Category reconhecimento facial

Estudo da Convenia revela baixa digitalização do RH em empresas brasileiras

Muito se fala sobre o RH deixar de focar em atividades mecânicas e operacionais para ser cada vez mais estratégico, principalmente ao contar com a tecnologia como aliada. Segundo mapeamento recente realizado pela Liga Insights HR Techs somente no Brasil há 274 startups entregando soluções para as áreas de RH e suas operações na tentativa de tornar o setor mais digital.

Estudos como o Robotic Process Automation for HR and Payroll, da consultoria Ernst & Young revelam que os processos realizados pelo RH ao ser automatizados com softwares específicos, por exemplo, podem ser otimizados em até 65% e reduzir custos entre 50% e 70%

Mesmo assim, uma pesquisa realizada pela Convenia , empresa com soluções voltadas para automatização do departamento pessoal, apontou que poucas companhias utilizam recursos tecnológicos para digitalizar a área de Recursos Humanos. O estudo, realizado com cerca de 200 profissionais de pequenas e médias empresas, ouviu gestores, supervisores, assistentes diretores, CEOs e estagiários.

Os dados mostram que 67% dos entrevistados não utilizam nenhuma plataforma para realizar pesquisa de Clima Organizacional, por exemplo. Outros 54,90%, não usam ferramentas digitais para a gestão de benefício ou para realizar processos de recrutamento e seleção (44%), e 35,70% dizem o mesmo a respeito da gestão de processos na área de Departamento Pessoal.

Já para a comunicação interna, o cenário é mais animador, sendo a área mais digitalizada das empresas, porém ferramentas especializadas ainda não são predominantes. Cerca de 36% afirmam utilizar o WhatsApp para finalidade, enquanto outras apostam no Slack (13,20%) e no Skype (10,40%).

A pesquisa ainda apresentou uma escala de 0 a 10, para que fossem dadas notas de 0 para um RH nada digital e 10 para totalmente digital; a média ficou em 5,29. O dado mostra que apesar de alguns profissionais fazerem o uso de tecnologias no dia a dia, ainda não é o suficiente.

Para Marcelo Furtado, CEO da Convenia, o RH passou a ser um dos principais responsáveis pela experiência do colaborador nas empresas nos últimos anos, afetando diretamente a atração e retenção da mão de obra e, consequentemente, os resultados dentro das organizações. “Além de mudanças significativas na cultura organizacional, nos espaços físicos de trabalho e na relação empresa-funcionário, a tecnologia tem um papel essencial para transformar esta experiência em algo positivo. Com certeza, nos próximos anos veremos uma revolução digital na área”, avalia o empreendedor.

SulAmérica Saúde inova com acesso por biometria facial em aplicativo

A SulAmérica, maior seguradora independente do País, apresenta uma funcionalidade inovadora no aplicativo SulAmérica Saúde: a biometria facial para acesso à plataforma. A companhia é a primeira operadora do mercado a adotar a tecnologia para essa finalidade e, com isso, pretende garantir conveniência e segurança ao cliente.

Em um processo rápido, a biometria facial consegue reconhecer o rosto do segurado, independentemente de expressões faciais, uso de óculos ou barba, por exemplo. Para utilizá-la, é necessário contar com a versão mais recente do app. A novidade já está disponível para parte dos clientes e em breve será expandida para todos os segurados da SulAmérica Saúde.

“Pensamos na tecnologia como uma aliada para surpreender o cliente e facilitar seu cotidiano. Temos disponibilizado soluções pioneiras em nossos aplicativos e hoje podemos dizer que os segurados de Saúde contam com um dos apps mais completos e inovadores do mercado”, afirma o vice-presidente de Estratégia Digital, Inovação e Tecnologia da SulAmérica, Cristiano Barbieri.

O aplicativo SulAmérica Saúde combina tecnologias disruptivas de inteligência artificial e cognitiva para oferecer serviços de atendimento ao cliente via chat e de solicitação de reembolso para consultas de até R$ 1 mil por meio do envio de uma foto do recibo, que pode ser feita com a câmera do smartphone. Além disso, com o serviço Médico em Casa, o app permite agendar atendimento médico em domicílio para crianças de até 12 anos e beneficiários a partir de 65 anos em 19 cidades brasileiras.

“Com o acesso por biometria facial, nosso aplicativo transforma a experiência do usuário, tornando o processo de acesso a informações sobre os produtos da SulAmérica ainda mais fácil e dinâmico. Isso, sem dúvidas, agrega valor aos nossos serviços, algo que se reflete na satisfação dos clientes em relação à companhia”, explica o vice-presidente de Operações e Tecnologia da SulAmérica, Marco Antunes.

Startup russa quer acompanhar indivíduos em multidões

Com apenas 3 anos de mercado e já líder mundial em velocidade e precisão de reconhecimento facial por software, a startup russa NtechLab se prepara para mais um passo gigante no uso de Inteligência Artificial.

O novo movimento da empresa é o lançamento de uma solução combinando tecnologias de detecção de silhuetas humanas e de reconhecimento facial. Ao somar as especialidades nas quais vem sendo premiada em todo o mundo, a NtechLab pretende apresentar um sistema para elevar a 100% a precisão na identificação de uma pessoa por meio de imagens captadas por câmeras de vídeo comuns.

A startup ainda não diz quando a nova solução será mostrada a público mas, considerando as últimas movimentações da marca, deve ser em breve. O novo sistema de IA terá acuracidade para, independente do ângulo de visão da câmera, fazer o reconhecimento facial até mesmo de pessoas que venham a cobrir os rostos ou virar as costas para os pontos de captação de imagens de vídeo.

Além da acuracidade, a nova tecnologia tem outros objetivos bem claros. Um deles é o de acompanhar os movimentos de indivíduos, determinando suas rotas e prevendo tendências de ações, algo de alto impacto para identificar fluxos de clientes em lojas, shoppings ou aeroportos, entre outros locais de grandes afluxo de público. Outra área a ser impactada é a de segurança pública: alguém procurado pela polícia pode ser seguido virtualmente pela IA da NtechLab até que as forças de segurança possam contê-lo.

As soluções da NtechLab podem ser conhecidas no hotsite em português, para o Brasil, recém lançado em https://findface.pro/br

Sorria, você está sendo reconhecido!

Por Felipe Santos

As conhecidas senhas alfanuméricas estão perdendo cada vez mais espaço. Hoje, as empresas estão investindo em outras formas de segurança, como ferramentas biométricas, leitura da íris e reconhecimento facial… Esta última, forma de autenticação digital baseada nos traços dos rostos, vem sendo amplamente pesquisada e desenvolvida para os mais diversos propósitos. É certo que a tecnologia ficará cada vez mais acessível e fará parte do cotidiano das pessoas. Tanto que alguns smartphones já são capazes de reconhecer os rostos de seus usuários para que sejam desbloqueados.

A difusão da tecnologia se intensificou depois que as gigantes Amazon e Google começaram a implementar algoritmos de deep learning (aprendizagem profunda), que hoje chegam a 80% de assertividade e, quando calibrados corretamente, podem chegar a 97%, com o aprendizado contínuo. E o mercado está de olho nesse movimento tecnológico. O reconhecimento biométrico deverá alcançar US$ 30 bilhões em 2021, segundo estimativas da ABI Research. Dados da consultoria de tecnologia Tractica apontam que só com reconhecimento facial as empresas esperam faturar US$ 882 milhões até 2024.

No Brasil, alguns setores estão em estágio avançado quanto ao uso do reconhecimento facial. O setor financeiro é um dos que mais investem. Alguns dos grandes bancos do país – Original, Itaú e Bradesco – já estão em teste para esse formato de autenticação de clientes, que é hoje um dos mais seguros para realizar qualquer tipo de transação. Mas outros segmentos, como bens de consumos, segurança e saúde, também irão aderir à tecnologia.

Entretanto, a solução ainda deve demorar para chegar ao dia a dia das pessoas. Para a implementação em larga escala, é necessário uma infraestrutura completa, que envolve um ambiente muito bem estruturado, com internet realmente rápida e equipamentos de alta qualidade.

Já a adaptação dos usuários ao novo, com o tempo e com a evolução da tecnologia, certamente será algo natural. Ainda nos parece estranho pegar o smartphone e focar no rosto para realizar uma verificação de transação. No entanto, é só parar e pensar que há 10 anos ninguém tirava selfies.

Além das companhias privadas, governos também estão adotando o reconhecimento facial em áreas estratégicas, como segurança. Um exemplo é a China, que está usando a tecnologia para identificação de suspeitos, mas ainda precisa de ajustes para evitar erros.

Mesmo com tantas dúvidas e incertezas sobre a eficiência do reconhecimento facial, a tecnologia deve evoluir rapidamente, tornando-se um importante recurso de segurança e usabilidade, trazendo praticidade para as atividades rotineiras.

Felipe Amaral dos Santos, Head Of Products na ilegra, empresa global de negócios e tecnologia

Delta implementa embarque por reconhecimento facial no aeroporto de Detroit

A partir deste mês, a Delta e a alfândega dos Estados Unidos (CBP – Customs and Border Protection) começam a usar o primeiro teste de embarque biométrico do DTW, com base na experiência de vários anos dos projetos piloto no aeroporto internacional Hartsfield-Jackson de Atlanta e no aeroporto John F. Kennedy.

Os clientes viajando a partir do portão A36 podem optar por embarcar na aeronave usando a tecnologia de reconhecimento facial. Para participar*, basta se aproximar da câmera, aguardar a captura da imagem, receber o comprovante e, em seguida, embarcar. Além de não exigir o cartão de embarque ou o celular para embarcar, o teste também facilita o engajamento dos agentes de embarque com os clientes. Se algum cliente não quiser participar, basta informar ao agente de embarque e usar o cartão de embarque ou o telefone celular.

“A expansão da tecnologia de reconhecimento facial para este aeroporto internacional e hub da Delta é uma evolução natural depois das melhorias que fizemos nessa opção de embarque em parceria com a CBP”, disse Gil West, COO da Delta. “Esta nova fase nos permitirá obter ainda mais feedbacks de clientes e funcionários, além de ser outro exemplo de como a Delta fornece as experiências inovadoras que os clientes esperam de grandes marcas.”

Atualmente, este teste está disponível em um voo por dia, onde os clientes também podem experimentar o A350 da Delta e a nova Delta One Suite. Nos próximos meses, estará disponível em todos os voos internacionais que saírem por esse portão.

Nos últimos anos, a Delta se tornou líder do setor em uma série de soluções para o cliente, como check-in biométrico opcional em todos os Delta Sky Clubs domésticos, manuseio de bagagens com tecnologia RFID, check-in e rastreamento de bagagens automáticos via aplicativo móvel Fly Delta, uma aliança que fornecerá aos clientes conectividade na cabine, faixas de identificação automatizada high-tech e mais eficientes, além de um aplicativo inovador que ajuda os pilotos da Delta a evitar turbulência, promovendo voos mais confortáveis. A Delta foi escolhida uma das empresas mais inovadoras do mundo de 2018 pela revista Fast Company, ficando com a sexta colocação entre as companhias de viagem.

*Os passageiros devem ter seu passaporte disponível no momento do embarque e sempre devem trazer seus passaportes em viagens internacionais para uso em outros pontos de verificação durante a viagem.

Tags, , , , ,

SPC Brasil lança tecnologia de reconhecimento facial para prevenção a fraudes no comércio

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) anuncia o lançamento de uma solução pioneira no mercado de bureaux de crédito: o SPC Reconhecimento Facial. A tecnologia, que no Brasil já é adotada no check-in de companhias aéreas e em dispositivos celulares, agora passa a ser realidade nos processos de concessão de crédito de todo o país.

Grande aliada do comércio, a nova ferramenta também possui a vantagem de proteger os consumidores de pessoas má intencionadas. Nos últimos anos, o roubo de dados ou de identidade tem crescido exponencialmente, causando prejuízos ao setor. Um termômetro disso é que sete em cada dez empresas são atingidas por fraudes, segundo dados da consultoria americana Kroll.

“Buscamos oferecer um sistema altamente sofisticado aos lojistas que passam a evitar perdas e se prevenir de forma mais eficaz, ao mesmo tempo em que proporciona maior segurança aos seus clientes”, destaca Nival Martins, superintendente de bureau de crédito do SPC Brasil.

O lançamento do SPC Reconhecimento Facial reforça a visão inovadora da empresa no uso de tecnologias de ponta, que atua há mais de 60 anos no mercado de crédito para atender às suas necessidades de negócio. A expectativa é de que já no primeiro ano de operação 3 milhões de faces sejam cadastradas na base do SPC Brasil.

Para Martins, um dos diferenciais do SPC Brasil é que nas consultas feitas pelos estabelecimentos será possível acessar informações do cliente para uma análise mais completa de crédito, como dados cadastrais do consumidor, informação de inadimplência, protesto, histórico de consultas realizadas e score de crédito (probabilidade de a pessoa ficar inadimplente ou não), por exemplo, em conjunto com as análises do reconhecimento facial, tornando, assim, um dos produtos de consulta de crédito mais completos do mercado para o combate de fraudes.

O mecanismo de evitar fraudes é feito por meio da validação das capturas das faces via webcam que compõe o processo de compra, confrontando com as faces dos consumidores em uma base compartilhada com outras empresas do setor. Com isso, a ideia é acelerar os processos de validação e garantir a segurança da transação.

Como funciona?

Uma câmera instalada no estabelecimento comercial captura o rosto do cliente e o registro é enviado ao sistema de Reconhecimento Facial do SPC Brasil que fará a leitura detalhada de seu rosto e codificará essas informações em uma sequência numérica digital — por exemplo, o formato dos olhos, tamanho da boca, contorno do rosto, etc. A sequência é anexada ao cadastro da pessoa e arquivada em um banco de dados, tornando-se a sua identidade para o sistema.

Quando utilizada para comprovação de identidade, a consulta ao seu cadastro biométrico será feita com uma nova captura do seu rosto e o sistema irá cruzar os dados em busca dos padrões registrados para verificar sua autenticidade. Como o conjunto de medições do rosto é único para cada pessoa, a performance da biometria facial é elevada e sua assertividade próxima dos 99,5%.

Durante a fase de testes, utilizando o atendimento real de cinco lojistas — três no Nordeste, no Sul e outro no Centro-Oeste—, o SPC Reconhecimento Facial conseguiu identificar e prevenir fraudes — que gera um custo médio de R$ 8 mil por incidência.

Tags, , , , , ,

Tecnologia de reconhecimento facial auxilia consumidores na hora do check-in em aeroportos brasileiros

Trazer mais agilidade ao check-in e inovação para seus consumidores foram motivações que há cerca de um ano, levaram a GOL Linhas Aéreas Inteligentes a entrar em contato com a startup brasileira de reconhecimento facial FullFace. Juntas, as empresas implementaram o Selfie Check-In, processo de confirmação de reservas pelo celular, por meio de uma “selfie” do passageiro. A solução da startup brasileira, desenvolvedora de uma tecnologia proprietária de reconhecimento da face, faz a companhia somar atualmente mais de 500 mil clientes cadastrados. Em um ano, foram realizados mais de 1 milhão de processos de Selfie Check-In.

A GOL é a pioneira no mundo em oferecer esta opção aos passageiros de voos domésticos ou internacionais. “O reconhecimento facial já é uma opção em todo e qualquer lugar que seja necessário a identificação do usuário. A FullFace tem a tecnologia que torna viável a utilização de forma segura e eficiente, em ambientes web, mobile e físicos, para que empresas quebrem paradigmas e busquem novas opções de identificar seus usuários de forma segura, ágil e inovadora”, explica Danny Kabiljo, CEO da startup.

Kabiljo ressalta também que o reconhecimento facial é uma tecnologia eficiente e de fácil integração, uma vez que basta uma câmera de celular ou webcam para viabilizar a identificação de uma pessoa, podendo assim ser aplicada em qualquer setor e de forma integrada em todas os meios utilizados pelo mesmo.

“Trabalhamos com o desenvolvimento interno e criamos um time que observa tudo o que as startups do mercado estão fazendo. Vimos que a FullFace já tinha esta tecnologia que abreviaria nosso tempo de lançamento do produto. Foi um trabalho a quatro mãos: algoritmo da FullFace junto ao nosso desenvolvimento do aplicativo”, explica Paulo Palaia, diretor de tecnologia da GOL.

A leitura dos pontos do rosto se dá pela estrutura óssea, ou seja, informações superficiais como barba ou maquiagem não alteram o resultado final da checagem. Ao invés de uma foto, é gerado um código com cerca de 16 mil caracteres, como um CPF facial, o que garante segurança e privacidade aos dados do cliente. Nenhuma outra companhia aérea no mundo possui esta tecnologia.

Tags, , , , , ,

Acesso Digital implementa biometria facial no Nubank

A tecnologia da Acesso Digital, empresa que possui a maior base nacional privada de faces cadastradas, começou a realizar a identificação das tentativas de falsidade ideológica dos clientes Nubank durante o processo de solicitação de cartão de crédito. Isso dá mais uma camada de assertividade ao processo de verificação antifraude do Nubank, que é hoje um dos mais seguros e efetivos do mercado.

“A biometria facial agrega mais uma esfera de segurança e melhorias na nossa operação, sem ter qualquer impacto na experiência do usuário. Do ponto de vista do cliente, o processo de solicitação do cartão continua simples, rápido e transparente”, garante Guilherme Wunsch, que lidera a área de prevenção a fraudes do Nubank. “Com isso, reduzimos a negativação indevida e melhoramos ainda mais a experiência de nossos clientes”, completa.

A biometria facial torna-se uma solução complementar às ferramentas internas de inteligência de dados baseadas em modelos matemáticos que o Nubank já possui. A tecnologia da Acesso confronta as faces dos clientes em uma base compartilhada entre as maiores fintechs, varejistas e bancos do Brasil. “O AcessoBio otimiza a segurança e o resultado dos clientes de maneira simples e eficiente, além de proteger o nome dos brasileiros”, aponta o CEO e fundador da Acesso Digital, Diego Martins.

A solução já está em operação no Nubank e os novos clientes já estão sendo validados pelo AcessoBio. Garantindo uma captação de clientes muito mais segura.

Tags, , , , , , , ,

Ingresso Rápido implementa sistema biometria facial

A Ingresso Rápido, maior marketplace de tickets e entretenimento ao vivo da América Latina, iniciou a implementação de um sistema de biometria facial nas transações realizadas pelo site e App. O sistema da Acesso Digital, empresa de tecnologia focada em soluções digitais que possui a maior base nacional de faces biométricas cadastradas, deverá aumentar a conversão de vendas e inibir fraudes, segundo os testes realizados no início de 2018.

A biometria facial evita fraudes por meio da validação das selfies que compõe o processo de compra de ingressos, confrontado as faces dos consumidores em uma base compartilhada entre os maiores varejistas do Brasil. Hoje, todo brasileiro que solicita um crédito ou compra um celular em algum dos clientes da Acesso Digital, gera um novo cadastro para essa base.

“A Ingresso Rápido busca constantemente formas de melhorar a experiência de compra dos clientes, prezando sempre pela segurança. Acreditamos que a biometria facial da Acesso Digital garantirá tranquilidade aos clientes na compra, além de impulsionar muitos outros projetos que estão por vir”, afirma o Gerente de Finanças e Pagamentos da Ingresso Rápido, Murilo Mascaro.

O uso da biometria facial no e-commerce para melhora da segurança e da experiência de compra já é realidade no mundo. O Alibaba, maior e-commerce da China, anunciou recentemente uma tecnologia que permite a compra através de uma selfie (vide vídeo). Já no Brasil, sabe-se que a compra pela internet cresce ano a ano. Segundo o levantamento Total Retail da PwC, apenas 3,4% dos consumidores brasileiros nunca compraram online.

Com o crescimento dos consumidores virtuais, cresce também a fraude e a recusa de clientes. Segundo dados do Mapa da Fraude, nos últimos anos os sites brasileiros contabilizaram entre 3% e 4,3% de fraude nas compras online, números que levam as empresas a investirem em tecnologias antifraude.

Essas tecnologias visam protegem as empresas, porém, no processo de evitar fraudes, muitos dos clientes considerados bons pagadores acabam sendo recusados. O Mapa da Fraude revela que 32% dos clientes que sofrem essa falsa recusa, não voltam a comprar no mesmo comerciante. Com isso, fica evidente que o desafio não está só em evitar a fraude, mas em permitir comprar quem não é uma fraude.

“Aumentar as vendas, evitar as fraudes e melhorar a experiência dos consumidores com tecnologia, são os objetivos da Acesso Digital nesse mercado. A empresa tem hoje a maior base privada de faces do país, compartilhando a solução de biometria facial com os maiores varejistas do mercado, fintechs, bancos, empresas de telecom e outros”, aponta o sócio da Acesso Digital e head do produto Acesso BIO, Marcelo Stuani Zanelatto.

Tags, , , , , , , , , ,

Banco Agiplan lança biometria facial para maior segurança dos clientes

O Banco Agiplan mais uma vez inova e usa a tecnologia como ferramenta para proporcionar maior segurança e comodidade para os seus clientes. O novo recurso é a Biometria Facial, que aumenta ainda mais a segurança no momento da contratação de produtos do Banco.

O processo é simples, a complexidade foi resolvida com software inovador, o cliente tem uma foto capturada para posterior verificação em um banco de imagens. Em questão de segundos, o rosto é escaneado, a foto é analisada e comparada, e o resultado dessa comparação autoriza ou não a transação. E o melhor: já que o conjunto de medições do rosto é único para cada um de nós, a precisão do reconhecimento através dessa tecnologia chega muito perto de 100%.

Marines Bilhar, diretora do Banco Agiplan, explica que a proposta do banco é gerar muito mais segurança e comodidade para os clientes. “O nosso grande objetivo é tornar toda e qualquer concessão de produto no ponto de atendimento muito mais segura. Uma vez que o cliente tem seu cadastro concluído no sistema do Banco Agiplan, a possibilidade de outra pessoa se passar por ele é mínima” afirma.

“O Banco Agiplan foi pioneiro no mercado financeiro brasileiro a utilizar a Biometria Facial e já está implantando a tecnologia para que seja utilizada em todas as contratações de crédito e acesso a conta corrente do Banco”, explica Fernando Castro, Diretor TI.

O resultado da instalação da Biometria Facial é um significativo aumento da segurança nas contratações do Banco Agiplan. A comodidade para quem opera a tecnologia também é destaque, já que basta uma câmera simples para implementá-la, sem necessidade de investimentos em nenhuma outra aparelhagem específica. Com um processo de tecnologia essencialmente digital, eliminamos papéis do fluxo e melhoramos ainda a eficiência da nossa operação. A segurança aumentou, enquanto os custos não subiram.

Tags, , , , , , , , , ,

Santander, Mastercard e Dafiti testam solução de pagamentos online com reconhecimento facial

O Santander, a Mastercard e a Dafiti iniciam os testes do Identity Check Mobile, solução que autentica pagamentos online com o uso da biometria – seja impressão digital ou reconhecimento facial. O objetivo é verificar, de forma simples e segura, a identidade do portador do cartão, sem a necessidade de digitar a senha. O Banco é o primeiro emissor da América Latina a disponibilizar a solução para correntistas e não correntistas.

Neste primeiro momento, aproximadamente 120 mil clientes serão convidados a testar a tecnologia. Mas a expectativa é que a solução esteja disponível direto no aplicativo Way, do Santander, para todos os consumidores já no primeiro semestre de 2018.

Durante o piloto, os clientes irão baixar um app chamado ID Check para Santander e cadastrar seus dados biométricos – com o scanner de impressão digital ou com uma selfie em seu smartphone. Na sequência, farão suas compras normalmente no site da Dafiti com um cartão de crédito ou débito do Santander. Na etapa final, uma notificação será enviada no celular do consumidor para autenticação do pagamento via biometria.

Em geral, os métodos de verificação de identidade atuais em uso levam os compradores para fora do site, e exigem que os compradores insiram uma senha para concluir a compra. O Identity Check Mobile elimina este processo, o que agiliza a experiência da compra digital e aumenta a segurança.
“A autenticação de transações online com o uso de biometria é um passo que nos mantém à frente no processo de transformação digital no mercado de meios de pagamentos”, afirma Rodrigo Cury, superintende executivo de Cartões do Santander.

A tecnologia Identity Check Mobile, lançada pela Mastercard no Brasil em novembro do ano passado, já havia sido implementada em outros 14 países (Estados Unidos, Canadá, Áustria, Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Hungria, Holanda, Noruega, Espanha, Suécia e Reino Unido).

“A Mastercard trabalha para que a experiência de pagamento das pessoas seja a mais simples, segura e inteligentes em qualquer lugar e ponto de venda. Por meio do Identity Check Mobile, a autenticação das compras online é realizada com base nas características físicas e não com informações que ele pode esquecer ou até mesmo perder como senhas e códigos”, explica João Pedro Paro Neto, presidente da Mastercard Brasil e Cone Sul.

“A Dafiti ter sido escolhida para integrar este projeto reforça seu caráter smartfashion, que une moda, tecnologia e inovação, pelo qual prezamos desde o início de sua história. Cada vez mais queremos que nossos clientes tenham acesso à recursos que facilitem sua experiência de compra no e-commerce, trazendo ainda mais comodidade e primando sempre pela segurança do processo”, destaca Phillipp Povel, CEO Dafiti Group e Co-Fundador Dafiti.

Tags, , , , , , , , , ,

A tecnologia por meio da biometria facial

Por José Soares Guerrero

Uma câmera de celular, tablet ou notebook e um software. Isso é o suficiente para a utilização da biometria facial, uma nova tecnologia que tem se tornado tendência na identificação de pessoas em diversos setores. Segundo o Biometrics Research Group, principal fonte de notícias, análises e pesquisas sobre o setor de biometria global, em 2012, 25% do mercado de biometria era focado em reconhecimento facial e de voz. Em 2015, esse número subiu para 33%.

Para contextualizar, a biometria facial pode ser utilizada em qualquer segmento onde seja necessário a identificação, ou seja, bancos em processos de autenticação, sistemas de saúde e laboratórios para reconhecer o cliente, qualquer empresa que necessite identificar o funcionário (controle de acesso e controle de ponto), aeroportos e empresas aéreas, segurança pública, no setor varejista que necessita saber quem é o cliente para fidelizá-lo, entre outros.

Antigamente, essa tecnologia era vista como algo “muito inovador” e as empresas ficavam bem reticentes, principalmente porque era algo visto em filmes e não no dia a dia. Com o passar dos anos, a biometria se tornou uma ferramenta conhecida mundialmente e a resistência a ela diminuiu muito. Costumamos falar que biometria facial já não faz mais parte do futuro, mas sim do presente.

Além disso, o que vemos hoje é que o número de pessoas usando smartphones tem aumentado progressivamente e a biometria facial se encaixa perfeitamente como uma solução mobile de fácil utilização para as organizações. As vantagens dessa tecnologia são inúmeras.

Primeiramente, podemos destacar a comodidade para quem usa, já que basta ter uma câmera simples, como a de um celular ou webcam, sem que a empresa precise investir em nenhuma aparelhagem específica, o que aumentaria os custos financeiros da implementação desse tipo de tecnologia. Além disso, é um processo difícil de falsificar já que conseguimos detectar o liveness, ou seja, se a face que está fazendo a autenticação é uma foto ou não.

Como o conjunto de medições do rosto é único para cada pessoa, outro benefício é a precisão do reconhecimento facial que é sempre muito alta, podendo chegar muito perto dos 100% em alguns softwares disponíveis no mercado. É tão incrível e surpreendente que alguns sistemas conseguem diferenciar até mesmo gêmeos idênticos.

Por fim, afirmo que a biometria facial é uma forte aliada em todos os processos de identificação e autenticação de pessoas. O que falta são as empresas conhecerem um pouco mais sobre os benefícios dessa tecnologia e implementá-la em seus negócios. Tenho certeza que todos irão se surpreender com a precisão do reconhecimento de dados. E aí vai ficar fora dessa?

José Soares Guerrero é um dos fundadores da FullFace, Startup brasileira que criou um sistema de reconhecimento facial que facilmente se integra a hardwares e softwares facilitando processos de autenticação biométrica facial web e mobile.

Tags,