Category marketing

LGPD traz novos desafios e oportunidades para o marketing

Por Vinicius Siqueira, líder de marketing da NICE para Caribe e América Latina.

A Lei Geral de Proteção de Dados já está a todo vapor nesse começo de 2021. Cada vez que entramos em um site, mesmo aqueles que acessamos com frequência, nos pedem autorizações.

Nos últimos dias, muitos começaram a questionar práticas do WhatsApp e cogitaram modificar a maneira como se comunicam por “instant messages”. São os novos tempos, nos quais os consumidores têm cada dia mais consciência da importância de seus dados e da necessidade de escolher com quem os compartilha.

A LGPD vem impactando e mudando a história de muitos setores e o marketing não fica de fora. Esta área, que realiza parte essencial do relacionamento das empresas com seus consumidores, tem um novo desafio pela frente: o de se reinventar diante das novas regulamentações, tanto no online ou offline, tanto no Brasil quanto no mundo.

Quando penso em Lei Geral de Proteção de Dados me vem à mente a questão da propriedade das informações. A democratização da web iniciou uma era em que as empresas tinham facilidade em conseguir e armazenar dados e esses eram facilmente utilizados pelos departamentos de marketing para fazer a ponte entre os desejos dos clientes e o que as empresas tinham a oferecer.

Agora, com as novas legislações, o consumidor se torna soberano em relação aos seus dados, mas não vejo isso como um problema e sim como uma nova porta que abrimos para desbravarmos uma nova realidade. Adaptação sempre foi uma característica fundamental em marketing e esta é mais uma grande oportunidade de irmos além.

A LGPD impacta o marketing em relação a coleta, armazenamento, segurança e compartilhamento dos dados de clientes e prospects. Por isso, a primeira coisa que devemos ter me mente é a necessidade de ter o controle da origem destes dados e como iremos utilizá-los. É o que chamamos de “deep dive”, ou seja, uma pesquisa profunda para saber exatamente de onde vem os dados que utilizaremos em uma campanha ou uma ação de vendas, de forma que possamos informar o cliente em caso de questionamento e termos a possibilidade de agir com rapidez em solicitações de descadastramento.

A segunda, e não menos importante, é a oportunidade que a LGPD nos dá de atuarmos de forma muito mais focada e alinhada com as tendências de consumo. Em todos os setores observamos cada dia mais a importância de uma experiência personalizada para conquistar novos clientes e fidelizar aqueles que já estão conosco. Com a lei, ações de marketing preocupadas em oferecer uma experiência rica e única para o público-alvo se tornam necessárias e mais do que bem-vindas.

O trabalho de geração de leads com a oferta de algo que seja útil ao consumidor também tem destaque nesse novo cenário. Afinal, sendo dono de seus dados, o cliente entende a importância que suas informações têm para o mercado corporativo e, consequentemente, pensa duas vezes antes de preencher uma ficha de inscrição com e-mail e telefone, por exemplo. Trocar essa informação por algo que seja útil e leve conhecimento, experiência (ela de novo) e/ou algum tipo de ganho mensurável acaba atraindo consumidores interessados na interação com a marca e com lead de potencial mais realista. O tempo dos disparos para mailings gigantes e aleatórios está chegando ao fim.

Finalizando, porém não menos importante, é necessário olhar para esses dados como a preciosidade que eles realmente são. E cuidar da segurança e da gestão da privacidade das informações de clientes e potenciais leads como uma ferramenta valiosa e com a qual precisamos lidar com todo entendimento do compliance das empresas e seus respectivos mercados e órgãos reguladores.

Dessa forma inauguramos uma nova era para o marketing, principalmente o digital. Quem se adaptar prontamente sairá na frente.

A LGPD, os CMOs e o futuro do marketing digital

Por Ivan Ferri

Em todo o mundo, há uma expectativa crescente de que todos se beneficiem da tecnologia digital sem perder o controle de suas informações pessoais. Esse sentimento ganhou força desde, ao menos, 2018, quando da eclosão do escândalo que tornou a empresa de análise de dados Cambridge Analytica símbolo do lado sombrio das redes sociais.

Apesar disso, nunca estivemos tão conectados. E a pandemia e o isolamento social fizeram aumentar ainda mais o acesso a internet e as redes sociais ao redor do planeta. É dentro desse contexto que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou finalmente em vigência no Brasil, no fim de setembro.

É uma lei tão importante quanto o Código de Defesa do Consumidor foi no início dos anos 90. De lá pra cá, o brasileiro entendeu que, como cliente, ele possui direitos. O mesmo acontece agora com a LGPD que levou a privacidade para as reuniões de conselhos, primeiras páginas dos jornais e sites e fez todos repensarem sobre como lidam com dados digitais.

Inspirada na GDPR europeia, a LGPD diz, em poucas palavras, que todos os dados coletados sobre nós, por qualquer site, aplicativo, rede social, plataforma etc. é nosso. Eles pertencem a cada pessoa – a cada um de nós – e não mais as empresas.

É uma garantia legal de acesso e transparência sobre o uso de nossos dados. O cidadão poderá exigir de empresas públicas e privadas informações claras sobre quais dados ela coletou, como os armazena e para quais finalidades os usa. Poderá pedir cópia dos mesmos, solicitar que sejam eliminados ou até transferidos.

Mas o que muda na prática?

Pra começar, já que estamos em ano de eleição, a distribuição indiscriminada de mensagens por WhatsApp agora pode configurar não só infração eleitoral, mas também infração à própria LGPD.

Se um partido possui o celular de alguém isso é um dado pessoal. Para usá-lo mandando uma mensagem, por exemplo, será necessário que haja o consentimento livre, prévio e informado.

Esse consentimento não pode ser implícito. É necessário que cada pessoa efetivamente manifeste sua vontade (e haja prova disso) para que o dado seja usado.

Não é exagero dizer que a LGPD vai mudar o jogo para os profissionais de marketing – não apenas político. Nos últimos cinco anos, os CMOs se concentraram em trazer mais e mais tecnologia para o marketing. Agora, organizações com o hábito de acumular dados antes mesmo de saber o que farão com eles, precisarão passar por uma mudança de mindset.

Eles também precisarão repensar seus modelos de atribuição sem rastrear pixels ou como direcionar seu público sem coletar dados de listening, DMPs, provedores de ISP e bancos de dados de CRM quando não tiverem o consentimento de um usuário ou interesse legítimo (por exemplo, quando você precisa adquirir novos contatos para criar novos negócios).

Oficialmente, no entanto, as punições por desobediência à LGPD só serão aplicadas a partir de agosto de 2021. Ainda assim, os profissionais da área devem começar desde já a buscar um parceiro de marketing seguro, que possa fornecer os insights e o desempenho de que precisam para atingir seus objetivos, sem comprometer a privacidade do consumidor, seguindo não apenas as regras da LGPD, mas também respeitando as diretrizes e limitações de cada rede social e suas APIs. O foco em um ótimo conteúdo personalizado será ainda mais crítico para atrair e reter públicos em vários pontos de contato digitais.

A boa notícia é que você não precisa mais criar conteúdo para atingir o indivíduo, você precisa inspirar seus criadores de conteúdo sobre a persona de marketing específica que você deseja alcançar e, uma vez que eles estejam criando esse conteúdo, entregue-o às redes sociais e elas cuidarão da última milha de personalização.

Bem-vindo à nova era do marketing digital seguro. Uma realidade onde os profissionais de marketing precisarão repensar como criar conteúdo e redirecionar seu público. Assim, a inovação assume a liderança para fornecer uma realidade de negócios segura, onde experiências personalizadas e novos negócios ainda podem ser criados sem comprometer a privacidade.

Afinal, negócios centrados nos usuários devem respeitar seus usuários, inclusive a privacidade deles.

Ivan Ferri, Diretor de Gestão de Clientes e Crescimento da Socialbakers no Brasil

Tags, , , ,

PicPay anuncia vice-presidente de Marketing e Growth

O executivo Phillip Klien foi anunciado como vice-presidente de Marketing e Growth do PicPay, a maior carteira digital do país, com mais de 24 milhões de usuários.

Sob o comando dele, a vice-presidência de marketing e growth da fintech continuará dividida em duas grandes áreas: Growth, comandada por Rodrigo Polacco, responsável pelas estratégias de Customer Lifetime Management, Product Growth e Performance; e Marketing, à frente de Branding, Criação, Mídia e PR, dirigida por Armando Areias.

Formado em Marketing e Finanças pela Tulane University (New Orleans, EUA), Phillip possui experiência em empresas internacionais de tecnologia. Em seu histórico profissional, o executivo apoiou o crescimento acelerado e a consolidação de empresas como OLX, Uber e Twitter.

À frente do Marketing do PicPay, Klien terá como grande objetivo impulsionar o uso pelos brasileiros. “Estou bastante empolgado com o desafio de uma das maiores e mais revolucionárias fintechs, que mudará a forma como as pessoas se relacionam com o dinheiro”, disse.

MadeiraMadeira recebe prêmio do Google por pioneirismo e inovação

A MadeiraMadeira, maior plataforma de produtos para casa do país, acaba de receber o Prêmio Smart Bidding do Google por ser pioneira em adotar o Machine Learning em suas campanhas de marketing.

O Google reconheceu a empresa como uma das primeiras a investir em soluções inovadoras que otimizam e automatizam os processos, antes feitos de maneira manual. “A equipe de performance MadeiraMadeira sempre testou e apostou em soluções arrojadas, esse reconhecimento mostra que estamos no caminho certo para otimizar os investimentos e sermos mais precisos nas estratégias de marketing digital.” conta Leonardo Raduy, Gerente de Marketing e Business Intelligence.

O prêmio foi criado em 2018, quando foi lançado o Smart Challenge do Google. Um programa voltado a agências e anunciantes com o objetivo de reconhecer as empresas que aplicam o Machine Learning em Adwords e Double Click. O objetivo do machine learning é automatizar os processos e reduzir a gestão manual de campanhas do Google.

Tags, , ,

Número de martechs cresceu 32% nos últimos anos

De acordo com o mapeamento da Associação Brasileira de Startups, no Brasil, há cerca entre 10 e mil mil startups, sendo 10.228 mapeadas pela associação. Dessas, 589 são martechs, ou seja, empresas cujo mercado de atuação é voltado para advertising, comunicação / mídia e marketing. Ainda segundo a AbStartups:

32%. É o aumento registrado no número de startups voltadas ao segmento mapeadas de 2016 a 2019.

B2B. 46% das martechs mapeadas oferecem serviços e soluções voltadas para o público B2B. Em seguida, foram registradas 16% para B2B2C e 7,1% para B2C.

Os estados que mais concentram martechs são São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

O CEO e os novos tempos para RH e Marketing

Por Daniel Domeneghetti

A constatação da pesquisa “Novo Mundo, Novo RH”, realizada com 592 executivos e líderes da área de Recursos Humanos, de fevereiro a maio deste ano e que foi apresentado durante o HR Hub, evento realizado pela ProPay, aponta que 64% destes executivos, dentre outros desafios, indicam que a companhia precisa decidir claramente qual área é, de fato, a dona do cliente. Este achado traz à realidade o alerta de um antigo ponto mal resolvido estrategicamente nas empresas: a governança do cliente.

Mas porque clientes, como também consumidores e usuários, precisam de dono? Porque como ativos estratégicos de gestão, assim como para a área de talentos (RH), o caixa (Financeiro), os contratos (RH) e o parque tecnológico (TI), por exemplo, só há gerenciabilidade, eficiência e crescimento possíveis se há dono legitimamente responsável.

Imagine, por exemplo, quatro áreas distintas gerindo o caixa da empresa? Caos! É o que ocorre com o cliente, como ativo estratégico: Marketing, Vendas, Comercial, Atendimento ao Cliente, assim como nas rotinas de retenção, pós-venda, suporte e operações, todas são áreas que gerenciam parte da jornada e da vida de interação dos clientes com a empresa.

O problema se potencializa quando se entende que diferentes donos gerenciam necessariamente com diferentes regras, diretrizes, metas e indicadores, seja diferença de visão ou vocação, seja pelo imperativo funcional da área e pelo papel por ela desempenhado na relação com clientes, consumidores e usuários. Simplesmente não funciona, não encaixa. E o cliente, de único, vira múltiplo, resultando em uma experiência sofrível.

Neste artigo, à parte a questão central acima exposta – e que já foi tema de diferentes artigos e análises que fiz, foco, de maneira localizada, no impacto do distanciamento entre as áreas RH e Marketing (e demais áreas ligadas aos clientes, consumidores, usuários da companhia), contribuindo relevantemente para esta problematização.

É consenso que a área de Recursos Humanos deve trabalhar para que os colaboradores consigam performar e entregar a proposta de valor da empresa aos seus clientes, consumidores e usuários em todos os seus pontos de operação e interação, em especial na chamada última milha, onde a experiência de marca se materializa. Porém, não se fala em clientes, consumidores e usuários sem se pensar em áreas como Marketing, Comercial e Atendimento, por exemplo. E não se pode ignorar que os clientes, além de principal stakeholder da empresa, são também sua razão de existir e os financiadores diários de seu caixa e crescimento.

Assim, como cada vez mais o valor da empresa depende do sucesso da jornada de cada cliente, consumidor ou usuário com a empresa, o casamento seria perfeito se, por exemplo, o Marketing e o RH atuassem de maneira integrada em favor destes stakeholders e, por decorrência, de toda a empresa e de seus acionistas/investidores, mas, na prática, a realidade ainda é outra.

O RH e o Marketing precisam ter a ciência de que hoje o novo cliente tem cada vez mais força e está na posição fim do ciclo, enquanto o novo colaborador, que também é um ator de extrema importância na cadeia de valor da empresa, é o meio para o alcance deste cliente. Neste circuito, podemos observar que, em geral, as posições às vezes se misturam e há uma interseção entre cliente e colaborador, trazendo premissas iguais ao vestir múltiplos chapéus, exercendo, ao mesmo tempo, os papéis de consumidor, cidadão, acionista e colaborador.

Por isso, toda e qualquer tática de relacionamento será fluida se o RH e o Marketing desenharem o processo de suporte à jornada do cliente. Um não vive sem o outro, ou seja, se retroalimentam, frente ao novo tempo de empoderamento sócio-corporativo.

Daniel Domeneghetti, especialista em Estratégia Corporativa, Top Management Consulting e Gestão de Ativos Intangíveis e CEO da DOM Strategy Partners, consultoria 100% nacional focada em maximizar geração e proteção de valor real para as empresas.

Tags, , , , , ,

Daniela Dias é a nova diretora de marketing da Kaspersky Lab

A Kasperksy Lab, empresa global de cibersegurança, anuncia a chegada de Daniela Dias como diretora de marketing para o Brasil. Baseada em São Paulo, sede regional da América Latina, a executiva é responsável por planejar e desenvolver todas as atividades de marketing para atingir os objetivos de vendas, crescimento, lucratividade e visibilidade da empresa no País. Além disso, Daniela tem a missão de unificar os esforços de branding com as equipes de mídia social e relações com a imprensa, em todos os canais digitais e offline, além de contribuir com o crescimento da empresa no Brasil em todos os segmentos de consumo, soluções corporativas e vendas online. Dias se reportará para Roberto Rebouças, diretor-executivo da Kaspersky Lab no Brasil.

“A chegada da Daniela reforça nossa estratégia de estar cada vez mais presentes não só nos canais offline, mas também nos online. Sua experiência acrescentará muito em nossos relacionamentos com clientes e novos negócios. A Kaspersky Lab continua sua trajetória de crescimento em vários segmentos de negócios no país e a Daniela será fundamental no fortalecimento desta expansão”, destaca Roberto Rebouças.

A executiva possui vasta experiência em marketing digital e e-commerce, tendo trabalhado por três anos, como gerente de Negócios de e-Commerce Corporativo da Havaianas no Brasil e, como gerente de Marketing Digital e Social Media na Microsoft Brasil. Anteriormente, Dias era Líder Interina de Marketing na Cisco Brasil, e responsável por segmentar o conteúdo para alcançar diferentes tipos de personas com base em suas preferências, hábitos, entre outros.

Daniela é formada em Comunicação Social com ênfase em Marketing pela Universidade Anhembi Morumbi e possui cursos na área de liderança e branding.

Tags, , , ,

Wine.com.br anuncia novo time de marketing

o ano em que completa uma década, a Wine.com.br, maior clube de assinaturas e e-commerce de vinhos da América Latina, mostra que seu plano de crescimento está a todo vapor e anuncia mudanças em seu time de marketing.

Recém-chegada à diretoria da área, Marcela Ulian, que soma passagens nos canais digitais de importantes players, como BrasilCT, Carrefour, Walmart e Natura, trouxe para seu time quatro novos profissionais. Os importantes reforços são Alexandre Moeda Cara, Juliana Simões Costa, Lourival Júnior e Ricardo Tomé. Eles serão responsáveis, respectivamente, pelas áreas de marketing de marca, planejamento e gestão de relacionamento com o cliente, e-commerce e performance e experiência do usuário.

“A Wine.com.br está completando dez anos comemorando o sucesso do seu propósito de democratizar o vinho e proporcionar experiências positivas na vida das pessoas. Tivemos resultados significativos ano a ano e vamos crescer ainda mais. O novo time é fundamental para esse resultado”, diz Marcela.

Formado em marketing pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Alexandre Moeda Cara, que já passou pela Adidas, tem mais de dez anos de experiência em branding, digital e trade, e chega para comandar a área de marketing de marca da Wine.com.br.

A administradora Juliana Simões Costa, que após quase dois anos na área de controladoria da Wine.com.br, passa a integrar a gerência de marketing na função de planejamento e gestão de relacionamento com o cliente. A profissional tem passagem também pela Nestlè.

Lourival Júnior, por sua vez, assume a estratégia de negócio da loja virtual. Publicitário com mais de 15 anos de experiência no varejo digital e membro do Conselho de Curadoria de Conteúdo do E-Commerce Brasil, o profissional já trabalhou em plataformas como o Submarino, B2E, Saraiva e Walmart.com, e responderá pela gerência de marketing e e-commerce da empresa.

A formação do novo time fica completa com Ricardo Tomé, graduado em administração de empresas com MBA em marketing pela Fundação Getúlio Vargas assume posição de liderança na área de performance e experiência do usuário. Em seu currículo também soma passagens por importantes players do varejo, como Walmart, C&A e M.Officer, e de serviços, como Kroton e Redecard.

Tags, , , , ,

Empresas com equipes de marketing e vendas alinhadas apresentam melhores resultados

Estratégias de marketing digital apresentam melhores resultados quando os times de marketing e vendas trabalham alinhados. É o que aponta a 4ª edição do O Estado do Inbound 2018, realizada pela HubSpot. 30% dos entrevistados apontam as indicações vindas da equipe de marketing como melhor fonte de leads – este índice era de apenas 21% em 2016. Além disso, a comunicação digital ganha cada vez mais espaço entre as estratégias de vendas, hoje, 82% das empresas afirmam se relacionar com clientes e prospects por meio de e-mails.

“Antes de mais nada, percebemos que o marketing digital não funciona quando se trabalha sozinho. As equipes que relataram forte alinhamento entre as áreas de marketing e vendas conseguem perceber crescimento maior, em termos de orçamento, e em número de leads”, afirma Rodrigo Souto, gerente de Marketing da HubSpot para o Brasil. “Na HubSpot procuramos unir sempre as duas frentes em nossas soluções. Por exemplo, oferecemos uma ferramenta de CRM gratuita por entender que é preciso centralizar as informações de vendas e prospecções no mesmo ambiente em que são gerenciadas as estratégias de inbound marketing. Com o estudo, constatamos que 31% dos executivos de vendas gastam mais de uma hora por dia com o cadastro de informações em uma plataforma de gestão. É preciso aproveitar esses dados da maneira mais inteligente possível, já que esta é uma forma de simplificar os processos e otimizar os resultados”, explica.

O Estado do Inbound aponta que fechar mais negócios ainda é o principal foco dos times de vendas. Mas, as vendas por social selling ganham cada vez mais importância onde utilizar uma marca pessoal ou o relacionamento para atingir as pessoas certas nos negócios é uma das maneiras mais eficazes para obter resultados. Isso porque a maior parte dos leads, atualmente, vem de indicações.

Outros dados da pesquisa

Na América Latina, 70% dos entrevistados apontam o fechamento de negócios como prioridade dos times de vendas. Na sequência, estão o social selling, com 40%, o aumento da eficiência do funil de vendas (39%), o treinamento do time de vendas (29%) e a redução do ciclo de vendas (29%);
Entre os maiores desafios dos times de vendas, em comparação com 2 ou 3 anos atrás, estão o envolvimento de diversos tomadores de decisão no processo de compras, o fechamento de negócios e o recebimento de respostas dos prospects. 36% dos pesquisaram apontaram essas três questões como tarefas mais difíceis, seguidas de identificação de bons leads (31%), dificuldade em evitar descontos nas negociações (25%) e contato por telefone (21%);
55% dos entrevistados afirmaram ter dificuldades em atividades pré-vendas.

Metodologia

Para o levantamento “O Estado do Inbound 2018”, foram mais de 6 mil pessoas entrevistadas em 99 países – 36% delas de América Latina. O estudo foi feito de fevereiro a março de 2018 e a amostra é composta, majoritariamente, por respostas voluntárias de contatos e parceiros da HubSpot (a empresa suplementou um número menor de respostas do painel em determinadas regiões, como sudeste da Ásia e Europa central para garantir o tamanho de amostra válido).

A base de pesquisa é formada por diretoria executiva como CEOs e CMOs (23%), vice-presidentes (3%), diretores (11%), gerentes (27%) e colaboradores individuais (28%). A amostra foi obtida por meio da Luc.id, um provedor de painel de pesquisa.

O estudo completo pode ser acessado através do link:

http://www.stateofinbound.com/america-latina-pt

Tags, , , ,

AlmavivA aumenta faturamento de R$ 3,5 milhões para R$ 1 bilhão em apenas 10 anos no Brasil

A AlmavivA do Brasil, uma das principais empresas do segmento de contact center, customer relationship management (CRM) e trade marketing, conquistou o terceiro lugar no setor em apenas uma década de atuação no Brasil. De 2006 para 2016, o número de funcionários da companhia saltou de 801 para 30 mil, e ela registrou crescimento de R$ 3,5 milhões para R$ 1 bilhão de faturamento.

Já em 2017, a AlmavivA do Brasil obteve de sua matriz, na Itália, € 250 milhões – em operação de euro bonds assessorada pela Goldman Sachs. Desse total, vieram para o Brasil R$ 280 milhões (€ 75 milhões, aproximadamente) – parte como equity e empréstimo intercompany, permitindo quitar todos os débitos com bancos locais, reforçar o caixa e avaliar oportunidades atrativas de M&A.

“Com esse aporte, a AlmavivA substituiu uma dívida muito cara, geralmente de curto prazo, por capital e empréstimo de longo prazo, a uma taxa extremamente vantajosa, permitindo à companhia um diferencial competitivo para 2018 e próximos anos”, explica Alberto Ferreira, diretor-geral de Business.

Além do crescimento em capital financeiro e capital humano, a companhia também ampliou sua estrutura no País, de modo que em pouco mais de uma década passou a contar com 12 sites e 8 escritórios distribuídos em cidades brasileiras como Aracaju (SE), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Guarulhos (SP), Juiz de Fora (MG), Maceió (AL), São Paulo (sede e central na capital) e Teresina (PI).

Para este ano, de acordo com Alberto Ferreira, a AlmavivA do Brasil pretende adquirir empresas que ampliem ainda mais seu portfólio, considerando suas três competências cruciais para manter-se no mercado: “Robustez financeira, know how e tecnologia vindos de nossos laboratórios internos de tecnologia”, enfatiza o executivo.

Tags, , , , , ,

Youse tem nova gerente de Marketing, Branding e Comunicação

A Youse, plataforma de venda de seguros online da Caixa Seguradora, anuncia Érika Mello como sua nova Gerente de Marketing, com foco em liderar as frentes de Comunicação e Branding. A executiva, que recentemente retornou de licença-maternidade, assumiu o novo cargo e o desafio de liderar as equipes internas da Youse, além das agências de comunicação.

Com mais de 8 anos de experiência em Comunicação e Marketing, atuando nas áreas de Branding, Marketing de Produto e Inovação e Marketing Digital. Em 2012, ingressou na Caixa Seguradora como coordenadora de Novos Negócios, sendo responsável pela gestão de projetos, acompanhamento de tendências, análise de concorrência, inteligência de mercado, branding e inovações, além de ser responsável pela gestão de equipe e de atividades do site institucional da marca, planejamento editorial de conteúdo e gestão de hotsites e landing pages.

Ainda em Brasília, Érika iniciou o projeto Youse, criado dentro da Caixa Seguradora. “Estou na Youse desde sua concepção, quando a marca ainda não existia. Fui uma das pessoas responsáveis por desenvolver a plataforma de marca e estratégia de comunicação de lançamento da Youse., afirma a executiva.

No atual cargo, Érika tem como desafio desenvolver as diretrizes macro de conteúdo da marca Youse. “Além de coordenar as ações on e offline, pretendemos implementar, ainda em 2018, as novas diretrizes de comunicação, trabalhando de forma colaborativa com as Squads e Chapters, além de potencializar e tangibilizar os conteúdos, ampliando o crescimento do share of voice de forma a contribuir para a evolução da consideração da marca Youse”, complementa.

Formada em jornalismo e pós-graduada em Gestão Estratégica de Negócios pelo IBMEC, Érika assumiu o novo cargo em junho de 2018 e responde diretamente para Leandro Claro, CMO e Eldes Mattiuzzo, CEO da Youse.

Tags, , , , ,

NCR anuncia Mariana Miranda como gerente de Marketing para o Brasil e América Latina

Há três anos como gestora de operações de vendas para a América Latina e Caribe na NCR, Mariana Miranda agora assume o cargo de gerente sênior de Marketing da NCR no Brasil e América Latina, sendo responsável pelas ações e estratégias para as verticais de varejo, finanças e hospitalidade nessas regiões.

“É uma excelente oportunidade trabalhar com o time de marketing das verticais de varejo, finanças e hospitalidade e contribuir com o know how já adquirido durante estes anos na NCR. Meu objetivo é direcionar a equipe com ações estratégicas para fortalecer a presença da NCR na América Latina e no Brasil, mantendo nosso posicionamento de liderança no mercado”, afirma Mariana Miranda.

Em sua trajetória profissional, Mariana trabalhou como gerente de operações de vendas em empresas como Samsung e Lenovo. A executiva é graduada em administração de empresas, pós-graduada em Gerência de Gestão de Negócios com ênfase em Marketing e atualmente está cursando MBA de Gestão Comercial na FGV.

Tags, , , ,