Category pagamentos móveis

Pix vai acelerar a adesão do QR Code no Brasil

Por Rodrigo Petroni


A pandemia do novo coronavírus tem acelerado a adesão de novos meios de pagamentos no país. Se por um lado os brasileiros têm usado o dinheiro físico com menos frequência para evitar que alguma cédula contaminada toque as mãos, dando espaço para os pagamentos por aproximação, por exemplo, por outro, em decorrência das dezenas de shows digitais que estão sendo transmitidos ao vivo pelo Youtube nessa quarentena, a sociedade passou a criar uma certa familiaridade com o QR Code e as carteiras digitais, que realizam transações financeiras com praticidade, agilidade e segurança.


Com a chegada do Pix, ferramenta de pagamentos instantâneos do Banco Central do Brasil (Bacen) marcada para novembro, o mercado financeiro vai passar por uma mudança ainda mais significativa, já que o sistema vai permitir que pagadores e recebedores movimentem o seu dinheiro online para toda e qualquer entidade, empresa e pessoa física cadastrada em até dez segundos, 24 horas por dia, sete dias da semana – inclusive feriados – e com baixo custo. Esse método de pagamento exigirá apenas dados como o telefone, e-mail, CPF ou CNPJ do destinatário ou a leitura de QR Codes pelos smartphones.


Como os novos métodos de pagamentos dependem apenas de um dispositivo móvel, acredito que a inclusão financeira será o próximo efeito da Covid-19 por aqui. E já existem dados que vão na direção do meu pensamento: de acordo com um estudo sobre m-Commerce e m-Payment feita pelo Panorama Mobile/Opinion Box – conjunto de pesquisas periódicas sobre hábitos dos brasileiros no consumo de conteúdos e serviços móveis – em agosto, o número de pessoas que realizaram compras ou pagamentos via celular aumentou de 85% para 91% entre aqueles que acessam a internet pelo aparelho.


O levantamento citado também apurou que, em relação aos meios de pagamento, o QR Code foi utilizado por 48% dos consumidores, ou seja, o mobile payment deixou de ser uma promessa e hoje já é realidade. Faço ainda uma outra observação: tendo em vista que o pagamento por QR Code não exige smartphones caros, a tendência é que ocorra uma grande inserção do público de baixa renda nas operações, uma vez que a quantidade de fintechs que oferecerem esse tipo de pagamento ao custo muito inferior, é enorme.


Vejo que a mobilidade urbana precisa se modernizar e acompanhar as tendências do mercado para poder evoluir. Oferecer novos métodos de pagamento nos ônibus, metrôs e CPTM é de fundamental importância. Atualmente, os usuários de transporte público perdem muito tempo em filas para compra ou recarga de bilhetes. Com a disseminação do pagamento por QR Code, os trabalhadores teriam mais facilidade no dia a dia e ganhariam tempo para se deslocar pela cidade. A tecnologia é uma solução mais democrática e atende a todos, sem distinção.


O nosso país conta com 45 milhões de pessoas que não mexem na conta bancária há mais de seis meses ou que optaram por não ter conta em banco, mas que movimentam cerca de R$ 800 bilhões anualmente, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles serão os grandes beneficiados dos métodos de pagamento que desburocratizam trâmites bancários e rompem barreiras. O Brasil estava precisando dessas mudanças para poder progredir. O caminho ainda é longo, mas demos o primeiro passo.

Tags, , , ,

Mapa da Visa mostra que transações por aproximação cresceram 40% no primeiro semestre de 2020

O uso do pagamento por aproximação tem crescido nos últimos meses, principalmente por conta do trabalho intenso da indústria e do comércio bem antes da pandemia, que acabou por reforçar seus benefícios como segurança e agilidade nas compras realizadas presencialmente. A nova edição do “Mapa dos pagamentos por aproximação do Brasil”, criado pela Visa Consulting & Analytics, consultoria da Visa, mostra esse comportamento, e destaca um crescimento em junho de quase 40% em relação aos números de transações Visa por aproximação em janeiro de 2020.

O uso acentuado tem feito com que a tecnologia por aproximação ganhe mais representatividade frente ao total dos pagamentos eletrônicos no país. Entre janeiro e junho, a penetração praticamente dobrou. Alguns estados como Distrito Federal, Santa Catarina, Amapá, Paraná e Tocantins se destacaram por apresentar uma média de uso da tecnologia superior à média brasileira. No caso do Distrito Federal, teve uma penetração do pagamento por aproximação quase 3 vezes superior ao visto no Brasil.

Disponível em cartões, celulares, pulseiras e outros dispositivos móveis, a solução vem redefinindo a forma de comprar e vender produtos e serviços, principalmente a partir da propagação do coronavírus. Com mais praticidade e segurança tanto para o consumidor quanto para os estabelecimentos comerciais, o uso do pagamento por aproximação é mais rápido e pode ser mais higiênico, em alguns casos bastando apenas aproximar o dispositivo da maquininha, evitando assim qualquer contato físico.

O crédito por aproximação ainda é maioria, concentrando 65% das transações Visa em junho, com um ticket médio de gastos de R﹩ 86. Porém, nota-se um crescimento do débito por aproximação maior a cada mês, mais que dobrando se compararmos os resultados de junho e janeiro de 2020. Essas transações registraram um ticket médio em torno de R﹩ 46 em junho. Segundo análise do time da Visa Consulting & Analytics, isso demonstra que o brasileiro passa a ter mais clareza dos benefícios do pagamento por aproximação ao utilizá-lo cada vez mais no dia a dia. “O aumento do limite nas transações por aproximação sem senha de R$ 50 para R$ 100, que se espera acontecer em breve, vai permitir que mais pessoas efetuem pagamentos com a tecnologia, aumentando o ticket médio que vemos hoje. Percebemos que quando o consumidor tem a primeira experiência com este tipo de pagamento, ele assimila os benefícios e o incorpora em seu cotidiano”, conta Oscar Pettezzoni, diretor da Visa Consulting & Analytics.

Quando analisado o crescimento de uso da aproximação entre janeiro e junho nas soluções disponibilizadas pela Visa, é possível ver um crescimento em todos os segmentos. Vê-se um salto exponencial em categorias como Gold e Classic acima de 100%. E as categorias premium continuam nesse mesmo movimento: Visa Infinite e Platinum cresceram em torno de 70%. “Vemos que a tecnologia tem sido adotada por diferentes perfis da população, que passaram a incluir a inovação em seus hábitos de compra. Em parceria com importantes instituições financeiras, bancos digitais, estabelecimentos comerciais, credenciadores e segmentos como o transporte, a Visa tem trabalhado para que todos possam ter acesso à tecnologia”, conta Pettezzoni.

O “Mapa do pagamento por aproximação do Brasil” também verificou a penetração do uso por estado. Em relação ao crescimento no primeiro semestre, os dados da Visa Consulting & Analytics mostram que o Amapá se destacou com o uso da inovação, apontando o maior crescimento do país: 161%. Seguido pelo Rio Grande do Norte (147%), Tocantins (144%), Mato Grosso do Sul (136%) e Rondônia (114%).

Nos primeiros seis meses de 2020, os segmentos que mais se receberam pagamentos Visa por aproximação foram:

• Mercados e lojas diversas relacionadas à alimentação como hortifruti, conveniências, cafeterias, entre outros (não incluindo restaurantes e fast food)
• Postos de gasolina
• Farmácias
• Padarias

Sendo que o segmento de mercados/alimentação recebeu o triplo de pagamentos por aproximação em relação ao segundo setor, postos de gasolina.

O “Mapa do pagamento por aproximação do Brasil” foi elaborado pela Visa Consulting & Analytics com base nas transações Visa realizadas com a tecnologia no Brasil entre janeiro e junho de 2020.

Tags, ,

PicPay anuncia vice-presidente de Marketing e Growth

O executivo Phillip Klien foi anunciado como vice-presidente de Marketing e Growth do PicPay, a maior carteira digital do país, com mais de 24 milhões de usuários.

Sob o comando dele, a vice-presidência de marketing e growth da fintech continuará dividida em duas grandes áreas: Growth, comandada por Rodrigo Polacco, responsável pelas estratégias de Customer Lifetime Management, Product Growth e Performance; e Marketing, à frente de Branding, Criação, Mídia e PR, dirigida por Armando Areias.

Formado em Marketing e Finanças pela Tulane University (New Orleans, EUA), Phillip possui experiência em empresas internacionais de tecnologia. Em seu histórico profissional, o executivo apoiou o crescimento acelerado e a consolidação de empresas como OLX, Uber e Twitter.

À frente do Marketing do PicPay, Klien terá como grande objetivo impulsionar o uso pelos brasileiros. “Estou bastante empolgado com o desafio de uma das maiores e mais revolucionárias fintechs, que mudará a forma como as pessoas se relacionam com o dinheiro”, disse.

A revolução dos pagamentos instantâneos e rede 5G

Em um contexto cada vez mais dinâmico e de alta conectividade, contando com uma maior capacidade de processamento e com uma maior adoção da computação na nuvem, a expectativa é que o segmento de pagamentos seja impactado por uma transformação sem precedentes nos próximos anos, acelerando a materialização de uma demanda eminente e até então reprimida – a realização de transações de pagamento 24 horas por dia, 7 dias por semana a um baixo custo. A combinação destes fatores propicia um ambiente totalmente favorável para os chamados pagamentos instantâneos, no qual possibilitarão o surgimento de novos conceitos, novos modelos de negócio, e consequentemente novos produtos e serviços. Na essência, o pagamento instantâneo permitirá entregar uma melhor experiência aos clientes, bem como melhores ofertas de serviços financeiros, além de agregar praticidade, conveniência e segurança no dia-a-dia das pessoas.

Em diversas regiões do mundo, modelos de pagamentos instantâneos, bem como suas infraestruturas de suporte, encontram-se em diferentes estágios, seja de estudos, implementação ou ainda mais avançados. Seguindo tendências observadas em localidades como Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, China e África do Sul, o nosso Banco Central, por meio do comunicado 32.927, divulgado em dezembro de 2018, apresentou os requisitos para o desenvolvimento do Sistema de Pagamentos Instantâneos Brasileiro.

Diferentemente de outros países, o regulador brasileiro está desenvolvendo a plataforma e será responsável por liquidar as operações, centralizando também a base de endereçamento, ou seja, a identificação única de cada cliente e conta. A nova plataforma batizada de PIX, teve seu lançamento anunciado em fevereiro num evento marcado por esclarecimentos e novidades por parte do órgão regulador, antes mesmo da finalização das especificações técnicas e da definição das regras do novo arranjo de pagamento. A previsão é que a plataforma entre em funcionamento a partir de novembro de 2020, para que esteja funcionando de modo pleno em dois anos. Os testes de conectividade já foram iniciados e deve ser homologado a partir de junho, conforme cronograma apresentado pelo Banco Central. Até a data do lançamento, 13 instituições já haviam demonstrado prontidão e enviado certificados de conexão para iniciar os testes. Alguns pontos relevantes como a tarifação e ferramentas de liquidação fora dos horários do STR ainda estão sob avaliação e é esperado que sejam esclarecidos nas próximas interações.

Adicionalmente, pelo fato da segurança ser crucial para este ecossistema, foi criado, no âmbito do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), um fórum executivo permanente para assuntos relacionados a operações instantâneas e segurança da informação, cuja missão é auxiliar o regulador na criação de um modelo aberto e interoperável.

O Brasil já apresenta infraestrutura de pagamentos considerada avançada quando comparada às de outros mercados e potencializada pela elevada alta penetração de celulares e smartphones na população adulta, se torna um terreno fértil para o desenvolvimento deste tipo de pagamentos. Estima-se que a nova modalidade propiciará operações realizadas em até 10 segundos, com alta disponibilidade e resiliência (99,9% do tempo), com capacidade de 2.000 transações por segundo.. O sistema permitirá transferências mútuas entre pessoas, entre consumidores e estabelecimento e, ainda, entre empresas e órgãos do governo, em um universo com abrangência estimada em em R$ 8 trilhões em transferência no sistema bancário tradicional (DOC e TED) e cerca de R$ 666 bilhões de transações de débito (dados projetados pela Febraban em 2019).

A nova modalidade de transferência representa uma experiência de pagamentos ultrarrápidos para usuários do sistema e proporciona inúmeros outros benefícios para os diversos elos da cadeia, sendo os principais o governo e as transações rastreáveis, com possibilidade de aumento da arrecadação de impostos. Os possíveis ganhos para a economia também estarão relacionados com o aumento da velocidade de circulação do dinheiro, maior eficiência e competição de mercado. Um grande beneficiário será a sociedade, pois espera se menos crimes de roubo e furto, em decorrência da diminuição do porte de papel moeda, redução de fraudes, facilidade de acesso a serviços financeiros e aumento da formalização da economia.

Na China, por exemplo, parte considerável dos pagamentos é realizada por empresas intermediadoras das operações. Hoje o sistema brasileiro é controlado diretamente pelo regulador. De acordo com pesquisa desenvolvida pela Fischer, em 2018 em parceria com a KPMG havia cerca de 114 startups brasileiras atuando no setor de pagamentos. No entanto, apesar da ampla gama de benefícios, alguns desafios operacionais são impostos, visto que, em poucos segundos, os provedores de infraestrutura devem decidir se efetuam ou não o pagamento de um cliente ou se recebem ou não o dinheiro enviado.

Nesse panorama, a chegada da rede 5G ao Brasil, prevista para meados de 2021, desempenhará papel essencial. Por meio de uma rede pautada por frequências elevadas, teremos mais velocidade de processamento e repasse dos dados, maior número de conexões e menor latência. Será viabilizada, portanto, a incorporação massiva de dispositivos conectados a chamada “internet das coisas” e com ela uma grande disponibilidade de quantidade de dados e que se explore ao máximo o verdadeiro potencial desta tecnologia.

É evidente que o rápido avanço tecnológico tem proporcionado que se materializem uma série de oportunidades tanto para os clientes e novos entrantes do sistema financeiro, como para as organizações e para a sociedade em geral. Sabemos que as novas plataformas e as novas tecnologias precisam passar por numerosos testes antes da adoção comercial, ainda temos muito caminho por percorrer. Entretanto, é fundamental que, neste momento, as empresas repensem suas estratégias e se posicionem neste novo contexto de negócio, para que possam ter um papel de protagonismo no futuro.

Cláudio Sertório, sócio-líder de serviços financeiros da KPMG no Brasil.

Dustin Pozzetti, sócio-líder de tecnologia, mídia e telecomunicação da KPMG no Brasil.

Zoox lança Zoox Pay, carteira digital para pagamento por reconhecimento facial em qualquer plataforma

Investir em inovação e estar ainda mais atenta aos desejos e à segurança do consumidor são duas das principais premissas da Zoox para este momento. Empresa de tecnologia especialista em soluções integradas de Big Data, Analytics e Geolocalização, a Zoox agora direciona a sua inteligência tecnológica para lançar o Zoox Pay, plataforma de pagamento via reconhecimento facial. A solução é multiplataforma, poderá funcionar integrada às famosas maquininhas ou até mesmo para pagamento em um e-commerce. Basta ter uma câmera no dispositivo.

Prevista para ser lançada no mercado em agosto, a tecnologia é integrada com todo o sistema de dados e plataformas da Zoox. Uma vez cadastrado no Data Lake da empresa, por meio de qualquer outra solução, o usuário já será reconhecido, sem a necessidade de novo cadastro ou login.

“Estamos trabalhando nesta nova solução que vai permitir a realização de pagamentos por meio do reconhecimento facial. Ela estará integrada com todo o sistema da Zoox, portanto, se o usuário utilizar qualquer uma das nossas outras soluções espalhadas por diferentes estabelecimentos do Brasil – em aeroportos, shoppings, academias, hotéis – e entrar em um local para realizar um pagamento por meio da Zoox Pay, ele será reconhecido imediatamente pela foto do seu rosto e realizará a transição em segundos. Uma opção segura e que não exige, até mesmo, estar com a carteira. Estamos muito atentos ao novo comportamento de pouco contato e trazendo o poder dos nossos dados para ajudar nesse momento pós-pandemia “, explica Rafael de Albuquerque, CEO e fundador da Zoox.

A Zoox tem dedicado 75% do investimento voltado para o desenvolvimento da empresa na área de inovação. Prova disso, são as recém-lançadas soluções Zoox Eye, plataforma de big data que combina geolocalização com inteligência de dados, e que está em uso na iniciativa Dados do Bem desde abril; e Zoox Experience, plataforma digital completa para hotéis, que será lançada em julho, ancorada na premissa do autoatendimento via reconhecimento facial pelo celular ou totem, e que reúne todos os serviços oferecidos pelo empreendimento aos hóspedes, incluindo check-in, check-out e pagamento.

Zoox Eye

Aliar a inteligência de dados e a geolocalização para guiar planos de negócios, como a expansão de uma empresa para uma determinada região, por exemplo, é o que oferece a plataforma de geomarketing Zoox Eye. Com mais de 20 fontes de dados públicos/censitários, mais de 250 variáveis à disposição para serem analisadas e mais de 18 milhões de empresas de diferentes setores cadastradas, a Zoox Eye traz, em uma única plataforma, inteligência geográfica e de dados para se entender, dentre outras questões, como se comporta o público de uma determinada região. São entregues informações sociodemográficas e de consumo detalhados: distribuição por sexo, idade, número de população total, número de domicílios, número de empresas, renda mensal per capta, distribuição das despesas mensais por domicílio e das despesas totais por mês, entre outras. A partir de um dashboard intuitivo, que facilita a navegação, a plataforma entrega um mapa interativo com informações sociodemográficas para ajudar na expansão e tomada da decisão do negócio, baseada em Analytics. Outra opção oferecida pela Zoox Eye é um mapa que mostra informações organizadas do entorno dos pontos de interesse do negócio, permitindo entender o perfil da população daquela área e a concorrência existente.

Com um recorte só em empresas, a plataforma também oferece ao usuário um mapa interativo com informações de concorrentes e mercado local, um conjunto de gráficos que relacionam as informações empresariais, configurando um painel para análises e insights; e uma tabela dinâmica com informações detalhadas de todas as empresas mapeadas.

Zoox Experience

Líder em tecnologia no setor hoteleiro, o qual faz parte do seu DNA, a Zoox lança em julho o Zoox Experience, uma plataforma digital completa para hotéis, que reúne todos os serviços oferecidos pelo empreendimento aos hóspedes, incluindo um cadastro único para check-in e check-out. Ancorada na premissa do autoatendimento por parte do hóspede, através do próprio celular ou de totens presentes no hotel, a nova solução da Zoox traz mais segurança, simplicidade, conforto e rapidez à experiência do cliente.

A Zoox Experience faz uso de uma outra tecnologia da empresa, a Zoox Pass, focada em reconhecimento facial. Com isso, o hóspede poderá realizar o check-in, gerar a chave de acesso ao apartamento, pedir serviços de quarto e realizar o check-out tirando uma simples selfie. A plataforma reúne em seu sistema os seguintes serviços: check-in e check-out, reconhecimento facial, solução de pagamento, integração com o sistema hoteleiro, criação de chave com tecnologia RFID, scanner de documentos, Ficha Nacional de Registro de Hóspedes (FNRH), Room Service e informações do hotel.

A agilidade nos processos e a sustentabilidade do negócio hoteleiro são dos atributos por trás da adesão ao Zoox Experience. Para o hóspede efetuar o check-in (tirar a selfie, conferir os dados da FNRH, escolher o quarto e fazer a chave) serão gastos, em média, 60 segundos. Para o check-out (tirar a selfie, conferir os dados da fatura, adicionar itens extras, escolher o cartão de crédito cadastrado ou escolher um novo, colocar o PIN e selfie de autenticação e finalizar) serão cerca de 1 minuto e 25 segundos.

Mastercard anuncia parceria com o Facebook para que brasileiros enviem e recebam dinheiro utilizando o WhatsApp

A Mastercard anunciou hoje a ampliação de sua parceria com o Facebook para oferecer uma maneira inovadora para os brasileiros enviarem e receberem dinheiro para amigos e familiares no aplicativo WhatsApp. Os portadores de cartões Mastercard que fazem transações bancárias com Nubank e Sicredi serão os primeiros no Brasil a utilizarem a ferramenta no WhatsApp. Em breve, mais parceiros bancários devem aderir ao programa.

Utilizando o Mastercard Send™, milhões de usuários do WhatsApp agora podem usar seus telefones para transferir dinheiro de forma simples e fácil, instantaneamente (24 horas por dia, 7 dias por semana)¹. Ao passo que as medidas de distanciamento social incentivam os consumidores a procurarem por métodos alternativos de pagar sem toque, o WhatsApp surge como nova opção para fazer transferências, além de efetuar e receber pagamentos de forma transparente, segura e sem contato.

Pagar amigos e familiares ficou mais fácil

Os pagamentos instantâneos (P2P) estão crescendo significativamente em todo o mundo, impulsionados por tecnologias e plataformas móveis que conquistam os usuários, a baixo ou nenhum custo. Globalmente, as transferências domésticas de P2P devem atingir mais de US$ 2,07 trilhões em volume até 2022².
Até agora, a experiência do usuário da tecnologia P2P no Brasil era complicada e demorada. Os consumidores precisavam identificar os serviços de transferência de dinheiro e fornecer informações de conta bancária para os destinatários, que, muitas vezes, esperavam dias para terem os valores creditados.

Com a habilitação do P2P no WhatsApp, os brasileiros agora poderão enviar e receber valores de forma conveniente e segura registrando seu cartão de débito através do aplicativo de mensagens instantâneas mais popular do país, eliminando os riscos e ineficiências associados a outros métodos de pagamento, incluindo dinheiro em espécie.

A nova solução atende às necessidades dos brasileiros que procuram cada vez mais maneiras rápidas e seguras de enviar e receber fundos, seja para reembolsar um amigo por uma refeição, pagar o aluguel a um colega de quarto ou simplesmente emprestar uma quantia a um membro da família.

A inclusão de pequenas empresas em pagamentos eletrônicos

Além de fazer transferências, os usuários do WhatsApp também podem pagar empresas via aplicativo no WhatsApp Business Application. Isso permite pagamentos digitais instantâneos de bens e serviços para milhões de pequenos negócios no Brasil.

Os titulares de cartão Mastercard podem registrar seu cartão de crédito ou débito para fazer suas compras com segurança. De acordo com um estudo recente³, 60% dos consumidores brasileiros já usam o WhatsApp para interagir com pequenas empresas, seja para pedir produtos, negociar preços ou até mesmo agendar compromissos.

Agora, a habilitação da funcionalidade pelo WhatsApp permitirá que os consumidores concluam sua jornada de compra com seus negócios favoritos, sem sair do aplicativo.

“Como empresa de tecnologia de pagamento, trabalhamos para trazer novos produtos para promover a inclusão financeira de maneira segura, prática e fácil para transações contínuas. Essa parceria com o Facebook, mostra nossa capacidade de revolucionar as opções de envio e recebimento de dinheiro no Brasil, mantendo as necessidades de nossos clientes na vanguarda de nossa estratégia e apoiando pequenas empresas locais”, disse Joao Pedro Paro Neto, presidente da Mastercard Brasil e Cone Sul.

“Estamos muito animados para trazer pagamentos no WhatsApp para os brasileiros. Facilitar o envio e o recebimento de dinheiro não poderia ser mais importante do que em um momento como esse”, disse Matt Idema, Diretor de Operações do WhatsApp. “As pequenas empresas são a espinha dorsal do país. A capacidade de realizar vendas com facilidade no WhatsApp ajudará esses empreendedores a se adaptarem à economia digital, além de apoiar o crescimento e a recuperação financeira.”

Segurança em todas as transações de pagamento do WhatsApp

A vinculação do cartão de crédito ou débito preferido no aplicativo é altamente segura, graças ao uso da solução de tokenização de ponta da Mastercard. A tecnologia protege as informações do titular do cartão, substituindo o número original do cartão de 16 dígitos por um número alternativo exclusivo, ou “token”, associado à conta individual de cada usuário do WhatsApp e que não funciona em outros lugares. Após a criação do token, os consumidores precisarão inserir seu PIN de segurança sempre que desejarem realizar uma transação.

Clique no link para saber como usar este novo serviço: www.whatsapp.com/payments/br

1 Os tempos reais de lançamento para transações aprovadas dependerão da instituição financeira receptora
2 Juniper Research, 2018, Digital Money Transfer & Remittances
3 WhatsApp Economic Impact Report-final . pdf
4 Mastercard, 2019, P2P Payments Research

MetrôRio passa a aceitar pagamento por aproximação Mastercard

Uma parceria entre a Mastercard e o MetrôRio, empresa do grupo Invepar, permitirá, a partir de 21 de fevereiro, que os passageiros do metrô efetuem o pagamento da tarifa por aproximação com os cartões Mastercard habilitados com tecnologia NFC (Near Field Communication). A forma de pagamento estará disponível em todas as três linhas e 41 estações de metrô do Rio de Janeiro.

As tarifas poderão ser pagas apenas aproximando do validador cartões de crédito, débito, smartphones, smartwatches ou pulseiras de pagamento, democratizando a alternativa para os cidadãos cariocas e turistas estrangeiros que visitarem a cidade, já que os cartões emitidos fora do País também serão aceitos.

“Já aceitamos cartões por aproximação desde abril de 2019 e a partir de agora aceitaremos Mastercard. Continuaremos trazendo inovações e facilidades aos nossos clientes” disse Charles de Sirovy, diretor comercial do MetrôRio.

“Agora, consumidores Mastercard poderão utilizar o transporte público da cidade com o mesmo cartão ou dispositivo que utilizam para suas compras diárias, tirando a necessidade de se ter dinheiro no bolso”, explica João Pedro Paro Neto, presidente e CEO da Mastercard Brasil e Cone Sul. “A tecnologia de pagamento por aproximação traz agilidade e praticidade para a cidade, já que é cerca de 10 vezes mais rápida que o pagamento em dinheiro”, finaliza.

Projeto pioneiro e olho no futuro

A Mastercard é pioneira na implementação da tecnologia de pagamento por aproximação no transporte público na América Latina, tendo realizado o primeiro projeto em 2017 em todos os ônibus da frota da cidade de Jundiaí (SP). A empresa também implementou os pagamentos por aproximação em diversas estações de trem do Rio de Janeiro. Em setembro de 2019, a empresa também iniciou o projeto piloto de pagamento por aproximação nos ônibus de São Paulo.

Sobre o pagamento por aproximação

Rápido, prático e seguro, o pagamento por aproximação oferece a conveniência de fazer transações apenas aproximando os dispositivos em um leitor habilitado. Os pagamentos por aproximação são ideais para transações de baixo valor e situações que requerem uma velocidade de pagamento maior para diminuir filas.

EBANX lança conta digital no Brasil e marca entrada no segmento de produtos para o consumidor

O EBANX, fintech brasileira conhecida por oferecer soluções de pagamento da América Latina a sites nacionais e internacionais, acaba de lançar em fase beta — por meio da sua nova empresa de pagamentos locais, o EBANX Pagamentos Ltda. — o EBANX GO, uma conta de pagamentos digital com cartão físico e virtual Visa para consumidores brasileiros.

O produto marca a entrada da empresa, que atingiu o status de unicórnio em outubro do ano passado, no segmento de produtos voltados para o consumidor final, o que amplia o leque de atuação da fintech e reforça sua presença no mercado de pagamentos brasileiro.

“Oferecer acesso sempre foi a grande missão do EBANX. Começamos com soluções de pagamentos latino-americanos para sites internacionais, que ajudaram a popularizar produtos e serviços globais como Airbnb, Spotify e AliExpress no Brasil e em outros sete países da América Latina. O EBANX GO é mais um passo nessa direção, dessa vez atuando diretamente no mercado brasileiro”, afirma Wagner Ruiz, cofundador e CFO do EBANX.

O cartão do EBANX GO foi lançado em caráter experimental, em parceria com a Dock (do Grupo Conductor) e a Visa do Brasil, e foi oferecido por convite a 10 mil consumidores brasileiros num primeiro momento. Ele pode ser acessado por meio de um aplicativo, disponível para os sistemas Android e iOS. Há uma lista de espera para quem tiver interesse no produto, que deve ser lançado em definitivo no mercado brasileiro no início do segundo semestre de 2020.

“Estamos muito felizes em apoiar o EBANX na construção dessa solução. Ser parceiro de um produto tão disruptivo e inovador é estratégico para o nosso compromisso de acelerar a transformação por trás do aumento do uso dos pagamentos eletrônicos no Brasil”, conta Fernando Teles, country manager da Visa do Brasil.

Entre as funcionalidades em teste do EBANX GO, está o cashback de 5% para compras realizadas em 18 e-commerces e serviços digitais parceiros, como AliExpress, Gearbest e Spotify. O dinheiro é disponibilizado no próprio EBANX GO, e pode ser usado em outras transações ou transferido a uma segunda conta, de acordo com a preferência do usuário.

“É um produto extremamente competitivo, com cashback de verdade, sem prazo de expiração. Entramos neste mercado com uma visão diferente, aplicando toda nossa experiência adquirida com clientes globais e aprendizado com consumidores brasileiros ao longo de muitos anos para garantir um serviço diferenciado sem perder o DNA do EBANX, que sempre está atrelado a acesso, velocidade e democratização financeira. Estamos orgulhosos de oferecer mais uma plataforma a milhares de brasileiros”, diz Ruiz.

Um em cada três brasileiros não tem acesso a uma conta bancária, segundo pesquisa recente. O Brasil também tem um dos maiores spreads bancários do mundo, de acordo com o Banco Mundial. O lançamento do EBANX GO contribui para a transformação dessa realidade ao oferecer acesso a serviços financeiros baratos e de qualidade para milhares de consumidores.

O EBANX GO foi criado por uma área da fintech que se dedica exclusivamente à inovação e ao desenvolvimento de novas soluções. Entre os produtos criados, está o EBANX Track, uma plataforma de rastreamento de encomendas.

“No EBANX, a inovação está presente em todas as áreas, e não restrita a um setor específico. Os projetos criados na área de End User se alimentam disso, e têm base nos insights trazidos por todas elas”, afirma Ariel Patschiki, diretor de produto para End User do EBANX Pagamentos Ltda.

Como funciona

O EBANX GO é um cartão pré-pago Visa e pode ser usado para compras em qualquer estabelecimento, site ou aplicativo que aceite a bandeira. O produto é vinculado a uma conta de pagamento, que pode ter seu saldo adicionado pelo próprio usuário. É com esse saldo que o consumidor pode fazer suas compras, usando o EBANX GO como um cartão virtual e físico.

Não são cobradas taxas para o depósito, manutenção ou para a abertura da conta digital, nem para transferências — que serão possíveis do EBANX GO para qualquer conta corrente ou poupança.

O cashback de 5% será oferecido apenas para compras realizadas em 18 e-commerces e serviços digitais que estão participando da fase beta do EBANX GO. Entre eles, estão Spotify, AliExpress, Gearbest, UseGiraffe, PatPat, Ctrip, Civitatis e Cambly. A lista completa pode ser consultada no site www.ebanxgo.com/.

A cada compra realizada nesses sites, o consumidor terá direito a 5% do valor da transação de volta. Esse valor não tem data de expiração para ser usado, e será depositado em até 15 dias úteis, na conta digital EBANX GO. Ele ainda pode ser transferido para outra conta ou usado em futuras compras, de acordo com a preferência do cliente.

Tags, ,

Linx e PicPay fecham parceria para viabilizar pagamentos via QR Code

Com a popularização dos meios de pagamento digitais, a Linx, líder e especialista em tecnologia para o varejo, anuncia sua parceria com o PicPay, um dos maiores aplicativos de pagamentos do Brasil, com mais de 13 milhões de usuários, para oferecer aos varejistas uma nova opção para os seus consumidores a partir de janeiro.

A atuação conjunta entre a Linx e o PicPay terá um potencial para que os usuários realizem pagamentos com QR Code em mais de 100 mil estabelecimentos que operam o sistema Linx. Criado em 2012, o PicPay é pioneiro no uso do código para movimentações financeiras no País e já ultrapassou a marca de 3,5 milhões de transações do gênero em sua história.

Essa integração promete facilitar a vida dos lojistas e usuários PicPay, evitando fraudes e trazendo agilidade ao mercado de pagamentos, possibilitando uma gestão mais rápida e eficaz. No caixa, o varejista deixará à mostra apenas um QR Code, que poderá ser pago em diferentes plataformas, como o PicPay e outras carteiras digitais parceiras da Linx.

“O pagamento feito via QR Code traz inovação para o varejo e atende a três anseios dos consumidores: segurança, facilidade de uso e rapidez. De forma simples, reduz os atritos na hora de pagar, melhora consideravelmente a experiência do cliente e, consequentemente, a vida do varejista. Essa tecnologia ainda democratiza o acesso ao consumo, já que, para utilizar o nosso aplicativo, não é preciso ter conta bancária ou cartão de plástico”, afirma Elvis Tinti, diretor comercial do PicPay.

O momento contribui para escalar a aceitação do Código QR, tecnologia de pagamento instantâneo que está transformando a indústria, uma vez que reduz o número de intermediários e os custos das transações. “Foi pensando nas necessidades do mercado que buscamos essa parceria. A Linx e o PicPay são especialistas no desenvolvimento de soluções inovadoras que facilitam o dia a dia dos seus clientes. Com o QR Linx, vamos impulsionar o uso dos pagamentos via wallet no mercado”, explica Denis Piovezan, vice-presidente da Linx Pay Hub, fintech da Linx.

Cielo e Bitfy firmam parceria para pagamento direto com bitcoins via QR Code

Lucas Schoch, CEO da Bitfy.
Foto: Jotapê

A Cielo, maior credenciadora de cartões do Brasil e da América Latina, firmou parceria com a startup Bitfy – primeira carteira multiuso não custodiante de criptomoedas do país – para pagamentos com bitcoins via QR Code. Com o objetivo de democratizar o uso da criptomoeda no dia a dia de maneira massificada, o acordo permite de maneira inédita o pagamento em mais de 1,5 milhão de terminais de pagamentos da Cielo a partir de agora como se fosse com um cartão de crédito à vista.

A parceria posiciona o Brasil com o país que mais aceita bitcoins no mundo como meio de pagamento direto no varejo físico dando de maneira inédita a total custódia da moeda ao consumidor: “Com o nosso app é o usuário o custodiante, ou seja, o dinheiro fica realmente com só ele. Isso significa autonomia e liberdade de escolhas a quem o tem e estar ao lado da Cielo é motivo de grande alegria pois permite que mais pessoas possam ter bitcoins e usá-los para comprar qualquer coisa”, afirma Lucas Schoch, CEO da Bitfy. Desde o início das operações da startup, há pouco mais de 1 mês a Bitfy conquistou 2 mil usuários e R﹩ 50 mil transacionados. A estimativa mínima é chegar ao fim do ano com 50 mil usuários.

Como funciona?

O usuário precisa baixar o app Bitfy, disponível em Android e IOS. No cadastro serão informadas as chaves de segurança que só poderão ser utilizadas pelo usuário. Isso significa que a startup não tem acesso algum aos bitcoins do usuário, dando a ele total autonomia sem perder a segurança.

No caso dos pagamentos com a maquininha, coloca-se o valor desejado, a opção por crédito à vista e mais um clique no botão verde. Nesse momento surgirá um QR Code. Em paralelo, o usuário abre o app da Bitfy e clica no botão paga e, na sequência, a opção “Máquinas Cielo”. Nesse momento, a câmera do smartphone é aberta para a leitura do código. Com isso, basta colocar a senha do app cadastrada. Pronto: a transação é confirmada.

De acordo com o diretor de produtos da Cielo, Rodrigo Penteado, a parceria é uma oportunidade para expandir as receitas dos terminais da empresa. “Nossos clientes vendem mais e os usuários da Bitfy ganham uma alternativa muito prática para fazer compras”, diz. Entre agosto e setembro de 2019 foram movimentados quase R﹩ 14 BI no Brasil, segundo dados oficiais da Receita Federal. A expectativa com essa parceria é que o uso do bitcoin se torne uma opção interessante para o dia a dia também como qualquer outra moeda.

A Bitfy deverá aceitar outras moedas digitais no futuro. Ainda sem previsão, no entanto, a iniciativa deverá acontecer quando o brasileiro estiver mais familiarizado com as criptomoedas e elas tenham maior liquidez. “De acordo com a Receita Federal, a partir de agosto de 2019, foram movimentados R﹩ 14 bilhões em moedas digitais no País. Nossa expectativa com essas parcerias é que o uso do bitcoin se torne uma opção interessante para o dia a dia como qualquer outra moeda”.

Os benefícios do app ao usuário não param por aí

Dentro do próprio app é possível comprar e vender os bitcoins que ficarão sempre guardados única e exclusivamente na wallet. Nesse contexto, o usuário consegue ver também a cotação do dia, valor em reais, além de fazer transferências para outras contas de bitcoins e para bancos tradicionais, as quais as conversões para reais são feitas automaticamente.

Investimentos

Recentemente, a Bitfy fez uma rodada de investimento e um grupo de anjos aportou cerca de R﹩ 1,25 milhão na empresa. “Esse valor fez o nosso bootstrap. Financiei a operação nesse tempo e esse capital que entra vai para ações de marketing, entre outras. Lembrando que a Bitfy é uma empresa 100% digital e somos proprietários da tecnologia”, explica Lucas.

ABBC realiza congresso sobre inovação em serviços financeiros

A ABBC – Associação Brasileira de Bancos realizará no dia 28 de novembro, a partir das 9h, o Congresso de Inovação em Serviços Financeiros (CISF) – open banking e pagamentos instantâneos. O objetivo é compartilhar diversas visões e experiências sobre o tema para que o sistema financeiro evolua em um ambiente ainda mais inclusivo. No evento, também serão conhecidos os ganhadores da segunda edição do Prêmio Idei@ABBC.

Entre os palestrantes: Guga Stocco, fundador da GR1D; Mariana Cunha e Melo, Relações Institucionais do Nubank; In Hsieh, fundador da Chinnovation e da Marco Polo Ventures; Thiago Guimaraes, head de Digital Finance na Stefanini; Rodrigo Furiato, diretor da área de Contas Digitais (Wallet) do Mercado Pago; Carlos Augusto de Oliveira, diretor de Tecnologia da ABBC; André Jafferian e Jorge Sant’Anna, diretores da CRT4; Marcelo Modesto, da Avivatec; e Diogo José Sousa da Silva, chefe de Subunidade do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central.

Confira a programação completa e faça a inscrição no site: http://www.abbc.org.br/cisf/

Serviço

Data: 28/11/2019

Horário: 8h30-18h30

Local: Teatro CIEE – Rua Tabapuã, 445 – São Paulo.

Pagamento por aproximação traz nova era ao varejo

Por Carlos Netto, CEO da Matera

Os avanços tecnológicos e o cenário econômico mundial mudaram a forma de se comunicar, vender e consumir. O varejo é um dos mais afetados por essa constante transformação, pois concilia as tendências de mercado, internet, economia e a realidade do consumidor, em busca da melhor experiência de compra, visando estabelecer um bom relacionamento com o cliente – envolvendo as melhores ofertas pelo menor preço possível.

Os meios de pagamento “sem contato”, ou seja, que não precisam da digitação de senha em pinpads ou mesmo dos próprios cartões de plástico, chegaram para revolucionar o mercado e estabelecer um diferencial competitivo, utilizando dessas novas tecnologias para agilizar processos (pagamentos “frictionless”) ou até coletar informações sobre o comportamento de compra do seu cliente. Ofereça ao consumidor um benefício relevante (cashback, ofertas e descontos personalizados, pontos, crédito a um custo mais baixo, order ahead) e a fidelização será quase garantida. Na era da internet, os consumidores não buscam apenas qualidade do produto ou serviço, querem também ser reconhecidos, avaliar, escolher, experimentar coisas novas, comparar, se divertir e fazer tudo, o máximo possível, em menos tempo e com um custo-benefício atraente.

É possível notar a diferença através de um exemplo bem simples. Considere os custos que envolvem um equipamento do tipo POS (“maquininha”), sua manutenção, os custos das operações de pagamento realizadas por ele (“taxa de adquirência”), e o tempo necessário para que o consumidor, retire sua carteira do bolso, insira o cartão, digite a senha para fazer o que necessita, como o pagamento de uma compra em loja. Agora imagine um método em que ele não utilize nada disto, simplesmente aproxime o seu smartphone de um scanner, webcam ou outro smartphone que faz a leitura de um QR Code gerado pelo próprio dispositivo móvel do consumidor, que inclusive pode estar sem acesso à internet. A redução do tempo do “pagamento” reduz filas e, além disto, os custos de “adquirência” do lojista tendem a ser bem menores com este novo modelo. O resultado final é uma redução drástica dos custos operacionais e uma grande melhoria na experiência de uso.

Quem acha que existe fricção em pegar o celular no bolso e destrava-lo (fricção seria ter a carteira só para guardar o plástico), considere que na verdade ele já está na mão do usuário e já está destravado. Ao mesmo tempo, sumindo o dinheiro, o cartão e com os documentos na forma digital, é bem possível que a carteira deixe de existir com o tempo. Outra vantagem do celular é a possibilidade de interagir com o usuário. Sendo o trade marketing uma receita relevante para os varejistas, não dá para ignorar este espaço para publicidade personalizada. Por fim, evitar a poluição com plástico e lixo eletrônico é sempre uma boa ideia.

Na China, os restaurantes já disponibilizam o pagamento e acesso ao cardápio através de um único código, por celular. Aqui no Brasil, virtualmente todos os smartphones já possuem tecnologia para leitura em QR Code, e a partir do próximo ano essas mudanças devem ser mais intensas, pois teremos uma nova rede de pagamentos, online, 24×7 e acessível a todos os participantes do mercado de pagamentos (varejistas, fintechs, bancos) a um custo bem mais baixo que os modelos (“payment rails”) atuais.

O maior desafio talvez não seja entender a tecnologia ou ter acesso a ela, que já existe e tem um conceito bem fundado na cabeça dos bancos e startups, mas sim o varejo sair da negação e do medo para se tornar um explorador e protagonista deste mundo em transformação.

Carlos Netto, CEO da Matera, empresa de tecnologia para os mercados financeiro, fintechs e de riscos