Page

Tag Valor Agregado

Por que escolher um espaço compartilhado?

Por Renato Auriemo

Antigamente, quando um profissional decidia abrir seu negócio haviam duas opções: alugar uma sala comercial, o que traria custos operacionais, além de aspectos burocráticos e gastos com manutenção, ou trabalhar em casa, que reduziria algumas despesas a pequeno e médio prazo, porém, poderia acarretar na diminuição da produtividade. Com o surgimento dos coworkings, esse cenário mudou!

Muitos profissionais têm optado por sua utilização por conta da infraestrutura aliada ao custo-benefício. No mercado já é possível encontrar variados tipos de espaços compartilhados que vão desde os básicos, onde há somente algumas salas com mesas e Wi-Fi, até os mais elaborados, com arquitetura impecável e equipamentos de ponta. Existem ainda os segmentados, que buscam atrair empresas de um determinado setor, promovendo troca de experiências entre os residentes.

Por conta da procura e das vantagens que oferecem, o aumento no número de escritórios colaborativos têm sido significativo, se tornando uma tendência. Quando o primeiro Censo de Coworking foi feito no Brasil, em 2015, haviam cerca de 238 coworkings. Já o último estudo, divulgado em 2018, mostrou que há em média 1.194 nos país inteiro. Então, por que não apostar em um ambiente compartilhado?

Listo aqui alguns dos inúmeros benefícios de se instalar em um coworking:

1. Custo mais baixo

Uma das maiores dificuldades do empreendedor quando monta o seu negócio, é o custo com a implantação e manutenção de um escritório. Para ter seu próprio espaço os gastos com decoração, móveis, computadores, telefones, contas de luz, água, telefone, internet, entre outros, são inevitáveis e altos. Porém, quando se tratam de coworkings, as salas já estão prontas, mobiliadas e o custo total com as despesas pode ser até 40% menor.

2. Menos burocracia

No valor do aluguel de uma sala em um escritório colaborativo já estão embutidos gastos com internet, água, energia, IPTU, café e condomínio. Isso evita que o empreendedor tenha muitas contas para pagar e dá tempo para que ele pense no que realmente importa, sua empresa.

3. Netwoking

Por conta da grande movimentação de empreendedores em um mesmo ambiente, os coworkings podem trazer uma grande oportunidade para fechar novas parcerias, além de ajudar na troca de experiências.

4. Inovação

Com toda a transformação digital que vivemos hoje, a busca por inovação nunca foi tão imprescindível para o crescimento de uma empresa. E é por isso que muitos coworkings têm cada vez mais se estabelecido como hubs de inovação. Esse movimento tem acontecido como meio de criar conexões entre startups e grandes empresas, gerando novos negócios.

5. Mais produtividade

Muitos profissionais optam por trabalhar home-office por conta da redução de custos, porém, muitas vezes não é possível focar totalmente nas atividades por conta de inúmeras distrações. Já os coworkings possuem escritórios privativos que evitam interrupções desnecessárias.

6. Sem mudanças drásticas com o aumento de equipe

A medida que a sua empresa cresce, a tendência é que a sua equipe aumente também. Por isso, é importante pensar em lugares que não tornem essas mudanças muito bruscas. Nos espaços compartilhados, o empreendedor não precisa se preocupar com isso, já que torna possível a locação de salas maiores.

Em linhas gerais, é importante entender o que funciona melhor para você e para a sua empresa e a utilização de coworkings pode ser um passo para o sucesso do seu negócio. Aposte sem medo!

Renato Auriemo, CEO do Co.W.

Tags, , ,

MIT Sloan seleciona startups brasileiras

MIT Sloan School of Management

Com base em seus modelos de negócios, potencial de crescimento e êxito, as startups brasileiras C6 Bank e Gocase foram escolhidos para sediar projetos do Laboratório Global de Empreendedorismo (G-Lab) em colaboração com o MIT Sloan School of Management, fundador do programa internacional.

Desde o ano 2000, equipes do G-Lab têm trabalhado para resolver questões empresariais de mais de 375 companhias em mercados emergentes ao redor do mundo em áreas críticas, como crescimento estratégico, entrada em novos mercados, precificação, marketing, benchmarking, captação de recursos e estratégia financeira. No processo, os alunos do MBA ganham experiências reais em criar, desenvolver e administrar jovens empresas com infraestruturas diversas, bem como em pensar sobre o papel da política, cultura e outras variáveis não-econômicas.

O trabalho externo dos alunos do MIT Sloan para o C6 Bank e a Gocase começou em setembro de 2018 e acabará em fevereiro de 2019, incluindo uma análise final e aprofundada. Os resultados das equipes incluirão uma apresentação formal e materiais concretos com ferramentas de alto impacto que podem ser usados pelas empresas imediatamente.

“Trabalhamos com empreendedores em toda a América Latina por quase 20 anos”, conta o professor do MIT Sloan Simon Johnson, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional e cofundador do G-Lab. “Esses homens e mulheres são notavelmente resilientes e oferecem grandes perspectivas para o futuro. É um privilégio e uma grande lição para os nossos alunos encontrar formas de ajudá-los. Todos retornam aos Estados Unidos impressionados com a energia e a intensidade dos CEOs dessas empresas”.

C6 Bank

Sediada em São Paulo, a startup C6 Bank, que recentemente recebeu licença do Banco Central para operar como um banco múltiplo, emprega atualmente 300 funcionários e tem como foco médias e pequenas empresas e pessoas físicas. Uma equipe internacional de quatro alunos do MBA do MIT Sloan – uma das escolas de negócios mais reconhecidas do mundo – auxiliará o C6 a definir um plano para a criação de um Robo-Advisor a partir de um produto viável mínimo (MVP). Eles estão trabalhando no escritório do C6 Bank em São Paulo durante todo o mês de janeiro.

No dia 28 de janeiro, o C6 lançará um centro de inovação chamado Opp, com espaço para 90 empresários, no seu escritório em São Paulo. Com o objetivo de se tornar um próspero hub para startups, o Opp vai sediar um programa de formação em empreendedorismo que combinará rodada de investimento e mentoria.

Em breve, o C6 também oferecerá uma plataforma completa de serviços financeiros, incluindo serviços bancários tradicionais. Além disso, ainda neste ano, a startup planeja abrir um escritório em Nova York dedicado à análise de dados.

“Acreditamos que as universidades e empresas devem trabalhar juntas para promover a inovação. Temos muito orgulho de trabalhar com os alunos do MIT Sloan e esperamos poder continuar fortalecendo nossa parceria”, afirma Eduardo Prado, sócio do C6 Bank.

Gocase

Lançada há três anos no Brasil, a Gocase tornou-se rapidamente uma das maiores marcas digitais brasileiras. Com mais de 1.3 milhões de seguidores no Instagram, a startup tem foco no desenvolvimento de acessórios personalizados que refletem a personalidade de cada cliente. O objetivo do Gocase é mudar a maneira como os gadgets são vistos e percebidos, transformando-os em novos conceitos que combinem com o estilo de vida dos clientes, com inspiração nas últimas tendências de moda e design. A marca rapidamente expandiu para o exterior, já tendo comercializado produtos para mais de 130 países e possui escritórios em Fortaleza (CE), Amsterdã (NL) e na China.

Uma equipe internacional de quatro alunos do MBA do MIT Sloan está trabalhando no Brasil e na Holanda durante o mês de janeiro, com o objetivo de desenvolver um plano de entrada para a Gocase no mercado dos Estados Unidos.

G-Lab

O G-Lab é um dos 15 laboratórios pioneiros do Action Learning, disponíveis para os alunos do MIT Sloan. Embora as atividades do projeto variem, elas estão agrupadas por temas comuns, incluindo aprendizagem experimental, reflexiva e entre pares, mentoria docente, solução de problemas reais, transferência de conhecimento, e o envolvimento de uma equipe de estudantes com vistas a gerar um impacto mensurável tanto no quesito social quanto nos negócios. Esses desafios de gerenciamento em tempo real trazem a teoria à vida.

A MIT Sloan School of Management, localizada em Cambridge, Massachusetts (EUA), é uma das principais fontes acadêmicas de inovação em teoria e prática da gestão. Com estudantes de mais de 60 países, desenvolve líderes eficazes, inovadores e com princípios que impulsionam a economia global. Para saber mais, acesse: http://mitsloan.mit.edu

Tags, ,

Distribuidora de medicamentos e laboratório farmacêutico investem em entregas por drones

O Grupo Elfa, composto por empresas varejistas e distribuidoras de medicamentos, juntamente com o laboratório farmacêutico Sanofi, resolveram investir em um modal de transporte que vem revolucionando o mercado de logística brasileiro: entregas com o uso de drones. Em parceria com a SMX, empresa especialista em desenvolver sistemas aéreos não tripulados, o serviço está em fase de testes e promete ser uma grande revolução no mercado de saúde.

O diretor de operações do Grupo Elfa, Igor Spreafico, afirma que investir nessa tecnologia é de extrema importância e será um ganho para todo o País. “Esse novo modal vai trazer mais agilidade e segurança. Entregar o produto integro e na temperatura correta, por exemplo, serão um dos grandes diferenciais nesse novo sistema”, diz.

De acordo com Roger Vallim, diretor corporativo do Grupo Elfa, a empresa possui uma visão de futuro que permite estar sempre à frente de seu tempo pensando em fazer o melhor, não apenas em nível de serviço, mas olhando o paciente, afinal a empresa cuida de vidas. “Quando avaliamos o tamanho do Brasil, há lugares com muita dificuldade de acesso, e com essa tecnologia, esses locais poderão ser atendidos com rapidez e agilidade. Vidas serão salvas e esse é nosso principal objetivo”.

Segundo o executivo há muitos locais que um carro não chega nem mesmo um avião pelo custo envolvido. “Esperamos levar esperança para os pacientes e serviço para as instituições que cuidam desses pacientes”, completa Vallim.

Para a diretora de Supply Chain da Sanofi, Katia Souza, a iniciativa é mais um passo da Sanofi no caminho de se tornar referência em inovação. “Colocamos em prática nosso propósito de entregar saúde e conectar pessoas. Por isso, buscamos novas formas de atender as necessidades de nossos clientes e pacientes.”

O fundador da SMX Systems, empresa detentora da tecnologia dos drones, Samuel Salomão, diz que o objetivo da empresa é inovar no desenvolvimento de drones com foco o transporte aéreo focando na saúde. “Temos certeza que nos próximos anos a área da saúde se beneficiará muito com o transporte de medicamentos, bolsas de sangue, órgãos, etc. Acreditamos que esse modal ainda salvará muitas vidas”, afirma.

De acordo com Vallim, a necessidade em investir no desenvolvimento dessa tecnologia nasceu quando a Elfa olhou para a realidade do Brasil e viu que hoje há muitas dificuldades de acesso, em localidades remotas e as grandes cidades estão com congestionamentos cada vez maiores. “Quando olhamos para o futuro, vemos que o custo com transporte no Brasil está e será cada vez mais alto, portanto a necessidade de promover mais acesso a recursos de saúde se torna necessário para nós na Elfa. Com a entrega por drones teremos mais produtividade, melhora de do nível de serviço e redução de custo”, esclarece.

Spreafico complementa que além da agilidade, os benefícios serão para o meio ambiente. “Por ser elétrico o drone não emite gases o que o torna mais limpo. Para nós, a inovação não tem limite. Temos que pensar no impossível. Somente pensando no impossível é que conseguimos buscar inovações, fazer com que o sonho vire realidade assim como estamos fazendo hoje”, afirma.

Tags, , , , ,

Resoluções de ano novo: como fazer um bom plano de carreira para 2019

Erro comum, profissionais não planejam o futuro e se tornam passivos em suas carreiras; Veja quatro passos para definir seus objetivos para o próximo ano

Um novo ano se aproxima e, com ele, surgem dúvidas e questionamentos sobre nossa vida, como o que desejamos manter e o que queremos mudar nos próximos meses – inclusive profissionalmente.

Passo essencial, o plano de carreira é o guia da vida profissional e torna muito mais simples fazer escolhas boas e conscientes ao longo da carreira. Porém, muitas pessoas deixam seu futuro nas mãos do gestor ou do RH da empresa. “Esse é um erro muito comum e os profissionais acabam à deriva. Na verdade, a única pessoa responsável pela sua carreira é você mesmo”, orienta Ricardo Fazanaro, gerente de carreira da Randstad.

Papel e caneta na mão? Então confira os quatro passos listados pelo executivo para definir seu planejamento e comece 2019 com o pé direito na profissão.

1. Defina seu propósito de carreira

Esta etapa é fundamental, mas muitas pessoas acabam pulando. O propósito da carreira ajudará a guiar seus passos e aplicar filtros durante toda a sua trajetória, avaliando eventuais oportunidades com olhar crítico de quem você é como profissional. Seu propósito pode ser apenas pessoal, como virar gerente, ou social, como contribuir para a melhoria da sociedade.

2. Elenque os cargos pelos quais quer passar

Qual é o cargo máximo que você quer chegar? Quer empreender? Quais são os feitos que você deseja alcançar na sua trajetória? Essas perguntas são importantes para que você tenha um alvo, uma meta a perseguir. Definido o objetivo máximo, liste quais são os cargos, projetos e etapas intermediárias, com seus respectivos períodos. Ex.: quero ser diretor em 4 anos.

3. Saiba qual será sua estratégia

Uma vez que você já sabe quais são as etapas que precisará percorrer, é momento de traçar sua estratégia. Avalie quais são os cursos, idiomas e habilidades que você precisará alcançar em cada momento de sua carreira. A partir do prazo definido, você também definirá a intensidade e urgência de cada um desses itens.

4. Avalie a importância do equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Quando não fazemos essa avaliação, podemos ser pegos de surpresa ou nos arrepender tarde demais. Reflita sobre suas metas pessoais e o estilo de vida que deseja ter. Assim, conseguirá encontrar o meio termo ideal entre vida profissional e pessoal, além de definir quais são os sacrifícios que está disposto a fazer em cada momento da carreira.

Tags, ,

Blockchain vai turbinar o supply chain global até 2025

Um novo relatório do Instituto de Pesquisa Capgemini revela que o blockchain pode se tornar onipresente até 2025, entrando nos negócios tradicionais e apoiando práticas de supply chain em todo o mundo. Por meio de investimentos e parcerias, a tecnologia distribuída dominará o setor de manufatura, bem como as áreas de produtos de consumo e o varejo, trazendo uma nova era de transparência e confiança.

O relatório “Does Blockchain Hold the Key to a New Age of Supply Chain Transparency and Trust?” (em tradução livre, “O Blockchain tem a Chave para Uma Nova Era de Transparência e Confiança na Cadeia de Suprimentos?”) fornece uma visão abrangente dos negócios e geografias que estão pavimentando sua migração para blockchain e prevê que a tecnologia se tornará mainstream na prática de supply chain até 2025. Atualmente, apenas 3% das organizações que estão investindo em blockchain o fazem em escala e 10% têm um projeto-piloto implementado, com os restantes 87% dos entrevistados relatando estar nos estágios iniciais no uso da tecnologia.

O Reino Unido (22%) e a França (17%) lideram atualmente com a implementação em escala e pilotos de blockchain na Europa, enquanto os Estados Unidos (18%) são líderes em termos de financiamento de iniciativas da prática. Estes precursores estão otimistas quanto ao potencial da tecnologia, com mais de 60% deles acreditando que blockchain está transformando a maneira como eles colaboram com seus parceiros.

O estudo também apontou que a redução de custos (89%), a rastreabilidade aprimorada (81%) e a transparência aprimorada (79%) são os três principais impulsionadores dos atuais investimentos em blockchain. Além disso, a tecnologia permite que as informações sejam entregues com segurança, rapidez e transparência, e pode ser aplicada as funções críticas de supply chain, do acompanhamento a produção passando pelo monitoramento das cadeias de alimentos e a garantia da conformidade regulatória. Entusiasmados pelos resultados que estão vendo, os precursores identificados no estudo devem aumentar seu investimento em blockchain em 30% nos próximos 3 anos.

Apesar do otimismo em torno das implementações de blockchain, permanecem as preocupações em torno de estabelecer um retorno claro sobre o investimento e as barreiras de interoperabilidade entre os parceiros de supply chain. A maioria (92%) dos precursores aponta que estabelecer o ROI é o maior desafio para a adoção, e 80% citam a interoperabilidade com os sistemas legados como um grande desafio operacional. Além disso, 82% apontam para a segurança das transações como inibidor na adoção pelos parceiros de seus aplicativos blockchain, prejudicando o status da tecnologia como uma prática segura.

Sudhir Pai, CTO para Serviços Financeiros da Capgemini, disse: “Existem alguns casos de uso realmente interessantes no mercado que estão mostrando os benefícios do blockchain para melhorar o supply chain, no entanto, a tecnologia não é a “bala de prata” para solucionar todas as questões da cadeia de fornecimento de uma organização. O ROI da blockchain ainda não foi quantificado, e os modelos e processos de negócios precisarão ser redesenhados para sua adoção. Parcerias eficazes são necessárias em toda a cadeia de suprimentos para construir uma estratégia de blockchain baseada em ecossistemas, integrada com implementações de tecnologia mais ampla, para garantir que ela possa realizar seu potencial”.

Em um relatório anterior, realizado no início deste ano com a Universidade de Tecnologia de Swinburne, na Austrália, a Capgemini descobriu que a experimentação em blockchain atingirá seu ápice em 2020, quando as organizações puderem explorar provas de conceito e se desdobrarem com as Fintechs. De acordo com o relatório, a transformação do blockchain irá amadurecer em 2025, quando as organizações realizarem a transformação e a integração das empresas, estabelecendo políticas para privacidade e gerenciamento de dados.

O professor Aleks Subic, vice-reitor de Pesquisa e Desenvolvimento da Universidade de Tecnologia de Swinburne, disse: “As organizações confiam na tecnologia blockchain para resolver questões importantes e criar novas oportunidades de negócios, e isso dá credibilidade ao ecossistema digital em toda a supply chain. Acreditamos que a tecnologia blockchain desempenhará um papel integral na transformação digital dos canais da cadeia de suprimentos para uma ampla gama de indústrias no futuro próximo”.

Apesar das barreiras enfrentadas pelo blockchain hoje, as organizações estão tentando impulsionar uma adoção mais ampla agora, enquanto a tecnologia está em seu estágio inicial. Um exemplo é a Mobility Open Blockchain Initiative (MOBI), consórcio formado por um grupo de empresas de automóveis e de tecnologia focadas em fazer com que as montadoras atribuam identidades digitais aos veículos para que carros e sistemas possam transacionar entre si.

Casos atuais de uso da indústria
O relatório do Capgemini Research Institute identificou 24 casos de uso de blockchain, variando de negociação de créditos de carbono a gerenciamento de contratos com fornecedores e prevenção de produtos falsificados. A Capgemini aplicou esses casos de uso ao varejo, manufatura e produtos de consumo, descobrindo que o blockchain pode ser e está sendo usado para rastrear a produção, a procedência e o inventário de contratos, produtos e serviços. O relatório destaca que as organizações de produtos de consumo concentram-se principalmente no rastreamento e identificação de produtos, com a Nestlé, a Unilever e a Tyson Foods implementando testes de blockchain. Os varejistas estão focados nos mercados digitais e na prevenção de falsificações, com empresas como a Starbucks investindo em testes da tecnologia. Mais criticamente, a blockchain pode proteger o fornecimento de alimentos, rastreando alimentos do campo ao garfo, para impedir a contaminação ou recalls de produtos.

Sudhir Pai conclui: “Nosso estudo ressalta o potencial do blockchain, mas também mostra que atualmente existem poucas implementações em larga escala da tecnologia e claras barreiras à adoção. As empresas devem usar nossa análise das organizações precursoras para entender como a blockchain é viável para elas, fortalecendo seu programa e transformando o hype em realidade”.

Metodologia de Pesquisa

O Instituto de Pesquisa Capgemini entrevistou cerca de 450 organizações nas quais a implementação do blockchain está em andamento em sua cadeia de fornecimento como uma prova de conceito, piloto ou em escala. A pesquisa investigou a abordagem ao blockchain, as aplicações que eles estão implementando e os desafios que estão enfrentando na ampliação de suas iniciativas. Os entrevistados foram escolhidos entre os setores de produtos de consumo, varejo e manufatura.

Tags, , ,

Google Cloud e SAP lançam concurso global de empreendedorismo social

Economia Circular 2030 busca projetos originais que beneficiem qualquer aspecto da economia global com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pela ONU

O Google Cloud e a SAP anunciaram hoje, 23, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, um concurso global de empreendedorismo social, com o objetivo de impulsionar o crescimento econômico de forma sustentável. A competição, chamada de Economia Circular 2030, estimula os participantes a tirar o máximo proveito de tecnologias para criar projetos inovadores para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU) até 2030.

A parceria estratégica faz parte do engajamento de Google Cloud e SAP para solucionar desafios globais atuais, incluindo aqueles relacionados à pobreza, desigualdade, clima, degradação ambiental, prosperidade, paz e justiça.

Podem participar do concurso empreendedores sociais, ONGs, organizações sem fins lucrativos ou voltadas para a área social, além de associações comunitárias. Os candidatos devem ser maiores de 18 anos e enviar, entre 22 de janeiro e 17 de março, propostas que ajudem a gerar receita para a produção e o consumo responsáveis, com o apoio de soluções Google Cloud e SAP. As inscrições devem ser feitas por meio do site oficial.

Após a seleção, cinco semifinalistas serão convidados para o Google Cloud Next, principal evento anual de computação em nuvem do Google, que acontece entre 9 e 11 de abril, em San Francisco (EUA). Na ocasião, os participantes poderão aprender como usar soluções de computação em nuvem em seus projetos diretamente com nossos especialistas. Os semifinalistas também participarão de um hackathon para colocar em prática os conhecimentos adquiridos ao longo do evento.

O grande vencedor do concurso Economia Circular 2030 será anunciado durante o evento SAP Sapphire, que será realizado entre os dias 7 e 9 de maio, em Orlando (EUA). Ele será premiado com US$ 200 mil, além da participação no Bootcamp do Google Cloud for Startups. Os outro quatro finalistas receberão um prêmio de US$ 50 mil e mentoria individual com profissionais do Google Cloud e SAP.

Inteligência artificial e a economia circular

A Fundação Ellen MacArthur e o Google, com o apoio da McKinsey, produziram um paper para explicar sobre como a inteligência artificial pode acelerar a transição para uma economia circular.

O estudo é baseado em mais de 40 entrevistas com especialistas e apresenta os primeiros insights sobre como a inteligência artificial pode ser aplicada para gerar uma economia circular em escala. O estudo avalia duas cadeias de valor, alimentos e agricultura, além de eletrônicos. Para a primeira cadeia, a estimativa é de que a IA possa gerar US$ 127 bilhões por ano em 2030; para a segunda, a oportunidade gira em torno de US$ 90 bilhões por ano.

O que é economia circular?

A economia circular é um tipo de economia em que o crescimento é gradualmente separado do consumo de recursos finitos. Seus princípios incluem projetar soluções para lixo e poluição, manter produtos e materiais em uso e regenerar sistemas naturais.

O que é inteligência artificial?

A inteligência artificial (IA) lida com modelos e sistemas que desempenham funções geralmente associadas com a inteligência humana, como raciocinar e aprender. Como uma das principais tendências, a IA deve adicionar US$ 13 trilhões em atividade econômica em todo o mundo até 2030.

Tags, , , , ,

Brasileiros integram debate sobre criptomoedas no Fórum Econômico Mundial

Nesta semana acontece o Fórum Econômico Mundial na Suíça. Para esta edição, uma programação destinada às criptomoedas foi estruturada no dia 24 de janeiro (quinta-feira), das 11h às 14h. Trata-se do Crypto Winter in Davos, painel que reunirá diversos especialistas na área, entre eles Eduardo Carvalho e Fábio Asdurian, brasileiros que representarão o avanço do segmento.

Idealizadores de dois projetos estruturados com apoio do Governo Suíço, os empreendedores encabeçam as empresas Dynasty e Ampere. A primeira é uma criptomoeda com lastro no mercado imobiliário, que almeja se tornar o primeiro ativo digital regularizado no mundo. Já a Ampere segue também o conceito de moeda digital segura e legalizada, explorando energias renováveis como lastro. “Ficamos lisonjeados em sermos os únicos brasileiros entre as instituições selecionadas pelo Consulado Suíço para ir ao evento”, entusiasma-se Carvalho.

O calendário de debates trará alguns temas importantes do universo das criptomoedas, entre eles o potencial tecnológico, a segurança e os ambientes regulatórios. “A idealização desta programação sobre criptomoedas no Fórum só comprova o quanto esta inovação ganhou notoriedade. Quando líderes mundiais se reúnem para analisar as movimentações dos ativos digitais, significa que suas nações estão se preparando para esta evolução do mercado financeiro”, complementa Asdurian.

“O Fórum Econômico Mundial reúne diversas personalidades para pensarem conjuntamente no futuro da economia global. Neste cenário, resolvemos abordar sobre Blockchain e novas tecnologias vindas de fintechs, setores onde a Suíça se destaca. Convidamos players importantes para participar e selecionamos a Dynasty, por ser uma das primeiras criptomoedas sediadas em território suíço, e em processo de regularização”, diz Bruno Aloi, Business Develop Manager do Consulado Suíço no Brasil.

As outras empresas convidadas pelo Consulado Suíço são: F10, uma aceleradora de Zürich e a Interlock Ledger, uma desenvolvedora da plataforma blockchain.

O Fórum Econômico Mundial acontece anualmente na cidade de Davos, nos Alpes Suíços. O evento contará com a participação de chefes e membros de mais de 100 governos, além de executivos de empresas globais e de organizações não-governamentais. Parte da programação será transmitida online, no site oficial (em inglês): www.weforum.org

Confira a programação completa do painel Crypto Winter in Davos:

11h – Abertura

11h05 – Roda de debates: A abordagem suíça

11h15 – Palestra: A Gênese do Crypto Valley – Por que a Suíça está pavimentando o caminho em um mundo descentralizado?

11h30 – Ranking: Revelando as maiores companhias desenvolvedoras da tecnologia Blockchain no Crypto Valley

11h40 – Palestra: Iniciando o Crypto Spring – Como a Suíça está possibilitando a próxima fase de crescimento do Blockchain

12h10 – Palestra: O quão segura é a tecnologia Blockchain?

12h25 – Palestra: Como os bancos desafiadores estão moldando o futuro das finanças (sem a tecnologia Blockchain)

12h35 – Almoço de Networking

Tags, , ,

Sistema Grátis busca parceria com técnicos de informática e oferece renda recorrente

O prestador de serviços de informática para pequenas e médias empresas pode ganhar uma nova via rentável a partir de agora. O Sistema Grátis busca fechar parceria com técnicos de informática para aumentar a comercialização do Sistema de Gestão e, com isso, gerar uma comissão para o profissional.

O objetivo da proposta do Sistema Grátis é incentivar que o técnico de informática ofereça o ERP para os seus clientes. Isso porque muitas empresas não usam ainda um sistema de gestão e precisam de ajuda em tarefas simples como organização de orçamentos, entrada e saída de caixa, emissão de notas fiscais, entre outras.

Para o diretor do Sistema Grátis, Robinson Idalgo, o técnico de informática é o intermediário ideal para consolidar essa nova abordagem de comercialização do negócio. “A função faz com que cliente e prestador de serviço estejam sempre discutindo o que é melhor para a empresa, quais são os equipamentos, tamanho de rede e sistemas que contribuem para que a área de tecnologia da companhia funcione sem falhas”, explica. “O profissional, então, tem a credibilidade necessária para indicar a ferramenta, acessada pela internet, e os módulos mais indicados para cada cliente”.

Ao fechar a parceira, a equipe do Sistema Grátis apresenta uma breve explicação sobre o ERP ao técnico de informática, que inclusive poderá testá-lo. Na proposta, a empresa sugere uma renda mensal de 10% do valor que é proposto à empresa cliente, partindo da contratação de módulos em que não há gratuidade.

Vale lembrar que o Sistema Grátis tem módulos para finanças, controle de vendas, orçamento e emissão de recibos e notas. Tudo é acessado pela nuvem, portanto, de maneira informatizada e em uma única plataforma. O Sistema Grátis tem forte atuação no varejo e serviços.

“Sabemos que o técnico de informática é um prestador de serviço essencial para pequenas e médias empresas e temos uma ferramenta muito eficiente que pode ser associada a esse trabalho, já reconhecidamente importante. É uma parceria que traz benefícios para todos”, comenta Robinson.

Para os interessados em participar da parceria e saber como funciona, veja mais no link: http://parceiros.sistemagratis.com.br/ebook-tecnico-de-informatica

Tags, ,

Fintech Neon abre mais de 60 vagas para diversas áreas

A Neon Pagamentos, fintech que tem como propósito simplificar a vida financeira das pessoas, está em busca de mais de 60 novos profissionais de diversas áreas para integrar a empresa. Criada em 2016, a startup planeja uma forte expansão da equipe em 2019, alinhada à seniorização de sua gestão.

No total, são 63 posições abertas para as áreas de Tecnologia, Metodologia Ágil, Produto, Cadastro e Business Inteligence, entre outras. As vagas estão disponibilizadas na plataforma de recrutamento Gupy. Com quase 200 funcionários, a Neon Pagamentos vai aumentar significativamente seu quadro de funcionários para continuar a melhorar os produtos oferecidos e acelerar o desenvolvimento de novos, fortalecendo ainda mais um de seus principais diferenciais: o atendimento ao cliente.

Para 2019, a startup pretende crescer em ritmo acelerado e oferecer novos produtos que facilitem ainda mais a vida de seus clientes, conta Adriano Lima, sócio da Neon e líder da área de Pessoas e de Customer Experience. “Vamos focar na atração de colaboradores que sejam a cara da Neon, no desenvolvimento da equipe interna e no fortalecimento da nossa cultura. No próximo mês, vamos lançar o programa de indicação de candidatos externos, o ‘Indicaê’ e o programa de desenvolvimento interno, o ‘Decola’. Esses nomes foram escolhidos pelos próprios funcionários, para que eles façam parte do projeto desde o começo”, diz Adriano.

O ano de 2018 foi movimentado para a Neon. A startup recebeu um aporte Série A de R$ 72 milhões, saltou de 110 funcionários em janeiro para 190, em dezembro, e inaugurou uma nova sede. Entre os principais lançamentos de serviços, estão o cartão de crédito e a conta Neon Pejota, voltada para pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEIs).

Para saber mais sobre as vagas disponíveis e se candidatar, acesse: http://neon.gupy.io/

Tags, , ,

Gartner anuncia agenda de eventos para o Brasil em 2019

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia seu calendário de eventos para o Brasil em 2019. Na agenda, estão programadas três conferências programadas para os meses de abril (Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud), de maio (Gartner Data & Analytics) e de agosto (Gartner Segurança e Gestão de Riscos), além do tradicional IT Symposium/Xpo, o maior e mais importante evento de tecnologia do Brasil e que acontecerá em outubro.

As conferências antecipam tendências de tecnologia para um público qualificado, com poder de decisão e formado por executivos estratégicos de TI e CIOs (Chief Information Officers). Os eventos irão acontecer no WTC Sheraton Hotel (SP) e estão programados para permitir aos participantes acesso a apresentações especiais de analistas do Gartner, além de pesquisas inéditas, workshops, casos de sucesso e oportunidade de interação e de troca de experiências. O público também poderá assistir a debates em mesas-redondas e sessões práticas que apresentam ideias inéditas para o mercado de TI. Os eventos do Gartner apresentam ainda oportunidades únicas de networking, interação para desenvolvimento de negócios e possibilidade de agendamento de reuniões particulares com analistas do Gartner para obtenção de conselhos práticos sobre os desafios específicos de cada empresa.

Até 23 de março, as inscrições para a Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud estão com desconto de R$ 550,00. Há preços diferenciados para profissionais do setor público e descontos para grupos. Interessados devem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site www.gartner.com/pt-br/conferences/la/infrastructure-operations-cloud-brazil

Confira a agenda programada pelo Gartner para 2019:

– Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud – Dias 24 e 25 de abril

– Conferência Gartner Data & Analytics – Dias 29 e 30 de maio

– Conferência Gartner Segurança e Gestão de Riscos – Dias 13 e 14 de agosto

– Gartner IT Symposium/Xpo – De 28 a 31 de outubro

Programe-se para participar das conferências do Gartner:

Acesse a programação completa em http://www.gartner.com/events/calendar/.

Tags, , ,

Com o boom de robôs e da Inteligência Artificial, como se preparar para o novo mercado de trabalho?

Por Cassiano Maschio

Desde que estreitamos o relacionamento com a tecnologia, as dúvidas em relação ao quanto ela irá impactar no mercado de trabalho permeiam em rodas de conversa e na mente de muitas pessoas. O que acaba, o que se renova, quais oportunidades surgirão?

Ao mesmo tempo que algumas profissões ficam obsoletas e outras precisam ser adaptadas, é certo que muitas outras serão criadas – isso já está acontecendo! Pensando nesse cenário, é preciso que os profissionais estejam atentos e preparados para uma nova era. Compartilho, então, algumas dicas para se prepararem para esse novo momento:

1) Planejamento pessoal:

Você pode estar em alguns momentos de sua carreira:

Estudantes e jovens que estão no início da vida profissional, e em busca de uma carreira, devem analisar bem a escolha do curso e especialização, entendendo o momento de cada profissão. Segundo estudos, algumas delas – antes tradicionais e com boas oportunidades – estão em xeque e se não irão desaparecer, tendem a demandar uma completa adaptação do formato de trabalho. São alguns exemplos: assistente jurídico, analista de riscos, analista de investimento, headhunter, piloto de avião, anestesistas, engenheiro de software, contadores e auditores.

Profissionais que já estão no mercado ou buscam reposicionamento devem se reciclar para atender às novas exigências e não perder espaço. A melhor forma para isso é por meio de cursos, que permitem trocar conhecimentos e se atualizar sobre as tendências da área.

2) Dicas para uma carreira de sucesso:

Quando pensamos em cursos, é importante buscar aquele que fuja do óbvio e do tradicional, e que agregue valor à atuação no mercado de trabalho, capacitando-o e ajudando-o a desenvolver novas habilidades. As empresas querem profissionais preparados e antenados com o que está acontecendo à sua volta. Uma dica: cursos de música, artes e design ajudam no lado criativo das pessoas e proporcionam uma visão “fora da caixinha” para determinada função.

Pesquise profissões com melhores perspectivas e menos riscos de desaparecerem. Busque funções que usem criatividade e inovação.

Tenha uma visão sistêmica de mercado, negócio e operação – o que é importante para qualquer função. Mesmo o especialista tem que entender que faz parte de uma engrenagem e precisa estar atento ao todo, ao resultado global.

3) A tecnologia é feita por pessoas para pessoas. Algumas áreas em alta:

Chatbots e Inteligência Artificial – há uma gama de profissões que podem aproveitar o boom dessas tecnologias. Os robôs de atendimento estão cada vez mais precisos em suas respostas. Isso se dá por meio de tecnologias de processamento de linguagem natural e de machine learning. Por isso, profissionais de comunicação e letras têm uma nova possibilidade para explorar.

Direito Digital – O compartilhamento e uso de dados é uma realidade para que empresas se aproximem cada vez mais de seus consumidores. As novas leis para o controle dessa prática têm mostrado a necessidade de pessoas especializadas. Tudo é muito novo nesse segmento! Com isso, advogados e estudantes de direito têm um caminho de muitas oportunidades e desenvolvimento nesse setor.

Designer – Especialista em UI e UX: Aqui, temos o especialista em User Interface (interface do usuário) e em User Experience (experiência do usuário). Em um mercado competitivo, as marcas buscam diferentes formas de se destacar, e o site da empresa faz parte disso. Logo, especialistas no desenho e desenvolvimento de canais digitais inovadores são muito procurados. Profissionais de Design Gráfico, Design de Games, Publicidade e Propaganda e Comunicação e Multimeios ganham força e espaço.

É preciso compreender que a necessidade de mudança não está somente em cima dos negócios – os indivíduos também precisam se adaptar à uma disrupção muito rápida do mercado de trabalho. A reciclagem profissional se tornará cada vez mais importante, assim como o mix de habilidades necessárias para uma mudança de carreira bem-sucedida.

Cassiano Maschio, Diretor Comercial da Inbenta, empresa que auxilia o relacionamento online das marcas com seus clientes.

Tags, , ,

Quer ser um campeão? Esteja pronto!

Esteja sempre pronto! Essa foi a lição dada para vencer, apresentada pelo lutador de Kickboxing Ariel Machado, um dos melhores do mundo na modalidade, em um encontro com profissionais da empresa de tecnologia 4Results.

O atleta participou de um almoço com os colaboradores da empresa, no Hard Rock Cafe Curitiba, para incentivar a equipe que tem vários desafios de entregas de projetos importantes entre o final de 2018 e o início de 2019.

Ariel Machado mostrou, em palestra, que passou por inúmeras dificuldades até brilhar mundialmente nas artes marciais em grandes disputas do MMA e Glory. Ele disse que começou a prosperar a partir do momento que fez algo como um plano de negócios para a própria carreira e listou o que importa para alcançar o sucesso:

– Saiba quem você é
– Decida o que quer
– Trabalhe duro
– Mantenha-se motivado
– Qualifique-se
– Esteja pronto
– Supere seu medo
– Vença!

Por coincidência, o campeão de lutas também é da área de Tecnologia da Informação. Tem graduação de nível superior em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Ariel Machado foi convidado para o evento com o objetivo de mostrar que foco e determinação são essenciais para quem quer vencer no mundo corporativo.

Cristiane Werner, CEO da 4Results, que convidou o lutador para a palestra, ressaltou a importância desse tipo de preparação da equipe da empresa para seguir a trilha vencedora que garantiu, em 2018, um crescimento de mais de 25% em faturamento e novas contratações. Ela usou o exemplo do especialista em TI que venceu no mundo das lutas para motivar a equipe a superar novos desafios. “Conquistamos a confiança de grandes clientes e vamos passar de um ano para outro com a responsabilidade de entregar projetos complexos com o máximo de eficiência e acerto”, destacou a empresária.

Tags, , , , , ,

Escrow de software: saiba como essa solução reduz os riscos no licenciamento de tecnologias

Por Inon Neves, vice-presidente da Access para a América Latina

A compra de um software, mesmo que com funcionalidades customizadas para atender às demandas de uma determinada empresa, não inclui o direito de acesso ao seu código-fonte ou a outros instrumentos relacionados com o seu desenvolvimento. Com isso, o suporte e as atualizações ao longo do ciclo de vida do software acabam sendo dados pelo desenvolvedor.

Neste contexto, o que acontece se uma empresa fornecedora ficar impedida de prestar esse suporte? Qual é o impacto para o negócio se, de uma hora para outra, o desenvolvedor não puder mais atualizar esse sistema? Para evitar esse problema, entra em cena o Escrow de software, que garante ao cliente acesso ao código-fonte caso o fornecedor ou autor fiquem impossibilitados de cumprirem sua parte no contrato.

O Escrow de software é um documento escrito e confidencial que comprova a existência de obrigações entre duas ou mais pessoas, em que o código-fonte é confiado em garantia a um terceiro, que se compromete a restituí-lo ao depositante ou a entregá-lo ao beneficiário, em função da verificação ou não de condição pré-determinada.

Diante de um cenário em que analistas do Gartner destacam que poucos compradores de software estão preparados para manter a continuidade dos negócios caso seu provedor pare de licenciar, desenvolver ou suportar o software, e também com a crescente adoção do modelo de serviço SaaS (Software as a Service), o Escrow de software tem se tornado um importante aliado dos responsáveis pelas aquisições de novas tecnologias para gerenciar essa dependência e garantir a proteção de propriedade intelectual.

Proteção e continuidade dos negócios

O contrato de Escrow permite que os licenciados tenham acesso ao código-fonte e às informações necessárias para fazer a manutenção e garantir a continuidade de aplicações críticas. Um dos principais benefícios dessa solução é garantir a segurança dos ativos em cenários negativos na posse dos códigos-fonte e na contratação de um novo fornecedor para substituir o anterior.

Por meio do controle total de ações envolvendo a decisão de modificar aplicações críticas, o Escrow permite que as empresas possam analisar e negociar termos de licenças mais favoráveis com novos fornecedores, por exemplo, reduzindo consideravelmente os riscos no licenciamento de tecnologias e evitando perdas em valores e produtividade nos casos de falência do fornecedor ou descontinuidade do suporte à aplicação licenciada.

Com isso, as empresas também podem acelerar o retorno da produção e das operações caso o desenvolvedor não consiga mais suportar o software ou simplesmente queira encerrar o negócio, garantindo que você tenha acesso aos recursos fundamentais para manter softwares de missão crítica em funcionamento.

Quando o Escrow é a melhor solução?

Um Escrow de software é indicado nos casos em que o software em questão é crítico para a empresa ou parte das operações, e tem efeito direto na receita. Além disso, fatores como customização, alto custo de licenciamento, dificuldade de troca, e impactos de uma possível parada em operações da empresa e de clientes são também fatores importantes para determinar os benefícios do Escrow.

Para isso, no entanto, é fundamental que as organizações envolvidas contem com um Escrow holder que seja de confiança de ambas as partes para garantir a proteção do código-fonte – não apenas da sua integridade, mas também do seu acesso, impedindo que pessoas de má-fé se apropriem do ativo para reproduzi-lo livremente.

Depois de entregar o código-fonte e todo o material relacionado, além de um inventário desse material, o Escrow holder deve confirmar o recebimento e armazená-lo em salas cofre. Posteriormente, o depositante vai poder atualizar periodicamente o material depositado, e o depositário vai ter de confirmar as atualizações tanto ao desenvolvedor de software quanto ao cliente.

É claro que nem sempre o Escrow de software tem de ser acionado, mas, se for necessário, pode ser a grande tábua de salvação da empresa, evitando paralisações no negócio e gastos com substituições de urgência.

Tags, , ,

Evento Blockchain on Tour traz ao Brasil especialistas do Crypto Valley para falar sobre futuro das criptomoedas

Voltado para qualquer pessoa que tenha interesse pelo tema, independentemente do nível técnico, Blockchain on Tour é uma iniciativa inédita promovida no Brasil pela SocialBlocks, Organização Social (OSCIP) focada em formar jovens de comunidades brasileiras como programadores em blockchain e conectá-los à oportunidades de trabalho remoto em empresas globais.

Blockchain on Tour
Com presença confirmada de 11 associados do Crypto Valley na Suíça, a meca da inovação em Criptomoedas, como o bitcoin, e em tecnologias de registro distribuído, como o Ethereum, o evento irá apresentar seis apps que funcionam na rede Ethereum e estão prontas para uso.

Confira a programação completa.

Presenças confirmadas

Gustavo Figueroa – Socialblocks
Mentor no Programa de Incubação da Singularity University e do Programa BCO do MBA da UCLA Anderson School of Management, membro do Crypto Valley Association desde sua fundação e desenvolvedor blockchain, Java, OOP, JavaScript e Python, ex-aluno de ciência da computação da Universidade de Oxford, investidor em inovação social com décadas de experiência em empreendedorismo, gestão de patrimônio e forte experiência em negociação de commodities, fusões e aquisições, na Europa, Ásia, EUA e Brasil.

Pedro Paulo Lins e Silva – Welight
Co-CEO da Welight, cursando MIT MicroMasters em Política de Dados, Economia e Desenvolvimento, ativista de tecnologia e empreendedor serial focado em soluções de impacto social e blockchain, assessor de startups e palestrante em eventos de ecossistema de inovação.

Hamid Benyahia – Dether
Co-fundador da Dether.io, uma empresa peer-to-peer para o aplicativo móvel ether marketplace. Tanto da Argélia quanto da França, Hamid trabalhou anteriormente em soluções de remessa baseadas em blockchain com o objetivo de usar a Ethereum para transferir valor para quem precisava em áreas pobres. Ele também fundou várias empresas e começou a trabalhar com provas de conceito blockchain para empresas do índice de ações CAC40 antes de perceber que uma solução como Dether está faltando.

Bernd Lapp – Swarm.City
Com anos de experiência em gerenciamento em vários setores, no final de 2014, ele se interessou pelo Blockchain Technology e pelas oportunidades de negócios que oferece, vivendo e trabalhando em Cryptovalley, Zug, Suíça. Foi consultor da Ethereum Foundation, é CEO da Old School GmbH, líder de negócios em Swarm City e assessor de alguns projetos de Blockchain.

Uma Hagenguth – Appics
Iniciou sua carreira como empreendedora on-line aos 15 anos de idade, ajudando as empresas a fazerem a transição com sucesso para o digital. Ela foi co-fundadora de uma agência global de marketing digital e combinou sua paixão por comunicação e marketing com sua paixão como filantropa e comerciante de criptografia para a tecnologia blockchain para co-criar o APPICS. Ela também é uma blogueira criptografada e particularmente habilidosa na simplificação de conceitos complexos. Sua missão: apresentar o mundo aos benefícios do Blockchain através das mídias sociais.

Michiel Berende – Etherisc
Começou sua carreira como gerente de processos de uma seguradora holandesa. Nessa função, ele se envolveu com microsseguro quando visitou a Índia em 2004. Ele apoiou uma ONG local em sua busca por tecnologia de seguros. Trabalhar nas bases inspirou Michiel a renunciar seu trabalho corporativo e ir morar e trabalhar na Índia. Lá ele trabalhou na Academia Tata-Dhan, onde estabeleceu um centro de conhecimento para microsseguro. Em 2006, Michiel começou como consultor independente e tornou-se membro do Grupo Consultivo de Assistência ao Grupo de Trabalho sobre Microsseguro dos Pobres, atualmente chamado de Rede de Microsseguros. Ele se concentra em seguros e tecnologia inclusivos e conduziu projetos na Ásia, América Latina e África. Desde 2014, o Michiel pretende melhorar o acesso a serviços financeiros através da tecnologia blockchain, atualmente na posição de Lead de Seguros Inclusivos na Etherisc GmbH.

Andy Tudhope – Status
Gerenciador de comunidades com experiência anterior em consultoria e gestão de projetos web2, despertou interesse pela evolução tecnológica e sua adoção maciça. Apaixonado pela tecnologia Ethereum Blockchain, acredita na possibilidade de melhorar a sociedade global através de uma plataforma descentralizada. Sua empresa, o Status está sendo construída com protocolos que permitem acessar o ecossistema Web3 sem comprometer a descentralização, contribuindo para criar estratégias de engajamento para a comunidade de língua espanhola.

Grif Green – Giveth
Um líder bem relacionado e respeitado dentro da comunidade Ethereum. Gerente de comunidade do TheDAO, liderando o esforço de limpeza do TheDAO Hack de todos os ângulos, co-fundador do White Hat Group, que garantiu os fundos em risco (10% de toda a ETH) do DAO e garantiu US $ 210 milhões de dólares ativos criptográficos no Parity Multisig Hack um ano depois. Em 2016, Griff fundou a Giveth para usar contratos inteligentes para capacitar radicalmente indivíduos e comunidades a promoverem mudanças reais de forma transparente e descentralizada. Atualmente, Griff está liderando a criação da Aragón DAC como uma segunda equipe independente para desenvolver a plataforma Aragon.

BOT – BLOCKCHAIN ON TOUR

CUBO
Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olimpia, São Paulo – SP
26 de novembro de 2018, 19h-22h
Inscrições, clique aqui

Tags, , ,

Primeiro Startup Weekend LegalTech da América Latina em São Paulo

O mercado de LegalTechs, termo usado para designar as empresas (startups) que criam produtos e serviços de base tecnológica para solucionar desafios do setor jurídico, está em crescente expansão no Brasil e no mundo. Segundo a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L), já existem mais de 130 startups nacionais atuando no segmento.

A previsão é de que nas próximas duas décadas a maneira como os profissionais do Direito trabalham mudará radicalmente. No livro Tomorrow’s Lawyers, Richard Susskind, principal referência internacional em tecnologia e Direito, destaca: “Formas inteiramente novas de fornecer serviços jurídicos surgirão, novos prestadores entrarão no mercado e o funcionamento de nossos tribunais será transformado. A menos que se adaptem, muitos negócios jurídicos tradicionais falharão. Por outro lado, todo um conjunto de novas oportunidades se apresentará a advogados empreendedores, criativos e jovens”.

No atual cenário de intensa revolução digital nas mais variadas esferas, os desafios enfrentados pelo setor jurídico provaram que também podem ser contornados e aprimorados a partir do uso da tecnologia, aumentando assim a eficiência e produtividade, reduzindo custos e tempo.

Na onda tecnológica que está invadindo o mundo jurídico, acontece em São Paulo, neste fim de semana, entre 23 a 25 de novembro, com o patrocínio do tradicional escritório Pinheiro Neto Advogados, o primeiro Startup Weekend LegalTech da América Latina (e um dos primeiros do mundo!), como um dos eventos oficiais da São Paulo Tech Week, o maior festival de inovação do país.

O Startup Weekend é um evento de imersão. Promovido pela Techstars com a parceria global da Google for Startups, empreendedores e aspirantes a empreendedores – ou apenas curiosos – têm a oportunidade de, em intensas 54h, expor e validar ideias de produtos e modelo de negócios, conhecer potenciais cofundadores, mentores e investidores, e dar o “kick-off” que faltava para lançar uma startup.

Presente em mais de 160 países no mundo e responsável pela revelação de mais de 8.000 startups, o Startup Weekend é formado e viabilizado por uma rede global de líderes e empreendedores de alto impacto em uma missão – sem fins lucrativos – de inspirar, educar e capacitar indivíduos, equipes e as comunidades empreendedoras locais.

O Startup Weekend LegalTech conta ainda com o patrocínio das legaltechs Linte e Digesto e do curso Ênfase.

Tags,

De Black Friday a Black November: como o fenômeno de vendas conseguiu ampliar alcance e vantagens

Por René Abe, Presidente e CEO da Rakuten Brasil

Em quase dez anos de Black Friday no Brasil, varejistas, consumidores e especialistas presenciaram o crescimento de um fenômeno que ganhou lugar de prestígio no calendário do setor. Tradicionalmente caracterizada por provocar um boom assombroso de acessos e vendas em apenas 24 horas, esta data única proporciona para muitos lojistas o volume de pedidos correspondente a um mês inteiro em outra época do ano. Com a maturidade do evento, que vem acompanhada do aumento da confiança do consumidor no futuro da economia nacional e, por consequência, nas compras no comércio eletrônico, o saldo do período fica ainda maior a cada edição. O que antes era vislumbrado apenas como uma oportunidade de ampliar os ganhos em receita e liquidar inventário estacionado em estoque, hoje, já é encarado como uma chance de ampliar o share de mercado, criar embaixadores da marca e gerar recorrência o ano todo.

São vantagens valiosas e que, se exploradas da forma correta, podem levar uma marca do patamar de total desconhecida ao de case de sucesso a ser lembrado. Melhor ainda quando é possível fazer isso reduzindo custos relevantes para a operação. E muitos varejistas online já perceberam essa necessidade. À medida em que o evento se valorizava, o investimento em marketing para garantir tráfego e conversão precisava ser ainda maior. O custo de aquisição do cliente cresceu significativamente na esteira da popularidade alcançada pela data. Nos últimos dois anos, os valores chegaram a tal nível que começaram a comprometer o orçamento das lojas virtuais e suas margens com a participação no evento. Era preciso encontrar uma alternativa e a solução natural foi o que observamos, hoje, com muita clareza: um movimento de dispersão da Black Friday para o que já conhecemos como Black Week ou Black November.

Essa tendência é, nada mais que, um movimento racional de distribuição das ações promocionais e seus respectivos investimentos não apenas na sexta-feira, mas ao longo da semana ou até mesmo do mês inteiro de novembro. Os benefícios para o comércio eletrônico vão desde a otimização dos custos com marketing até a chance de ampliar seu alcance e diversificar suas campanhas. Ao adotarem a estratégia, os e-commerces têm mais tempo para impactar o consumidor de diferentes formas e criar relacionamento que pode se estender após o período. Esse modelo permite ainda que o lojista online impacte o comprador mais cedo, um fator determinante na decisão de compra. Ao ter acesso às promoções antes e por prazo estendido, o usuário também ganha. Ele pode pesquisar e encontrar os melhores descontos com mais facilidade do que faria em um dia apenas de Black Friday, como se dava antigamente.

A consolidação dessa prática, somada à definição do cenário político brasileiro aumentam as expectativas em relação à edição do evento em 2018. Um levantamento recente da Rakuten Digital Commerce, ecossistema de soluções para o e-commerce que atua com mais de 1.200 lojas online no Brasil, apontou que o comércio eletrônico crescerá de 17% a 20% nesta Black Friday. O setor deve faturar cerca de R$ 2,7 bilhões no período, contando com um aumento de 6% no número de pedidos em relação ao ano anterior, o que representa um total de 4,5 milhões de compras. Ou seja, mesmo após quase uma década, podemos constatar que a Black Friday brasileira ainda está em expansão, encontrando novas formas de gerar valor e benefício para empresas e consumidores.

Tags, , , , ,

Fintechs premiadas sinalizam amadurecimento do ecossistema

Fintechs vencedoras do primeiro Prêmio Idei@ABBC 2018 irão apresentar suas iniciativas diretamente para instituições financeiras associadas à ABBC (Associação Brasileira de Bancos). Na última quarta-feira, 21, elas foram premiadas em evento promovido pela ABBC e apoiado pela ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs), que visou reconhecer e divulgar soluções inovadoras na área da tecnologia bancária, idealizadas e operadas por fintechs.

Conheça as vencedoras de cada categoria:

Analytics – projetos que otimizam a extração de valor dos dados e resultam em melhor eficiência de venda ou operacional por meio de análise preditiva, big data e CRM:

– BancoIn (http://www.bancoin.com.br/)

– Blu365 (http://blu365.com.br/)

– Yubb (http://yubb.com.br/)

User Experience – inovações que simplificam a validação de documentos e a jornada do cliente, auxiliam na educação financeira para suporte à decisão de investimento e crédito e à organização da vida financeira e automatizam o atendimento por meio de Chatbot e inteligência artificial:

– Allgoo (http://www.allgoo.com.br/)

– Simply (http://simply.com.br/)

– Yubb (http://yubb.com.br/)

Competitividade – ferramentas voltadas para marketplaces, open banking e meios de pagamento:

– Blu365 (http://blu365.com.br/)

– Bom pra crédito (http://www.bompracredito.com.br/)

– Quero Quitar (http://www.queroquitar.com.br/)

Tags, ,

Laboratória forma primeira turma no Brasil em maratona de programação de 36 horas

A Laboratória, startup social latino-americana líder em formação gratuita e inclusão de mulheres no setor de tecnologia, acaba de formar sua primeira turma no Brasil. Após seis meses de trabalho, a startup apresentou seus talentos ao mercado de tech durante o Talent Fest, um hackathon de 36 horas que aconteceu nos dias 08 de 09 de Novembro, no campus da ESPM TECH. A proposta era aproximar empresas interessadas em construir equipes mais diversas e inovadoras, ao trabalho realizado pela Laboratória.

“O Talent Fest representa o encerramento do ciclo de formação da primeira geração de programadoras da Laboratória Brasil. Durante o evento, as alunas demonstram todas as suas habilidades e competências ao se debruçarem sobre desafios de programação reais propostos pelas empresas parceiras da Laboratória”, diz Regina Acher, diretora executiva da Laboratória São Paulo.

Entre as onze empresas que participaram do evento estão Accenture, IBM, F.Camara, Loggi, Bradesco e Stefanini. Cada uma delas recebeu um grupo de até cinco programadoras front-end que se dedicaram em produzir uma solução para um desafio real proposto e supervisado por dois mentores da companhia.

Durante a “Demo Night”, a apresentação das soluções desenvolvidas durante o hackaton, as alunas competiram pelo prêmio de melhor produto da noite. Sendo avaliadas por júri de especialistas e com voto do público. As grandes vencedoras desta edição foram Bradesco, vencedor do 1o lugar conferido pelos jurados, e TIVIT, que apresentou o melhor produto na opinião do público.

“O Talent Fest da Laboratória é uma excelente oportunidade para que os gestores de tecnologia e recrutamento conheçam o talento que a Laboratória está formando. Em formato de hackathon, as alunas se dedicam a criar soluções para desafios reais e as empresas têm a oportunidade de vê-las em ação, avaliando tanto suas habilidades técnicas quanto socioemocionais. É um grande evento para que as empresas possam conhecer os talentos dessas mulheres e recrutar novas programadoras front-end para suas equipes”, afirma Ana Laura Navarro, Job Placement Manager de Laboratória no Brasil.

Após o evento, a rodada de entrevistas, ocorrida nas dependências do IBMEC São Paulo, resultaram, até o momento, em 24 contratações. A meta é colocar pelo menos 80% das alunas profissionalmente até o final de Janeiro de 2019.

A Convocatória para a formação gratuita da próxima geração de programadoras front-end segue aberta até o dia 30/11 e as interessadas podem se inscrever pelo link: http://selecao.laboratoria.la. Os pré requisitos são: ser mulher, maior de 18 anos e ter concluído o Ensino Médio através da rede pública de ensino, ou privado com bolsa por critério de renda. As aulas começam em Janeiro de 2019, e ocorrem de segunda à sexta-feira, das 12:30 às 17:30 na região da Av. Paulista. As alunas não pagam nada durante o curso e, depois de conseguirem um emprego, elas pagam uma contribuição para que outras mulheres possam ter a mesma oportunidade.

As organizações interessadas em conhecer o talento da Laboratória, podem entrar em contato através do e-mail analaura@laboratoria.la.

Tags, ,