Category mobile banking

Mobile banking é o canal preferido dos brasileiros para pagamento de contas e transferências bancárias, aponta pesquisa da FEBRABAN

O número de transações bancárias feitas pelo celular em 2018 cresceu 24% em relação ao ano anterior e os aplicativos dos bancos tornaram-se o canal preferido dos brasileiros para fazer pagamento de contas, transferências de dinheiro e outras transações financeiras. O aumento na quantidade de transações com movimentações financeiras por celular chegou a quase 80% no ano passado.

Hoje, de cada 10 transações, com ou sem movimentação financeira, 6 são feitas por meios digitais – celular ou computador.

Esses são alguns dados da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da FEBRABAN, divulgada nesta terça-feira (07/05). A edição deste ano é a 27ª do estudo, realizado pela Deloitte, que revela, de forma consolidada, as tendências de investimentos e do uso da tecnologia no setor financeiro, além de analisar a relação dos consumidores com os canais de atendimento bancários.

Em 2018, 2,5 bilhões de pagamentos de contas e transferências, incluindo DOC e TED, foram realizados por meio do mobile banking, que, pela primeira vez, superou o internet banking na preferência do brasileiro nessas operações.

Esse movimento é reflexo da praticidade de uso, da segurança e da conveniência oferecidas pelo canal, que foi responsável por 40% do total de operações bancárias efetuadas no ano passado – levando-se em conta as transações feitas em agências, via internet banking, autoatendimento, pontos de venda no comércio, correspondentes no país e pelo telefone. Para efeito de comparação, em 2014 o mobile banking respondia por apenas 10% das operações.

De acordo com o estudo, o número de transações bancárias com movimentações financeiras cresceu cerca de 33%. O avanço de 80% na quantidade de transações com movimentações financeiras por celular foi puxado, principalmente, pelo crescimento número de contas pagar por esse canal (que chegou a 1,6 bilhão, em 2018) e de 119% na quantidade de DOCs, TED e outras transferências de quantias em contas bancárias (862 milhões).

O brasileiro também contratou mais crédito pelo celular: foram 359 milhões de contratações em 2018, com aumento de 60% em relação ao ano anterior.

As transações com movimentação de dinheiro em contas bancárias realizadas pelos POS (pontos de venda no comércio, as chamadas maquininhas) ultrapassam aquelas realizadas nas agências, o que reforça a tendência mundial do uso dos canais eletrônicos.

Para o diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da FEBRABAN, Gustavo Fosse, a opção pelo mobile ajudou a manter a tendência de alta no total de transações bancárias em todos os canais, que saltaram de 71,8 bilhões em 2017 para 78,9 bilhões, no ano passado.

“A facilidade em poder resolver questões financeiras apenas utilizando o celular é um ponto-chave desse crescimento”, afirma. Ele acrescenta que o incremento de transações com movimentação financeira por mobile banking atesta que o cliente se sente cada vez mais seguro para movimentar seu dinheiro por esse canal.

Investimentos – Mesmo num cenário macroeconômico desafiador, os gastos com tecnologia bancária, incluindo despesas e investimentos, continuaram consistentes e somaram R$ 19,6 bilhões no ano passado, um crescimento de 3% em relação ao último ano. Desse total, R$ 10 bilhões foram destinados a software, reforçando o foco das instituições bancárias no desenvolvimento de novas funcionalidades em serviços e produtos dos bancos.

Quando perguntados sobre os investimentos prioritários previstos para os próximos anos, os bancos revelam que o setor tende a usar cada vez mais a inteligência de dados em suas operações: 80% dizem planejar investimentos em big data/analytics; e 73% investirão em inteligência artificial e computação cognitiva. O setor bancário é, junto com o governo, o que mais investe em tecnologia no Brasil.

Contas digitais – O levantamento registrou, também, um boom de contas abertas por meio do mobile banking: foram 2,5 milhões em 2018 ante 1,6 milhão no ano anterior. O internet banking não fica atrás nesse quesito, já que registrou a abertura de 434 mil contas no ano passado, bem acima das 26 mil, em 2017. Também houve um forte incremento de 60% na contratação de crédito por aplicativos de celular; e os investimentos e aplicações feitas pelo mesmo canal cresceram 36%.

A Pesquisa também aponta que as comunicações feitas digitalmente também cresceram de maneira considerável. As interações feitas entre clientes e bancos por web-chat tiveram um crescimento de 364%, e chegaram a 138,3 milhões no ano passado. Já os atendimentos via chatbot passaram de 3 milhões, em 2017, para 80,6 milhões no ano passado, ou seja, aumentaram 2.585%.

A Pesquisa e a metodologia adotada

A Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária é realizada há 27 anos pela Federação Brasileira de Bancos. O levantamento foi desenvolvido em parceria com a Deloitte e contou com a participação de 20 bancos, que representam 91% dos ativos dessa indústria no País. Um questionário online foi aplicado às instituições financeiras e, também, foram feitas entrevistas com especialistas; dados públicos foram consolidados e pesquisas internacionais da Deloitte foram usadas para ampliar e aprofundar a análise dos dados.

“A Pesquisa Deloitte mostra que os bancos têm explorado novas tecnologias constantemente, sempre tendo como prioridade oferecer uma experiência melhor, mais rápida e segura para seus clientes”, analisa Sérgio Biagini, Sócio Líder da Deloitte para Serviços Financeiros no Brasil.

Tags, ,

Começa hoje a 28ª edição do CIAB FEBRABAN

Começa hoje, em São Paulo, a 28ª edição do CIAB FEBRABAN – Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras. Principal evento do setor financeiro da América Latina, o CIAB contará com uma área de exposição de 36 mil m2, 47 patrocinadores e mais de 350 palestrantes, que abordarão os mais diversos temas ligados à tecnologia bancária. O evento tem público estimado em mais de 20 mil visitantes durante os três dias.

“O CIAB FEBRABAN é o principal ponto de encontro entre executivos do segmento financeiro. Este ano, temos expectativas de um grande evento e de novo recorde de participações, já que a edição anterior, em 2017, o congresso registrou crescimento de 18% de público”, comenta Gustavo Fosse, diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da FEBRABAN.

Neste ano, Inteligência Exponencial será o assunto central que norteará todo o conteúdo do evento. A ideia do tema é debater a dimensão exponencial da inteligência aplicada no volume de dados cada vez maior gerado pela humanidade.

Dentre as discussões, serão abordados temas como o desenvolvimento de tecnologias como Inteligência Artificial, Machine Learning, Blockchain, Open Banking e Internet das Coisas (IoT) implicam em constantes alterações no comportamento social, e como tais alterações podem rapidamente criar ou destruir negócios.

Os mais de 150 expositores reunirão empresas multinacionais, startups, companhias internacionais e fornecedores de diferentes soluções tecnológicas para o mercado financeiro. Os visitantes encontrarão os lançamentos focados em IoT, análises de dados, segurança, uso da “nuvem” (cloud computing), biometria, Blockchain, entre outros, que são essenciais para apoiar a crescente evolução tecnológica do setor.

Além da participação de grandes e reconhecidas multinacionais, o Lounge Fintech, integrado à exposição e presente pela terceira vez no evento, reunirá startups em um ambiente propício para o networking com os executivos do setor.

O evento promoverá, ainda, o já tradicional CIAB Fintech Day, um dos mais importantes encontros entre instituições financeiras e fintechs do Brasil. Neste ano, o campeonato envolverá fintechs e insurtechs, e, pela primeira vez, terá a participação de startups latino-americanas. O objetivo da competição é identificar startups que tenham sinergia e potencial para colaborar com bancos, seguradoras e instituições financeiras.

Para conferir a programação completa, acesse: www.ciab.org.br.

CIAB FEBRABAN
Data: 12 a 14 de junho de 2018
Local: Transamerica Expo Center (Avenida Doutor Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro)

Tags,

Agibank lança cartão de crédito e débito

O Agibank, banco totalmente digital, anuncia que sua oferta está ainda mais completa com a chegada do cartão múltiplo. A partir deste mês os clientes já podem solicitar, gratuitamente, o cartão de débito e crédito com a bandeira Mastercard e abrangência internacional. A solicitação é feita diretamente pelo app, de forma muito simples e rápida.

Com o propósito de fazer o dia a dia das pessoas melhor, o Agibank prioriza o desenvolvimento de produtos e serviços que gerem extremo valor para os clientes, através de tecnologias disruptivas que tornem a experiência cada vez mais única e personalizada.

O cartão de débito e crédito é totalmente gratuito no primeiro ano e permite compras à vista ou a prazo, dentro e fora do Brasil, além de saques em mais de 20 mil caixas eletrônicos da rede 24Horas. A partir do segundo ano, há condições especiais para que a isenção seja mantida.

“Nossa ambição é que os clientes, pessoa física ou jurídica, se sintam atendidos de forma diferenciada e que encontrem no Agibank uma alternativa segura, moderna e ágil para se relacionarem, receberem seu salário, realizarem todas suas movimentações e seus investimentos”, explica Glauber Correa, CCO, Chief Commercial Officer.

Outra novidade para os correntistas do Agibank é a possibilidade de realizar investimentos em CDB também pelo smartphone. O aporte mínimo requerido é de R$ 1 mil e os clientes podem escolher entre seis planos, com carência entre 1 e 48 meses, com várias opções de investimentos e prazos.

“Agora, nossos clientes podem investir pelo celular de qualquer lugar. Oferecemos investimentos com diversas condições, para que estes se adequem ao perfil/disponibilidade de cada cliente. Aqui, independente do capital disponível, todo mundo pode se tornar um investidor. Todo processo é feito de maneira rápida, segura e sem burocracia”, ressalta Correa.

As condições para solicitação do cartão múltiplo Agibank e as regras para os investimentos estão disponíveis no aplicativo e no site: www.agibank.com.br/.

Tags, , , , , , , ,

Agibank adota padrão de criptografia do blockchain

O Agibank está sempre investindo em novas tecnologias e buscando o que há de mais moderno e atual para garantir total segurança e agilidade para os seus clientes. O padrão de criptografia utilizada no Blockchain está sendo implantado pelo Banco nas transações financeiras realizadas pelos canais digitais.

O modelo de criptografia do Blockchain funciona como um registro de informações digitais que atua de forma descentralizada. Os elementos armazenados são distribuídos entre todos os pontos da rede, tornando-se quase impossível apagar ou modificar as informações isoladamente.

“Ao contrário dos Bancos tradicionais que investem altos valores em tokens físicos, optamos por desenvolver internamente uma solução muito mais sustentável, moderna, prática que utiliza uma tecnologia de ponta. Estamos implantando um segundo fator de autenticação, desenvolvido internamente, utilizando o QRCode, para transações pelo internet banking e troca de chaves criptográficas para transações realizadas pelo aplicativo” explica Fernando Castro, CIO do Agibank.

Ao realizar uma transação no internet banking, a própria aplicação irá gerar um QRCode, que será capturado pelo aplicativo para autorização das transações. Quando se trata das operações realizadas no mobile, a autorização será realizada através de criptografia assimétrica com geração de par de chaves criptografadas para cada usuário.

Desta forma as transações realizadas através dos canais digitais serão assinadas digitalmente de forma transparente para o usuário.

“O QR Code já é uma tecnologia utilizada pelos nossos clientes que tem no seu aplicativo um meio de pagamento inovador. Agora também será utilizado para garantir ainda mais segurança nas transações, tudo na palma da mão e primando pela facilidade de uso aos nossos clientes”, destaca Castro.

Tags, , , , , , , , , ,

BB disponibiliza venda de dólar pelo app

Os clientes do Banco do Brasil podem comprar dólares americanos de uma forma diferente. Agora, é possível adquirir a moeda estrangeira pelo aplicativo. Além disso, o cliente também poderá definir a cotação que está disposto a pagar e o período de espera. Tão logo o dólar chegue ao patamar pretendido, o Banco avisa, enviando uma mensagem para confirmar a transação.

Após a realização da compra, o cliente tem até dois dias úteis para retirar os dólares em um dos caixas eletrônicos para saque de dólares no BB, com a taxa garantida do dia de realização da transação no app.

O mobile do BB também ajuda a localizar uma agência com terminal de câmbio mais próximo. Com o GPS do smartphone ligado, o app mostrará as dependências num raio de 5 km. Também é possível fazer a busca por estado e cidade. São 96 terminais de câmbio espalhados em 18 estados e no Distrito Federal.

A transação é válida para dólar americano, até US$ 3 mil por operação, limitada a US$ 10 mil por mês. Para aquelas agências que não possuem terminal de câmbio, em breve o app também será interligado ao terminal de caixa dentro da agência, permitindo ao cliente retirar os dólares diretamente no guichê, sem a necessidade de passar pelo atendimento.

Como funciona

Para comprar dólar pelo celular, após acessar a área logada no app, basta acessar a opção Viagens/Moeda Estrangeira no menu.

Na opção Monitorar Taxa de Câmbio, o cliente define a taxa de câmbio que gostaria de pagar e o prazo de espera. O Banco envia mensagem quando a cotação chega ao valor informado, para confirmar a transação.

Com a compra realizada, basta ao cliente se dirigir a uma das agências com terminais de câmbio em até dois dias úteis. O BB garante a cotação do dia da contratação.

Tags, , , , , , , , , ,

Banco Agiplan agora é Agibank 100% digital

Em um mundo em constante evolução, o Banco Agiplan também se renova. O Banco anuncia o reposicionamento da marca no intuito de tornar-se uma instituição 100% digital e, a partir de segunda quinzena de janeiro, o Banco Agiplan adota o nome Agibank, definição mais aderente à sua proposta atual de inovação, agilidade e tecnologia. O posicionamento e todo trabalho de comunicação darão suporte para a estratégia da instituição no sentido de tornar a marca uma referência de banco digital completo.

“O rebranding foi um processo natural, uma vez que buscamos uma marca forte e atual, que reforce aos clientes e ao mercado a proposta de valor que estamos oferecendo. Estamos construindo um banco do futuro com um grande propósito: fazer o dia a dia das pessoas melhor. Essa mudança está sendo feita de dentro para fora, com o envolvimento de todos os colaboradores,” afirma Marciano Testa, CEO e fundador do Agibank.

O plano de investimentos da empresa que, anunciado no final do ano passado, previa investimentos de R$ 750 milhões em tecnologia até 2022 faz parte deste novo posicionamento. Testa explica que o aporte tem foco em inovação, prototipação, design e no desenvolvimento de novas tecnologias. “Fomos a primeira instituição bancária do mundo a usar o número de celular como conta corrente, criando um ambiente no qual, de forma disruptiva, transacionamos dinheiro da mesma forma que trocamos mensagens no dia a dia. Já desenvolvemos nossa plataforma de maneira a estabelecer uma interconexão P2P com todos smartphones em âmbito global. Além disso, daremos início ao processo de internacionalização pelos EUA, em São Francisco, Califórnia, ainda no primeiro trimestre deste ano. Crescer para fora do país é uma aspiração do Banco”, afirma o CEO.

“O objetivo é transformar o Agibank em uma fintech global. Estar presente no Vale do Silício reforça a criatividade, inovação, o desenvolvimento de tecnologia de ponta e estimula espírito de startup presente no Agibank”, reforça Testa. A abertura de novos mercados faz parte da estratégia de expansão da instituição, que já desenvolveu sua plataforma visando uma operacionalização em âmbito global. Após se estabelecer nos Estados Unidos, o Agibank planeja alçar voos ainda maiores com foco em outros continentes.

“A tecnologia está no DNA da instituição, que investe obsessiva e continuamente na excelência operacional e tecnológica. Neste novo momento, a área de Tecnologia da Informação tem papel fundamental, uma vez que está criando novos canais digitais de relacionamento a partir de uma nova arquitetura corporativa, com base em conceitos modernos de bank as platform, cloud computing e open API. A ideia é garantir escalabilidade, time to market, segurança e experiência única ao usuário”, ressalta Marciano Testa, ressaltando ainda que a estrutura de desenvolvimento de soluções do Agibank está organizada em tribos e esquadras, nos quais times de técnicos e de negócio têm autonomia para propor novas experiências aos clientes. O Agibank quer tornar o correntista protagonista de seus processos financeiros”, conclui o CEO.

O Agibank irá atuar com base em dois pilares: tornar-se referência de banco 100% digital, nacional e internacional, e com foco na contínua expansão da sua rede física para facilitar a inclusão financeira a mais de 100 milhões de brasileiros que, atualmente à margem do modelo bancário tradicional, compõem o atual mercado potencial da rede bancária no País. A instituição irá oferecer novas funcionalidades para os clientes pessoa física e jurídica, como a possibilidade de abrir uma conta bancária diretamente pelo smartphone, com direito a um cartão múltiplo e internacional da bandeira Mastercard, linhas de crédito com condições especiais, pagamento em estabelecimentos comerciais pelo próprio app, entre outros benefícios. O aplicativo do Agibank pode ser baixado gratuitamente nas principais lojas de aplicativos para iOS e Android.

Tags, , , , , , , , ,

App Banco do Brasil chega a 15 milhões de usuários

O Banco do Brasil atingiu no mês de dezembro a marca de 15 milhões de usuários no seu aplicativo para mobile. Acessado por 4 milhões de pessoas todos os dias, o aplicativo é responsável por 51% das transações realizadas no Banco. Com o resultado, o BB alcançou o objetivo traçado no início de 2017.

O crescimento do número de usuários impressiona. Ao final de 2015, havia 6,9 milhões de usuários do app BB. Já em 2016, o número chegou a 10,2 milhões. Passados dois anos, a instituição teve um crescimento de quase 200% no número de clientes que utilizam a solução para smartphones e tablets.

Os números de negócios por meio digital também impressionam. Até novembro, foram contratadas 150 mil operações de solução de dívidas, num montante de R$ 1,2 bilhão. No financiamento de veículos, 55% das operações já são contratadas pelo celular, totalizando R$ 953 milhões até dezembro. Outro dado interessante é que 55% das contratações ocorrem fora do horário de expediente bancário.

O crédito consignado pelo mobile teve um crescimento de 204%, em relação a 2016, chegando a R$ 1 bilhão em contratos. O crédito imobiliário teve 2,7 milhões de simulações em apenas três meses. E desde meados de dezembro, está disponível para todos os clientes a contratação da linha pelo celular.

A Conta Fácil, lançada em novembro de 2016, chegou a 1,4 milhão de contas, com 80 mil upgrades para a conta corrente. O app Banco do Brasil é o mais bem avaliado do sistema financeiro brasileiro nas duas principais lojas de aplicativos – Google Store (4,5) e Apple Store (4,0).

Gestão financeira

O aplicativo do BB tem um gestor de finanças pessoais, o Minhas Finanças. A ferramenta auxilia o cliente no controle financeiro, com acompanhamento do orçamento e indica como ele emprega o seu dinheiro. Para isso, todos os lançamentos de conta corrente e cartões são separados em grupos de consumo, o que permite uma análise mais consciente da vida financeira do usuário.

Além disso, possui uma funcionalidade chamada “Orçamento”, que auxilia na criação de metas de gastos por grupo de consumo. A solução identifica gastos e receitas dos últimos cinco meses e sugere uma redução nos custos, com objetivo de melhorar a saúde financeira do usuário.

Lançado para todos os clientes em abril de 2017, o Minhas Finanças tem mais de 3,5 milhões de usuários. E quase a metade acessa a solução diariamente. Foram criados mais de 585 mil orçamentos desde o lançamento para os clientes, em outubro de 2017, onde o Banco já sugeriu uma economia estimulada de cerca de R$ 560 milhões.

Tags, , , , ,

Mastercard anuncia resultados de estudo sobre millennials na América Latina

Durante a 6ª. edição do Fórum de Inovação da Mastercard para a América Latina e o Caribe, a Mastercard divulgou um estudo encomendado à Harris Research sobre o comportamento de consumo dos millennials na América Latina. O objetivo é descobrir o que motiva millennials no Brasil, México e Colômbia para construir laços duradouros junto a essa geração.

O estudo revelou que 64% dos millennials latino-americanos adotam novos comportamentos que constantemente desafiam o “status quo”. Essa geração não quer esperar por soluções para os problemas que enfrentam, e 77% dos entrevistados concordam que precisam construir seu próprio caminho para o sucesso, sem depender de terceiros, enquanto 75% querem abrir seu próprio negócio.

“A importância da tecnologia para os millennials e a confiança que possuem em seu potencial para resolver problemas (do mundo) faz da tecnologia digital o principal meio pelo qual as instituições financeiras podem relacionar-se com esse público e ter um impacto positivo em suas vidas”, explica Ana Ferrell, Vice-presidente sênior, Marketing e Comunicações, da Mastercard América Latina e Caribe.

Os millennials acreditam que a educação e as experiências de vida são as duas principais características que compõem sua identidade. O estudo revelou que a independência financeira é a prioridade desta geração. Isso talvez seja explicado pelo fato de que 67% dos millennials latino-americanos estão passando por instabilidades financeiras.

Como um grupo, os millennials querem construir uma sociedade mais robusta. O estudo destacou que 44% dos entrevistados sentem que sua geração está mais envolvida em suas comunidades quando comparada com gerações anteriores. Para 71% dos entrevistados, o trabalho deve envolver algo que tenha significado em suas vidas. No Brasil, por exemplo, 1 em cada 3 entrevistados declarou dedicar tempo a uma atividade social ou a uma causa.

Embora o que os millenials desejam seja, acima de tudo, a possibilidade de viajar, é possível notar a importância da tecnologia na vida dos jovens latino-americanos. E fica evidente que a tecnologia faz parte de sua identidade como uma geração: 85% das mulheres entrevistadas acreditam que não teriam o mesmo nível de educação sem acesso à tecnologia digital[1]. Em geral, 52% acreditam que a tecnologia digital tem o poder de resolver muitos dos problemas que a sociedade enfrenta.

Esta geração transcendental está sempre à procura de novas inovações tecnológicas, e um em cada três millennials latino-americanos consideram-se ‘pioneiros’ na adoção de novas tecnologias. Os dispositivos móveis são o principal meio de capacitação, e os millenials da América Latina passam uma média de 18 horas por dia consumindo conteúdo multimídia, compartilhado, principalmente, por seus amigos[2].

Analisando o comportamento de consumo da geração Y:

65% pesquisam produtos online antes de finalizar uma compra.
62% estão sempre à procura do melhor preço ou alguma oferta.
49% não estão satisfeitos com as opções de pagamento disponíveis, e 46% emprestariam seu cartão de crédito a amigos.
45% querem a oportunidade de usar opções de pagamento digitais com mais frequência, embora muitas lojas não as aceitem.
35% portam dinheiro apenas porque existem lojas que somente aceitam esse meio de pagamento.
2 entre 5 millennials somente compram produtos alinhados aos seus valores.
54% dos millennials preferem comprar produtos de empresas socialmente responsáveis.

Instituições financeiras podem impactar a vida de millennials latino-americanos de diversas maneiras. O estudo revelou que a geração Y quer mais facilidade para:

– Reduzir dívidas (65%)
– Gastar seu dinheiro com mais inteligência (64%)
– Monitorar despesas mais eficientemente (62%)
– Planejar um orçamento (61%)
– Investir seu dinheiro (58%)
– Investir em negócios inovadores (57%)

Os millennials são responsáveis pelo grande boom de inovação ao redor do mundo. Enquanto os millenials continuarem sua luta pela independência financeira, as empresas do setor financeiro terão uma grande oportunidade de se apresentar como aliadas desta geração durante a busca por estes objetivos.

Particularidades de cada mercado:

Brasil:
– Para 32% dos millennials brasileiros, dedicar seu tempo a uma causa social no qual acreditam é uma prioridade.
– 74% pesquisam produtos online antes de finalizar uma compra.
– Em termos de online banking, metade dos millennials brasileiros dizem que seu banco não está atendendo às suas expectativas.
– 21% vivem de salário a salário.

México:
– 63% dos millennials mexicanos são apaixonados por seu emprego.
– Um terço diz que a saúde está entre as três prioridades de suas vidas.
– 73% estão dispostos a tomar grandes riscos para alcançar seus objetivos.
– 1 em cada 3 mexicanos acredita que precisa manter sua identidade cultural para melhorar seu país.

Colômbia:
– 56% dos colombianos consideram cartões de crédito fundamentais para viagens internacionais.
– 40% gostariam de fazer uso de pagamentos digitais, porém muitas lojas não os aceitam.

Infografía - POR-v04

Tags, , , , , , , , , , ,

Cinco desafios de TI que afetam o setor financeiro – Por Smita Dave

O setor financeiro tem enfrentado diversos desafios nos últimos anos. Muitos deles estão relacionados com operar em um novo contexto econômico que se formou após a crise financeira, restaurar a confiança pública no setor e competir com novos concorrentes que são inovadores, agressivos e não-tradicionais.

Com a ascensão da Fintech em um mundo digitalizado, as instituições financeiras correm para incorporar tecnologias de nova geração e encantar seus clientes com experiências mobile e digitais aprimoradas. Porém, manter-se atualizado em inovações tecnológicas por si só apresenta desafios. A insegurança cibernética, a redução de custos, as normas regulatórias, assim como plataformas de próxima geração e mudanças de processos resultantes de novas tecnologias são apenas alguns deles. As soluções para muitos desses desafios estão a cargo da área de TI.

Estes são os cinco maiores desafios de TI que as instituições financeiras enfrentam atualmente:

– Reduzir falhas de segurança e roubos cibernéticos, e ao mesmo tempo ampliar o valor comercial do relacionamento com os clientes;

– Cumprir as normas regulatórias (compliance);

– Transformar os negócios para abrir as portas para experiências mobile e digitais;

– Alavancar tecnologia para assegurar vantagens competitivas;

– Usar tecnologia para melhorar o desempenho geral da rede.

Infelizmente, novas tecnologias também criaram novos riscos à segurança. Especificamente, falhas de segurança e ransomware, que estão mais organizados do que nunca, geram novos e variados tipos de roubos de informações pessoalmente identificáveis (personally identifiable information, PII), dados financeiros, de comportamento e históricos. Dois exemplos são a incrível transferência fraudulenta de US$ 81 milhões do Bangladesh Bank, ou o recente roubo cibernético do Tesco Bank, que ilustram como as abordagens tradicionais para a segurança não são suficientes ou, pior ainda, como as empresas não estão levando a ameaça a sério. O Kaspersky labs relatou que os ataques de phishing financeiro nunca foram tão altos como em 2016, sendo que os ataques financeiros correspondem a quase metade (47,48%) dos 155 milhões de casos de phishing registrados.

Mas os desafios de TI não se restringem apenas à segurança. Instituições financeiras devem lidar com questões regulatórias, como a Lei Dodd-Frank de Reforma de Wall Street e de Proteção ao Consumidor, criadas para gerar mais transparência e estabilidade no sistema bancário global. Além disso, no novo ambiente econômico, digitalizado e em transformação, algumas das mudanças tecnológicas dinâmicas requerem que as instituições financeiras se adaptem rapidamente a plataformas novas e de próxima geração, com mobile banking e segurança cibernética robusta. Núcleos de sistemas de TI desatualizados são uma preocupação importante para os banqueiros globais, pois, em geral, eles se traduzem em baixa integração de redes e na criação de pontos cegos, quando distintas redes de dados corporativas, ao tentar se comunicar entre si, transmitem dados incorretamente.

Pontos cegos são áreas sobre as quais a TI não tem visibilidade completa em relação ao que está acontecendo na rede ou de como os aplicativos estão se comportando. Não realizar o investimento em sistemas seguros e ágeis que ampliem os serviços bancários digitais e mobile pode resultar em perdas significativas e, ao mesmo tempo, reforçar o risco de ataques cibernéticos. O problema é que o consumidor está sempre um passo à frente, buscando impacientemente aplicativos digitais e mobile para sua maior comodidade. Logo, instituições financeiras e bancos que esperam para atualizar seus sistemas enfrentam séria concorrência de um conjunto de inovadores disruptivos capazes de oferecer aos consumidores experiências semelhantes e acessíveis por meio de toda uma diversidade de canais.

O sucesso dessas instituições é altamente dependente de como elas alavancam as inovações tecnológicas, em especial em relação à consumerização. Os consumidores hoje exploram aplicativos de serviços de mobile banking e financeiros que lhes permitem realizar transações online a qualquer momento. Comércio e serviços bancários online estão oferecendo cada vez mais comodidade por meio de estratégias BYOD (bring your own device ou traga seu próprio dispositivo) em oposição ao serviço que depende que o cliente vá fisicamente até o banco. Em todo caso, nem todo consumo é igual ou linear. Esse serviço precisa ser constantemente gerido para não travar a rede com arquivos pesados demais.

Para todos os serviços em um ambiente rápido de alta tecnologia, os sistemas precisam ser robustos, de alto desempenho e seguros. Isso inclui a visibilidade de potenciais problemas de redes e de aplicativos que possam surgir das novas tecnologias, e a capacidade de melhorar o desempenho da rede. Visibilidade de rede e testes de soluções estão disponíveis para ajudar a superar esses desafios. O segredo é eliminar os pontos cegos das redes, realizar as principais avaliações de redes e fortalecer o poder da tecnologia.

Então, como a TI supera esses desafios? Independente de a instituição financeira ser um banco, uma cooperativa de crédito, uma corretora, ou uma empresa de investimento ou de seguro, tudo começa com a arquitetura da visibilidade. Arquitetura da visibilidade é uma expressão meio pomposa para designar a ação de voltar atrás e buscar uma visão holística de sua rede, determinar que tipo de monitoramento de dados é necessário, de onde coletar os dados e como passar os dados para as ferramentas de monitoramento e segurança. As arquiteturas de visibilidade em geral acarretam a adição de taps e network packet brokers (“torneiras” de dados e “corretores de pacotes” de redes) para capturar e filtrar os dados monitorados. Uma vez que você fizer isso, você terá os dados necessários para reduzir/eliminar muitas questões relacionadas a segurança e desempenho.

Outra ação crucial é realizar avaliações de redes. Esse procedimento inclui testes de segurança da rede, testes das redes de Wi-Fi e testes de desempenho tanto dos dispositivos com fio quanto dos sem fio. Testar as soluções ajuda a identificar problemas antes que eles se tornem questões graves. Implantar uma tecnologia testada e correta para substituir processos manuais e desatualizados é o melhor caminho para atingir sucesso de longo prazo.

Smita Dave, Gerente Sênior de Soluções de Marketing da Ixia

Tags, ,

Brasileiros usam cada vez mais o celular para transações bancárias. Ida às agências perde espaço

post_varejo (1)

O canal preferido pelos brasileiros para realizar transações bancárias em 2016 foi o computador pessoal, responsável por 33% das operações. Mas as 16,7 bilhões de transações feitas em 2016 por equipamentos móveis, como celulares, mostram que esse canal tem ganhado cada vez mais a preferência dos brasileiros e já responde por 28% das operações. Em 2015, essa participação era de 19%.

“Até o internet banking, que há algum tempo crescia 20% ao ano, tem perdido espaço. Em 2016, cresceu apenas 3%, enquanto a taxa de uso de celulares vem crescendo de 40% a 50% ao ano”, comenta Flávio Tulio Vilela, chefe do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos, do BC. Segundo ele, a justificativa está na facilidade, na comodidade e na praticidade oferecidas pelos aplicativos desenvolvidos para dispositivos móveis. Os números fazem parte das Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil referentes a 2016, publicadas na segunda-feira (10) pelo BC.

De acordo com o levantamento, agências e postos de atendimento continuam perdendo espaço. Em 2016, foram realizados 8,1 bilhões de transações bancárias nesses locais, 8% a menos que em 2015.

Também está em queda o uso de cheques no país. Em 2016, 879 milhões de operações foram realizadas por esse meio de pagamento, 14% a menos que em 2015. O valor envolvido nessas transações foi de R$ 2,259 trilhões, queda de 12% em relação ao ano anterior. Ainda assim, o montante transacionado com cheques ainda é bastante alto em relação aos demais meios de pagamento, como os cartões de crédito, cujas transações somaram R$ 674 bilhões.

post_varejo (2)

Segundo Flávio Túlio, o cheque ainda continua sendo mais utilizado quando a negociação envolve grandes valores, como a compra de um imóvel ou de um carro. “Na aquisição de um imóvel, por exemplo, o comprador ainda considera mais seguro pagar com cheque, tendo em conta que é possível associar a concretização da compra à liquidação do cheque”.

As operações com cartões de débito somaram R$ 430 bilhões, alta de 10%. Já em número de operações, as transações subiram 5% de 2015 para 2016 e atingiram 6,8 bilhões no total. No caso do cartão de crédito, foram 5,9 bilhões de operações, alta de 6%.

Ainda segundo o relatório, a quantidade de ATMs por região permanece praticamente estável desde 2010. Essa era uma tendência esperada, já que o compartilhamento de máquinas pelos bancos é uma política que vem sendo estimulada pelo BC. “Não é eficiente que cada banco gerencie e mantenha uma máquina própria, uma vez que é possível a concentração de vários bancos em um único ATM. Isso acaba por reduzir custos e beneficiar o cliente”, defende.

Divulgadas anualmente, as Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil compilam informações enviadas pelos diversos participantes do mercado e incluem números referentes ao uso dos instrumentos de pagamento no país, ao mercado de cartões de pagamento e aos canais de acesso a transações bancárias.

Fonte: Banco Central

Tags, , , ,

Canais móveis aumentam o relacionamento dos usuários com instituições financeiras

Canais móveis têm sido utilizados pelas empresas de serviços financeiros para promover produtos e serviços (37%), prestar atendimento ao consumidor (32%) e vender produtos e serviços (27%). É o que mostra o estudo realizado pela Capgemini, um dos líderes mundiais em serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, em parceria com a Pegasystems, provedora líder em aplicações estratégicas de negócios, sobre maturidade digital do setor no Brasil.

Segundo o relatório, os baixos percentuais podem ser decorrentes da preocupação dos usuários com relação à segurança. Mas esta percepção deve diminuir à medida que fintechs (start ups de tecnologia para o setor financeiro) e demais empresas do setor criarem operações digitais, o que deve acelerar a curva de adoção da mobilidade, promovendo o relacionamento entre empresas e usuários.

Por outro lado, o estudo indicou que os canais móveis (66%) já são o terceiro meio digital utilizado pelas empresas financeiras para conhecer melhor o mercado e seus clientes finais, logo depois de internet (84%) e mídias sociais (78%).

A pesquisa detalhou questões-chave nas áreas de negócios e tecnologia das empresas de Serviços Financeiros no Brasil. O relatório baseou-se em 60 entrevistas no setor, incluindo executivos do nível mais alto (CDO / CIO / COO) das empresas e também que respondem diretamente a esses profissionais (gerente de TI, gerente de vendas, entre outros).

Tags,

NCR é líder em soluções para mobile banking no Relatório IDC MarketScape 2017

A NCR Corporation (NYSE: NCR), líder global em soluções omnichannel, é reconhecida como “Líder” no relatório *IDC MarketScape: Sistemas Bancários e de Pagamentos da América do Norte.

Na avaliação do portfolio bancário digital da NCR, o IDC MarketScape destacou inúmeros pontos fortes, incluindo a capacidade da NCR em oferecer uma grande variedade de soluções omnichannel para bancos, integradas à instituição financeira comunitária (Community Financial Institution – CFI, em inglês) com um modelo de preços flexível, combinado ao portfolio de áreas mais abrangentes da NCR, incluindo os terminais de autoatendimento.

“Os consumidores e as instituições financeiras continuam esperando mais do mobile banking, o que nos motiva a continuar inovando e nos dá muito orgulho pelo reconhecimento de liderança neste espaço tão dinâmico”, comenta Jose Resendiz, vice-presidente de Serviços Financeiros da NCR. “Com o design thinking incorporado ao nosso DNA e uma paixão por inovação, nós da NCR estamos constantemente trabalhando para criar uma experiência mais inteligente, interativa e fácil de usar, que atenda proativamente as necessidades reais dos clientes, usando o que há de mais recente em tecnologia”.

Credenciada como a primeira empresa a comercializar um wearable app nos EUA, a NCR lançou recursos móveis essenciais – como Touch ID, Android Fingerprint e 3D touch – dentro de seis meses após a tecnologia estar disponível no mercado.

“Com o foco na experiência do usuário e na integração contínua de novos recursos e tecnologias relevantes, as soluções do Portfolio Bancário Digital da NCR oferecem uma robusta experiência de pagamento e de sistemas bancários móveis”, afirmam os analistas Marc DeCastro e James Wester, da IDC, no relatório IDC MarketScape.

As soluções do Sistema Bancário Digital da NCR estão por trás de 8 dos 10 melhores aplicativos bancários dos EUA, de acordo com a MagnifyMoney. A pesquisa do IDC MarketScape inclui a análise de nove fornecedores norte-americanos de produtos para pagamentos e sistemas para mobile banking.

O relatório é focado nas medidas essenciais para o sucesso, com base nas capacidades atuais do fornecedor e o quanto se alinha às necessidades dos clientes, e na estratégia futura do fornecedor e como ele se alinha com a demanda dos clientes em três a cinco anos.

*IDC MarketScape: Avaliação de Fornecedores de Pagamentos e Sistemas Bancários Móveis na América do Norte 2017 (documento #40830917, maio de 2017)

Tags, , , ,