Tag “Você é o que você compartilha”

A tecnologia e a revolução educacional

Por Gil Giardelli*

A educação também se prepara para uma revolução. Há um ano estive em Madri, na Espanha, onde participei de um encontro mundial de educadores conectados pelas redes sociais, que anualmente se reúnem em algum lugar do mundo para entender o ensino do século 21. A conclusão a que chegamos é que somos, e seremos, educadores e estudantes durante toda a vida. O modelo educacional secular, no qual um fala e outros escutam já se esgotou.

No mundo conectado há três tipos de aluno: aquele que, em silêncio, presta atenção a tudo; outro que precisa conversar e pesquisar em rede; e um terceiro que precisa ver, sentir e tocar para aprender.
O espaço físico e as aulas cronometradas não fazem mais sentido. A educação repetitiva e decorativa torna-se obsoleta com toda a informação do mundo absolutamente disponível. No entanto, frequentar uma escola ainda é importante para compartilhar os valores da sociedade, para o coletivismo e para o trabalho colaborativo e em rede, três conceitos fundamentais para qualquer um crescer na vida e na carreira.
O professor não é mais o dono do conhecimento, mas sim o maestro do aprendizado em rede. Em um mundo atolado de informação, cada dia mais, ele terá o papel de curador da sabedoria das multidões.
Sim, teremos de estudar durante toda a vida. Em uma época, você será talvez um administrador, depois um professor, um empreendedor, um artista, um vinicultor. Não é fantástico? Prepare-se para essa realidade. Como? Corra e volte a estudar. Ao planejar seu aprendizado em 2013, mude sua postura na sala de aula, seja simultaneamente um contestador, um pesquisador e um educador.
Ficar sentado, esperando receber o conhecimento do professor, é um comportamento do século passado. Estude pelo prazer. Se for fazê-lo por obrigação ou apenas para conseguir uma promoção, é melhor nem começar. Será pior para você. E faça mais: participe de grupos de estudos on-line, que se organizam na internet, mas que realizam encontros presenciais periódicos, participe de trabalhos voluntários, de saraus de poesia, de debates e trocas de ideias. Neste mundo, em que a simples troca de informação é um motor de grandes mudanças, seu diploma tem prazo de validade curto. Mantenha a calma, vá em frente e sempre pense: que futuro estou construindo para nós e para o mundo?

* Gil Giardelli é autor do livro “Você é o que você compartilha” (Editora Gente), e especialista no Mundo.com, com quase duas décadas de experiência no universo digital. Web-ativista, é também professor nos cursos de Pós-Graduação e MBA do Miami Ad School e do Centro de Inovação e Criatividade (CIC) da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, e da FIA-LABFIN/PROVAR em São Paulo.

Tags,

A geração de distraídos

Por Gil Giardelli

Você tem dificuldade de se concentrar, gosta de trabalhar escutando música, faz várias coisas ao mesmo tempo, abre muitas abas em seu browser, anda na rua digitando uma mensagem, e esquece rápido das coisas? Ou você é do tipo hiperativo, agitado?

Você não está sozinho. Você faz parte da nova geração que o mundo mobile criou: a geração de distraídos.

A tecnologia mobile nos permite estar conectados em todos os momentos. Somos bombardeados por informações, jogos, aplicativos, e-mails, entre notificações e mais notificações de nossos celulares. Esses objetos de desejo e adoração, também são vistos como um vício.

• 37% de adultos e 60% de adolescentes do Reino Unido se consideram viciados em seus celulares.

• 90% dos jovens brasileiros checam os smartphones pela amanhã antes mesmo de saírem da cama.

A hiperconectividade nos leva à distração. Somos estimulados por todas as partes e acabamos não prestando muita atenção em nada. Já não lemos textos muito compridos, esquecemos facilmente de algo porque recebemos outro tipo de estímulo.

O mundo online não é nada linear e nossa atenção está começando a se comportar da mesma maneira. Quando digo linear, quero dizer na característica transmídia da internet, aonde podemos usar vídeos e fotos para contar histórias. Os links também representam bem esse pensamento não linear, pois permitem o leitor pular de texto para texto e, muitas vezes, nunca terminar nada.

Percebeu como vira um ciclo? Sem atenção cai a produtividade, cai a qualidade de qualquer que seja a atividade que você está fazendo. E o que podemos fazer para resolver esse problema?

Assim como o cérebro, atenção é um músculo, algo que temos a capacidade de treinar. A geração dos distraídos também tem um lado positivo. Essa geração é ágil, dinâmica, e tem a capacidade de resolver problemas rapidamente. Não devemos deixar essas características de lado, mas também devemos treinar no cérebro a pensar em longo prazo, a focar e investir 100% em alguns momentos.

Sempre enfatizo a necessidade de desconectar-se. Desconecte-se! Comece com coisas pequenas, como tomar um banho um pouco mais demorado, ler um livro um pouco mais longo, olhar seu celular depois do café da manhã, ou quem sabe meditar? O importante é tomar uma atitude para quebrar o ciclo da distração.

Gil Giardelli: autor do livro “Você é o que você compartilha” (Editora Gente), e especialista no Mundo.com, com quase duas décadas de experiência no universo digital. É também professor nos cursos de Pós-Graduação e MBA do Miami Ad School e do Centro de Inovação e Criatividade (CIC) da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, e da FIA-LABFIN/PROVAR em São Paulo, e CEO da Gaia Creative, empresa que aplica inteligência de mídias sociais, economia colaborativa, gestão do conhecimento e inovação.

Tags,