Tag transporte de cargas

CargoX está com 60 vagas abertas

A CargoX, empresa de tecnologia para transportes de cargas, atualmente com 250 funcionários, está com 60 vagas abertas para diferentes áreas. As oportunidades são para a cidade de São Paulo e para escritórios que a empresa está abrindo no interior do Mato Grosso, para cargos como Engenheiro de Software, UX/UI, Analista de Logística e Estagiários.

Ao longo deste ano, a CargoX ainda abrirá um programa de trainee e outro de estágio. Reconhecida como uma das startups mais disruptivas do mundo, a CargoX chama atenção pelos salários e benefícios competitivos, ambiente desafiador, de muito aprendizado e com possibilidades de crescimento. No ano passado, por exemplo, seu programa de trainees atraiu 2.000 candidatos para 3 vagas.

“Aqui os profissionais certamente terão um problema para ser solucionado e poderão ver o impacto da sua solução na prática,” afirma o gerente de RH, Daniel Matsumato.

Interessados podem cadastrar currículos em http://bit.ly/trabalhecx

Tags, , , , , , ,

Empresa de transporte reduz passivos trabalhistas com uso de telemetria

Aliar a tecnologia à gestão de frotas estratégica é a fórmula para resultados positivos obtidos com a parceria entre a MiX Telematics, uma das maiores empresas de telemetria do mundo, e a Transportes Della Volpe, transportadora de cargas para diversos segmentos no Brasil.

A parceria, que começou em 2014, surgiu em razão do passivo trabalhista que chegava a R$ 6 milhões por ano. De acordo com Ezequiel Oliveira, gestor de projetos o controle era feito com base no diário de bordo – inclusive a empresa foi pioneira nesse tipo de controle – e depois confrontado com o tacógrafo, o que não trazia a realidade correta. Dessa forma, a transportadora perdia diversas ações trabalhistas na justiça.

Assim, as duas parceiras deram início ao desenvolvimento de uma solução para sanar a questão, com segurança e eficiência. Os resultados não demoraram a aparecer; de 180 mil horas extras por mês( em média), hoje são 60 mil, de acordo com Oliveira. Além disso, a redução de combustível é de 20%.

Ezequiel ainda explica que, depois de colocar a frota dentro de um padrão rigoroso de qualidade, a empresa começou a trabalhar na questão da segurança. “Passamos a vigiar mais a operação e começamos a avaliar pontos extremamente importantes. Por exemplo, contratos que previam prazos curtíssimos para entregas – o que trazia sérios riscos de acidentes no trajeto – puderam ser revistos. Assim, nossos motoristas podem viajar de forma segura”, enfatiza.

“A telemetria traz um retorno muito vantajoso para as empresas. No nosso caso, a redução do passivo trabalhista foi enorme, isso sem falar que o sistema traz análises muito importantes, que permitem a tomada de decisões rápidas”, explica. “Hoje temos uma das frotas mais vigiadas e bem preparadas do Brasil, com 400 veículos equipados com a tecnologia MiX Telematics”.

“Nossa expectativa é aperfeiçoar cada vez mais a tecnologia aliada à gestão, para sempre potencializar as informações obtidas e tornar nosso trabalho mais eficiente. Hoje, por exemplo, sabemos quantas passagens são feitas nos pedágios, quando deve ser feita a manutenção do caminhão, quando vence a quilometragem dos pneus, entre outros pontos, e assim manter nossa frota dentro de altos padrões de qualidade”, reforça.

Oliveira também enfatiza a importância do treinamento dos motoristas. “A solução de Jornada de Trabalho da MiX Telematics possibilita que façamos avaliações constantes de nossos colaboradores, para que eles possam sempre melhorar e contribuir com índices cada vez mais positivos”, finaliza.

Soluções MiX Telematics

Para fazer a gestão do motorista, a telemetria é a peça mais importante, pois ao mesmo tempo em que controla as horas trabalhadas, é uma ferramenta que ajuda a criar uma cultura de segurança junto aos motoristas brasileiros.

Com base em soluções embarcadas nos veículos, transportadoras e embarcadoras podem acompanhar tudo o que acontece quando seus veículos saem para as ruas, desde o tempo que a carga leva para chegar até o destino ou como os motoristas estão dirigindo.

No caso da Jornada de Trabalho, a MiX Telematics criou um software com sistema automático; basta o condutor se identificar por meio da Chave Azul. Assim, o início da viagem é contabilizado a partir do momento em que o motorista inicia a sua atividade ou permanece a disposição da empresa.

O tempo em espera é contabilizado por locais pré-definidos pela empresa; a refeição é apontada a partir da parada de uma hora contínua dentro do período de refeição Exemplo: entre 10h30 e 16h30, se o motorista fizer parada de uma hora, o sistema entende que é uma refeição.

Outro ponto é que os acordos sindicais são inseridos no sistema de acordo com o Manual Controle de Jornada.

O software de Jornada de Trabalho da MiX Telematics pode ser usado por qualquer tipo de frota: cargas perigosas, óleo & gás, construção e mineração, transporte, logística, passageiros, frota de distribuição (caminhões e vans), frota leve (vendas, serviços, inspetores etc.) e motocicletas.

Uma vantagem do software MiX Telematics é que ele oferece um aplicativo gratuito para Android, que permite ao motorista fazer as marcações necessárias, independentemente de sinal de operadora de telefonia.

Relatórios

O sistema gera relatórios completos para o gestor da frota e a área de recursos humanos, o que facilita muito o processo, além de eliminar a antigas papeletas, que não refletiam exatamente a realidade das jornadas dos motoristas.

Bruno Santos, engenheiro e diretor Serviços, Vendas e Marketing da MiX Telematics, destaca que as empresas conseguem criar um ranking dos melhores e piores motoristas e, assim, premiar quem teve bom desempenho e incentivar quem precisa melhorar. “Ganham os dois lados, pois a transportadora sabe que sua carga está em boas mãos, e o motorista se desenvolve cada vez mais, tornando-se um profissional consciente, eficiente e que terá o máximo de segurança nas suas viagens”, explica.

O software de jornada de trabalho da MiX Telematics permite ao cliente acompanhar a jornada do motorista online, possibilitando ao gestor da frota tomar decisões estratégicas da empresa, como pagamento de horas extras, excessos de tempo de direção, tempo restante para o fim da jornada, entre outros.

As soluções de telemetria são destinadas às indústrias e transportadoras que precisam gerir suas frotas, garantir a segurança do motorista e rastrear seus veículos com eficiência. Além disso, essa tecnologia contribui para diminuir o impacto no meio ambiente, por conta da economia com combustíveis, pneus, trajetos melhor definidos, ou seja, menor tempo no trânsito e a consequente emissão de gases poluentes, entre outros pontos.

Tags, , , , , , , ,

Cargotec desenvolve manuseio de carga inteligente com serviços globais de conectividade da Orange Business Services

A Orange Business Services e a Cargotec assinaram um acordo multimilionário de três ano de conectividade IoT que vai ajudar a Cargotec a manter bens em trânsito de forma eficiente e segura. Com sede na Finlândia, a Cargotec é uma provedora líder global de soluções de carga e transporte. O transporte de cargas é um dos serviços vitais para manter nosso mundo e sociedade em pleno funcionamento. Milhões de itens, desde matérias-primas até produtos para consumidores são transportados localmente e globalmente 24 horas por dia.

As áreas de negócios da Cargotec – Kalmar, Hiab e MacGregor – são líderes em seus campos de atuação e possuem uma posição única que as permite otimizar fluxos de cargas globais e criar um valor sustentável para o consumidor. A Kalmar oferece equipamentos de manuseio de cargas e soluções automatizadas para terminais, software e serviços que são usados em portos, terminais, centros de distribuição e indústrias variadas. A Hiab provê soluções de manuseio de cargas em estradas para clientes que operam com transportes em terra e setor de entregas, enquanto a MacGregor oferece soluções e serviços para cargas marítimas e manuseio de cargas offshore.

A Cargotec tem como objetivo tornar-se líder global em manuseio inteligente de cargas. Isso requer o uso da conectividade em todos os estágios do ciclo de vida do cliente. A solução de conectividade IoT da Orange vai integrar a inteligência ao maquinário, para permitir maior colaboração para suas operações globais, monitoramento e manutenção de equipamentos que vão permitir um uptime melhor possível e uma reação remota a problemas que possam acontecer. Ela também vai ajudar a Cargotec a desenvolver serviços baseados em dados.

O serviço de conectividade IoT da Orange traz resultados de negócios tangíveis para a Cargotec, possibilitando novos serviços digitais e entregando um grau muito maior de eficiência operacional, tanto internamente quanto por toda a cadeia de valor no nível do cliente. Isso inclui: pedidos ágeis de SIM Cards para IoT, ativação simples e rastreamento por um portal dedicado; preço único por SIM Card IoT, independentemente da localização; e conectividade escalável alcançando 220 países e territórios.

“Uma infraestrutura de comunicação IoT confiável, presença global, com suporte em todos os lugares do mundo e um modelo de negócios atrativo é vital para que nos tornemos líderes em manuseio inteligente de cargas. Escolhemos a Orange Business Services por essas razões”, afirma Soili Mäkinen, CIO da Cargotec.

“A Cargotec está determinada a fazer seu negócio crescer com foco no cliente e serviços de IoT que são vitais em seu desenvolvimento. Estamos muito felizes em termos sido selecionados como seu provedor e para ajuda-los a alcançar suas ambições para liderar e transformar o negócio de manuseio de cargas globalmente”, diz Fabrice de Windt, vice-presidente sênior para a Europa da Orange Business Services.

A Orange já suporta mais de 14 milhões de dispositivos conectados por meio da Datavenue, sua solução de IoT e analytics em uma variedade de setores, incluindo automotivo, transporte, cidades inteligentes, indústria e manufatura e vida cotidiana (casas inteligentes, saúde e wearables).

Tags, , , , , , ,

Sontra Cargo entra no 4º ano de atuação e bate marca de R$5 bilhões transacionados

Durante muitos anos o mercado de transporte no Brasil se manteve atrelado com o modo de atuação tradicional, ou seja, com processos manuais e pouca utilização da internet, mas com o crescimento da tecnologia mobile e o desenvolvimento da internet em nosso cotidiano, algumas soluções surgiram com o objetivo de otimizar o mercado. Uma das principais foi a Sontra – a primeira plataforma focada em conectar caminhoneiros e cargas – que nasceu com o foco de impactar o segmento e quatro anos de atuação depois atinge a marca expressiva de R$ 5 bilhões transacionados.

A plataforma possui um crescimento médio de 460% durante todo tempo de atuação, isso fez com que atingisse 250 mil caminhoneiros cadastrados e 100 mil cargas publicadas ao mês. Durante toda sua atuação a empresa ampliou a conexão entre caminhoneiros e embarcadores com uma plataforma simples e instintiva, onde as duas pontas conseguem se comunicar de forma rápida e ágil, como se tivessem negociando pessoalmente. “Nós criamos uma imensa solução para caminhoneiros e empresas, um intermediador que confere as informações das duas pontas e possibilita segurança para todos” detalha Bruno Torres, diretor de marketing da Sontra.

Dentro da plataforma, os embarcadores indicam o local de retirada da mercadoria, modelo de caminhão e carroceria, além do valor que desejam pagar pelo serviço, por meio do GPS do smarthphone, os motoristas próximos ao local recebem a notificação sobre esse frete e neste momento iniciam a negociação, podendo receber um valor mais alto ou alguma outra condição acordada.

Com a plataforma, os motoristas podem incrementar seu orçamento em até 55% e as empresas diminuem o prazo para encontrar um profissional em até 52%. Para os contratantes também existe uma economia no custo do frete, cerca de 30%, pois muitos caminhoneiros utilizam o aplicativo para preencher possíveis ociosidades de sua capacidade, negociando valores mais baixos. Esse movimento otimiza o mercado de transporte de forma bastante impactante, um exemplo disso é que nesses quatro anos já foram 3,5 milhões fretes realizados.

Para o futuro, o diretor cita que o leque de opções dentro da plataforma deve ampliar, permitindo assim uma solução mais completa para as duas pontas. “Hoje já possuímos check-in, compartilhamento de localização via e-mail, buscas bem refinadas e outras funcionalidades importantes para os profissionais, desejamos atingir um nível de excelência que permitirá um mercado ainda mais estruturado” finaliza.

Tags, , , , ,

Tecnologia inteligente é o futuro da indústria que atende o comércio internacional

O investimento cada vez maior em tecnologia é visto por muitos especialistas como tendência nos setores de comércio exterior, logística e transporte de cargas. Integrando a chamada “Indústria 4.0” ou “Quarta Revolução Industrial”, que prevê a evolução e a transformação dos mercados no âmbito de novas soluções e de tecnologias inteligentes, grandes empresas apostam no desenvolvimento de softwares e serviços automatizados e integrados para reduzir custos, aumentar a eficiência, a produtividade e a competitividade.

Uma delas é a Bysoft/NSI. De acordo com a CEO da empresa, Edneia Moura Chebabi, a Bysoft não desenvolve apenas sistemas que visam a gestão dos processos relacionados ao comércio exterior, mas soluções cognitivas, com foco na produtividade e na redução de custos de todos os intervenientes da cadeia: agentes de carga, exportadores, importadores e despachantes aduaneiros. “Todas as nossas soluções são integradas, de maneira inteligente, provendo informações online e em tempo real que são distribuídas pela cadeia e permitem a rápida tomada de decisões tanto pela indústria quanto pelo prestador de serviços”, afirma.

A executiva acrescenta ainda que, controlar os prazos de cada fase do processo de desembaraço aduaneiro é a expertise da companhia e cita alguns exemplos dos serviços oferecidos. “Os processos da indústria farmacêutica são um exemplo, pois envolvem o controle por parte da Anvisa. Contribuímos para que o prazo de liberação dos produtos seja infinitamente menor, proporcionando o peticionamento de forma automatizada. Outro exemplo são as contenções de multas, em processos que envolvem o Siscarga (sistema de controle de cargas da Receita Federal), no qual ofertamos uma ferramenta de integração em tempo real, com alertas automáticos”, ressalta a CEO da Bysoft, que será uma das expositoras da Intermodal South America, de 4 a 6 de abril, em São Paulo (SP).

Por outro lado, quando o assunto é a tecnologia aplicada ao segmento portuário, a T2S Tecnologia aposta no desenvolvimento de softwares customizados para os principais portos e terminais do país. Segundo o diretor comercial da empresa, Ricardo Pupo Larguesa, o ano de 2016, na contramão da crise econômica, foi muito bom para a T2S. “Expandimos nossa atuação para diversos outros estados. Em um comparativo de 2015 para 2016, esse foi um dos fatores que fez com que registrássemos um crescimento de mais de 60% em nosso faturamento”, comemora.

Larguesa destaca também alguns cases que contribuíram para que a empresa pudesse alcançar este resultado. “Fizemos algumas grandes implementações no último ano, como a troca do sistema de controle operacional do terminal de contêineres do porto de Paranaguá, no Paraná, por um software norte-americano, o Navis, do qual somos parceiros. Paralelamente, realizamos também a substituição do sistema operacional do terminal de contêineres do porto de Suape, em Pernambuco, que entrará em produção agora em fevereiro”.

“Outras implementações que estão em andamento são as dos novos sistemas de operações dos terminais da Wilson Sons em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, e em Salvador, Bahia, com conclusões previstas para o final do primeiro semestre e para o fim do segundo semestre deste ano, respectivamente”, completa o diretor comercial da T2S Tecnologia, que também irá apresentar suas novidades na Intermodal.

“A inserção dos conceitos de Sistemas Ciber-Físicos, Internet das Coisas e Computação em Nuvem não só nos portos, mas em todas as vertentes dos setores de transportes de carga, logística e comércio exterior é, felizmente, um caminho sem volta. A iniciativa privada vem estudando e implementando muitas possibilidades. Só na Intermodal temos mais de 12empresas de tecnologia expondo soluções. O setor acadêmico também contribui. Vale lembrar que, já em 2008, a Escola Politécnica (Poli) da USP começava a desenvolver, por exemplo, uma tecnologia de rastreamento da cadeia logística da carne bovina, que agiliza o processo de exportação, e que hoje é o sistema oficial utilizado pelo Ministério da Agricultura”, reforça Ricardo Barbosa, gerente do evento.

Tendências – De olho no futuro da inovação no transporte, armazenagem e distribuição de cargas, a 23ª edição da Intermodal promoverá o evento “Tendências Tecnológicas na Logística”, em um encontro que reunirá especialistas, executivos e representantes do setor, onde serão apresentadas e discutidas as últimas tendências e estratégias em conceitos, modelos, processos e tecnologias inteligentes.

Com início às 08h30 do dia 6 de abril, o evento contará com uma repleta grade de programação. Às 09h, a gerente de logística da Ajinomoto, Maristella Andrade, palestrará sobre a aplicação do footprint como solução integrada para otimizar a cadeia de suprimentos. Às 09h40, o diretor industrial da Lóreal, Antônio Grandini, e o professor de logística e orientador de gestão empresarial da consultoria Premiatta, Paulo Bertaglia, dissertarão sobre “a quarta revolução industrial” e a “logística 4.0”.

Já às 10h50 será a vez do professor e coordenador do laboratório em logística e transporte da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas (FEC/UNICAMP), Orlando Fontes Lima, que apresentará o raio x da logística do futuro e as macro tendências tecnológicas que podem transformar o cenário logístico atual. Por fim, às 11h40, o diretor de logística e transporte da Pirelli na América Latina, Rodolfo Giotto, debaterá sobre o que as empresas estão fazendo para inovar em momentos de crise.

Para mais informações sobre essa e outras conferências da Intermodal 2017, acesse – http://www.intermodal.com.br/pt/conferencia-2/primeiro-dia

Tags, , , , , , , , ,

CargoX testa drones para monitoramento de cargas

A CargoX – primeira transportadora do Brasil impulsionada por tecnologia e inovação, que opera conectada a uma rede de mais de 100 mil caminhoneiros autônomos testa uma proposta pioneira para o mercado de logística. Chamado de SafetyTruck, o projeto propõe utilizar drones para o monitoramento de cargasque saem de São Paulo.

A iniciativa ainda está em fase de desenvolvimento, mas uma das principais funcionalidades de segurança é o botão de pânico, que aciona o drone em situações de emergência, como as tentativas de assalto. Nesses casos o equipamento acompanha o veículo por cerca de cinco horas e envia as imagens captadas direto para a transportadora iniciar à recuperação da carga e do caminhão. Além disso, o recurso conta com um item de reconhecimento de paradas não programadas para identificar rotas fora do itinerário.

Segundo a Associação Nacional do Transporte de Cargas &Logística (NTC&Logística), os altos índices de roubo de cargas no Brasil geram um prejuízo anual de R$ 2 bilhões e, para inibir este tipo de incidente, a CargoX pretende estar na vanguarda do uso de drones para inibir furtos de carregamentos. “Queremos antecipar o futuro de segurança do setor rodoviário com o uso dessas tecnologias de última geração, que permitem monitorar e localizar o motorista em tempo real, para que tomemos providências se houver algum imprevisto no trajeto”, afirma Federico Vega, CEO da CargoX.

De acordo com o executivo, a companhia está focada 100% em tecnologia e empenhada em melhorar o transporte rodoviário no Brasil nos próximos anos com a iniciativa dos drones, dentreoutros projetos. “Com o SafetyTruck e outras ações que estamos criando, nosso intuito é projetar o futuro para a logística do país e melhorar as condições nas estradas”, explica Vega.

A CargoX, (http://www.cargox.com.br), é a primeira transportadora do Brasil sem frota própria, baseada em tecnologia e inovação, operando conectada em tempo real, por meio de um aplicativo próprio, a uma rede de mais de 100 mil motoristas autônomos. Lançada oficialmente em março deste ano e considerada como a “Uber dos caminhões”, a empresa é pautada pelas diretrizes agilidade, flexibilidade e qualidade na experiência do contratante do serviço, além de responsabilidade pelas cargas transportadas. A CargoX começou a ser estruturada em meados de 2015 por Federico Vega, CEO da companhia. Atualmente, atende todas as regiões do país e com crescimento médio de 57% ao mês espera faturar no primeiro ano de atuação cerca de R$ 50 milhões.

Tags, , , , , , ,

Cofundador da Uber entra no mercado brasileiro de transporte rodoviário de cargas com a “Uber dos caminhões”

Em 2009, Oscar Salazar, juntamente com outros dois sócios, Travis Kalanick e Garrett Camp, fundou a Uber, empresa que em menos de seis anos se tornou uma das maiores companhias do mundo. Salazar aposta agora que o mercado brasileiro de cargas rodoviárias passará pela mesma transformação que o transporte individual de passageiros, motivo pelo qual acaba de se tornar investidor e diretor da CargoX (http://www.cargox.com.br), primeira transportadora do país impulsada por tecnologia. A previsão é que nos primeiros dois anos de operação, o investimento chegue a R$ 100 milhões.

Além do empresário, Eddie Leshin, outro respeitado executivo do mercado de transportes, que atuou como diretor da C.H. Robinson e foi COO da Coyote Logistics – ambas somam um faturamento de mais de R$ 56 bilhões por ano–, também será investidor e ocupará o cargo de diretor estratégico de Operações na CargoX. Outro nome de peso é o americano Hans Hickler, ex-CEO da DHL Express nos Estados Unidos. Completam o time de investidores o Valor Capital Group (fundado por Clifford Sobel, ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil), Agility Logistics (uma das maiores empresas de logística com mais de 500 escritórios em 100 países) e Lumia Capital (fundada por Martin Gedalin, ex-Oracle e Chris Rogers, co-fundador da Nextel Communications).

Conectada em tempo real por um aplicativo com mais de 100 mil caminhoneiros autônomos, a empresa vem sendo estruturada desde meados de 2015 e é pautada em algumas das principais diretrizes do Uber: agilidade, flexibilidade e qualidade na experiência do contratante do serviço; além de uma base de motoristas cadastrados com processo de triagem rigoroso e responsabilidade pelas cargas transportadas. “Utilizamos a ociosidade da frota autônoma do país com o cruzamento das rotas de nossos clientes para otimizar os envios. Com essa tecnologia por trás da CargoX permitimos que os embarcadores tenham uma economia inicial de até 30% no valor do frete”, esclarece Alan Rubio, diretor de Transportes da CargoX, especialista com mais de 25 anos de experiência no setor de transportes.

Para Oscar Salazar, o momento econômico que o Brasil atravessa também foi uma oportunidade para a criação da companhia. Segundo o executivo, o mercado brasileiro de frete opera com 40% de ociosidade em sua capacidade. “As transportadoras brasileiras estão sob a pressão da crise econômica e, justamente por isso, vamos oferecer um serviço de melhor qualidade com menor custo. Para nósé o momento de apostar no país e crescer de forma exponencial, impactando positivamente no valor operacional da cadeia logística”, afirma.

“Pretendemos revolucionar o mercado de transporte de cargas no país, com o fortalecimento da cadeia logística. Nós acreditamos em um crescimento rápido, com faturamento que pode ultrapassar os R$ 48 milhões no primeiro ano de atuação”, prevê Salazar.

Mercado brasileiro de cargas rodoviárias

O transporte rodoviário de cargas brasileiro (TRC) é responsável por mais de 65% do volume de mercadorias movimentadas no Brasil e seu custo representa cerca de 6% do PIB do país. Para as empresas, o transporte de carga pelas estradas nacionais corresponde por mais da metade da sua receita líquida, como no caso da agroindústria (62%) e das indústrias de alimentos (65,5%). Segundo dados não oficiais, o Brasil tem uma frota excedente de aproximadamente 350 mil veículos (35%), o que gera mais de 30% de viagens com o caminhão vazio.

Tags, , , , , , ,