Tag World Economic Forum

World Economic Forum – O livro sobre a Quarta Revolução Industrial demanda atualização urgente de como governamos a tecnologia

O World Econoimc Forum lança hoje a versão em português do novo livro do seu fundador e presidente executivo, Klaus Schwab, intitulado Shaping the Fourth Industrial Revolution. O objetivo do livro é ajudar líderes a desenvolverem as técnicas necessárias para dominar os avanços tecnológicos a fim de resolver desafios globais críticos.

O livro é uma sequência do best-seller de 2015 escrito por Schwab, A Quarta Revolução Industrial. O novo livro é um guia prático para interpretar 12 conjuntos de tecnologias emergentes a partir de uma perspectiva de sistemas e entender melhor as regras, normas, instituições e valores que norteiam seu desenvolvimento e uso.

Esta abordagem é necessária, argumenta Schwab, devido à velocidade sem precedentes com que a tecnologia está se desenvolvendo, tornando as abordagens dos governos, agências reguladoras e empresas nas quais confiamos para gerenciar o impacto das tecnologias desatualizadas e redundantes.

A proposta de Schwab é que os líderes adotem uma abordagem de “liderança de sistemas” para garantir que a evolução da tecnologia não ocorra sem paralelamente levar em conta as regras, as normas, os valores e a infraestrutura. Se a tecnologia não for desenvolvida dentro de um sistema de governança inclusivo e sustentável, a Quarta Revolução Industrial poderia exacerbar a desigualdade de renda, excluindo bilhões de pessoas e, ao mesmo tempo, desperdiçar a oportunidade de utilizar a tecnologia para ajudar a enfrentar desafios globais.

“Levou mais de uma década para que o mundo desenvolvesse uma resposta coletiva às mudanças climáticas. Se levarmos o mesmo tempo para responder à Quarta Revolução Industrial, teremos perdido a oportunidade de influenciar o desenvolvimento das tecnologias que moldam a forma com que trabalhamos, vivemos e agimos. Se atuarmos agora, teremos a oportunidade de garantir que tecnologias, como a inteligência artificial, melhorem de forma sustentável e significativa as vidas e as perspectivas do maior número de pessoas possível”, afirmou Schwab.

O livro insiste que os líderes adotem rapidamente o conceito de governança ágil das tecnologias, combinando a destreza das tecnologias e os atores do setor privado que as criam para constantemente atualizar e repensar as regras em colaboração com outros setores. As empresas devem experimentar mais as novas tecnologias e investir mais em pessoas e habilidades para que sua capacidade empresas de desenvolver e levar ao mercado inovações exitosas seja maximizada.

Quanto ao público em geral, o livro incentiva que as pessoas se envolvam nas questões relacionadas à evolução da tecnologia e façam com que sua voz seja ouvida para garantir que a tecnologia desempenhe um papel positivo na construção de um futuro sustentável, inclusivo, impulsionado pela inovação.

O livro Shaping the Fourth Industrial Revolution baseia-se nas contribuições de mais de 200 especialistas mundiais em tecnologia, economia e sociologia, apresentando um guia prático para cidadãos, líderes empresariais, formadores de opinião e formuladores de políticas. Descreve a dinâmica mais importante da revolução tecnológica, destaca participantes importantes, que muitas vezes são ignorados na discussão dos avanços científicos mais recentes e explora 12 áreas tecnológicas fundamentais para o futuro da humanidade. O livro tem coautoria de Nicholas Davis, Diretor de Sociedade e Inovação do Fórum Econômico Mundial, e apresenta um prefácio de Satya Nadella, CEO da Microsoft Corporation.

A preparação deste livro também levou à criação do Centro para a Quarta Revolução Industrial em São Francisco, que será apoiado por uma rede de centros afiliados em todo o mundo, para estabelecer uma plataforma ágil de cooperação governamental para negócios e governo.

Tags, , , , , , , ,

World Economic Forum – O panorama das Startups Latino-Americanos é promissor, dizem os potenciais ‘Unicórnios’

Empreendedores de tecnologia da América Latina estão prevendo um futuro promissor para os “unicórnios”, porque as startups de tecnologia estão ganhando relevância no ecossistema regional. Isso não é uma questão apenas de valor de mercado e de atingir a marca de $ 1 bilhão de dólares, mas também de ajudar a resolver os “problemas significativos da região e criar empregos”, diz Enrique Ortegon, Diretor Operacional da Salesforce.com, dos EUA.

“Ultrapassamos o ponto crucial na América Latina. Vamos ver muitos outros unicórnios. Acredito que isso deve impulsionar o crescimento sustentável ao longo das próximas décadas”, diz Hernan Kazah, Sócio Diretor da Kaszek Ventures, Argentina. “Ainda não temos muitos participantes, mas teremos muito mais comparado com 15 anos atrás. Em 20 anos, teremos muito mais [startups]”.

A experimentação é frequentemente a chave para o sucesso, e as startups devem ter o direito de falhar antes de prosperar. “Ser um unicórnio é ser um símbolo de sucesso, mas queremos ter empresas duradouras e sustentáveis para melhorar a vida das pessoas”, diz Amiram Appelbaum, principal cientista e Presidente da Israel Innovation Authority, Israel. “Queremos resolver os problemas do ser humano. Isso começa como um empreendimento local e somente depois dessa etapa é possível ampliar a experiência e atingir uma escala global.É importante aceitar o fracasso. É uma história de fracassos e conquistas”, diz Appelbaum.

O governo desempenha um papel muito importante, apoiando o meio acadêmico e reduzindo a burocracia, além de injetar capital quando as forças de mercado falham. “O desafio de conectar cientistas e empresários é mais importante que incentivar startups”, diz Andy Freire, legislador, Buenos Aires, Argentina. A Argentina recentemente introduziu legislações para criar incentivos empresariais. “Trabalhamos para melhorar a vida dos empresários. Antigamente, levávamos 100 dias para abrir uma empresa. Hoje, é possível abrir uma empresa em um único dia. Tudo está na nuvem”, diz Freire. “Fornecemos as ferramentas para precisam para serem empreendedores”. Mesmo assim, tem muito mais a fazer. Marco Crespo, Chefe para a América Latina da Gympass, observou que, embora seja fácil fazer negócios na Argentina, ainda existem restrições em termos de mão de obra e para o deslocamento internacional de funcionários.

“Algumas medidas positivas foram implementadas para acelerar o empreendedorismo”, diz Kazah. “O ecossistema está muito mais desenvolvido. Estamos no caminho certo para o desenvolvimento de talentos”. Kazah constatou que, embora a região ainda esteja atrasada em termos de tecnologia, a situação é promissora na região. “Teremos mais unicórnios rompendo barreiras”, concluiu.

O World Economic Forum da América Latina ocorre em São Paulo, entre os dias 13 e 15 de Março. O evento reuniu mais de 750 líderes mundiais e regionais para discutir o mesmo tema, América Latina no Ponto de Inflexão: Criando uma Nova Narrativa.

Tags, , , , , , , , , ,