Category serviços de TI

Mercado de serviços de TI cresce 6,4% em 2019, segundo a IDC Brasil

Serviços relacionados à melhoria de performance da nuvem, gerenciamento de cargas de trabalho em ambientes híbridos e controle de custos impulsionaram o mercado de serviços de TI em 2019, que cresceu 6,4% em relação ao ano anterior e faturou mais de R﹩ 40 bilhões. Os dados fazem parte do estudo IDC Semiannual Services Tracker 2019, realizado pela IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações.

Segundo Luiz Monteiro, analista de pesquisa e consultoria em serviços de TI da IDC Brasil, o mercado de TI voltado para educação e treinamento alcançou um bom resultado no ano por conta da necessidade de atualização e qualificação dos quadros internos das empresas. “A preocupação com a satisfação e engajamento de equipes internas cresceu, e a necessidade de minimizar o movimento de turn-over de profissionais de TI, em especial os que trabalham com cloud e segurança, também influenciou esse crescimento”, explica.

Em 2019, a área de projetos e serviços de consultorias cresceu 7,6%. No primeiro semestre, as empresas demandaram menos, mas compensaram no segundo. A área de serviços gerenciados acompanhou o mesmo movimento.

Já o crescimento de serviços de suporte foi tímido: 3,2% no ano. Suporte e implantação de hardware foi a disciplina com o menor crescimento no ano: apenas 2,1%. “Esse resultado refletiu a queda observada nos números da indústria de equipamentos de rede, servidores e armazenamento”, afirma Monteiro.

Previsão para 2020

Por conta da pandemia de covid-19 e das incertezas geradas em todos os setores da economia, a IDC está revisando periodicamente os possíveis cenários futuros. Nem todas as linhas de serviços têm perspectivas negativas. “Serviços ligados à segurança da informação, gerenciamento de recursos em cloud, colaboração e virtualização de ambientes, por exemplo, devem crescer, mesmo diante de um cenário desfavorável”, explica.

Para outras linhas de serviços, a IDC espera um crescimento modesto nesse ano. “No forecast do semestre anterior, por exemplo, disciplinas que demandam atuação de pessoal, como educação e treinamento ou consultoria em TI, apresentavam perspectivas de crescimento de 4,7% e 6,6%, respectivamente, para 2020. Agora, a expectativa é diferente. O mercado sinaliza desaceleração”, afirma o analista da IDC.

Serviços de terceirização de endpoints de rede e de implantação e suporte de hardware, que se correlacionam com a fabricação, comercialização e distribuição de equipamentos de rede, servidores e armazenamento, devem ser impactados de forma mais relevante, com crescimentos próximos de zero ou, em cenários mais pessimistas, até negativos.

Instituições financeiras podem explorar sistemas bancários integrados para oferecer serviços digitais seguros, afirma Unisys a líderes do setor

A Unisys Corporation (NYSE: UIS) participa da Fintech Americas 2019 para discutir as oportunidades que os sistemas bancários integrados podem oferecer ao setor de serviços financeiros. Entre elas, formas de integrar funções bancárias, de empréstimo e pagamento às aplicações de consumo mais populares. Ao eliminar obstáculos dos processos tradicionais por meio dessas medidas, as instituições serão capazes de proporcionar uma excelente experiência aos clientes e promover avanços na gestão de identidades, que podem garantir uma sólida postura de segurança em meio ao acelerado ritmo de transformação.

Maria Allen, vice-presidente e head global da Unisys para a área de Serviços Financeiros, apresenta um painel de discussão ao lado de David Estevez, CIO do Grupo Petersen, e Daniel Kennedy, vice-presidente do Scotiabank para bancos digitais, para discutir como a transformação digital das instituições financeiras está mudando a experiência e as expectativas dos clientes, e como avanços como o open banking têm aberto portas para a oferta de muitos serviços que bancos tradicionais não poderiam oferecer anteriormente. A discussão também aborda os riscos da segurança cibernética que as transformações podem trazer consigo e o importante papel de uma abordagem Zero Trust para garantir sucesso no futuro.

“O ritmo acelerado das mudanças no setor bancário está abalando a abordagem tradicional dos bancos em relação aos consumidores”, destaca Allen. “Os clientes de hoje contam com muitas opções, mas avanços como o sistema bancário integrado permitem que os serviços digitais sejam oferecidos em tempo real, quando e onde for preciso. Trata-se de eliminar os obstáculos dos processos bancários tradicionais – permitindo que pessoas realizem transações de qualquer dispositivo, a qualquer momento – para proporcionar uma melhor experiência”.

Entre outros temas, destaca-se também a necessidade de os bancos ficarem atentos aos riscos de cibersegurança que podem enfrentar ao adotar novas tecnologias (como inteligência artificial baseada em voz) e de tomarem medidas proativas para estabelecer uma abordagem de segurança, uma vez que as defesas dos perímetros já não são suficientes para reagir às ameaças de hoje.

“Zero Trust é um tema importante atualmente e, como muitos outros termos novos, pode significar coisas diferentes para diferentes empresas. Na Unisys, acreditamos que uma essa abordagem se baseia na ideia de que nenhum usuário ou dispositivo – dentro ou fora de redes privadas – deve ser confiável e de que as organizações devem dar o mínimo acesso possível mediante a identificação segura”, explica Allen. “É necessário contar com uma abordagem que usa ‘identidades confiáveis’, pois a interconectividade com parceiros, fornecedores e clientes exige a proteção de dados críticos nos vários pontos de acesso. Felizmente, avanços como autenticação biométrica multimodal, incluindo elementos como reconhecimento de voz e de íris e biometria comportamental, como velocidade de digitação, podem ser implantados para verificar a identidade do usuário nos diversos canais”.

Usando tecnologias de acesso baseadas em identidade, bancos e instituições financeiras podem implementar um modelo de segurança Zero Trust para combater riscos sistêmicos agregados a sistemas bancários integrados. Dessa forma, conexões com fornecedores e parceiros podem ser feitas com confiança e os benefícios do open banking podem ser concretizados.

A Unisys ajuda as instituições financeiras a alcançar níveis elevados de digitalização utilizando o Elevate™, plataforma de software completa e pacote de aplicações desenvolvidas para proporcionar experiências seguras aos clientes de bancos digitais. O Elevate conta com a segurança do Unisys Stealth®, que dispõe de recursos dynamic isolation™ para isolar rapidamente dispositivos ou usuários ao primeiro sinal de comprometimento. O Stealth™ reduz as superfícies de ataque por meio de microssegmentação baseada em identidade, permitindo que os bancos separem e escondam ativos críticos e estabeleçam canais codificados para comunicação segura de usuários, aplicações e sistemas.

Mais de 450 instituições financeiras em todo o mundo usam soluções da Unisys. Para obter mais informações sobre os recursos da Unisys para serviços financeiros, clique aqui.

Tags, ,

Unisys é nomeada líder no Quadrante Mágico 2019 do Gartner para serviços gerenciados de ambiente de trabalho

A Unisys Corporation (NYSE: UIS) anuncia que o Gartner posicionou a empresa no grupo de líderes em seu Quadrante Mágico 2019 para Serviços Gerenciados para Ambiente de Trabalho, América do Norte, classificando-a entre 21 prestadores de serviços nessa categoria.

O Gartner define serviços gerenciados para ambiente de trabalho (Managed Workplace Services – MWS) como um subconjunto do mercado de terceirização de TI, que inclui tanto o outsourcing tradicional para usuários finais, quanto novos serviços para o ambiente de trabalho digital, que consistem em suporte automatizado e integrado, priorizando a nuvem. O relatório do Gartner colocou a Unisys na posição mais alta do eixo capacidade de execução.

“Com o local de trabalho sendo a linha de frente da mudança digital e do engajamento dos funcionários, serviços inovadores nesse campo dão às organizações uma vantagem competitiva”, afirma o relatório do Gartner.

“Para nós, o reconhecimento do Gartner posicionando a Unisys como líder em serviços gerenciados para o ambiente de trabalho valida nossa abordagem digital com foco em segurança e automação voltada a elevar a produtividade e a satisfação dos colaboradores dos nossos clientes”, comenta Eric Hutto, vice-presidente sênior e presidente de Enterprise Solutions da Unisys. “Acreditamos que esse relatório ilustra como estamos atendendo às necessidades dos profissionais digitais de hoje para colaboração segura e capacidade de usar a automação e a inteligência artificial em benefício de uma força de trabalho mais eficiente”, completa.

O pacote da Unisys para serviços de ambiente de trabalho digital permite transformar plataformas de colaboração do usuário final, serviços e soluções de produtividade em um local de trabalho digital moderno, baseado na nuvem e com recursos de mobilidade, que promove a inovação e a produtividade dos profissionais, além de reduzir custos. O Unisys InteliServe™ converte o service desk tradicional em uma experiência inteligente e centrada no usuário.

“Nossos investimentos em serviços digitais para ambiente de trabalho complementam nossa já consolidada capacidade de execução, gerando valor para os negócios com inovação direcionada”, afirma Mickey Davis, vice-presidente global de serviços digitais para ambiente de trabalho da Unisys. “Nossos métodos de entrega consistentes associados aos nossos investimentos nos permitem não só levar novas tecnologias aos clientes, mas também usar essas inovações para melhorar a experiência dos clientes deles”.

O Quadrante Mágico 2019 para Serviços Gerenciados para Ambiente de Trabalho, América do Norte (publicado em 14 de janeiro de 2019 com autoria de Daniel Barros e Mark Ray) pode ser consultado aqui.

Tags, , ,

Tudo como Serviço: 5 vantagens de optar por essa nova forma de consumir tecnologia

Por Silnei Kravaski

É fato que a computação na nuvem vem mudando a forma como consumimos soluções. O que era produto, hoje é consumido como serviço. O termo originado do inglês Everything as a Service (XaaS) tem provocado mudanças substanciais não só nas relações comerciais como tem também quebrado paradigmas e até mudado a cultura das organizações. Segundo pesquisa da Cisco, 95% das empresas já utilizam algum tipo de serviço na nuvem e até 2020, 92% de todo o trabalho realizado pelas empresas será processado na nuvem.

Porém, embora a ideia de substituir os altos investimentos em software, hardware, infraestrutura e até em telefonia pela contratação de serviços baseados na nuvem esteja cada vez mais atraindo empresas de todos os portes e tamanhos, algumas dúvidas ainda permeiam esse caminho. A pergunta principal é: essa mudança na forma de consumirmos TI é só mais uma tendência ou realmente traz vantagens?

Gostaria de elencar alguns pontos que enxergo como fundamentais e que devem ser colocados na balança para se optar pela estratégia Everything as a Service.

#1 Opex ao invés de Capex

Reduzir as despesas de capital ao eliminar a necessidade de criar e manter a infraestrutura de TI talvez seja uma das principais vantagens. Fora que, a possibilidade de se ter acesso a software e produtos tecnológicos por meio de pagamento de assinaturas periódicas e de escolher os mais diferentes tipos de recursos e condições sem precisar de especialistas para resolver os problemas, também elimina uma série de etapas e, o que é mais importante, de despesas.

#2 Adquirir somente o que preciso na hora que preciso

A praticidade e efetividade estão em consumir o serviço de acordo com a necessidade da organização, sem gastos que não sejam necessários. Com a adoção dos serviços na nuvem, o processo de combinar recursos de TI com as necessidades de negócios fica mais fácil e eficiente. Acessar tudo como serviço traz para as equipes de TI, por exemplo, a capacidade de provisionar servidores, armazenamento, memória e largura de banda e de trazer escalabilidade.

#3 Respostas e soluções mais rápidas

A mesma pesquisa da Cisco relata que 62% das empresas que já entraram na onda do tudo como serviço perceberam melhorias na velocidade de resposta com suas infraestruturas gerenciadas dessa forma. A integridade dos dados também é garantida, assim como o controle, uma vez que as informações estão mais próximas e a velocidade de acesso a elas é enorme. E com a segurança de que tudo estará disponível quando eu precisar.

#4 Tecnologia sempre em dia

Tudo como serviço é sinônimo de tudo sempre atualizado. Fazer um upgrade sem precisar dedicar um orçamento maior a isso.

# 5 O problema deixa de ser meu

Por último, mas não menos importante, está o fato de acabar com as tarefas rotineiras de monitoramento, manutenção e atualização de recursos de TI. E vamos convir que já que tecnologia não é seu core business, transferir essa responsabilidade para uma equipe de especialistas terceirizados é extremamente vantajoso, não só por eliminar investimentos em mão de obra, mas principalmente por reduzir as dores de cabeça. E, claro, contar com uma empresa especializada, agnóstica e com uma visão 360º vai sempre fazer a diferença.

Silnei Kravaski, Diretor Executivo da Planus Cloud, Networking & Services, empresa responsável pelo desenvolvimento do Planus IT 360°, portfólio que ajuda as empresas a prepararem-se para as novas demandas da transformação digital.

Tags, , , ,

Apdata identifica carência em nível de serviço de TI para RH na América Latina

Nos últimos anos, a área de Recursos Humanos registrou mudanças importantes, passando a ter um papel fundamental na geração de resultados das empresas e na tomada de decisão dos executivos.

Em paralelo, fatores como a terceirização da área, a descentralização de informações e requisições de RH e a automatização de processos, também contribuíram para a construção de um novo cenário.

Para atender essa demanda de mercado, a Apdata, empresa de tecnologia, serviço de terceirização e consultoria em RH, criou a solução Global Antares (GA) focada na gestão completa da gestão de pessoas e que tem como principais características a flexibilidade, mobilidade e alta performance a fim de atender da melhor forma as necessidades mais complexas das empresas tanto no Brasil como no mercado internacional, onde constatou que há uma importante carência de fornecedores especializados para atender esse tipo de demanda, prevendo a integração de sistemas da área entre diversos países.

“Quando começamos a conversar com empresas de outros países, notamos que lá fora existe uma carência importante de tecnologias de RH que permitam fácil adaptação às políticas das empresas e legislação local, mantendo um nível de serviço de excelência com um produto verdadeiramente Global. E nesse ponto, o Global Antares se destaca. Por isso, estamos cada vez mais crescendo nossa operação no mundo e principalmente na América Latina”, explica Roberto Bertolo, diretor de negócios internacionais da Apdata.

Hoje em dia, os serviços de terceirização e a solução em tecnologia da Apdata, já são utilizados por empresas multinacionais para atender as necessidades de descentralizar processos e consolidar informações gerenciais que suportem em tempo real as tomadas de decisão global.

Atualmente, a Apdata já mantém importantes clientes internacionais com essa estratégia de serviços globais. Para reforçar ainda mais seu posicionamento no exterior, a Apdata vai participar de dois importantes eventos, o “HR Technology Conference” (http://www.hrtechnologyconference.com/), que acontecerá em Las Vegas em setembro, e o Gartner (https://www.gartner.com/en/conferences/na/symposium-us), que ocorre em outubro, nos EUA.

“Oferecemos soluções Globais para Folha de Pagamento e Gestão de Recursos Humanos e ajudamos também nossos clientes com a administração dos processos de Gestão de Pessoas em uma plataforma única de serviços e tecnologia. Além disso, nossa tecnologia usa conceitos de Inteligência Artificial e Robotização aplicados à automação dos processos de RH”, acrescenta Manoel Rocha, sócio-fundador da Apdata.

Em pesquisa realizada pela Deloitte, a Apdata mais uma vez está em destaque na pesquisa “As PMEs que mais Crescem no Brasil”. A pesquisa tem como fundamento analisar a vida financeira das empresas, bem como a evolução de produtos, serviços e atendimento.

Tags, , , , , ,

Serviceaide e Lenanzotech firmam parceria no Brasil

A Serviceaide, empresa global fornecedora de soluções em gerenciamento de serviços, anuncia sua mais recente parceria, com a Lenanzotech, empresa voltada para soluções de infraestrutura de ponta a ponta, que atendem desde o usuário final até serviços para nuvem privada ou hibrida. Procurando unir o hardware, software e serviços em tecnologias que atendam de forma estratégica as necessidades de seus clientes, a escolha pela Serviceaide deveu-se, em parte, à primeira solução de agente virtual para gestão de serviços com inteligência artificial: a Luma.

Fundada em 2017, em São Paulo e, atualmente, com filiais no Rio de Janeiro e Recife, a Lenanotech conta com uma equipe de profissionais de TI com experiência de quase trinta anos em empresas como Dell, IBM, HP e Tivit. Com uma carteira de clientes que abrange todas as áreas do mercado, além de serviços totalmente focados em ITIL, áreas nas quais a Serviceaide se especializa, a empresa contará com uma equipe comercial e técnica. “Com nossos clientes cada vez mais cientes das vantagens competitivas da inteligência artificial, nossa parceria com a Serviceaide está alinhada diretamente à missão de entregar a melhor forma de automação de TI”, conta Alexandre Hogata, diretor executivo da Lenanotech.

A parceria prevê a venda e utilização das soluções ISM e Luma, da Serviceaide. Focadas em ITIL e inteiramente alinhadas ao gerenciamento de todos os tipos, o ISM é a solução para gestão de serviços completa e robusta, porém de simples administração, que reduz esforços do time de suporte e melhora a experiência do usuário final. Já a Luma, premiada como Inovação do Ano pela Pink Elephant, tem como grande diferencial a compreensão da linguagem natural dos usuários, ou seja, para solicitar ajuda ao agente de TI, não é mais necessário dizer palavras-chave, frases padrão ou acessar um menu telefônico específico. Tudo isso baseado em aprendizado de máquina e recursos de inteligência artificial.

“Iniciamos o desenho da parceria durante o evento do Gartner IODC: Conferência Gartner Infraestrutura de TI e acreditamos fortemente na escolha da Lenanotech como nova parceira. Com soluções movidas pelo core da Serviceaide, ITIL e gerenciamento de soluções de infraestrutura, a Lenanotech vem agregar de forma extremamente positiva nosso portfólio de parceiros”, destaca Daniel Sasajima, diretor para América Latina da Serviceaide.

A Serviceaide, que anunciou a abertura de operação no Brasil e América Latina em junho do ano passado, já conta com uma ampla rede de revendas, com canais parceiros em todo o território, e pretende continuar expandindo sua cobertura ao longo dos próximos meses.

Tags, , , ,

5 vantagens da alocação profissional em TI

Professional Services: Facilidade para expandir o time sem aumentar o Head Count e os custos fixos

Atualmente, um problema enfrentado por empresas que possuem setor de TI é a dificuldade em atrair e reter profissionais qualificados para a área. Isso acontece, principalmente, pela alta demanda de profissionais no mercado, além do fato de que muitos jovens veem no empreendedorismo uma nova oportunidade, optando por abrir suas próprias empresas.

Para solucionar esses e outros problemas, está cada vez mais comum a contratação de serviços de outsourcing para tecnologia da informação, que consiste na escolha de um fornecedor especialista na área de TI, com o intuito de alocar equipes de desenvolvimento no cliente, sob à gestão da empresa especializada em tecnologia da informação.

O Diretor de Gestão e Professional Services, da CINQ, Edson Althoff, conta-nos sobre o diferencial competitivo da alocação profissional em TI: “Nosso grande diferencial é o acompanhamento que fazemos junto aos colaboradores que estão prestando os serviços dentro das instalações dos nossos clientes. É muito importante que eles se sintam parte do time CINQ e, para isso, a coordenadora da área, Stephanie Garbelotti Lemos, faz reuniões com frequência determinada, para que possam alinhar toda e qualquer questão relacionada a expectativas, ambiente de trabalho, bem como outras necessidades diversas. Outro ponto importante, que também considero como diferencial, são as reuniões de feedback feitas com os nossos clientes através dos gestores dos recursos que estão alocados. Nessa oportunidade, buscamos entender se o profissional está atendendo a expectativa do cliente, bem como se existe alguma oportunidade de melhoria para o mesmo. ”

Essa tendência de outsourcing já vem sendo protagonizada há 26 anos pela CINQ Technologies, empresa do setor que oferta o serviço de Professional Services, recrutando profissionais qualificados para projetos e demandas específicas do cliente. Neste ínterim, a empresa aponta algumas vantagens da alocação profissional em TI:

1 – Foco em seu negócio: com a alocação de serviços de TI, os empresários e profissionais podem focar em atividades de desenvolvimento e crescimento do core business da empresa.

2 – Redução de custos: uma empresa especializada em TI consegue proporcionar serviços mais eficientes e com maior qualidade, bem como velocidade na utilização de novas tecnologias.

3 – Profissionais multidisciplinares: ao terceirizar, a empresa contratante conta com a convicção de que terá à disposição o profissional certo para determinado projeto, contanto com uma gama de conhecimento em diferentes ferramentas. Isso evita que seus profissionais não diversifiquem seu conhecimento a ponto de perderem a utilidade quando a tecnologia que dominam cair em desuso.

4 – Reduzir dificuldade com busca de profissionais: além de se preocupar com a busca pelo profissional mais adequado para a realização da atividade desejada, o serviço de outsourcing se preocupa com a gestão dessas pessoas, realizando acompanhamentos de desempenho.

5 – Não sobrecarrega o quadro: com a contração de serviços terceirizados, o quadro empresarial poderá focar em atividades estratégicas, valorizando o negócio principal da empresa, sem se preocupar com funções secundárias, os funcionários terão mais tempo para se dedicar ao que realmente interessa.

“Trabalhar na CINQ durante estes anos tem me proporcionado a oportunidade de atuar nos mais inovadores e desafiadores projetos. Desde o início sempre estive alocado em clientes e isto me proporcionou conhecer as mais variadas realidades, pessoas, tecnologias, necessidades e culturas, o que me levou a um crescimento profissional, técnico e pessoal gigantesco. A flexibilidade, a assistência e a proximidade entre colaboradores e gestão proporcionadas pela CINQ compõem um ambiente agradável e forte para se trabalhar e trazem essa segurança de fazer parte de algo sólido e maior” (Luiz Guilherme Heming, Analista de Desenvolvimento da CINQ, profissional alocado na Telefônica).

Para colaborar com empresas de diversos segmentos com profissionais especializados e qualificados nas principais plataformas e tecnologias de software, a CINQ Technologies conta com uma equipe qualificada de recrutadores, que estão sempre observando as tendências do setor e procurando os melhores profissionais. Conta também com um Programa chamado CINQTECH, que visa à aceleração do aprendizado tecnológico e é composto de nove iniciativas, que promovem três pilares: explore (explorar), learn (aprender) e develop (desenvolver) e já foi eleita por sete anos consecutivos como uma das Melhores Empresas para se Trabalhar do Brasil, pelo Great Place to Work.

Por fim, os profissionais alocados pela CINQ contam com um diferencial importante que é a experiência dos demais colaboradores da empresa e toda a base de conhecimento acumulada. Por se tratar também de uma empresa de projetos de software, os profissionais alocados podem consultar, a qualquer momento, os especialistas da CINQ nas várias linguagens e plataformas. Este é mais um ponto que gera em todos os colaboradores da empresa um senso de pertencimento e atitude colaborativa.

Para mais informações sobre o serviço de Professional Services da CINQ: https://www.cinq.com.br/professional-services/

Tags, , , , ,

Investimentos dos bancos em tecnologia somam R$ 19,5 bilhões em 2017, com crescimento acima da média mundial

Os investimentos e despesas em tecnologia no Brasil feitos pelo setor financeiro em 2017 somaram R$ 19,5 bilhões, um aumento de 5% em relação ao ano anterior. Em dólares, a alta (também afetada pela forte variação cambial do período) foi de 15%, acima da média mundial de 3,6% segundo dados da Gartner. Esse resultado é uma das novidades da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2018 da FEBRABAN, realizada pela Deloitte, divulgada hoje. O estudo, já em sua 26ª edição, traz uma radiografia e tendências do comportamento do setor financeiro no que se refere aos investimentos e uso da tecnologia, bem como a relação dos consumidores com os canais de atendimento.

Quando comparado a outros setores, o setor financeiro compartilha a liderança dos investimentos em tecnologia com o governo, que, historicamente, é o segmento de mercado que mais investe nessa área. As transações bancárias em 2017 somaram 71,8 bilhões, com alta de 10% ante os 65,4 bilhões de 2016. “A indústria bancária brasileira segue robusta, madura e comprometida com os avanços tecnológicos presentes na sociedade”, afirma Gustavo Fosse, diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da FEBRABAN.

Todo esse processo vem sendo reforçado pelo alto volume de recursos destinados pelos bancos ao setor. Os investimentos com software, que avançaram 15% em relação a 2016, representam metade do orçamento dos bancos em tecnologia. Hardware consumiu 32% dos investimentos, e telecom, 18%.

O executivo chama atenção para o desempenho do mobile banking, que reflete “o investimento maciço da indústria em usabilidade e oferta de novos serviços”. Os números desta 26ª edição da Pesquisa comprovam: as transações com movimentação financeira por aplicativos de celular saltaram 70%, impulsionadas pelo crescimento do pagamento de contas (+85%), transferências/DOC/TED (+45%), contratação de crédito (+ 141%) e investimentos/aplicações (+42%).

No total, foram realizadas 25,6 bilhões de transações através do canal mobile no último ano – alta de 38% em relação a 2016 – o equivalente a 35% de um universo de 71,8 bilhões de operações. A participação do mobile no total das transações bancárias cresceu 3,5 vezes em relação a 2011, confirmando-se como o preferido dos brasileiros para realizar operações bancárias.

Se os números envolvendo o mobile são expressivos, o fato é que ointernet banking também registrou avanço, modesto, porém significativo, no consolidado geral: foram 15,8 bilhões de transações (+2%) por esse meio. O número de transações com movimentação financeira aumentou 6%, de 3,4 bilhões de operações em 2016 para 3,6 bilhões em 2017. Juntos, mobile e internet banking contabilizam 5,3 bilhões de operações com movimentação financeira em 2017. No geral, os dois canais têm 58% de participação no total das operações (com ou sem movimentação financeira).

Não há dúvidas de que a indústria bancária vem atuando como indutora no uso dos meios digitais. Um item apontado pela Pesquisa foi o maior ritmo de adoção de agências pelo conceito digital, com atendimentos por meio de chats, telefone, e-mail ou videoconferência. O número dessas agências triplicou em relação a 2016: são 373 agências em 2017, ante 101 do ano anterior.

Canais tradicionais

Em 2017, o número de agências tradicionais teve uma ligeira queda. Em função das recentes aquisições, os bancos eliminaram as sobreposições existentes na rede bancária. Além disso, com o avanço dos meios digitais, as agências passam por uma readequação do seu modelo tradicional de negócio e adquirem um papel mais consultivo, com funcionários preparados para atender as novas necessidades e questionamentos trazidos pelos clientes.

O número de postos especializados de atendimento bancário (PABs) teve um leve aumento, de 3%, em 2017, enquanto o número de postos de atendimento eletrônico (PAEs) teve um movimento oposto, com uma leve queda de 6%. Assim, como nos anos anteriores, a rede de ATMS também teve uma ligeira queda em 2017.

A Pesquisa e a metodologia adotada

Realizada há 26 anos pela FEBRABAN, em 2018, a Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária foi desenvolvida em parceria com a Deloitte e contou

com a participação de 24 bancos, que representam 91% dos ativos dessa indústria no País. O estudo foi feito por meio de um questionário online aplicado às instituições financeiras, entrevistas com especialistas, consolidação de dados públicos e também com pesquisas internacionais da Deloitte, para ampliar e aprofundar a análise dos dados.

“Os resultados da Pesquisa da Deloitte destacam que o DNA de transformação digital dos bancos consiste na exploração constante de novas tecnologias, tendo um objetivo em comum: uma melhor experiência para os clientes”, finaliza Paschoal Pipolo Baptista, sócio-lider de Banking & Capital Markets da Deloitte.

Para conferir a apresentação completa da pesquisa, acesse esse link. O relatório completo será lançado no CIAB FEBRABAN 2018, que acontecerá entre os dias 12 e 14 de junho (mais informações em www.ciab.org.br).

Tags, , , , , , , ,

Regulação das Fintechs de crédito traz confiança ao mercado, declara ABFintechs

O Conselho Monetário Nacional (CMN) acaba de anunciar a regulamentação das fintechs (empresas de tecnologia financeira) do segmento de crédito. Para a ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs) – que formou um grupo de trabalho específico para responder a Consulta Pública do Banco Central do Brasil para a criação das resoluções nº 4.656, 4.657 e 4.658 – a regulamentação tende a dar maior segurança e credibilidade às operações das fintechs de crédito. “O processo de co-criação da legislação adotado pelo Banco Central é muito bem visto pelas fintechs. Enxergamos a legislação como um apoio e reconhecimento à inovação das fintechs e ao seu poder de auxiliar a população a acessar serviços financeiros de qualidade e a custos mais acessíveis”, afirma Mathias Fischer, Diretor de Regulação da ABFintechs.

Nos últimos meses, a Associação realizou mais de seis reuniões, por meio de seu grupo de trabalho, e contou com a participação de 32 fintechs e a assessoria do Escritório Mattos Filho Advogados. “Nosso diálogo com o Banco Central tem sido positivo desde o princípio, portanto acreditamos que a regulação, de forma geral, gere maior respaldo aos negócios das fintechs de crédito, fomentando uma competição mais saudável no mercado. Apesar das fintechs atuarem legalmente, as regras existentes até então não haviam sido criadas especificamente para elas. Agora será possível operar de maneira regulada e sob a supervisão do Banco Central, o que gera maior confiança a todos os envolvidos no negócio”, complementa Fischer.

A Associação também está formando um novo grupo de trabalho para discussão das obrigações que estas empresas passarão a ter. “Com a nova regulação as fintechs de crédito passarão a ser enquadradas como instituições financeiras, com isto haverá necessidade de divulgação de dados para o Banco Central, o que é importante para a manutenção da solidez de nosso sistema, mas pode trazer custos adicionais para as fintechs”, afirma o Diretor de Regulação da ABFintechs.

A Associação irá conduzir análise detalhada da aceitação de suas sugestões irá se posicionar caso entenda que haja necessidade de ajustes na norma.

Tags, , , , , , ,

SONDA nomeia diretor de negócios para liderar nova estrutura comercial

Como parte do seu planejamento estratégico para o triênio de 2018 a 2020, a SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de Tecnologia, acaba de criar a estrutura comercial denominada General Business, que será liderada pelo recém-contratado Luiz Estevam.

A nova diretoria se reportará diretamente a Jorge Toda, vice-presidente de vendas da SONDA e tem entre as principais atribuições a atuação em novos clientes, bem como a expansão da companhia no interior do Estado de São Paulo.

“Vamos trabalhar com companhias de médio e grande portes de todos os segmentos de mercado, priorizando a nossa estratégia de atuação em verticais como Varejo, Finanças, Serviços, Agronegócios e Indústrias & Manufatura. Hoje, atuamos em Ribeirão Preto e estamos expandindo para Campinas com um time local que conhece as estratégias e necessidades das empresas nessas regiões”, explica Estevam.

Com 20 anos de atuação no setor de TI, tendo passado pela diretoria de novos negócios de consultorias de TI e pela diretoria comercial e de alianças da Sage, a bagagem que Estevam traz para a SONDA contempla experiências alinhadas com o portfólio e os diferentes mercados de atuação da integradora.

“O mercado brasileiro atingiu a maturidade na demanda de serviços de TI. Isso significa que as empresas passaram a buscar eficiência e eficácia em suas operações a partir do controle de custos, da melhoria de performance e da otimização de processos. A SONDA possui soluções e experiências que apoiam muitas empresas na América Latina justamente neste pontos, podendo facilmente replicar boas práticas em outras empresas”, finaliza Estevam, que é formado em Gestão Empresarial com ênfase em gestão de Negócios pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Tags, , , , , ,

Integração de ofertas e fortalecimento da marca são os alvos da SONDA em 2018

Plano de investimento anunciado pelo novo CEO do Grupo SONDA no Brasil, Affonso Nina, durante o Kick-Off Meeting 2018 prevê a ampliação da oferta por meio das operações presentes no País, além de um conjunto de ações que repaginam a companhia a partir da nova liderança

O anúncio da estratégia para os próximos três anos, que envolve a maior integração das operações presentes no País e no fortalecimento de sua marca, bem como a apresentação do plano de investimentos para 2018, foram os temas apresentados pela SONDA, maior companhia latino-americana de soluções e serviços de Tecnologia, durante seu Kick-Off Meeting Brasil 2018, o primeiro que reuniu os times de gestão e de vendas de todas as empresas do grupo presentes no País: Sonda IT, CTIS, Sonda Ativas e PARS.

O evento, sob o comando do novo CEO da SONDA no Brasil, Affonso Nina, foi palco para a apresentação de uma série de medidas que estão repaginando a companhia e sua atuação em território nacional. A nova estrutura organizacional traz uma maior integração comercial e operacional das quatro empresas do Grupo no Brasil, visando o total compartilhamento do amplo portfólio de produtos e serviços e da grande base de clientes. O novo modelo busca também levar aos clientes soluções de TI alinhadas às suas demandas de negócio, com maior conteúdo consultivo, transformacional e inovador.

A criação de áreas que intensificam os conceitos de integração de soluções, segmentação por indústrias, inovação e full outsourcing, assim como a reorganização de algumas posições para aproveitar o know-how do time executivo, também são ações previstas que objetivam desenvolver novos negócios e ampliar a atuação na base de clientes, que conta com aproximadamente cinco mil empresas na América Latina.

Para selar todas as estratégias apresentadas, o evento contou com a participação de executivos vindos da matriz chilena da SONDA, como Raúl Véjar, CEO global do Grupo SONDA, Alberto Merino, Diretor de Desenvolvimento Comercial para a América Latina, e Roberto Jana, Diretor Corporativo de Recursos Humanos, corroborando a confiança da corporação nas iniciativas planejadas para o Brasil.

Para Affonso Nina, a nova fase da SONDA Brasil somada à retomada da economia são fatores que irão alavancar o desenvolvimento de novos negócios, que serão pautados por projetos de inovação e de transformação das empresas. “As oportunidades presentes no mercado, que envolvem a ampliação dos investimentos pelas empresas privadas, o incremento da demanda do setor público, assim como os movimentos internos das companhias para buscar parceiros de negócios para suas demandas contribuirão para o alcance de nossa meta em 2018”, finaliza Nina.

Tags, , , , , ,

T-Systems Brasil tem nova head para o setor automotivo

A T-Systems Brasil, provedora alemã com amplo portfólio de soluções digitais e serviços de TI, acaba de anunciar sua nova head da indústria Automotiva. Desde o dia 22 de janeiro, a área está sob o comando de Flávia Spadafora Ferreira de Castro.

Com mais de 20 anos de experiência no mercado de Tecnologia da Informação e forte conhecimento na área comercial, a executiva substitui Camilo Rubim, que deixou a companhia.

Flávia iniciou sua carreira em 1994 na KPMG e acumulou vasta experiência com passagens por empresas como IBM e Gartner. Sua última posição, antes de se unir ao time da T-Systems Brasil, foi de diretora regional do Gartner para São Paulo e São Paulo interior, onde liderou um time de vendas que cobriam os segmentos de indústria, manufatura, varejo, bens de consumo, construção e saúde.

“Contamos com esta experiência para gerenciar um time de profissionais seniores em vendas e serviços, focados em uma vertical extremamente importante para a T-Systems em nível global e local”, afirma Ideval Munhoz, presidente da T-Systems Brasil.

“Nossa missão é entender o negócio e os desafios de tecnologia de nossos clientes, atuando com as áreas de TI para que seus objetivos sejam superados com sucesso. Com isso, a TI se torna um ativo estratégico para as empresas serem cada vez mais competitivas”, ressalta Flavia.

Casada e com dois filhos, Flavia é formada em Administração pela FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), com Pós-Graduação em Marketing pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) e MBA Executivo pela Business School São Paulo.

Tags, , , , , , , ,