Page

Tag Valor Agregado

OLX amplia time de produto e tecnologia em 2017 e já planeja contratar mais 40 profissionais em 2018

Empresa continua investindo em contratações para integrar uma equipe de profissionais focados em desenvolver um produto 100% nacional e transformar itens em felicidade

A OLX, maior plataforma de compra e venda online do Brasil, segue na contramão do mercado. Apesar do contexto econômico do país, está crescendo rapidamente e investindo na contratação e retenção de talentos. A empresa hoje conta com mais de 550 colaboradores divididos em São Paulo e Rio de Janeiro.

Só no ano passado, a companhia fez 48 contratações para os times de tecnologia e produto – engenheiros, desenvolvedores, designers, analistas de dados e gerentes de produto. Hoje, a área já conta com 130 profissionais, mas a previsão é crescer ainda mais em 2018: são cerca de 40 vagas planejadas para este ano.

“Trabalhamos com autonomia e em um ambiente colaborativo, leve, ágil e informal. Os nossos colaboradores trabalham inspirados pelo impacto positivo que a empresa traz para a vida dos brasileiros e com a certeza de que estão ajudando a construir uma nova cultura de consumo no Brasil e colaborando com a formação de uma comunidade mais sustentável”, comenta Simone Grossmann, CHRO da OLX. “A plataforma que esses profissionais desenvolvem permite que mais de meio milhão de anúncios sejam publicados todos os dias, gerando 50 vendas por minuto. Isso é muito gratificante e motivo de orgulho para eles”, completa.

No ano passado, a empresa também passou a ter profissionais desses times nas duas cidades e não só no Rio de Janeiro, pois entende ser importante estar perto do mercado de produto e tecnologia de São Paulo, além de também permitir uma maior proximidade com as necessidades da área comercial.

Além disso, por fazer parte dos dois maiores grupos de marketplace do mundo – o grupo sul-africano Naspers e o norueguês Schibsted – o time de produto e tecnologia vivencia muitas possibilidades de aprendizagem e troca. “Isso é extremamente rico para uma área que está sempre criando hipóteses e fazendo testes e pesquisas para entender cada vez mais as necessidades dos nossos usuários e decidir, em conjunto, o que será construído ou alterado na plataforma”, finaliza Simone.

Tags, , , , , , , , ,

Após três anos de queda, indicador de Nível de Atividade da indústria paulista avança 3,5% em 2017

Após três anos consecutivos de queda, o Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria paulista fechou 2017 com avanço de 3,5%, impulsionado pelo total de vendas reais, que subiram 7,1% no período, estimuladas pelo aumento da produção física da indústria paulista, que segundo estimativa da FIESP e do CIESP é de uma provável alta de 3,3% nesse período. Por outro lado, a variável de horas trabalhadas na produção caiu -2%, na série sem ajuste sazonal e o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou alta modesta de 0,2p.p. no ano, sinalizando que o aumento da atividade ocorreu em razão do aumento de produtividade do trabalho na indústria de transformação. Os dados acumulados em 12 meses até novembro para a indústria paulista são de aumento de 4,7%, acima da média da série histórica iniciada em 2003, que é de 2,1%.

Nos fechamentos de 2014, 2015 e 2016, o recuo do INA foi de -6%, -6,2% e -8,9%, respectivamente. Nesse período, o indicador acumulou perda de cerca de 20%. Na análise mensal, houve queda de -4,2% em novembro e de -13,9% em dezembro. Já na série com ajuste, o resultado para novembro e dezembro ficou positivo em 0,5% e 1,4%, nessa ordem. Os resultados foram divulgados nesta quarta-feira, 31, pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

De acordo com o segundo vice-presidente da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, juros baixos e inflação estável devem impulsionar a retomada da economia. “A economia tem apresentado melhoras e os dados do INA confirmam essa análise. O indicador apontou que tivemos um grande aumento de produtividade ao longo de 2017, o que deve ser mantido em 2018”, destaca Roriz.

A variação do INA ficou positiva em 9 dos 20 setores acompanhados em 2017. O INA acompanha o total de vendas reais, as horas trabalhadas na produção e a utilização da capacidade instalada (NUCI) da indústria de transformação paulista, que subiram 2,6%, 0,2% e 0,1 p.p., na série com ajuste sazonal em dezembro.

Entre os setores de destaque está o de metalurgia básica, que teve crescimento de 5,3% no ano, sem ajuste sazonal. As horas trabalhadas na produção caíram 3,4%, mas o total de vendas reais e o NUCI avançaram 9,1% 4 p.p., respectivamente.

O INA de artigos de borracha e plástico subiu 3,1% no ano, puxado pelo avanço de horas trabalhadas na produção, que avançou 3,7%, seguida do total de vendas reais, que cresceram 4,6% e do NUCI que teve leve crescimento de 0,1 p.p., respectivamente.

Sensor

A pesquisa Sensor do mês de janeiro segue pelo décimo segundo mês consecutivo acima dos 50 pontos ao fechar em 54,5 pontos, na série livre de influências sazonais, contra 55,5 pontos de dezembro. Leituras acima de 50 pontos sinalizam expectativa de aumento da atividade industrial para o mês. Já a variável de vendas recuou 4,4 pontos, saindo de 58,7 pontos para 54,3 pontos.

No item condições de mercado, o indicador foi de 63,5 pontos em dezembro para 58,6 pontos em janeiro, queda de -4,9. Acima dos 50,0 pontos, indica melhora das condições de mercado. Já o indicador de emprego avançou 0,3 pontos, para 52,8 pontos, ante os 52,5 pontos de dezembro. Resultados acima dos 50,0 pontos indicam expectativa de admissões para o mês.

O nível de estoque também avançou. Foi de 48,9 pontos em dezembro para 52,6 pontos em janeiro. Leituras superiores a 50,0 pontos indicam estoque abaixo do desejável, ao passo que inferiores indicam sobrestoque.

Tags, , , , , ,

IDC: mercado de TIC no Brasil em 2018 aponta crescimento de 2,2%

Foco no corporativo para fabricantes de tablets e smartphones; avanço da IoT tanto no ambiente doméstico como em aplicações em outros setores;

Big Data/Analytics (BDA); Computação Cognitiva/IA, Cloud Pública e Multicloud são alguns dos assuntos que devem dominar as pautas e os investimentos de empresas que precisam se mover rápida e assertivamente rumo à transformação digital

O mercado de TI experimentará uma retomada já neste primeiro semestre de 2018 e avançará 5,8% no ano. Já o mercado de Telecom deverá permanecer praticamente estável em relação a 2017, caindo apenas 0,1% no ano. Assim, mesmo com as incertezas comuns em anos eleitorais, o mercado de TIC no Brasil deve crescer 2,2% em 2018. A estimativa é da IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, que tradicionalmente realiza o estudo IDC Predictions, antecipando as tendências e movimentos de mercado para os 110 países em que atua. São previsões que sinalizam tanto os players do mercado de TI como analistas econômicos, CIOs, executivos de negócios, investidores, varejistas, acadêmicos e usuários de forma geral.

Agora, por exemplo, ao divulgar o Predictions Brasil, a IDC alerta que a Transformação Digital (DX) continua em curva ascendente em todo o mundo e que organizações que ainda não se atentaram para isso ou estão no que ela chama de “impasse digital”, estão correndo riscos. “A Transfomação Digital é um processo contínuo pelo qual as organizações se adaptam às mudanças disruptivas ou criam essas mudanças. Temos visto mais empresas se capacitarem digitalmente, mas ainda há uma distância significativa entre os pioneiros e os retardatários, e haverá consequências para as que não conseguirem fazer a transição para um modelo digital nativo”, diz Denis Arcieri, Country Manager da IDC Brasil. “Ano passado alertamos que não havia mais espaço para postergar projetos de transformação e inovação, e agora, com um cenário econômico mais tranquilo e previsível, insistimos não só na necessidade mas também na urgência do Brasil retomar seus investimentos em tecnologia”, completa Arcieri.

Entre as previsões apontadas pela IDC Brasil para 2018 no contexto da transformação digital está o foco dos fabricantes de tablets e smartphones no mercado corporativo, que apresenta uma ótima alternativa frente ao baixo crescimento em outros públicos e melhores margens de lucro. “Grandes fabricantes já começaram a se estruturar para isso, montando times específicos para vendas corporativas e formando parcerias. Esse deve ser o início de um movimento consistente de crescimento para os próximos anos”, diz Reinaldo Sakis, gerente de Pesquisa e Consultoria de Consumer Devices da IDC Brasil. Segundo ele, em 2018, a estimativa é de que o mercado corporativo demande 3,5 milhões de tablets e smartphones, o que representará 6% do volume total de vendas desses dispositivos no Brasil.

Já no mercado doméstico, a previsão da IDC Brasil é que IoT (Internet das Coisas) avance mais rapidamente. “Estima-se que 4% das residências brasileiras já possuam algum tipo de dispositivo conectado, como controles de câmeras de segurança, temperatura e ar condicionado, por exemplo, mas há um grande interesse da população pelo assunto e vontade dos fabricantes em aumentar a oferta de produtos de IoT domésticos, apesar das barreiras”, diz Sakis. “Os assistentes eletrônicos, por exemplo, precisam aprimorar a compreensão do português do Brasil e ganhar escala para terem preços compatíveis com o bolso do brasileiro”, completa o analista, lembrando que, em 2018, o mercado doméstico de IoT no Brasil será responsável por US$612 milhões.
Projetos de IoT terão força também em outros setores e, segundo o IDC Predictions Brasil 2018, o mercado total no Brasil será superior a US$8 bilhões. A previsão tem como base iniciativas alavancadas pelo Plano Nacional de Internet das Coisas (MCTIC e BNDES) nas áreas da saúde, indústria, agricultura e infraestrutura urbana, em projetos de IoT que integrarão outras tecnologias como Blockchain e Inteligência Artificial, e na definição de tarifação que deve ser divulgada pela Anatel ainda neste primeiro semestre.

Outro assunto que continua fazendo parte das previsões da IDC Brasil e que deve estar entre as prioridades das empresas que precisam se mover mais rápido e assertivamente rumo à transformação digital é Big Data/Analytics (BDA). Segundo Luciano Ramos, gerente de Pesquisa e Consultoria de Software e Serviços, houve um amadurecimento sobre o que é BDA e agora as empresas têm um propósito. “Elas buscam extrair algum valor das iniciativas de Big Data/Analytics e essa busca acelera a contratação de serviços. Além disso, as iniciativas de BDA vêm sempre a reboque de alguma coisa e acabam movimentando todo um negócio”, diz. Diante disso, as expectativas para o Brasil são otimistas: em 2018, os serviços de consultoria relacionados a Big Data/Analytics vão crescer cerca de 18% em relação a 2017, e os gastos totais, incluindo infraestrutura, software e serviços vão atingir US$3,2 bilhões no país.

Em 2018, aplicações de computação cognitiva também tendem a crescer. Por enquanto, os investimentos são discretos, mas o crescimento deve ficar acima de 50% em relação ao ano anterior. A tendência é que outras verticais – além de finanças e saúde – invistam no uso da inteligência artificial para atendimento e engajamento de clientes, funcionalidades que têm sido exploradas e representam os casos mais emblemáticos atualmente no Brasil, como sistemas de diagnóstico e tratamento e análises de fraudes e investigação.

Igualmente animador é o mercado de cloud pública. A IDC Brasil prevê que a contratação de infraestrutura, plataforma e Software como Serviço (SaaS) em cloud pública atingirá US$ 1,7 bilhão em 2018 e praticamente o dobro até 2020. “A demanda por cloud pública cresce intensamente e abre oportunidades para novos datacenters”, explica Pietro Delai. Além disso, as exigências em termos de performance e disponibilidade pressionam as empresas por uma infraestrutura com alto nível de confiança e baixo tempo de resposta, o que também gera demanda para datacenters e outras soluções de TI. E, segundo Delai, até projetos de IoT, ainda que iniciantes, dão margens a planos de descentralização do armazenamento e/ou processamento e adoção de Edge Datacenters, fomentando esse mercado. Ainda com relação a cloud, a IDC Brasil confirma que o multicloud é uma realidade no país e prevê a continuidade da adoção de vários provedores cloud. “O número de médias e grandes empresas que têm apenas um provedor é praticamente igual ao de empresas que usam mais de um provedor, e soluções híbridas continuarão predominando nos próximos anos no Brasil”, afirma Pietro.

Na área de Telecom, as previsões da IDC Brasil apontam que os projetos de SD-WAN se tornarão uma realidade no país. “Ainda há muitos PoCs (Proof of Concept) em execução no mercado para testar o conceito e provar para os usuários finais que a tecnologia tem realmente os benefícios prometidos”, analisa André Loureiro, gerente de Pesquisa e Consultoria de TIC da IDC Brasil. Segundo ele, as operadoras já estão se estruturando mais proativamente e os clientes estão mais amadurecidos em relação às suas necessidades, e a previsão é que haja uma aceleração em projetos relevantes que levem o mercado de SD-WAN a mais do que dobrar em 2018. “O SD-WAN é um habilitador de projetos para o CIO”, conclui o analista.

Quanto aos provedores regionais de Telecom, já têm grande relevância no mercado B2C e tendem a avançar este ano no B2B, com uma oferta maior no mix de produtos corporativos e foco principalmente em pequenas empresas. “O ambiente também está favorável a fusões e aquisições”, acredita Loureiro.

A IDC Brasil está otimista também em relação ao mercado de segurança da informação. 63% das médias e grandes empresas entrevistadas pela IDC afirmaram que ampliaram seus orçamentos em segurança e, além disso, investiram ou estão investindo formalmente na estruturação de suas áreas de segurança, com novos CSOs e novas ideias. Serviços como MSS (Managed Security Services) e consultorias de segurança também vêm ganhando importância e uma fatia maior nos orçamentos com segurança. Segundo o IDC Predictions Brasil 2018, os gastos com segurança, incluindo infraestrutura, software e serviços, devem crescer cerca de 9% em 2018, atingindo US$ 1,2 bilhão. Entretanto, lembra Luciano Ramos, “certos serviços devem crescer ainda mais, como o MSS, que deve avançar quase 15% neste ano”.

Tags, , , , , , ,

Eleições 2018: uma questão de Segurança Digital

Por Bruno Prado

Após três anos de crise política e econômica, e uma infinidade de denúncias de corrupção envolvendo diferentes partidos, finalmente chegamos a 2018, ano em que os brasileiros novamente voltam às urnas, no dia 7 de outubro. O objetivo é escolher os novos representantes da população nos poderes Executivo e Legislativo da Federação e seus Estados.

Além da grande importância natural, por se tratar de guiar o futuro do país para o próximo quadriênio, este acontecimento deve chamar ainda mais a atenção neste ano pelo momento de polarização de opiniões políticas entre os cidadãos. O debate ficou ainda mais exacerbado pelo intenso uso das redes sociais, que deram voz a todos os inscritos de forma quase que igualitária.

A conectividade proporcionou uma mudança no comportamento do usuário eleitor, que passou a consumir conteúdo informativo por meio das redes sociais. Diante disso, as mídias tornaram-se meios de comunicação protagonistas, abrindo caminho para colunistas e veículos considerados “independentes” como fontes alternativas aos grandes grupos. Se, por um lado, há hoje mais democracia na informação, esse canal também preocupa os agentes da segurança digital pela facilidade na viralização de notícias falsas.

A propagação das fake news acontece por meio de veículos de notícias alternativos ou “influenciadores”, que se dizem independentes, mas atuam a serviço de algum político ou partido para manipular a opinião pública. Entretanto, o mais preocupante é o uso crescente de bots, os robôs em forma de perfis falsos de usuários para compartilhar conteúdo duvidoso e para participar de fóruns de discussões. A preocupação é latente porque tal atividade pode influenciar os votos nas urnas e adulterar resultados, alterando o verdadeiro rumo de todo um país.

Portanto, além do uso da própria urna eletrônica e a polêmica em torno da possibilidade ou não de sua violação, as redes sociais devem, sim, ser encaradas pelas autoridades como uma questão de Segurança Digital durante o processo eleitoral. As equipes de tecnologia do Governo e das campanhas eleitorais devem ficar atentas a outras modalidades de crimes virtuais, como a simulação de páginas falsas para o roubo de dados pessoais dos usuários e movimentações nas camadas inferiores da Internet – como Deep Web e Dark Web – para a troca de informações ou até mesmo a compra e venda de ataques virtuais. Um deles é o de negação de serviço, mais conhecido pela sigla “DDoS”, para a tirar do ar canais online do Governo, do Tribunal Eleitoral, de partidos ou de candidatos.

Também por este motivo, até mesmo empresas não ligadas à política devem manter a Segurança Digital como prioridade. É comum alguns gestores congelarem os investimentos à espera de um panorama econômico com os novos eleitos. Porém, as organizações continuam vulneráveis a casos de hackativismo, em que hackers invadem sites ou derrubam serviços digitais de forma quase aleatória para defender ou promover uma causa. Desta forma, a implementação de medidas preventivas pode evitar prejuízos nesse período.

Vivemos em uma era de transformação digital, em que os avanços tecnológicos proporcionam benefícios, mas também desafios – e um dos principais, neste ano, é garantir a eleição de candidatos de forma honesta e transparente. Nosso Brasil já tem muitos problemas, não podemos deixar que a tecnologia nos traga mais um.

Bruno Prado é CEO da UPX Technologies, empresa especializada em performance e segurança digital.

Tags, , , , , , , , , ,

Oiweek: startups podem submeter propostas para o maior evento de inovação aberta

Startups interessadas em participar da Oiweek 2018 – evento líder mundial de inovação aberta – podem apresentar suas soluções para os desafios do mercado e da sociedade conectando seus projetos no site http://www.oiweek.com.br/queroirstartup até o próximo dia 04 de fevereiro.

Os inscritos serão sugeridos pela ferramenta de matchmaking para os mais de 5.000 executivos de grandes companhias que integram a plataforma 100 Open Startups. As avaliações geradas pela rede indicarão as startups mais atraentes para o mercado, as quais serão convidadas para o Speed-Dating do evento, dinâmica de reuniões junto às 100 principais empresas líderes engajadas em cocriar soluções de impacto, discutir parcerias, investimentos e contratos, gerando negócios sustentáveis para todos os envolvidos.

Realizada de 18 a 20 de março, no WTC – Golden Hall, em São Paulo, a Oiweek reunirá empresas líderes de todos os setores da indústria e as startups mais atraentes para o mercado, além de cientistas e investidores. A expectativa é que sejam realizadas mais de 5.000 reuniões.

Os participantes desta fase concorrerão ao Ranking das 100 Open Startups, fase final do ciclo anual do programa 100 Open Startups, principal plataforma de conexão entre grandes empresas e startups, com mais de 4.000 startups ativas, 5.000 executivos avaliadores e 500 grandes companhias conectadas.

A 10ª edição da Oiweek deve reunir 400 startups nacionais e internacionais, 100 grandes empresas, 200 investidores, além de 100 universidades.

Tags, , , , , ,

Outsourcing de TI: CorpFlex cresce base de clientes em 98% em 2017

Especializada em Cloud Corporativa e soluções de outsourcing de TI, a CorpFlex encarou os desafios de 2017 com afinco – intensificando a qualidade de atendimento ao cliente, expandindo sua estrutura organizacional e frente de negócios – e um dos bons resultados colhidos a partir dessas iniciativas foi o crescimento da base de clientes em 98%.

Dentre os novos clientes, destacou-se o segmento de Varejo que contribuiu fortemente para o crescimento de sua base. De acordo com Edivaldo Rocha, CEO da CorpFlex, “o setor de Varejo apresentou resultados melhores em relação aos anos anteriores isso devido a uma mudança de Mindset, principalmente dos empresários, pois trazer a tecnologia para melhorar o uptime do negócio e principalmente focar no conhecimento dos clientes é fundamental, uma vez que temos ofertas corporativas aderentes a esse nicho e com preços competitivos”.

Para o CEO, além do bom desempenho do Varejo, outras razões foram favoráveis à companhia, tais como: processos otimizados dando mais agilidade na geração de leads; maior capacitação e o engajamento da equipe comercial – por meio de treinamentos semanais; o suporte consultivo de staff de arquitetos de solução disponível aos executivos da empresa e o trabalho mais próximo entre as áreas de Marketing e Comercial.

Ainda, Diogo Santos, foi nomeado como novo CTO da empresa. Este executivo conta com mais de 20 anos de experiência em TIC – e está há três na CorpFlex.

Outras mudanças organizacionais e estruturais colaboraram com os bons resultados, trazendo mais qualidade para os nossos clientes, automatizando atendimentos e relatórios mais detalhados.

Para 2018, a meta é ainda mais desafiadora: dobrar o número de clientes conquistados em 2017. A estratégia, de acordo com Rocha, é a expansão no primeiro semestre para regiões pouco exploradas por meio de representantes comerciais.

Em relação ao portfólio, o foco será na oferta de serviços gerenciados (Managed Services), assim como lançamentos visando a oferta de infraestrutura e serviços multicloud e também serviços de gestão da segurança da informação.

Tags, , , , , , , ,

O excesso de confiança dos consumidores contribui para o aumento de crimes virtuais

Os consumidores acreditam estar seguros e protegidos on-line, porém os hackers tem provado o contrário, roubando US$ 172 bilhões de 978 milhões de consumidores em 20 países no último ano, de acordo com o Norton Cyber Security Insights Report 2017, divulgado em 22 de janeiro, pela Norton by Symantec (NASDAQ: SYMC).
Globalmente, as vítimas de crimes virtuais compartilham um perfil muito parecido: geralmente são consumidores que fazem uso diário de múltiplos dispositivos, seja em casa ou em movimento, e têm um ponto cego quando se trata de princípios básicos de segurança cibernética. Este grupo tende a usar a mesma senha em várias contas ou compartilhá-la com outras pessoas. Igualmente preocupante, 39% das vítimas globais de crimes virtuais, apesar da sua experiência, ganharam confiança em sua capacidade de proteger seus dados e informações pessoais de ataques futuros e 33% acreditam que eles correm baixo risco1 de se tornar uma vítima de crimes virtuais.

No Brasil, 62 milhões de consumidores foram vítimas de crimes virtuais- mais da metade da população on-line de adultos do Brasil. As perdas totalizaram R$ 22 bilhõese cada vítima perdeu uma média de (33,9 horas)lidando com as consequências após a descoberta.

“As atitudes dos consumidores revelaram uma desconexão perigosa: apesar de um fluxo constante de falhas cibernéticas relatadas pela mídia, muitas pessoas parecem sentirem-se invencíveis e ignorar o uso de precauções básicas para protegerem-se”, disse Fran Rosch, vice-presidente executivo da unidade de Consumo da Symantec. “Esta discrepância destaca a necessidade de segurança digital do consumidor e a urgência das pessoas estarem atentas aos cuidados básicos quando se trata de fazer sua parte para prevenir de crimes virtuais”, completa o executivo.

Brasileiros adquirem medidas de segurança cibernética, mas deixam suas portas virtuais desbloqueadas
Os consumidores utilizam tecnologias de proteção de dispositivos, como identificação de impressões digitais, correspondência de padrões e reconhecimento facial: 40% usam identificação de impressão digital, 25% usam correspondência de padrões, 18% usam VPN pessoal, 14% utilizam ID de voz, 12% utilizam autenticação de dois fatores e 12% utilizam reconhecimento facial. Ainda assim, consumidores que adotaram essas tecnologias foram descuidados com a senha e foram vítimas de crimes virtuais.

Consumidores que demonstraram confiança, são mais propensos a ataques, já que tem maior número de dispositivos e alguns novos. 44% das vítimas de crimes virtuais no Brasil possuíam um dispositivo inteligente para transmissão de conteúdo, em comparação com 41% das não vítimas. Eles também eram três vezes mais propensos a possuir um dispositivo doméstico conectado.

Apesar de sofrer com crimes virtuais no ano passado, quase 1/4 das vítimas no Brasil usou a mesma senha on-line em todas as contase 65% compartilham a mesma senha para pelo menos um dispositivo ou conta com outros, negando os esforços de segurança. Em comparação, apenas 23% das não vítimas de crimes virtuais reutilizam senhase 42% compartilham suas senhas com outras pessoas.Além disso, 35% escrevem suas senhas em um pedaço de papele são quase duas vezes mais propensos a usar senhas diferentes e salvar sua senha em um arquivo em seu computador/ smartphone do que não-vítimas.

Diminuindo as fronteiras entre oCrimes virtuais e a “Vida Real”

83% dos consumidores do Brasil acreditam que crimes virtuais devem ser tratados como um ato criminoso. No entanto, quando pressionados, houve controvérsias, 32% dos entrevistados creditam que roubar informações on-line não é tão ruim quanto roubar propriedades na “vida real”. Quando apresentados exemplos de crimes virtuais, 44% dos consumidores responderam acreditar que, eventualmente, seja aceitável certos comportamentos moralmente questionáveis on-line, como, leitura de e-mails de outra pessoa (25%), usar um e-mail falso ou o e-mail de outra pessoa para identificar-se on-line (20%) e até mesmo acessar a conta bancária de alguém sem sua permissão (16%).

O estado de confiança dos consumidores

Apesar dos ataques cibernéticos deste ano, os consumidores geralmente continuam confiando nas instituições que gerenciam seus dados e informações pessoais. No entanto, os brasileiros já não estão tão confiantes em algumas instituições e organizações.

· Os consumidores ganharam ou mantiveram confiança em organizações como bancos e instituições financeiras (76%) e provedores de serviços de proteção contra roubo de identidade (70%) apesar dos ataques foram destaques na mídia este ano.

· Alternativamente, mais de metade dos consumidores brasileiros (73%) perderam confiança no governo para gerenciar seus dados e informações pessoais no ano passado. 35% perderam confiança nas plataformas de redes sociais.

· 47 % das vítimas de crimes virtuais no Brasil aumentaram sua confiança em si mesmos para gerenciar seus dados e informações pessoais.

Para saber mais sobre o impacto real dos crimes virtuais e como os consumidores podem proteger sua informação digital, acesse aqui para obter mais informações.

Sobre Norton Cyber Security Insights Report

O Norton Cyber Security Insights Report é uma pesquisa on-line, da qual participaram 21,549 pessoas, a partir de 18 anos, em 20 diferentes mercados, encomendado pela Norton da Symantec e produzido pela empresa de pesquisa Reputation Leaders. A margem de erro para a amostra é de +/-.7%. A amostra do Brasil reflete a contribuição de 1,099 brasileiros. Adultos, +18. A margem de erro é de +/- 3.0% para amostra total do Brasil. Os dados foram coletados entre 5 e 24/outubro de 2017 por Reputation Leaders.

Como definimos o crime cibernético

A definição de crimes virtuais continua a evoluir, à medida que abre caminho para que os cybers criminosos visem os consumidores de novas maneiras. A cada ano, avaliaremos as atuais tendências do crimes virtuais e atualizaremos a metodologia do relatório, conforme necessário, para garantir que o relatório Norton Cyber Security Insights forneça uma imagem instantânea precisa sobre o impacto do crimes virtuais nos dias atuais. No relatório 2017 Norton Cyber Security Insights, um crime cibernético é definido como, mas não limitado a uma série de ações específicas, incluindo roubo de identidade, fraude de cartão de crédito ou a senha da sua conta comprometida. Para os propósitos deste relatório, uma vítima de crimes virtuais é um entrevistado que confirmou um ou mais desses incidentes ocorreram. Para mais informações, visite www.symantec.com/content/dam/symantec/docs/about/2017-ncsir-global-results-en.pdf

Tags, , , , , , , ,

Como planejar a migração de data centers de alta velocidade

Por Carlos Morrison Fell

Tendências como Big Data, mobilidade e Internet das Coisas (IoT) estão gerando um enorme volume de dados. E os provedores de serviços de data centers precisam encontrar formas de suportar velocidades cada vez mais altas. Muitos data centers foram projetados para suportar tráfego de 1 GB ou 10 GB entre os servidores, roteadores e switches. Só que o roadmap Ethernet de hoje vai de 25 /40 GB a até de 100/400 GB, e dentro de alguns anos, até 1 TB. Como resultado, os operadores de data centers têm uma necessidade imediata de migrar sua infraestrutura Layer 1 para suportar velocidades mais altas, e essa nova infraestrutura também deve fornecer latência mais baixa e maior agilidade e densidade.

As tendências recentes apontam que os requisitos de banda larga continuarão crescendo de 25% a 35% ao ano, e o ponto fundamental para isso é a mudança para maiores velocidades de comutação. De acordo com um estudo recente realizado pela consultoria Dell’Oro, as receitas de switches Ethernet continuarão em crescimento até o final da década, com maiores vendas previstas para portas 25G e 100G. A mudança para 25G está bem encaminhada, já que os switches de comprimento de onda para adoção dessa tecnologia estão se tornando mais comuns. Espera-se que as capacidades desses switches continuem se duplicando, chegando em 100G até 2020 e proporcionando uma próxima geração de links de alta velocidade para switches. Uma série de fatores está impulsionando o aumento da velocidade de throughput nos data centers:

• A densidade dos servidores tem aumentado aproximadamente 20% ao ano

• As capacidades dos processadores estão crescendo

• Processadores com vários núcleos e unidades de processamento gráfico (GPUs)

• A densidade de virtualização tem crescido em 30%, o que está impulsionando as velocidades de uplink para switches;

• O tráfego leste-oeste nos data centers ultrapassou o volume do tráfego norte-sul.

Desafios da Migração

Há vários aspectos de design e evolução de cabeamento de data centers que apresentam desafios para aqueles que desejam migrar para velocidades mais altas.

Todo data center é diferente: não existe um método padrão de implantação de cabeamento. Embora os padrões sejam continuamente refinados em torno de tecnologia de cabo e conector de fibra óptica, não existe um roadmap para implementação que se adapte a todos ou à maioria dos data centers.

O ritmo das mudanças está acelerado: o movimento de 1G para 10G Ethernet levou quase uma década, mas a migração de 10G para 25G e 100G levará metade do tempo. Muitas redes foram projetadas inicialmente com infraestrutura que não é tão escalável quanto precisa ser; os especialistas poderiam antecipar um eventual movimento de 1G para 10G, por exemplo, mas, na maioria dos casos, o cabeamento que foi instalado há alguns anos está desatualizado. Os gerentes de data centers precisam atualizar a fibra ou adicionar mais fibras, e essas devem suportar avanços rápidos para 100G ou mais.

Os padrões estão evoluindo: muitos data centers usam fibra multimodo para conectar servidores e switches, mas há alguns anos o estado da arte nessa área de fibra era OM3 ou OM4. Em 2016, os órgãos de regulamentação aprovaram o padrão OM5, que tem rendimento quatro vezes maior de throughput que o OM3.

Os data centers estão se densificando: nos data centers multi-tenant, em particular, os clientes estão reduzindo o tamanho de suas implantações, consolidando a estrutura de rede em etapas menores. Como resultado, eles precisam ser capazes de expandir sua capacidade de rede dentro de um ambiente menor. Alguns sistemas de gerenciamento de cabos mais antigos e painéis de patch não suportam densidades mais altas.

A migração é cara e disruptiva: substituir o cabeamento é um grande salto, mas quando o data center também precisa de sistemas de gerenciamento de cabos de alta densidade e painéis de patch, pode ser um verdadeiro pesadelo. Em grandes data centers empresariais, onde muitas vezes há mais espaço, a migração pode ocorrer em seções, o que reduz a quantidade de interrupções provocadas pela mudança, mas essa não é uma opção nos multi-tenants, por exemplo.

Planejamento da Migração

A estratégia mais importante para a migração de alta velocidade é o planejamento em longo prazo. Muitos data centers permanecem com sua principal infraestrutura atualizada para suportar a próxima geração de switches, roteadores e servidores. O ritmo de mudança está acelerado, por isso, o melhor é fazer um planejamento longo. Escolha um ponto (400G, por exemplo), suponha que o data center exigirá mais fios de fibras do que os disponíveis hoje e compre as fibras mais recentes (multimodo ou monomodo) disponíveis, para que possam suportar a migração futura sem perder o que já foi investido.

Além disso, os arquitetos de data centers devem adotar projetos de baixa latência – atualmente importante para as aplicações para mercado financeiro – e que será um requisito cada vez mais exigido para suportar serviços de IoT, como o uso de carros conectados, por exemplo. Os cabos e conectores que utilizam componentes de perda ultrabaixa oferecerão maior flexibilidade para alcançar baixa latência.

Os responsáveis pela migração devem considerar também as fibras monomodo e multimodo. A primeira delas fornece a mais alta taxa de transferência e alcance, importante em data centers maiores, enquanto a fibra multimodo é mais acessível economicamente e mais fácil de implantar.

Finalmente, escolha o provedor Layer 1 de solução de infraestrutura certo. Os maiores provedores têm operações globais, dessa forma, eles podem fornecer soluções efetivas em todo o mundo. Esses provedores também contam com times de engenheiros na área de aplicativos que vão aos data centers e fazem recomendações apropriadas sobre quais produtos devem ser instalados para que atendam por um longo período de tempo, e garantias de que suas soluções de infraestrutura podem suportar qualquer aplicativo.

Construindo para o futuro

Enquanto o roadmap Ethernet estende-se para mais de 1TB e as aplicações de data centers exigem maiores velocidades de transmissão, a arquitetura deve ser planejada para atender ao futuro. Com a infraestrutura de conectividade adequada, é possível fornecer uma base sólida para a migração de alta velocidade.

Carlos Morrison Fell é diretor de engenharia de aplicações da CommScope para as regiões da América Latina e Caribe

Tags, , , , , , , ,

Cognizant integra lista de companhias mais admiradas do mundo, segundo a “Fortune”

A Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, integra, pelo oitavo ano consecutivo, o ranking da revista Fortune, que elege as companhias mais admiradas do mundo.

A lista classifica as empresas, com base em sua reputação, entre 3.900 líderes empresariais. As categorias analisadas são: Inovação, Qualidade de Gestão, Responsabilidade Social, Uso de Ativos Corporativos, Solidez Financeira, Qualidade de Produtos e Serviços, Investimentos em Longo Prazo e Competitividade Global.

“Estamos muito honrados em fazer parte de uma classificação tão prestigiada no mundo todo. Dedicamos esse título a todos os nossos colaboradores, clientes e parceiros, que confiam em nosso trabalho e que nos ajudam a desenvolvê-lo com ética e transparência rumo à transformação digital”, afirma João Lúcio de Azevedo Filho, presidente da Cognizant Brasil.

Tags, , , , , ,

Empresas criam centro de fomento de negócios para e-commerce

Com o objetivo de reunir em um mesmo espaço empresas que possuem sinergia de negócios, a COPA Network e a VTEX se unem para criar um centro de fomento para o ecossistema de varejo eletrônico, chamado COPA E-COMMERCE by VTEX. O intuito é trazer soluções para empreendedores que trabalham ou querem trabalhar com e-commerce, oferecendo provedores de pagamento, consultoria, logística, performance, precificação e segurança.

“O COPA E-COMMERCE vai conectar o empreendedor ao comércio eletrônico. As pessoas terão acessos ao ecossistema de e-commerce de uma forma geral, explica Alexandre Guerra, responsável pela operação do COPA.

Já para Alessandro Gil, Chief Experience Officer (CXO) da VTEX, o conceito de co-working surgiu há alguns anos com a promessa de integrar empresas diferentes em um mesmo ambiente de negócios. “Na prática, elas só compartilham o espaço físico, mas continuam isoladas. Com esta iniciativa, criamos uma estrutura específica para o ecossistema de e-commerce, com o objetivo de reunir empresas que possuem sinergia, fomentando novos negócios”, conclui.

Localizado na Avenida Faria Lima, um dos principais distritos financeiros da cidade de São Paulo, o centro de referência possui mais de 1.000 m² e iniciará suas atividades em fevereiro de 2018. O local também contará com uma agenda permanente de conteúdo e formação, com diversas atividades de fomento na vertical de e-commerce.

“Para criar um ambiente fértil ao empreendedorismo, o COPA E-COMMERCE terá frequentemente oficinas e workshops sobre os mais diversos temas. Além disso, o local terá um grande espaço de convivência para incentivar o networking”, completa Guerra.

Tags, , , , , , , , , , ,

90% dos brasileiros escolhem a Flórida para empreender

Com a persistência da crise política e econômica, muitos brasileiros continuam buscando oportunidades no exterior. De acordo com dados do Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty), atualmente, mais de 1,3 milhão de brasileiros residem legalmente nos Estados Unidos. Um levantamento da Visa Franchise, consultoria americana especializada na abertura de negócios nos Estados Unidos, mapeou a preferência nacional ao ingressar em terras americanas. Para 90% dos empresários, a Flórida é o principal destino de quem deseja abrir seu próprio negócio. Outros 5% preferem a Califórnia e os demais 5% se espalham por diversas regiões do país.

“São três fatores que influenciam na preferência pela Flórida. O primeiro é que se trata de uma região com voos diretos para algumas cidades brasileiras; o segundo é o clima, similar ao do Brasil; e o terceiro é a presença de brasileiros na região, o que facilita a adaptação na terra estrangeira”, explica Jack Findaro, diretor financeiro da Visa Franchise.

As cidades mais requisitadas pelos empresários são Miami e Orlando, por serem regiões bem conhecidas e turísticas. Porém, também existe procura em demais municípios, como Tampa, Boca Raton e Fort Lauderdale. “O interessante é que esta regra apresenta exceções. Os gaúchos, normalmente, não gostam de Miami ou outras localidades da costa leste dos Estados Unidos. Preferem lugares onde podem vivenciar a cultura local, como Califórnia”, detalha o executivo.

Apesar de não estar entre as localidades preferidas pelos empresários, o Texas vem se mostrando uma tendência para perfis já conhecedores das terras americanas. “Estamos percebendo um movimento de pessoas para o Texas. Geralmente, quem já conhece o estado, sabe de seu potencial econômico e enxerga que há boas oportunidades de investimento. É um foco em retorno econômico, mais do que em qualidade de vida”, diz Findaro.

Investimentos X Retorno

Além da decisão sobre onde atuar, é necessário entender no que investir. Jack Findaro explica que a abertura de franquias está se tornando uma opção recorrente dos empresários brasileiros, por conta do convênio entre estabilidade e lucro.

Até o ano de 2016, o segmento de franquias movimentou, direta ou indiretamente, US$ 2,3 trilhões. “Trata-se de um mercado mais maduro e regulamentado do que o Brasil, porque existe um órgão fiscalizador, que obriga as empresas franqueadoras a divulgarem seus rendimentos, custos, entre outras informações essenciais para quem deseja empreender”, detalha Findaro.

As possibilidades são inúmeras, mas alguns segmentos se destacam nas preferências dos brasileiros: indústrias de beleza, de fitness, mercado de gestão de propriedade, indústria de sobremesas congeladas e indústrias de limpeza. Os investimentos iniciais variam entre US$ 80.000 e US$ 286.000, conforme a área selecionada.

O diretor financeiro explica que, além de decidir no que investir, é necessário entender que determinados segmentos exigirão conhecimentos específicos. “As franquias baseadas em serviços geralmente funcionam apenas para investidores com inglês avançado. Caso a pessoa não fale o idioma, ela deve ter um parceiro ou gerente que tenha esse conhecimento, e isso pode aumentar o investimento inicial”.

Para Findaro, as diversas segmentações em crescimento mostram que franquias são negócios benéficos a todos os lados envolvidos. “O franqueador encontrará nesta forma de negócio, um meio de crescer mais rápido. Já o franqueado tem a possibilidade de investir em um produto ou serviço em que terá processos definidos, fornecedores selecionados e suporte”

Tags, , , , , , ,

Ontário, no Canadá, fornece infraestrutura digital para desenvolver novas tecnologias

A província canadense de Ontário está investindo C$ 63 milhões no Next-Generation Network Program (Programa da Rede de Próxima Geração) em parceria com o Centro de Excelência em Redes de Próxima Geração – consórcio de líderes da indústria e universidades, incluindo Cisco, Huawei, Invest Ottawa, Nokia, TELUS e, ainda, os Centros de Excelência de Ontário.

O aporte criará infraestrutura de rede com a largura de banda necessária para apoiar o desenvolvimento de novos produtos em áreas emergentes como inteligência artificial, 5G e veículos autônomos.

“Este investimento apoia a infraestrutura crítica para a economia do futuro. Ele ajudará nossas empresas de tecnologia a desenvolver novos produtos, gerar empregos e competir globalmente, fortalecendo a posição de Ontário como um importante centro de tecnologia”, afirma Steven Del Duca, Ministro de Desenvolvimento Econômico e Crescimento de Ontário, durante o avento de anúncio da parceria ocorrido em Ottawa.

Com este projeto, uma rede de computadores de alta velocidade será construída para conectar dezoito Centros Regionais de Inovação de Ontário com a indústria e as universidades por meio da infraestrutura de nuvem, permitindo que todos compartilhem recursos e serviços de alto nível remotamente. Além disso, a iniciativa permitirá às pequenas e médias empresas, governos e instituições de ensino superior de toda a província desenvolver e testar softwares e serviços para acelerar a comercialização de novas tecnologias.

Tags, , , , , , ,

Montblanc Augmented Paper: comece no papel, continue em qualquer lugar

Comece no papel. Continue em qualquer lugar. Com o Augmented Paper, Montblanc combina o prazer de uma experiência de escrita em papel real com a eficiência do trabalho digital, que permite a organização e compartilhamento dos dados, de qualquer lugar. Ao integrar a escrita tradicional no fluxo de trabalho digital, as notas escritas e os esboços podem ser transferidos de forma transparente do papel para um dispositivo móvel com o simples apertar de um botão. A partir daí, o conteúdo pode ser editado, compartilhado com outros e traduzido em texto digital. Com o lançamento da Sartorial Core Colection e da Sartorial Capsule Colection, o Augmented Paper ganha novas cores para combinar com o estilo e a personalidade de seu dono.

As novas cores da coleção Sartorial Core trazem um toque de sofisticação e estilo para o local de trabalho. O elegante envelope de couro que contém o bloco de notas do Augmented Paper e o instrumento especial de escrita StarWalker são fabricados a partir do couro Sartorial em preto, índigo ou vermelho. Para os usuários criativos do Augmented Paper que gostam de expressar seu estilo, o “companheiro de escrita tudo-em-um” também está disponível em uma linha de cores novas e brilhantes. A coleção Sardorial Capsule vê a chegada de tons do arco-íris, incluindo Electric Blue, Light Blue, Pink and Lucky Orange. Mais do que uma solução inovadora de escrita e trabalho que reúne o melhor dos mundos analógico e digital, o Augmented Paper torna-se um objeto elegante que exibe o mais alto nível de artesanato nutrido no Montblanc Pelletteria em Florença.

A tecnologia inovadora oferece o melhor reconhecimento de escrita manual em 12 idiomas, incluindo português, inglês, alemão, russo, espanhol, italiano e chinês, de modo que as notas escritas à mão podem ser transferidas para um smartphone ou tablet e transformadas em texto digital para pesquisa, edição e compartilhamento. Além da produtividade melhorada que vem da digitalização de notas manuscritas, o Augmented Paper permite a organização fácil de cada documento. Milhares de notas podem ser marcadas e pesquisadas quando se usa o Hub Montblanc, um aplicativo que também possui uma função de anotações que pode ser usada independentemente do Augmented Paper e integra digitalmente a sensação de escrita de uma caneta Montblanc. Os arquivos podem ser transferidos e as notas editadas quando o Augmented Paper está conectado, e o aplicativo também pode ser usado para criar notas digitais quando ele não está conectado. Com o novo Live Mode, torna-se possível visualizar no aplicativo o que está sendo escrito ou esboçado no Augmented Paper, simultaneamente, ao esboçar ou escrever. Isso pode ser particularmente útil ao conectar o smartphone ou tablet a um beamer e desenhar ao vivo na frente de uma plateia em uma tela grande. Além disso, a função Ink Color oferece a possibilidade de digitalizar texto ou esboços em cores diferentes, independentemente da cor usada no papel.

O Augmented Paper une os mundos on-line e off-line com um produto simples e altamente funcional, que dá aos seus proprietários a liberdade de usar a criatividade com um instrumento de escrita e papel, ao invés de restringir a expressar pensamentos e ideias apenas com mouse e teclado. A independência é um dos principais benefícios do organizador, graças à longa duração da bateria, que permite até 8 horas de uso contínuo e até uma semana de uso regular no trabalho, sendo capaz de armazenar até 100 páginas em seu banco de dados interno. Ao contrário de um tablet ou laptop, que só pode ser acessado quando a bateria é carregada, a nota digital serve como um backup para o papel e vice-versa. Isto o torna um companheiro de viagem ideal, pois facilita o trabalho em espaços mais restritos, seja em um avião ou em um trem, sem os sons e distrações de notificações constantes.

Independência, desempenho e organização: através da adição de tecnologia, este companheiro de trabalho de alto desempenho oferece uma experiência de escrita única, ao mesmo tempo em que dá acesso a todas as suas notas e esboços, facilmente e convenientemente armazenados em um aplicativo móvel. O Montblanc Augmented Paper é composto de um envelope de couro em diferentes cores e texturas que inclui o digitalizador eletrônico, um instrumento de escrita StarWalker, um bloco de notas em papel, um cabo USB para carregar o dispositivo, 3 cargas para a esferográfica e pinças para troca dos refis.

Montblanc Augmented Paper Sartorial Core and Sartorial Capsule Collection estão disponíveis a partir de Janeiro 2018 nas Boutiques Montblanc do Brasil.

Guiada pelo espírito pioneiro desde 1906, Montblanc revolucionou a cultura da escrita com inovações surpreendentes. Hoje, a Maison continua a expandir os limites e evoluir a expressão de um bom artesanato em cada uma das suas categorias de produtos: o auge de instrumentos de escrita de luxo, relógios, artigos de couro, acessórios, perfumes e óculos. Em cada inovação, Montblanc oferece novas funcionalidades e design avançado imbuídos do patrimônio de sofisticação da Maison e criado nos mais altos padrões pelas habilidades de seus artesãos em cada uma das suas manufaturas – seja em Hamburgo, Alemanha, onde são feitos os seus instrumentos de escrita; em Le Locle e Villeret, no Jura Suíço, para os relógios, ou em Florença, Itália, onde são desenvolvidos os artigos de couro. Refletindo a sua missão atual de criar refinados companheiros da vida nascidos a partir de ideias pioneiras, o icônico emblema Montblanc tornou-se o selo final de desempenho, inovação, qualidade e expressão de estilo. Com suas origens profundamente enraizadas na cultura da escrita, Montblanc continua a afirmar o seu compromisso cultural em todo o mundo, com a criação de iniciativas de amplo alcance para promover as artes ea cultura em muitas formas, ao mesmo tempo em que rende tributo aos modernos patronos que apoiam o avanço das artes nos dias atuais.

Tags, , , , ,

Os desafios da transformação digital no setor financeiro

Por Gabriel Lobitsky, Diretor de Vendas da Infor para Sul da América Latina

Computação em nuvem, automação de processos robotizados, inteligência artificial e aprendizagem de máquina. Uma nova classe de disruptores digitais está transformando a área de finanças e deixando os CFOs mais conectados do que nunca. Com isso, aumenta a quantidade de desafios, pois é preciso encontrar novas formas de participar, se conectar a líderes empresariais, gerar resultados de receita e gerenciar riscos. No entanto, mesmo com tantas tecnologias disponíveis, estamos bem longe de ver os robôs governando Wall Street e CFOs tradicionais serem substituídos pela máquina.

Mas o que boa parte dos analistas concorda é que a tecnologia desempenhará um papel fundamental no aumento da velocidade e na eficiência das tarefas relacionadas às finanças, facilitando o acesso a informações para tomada de decisão. E, embora estejam em alerta, reimaginando seus papeis frente às disrupções digitais, os CFOs começam a enxergar a tecnologia como uma aliada, principalmente nesse período de aumento do volume de dados.

Mudança fundamental

De fato, as disrupções digitais têm dado às finanças uma oportunidade única para melhorar a produtividade e a qualidade em todo o negócio. Uma pesquisa da consultoria EY com 769 CFOs e líderes de finanças de 32 países mostrou que 69% dos entrevistados acreditam que o papel do líder de finanças está passando por uma mudança, e as tarefas tradicionais são automatizadas ou gerenciados em centros de serviços compartilhados.

No entanto, para usufruir de todo o potencial da transformação digital, as organizações financeiras devem seguir o caminho da crescente demanda por locais de trabalho digitais, implantações flexíveis em nuvem e colaboração entre áreas e departamentos. Uma estratégia digital em negrito deve permitir que os profissionais de finanças compartilhem informações, tomem decisões conectadas e baseadas em dados.

Os CFOs, hoje, já reconhecem a urgência e a importância de aceitar a transformação digital. A maioria dos profissionais sabe que, a menos que a adoção da tecnologia esteja aliada à estratégia dos negócios, as equipes tradicionais ainda têm dificuldades de enxergar o real valor das mudanças. Mas, não há segredo: a tecnologia ajudará os profissionais de finanças a se aprofundar em uma quantidade, cada vez maior, de dados criados para encontrar tendências latentes, fornecendo aos CFOs e seus parceiros de negócios insights acionáveis ligados às informações e riscos críticos.

A conexão é a chave. As equipes de finanças podem trabalhar em parceria com a de vendas e definir modelos que funcionem. Assim, é possível oferecer ao cliente final uma experiência real. Eles também devem aproveitar a colaboração e ferramentas de integração de sistemas para tornar o processo em tempo real mais preditivo.

Plano para uma organização financeira mais inteligente

O avanço da tecnologia disruptiva acontece quando as empresas estão voltadas para o futuro, com o objetivo de projetar um modelo operacional que equipe pessoas para a nova economia digital. E os analistas concordam: será necessário melhorar parceria e habilidades para alinhar os esforços financeiros com o negócio, já que o objetivo de uma organização é tornar mais ágil e inovadora, para se adaptar ao aumento das demandas dos clientes da era digital. É fundamental, portanto, que as finanças e a área de negócios se comuniquem para otimizar processos e desenvolver estratégias que criem valor para toda a cadeia – o negócio, os clientes e os clientes dos clientes.

A curiosidade intelectual e a capacidade de fazer perguntas comerciais e operacionais adequadas serão os atributos fundamentais de um grande parceiro comercial de finanças. O resultado dessa mudança de paradigma nas operações financeiras é que o investimento digital impulsionará aumentos significativos na satisfação do cliente.

A mudança da transformação digital é tão rápida, que enfrentar a volatilidade e a incerteza será o novo ‘normal’ para os CFOs, e não há dúvida de que a tecnologia – envolvendo as pessoas adequadas para aproveitar seus benefícios – desempenhará um papel fundamental na transformação da função de gestor de finanças nos próximos anos.

Tags, , , , , , ,

A importância da gestão financeira para a sustentabilidade dos negócios

Por Dennis Herszkowicz

Em tempos de retração econômica, a máxima de que empresas de todos os tamanhos devem olhar para suas finanças com toda atenção soa mais verdadeira do que nunca. A organização das finanças empresariais, incluindo gestão financeira, o planejamento tributário e o controle de fluxo de caixa, são processos que devem ser encarados não apenas como essenciais para que o negócio traga rentabilidade, mas fundamentais para que o empreendimento seja sustentável. E a diferença entre trazer lucro e ser sustentável é abissal: um negócio pode ser rentável no curto prazo, mas, sem reinvestimentos e uma boa estratégia de crescimento, sua existência no futuro pode estar comprometida.

De maneira geral, uma boa gestão financeira deve garantir os três pontos de sustentação de qualquer empresa: rentabilidade, geração de caixa e sustentabilidade. Garantindo rentabilidade, o que é definido pela obtenção de lucro maior que o investimento, o negócio vai gerar caixa e a possibilidade da distribuição desse lucro além do empreendedor, também para os investidores do negócio. Esses dois primeiros pontos, somados a uma profissionalização da gestão, levam à sustentabilidade do negócio, ou, em outras palavras, a garantia de que a empresa irá prosperar. Quem decide onde a empresa vai alocar seus recursos é um profissional que tem muita responsabilidade sobre o sucesso de empreendimentos de todos os tamanhos: o gestor. É por meio de suas análises e, principalmente, da sua estratégia, que ele garante a sobrevivência do negócio e, mais que isso, propicia que o negócio seja reconhecido como sustentável e ainda mais valorizado.

Acredito que, cada vez mais, a sobrevivência de negócios de todos os setores só será possível pelo caminho da formalização. Uma gestão financeira cuidadosa e uma governança do negócio geram, sim, um valor. Não no curto prazo, visto apenas nas tabelas de controles orçamentários, mas sim um valor traduzido pela perenidade da companhia, reconhecido por investidores e que tem o poder de colocar o negócio à frente da concorrência.

Dennis Herszkowicz é vice-presidente da Linx

Tags, , , , , ,

Via Varejo investe em atendimento ao cliente por WhatsApp

A Via Varejo, empresa que administra as marcas Casas Bahia e Pontofrio, torna-se, no Brasil, a primeira grande varejista a utilizar a solução empresarial do WhatsApp como canal de atendimento ao cliente. Além desse novo meio de contato, o relacionamento já acontece por meio de chat, telefone, mídias sociais, e-mail, SMS e presencialmente nas mais de 960 lojas das duas bandeiras. O novo serviço estará oficialmente no ar a partir de janeiro de 2018.

Neste primeiro momento, o projeto se encontra em fase piloto com 170 mil mensagens encaminhadas para clientes pré-selecionados pela companhia, que estão recebendo informações sobre liberação de produtos para retirada em uma das lojas físicas da Via Varejo (para aqueles que compraram no e-commerce pela modalidade “Retira Rápido”), prazo para aprovação de pedidos, confirmação de garantia estendida e seguros complementares adquiridos, entre outros assuntos que estão sendo incorporados, como montagem de móveis, por exemplo.

A versão final, que está em fase de desenvolvimento para ser lançada no início deste ano, passará também a responder os clientes por texto, foto ou vídeo, utilizando inteligência artificial, além de equipe dedicada ao canal. O propósito desse novo serviço é trazer maior agilidade às tratativas das demandas de consumidores, bem como aumentar o portfólio de meios de atendimento para que sejam utilizados conforme a conveniência de cada um.

“Os aplicativos para troca de mensagens são os principais meios de comunicação utilizados pelas pessoas no dia a dia e, como uma empresa que busca estar disponível e acessível em todos os canais de relacionamento possíveis, não poderíamos deixar de seguir essa tendência e fornecer uma nova opção de contato que agregasse ainda mais valor para os clientes. Estamos otimistas com a avaliação positiva nesta fase prévia do projeto e acreditamos que estabeleceremos um novo patamar de experiência quando o canal for amplamente disponibilizado”, afirma Patrícia Cansi, diretora de Serviços ao Cliente da Via Varejo.

Tags, , , , , , , ,

Ex-sócio do Goldman Sachs assume presidência do conselho do Hotel Urbano

O Hotel Urbano, empresa de tecnologia líder nacional no segmento de turismo, anuncia André Laport, ex-sócio do banco de investimento norte-americano Goldman Sachs como novo Presidente do Conselho de Administração do Grupo HU (Holding do Grupo Hotel Urbano).

Andre é ex-diretor do Latin American Equities na Goldman Sachs. Foi membro do Conselho da Goldman Sachs no Brasil e do Brazil Management Committee, Growth Market Committee, Brazil Risk Committee e do Latin American Trading em Nova York. Em 2008, iniciou na Goldman Sachs como diretor-executivo e logo tornou-se sócio em 2010. Em 2007, Andre recebeu um diploma de Liderança pela Harvard Business School.

Líder nacional no mercado online de hospedagem, a startup vive seu melhor momento. Apesar do cenário macroeconômico desafiador, o Hotel Urbano registrou o melhor primeiro semestre da sua história em 2017, superou o faturamento de 2016 em menos de oito meses e apurou lucro no período, algo extremamente raro entre as empresas pontocom brasileiras.

O Hotel Urbano possui uma base de 18 milhões de viajantes, bem como a maior página de turismo do Facebook no mundo, com mais de 12 milhões de fãs. O Hotel Urbano é também a única agência de viagens vencedora por três anos do Prêmio “Melhores Empresas para Trabalhar GPTW – Varejo”, promovido pelo instituto Great Place To Work.

Referência em relacionamento com o consumidor, o Hotel Urbano é tricampeão pelo melhor atendimento no Prêmio Época / ReclameAQUI, bem como bicampeão no Ranking Exame / IBRC e no Prêmio Consumidor Moderno.

Tags, , , , , , , ,

5 setores nos quais IoT deve crescer em 2018 no Brasil

Fotos Editadas. Escritório.

Por Werter Padilha

Início de ano é época de identificar tendências, setores com maiores perspectivas de crescimento e de investimentos, seja por parte de empresas, governos e consumidores. Para essas análises, contamos com informações fornecidas por diferentes e conceituadas consultorias. Segundo dados da IDC, o gasto mundial com Internet das Coisas (IoT) deverá chegar a US$ 772,5 bilhões em 2018, um aumento de 14,6% em relação aos US$ 674 bilhões gastos até o fim de 2017.

As taxas de crescimento continuarão altas nos próximos anos, pois as tecnologias de IoT podem ser exploradas em incontáveis setores e, em princípio, não existem fronteiras para elas – da casa inteligente à indústria 4.0. Entretanto, é preciso analisar também a dinâmica desses mercados para identificar quais desses setores estão mais maduros para adoção de IoT em larga escala, dispostos a investir nessa transformação digital e a explorar os dados produzidos pelos dispositivos – um caminho em direção ao futuro que precisa ter início e continuidade.

IoT demanda análise, planejamento, estratégia, investimento e retorno sobre os recursos aportados, pois não basta conectar dispositivos ou pessoas por meio de uma rede, seja pública ou privada. O fluxo contínuo de informações gerado pelos dispositivos e tecnologias de IoT deve auxiliar as pessoas, organizações e governos a alcançarem seus objetivos, seja a redução de desperdícios e de custos operacionais, o aumento das vendas, oferta de novas experiências ao cliente, mais qualidade de vida, mais eficiência na gestão, a melhora na competitividade ou qualquer outro objetivo específico.

Tendo em vista essa necessidade de analisar a maturidade dos setores e as tendências, relaciono abaixo 5 setores nos quais a adoção de IoT deverá crescer em 2018 no Brasil, explorando o potencial das novas tecnologias, a evolução das plataformas de IoT, a ampliação de cloud, o uso crescente dos softwares de analytics e business intelligence e as boas perspectivas abertas pela divulgação do Plano Nacional de IoT e de outros projetos e políticas já em andamento no país. São eles:

1. Indústria de hardware e software para IoT

De acordo com o IDC, o hardware vai atrair um volume significativo de investimentos, considerando a necessidade de construção da infraestrutura de IoT, com a aquisição e instalação de sensores, beacons, tags de RFID, gateways e soluções, entre outros equipamentos e programas, que proporcionam inteligência, identificação e rastreabilidade às coisas. São os investimentos para criação da infraestrutura capaz de gerar e suportar o tráfego de dados, conforme a base instalada de dispositivos conectados se expande exponencialmente.

2. Indústria – manufaturas em geral e de base

Na modernização dos processos na manufatura, a IoT é parte fundamental na evolução da automação industrial para o conceito de Indústria 4.0 e o Brasil está em busca de recuperar o atraso e a perda de competitividade internacional. A conectividade passa a contribuir para a criação de processos de produção mais flexíveis e traz impactos que vão muito além da redução das falhas no chão de fábrica. A escolha da indústria como uma das verticais prioritárias do Plano Nacional de IoT, o programa da FIESP e ABDI em andamento, chamado “Rumo à Indústria 4.0”, entre outras iniciativas para difusão de conhecimento sobre tecnologias digitais que devem ser incorporadas à produção, indicam que trata-se de um tema prioritário e estratégico para o Brasil, como já acontece na Alemanha, China e Coreia do Sul.

3. Agronegócio

Pesquisa realizada por uma empresa global de serviços e soluções de tecnologia da informação e comunicação, aponta que o agronegócio é um dos setores mais avançados no Brasil na adoção de IoT, ou seja, já está sintonizado com o uso de tecnologias para melhorar a eficiência tanto da produção, quanto de transporte, logística e armazenamento. O agronegócio é um dos setores nacionais mais competitivos internacionalmente e para manter esta posição, os empresários e o governo estão dispostos a ampliar os investimentos na adoção de novas tecnologias para gestão de frota, para coleta de dados dos equipamentos agrícolas, monitoramento de dados de clima e solo, entre outras informações, para fazer com que o país avance no ranking de produção mundial de alimentos.

4. Saúde e gestão hospitalar

Saúde é outro setor priorizado pelo Plano Nacional de IoT e que tem iniciativas em andamento em consultórios médicos, centros de diagnóstico e hospitais públicos e privados. Hoje em dia, as tecnologias digitais na saúde têm contribuído tanto para o diagnóstico e tratamento de pacientes quanto na administração hospitalar e gestão de ativos. Uma das apostas é a telemedicina, conceito que envolve o armazenamento e monitoramento remoto de sinais vitais de pacientes por meios de dispositivos. Podemos considerar ainda a popularização dos wearables (como relógios, pulseiras e tênis), que monitoram a frequência cardíaca, tempo de sono e outros sinais vitais.

5. Mobilidade urbana e trânsito

Dentro das diferentes áreas trabalhadas pelo conceito de Cidades Inteligentes, a IoT pode ser vista como chave para a melhoria do trânsito e da mobilidade urbana nas médias e grandes cidades, ajudando a mensurar o tamanho do problema, quantificar o número de automóveis em uma rua, propor rotas e priorizar investimentos. O Brasil já tem um Projeto do MCTIC, que pretende integrar sistemas de monitoramento ao Plano Nacional de IoT, que visa criar soluções em áreas como mobilidade urbana, segurança e transporte de cargas. Vários estados da federação estão investindo em semáforos inteligentes e transporte público conectado.

Acreditamos que empresas, governo, instituições de pesquisa e consumidores vão se manter mobilizados na adoção e disseminação do uso de equipamentos conectados à internet, pois a sinergia permitirá a criação de um ambiente no Brasil capaz de alavancar o investimento em IoT nos 5 setores citados – indústria de hardware e software, agronegócio, saúde, indústria e mobilidade urbana – e em outras áreas atrativas, como varejo e logística.

Werter Padilha, CEO da Taggen Soluções de IoT, coordenador do Comitê de IoT da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software, e membro do comitê do Plano Nacional de Internet das Coisas, projeto desenvolvido pelo BNDES e o Ministério das Ciências, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC).

Tags, , , , , , , , , , , , , ,