Category nuvem

Saiba o que é a nuvem híbrida e porque essa é a melhor aposta para as empresas

Ganho de eficiência e escala é a grande mina de ouro para a maior parte das empresas que querem operar de forma mais sustentável e assertiva financeiramente. E é justamente para ajudar companhias de todos os segmentos e portes que a Claranet CorpFlex acaba de implementar em seu portfólio no Brasil a tecnologia de nuvem híbrida, que une o melhor das clouds públicas e privadas, fazendo com que gestores consigam aproveitar os pontos positivos de cada uma, sem estourar o orçamento. De acordo com a companhia, a previsão é que, até o final de 2025, 100% de seus clientes estejam adaptados ao novo negócio.

A novidade só foi possível graças a recente fusão entre a Claranet e a CorpFlex, que tornou o Brasil o 4º maior país do Grupo, e que ainda tem muito potencial para expandir seus serviços. De acordo com Diogo Santos, CTO da companhia, ainda há situações específicas para nuvem pública ou privada, mas que o híbrido é um modelo que funciona para grande parte das empresas brasileiras. “Quando a aplicação exige baixíssima latência e está conectada a usuários e esteiras fabris, ou quando não é compatível com as nuvens públicas por causa de versão de SO (sistemas legados) ou requisitos técnicos muito específicos, as nuvens privadas (On-Premise ou Data Center) despontam como melhores soluções, pois tem o melhor custo-benefício para IaaS (Infrastructure as a Service). Já para as aplicações mais modernas, ou as que são viáveis tecnicamente e financeiramente de se modernizar,  as nuvens públicas são as mais recomendadas, pois possuem um vasto portfólio e com pagamento por uso (PaaS, SaaS, FaaS, etc), fora o fato de que este portfólio cresce a cada dia, tanto por desenvolvimento interno de cada nuvem, quanto através dos parceiros, permitindo uma verdadeira transformação digital dos negócios”, explica o executivo. 

Parte do portfólio, a Claranet Cloud Platform (CCP) acaba de ser lançada pela multinacional como plataforma de cloud híbrida de última geração. Os serviços disponibilizados envolvem melhorias em computação, armazenamento, rede e segurança no modelo “as a service”, que atribui ao fornecedor lidar com toda a estrutura de softwares e permite ao cliente pagar somente pelo serviço utilizado. Estão incluídos serviços de Infrastructure as a Service (Iaas) para SAP HANA e Oracle, que fornecem bancos de dados de alto desempenho.

O lançamento acontece uma vez que a nuvem híbrida se apresenta como modelo ideal tanto para empresas em crescimento, como empresas já consolidadas que buscam expandir seu ambiente digital de maneira econômica. “Em todos os setores do mercado, a nuvem híbrida melhora a capacidade de computação, armazenamento e inovação”, conta Diogo. Com a alta do dólar e suas consequências para o mercado brasileiro, a cloud híbrida desponta como vantajosa para reduzir custos em TI, pois exige uma análise minuciosa dos workloads e permite migrar para onde realmente tenha o melhor custo-benefício.

Dessa forma, a nuvem híbrida tem se mostrado eficiente ao oferecer as melhores soluções de cada um dos modelos de nuvem – reunindo o melhor das soluções. O papel das empresas parceiras em tecnologia é fazer a gestão das nuvens de forma única e exclusiva, segundo a Claranet CorpFlex. “A nuvem híbrida é uma solução que ainda permite a comunicação entre cada serviço distinto. Uma estratégia que usa essa nova dinâmica oferece às empresas maior flexibilidade, migrando as cargas de trabalho entre as soluções em nuvem, conforme as necessidades e a flutuação dos custos”, aponta. 

Além disso, a nuvem híbrida se adapta à carga de trabalho e permite que o serviço continue sem interrupções, fator importante para empresas que lidam com vidas, como na área da saúde, ou com volume de compras em datas comemorativas, como o comércio eletrônico. “Independente do setor, os nossos engenheiros ficam responsáveis pela construção de uma interface única para gerenciar todos os serviços em nuvem de forma integrada”, finaliza Santos. 

Os riscos da falta de segurança na nuvem

Por Alexis Aguirre, Diretor de Segurança da Informação da Unisys para a América Latina

A adoção de nuvem por empresas Latino-americanas segue crescendo e, em meio ao momento delicado que estamos vivendo, não há tecnologia mais útil que essa para garantir a continuidade de operações com agilidade e produtividade. Para além disso, quem já utilizava recursos de nuvem sabe que eles geram inovação e, ao mesmo tempo, redução de custos, já que é possível prever os gastos envolvidos em cada projeto.
Certo, Cloud agora é uma premissa, um caminho sem volta. O próprio Gartner já chama a nuvem de “o novo normal da TI corporativa” (the new normal for enterprise IT). Nesse cenário, a discussão urgente que estamos perdendo não deveria ser sobre adoção da nuvem e sim sobre um melhor entendimento das mudanças fundamentais de paradigma que chegam com o uso da nuvem. As companhias estão atrasadas para perceber que, com a nuvem, a superfície de ataques hackers muda de lugar.
Então, vamos a pontos práticos e críticos sobre como criar uma consciência corporativa para evitar ameaças de segurança da informação na nuvem.

Tenha clareza sobre os responsáveis de cada parte do projeto
Um desafio que vem com a nuvem é a falta de clareza sobre quem é responsável pelo quê. A dica é se organizar e aderir a operações do DevSecOps para obter integração,implementação e melhorias contínuas após a migração inicial para a nuvem.

Não subestime a complexidade dos ambientes em nuvem
As organizações tendem a subestimar as complexidades dos ambientes em nuvem — e sua proteção. A maior flexibilidade e poder dos serviços em nuvem resultam em maior complexidade de governança e operações, aumentando a possibilidade de vulnerabilidades devido a configurações incorretas.
A flexibilidade e o poder inigualáveis dos microsserviços em contêiner e do Kubernetes também resultam em complexidade adicional, aumentando o número de interfaces que podem ficar expostas. Não compreender ou investir nas ferramentas e nos conhecimentos necessários para gerenciar essa complexidade resulta em configurações abaixo do ideal, levando a explorações e vazamentos de dados.

Um novo DNA pede um novo processo de monitoramento
Algumas organizações acreditam que podem usar tecnologias de segurança locais em ambientes dinâmicos de nuvem. As abordagens tradicionais simplesmente não funcionam porque estamos falando de um novo DNA. Na nuvem, você precisa ter um processo automatizado para proteção da carga de trabalho remoto. Você não tem o tempo ou o luxo de alguém monitorar isso diariamente.

Crie novas políticas, práticas e procedimentos de segurança
A nuvem consolidou infraestruturas, sistemas e recursos de computação. Agora, as organizações precisam preparar suas políticas de proteção de dados para funcionar quando não têm controle da infraestrutura na qual seus dados residem.

Como lidar com microsserviços
Fornecedores de software oferecem microsserviços em contêineres, que podem ser aproveitados como componentes por aplicativos. Eles vêm com uma variedade de opções de licenciamento comercial e de código aberto, com diferentes níveis de suporte ou nenhum outro suporte que não seja uma comunidade online. Algumas licenças de código aberto, como a GPL, podem tornar o software inadequado para alguns usos de produção. As implicações legais e de custo do licenciamento de microsserviço são um aspecto importante desse novo cenário de aplicativos. É recomendável considerá-las durante o desenvolvimento do aplicativo antes da transição para a produção.

A importância do acesso seguro
O acesso seguro pressupõe que aplicativos, rotas ou sistemas de comunicação sejam utilizados apenas por quem possui credenciais apropriadas para tal. Os relacionamentos e limites de confiança precisam ser gerenciados de acordo com os objetivos de negócios e as restrições legais. Além da autenticação robusta que usa rotação de credenciais e autenticação multifator, os acessos precisam ser definidos em termos de funções baseadas do menor ao maior privilégio.

Limite e proteja sua superfície de ataque
A eficácia em minimizar a superfície de ataque implica em limitar o acesso externo e interno (por exemplo, portas abertas) ao que é absolutamente necessário. Implica também em desabilitar funções e infraestrutura desnecessárias de software. Isso reduz o número de itens que podem ser comprometidos.
A superfície de ataque não só deve ser limitada, mas também precisa ser protegida por meio de uma estrutura automatizada e que detecte inteligentemente o tráfego anormal ou o comportamento do software. Isso deve resultar nas ações de quarentena e notificação orientadas por políticas apropriadas, limitando assim o impacto de violações.

A jornada na nuvem tem nos guiado ao futuro. Se feita corretamente, pode trazer muitos benefícios para as empresas. Só não podemos nos esquecer de que nuvem e segurança devem caminhar juntas. Não é improvável que companhias corram riscos de violações de dados, mas aquelas que estiverem preparadas para corrigir e isolar ataques em segundos ou minutos serão mais bem-sucedidas.

A nuvem em tempos de crise: chave para a sustentabilidade das organizações

Por Ricardo Fisch

Não é mais novidade que a nuvem é uma ferramenta essencial para a transformação das empresas, permitindo agilidade nos negócios e democratizando o acesso seguro a aplicativos e dados de qualquer lugar com uma conexão à internet. Fato que, de acordo com um estudo da Oracle, estima-se que, em 2025, 80% do fluxo de trabalho e cargas críticas das empresas estejam operando na nuvem.

A nuvem não apenas propõe novas plataformas, mas é a maior mudança no paradigma de uso da tecnologia da informação desde o advento da internet. Nesse sentido, ainda se fala muito sobre seu potencial transformador para os negócios e, ainda hoje, mais do que nunca em tempos incertos, como o cenário de distanciamento social imposto pelo Covid-19, que nos obriga a reorganizar o trabalho em empresas e organizações, vemos o real impacto da nuvem.

Vivemos um momento chave, no qual as decisões devem ser tomadas com rapidez, agilidade e, acima de tudo, com informações em tempo real. Para responder a essa situação, o mundo dos negócios deve estar preparado para dar continuidade e sustentabilidade aos negócios, começando por garantir a conectividade e o acesso às informações com rapidez, segurança e de qualquer lugar.

A segurança das pessoas é a prioridade número um de qualquer empresa, portanto, é crucial garantir que seus funcionários possam manter suas rotinas remotamente e com segurança pela internet. Com a nuvem, podemos pensar em um modelo de trabalho remoto e produtivo, com novas formas de operar e colaborar dentro de uma organização e em relação a outros agentes da cadeia de valor. Um exemplo que estamos vivendo é a atenção na prevenção da ruptura da cadeia de suprimentos em aspectos vitais como medicamentos e alimentos, que são os elementos mais importante neste momento.

As empresas que possuem uma infraestrutura em nuvem têm a vantagem de migrar grande parte da equipe para um modelo remoto, operando sem interrupção, sem perder a segurança de seus dados e protegendo seus colaboradores. Por outro lado, as empresas que ainda não decidiram migrar para a nuvem enfrentarão maiores desafios ao estabelecerem uma estratégia de continuidade do negócio neste marco histórico que estamos vivendo em todo mundo.

Além da habilitação tecnológica, é necessária uma mudança na cultura da organização da mesma maneira que, atualmente, nos lares, em que o teletrabalho e a teleducação coexistem e exigem outra forma de adaptação. Estamos passando por momentos importantes, que ficarão marcados na história dos negócios, a partir dos quais haverá aprendizados e lições que promoverão o uso estratégico da tecnologia.

Estabelecer um modelo sustentável dentro da organização que minimize o impacto econômico desse momento e garantir a continuidade da cadeia de suprimentos não é mais apenas uma questão de negócios, é um ponto crucial da responsabilidade social das empresas, do estado e das organizações sociais.

Ricardo Fisch, head global dos serviços Cloud do gA

SAP faz parceria com a Microsoft para lançar primeiras ofertas no mercado de migração para a nuvem

Baseando-se em um compromisso conjunto de simplificar e modernizar as jornadas dos clientes para a nuvem, através do projeto “Embrace”, a SAP SE (NYSE: SAP) e a Microsoft Corp. anunciaram na segunda-feira uma ampla parceria de go-to-market – da conceitualização às vendas – para acelerar a adoção pelos clientes do SAP S/4HANA® e SAP® Cloud Platform no Microsoft Azure.

Agora, a nova parceria de nuvem preferencial reúne a SAP e a Microsoft, junto com a rede global de integradores de sistemas, para oferecer pacotes holísticos que fornecem aos clientes arquiteturas unificadas de referência, planos de ação e jornadas aprovadas pelo mercado, para iluminar uma transição clara para a nuvem. Como parte dessa jornada simplificada do cliente, a Microsoft irá revender componentes da SAP Cloud Platform (plataforma de nuvem da SAP) junto com o Azure. Essa oferta única visa ajudar os usuários do SAP ERP e SAP S/4HANA a migrar mais facilmente de softwares nos computadores d a empresa (on-premises) para a nuvem pública.

“Essa parceria se resume em reduzir complexidades e minimizar custos para os clientes, conforme eles adotam o SAP S/4HANA na nuvem”, disse a copresidente-executiva da SAP, Jennifer Morgan. “Juntar o poder da SAP e da Microsoft proporciona aos clientes a certeza de trabalhar com duas líderes do setor, de forma que podem fazer a transição com confiança e eficiência para empresas inteligentes”.

“A decisão da SAP de escolher o Microsoft Azure como parceiro de preferência aprofunda o relacionamento entre as duas empresas de uma maneira diferenciada e sinaliza um compromisso compartilhado de promover o crescimento do ecossistema de nuvem”, disse o vice-presidente executivo da Microsoft para negócios comerciais mundiais, Judson Althoff. “A notícia de hoje também reflete nosso compromisso com a mentalidade de colocar o cliente em primeiro lugar e de dar suporte a sua transformação para a nuvem, o que continua a determinar como nós, na Microsoft, abordamos tudo, de parcerias a inovação de produtos. Isso eleva a venda conjunta para um novo patamar”.

A SAP irá liderar com o Microsoft Azure a transição dos usuários do SAP ERP e SAP S/4HANA de on-premise para a nuvem, através de melhores práticas específicas do setor, arquiteturas de referência e serviços prestados através de nuvem. Isso inclui futuras implementações e migração dos atuais clientes diretos do SAP HANA® Enterprise Cloud, alavancando infraestrutura de hiperescalador. No entanto, a SAP mantém sua política de longa data de escolha de suporte para os clientes que querem alternativas baseadas em necessidades dos negócios.

Especificamente, o projeto “Embrace” no Microsoft Azure irá fornecer aos clientes:

– Uma transição simplificada de edições on-premise do SAP ERP para o SAP S/4HANA dos clientes, com produtos integrados e soluções do setor. Pacotes do setor para o mercado irão criar um plano de ação para a nuvem para os clientes em setores focados, com uma arquitetura de referência singular e uma via para racionalizar a implementação.

– Modelo de suporte colaborativo para resolução simplificada. Em resposta ao feedback de clientes, um modelo se suporte combinado para o Azure e o SAP Cloud Platform irá ajudar a facilitar a migração e melhorar a comunicação.

– Jornadas ao mercado desenvolvidas em conjunto para dar suporte às necessidades dos clientes. Projetados em colaboração com a SAP, a Microsoft e parceiros integradores de sistemas irão fornec er planos de ação para a empresa digital, com soluções recomendadas e arquiteturas de referência para os clientes. Isso oferece um método harmonizado pelo setor para produtos, serviços e práticas, através da Microsoft, SAP e integradores de sistema.

Como e por que migrar para a nuvem?

Por Fernando Nunes, arquiteto de soluções da Claranet Brasil

Uma migração para a nuvem não precisa acontecer do dia para a noite. É preciso pensar cada detalhe do seu ambiente físico e aplicações, e como eles irão se comportar depois de migrados. Muitas empresas se deparam com a necessidade de expandir seu parque de TI e esbarram na limitação do data center que só é escalonável até certo ponto, exigindo maior tempo de trabalho extra, interrupção de serviços e falhas que deixam o ambiente inoperante. É aí que entra a nuvem!

Para um time de projetos, a decisão sobre um provedor de nuvem envolve questões sobre onde haverá maior escala, serviços disponíveis por região e recursos que se tornam infinitos. Mas o que isso gera além da redução de custo se comparado com o ambiente on-premise? Mais segurança, infraestrutura durável, gerenciamento de dados, crescimento do seu negócio e lucros a partir de novos clientes que verão que sua plataforma/sistema é confiável e está sempre disponível independentemente do tamanho de sua corporação.

Falhas são inevitáveis em qualquer sistema, tanto on-premise ou na nuvem, mas neste último ambiente, ao criar os serviços com redundância, realizar testes de falhas em conjunto de servidores/aplicações, torna-se possível mapear se a sua migração foi bem-sucedida. É importante lembrar que a redução de custos nem sempre é o principal fator para migrar para nuvem, mas sim a forma que se pode usar a elasticidade de servidores ou substituir um conjunto de servidores que rodam rotinas pontuais por serviços que têm uma performance muito mais rápida.

Neste processo de migração, apenas “jogar” tudo o que você tem na nuvem com o intuito de solucionar todos os problemas não é exatamente uma opção correta. É necessário estabelecer passos de evolução do seu ambiente para que ele se torne independente, a fim de que somente o seu time de DevOps tenha atividades diárias para atuar nos deploys e também para que os testes ponham em prática a correção de problemas sem parar o ambiente produtivo – o que também é chamado de entrega contínua “CI/CD”.

Para migrar de forma segura, é necessário buscar um parceiro de nuvem com know-how a fim de incorporar recursos no projeto de migração e assim usar todos os benefícios que tem a disposição. E o desafio pode ser orquestrado nas cinco etapas, descritas abaixo.

avaliação: antes de migrar qualquer servidor, seja ele produtivo ou de homologação, você precisa fazer um levantamento ou inventário de toda a sua tecnologia atual;

piloto: nesta fase, podemos eleger alguns ambientes que podem ser do mais crítico ou menos impactante e migrá-lo para nuvem a fim de analisar como se comportam, realizando uma rodada de testes com usuários que não impactem a produção;

migração de dados: durante um planejamento, muito se questiona sobre o que levar primeiro para a nuvem. O mais assertivo é levar, em primeiro lugar, todos os dados, por se tratar de um volume alto de informações. Levando os dados primeiro, nós podemos medir a performance real e toda e qualquer aplicação estará já conectada com o provedor de nuvem;

migração de aplicações: esta é a fase mais delicada do projeto, pois é neste ponto que começam a ser tomadas as decisões sobre o que levar, o que pode parar nesse primeiro momento, janela de manutenção e etc. A melhor forma de fazer esta movimentação é usar o método “lift and shift”, que consiste em mover um aplicativo ou operação de um ambiente para outro – sem recriar o aplicativo;

otimização: depois de migrado o ambiente e com tudo funcionando na nuvem, vem o trabalho onde todos os ajustes podem ser iniciados, como os de infraestrutura baseado no consumo, de conversão de servidores em serviços providos pela nuvem, entre outros., arquiteto de soluções da Claranet Brasil

Uma migração para a nuvem não precisa acontecer do dia para a noite. É preciso pensar cada detalhe do seu ambiente físico e aplicações, e como eles irão se comportar depois de migrados. Muitas empresas se deparam com a necessidade de expandir seu parque de TI e esbarram na limitação do data center que só é escalonável até certo ponto, exigindo maior tempo de trabalho extra, interrupção de serviços e falhas que deixam o ambiente inoperante. É aí que entra a nuvem!

Para um time de projetos, a decisão sobre um provedor de nuvem envolve questões sobre onde haverá maior escala, serviços disponíveis por região e recursos que se tornam infinitos. Mas o que isso gera além da redução de custo se comparado com o ambiente on-premise? Mais segurança, infraestrutura durável, gerenciamento de dados, crescimento do seu negócio e lucros a partir de novos clientes que verão que sua plataforma/sistema é confiável e está sempre disponível independentemente do tamanho de sua corporação.

Falhas são inevitáveis em qualquer sistema, tanto on-premise ou na nuvem, mas neste último ambiente, ao criar os serviços com redundância, realizar testes de falhas em conjunto de servidores/aplicações, torna-se possível mapear se a sua migração foi bem-sucedida. É importante lembrar que a redução de custos nem sempre é o principal fator para migrar para nuvem, mas sim a forma que se pode usar a elasticidade de servidores ou substituir um conjunto de servidores que rodam rotinas pontuais por serviços que têm uma performance muito mais rápida.

Neste processo de migração, apenas “jogar” tudo o que você tem na nuvem com o intuito de solucionar todos os problemas não é exatamente uma opção correta. É necessário estabelecer passos de evolução do seu ambiente para que ele se torne independente, a fim de que somente o seu time de DevOps tenha atividades diárias para atuar nos deploys e também para que os testes ponham em prática a correção de problemas sem parar o ambiente produtivo – o que também é chamado de entrega contínua “CI/CD”.

Para migrar de forma segura, é necessário buscar um parceiro de nuvem com know-how a fim de incorporar recursos no projeto de migração e assim usar todos os benefícios que tem a disposição. E o desafio pode ser orquestrado nas cinco etapas, descritas abaixo.

– avaliação: antes de migrar qualquer servidor, seja ele produtivo ou de homologação, você precisa fazer um levantamento ou inventário de toda a sua tecnologia atual;

– piloto: nesta fase, podemos eleger alguns ambientes que podem ser do mais crítico ou menos impactante e migrá-lo para nuvem a fim de analisar como se comportam, realizando uma rodada de testes com usuários que não impactem a produção;

– migração de dados: durante um planejamento, muito se questiona sobre o que levar primeiro para a nuvem. O mais assertivo é levar, em primeiro lugar, todos os dados, por se tratar de um volume alto de informações. Levando os dados primeiro, nós podemos medir a performance real e toda e qualquer aplicação estará já conectada com o provedor de nuvem;

– migração de aplicações: esta é a fase mais delicada do projeto, pois é neste ponto que começam a ser tomadas as decisões sobre o que levar, o que pode parar nesse primeiro momento, janela de manutenção e etc. A melhor forma de fazer esta movimentação é usar o método “lift and shift”, que consiste em mover um aplicativo ou operação de um ambiente para outro – sem recriar o aplicativo;

– otimização: depois de migrado o ambiente e com tudo funcionando na nuvem, vem o trabalho onde todos os ajustes podem ser iniciados, como os de infraestrutura baseado no consumo, de conversão de servidores em serviços providos pela nuvem, entre outros.

Tags, , , ,

Gartner: negócios digitais estão forçando serviços de Infraestrutura em Nuvem para além de seus limites

Pesquisas do Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, apontam que as iniciativas de negócios digitais estão forçando os fornecedores de serviços de infraestrutura baseadas em Nuvem a expandirem suas ofertas para além das tecnologias de Edge Computing para oferecerem os chamados serviços de pontos de contato digital.

De acordo com o Gartner, um ponto de contato digital (touchpoint digital, em inglês) é todo e qualquer tipo de interação entre usuários e um dispositivo, produto ou serviço digital. Por exemplo: quando um indivíduo faz uma sessão de perguntas e respostas com um chatbot, reserva um voo on-line ou usa um rastreador de condicionamento físico.

“Criar ‘momentos de negócios’ em pontos de contato digitais é a nova maneira escalável de engajar os clientes”, diz Rene Buest, Diretor de Pesquisa sênior do Gartner. “Os fornecedores de serviços de infraestrutura que não conseguirem abraçar esse desenvolvimento perderão sua presença junto aos clientes, no futuro, e precisarão lutar para interagir de perto com os consumidores novamente”.

O Gartner prevê que, até 2021, 65% dos fornecedores de infraestrutura global gerarão 55% de sua receita por meio de serviços relacionados às ferramentas de Edge Computing que ajudem seus clientes a criar estes momentos de negócios em pontos de contato digitais.

Organizações estão engajando seus clientes com novos pontos de contato digitais

A explosão da Internet das Coisas (IoT) e de interfaces de interação homem-máquina está empurrando os recursos e serviços de computação para mais perto das demandas necessárias para o funcionamento dos pontos de contato digitais, na borda da infraestrutura das organizações. Ao mesmo tempo, um número cada vez maior de companhias está se concentrando na ponta para se envolver mais de perto com os clientes em pontos de contato digitais.

De acordo com uma pesquisa do Gartner*, 27% das organizações já planejam explorar a computação de ponta como parte de sua estratégia de infraestrutura. Até o final de 2019, 70% dos entrevistados esperam que a computação de borda se torne relevante para o seu plano de infraestrutura.

Indo além da Edge Computing para oferecer serviços de contato digital

Embora a Computação em Nuvem forneça a base para infraestruturas ágeis, como facilitadora da tecnologia de back-end para negócios digitais, o fato é que as demandas necessárias para as iniciativas de pontos de contato digitais são diferentes. Isso se deve aos requisitos de tomada de decisão e interação em tempo real, ao crescimento dos dados produzidos a cada interação e à demanda por segurança, autonomia e privacidade acerca das informações. Como resultado, o armazenamento e os serviços de processamento precisam estar localizados fisicamente mais próximos das pessoas, o que força a colocação dos serviços em Nuvem nas estruturas de Edge Computing.

Até 2022, o Gartner estima que metade das grandes organizações integrará os princípios de Edge Computing em seus projetos. Isso ocorre em parte porque, até 2022, US$ 2,5 milhões serão gastos a cada minuto na Internet das Coisas (IoT) e 1 milhão de novos dispositivos de IoT serão vendidos a cada hora.

“Esse enorme crescimento precisará ser apoiado por ambientes de infraestrutura confiáveis e ​​que suportem a proximidade, baixa latência, alta largura de banda, autonomia e privacidade”, explica Buest. “A Computação em Nuvem não é mais suficiente. Os fornecedores de serviços de infraestrutura devem explorar esse crescimento estendendo os serviços além da margem definida para oferecerem suporte ao funcionamento dos pontos de contato digitais”.

Concentrando-se na entrega dos pontos de contato digitais, os fornecedores de serviços de infraestrutura poderão impulsionar sua cadeia de valor de entrega às companhias, com componentes rápidos e próximos de onde os usuários finais interagem com as empresas. Possíveis serviços podem incluir:

• Gerenciamento de infraestrutura: essa opção de serviço permite uma abordagem de plataforma de infraestrutura abrangente, do núcleo dos recursos alocados em Nuvem até as aplicações baseadas em Edge Computing, com o objetivo de oferecer suporte aos pontos de contato digitais dos clientes. Também inclui o requisito de controlar, categorizar e implantar a infraestrutura, com aplicativos, serviços e conectividade necessários em um estilo definido por software.

• Integração de infraestrutura: este recurso garante uma integração de serviços de infraestrutura firme, suave e orientada por API com infraestrutura local, dispositivos de ponta, serviços em Nuvem, plataformas de middleware, dados, processos, gateways e dispositivos móveis.

• Segurança de infraestrutura: fornece os serviços e ferramentas necessários para garantir o gerenciamento de segurança holística de infraestrutura, com análise de plataformas, dispositivos, aplicativos, dados, processos e usuários.

• Gerenciamento e controle de dados: entrega gerenciamento completo do ciclo de vida de dados gerados e coletados nos pontos de contato digitais e de Edge. Nesse serviço, uma cadeia sustentada que integre a rede em Nuvem, as aplicações de Edge Computing e os pontos de contato digital deve ser implementada para garantir que os dados sejam gerenciados e compatíveis em cada estágio.

Pesquisas adicionais sobre o tema serão apresentadas durante a Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud, que acontece nos dias 24 e 25 de abril, em São Paulo. No evento, analistas brasileiros e internacionais vão apresentar conexões vitais entre tecnologias, gestão e cultura com um foco especial na liderança de cada função de Infraestrutura e Operações (I&O).

Interessados em participar do evento devem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site www.gartner.com/pt-br/conferences/la/infrastructure-operations-cloud-brazil.

*Nota: Número avaliado com base na Pesquisa Empresarial 2018 do Gartner. Levantamento realizado para aprofundar o entendimento sobre o panorama atual da tecnologia corporativa, com foco nas perspectivas dos funcionários de nível sênior. A pesquisa foi realizada de forma on-line, de novembro a dezembro de 2017, com 771 entrevistados de organizações com mais de 20 funcionários localizados nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Brasil, China e Índia.

Gartner indica cinco prioridades para as empresas escolherem seus fornecedores de Computação em Nuvem

Para muitas empresas, selecionar um fornecedor de Nuvem adequado para a hospedagem de infraestrutura, aplicações e dados pode ser um processo complicado. Afinal de contas, não há dois fornecedores de Nuvem iguais e a falta de uma estrutura para avaliação faz com que definir o fornecedor correto seja um desafio real para executivos e líderes de Infraestrutura e Operações (I&O).

“Escolher e gerenciar ofertas de Nuvem é uma habilidade essencial para os líderes de I&O, dado o papel central da Computação em Nuvem nas iniciativas da próxima geração, como negócios digitais, Internet das Coisas (IoT) e Inteligência Artificial”, diz Elias Khnaser, Diretor de Pesquisa Sênior do Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas. “Avaliar esse cenário é uma questão imprescindível. Ainda mais porque, em alguns anos, essas companhias não vão querer olhar para trás com pesar, uma vez que as escolhas definidas agora podem ter um impacto duradouro também no futuro”.

Para que as empresas tenham sucesso na definição de seus futuros fornecedores de serviços em Nuvem, o Gartner indica que os executivos de tecnologia e de I&O sigam cinco prioridades na hora de realizar a seleção, compra e implantação de ofertas de Nuvem:

Prioridade 1: pesquisar os recursos e características das principais ofertas dos fornecedores de Nuvem – Ao selecionar um fornecedor de Cloud, as empresas devem considerar como a arquitetura técnica dos fornecedores se integrarão aos fluxos internos de trabalho, avaliando os efeitos imediatos e no futuro. É preciso que as companhias se lembrem de que as arquiteturas técnicas das principais plataformas de Nuvem são grandes, complexas e geralmente difíceis de entender. Além disso, os detalhes técnicos das ofertas desses fornecedores geralmente são modelos com restrições de uso.

“Apesar desses desafios, é importante determinar os principais componentes das arquiteturas disponíveis, avaliando como esses recursos atendem as operações das companhias e de que maneira as características gerais desses fornecedores afetam a performance da solução no geral. Os líderes de I&O devem priorizar as ferramentas que incluem autoatendimento, elasticidade, acesso à rede, segurança, conformidade regulatória e capacidades operacionais”, afirma Khnaser.

Prioridade 2: entender como as ofertas de Nuvem se comparam a seus principais requisitos e critérios – Antes de escolher um fornecedor de Nuvem, as organizações precisam analisar como as ofertas desses fornecedores se alinham com os requisitos e critérios internos de suas operações. Por exemplo, ao escolher um serviço de Nuvem Pública, os requisitos de entrada padrão são geralmente a simplicidade, desempenho, um amplo conjunto de recursos e custo competitivo. No entanto, muitos clientes estão indo além desses requisitos para escolher quais serão seus fornecedores estratégicos de longo prazo.

Entretanto, quando se trata de infraestrutura como serviço (IaaS) e aplicações de plataforma como serviço (aPaaS), as principais áreas a serem avaliadas são um pouco diferentes. O Gartner indica que, nas ofertas de IaaS, as empresas considerem fatores como capacidade de computação, agilidade de rede, opções de armazenamento, segurança e nível de suporte. Para as ofertas aPaaS, as principais considerações incluem a análise dos componentes de arquitetura de aplicativos, ferramentas para desenvolvedores, arquitetura de virtualização e hospedagem, além de implantação de código, gerenciamento de ciclo de vida, escalabilidade e disponibilidade.

Prioridade 3: avaliar as condições para reduzir os riscos de segurança e conformidade – À medida que as organizações aumentam sua adoção de ofertas em Nuvem Pública, a necessidade de obedecer às regras de privacidade de dados e regulamentadoras que regem o processamento de dados aumenta. O Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia (GDPR), que entrou em vigor em 2018 vale para todas as organizações que processam e armazenam dados pessoais de qualquer pessoa que resida na União Europeia, independentemente do local. Com isso em mente, os líderes de I&O devem aprender sobre a abordagem dos fornecedores de Nuvem em relação ao GDPR e quais são as ferramentas que eles fornecem para a conformidade dos dados coletados e administrados.

Prioridade 4: encontrar uma estrutura preparada para adquirir ferramentas de plataformas de gerenciamento em Nuvem modernas e atualizadas – Graças à rápida adoção de serviços em Nuvem, as empresas de Cloud Computing estão continuamente lançando novas ferramentas e serviços nativos. Por sua vez, esse movimento de inovação constante está aumentando a importância das plataformas e ferramentas de gerenciamento de Nuvem. Como resultado, as organizações são aconselhadas a criar um conjunto de critérios preparado para avaliar as soluções de Nuvem, bem como uma estratégia capaz de orientar e acompanhar as estratégias de seleção e implementação de recursos de TI.

Prioridade 5: Conhecer as opções de processos e de arquiteturas para implementar a governança dos serviços em Nuvem – As empresas geralmente priorizam as decisões relativas à funcionalidade da infraestrutura, ao invés de avaliar as questões sobre o planejamento de escalabilidade e o suporte técnico de longo prazo. No entanto, é essencial que os líderes de I&O reservem um tempo para se preparar para a governança dos serviços em Nuvem. “Uma estratégia eficaz de governança de TI e design de contas em Nuvem fornece aos líderes de I&O a capacidade de dimensionar as estruturas de maneira correta, além de ajudar a reduzir as complexidades do gerenciamento de rede. Ao propor um planejamento direcionado, é possível que as companhias evitem a necessidade de uma adaptação abrangente e disruptiva da infraestrutura pouco tempo após a transformação do ambiente uma plataforma de produção crítica”, afirma Khnaser.

Pesquisas adicionais sobre o tema serão apresentadas durante a Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud, que acontece nos dias 24 e 25 de abril, em São Paulo. No evento, analistas brasileiros e internacionais vão apresentar conexões vitais entre tecnologias, gestão e cultura com um foco especial na liderança de cada função de Infraestrutura e Operações (I&O).

Interessados em participar da conferência devem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site https://www.gartner.com/pt-br/conferences/la/infrastructure-operations-cloud-brazil/register.

Como impulsionar a transformação digital por meio de arquiteturas nativas em Nuvem

Por Michael Allen, Vice-Presidente e Chief Technology Officer da Dynatrace para EMAE

Não há dúvida de que tudo está mudando para os ambientes em Nuvem. As receitas globais de serviços baseados em Cloud Computing atingirão US$ 554 bilhões até 2021. No entanto, embora todos saibam que a movimentação de dados para servidores em Nuvem está se acelerando, muitas organizações ainda enfrentam o desafio de migrar, com êxito, suas aplicações para este novo ambiente digital.

Para que as empresas possam se beneficiar totalmente das vantagens que a Computação em Nuvem tem a oferecer, elas precisam trabalhar mais do que em uma simples operação de “mudança”. As organizações que simplesmente movem suas aplicações existentes diretamente de um ambiente local para as estruturas em Nuvem terão dificuldades com o consumo ineficiente de recursos e com a contínua demanda de otimizar a performance, inovando seus processos com rapidez. No entanto, reconstruir tudo do zero pode ser incrivelmente caro e demorado. Isso deixa a questão: como as organizações podem aumentar suas chances de garantir uma transformação bem-sucedida na era da Computação em Nuvem?

Traçando um curso para a Nuvem

Antes que qualquer decisão seja tomada sobre como migrar aplicações para a Cloud, é importante que as organizações realizem uma ampla avaliação de seu ambiente local. Eles precisam identificar, por exemplo, o que pode ser movido para os servidores baseados em Nuvem e quais dados devem permanecer nos servidores físicos da companhia. Em alguns casos, é possível simplificar a migração das informações com a utilização de soluções SaaS (Software as a Service) dedicadas a garantir a melhor experiência de usuário possível.

Para a migração de aplicações personalizadas para os servidores em Nuvem, no entanto, geralmente a melhor abordagem é reformulá-las em microsserviços e Contêineres. Essas arquiteturas nativas da Computação em Nuvem facilitam o processo para que as organizações consigam aproveitar plenamente os benefícios da Cloud. Eles permitem que as organizações atinjam a agilidade e a flexibilidade, o que significa a oportunidade de dimensionar os recursos e custos de acordo com as flutuações no tráfego de dados a ser gerenciado. Dessa forma, os gastos operacionais e de armazenamento podem ser reduzidos, e a implementação de novas soluções se torna mais rápida.

Nuvens de tempestade à frente

Embora as aplicações de arquitetura nativa em Nuvem apresentem benefícios que superam os tradicionais, o fato é que o desenvolvimento dessas novas aplicações trouxe à tona processos mais complexos e que agregam uma série de desafios e custos para o ecossistema de Nuvem corporativa. Pesquisas indicam que, hoje, as transações na web e em dispositivos móveis cruzam uma média de 35 sistemas de tecnologia diferentes, contra apenas 22 aplicações utilizadas há cinco anos. Em grande parte, isso ocorre porque as organizações estão executando ambientes de Nuvem híbridos e extremamente complexos, com aplicações que se situam em várias plataformas digitais e sistemas locais.

Os microsserviços e Contêineres adicionam ainda mais camadas de complexidade a essa pilha de tecnologia, criando ambientes ainda mais difíceis para se analisar, acompanhar e entender. Esses ambientes também são mais dinâmicos, o que significa que aplicações anteriormente estáticas estão passando por constantes mudanças. O “ruído” extra que isso cria pode tornar infinitamente mais difícil para as empresas identificar e corrigir a causa raiz de quaisquer problemas de performance que surjam.

Combatendo o enigma da complexidade

Como resultado, antes de iniciar o processo de reprojetar aplicações para a Nuvem, as empresas devem analisar como dividir seus dados em microsserviços para garantir que realmente funcionem nesse novo ambiente e forneçam os benefícios de inteligência e resultado desejados. Também deve-se garantir que tenham a capacidade de manter visibilidade e controle de fim a fim sobre a experiência dos usuários, apesar da complexidade adicional que está sendo introduzida em seus ambientes híbridos e de várias Nuvens.

Basear a performance da aplicação antes da migração fornecerá uma imagem clara do comportamento “normal” desses sistemas para que as organizações possam identificar rapidamente quaisquer degradações introduzidas pelo processo de reprojetar aplicativos em microsserviços e Contêineres. Além disso, as empresas precisam de uma maneira para monitorar em tempo real a performance de suas aplicações nativas em Nuvem, permitindo que possíveis problemas possam ser resolvidos antes que a experiência do usuário seja afetada.

As abordagens tradicionais de monitoramento são simplesmente incapazes de fornecer o alto nível de visibilidade exigido pelos complexos ecossistemas nativos de nuvem atuais, o que apresenta um grande risco, pois a performance das aplicações não pode ser garantida – um risco que nenhuma empresa pode se dar ao luxo de assumir.

Céu limpo à frente

Esse desafio só pode ser superado com novos sistemas e abordagens de monitoramento que têm inteligência artificial avançada e automação em seu núcleo. Esses recursos trazem a oportunidade para que as equipes de TI consigam descobrir e analisar as complexas interdependências entre componentes nativos de infraestrutura e de aplicações armazenadas em Nuvem. Isso fornece à empresa uma percepção situacional em tempo real para seus ecossistemas de tecnologia Cloud, facilitando muito a identificação e a correção de problemas de performance antes que eles afetem a experiência do usuário.

Como acontece com qualquer grande mudança tecnológica, a reorganização de aplicações em microsserviços e Contêineres não é isenta de suas armadilhas. No entanto, com as medidas e ferramentas corretas, as empresas poderão colher plenamente os benefícios de versatilidade, agilidade e flexibilidade que a Nuvem Corporativa moderna tem a oferecer. Essa capacidade será uma grande vantagem na corrida pela Transformação Digital que está ocorrendo em todos os setores e em todas as organizações.

Soluções em cloud puxam o crescimento da SAP Brasil em 2018

A SAP Brasil teve um ano bastante positivo na receita de soluções em nuvem, que cresceu dois dígitos em relação a 2017. Os contratos firmados em SAP Customer Experience, com soluções voltadas à experiência do cliente conectadas à nuvem, grande aposta estratégica da empresa para o ano, foram o destaque com crescimento de três dígitos e grande adesão do varejo nacional. A companhia fechou o ano com 12.963 clientes em território nacional.

“Os resultados refletem uma maturidade cada vez maior do mercado brasileiro para a digitalização, acompanhando a tendência mundial. O nosso cliente precisa conhecer seu consumidor final, entender o momento dessa relação, saber quando e como fazer o contato e aumentar a taxa de conversão. E é toda essa experiência que CX entrega”, afirma Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil.

Outra linha de grande destaque em cloud foi SAP Fieldglass, que deu um salto significativo em volume de contratos na comparação com 2017. O produto automatiza o processo de gestão de trabalhadores externos, independentes e autônomos, ajudando também no controle de fatura e pagamento. Com a nova lei de terceirizações, o sistema permite que as empresas cumpram todas as determinações com relação à contratação de prestadores de serviço.

Os sistemas de gerenciamento de capital humano registraram avanço de dois dígitos, enquanto a linha SAP Concur, de serviços que simplificam a gestão de viagens e despesas, cresceram três dígitos na comparação com 2017. As soluções de Leonardo, que impulsionam a inovação com machine learning, inteligência artificial, Internet das Coisas e funções analíticas avançadas, também tiveram aumento substancial.

O varejo está entre os setores que contribuíram para o bom desempenho do resultado da subsidiária brasileira, com sólidos três dígitos de avanço em relação a 2017. O mesmo aconteceu nas indústrias de construção, telecomunicações e petróleo e gás. Setores como bens de consumo, bancos e concessionárias de serviços públicos registraram dois dígitos de crescimento. A SAP Brasil avançou também no mercado de pequenas e médias empresas, com as soluções para este segmento, como BusinessOne, subindo dois dígitos.

Último trimestre em linha com resultados do ano

A SAP Brasil apresentou um desempenho no quarto trimestre de 2018 em linha com o resultado do ano, com crescimento de dois dígitos nas soluções em nuvem, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Novamente há grande destaque para as ferramentas de SAP CX (dois dígitos), gestão de capital humano (HCM, dois dígitos), SAP Fieldglass e SAP Concur.

Varejo, ensino superior, construção, química e transporte foram setores de destaque, todos na casa dos três dígitos de crescimento. As pequenas e médias empresas mantiveram o desempenho dos três trimestres anteriores, registrando em todo o ano consistentes dois dígitos de alta na adesão à digitalização, considerando os mesmos períodos de 2017.

Empresas brasileiras seguem se tornando mais inteligentes

A Natura&Co, multinacional brasileira do setor de cosméticos, adquiriu neste último trimestre uma série de soluções como SAP S/4HANA, SAP C/4HANA, SAP Ariba e SAP Concur, com foco na sua unidade de negócios The Body Shop. A marca Natura também vai utilizar as soluções SAP C/4 HANA para realizar campanhas direcionadas, implementar programas de fidelidade e apoiar equipes internas para analisar os hábitos dos clientes, proporcionando melhor experiência.

Outro nome de destaque no portfólio de clientes da SAP é a Braskem. A maior companhia petroquímica das Américas está adotando o SAP Integrated Business Planning para otimizar seu gerenciamento de estoques, aumentando a eficiência, reduzindo o tempo de resposta, otimizando a logística e aumentando o nível de serviço ao cliente. A companhia também passou a usar o SAP Cloud Platform para contar com mais flexibilidade, agilidade e integração com sistemas SAP e não SAP existentes.

Receita global chega a € 24,7 bilhões e lucro vai a 17%

Em nível global, a SAP divulgou um crescimento de 32% em subscrições de serviços em cloud e suporte em 2018, com receita total de € 24,7 bilhões (+5%), incluindo também vendas de licença de software, e um lucro operacional de 17%, chegando a € 5,7 bilhões. A empresa atingiu ou superou todas as métricas, mesmo após várias revisões durante o ano. Para 2019 a projeção é chegar a 39% de alta em nuvem e suporte e manter o crescimento geral. A companhia ambiciona chegar a 2023 com uma receita total de mais de € 35 bilhões.

O CEO global, Bill McDermott, comentou que, com a recém-completada aquisição da empresa de gerenciamento de experiência Qualtrics, a SAP está posicionada para revolucionar a indústria. “Com um histórico recente de crescimento sem precedentes, vamos liderar nossos stakeholders para fechar o gap de experiência. Nossa estratégia é inovadora, completa e exclusiva, e está na vanguarda da economia da experiência”. O CFO global, Luka Mucic, destacou que pela primeira vez os novos pedidos ultrapassaram € 10 bilhões no ano em moeda constante, o que permite prever uma continuidade do forte desempenho.

14 trimestres consecutivos de crescimento em nuvem na América Latina

O desempenho da SAP na América Latina e Caribe segue puxado pelos serviços em nuvem, com 14 trimestres consecutivos de crescimento e mais um ano fechando com crescimento de duplo dígito. Na região os destaques também ficaram com a linha de gestão de terceirizados SAP Fieldglass e a de gerenciamento de viagens e despesas SAP Concur. As linhas SAP SuccessFactors e SAP Customer Experience registraram alta de dois dígitos em relação a 2017.

3 fatores necessários para promover a implementação do trabalho colaborativo

A computação em nuvem, por exemplo, se tornou essencial para a gestão de dados e documentos e execução de tarefas dentro das empresas – seja com clientes, colaboradores ou parceiros. De acordo com projeções do mercado, esse modelo de armazenamento tem apresentado taxas de crescimento que superam os 60% e espera-se que esse ritmo continue nos próximos dois anos. Em 2017, a Global Data entrevistou executivos brasileiros e apurou que 94% deles pretendem implementar soluções em nuvem até 2020.

Essa evolução acompanha e facilita os adeptos das duas maiores tendências dos formatos de trabalho no mundo corporativo: o trabalho remoto e o trabalho colaborativo. Isso porque, além de oferecerem infraestrutura de armazenamento de dados, algumas soluções possibilitam aos usuários o compartilhamento de documentos, a edição e backup em tempo real, migração de dados e alta conectividade do sistema.

Com todas essas ações possíveis, o profissional consegue otimizar e organizar suas demandas. Mas, para que a gestão na nuvem seja eficiente, apresente bons resultados e englobe todas essas ferramentas, é preciso considerar alguns recursos. Marcelo Ramos, vice-presidente sênior e gerente geral da Axway para América Latina – uma empresa que acelera a transformação digital – elenca três fatores essenciais para o compartilhamento e sincronização de arquivos empresariais com sucesso:

1. Segurança: uma nuvem, antes de tudo, precisa ser segura. E essa ainda é uma das maiores barreiras que impedem sua popularização. A pesquisa ‘The State of Cloud Analytics’, realizada em 2016, indicou que 40% dos entrevistados viam questões de segurança e compliance como o principal obstáculo para a implementação do serviço. Por isso, investir em um serviço maduro que permita ao usuário proteção global de última geração e conformidade com a máxima visibilidade e controles de segurança é essencial para obter sucesso.

2. Sincronização: manter informações sincronizadas é outro aspecto importante e que deve ser avaliado no momento de escolher uma solução de compartilhamento de arquivos. Imagine a seguinte situação: duas pessoas estão trabalhando em um projeto e precisam editar o arquivo ao mesmo tempo, em dispositivos e locais diferentes, sendo assim uma solução que permite a colaboração e atualização em tempo real, com acesso contínuo ao conteúdo se torna essencial.

3. Mobilidade: sabe-se que o trabalho remoto já se tornou um modelo dentro de muitas empresas, sejam elas multinacionais, que precisam conectar profissionais alocados diferentes países e regiões, ou aquelas que oferecem a possibilidade do home office para seus colaboradores. De acordo com o Future Workforce Report – elaborado pela UpWork – os gerentes de RH já estimam que 38% de seus colaboradores estejam trabalhando remotamente, o que faz com que soluções de compartilhamento e sincronização de arquivos sejam capazes de serem acessadas a qualquer momento, de onde a pessoa estiver – seja de um notebook, desktop, tablet ou celular.

Tags, , , , , ,

Equinix anuncia serviço Google Cloud Interconnect no Brasil

Eduardo Carvalho, da Equinix no Brasil

A Equinix, empresa global de interconexão e data center, anuncia a expansão da sua parceria com o Google Cloud no Brasil, fornecendo acesso direto e privado ao Google Cloud Platform (GCP) por meio do Equinix Cloud Exchange™ Fabric (ECX Fabric). Com o auxílio do ECX Fabric, os clientes podem usar o Google Cloud Interconnection para conectar sua rede local, de forma segura e dinâmica, à nuvem do GCP.

A interconexão privada do Google, chamada Google Cloud Interconnect, permite transferir grandes quantidades de dados entre as redes, o que pode ser mais econômico, seguro e escalável do que o acesso pela Internet pública. O portfólio completo das opções de interconexão do Google Cloud evidencia a relevância do ECX Fabric para os clientes Equinix que estão construindo ambientes híbridos e multicloud, cujas aplicações e cargas de trabalho variadas exigem soluções de conectividade de alta performance entre redes e provedores diferentes.

“Ao fornecer acesso aos serviços de interconexão privada, estamos expandindo as ofertas e ajudando as empresas a aproveitarem melhor os serviços de cloud do Google, acelerando suas estratégias de nuvem híbrida”, afirma Eduardo Carvalho, presidente da Equinix no Brasil. “Com mais opções de conectividade e maior acessibilidade ao Google Cloud, a Equinix está atendendo as necessidades de interconexão dos clientes e permitindo que eles gerenciem facilmente a nuvem de sua escolha”, complementa Eduardo.

“O Partner Interconnect oferece aos clientes do Google Cloud ainda mais opções de conectividade para ambientes híbridos”, disse John Veizades, gerente de produtos do Google Cloud. “Juntamente com a Equinix, estamos tornando mais fácil para os clientes estenderem sua infraestrutura local para o Google Cloud Platform”.

Expertise local em ambientes híbridos

A demanda das empresas por conexões de nível empresarial com o Google Cloud Platform também passa pela necessidade de parceiros com conhecimento de causa em migração e suporte a aplicações e infraestrutura. A Claranet, companhia global com mais de 20 anos de atuação, é um dos parceiros do ecossistema Equinix preparado para atender demandas de implementação e gerenciamento de ambientes híbridos, trabalhando como uma extensão do cliente à fim de otimizar continuamente seu desempenho e garantir vantagem competitiva.

“Sendo um parceiro Premier Google Cloud, estamos bem posicionados para projetar, construir e gerenciar o ambiente, fornecendo a confiabilidade e o desempenho que o cliente necessita”, afirma Daniel Galante, Managing Director da Claranet no Brasil. A empresa é parceira Equinix há 16 anos e atende a mais de 100 clientes em todo Brasil. “Se o cliente já está usando o Google Cloud Platform, está buscando migrar ou ainda, está construindo um ambiente totalmente novo, podemos ajudá-lo a se mover rapidamente de forma automatizada e segura”, completa Fábio Beato, Head de Operações.

Com a disponibilidade do Google Cloud Interconnect no Brasil, agora são 20 as localidades do mundo onde os clientes do Equinix Cloud Exchange™ Fabric contam com interconexão dedicada ao Google Cloud Platform, tornando mais fácil para as companhias consumirem os serviços do Google Cloud em qualquer lugar.

Tags, , , , ,

A evolução da segurança na nuvem em meio à transformação digital

Por Ghassan Dreibi, Diretor de Cibersegurança da Cisco do Brasil

O processo de transformação digital é um caminho sem volta. Se em nossas vidas privadas já somos pessoas completamente digitais, sempre conectadas por meio de nossos smartphones, tablets e até mesmo TVs, nas empresas este processo demanda mais tempo, investimento e, principalmente, precauções. Conforme a transição da estrutura de uma empresa para um ambiente conectado se acelera, mais necessária se torna a criação de uma arquitetura de segurança capaz de proteger dados próprios e de clientes.

O lado positivo disso é que boa parte da infraestrutura demandada pela maioria das empresas, sejam pequenas, médias ou grandes, já está à disposição em serviços de nuvem para redes corporativas. Nenhum sistema é perfeito e o escopo de brechas se expande cada vez mais, mas a proteção que é fornecida por serviços de nuvem corporativa tem tornado esta transição inevitável para companhias por conta de um fator fundamental: evolução constante, acompanhando transformações cada vez mais rápidas e impactantes em ambientes virtuais, se contrapondo a ameaças que evoluem na mesma velocidade.

Segundo dados do Relatório Anual de Cibersegurança da Cisco, divulgado em fevereiro deste ano, 27% dos profissionais de segurança disseram que estão usando nuvens privadas off-premises, em comparação com 20% em 2016. Dentre eles, 57% disseram que hospedam redes na nuvem pelo motivo de uma segurança de dados melhor; 48%, devido à escalabilidade; e 46%, por causa da facilidade de uso. A razão por conta desta tendência pode ser vista em outro dado. De acordo com os entrevistados no relatório, mais da metade de todos os ataques sofridos resultaram em danos financeiros superiores à U$ 500.000.

Os desafios, contudo, continuam a aumentar. A quantidade de dispositivos acessando redes corporativas cresce a cada dia. Se antes elas estavam restritas ao ambiente físico das empresas e seus desktops, hoje estes cenários parecem uma antiguidade. Smartphones e tablets transformam qualquer ambiente com uma conexão Wi-Fi em um local de trabalho e, muitas vezes, esta conexão não é segura. Lugares como aeroportos, cafés e hotéis trazem comodidade, mas podem comprometer a segurança de uma rede. Isto ocorre, pois é cada vez mais difícil proteger dispositivos individualmente. Quando estes endpoints são contaminadas por meio de uma conexão insegura ou por falha ou brecha em uma senha pessoal, elas podem colocar em risco toda a rede corporativa.

Os avanços para solucionar estas brechas têm acontecido na nuvem. Novas soluções estão sendo desenvolvidas, e algumas já estão em prática. Serviços de nuvem já conseguem detectar dispositivos vazados, permitindo ou não seu acesso a redes corporativas e evitando assim uma contaminação geral do ambiente. Há ainda outras que fazem o threat hunting (caça de ameaças) e eliminação do problema de forma autônoma e rápida, o que minimiza os danos da forma mais eficiente possível. A Cisco, por exemplo, registrou um TTD (tempo de detecção) de ameaças de 4,6 horas no período entre novembro de 2016 e outubro de 2017. Em 2015, este tempo era de 39 horas. A evolução só foi possível através do uso de tecnologia de segurança baseada em nuvem.

Mesmo que o investimento para migrar a estrutura de segurança de uma empresa para um serviço de nuvem confiável e eficaz pode parecer custoso em um primeiro momento, o retorno é cada vez mais certo, não só em relação a perdas financeiras, mas também garantindo a privacidade dos dados de funcionários e clientes. Com soluções mais completas e rápidas na detecção e contenção de ameaças, agora cabe às empresas se educarem e buscarem as alternativas que melhor se adaptem aos seus negócios, qualquer que seja sua área de atuação.

Tags, , , , , ,