Category marketing digital

Em ano de pandemia, o Marketing Digital pode ser o grande aliado da Black Friday

Por Anna Karina Silva Pinto, diretora de Marketing da Linx

A Black Friday é considerada uma das principais datas comemorativas do varejo brasileiro. Em um ano atípico como esse, em que experienciamos uma pandemia, é natural observarmos a grande transformação digital que as empresas estão passando e o impulso para um comportamento já esperado: a migração total das vendas para o mundo online. Além disso, a crise econômica decorrente desse cenário gerou impactos nos negócios e no comércio, sendo que a grande maioria, de pequenos e médios empreendedores, precisou realizar rápidas adaptações para não encontrar maiores prejuízos.

A grande data do varejo, que neste ano ocorrerá em 27 de novembro, terá como missão, mais do que nunca, reconquistar o espaço e os lucros perdidos ao longo de todo um ano. Tradicionalmente, diversas lojas já contam com a Black Friday como uma forma de esperança para impulsionar o resultado das vendas. Porém, com a impossibilidade de reabertura total do varejo físico, devido às restrições de saúde e segurança, o varejo online certamente dominará a data. Em 2019, segundo dados da Linx, as vendas online cresceram 24% em relação à Black Friday do ano anterior. Dado o momento vivido, este número deverá ser ainda maior em 2020.

Por essa razão, será imprescindível investir em planejamentos e estratégias de marketing digital consistentes. Afinal, o consumidor ainda será impactado, em maior número, por meio das telas. Divulgar com antecedência, espalhar a mensagem do negócio e preparar os clientes, para que saibam que a loja estará presente em peso na Black Friday, será essencial. É o momento de alavancar as redes sociais, propagar e-mails marketing e investir em anúncios patrocinados, que impulsionarão o nome da loja e os produtos e descontos que serão oferecidos. A estratégia é instigar o público a aguardar a data com ansiedade.

Em plataformas como Instagram e Facebook, por exemplo, é imprescindível criar um cronograma de publicações, para que o negócio esteja sempre movimentado e em evidência para os seguidores, relacionando-se com eles de maneira constante, tirando dúvidas e interagindo pelos comentários e mensagens diretas. Além disso, oferecer descontos realistas e próximos da operação já realizada pela loja ao longo do ano fará com que o varejista mantenha a credibilidade e a confiança.

Com o cliente conquistado e esperando o momento para adquirir os produtos, é necessário preparar-se para evitar deslizes e assim, derrubar o planejamento de marketing. Abastecer o estoque para evitar insatisfação dos clientes e falta de produtos logo no início das vendas e investir em um funcionamento impecável das plataformas e lojas virtuais serão pontos cruciais, já que a compra online será a única opção para muitos clientes. A equipe de atendimento precisará estar ainda mais preparada para oferecer uma boa experiência de compra, seja no varejo físico ou digital.

Por fim, o lojista precisará mudar o foco para o pós-venda. A entrega rápida e eficaz também deve ser considerada uma estratégia que demonstrará ao cliente o cuidado e a preocupação com conforto e segurança. A preparação para a Black Friday não pode ser manchada por erros e atrasos excessivos justo ao final da operação. O processo após a data deve se concentrar nas solicitações, dúvidas e reclamações, a fim de gerar fidelização e construção do relacionamento com o consumidor.

As estratégias de marketing também não podem parar por aí. Logo na sequência, datas como a Cyber Monday, na segunda-feira seguinte, e o Natal também movimentam o cenário varejista com descontos, promoções e grandes números de vendas. Manter o consumidor próximo do negócio, recebendo conteúdo personalizado, com base em análise de dados coletados na própria Black Friday, para reverter carrinhos abandonados e converter produtos visualizados, junto de boas – e novas – ofertas, impactará diretamente na qualidade da jornada de compra. Este será um ponto chave para que ele continue buscando esses serviços e opções ao longo de todo o ano.

Tags, , ,

Home office: buscas na internet têm aumento de 2300% em 2020

A modalidade de home office ganhou força no Brasil durante a pandemia do coronavírus, já que empresas optaram por manter seus colaboradores em casa para a diminuição do contágio. As pessoas têm passado mais tempo em casa, seja trabalhando ou realizando atividades como a jardinagem, por exemplo. Pensando nisso, a SEMrush , líder global em marketing digital, realizou um levantamento, que aponta o aumento significativo nas buscas por artigos para home office em 2020. Em março deste ano, o termo “home office” teve um crescimento de 2300% comparado a março do ano passado.

De acordo com a pesquisa, a “cadeira gamer” teve 550 mil buscas em março de 2020, com aumento de 49% em relação a fevereiro do mesmo ano. Já a palavra “teclado” alcançou uma média de 336 mil buscas, no período de março a agosto deste ano, tendo um crescimento de 124% em relação ao mesmo período de 2019. Houve também um aumento de 49% na procura por “escrivaninha”, sendo 301 mil pesquisas em março do ano passado e 450 mil no mesmo mês de 2020.

A quarentena também provocou um aumento nos cuidados com jardins e plantas dentro de casa. Segundo levantamento realizado pela SEMrush, no mês de março, a palavra “terra” bateu a marca de 5 milhões de buscas, enquanto que em fevereiro foram 3,3 milhões de pesquisas, tendo um aumento de 66% de um mês para o outro. Já a palavra “planta” subiu 110% na média mensal de buscas, comparando os períodos de maio a agosto de 2019 e 2020. Um termo bastante pesquisado recentemente tem sido “jardim vertical”, sendo 194 mil buscas no ano passado (de maio a agosto) contra 540 mil pesquisas neste ano, na mesma época, dando um salto de 177%.

Não só as buscas por produtos aumentaram, mas também a procura por empresas que oferecem artigos para home office e home garden. Entre os meses de maio e agosto de 2020, o Mercado Livre, referência em e-commerce na América Latina, teve uma média mensal de 45,5 milhões de pesquisas, com crescimento de 34% comparado ao mesmo período de 2019. Já a grande varejista brasileira Magazine Luiza recebeu uma média mensal de 12,3 milhões de buscas este ano (de maio a agosto), 72% a mais em relação ao ano passado. Nesses mesmos meses, o estudo mostra que a empresa Casas Bahia teve um aumento bastante significativo nas pesquisas por itens para home office, chegando a 101%, com média mensal de 6,1 milhões de buscas em 2019 e 12,3 milhões em 2020. Entretanto, a Lojas Americanas subiu 50% nas pesquisas por produtos para home garden, com média mensal de 5,2 milhões de buscas, entre abril e agosto de 2020.

Home garden

Tráfego

A movimentação de usuários que navegam por sites na internet teve uma alta expressiva durante o período de isolamento social. Tanto no segmento de home office quanto de home garden, podemos notar um aumento no acesso a sites de grandes varejistas. Confira o crescimento de tráfego nos sites das três principais empresas brasileiras, comparando o período de março a agosto de 2019 à mesma época de 2020:


Magazine Luiza – 354%
Lojas Americanas – 207%
Mercado Livre – 173%

Tags, , ,

Locaweb anuncia aquisição da Etus

A Locaweb anuncia a aquisição da Etus, empresa que oferece a mais completa e robusta solução para gestão e marketing digital em redes sociais do mercado e já conta com mais de 100 mil marcas sendo atendidas. A plataforma ajuda empresas a fazerem essa gestão completa em um único ambiente, de forma simples e descomplicada.

“Sempre apoiamos as PME’s e já temos um grande volume de serviços para ajudá-los no processo de digitalização de suas operações, oferecendo soluções de Commerce (plataforma para loja virtual, meios de pagamento, integração com marketplaces, entre outros), Presença Digital e SaaS. A presença em rede social tornou-se de extrema relevância para clientes do perfil atendido pela Locaweb e encontramos na Etus a solução que melhor se integra em nosso portfólio. Sabemos que existe grande sinergia para os dois lados, pois os clientes da Locaweb precisam de soluções como as da Etus para venderem ainda mais e ampliarem a sua presença digital. Ao mesmo tempo, os clientes da Etus precisam das soluções que a Locaweb oferece. Como já temos um processo de cross-sell bem estabelecido na companhia, a Etus já chega podendo fazer uso imediato de todo esse potencial de vendas para a nossa base”, afirma Fernando Cirne, CEO da Locaweb.

“Estamos animados em divulgar ao mercado mais uma importante aquisição depois da abertura de capital, que ocorreu em fevereiro deste ano. Como sempre fazemos em nossas aquisições, fomos extremamente cautelosos e avaliamos centenas de empresas para chegar até a Etus. Estamos falando de um produto de assinatura, tecnicamente muito bem estabelecido, com potencial de cross-sell e com fundadores que continuarão conosco na operação. É a receita que gostamos. Uniremos nossos esforços e seguiremos ainda mais firmes no propósito de fazer negócios nascerem e prosperarem por meio da tecnologia “, completa o CEO.

Criada em 2015, a Etus oferece para todos os tamanhos de empresas e agências uma plataforma completa e robusta para a gestão de redes sociais e marketing digital em um mesmo ambiente. Nela, é possível agendar e impulsionar posts, gerenciar interações com perfis das redes, captar leads, ter relatórios completos de todas as ações e muito mais. Possui funcionalidades avançadas para garantir excelente posicionamento, o que aumenta sensivelmente o sucesso dos clientes, a conversão e melhora no pós-vendas.

A maioria das empresas que entram nas redes sociais precisa de perfis nas principais como: Facebook, Instagram, Linkedin, Pintrest, Twitter entre outras. Fazer uma gestão de todas essas redes separadamente é extremamente complicado e ineficaz. A plataforma da Etus vem para facilitar a vida das empresas, que apostam nesse meio e sabem da importância dele para vender mais, divulgar seus produtos e serviços e estar mais próximo dos seus clientes e prospects.

Com um modelo de negócio SaaS (software as a service), a Etus oferece tudo isso e o cliente paga um valor mensal pelo uso da plataforma, mesmo modelo adotado pela Locaweb nos seus serviços. A companhia já vem crescendo organicamente de forma muito expressiva nos últimos anos, agora poderá acelerar ainda mais esse crescimento graças às integrações com a Locaweb.

“A Etus nasceu para resolver o problema que a maioria das empresas possui no marketing digital, a gestão de suas redes sociais aliada a produtividade e resultados. Meus sócios e eu atuávamos como publicitários com especialização em marketing digital desde 2010 e perdíamos muito tempo gerenciando as redes sociais dos nossos clientes. Precisávamos de algo completo e robusto para ajudar nessa tarefa. Desenvolvemos a solução e com isso tivemos mais tempo para evoluir e escalar os nossos negócios”, conta o cofundador e CEO da Etus André Patrocínio.

“Escolhemos a Locaweb porque enxergamos uma sinergia enorme entre o que a companhia oferece aos clientes e o que podemos complementar nesse portfólio para proporcionar uma presença digital completa para as empresas. Também nos identificamos com a cultura da companhia assim como o propósito de ajudar a pequena e média empresa na digitalização dos seus negócios”, afirma.

Seguindo o modelo de atuação da Companhia em outras aquisições, os fundadores André Patrocínio, Márcio Garcia e Bruno Rafael Nery permanecerão responsáveis pela operação da Etus.

Uma das pioneiras em soluções Business to Business (B2B) para transformação digital de negócios no Brasil, a Locaweb nasceu para ajudar empreendedores e negócios a desenvolverem sua presença online e prosperarem na web. Ao longo dos últimos anos, a empresa realizou seis aquisições, fortalecendo a atuação em diversos mercados como o de e-commerce, marketing cloud, hospedagem, cloud computing, pagamentos e aplicativos mobile. A Locaweb possui mais de 1,5 mil funcionários, quase 400 mil clientes e 19 mil desenvolvedores parceiros. Com 22 anos de atuação, a empresa segue crescendo e inovando por meio de desenvolvimento e aprimoramento interno de produtos bem como de aquisições.

Startup de Marketing Digital cria plataforma e automatiza análise de concorrentes

A Incubadora de Negócios ESPM , escola de negócios referência nas áreas de Marketing, Administração, Consumo, Economia Criativa e Gestão, hospeda a startup Metlycs. Criada por ex-alunos, a Metlycs é uma plataforma de marketing digital que analisa e acompanha os dados da concorrência das empresas usuárias de forma instantânea.

O cadastro e o acesso à plataforma são gratuitos. “Os usuários podem testar à vontade o pacote básico de serviços e contribuir para o aperfeiçoamento da ferramenta”, diz Lucas Longhi, um dos fundadores da startup. “Nosso sistema apresenta funcionalidades inéditas e nos posiciona à frente dos demais.”

Segundo Longhi, o principal diferencial da Metlycs em relação a outras soluções de marketing digital é a automatização das informações. O usuário abre os sites das empresas concorrentes na plataforma e escolhe as informações que deseja rastrear. O gerenciador da atividade receberá uma notificação, no e-mail cadastrado, a cada mudança de dados.

A tecnologia também verifica a instabilidade de websites, gerencia o relacionamento com clientes (CRM) e cria campanhas de e-mail marketing. Permite criar landing pages e pop-ups para a captação de contatos — recursos utilizados em websites para rastrear e direcionar os consumidores na jornada de compra — e analisar métricas de campanhas de marketing digital.

A Metlycs foi criada no final de 2018, a partir de trabalhos de marketing digital de Longhi, ex-aluno do curso de Publicidade e Propaganda da ESPM SP, e seu sócio Matheus Lugon. “Dado o empenho da dupla, a startup tornou-se parte da Incubadora de Negócios da escola, onde seus criadores passaram a receber apoio gerencial, operacional e financeiro”, afirma Letícia Menegon, coordenadora do Centro de Empreendedorismo, da ESPM SP. “A empresa está em uma fase madura e pronta para encarar o mercado.

Sua empresa está pronta para as transformações do marketing digital?

Por Rodrigo Souto, gerente de marketing da HubSpot para o Brasil

A adoção de tecnologia nos processos da maioria das empresas demonstra a evolução – constante e rápida – do marketing digital.

De acordo com um estudo da Forrest Research, 70% dos anunciantes devem empregar plataformas de dados para superar os gargalos de informação. Isso porque dados isolados de clientes inibem comunicações multicanais eficazes, e por isso, as plataformas estão ganhando popularidade como uma forma de conectar as informações dos clientes em vários sistemas.

Além disso, outra previsão indica que, em 2019, mais de 20% das plataformas vão contar com tecnologias como inteligência artificial para ajudar os profissionais de marketing a dimensionar os esforços de personalização, conhecer melhor o usuário e assim poder entregar conteúdo de uma marca/empresa de forma mais objetiva.

Independentemente do avanço da tecnologia, a humanização será sempre um diferencial que não pode ser deixado de lado, mas, sim, incorporado nessa nova maneira de “conversar” com o cliente. Neste processo, é fundamental se atentar a alguns pontos que, quando olhados de forma minuciosa e com certa cautela, permitem que a estratégia seja, de fato, a mais assertiva:

• Pessoas qualificadas – Para fazer a ponte entre os dados e desafios reais em toda jornada do cliente, é fundamental que seu time conte com pessoas qualificadas, com habilidades tanto para lidar com as tecnologias que estão à disposição, quanto para conversar com os clientes e oferecer o que buscam na hora certa – um pequeno desvio na comunicação e um cliente pode ser perdido;

• Profissionais antenados – No marketing digital, o conceito de funil passa por uma transformação. Vemos cada vez mais a ascensão do formato de “Flywheel”, modelo onde o foco é 100% no atendimento do cliente. Toda a experiência deve ser acompanhada e cada atividade durante seu percurso representa um insight e irá impactar nas demais ações, ajudando a desenhar uma estratégia toda a redor do cliente;

• Comunicação real time – o crescimento global do mercado de chatbots deverá ser a taxas anuais de 24% até 2025. Conversar com o cliente sempre foi necessário para entender a demanda. E colocar o cliente no centro da estratégia exije o investimento em tecnologias de conversação como lives, SMS e Messenger. Mas é importante sempre lembrar que o atendimento humanizado ainda é essencial em um dado momento da conversa para personalizar e contextualizar o envolvimento em várias escalas.

• Segurança – Por fim, mas não menos importante, é necessário enfatizar que com o alto volume de informações compartilhadas, as organizações devem trabalhar em conjunto com o departamento jurídico para avaliar suas próprias práticas de coleta, armazenamento e uso de dados, incluindo as maneiras como usam as ferramentas de marketing e vendas. Apesar de ser uma medida interna, isso impacta diretamente na vida do seu cliente e é, com certeza, um diferencial enorme na hora de fidelizá-lo e garantir que ele volte sempre!

Tags, , ,

Número de martechs cresceu 32% nos últimos anos

De acordo com o mapeamento da Associação Brasileira de Startups, no Brasil, há cerca entre 10 e mil mil startups, sendo 10.228 mapeadas pela associação. Dessas, 589 são martechs, ou seja, empresas cujo mercado de atuação é voltado para advertising, comunicação / mídia e marketing. Ainda segundo a AbStartups:

32%. É o aumento registrado no número de startups voltadas ao segmento mapeadas de 2016 a 2019.

B2B. 46% das martechs mapeadas oferecem serviços e soluções voltadas para o público B2B. Em seguida, foram registradas 16% para B2B2C e 7,1% para B2C.

Os estados que mais concentram martechs são São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Os desafios de engajar um público cada vez mais exigente

Por Guillermo Bracciaforte, cofundador da Workana

O meio digital vem crescendo exponencialmente, proporcionando novas possibilidades para as empresas enquanto gera uma necessidade de adaptação às mudanças. Para ter sucesso nesse mercado, primeiramente, é importante compreender onde estão os consumidores. A pesquisa Webshoppers 37, realizada pela Ebit, apontou que 27,3% das compras online realizadas em 2017 foram feitas por meio de smartphones, e a expectativa é que esse número chegue a 37% em 2018. A adaptação para o mobile é algo essencial, pode ser um app exclusivo ou um site adaptado, o importante é oferecer uma boa experiência de compra na palma da mão.

Também é essencial criar uma identidade para as empresas; a cultura e o estilo de vida do negócio dependem diretamente da imagem e da filosofia transmitidas pela comunicação. Uma boa estratégia funciona como um ímã que atrai clientes e faz com que eles compreendam o espírito da empresa, gerando desejo pelo produto ou serviço oferecido. Com a adoção de um planejamento de marketing de conteúdo, além de engajar o público, é possível construir a reputação da marca e, consequentemente, levar a empresa a ser referência em sua área de atuação.

Em relação à periodicidade e plataformas, é necessário compreender qual é o público alvo da ação e criar laços, fornecendo informações de qualidade sem viés comercial, apenas informativo. Esse conteúdo precisa ser recorrente e pode estar presente em blogs, mídias sociais e e-mail marketing, por exemplo. É importante lembrar que, quanto mais conteúdos relevantes, maior a possibilidade de engajamento.

Outra consequência da criação de conteúdo é a interação do público. Conquistando a fidelidade, é primordial estabelecer uma relação mútua, ouvindo os clientes tanto em elogios quanto em críticas e buscando oferecer uma solução real e rápida. Um cliente bem atendido, seja qual for seu problema, certamente irá recomendar a marca quando surgir a oportunidade, um fator de extrema importância para a construção da reputação.

Mas e agora, como investir nesse novo mundo sem conhecimento da área? Esse é mais um grande desafio. Uma pesquisa realizada pela Rock Content apontou que dentre os entrevistados, 71% das empresas adotam a estratégia de marketing de conteúdo, enquanto os outros 39% afirmam não investir na área por falta de tempo e de equipe disponível. Com as mudanças que o mercado de trabalho e os negócios vêm sofrendo, é possível enxergar dois lados: uma dificuldade ou uma oportunidade.

De fato, produzir um conteúdo que engaje o público, gere um retorno e ainda assim acompanhe o espírito da empresa não é algo fácil a se fazer, mas que vem abrindo portas para que profissionais mostrem seu valor e empresas encontrem talentos. Na Workana, acompanhamos um crescimento de 70% na atividade freelance em 2017. Dos projetos realizados através da Workana no Brasil, 34% são da área de tradução conteúdo, o que demonstra que a área vem ganhando visibilidade e proporcionando novas possibilidades de negócios.

Por fim, é sempre positivo que a empresa esteja aberta a mudanças, compreenda que o público vem se transformando e, consequentemente, evoluindo sua maneira de consumir. Com uma boa estratégia e profissionais atualizados, é possível se posicionar e criar uma identidade que acompanhe essa virada no mercado.

Tags, , , , , , , ,

Twitter amplia formatos de publicidade em vídeo no Brasil

O Twitter passa a disponibilizar no mercado brasileiro o anúncio em Vídeo In-Stream, novo formato de publicidade em vídeo que permite que os anunciantes associem suas marcas a um conteúdo premium de maneira segura e em escala. Considerando o público-alvo da campanha e os assuntos de interesse do consumidor a ser impactado, os anúncios da marca são veiculados em vídeos criados por parceiros produtores de conteúdo nos segmentos de entretenimento, esportes e notícia, divididos em 15 categorias. Os anúncios são exibidos antes do início dos vídeos dos parceiros (pre-roll), que são selecionados de acordo com o perfil indicado pelo anunciante.

Com o anúncio em Vídeo In-Stream, as marcas têm a oportunidade de participar das conversas que estão acontecendo em tempo real na plataforma a partir dos diferentes conteúdos em vídeo que estão sendo assistidos pela sua audiência. Além disso, o fato de os vídeos disponíveis para receber anúncios serem produzidos por parceiros do Twitter garante que a marca esteja atrelada a um conteúdo de qualidade e seguro (brand-safe).

“O anúncio em Vídeo In-Stream é a única solução disponível do mercado no formato pre-roll no feed de notícias do usuário. Ele alia conteúdo premium a um ambiente em tempo real permitindo que as marcas alcancem uma audiência altamente qualificada e segmentada. Dessa forma, os anunciantes têm a segurança de que os vídeos aos quais estarão associados são relevantes para o seu público-alvo e sem riscos”, afirma Renata Altemari, gerente de soluções de vídeo do Twitter para a América Latina. “Além disso, o investimento do anunciante é dividido entre Twitter e o parceiro, que tem uma nova maneira de monetizar o seu conteúdo.”

O produto, lançado nos Estados Unidos em 2017 e já disponível em alguns mercados, passou por uma fase de testes no Brasil, com anúncios de P&G (@PG_Brasil) e Mastercard (@MastercardBR) — com as agências iProspect e WMcCann, respectivamente.

“Ter mais uma possibilidade de fazer campanhas para uma audiência influente, receptiva e atenta como a do Twitter, atrelando nossas marcas a conteúdos de qualidade e brand-safe com anúncios em escala, é um ganho para nós e para o mercado. A campanha criada por Old Spice (@Lobo_OldSpice) com o anúncio em Vídeo In-Stream teve métricas positivas, alcançando 3,2 milhões de visualizações com 100% viewability aferido por parceiro de mensuração”, diz Bárbara Régis, gerente de mídia da P&G.

O Twitter já conta com parceiros no país cujos vídeos podem vir acompanhados dos anúncios e trabalha constantemente para atrair mais produtores de conteúdo premium a este seleto grupo. Entre os publishers que já fazem parte do rol de parceiros selecionados está, por exemplo, o Corinthians.

“O Twitter é um dos nossos grandes parceiros de conteúdo. A relação entre o clube e a plataforma é duradoura e positiva. Com este novo passo, além da entrega gigantesca que o Twitter nos oferece, criamos uma nova fonte de receita para o Corinthians. Tivemos o privilégio de participar da fase de testes e o resultado foi extremamente satisfatório”, diz André Stepan, gerente de conteúdo do Corinthians.

Para oferecer dados precisos sobre os resultados dos anúncios de vídeo, o Twitter mantém parcerias globais com provedores de métricas terceirizados líderes do setor. Os anunciantes podem ter acesso a estudos e informações qualificadas sobre o impacto que as campanhas têm na plataforma em relação a viewability e brand-effect, entendendo a influência da publicidade no público-alvo, o resultado da mídia e o alcance das mensagens na audiência certa.

Em estudos realizados pelo Twitter com a Nielsen, notou-se que os consumidores que viram anúncios em vídeo no Twitter eram 50% mais propensos a conhecer uma marca, 14% mais favoráveis a essa marca e com uma intenção de compra 18% maior do que aqueles que não estavam expostos a esse tipo de anúncio.

Tags, , , , , , , , , ,

Gastos de e-commerce com publicidade mobile supera a de desktops

A SEMrush, líder mundial em marketing digital e fornecedora de ferramentas de monitoramento online, anuncia os resultados de uma pesquisa realizada mundialmente com mais de 8 mil sites de comércios eletrônicos, divididos em 13 categorias. O estudo identificou as principais tendências de marketing digital para 2018.

Com a proposta de coletar informações sobre fontes de tráfego, quantia investida em publicidade, tipo e tamanho de anúncios gráficos, assim como os dispositivos visualizados, as palavras e frases mais populares, entre outros aspectos do e-commerce mundial, o estudo revelou que os gastos em publicidade digital para dispositivos móveis foram consideravelmente superiores (85,39%) aos voltados para desktops (14,81%).

Partindo da divisão do total de sites estudados em diversas categorias – como alimentação, eletrônicos, vestuários, livros e viagens -, a pesquisa da SEMrush registrou que mais de 50% das lojas online que fizeram parte do estudo investiram em torno de U$ 1.000 em publicidade paga. A segunda maior faixa de gastos com anúncios foi de US$ 10.000 a U$ 50.000; Do total, cerca de 15% dos e-commerce gastaram entre US$ 1.000 e US$ 5.000.

Dentre as categorias analisadas, marcas do segmento de “Moda e Vestuário” são as que mais investem em anúncios pagos, com 81% do orçamento total acima de US$ 10.000, seguida por “Livros” (80%) e “Casa e Jardim” (47%).

O estudo ainda aponta que o tráfego direto é a principal forma como os clientes acessam os sites de e-commerce: o formato corresponde a 42,18% dos acessos, seguido por ferramentas de pesquisas, responsáveis por 40,1%. Um dado interessante revelado pelo estudo é que, embora haja intensos investimentos sendo feitos pelas marcas em redes sociais, os consumidores estão clicando pouco em sites pelas redes sociais, sendo que apenas 2,92% deles chegam aos sites de e-commerce por este caminho.

“As estratégias em relação ao e-commerce têm mudado globalmente e o Brasil não fica de fora dessa estatística. Este mercado encontra-se em pleno crescimento e a principal mudança que notamos é a preferência pelos dispositivos móveis, evidenciada por esse aumento de investimento em publicidade mobile, em comparação aos gastos com anúncios em desktops”, comenta Maria Chizhikova Marques, coordenadora do Mercado Brasileiro da SEMrush.

A pesquisa da SEMrush também listou os termos que mais envolvem emoções nos anúncios e despertam a curiosidade dos consumidores. A frase mais usada é “frete grátis”, seguida de “sem juros” e “melhor preço”. O estudo destaca ainda que os e-commerce apostam em algumas táticas para ativar os gatilhos emocionais que fazem os consumidores comprarem, como mencionar garantias e fazer chamadas que transmitam sensação de urgência.

Sobre o estudo E-commerce 2017

A pesquisa reuniu um grande conjunto de dados de mais de 8 mil sites de e-commerce visitados entre os dias 1 de janeiro e 31 de novembro de 2017 em diferentes países como Estados Unidos, Brasil, Reino Unido, Espanha, Alemanha e outros. Dividido em 13 categorias, como Eletrônicos, Alimentação, Vestuário e moda, Livros, Móveis, Viagens, entre outras, o estudo completo pode ser conferido no link abaixo: pt.semrush.com/ebooks/pesquisa-ecommerce-2017/

Tags, , , , , , , , ,

Mobile ID: chegou a era do marketing 1 a 1

Por Francesco Simeone

Pouco depois de o iPhone ser anunciado, em 2007, muitos concorrentes da Apple se apressaram para lançar seus próprios smartphones. Em poucos anos, o mundo havia mudado. De repente, tínhamos um assistente pessoal em mãos para fazer, comprar ou pesquisar qualquer coisa, onde e quando precisarmos.

Em 2010, três anos mais tarde, a publicidade em dispositivos móveis começava a ganhar terreno, mesmo que representasse apenas 3,2% dos investimentos em meios digitais. Para este ano de 2017, a Emarketer prevê que o investimento em tecnologias mobile chegue a 62,5% do total da renda das plataformas digitais em todo o mundo.

Mas isso não é tudo. Os smartphones tiveram outro grande impacto na indústria da publicidade, destronando os famosos “cookies”, que, durante muito tempo, dominaram a World Wide Web.

Os cookies foram desenvolvidos para registrar a atividade de um usuário no browser de um computador, incluindo logins em sites da web. Como sabemos, a indústria publicitária viu uma grande oportunidade em usar os cookies para coletar, armazenar e utilizar os dados de perfil dos usuários a fim de alcançar suas audiências e executar suas iniciativas de marketing online de uma maneira mais eficiente.

A indústria dependia muito dos cookies até o surgimento dos smartphones. Com o aumento do uso de aplicativos onde não existem cookies e browsers que possam apagá-los cada vez que são fechados, os cookies se converteram em um método relativamente secundário para compilar dados.

Qual é o “cookie” do mobile?

A identificação do dispositivo móvel, conhecida como ID do dispositivo, é uma das soluções para o entrave. O ID de um aparelho é um código único, quase como um número de série, dado aos dispositivos pelos fabricantes dos sistemas operacionais. Podemos usar este identificador único para chegar ao dispositivo com precisão exata, sendo essa a maneira mais eficaz de segmentação.

Os IDs (IDFAs & GAIDs), além de permitirem o rastreamento das ações publicitárias em seus dispositivos móveis, como um clique ou um download, também permitem clusterizar o dispositivo na base dos aplicativos instalados, sua frequência de uso e a geolocalização em tempo real, contribuindo assim para a construção de um customer graph bem preciso do proprietário do dispositivo.

O mercado realmente está indo em direção à identificação única do dispositivo para a publicidade (Mobile ID), num mundo onde o usuário passa 86% do tempo consumindo conteúdos em aplicativos móveis.

Como o Mobile ID pode ajudar as marcas?

Por meio do uso do Mobile ID, nós, como profissionais do marketing, podemos tirar proveito de uma maior quantidade e qualidade de dados, em comparação com os dados coletados por cookies em desktops.

Conheça três vantagens que o Mobile ID proporciona às marcas:

a) Impacto mais personalizado: várias pessoas podem ter o mesmo cookie, pois utilizam o mesmo browser ou um indivíduo pode ter vários cookies caso use vários dispositivos ou navegadores. No caso do Mobile ID, a diferença é que, geralmente, dispositivos móveis não são compartilhados por mais de uma pessoa e segmentam exatamente o comportamento de cada usuário.

b) Redução e eliminação de fraudes publicitárias: há maior garantia de que as pessoas que estão sendo impactadas por cada campanha são reais. Ao vincular de forma pré-determinada às pessoas com IDs de dispositivos móveis únicos, é possível ter certeza de que a mensagem foi direcionada a usuários reais e verificados.

c) Melhora no Retargeting: como o uso do Mobile ID encontramos a forma perfeita de retargetizar na base de ações muito específicas, proporcionando um diálogo 1 a 1 usuário-marca ao longo do tempo.

Num mundo tecnológico em constante evolução, é de suma importância adaptarmos nossas práticas de marketing para conhecermos mais a fundo nossos usuários. A utilização de conceitos e tecnologias capazes de identificar os usuários móveis no contexto de sua localização geográfica e no momento certo da sua jornada dá às marcas a chance de se comunicarem de forma personalizada e direta.

Francesco Simeone é Diretor de Negócios da Logan Media Brasil, empresa de mídia, marketing e desenvolvimento de soluções para mobile.

Tags, ,

Mobile & Maslow: Como o mobile supre as necessidades dos consumidores no digital?

A comScore, Inc. apresentou, no Expo Fórum de Marketing Digital, evento idealizado e promovido pelo Digitalks, um estudo global sobre tendências de consumo mobile, chamado “Mobile & Maslow: Como o mobile supre as necessidades dos consumidores no digital?”. Este novo relatório traça a evolução global dos smartphones e tablets até se tornarem a principal ferramenta digital de boa parte dos internautas, revelando comportamentos específicos pelos quais essas plataformas se tornaram importantes no cotidiano dos consumidores. O relatório considera dados do mobile e de múltiplas plataformas de nove mercados (EUA, Canadá, Reino Unido, Espanha, Itália, Brasil, México, China e Indonésia) para demonstrar tendências de audiência e consumo, além das diferen& ccedil;as regionais. Para baixar uma cópia do relatório, clique aqui.

“O tempo digital investido no mobile destaca a necessidade de uma medição que captura todas as formas de atividades nesses dispositivos,” disse Luciana Burger, Managing Director da comScore Brasil, durante sua apresentação. “Esse estudo ressalta a importância dos dados demográficos, da análise sobre o consumo dos aplicativos e das tendências comportamentais específicas de cada país de que os veículos, anunciantes e agências precisam para avaliar com eficiência as audiências mobile em um mundo cross-platform. Estamos animados com a ampliação dessa medição precisa do mobile para mais mercados nos próximos meses.”

O relatório, baseado em dados do conjunto de soluções da comScore que mensura as atividades no mobile e em múltiplas plataformas, abrange tendências importantes do mobile, incluindo o uso de aplicativos, targets demográficos e o acesso de múltiplas plataformas nas categorias como Mídias Sociais, Relacionamento Pessoal, Varejo, Serviços Bancários e Viagens, entre outras.

Os principais insights do estudo são:

– Os dispositivos móveis são responsáveis por mais de 60% dos minutos digitais nos nove mercados e por 91% na Indonésia.

– Os aplicativos dominam o tempo gasto nos smartphones e tablets, representando mais de 80% dos minutos do mobile em todos os mercados analisados.

– A porcentagem de consumidores que abandonaram totalmente o desktop varia drasticamente de acordo com a geografia – de apenas 7% no Reino Unido para 70% na Indonésia.

– O comportamento nas Mídias Sociais mudou em relação ao conteúdo. Na Espanha, o compartilhamento de conteúdos cresceu 11% em 2016, em relação a uma queda de -3% nas postagens de status pessoal.

– A conveniência do mobile fez com que as audiências de categorias como Serviços Bancários e Viagens, superassem as preocupações com segurança e ultrapassassem o desktop em muitos mercados.

– Os aplicativos mais utilizados são dominados por grandes players internacionais, mas as diferenças regionais causam impacto. Os aplicativos de troca de mensagens, como WhatsApp, Facebook Messenger, WeChat, QQ Instant Messenger e Line, são responsáveis por quase um dentre sete minutos em alguns mercados fora dos EUA, o que levou a uma queda na troca de mensagens via SMS.

Para baixar o relatório “Mobile & Maslow: Como o mobile supre as necessidades dos consumidores no digital?”, acesse www.comscore.com/por/mobile_maslow. Para saber mais sobre como a comScore pode ajudar você a ter sucesso em um mundo onde o mobile está em primeiro lugar, entre em contato em www.comscore.com/contact ou acesse http://www.comscore.com/por/Produtos/Analise-de-Audiencia/Mobile-Metrix.

Tags, , ,

Varejo quadruplica investimento em mídia mobile no primeiro semestre de 2017

O comércio varejista parece ter encontrado na publicidade mobile nativa uma opção para potencializar vendas e aumentar suas perspectivas de crescimento. De acordo com a PSafe, o setor quadruplicou seu investimento em nesse tipo de anúncio nos últimos seis meses. A empresa de segurança digital é o terceiro maior inventário de mídia mobile Android do Brasil, segundo a comScore.

De olho no mercado mundial de apps, que movimenta mais de US$ 51 bilhões e deverá praticamente dobrar até 2020 – chegando a US$ 101 bilhões, segundo a consultoria eMarketer –, o setor tem direcionado seus esforços de publicidade para atingir os usuários de smartphones, dispositivo preferido de cerca de 70% dos brasileiros, segundo a Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro e o Instituto Ipsos.

“A publicidade nativa mobile já é uma realidade e tem se mostrado a forma mais efetiva de atingir o consumidor durante a sua jornada em dispositivos móveis. Nos EUA, ela já representa mais da metade dos investimentos gastos pelos anunciantes para atingir seus públicos estratégicos. No Brasil, as empresas também já estão percebendo a importância de atuar nessa plataforma para potencializar seus resultados” diz Fernanda Ribeiro, diretora comercial da PSafe.

Além do varejo, a PSafe identificou que outros importantes segmentos que movimentam a economia do país têm aumentando seus investimentos em publicidade nativa. De acordo com a companhia, os setores de telecomunicações, automobilismo e bancário duplicaram seus valores em anúncios em aplicativos, aproveitando o fato de 88% do tempo dedicado ao uso de smartphones ser voltado para interação com apps, segundo a consultoria eMarketer LATAM.

A diretora comercial da PSafe ressalta que, para se destacar da concorrência, a companhia tem se apropriado de alguns diferenciais para entregar valor real aos clientes: “entre os nossos diferenciais, estão o inventário próprio, coisa que a maioria dos nossos concorrentes não possui. Além disso, entregamos uma mídia contextualizada para cada usuário, pois somos mais que um sistema de segurança. Em momento algum, interrompemos a navegação do nosso usuário, já que as publicidades são apresentadas apenas após a realização de alguma ação específica. Isso faz com que consigamos nos destacar como um ativo premium no mercado de mídia mobile”, completa a executiva

Setor / Faturamento com anúncios Jan vs Jun 2017

Varejo + 342,1%

Telecomunicações + 134,2%

Automóveis + 131,6%

Instituições financeiras + 101,6%

Tags, , , , , ,