Tag voos

Delta oferece serviço gratuito de troca de mensagens em voo

De um avião a 30 mil pés de altitude, uma mensagem de texto é enviada para um smartphone em solo. “Meu voo deve chegar antes do horário”, diz a mensagem. “Venha me buscar 15 minutos mais cedo.”

A partir de 1º de outubro, a Delta Air Lines (NYSE: DAL) será a primeira companhia aérea global dos Estados Unidos* a oferecer mensagens móveis gratuitas, proporcionando este tipo de serviço a mais clientes do que qualquer outra companhia aérea. A Delta também terá a maioria das aeronaves equipadas com o sistema de mensagens gratuito.

Este novo recurso gratuito garantirá a conexão dos clientes, permitindo que troquem mensagens com amigos, familiares, colegas e clientes em tempo real durante o voo via iMessage, WhatsApp e Facebook Messenger. Esse novo aprimoramento faz parte do investimento de bilhões de dólares da Delta na experiência do cliente.

“Sabemos que muitos clientes da Delta querem ou precisam estar conectados no ar e no solo; por isso, estamos investindo em uma maneira fácil e gratuita de enviar e receber mensagens durante o voo, usando algumas das plataformas globais mais populares”, disse Tim Mapes, vice-presidente sênior da Delta e diretor de Marketing. “Além dos nossos investimentos em telas na parte traseira dos assentos, entretenimento gratuito e Wi-Fi de alta velocidade, o serviço de mensagem gratuito é mais uma opção para os clientes aproveitarem ao máximo seu tempo nos voos da Delta. ”

O serviço de mensagens gratuito estará disponível em todas as aeronaves da Delta equipadas com a tecnologia da Gogo, incluindo aquelas com duas ou mais cabines. Os clientes poderão acessar as mensagens gratuitamente pelo portal de Wi-Fi da Delta, airborne.gogoinflight.com. A mensagem móvel gratuita será apenas para texto e não permite envio de arquivos de fotos ou vídeos.

Além das mensagens móveis, a Delta continua expandindo seu sistema de Wi-Fi de alta velocidade, telas de entretenimento na parte traseira dos assentos e entretenimento gratuito para oferecer aos passageiros mais opções flexibilidade para passar o tempo entre a decolagem e aterrissagem.

A rede Wi-Fi de alta velocidade da Delta, que utiliza a tecnologia de Wi-Fi 2Ku da Gogo, fornece moderna tecnologia com cobertura consistente e ininterrupta em qualquer lugar do mundo, incluindo sobre oceanos. A Delta possui atualmente a maior frota de aeronaves com a tecnologia 2Ku da Gogo e o maior acordo com a tecnologia 2Ku que qualquer outra companhia aérea do mundo. Nos próximos dois anos, a Delta deve instalar a rede Wi-Fi de alta velocidade em mais de 600 aeronaves de voos domésticos e internacionais.

A rede Wi-Fi de alta velocidade 2Ku da Delta oferece aos clientes uma experiência de fácil utilização durante o voo, incluindo a possibilidade de assistir vídeos e usar redes corporativas, como VPN, globalmente. Ao contrário das versões anteriores dessa tecnologia em voos da Delta, os clientes agora podem usar a rede Wi-Fi do embarque ao desembarque, em uma aeronave habilitada para a tecnologia 2Ku. Até o momento, a companhia aérea instalou a nova tecnologia de Wi-Fi aprimorada em 200 aeronaves.

Além disso, a Delta oferece aos clientes mais aeronaves com entretenimento na parte traseira do assento do que qualquer outra companhia aérea do mundo, tendo instalado esse sistema em sua 500ª aeronave em julho. Com o compromisso de oferecer esse sistema em mais de 600 aeronaves até o final de 2018, em uma parceria com a Panasonic, a Delta está deixando a escolha a cargo do cliente. Além de usufruir do sistema de entretenimento nos assentos, os passageiros também podem acessar o Delta Studio em seus dispositivos pessoais em toda a frota das linhas principais da companhia aérea e em todas as aeronaves regionais de duas classes.

*Companhia aérea global dos Estados Unidos = companhias aéreas dos Estados Unidos que operam em rotas transoceânicas: Delta Air Lines, American Airlines e United Airlines

Tags, , , ,

A banda larga para voos será um mercado de 130 bilhões de dólares em 2035

As companhias aéreas devem se beneficiar de receitas significativas no crescimento de comércio eletrônico, publicidade e conteúdo premium viabilizado por banda larga

A London School of Economics and Political Science prevê que companhias aéreas da América Latina irão gerar US$1,9 bilhão de ganhos incrementais

26 de setembro de 2017: a banda larga a bordo tem o potencial de criar um mercado global de 130 bilhões de dólares nos próximos 20 anos, resultando em uma receita adicional de US$ 1,9 bilhão para as companhias aéreas da América Latina. Esta é a conclusão de uma pesquisa de estudo inédita ‘Sky High Economics: Quantifying the commercial opportunities of passenger connectivity for the global airline industry’ (em português, Economia do Céu: quantificação de oportunidades comerciais de conectividade para passageiros para a indústria aérea global), realizada pela London School of Economics and Political Science (LSE) em associação com a Inmarsat (LSE: ISAT. L), a fornecedora líder no mundo de comunicações globais móveis via satélite.

Potencial de mercado

Com base em dados atuais da IATA e fontes da indústria, o estudo Sky High Economics desenvolveu um modelo de previsão independente. O modelo prevê que os rendimentos complementares viabilizados por banda larga para as companhias aéreas terão quatro principais fluxos de receita:

• Cobranças para o acesso à banda larga – oferecer conectividade para passageiros a bordo

• Comércio eletrônico e “destination shopping” – fazer compras a bordo de aeronaves com maior leque de produtos e ofertas em tempo real

• Publicidade – pagamento-por-clique, impressões, acordos de patrocínio com anunciantes

• Conteúdo premium – oferecer conteúdo ao vivo, vídeo por demanda e pacote de acesso W-IFEC

Atualmente, apenas cerca de 53 de uma estimativa de 5000 companhias aéreas em todo o mundo oferecem conectividade de banda larga a bordo. Seguindo a forte demanda por parte de passageiros, a internet a bordo estará amplamente difundida em aviões comerciais até 2035. Atualmente, as companhias aéreas recebem um adicional de 17 dólares por passageiro por serviços complementares ‘tradicionais’, como compras ‘duty free’ e vendas de varejo, alimentos e bebidas a bordo. As receitas complementares viabilizadas por banda larga irão acrescentar um adicional de 4 dólares até 2035.

Vetores de crescimento

As operadoras de serviço completo pretendem reivindicar a maior parte das receitas de companhias aéreas (63%), gerando 19 bilhões de dólares até 2035. Com as maiores oportunidades obtidas nos tempos de voo mais longos, a receita adicional virá da capacidade de maximizar as plataformas de comércio eletrônico e de acordos com provedores de conteúdo para oferecer pacotes premium. O estudo ‘Sky High Economics’ prevê que as operadoras de baixo custo irão gerar 11 bilhões de dólares até 2035, sendo que a maior parte virá da venda de conectividade para os passageiros.

Diferenças regionais

A pesquisa também identificou que em termos regionais, a maior oportunidade para serviços adicionais viabilizados por banda larga está na região Ásia-Pacífico. Impulsionadas pelo crescimento do número de passageiros e pela disponibilidade de serviços, as companhias aéreas da região Ásia-Pacífico irão se beneficiar de 10,3 bilhões dólares em receitas complementares até 2035, seguidas pelas companhias da Europa (8,2 bilhões de dólares) e América do Norte (7,6 bilhões de dólares). A América Latina se beneficiará com US$ 1,9 bilhão de dólares, Oriente Médio com US$ 1,3 bilhão e África com US$ 590 milhões.

O Dr. Alexander Grous (B. Ec, MBA, M.Com, MA, PhD.), do Departamento de Mídia e Comunicações, LSE e autor de Sky High Economics disse: “A oportunidade disponível às companhias aéreas é enorme. O estudo Sky High Economics prevê a criação de um mercado de 130 bilhões de dólares nas próximas duas décadas. Se as companhias aéreas, globalmente, puderem oferecer uma conexão de banda larga confiável, isso será o catalisador para a implementação de pacotes mais criativos de publicidade, conteúdo e comércio eletrônico. Veremos acordos de negócio inovadores serem feitos, parcerias serem formadas e modelos de negócios serem fundamentalmente modificados para que novos participantes tenham oportunidades nos 100 bilhões de dólares das companhias aéreas. A receita complementar viabilizada por banda larga tem o potencial de criar um novo mercado e é algo que as companhias aéreas precisam planejar agora.”

Frederik van Essen, vice-presidente senior de Estratégia e Desenvolvimento de Negócios da Inmarsat Aviation, comentou: “A medida que começarem a agir mais como varejistas, as companhias aéreas perceberão os benefícios de eliminar a lacuna da conectividade a bordo. Isso resultará no desbloqueio de 15 bilhões de dólares por ano em receitas complementares adicionais na próxima década e será uma das maiores fontes de crescimento. A chave para este potencial e a obtenção de receitas eventuais de 30 bilhões de dólares, é a internet rápida e de alta qualidade a bordo que seja confiável e sem interrupções.”

A Inmarsat está transformando a indústria da aviação global trazendo conectividade plena para cada aeronave e rota de voo no mundo. A Inmarst é a primeira e única operadora com uma completa rede de satélite de alta produtividade (HTS) de próxima geração abrangendo o mundo todo. A Inmarsat é também a única operadora de banda larga de aviação capaz de conectar a aeronave completa desde a cabine de passageiros até a cabine de comando. As soluções para passageiros oferecidas pela Inmarsat são líderes no mundo e complementadas por seus serviços de operações e segurança certificados pelos padrões da indústria. O ‘GX Aviation’ é o primeiro serviço global de banda larga de alta velocidade a bordo no mundo a partir de uma única operadora. Isto permite que passageiros de companhias aéreas naveguem na internet, transmitam vídeos, verifiquem mídias sociais e muito mais durante os voos, com uma experiência de conectividade a bordo comparável aos serviços de banda larga móvel disponíveis em terra.

Tags, , , , ,