Category consumo

Surge um novo consumidor

Por Vanesa Meyer, vice-presidente de Inovação da Visa América Latina e Caribe.

A pandemia tocou o mundo inteiro e, em 2021, ficou evidente que estamos mais digitais do que nunca, o que vem provocando mudanças nos hábitos de consumo e nas preferências de pagamento . A terceira rodada do estudo Visa COVID-19 Consumer Sentiment revela algumas das tendência mais atuais às quais devemos ficar atentos na América Latina e no Caribe.

Os consumidores estão com fadiga da pandemia e querem sair de casa, apesar das preocupações sanitárias. Para 83% dos participantes do estudo, o principal destino de compras é o supermercado. As lojas de departamento vêm em segundo lugar e, na sequência, as instituições financeiras. O consumo também subiu e 66% dos consumidores dizem ter gastado o mesmo ou mais nos últimos três meses, contra 49% em julho de 2020.

Isso não significa que os consumidores estão migrando todo seu consumo para o mundo físico e, sim, que estão aprendendo a operar em um ambiente mais dinâmico e fragmentado. Estão saindo mais e buscando formas mais seguras e inteligentes de comprar e pagar. A pandemia provocou mudanças no comportamento do consumidor – o que antes parecia temporário, está se tornando permanente, e fazendo surgir um novo consumidor, que compra em qualquer lugar, a qualquer momento – especialmente se o vendedor oferecer opções de pagamento por aproximação.

Em lojas físicas, eles têm preferido usar cartões ao dinheiro (74% utilizam débito, enquanto 53% pagam em dinheiro). Mas assim como a moeda em espécie, as outras formas físicas de pagar têm sido menos usadas à medida que os consumidores alteram suas preferências por aproximação e carteiras digitais. Na terceira rodada do nosso estudo, quando indagados sobre seus 10 últimos pagamentos em um estabelecimento comercial físico, 48% dos consumidores disseram ter usado formas de pagamento por aproximação (cartões, carteiras, vestíveis), ante 23% em abril. As carteiras digitais continuam ganhando força e 20% dos consumidores dizem usá-las nos pontos de venda.

A tendência de pagamentos por aproximação confirma os padrões de consumo observados nos dados dos portadores de credenciais Visa na América Latina e no Caribe. Em novembro de 2020, a penetração dos pagamentos por aproximação na região ultrapassou a marca dos 15%, o que representa um crescimento anual de 130% na comparação com novembro de 2019.

Quando analisamos as compras online, vemos que o interesse pelo e-commerce continua forte – quase metade dos consumidores compra pela internet uma ou mais vezes ao mês, ao passo que 71% planejam manter a atual frequência de compras online. Além de terem aumentado o uso de credenciais de crédito e débito, os consumidores também aumentaram o uso de carteiras digitais em compras virtuais (26%), pois as consideram os métodos mais seguros para pagar nesse canal.

O apetite por novas tecnologias de pagamento e a confiança dos consumidores em novas tecnologias de pagamento também estão crescendo: 78% planejam usar novas tecnologias de pagamento no futuro e estão de olho em inovações como compras em redes sociais), transações P2P (de pessoa a pessoa), pagamentos via aplicativo de mensagem, biometria, criptomoedas entre outras formas.

A porcentagem de consumidores dispostos a experimentar as seguintes tecnologias quando estiverem disponíveis se apresenta da seguinte forma:

• Plataformas de mensagens instantâneas e de redes sociais: 58%
• Biometria: 42%
• Criptomoedas: 25%
• Internet das Coisas: 22%
• Realidade virtual/realidade aumentada: 10%

Com a maior penetração das carteiras digitais na região, a crescente confiança na biometria e o P2P se firmando como opção de pagamento, vemos um consumidor muito mais aberto a novos canais de compras e a novas modalidades de pagamento. Um consumidor que se sente cada vez mais à vontade para entrar e sair de ambientes de pagamentos digitais na nuvem.

Nesse contexto, precisamos entender que a experiência de pagamento importa e criar conceitos onde os pagamentos sejam efetivamente uma ferramenta para empoderar e habilitar o consumidor. As empresas que se alinharem a essa realidade estarão mais aptas a atender os consumidores que buscam uma mobilidade e expansão na experiência de compra.

Para atendermos às crescentes demandas desse novo consumidor, na Visa, apoiamos a inovação de três formas principais:

• Integramos o design em nossa estratégia e colocamos o cliente no centro de todas as nossas criações para habilitar as melhores experiências digitais aos consumidores.
• Nossa tecnologia, produtos e serviços estão em constante evolução e usamos padrões abertos, APIs, conexões em nuvem e tecnologias avançadas de inteligência artificial e machine learning para entregar velocidade, confiabilidade, segurança e escala.
• Em nossas parcerias e integrações na indústria, trabalhamos lado a lado de clientes e parceiros para co-criar a próxima geração de soluções de pagamento alinhadas com o mercado, resolvendo assim, problemas do mundo real.

Nossa missão é simplificar a vida das pessoas oferecendo-lhes maneiras mais seguras, convenientes e rápidas de pagar, por diferentes meios digitais.

Empresa de contact center desenvolve aplicativo de realidade aumentada para melhorar a experiência do consumidor

Vivendo a era digital e a enorme rapidez com que os avanços tecnológicos surgem e afetam a sociedade, as pessoas estão cada vez mais conectadas e buscando interagir com as novas tecnologias. Pensando nisso, a Concentrix, multinacional especializada em soluções de outsourcing, desenvolveu uma solução inovadora, utilizando princípios de design thinking, para oferecer uma experiência digital única aos consumidores: a realidade aumentada. Com este lançamento, a Concentrix se torna a primeira empresa do setor de contact center a ofertar esse tipo de tecnologia, visando fornecer um próximo nível de canal e experiência entre o consumidor e as marcas.

Por definição, a realidade aumentada refere-se à superposição de ambientes físicos com conteúdo e imagens digitais para fornecer aos usuários uma experiência aprimorada (ou aumentada) de realidade. Graças ao amplo uso de smartphones e dispositivos de internet móvel, as empresas agora têm uma grande oportunidade de trazer rótulos de produtos, vitrines ou imagens de catálogos para a vida de maneira antes inimaginável, com uma inovação que vai transformar o modo como as pessoas consomem os mais diferentes tipos de produtos de agora em diante.

Ao fundir experiências físicas com conteúdo digital, a realidade aumentada também permite a criação de uma nova consciência da marca e aumento do engajamento do cliente de uma forma disruptiva. Isso porque a solução possibilita ao consumidor trazer a experiência da loja para a casa, vendo os produtos e suas informações junto com os objetos existentes na realidade normal, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Olhando as perspectivas do mercado, com a tecnologia cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, ao oferecer uma experiência de atendimento 100% conectada, as empresas têm maior probabilidade de construir relacionamentos lucrativos com os clientes digitais, aumentando o desejo deles por seus produtos e serviços. “Com essa solução saímos do lugar comum, não existe mais uma busca pelo atendimento, o consumidor terá tudo na palma da mão, na tela do celular, e não vai mais precisar procurar pelo telefone ou Facebook de determinada empresa ou consultar a internet para saber as especificidades de algum produto. Tudo muito alinhado não apenas à nova geração, mas ao ambiente digital que todos nós vivemos hoje!”, comenta Arthur Gonçalves, gestor de EDGE da Concentrix.

De acordo com pesquisa realizada pela PwC este ano, o investimento em realidade aumentada pelas indústrias ainda vai crescer muito nos próximos três anos, chegando a dobrar e até a triplicar em alguns setores.

Para o setor de tecnologia, mídia e telecomunicações, por exemplo, os consumidores poderão resolver problemas técnicos de uma maneira muito mais fácil e prática com a realidade aumentada, tendo em mãos todo o material necessário em um só lugar. Será possível carregar vídeos com conteúdos e dicas de suporte técnico para os problemas típicos; carregar assistentes virtuais que vão proporcionar interação digital com cliente; e ainda carregar widgets em que o cliente possa acessar a página da marca nas redes sociais, site e comunidade.

Já na área automotiva, o cliente poderá assistir vídeos com instruções para substituição de peças quando o motor apresentar problemas; tutoriais com consultas típicas disponíveis no manual do veículo, caso o consumidor perca seu manual; terá mobilidade nas informações do manual para que saiba como usar 100% dos dispositivos tecnológicos agora disponíveis nos carros modernos, entre outros. Para as empresas, a vantagem é incentivar os clientes a substituir as peças no ciclo correto, alimentando, assim, o valor comercial do mercado automotivo e aumentando o ciclo de venda de peças nos fabricantes e revendedores.

Para o setor de varejo e consumo, o futuro da realidade aumentada é ainda mais promissor. Empresas do ramo de alimentos e bebidas poderão se beneficiar ao lançar um novo produto no mercado ou promover uma campanha para seu lançamento, oferecendo jogos promocionais, por exemplo, o que irá atrair ainda mais clientes e os envolverem com a marca. Além disso, com a ferramenta, os consumidores também poderão experimentar uma nova experiência, obtendo informações úteis sobre o produto, podendo verificar a embalagem através de seus smartphones e conhecer os benefícios daquele produto para a saúde, além de outras informações.

“Com a quantidade de dispositivos móveis e a quantidade de tempo que as pessoas estão conectadas todos os dias, a Concentrix acredita que as empresas e os negócios têm hoje uma imensa oportunidade de levar sua mensagem e sua cultura, elevando seus diferenciais competitivos através de uma camada digital invisível, que vai afetar diariamente a vida de todas as pessoas em todos os lugares do mundo”, conclui Daniel Moretto, country manager da Concentrix no Brasil.

Tags, , , , , , ,

Como os shoppers são a ponte entre o negócio e o cliente?

Por Marco Zolet

Receber as compras de supermercado em casa, com produtos frescos e bem selecionados, sem encarar o trânsito e filas. Esse era o sonho de muitos, inclusive de nós da Supermercado Now, e tornamos realidade por meio de uma figura essencial para que possamos existir no mercado: os shoppers. Pessoas reais, não robôs, que vão ao supermercado e fazem compras que estão numa lista. A diferença é que eles não as levam para suas casas e sim para as casas de outras pessoas.

Os requisitos básicos que determinamos para os shoppers são: serem maiores de 18 anos, terem CNH válida, possuírem smartphone com plano de dados e carro. No entanto, estes são apenas os pilares para termos uma operação logística organizada. O shopper precisa ser extremamente atencioso e saber que ele compra para outra pessoa, outra família, outro lar. Entender o valor humano do processo faz toda a diferença na performance.

Tive contato com profissionais dos mais variados perfis. Desde jovens universitários a trabalhadores aposentados. A maioria deles possui o trabalho de shopper como principal atividade remunerada, mas alguns conciliam as entregas com outras fontes de renda. Muitos trabalham apenas durante a noite ou aos finais de semana. Em resumo, são muitos estilos de vida que cabem nessa “sacola” que é ser um shopper. A característica comum que todos devem ter: atenção aos detalhes, agilidade, energia e alegria em atender bem o cliente.

Para os interessados nesta “profissão”, eu digo que é uma atividade extremamente gratificante. Vejo pessoas que se encontraram neste meio e fazem da flexibilidade de horários que a função permite uma grande vantagem em suas rotinas. Em tempos de economia incerta, vejo a “profissão” de shopper como algo que pode fazer a “roda” girar ainda melhor. O cliente ganha, pois recebe seus itens pedidos com carinho e atenção, os lojistas ganham, pois podem continuar focados no negócio principal e contarem com plataformas como estas para ajudá-los no aumento das vendas, e o shopper também ganha, não apenas economicamente, mas em qualidade de trabalho e vida.

Por fim, acredito que o mercado está evoluindo e muitas pessoas já entenderam que há diversas formas para conseguir complementar a renda, seja trabalhando como um shopper ou motorista de aplicativos, por exemplo. A verdade é que em um mercado tão competitivo, aqueles que não souberem inovar, ficarão para trás.

Marco Zolet é CEO e fundador da Supermercado Now, plataforma de supermercado online referência no setor que surgiu para facilitar a compra de bens básicos e recorrentes, com comodidade, rapidez e com melhor custo benefício.

Tags, , , , , , ,

Mastercard anuncia resultados de estudo sobre millennials na América Latina

Durante a 6ª. edição do Fórum de Inovação da Mastercard para a América Latina e o Caribe, a Mastercard divulgou um estudo encomendado à Harris Research sobre o comportamento de consumo dos millennials na América Latina. O objetivo é descobrir o que motiva millennials no Brasil, México e Colômbia para construir laços duradouros junto a essa geração.

O estudo revelou que 64% dos millennials latino-americanos adotam novos comportamentos que constantemente desafiam o “status quo”. Essa geração não quer esperar por soluções para os problemas que enfrentam, e 77% dos entrevistados concordam que precisam construir seu próprio caminho para o sucesso, sem depender de terceiros, enquanto 75% querem abrir seu próprio negócio.

“A importância da tecnologia para os millennials e a confiança que possuem em seu potencial para resolver problemas (do mundo) faz da tecnologia digital o principal meio pelo qual as instituições financeiras podem relacionar-se com esse público e ter um impacto positivo em suas vidas”, explica Ana Ferrell, Vice-presidente sênior, Marketing e Comunicações, da Mastercard América Latina e Caribe.

Os millennials acreditam que a educação e as experiências de vida são as duas principais características que compõem sua identidade. O estudo revelou que a independência financeira é a prioridade desta geração. Isso talvez seja explicado pelo fato de que 67% dos millennials latino-americanos estão passando por instabilidades financeiras.

Como um grupo, os millennials querem construir uma sociedade mais robusta. O estudo destacou que 44% dos entrevistados sentem que sua geração está mais envolvida em suas comunidades quando comparada com gerações anteriores. Para 71% dos entrevistados, o trabalho deve envolver algo que tenha significado em suas vidas. No Brasil, por exemplo, 1 em cada 3 entrevistados declarou dedicar tempo a uma atividade social ou a uma causa.

Embora o que os millenials desejam seja, acima de tudo, a possibilidade de viajar, é possível notar a importância da tecnologia na vida dos jovens latino-americanos. E fica evidente que a tecnologia faz parte de sua identidade como uma geração: 85% das mulheres entrevistadas acreditam que não teriam o mesmo nível de educação sem acesso à tecnologia digital[1]. Em geral, 52% acreditam que a tecnologia digital tem o poder de resolver muitos dos problemas que a sociedade enfrenta.

Esta geração transcendental está sempre à procura de novas inovações tecnológicas, e um em cada três millennials latino-americanos consideram-se ‘pioneiros’ na adoção de novas tecnologias. Os dispositivos móveis são o principal meio de capacitação, e os millenials da América Latina passam uma média de 18 horas por dia consumindo conteúdo multimídia, compartilhado, principalmente, por seus amigos[2].

Analisando o comportamento de consumo da geração Y:

65% pesquisam produtos online antes de finalizar uma compra.
62% estão sempre à procura do melhor preço ou alguma oferta.
49% não estão satisfeitos com as opções de pagamento disponíveis, e 46% emprestariam seu cartão de crédito a amigos.
45% querem a oportunidade de usar opções de pagamento digitais com mais frequência, embora muitas lojas não as aceitem.
35% portam dinheiro apenas porque existem lojas que somente aceitam esse meio de pagamento.
2 entre 5 millennials somente compram produtos alinhados aos seus valores.
54% dos millennials preferem comprar produtos de empresas socialmente responsáveis.

Instituições financeiras podem impactar a vida de millennials latino-americanos de diversas maneiras. O estudo revelou que a geração Y quer mais facilidade para:

– Reduzir dívidas (65%)
– Gastar seu dinheiro com mais inteligência (64%)
– Monitorar despesas mais eficientemente (62%)
– Planejar um orçamento (61%)
– Investir seu dinheiro (58%)
– Investir em negócios inovadores (57%)

Os millennials são responsáveis pelo grande boom de inovação ao redor do mundo. Enquanto os millenials continuarem sua luta pela independência financeira, as empresas do setor financeiro terão uma grande oportunidade de se apresentar como aliadas desta geração durante a busca por estes objetivos.

Particularidades de cada mercado:

Brasil:
– Para 32% dos millennials brasileiros, dedicar seu tempo a uma causa social no qual acreditam é uma prioridade.
– 74% pesquisam produtos online antes de finalizar uma compra.
– Em termos de online banking, metade dos millennials brasileiros dizem que seu banco não está atendendo às suas expectativas.
– 21% vivem de salário a salário.

México:
– 63% dos millennials mexicanos são apaixonados por seu emprego.
– Um terço diz que a saúde está entre as três prioridades de suas vidas.
– 73% estão dispostos a tomar grandes riscos para alcançar seus objetivos.
– 1 em cada 3 mexicanos acredita que precisa manter sua identidade cultural para melhorar seu país.

Colômbia:
– 56% dos colombianos consideram cartões de crédito fundamentais para viagens internacionais.
– 40% gostariam de fazer uso de pagamentos digitais, porém muitas lojas não os aceitam.

Infografía - POR-v04

Tags, , , , , , , , , , ,

Black Friday movimenta R$ 2,48 bi no comércio eletrônico, aponta ABComm; Varejo físico vê alta no fluxo

A Black Friday, realizada na última sexta-feira, 24, movimentou R$ 2,48 bilhões nas lojas virtuais do País. É o que avalia a Associaçao Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). De acordo com a entidade, esse montante representa um crescimento de 16% quando comparado com a mesma data do ano passado.

A ABComm considerou as lojas virtuais e também os marketplaces dentro do período de 20 a 24 de novembro. No total foram realizados 10 milhões de pedidos, com um tíquete médio de R$ 246. Dentre os produtos mais buscados na data estiveram Informática, Celulares, Eletrônicos, além de Moda e Casa e Decoração.

De acordo com Mauricio Salvador, presidente da ABComm, esse resultado demonstra que a Black Friday está cada vez mais consolidada no Brasil. “Como esperado, muitos consumidores se prepararam para aproveitar as promoções do período, bem como os lojistas virtuais”, afirma.

Outros players do comércio eletrônico também sentiram os impactos positivos na data. A Tatix, empresa especializada em gestão completa (full service) de comércio eletrônico, observou um crescimento médio de 20% dentro da sua carteira de clientes. A companhia opera as lojas virtuais de grandes marcas do varejo, como Pernambucanas, Som Livre, Glamour, Giga Barato, entre outras.

De acordo com Luis Fernando Miller, sócio-diretor da Tatix, o Volume Bruto de Vendas (Gross Merchandise Volume, na sigla em inglês), indicador que mede vendas próprias de mercadorias e vendas de terceiros, foi de cerca de R$ 10 milhões no fim de semana da Black Friday. De acordo com ele, o destaque foi a categoria Moda. “Assim como esperado pelo mercado, os números registrados foram bastante expressivos”, afirma o executivo.

Varejo físico apresenta alta no fluxo

O varejo tradicional, que vem aderindo com mais intensidade às promoções da Black Friday, também observou crescimento na movimentação de consumidores. O fluxo nos shopping centers do País cresceu 8,13% no dia do evento em relação ao ano anterior, segundo o Índice de Visitantes em Shopping Centers (IVSC), realizado pela ABRASCE (Associação Brasileira de Shopping Centers) em parceria com a FX Retail Analytics, empresa especializada no monitoramento de fluxo de visitantes para o varejo.

“Realidade no e-commerce, os números mostram que a Black Friday está se consolidando no mundo físico, com um aumento proporcionado não só pelas ofertas dos varejistas, mas também por lanchonetes, restaurantes e boutiques de doces, que também aderiram ao movimento”, afirma Walter Sabini Junior, sócio-fundador da FX Retail Analytics.

Recuperação de compras

Os lojistas virtuais também recuperaram uma grande quantia de compras que então seriam alvo de desistência pelos consumidores. De acordo com dados da Linx+ShopBack, empresa especializada na recuperação de clientes por meio de abordagens inteligentes baseadas em Big Data, 806 lojas virtuais recuperaram R$ 121 milhões entre a noite de quinta-feira (23) até o final da sexta (24) com ações direcionadas.

Ainda de acordo com informações da empresa, esse valor representa mais de 283 mil novos pedidos realizados após uma primeira desistência, com tíquete médio de R$ 427. As ações que mais resultaram em recuperação de clientes foram por e-mail, com 29%, seguidas por notificações push, com 26% e por overlays inteligentes (mensagens que aparecem na própria página antes do abandono), com 19% de recuperação. Os segmentos que mais resgataram vendas por esse modelo foram: Eletrodomésticos, Eletrônicos, Moda e Acessórios e Viagens.

“Ferramentas inteligentes, capazes de abordar os consumidores de forma assertiva, se tornam ainda mais importantes durante a Black Friday, diante da enorme concorrência e da necessidade de um rápido tempo de resposta”, afirma Isaac Ezra, CEO da ShopBack. “O desafio é engajar o consumidor por meio de ofertas relevantes em tempo real, e isso só é possível com o uso da inteligência dos dados”, ressalta.

Tags, , , , , , , , , , , , , , ,

Startup divide receita com usuários e atinge 70 mil perfis em 3 meses

Empresários de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, desenvolveram uma ferramenta que caiu no gosto do consumidor brasileiro de Norte a Sul do País. É o site e aplicativo de sugestivo nome Gosto Disso, que divide as receitas de publicidade com os usuários pela quantidade de notícias que lê ao longo do dia ou acessa suas peças publicitárias no interior de suas milhares de páginas.

“O usuário faz um cadastro em nosso sistema. A partir daí ele preenche seu perfil (o que ele gosta de consumir, o que mais lhe interessa) e a plataforma vai cruzar as informações e assim que a pessoa se logar, vai receber tudo que ela gosta num clique. Acessou, leu ou assistiu a vídeos, ganhou entre 0,06 a 0,10 centavos por cada experiência ou interação”, explicou Eduardo J. Warde, um dos sócios do Gosto Disso.

Já são mais de 70 mil usuários espalhados pelo Brasil. Considerando que o produto é uma startup, ou seja, acabou de ser implantado, o negócio se espalhou rápido pelas redes sociais.

“O dinheiro contabilizado pode ser resgatado em conta corrente ou por créditos de celular”, explicou o sócio da Gosto Disso, Derek Godoy.

Para facilitar a navegação no Gosto Disso, as categorias-padrão são divididas em subcategorias. A composição delas resulta em mais de 70 opções, que podem ser escolhidas e filtradas pelo próprio usuário.

“O cadastro é gratuito e funciona da seguinte forma: O site avalia o perfil cadastrado e uma vez que o usuário se loga, a plataforma envia somente o que for relevante para a página pessoal do usuário, conforme as opções escolhidas. Assim, o usuário recebe somente aquilo que for do seu interesse. Para cada interação com conteúdo e propaganda que ele preze em ver ou assistir, o Gosto Disso paga um valor em dinheiro, oriundo da divisão da receita das publicidades anunciadas, para o respectivo consumidor/leitor”, declara Eduardo Warde.

Tags, , ,

Dez perguntas e respostas sobre o RFID para varejo

A tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) ganha cada vez mais espaço no varejo. Os benefícios (diminuição das rupturas e consequente aumento nas vendas, maior acurácia de estoques, redução das perdas, aumento da eficiência operacional, etc.) são amplamente conhecidos pelos setores que já adotam a solução, e alguns mitos, como o do alto custo, estão sendo deixados para trás. Porém, muitos varejistas ainda têm dúvidas sobre o funcionamento do RFID. Bruno Calaça, gerente de RFID da Tyco Integrated Security, esclarece algumas dessas questões.

1- A tecnologia pode ser utilizada como antifurto?

Já existem alguns varejistas utilizando-a, porém seu desempenho é aproximadamente 30% inferior quando comparado, por exemplo, à tecnologia AM. RFID pode ser utilizado como antifurto, mas não é sua aplicação principal e nem é a melhor tecnologia para isso.

2- Consigo imprimir informações legíveis nas etiquetas?

Sim, é possível imprimir nas etiquetas RFID as mesmas informações de uma etiqueta de preços, de código de barras ou até mesmo gerar uma etiqueta de composição inteligente com RFID.

3- É possível gravar informações nas etiquetas durante os processos?

Sim, em qualquer etapa do processo é possível incluir informações nas etiquetas, como data de expedição do produto, data de recebimento na loja, cupom fiscal, etc.

4- Qual o aumento possível na eficiência dos inventários com o RFID?

É possível ter ganhos consideráveis na produtividade dos inventários. Em um exemplo simples, enquanto um coletor de código de barras lê 400 códigos por hora, o handheld RFID lê 4000 etiquetas por hora.

5- E se o cliente retirar a etiqueta do produto?

O produto somente pode ser identificado se ainda possuir a etiqueta RFID. Por isso, a etiquetagem correta é tão importante. Por exemplo, a estratégia de etiquetagem na origem. Isso garante uma rastreabilidade do produto desde a sua origem. Além disso, garante-se um percentual de produtos etiquetados muito maior do que a utilização de etiquetas recirculáveis. Para produtos têxteis, por exemplo, a costura da etiqueta é a melhor estratégia.

6- Como é feita a integração do RFID com o PDV?

Existem formas bem simples de se realizar essa integração, normalmente com a utilização de um webservice. Isso significa que o PDV do cliente terá o espelho de tudo o que for lido no momento da leitura RFID no caixa.

7- Consigo obter os dados lidos da solução RFID em meu smartphone?

Sim. Atualmente, já existem soluções que permitem a integração também com smartphone, o que facilita a visibilidade de informações por todos os envolvidos na cadeia de suprimentos varejista.

8- Quanto custam as etiquetas?

O preço das etiquetas depende muito do volume e tipo de etiqueta. Por exemplo, etiquetas RFID UHF para verejo têxtil já são encontradas no mercado a um preço em torno de R$ 0,30.

9- Todos os produtos podem ser etiquetados?

A grande maioria dos produtos pode ser etiquetada. Ajustes ou etiquetas especiais podem ser necessários, tendo em vista as limitações de aplicação em materiais como metais e líquidos.

10- A etiqueta é reutilizável? Ela tem vida útil?

Já existem no mercado etiquetas reutilizáveis e é uma estratégia também utilizada. Como qualquer componente eletrônico, a etiqueta RFID tem vida útil, porém são necessários anos ou mesmo décadas para que ela torne-se inutilizável.

Tags, , ,

Pesquisa inédita traça perfil do consumidor digital brasileiro

A falta de confiança e segurança ainda são os principais motivos que levam o consumidor mobile brasileiro a não fazer compras no ambiente online. Eis o que revela a Pesquisa Consumidor Digital, realizada pelo Centro de Inteligência Padrão (CIP) e pela empresa MeSeems, que traçou o perfil do consumidor mobile brasileiro, verificando seus hábitos de consumo via smartphones e tablets.
Entre os entrevistados ouvidos pelo estudo, apenas 21,9% realizam compras mensalmente por smartphones e 18,8% por tablets. Quase metade dos usuários (48,4%) de tablets e 38,1% de quem usa smartphones não realizam compras pelos dispositivos. Essa realidade é explicada pela falta de confiança e segurança que desmotiva 49,6% dos usuários a realizarem compras por smartphones e 37,4% por tablets.

Apesar da falta de confiança na hora de realizar uma compra, o estudo revela que 50,9% dos usuários de smartphones utilizam aplicativos de bancos; 22,9% utiliza o browser para acessar sites de bancos e 29% faz ligações para realizar serviços financeiros e bancários. Enquanto 35,7% dos usuários de tablets afirmam utilizar softwares de bancos e 23,4% acessam sites de bancos pelo navegador do aparelho. “Isso se explica pela relação de confiança que os consumidores já possuem com os bancos. Eles sabem que as instituições vão zelar pelo sigilo de seus dados pessoais. O que as empresas de venda digital precisam fazer é encontrar a forma de mostrar que também garantem essa segurança”, comenta Roberto Meir, especialista internacional em relações de consumo e CEO do Grupo Padrão.

O que também chama atenção na pesquisa é a grande utilização de aplicativos. Apenas 0,1% dos usuários de smartphones e 7,2% de tablets afirmaram que não usam nenhum aplicativo:

• Ferramentas de mensagens instantâneas, como WhatsApp e Viber, são usados por 93,4% por usuários de smartphones e por 42,9% de tablets;

• Recursos para redes sociais estão em 90,5% dos smartphones e 72,4% dos tablets;

• Aplicativos de entretenimento, como leitura, jogos e filmes, são utilizados por 72,3% de quem possui tablet e por 77,2% dos que possuem smartphone;

• Com ajuda dos softwares de saúde e bem estar, 30,2% dos usuários de smartphones e 23,8% de tablets usam os aparelhos para manter a boa forma.

Para Roberto Meir, esses números apontam alternativas para que as empresas melhorem o seu relacionamento com o consumidor e resolvam questões como, por exemplo, a questão da falta de confiança na hora de realizar uma compra. “Estreitar o relacionamento pelas redes sociais e pelas ferramentas de mensagens instantâneas são boas soluções para criar uma relação de confiança e parceria entre consumidores e empresas”, conclui o especialista.

Tags, , , , ,

Paulistanos estão cada vez mais preocupados com o futuro da economia

A confiança do consumidor paulistano registrou queda de 14,5%, ao passar de 131,7 pontos em janeiro de 2014 para 112,7 pontos no mesmo período deste ano, segundo dados do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), pesquisa feita mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Na comparação com o mês de dezembro de 2014, houve queda de 0,2%. Para a assessoria econômica da FecomercioSP, esses dados confirmam a perda da confiança do consumidor paulistano que ocorre desde o fim do ano de 2013.

Ainda na comparação mensal, os consumidores que ganham dez salários mínimos ou mais se apresentaram mais confortáveis com o cenário econômico – passando de 108,5 para 111,3 pontos (2,6%) -, do que aqueles que ganham menos de dez salários mínimos, de 115,1 para 113,3 pontos (-1,5%).

A pesquisa também mostrou que as mulheres estão mais confiantes do que os homens, com alta no índice de 1,2% ante a queda de 1,6%, respectivamente. Ao analisar por faixa etária, os que tem 35 anos ou mais estão mais satisfeitos do aqueles que possuem menos de 35 anos ( 2,8% contra -2%).

A pesquisa ICC é composta por mais dois índices: um deles mede a satisfação do consumidor com o momento econômico atual, o Índice de Condições Econômicas Atuais (ICEA); e o outro analisa a expectativa do consumidor quanto ao cenário futuro, Índice de Expectativa ao Consumidor (IEC).

O ICEA passou de 108,7 pontos em dezembro para 110,7 pontos em janeiro. Este aumento de 1,9% pode ser atribuído aos rendimentos do 13º salário, e também à expectativa do reajuste do mínimo vigente no mês. Já na comparação com janeiro de 2014, a queda foi de -15%. Já o IEC apontou que os consumidores ainda estão pouco confiantes em relação ao futuro da economia, principalmente por causa do baixo crescimento da renda em função de inflação elevada, crédito mais caro e anúncio de aumento de impostos. O índice caiu 1,5% ao passar de 115,8 para 114 pontos. Com relação a janeiro do ano passado, o recuo foi de -14,1%.

Metodologia
O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde 1994. Os dados são coletados de aproximadamente 2,1 mil consumidores do município de São Paulo. O objetivo da pesquisa é identificar o sentimento dos consumidores levando em conta as condições econômicas atuais e as expectativas quanto à situação econômica futura.

Os dados são segmentados por nível de renda, sexo e idade. O ICC varia de zero (pessimismo total) a 200 (otimismo total). Sua composição, além do índice geral, apresenta-se em: Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) e Índice das Expectativas do Consumidor (IEC). Os dados da pesquisa servem como um balizador para decisões de investimento e para a formação de estoques por parte dos varejistas, bem como para outros tipos de investimento das empresas.

A metodologia do ICC foi desenvolvida com base no Consumer Confidence Index, índice norte-americano que surgiu em 1950 na Universidade de Michigan. No início da década de 1990, a equipe econômica da FecomercioSP adaptou a metodologia da pesquisa norte-americana à realidade brasileira. Atualmente, o índice da Federação é usado como referência nas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), responsável pela definição da taxa de juros no País, a exemplo do que ocorre com o aproveitamento do CCI pelo Banco Central.

Tags,

Para onde vai o seu dinheiro?

Por Dora Ramos*

Fim do mês é sempre um período complicado. As contas vão chegando, o dinheiro, sumindo e o desespero, batendo. Com o orçamento que não fecha, logo nos fazemos uma pergunta: para onde foi o dinheiro? Essa questão pode ser facilmente respondida pelos gastos mensais não elencados, extras ou até mesmo supérfluos, que não colocamos na ponta do lápis na hora do planejamento.

Aquele cafezinho no trabalho ou brinquedinho para seu cachorro ajuda muito a comprometer e até a provocar verdadeiros estragos em nosso orçamento. Quando contabilizadas, essas despesas acabam somando valores expressivos durante todo o ano sem que percebamos. Na compra de um carro, por exemplo, é muito comum as pessoas fazerem contas com base apenas nas parcelas e no seguro, e se esquecerem de impostos, combustível, lavagem, estacionamento, revisão, mecânico, entre outros. Certamente, esses compromissos inadiáveis são responsáveis por quase meio carro zero quilômetro a cada ano.

Outra paixão do brasileiro, os animais de estimação também devem ter os gastos calculados no orçamento, pois assim não se tornarão um peso em nosso bolso. Alimentação, banho temporário e atendimento veterinário estão cada vez mais caros e, embora sejam rotineiros, quase nunca entram nas contas mensais. Outro vilão da saúde financeira, sobretudo das mulheres, são os cuidados pessoais, como cabeleireiros, manicures e cosméticos.

Mas não são só carros, animais de estimação e cuidados com a beleza que “desviam” boa parte de nossos rendimentos mensais. Hábitos como o cafezinho do pré-expediente, o salgado da tarde ou mesmo a cervejinha do happy hour são menosprezados nas finanças pessoais, mas estão entre os principais gastos não controlados. Dificilmente o Vale-refeição é suficiente para cobrir essas despesas e, de R$ 5 em R$ 5, mais de um salário é destinado a isso todos os anos.

Para que não haja um susto no final do mês, é importante que se liste todas as despesas, desde o lanchinho da tarde até o conserto do carro. Fazer anotações semanalmente é uma boa alternativa para ser ter um relatório completo, que permite a mensuração do que poderia ter sido poupado e do que será corrigido nos próximos meses.
Esses pequenos gastos podem sair do controle e ser tão representativos quando uma prestação. Por isso, saber para onde cada parte do dinheiro vai é muito importante para a saúde financeira de qualquer pessoa. Evitar gastos supérfluos pode ser o ponto principal para a conquista de um sonho ou mesmo para que não se fique endividado. Por isso, fique atento, mantenha os gastos sob controle e não exagere nas despesas extras.

* Dora Ramos é especialista em Finanças Pessoas e Contabilidade, e diretora responsável pela Fharos Assessoria Empresarial

Tags, , , ,

Campanha do Instituto Akatu para o Dia das Mães sugere criar presente sem custo

O Instituto Akatu inicia em maio a campanha Vale Amor de Mãe (#valeamordemae), que será divulgada pelas redes sociais. O objetivo é incentivar as pessoas a usar a criatividade para elaborar um presente especial sem nenhum custo, que valorize o sentimento entre mãe e filhos, no Dia das Mães comemorado em 11 de Maio.

“Não somos contra o consumo, pois ele é necessário para todos os seres humanos. Porém, é preciso combater o consumismo que é um fim em si mesmo e não proporciona bem-estar”, diz Helio Mattar, diretor presidente do Instituto Akatu. “Com esta campanha, queremos mostrar que para demonstrar o amor não é preciso, necessariamente, comprar presentes.”

As dez peças da campanha simulam tíquetes que podem ser usados para presentear as mães com um momento especial. “Vale um abraço gostoso”, “Vale um café da manhã na cama” e “Vale um passeio no parque” são alguns exemplos de presentes que emocionam e não pesam no bolso. As peças podem ser divulgadas livremente nas redes sociais, com a condição de citação dos perfis do Akatu (https://www.facebook.com/institutoakatu no Facebook e @institutoakatu no Twitter). Um arquivo em formato “pdf” com todas as peças poderá ser baixado e usado para divulgar a campanha completa.

A última pesquisa divulgada pelo Instituto Akatu, “Rumo à Sociedade do Bem-Estar”, revelou que para mais de 60% da população brasileira felicidade é ter saúde e bom convívio social com a família e amigos. Apenas 3 em cada 10 brasileiros associa o sentimento à posse de bens.

Sobre a Pesquisa
A “Pesquisa Akatu: Rumo à Sociedade do Bem-Estar” é o último levantamento de percepção do consumidor realizado pelo Instituto Akatu. Foram ouvidos 800 homens e mulheres, com idade igual ou superior a 16 anos, das classes A, B, C e D, de todas as regiões geográficas do Brasil.

Relatório completo da Pesquisa Akatu: http://bit.ly/Pesquisa2012
Sumário de conclusões da Pesquisa Akatu: http://bit.ly/SUM2012

Tags, , , ,

Brasileiros insatisfeitos reclamam mais na internet

As reclamações nas redes sociais sobre experiências insatisfatórias por parte dos consumidores continuam muito elevadas em todo o mundo. É o que releva a pesquisa Accenture Global Consumer Survey, realizada há nove anos pela empresa de consultoria, tecnologia e outsourcing, e que em 2013 entrevistou 12 mil consumidores em 32 países (500 deles no Brasil, equivalentes a 4% da pesquisa global) – a maior amostragem de todas as edições desde que este estudo começou a ser realizado, em 2005.

De acordo com os dados da edição 2013 da pesquisa, 39% dos consumidores de países emergentes que responderam a consulta escreveram posts negativos em alguma rede social, sobre a experiência que tiveram com as empresas, 1% a menos do que em 2012. E exatos 88% contaram aos familiares e amigos sobre a experiência ruim que tiveram como clientes, 3% a menos do que na edição anterior.

Já entre os consumidores brasileiros a insatisfação é ainda mais elevada. Os dados da pesquisa da Accenture relativos ao nosso país estão acima da média, com 42% dos entrevistados postando reclamações sobre alguma experiência ruim em suas relações de consumo nas redes sociais. A média global para esse item é de 29%. O meio on-line também foi o mais utilizado pelos entrevistados, em 2013, para buscar informações. Mais de um terço dos consumidores em todo mundo também informa utilizar uma ou mais fontes on-line para aprender sobre os produtos e serviços das empresas e acessar os sites por meio do telefone celular ou tablet. Isso acontece com mais frequência nos mercados emergentes do que nos mercados maduros.

Um dado importante trazido pelo levantamento e que pode interessar muito às organizações, é sobre a percepção dos consumidores em relação às atitudes das empresas em função do uso crescente da tecnologia no seu relacionamento com os clientes. Mais da metade dos consumidores em mercados emergentes (54%) diz acreditar que as empresas estão efetivamente usando interações em dispositivos móveis para fornecer aos clientes experiências aprimoradas e adaptadas, contra 32% dos consumidores dos mercados maduros com a mesma percepção. E exatos 70% dos entrevistados em todo o mundo fizeram uso de (pelo menos) um canal on-line para obter um serviço ou fazer contato com o “suporte ao cliente” de determinada empresa.

Quando os consumidores desistem da marca

No Brasil, 62% dos entrevistados disseram que o preço é o principal motivo para escolherem uma nova empresa – 4% menos do que em 2012 – mas ainda é o motivo mais forte para migrar de fornecedor. Mas entrevistas com todos os consumidores (dos 32 países) trouxeram um dado alarmante para as organizações: o processo de mudança motivado por experiências negativas acontece em todos os setores e é percebido com maior preocupação nos mercados emergentes, onde quatro em cada cinco consumidores (81% do público entrevistado) revelaram ter optado pela mudança em função de uma experiência negativa de compra.

Os dados globais da pesquisa também mostram que os consumidores estão cada vez mais desmotivados com o nível de serviços oferecidos. Em uma escala de zero até cinco – onde cinco significa extremamente frustrante – 96% dos entrevistados revelaram frustração acentuada, com respostas entre os níveis três e cinco, por terem de contatar uma empresa diversas vezes pelo mesmo motivo. Destes, 65% disseram estar extremamente frustrados. 96% também se dizem igualmente frustrados (respostas entre os índices três e cinco) por serem colocados em espera por um longo período.

Para 60% da amostragem total é “extremamente frustante” ter uma promessa não cumprida pela empresa. Perceber que não pode confiar em como a empresa irá usar os seus dados pessoais é o segundo item considerado “extremamente frustante” por 54% dos entrevistados.

Bancos, varejo e provedores de serviço de internet são os segmentos com maior rejeição – tornando as empresas destes setores mais vulneráveis.

Sobre a pesquisa
A Accenture Global Consumer Survey é uma pesquisa anual que avalia as atitudes dos clientes para marketing, vendas, práticas de serviço ao cliente e comportamentos dos consumidores em resposta às práticas das empresas. A pesquisa de 2013 inclui respostas on-line de mais de 12.000 clientes em 32 países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, China, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Irlanda, Itália, Japão, Malásia, México, Holanda, Noruega, Filipinas, Rússia, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e os Estados Unidos. Os entrevistados foram solicitados a avaliar as suas experiências com até quatro empresas em 10 setores: hotéis e hospedagem, prestadores de seguro geral e contra acidentes e danos à propriedade, produtos de consumo ao varejo, fabricantes de produtos eletrônicos, bancos, prestadores de serviços de internet, fornecedores de cabo e serviços via satélite, empresas de telefonia fixa, telefone móvel e gás e utilidades elétricas.

Tags, , ,