Page

Tag Valor Agregado

everis tem nova diretoria de Talent Transformation para Américas

A everis , consultoria multinacional de negócios e TI do Grupo NTT Data, acaba de criar a área de Talent Transformation e contratou como diretora Leylah Halima Macluf, uma executiva com ampla experiência no mercado de consultoria e nas áreas de Pessoas e Recursos Humanos. Seu desafio é trazer a perspectiva humana para a transformação tecnológica e contribuir com o desenvolvimento e engajamento das pessoas durante os desafios de transformação digital nos projetos desenvolvidos pela everis na região das Américas.

“Nós percebemos que no mercado há necessidade de ter operação dedicada a ouvir, entender, auxiliar, desenvolver e incentivar as pessoas envolvidas ou impactadas pela transformação digital, para que compreendam a importância desta evolução corporativa e possam contribuir ainda mais para a inovação e o crescimento dos negócios dos empresas”, explica Raphael Saueia Bueno, sócio responsável pela área de Digital Strategy da everis Brasil.

Bueno acrescentou ainda que Leylah representa uma nova era no Change Transformation ao apoiar os projetos que envolvem as soluções Salesforce, SAP, ServiceNow e próprias, como o chatbot Eva, entre outras, em todos os países em que a everis atua na região – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru. “É uma posição estratégica que nos ajudará a gerir a implementação das mudanças, nos aproximando das áreas de RH, sejam clientes finais ou parceiros nos projetos, a fim de aperfeiçoar e incentivar a colaboração de funcionários e terceiros envolvidos na operação, o que tende a aumentar a produtividade e reduzir significativamente a rotatividade”, detalha o sócio da everis.

Outra missão da nova diretora será aproximar a everis de startups de RH (RHTechs), cujas soluções sejam interessantes para adoção pelos clientes ou utilização para aprimorar as relações com a network da consultoria, que agora inclui profissionais e terceiros que trabalham remotamente.

Leylah tem mais de 15 anos de experiência em Recursos Humanos, área na qual ocupou cargos executivos, além de ter prestado serviços de consultoria para empresas de diversos setores, como manufatura, finanças, utilidades e público no Brasil, Canadá e EUA. É especialista em gestão de talentos, transformação cultural, programas desenvolvimento e treinamento, bem como de apoio a iniciativas de mudança e comunicação.

Anteriormente, a executiva foi gerente de Talentos e Cultura Organizacional da Coca Cola Femsa, coach executiva da Bbold, head de desenvolvimento organizacional da Archer Daniels Midland para a América do Sul, e gerente sênior de Desenvolvimento Organizacional do McDonalds, e gerente sênior de Capital Humano da Deloitte. “Penso que podemos contribuir de forma efetiva para que nossos projetos considerem o impacto humano que terão as novas tecnologias implementadas. Isso porque assim poderemos gerir eventuais gaps, minimizar riscos e conscientizar e engajar os talentos na transformação, destacando os benefícios das mudanças para o dia a dia profissional e para o incremento dos negócios”, afirma Leylah.

A nova diretora é graduada em Administração pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e coach executiva certificada pelo Ecossocial e coach de Pontos Fortes Gallup. Tem pós-graduação em Psicologia Positiva pela PUC do Rio Grande do Sul, MBA em Planejamento Estratégico e em Aplicações Tecnológicas pela Fundação Getúlio Vargas.

Tags, , , ,

Camila Farani e Thiago Nigro participam de debate promovido pela Bayer sobre rentabilidade

A quarta edição do Impulso Bayer Talks – evento online que integra o programa de relacionamento da Bayer, o Impulso Bayer, sobre negócios e transformação digital – que será realizada em 21 de outubro, trará um debate sobre a conquista da rentabilidade nos negócios com a empresária e participante do programa Shark Tank Brasil , Camila Farani e com o sócio-proprietário do site ” O Primo Rico’ Thiago Nigro . O evento é aberto, 100% online e será transmitido às 18h (horário de Brasília) pelo canal Agro Bayer, no YouTube.

Além dos dois convidados, a Bayer também contará com um time de mulheres especialistas para trazer novos olhares sobre como preparar, medir e impulsionar o sucesso dos investimentos feitos na atividade rural. No painel de debate estarão presentes a engenheira agrônoma da Sementes Vitória , Patrícia Dias; a líder de Rural Bank Brasil do Rabobank, Pollyana Saraiva ; a CEO e cofundadora do Bart Digital, Mariana Bonora ; e a head de operações financeiras agrícolas da Bayer na América Latina, Bianca Paiva .

Os bate-papos serão abertos a perguntas dos espectadores e serão moderados pelo jornalista e economista Dony De Nuccio .

Com foco em tecnologia, sustentabilidade e transformação digital, o encontro faz parte das experiências do Impulso Bayer, programa de relacionamento da companhia com o produtor.

Como participar?

Para assistir à palestra e ao painel, basta se inscrever gratuitamente pelo site do Impulso Bayer Talks . O evento será transmitido pelo canal Agro Bayer no YouTube . As discussões começam às 18h e terão a duração de 1h30.

Tags, , ,

LGPD: conheça ferramentas tecnológicas para cumprir a lei

Por Celso Breve, Head de LGPD, Assessment e Business Central na 4Results

Você já deve ter ouvido muito que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) veio e veio para ficar.Você também já deve ter ouvido muito que ela vai impactar nos seus negócios.

As perguntas, agora, seriam:

– Como realmente a LGPD vai impactar meus negócios?

– Minha empresa está realmente preparada para atender aos requisitos da LGPD?

A Gestão da Tecnologia da Informação pode ser estruturado por 3 pilares:

– as pessoas,

– os processos,

– a tecnologia.

As pessoas da sua empresa precisam estar treinadas para este novo ambiente e entender a responsabilidade delas ao trabalhar com as informações dos titulares (é assim que a LGPD chama os donos das informações que lidamos dentro das empresas).

Até foi criado o papel do DPO (Data Protection Officer), que precisará estar no organograma da empresa com responsabilidade bem definida. Os processos precisarão ser redesenhados para atender às exigências da LGPD e, mais uma vez, as pessoas precisam ser envolvidas para saber como utilizar os novos processos.

E a tecnologia? Qual sua empresa utilizará para atender a LGPD?

Hoje, as pessoas podem trabalhar em casa, na cidade, no campo, em outro país e, às vezes, até mesmo na empresa. Podem estar utilizando computadores, laptops, celulares. E podem estar trafegando dados dos titulares em arquivos, Word e Excel, por exemplo.

Podem enviar essas informações por e-mail e chat. Ou até salvar na nuvem. São dados não estruturados trafegando por vários meios. E a responsabilidade por vazamento desses dados é da empresa

No ciclo para governança de dados e proteção da informação, é preciso detectar, classificar, proteger, monitorar. E rodar este ciclo continuamente. É o PDCA da governança de dados.Como sua empresa poderia controlar essas informações?

A Microsoft desenvolveu várias ferramentas para ajudar nessa missão. Através da assinatura do Microsoft 365, você terá muito mais que o Office com que você já está acostumado. Você terá, também, muitas ferramentas de controle dos dados não estruturados que circulam pela empresa.

O Cloud App Security, o Advanced Data Governance e o Azure Information Protection são 3 ferramentas que estão à disposição para descobrir os dados sensíveis em dados não estruturados. Eles detectam, rastreiam e classificam as informações, de acordo com a política definida pela empresa, através dos chats, e-mails e documentos.E como eles fazem isto?É feita a entrada na ferramenta do que são considerados dados sensíveis para a empresa (CNPJ, por exemplo).

São definidas quais ações os usuários podem tomar para cada tipo de classificação que o documento recebeu e se essas informações serão criptografadas.

Através dessas ferramentas, é feita a classificação.Com o Microsoft Intune é confirmado que os acessos estão sendo feitos realmente pela pessoa que está se identificando, pela máquina e pelo aplicativo homologados pela empresa, estejam esses dados trafegando na estrutura local da empresa, na nuvem ou em dispositivos móveis.

Todos os dados sensíveis que forem trafegados o Microsoft Intune vai detectar, rastrear, classificar e criptografar.Com o Azure Active Directory e o Portal Office 365, sua empresa restringe o acesso aos dados apenas para as pessoas que realmente deveriam ter acesso a eles.

Além do padrão usuário e senha para identificação, você tem disponível “Multifactor autentication” que analisa o hardware que está sendo utilizado para o acesso, o IP (endereço da internet) que está acessando, além da localização. Tudo é integrado, tanto na nuvem como on premise (na empresa).

O acompanhamento dos dados trafegados podem emitir avisos de ações suspeitas ou restringir o acesso, além de ter os facilitadores de senha, que podem ajudar a deixar mais amigável a identificação no ambiente, utilizando biometria, pin ou o Windows hello.Você também tem disponível o Portal Microsoft Compliance Manager que, através do Compliance Score, ajuda a mostrar o quanto seus esforços, através da tecnologia, estão atendendo às exigências da LGPD.

Um dos princípios da LGPD garante livre acesso, ao titular, das informações que a empresa detém sobre ele. Como atender a este princípio com dados não estruturados? Através da ferramenta eDiscovery.

Com ela, o DPO coloca as credenciais para a busca e o sistema faz essa busca em todas as ferramentas Microsoft (Exchange, Sharepoint, OneDrive, Teams, Grupos, Pastas Públicas) e gera um relatório em que o DPO pode se basear para definir a ação a ser tomada.

A essas e outras ferramentas você tem acesso através da assinatura do Microsoft 365. Como foi dito acima, é muito mais que o Office. É o Office com todas as ferramentas de segurança que você precisa na sua empresa.

https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1733541573477924&id=135526123279485

Tags, , , ,

Ciberataques: 4 etapas para criar um programa de Segurança da Informação

Por Carlos Araujo Jr.


Não há dúvidas que a pandemia do Coronavírus afetou e continuará impactando a maneira como vivemos e trabalhamos. As empresas foram obrigadas a se adaptar e, com isso, uma quantidade significativa de operações adotaram o home office sem estarem 100% preparadas para esse cenário. No entanto, aquelas que já tinham implementado uma governança do Programa de Segurança da Informação certamente absorveram melhor os impactos causados durante as adaptações forçadas pelo cenário da pandemia.

Nos primeiros meses, muitas orientações foram disponibilizadas a fim de ajudar as empresas que não estavam preparadas a tomarem ações mínimas de segurança nesse cenário de trabalho à distância. Porém, a implementação isolada desses controles disponibilizados não significa que as operações estejam seguras. Afinal, maturidade em Segurança da Informação não se cria do dia para a noite.

Os controles ajudam na mitigação de possíveis riscos, mas essas e outras medidas foram tomadas para “apagar o fogo”, ou seja, resolver alguns problemas específicos que, antes da pandemia, nunca haviam sido priorizados ou até identificados pelas empresas. Isso porque, os desafios da cibersegurança não são novos, eles apenas recebem suas roupagens de acordo com a ocasião. Neste caso, o Coronavírus trouxe um cenário de urgência para as empresas que ainda não enxergavam a Segurança da Informação como uma área crítica. Porém, as ameaças de segurança já existiam há anos.

Então, como as organizações poderiam estar melhor preparadas para esse cenário sem precedentes? Antes de tudo, é necessário avaliar seus processos e ativos a fim de identificar os investimentos e os controles que precisam ser priorizados para que a área de Segurança passe do comportamento reativo ao proativo. Para atingir esse objetivo, há a importância de estruturar o Programa de Segurança, que pode ser dividido em quatro grandes etapas, são elas: planejamento e organização; implementação; operação e manutenção; e monitoramento e avaliação.

Na etapa de planejamento e organização é importante o comprometimento dos líderes da empresa com o tema. Neste sentido, é possível dizer que o cenário pandêmico foi um impulsionador, mas além do Coronavírus, quais os outros grandes motivadores, internos e externos, da Segurança da Informação? Um exemplo que também está em pauta é a vigência da Lei Geral de Proteção de Dados. Além disso, nesta etapa, é importante a definição do perfil de ameaça, bem como a realização de uma avaliação de riscos de segurança a fim de identificar seus gargalos e suas ameaças.

Para a etapa de implementação, algumas atividades essenciais são o desenvolvimento de políticas, normas e procedimentos que suportem o tema de segurança na empresa e, com base na avaliação de riscos, o desenvolvimento e a implementação de blueprints necessários para atender suas necessidades.

Na próxima etapa, de operação e de manutenção, é importante que auditorias internas e externas sejam realizadas visando garantir que os requisitos, as linhas de base e os controles de segurança estejam, de fato, implementadas de maneira efetiva. Por fim, o monitoramento e a avaliação envolve o acompanhamento e a revisão de métricas e de indicadores, além de propostas de melhorias para o próximo ciclo do programa.

Ou seja, não existe uma “receita de bolo” que garanta segurança. Cada empresa deve cumprir suas etapas para entender como a área de Segurança da Informação pode se tornar uma parceira estratégica do negócio. Lembrando que, nenhuma organização estava totalmente preparada para a pandemia do Coronavírus, mas aquelas que já possuíam um programa implementado conseguiram se beneficiar da resiliência e da adaptabilidade que ele proporciona.

Carlos Araujo Jr. é gerente de Cyber Security na ICTS Protiviti

Tags, , , ,

HostGator Insights reúne especialistas para ensinar empreendedores a crescer na internet

A digitalização dos negócios é uma tendência, acelerada em 2020 em empresas de todos os portes. Muitos empreendedores já perceberam que a presença online é fundamental para continuar vendendo e prosperando, mas como crescer na internet? Para responder essa pergunta, a HostGator – multinacional de hospedagem de sites – promove o evento HostGator Insights, um dia inteiro de imersão no universo dos negócios e das vendas online.

O evento – gratuito e realizado totalmente online – reunirá palestrantes nacionais e internacionais, de algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo, no dia 4 de novembro. São profissionais de referência no mercado que compartilharão tendências e insights poderosos para aplicar no site e gerar resultados reais. Entre eles estão nomes como  Matt Brandstein (gerente de contas) e Valerie Nilsson (consultora internacional de crescimento) do Google; Luciano Santos, diretor de vendas do Facebook Brasil; Erich Casagrande,  gestor de marketing da SEMrush; João da Matta, gestor de relacionamento do LinkedIn Latin America; Bruno de Oliveira, CEO do Ecommerce na Prática; além de Robledo Ribeiro, fundador e CEO da HostGator América Latina.

“É uma oportunidade para empreendedores conhecerem alternativas para se diferenciar dos concorrentes e aprenderem as melhores táticas para se posicionar no Google, como usar o marketing de influência em uma estratégia de vendas, como gerar tráfego orgânico e pago para o site de forma prática e como vender com o auxílio das redes sociais”, diz Ricardo Melo, gerente de marketing da HostGator.

Desde o início da pandemia de coronavírus, a HostGator tem se empenhado em ajudar pequenos empresas a posicionarem seus negócios no mundo digital. Em março, lançou o Collabplay, plataforma de cursos online sobre tecnologia, negócios, marketing digital e design, direcionados a quem quer usar a internet nos seus projetos de empreendedorismo. Voltado tanto para pessoas com vivência na área quanto para quem não tem experiência, o Collabplay já contabiliza mais de 130 mil pessoas inscritas nos treinamentos. “O HostGator Insights é mais um passo que damos para orientar empreendedores e empreendedoras de maneira que consigam crescer por meio da internet”, diz Melo.

As inscrições para o HostGator Insights já estão abertas, e incluem um programa de indicação: os participantes que indicarem o evento a outra pessoa que também se inscrever ganhará um prêmio, assim como o indicado. Para quem quer ter informações adicionais antes da data, um canal foi disponibilizado no Telegram, onde também acontecerão sorteios de brindes. O evento oferecerá certificado de participação e o conteúdo das palestras ficará disponível online ao final, mas só quem estiver conectado ao vivo no HostGator Insights receberá benefícios exclusivos.

HostGator Insights, evento que reunirá especialistas para ensinar empreendedores a crescer na internet

Quando: 04/11/2020

Onde: Online

Quanto: Gratuito

Inscrições: https://insights.hostgator.com.br/

Tags,

Abstartups divulga TOP 3 do Startup Awards 2020

Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema, anuncia os TOP 3 finalistas do Startup Awards 2020, premiação que tem como objetivo reconhecer os profissionais e empresas mais influentes do setor. Com o patrocínio da Amazon Web Services (AWS), os vencedores serão divulgados durante o CASE Startup Summit 2020, maior evento online e gratuito da América Latina de empreendedorismo e inovação, no dia 23 de outubro.

Ao todo, foram selecionados destaques nas 15 categorias: Investidor anjo, Profissionais de imprensa, Iniciativa de educação, Universidade, Hub de inovação, Venture capital, Impacto social, Corporate, Mentor/Mentora, Herói/Heroína, Startup revelação, Startup do ano, Aceleradora, Comunidade revelação e Comunidade do ano.

Para mais informações, acesse www.startupawards.com.br

Tags, , ,

Um chamado tecnológico para transformar a cadeia alimentar

Por Joaquim Campos, vice-presidente de Cloud & Cognitive Software da IBM Brasil

Hoje, 16 de outubro, comemoramos o dia mundial da alimentação. A data surgiu para lembrar a criação da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), em 1945, com o intuito de alcançar a segurança alimentar de todos e garantir que as pessoas tenham acesso regular a alimentos de alta qualidade suficientes para uma vida saudável.

De acordo com FAO, a América Latina é uma das maiores exportadoras de alimentos do mundo, o que torna a indústria de alimentos um setor chave para o crescimento da região (1). Atualmente, a indústria passa por um momento de transformação, devido à globalização e digitalização de processos e serviços; algo que foi ainda mais intensificado pelo COVID-19. E é aí que tecnologias de ponta, como Cloud, AI e Blockchain, podem ajudar a percorrer esse caminho, fortalecendo as cadeias alimentares do início ao fim e abordando 3 desafios principais derivados dessa transformação: 1. Sustentabilidade; 2. Eficiência e 3. Novas formas de consumo.

1. Sustentabilidade: Ter uma cadeia agrícola e alimentar sustentável implica o uso racional de recursos como solo, água e suprimentos, para melhorar a qualidade ambiental e a vida dos produtores e da sociedade. Isso nos leva a examinar três pilares fundamentais para a sustentabilidade da indústria de alimentos: mudança climática, escassez de recursos e perda de alimentos.

Por exemplo, o setor agrícola, e principalmente a agricultura irrigada, utiliza a maior parte da água, com 70% da retirada (2). Diante disso, tecnologias como a inteligência artificial estão transformando a indústria, auxiliando na avaliação do solo, no planejamento da irrigação e no controle químico, tornando o uso dos recursos mais eficiente e reduzindo o impacto ambiental.

2. Eficiência: A indústria de alimentos é um setor que possui muitos atores que fazem parte do ecossistema, com processos associados que se multiplicam à medida que a rede se expande. O desafio seria otimizar esses processos levando em consideração três fatores principais: bom planejamento da demanda para uma população em crescimento, segurança alimentar e impacto econômico.

Por exemplo, estima-se que 30 a 40% das safras são perdidas a cada ano por vários motivos, incluindo: doenças da safra, não otimização da produção e estimativa insuficiente do abastecimento (3). Tudo isso, com o consequente impacto econômico. O uso da nuvem e suas APIs podem ajudar as organizações a planejar melhor sua produção, otimizar o uso de recursos e dimensionar soluções de forma ágil e rápida, reduzindo os custos associados.

3. Novas formas de consumo: as tendências de consumo para as próximas décadas exigirão maior flexibilidade para se adaptar aos usuários, e ainda mais, na ‘nova realidade’, com usuários hiperconectados; com um aumento das compras ‘ecofriendly’; e as novas modalidades de compra derivadas do impacto do COVID-19, entre outras.

9 em cada 10 millennials latino-americanos têm em mente o impacto ambiental em pelo menos alguma das suas decisões de compra (4). A tecnologia blockchain pode ajudar às empresas e organizações a digitalizar e aumentar os níveis de confiança em todo o ecossistema. Isso é alcançado por meio da transparência em tempo real das transações; mostrando o percurso que a comida faz do campo à mesa e dá visibilidade das informações sobre as práticas de sustentabilidade das marcas.

Várias empresas na América Latina já estão usando as tecnologias disruptivas da IBM para acelerar sua reinvenção e transformar a cadeia alimentar da fazenda à mesa, para estar mais preparada para o que o amanhã trará.

(1) http://www.fao.org/3/a-i4738s.pdf
(2) http://www.bancomundial.org/es/topic/water-in-agriculture
(3) http://www.fao.org/news/story/es/item/469315/icode/
(4) http://dev-latinspots-com.sa-east-1.elasticbeanstalk.com/sp/noticia/mercado-libre-lanza-su-seccin-exclusiva-de-productos-sustentables/51746

Tags, , ,

Governo de São Paulo anuncia o lançamento da 2ª edição do IdeiaGov

O IdeiaGov, Hub de Inovação do Governo, que em sua primeira edição lançou quatro editais e contou com mais de 170 inscrições de soluções tecnológicas para a luta contra a COVID-19, anuncia a sua segunda edição. O lançamento será realizado virtualmente na próxima segunda-feira, 19 de outubro, às 16h.

Durante o evento, será apresentado a Jornada Digital do Paciente, que representa mais um passo do Governo do Estado na revolução digital na área da saúde. O principal objetivo é desenvolver uma experiência mais humanizada e centrada nas necessidades do paciente da área de Diagnóstico por Imagem do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP)

Rodrigo Garcia, Vice-Governador e Secretário do Estado de São Paulo, Patricia Ellen, Secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Jean Carlo Gorinchteyn, Secretário de Estado da Saúde, Lia Porto Corona, Procuradora Geral do Estado, e o Prof. Dr. Giovanni Guido Cerri, Presidente do braço de Inovação e Tecnologia do Hospital das Clínicas – InovaHC, estarão presentes no evento.

O evento acontece online e será transmitido pelas redes sociais do Governo de São Paulo, podendo ser acessado por este link:

Lançamento da 2ª edição do IdeiaGov

Data: 19/10/2020

Horário: 16h

Link de acesso: http://www.youtube.com/user/governosp / http://www.facebook.com/governosp

Tags, , ,

O futuro dos escritórios de advocacia depende da inovação e tecnologia

O terceiro e último dia da Fenalaw 4.0 Xperience – Transformando o Setor Jurídico através do Digital, maior plataforma de conteúdo e de negócios do setor da América Latina, nesta quinta-feira, 15, começou abordando a presença cada vez mais consistente da tecnologia no cenário legal, com a palestra “Mindset e a introdução da inovação nos escritórios de advocacia”. A apresentação foi feita por Shruti Ajitsaria, líder da Fuse, espaço de inovação tecnológica da Allen & Overy, e Eliot Benzecrit, co-fundador da Avvoka, uma ferramenta de automação, negociação e análise de contratos de última geração.

Shruti afirmou que a tendência já é uma realidade: “Se continuaremos a trabalhar manualmente, não conseguiremos evoluir em termos de eficiência e produtividade. A inovação nos permite ganhar competitividade frente a concorrência, aumenta a consistência do trabalho, da interação da equipe e obviamente evita erros e imprecisões”. A filosofia da Fuse é identificar empresas jurídicas, regtech e dealtech relevantes para advogados A&O e seus clientes e encontrar maneiras de começar a trabalhar juntas. “Acreditamos que a interação é a melhor estratégia para a implementação de soluções tecnológicas”, completa.

Benzecrit colaborou, argumentando que entre as tendências identificáveis no setor está a preocupação de agregar valor aos negócios, criando plataformas seguras, com ferramentas de tecnologias que criem agilidade para os usuários e mudanças em larga escala nas empresas, em termos em termos dos programas de compliance. “Com a ferramenta Avvoka, identificamos que a interação com o escritório de advocacia é importante, pois nos dá acesso a dinâmica das empresas, como funcionam e o que precisam, permitindo o desenvolvimento de soluções customizadas e desenvolvimento de projetos a quatro mãos”, disse.

Na visão dele, advogados costumam a ser perfeccionistas, mas a tendência, do ponto de vista de desenvolvedores de tecnologia, é garantir que o fluxo do trabalho seja mantido, com foco não só na perfeição mas também na produtividade. “Isso pode ser garantido com o uso massivo das aplicações tecnológicas, promovendo sempre a segurança da informação e suporte ininterrupto”.

O Avvoka é usado por escritórios de advocacia globais como Allen & Overy e Baker McKenzie e equipes jurídicas internas em organizações que incluem Warner Media, McDonald’s e Carlsberg. Antes de fundar a Avvoka, Eliot foi advogado de fusões e aquisições na Slaughter and May, em Londres, Inglaterra.

Pandemia exige atenção nos níveis pessoal e profissional

“Gestão de Pessoas – Pandemia e Exaustão: como reverter o esgotamento” foi um dos painéis deste último dia. No encontro, Alessandra Sanches, diretora Administrativa e Financeira da Cescon, Barrieu, Flesch & Barreto Advogados, Angelica Nassour Sampaio, diretora de RH do Hospital São Camilo, Renata Sadakane Maiorino Arcon, diretora de Desenvolvimento Humano da Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados, e Simone Salomão, diretora da Área de Consultoria da TOTVS juriITis, compartilharam experiências sofre os efeitos da crise no cotidiano dos profissionais.

“Foi o momento mais difícil que enfrentamos em 20 anos de escritório. Tínhamos que manter o atendimento e, ao mesmo tempo, cuidar dos nossos funcionários. Implantamos ações como webinars com equipes e escritório, guia da Retomada, mensagens diárias do managing, dicas de organização para home office, entre outras. Isso deu impulso para continuar o atendimento ao cliente, as reuniões de governança e tentar manter a rotina, mesmo que diferente”, diz Alessandra Sanches.

Renata Sadakane Maiorino Arcon ressalta que a pandemia provocou a revisão de algumas questões: “Tivemos que se conectar vias ferramentas digitais, criar rotinas com a equipe e ressignificar o escritório. Usamos da criatividade e da informação, que é a nossa maior aliada no relacionamento interno e com clientes. Nosso programa de saúde mental lançado há um ano, o Mind, foi vital neste processo. O home office provoca exaustão, a sensação de que estamos trabalhando mais e precisamos acolher os profissionais”.

Diretora da Área de Consultoria da TOTVS juriITis, Simone Salomão, reforça a necessidade da atenção nos níveis profissional e pessoas. “O impacto foi completamente diverso nas pessoas. Não adianta querer que o profissional volte a trabalhar se ele está acompanhando os filhos em aula em casa. Tivemos que exercitar a flexibilidade”, frisa.

Angelica Nassour Sampaio, diretora de RH do Hospital São Camilo, relata a experiência vivenciada na instituição: “Um grupo de medicina ocupacional apontou que a equipe de linha de frente estava exausta. Fizemos uma ação de voluntariado para acolher estes profissionais. Foi um trabalho muito bonito para ajudar as pessoas que cuidam de outras a manterem o equilíbrio. É preciso de muita inteligência emocional nesta hora”.

Painéis abordam regulação da inteligência artificial, ética e compliance

O painel “Regulação de IA e Ética” abordou o cenário dos impactos do uso de inteligência artificial no cotidiano. “O que é transparência e a quem vai caber o exame das decisões e critérios podem ser considerados lícitos ou ilícitos na utilização destes recursos? O que fica claro é que precisamos amadurecer algumas decisões. Um algoritmo pode decidir a alocação de recursos públicos. Se não sabemos como foi o procedimento, como podemos solicitar uma reversão, caso seja ilícito?”, exemplifica Alexandre Pacheco Silva, professor da FGV – Faculdade Getúlio Vargas.

Fernanda Campagnucci, diretora Executiva da Open Knowledge Brasil, chama a atenção para o uso dos dados: “No caso do poder público, a aplicação da IA merece um debate maior. É um campo da democracia que exige atenção e discussão. Júlia Maranhão sugere, por exemplo, mecanismos de certificação e selos de confiabilidade. “É preciso fomentar a criação de entidades de autorregulação, para determinar objetivos a serem alcançados de interesse público, criar o material de base na qual as questões específicas setoriais sejam tratadas”.

Compliance Outro painel foi “Compliance em tempos de grandes desafios econômicos”, que reuniu Chantal Pillet, diretora de Compliance do Carrefour, Roberta Codignoto, sócia da Pró Integridade, Gustavo Biagioli, chief Compliance Officer & Legal Director da Demarest Advogados, Alexandre Albuquerque de Almeida, head of Legal and Compliance da Catho, e Clauber Souza, Citrosuco, gerente geral Jurídico, Riscos, Compliance e Sustentabilidade da Citrosuco.

“A crise trouxe o fortalecimento da gestão de riscos. As empresas que já fomentam uma cultura neste sentido tinham já no segundo dia de pandemia uma resposta. Foi importante para fortalecer esta visão e consciência”, aponta Roberta Codignoto. Chantal Pillet completa: “Haverá uma grande disrupção no compliance, o que vai gerar uma grande discussão sobre cadeia de valor. Todo este cenário está apresentando oportunidades para que isso aconteça.

Informatização integral é o grande desafio do Direito no país

Implantar um sistema de informatização que permita o andamento de um processo judicial de ponta a ponta é um dos grandes desafios do Direito no País. Esta é uma das conclusões do painel “A Importância da Tecnologia para uma boa Gestão de Política de Acordos”, realizado no terceiro e último dia da Fenalaw 4.0 Xperience – Transformando o Setor Jurídico através do Digital. Participaram do debate, Alex Barreto, diretor Jurídico e regulatório do banQi, Elzeane Rocha, coordenadora de Contencioso Cível, Regulatório e Ambiental na Rumo, Paulo Sérgio Ferraz de Camargo, sócio Advogado da Ferraz de Camargo Advogados, e Yve Carpi de Souza, head do Jurídico Comercial, Energia e Contencioso da Raizen.

“A informatização dos acordos e dos processos judiciais como um todo estão evoluindo, mas ainda são necessárias as ações presenciais. O desafio a ser superado é como aplicar a tecnologia na execução de processos, do ponto de vista de como os dados serão geridos e analisados”, aponta Paulo Sérgio Ferraz de Camargo, abordando a questão no âmbito global da justiça no país.

Nas empresas, continua avançando. “Nosso objetivo é utilizar tecnologia em todo o contencioso. É, no entanto, um processo contínuo, pois o futuro vai se reinventando a cada momento. Queremos entregar eficiência em custo e boa performance nas atividades com inteligência jurídica e a tecnologia ajuda a reduzir os litígios, sempre com a preocupação de apresentar as regras de forma clara para os consumidores”, afirma Yve Carpi de Souza.

Alex Barreto cita um exemplo: “No banQi, criamos um projeto onde reservamos período na agenda para ouvir as reclamações dos clientes, entender qual é a dor dele e isso ajuda a melhorar a experiência do aplicativo, verificando se há algum risco com a proteção de dados do cliente, por exemplo”.

Painel discute judicialização em tempos de crise

Judicialização em Tempos de Crise foi um dos painéis da tarde deste último dia de Fenalaw 4.0 Xperience – Transformando o Setor Jurídico através do Digital. O debate reuniu Ana Nery, sócia da Nery Advogados, Humberto Chiesi Filho, diretor jurídico do Mercado Livre, e Thiago Rodovalho, professor da PUC Campinas para abordar como setor jurídico está buscando soluções para soluções alternativas para resolução de questões judiciais.

Ana Nery citou o exemplo do setor securitário: “Foi um segmento onde foi possível chegar a soluções sem judicialização, durante a crise provocada pelo novo coronavírus (Covid-19). “Pandemias são casos excludentes de seguro. No entanto, as empresas seguradoras aderiram a um movimento de não promover a exclusão no período. Isso é um exemplo de autorregulação do mercado, que deu fôlego para as empresas no momento difícil. As coberturas e assistências foram mantidas”.

Painel discute os direitos humanos e a tecnologia

Paula Lippi, professora e especialista em Compliance do IBMEC, e Marina Feferbaum, professora e coordenadora do Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da FGV – Faculdade Getúlio Vargas, debateram, na tarde deste último dia de Fenalaw 4.0 Xperience, o tema Direitos Humanos e Tecnologia. Elas apresentaram o conceito de Human Rights by design, que abrange o processo de inclusão das normas nas fases de concepção, pesquisa, desenho, teste e manufatura de inovações tecnológicas, buscando a conformidade com os direitos humanos na produção e uso da tecnologia.

“A tecnologia não é neutra”, destaca Marina Feferbaum. “O ambiente online traz uma nova camada de existência que provoca problemas e desafios que antes não existiam. A internet é cada vez mais presente e nossos dados permanecem nas redes. É necessário discutir os danos que a utilização desses dados podem provocar”, destaca.

Paula Lippi completa: “Também é fundamental discutir como os dados são inseridos e organizados na internet. Quando se busca a palavra CEO no Google aparece geralmente um homem branco engravatado. O algoritmo pode reforçar e até amplificar preconceitos e olhares enviesados”.

Tags, ,

Venda de imóveis de alto padrão cresce durante pandemia

Foto: Ronan Rufino

De acordo com o balanço da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) divulgado no início de outubro, a venda de imóveis de médio e alto padrão teve alta nos últimos meses. Os dados mostram que o total de unidades vendidas nesse segmento, em julho de 2020, foi 34,8% maior do que no mesmo mês em 2019. Quando considerado somente o resultado líquido, sem os distratos, o aumento foi de 43,2%.

O levantamento também aponta que os lançamentos de imóveis registraram alta de 38,2% em julho. Em Curitiba (PR), o Grupo A.Yoshii lançou recentemente o Talent, um edifício de alto padrão, que já está com 64% das unidades vendidas. O gerente de unidade da construtora em Curitiba, Erick Takada, conta que a segurança em todo o processo de venda 100% online e estudos de comportamento do consumidor fizeram com que os clientes se sentissem valorizados e confiantes na hora de investir. “Além da alta qualidade de nossos produtos, investimos fortemente nas soluções tecnológicas e digitais e estamos colhendo os frutos”, celebra.

Outra estratégia de sucesso foi a campanha de lançamento do empreendimento, que contou com a participação de grandes destaques da cidade – referências em áreas como moda, comportamento, bem-estar, gastronomia e beleza.

Compradora de uma unidade do Talent, Lidiane Dalaqua de Paula explica que, “mesmo com a pandemia e dificuldades no cenário econômico, consegui realizar um dos meus maiores sonhos. No processo de vendas e visita ao showroom, me deparei com um trabalho que envolve excelência e me identifiquei com o empreendimento e com a marca. Realmente, fiquei muito impressionada com a construtora e a qualidade em todos os processos”, comenta. 

O quinto empreendimento da construtora em Curitiba, tem 19 andares e está localizado em uma das áreas mais valorizadas da cidade, o bairro Água Verde. As unidades possuem 146 ou 157m² privativos e varanda, um diferencial que vem ajudando a alavancar as vendas, conforme pesquisa recente da Imovelweb. Outra tendência que está presente no Talent são os ambientes integrados e amplos.

“Muitas famílias buscam estabelecer residência no bairro Água Verde, por sua localização estratégica e facilidade de acesso a outros bairros. O edifício chega para suprir essa busca e apresenta, junto a um design contemporâneo, pontos muito desejados, como a sacada ampla com churrasqueira”, reforça o gerente.

O empreendimento, que fica ao lado do Clube Curitibano, oferece ainda estrutura completa de lazer, com espaço fitness, espaço família, brinquedoteca, playground, mini quadra esportiva e salão de festas. 

Tags, , ,

Saiba o que os brasileiros mais têm buscado na internet em 2020

O que as pessoas mais pesquisaram no Google em 2020? Esses estudos são aqueles que adoramos e nos deixam super curiosos e, por isso, a SEMrush , líder global em marketing digital, analisou mais de 20 bilhões de palavras-chaves e organizou uma lista para saciar essa curiosidade. O relatório traz dados do Brasil e globais (para buscas em inglês), no período de Janeiro a Agosto de 2020.

Em um ano repleto de novidades e situações, podemos observar que algumas novas palavras-chaves chegaram com força total. Dentre os 100 assuntos mais pesquisadas no Google em 2020, o estudo aponta que o brasileiro segue ligado nas principais plataformas digitais e serviços de e-commerce. Também houve um grande volume para “coronavírus” – termo que foi pesquisado mais de 60 milhões de vezes por mês em 2020 (6,1 milhões de vezes no Brasil). Além, é claro, de um grande volume de buscas sobre futebol. Veja no link as 100 principais pesquisas em 2020 no Brasil.

Considerando o top 10, o Brasil teve um comportamento muito parecido com os usuários que buscam em inglês no Google. Entre as 10 pesquisas com maior volume, oito termos são iguais à versão de busca em português, como: Facebook, Youtube, clima ou previsão do tempo (weather), Hotmail, Google, tradutor (translate), Google tradutor (google translate). A diferença fica por conta do “Whatsapp web” e “Mercado Livre” – presentes no Brasil, enquanto nos dados globais aparecem “Amazon” e “Instagram”.

Dentre os marketplaces que se destacaram no volume de buscas está o Mercado Livre, com média mensal de 37.2 milhões, a OLX com 11.1 milhões e as Americanas, Casas Bahia e Magazine Luiza com 9.14 milhões cada. Já dentre os veículos de comunicação, aparecem na lista, O Globo e UOL, com 30.4 milhões cada, G1 com 16.6 milhões e Globo Esporte com 11.1 milhões. Falando de plataformas de vídeo e streaming, o Youtube apurou um volume de 68 milhões, Netflix com 13.6 milhões e Globo Play com 4.09 milhões. Outros termos de destaque no top 50 são Correios com 9.14 milhões, volume possivelmente conquistado pelo aumento de compras online, Mega Sena com 9.14 milhões, Brasileirão com 7.48 milhões e speed test com 2.74 milhões, possivelmente por conta das pessoas estarem trabalhando de casa e precisarem checar a velocidade da internet.

E, quais foram as perguntas mais frequentes no Brasil?

Se considerarmos as perguntas mais frequentes feitas no Google por brasileiros em 2020, podemos com certeza dizer que os tópicos de receitas são o destaque: “como fazer panqueca” foi a 6ª pergunta mais feita, com volume 165 mil, enquanto “brigadeiro e pipoca doce” apuraram 110 mil buscas. Bolinho de chuva, molho branco e pudim vêm logo em seguida com média de 91 mil buscas cada. Mais algumas perguntas interessantes:

• Como saber meu número? – 310 mil
• O que significa TBT? – 246 mil
• Quem saiu do BBB? – 135 mil
• O que é fascismo? – 74 mil
• O que é pandemia? – 74 mil

Principais palavras-chave tendência em 2020

A próxima etapa foi explorar como os acontecimentos de 2020 mudaram as principais áreas de interesse do público em geral. Em nível global, destaca-se o “Dalgona coffee”, uma bebida preparada com café instantâneo, açúcar, água e leite, que parece ser preparada por uma cafeteria profissional. A receita se tornou rapidamente um hit do Instagram, e é a palavra-chave de maior tendência no mundo todo.

No Brasil, os 10 termos com maior crescimento de buscas no Google em 2020 estão diretamente ligados ao Covid-19 e à pandemia, incluindo auxílio emergencial e o boom das Lives dos artistas. Veja os termos de maior destaque:

• Covid 19
• Live de hoje
• Auxílio emergencial
• Live Jorge e Mateus
• A realidade de Madhu
• Caixa auxílio
• Fique em casa
• Live do Gusttavo Lima
• FGTS emergencial• Benefício emergencial
Novos termos pesquisados em 2020 – Mundo e Brasil

Ao se aprofundar nas tendências de pesquisa de 2020, vários novos termos populares sem registros de pesquisas online anteriores foram descobertos. A lista principal foi classificada pelo volume de pesquisa das palavras-chave que surgiram em 2020.

Essas palavras-chave marcam novas ocasiões importantes, muitas das quais viralizaram. Analisando as buscas globais em inglês, “Tangled” (“Enrolados” em Português), da Disney, lançado em 2010, de repente voltou a ser popular pois o nome do reino em que se passa a história se chama “Corona”. Outra história tendência: Jamal Murray, jogador de basquete profissional, que marcou 50 pontos em um jogo dos playoffs da NBA e se tornou um dos poucos a marcar 50 pontos duas vezes em uma temporada de playoffs ao lado de grandes estrelas do basquete, como Michael Jordan e Allen Iverson. Já em fevereiro, a tragédia de Gabriel Fernandez virou tema de conversa após a série documental da Netflix contar sua história.

As pesquisas de memes da quarentena para animar os amigos, familiares e colegas, aumentaram durante os tempos de incerteza, assim como a consulta por “achatar a curva”, que também teve muita atenção neste ano.

No Brasil, as pesquisas ligadas ao ano de 2020 obviamente também ganharam espaço, mas o destaque fica por conta os resultados dos desfiles de escola de samba e para o BBB e seus participantes. Outra curiosidade, foi o termo “gafanhotos” no Brasil – relacionada à nuvem desses insetos que apareceu no Sul do país.

Olga Andrienko, Diretora de Marketing Global da SEMrush, aponta que há muitas dúvidas sobre a validade dos questionários de pesquisa, pois, ao respondê-los, as pessoas preferem causar uma boa impressão em vez de contar a verdade. “O único lugar em que as pessoas são mais precisas possível é no Google ou quando pesquisam. Esse é o único lugar em que as pessoas não mentem e são honestas quando pesquisam. E é por isso que as empresas precisam entender, aceitar e dar atenção ao que as pessoas pesquisam”, finaliza a especialista.

Tags, , ,

Estudo da Visa revela salto de inovação na América Latina e no Caribe

A Visa publicou a segunda edição de seu estudo sobre inovação, Innovation Rising in Latin America: Lessons from Innovative Leaders Across the Region , relatório que detalha os progressos, os indicadores, as tendências e os padrões das empresas mais inovadoras da América Latina e do Caribe. Lançado 16 meses após o primeiro relatório da Visa sobre inovação, State of Innovation, publicado em março de 2019, o novo estudo revela um aumento de 24% no número de empresas nas fases Avançada e Madura/Inovadora Nata e que a pandemia de Covid-19 ajudou a impulsionar a tendência na região.

O Brasil despontou como líder absoluto, reunindo 43% das empresas mais inovadoras. Porém, a região tem outros fortes exemplos, incluindo mercados menores como Costa Rica e Uruguai. O estudo foi conduzido pela Americas Market Intelligence (AMI) e rastreou e avaliou mais de 100 empresas em mercados da América Latina e Caribe com base em cinco pilares de inovação: Apoio Interno à Inovação, Colaboração Externa, Execução, Uso de Tecnologia, e Impacto e Escala.

“Na Visa, estamos cientes da relação entre a experiência do consumidor e a inovação na América Latina e no Caribe”, disse Vanesa Meyer, head de Inovação e Design da Visa América Latina. “Nossos estudos com as empresas mais inovadoras deixam evidente que estamos entrando em uma nova era, onde os limites entre as empresas ficam indistintos: para avançarem, as empresas precisam ser mais do que instituições – elas precisam ser plataformas. Pagamentos totalmente integrados, instantâneos e interoperáveis estão se tornando realidade na região e o comércio acontece em todo e qualquer lugar”.

O estudo Innovation Rising in Latin America revela que, independentemente de seu porte, setor de atuação ou do fato de sua operação ser digital ou física, os pioneiros têm três características em comum:

1) Espírito inovador e um desejo sincero de melhorar a vida dos consumidores. As empresas mais inovadoras lançam produtos que melhoram a vida dos consumidores; querem criar valor agregado e ser as primeiras a resolver as dores dos seus clientes. Além de terem grandes ideias, sabem transformá-las em produtos e funcionalidades viáveis rapidamente.

• Sessenta por cento (60%) das pesquisadas têm uma equipe exclusiva de inovação, e 89% das grandes inovadoras integram a inovação no modelo de negócio da organização

• No grupo das grandes inovadoras, mais de 70% das equipes usam metodologia ágil para aprimorar e desenvolver produtos e serviços em menos tempo

• As grandes inovadoras lançaram 39% mais provas de conceito no mercado, o que dá uma média de 17 novos produtos por ano

2) Amplo uso de APIs e tecnologias avançadas. As grandes inovadoras usam praticamente o dobro de APIs que as outras empresas da amostra; além disso, usam biometria, tokenização, inteligência artificial (IA), aprendizado automático e Internet das Coisas (IoT) de forma inteligente para viabilizar experiências comerciais invisíveis e sem fricção.

• As grandes inovadoras têm uma média de 89 APIs externas ou abertas (o triplo da amostra total); as instituições financeiras foi o grupo que mais aumentou o uso de APIs – 182% desde o primeiro estudo.

• Setenta e sete por cento das empresas mais inovadoras usam biometria; 44% mais empresas estão usando IA desde o estudo anterior

3) As grandes inovadoras estão mais dispostas a se associar a fintechs e startups para evoluir seus produtos e serviços. As grandes inovadoras fazem parcerias para ter acesso a expertise e capacidades externas à sua área de domínio.

• As grandes inovadoras fizeram 50% mais parcerias do que seus pares no estudo; as 30 mais inovadoras têm uma média de 16 parcerias

 Cinquenta por centro das grandes inovadoras investiram em startups, contra 38% da amostra total; 40% tinham programas de incubação/aceleração, contra 28% da amostra total; 90% formaram parcerias comerciais com startups, contra 75% da amostra total.

Movidas por estruturas de trabalho ágeis, sistemas internos baseados em nuvem e a mentalidade de perguntar ‘como podemos ajudar?’ ao invés de ‘como iremos sobreviver?’, os insights revelaram que as empresas inovadoras se mobilizaram rapidamente para ajudar seus clientes. “No geral, empresas onde a digitalização e a inovação nos pagamentos já estavam adiantadas se mostraram mais aptas a reagir com rapidez e efetividade às necessidades do consumidor durante a Covid-19”, complementou Meyer.

Covid-19 motivou a inovação no comércio da região

Um estudo à parte da Visa confirma o papel da Covid-19, que pode ter sido o mais poderoso motivador da digitalização na América Latina e no Caribe. Três grandes tendências emergiram no novo estudo; a segunda onda do Latin America Covid-19 Consumer Sentiment Report, publicado pela Visa em julho:

1) As finanças pessoais estão apertadas, mas os consumidores priorizam experiências e relacionamentos. Metade dos consumidores diz que suas finanças foram prejudicadas durante a pandemia, o que os fez reavaliar o valor das coisas e perceber o quanto saúde, experiências e relacionamentos são importantes. Os consumidores estão priorizando a compra de itens de necessidade básica: equipamentos de proteção (58%), serviços de streaming (55%), produtos de limpeza doméstica (49%), produtos de higiene/beleza/cuidados pessoais (41%), e itens de mercearia (37%).

2) Os consumidores esperam e estão substituindo o dinheiro por outros métodos de pagamento. A pandemia acelerou a adoção de soluções de pagamento alternativas ao dinheiro – quase 70% dos consumidores estão usando menos dinheiro do que antes. Cinquenta e quatro por cento dos pesquisados afirmam ter usado cartões durante a pandemia e que pretendem continuar a fazê-lo com a mesma intensidade no futuro. O e-commerce se tornou um dos únicos canais de acesso a muitos produtos e serviços. A Visa relatou que, no Brasil, o número de credenciais de e-commerce ativas aumentou 11%, enquanto os gastos por credencial ativa aumentaram 12%. Em mercados onde o e-commerce não é tão desenvolvido, como Argentina, houve uma mudança impressionante na adoção e o número de cartões ativos no e-commerce cresceu mais de 100%. Além disso, alguns emissores inovadores começaram a oferecer serviços bancários via WhatsApp, aumentando o registro de contas on-line e as transações com cartões virtuais, o que demonstra a disposição do consumidor em adotar a digitalização.

3) Compras via mídia social. A pandemia também fez surgir muitas formas inovadoras de comprar e pagar por meio de plataformas de mídia social. Oitenta e dois por cento dos consumidores conheceram formas inovadoras de comprar produtos e serviços e mais de 80% afirmam que gostariam de usar o WhatsApp como método alternativo de pagamento. Um estabelecimento comercial inovador habilitou uma funcionalidade de vendas no WhatsApp para sua força de trabalho remota, elevando substancialmente as vendas do canal e-commerce.

“A grande prioridade das empresas inovadoras é oferecer mais valor ao cliente. Ao mesmo tempo, elas estão reconhecendo e capitalizando as oportunidades e demandas não atendidas que a pandemia despertou na região”, concluiu Meyer.

Tags, ,

Gartner: 69% dos Conselhos de Administração aceleraram iniciativas digitais por do coronavírus

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, estima que 69% dos Conselhos de Administração aceleraram suas iniciativas de negócios digitais em função dos impactos causados pela disseminação de COVID-19. De acordo com os analistas do Gartner, quase metade dos boards anteciparam a mudança do modelo de negócios de suas organizações como resultado da pandemia.

A pesquisa Gartner Board of Directors 2021 foi realizada de forma totalmente on-line, de maio a junho de 2020, com 265 membros de Conselhos de Administração de companhias internacionais. O estudo teve como objetivo compreender como os boards estão vendo a evolução dos modelos de negócios em suas empresas para uma nova era de negócios digitais, assim como avaliar qual tem sido o papel dos diretores de TI e de outros executivos líderes diante contexto da crise de COVID-19.

“Os boards desempenham um papel importante em ajudar a equipe de liderança executiva a pensar além dos riscos de curto prazo e associados a pandemia”, diz Partha Iyengar, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “A transformação digital impulsionada pela tecnologia pode e deve ser um grande facilitador para ajudar as empresas a saírem ainda mais fortes da crise, revisando de maneira ampla suas abordagens em relação a clientes, colabora dores e cadeia de suprimentos”.

A pandemia de COVID-19 está forçando mudanças nos orçamentos das empresas – A maioria dos boards (67%) espera por aumentos no investimento em tecnologia como resultado direto da pandemia, ao mesmo tempo que áreas como marketing e RH devem sofrer cortes orçamentários no curto prazo. Os entrevistados pela pesquisa projetam um aumento de quase 7% em seus orçamentos de TI para 2020. “A principal demanda dos conselhos administrativos durante a crise do COVID-19 é aprovar investimentos prospectivos, mesmo diante de potenciais quedas nas taxas de receita e lucros”, afirma Iyengar.

Segundo o analista, a expectativa é que as ferramentas de análise de dados e de Inteligência Artificial (IA) ganhem força como tecnologias que permitam a revolução dos negócios a partir dos eventos gerados pela pandemia, à medida que as empresas se apoiam nelas para conduzir a uma melhor tomada de decisões no novo ambiente de trabalho remoto primeiro.

Iniciativas de tecnologia digital no topo da lista de prioridades de negócios dos Conselhos de Administração – Impulsionadas pela crise aberta com a pandemia de COVID-19, as iniciativas de tecnologia digital servirão como a principal prioridade estratégica de negócios para os boards administrativos nos próximos dois anos, seguidas pelo avanço das iniciativas de envolvimento das companhias com os clientes e  de gerenciamento da força de trabalho remota.

A pesquisa indica que 86% dos entrevistados consideram a tecnologia como tendo um papel transformador na abordagem de prioridades estratégicas dos negócios, motivo pelo qual a maioria das organizações deve criar a função de “Diretor Digital” para responder ao COVID-19 a longo prazo.

“Os Conselhos de Administração devem adotar abordagens inovadoras para seus modelos de governança, aproveitando tecnologias e experiência em TI para acomodar os impactos que a pandemia está causando em suas agendas de transformação digital”, acrescenta o analista.

Boards identificam o diretor de TI como parceiro – Quase todos os entrevistados esperam que os líderes da operação colaborem uns com os outros durante a crise de COVID-19. Mais da metade acredita que os Chief Information Officers (CIOs) atuam como parceiros de líderes de negócios seniores, enquanto mais de um terço procura o CIO para liderar sozinho os problemas de negócios digitais. A renovação de longo prazo é uma área de foco importante para o Conselho, com 28% dos entrevistados se concentrando na fase “Renovar” da retomada. A gestão executiva está menos focada na renovação (18%) e mais focada na fase “Responder”, com pouco menos da metade relatando ser sua área de foco principal.

“Os CIOs e o restante da equipe de executivos devem se envolver com os Conselhos na criação de uma estratégia de longo prazo para renascimento – e até mesmo sobrevivência da companhias- após a crise”, diz Iyengar.

Tags, ,

É fundamental ler contratos, termos de uso e políticas de privacidade

A cada aplicativo baixado ou site que se navega, as pessoas aceitam, expressa ou tacitamente, os termos de uso e as políticas de privacidade impostos pela plataforma. Mas acessam tantas páginas e manuseiam tantos aplicativos que ler todos os termos é impraticável e aceitam ser ler.

Esta realidade foi constatada em uma pesquisa realizada pela Deloitte em 2017, na qual 91% dos usuários dizem concordar com os termos de uso das plataformas que utilizam, sem nunca sequer terem lido, e quando se trata de pessoas jovens (entre 18 e 34 anos de idade) esse percentual chega a 97%.

Acontece que os Termos de Uso e as Políticas de Privacidade são dois contratos distintos, mas em sua maioria são encontrados no mesmo documento, como se fossem um só. Ou seja, ambos são contratos de adesão e bilaterais. “Isso significa dizer que existem obrigações para ambas as partes, mas que apenas uma delas elabora as cláusulas, enquanto a outra simplesmente adere ou não às condições já preestabelecidas” explica Tuffy Nader, advogado do escritório de direto empresarial e digital FASS.

A principal função deste documento é descrever detalhadamente sobre o que se trata o produto ou serviço ofertado, e em torno disso, estabelecer quais são as responsabilidades da plataforma, do usuário, e quais as garantias que ela confere para que você tenha os seus direitos assegurados. “A elaboração deste documento objetiva prevenir eventuais conflitos que possam emergir da relação usuário-plataforma”, diz Nader.

Por esta razão, os Termos e Condições de Uso de qualquer plataforma podem conter diversas cláusulas, mas existem seis delas que não podem faltar:

1. O objeto do contrato, ou seja, a descrição do que é o produto ou serviço que o usuário está consumindo.

2. As condições gerais de uso, isto é, como a plataforma deve ser utilizada e com o que o usuário está concordando ao utilizá-la.

3. O pagamento, se houver – em caso de não haver, o ideal é que a gratuidade da utilização esteja expressa.

4. A política de privacidade de dados (quando não for estipulada em outro documento), no qual deve constar como os seus dados são coletados e de que forma são utilizados – sejam dados cadastrais do usuário, de cookies ou de navegação, e ainda mecanismos para exclusão das informações pessoais do usuário, caso ele solicite (lembrando que a LGPD já está em vigor).

5. Responsabilidade (“Disclaimer”), no qual deixa claro para o usuário quais situações são de sua responsabilidade, e quais são da plataforma, a fim de evitar que ela seja responsabilizada por eventos que aconteçam dentro do seu domínio, e que, todavia, não tenha dado causa. Um exemplo clássico dessa cláusula é a imputação da responsabilidade ao usuário pelo conteúdo compartilhado por ele (comentários ofensivos, compartilhamento de imagens ou informação sem autorização das partes envolvidas, discurso de ódio, etc.).

6. Alteração Contratual, visto que, à medida que novas versões são lançadas e podem conter novas funcionalidades e, em razão disso, novas relações jurídicas podem emergir, ainda que a plataforma só tenha de informar o usuário que houve a mudança, e que se ele quiser continuar utilizando a mesma terá de aceitá-las.

“É claro que existe uma infinidade de situações que merecem ser melhor trabalhadas no caso a caso, até porque os modelos de negócios variam muito e todos os dias diversas inovações surgem no mercado. Mas para quem pensa em desenvolver um negócio online, seja ele qual for, é imprescindível que consulte um advogado especializado para a construção desses documentos, tendo em vista que somente a partir deles é que sua empresa poderá operar de forma segura em conformidade com a lei.”, alerta o advogado.

Porém, o usuário também precisa ficar alerta, porque sempre que assina um documento sem ler, pode estar abrindo mão de direitos e liberando a utilização de dados sem aviso prévio, podendo ter consequências desagradáveis ou eventuais contratempos por esta decisão de não ler o que assina. “Caso não leia, o usuário pode estar concordando em expor a sua imagem, seus dados pessoais e até prestando consentindo para que terceiros usem suas informações, sejam elas quais forem. Ou seja, é fundamental ler tudo que assina, pois trata-se da atribuição de direitos e obrigações, dos quais é preciso estar ciente”, conclui Nader.

Tags, , , , ,

Eve, primeiro spin-off da EmbraerX, é lançada para conceber o futuro da Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility Solutions, Inc. (Eve) foi lançada hoje como uma empresa nova e independente dedicada a desenvolver o ecossistema da Mobilidade Aérea Urbana (UAM). A Eve está desenvolvendo um portfólio completo de soluções para preparar o mercado de UAM e, em última análise, beneficiar a vida das pessoas, incluindo o desenvolvimento e certificação do veículo elétrico de decolagem e pouso vertical (eVTOL) da empresa, uma abrangente rede de suporte e serviços associados e a criação de soluções de gestão de tráfego aéreo urbano. André Stein, responsável pela estratégia da EmbraerX, foi nomeado CEO da Eve.


A Eve se beneficiará de maior foco, velocidade e agilidade, permitindo que a empresa inove e execute em um ritmo acelerado de forma a melhor aproveitar as oportunidades globais de UAM. Após ser incubada por quase quatro anos dentro da EmbraerX, este é o momento certo para estabelecer a Eve como uma empresa independente.


“Valorizamos o enorme potencial do mercado de UAM, pois representa um novo segmento de negócios no qual prevemos grandes oportunidades para a Embraer. Inovação e diversificação são pilares do novo plano estratégico da Embraer, que aumentará a receita e a rentabilidade nos próximos anos”, disse Francisco Gomes Neto, Presidente e CEO da Embraer. “Por isso, é uma grande satisfação anunciar a Eve, a primeira empresa formada a partir da EmbraerX. A Eve está preparada para conceber a nova fronteira no transporte com aeronaves inteligentes, ambientalmente amigáveis e autônomas, o amplo suporte associado e soluções de gerenciamento de tráfego aéreo urbano”.


Como parte da iniciativa da empresa para acelerar a revolução da mobilidade aérea urbana, a EmbraerX faz parte do projeto Uber Elevate desde o seu início, em 2017.


“O lançamento da Eve é um avanço importante na comercialização dos projetos eVTOL da Embraer, ao mesmo tempo em que se baseia na capacidade da Embraer de projetar, certificar e entregar aeronaves seguras e globalmente aceitas. Esperamos continuar nossa parceria para tornar o compartilhamento de viagens aéreas uma realidade”, disse Eric Allison, chefe do Uber Elevate.


Beneficiando-se de uma mentalidade de startup, apoiada na história de mais de 50 anos de experiência aeroespacial da Embraer, a Eve apresenta uma proposta de mercado única e valiosa. O projeto eVTOL da Eve, centrado no ser humano, representa o desenvolvimento de um produto real e certificável, conforme evidenciado pelo primeiro voo do simulador de engenharia em julho de 2020. A empresa está aproveitando a experiência da Embraer e da Atech, uma subsidiária do Grupo Embraer, no fornecimento de softwares de gestão de tráfego aéreo mundialmente reconhecido para criar as soluções que ajudarão a dimensionar com segurança a indústria de UAM daqui para frente.

Tags, , ,

Quais os verdadeiros motivos para o abandono do carrinho virtual?

Atrair um consumidor para o seu e-commerce já é uma tarefa árdua. Mas, garantir que ele permaneça na página e finalize a compra também revela desafios para o empreendedor. O famoso abandono de carrinho acontece quando uma pessoa visita um site, pesquisa características do produto, preço,seleciona a mercadoria, mas, quando o processo parece estar chegando ao fim, o usuário desiste.
Essa ação é muito comum, já que o consumid

or costuma fazer uma extensa pesquisa na vitrine virtual para encontrar o melhor preço, compreendendo características, marcas e lojas. Ou seja, existe um longo caminho até a compra ser concluída de fato, mas quando a mercadoria chega no carrinho já é possível identificar um interesse.


Renato Galleti, gerente de marketing e inside sales da Yapay, unidade de meios de pagamento do Grupo Locaweb, reuniu abaixo 4 motivos principais para o abandono de carrinho, dando dicas de como combater o problema. Confira:

1 – Valor do frete


Essa é uma das principais razões para o cliente desistir da compra. Afinal, mesmo que a oferta seja boa, o acréscimo da entrega pode fazer a transação não valer a pena. “Neste caso, a solução pode envolver esforços maiores, como processos logísticos, negociando novos parceiros e soluções, ou até mesmo disponibilizando uma calculadora de frete na página de cada produto para que o consumidor avalie a opção logo de cara”, explica o gerente da Yapay.


2 – Prazo de entrega


Aqui, mais um caso da importância da transparência antes do checkout. É fundamental que o cliente saiba quanto tempo irá demorar para receber o produto antes de finalizar a compra. Neste ponto, é preciso ter cuidado com a logística, principalmente com gestão de estoque da loja para evitar oferecer algo que está em falta. Uma boa estratégia é informar quando se trata de pré-venda, assim o consumidor já estará ciente que o prazo de entrega será maior que o habitual.

3 – Falta de confiabilidade


Da mesma forma que o abandono do carrinho é frustrante para o vendedor, instabilidades no site são desmotivantes para os compradores. Pensando nisso, é fundamental escolher uma boa plataforma de e-commerce, que tenha uma infraestrutura de servidores adequada para o tráfego da loja e cuide da programação com muito carinho para evitar erros na página de pagamento.
Outra dica valiosa: aposte em certificados e selos de segurança, evidenciando-os para visitantes em banners ou ícones na página. Oferecer informações sobre as ferramentas usadas pela loja para preservar os dados dos usuários, como criptografia ou sistemas antifraude, sejam eles próprios ou de terceiros — como os dos intermediadores de pagamento – aumenta a segurança do cliente.

4. Problemas de usabilidade


“Uma boa loja virtual precisa ter usabilidade simples, com informações claras e etapas de cadastro e compra curtas. Para isso, evite formulários longos demais e invista em processos de checkout rápidos, com páginas que possam ser acessadas a partir de poucos cliques, como gmail, facebook etc”, explica Galletti.
Também é importante ter botões bem visíveis para ações-chave, como a própria finalização da compra, principalmente para dispositivos móveis”, completa.
Vale lembrar que o site deve ser responsivo, ou seja, otimizado para visitantes que escolhem acessá-lo via mobile.

Tags, , ,

Inovação brasileira no combate à Covid-19 é finalista da maior premiação científica do mundo

A empresa brasileira de nanotecnologia Nanox está entre as finalistas de uma das premiações científicas mais importantes do mundo, a Falling Walls Breakthroughs Of the Year. O concurso faz parte da conferência de inovação Falling Walls da Alemanha que teve início em 2009, na data em que a queda do muro de Berlim completava 20 anos. Desde então, ideias transformadoras criadas por estudantes, instituições acadêmicas, pesquisadores, startups, profissionais e empreendedores de diversos campos de conhecimento vem ganhando reconhecimento global.

Representada por seu CEO, Gustavo Simões, a Nanox está concorrendo na categoria ‘Life Sciences’ (Ciências da Vida) pela invenção de um aditivo de micropartículas de prata que inativa 99,9% do SarS-CoV-2 – agente causador da Covid-19 – em até dois minutos após o contato. Esta tecnologia inovadora vem sendo aplicada industrialmente em materiais como tecidos, plásticos, tintas de parede, pisos laminados, sprays de ambientes, entre outros.

“Estamos muito felizes e orgulhosos em participar desta premiação com uma tecnologia desenvolvida no Brasil ao lado de projetos, iniciativas e invenções que resultam em tantos benefícios para a sociedade como um todo. Ter esta oportunidade, nos mantém ainda mais motivados para seguirmos o trabalho científico que desenvolvemos na Nanox há mais de 15 anos e nos dá a certeza de que podemos competir globalmente”, afirma Gustavo.

Fundada por químicos e pesquisadores formados pela Universidade de São Carlos, em São Paulo, a Nanox concorre com outras diversas inovações científicas de todo mundo que também se classificaram para a final. A premiação recebeu, em suas dez categorias, mais de 1000 nomeações de 110 países.

A conferência deste ano acontecerá em formato virtual entre 1 a 10 de novembro com acesso gratuito no site http://falling-walls.com/remote2020/ (é preciso se registrar para ter acesso ao conteúdo). Participarão do evento importantes pesquisadores e pensadores, além de líderes mundiais em ciência, política e negócios, convidados a debater a questão central da Falling Walls: “Quais serão as próximas paredes a cair na ciência e na sociedade”?

Os vencedores das dez categorias serão anunciados no dia 9 de novembro a partir das 20h (horário de Brasília), após avaliação de um júri de especialistas internacionais.

Tags, , ,

BR do Mar: não podemos perder essa oportunidade de promover o desenvolvimento do país

Por Alberto Machado Neto

A expansão da cabotagem na matriz de transporte é esperada há muito tempo pela sociedade e indústria brasileiras e, considerando a dimensão continental do Brasil, existe um imenso potencial para a navegação em seu litoral.

Para incrementar essa atividade, o Governo Federal enviou ao Congresso um Projeto de Lei, conhecido como “BR do Mar”, que propõe uma solução para o incremento da cabotagem, mas que, infelizmente, por focar no afretamento de embarcações estrangeiras, acaba por prejudicar a indústria brasileira.

Ao abrir o mercado para embarcações estrangeiras, o Projeto de Lei desconsidera que a indústria nacional convive com grandes assimetrias quando comparada à indústria de outros Países que é o Custo Brasil, cuja existência é aceita por todos, inclusive pelo governo federal. Os preços nacionais são menos competitivos devido a fatores como a alta carga tributária, taxas de juros, logística pouco eficiente e cara entre outros fatores, que estão fora do alcance e do poder de decisão dos industriais brasileiros

O Projeto de Lei desconsidera as várias assimetrias que temos com a média dos países da OCDE e resulta em tratamento não isonômico entre navios estrangeiros afretados e navios produzidos no Brasil. Isso vale também para reparos, manutenções e jumborizações (obras para aumento de capacidade).

Assim, de modo a não prejudicar ainda mais a indústria nacional e garantir a diminuição da taxa de desemprego no país bem como melhoria de renda, entendemos que alguns dispositivos devem ser ajustados. Por exemplo: devem ser mantidas a exigência de propriedade de embarcação para habilitação como Empresa Brasileira de Navegação e a participação da indústria naval nacional quando do afretamento a casco nu de embarcação estrangeira, deve ser eliminada a possibilidade de liberação escalonada de novos afretamentos a casco nu nos termos indicados no PL – permissão de dois afretamentos em 2021, três em 2022 e liberação total em 2023, entre outras. Se forem mantidos os citados dispositivos, na prática, as indústrias naval e de navipeças brasileiras serão alijadas das oportunidades decorrentes do incremento das atividades de cabotagem, eliminando postos de trabalho existentes e comprometendo a geração de novos empregos.

Existem pontos propostos que exacerbam a citada assimetria. A título de exemplo, citamos o fato de os navios afretados estarem submetidos ao regime de admissão temporária, que pressupõe a suspensão de impostos, condição diferente da aplicada aos navios construídos localmente, que terão que pagar impostos. Ou seja, importados não pagariam tributos que nacionais pagariam!

Ao mesmo tempo, a possibilidade de uso de recursos do Fundo de Marinha Mercante para aquisição de bens no exterior prevista na proposta contraria a finalidade para a qual o FMM foi criado, qual seja, desenvolver a indústria de navegação e de construção naval no País. Seria um subsídio dado para empresas do exterior!?

Conforme demonstrado, um PL unicamente voltado ao estímulo à navegação provoca um aumento da desvantagem competitiva para a indústria local, quando o ideal seria, na medida do possível, combinar a desejada expansão da cabotagem com o desenvolvimento amplo da construção naval no Brasil e de toda a cadeia de valor envolvida. Também é necessário explicitar como o Fundo de Marinha Mercante pode contribuir com maior eficácia para o aumento da competitividade da indústria local.

Importante esclarecer que estamos cientes de que o PL em questão não tem como objetivo implantar uma Política Industrial no Brasil. No entanto, isso não significa que, a pretexto de estimular a cabotagem, possa produzir efeitos contrários à existência de uma indústria de construção naval brasileira, que devido à extensa cadeia de valor envolvida, pode contribuir substancialmente para o desenvolvimento nacional.

O Brasil dispõe de estaleiros modernos e bem equipados, hoje ociosos, e que foram construídos com financiamento provenientes de verbas públicas, ou seja, pagos com o dinheiro de todos os brasileiros. Contamos com uma complexa e moderna indústria de máquinas, equivalente a existente nos países mais industrializados. Logo, nada mais correto e coerente do que buscar utilizá-los, gerando renda e empregos no País.

Estudos mostram que a participação do custo das embarcações no custo total da cabotagem gira em torno de 5%. Portanto um navio em torno de 10% mais caro por conta das assimetrias do Custo Brasil impactariam negativamente nos fretes na ordem de 0,5% e, em contrapartida, gerariam um efeito positivo na economia do país.

Sabemos também que o governo brasileiro tem um compromisso em reduzir o Custo Brasil com as tão sonhadas reformas. Se conseguir seu intento, a produção nacional de embarcações, máquinas e equipamentos não vão onerar o frete.

Por fim cabe ressaltar que a ampliação da necessidade de fretes está diretamente atrelada à demanda crescente da indústria nacional. Não há demanda para frete se não há produto para transportar! Assim, para criarmos um ciclo virtuoso que nos conduza a uma rota de crescimento é fundamental usar o PL para estimular ao desenvolvimento nacional. Não podemos perder mais essa oportunidade.

Alberto Machado Neto, Diretor de Petróleo, Gás Natural, Bioenergia e Petroquímica da ABIMAQ

Tags, , , ,