Category agtech

T4 Agro seleciona as primeiras Agrotechs para desenvolver

A T4 Agro, incubadora e aceleradora de startups dedicadas ao agronegócio, selecionou as duas primeiras iniciativas para apoiar, as empresas WGM Agrisoluttions e a Precision Rain. Ambas foram identificadas em um universo de trinta e três empresas selecionadas pelo Instituto SENAI de Tecnologia, do Estado do Mato Grosso, em um programa de pré-aceleração de startups organizado pela instituição. A WGM Agrisolutions e a Precision Rain criaram tecnologias consideradas de grande potencial, e agora vão contar com o suporte da T4Agro para seu desenvolvimento. As empresas vão contar com o apoio da UISA, uma das maiores biorrefinarias do País, localizada em Nova Olimpia (MT), para evoluir seus negócios.

“Identificamos duas iniciativas com grande potencial de empreendedores aqui do Mato Grosso. Isso reforça a nossa crença na criação de um pólo regional de inovação e tecnologia. Agora, essas empresas vão receber apoio, e serão instaladas em um ambiente propício para o seu desenvolvimento. Temos uma grande e moderna biorefinaria, uma imensa área plantada, uma logística complexa. Isso cria um ambiente desafiador e propício para teste de novas tecnologias. Depois de testadas, as soluções poderão ser também oferecidas ao mercado”, diz Julio Mila, CEO da T4 Agro.

A WGM Agrisolutions nasceu da iniciativa de um grupo de alunos da Universidade Federal de Mato Grosso, a partir de um projeto de iniciação científica. A empresa desenvolveu uma solução para monitorar fatores de solo-planta-atmosfera, gerando dados que aliados aos conhecimentos científicos, e a modelos de Inteligência Artificial, dão aos produtores rurais um diagnóstico da qualidade de solo, previsão da ocorrência de pragas e doenças. Isso permite um melhor manejo de irrigação, aplicação de fungicidas e fertilizantes, gerando redução de custo e aumento de produtividade.

A Precision Rain foi criada por um grupo de professores doutores da Fatec Senai do Matogrosso, que desenvolveram uma tecnologia que permite o aumento da precisão nas previsões meteorológicas e pluviométricas. O projeto prevê a captação de dados oriundos das estações próprias, bem como de diversas fontes complementares. Esses dados são submetidos a um modelo de inteligência artificial, gerando informações com alto grau de precisão em áreas específicas da propriedade do produtor. E tudo isso é disponibilizado em tempo real para o produtor através de um aplicativo de fácil utilização. O uso das informações resulta otimização de uso de defensivos, melhor organização da frota e redução de gastos com combustíveis e pessoal, além do aumento da produtividade, a partir melhor programação do plantio e da colheita.

Empresas terão suporte do “ecossistema” da T4 Agro

UISA e o Fundo de Private Equity CVCIB criaram a T4 Agro para identificar projetos que possam aproveitar oportunidades de negócios e solucionar, de forma sustentável, problemas para empresas do setor agrícola. De forma pioneira, a incubadora está sediada dentro das instalações da UISA, produtora de energia limpa, alimentos e produtos saniantes, localizada no Mato Grosso. O objetivo é que as startups estejam em um ambiente que reproduza de forma real as várias etapas de produção do agronegócio.

A T4 Agro chega ao mercado com um modelo diferente de atuação no que se refere à estruturação dos novos negócios. Seu grande diferencial vai ser o apoio e as sinergias com a UISA e com as demais empresas investidas do CVCIB, que tem investimentos na securitizadora VERT, e na fintech do agronegócio criada pela VERT e pela XP (DuAgro). Os projetos selecionados pela T4 Agro vão poder contar também com o suporte tecnológico da Hyperspace, especializada em processos de digitalização de negócios, além de contar com assessoria financeira e jurídica de renomados profissionais que são investidores do CVCIB.

A T4Agro tem três frentes de atuação. Uma é a incubação de empresas que estiverem no início do desenvolvimento de tecnologias voltadas para o agro. Outro foco será o apoio a empresas com soluções já mais desenvolvidas, mas que precisam de apoio para ganhar escala. Outra frente de atuação será o desenvolvimento de inovações já em gestação dentro da UISA, que poderão, inclusive, vir a ser oferecidas para o mercado.

KPTL investe R$ 3 milhões na startup Ecotrace

Após se destacar pela solidez de seus serviços desde sua recente fundação, em 2018, a Ecotrace agora chama a atenção de um player de peso. A KPTL, uma das principais gestoras de Venture Capital do Brasil, acaba de anunciar a startup especializada em rastreabilidade com sistema baseado na tecnologia Blockchain como a sua mais nova investida. Assim, a KPTL chega a 9 Agtechs em seu portfólio, se consolidando como uma das principais gestoras no segmento.

O montante investido nessa rodada é de R﹩ 3 milhões e os recursos do aporte são do Fundo Criatec 3, que tem entre os principais cotistas o BNDES e bancos de desenvolvimento regional e agências de fomento à inovação. Entre 2019 e o fim deste ano a Ecotrace captou um total de R﹩ 5 milhões, o que mostra o embalo da jovem companhia.

A empresa iniciou sua atuação no mercado de carne bovina e logo expandiu para o mercado de aves e algodão. Entre seus principais clientes estão as maiores empresas de proteína animal do Brasil, entre elas JBS, Minerva e Frigol, que aumentam a transparência de suas cadeias de produção com o sistema da Ecotrace. Atualmente, a empresa também vem atuando em um projeto na cadeia do algodão juntamente com a ABRAPA (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão).

Para Flavio Redi, CEO da Ecotrace a nova rodada só valida a trajetória até aqui. “Adaptação e olhar para as oportunidades foram os fatores mais importantes para colher resultados positivos. A consolidação de grandes contratos em um período de pandemia e o fechamento de um investimento desse montante só valida que estamos no caminho certo. Esse é nosso terceiro aporte – foram dois investimentos-anjo – e chega numa ótima hora. Fizemos toda a prova de conceito, demonstramos que o mercado está interessado em nossa plataforma e agora estamos com o caixa abastecido em condições de melhorar nossas ferramentas e escalar rapidamente o projeto. Uma empresa com três anos de vida e já no terceiro aporte indica o potencial que temos pela frente”, acredita Redi.

Da forma como foi estruturada pela empresa, a tecnologia Blockchain para a rastreabilidade pode ser utilizada em diversos setores sem necessidade de grandes alterações na tecnologia. Assim, o principal diferencial da Ecotrace em relação aos concorrentes é a maneira como coleta e analisa os dados recebidos. Existe uma integração com os ERPs da empresas, integrado com soluções de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) e Inteligência Artificial, que possibilita coletar informações com a menor margem de erro possível.

Como se sabe, o agronegócio brasileiro vem sofrendo pressões de investidores, compradores e sociedade para garantir a responsabilidade socioambiental. A cada dia o consumidor está mais atento ao produto que adquire. Por exemplo, a procedência de uma carne, os cuidados com bem estar animal, as exigências no processo industrial do ponto de vista sanitário, estão entre as informações que são cada vez mais relevantes ao consumidor.

Importante lembrar que a tecnologia hoje também é fundamental para garantir o acesso de produtos brasileiros a mercados como Europa, China e Estados Unidos. A rastreabilidade da cadeia de produção, controle, governança e transparência de ponta a ponta da cadeia de valor é o core business da Ecotrace.

A Ecotrace criou uma plataforma que possibilita digitalizar a rastreabilidade. Assim, consegue prover e consultar informações mais rápido. Atendendo a RDC24, é possível aplicar um recall e oferecer transparência ao consumidor. “A rastreabilidade hoje nas grandes companhias está incorporada no ERP e com isso fica muito mais lento para qualquer ajuste ou adequação de processo de acordo com a demanda de abertura de novos mercados. Quando digitalizamos a rastreabilidade, trazendo os dados para uma camada separada do ERP, ganhamos agilidade para respostas rápidas exigidas pelo mercado”, detalha Redi.

“Como parte do nosso compromisso com a sustentabilidade, a qualidade e a segurança dos nossos produtos, estamos levando nossos processos de due diligence a todos os elos da cadeia produtiva. Encontramos na Ecotrace um parceiro capaz de nos apoiar nesse desafio”, afirma Emília Raucci, diretora de Qualidade na JBS.

De acordo com Renato Ramalho, CEO da KPTL, o que chamou a atenção da gestora foi a complexidade da solução e velocidade de tração da startup. “A Ecotrace tem uma mistura de aspectos sedutores para quem investe em inovação e tecnologia no Agro. De um lado, um empreendedor maduro e profundo conhecedor do setor por mais de 12 anos. De outro, resultados expressivos em apenas 3 anos de vida”, resume Ramalho.

Fundador da companhia, Flavio Redi possui mais de 12 anos de experiência no setor de agronegócio. Em 2007, ajudou a criar a empresa Gestão Agropecuária (GA), que desenvolveu um software para gerenciamento de confinamento que monitora hoje 5,8 milhões de cabeças de gado. Desde maio, a GA também pertence ao portfólio da KPTL.

Além de Redi, outros dois empreendedores o acompanham na liderança da empreitada. Graduado em Ciência da Computação com MBA em Gestão Empresarial pela FGV e com mais de 25 anos de experiência em tecnologia, está Eric Luque, CTO da empresa, especialista focado em Inteligência Artificial e Sistemas Distribuídos e criador de conteúdo para o blog A.I.nteins relacionado a Inteligência Artificial. Já Antônio Hélio Waszyk foi o primeiro Investidor-Conselheiro na startup, executivo sênior com experiência construída internacionalmente com responsabilidades em funções estratégicas e operacionais, passando por EUA, França, Suíça, Israel, Filipinas, Malásia, Cingapura, somado 38 anos de sua carreira profissional na Nestlé.

BASF e Mercedes-Benz aceleram startups para o setor agrícola

Com o objetivo de agregar valor em toda a cadeia produtiva da agricultura, a BASF, por meio de sua plataforma de inovação e empreendedorismo AgroStart, juntou-se à Mercedes-Benz na busca de soluções para a mobilidade agrícola nas categorias de robótica/mobilidade, sensores/IoT, conectividade, gerenciamento da lavoura com o uso de telemetria e smart farming.

As startups selecionadas foram a Cropman, responsável por oferecer soluções em diagnósticos de solos de alta precisão e rendimento, a Pix Force, que desenvolve soluções para interpretar imagens e vídeos por meio de Inteligência Artificial, e a Kalliandra, empresa com foco em agricultura irrigada.

Para Eduardo Menezes, gerente de Produtos Digitais da Divisão de Soluções para Agricultura da BASF na América Latina, “a Mercedes-Benz traz toda a sua expertise sobre mobilidade, que, aliada à expertise de campo da BASF, formam uma combinação promissora para o desenvolvimento de novas soluções que apoiem os desafios desse segmento”.

Na agricultura, os segmentos de robótica, Internet das Coisas, sensoriamento, drones, e outros, estão todos ligados à mobilidade, uma das principais dores levantadas pelos agricultores. “As startups escolhidas para o processo de mentoria e aceleração trazem serviços que vão ao encontro das necessidades dos agricultores. Juntos, BASF e Mercedes-Benz, pretendemos cocriar soluções que envolvam estas diferentes frentes. Nossa intenção é a de atender demandas reais, envolvendo nossos clientes no processo e gerando benefícios para todos os lados”, complementou.

O objetivo da parceria é o de impulsionar a produtividade e rentabilidade no campo. Esse compromisso ganha ainda mais força com a aceleração das startups selecionadas em cada categoria. Os cases concorrentes foram avaliados em apresentações online por uma banca formada por representantes da BASF, Mercedes-Benz do Brasil, Grunner, Raízen e Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha. Ao todo, 57 startups se inscreveram no projeto.

Mercedes-Benz passa a fazer parte do Ecossistema AgroStart

Criado há pouco mais de dois anos, o Ecossistema AgroStart reúne parceiros de diferentes segmentos com especialistas e infraestrutura para desenvolver produtos ou serviços de forma rápida e escalável. Hoje fazem parte desta iniciativa a Bosch, o Banco do Brasil e a Samsung. A fim de oferecer experiências, ferramentas e visibilidade aos empreendedores que buscam criar soluções competitivas para o setor, a Mercedes-Benz se junta ao time de empresas parceiras.

“Com essa parceria com a BASF, buscamos encontrar propostas que irão possibilitar impactos positivos para a cadeia agrícola brasileira, auxiliando os agricultores”, declarou Karl Deppen, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina. “Apoiamos assim as startups no desenvolvimento de tecnologias que possam gerar maior produtividade e mais rentabilidade no campo. Juntos, vamos acelerar ainda mais o agronegócio, o setor que puxa o crescimento da economia no País”, finalizou.

TerraMagna é vencedora de etapa brasileira da Startup World Cup

A TerraMagna, agtech de crédito para produtores rurais brasileiros, é a vencedora da etapa brasileira da Startup World Cup, a principal competição do gênero do mundo. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira, 17/12, pelo Secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Gustavo Junqueira, após o segundo dia de apresentações das 10 finalistas.

Durante a edição deste ano do evento, que teve como foco soluções para problemas específicos do agronegócio, o diretor-executivo e cofundador da TerraMagna, Bernardo Fabiani, mostrou como a startup usa fontes alternativas, como dados de satélite, para avaliar o risco de vendas a prazo de insumos e fornecer crédito para pequenos e médios produtores. Por meio de parcerias desenvolvidas com distribuidores e indústrias para definição do rating de crédito de produtores e gestão de penhores de safra, a empresa também conecta as dívidas desses produtores ao mercado de capitais, possibilitando que credores antecipem seu recebimento.

O próximo desafio para Fabiani e Rodrigo Marques, também cofundador e COO, será concorrer com outras startups do mundo a um investimento de US$ 1 milhão, no Vale do Silício, nos Estados Unidos, em 2021. Segundo Fabiani, vencer a etapa foi o reconhecimento da importância que o crédito tem para toda a cadeia de valor do agronegócio. “Quem olha para uma lavoura, muitas vezes não consegue ver toda a infraestrutura que existe por trás para permitir que ela exista, todos os insumos necessários. A agricultura brasileira é extremamente baseada em crédito e percebemos que existia essa carência do mercado de uma solução de crédito. O que fizemos foi justamente criar uma maneira, digamos assim, de resolver o insumo que dá origem a todos os outros insumos, que é o crédito. É uma vitória para a TerraMagna, sem dúvida, mas é uma vitória também para a agricultura do Brasil”, salienta Fabiani.

Ao anunciar a vencedora, o Secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Gustavo Junqueira, parabenizou todas as startups participantes e as finalistas, por todo o trabalho realizado e aos juízes que contribuíram para o sucesso do evento. “Parabéns à TerraMagna! Ficamos muito honrados de tê-los representando o Brasil na próxima etapa da Startup World Cup”. Os jurados desta edição foram: Tomás Peña (The Yield Lab), Francisco Jardim (SP Venture), Marco Poli (Closed Gap Ventures), Paulo Silveira (FoodTech Hub Br), Rosana Jamal (Baita), Alain Marques (AgVenture) e Franklin Ribeiro (InvestSP).

Promovida em mais de 50 países pela Pegasus Tech Venture, o evento faz parte da programação da São Paulo Tech Week 2020 e conta com os apoios da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e da Invest SP – Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade.

Inscrições para regional Brasil da Startup World Cup 2020 estão abertas

Estão abertas as inscrições para a Regional Brasil da Startup World Cup 2020, a maior competição de startups do mundo, promovida em mais de 50 países pela Pegasus Tech Venture. A edição deste ano da competição está focada em Agtechs, Foodtechs e startups que ofereçam soluções para problemas específicos do agronegócio. A Startup World Cup 2020 – Regional Brasil está sendo realizada com o apoio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e da Invest SP – Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade.

A startup vencedora da etapa brasileira concorrerá a um investimento de US$ 1 milhão no Vale do Silício em 2021. A Startup World Cup Brazil deste ano tem como propósito apoiar o desenvolvimento e o crescimento de ecossistemas de inovação voltados a soluções para o agronegócio.

“O Brasil vem se destacando como um dos ecossistemas mais propícios à inovação no agronegócio e a Startup World Cup representa uma grande oportunidade de reconhecimento e visibilidade a iniciativas que trazem soluções disruptivas e ágeis aos desafios do setor”, destaca o Secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Gustavo Junqueira.

As startups interessadas em participar da Startup World Cup podem se inscrever até o dia 15 de novembro de 2020 pelo site http://tinyurl.com/startupworldcupbrazil

As 10 startups finalistas farão seus pitches (apresentações curtas) em inglês em dezembro de 2020. O evento poderá ser acompanhado de maneira online e gratuitamente.

Tags, , , , ,

Startup Agrofy abre vagas de emprego

A Agrofy, startup argentina que busca ser o maior marketplace para o agronegócio do mundo, está com vagas abertas para a América Latina e oferece oportunidades de carreira em várias áreas.

Essa é a oportunidade para quem busca atuar em uma das principais Agtechs da América Latina, que está trilhando seu caminho para ser o primeiro unicórnio do segmento. Confira as 8 vagas mescladas entre administração, vendas e marketing:

No Brasil, estão abertas as vagas para Digital Account Executive Jr; Customer Insights Specialist; Key Sales Executive Senior; Sales Corporate Manager; Sales Executive Senior; e Agro Payments Development. Para a Argentina, a oportunidade é para a posição de Inside Sales Executive Jr.

Acesse www.agrofy.com.br/profissionais, conheça a história da Agrofy e confira todas as informações sobre as vagas ofertadas.

Tags

Agrotools anuncia 16 vagas

Na contramão do cenário, que vive seu período de retenção e incertezas econômicas, a Agrotools, maior AgTech da América Latina, mantém seu destaque no mercado de agronegócios e registra desenvolvimento em ritmo acelerado. Com crescimento na casa dos 70% em relação ao mesmo período do ano passado, a empresa mantém os planos de expansão. Desde o início da quarentena e das medidas de isolamento social, a agtech já ampliou em 35% o quadro de funcionários e anuncia novas vagas para diversas áreas.

Focada em contratações, a AgTech busca profissionais em diversos níveis profissionais, de posições mais estratégicas como, Head de Administrativo, Produtos, Canais Digitais e Marketing até Executivo de Vendas, Analista de GEO, Desenvolvedores e Designer UX/UI. A empresa também está com vagas abertas para estagiários – no suporte das áreas de Marketing e Negócios, Comercial, Finanças, Análise Geográfica e Ambiental e Projetos

“A Agrotools está crescendo de forma exponencial e, para continuar nesse ritmo, buscamos profissionais apaixonados pelo que fazem e pelo nosso negócio, pessoas de mente brilhante”, destaca Sérgio Rocha, CEO da Agrotools. “Estamos em constante busca por talentos, profissionais que enxerguem na Agrotools uma chance de desenvolvimento para construir conosco a maior AgTech do mundo”, completa o executivo.

Desde o início da pandemia, a empresa tem feito contratações sem fronteiras (pessoas que continuarão em regime remoto, mesmo após a volta aos escritórios) e presenciais, nos escritórios de São Paulo e São José dos Campos. Os novos contratados passarão por todo o processo seletivo e de integração de maneira remota.

Os interessados podem saber mais sobre as posições abertas e se candidatar em http://agrotools.gupy.io/

Certificações GPTW e B Corp além de iniciativas

Recentemente certificada pelo Great Place to Work e B Corp, a Agrotools tem suas pessoas como um pilar central, sempre trabalhando pela segurança e bem-estar de todo seu time. Desde a transição para o home-office, a empresa tem dado todo o apoio necessário nas limitações de cada um de seus mais de 100 colaboradores.

A AgTech adotou estratégias para manter a união e bem-estar, como a disponibilização de aulas de yoga e meditação, psicólogos e materiais para adaptação do local de trabalho em casa, além de happy hours virtuais e campanhas de inovação. “O trabalho é remoto, mas não à distância. Nossa cultura e valores são muito sólidos, e por isso somos reconhecidos por ter um time engajado e feliz com seu ambiente de trabalho”, reforça o CEO.

Segundo levantamento da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o agronegócio foi o que mais gerou empregos com carteira assinada no primeiro semestre de 2020. Neste período, o setor registrou 62,6 mil novas vagas no país. No período em que vivemos, a demanda por alimentos aumentou, assim como a produtividade brasileira. Interligando os mercados de tech e agro, duas áreas em expansão, a Agrotools passa por um bom momento, ajudando muitas empresas a enfrentar as situações adversas causadas pela pandemia.

Tags,

Bunge fecha parceria inédita com Orbia para negociação digital de grãos

Em um movimento pioneiro e inovador, a Bunge, uma das maiores empresas de agronegócio e alimentos do mundo, firmou parceria com a Orbia, o maior marketplace de insumos agrícolas do Brasil, para comercialização de commodities em ambiente totalmente digital. Com a entrada na plataforma da Orbia, a Bunge abre caminhos para um formato inédito de originar grãos, tornando-se a primeira trading no Brasil a realizar essa operação.

“O agronegócio sempre foi muito inovador da porteira para dentro e, agora, a Bunge está liderando o movimento de modernização dos processos de comercialização e transporte da porteira para fora. Com essa parceria, estamos revolucionando a forma de fazer negócios para responder às demandas na velocidade que o mercado requer, nos preparando para o futuro, investindo em ações que nos colocam à frente no processo de inovação do setor”, comenta o diretor de Originação da Bunge, Roberto Marcon.

A Orbia reúne a possibilidade da compra e venda de insumos, comercialização de commodities e programa de pontos, de forma a acompanhar a jornada do produtor, desde o planejamento da produção até a comercialização da sua safra. Assim, o produtor rural tem uma experiência completa e única, por meio de uma ferramenta totalmente digital, amigável e intuitiva. A plataforma possui 170 mil usuários, o que corresponde a 70% da área plantada no país, e 117 canais de distribuição cadastrados.

Com essa parceria, a Bunge aporta seu conhecimento em commodities, administração de risco e força logística à plataforma, além de tornar a Orbia o marketplace com o maior footprint de silos e fábricas de processamento de soja no país. “Nossa missão é conectar os produtores rurais a uma rede ampla para facilitar os seus processos. Já vínhamos cumprindo com esse objetivo dada a nossa presença nacional e a relevância da nossa solução, evidenciada pelo maior programa de coalizão do agronegócio e a consolidação da nossa liderança na comercialização digital de insumos agrícolas. Contar agora com a expertise de mais de 200 anos da Bunge na comercialização global de grãos reforça a nossa proposta de valor”, afirma o CEO da Orbia, Ivan Moreno.

No caminho rumo à transformação digital, a Bunge vem investindo em uma série de soluções tecnológicas dentro de seu negócio principal, antecipando-se à nova dinâmica do futuro dos negócios. “Recentemente, lançamos o aplicativo Vector, ferramenta que possibilita a digitalização de todo o processo de contratação de frete rodoviário para o transporte dos grãos da empresa, por meio de um aplicativo que agiliza o processo e reduz a necessidade de interação direta na negociação. Além disso, juntamente com outras tradings, somos fundadores da Covantis, iniciativa dedicada a implementar o blockchain no comércio global de commodities, cujo intuito é melhorar a velocidade e segurança tecnológica nas operações de exportação. Ao atuarmos de forma digital nas frentes de Originação, Logística e Exportação, com Orbia, Vector e Covantis, respectivamente, estamos revolucionando as bases do nosso negócio, liderando as mudanças tecnológicas do setor”, afirma Júlio Garros, Vice-Presidente Global de Transformação de Negócios, Serviços Compartilhados e TI da Bunge.

Tags, ,

Importância do crédito rural para o Brasil

Por Rafael Sant’Anna

Apesar da perspectiva de queda do PIB brasileiro em torno de 6% este ano, em decorrência da pandemia da Covid-19, o agronegócio continua sendo o principal motor da economia nacional, mantendo suas exportações e o abastecimento interno. Assim, é fundamental que os produtores rurais continuem encontrando condições para investir e cresce.

Nesse contexto, é importante a chamada MP do Agro, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada como Lei Nº 13.986/20 pelo presidente da República, em 7 de abril último. Esta norma foi concebida para modernizar a legislação que regula o financiamento rural no Brasil e atrair recursos do setor privado, especialmente por meio da criação de fundos e garantias em benefício do produtor rural. Trata-se de algo importante para os produtores, pois o texto prevê mudanças relacionadas ao sistema de crédito rural, como aval solidário e o chamado patrimônio de afetação, que interfere na concessão de garantias para a obtenção dos financiamentos.

É fato que existem diversos sistemas de crédito. O Plano Safra 2019/2020, em vigor desde julho do ano, apresentou boas perspectivas para os produtores, com recursos de R$ 225,59 bilhões, sendo R$ 169,33 bilhões para crédito rural (custeio, comercialização e industrialização) e R$ 53,41 bilhões para investimentos. Também importante é o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural, com R$ 1 bilhão. Para 2020, haverá R$ 1,85 bilhão para apoio à comercialização nas modalidades de aquisição direta do produtor, contratos de opção de venda e subvenção de preços. O programa vale até 30 de junho.

Mas, não bastam todas essas modalidades de crédito disponíveis. É preciso facilitar o acesso aos empréstimos pelos produtores, especialmente os pequenos e médios. É necessário reduzir a burocracia, apresentação de garantias e mais agilidade. O governo anunciou R$ 31,22 bilhões para o Pronaf e R$ 26,49 bilhões para o Pronamp, R$ 6,46 bilhões a mais do que na safra 2018/2019, o que representa aumento de 32%.

Os juros são interessantes em algumas modalidades, mas é preciso ver, em cada caso, o que é melhor. Para empréstimos relativos a custeio, comercialização e industrialização, as taxas são de 3% ao ano, ou seja, abaixo da Selic, que está em 5%. Também continuam vantajosos os empréstimos por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com taxas de 4,6%. Com 6% ao ano, o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) já tem juros maiores. Porém, é importante verificar os prazos de carência e pagamento e opções de amortização, para se concluir pela opção mais adequada.

Só que esse dinheiro precisa chegar ao campo. É preciso, também, rever erros do passado, inclusive recente. O crédito rural com juros mais baixos é um dos trunfos da agropecuária e da economia nos países desenvolvidos. No Brasil, embora o agronegócio venha sendo a grande base de sustentação econômica, tem sido complicado acesso do setor a financiamentos, problema agravado pela longa crise econômica nacional.

A tecnologia pode ser um ponto positivo nessa questão, com as fintechs, principalmente as voltadas para o Agronegócio, empenhando-se para trazer opções de transação e até de financiamento, sendo mais uma opção para o produtor.

Assim como diversos setores têm se beneficiado dos bancos digitais e serviços tecnológicos, para ganhar em agilidade, produtividade e conectividade, ligando todos os elos da cadeia, pode ser o momento para que o financiamento no agronegócio também migre para esse universo 4.0.

E isso não deve demorar. Já estamos vendo uma mudança de comportamento no produtor rural, que está recorrendo à tecnologia para encontrar soluções. Em nossa plataforma, por exemplo, identificamos um aumento de 1.400% no número de acesso, entre janeiro e dezembro de 2019, tanto que hoje temos cerca de dois milhões de acessos mensais.

Nesse fluxo, vemos que a busca por serviços, financiamento e crédito ainda é uma porcentagem pequena no número de acessos, mas que está crescendo gradativamente.

Portanto, a grande mudança, além da disponibilização do dinheiro, é fazer com que ele chegue de maneira mais rápida e descomplicada aos produtores, seja por meio dos bancos oficiais, mercado financeiro ou plataformas digitais, que podem ser facilmente acessadas pelo celular.

Somente assim o crédito vai virar alimentos, bioenergia e commodities, produtos da terra com os quais o Brasil tem garantido superávit na balança comercial e que serão, cada vez mais, a nossa grande vantagem competitiva na economia global. Além disso, deve-se considerar que, em curto prazo, o agronegócio é decisivo para a retomada do crescimento mais acelerado e maior do PIB e recuperação nacional no contexto da pandemia da Covid-19.

Rafael Sant’Anna, Country Manager da Agrofy

Agrofy vence prêmio “Emerging Startup Awards 2020”

A Agrofy, startup argentina que busca ser o maior marketplace para o agronegócio do mundo, foi selecionada entre as “Startups Emergentes”, por pesquisa da AgriTech, no prêmio “Tracxn Emerging Awards 2020”, no dia 28 de maio.

O prêmio reconhece a Agrofy como uma das principais empresas agrícolas do mundo, sendo premiada na categoria “Minicorn”, que reconhece o desempenho das startups e elegem as que apresentam alto potencial para conquistar o título de unicórnio. “Estamos orgulhosos por esse reconhecimento, ainda mais pela nossa história e por levarmos o DNA agro da origem argentina da empresa para outros países e com serviços inovadores e adaptados para cada região”, destaca Rafael Sant’Anna, country mananger da Agrofy no Brasil.

Escolhida na categoria “Minicorn”, que elege os empreendimentos de alto crescimento em estágio inicial (Série A +) com competência de levar os negócios para o próximo nível, escalando em ritmo de crescimento acelerado. “Estamos muito felizes por sermos escolhidos e reconhecidos como uma das principais expoentes do setor ao promover novas tecnologias e soluções para os produtores rurais”, completa Sant’Anna.

O prêmio é organizado pela Tracxn, plataforma global projetada para investidores que rastreia empresas inovadoras em mais de 300 setores de tecnologia, com cerca de 800 temas emergentes em mais de 30 países. Os critérios de avaliação envolvem o acompanhamento das atividades das empresas presentes no ecossistema das startups pelo mundo, incluindo fundos de capital de risco, fundos de private equity e bancos de investimento, entre outros.

A plataforma destaca que o setor AgriTech é um dos mais atraentes para os investidores ao movimentar US $ 28,6 bilhões no mundo investidos em 2.200 empresas por ano. Confira a lista com todos os participantes da competição em http://tracxn.com/d/emerging-startups/agritech-startups-2020.

Conheça as startups selecionadas para participar do “Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio”

Nos últimos quatro meses, os impactos da pandemia do novo coronavírus começaram a estabelecer novas formas de relacionamento no mundo todo. No Brasil, estes efeitos passaram a ser vivenciados mais especificamente, a partir do mês de março, quando medidas de isolamento social foram implementadas em estados e municípios. Diante deste cenário e também ciente de que, o agronegócio precisa manter suas atividades para garantir o abastecimento e o acesso da população aos alimentos, a Bayer, em parceria com Sicredi, Orbia e o AgTech Garage, lançou, em 31 de março, o “Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio “. A iniciativa foi criada com o objetivo de promover a difusão e a adoção de soluções confiáveis e de alto impacto desenvolvidas por startups para produtores rurais.

A partir de agora, as soluções destas 20 empresas selecionadas já estão disponíveis na plataforma Orbia para acesso gratuito. As ferramentas funcionarão desta forma facilitada para os produtores rurais de todo Brasil,pelos próximos dois meses, auxiliando-os durante o período de isolamento social ocasionado pela Covid-19.

Conheça as startups selecionadas

Agrare – empresa especializada em solução de gestão agrícola e pecuária permitindo ao produtor ter melhor rentabilidade do negócio, com informações que ajudarão na melhor tomada de decisão.

AgriConnected – ajuda aos pequenos e médios produtores agrícolas no gerenciamento das atividades no campo e na otimização da frota de máquinas e implementos agrícolas com o uso de inteligência artificial, informações de cultivo e geolocalização. Tornando mais eficiente todo o planejamento e a utilização do maquinário, levando a uma diminuição considerável dos custos de operação e melhora na qualidade do produto final.

AgriQ – startup especializada em emissão de receituário agronômico de maneira digital.

Agromove – através de um software, a empresa utiliza diversos parâmetros para indicar tendências do mercado e sinalizar aos produtores os melhores momentos para comprar e vender boi gordo, bezerro, soja e milho.

Atomic Agro – oferece uma ferramenta de digitalização do processo de escolha de insumos, gestão da safra como planejamento e acompanhamento do manejo, e uma rede colaborativa com mais de 6.000 produtores usando o aplicativo.

Bart Digital – empresa que apresenta uma solução online para realização de operações de barter. Auxilia nos processos de financiamento agrícola, em especial aqueles relativos à emissão de recebíveis e garantias. Além de facilitar a busca de informações necessárias à avaliação das garantias, realiza conexão de parceiros de negócios e monitoramento das operações.

Brain Agriculture – ferramenta de automação na busca documental, evitando a necessidade de procurar órgãospúblicos, escritórios de contabilidade e jurídico, levando agilidade e segurança para as demandas do dia a dia.

E-ctare – plataforma para a liquidação de safra. A empresa oferece a antecipação de recebíveis e crédito com base na safra depositada em armazéns credenciados. O produtor com acesso ao aplicativo pode vender, pagar e receber à distância, sem qualquer contato com compradores da sua safra e vendedores de máquinas, equipamentos e insumos agrícolas.

Elysios – por meio de um software agrícola, a empresa oferece soluções de gestão de propriedade, integração de produtores e controle de cultivos. Focada na gestão e na rastreabilidade para produtores de frutas, legumes e verduras.

Farm ox – a agtech faz a gestão operacional das fazendas com o auxílio de uma ferramenta, com a qual é possível controlar a operação desde a janela de plantio, as ameaças das lavouras (pragas, doenças, plantasdaninhas, clima, atrasos operacionais), estoques, colheita, além de melhorar a comunicação entre as equipes.

Fito app – especializada na emissão de documentos eletrônicos com validade legal para o agronegócio, em especial emissão de receituário agronômico por meio de dispositivos móveis com assinatura eletrônica ou digital.

JetBov – startup que trabalha com um software de gestão que permite o controle zootécnico para pecuária de corte e gestão da atividade garantindo maior rentabilidade ao produtor rural.

Luckro – empresa que desenvolveu uma ferramenta que trabalha com fotos certificadas, permitindo a troca de imagens entre compradores e vendedores facilitando rastreabilidade e transações de compra e venda de forma remota.

MyFarm – oferece uma solução de gestão agrícola permitindo ao produtor ter melhor rentabilidade do negócio, com informações que serão insumos para a melhor tomada de decisão. Além de cumprir as obrigações legais do negócio, como controle de notas fiscais, por exemplo.

Nutrir – a plataforma permite ao produtor familiar vender online seus produtos em grandes centros urbanos. O produtor vende e negocia diretamente com o cliente como indústrias, distribuidoras, mercados, mercearias, restaurantes e serviços de delivery, através da plataforma online.

Sensix – especializada no monitoramento de plantação através de drones e satélite permitindo a comparação entre safras, o acompanhamento do desenvolvimento da cultura e criação de estratégias de aumento de rentabilidade.

Smart ranja – oferece um software de gestão zootécnica que auxilia o avicultor de corte a maximizar o resultado dos lotes, sem depender da visita da equipe técnica para saber se a evolução está como o esperado.

Sumá – plataforma digital que possibilita aos agricultores venderem a produção diretamente ao cliente final,como hotéis, restaurantes e cozinhas industriais, que desejam comprar alimento fresco. Além disso, oferece cursos de formação para os pequenos e médios produtores.

Timbeter – empresa especializada em medições digitais e controle online de estoques e inventários de madeiras através de fotos.

Trucker – automatiza o processo de cotação e contratação dos fretes. O produtor indica na plataforma sua necessidade de frete e as transportadoras cadastradas disponibilizam seus serviços permitindo ao produtor escolher aquela que é mais viável para a execução.

Saiba mais sobre o “Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio”

O “Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio” é uma iniciativa criada pela Bayer, Sicredi, Orbia e o AgTech Garage, que reúne startups interessadas em oferecer, de maneira gratuita, soluções digitais para empoderar o produtor rural e contribuir para a produção e distribuição de alimentos para a população,assegurando o abastecimento e o fortalecimento da economia.

“A evolução do novo coronavírus no Brasil é uma preocupação também para o mercado agrícola, pois a Covid-19 impactou não apenas a área da saúde, ele tem afetado diversos setores da sociedade. Para minimizar os efeitos da pandemia, medidas restritivas de circulação foram adotadas na maioria dos Estados, de maneira que estas estratégias de isolamento social mudaram o nosso estilo de viver, de trabalhar, de consumir, de se locomover, enfim, mudou tudo”, explica o responsável pela iniciativa, Dirceu Ferreira Junior, diretor do Centro de Expertise em Agricultura Tropical da Bayer Brasil.

Para Cesar Bochi, diretor de administração do Sicredi, a iniciativa é fundamental neste momento em que a sociedade brasileira, como um todo, necessita de ações colaborativas. “Nossa presença fixa no AgTech Garage tem como objetivo justamente identificar oportunidades de apoiar nossos associados ligados ao agronegócio com o fomento de soluções inovadoras que auxiliem no seu dia a dia, e o engajamento no ‘Desafio Covid19’ tem total sinergia com esse propósito. Temos uma forte ligação com o meio rural, o qual tem um papel fundamental na nossa sociedade, e onde atuamos majoritariamente por pequenos e médio agricultores, que precisam de todo o apoio possível para a continuidade da sua atividade neste momento desafiador”, explica Bochi.

A iniciativa visa contribuir para a manutenção da produção, permitindo que os agricultores continuem a garantiro abastecimento e o acesso da população aos alimentos. “A Orbia é especializada em fazer a conexão entre osagricultores e uma rede de fornecedores, a fim de facilitar seus processos, fazer negócios e gerar valor”, reforça o CEO da joint-venture, Ivan Moreno.

De acordo com José Tomé, CEO do AgTech Garage, um dos principais hubs de inovação do agronegócio brasileiro, “a inovação aberta, através das startups, já é realidade no agronegócio brasileiro, principalmente pelo potencial inovador e agilidade que essas empresas nascentes de tecnologia proporcionam para o mercado. Essas são características essenciais para o momento que vivemos. Estamos otimistas com essa ação, para conectar de forma massiva os produtores com as startups e minimizar os impactos do coronavírus noagronegócio”, conclui o executivo.

As soluções das startups já estão disponíveis na plataforma Orbia. Para saber mais, acesse:http://www.orbia.ag/Products/46039/desafio-covid-19.

Projeto Hora da Prosa aproxima hubs de inovação para manter ecossistema agtech ativo durante a quarentena

O Pulse, hub de inovação da Raízen, e AgriHub Space, iniciativa do Sistema Famato e LM Ventures, firmaram parceria para realização do projeto Hora da Prosa. O evento online conecta startups parceiras dos dois hubs, além de demais players do ecossistema de inovação, tecnologia e agronegócios com o intuito de gerar conexões e abordar temas relevantes do setor em meio ao cenário de pandemia. Os temas abordados nas conversas envolverão questões sobre investimentos em agtechs, digitalização de maquinários, desafios da previsão climática, conectividade no agro, agrofintechs, agricultura digital e adoções de tecnologias por grandes grupos agrícolas.
Os encontros acontecem semanalmente, sempre às quartas-feiras, no canal do Pulse Hub no Youtube. O próximo, no dia 15 de abril, contará com a participação de Carol Morandini, Head de Portfólio & Scouting da Wayra Brasil, Flávio Zaclis, Fundador da Barn Investimentos e Francisco Jardim, Sócio Fundador da SP Ventures abordando o tema Agtechs e investimentos em tempos de crise.

Para participar é necessário preencher o formulário no link abaixo.
Link para inscrição: http://conteudo.pulsehub.com.br/hora-da-prosa-3-inscricao

Hora da Prosa – Agtechs e investimentos em tempos de crise. 
Local: Canal do Youtube Pulse Hub de Inovação
Data: 15/04 Horário: 14:02