,12%), Centro-Oeste (87%), Sul (81,65%) e Sudeste (77,16%).

No acumulado do ano, a configuração mudou: Nordeste (93%), Sul (59,79%), Norte (57,96%), Centro-Oeste (52,95%) e Sudeste (50,91%).

Participação do e-commerce no comércio varejista

No mês de julho, o e-commerce representou 10,7% do comércio varejista restrito (exceto veículos, peças e materiais de construção). No acumulado dos últimos 12 meses, nota-se que a participação do e-commerce no comércio varejista corresponde a 8%. Vale destacar que esse indicador foi feito a partir da última Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, divulgado no dia 10 de setembro.

Categorias

A composição de compras realizadas pela internet, por segmento, em julho, ficou da seguinte forma: equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (40,5%); móveis e eletrodomésticos (24%); e tecidos, vestuário e calçados (12,9%). Na sequência, outros artigos de usos pessoal e doméstico (9,1%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8,2%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,2%); e, por último, livros, jornais, revistas e papelaria (2,1%). Esse indicador também utiliza a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE como base.

Consumidores Online

Outra métrica avaliada pelo MCC-ENET revela que, no trimestre de abril a junho de 2020, 18,2% dos internautas brasileiros realizaram ao menos uma compra online. Observa-se uma alta de 5,9 p.p em relação ao trimestre anterior (12,3%). Já na comparação com o mesmo período em 2019 (10,1%), houve crescimento de 8,1p.p.

Metodologia do MCC-ENET

Os índices mensais vêm da comparação dos dados do último mês vigente em relação ao período base (média de 2017). Para compor o índice, o Compre & Confie coleta 100% de todas as vendas reais de grande parte do mercado de e-commerce brasileiro, utilizando adicionalmente processos estatísticos para composição das informações do mercado total do comércio eletrônico brasileiro. Também são utilizadas informações dos indicadores econômicos nacionais do IBGE, IPEA e FGV.

O MCC-ENET traz uma visão completa a respeito do e-commerce no país a partir da análise das seguintes variáveis: percentual nacional e regional de vendas online, faturamento do setor e tíquete médio. Outras métricas analisadas mensalmente são participação mensal do e-commerce no comércio varejista e crescimento do setor no varejo restrito e ampliado, além da distribuição das vendas por categoria. Por último, a penetração de internautas que realizaram ao menos uma compra trimestralmente pela internet também está contemplada no índice.

Não estão contabilizados no MCC-ENET dados dos sites MercadoLivre, OLX e Webmotors, além do setor de viagens e turismo, anúncios e aplicativos de transportes e alimentação, pois ainda não são monitorados pelo Neotrust | Compre & Confie.

Clique aqui para acessar o estudo completo: http://www.mccenet.com.br/

E-commerce paulista apresenta desempenho equivalente a seis anos nos primeiros seis meses de 2020

Um levantamento exclusivo, realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), mostra que o e-commerce paulista demorou seis anos (de 2013 a 2019) para ver a sua participação sobre o total do comércio varejista saltar de 2,1% para 2,9% (alta de 0,8 ponto porcentual). No entanto, em 2020, o setor precisou apenas de seis meses para ter o mesmo desempenho, crescendo de 2,9% para 3,7% entre janeiro e junho.

No Estado de São Paulo, as vendas médias no varejo tradicional por habitante sofreram queda de 9%, enquanto o comércio eletrônico cresceu 17%, do fechamento de 2019 ao fim de junho de 2020.

Já no comparativo de 2013 com o primeiro semestre de 2020, as vendas médias no varejo tradicional por habitante também foram de 9%, ao passo que, no comércio eletrônico, houve elevação de 61%. No mesmo período, houve ainda aumento de 104,6% no número de pedidos de compras online mensais nas plataformas – o pedido mensal é diferente de compra por habitante, pois leva em conta o número de pedidos feitos: nem todas as pessoas fazem pedidos, e quem tem está habituado, pode fazê-lo mais de uma vez por mês.

Nota-se que a variação ocorrida na média do primeiro semestre deste ano com relação à média do ano passado foi de quase 40%, pouco inferior à variação ocorrida no período que compreende de 2013 a 2019 (crescimento de pouco menos de 47%).

Alguns setores do varejo no quais as compras normalmente são menos afeitas às relações de consumo a distância – como é o caso de vestuário -, também viram os horizontes expandirem nessas plataformas de venda.
De acordo com dados da PCCE, da FecomercioSP, no segundo trimestre de 2020 (auge da pandemia), as vendas de bens semiduráveis registraram crescimento de 56,8% no comparativo com o mesmo trimestre do ano passado. Quando comparado ao primeiro trimestre, o crescimento foi de 27,4%.

Capital paulista
A cidade de São Paulo registrou aumento de 100,7% na média de pedidos mensais nos últimos seis anos, enquanto o tíquete médio do varejo tradicional na capital paulista caiu 15% entre 2013 e o fim do primeiro semestre de 2020. No mesmo período, houve alta de 68% no tíquete médio por habitante no e-commerce. A capital registrou aumento de 100,7% na média de pedidos mensais entre 2013 e 2020, enquanto no primeiro semestre de 2020, a alta em relação à média de 2019 foi de 42,4%, maior do que havia ocorrido em todo o período anterior da série: demorou seis anos para a alta ser de 40,9% (entre 2013 e 2019).

Os efeitos da pandemia e a reação dos empresários foram mais sentidos na capital do que na média do Estado de São Paulo, tanto na queda vista nesta primeira metade do ano quanto na velocidade de acesso ao comércio eletrônico, que já era mais presente na capital paulista em comparação ao Estado.

Se em 2019 o consumidor da capital comprava, em média, R﹩ 57 por mês por meio da internet ou de aplicativos, este valor deve terminar o ano em um patamar acima, ampliando a importância da ferramenta para o varejo tradicional.

A FecomercioSP estima que a pandemia vai acelerar este processo, que já estava bastante claro ao longo dos últimos anos, com o aumento da participação do comércio eletrônico – inclusive na própria capital – sobre o total do varejo, uma característica que converge com outras cidades como Nova York, onde a representação dessa modalidade é de cerca de 10% do total do varejo.

Propostas para desburocratizar o setor


Sendo o crescimento do e-commerce um fato, faz-se ainda mais urgente a desburocratização do setor. Assim, a FecomercioSP, por meio do seu Conselho de Comércio Eletrônico, defende uma série de medidas para destravar o ambiente de negócios e modernizar a legislação tributária, que devem facilitar as operações e proporcionar uma experiência de compra melhor aos consumidores – e isso tem se mostrado ainda mais importante em tempos de pandemia.

Entre os diversos pleitos apresentados pela FecomercioSP ao Conselho Nacional da Política Fazendária (Confaz) que envolvem essa cadeia de logística, recentemente foi atendido o da substituição do Danfe Impresso pelo Danfe Etiqueta, contendo um código de barras para acesso às informações fiscais, com o mínimo de dados disponíveis (remetente, destinatário e valor total do produto), em que se exclui a discriminação de cada produto.

Esta medida, de substituição da nota completa pela etiqueta, já está em vigor, a partir da Nota Técnica 4/2020 (Danfe Simplificado – Etiqueta), publicada no fim do mês de agosto de 2020. A FecomercioSP continua com o seu pleito para a retirada do valor total da nota fiscal aparente no Danfe Etiqueta, para proteger os dados dos consumidores, bem como os próprios transportadores.

Assim, solicita ainda que o valor total do produto não esteja exposto na etiqueta, já que isso é altamente visado e está atrelado ao grande risco de roubo de cargas, principalmente pela diversidade de produtos transportados. A Federação sugere que, por meio do código de barras ou código QR, caso um fiscal pare o transportador para averiguar a carga, seja possível ter acesso às informações completas da mercadoria e checar a regularidade fiscal.

Ainda em avaliação no Confaz, pleitos sobre a digitalização de documentos fiscais, para obter segurança da informação e promover a logística sem papel, e a regulamentação para implementar lockers e pick-up points, para melhorias no processo de vendas, a fim de gerar uma experiência positiva ao consumidor.

Tags,

Black Friday: varejo precisa oferecer novas opções de pagamento para garantir o sucesso das vendas

Por Ralf Germer


A pandemia do novo coronavírus transformou as vendas no varejo. Com o fechamento temporário das lojas físicas ou funcionamento em horário reduzido devido aos decretos municipais de contenção da transmissão da Covid-19, empreendedores precisaram se reinventar, migrar para plataformas digitais e pensar em alternativas para continuar movimentando o negócio. Um exemplo disso é a antecipação da Black Friday em diversos estados do Brasil, com promoções que estimulam o consumo em um período fraco para o comércio.

Se de um lado os clientes vão precisar de planejamento e prudência para evitar descontos pouco proveitosos, por outro, as empresas terão que se adaptar para atrair o público de forma mais verdadeira. Além de oferecer melhorias no valor dos produtos, disponibilizar novas opções de pagamento no ato da compra é fundamental para o sucesso do faturamento. Os e-commerces, principal elo de relação entre as pessoas e o mercado durante a quarentena, devem se adaptar para atender com eficiência os seus consumidores, inclusive os desbancarizados.


Além dos métodos de pagamentos tradicionais, como dinheiro físico, cartão de crédito e débito, cheques e boletos, alternativas vêm ganhando espaço no país. A Cielo, por exemplo, empresa brasileira de serviços financeiros, registrou um aumento de 260% na solução de pagamento via link, que permite que as vendas sejam realizadas por meio de canais online, sem exigir que os comerciantes tenham uma loja virtual. Para se ter uma ideia, 83% dos brasileiros passaram a fazer compras pelo WhatsApp, segundo a Accenture, empresa de consultoria.


Outra mudança de comportamento da sociedade diz respeito a utilização dos pagamentos por aproximação. Segundo levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), essa opção de pagamento movimentou R$ 8,3 bilhões no primeiro trimestre de 2020, um crescimento de 330% em relação ao mesmo período de 2019. Até o momento, o QR Code é o método mais popular e já foi usado por 35% dos brasileiros com smartphones, conforme aponta um estudo da área de Inteligência de Mercado da Globo.


O Banco Central do Brasil (Bacen) divulgou o lançamento dos pagamentos instantâneos (Pix). Previstos para chegar em novembro e revolucionar a forma como lidamos com os pagamentos – uma vez que as transações serão realizadas em até dez segundos, sem restrição de datas e horários – a tecnologia abre um leque de possibilidades para o varejo e os consumidores, já que pagadores e recebedores movimentarão o dinheiro de forma online e imediata para toda e qualquer entidade, empresa e pessoa física.


Lojistas que estão se preparando para conceder descontos aos clientes nesses últimos meses do ano, visando uma possível recuperação do varejo, estão no caminho certo para tentar fechar 2020 no azul. No entanto, quem deseja sair na frente da concorrência, deve estar atualizado e conectado com as inovações do mercado. Disponibilizar novas opções de pagamento no ambiente virtual é obrigação para quem quer garantir números melhores para o comércio no geral.

Ralf Germer, CEO e cofundador da PagBrasil

Tags,

E-Commerce brasileiro cresce 78% no mês de julho, segundo Mastercard SpendingPulse

No Brasil, de acordo com o Mastercard SpendingPulse, índice que rastreia as vendas gerais de varejo em todos os tipos de pagamento, incluindo dinheiro e cheque, as vendas pelo e-commerce* cresceram 78% em julho e a média de crescimento dos últimos três meses (maio, junho e julho) mais do que dobrou. Ambos os dados são na comparação com o mesmo período do ano passado.

“O crescimento do comércio eletrônico segue acelerado devido às mudanças de comportamento de compra impostas pelo distanciamento social. A pandemia acelerou a tendência de usar pagamentos digitais em vez de dinheiro físico, alavancando as plataformas de e-commerce”, diz Cesar Fukushima, Diretor de Análise Avançada da Mastercard no Brasil.

Vendas Totais
O Mastercard SpendingPulse registrou que o volume total de vendas (excluídas as vendas de automóveis, materiais de construção, restaurantes e cama, mesa e banho) no varejo brasileiro teve expansão de 2,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Este é o primeiro mês desde março em que o crescimento das vendas no varejo é positivo na comparação anual.

Quatro setores tiveram crescimento acima do indicador de vendas totais: supermercado, móveis e eletrodomésticos, artigos farmacêuticos e artigos de uso pessoal. Os setores de vestuários e combustíveis tiveram desempenho abaixo do indicador.

As regiões Sul (3,1%), Sudeste (2,8%) e Centro Oeste (2,7%) tiveram crescimento acima da média, enquanto Norte (2,2%) e Nordeste (1,9%) ficaram abaixo do registrado pelo varejo, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

*Vendas no comércio eletrônico são vendas de bens e serviços nas quais o comprador faz um pedido ou o preço e os termos da venda são negociados pela Internet, em dispositivo móvel (M-commerce), extranet, rede EDI (Electronic Data Interchange), correio eletrônico ou outro sistema online comparável. O pagamento pode ou não ser feito online.

Tags, , ,

Gestão de vendas pela internet: 5 ferramentas que vão fazer a diferença

A Tray, unidade de e-commerce da Locaweb, com soluções exclusivas e integração com marketplaces, alavanca as vendas dos empreendedores nos negócios digitais. Mas, além de um e-commerce bem estruturado, é fundamental saber administrar as vendas pela internet. Por isso, Pedro Henrique Sobral, coordenador de marketing digital da Tray, separou 5 dicas para resultados mais eficientes na gestão online. Confira:

1. Principais ferramentas para a gestão de vendas online

O empreendedor que deseja começar a vender online deve atentar-se ao uso de algumas ferramentas, a primeira delas é a plataforma de e-commerce escolhida. Esse, sem dúvida, será o core business da operação digital, pois permitirá a gestão não só das vendas, mas também de todos os processos essenciais para que a loja virtual funcione corretamente e se mantenha ativa. Sendo assim, é interessante escolher uma solução que oferece benefícios completos, como integração com marketplaces, ferramentas e apps que podem complementar o ecossistema de vendas. Essas características dispensam a contratação de um hub de integração, diminuindo custos e otimizando lucro.

Após, se certificar de ter explorado todos os benefícios e recursos do serviço digital contratado, o lojista deve recorrer a um bom ERP (Sistema Integrado de Gestão Operacional). A ferramenta deverá ser integrada à loja virtual auxiliando na na emissão de notas fiscais, integrando a loja física com a virtual, além de otimizar processos operacionais.

Também é importante pensar em bons intermediadores de pagamentos que irão garantir a aprovação dos pedidos, pagamento e recebimento dos valores transacionados dando segurança tanto para o vendedor como para o comprador.

Para aumentar a taxa de conversão e ainda garantir uma boa experiência para o cliente, o empreendedor digital deverá contar com uma boa ferramenta de frete e envio, pois por meio dela será possível conseguir descontos em determinadas negociações, e principalmente garantir que o produto chegue ao cliente final, com qualidade satisfação na entrega.

2. Ferramentas

Cada uma delas pode ser configurada em momentos diferentes da operação ou nível de vendas do lojista, mas o interessante é trabalhar de forma simultânea. Imagine uma máquina com várias engrenagens, se uma não funcionar direito, todas as demais podem ser prejudicadas.

Essencialmente, a plataforma de e-commerce, o ERP, o intermediador de pagamentos e frete/envio devem ser configurados antes de inaugurar a loja, após a publicação na internet, as ferramentas de marketing serão o combustível da máquina.

3. Vantagens lojas virtuais

As vendas pelo e-commerce permitem a utilização de diversas ferramentas que podem otimizar as vendas, por isso, o lojista, ao optar por uma plataforma integrada, garantirá o sucesso em sua gestão. Conforme ele evoluir em suas vendas e for adquirindo expertise no mercado, poderá implementar mais ferramentas em seu e-commerce e, com tantas opções disponíveis, ter tudo isso integrado em um único painel, facilitando a gestão, além de minimizar falhas ou erros que podem gerar prejuízo financeiro.

4. Transformando um negócio offline

Em muitos casos as vendas no varejo físico ficavam limitadas apenas a cidade do lojista, porém no e-commerce ele abre as portas para vender em todo Brasil. Mas uma dica que compartilho com os empreendedores iniciantes que estão migrando do físico para o virtual é focar na divulgação da loja online onde ele já é conhecido. Por exemplo, na cidade que ele atua e para alcançar esse público específico de forma efetiva, pode-se utilizar o Facebook Ads e Instagram Ads, criando campanhas direcionadas e segmentadas para o público certo. Logo, o empreendedor terá menos custos com frete, dará mais credibilidade ao e-commerce recém-criado e começará a ter mais prática no uso das ferramentas.

5. Vendas online podem auxiliar PMEs

Neste período de pandemia, vender online é praticamente a única opção, pois a internet ganhou mais presença na rotina das pessoas, o que possibilita alcançar um número maior de possíveis clientes.

Além disso, o e-commerce não é apenas a solução a curto prazo, mas sim a solução a médio e longo prazo, pois quando o isolamento social acabar as pessoas continuarão propensas a comprar pela internet, ou seja, as vendas online que já se popularizaram antes da pandemia, vão ganhar mais força no pós-pandemia.

Nesse contexto, há várias lojas que vendiam apenas por whatsApp e que tiveram que adotar uma plataforma de e-commerce para conseguir gerenciar as vendas online. Além disso, o PME deve estar atento ao processo logístico, pois é quem determinará o tempo de entrega, garantirá que o produto chegue em perfeito estado e proporcionará uma boa experiência de compra ao cliente e fidelização nas vendas futuras.

Tags, , ,

Mercado Livre anuncia parceria societária com startup de logística Kangu

O Mercado Livre, empresa líder em tecnologia para e-commerce e serviços financeiros da América Latina, anuncia sua entrada como sócio estratégico da empresa de logística Kangu. A startup, que já tinha o Mercado Livre como parceiro e cliente desde 2019, passa a agora a contar com uma atuação mais próxima e intensiva em termos de volume de entregas originadas pelo e-commerce.

A Kangu atua como elo de ligação entre pequenos comerciantes e consumidores que vivem na mesma região, reduzindo distâncias, trazendo mais agilidade às entregas e comodidade aos usuários. A empresa seleciona e habilita lojistas de bairro, que tenham interesse em se tornar pontos de coleta e de entrega da rede de parceiros. Estes pontos passam a atuar como opção alternativa para vendedores do Mercado Livre que queiram deixar ali seus produtos para coleta, seja para empresas de transporte que encaminharão os itens para o destino final, seja para os compradores que precisem de um local para receber os produtos fora de casa. Os parceiros recebem um valor por pacote “hospedado” e ainda geram tráfego adicional de pessoas para seu pequeno negócio.

Em contrapartida, o Mercado Livre orienta a Kangu sobre a quantidade e localização ideal desses pontos, direcionando volumes significativos de pacotes para cada local e impulsionando a geração de receita para o negócio da Kangu e de seus parceiros. Atualmente, já existem mais de 1,2 mil pontos parceiros nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul.

A parceria societária ocorre em um momento de forte expansão da rede de logística gerenciada pelo Mercado Livre, que hoje já representa 51,6% de todo o volume transacionado pela companhia. A título de comparação, a rede do Mercado Livre, chamada MELI Net, correspondia por 10% do volume transacionado em 2017 – quando o Mercado Livre conquistou a liderança do e-commerce no Brasil – e 23% no segundo trimestre de 2019.

“Temos muito orgulho de nos tornarmos sócios da Kangu. Este passo consolida a parceria que já vínhamos construindo juntos, gerando ganhos significativos de negócios para a empresa e colaborando para que o Mercado Livre possa expandir ainda mais rápido sua malha logística na América Latina e atender seu crescente número de compradores e vendedores que usam a plataforma”, destaca Renato Pereira, Diretor de Desenvolvimento Corporativo do Mercado Livre.

Para Marcelo Guarnieri, CEO da Kangu, a parceria poderá levar a empresa para um novo patamar de crescimento. “O Mercado Livre nos apoiou desde o início para que a Kangu crescesse seu negócio. A oficialização de tê-lo como nosso sócio é uma evolução natural desta parceria e do bom entrosamento entre as empresas”. Já para Ricardo Araújo, Co-CEO da Kangu, a parceria é um complemento perfeito ao aporte que a companhia tinha anunciado no início do ano com NXTP. “A Kangu, que já estava capitalizada, agora passa a ter um sócio que atrai um volume onde o crescimento pode ser bem mais acelerado e assertivo”, conclui Ricardo.

Dia dos Pais: compras online aumentaram 22,2%

Dados do Índice Cielo de Varejo Ampliado, divulgados nesta terça-feira, mostram que o faturamento do e-commerce saltou 22,2% na semana do Dia dos Pais. Nesses dados do comércio eletrônico, não são levados em conta os números do setor de turismo e transporte, um dos mais atingidos pela crise.

Entre as categorias de presentes, a que mais se destacou foi a de varejo alimentício especializado, que inclui lojas de chocolate e vinho, por exemplo. O segmento teve aumento de vendas de 0,9% em relação a 2019.

Cosméticos e higiene pessoal (-16,4%), óticas e joalherias (-16,7%) e vestuários e acessórios (-21%) tiveram quedas de dois dígitos.

Enquanto o e-commerce teve crescimento em vendas, as vendas físicas do varejo encolheram 8,8% na semana do Dia dos Pais, na comparação com o mesmo período de 2019. Apesar do recuo, o dado também mostra que o setor vem se recuperando, já que os resultados negativos têm sido cada vez menos intensos.

“Algumas cidades no Brasil já iniciaram ensaios de liberação e volta do comércio de rua, com algumas limitações, principalmente em relação ao horário de funcionamento. Com isso, a experiência de compra física, está se tornando menos eficiente, e mais demorada, além dos riscos envolvidos. Dito isso, a saída com certeza será o universo digital, que tem surpreendido positivamente em relação a logística. Mesmo com o crescimento acelerado, os prazos de entrega dos principais sites de vendas no Brasil tem reduzido bastante”, explica Felipe Dellacqua, VP de vendas e sócio da multinacional de cloud commerce Vtex.

Dia dos pais: ABComm prevê 23% de aumento nas compras online

Entre os dias 20 de julho e 8 de agosto, a ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico – prevê um aumento de 23% nas compras do e-commerce no país na comparação com o mesmo período de 2019 devido ao Dia dos Pais.

De acordo com a associação, a data deve trazer R$ 3,5 bilhões ao setor. O tíquete médio esperado para essas compras online é de R$ 373. Estima-se também um total de 8,43 milhões de pedidos no período.

A data, que é uma das mais importantes do calendário do e-commerce, faturou em 2019 R$ 2,5 bilhões e cresceu 20% em relação ao ano de 2018, segundo o Ebit Nielsen.

Ainda que esteja acontecendo uma reabertura do comércio, muitos ainda preferem fazer as compras de casa para diminuir os riscos de contaminação em relação ao novo coronavírus. De acordo com uma pesquisa realizada pela Social Miner e Opinion Box, 64% das pessoas pretendem continuar comprando tanto online, quanto offline.

“Algumas cidades no Brasil já iniciaram ensaios de liberação e volta do comércio de rua, com algumas limitações, principalmente em relação ao horário de funcionamento. Com isso, a experiência de compra física, está se tornando menos eficiente, e mais demorada, além dos riscos envolvidos. Dito isso, a saída com certeza será o universo digital, que tem surpreendido positivamente em relação a logística. Mesmo com o crescimento acelerado, os prazos de entrega dos principais sites de vendas no Brasil tem reduzido bastante”, explica Felipe Dellacqua, VP de vendas e sócio da multinacional de cloud commerce Vtex.

Segundo o especialista, as categorias mais procuradas para presentear os pais na data são perfumaria e cosméticos, moda e acessórios e casa e decoração. De acordo com ele, para esse ano, a expectativa de vendas online é alta.

“Com a pandemia, muitos compromissos profissionais e viagens foram adiados, o que tem tornado a convivência em família ainda mais forte. Com o crescimento do e-commerce que já ultrapassa os 50% quando comparado a 2019, a tendência é que o Dia dos País esse ano supere o crescimento do ano passado”, explica Felipe Dellacqua, VP de vendas e sócio da Vtex.

Comércio eletrônico segue em boom e dobra as vendas em junho, ante o mesmo mês do ano passado, revela o índice MCC-ENET

As vendas realizadas pela internet continuam em alta. Ao comparar o mês de junho de 2020, ante o mesmo mês do ano passado, o setor dobrou com alta de 110,52%. Ao observar a métrica de faturamento, nota-se a mesma tendência positiva: 108,84%, no mesmo período. Os dados compõem o índice MCC-ENET, desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) em parceria com o Movimento Compre & Confie.

Outros dados que chamaram a atenção nessa edição foram: o volume de 18,2% de consumidores que realizaram ao menos uma compra online entre o trimestre de abril a junho, o que representa alta de 5,9pp em relação ao trimestre anterior (12,3%); e o novo recorde no índice de participação do e-commerce no varejo restrito (12,6%), no mês de maio.

“Com a chegada de uma pandemia no Brasil, podemos afirmar que estamos vivendo uma mudança de era no comércio eletrônico brasileiro, com a antecipação de patamares de vendas que certamente só seriam registrados a daqui cinco anos. O mercado realmente passou por uma grande transformação, com vendas de categorias de produtos de consumo diário e entrada de novos consumidores no varejo digital”, afirma André Dias, coordenador do Comitê de Métricas da camara-e.net e diretor executivo do Compre & Confie.

Vendas online

Em contrapartida, as vendas do e-commerce em junho comparadas ao mês de maio, apresentaram retração de -13,11%. “Esta queda em junho é natural do setor de vendas online, pois o mês de maio será sempre fortemente impulsionado pelas vendas do Dia das Mães”, declara Dias. Na avaliação do acumulado do ano, por sua vez, a variação continua positiva: 59,88%.

Ao traçar a comparação por região, em junho de 2020, em relação ao mesmo mês do ano anterior, o cenário ficou da seguinte forma: Nordeste (159,49%); Norte (118,65%); Sudeste (112,68%); Sul (79,52%); e Centro-Oeste (68,12%). Já no acumulado do ano, a configuração ficou da seguinte forma: Nordeste (86,62%); Norte (67,81%); Sudeste (57,59%); Centro-Oeste (56,60%); e Sul (47,74%).

Faturamento

Assim como as vendas online de junho frente a maio tiveram queda, o faturamento do setor, nessa mesma base comparativa, também variou negativamente: -6,91%. Já o acumulado do ano segue positivo: 59,71%.

A métrica regional, junho de 2020 ante o mesmo mês do ano passado ficou da seguinte forma: Nordeste (165,44%); Norte (132,04%); Sudeste (107,35%); Centro-Oeste (75,72%); e Sul (71,93%). No acumulado do ano, seguindo a mesma configuração, os dados foram: Nordeste (95,24%); Norte (67,90%); Sudeste (55,65%); Centro-Oeste (47,75%); e Sul (43,87%).

Participação do e-commerce no comércio varejista

Com novo recorde, no mês de maio, o e-commerce representou 12,6% do comércio varejista restrito (exceto veículos, peças e materiais de construção). No acumulado dos últimos 12 meses, nota-se que a participação do e-commerce no comércio varejista corresponde a 7,1%. Vale destacar que esse indicador foi feito a partir da última Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, divulgado no dia 8 de julho.

Categorias

A composição de compras realizadas pela internet, por segmentos, em maio, ficou da seguinte forma: equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (39,3%); móveis e eletrodomésticos (23,6%); e tecidos, vestuário e calçados (13,4%). Na sequência, outros artigos de usos pessoal e doméstico (10,2%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8,5%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3%); e, por último, livros, jornais, revistas e papelaria (2%). Esse indicador também segue a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE.

Consumidores Online

Outra métrica avaliada pelo MCC-ENET revela que, no trimestre de abril a junho de 2020, 18,2% dos internautas brasileiros realizaram ao menos uma compra online. Observa-se uma alta de 5,9pp em relação ao trimestre anterior (12,3%). Já na comparação com o mesmo período em 2019 (10,1%), houve crescimento de 8,1pp.

Metodologia do MCC-ENET

Os índices mensais vêm da comparação dos dados do último mês vigente em relação ao período base (média de 2017). Para compor o índice, o Compre & Confie coleta 100% de todas as vendas reais de grande parte do mercado de e-commerce brasileiro, utilizando adicionalmente processos estatísticos para composição das informações do mercado total do comércio eletrônico brasileiro. Também são utilizadas informações dos indicadores econômicos nacionais do IBGE, IPEA e FGV.

O MCC-ENET traz uma visão completa a respeito do e-commerce no país a partir da análise das seguintes variáveis: percentual nacional e regional de vendas online, faturamento do setor e tíquete médio. Outras métricas analisadas mensalmente são participação mensal do e-commerce no comércio varejista e crescimento do setor no varejo restrito e ampliado, além da distribuição das vendas por categoria. Por último, a penetração de internautas que realizaram ao menos uma compra trimestralmente pela internet também está contemplada no índice.

Não estão contabilizados no MCC-ENET dados dos sites MercadoLivre, OLX e Webmotors, além do setor de viagens e turismo, anúncios e aplicativos de transportes e alimentação, pois ainda não são monitorados pelo Compre & Confie.

Clique aqui para acessar o estudo completo: http://www.mccenet.com.br/

PROTESTE orienta consumidor sobre fraudes ao comprar pela internet

Nesta quinta-feira, 23, a PROTESTE, Associação de Consumidores, alerta os consumidores para as fraudes online durante a quarentena. Com a pandemia, houve um expressivo crescimento das operações de e-commerce. Afinal, com o isolamento social e os clientes mais tempo em suas casas, a alternativa para adquirir os produtos necessários para o dia a dia foi o comércio digital.

Em abril, houve um crescimento de 4 milhões novos consumidores digitais no Brasil, em comparação com o mês anterior. A maior alta das vendas on-line foi registrada durante o mês de maio, com aumento de vendas virtuais dos mais diversos produtos, como artigos esportivos, brinquedos e cosméticos.

Os dados são de um estudo elaborado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Konduto, uma empresa especialista em risco e prevenção à fraude no e-commerce e em pagamentos digitais. Para a ABComm, o comércio virtual deve continuar em expansão, mesmo após a pandemia.

Um estudo da consultoria McKinsey, divulgado em maio, também aponta para a mesma direção: 75% dos consumidores que utilizaram a internet pela primeira vez para compras on-line durante a quarentena pretendem continuar usando esse canal. O trabalho destaca que, mesmo após a Covid-19, 35% das pessoas pretendem reduzir suas idas aos varejos físicos.

PROTESTE alerta sobre os riscos de fraudes virtuais

Como as compras on-line se tornaram tendência, alguns crimes virtuais passaram a ser mais frequentes. Por essa razão, Thiago Porto, especialista da PROTESTE, alerta para os cuidados necessários para o uso da rede com segurança.

“Existem vários programas maliciosos na Internet, que tentam roubar os dados dos usuários ou, pior, induzir compras (e pagamentos) por produtos que nunca serão entregues”, destacou. Segundo ele, os consumidores precisam ter muita cautela com websites falsos, que tentam reproduzir marcas conhecidas, mas que são criados com o único objetivo de fraude.

“Um golpe muito frequente é o phishing, que é uma espécie de isca, praticado por pessoas mal-intencionadas, que têm como objetivo obter informações pessoais dos consumidores, como senhas ou número do cartão de crédito, CPF e dados de contas bancárias”, exemplificou o especialista. Com esses registros em mãos, os criminosos conseguem induzir o consumidor a erro em outras circunstâncias, podendo, inclusive, roubar a identidade para usos ilícitos.

Além da captura ilegal de informações, outras práticas criminosas podem ocorrer na rede. Existem sites falsos, que inclusive fazem propagandas de produtos (com valores bastante atrativos) em redes sociais. A aparência do site é bastante semelhante a alguma rede conhecida e, frequentemente, o consumidor é induzido a erro, comprando uma mercadoria que não existe.

“Os ataques cibernéticos estão se tornando cada vez mais especializados. Com a tendência de aumento das vendas on-line, o risco é cada vez maior e os consumidores precisam se precaver”, disse Thiago. Também vale ter cuidado com o uso de meios digitais de pagamento .

Confira os cuidados para navegar com segurança

De acordo com o especialista da PROTESTE, algumas precauções são essenciais para minimizar o risco de problemas:

• desconfie de valores muito abaixo do mercado. Na dúvida, abra o site da loja diretamente no navegador, sem clicar no link do anúncio, ou entre em contato por telefone;

• mude suas senhas (de e-mail, acesso a redes sociais, cadastros em lojas ou serviços, entre outros) com frequência;

• tenha cautela com mensagens de caráter emergencial, que pedem que o consumidor clique em um determinado link para conferir uma compra, um rastreio de produto, um débito no cartão ou algo similar – neste caso, melhor entrar em contato diretamente com a empresa que está supostamente enviando o link, seja um banco ou uma loja;

• no caso de celulares, é importante ter uma senha no dispositivo e outra no chip. Assim, caso o aparelho seja perdido ou roubado, ninguém poderá ter acesso aos dados pessoais nem praticar golpes utilizando uma identidade falsa (como no caso de pedidos de ajuda em dinheiro pelo WhatsApp, supostamente feitos pelo titular da conta);

Para mais informações entre no site da PROTESTE: http://www.proteste.org.br