Category fintech

Ainda há espaço para fintechs na América Latina?

Por Francisco Ferreira, CEO e co-fundador da BizCapital

O ano de 2020 foi um importante ponto de inflexão para as fintechs na América Latina, que provaram sua resistência diante de uma das maiores crises já vistas no mundo. As fintechs chegaram com a missão de simplificar a vida do cliente final, usando a tecnologia para desburocratizar processos e transformar, de uma vez por todas, a relação entre pessoas e dinheiro. Mas, a dúvida que fica é: existe espaço para elas na América Latina?

Aí que vem a boa notícia. Não só há espaço para as fintechs, como também elas vivem o seu momento de ouro. Para se ter uma ideia, mais da metade da população de vinte países da América Latina está desbancarizada, segundo dados do VI Congresso Latino-Americano de Inclusão Financeira. Isso significa que existem milhares de pessoas que não encontram um sistema financeiro que atenda às suas necessidades ou empresas que não conseguem acessar os serviços bancários que correspondam ao seu modelo de negócio. Em países como México, Peru e Colômbia, por exemplo, esse percentual ultrapassa 60%.

E isso é muito grave. É por isso que o mercado das fintechs, e os investimentos que elas recebem, crescem em um ritmo sem precedentes, especialmente no Brasil, já que concentramos em nosso território, em média, 50,5% das fintechs situadas na América Latina, de acordo com o Banco de Compensações Internacionais.

O que não falta é espaço para empreender no mercado das fintechs, só que a regra é simples: precisa ser inovador, simplificar e tornar os processos mais inteligentes. Não dá para prever todos os desafios que vêm pela frente, mas uma coisa é certa: se não muda a vida do cliente, você perde o jogo.

Startup utiliza nuvem da Microsoft e oferece estrutura bancária para instituições financeiras e fintechs

Com a chegada das fintechs foi possível ver uma mudança no sistema bancário que levou a descentralização de serviços – antes oferecidos apenas por grandes bancos. Pensando em movimentar ainda mais esse mercado, a Celcoin criou uma plataforma de Open Finance que oferece uma plataforma completa de APIs de serviços financeiros para cerca de 130 instituições e fintechs. Dentre os clientes da Celcoin, estão mais de 30 principais bancos e instituições financeiras membros da ABBC (Associação Brasileira de Bancos), oito empresas com capital aberto, dezenas de carteiras digitais, sete fintechs consideradas unicórnios, além de corretoras, programas de fidelidade e operadoras de telefonia.

Atualmente, fintechs e bancos digitais usam a plataforma de open finance da Celcoin para oferecer serviços que antes eram restritos aos grandes bancos, como pagamento de contas e tributos, saques na Rede Banco24Horas e no varejo, e ainda, recargas de celular, recargas de transporte, transferências, entre outros. “O objetivo é deixar as fintechs focadas no seu core business sem se preocupar com serviços que são complementares, mas obrigatórios em todas as contas digitais”, explica Marcelo França, CEO e fundador da Celcoin.

Crescimento x nuvem pública

Durante a pandemia a Celcoin viu o número de clientes crescer ainda mais e, com base neste crescimento, decidiu fazer a migração de nuvem privada para a nuvem pública a fim de ter mais escalabilidade para suportar picos de operação e, para isso, a companhia passou a utilizar os serviços do Azure. Além disso, a startup começou a fazer parte do programa de parceiros da Microsoft e a contar com auxílio no aperfeiçoamento da arquitetura pelos times da companhia de tecnologia.

“Tivemos um crescimento muito grande em pouco tempo e vimos na nuvem pública da Microsoft uma maneira de conseguirmos ter mais flexibilidade para termos os nossos serviços sempre à disposição dos nossos clientes, sem interrupção, mesmo em momentos de picos. A possibilidade de redimensionar a solução de acordo com a nossa demanda reduz a possibilidade de recursos ociosos e nos garante a solução rodando de forma efetiva a todo momento – o que também retorna para nós como um benefício pois nos permite manter a confiança dos nossos clientes com os nossos serviços”, comenta França.

O suporte da Microsoft à migração para a nuvem faz parte do compromisso da companhia de incentivar o desenvolvimento econômico sustentável do País por meio do plano Microsoft Mais Brasil. Lançado em outubro de 2020, o plano é uma iniciativa abrangente que tem entre seus objetivos apoiar o crescimento inclusivo por meio de tecnologia, capacitar a força de trabalho de hoje e de amanhã e apoiar programas com foco em sustentabilidade.

Movile se junta à Endeavor para terceira edição do programa de aceleração de fintechs

A Movile, empresa que investe e desenvolve negócios de tecnologia e pessoas, se uniu à Endeavor – rede global formada pelos empreendedores e empreendedoras à frente das scale-ups que mais crescem no mundo – para a 3ª edição do Programa Scale-up Endeavor Fintech. O programa busca encontrar 12 scale-ups que estejam preparadas para escalar soluções para acelerar a revolução no setor financeiro. As inscrições devem ser feitas na página do programa até o dia 02 de abril de 2021: https://endeavor.org.br/scaleup/fintech

Os segmentos contemplados para a edição 2021 do programa são: pagamentos, investimentos, trading markets, gestão financeira, eficiência financeira, fintech as a service, bancos digitais, crypto, blockchain, open banking, empréstimos, recebíveis e seguros.

“O programa da Endeavor se encaixa muito bem com a estratégia da Movile, que é de ser uma investidora estratégica capaz de acelerar ainda mais negócios em rápido desenvolvimento. Além disso, o foco em fintechs também tem uma sinergia muito grande com os objetivos do Grupo Movile para 2021”, explica Fábio Massuda, diretor de Fintech e Estratégia da empresa.

O setor de fintechs é um dos mais promissores do mundo, com tamanho de mercado potencial de U﹩ 4,7 trilhões. No Brasil, a receita anual potencial das scale-ups no segmento em 10 anos é de R﹩ 75 bilhões. Atualmente, a Movile já possui em seu ecossistema duas empresas no segmento: a Zoop, que oferece serviços whitelabel para empresas que buscam agregar serviços financeiros ao seu portfólio, e a MovilePay, que oferece soluções de financeiras, tais como crédito, adquirência (POS e QR Code) e serviços bancários (conta e carteira digital), implementadas a partir de parcerias com outras empresas do setor de tecnologia, a começar pelo iFood.

“Para nós é muito importante essa aproximação com o mercado dado que fintech é um grande foco do Grupo Movile para 2021.O Grupo Movile tem como principais pilares auxiliar no crescimento das empresas que estão no ecossistema e investir em novos negócios estratégicos. nossa parceria com a Endeavor busca acelerar ainda mais nossa estratégia em fintech”, adiciona Massuda.

O programa dura cinco meses – de maio a setembro de 2021 – e todas as empresas selecionadas serão acompanhadas por uma mentora madrinha ou um mentor padrinho, que ajudarão nos principais desafios de crescimento do negócio. Além disso, também acontecerão meetups com as maiores referências do setor. Já passaram pelo programa empresas como Creditas, Omie, Neon, BCredi e CredPago.

Startup Tindin recebe aporte de mais de R$ 1 milhão em rodada Seed e adquire WiseCash

A Tindin, uma Edfintech – intersecção entre educação, finanças e tecnologia –, que no mercado B2C registrou um crescimento de 20 vezes nos últimos 12 meses, impactando mais de 10 mil famílias, viveu um ano de muitas conquistas e novos investimentos em meio aos desafios da pandemia.  

Em 2020, a Tindin levantou R$1.012.000, em uma rodada de investimento Seed. Segundo a consultoria Transactional Track Records (TTR), o valor aportado por investidores anjo no Brasil mais do que dobrou na última década, passando de 450 milhões para pouco mais de 1 bilhão ao fim de 2019. “A queda histórica na Selic tem aumentado o apetite ao risco dos investidores, e startups têm ocupado cada vez mais espaço em suas carteiras de investimentos”, comemora Eduardo Schroeder, CEO da Tindin. Os investidores têm, hoje, uma participação de 16% da startup.

Parte do capital levantado foi destinada à aquisição da escola de educação financeira e empreendedorismo WiseCash. A empresa, fundada em 2014, nasceu com o propósito de promover a transformação comportamental em relação ao dinheiro, trabalhando para que, desde criança, as pessoas entendam a importância em aprender a lidar e administrar suas finanças, o que vai totalmente ao encontro dos valores da Tindin. A negociação incluiu propriedade intelectual da escola, bem como marca, conteúdos e site. A partir de agora, Andressa Costa, assume a função de Chief Knowledge Officer – CKO e acionista da Tindin.

Os investidores anjo têm papel importante neste momento de crescimento da Tindin e eles apostam no sucesso da startup. “Fiquei encantado quando conheci a proposta da Tindin e enxerguei rapidamente o grande potencial de crescimento que ela possui. Faço parte de um grupo de amigos da Fundação Getúlio Vargas e estamos sempre antenados buscando oportunidades de investimento. Este certamente foi um excelente negócio”, comemora o administrador de empresas Carlos Eduardo Silveira Martins.

A aquisição da WiseCash foi uma estratégia para a consolidação da Tindin também como produtora de conteúdos educativos e planos de aula transversais e gamificados. “Guardadas as devidas proporções, este foi um movimento muito parecido com o da Netflix, quando ainda era apenas uma plataforma de streaming e compreendeu a necessidade de produzir seus próprios conteúdos, antes que os estúdios se transformassem em plataforma. A Tindin continua sendo uma plataforma para produtores de conteúdos e educadores financeiros, porém, passa a produzir e distribuir seus próprios conteúdos e metodologias”, esclarece Schroeder.

Outra grande conquista que 2020 trouxe à empresa foi a parceria firmada com o grupo SOMOS Educação, que promete alavancar a atuação da Tindin no modelo B2B2C. O principal grupo de Educação Básica do Brasil oferece soluções educacionais para milhares de escolas do país e conta com uma base de 1,5M de alunos dos Ensinos Fundamental e Médio.

“Temos uma solução barata com metodologia eficiente. A plataforma está se transformando em um meio de comunicação direta entre escola, pais e professores. Estamos em um nível de gamificação do aprendizado que não perde para nenhum país do mundo”, enfatiza Eduardo Schroeder, CEO da Tindin. 

O contrato firmado entre a Tindin e o grupo SOMOS tem duração até 2026 e potencial de gerar, por ano, R$120 milhões. O início do projeto será com alunos do Ensino Fundamental, mas, no médio prazo, alunos do Ensino Médio também serão impactados por essa tecnologia digital, que une o melhor dos Métodos Ativos ao Ensino a Distância, gerando engajamento multidisciplinar por meio da gamificação da educação financeira.

O mercado B2C potencial da Tindin é formado por jovens entre 5 e 17 anos que, segundo dados do IBGE, movimentam cerca de R$40 bilhões todos os anos. Já o mercado B2B, para o qual a Tindin direciona seu modelo de negócio a partir deste ano, é formado por escolas de Ensino Fundamental e Médio, treinamentos corporativos e EAD, que, juntas, movimentam R$100 bilhões por ano.

bxblue recebe aporte Series A de R$ 38 milhões liderado pela Igah Ventures

Depois de um 2020 de crescimento exponencial e de chamar a atenção de grandes bancos do mercado, a bxblue inicia o ano com o recebimento de um aporte Series A no valor de R$ 38 milhões liderado pela Igah,Ventures, gestora de investimentos com foco em negócios disruptivos no Brasil e América Latina. A rodada teve ainda a participação de outros fundos de investimento, como Iporanga Ventures, FJ Labs e Funders Club. O montante será utilizado para ampliação da equipe, desenvolvimento de novas ferramentas no produto e integração com novos bancos.

A expectativa da bxblue é quintuplicar a receita da empresa ao longo de 2021 com o impulsionamento da nova rodada. Desde o início de sua operação e primeiros investimentos, a startup já intermediou mais de R$ 500 milhões em contratos de empréstimo consignado.

“Servidores públicos e aposentados merecem opções acessíveis e transparentes quando buscam crédito para realizar seus sonhos ou resolver eventuais imprevistos. Ao mesmo tempo, os nossos bancos parceiros buscam se posicionar na vanguarda e oferecer experiências inovadoras de contratação de consignado para seus clientes. A bxblue conecta ambos numa plataforma que permite aos usuários comparar ofertas, encontrar a melhor e contratar digitalmente, enquanto reduz custo e aumenta eficiência do sistema financeiro”, analisa Gustavo Gorenstein, CEO da bxblue.

Dois dados corroboram a confiança de seu fundador. Quase 20% dos clientes da bxblue já contrataram empréstimos mais de uma vez na plataforma, uma taxa alta que indica o potencial da empresa em um momento econômico inédito. Além disso, a bxblue mantém um elevado grau de satisfação entre um público exigente: seu NPS (métrica adotada por inúmeras startups para compreender contentamento de seus clientes) se manteve próximo de 90 no último ano, número considerado muito acima da média do mercado das fintechs.

“Em um ano desafiador de pandemia, conseguimos atingir um crescimento que representa oito vezes o número de 2019. Esse é um indicador que trouxe a confiança de nossos investidores e também confirmou nossa missão de estar disponível com as melhores alternativas de consignado, na mão do usuário, provendo taxas competitivas para usuários espalhados por todo o país”, finaliza Gorenstein.

“Estamos bastante animados em liderar essa rodada, com uma empresa que vai impulsionar o segmento de concessão de crédito por meio de uma plataforma 100% digital, em um modelo de marketplace que conecta as pessoas aos bancos. O mercado de crédito consignado tem lacunas importantes de eficiência no Brasil, e a bxblue traz a capacidade de execução e o crescimento escalável necessários neste momento. É o perfil de negócio que Igah busca em suas investidas: empresas que combinam tecnologia e inovação para endereçar soluções diferenciadas em suas áreas de atuação”, destaca Márcio Trigueiro, sócio-diretor da Igah,Ventures.

10 novas fintechs entram para o programa Start Path da Mastercard

A startup Mo Technologies da América Latina é uma das 10 fintechs de todo o mundo que acaba de ser recebida pela Mastercard para participar do Start Path, programa de engajamento de startups voltado a fomentar o futuro do comércio. A Mastercard ajuda as fintechs a acelerarem a maneira com a qual mudam o mundo desde a redução da lacuna digital para o próximo bilhão de usuários de dispositivos móveis até o atendimento das necessidades daqueles que não possuem conta bancária.,

O mercado global de produtos e serviços de fintechs deverá atingir US$ 310 bilhões até 2022, e nem mesmo a crise atual diminuiu as perspectivas do setor. Com a mudança acelerada para as experiências digitais e comportamentos de consumo em rápida evolução, o COVID-19 trouxe uma necessidade imediata de soluções inovadoras de tecnologia, e existe uma infinidade de oportunidades de parceria. Nas áreas desenvolvidas e em desenvolvimento do mundo, a tecnologia pode ser a diferença entre meramente sobreviver e prosperar – e é uma lacuna que só cresceu como resultado da pandemia.

Como a parceira preferida das fintechs de todo o mundo, a Mastercard está comprometida em impulsionar o que vem por aí e construir novas soluções com parceiros do Start Path. O Mastercard Start Path acontece em âmbito global para identificar e fazer parcerias com players emergentes. As empresas que fazem parte do programa, são apoiadas pela companhia por meio de um programa de seis meses de duração com o objetivo de inovar e descobrir oportunidades que aproveitam a tecnologia, a experiência e a rede da Mastercard para impulsionar o futuro. A colaboração da Mastercard para essas inovações significa investir em soluções que tragam mais pessoas para dentro da economia digital, inspirem confiança em cada transação e protejam a identidade das pessoas.

“Todos nós prosperamos quando as fintechs têm acesso à tecnologia de que precisam para alcançar escala e democratizar as finanças”, disse Ken Moore, Diretor de Inovação da Mastercard. “Estamos fazendo parcerias com as mais novas fintechs que entraram no Start Path para impulsionar a inclusão, a inovação e a confiança com maneiras alternativas de pagar e autenticar, poderosas soluções para pequenas empresas, novas maneiras de criar eficiência para pagamentos comerciais, bem como resolver a lacuna de riqueza”.

Mo Technologies, a fintech da América Latina que entra para o programa Start Path, oferece um inovador modelo de pontuação de crédito para instituições financeiras e não financeiras que ajuda a estender mais produtos de crédito a mais clientes em todos os segmentos.

Conheça as outras as novas 9startups selecionadas para ingressar no programa:

• A Carry1st está eliminando a exclusão digital, aproveitando a tecnologia móvel, gateways de pagamento e conteúdo culturalmente relevante para atender à primeira geração de usuários africanos de smartphones.
• A FISPAN é uma plataforma contextual que incorpora serviços bancários de negócios em aplicativos de Planejamento de Recursos Empresariais e Contabilidade nos quais os clientes podem confiar para a administração de suas empresas.
• A Lendio oferece uma abordagem de serviço completo para o financiamento de pequenas empresas, desde infraestrutura de tecnologia para instituições financeiras até acesso a capital para crescimento.
• A LISNR conecta jornadas online de clientes a offline em todo o mundo usando tecnologia ultrassônica de dados-sobre-som que permite a verificação de proximidade e transações por aproximação para comerciantes, provedores de serviços financeiros e empresas de mobilidade.
• A Mocafi é uma plataforma de serviços financeiros projetada para ajudar aqueles que não têm conta bancária com recursos bancários digitais e construção de crédito, juntamente com treinamento em gestão de riqueza pessoal.
• O Panda Remit está construindo uma plataforma financeira global na qual o dinheiro não tem fronteiras, permitindo transferências de dinheiro seguras, convenientes e de baixo custo.
• A Paycode fornece um sistema online e offline biométrico de pagamentos e bancário de baixo custo que resolve os três principais desafios da reta final para aqueles que não possuem conta bancária: identidade, conectividade e custo.
• O Fanbank/Plink é uma plataforma de automação comercial criada para ajudar no crescimento de pequenas empresas, aumentando o valor da vida do cliente, atraindo compradores locais e transformando os terminais de ponto de venda.
• A Subaio oferece um serviço de marcas em branco de gestão de assinaturas para bancos, que permite aos usuários rastrear e cancelar assinaturas diretamente de seu próprio banco.

As empresas do Start Path terão a oportunidade de se conectar aos milhares de parceiros do ecossistema global da Mastercard de bancos e comerciantes, bem como de tecnologia e players digitais, para expandir seus negócios e fornecer inovações transformadoras. Com mais de 250 startups no programa Start Path desde sua fundação em 2014, essas empresas passaram a levantar US$ 2,9 bilhões em investimentos pós-programa e fornecem soluções que estão transformando o futuro do comércio.

2020: o ano das Fintechs da América Latina e Caribe (LAC)

Em 2020, 6 empresas da LAC foram selecionadas para participar do programa Start Path para ajudar a acelerar a transformação digital na região.

• A Aper faz parceria com instituições financeiras para desenvolver seus próprios mercados de comércio eletrônico, possibilitando que entrem em um novo mercado, façam vendas cruzadas de produtos financeiros e se protejam de interrupções.
• A Bit Capital é uma plataforma de banco aberto baseada em blockchain que permite aos clientes entregar seus próprios produtos financeiros digitais com segurança e rapidez.
• A Finerio Connect é a primeira interface de programação de ponta a ponta de aplicativos de gestão de finanças pessoais e bancárias abertas da América Latina que capacita fintechs e instituições financeiras a criar soluções personalizadas e rápidas.
• A Juvo analisa dados de redes móveis para construir identidades financeiras para 68% dos adultos sem histórico de crédito formal em todo o mundo.
• A Zinobe desenvolve produtos de crédito online para os setores de consumo e pequenas empresas. A empresa foca no uso de tecnologia para fornecer o mais alto nível de experiência ao cliente e de automação para maximizar a eficiência operacional.

Tags, , ,

EBANX lança edital de captação de projetos para 2021

Estão abertas as inscrições para o edital EBANX Community 2021, promovido pela fintech curitibana EBANX, que irá patrocinar projetos aprovados via leis de incentivo fiscal. Até dia 8 de novembro, será possível inscrever propostas de todo o território nacional nas áreas de cultura, social, esporte, protagonismo feminino, diversidade, empreendedorismo, inovação e tecnologia.

A valorização de iniciativas que tragam benefícios à comunidade sempre foi uma premissa na história do EBANX, fintech de pagamentos com atuação global e que busca, desde a sua fundação, apoiar projetos que promovam um impacto transformador na sociedade e estejam alinhados aos valores da empresa.

Este é o segundo ano em que o edital é realizado, mantendo a tradição do EBANX de investir em projetos culturais e de impacto na comunidade. “Mesmo diante de uma pandemia e de todas as dificuldades que ela trouxe, mantivemos o apoio a mais de 30 projetos, que se reinventaram com o distanciamento social. Alguns se transformaram em transmissões ao vivo, abertas ao público, alcançando milhares de pessoas pelo país”, afirma Alphonse Voigt, cofundador e CEO do EBANX.

Nos últimos anos, mais de 130 projetos já foram apoiados pelo EBANX – entre eles, o Festival de Curitiba, o teatro EBANX Regina Vogue, o filme Alice Júnior, projetos de apoio ao idoso com investimentos em saúde visual e informatização de asilo, e circuitos de corrida e caminhada.

“Mais do que nunca, precisamos apoiar a comunidade com projetos que alcancem o máximo possível de pessoas, disseminando conhecimento e propagando conceitos de igualdade e respeito ao próximo em tempos tão difíceis e imprevisíveis”, complementa Voigt.

Webinar

Para comentar o lançamento do edital e os valores que movem este trabalho, o time de Comunidade da fintech irá realizar um webinar no próximo dia 5 de novembro, às 16h. Para participar, é só se inscrever no site do EBANX Community. Os ingressos são gratuitos e limitados.

O regulamento do edital está disponível para consulta no site do EBANX Community.

Tags, , ,

Visa anuncia a aquisição da empresa YellowPepper

Serge Elkiner, CEO e fundador da YellowPepper e Eduardo Coello, presidente regional da Visa na América Latina e Caribe

A Visa Inc. (NYSE:V) anunciou hoje a assinatura de um acordo definitivo para adquirir a YellowPepper , uma fintech pioneira com tecnologia proprietária e parcerias que apoiam instituições financeiras e startups líderes na América Latina e Caribe. A aquisição baseia-se em uma parceria estratégica e investimento realizado pela Visa na YellowPepper em maio de 2018. A plataforma da YellowPepper oferece um conjunto rico de APIs para permitir que emissores, processadoras e governos realizem de maneira rápida diversos fluxos de pagamento por meio de uma única conexão.

A aquisição da YellowPepper acelera a estratégia da Visa em transformar-se na “rede das redes”, já que irá reduzir o time-to-market (tempo de chegada ao mercado) de emissores e processadoras, e os custos para acessarem soluções inovadoras e interoperáveis, independentemente de quem opera ou seja proprietário das trilhas de pagamento.

“Estamos muito entusiasmados com a aquisição da YellowPepper, e como ela fortalece nossa trajetória de crescimento de negócios na América Latina e Caribe. A aquisição irá acelerar a habilidade da Visa em criar soluções de pagamentos digitais inovadoras e acessíveis que empoderam consumidores e empresas, permitindo que prosperem social e economicamente”, afirma Eduardo Coello, presidente regional da Visa América Latina e Caribe. “A tecnologia da YellowPepper, que funciona como um ‘adaptador universal’, será a chave para construirmos nossa estratégia de ‘rede das redes’, nos transformando em um ponto único de acesso para iniciar qualquer tipo de transação e permitindo o movimento seguro do dinheiro”.

A YellowPepper facilitará uma integração mais fácil ao Visa Direct, a plataforma de pagamentos em tempo real da Visa, ao Visa B2B Connect, rede de pagamento – não baseada em cartão – entre países e empresas, além de serviços de valor agregado. Juntas, as empresas irão expandir a habilitação de produtos e serviços digitais, proporcionando experiências diferenciadas e seguras para todo o ecossistema, além de aumentar novos fluxos de volume e transações. Por exemplo, no começo deste ano, a Visa e a YellowPepper habilitaram a primeira plataforma de pagamento em tempo real no Peru ao desenvolver o PLIN, uma solução P2P com Scotia Bank, BBVA e Interbank. Ao combinar as capacidades do Visa Direct com as ferramentas patenteadas da YellowPepper como o Diretório Alias, o perfil da identidade do cliente e ferramentas de roteamento inteligente, consumidores podem usar seu email, número de telefone ou outras credenciais pessoais para transferir dinheiro pelo seu banco, usando a opção de pagamento de sua escolha.

“Durante os últimos três anos, trabalhamos de perto com a YellowPepper para oferecer soluções inovadoras para clientes na região. À medida que essas soluções se expandem para outros mercados, consideramos que alinhar-se mais estreitamente com a Yellow Pepper e combinar nossos negócios tornou-se uma extensão natural em nosso relacionamento. Juntos, podemos oferecer uma plataforma flexível e de baixo custo para conectar múltiplas redes para novos fluxos na América Latina e além”, explica Ruben Salazar, vice-presidente sênior de Produtos e Inovação da Visa América Latina e Caribe. “Com a aquisição da YellowPepper, nós facilitaremos para os clientes a habilitação de novos casos de uso e expandiremos nossos serviços de valor agregado, como tokenização, integração de multi-trilhos de pagamento, validação de identidade e ferramentas de risco e autenticação, entregando uma experiência de uso integrada”.

“A excepcional plataforma de tecnologia da YellowPepper é moderna, interoperável, segura e escalável,” afirma Serge Elkiner, CEO & Fundador da YellowPepper. “Juntas, Visa e YellowPepper podem entregar capacidades superiores de pagamento, oferecendo incomparáveis serviços de valor agregado para emissores, governos e processadoras em toda a região. A YellowPepper tem trabalhado para transformar o cenário bancário e de pagamentos na América Latina nos últimos 15 anos por meio da tecnologia e, com a aceleração da digitalização global e desaparecimento das fronteiras, nossos clientes se beneficiarão enormemente a partir dessa união com a Visa,” conclui o executivo.

A YellowPepper continuará a fornecer comercialmente suas soluções agnósticas, com o CEO Serge Elkiner na liderança da equipe na empresa. A transação está sujeita a aprovações regulatórias e outras condições habituais de fechamento, e deve ser concluída nas próximas semanas.

Tags, , , ,

HubDigital completa 1 ano de operação

O HubDigital foi desenvolvido pela TecBan há 1 ano para acelerar a entrada de novas instituições de pagamento, fintechs, bancos digitais e sociais ao Banco24Horas. Em seu primeiro ano de operação, tem cumprindo com a sua missão de aumentar a convergência físico-digital do ecossistema financeiro brasileiro. Atualmente, clientes das 32 fintechs associadas ao HubDigital podem realizar saques e diversos outros serviços nos mais de 23 mil caixas eletrônicos distribuídos em todo o País. Em 12 meses, foram realizadas mais de 709 mil transações, movimentando mais de R$ 126 milhões em saques.

“Estamos certos de que o HubDigital agrega valor para todo o ecossistema de fintechs e, claro, para os seus clientes. A facilidade do ingresso das instituições no Banco24Horas acelera o processo de desenvolvimento das fintechs no país e a plataforma amplia o acesso ao dinheiro. Acreditamos que os meios de pagamento e dinheiro estão cada vez mais integrados e interconectados e nós, ao longo desse primeiro ano de atuação, contribuímos para assegurar essa convergência”, afirma Tiago Aguiar, Superintendente de Novas Plataformas da TecBan.

Por meio do HubDigital, as fintechs conseguem reduzir os custos pois não precisam investir em tecnologia de conexão, uma vez que distribuidores que estão ligados à TecBan permitem que se associem diretamente ao Banco24Horas, juntando-se às mais de 100 instituições financeiras para distribuir seus produtos e atender seus clientes. Atualmente, já são 10 distribuidores.

Por fim, dois bancos tesoureiros já estão presentes no sistema, garantindo aos participantes do HubDigital suporte nos serviços de suprimento de numerário, fornecendo entregas de forma ágil e centralizada para o abastecimento nas 820 cidades, em todos os estados brasileiros, onde o Banco24Horas está presente.

Mais informações sobre os serviços e participantes da plataforma podem ser acessadas em http://www.hubdigitaltecban.com.br/ .

Tags, , ,

Zoop recebe aporte de R$ 60 milhões liderado pela Movile

A Movile, empresa que investe e desenvolve negócios de tecnologia e pessoas, acaba de liderar um novo aporte de R$ 60 milhões na Zoop, fintech líder em tecnologia para serviços financeiros no mercado B2B. Esse é o terceiro investimento da Movile na empresa desde 2018. A Zoop usará a nova rodada de capital para crescer ainda mais a vertical de Fintechs do Grupo, acelerando o lançamento de novas formas de pagamentos digitais, serviços de banking e crédito para seus clientes dentro da sua estrutura segura e certificada. Acompanha o investimento a Darwin Capital.

A Zoop atua nos segmentos de meios de pagamento, “banking as a service” (BaaS) e crédito. Os produtos da plataforma unem tecnologia e conformidade regulatória, permitindo que qualquer empresa – seja ela uma startup, um marketplace ou mesmo uma grande empresa – possa criar e oferecer serviços financeiros, com sua própria marca (white-label), de forma simples, eficiente e segura. A plataforma de tecnologia da Zoop é uma das principais infraestruturas por trás de um número crescente de novas ofertas de fintechs na América Latina hoje.

De acordo com Patrick Hruby, CEO da Movile, a vertical de Fintech hoje é o principal foco de expansão do Grupo. “Enxergamos uma imensa oportunidade nos próximos anos para melhorar os serviços financeiros e permitir um maior acesso para empresas de todos os tamanhos, e queremos garantir que estamos na vanguarda dessa transformação. Especificamente, existe um enorme potencial de crescimento para atender às necessidades de pequenas e médias empresas. Com o novo aporte, fortalecemos ainda mais a oferta de serviços da Zoop, permitindo que seus parceiros ofereçam serviços financeiros mais completos e integrados”, reforça.

Fabiano Cruz, CEO e Cofundador da Zoop, conta que a fintech cresceu o TPV em 140% na comparação com o ano anterior, além de ter atraído mais de 40 novos parceiros durante a pandemia. Ainda destaca o lançamento de vários produtos inovadores, como a vertical de Banking as a Service (ou BaaS), que chega para completar um portfólio de produtos e serviços de meios de pagamento e crédito.

“Acreditamos que qualquer empresa, de qualquer setor, poderá adicionar novas linhas de receita oferecendo conta digital, cartão pré-pago, saques, transferências, pagamento de contas, pagamentos instantâneos (PIX) e uma série de outros produtos e serviços disponíveis na plataforma white-label da Zoop. Queremos que os nossos parceiros de negócio idealizem, incorporem e operem produtos financeiros com a sua própria marca para a sua base de clientes, possibilitando que eles criem, hoje, os serviços financeiros do amanhã. A Zoop está no centro dessa revolução e tem possibilitado o surgimento de milhares de novos negócios em serviços financeiros. Com o aporte da Movile, seguiremos crescendo exponencialmente e desenvolvendo os produtos e serviços disponíveis na nossa plataforma B2B de “fintech as a service”, oferecendo as melhores tecnologias e lidando com todo o arcabouço regulatório para nossos parceiros”, afirma Cruz.

Fundada em 2013, a Zoop tem em sua plataforma mais de 500 parceiros. Além disso, a empresa cresceu quatro vezes o volume total de 2018 e está se preparando para processar 20 bilhões em transações na plataforma em 2020.

Fintechs

A estratégia de Fintechs da Movile está concentrada em três principais ofertas específicas para pequenas e médias empresas: pagamentos, banking e crédito. A Zoop exerce um papel fundamental dentro desse modelo, já que atua como uma plataforma tecnológica para meios de pagamento e serviços financeiros e habilita empresas de tecnologia para varejo, marketplaces e negócios B2B a se tornarem fintechs.

Responsáveis por mais de um terço de todo o capital aportado em startups brasileiras no ano passado, as fintechs captaram cerca de US$ 1 bilhão em 2019, volume quase três vezes maior em relação a 2018. Desde 2015, as startups que inovam no setor financeiro receberam US$ 8 bilhões em aportes, conforme levantamento recente do KoreFusion.

No último ano, a Movile investiu R$ 100 milhões na vertical de Fintech, o valor foi quase o dobro dos R$ 55 milhões investidos em 2018.

Tags, ,

iugu recebe investimento de R﹩ 120 milhões em rodada liderada pela Divisão de Merchant Banking do Goldman Sachs

A iugu, fintech brasileira de meios de pagamentos e plataforma de automação financeira para empresas, anuncia que está recebendo 120 milhões de reais por meio de uma rodada de investimentos liderada pelo Merchant Banking do Goldman Sachs, braço de investimentos proprietários do banco. A rodada, prevista para ser inicialmente menor, foi ampliada após poucos meses, em função do forte desempenho da empresa e dos planos para acelerar o seu crescimento. Para o Merchant Banking do Goldman Sachs, que é um dos principais investidores em fintechs no mundo, esse será o primeiro investimento no equity de uma empresa desse segmento no Brasil. Os recursos desse aporte permitirão que a iugu amplie a oferta de produtos, acelere a contratação de talentos e fortaleça a sua estrutura de capital.

“Desde a nossa fundação, temos como propósito fundamental descomplicar a gestão financeira para as empresas no Brasil, através de uma plataforma inteligente e de fácil uso. Acreditamos que, tendo o Goldman Sachs como investidor, conseguiremos acelerar nosso próximo ciclo de crescimento. Trabalhar com eles tem sido desde já uma experiência incrível. O time do Goldman tem nos apoiado em todas as iniciativas relevantes, de atração de talentos até conexões com outras companhias do seu portfólio pelo mundo, passando também pela adoção das melhores práticas globais em diversos tópicos. São investidores que realmente dedicam tempo de qualidade no processo de criação de valor em conjunto conosco”, afirma Patrick Negri, fundador da iugu.

A iugu fornece soluções automatizadas para clientes corporativos ao longo de todo o ciclo financeiro, incluindo emissão de boletos, processamento de pagamentos e reconciliação de faturas pagas com contas a receber. A plataforma da fintech processa diversos métodos de pagamento e oferece serviços de split de pagamentos e recorrência de cobranças, todos automatizados por meio de APIs ou em ambiente em nuvem. As soluções da iugu são flexíveis e facilmente adaptáveis ​​a diferentes modelos de negócios e empresas, independentemente de tamanho ou nível de maturidade tecnológica delas.

“Estamos muito impressionados com o trabalho de toda a equipe. O desempenho de todos eles e o foco constante na melhoria da experiência do cliente são os grandes diferenciais da iugu. Estamos honrados em termos a oportunidade de investir na empresa e apoiar seu crescimento”, diz David Castelblanco, diretor responsável por investimentos em Private Equity na América Latina para a Divisão de Merchant Banking do Goldman Sachs.

“O que, inicialmente, nos atraiu na iugu foi a sua impressionante plataforma de pagamentos. No entanto, na medida em que avançamos em nosso entendimento sobre a proposta de valor, percebemos que o sucesso da companhia é impulsionado por seu DNA de solucionador de problemas para os clientes, em vez de ser simplesmente um provedor de meios de pagamento. Estamos muito contentes por trabalhar com o Patrick e sua equipe”, afirma Cristiano Camargo, diretor da Divisão de Merchant Banking do Goldman Sachs no Brasil.

Em 26 de agosto, o Banco Central autorizou a iugu a operar no Brasil como Instituição de Pagamentos regulamentada, um marco importante para a empresa. Com essa licença, a fintech poderá oferecer diretamente novos serviços por meio de sua plataforma, como recebimento de transferências eletrônicas e pagamento automático de contas e impostos, além da opção de um cartão de débito.

Nos últimos anos, a iugu vem aumentando rapidamente seu volume de transações processadas e espera uma aceleração do seu crescimento como resultado do novo investimento e da licença recentemente concedida pelo Banco Central.

Tags,

ABBC abre inscrições para fintechs e startups participem da 3ª edição do Prêmio Ideia ABBC

A Associação Brasileira de Bancos (ABBC) abre na quinta-feira (10) as inscrições para fintechs e startups participarem da 3ª edição do Prêmio Ideia ABBC. A iniciativa tem como objetivo aproximar as mais de 90 instituições financeiras associadas a empresas inovadoras, com o propósito de otimizar modelos de negócio e reduzir custos operacionais, colaborando, assim, para o desenvolvimento de tecnologias que fortaleçam o ambiente competitivo, a inclusão financeira e a sustentabilidade econômica do país.

Entre as novidades da edição, além das fintechs será permitida a participação de startups. Já na premiação, este ano, os 3 (três) cases que mais se destacarem ganharão um troféu de reconhecimento e também 3 (três) sessões individuais de mentoria, de até 90 minutos cada. Essas mentorias serão realizadas por profissionais de conhecimento técnico e notório saber em áreas de business, tecnologia ou marketing, de acordo com a necessidade dos vencedores.

Para participar, fintechs ou startups brasileiras devem submeter um case real, com pelo menos um cliente pagante do produto ou serviço a ser apresentado (em produção, operacionais ou pré-operacionais) com um dos seguintes aspectos:

• Soluções voltadas à otimização do trabalho remoto;

• Soluções para inclusão financeira da população; e

• Soluções financeiras digitais para micro e pequenos empreendedores.

O prazo de inscrição termina no dia 15 de outubro, exclusivamente pelo link: http://conteudos.abbc.org.br/10 . O regulamento do prêmio está no site (http://ideiaabbc.org.br/).

Na sequência, os cases inscritos serão analisados pela curadora do Prêmio, Fintechlab, um hub para conexão e fomento do ecossistema de fintechs nacional. Serão selecionados os 9 projetos finalistas. Nessa fase, uma banca escolherá as melhores soluções e que apresentem maior aderência ao escopo de atuação dos associados ou dos clientes dos associados da ABBC. Os 9 melhores cases farão um pitch de negócio das suas soluções para a Comissão Julgadora em novembro de 2020, em formato a ser definido pela ABBC.

Vale ressaltar que o mercado brasileiro já conta com mais de 10 mil startups, segundo levantamento da Associação Brasileira de Startups (Abstartups). Essas empresas, conhecidas por serem dinâmicas, geralmente com baixo custo operacional e com potencial de boas margens de lucro, podem ajudar o sistema financeiro nacional ao oferecer tecnologia e promover ainda mais a competição bancária. Todos esses aspectos ajudam na inclusão financeira e, consequentemente, no crescimento econômico do país.

Tags,