Category investidor anjo

BR Angels passa a apoiar startups do primeiro Hub focado em educação da América Latina

Com o objetivo de fomentar o empreendedorismo e fortalecer o ecossistema de startups no Brasil, o BR Angels Smart Network, associação de investimento anjo composta por executivos C-Level, anuncia parceria com o Learning Village , primeiro Hub de inovação focado em educação da América Latina, criado pela SingularityU Brazil e HSM. Com isso, o BR Angels passa a apoiar as startups que compõem o projeto com mentorias dos seus mais de cem associados – empreendedores e CEOS de importantes companhias em diferentes mercados, com perfis variados em alta gestão, recursos humanos, finanças, vendas, marketing, tecnologia, dentre outros. Além disso, as startups que estiverem buscando investimento anjo, poderão participar do processo de screening do BR Angels e receber aportes financeiros do grupo.

“A filosofia do BR Angels é apoiar o empreendedorismo brasileiro, por isso ficamos honrados com o convite para a parceria com o Learning Village. Com as mentorias, vamos entregar, além de capital financeiro, capital intelectual. Valorizando sobretudo o conceito de smart money, poderemos contribuir com a expansão das startups que navegam no ecossistema do Learning Village”, sinaliza Orlando Cintra, fundador e CEO do BR Angels.

“O Learning Village tem como premissa conectar diferentes agentes e stakeholders, formando uma grande rede de novos negócios e networking, principalmente para o setor de educação. Por isso, ter o BR Angels como parceiro é fundamental para as startups presentes no espaço, que poderão contar com toda a expertise do grupo e de seus executivos”, reforça Reynaldo Gama, CEO da HSM e Co CEO da SingularityU Brazil.

Localizado no bairro Vila Madalena, na capital paulista, e com uma área de 3.000 m², o Learning Village tem como intuito estimular a inovação e a educação no Brasil por meio da aplicação de tecnologias exponenciais e desenvolvimento de pessoas. Além de fortalecer um ecossistema entre startups, grandes empresas e laboratórios de inovação, o local é um ambiente de networking, troca e aprendizado.

O espaço conta com sete pavimentos, lab maker, sete estúdios de gravação, agência e produtora de conteúdo. Nos estúdios, as startups podem gravar pitches, podcasts e produzir conteúdo para redes sociais. O local também abriga um auditório para até 150 pessoas, arenas, salas de aulas e reuniões, além de servir para realização de cursos, palestras, workshops, meetups e outras iniciativas para o fomento das aplicações das tecnologias em temas como saúde, inovação, negócios, empreendedorismo, gestão e desenvolvimento de pessoas.

Além do BR Angels, o Learning Village conta com founding partners como Ânima Educação, Ambev, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Deloitte, Hospital Sírio-Libanês, Unimed e Vibra. E parceiros como Athie Wohnrath, Boston Scientific do Brasil, CI&T, Egon Zehnder e Grupo Kallas. O Hub abriga também HRtechs, EDtechs e escolas de mindfulness e de programação.

Startup que monitora ameaças florestais recebe aporte de R$750 mil

Depois de um 2020, com resultados que superaram as expectativas, os empreendedores da Quiron – startup que funciona incubada no Orion Parque em Lages/SC – já tem muito o que comemorar em 2021. A empresa, especializada no monitoramento remoto de ameaças florestais, utilizando tecnologias para predição de incêndios e sanidade florestal, recebeu aporte de R$ 750 mil reais de investidores da Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos, criada para fomentar o investimento anjo e apoiar o empreendedorismo de inovação no país. 

O investimento anjo tem como finalidade proporcionar aos investidores interessados a aplicação financeira em negócios com alto potencial de retorno que, consequentemente, tem um grande impacto positivo para a sociedade, trazendo oportunidade de trabalho e de renda. O termo “anjo” é utilizado pelo fato de não ser um investidor, exclusivamente, financeiro que fornece apenas o capital necessário para o negócio, mas por apoiar o empreendedor, aplicando seus conhecimentos, experiência e rede de relacionamento para orientá-lo e aumentar suas chances de sucesso, conforme explica a entidade. 

A possibilidade da Quiron receber o investimento anjo – apoio tradicionalmente comum entre as startups – foi viabilizada pela Rede de Investimentos Anjo (RIA), uma iniciativa conjunta da Anjos do Brasil e da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE). A RIA SC é uma comunidade que aproxima pessoas físicas que querem investir em startups a empreendedores que desenvolvem produtos e serviços com potencial de crescimento em escala. 

“Nós recebemos o contato deles num dia, e dois dias depois, o pitch foi apresentado a mais de 80 investidores da Anjos do Brasil. Na sequência, mais de 30 deles demonstraram interesse. Passamos por comissões internas que fizeram todo o processo de verificação, de modelagem de negócios, de tração, avaliando todos os parâmetros da nossa empresa, que são levados em conta na hora de procurarmos um aporte financeiro. Se não fosse a Anjos do Brasil, com certeza não conseguiríamos chegar até aqui”, lembra Diogo Machado, responsável pelos novos negócios da Quiron. 

Segundo Celso Sensini, investidor líder, a Quiron tem muito a crescer com o novo aporte. “Enxergamos, após extensa avaliação da empresa, um ótimo potencial da Quiron no setor Florestal, não apenas no Brasil, mas em diversos países do mundo, como: Estados Unidos, Europa e Austrália. Este é um segmento com muitas oportunidades e estamos confiantes na capacidade de entrega dos sócios fundadores”. 

História de sucesso em dois anos de atuaçãoA história da Quiron se confunde com a inovação tecnológica que o setor de engenharia e sensoriamento florestal teve nos últimos anos. Sempre ligada ao ecossistema de inovação e sabendo da importância que a conexão com outros players – locais, regionais, nacionais e internacionais – impactam o negócio, a Quiron teve uma ascensão robusta.  

A startup começou no ano de 2018, já incubada no Centro de Inovação do Orion Parque Tecnológico e, desde lá, tem acumulado conquistas e bons resultados em oportunidades de investimentos e programas de capacitação do negócio empreendedor. No mesmo ano, a Quiron foi aprovada no Sinapse da Inovação, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina.  

De lá para cá, também teve a oportunidade de fazer parte do Forest Insight, da UFV, no Brasil, em 2019, e de ser a  única startup brasileira selecionada para o Salto Growth New Norm, promovido por fundadores das principais startups da Estônia, em maio de 2020. 

Já em setembro do ano passado a solução Flareless, também da Quiron, foi aprovada para o Batch da Plug and Play Insurtech, estando apta a construir produtos e serviços para as maiores seguradoras do mundo.  

Já em dezembro de 2020, participando do InovAtiva 2020.2, maior programa de Aceleração de Startups da América Latina, a Quiron conseguiu um excelente resultado com o primeiro lugar na Banca de Agronegócio na aceleração 2020.02.  

Para os empreendedores da Quiron, o investimento faz sonhar grande. É o que conta Gil Pletsch, CEO da startup. “Com esse aporte de recursos, será possível estruturarmos melhor a nossa equipe de produção e pesquisa, nosso setor de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento). Precisaremos de mais profissionais que tenham mais conhecimentos na área florestal, conhecimento de programação, geoprocessamento, além de, aperfeiçoar os produtos que já temos e desenvolver outras automações que precisam ser feitas”, ressaltou.   

Crescimento em escala, com tração de investimentoSegundo Diogo, a Quiron é hoje uma das únicas startups no país e poucas no mundo com atuação voltada, exclusivamente, para algoritmos no setor florestal, um segmento com grande demanda por inovações. “É muito interessante essa visibilidade que podemos obter. Na verdade, somos uma das únicas startups do Brasil e do mundo que trabalha com algoritmos e sensoriamento via satélite para florestas. Existem várias startups para o agro tradicional, com um mercado mais consolidado, mas com foco em floresta, são poucas”, ressalta ele.  

A tecnologia desenvolvida pela Quiron, via monitoramento remoto, permite mitigar perdas com ameaças florestais, como pragas, doenças e incêndios. Via algoritmos próprios, é possível analisar grandes extensões de terras e identificar áreas de ataque de pragas e doenças em florestas plantadas e também identificar áreas com maior risco de ignição de incêndios florestais. A empresa tem parcerias com players de todo o mundo para obter dados de satélites e nano satélites, colocando todas essas variáveis dentro dos seus modelos. Dessa forma, empresas florestais, de celulose e outros territórios podem monitorar ameaças de uma forma totalmente remota, dando às equipes de campo maiores subsídios na tomada de decisão.  

Futuro da startup– Além de Gil e Diogo, a startup ainda conta com a ajuda de Marcos Benedito Schimalski, professor de Engenharia Florestal da Udesc-Lages.  No total, são quatro fundadores diretamente envolvidos com a Quiron atualmente. A expectativa é de que, até o final do ano, cerca de 15 pessoas integrem o time. Além de incrementar o setor de pesquisa e desenvolvimento da startup, a ideia é utilizar os recursos para estruturar um setor de vendas escalável.  

“O recurso será importante também para expandirmos nosso desenvolvimento de mercado, criar a estrutura de máquina de vendas, enfim, toda parte de pré-venda, fechamento de vendas e relacionamento”, salienta Gil. Hoje a Quiron possui clientes ativos no Brasil e Portugal, mas já mira outros mercados potenciais, como Estados Unidos e outros países da Europa.   

Ajuda do Orion fomenta startups na região- O apoio do Orion Parque Tecnológico, o setor de startups e empresas do Instituto, auxilia as startups a se desenvolverem, inserindo-as aos editais que integram ao Centro de Inovação, oferecendo suporte técnico para transformar ideias em projetos para ingresso nos editais de residência. Foi nesta modalidade, chamada OrionLab, que a Quiron entrou, em 2018, no Orion.   

“A Quiron sempre teve um potencial, tanto nas hipóteses de negócios, tanto no capital intelectual dos empreendedores, o time deles de empreendedores é muito forte – isso contribuiu muito para a evolução da solução. A nível de ecossistema, esse aporte que eles estão recebendo é um marco para a gente, porque é a primeira startup que vai receber esse montante em investimento externo, por mérito total dos empreendedores, e da solução, do negócio deles”, salienta Hemerson Schenato, líder de startups e empresas do Orion.  

Posicionamento da Anjos do Brasil sobre o texto do Marco Legal das Startups em tramitação no Senado Federal

O Marco Legal de Startups, aprovado em votação pela Câmara dos Deputados e agora em discussão no Senado Federal, tem uma enorme importância para o desenvolvimento do ecossistema de startups Brasileiro. Estas empresas inovadoras apresentam modelos de negócios, estruturas de investimento e relações de trabalho que são específicas e necessárias para o crescimento do negócio.

Dentro da proposta percebemos ter avanços significativos, mas não podemos deixar de mencionar que a redação final do texto deixa de lado quatro pontos essenciais para que o Marco Legal das Startups tenha um real impacto positivo para o ecossistema empreendedor inovador:

Ponto 1 – Inclusão da Possibilidade de Startups organizadas na forma de Sociedades Anônimas aderirem ao Simples Nacional

Ponto 2 – Equiparação tributária dos investimentos em Startups aos investimentos em imóveis ou no agronegócio (LCI/LCA)

Ponto 3 – Garantir o caráter mercantil das opções de compra distribuídas em Planos de Opções de Ações (Stock Option Plans) distribuídas a colaboradores, prestadores de serviço ou outros

Ponto 4 – Garantir a dispensa das publicações legais, ou a publicação exclusivamente no site da empresa, e os livros digitais para as Startups constituídas na forma de Sociedades Anônimas, sem limite de sócios

Cassio Spina, presidente e fundador da Anjos do Brasil, afirma que estes pontos já haviam sido discutidos durante toda elaboração deste Projeto de Lei. “A aprovação deste PLP sem os mesmos implicará que o mesmo terá pouca relevância para estimular o desenvolvimento do empreendedorismo inovador brasileiro.”

Saiba mais na Nota técnica para o Senado, assinada por 37 organizações do ecossistemahttp://bit.ly/NotaTecnicaPLP146-MLS

Intermediação reduz estresse entre anjos e startups no processo de investimento

Por Romulo Perini

Muitas vezes a cobrança exagerada por resultados ou palpites que nem sempre estão condizentes com a realidade do negócio, leva investidores em startups a adotarem formas de abordagem totalmente contrárias a um tipo de parceiro que o mercado convencionou chamar de ‘anjo’. Por outro lado, por mais angelical que seja, paciência tem limite e a falta de respostas claras por parte dos executivos que estão à frente do empreendimento investido pode acabar levando a atritos sérios.

Diante da clara necessidade de equilíbrio nessa relação, começa a ganhar força no mercado a figura do intermediador de investimento anjo. Um ente independente que consegue entender as necessidades dos dois lados e conduzir o processo, desde a análise do investimento até a realização, reduzindo significativamente a incidência de atritos e buscado tirar o máximo da relação entre ambos.

Os chamados investidores ‘Anjo’ são pessoas com capital que têm interesse em aplicar recursos nas etapas iniciais de desenvolvimento das startups como uma forma de diversificação do seu portfolio. Geralmente eles têm predileção pela aposta em um novo conceito ou na ideia inovadora de um time que tem interesse em desenvolver um novo MVP(Produto Mínimo Viável – traduzido do inglês).

Este tipo de investimento pode ser feito diretamente de duas formas diferentes como:

a. Investimento Individual – Modalidade na qual o investidor decide fazer um investimento direto em uma nova empresa, sem a participação de outros investidores. Para isso ele assina um contrato de empréstimo conversível – chamado de mútuo conversível – que permite trocar um capital emprestado por uma eventual participação dentro do negócio investido.

Ponto Atenção: Nesta modelagem o risco financeiro do investimento fica todo com o investidor que não compartilha com outros investidores, e pode faltar complementação de know-how.

b. Investimento em grupo – Formato que une em geral 10 a 20 investidores para realizar o investimento através da formalização de um empréstimo conversível (mesmo modelo do individual). Em geral, dois ou três investidores são selecionados no grupo para fazer o acompanhamento do negócio, mas todos tem acesso aos empreendedores da investida.

Ponto Atenção: O grupo pode não estar alinhado 100% durante toda a jornada do investimento e isso pode gerar estresse tanto dentro do grupo de investidores como também perante os empreendedores, prejudicando o negócio como um todo.

Nos dois casos, a falta de experiência tanto de um lado (anjos) como do outro (empreendedores da startup) pode se transformar em problema. Por isso está cada vez mais aparecendo a figura do intermediador de investimento, que tem sido geralmente assumida por consultorias especializadas ou investidores seriais, criando uma espécie de blindagem que beneficia a ambos os lados.

Os representantes deste novo elo de conexão entre as partes, implementam logo no início um modelo de gestão mais robusto nas investidas, organizando um conselho consultivo que se reúne para discutir os resultados e projetos mensalmente. O resultado desta reunião é então compartilhado com os demais investidores que se reúnem com a
mesa frequência e tem a oportunidade de ter acesso a um documento detalhado dos resultados do negócio e dar seus palpites / sugestões ou dúvidas para serem inicialmente debatidas no grupo e depois levadas aos empreendedores. Tudo isso, sempre coordenado pelo intermediador.

Fica claro no processo que a correta gestão de stakeholders é fundamental para o sucesso da relação visando um desenvolvimento mais rápido e bem-sucedido do negócio.

Além do capital para acelerar o processo de crescimento, um quadro de investidores qualificados pode ajudar estrategicamente o negócio.

Muitas vezes, a experiência tem mostrado que negócios com grande potencial até conseguem atrair o capital humano e financeiro necessário para alavancar seu crescimento, mas a falta de equilíbrio para administrar as tensões acaba impedindo que as coisas aconteçam de uma forma satisfatória para os envolvidos.

Ao contar com consultorias especializadas, de preferência que tenham conhecimento ou que tenham atuado até como consultoria para a startup, o gerenciamento das expectativas, frustrações e ansiedades ganha um filtro de qualidade que proporciona aos anjos a possibilidade de continuarem sendo vistos como sinônimos de bondade.

Enquanto isso, os empreendedores conseguem focar 100% no negócio em si, buscando o tão esperado crescimento que vai beneficiar a ambos os lados.

Romulo Perini, sócio-diretor da Play Studio, consultoria de inovação e venture builder

Startup Fishtag recebe R$1.8 milhão de 4 grupos de investidores

Pela primeira vez, quatro grupos de investidores-anjo participam de uma mesma rodada de investimento: Anjos do Brasil, GVAngels, Insead Angels e MIT Alumni Angels – sendo os três últimos formados por ex-alunos de renomadas universidades. Além dos grupos citados, participaram também alguns investidores independentes, totalizando um aporte de R$1.8 milhão em uma única startup.

A startup escolhida para receber este significativo aporte é a Fishtag, que possui uma atuação bem específica: agilizar e aprimorar a cadeia de venda e compra de pescados. O desafio da empresa é aproximar produtores de compradores em uma cadeia produtiva que possui até 10 intermediários.

A Fishtag oferece um serviço B2B, baseado em tecnologia online, fornecendo entrega porta a porta, preços competitivos, e garantindo a qualidade dos produtos por meio de rastreabilidade. A curadoria dos produtores também fica por conta deles. A Fishtag trabalha apenas com produtores que possuem as devidas licenças de pesca e comercializam pescado legalizados com Selo de Inspeção Federal (SIF).

“O nosso objetivo é estreitar a relação entre os produtores de pescado e restaurantes, enquanto promovemos um consumo consciente de pescado. Você sabe de onde vem o peixe que você come?”, aponta Barbara Granek, fundadora da Fishtag. A empresária, que fez seu MBA no MIT Sloan School of Management (EUA) e trabalhou em consultoria estratégica por 5 anos, idealizou o conceito da marca após passar dois anos inserida na realidade desse mercado, liderando a empresa de pesca da família com cerca de 60 funcionários.

Atualmente com uma equipe de apenas seis pessoas e sem investimentos específicos em marketing, os resultados da Fishtag chamaram a atenção de investidores. Fundada em janeiro de 2019 e com um investimento inicial de apenas R$150 mil, a startup já vendeu mais de 10 toneladas de peixes, com um faturamento acima de R$500 mil.

“Os recursos levantados irão permitir que Fishtag faça uma transformação digital na indústria, a começar pelo Brasil, pois o capital será investido principalmente em tecnologia e vendas”, relata Barbara.

A rodada de investimento

Com esta rodada de investimento, que conta com um aporte composto por mais de uma origem, os quatro grupos de investidores-anjo visam deixar claro para o mercado de startups, que atuar em parceria em prol do mesmo objetivo é sempre benéfico. Este é o resultado de um forte networking entre os principais investidores-anjo no país. Dessa forma, as rodadas de investimentos elaboradas em conjunto também permitem uma condução do processo de due diligence mais aprofundado, o que traz recursos para decisões de investimento ainda mais qualificadas.

A Anjos do Brasil viu com bons olhos a startup desde o primeiro contato com a empresa no primeiro semestre deste ano. “Percebemos uma startup com potencial de agregar valor para um grande mercado ainda muito carente de inovação. Temos uma ótima empreendedora liderando o time e ficamos satisfeitos em efetuarmos mais um coinvestimento entre as redes de investidores anjo”, diz Maria Rita Spina Bueno, Diretora Executiva do grupo.

Para Wlado Teixeira, head do Comitê de Seleção do GVAngels, grupo de investidores-anjo formado por ex-alunos da FGV, a empresa tende a revolucionar o setor de pescados no Brasil. “A Fishtag apresentou seu pitch em nosso 15º Fórum de Investimento, em agosto. Logo ficamos contagiados com o conhecimento que a empreendedora tem sobre os desafios que esse mercado enfrenta. Porém, ainda no processo de due diligence, percebemos que tínhamos que envolver grupos de investimento parceiros. Queremos explorar ao máximo seu potencial de escalabilidade”, observa Wlado, ressaltando o propósito dos cerca de 130 membros C-Level que compõem o smartmoney do GVAngels e potencializam o networking das startups.

Já para o Insead Angels Club Brazil (IACB), formado por ex-alunos da renomada escola global de negócio, o diferencial da rodada de investimento é que se trata de smartmoney. “Queremos focar na oferta de capital intelectual e não apenas no capital financeiro. Investimos em startups capazes de gerar movimentos inovadores no país e em empreendedores abertos a contribuição dos nossos investidores. Ao propor uma inovação na cadeia de valor de pescados, a Fishtag está alinhada com essa estratégia”, esclarece Alieksiei Martins, fundador e líder do IACB.
Lançado em março de 2019, o MIT Alumni Angels do Brasil, se interessou pela startup, inclusive pelo fato da empreendedora Bárbara ser ex-aluna da instituição, nos Estados Unidos. “É o terceiro investimento que fazemos em menos de um ano. A startup chamou nossa atenção por ser uma solução disruptiva, além de se tratar de um negócio já tracionado (early stage). Outro ponto positivo é o track record da Bárbara como ex-aluna do MIT e ex-consultora estratégica e sua expertise no setor”, aponta Maria Alice Frontini, presidente do grupo.

O melhor momento para buscar um investidor anjo

Por Maria Rita Spina Bueno, diretora-executiva da Anjos do Brasil

O Brasil é uma fábrica de startups. Segundo a Associação Brasileira de Startups (ABStartups) há mais de 6 mil delas buscando um lugar ao sol no mercado. Mas criar uma startup demanda muita dedicação do empreendedor e é preciso passar por várias etapas de desenvolvimento antes de buscar um investidor anjo, algo que muitos sonham, mas pouquíssimos, de fato, conseguem. Só em 2018, foram submetidas à rede da Anjos do Brasil cerca de 800 projetos de todas as partes do país e nas mais diferentes áreas. Apenas 20 receberam um aporte.

Por isso, em primeiro lugar, é necessário compreender quais são os estágios pelo qual uma empresa nascente passa para depois analisar qual o momento adequado para buscar investimento, sem atropelos. A fase inicial é momento em que a startup deixa de ser apenas uma ideia e se torna realmente um projeto. Nessa etapa, o empreendedor já deve ter o conhecimento básico sobre mercado onde irá atuar. Algumas dessas noções englobam, por exemplo, qual o diferencial do seu produto/serviço no mercado e qual a solução que ele traz.

Em seguida, há a fase intermediária, em que o empreendedor irá modelar o negócio. Ele fará um planejamento de como será o crescimento da empresa, qual o aporte necessário a ser obtido para alcançar determinado objetivo e estabelecimento de uma estratégia de mercado de curto prazo. É também nesse ponto do desenvolvimento que será formado o time da empresa.

Com isso, passamos para a etapa chamada de operação. Esse é o momento da “mão na massa”. Quando os planos já foram colocados em prática, ou seja, quando há pelo menos uma primeira versão do produto ou serviço sendo testado no mercado. Com ele, será possível entender quais mudanças serão necessárias, os desafios que devem ser superados e o que já está dando certo.

É nesse momento que fazemos uma pausa. Isso porque, em grande parte dos casos, esta é a melhor etapa para procurar um investidor anjo. Mas há um ponto em que o empreendedor precisa prestar atenção: não adianta procurar investimento se a startup precisa de capital imediatamente porque isso leva tempo, podendo chegar a meses para, enfim, fechar o negócio entre o investidor-anjo e o empreendedor.

Isso acontece porque é preciso estabelecer uma relação de confiança entre investidor e empreendedor, há também motivos mais técnicos que demandam tempo, como o processo de Due Diligence (uma avaliação para verificar a situação da startup antes de assinar o contrato). Dessa forma, podemos até considerar a etapa da operação como a mais adequada para procurar o investimento anjo, desde que fatores específicos de cada empresa sejam considerados e, principalmente, a questão do tempo.

Portanto, empreendedor, nada de atropelos. O ponto chave não é a ideia, é a execução. Investidores não querem implementar uma ideia, mas sim investir em bons empreendedores que realizem seus projetos de negócios. O melhor lugar para buscar investimento anjo é nas redes de investidores anjo organizadas. Elas agregam mais valor e tem boas práticas que fazem com que o processo funcione melhor.

Um alerta importante. O segmento de investidores anjo trabalha com 50% de mortalidade das startups nos primeiros dois anos de operação após investimentos realizados e apenas 10% das empresas realmente atingem um crescimento significativo depois de cinco anos. Aplicar objetivamente o plano de crescimento definido, acompanhando indicadores e resultados, é o grande segredo para sucesso da startup. Agora, mãos à obra!!!

Qual é o raciocínio do investidor quando assiste um pitch?

Apresentar um negócio de forma convincente é um diferencial para conquistar um investimento. O empreendedor precisa estar bem preparado para responder questões avançadas tanto sobre a própria empresa quanto o mercado e os concorrentes, mas a questão chave é: qual é a resposta o investidor espera ouvir?

É justamente por isso que a Anjos do Brasil, comprometida em estimular o desenvolvimento do investimento anjo no país, realizará no dia 10 de dezembro, no Senac Santo Amaro, em São Paulo, a Conferência Nacional de Investimento Anjo. Quem abordará o tema é Cássio Spina, presidente da entidade.

O executivo prepara uma dinâmica onde o empreendedor apresenta seu pitch a investidores. Ela segue como um jogo de perguntas e respostas para o empreendedor. A cada uma delas, Spina comenta tanto a intenção da pergunta, como a resposta do empreendedor e dará dicas para ambos os lados. “A ideia do painel é expor uma aula prática para quem está se preparando para captar recursos com investidores anjo e quem quer investir também”, explica Maria Rita Spina, diretora executiva da Anjos do Brasil.

Durante o encontro, Ricardo Martinho, consultor de Relações com Investidores da Anjos do Brasil, também falará sobre as diferentes formas de captação de investimento e de como empreendedores e investidores podem se beneficiar.

Os ingressos já estão esgotados, mas os interessados podem assistir as palestras online gratuitamente pelo Youtube da Anjos do Brasil. Inscreva-se no canal e esteja online no dia 10 de dezembro às 14h.

Conferência Nacional da Anjos do Brasil

Data: 10 de dezembro
Horário: das 14h00 às 19h00
Onde: Centro de Convenções do Centro Universitário Senac, campus Santo Amaro
Endereço: Avenida Engenheiro Eusébio Stevaux, 823, São Paulo

Aporte de RS 1 milhão irá possibilitar a expansão e implementação de novas funcionalidades na startup Incentiv

A Incentiv, startup que promove o desenvolvimento social por meio da viabilização de projetos aprovados em leis de incentivo fiscal, comemora mais um momento importante em sua trajetória. A empresa acaba de receber mais de R$ 1 milhão dos grupos de investimento anjo Harvard Angels, Anjos do Brasil e Insper Angels e da aceleradora Startup Farm. Com o recurso, a Incentiv se consolida como uma das principais soluções para empresas ampliarem suas ações de responsabilidade social com custo zero. Além disso, a Incentiv pretende expandir sua rede, aprimorar a tecnologia e ampliar os times da área comercial, relacionamento e marketing.

O investimento conjunto de redes anjo à Incentiv é considerado pioneiro e democrático, pois trata de um negócio de elevado impacto social com a participação de mais de 50 investidores. “O acordo foi estruturado de maneira inédita no Brasil e não presume e nem depende de um exit para ser um grande sucesso”, explica Claude Salmona Ricci, o investidor líder.

Fundada por Douglas Lopes e Thais Nicolau, a Incentiv conecta proponentes e projetos a empresas e pessoas, gerando oportunidades para uma sociedade cada vez mais responsável. A ferramenta oferece um serviço completo para otimização do investimento incentivado. O processo vai desde a seleção personalizada de projetos ao acompanhamento de resultados em tempo real. Um de seus diferenciais é a convergência de funcionalidades em uma única solução online, que beneficia organizações e projetos sociais de todo o país.

O mercado no qual a Incentiv está inserida apresenta grande potencial inexplorado. No Brasil, todos os anos são aprovados aproximadamente R$10 bilhões em projetos via leis de incentivo fiscal. No entanto, mais de 60% dessas iniciativas não são realizadas por falta de captação de recursos. Ao mesmo tempo, mais de 95% das empresas aptas a utilizarem não aproveitam os benefícios fiscais para fomentar projetos sociais, de acordo com dados da Receita Federal.

Para estimular que empresários utilizem toda sua capacidade de investimento no setor de responsabilidade social e agreguem valor à marca, a Incentiv oferece uma solução completa com custo zero. A startup realiza o mapeamento de potencial, identificando todas as leis que podem ser aproveitadas no âmbito federal, estadual e municipal. A partir disso, realiza uma curadoria de alta performance alinhada aos pilares e valores da organização, priorizando credibilidade, transparência e segurança. “Nosso objetivo é garantir que os incentivadores fiquem confiantes e tenham tranquilidade em direcionar seus impostos para qualquer um dos projetos de nosso portfólio, por isso apresentamos um crescimento consciente da base de projetos, pois apenas os que passam por uma auditoria e são aprovados, ficam online. Nós entendemos que compliance é investimento e não custo”, reforça Thais, COO da Incentiv.

Além disso, a plataforma permite que os empreendedores façam a gestão de seu portfólio de projetos, acompanhem os resultados em tempo real e mensurem o impacto social gerado e o retorno do investimento, por meio da “prestação de contas sociais” realizada pelos proponentes.

“Para nós, é muito gratificante receber esse reconhecimento das maiores e mais tradicionais redes de investimento anjo do país. Isso mostra que estamos no caminho certo e que nosso negócio tem grande poder de impacto. Nossa meta é audaciosa: queremos levantar mais de 20 milhões no próximo ano, ajudando projetos sociais que transformam a vida de milhares de pessoas”, afirma Douglas Lopes, CEO da startup.

Trajetória e Reconhecimento

O primeiro desafio da Incentiv aconteceu em novembro de 2016: uma imersão no Campus da Google, em São Paulo, no programa da Startup Farm, maior aceleradora da América Latina. Nesta fase foi possível aprimorar o modelo de negócios e lapidar a estratégia.

No primeiro semestre de 2017, a Incentiv participou do InovAtiva Brasil, maior programa de aceleração de startups do país. Foi durante o Demoday InovAtiva, em julho, que a Incentiv chamou atenção de potenciais investidores especializados em negócios de impacto social. A empresa foi uma das finalistas daquela edição do InovAtiva de Impacto Socioambiental, ciclo do programa dedicado a negócios com esse foco, e recebeu o prêmio de destaque na categoria de Tecnologia da Informação e Big Data.

“Para nós, participar do programa de aceleração foi uma experiência positiva. Fizemos contatos com mentores e investidores, o que nos permitiu uma expansão mais estruturada de nosso negócio.Acredito que as novas startups devem buscar suporte em programas de aceleração e incubadoras, pois esse ecossistema é muito colaborativo e ajuda o empreendedor em suas principais dificuldades”, finaliza o CEO da Incentiv.

Desde 2017, a startup está incubada no Centro para Laboração de Tecnologias Avançadas em Florianópolis e na incubadora da USP, em São Paulo. Além disso, no final do ano conquistou o primeiro lugar no Startup Day, iniciativa do LIDE Futuro.

Ecossistema Conectado

Além da solução para empresas, a plataforma Incentiv.me também beneficia todo o ecossistema. Para os proponentes, a ferramenta otimiza a captação de recursos e o contato com os incentivadores, proporcionando visibilidade nacional para os projetos. Para pessoas, a tecnologia permite o direcionamento de impostos com liberdade de escolha, de forma simples e automatizada. A solução foi desenvolvida com objetivo de facilitar o engajamento cívico, permitindo que empresas atuem como multiplicadores, comunicando seus colaboradores para que também fomentem os projetos do portfólio de responsabilidade social da empresa, dessa forma, amplia sua verba incentivada, visibilidade positiva e valor de marca.

Para potencializar ainda mais o alcance da startup, foi criado um movimento a favor do uso eficiente e transparente de recursos públicos, a ”Rede de Executivos de Impacto”. Um grupo formado por diretores de grandes multinacionais, investidores, empresários, mentores e empreendedores que aproveitam o poder de seu networking para fomentar ações de responsabilidade corporativa, conectando grandes empresas a projetos alinhados com suas causas sociais, para gerar relevante impacto positivo nas regiões em que atuam.

Tags, , , , , , , , , ,

Quer ir ao Vale do Silício? Confira quatro exemplos nacionais para se inspirar

Por Eduardo Küpper

O Vale do Silício é o apelido de uma região na baía de São Francisco, nos Estados Unidos, e que se transformou, ao longo das décadas, no principal polo tecnológico do planeta. É lá que estão parte das maiores e melhores empresas de TI do planeta – e também é lar para algumas das melhores ideias que revolucionaram o mundo. Isso faz com que o local também seja ponto de chegada para empreendedores do mundo inteiro, dispostos a aprenderem as lições e segredos dessas organizações e implementarem em seus negócios.

Entretanto, não basta ir lá com apenas uma boa ideia na cabeça: é preciso conversar, negociar, mostrar e, principalmente, apresentar suas soluções na prática para conquistar a atenção dos investidores. Portanto, antes de fazer as malas e ir até o Vale do Silício em busca de investidores, veja algumas dicas de empresas brasileiras que conseguiram se destacar no competitivo mundo das startups.

Continue inovando e buscando soluções para o mercado

Os jovens Henrique Dubugras e Pedro Franceschi ficaram conhecidos aqui no Brasil ao criarem a Pagar.me, uma solução de pagamento inovadora que possuía recursos para atender tanto os pequenos quanto os grandes empresários. A ideia deu certo e a startup cresceu rapidamente. Mas eles não pararam por aí. Nos Estados Unidos, criaram a Brex, responsável por um cartão de crédito para empresas financiadas por capital de risco. Esse modelo de negócio já atraiu a atenção de gigantes do Vale do Silício e ganhou US$ 57 milhões de investimento por meio de Peter Thiel e Max Levchin, cofundadores da PayPal, Y Combinator Continuity e Ribbit Capital.

Esteja antenado ao mercado e ao público-alvo

Em 2017, o Bitcoin chegou a valorizar mais de 1500% e, no início de 2018, havia mais brasileiros investindo em criptomoedas do que na Bolsa de Valores. É inegável a popularização dessa categoria e a necessidade de soluções que estimulem seu uso. Essa é a ideia que motivou o surgimento da Atomic Fund, um fundo de investimento livre especializado em criptomoedas. A plataforma permite que investidores depositem suas moedas criptografadas em uma “carteira digital”. A proposta agradou os investidores do Vale do Silício. Em março de 2018, a empresa foi a única brasileira presente no programa de aceleração Boost VC Blockchain.

Busque soluções que transformam a vida das pessoas

A união entre medicina, biologia e tecnologia já é uma realidade, com desenvolvimento de soluções que combatem doenças e problemas de saúde. Conhecido como Bioinformática, esse segmento deve ter um crescimento médio anual de 16,8% até 2024, segundo o Data Bridge Market Research. A brasileira NAIAD Design de Compostos Bioativos surgiu em 2018 para pensar em produtos que possam transformar a vida das pessoas. A empresa cria moléculas bioativas atingindo os Receptores Acoplados à Proteína G. O objetivo é desenvolver medicamentos melhores para tratamento de dores, hipertensão e arritmia. Com menos de seis meses de fundação, a startup tem planos de expandir para outros países e conseguir aporte financeiro internacional.

Planeje e expanda o modelo de negócio

Startups que desejam se consolidar em seus segmentos e atrair investidores estrangeiros precisam, evidentemente, expandir sua atuação a outros mercados e impactar um número maior de pessoas. A brasileira Pipefy, responsável por uma plataforma em nuvem que permite gerentes de operações e negócios implementarem novos processos em suas empresas sem depender de TI, nasceu em 2014 e desde o início colocou como meta internacionalizar a empresa e oferecer seus serviços para outros países. Em março, recebeu aporte de US$ 16 milhões na rodada encabeçada pela OpenView Partners, Trinity Ventures, Redpoint Ventures e Valor Capital. Assim, vai conseguir consolidar suas equipes não só no Brasil, mas também em São Francisco, nos Estados Unidos.

Eduardo Küpper, MBA pela Wharton Business School e MA em Estudos Internacionais pelo The Lauder Institute, ambos na Universidade da Pensilvânia e Co-fundador da Wharton Alumni Angels Brasil

Tags, , , , ,

Finep reforça sua estratégia para startups e investe mais R$ 60 milhões no setor

A Finep lançou nesta terça-feira, 3 de julho, o segundo edital do programa Finep Startup, que pretende alavancar empresas de base tecnológica em fase final de desenvolvimento de produto ou que precisem ganhar escala de produção, com viabilidade comercial comprovada. A financiadora aumentou o limite de recursos – de R$ 50 milhões para R$ 60 milhões – e o número de startups que poderão ser apoiadas – de 50 para 60 – em relação à primeira chamada. Desta vez, serão escolhidas até 30 empresas promissoras por rodada de investimento. O primeiro período para envio de propostas fica aberto de 3 de julho até o dia 3 de agosto.

A financiadora vai investir até R$ 1 milhão em cada uma das startups selecionadas, que ainda poderão receber no futuro um novo aporte de até R$ 1 milhão, conforme a evolução do plano de negócios. Há outra novidade em relação ao edital de 2017: a Finep vai aportar conhecimento e recursos financeiros via participação no capital de empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões – antes, o apoio se restringia a empresas com faturamento de até R$ 3,6 milhões. As startups concorrentes precisam ter protótipo MVP (Minimum Viable Product ou, em português, Produto Viável Mínimo), prova de conceito ou, preferencialmente, já estarem realizando as primeiras vendas. Ou seja: não se enquadram propostas em fase de ideia ou pesquisa.

A primeira rodada de investimento vai destinar até R$ 30 milhões para até 30 empresas, com resultado final previsto para novembro. Já a segunda rodada, nos mesmos moldes, será aberta em janeiro de 2019, com expectativa que as startups aprovadas sejam conhecidas em junho do ano que vem. Em ambas as rodadas, o processo de seleção será composto por três etapas: avaliação de plano de negócios (eliminatória e classificatória); banca avaliadora presencial (eliminatória e classificatória); e visita técnica e avaliação de documentação jurídica (eliminatória).

Serão selecionadas startups que atuam nas seguintes áreas temáticas: Agritech, Building Information Modeling (BIM), Cidades Sustentáveis, Defesa, Economia Criativa – Jogos Eletrônicos, Educação, Energia, Fintech, Healthtech, Mineração, Petróleo e Química. Também podem concorrer empresas que desenvolvam soluções nas seguintes tecnologias habilitadoras: Biotecnologia, Blockchain, Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT), Manufatura Avançada, Microeletrônica, Nanotecnologia e Realidade Aumentada, Realidade Virtual e Realidade Mista.

Finep Startup: primeiro edital recebeu mais de 800 inscrições

Quem é empreendedor sabe que o caminho entre a ideia do negócio e o lucro costuma ser longo e cheio de obstáculos. O objetivo da Finep é ajudar startups brasileiras a superar o gap de apoio conhecido como “vale da morte”, fase em que muitas delas se desestruturam por falta de recursos. Empresas nesse estágio possuem grande dificuldade para financiar seu desenvolvimento, principalmente em função de ausência de garantias e geração de caixa.

Lançado em junho de 2017, o Finep Startup surgiu para preencher justamente a lacuna entre o primeiro investimento que uma startup recebe – em torno de R$ 100 mil e realizado, por exemplo, por investidores-anjo – e o aporte feito por meio de um Fundo de Seed Capital – em torno de R$ 3 milhões –, dependendo do grau de maturidade da empresa. Ao todo, o primeiro edital do programa recebeu 869 inscrições de startups de todo o Brasil. A Finep já está em fase final de contratação de 15 empresas aprovadas na primeira rodada, e iniciou em junho a visita técnica às 25 selecionadas na segunda rodada.

O investimento vai se dar por meio de contrato de opção de compra de ações. Esse tipo de contrato transforma a investidora – no caso, a Finep – em uma potencial acionista da empresa. A opção de se tornar ou não sócia da startup terá prazo total de vencimento de até três anos, podendo ser prorrogado por mais dois. Se a empresa for bem sucedida, a Finep pode exercer essa opção. Se a empresa fracassar, a financiadora não arca com o passivo. O modelo, inédito no Brasil, é inspirado em programas de outros países, particularmente os Estados Unidos, mas incorporou novidades. A avaliação da empresa (valuation), por exemplo, não será feita na entrada do programa.

Investimento público-privado

A Finep, no entanto, não pretende tornar as startups brasileiras dependentes de recursos públicos. Por isso, criou um mecanismo pioneiro para estimular o empreendedor a buscar investimento privado: serão priorizadas empresas que forem aportadas por investidores-anjo. O processo funcionará da seguinte forma: a startup que se inscrever no edital com uma carta de compromisso de um investidor-anjo ganhará pontos na seleção. A quantidade de pontos obtidos dependerá do valor do investimento privado, cujo valor mínimo é de R$ 50 mil. Com o aporte mínimo para o seu negócio, a proponente garante 1 ponto, podendo chegar a 5 pontos no máximo. Ao todo, são 20 pontos possíveis: 15 da avaliação da proposta de valor da startup e 5 obtidos caso ela receba investimentos privados de R$ 250 mil ou mais.

O investidor-anjo que se comprometer a investir na empresa selecionada pelo edital receberá parte do retorno da Finep (que exceder IPCA + 10), com o objetivo de ampliar seu engajamento com o sucesso da empresa. Esse percentual será proporcional à participação do anjo na rodada de investimento. Além da alavancagem de recursos, a atração de investidores privados é fundamental para o sucesso do empreendimento, à medida que estes também agregam conhecimento ao negócio. As startups não necessitam somente de recursos financeiros, mas também de auxílio em questões extremamente relevantes para o futuro do negócio, como governança e gestão.

Tags, , ,

Ex-alunos de Wharton aproximam startups com rede mundial de investidores e as auxiliam a ter acesso ao Vale do Silício

No ano de 2017 foi noticiada uma grande quantidade de aportes milionários em startups brasileiras, o que prova que o nível dos investidores-anjo aumentou. Mas, afinal, como saber se uma startup tem potencial para receber investimentos? Para solucionar essa equação, dois ex-alunos da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, fundaram a Wharton Alumni Angels, um grupo de investidores-anjo que tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e a inovação aproximando as startups brasileiras de investidores e executivos de Wharton e do Vale do Silício.

Eduardo Küpper, Investidor anjo e Co-fundador de diversas empresas, entre elas a Vesta Partners, eGenius Founders, F(x) e Helpling, e Guilherme Freire, empreendedor serial e co-fundador da Livo Eyewear, se conheceram em Wharton, uma das mais renomadas intuições de ensino superior dos EUA e também uma das mais antigas do mundo, onde faziam mestrado e tiveram contato com diversos executivos e empreendedores do Vale do Silício.

A ideia começou a tomar forma quando a dupla decidiu alavancar a rede de ex-alunos, um grupo de profissionais qualificados e competentes para analisar empreendimentos com potencial para receber investimentos, feitos por esse mesmo grupo de ex-alunos. Em Janeiro de 2018, essa ideia se tornou realidade com o lançamento do Wharton Alumni Angels no Brasil.

O primeiro passo para uma startup solicitar o investimento para o grupo será o cadastro na plataforma, que deve ser lançada no final de março. Na sequência é feita uma análise para identificar o potencial dessas empresas. Após esse processo de triagem, a Wharton Alumni Angels indica as startups que atendem todos os critérios para receber um aporte para uma rede de investidores – que, em maioria, também são ex-estudantes de Wharton.

“Quando eu estava na Livo tive muita dificuldade para levantar fundos, pois era um projeto diferente do perfil dos VCs tradicionais do Brasil. Ao sair da operação da empresa, tive a ideia de apostar em um veículo de investimento e iniciei conversas com diversas instituições. O Eduardo Küpper, um cara muito engajado no ecossistema de startups, abraçou a ideia da Wharton Alumni Angels comigo. O objetivo é que nossa plataforma ajude outras startups em estágio inicial que necessitem de investimento e não tenham ninguém que acredite nelas. Queremos abraçar pessoas que enfrentam o mesmo desafio que nós tivemos”, explica Guilherme Freire, co-fundador da Wharton Alumni Angels Brasil.

Para 2018, a expectativa é de que a plataforma movimente em torno de R$ 9-12 milhões em investimentos em cerca de 7-10 novos negócios. “Aqui no Brasil, muitas vezes, o empreendedor abre seu próprio negócio sem ter acesso a uma rede de networking e com pouco conhecimento teórico. Queremos que esse pequeno empresário tenha contato com a cultura de empreendedorismo do Vale do Silício, local onde estão concentradas as maiores startups do mundo. Essa troca de experiências é tão fundamental quanto o aporte para o sucesso de um novo negócio”, finaliza Freire.

Tags, , , , , , , , ,

Startups: Os perigos do investimento mútuo conversível – Por João Kepler

Estou presenciando ultimamente o vencimento de contratos de investimentos através do modelo mútuo conversível entre investidores Anjo e Startups.

O Mútuo Conversível, usado pela maioria dos investidores Anjo no mercado, nada mais é do que o adiantamento de capital condicionado a conversão futura da dívida em quotas da Startup, o investidor não entra diretamente no quadro social da empresa.

O principal objetivo de fato é afastar obrigações trabalhistas e tributárias do investidor Anjo que em tese fornece além do dinheiro, mentoria, conexões e know-how, o chamado Smart Money. Ou seja, o investidor disponibiliza seus recursos por um prazo determinado e, após esse período, no vencimento do contrato o investidor tem a opção de converter o valor aportado em uma fatia da Startup ou retirar-se do negócio. E é exatamente na fase de converter ou não do capital investido que existe o perigo e o desentendimento desse modelo específico de investimento.

Quando vence o mútuo que é por direito um Título Executivo, o investidor Anjo poderia cobrar da Startup o valor aportado devidamente corrigido, até porque a opção é dele de converter ou não. Mas e se o negócio fechou ou quebrou? E se a startup não progrediu ou cresceu? Se a Startup precisa de novas rodadas de investimento? O que fazer? Pagar o investidor Anjo? O risco não deve ser somente do lado do empreendedor, o investimento anjo é amplamente divulgado como de RISCO TOTAL.

O perfil do investidor de startups é buscar aportar uma quantia e esforço de tempo e inteligência para que o negócio cresça, com a esperança de recuperar o valor investido multiplicado por x em algum tempo. Além disso, é imprescindível que o investidor se mantenha protegido de eventuais prejuízos, débitos, obrigações e processos judiciais que a investida venha a possuir.

Então, quais são as opções que poderiam ser combinadas antes da assinatura do contrato de mútuo? Quais seriam as condições e opções para o não pagamento do título após o vencimento com autorização e entendimento das partes?

1. A Renovação do Mútuo;

2. Se não estiver performando e o anjo não ver sinais de “turn over”. Simplesmente sair por zero ou por R$ 1,00;

3. Conversão em ações da Startup, realizar a transformação da Sociedade em uma sociedade por ações;

4. Possibilidade de fazer uma secundária para outro Investidor.

Existem sim outras opções, inclusive outros modelos como, por exemplo, o contrato de participação (Lei complementar 155), mas cobrar o pagamento do contrato vencido, não deveria ser uma única alternativa, a não ser em casos de má fé e/ou gestão temerária por parte do empreendedor ou em caso excepcional e extremado.

Em minha opinião, o contrato de mútuo é uma improvisação pois a operação real é de investimento e não de crédito, ou seja, o valor aportado em uma Startup por um Investidor anjo profissional, jamis deveria ser a título de empréstimo de fato, a não ser se o investidor não souber o que está fazendo.

Minha dica é:

· Para os Empreendedores: Se tiver um contrato de mútuo em andamento, cuide de conversar com seus investidores sobre isso antes do vencimento dele; Se ainda vai fazer um contrato de mútuo conversível, verifique a possibilidade de deixar as alternativas ao pagamento do mútuo muito mais detalhadas, antes de assinar qualquer documento.

· Para os Investidores: Se quer remunerar seu dinheiro, mútuo no investimento Anjo, não deve ser tratado como uma promissória. Se quer renda fixa, melhor deixar seu dinheiro no banco.

João Kepler Braga

Empreendedor, especialista em startups, e-commerce, marketing digital, empreendedorismo e vendas, speaker internacional, reconhecido como um dos conferencistas mais sintonizados com inovação e convergência digital do Brasil. Kepler foi premiado como um dos maiores incentivadores do ecossistema empreendedor brasileiro e é associado nas Investidoras Bossa Nova Investimentos e Seed Participações. Foi, também, vencedor do prêmio Spark Awards da Microsoft, como investidor anjo do ano.

Tags, , , , , ,