Page

Tag tecnologia

Grupo Nexxera recebe o Meetup “Mulheres de Produtos” e fomenta o debate de igualdade de gênero no mercado de TI

O Grupo Nexxera, um dos principais players do mercado de tecnologia para transações eletrônicas, irá sediar a terceira edição do “Mulheres de Produto”, um projeto de incentivo à participação feminina na área de TI, na quarta-feira, 29, das 18h30 às 21h30. O objetivo dessa iniciativa é fazer com que as mulheres se sentirem mais à vontade nessa área, sabendo lidar com determinadas situações, obtendo conhecimentos específicos, compartilhando experiências, fazendo networking, conhecendo a dinâmica de outras empresas, entre outros. Tudo isso para torná-las mais seguras e fortes.

Segundo dados apresentados pela CA Technologies, uma das maiores fornecedoras de tecnologia corporativa do mundo, apenas 8% das vagas de desenvolvedores de software de todo o mundo e 11% dos cargos executivos das empresas de tecnologia no Vale do Silício (EUA) são ocupados por mulheres. No Brasil, apesar de serem maioria no Ensino Superior, as mulheres representam apenas 22% dos alunos nos cursos relacionados à computação (Censo IBGE 2010).

Áreas como tecnologia e exatas são dominadas por colaboradores do sexo masculino, porém, existe um forte trabalho para mudar este cenário e aumentar o protagonismo das mulheres, sobretudo, quando o assunto é tecnologia.

O “Meetup Mulheres de Produto” é um evento itinerante que acontece uma vez por mês. O encontro promove trocas de experiências, conversas e networking entre mulheres que atuam no setor ou pretendem explorar essa nova área.

Organizado coletivamente pelo grupo, a 3ª edição acontecerá no Grupo Nexxera por meio da iniciativa de uma colaboradora, Renata Schneider – Analista de Marketing de Produto do Grupo. “Iniciativas como essa fortalecem as mulheres e fazem elas se sentirem mais seguras no ambiente que trabalham. Isso é positivo para todos, inclusive para a própria empresa, que terá profissionais mais motivadas “, explica Schneider.

Tags, , , , ,

Primeiro evento de Inovação do mercado Fitness e Wellness já conta com centenas de startups inscritas

Nos dias 30, 31 de agosto e 1º de setembro, no Transamérica Expo Center Norte, em São Paulo, acontece a 19º IHRSA Fitness Brasil, considerado o maior evento da indústria Fitness da América Latina. Dentro deste evento será realizada a primeira edição do Fitness Innovation Brasil, uma iniciativa da Fitness Brasil e da Kogut Labs. Serão mais de 80 palestrantes, 120 expositores e 16 mil visitantes.

O objetivo da Fitness Inovation Brasil é fomentar o ecossistema de startups, promover inovação através de novos produtos e tecnologias, além de contribuir com o empreendedorismo no mercado de Fitness e Wellness. E, para isso, acontecerão uma série de iniciativas como: o Prêmio Fitness Innovation 2018, o Innovation Talks e o Startup Arena.

PRÊMIO FITNESS INNOVATION 2018

O Prêmio Fitness Innovation 2018 será concedido a uma de 10 startups pré-selecionadas nas categorias Nutrição & Suplementos, Tecnologia & Equipamentos e Metodologia & Treinos. Elas terão 5 minutos para apresentarem seus casos de inovação a uma banca de investidores e especialistas. Cada uma das vencedoras receberá um prêmio de R$ 5.000,00 além de poder ser acelerada pela Fitness Brasil Lab e conectada a rede de parceiros para ganhar escala e crescer exponencialmente.

Acontecerá também a Startup Arena, um espaço dedicado para empreendedores fazerem negócios, networking e divulgarem a sua startup na maior e mais respeitada vitrine do Fitness da América Latina. Em apenas 10 dias de inscrição, mais de diversas startups já adquiriram o espaço, dentre elas: Leths, Topa?, KDCare, Cone Training, DGLab, Physiconnect e ZW Cross.

Dentre os nomes da comissão avaliadora estão: Marcio Kogut, Serial Entrepreuner e CEO da Kogut Labs; Waldyr Soares, fundador e presidente da Fitness Brasil; Marcelo Kogut, investidor, especialista em tecnologia e COO da Kogut Labs; Fabio Saba, mestre em Ed. Física pela USP, diretor executivo da Saba Wellness Management; Gustavo Almeida, especialista em projetos pela FGV e diretor executivo da Fitness Brasil; Ricardo Cougo, consultor e professor de MBA na Uni. Federal do PR, PUC PR e Positivo; Leonardo de Moura, consultor de Marketing Digital, Co-Founder na Agência K/B.

Tags, , , , , ,

Mais de 30 empresas disputam profissionais em evento na Digital House

Na próxima semana, o campus da Digital House, hub de educação para a formação de profissionais de alta performance para o mercado digital, será palco de um dia diferente de recrutamento. Mais de 30 empresas terão seu espaço no Recruiting Day, um dia que tem como objetivo fazer o match entre os formandos da escola e as companhias que buscam os melhores profissionais.

Nesse dia, serão ofertadas mais de 500 vagas para os formandos nos cursos de Marketing Digital, Desenvolvimento Mobile Android e Desenvolvimento Web Full Stack. O curioso é que o modelo será diferente: não serão os candidatos que disputarão as vagas, mas sim, as empresas que irão brigar pelos melhores profissionais. Gigantes da tecnologia como Movile, Revelo, GE, Guia Bolso e Youse farão uma apresentação para fisgar os formandos para suas equipes. Cada uma das empresas presentes terá uma mesa para receber e conversar com os candidatos.

De acordo com a consultoria americana IDC, existem cerca de 250 mil postos de trabalho para profissionais de tecnologia no Brasil, um setor que movimentou US$ 38 bilhões só em 2017. Ou seja: muitas empresas procurando e poucos profissionais qualificados. Andrea Tedesco, mentora de carreiras da Digital House, aponta que esse foi o motivo que inspirou a fundação da escola no país. “Vivemos em um mundo onde não só consultorias e fábricas de software contratam profissionais de tecnologia; agora todos, literalmente, buscam esses perfis para que seus negócios façam parte da chamada Transformação Digital”, aponta Tedesco.

A especialista esclarece, ainda, que essa inversão de papéis é um modelo que surge da necessidade das empresas em encontrarem pessoas alinhadas à cultura da organização e grande potencial de desenvolvimento. “Os impactos causados pela velocidade exponencial de mudanças no mercado de trabalho são, ao meu ver, um dos importantes pilares dessa inversão de papéis”, analisa.

O Recruiting Day acontecerá com frequência na Digital House, o que significa que ainda há chances para quem ainda está em busca de uma oportunidade para trabalhar no emprego dos sonhos. Todos os meses abrem novas turmas na Digital House, e os cursos duram cerca de cinco meses – prazo suficiente para formar analistas nas áreas de Desenvolvimento Web Full Stack, Desenvolvimento Mobile Android, Marketing Digital, Experiência do Usuário (UX), Gestão de Negócios Digitais, Data Science e Data Analytics. Além disso, a escola promove eventos, workshops e encontros gratuitos para ajudar a orientar quem ainda não sabe que carreira seguir. “Sabemos que o mundo da tecnologia é novo para muita gente, e por isso, abrimos nossas portas para ajudar quem deseja entrar nessa área”, pontua Andrea. Por fim, a especialista aponta que em sua maioria, os alunos da Digital House são profissionais iniciando ou fazendo a transição para uma carreira no digital, pois vêm encontrando no setor a possibilidade de uma carreira promissora.

Tags, , , , ,

3 fatores necessários para promover a implementação do trabalho colaborativo

A computação em nuvem, por exemplo, se tornou essencial para a gestão de dados e documentos e execução de tarefas dentro das empresas – seja com clientes, colaboradores ou parceiros. De acordo com projeções do mercado, esse modelo de armazenamento tem apresentado taxas de crescimento que superam os 60% e espera-se que esse ritmo continue nos próximos dois anos. Em 2017, a Global Data entrevistou executivos brasileiros e apurou que 94% deles pretendem implementar soluções em nuvem até 2020.

Essa evolução acompanha e facilita os adeptos das duas maiores tendências dos formatos de trabalho no mundo corporativo: o trabalho remoto e o trabalho colaborativo. Isso porque, além de oferecerem infraestrutura de armazenamento de dados, algumas soluções possibilitam aos usuários o compartilhamento de documentos, a edição e backup em tempo real, migração de dados e alta conectividade do sistema.

Com todas essas ações possíveis, o profissional consegue otimizar e organizar suas demandas. Mas, para que a gestão na nuvem seja eficiente, apresente bons resultados e englobe todas essas ferramentas, é preciso considerar alguns recursos. Marcelo Ramos, vice-presidente sênior e gerente geral da Axway para América Latina – uma empresa que acelera a transformação digital – elenca três fatores essenciais para o compartilhamento e sincronização de arquivos empresariais com sucesso:

1. Segurança: uma nuvem, antes de tudo, precisa ser segura. E essa ainda é uma das maiores barreiras que impedem sua popularização. A pesquisa ‘The State of Cloud Analytics’, realizada em 2016, indicou que 40% dos entrevistados viam questões de segurança e compliance como o principal obstáculo para a implementação do serviço. Por isso, investir em um serviço maduro que permita ao usuário proteção global de última geração e conformidade com a máxima visibilidade e controles de segurança é essencial para obter sucesso.

2. Sincronização: manter informações sincronizadas é outro aspecto importante e que deve ser avaliado no momento de escolher uma solução de compartilhamento de arquivos. Imagine a seguinte situação: duas pessoas estão trabalhando em um projeto e precisam editar o arquivo ao mesmo tempo, em dispositivos e locais diferentes, sendo assim uma solução que permite a colaboração e atualização em tempo real, com acesso contínuo ao conteúdo se torna essencial.

3. Mobilidade: sabe-se que o trabalho remoto já se tornou um modelo dentro de muitas empresas, sejam elas multinacionais, que precisam conectar profissionais alocados diferentes países e regiões, ou aquelas que oferecem a possibilidade do home office para seus colaboradores. De acordo com o Future Workforce Report – elaborado pela UpWork – os gerentes de RH já estimam que 38% de seus colaboradores estejam trabalhando remotamente, o que faz com que soluções de compartilhamento e sincronização de arquivos sejam capazes de serem acessadas a qualquer momento, de onde a pessoa estiver – seja de um notebook, desktop, tablet ou celular.

Tags, , , , , ,

Quer ir ao Vale do Silício? Confira quatro exemplos nacionais para se inspirar

Por Eduardo Küpper

O Vale do Silício é o apelido de uma região na baía de São Francisco, nos Estados Unidos, e que se transformou, ao longo das décadas, no principal polo tecnológico do planeta. É lá que estão parte das maiores e melhores empresas de TI do planeta – e também é lar para algumas das melhores ideias que revolucionaram o mundo. Isso faz com que o local também seja ponto de chegada para empreendedores do mundo inteiro, dispostos a aprenderem as lições e segredos dessas organizações e implementarem em seus negócios.

Entretanto, não basta ir lá com apenas uma boa ideia na cabeça: é preciso conversar, negociar, mostrar e, principalmente, apresentar suas soluções na prática para conquistar a atenção dos investidores. Portanto, antes de fazer as malas e ir até o Vale do Silício em busca de investidores, veja algumas dicas de empresas brasileiras que conseguiram se destacar no competitivo mundo das startups.

Continue inovando e buscando soluções para o mercado

Os jovens Henrique Dubugras e Pedro Franceschi ficaram conhecidos aqui no Brasil ao criarem a Pagar.me, uma solução de pagamento inovadora que possuía recursos para atender tanto os pequenos quanto os grandes empresários. A ideia deu certo e a startup cresceu rapidamente. Mas eles não pararam por aí. Nos Estados Unidos, criaram a Brex, responsável por um cartão de crédito para empresas financiadas por capital de risco. Esse modelo de negócio já atraiu a atenção de gigantes do Vale do Silício e ganhou US$ 57 milhões de investimento por meio de Peter Thiel e Max Levchin, cofundadores da PayPal, Y Combinator Continuity e Ribbit Capital.

Esteja antenado ao mercado e ao público-alvo

Em 2017, o Bitcoin chegou a valorizar mais de 1500% e, no início de 2018, havia mais brasileiros investindo em criptomoedas do que na Bolsa de Valores. É inegável a popularização dessa categoria e a necessidade de soluções que estimulem seu uso. Essa é a ideia que motivou o surgimento da Atomic Fund, um fundo de investimento livre especializado em criptomoedas. A plataforma permite que investidores depositem suas moedas criptografadas em uma “carteira digital”. A proposta agradou os investidores do Vale do Silício. Em março de 2018, a empresa foi a única brasileira presente no programa de aceleração Boost VC Blockchain.

Busque soluções que transformam a vida das pessoas

A união entre medicina, biologia e tecnologia já é uma realidade, com desenvolvimento de soluções que combatem doenças e problemas de saúde. Conhecido como Bioinformática, esse segmento deve ter um crescimento médio anual de 16,8% até 2024, segundo o Data Bridge Market Research. A brasileira NAIAD Design de Compostos Bioativos surgiu em 2018 para pensar em produtos que possam transformar a vida das pessoas. A empresa cria moléculas bioativas atingindo os Receptores Acoplados à Proteína G. O objetivo é desenvolver medicamentos melhores para tratamento de dores, hipertensão e arritmia. Com menos de seis meses de fundação, a startup tem planos de expandir para outros países e conseguir aporte financeiro internacional.

Planeje e expanda o modelo de negócio

Startups que desejam se consolidar em seus segmentos e atrair investidores estrangeiros precisam, evidentemente, expandir sua atuação a outros mercados e impactar um número maior de pessoas. A brasileira Pipefy, responsável por uma plataforma em nuvem que permite gerentes de operações e negócios implementarem novos processos em suas empresas sem depender de TI, nasceu em 2014 e desde o início colocou como meta internacionalizar a empresa e oferecer seus serviços para outros países. Em março, recebeu aporte de US$ 16 milhões na rodada encabeçada pela OpenView Partners, Trinity Ventures, Redpoint Ventures e Valor Capital. Assim, vai conseguir consolidar suas equipes não só no Brasil, mas também em São Francisco, nos Estados Unidos.

Eduardo Küpper, MBA pela Wharton Business School e MA em Estudos Internacionais pelo The Lauder Institute, ambos na Universidade da Pensilvânia e Co-fundador da Wharton Alumni Angels Brasil

Tags, , , , ,

InstaCarro recebe aporte de R$ 17 milhões e completa mais de R$ 100 milhões em fundos de investimentos recebidos

O ano de 2018 foi de mudanças para a InstaCarro, startup que viabiliza negócios rápidos, seguros, transparentes e com os melhores preços de lojas e concessionárias para quem quer vender o carro. A empresa ganhou ainda mais fôlego e notoriedade no cenário brasileiro e anuncia planos de expansão arrojados. Com um novo aporte, dessa vez de R$ 17 milhões, provenientes dos fundos de investimentos FJ Labs, Lumia, Hummingbird e Rise, a companhia somou um total de mais de R$ 100 milhões já recebidos desde sua chegada no mercado brasileiro, no final de 2015.

O cenário é reflexo do modelo de negócios da InstaCarro, baseado na praticidade e muita facilidade na hora de compra e venda de um carro. Com o novo aporte, a empresa vai investir em expansão regional, chegando às cidades de Curitiba, Porto Alegre, ambas no modelo B2B, e Belo Horizonte, Santos, Ribeirão Preto, Campinas e interior, no modelo B2C.

Para a atuação regional, a companhia terá um Gestor Nacional para Varejo. “A escolha dessas regiões se deu por conta do potencial de crescimento que apresentam. Não descartamos a possibilidade de expandir ainda mais. A ideia é estar também no mercado Latino Americano, iniciando pela Argentina, nos próximos cinco anos”, explica Luca Cafici, CEO e Fundador da InstaCarro, que é argentino e conta sobre os planos internacionais também por conta de sua naturalidade e forte conhecimento desses mercados.

O aumento da rede de parceiros (canais para vistoria, inspeção e avaliação) também faz parte das iniciativas. Atualmente, na capital paulista são 10, mas o objetivo é chegar a 50 até o final do ano. Para isso, a InstaCarro anuncia a criação de um plano de canais para expandir de forma escalável.

Com uma cultura altamente enraizada em tecnologia, grande parte do investimento será feita na plataforma que faz a empresa girar de maneira ágil. “Aqui enxergamos a tecnologia como investimento e jamais um custo. Quanto maior a robustez, mais a empresa evolui e proporciona benefícios para os mercados B2B e B2C como um todo”, completa Cafici.

Tags, , , , ,

Rodobens lança programa de conexão com startups

Estão abertas as inscrições para o programa Inova Rodobens, da Rodobens Consórcio, que tem como objetivo se associar a startups, transformar o setor de consórcio e aprimorar a experiência de seus clientes e parceiros de negócios.

O programa priorizará três desafios importantes para alcançar os objetivos: fidelização de parceiros a partir do acesso facilitado às ferramentas de tecnologia e ao cliente final, ampliação do perfil do público ao apresentar de forma simplificada o produto e o mercado de consórcios e realização de vendas por meio de um canal digital atrativo para o consumidor. A companhia pretende unir seu know-how com a tecnologia e mind-set das startups.

“O Inova Rodobens conectará a organização com startups. A ideia é que estas empresas apresentem um produto mínimo viável (MVP) experimentado em pequena escala ou que já esteja no mercado. A Rodobens poderá contratá-la como fornecedora ou realizar uma parceria comercial para ofertar soluções para seus cooperados”, explica o diretor geral da Rodobens Consórcio, Ronald Macedo Torres.

O cronograma está composto por quatro fases: período de inscrições para todo o Brasil até o dia 10 de setembro, pré-seleção dos inscritos, evento Pitch Day para apresentação das soluções e divulgação dos selecionados em 5 de outubro. A propriedade intelectual original da solução apresentada continuará sendo da startup. Potenciais investimentos em Equity poderão ser discutidos, dependendo da aderência da solução à estratégia da Rodobens.

Para mais informações sobre o programa e inscrições, acesse o site http://lp.startse.com.br/programa/programa-inova-rodobens

Tags, , , , , ,

Cloud Weekend reúne especialistas em computação em nuvem

Evento online trará temas como inteligência artificial, IoT e computação quântica aos participantes

Ocorre, neste fim de semana, o evento inteiramente online Cloud Weekend que terá mais de 20 palestras de especialistas em cloud computing. Com foco na comunidade técnica, o evento visa compartilhar conhecimento e tirar dúvidas dos participantes sobre temas como inteligência artificial, internet das coisas, blockchain, kubernetes, computação quântica, entre outros temas.

Agenda:
Dias 25 e 26 de agosto
Das 10h às 20h
Site de inscrição e acompanhamento do evento: http://www.cloudweekend.com.br.

Tags, , , ,

Stefanini promove em Porto Alegre o MeetUP Agile Experts

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, promoverá no dia 28 de agosto, de 19h às 21h30, o Meetup Agile Experts – Porto Alegre, que tem como tema “Ferramentas ágeis para o dia a dia”, com a participação da Annelise Gripp, especialista em Transformação Ágil em empresas de todos os portes.

Annelise Gripp, que atua há 23 anos como engenheira de desenvolvimento de software, se considera uma entusiasta em tecnologia e uma pessoa engajada na integração das pessoas. Em sua trajetória, ela aprendeu, ensinou e experimentou novas metodologias, tecnologias, ferramentas e dinâmicas em todo o processo de Engenharia de Software. “Hoje, como consultora e especialista em Transformação Ágil, meu trabalho consiste em expandir, compartilhar e aplicar meus conhecimentos, habilidades e experiências, nas companhias”, afirma a palestrante.

Atualmente, a Stefanini oferece o Gerenciamento Ágil de Projetos, utilizando tanto a metodologia Scrum quanto Kanban, de acordo com as necessidades específicas e o perfil de cada cliente. Com a Revolução Ágil Stefanini, o cliente pode definir a ordem de prioridade em cada etapa de trabalho a ser desenvolvida. O modelo se torna ainda mais eficaz quando a equipe, cliente e fornecedor conseguem estabelecer, ao longo do tempo, um processo de colaboração, que gera entregas rápidas e eficientes. Os profissionais que abraçam a metodologia ágil estão comprometidos com o aprendizado contínuo e a melhoria constante de um projeto.

Meetup Agile Experts – Porto Alegre

Dia: 28 de agosto
Horário: 19h às 21h30
Local: Tecnopuc, prédio 99, sala 204
Endereço Avenida Ipiranga, Partenon, Porto Alegre, RS

Tags, , , , ,

Onde você está na jornada da modernização?

Por Anderson Müzel

Algumas organizações estão descobrindo o valor da modernização de seus ambientes e, consequentemente, o ritmo da inovação tem aumentando em ritmo exponencial. As empresas de sucesso são aquelas que conseguem transformar a mudança em uma vantagem competitiva. Com isso, companhias de TI entendem que precisam avançar nesta jornada em direção a uma transformação digital.

Para os desafios e exigências atuais, um data center moderno pode superar limitações e atender às mais altas expectativas, pois é definido por software, em ambiente virtualizado de processamento, armazenamento, rede e segurança, automação, gerenciamento baseado em políticas e governança e permissão para conectar aplicativos entre as nuvens e os dispositivos.

De acordo com uma pesquisa da VMware, 45% das empresas declararam que estão buscando implantar um data center definido por software (SDDC, Software-Defined Data Center) para agilizar a capacidade de resposta.

Por outro lado, algumas organizações estão descobrindo o valor da modernização de seus ambientes com uma infraestrutura hiperconvergente (Hyper-Converged Infrastructure), também conhecida como HCI, que integra tecnologias de computação, armazenamento, sistema de rede e virtualização em um sistema X86 (arquitetura de processadores de 64 bits), permitindo que os recursos dos componentes sejam gerenciados como um sistema único. Com uma arquitetura flexível e independente de hardware, o HCI é mais ágil, altamente programável e econômico.

A TI não deveria ser vista como centros de custo, mas como capacitadora de negócios. Por isso, é necessário realizar investimentos em capacitação e tecnologias.

Anderson Müzel, diretor executivo e comercial da CSU.ITS, divisão da CSU voltada à terceirização de data center e serviços gerenciados de tecnologia.

Tags, , , , ,

87% dos internautas gostariam de comprar em supermercado sem caixa

O brasileiro está preparado para comprar em um supermercado sem caixa, com cobrança online? Uma pesquisa do IBOPE Conecta realizada com internautas revela que 87% deles comprariam nessa situação, pois acham que seria mais prático, mais rápido e gostam de novas experiências de compra. Para os 13% que não comprariam, o motivo é o receio de não ter alguém para solucionar um problema e por não parecer tão seguro.

Outra opção de cobrança, o totem, como já existe nos estacionamentos de shoppings, precisa de um pouco mais de incentivo, pois 45% dos entrevistados afirmam nunca ter usado o totem quando disponível em algum ponto de atendimento. Entre os que já usaram, a ferramenta agrada: 61% acham mais prático e 45% dizem que o atendimento é mais rápido, além dos 15% que preferem não falar com um atendente.

A pesquisa também questionou sobre as Guide Shops, estabelecimentos como uma vitrine de produtos, geralmente ligados a um e-commerce. Por enquanto, são desconhecidas no Brasil, já que 80% dos entrevistados nunca ouviram falar nesse tipo de loja, mas gostariam de comprar. Para os 14% que afirmam que não comprariam, os principais motivos são receio do produto vir errado ou com defeito, não levar o produto para a casa na hora e a falta de confiança nesse tipo de serviço. Os poucos (4%) que já compraram nessas lojas, gostaram: 70% ficaram satisfeitos com a experiência.

Outro método que começa a aparecer em maior número no país é o de pagar apenas aproximando o celular da maquininha. Mais da metade dos internautas brasileiros (57%) já ouviram falar desse tipo de pagamento, mas nunca o utilizaram. Outros 31% também não conhecem, mas ficaram interessados em utilizar. Por enquanto, apenas 2% já utilizaram, sobretudo em lojas de roupas e supermercado.

O IBOPE Conecta também perguntou qual o sistema de pagamento inovador preferido do internauta. Pagar com a biometria é o escolhido por metade dos entrevistados (48%), seguido de pagar com o celular (27%) e reconhecimento facial (12%). Apesar do desejo de avanço tecnológico, 42% acreditam que o Brasil não tem capacidade de ter essas tecnologias como lojas sem atendentes, pagamentos via celular e outros. Também há a barreira cultural: 64% preferem pagamento com cheque e 49% preferem o sistema de carnê/boleto bancário (as respostas eram de múltipla escolha).

Sobre a pesquisa

A pesquisa foi realizada de 8 a 13 de março, com 2.000 internautas das classes A, B, C e D, de todas as regiões do Brasil.

Tags, , , , , ,

Fábio Lia assume diretoria de alianças estratégicas na Memed

A Memed, empresa de tecnologia em saúde, pioneira em plataforma para prescrição digital no país, acaba de nomear Fabio Lia como diretor de alianças estratégicas. Com sua experiência consistente no mercado de saúde em grandes companhias internacionais, Lia chega para impulsionar a estratégias de consolidação da Memed como a referência em tecnologia para prescrição médica, disseminando sua plataforma inteligente entre as lideranças de grandes hospitais, operadoras de saúde e fornecedores de prontuários eletrônicos do paciente (PEP).

“A experiência de Fábio Lia nos apoiará muito nesta nova fase em que queremos mostrar ao mercado que a nossa plataforma digital é a mais completa para prescrição de diversos itens, como medicamentos e exames, que conecta todo o ecossistema de saúde desde o momento da consulta até a adesão ao tratamento,” afirma Ricardo Moraes, CEO da Memed

Lia tem uma carreira sólida, passou por grandes multinacionais da área de saúde, como GE Healthcare, Edwards Lifesciences e Cerner Corporation. Mais recentemente, integrou a equipe da Wolters Kluwer Health, maior empresa de conteúdo médico no mundo, como diretor de alianças estratégicas da companhia na América Latina.

Segundo Lia, sua principal motivação para juntar-se à equipe da Memed foi a visão abrangente que a empresa possui em relação ao cuidado integral. “Aparentemente a solução parece focada apenas na prescrição, porém ela está baseada em um conceito muito mais amplo. A plataforma suporta o médico com informações atualizadas sobre medicamentos, dá segurança e facilita, de verdade, a rotina desse profissional. Além disso, ela é incrivelmente inovadora no pós consulta, trazendo tecnologia acessível e segura para os pacientes, que recebem sua receita médica no celular, pesquisam preços dos itens prescritos, agendam exames, educam-se e aderem mais facilmente ao tratamento. Estou empolgado com esse desafio”, ressalta o novo diretor de alianças estratégicas.

A plataforma Memed

A Memed nasceu totalmente focada na experiência do médico e dos pacientes e conta hoje com mais 50 mil médicos usuários em todos os estados do Brasil, além de 40 prontuários eletrônicos integrados. Somente em 2017, foram realizadas mais de 30 milhões de buscas por informações de medicamentos na plataforma e mais R$ 500 milhões em medicamentos foram prescritos via Memed.

O propósito desta solução é tornar a área da saúde mais eficiente e humana por meio da tecnologia, contribuindo inclusive com a redução dos erros de prescrição médica no país, algo que preocupa a comunidade de saúde em âmbito global. De acordo com dados da Anvisa e da OMS (Organização Mundial da Saúde), 75% das prescrições médicas possuem chances de erro e 30% das internações por intoxicação no Brasil tem como origem o uso incorreto de remédios.

A plataforma inteligente da Memed dispõe de um banco proprietário, com mais de 60 mil itens prescritíveis, incluindo medicamentos e exames, além de suportar o médico na decisão clínica. A solução oferece segurança com diversas inteligências, como alertas de alergias, interações entre medicamentos e mais. Outra inovação é a conexão da prescrição digital com o paciente, facilitando a comparação de preços dos itens prescritos e a compra dos medicamentos para receber em casa. Dessa forma, a Memed contribui para a adesão ao tratamento, melhorando o desfecho clínico e otimizando a saúde no país.

Tags, , , , ,

Como a realidade virtual está impactando o mundo fitness

Por Ricardo Vidal

Dezenas de jogos fitness já estão disponíveis nos marketplaces e lojas de aplicativos online. Cada um se esforçando para tornar o ato de sair do sofá e se exercitar um pouco, algo mais divertido do que uma corrida ou ir a academia. Mais diversão significa mais exercícios, o que significa menos resoluções de Ano Novo descumpridas e menos centímetros na cintura. Tem como não gostar?

Isso pode soar bom demais para ser verdade, mas pesquisas dizem que a Realidade Virtual pode desempenhar esse tipo de truque mental saudável. É por isso que pesquisadores sérios da area médica estão recorrendo à RV para uma série de usos terapêuticos, incluindo o tratamento do estresse pós-traumático, a manutenção da acuidade mental para idosos e o controle da dor das vítimas de queimaduras. Foi exatamente por essas razões que os fundadores da Black Box VR fizeram de tudo para desenvolver o que seria o primeiro jogo de condicionamento físico de realidade virtual, focando mais no treinamento de resistência do que em treinamentos aeróbicos.

Os atletas profissionais estão acostumados a resistir à dor e as adversidades para chegar ao próximo nível. Eles têm a força mental necessária. Quando você trabalha com RV, 80% do seu cérebro é dedicado aos estimulos visuais. Se o estímulo for forte o suficiente, é mais fácil anular essa sensação de dor, que tira o ânimo de muita gente para se exercitar.

A natureza ativa da realidade virtual significa que qualquer jogo de RV – não apenas jogos fitness – oferece algum valor de exercício. O Departamento de Cinesiologia da Universidade Estadual de São Francisco lançou o VR Health Institute, que está desenvolvendo métodos para testar e classificar jogos com base em quantas calorias os jogadores queimam em uma sessão.

Aaron Stanton, um investidor anjo do Vale do Silício e conselheiro de startups com foco em realidade virtual e realidade aumentada, está envolvido com o VR Health Institute. Para ele, os jogadores do setor de fitness vão, em breve, ser o centro de uma corrida entre os desenvolvedores pela participação no mercado de fitness em VR. Stanton defende que, em cinco anos, não haverá uma academia nos EUA que não tenha algum componente de realidade virtual ou aumentada.

Dezenas de jogos de fitness com realidade virtual baseados em aeróbica já estão disponíveis em plataformas de realidade virtual, como HTC Vive e Oculus Rift. Os jogadores usam varinhas ou luvas para executar ações que queimam calorias, como dar socos, balançar espadas ou disparar um arco em uma variedade de jogos. Nenhum jogo no mercado replica um treino de levantamento de peso, mas a Black Box VR espera mudar isso.

A empresa planeja abrir suas próprias academias de boutique, começando esse ano com uma academia piloto em San Francisco. Os usuários entrarão em uma sala pessoal – uma caixa preta – onde vão colocar um fone de ouvido HTC Vive VR e calibrar as várias máquinas para sua altura e força. O sistema terá registros do histórico de exercícios de cada usuário e vai montar jogos específicos para fornecer a resistência adequada, que deve aumentar gradualmente, de acordo com o desempenho do usuário. Se um jogador completar apenas, digamos, seis de 12 repetições, a evolução da sua força de ataque no jogo será mais lenta.

A ideia é que os usuários subam de nível em seus treinos à medida que sobem de nível no jogo, criando um feedback gratificante que recompensa o esforço deles. Se aumentar o nível de ataque, o usuário obtém aquele pico de dopamina que o ajuda a voltar para a academia mais motivado. Da próxima vez que ele voltar para a academia, não estará mais no nível 5. O jogador/atleta estará no nível 6 e com mais poder de ataque no jogo, e assim, gradativamente, estará sempre em busca do próximo desafio.

Ricardo Vidal, Diretor de Vendas LATAM e Caribe da Micron Technologies

Tags, , , , , ,

Equinix anuncia serviço Google Cloud Interconnect no Brasil

Eduardo Carvalho, da Equinix no Brasil

A Equinix, empresa global de interconexão e data center, anuncia a expansão da sua parceria com o Google Cloud no Brasil, fornecendo acesso direto e privado ao Google Cloud Platform (GCP) por meio do Equinix Cloud Exchange™ Fabric (ECX Fabric). Com o auxílio do ECX Fabric, os clientes podem usar o Google Cloud Interconnection para conectar sua rede local, de forma segura e dinâmica, à nuvem do GCP.

A interconexão privada do Google, chamada Google Cloud Interconnect, permite transferir grandes quantidades de dados entre as redes, o que pode ser mais econômico, seguro e escalável do que o acesso pela Internet pública. O portfólio completo das opções de interconexão do Google Cloud evidencia a relevância do ECX Fabric para os clientes Equinix que estão construindo ambientes híbridos e multicloud, cujas aplicações e cargas de trabalho variadas exigem soluções de conectividade de alta performance entre redes e provedores diferentes.

“Ao fornecer acesso aos serviços de interconexão privada, estamos expandindo as ofertas e ajudando as empresas a aproveitarem melhor os serviços de cloud do Google, acelerando suas estratégias de nuvem híbrida”, afirma Eduardo Carvalho, presidente da Equinix no Brasil. “Com mais opções de conectividade e maior acessibilidade ao Google Cloud, a Equinix está atendendo as necessidades de interconexão dos clientes e permitindo que eles gerenciem facilmente a nuvem de sua escolha”, complementa Eduardo.

“O Partner Interconnect oferece aos clientes do Google Cloud ainda mais opções de conectividade para ambientes híbridos”, disse John Veizades, gerente de produtos do Google Cloud. “Juntamente com a Equinix, estamos tornando mais fácil para os clientes estenderem sua infraestrutura local para o Google Cloud Platform”.

Expertise local em ambientes híbridos

A demanda das empresas por conexões de nível empresarial com o Google Cloud Platform também passa pela necessidade de parceiros com conhecimento de causa em migração e suporte a aplicações e infraestrutura. A Claranet, companhia global com mais de 20 anos de atuação, é um dos parceiros do ecossistema Equinix preparado para atender demandas de implementação e gerenciamento de ambientes híbridos, trabalhando como uma extensão do cliente à fim de otimizar continuamente seu desempenho e garantir vantagem competitiva.

“Sendo um parceiro Premier Google Cloud, estamos bem posicionados para projetar, construir e gerenciar o ambiente, fornecendo a confiabilidade e o desempenho que o cliente necessita”, afirma Daniel Galante, Managing Director da Claranet no Brasil. A empresa é parceira Equinix há 16 anos e atende a mais de 100 clientes em todo Brasil. “Se o cliente já está usando o Google Cloud Platform, está buscando migrar ou ainda, está construindo um ambiente totalmente novo, podemos ajudá-lo a se mover rapidamente de forma automatizada e segura”, completa Fábio Beato, Head de Operações.

Com a disponibilidade do Google Cloud Interconnect no Brasil, agora são 20 as localidades do mundo onde os clientes do Equinix Cloud Exchange™ Fabric contam com interconexão dedicada ao Google Cloud Platform, tornando mais fácil para as companhias consumirem os serviços do Google Cloud em qualquer lugar.

Tags, , , , ,

Gartner mostra como executivos conseguem manter seus empregos após ciberataques

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, divulga os motivos porque muitos CEOs serão demitidos por causa de ciberataques e como eles podem se manter em seus cargos.

“Tendências no âmbito regulatório indicam um aumento da responsabilidade para conselhos de administração e executivos na comunicação e prevenção de ciberataques”, diz Tom Scholtz, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “Embora você não possa controlar a ocorrência de ataques, é possível supervisionar o nível de preparo das organizações para responder e enfrentar a tempestade”, afirma o analista. “Fomente o engajamento de seus executivos – o risco é deles.”

Segundo o Gartner, o roubo de dados privados de 143 de milhões de norte-americanos fez do caso envolvendo o ciberataque da Equifax um dos maiores da história. A maneira como a companhia lidou com a situação foi acompanhada de diversas análises, resultando na saída do CEO Richard Smith em meio à crise, em 2017. Trata-se de um sério lembrete para qualquer CEO dos perigos envolvidos na violação de dados, diz o especialista.

Para o Gartner, muitos CEOs serão demitidos por causa de ciberataques. Vejas sete razões das demissões de altos executivos por erros de segurança, e como eles devem fazer para manter seus cargos:

1. Responsabilidade fragmentada – Mais CEOs serão tidos como os “responsáveis”. Sem um bom esforço de engajamento contra os risco não há como responsabilizar – “Eu apenas fiz o que o pessoal da segurança me mandou fazer”. Ofereça aos seus executivos condições para decisões adequadas, não proteção. Modelos fortemente baseados em responsabilidade, nos quais os riscos estão a cargo de quem tem autoridade para cuidar deles, garantem que problemas de segurança não se agravem.

2. Desconexão cultural – Muitos Conselhos de Administração acreditam que cibersegurança é um problema técnico resolvido por pessoas técnicas, escondidas em TI. Ao contratar as pessoas certas com conhecimento técnico, é possível diminuir as chances de ser atacado e manter distância das manchetes.

3. Servidor que nunca sofre correções – Embora haja uma legítima razão corporativa, muitas organizações possuem servidores completos sem nunca terem sido atualizados ou corrigidos. Decisões de negócios conscientes precisam ser tomadas levando em consideração o que será feito, mas, mais importante, o que não será feito para se proteger.

4. Seu executivo de segurança é o defensor da sua organização – Equipes de segurança são contratadas por serem especialistas e seu trabalho é proteger a organização. Esses silos são a questão, colocar pessoas na função de proteger os resultados de negócios que não entendem. Fomente o engajamento de seus executivos – esse é o risco deles.

5. Jogar dinheiro no problema – Você não pode comprar sua saída – você ainda não estará perfeitamente protegido. Evite resultados negativamente impactantes devido a elevação de custos operacionais existentes prejudicar potencialmente a habilidade de a organização funcionar.

6. Tolerância ao risco e apetite brando – Organizações criam declarações genéricas de alto nível sobre seu apetite por risco que não suportam a tomada de boas decisões. Evite prometer para apenas engajar em atividades de baixo risco. Essa prática é contrária aos bons negócios e cria outras boas razões para demissão se você está envolvido em atividades de risco.

7. Pressão social – Culpar uma organização por sofrer um ataque de hacker é como culpar um banco por ser roubado. A diferença é que bancos são defensáveis – a maior parte das organizações não é. O primeiro passo para se recuperar é admitir que você tem um problema. Suas ações reforçam como as pessoas percebem a dificuldade. “CEOs precisam redefinir a maneira como lidam com risco e segurança para evitar serem demitidos”, acrescenta Scholtz. “O propósito do programa de segurança é criar um equilíbrio entre a necessidade de proteger e a exigência de conduzir os negócios”, diz o especialista do Gartner.

Tags, , , , , , ,

GFT reforça time de negócios com nova diretora

A GFT, referência em tecnologias exponenciais para transformação digital e projetos ágeis, ganha mais um reforço na área de negócios. Com mais de 20 anos no mercado, Ana Rosa Madeira é a mais nova diretora da área na GFT, sendo a responsável pelo desenvolvimento de novos negócios e entrega de soluções com foco em inovação, transformação digital e modernização de core banking.

Para Marco Santos, managing director da GFT Latam, a contratação de Ana Rosa fortalece o time de executivos de Financial Services da companhia. “A Ana conta com umasólida experiência em vendas e entregas consultivas, implementações de soluções e programas de modernização de plataformas de negócio e ambiente analítico. Todo esse back-ground e conhecimento em processos do negócio irão agregar experiência e reforçar a nossa atuação estratégica”, analisa o executivo.

A profissional tem uma carreira construída em organizações de tecnologia e serviços nacionais e multinacionais, como Oracle, Capgemini, CTIS e BDO Binder. Nessas companhias, acumulou mais de 20 anos de experiência no atendimento a clientes de grande porte do segmento financeiro tanto nas áreas de TI quanto de negócios.

A diretora é a segunda contratação anunciada para a área de negócios da GFT nos últimos dois meses. Recentemente, chegou ao time Fabricio Vaz, diretor que tem como missão reforçar a atuação da companhia em Financial Services e Retail. “A GFT continua o seu processo de crescimento no país, oferecendo soluções inovadoras e exponenciais para as instituições financeiras. Por isso, reforçamos o nosso time, procurando contar sempre com os melhores profissionais”, complementa Santos.

Tags, , , ,

Presidente do Google Brasil confirma presença na Rakuten EXPO 2018

A Rakuten EXPO 2018, realizada pela Rakuten Digital Commerce, empresa do grupo global de internet e comércio eletrônico Rakuten Inc., contará com mais de 50 palestrantes renomados no mercado brasileiro e internacional para discutir as novas soluções, tecnologias e tendências para o e-commerce. Entre os keynotes confirmados, está o Presidente do Google Brasil e Vice-Presidente do Google Inc., Fábio Coelho. Formado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, assumiu a posição de liderança dentro do Google em 2011. Antes disso, o executivo passou por empresas como P&G, PepsiCo, Citibank Brasil, AT&T, IG e IAB Brasil.

Também é destaque no evento o empreendedor e jurado do programa Shark Tank, Robinson Shiba, fundador da rede China In Box, que vai contar sobre sua jornada de empreendedorismo e superação e dar lições sobre criatividade, perseverança e trabalho em equipe. Outro keynote de peso será Ricardo Amorim, um dos maiores economistas do país, presidente da Ricam Consultoria e comentarista do Manhattan Connection (Globonews). Ele vai debater sobre o cenário econômico nacional em um ano estratégico para as empresas no mundo físico e online e a apenas dois dias das eleições.

Ao todo, serão 14 horas de conteúdo que incluirão palestras, painéis e apresentações de cases e melhores práticas para o crescimento no setor. Já o encerramento da Rakuten EXPO 2018 será liderado pela cantora Anitta, expoente internacional não só pelos hits musicais, mas também pela sua performance como empresária de sucesso. Para a 7ª edição do evento – que será realizada pela primeira vez no Espaço das Américas, em São Paulo – são esperados mais de 4,5 mil participantes, entre profissionais do setor, empreendedores, influenciadores e tomadores de decisão.

No ano passado, a Rakuten EXPO teve mais de 3,2 mil visitantes, 56 palestrantes e painelistas, além de 38 patrocinadores e apoiadores. Entre os influenciadores e formadores de opinião estavam Manu Berger, CEO do Terapia do Luxo, Vivianne Vilela, Diretora Executiva da E-Commerce Brasil, o ex-jogador e atual embaixador do FC Barcelona, Juliano Belletti, o Co-Fundador do aplicativo Waze, Uri Levine, e o Ex-Capitão do BOPE, Rodrigo Pimentel.

Rakuten EXPO 2018

Data: 04/10 (quinta-feira)
Horário: Palestras, 8h30 às 19h | Coquetel e Show, até às 22h
Local: Espaço das Américas (R. Tagipuru, 795 – Barra Funda, São Paulo)
Ingressos: http://expo.rakuten.com.br

Tags, , , , , , , ,

7 segredos para o sucesso da transformação digital em PMEs

Por Paul Whitelam

A transformação digital é uma iniciativa crucial para muitas PMEs (pequenas e médias empresas) em suas estratégias de negócios. Com as tecnologias emergindo em um ritmo acelerado e os modelos de negócios evoluindo continuamente, novas fontes de receita e oportunidades para empresas anteriormente tecnofóbicas estão se tornando uma realidade.

Segundo um estudo da Oxford Economics, 89% das pequenas e médias empresas consideram que a transformação digital é vital para a sua sobrevivência e 54% acreditam que as mudanças tecnológicas já são uma prioridade em suas agendas.

No Brasil, as organizações brasileiras estão atentas à importância deste movimento. De acordo com uma pesquisa encomendada pela SAP, 56% das empresas pretendem aumentar a sua receita em até 10% como resultado direto da transformação digital. O relatório revelou ainda que as ferramentas que estão sendo mais consideradas no mercado brasileiro são Big data e analytics (63%), plataformas de segurança (59%), mobile (51%), cloud computing (50%), e loT (45%).

Para as PMEs, a transformação digital é vista principalmente como uma transformação na maneira de se fazer negócios, pois não se trata apenas de tecnologia, mas também de pessoas, o que inclui funcionários, clientes e partes interessadas.

Infelizmente, acredita-se que até 70% das iniciativas de transformação digital provavelmente falharão, de acordo com estudo do IDC, em função de erros decorrentes, por exemplo, da falta de uma definição clara da estratégia digital, colaboração insuficiente entre as partes interessadas e recursos limitados de pessoal qualificado.

70% de insucesso é uma taxa espantosamente alta, por isso, para evitar que a transformação digital do seu negócio torne-se mais uma estatística, é importante entender que não se trata apenas de tecnologia – embora essa peça seja uma grande parte. Também é essencial engajar todos os envolvidos e planejar o ritmo das mudanças, incluindo a consideração sobre eventuais interrupções e ajustes futuros.

Existem diversas maneiras de implementar estrategicamente um processo de gerenciamento de mudanças e, também, há muitas formas disto dar errado, portanto, aqui estão alguns passos simples para o sucesso da transformação digital em um negócio:

1. Estabeleça expectativas iniciais claras – Liderar uma grande transformação tecnológica significa cultivar entusiasmo e otimismo entre sua equipe, por isso, esperar que dê tudo certo não é suficiente. Estabeleça metas claras e expectativas realistas. Converse sobre os piores cenários, obstáculos prováveis e improváveis e riscos potenciais, a fim de desenvolver um plano que possa contemplar qualquer interrupção e ajudar a prevenir um desastre.

2. Conecte pessoas e confirme planos por meio de buy-in antecipado – O andamento será diferente para cada nível da organização, por isso estabeleça marcos significativos e tenha um escopo claro de trabalho para ajudar a gerenciar as expectativas de como serão as mudanças em sua empresa. Facilitar o gerenciamento de mudanças requer o desenvolvimento de uma narrativa clara de “por quês”, capaz de explicar os papéis e responsabilidades de todos os envolvidos, ao mesmo tempo em que se pré-define a propriedade nos vários estágios ao longo do caminho, para garantir que tudo corra bem. Ao comunicar-se proativamente em todas as etapas do processo, você permitirá que a equipe acostume-se à ideia e se sinta à vontade para fornecer informações, tornando o processo de transformação digital inclusivo e aberto.

3. Execute um piloto – Crie um programa piloto no estágio preliminar para resolver qualquer possível problema inicial. Quaisquer dificuldades encontradas serão melhor gerenciadas no início do que quando encontradas em um estágio posterior. Ao garantir que todos os membros de sua equipe saibam o que está acontecendo e trabalhem lado a lado durante o piloto, você pode gerar um plano mais eficiente e abrangente, que fornecerá uma oferta melhor e maiores chances de sucesso.

4. Permaneça ágil – Planeje uma entrega modular e em etapas que acomode o trabalho não planejado. Habilite a flexibilidade em sua agenda para permitir alterações nas prioridades, se necessário, sem precisar reiniciar o processo.

5. Treine para resolver qualquer imprevisto – Treine, desde o início, sua equipe para que esteja ambientada às tecnologias implementadas na transformação digital de sua empresa e planeje mais treinamentos à medida que novas inovações sejam introduzidas. Quando possível, o treinamento em novos sistemas deve começar bem antes de entrar em operação, isso é essencial para garantir que os funcionários sintam-se confortáveis com a tecnologia, tornando a mudança final definitiva o mais simples possível. Realize treinamentos periódicos após o lançamento para garantir que todos estejam utilizando o sistema da maneira pretendida, à medida que novos processos ou políticas sejam adicionados e à medida que novos funcionários ou contratados ingressem na organização. A implementação inicial e os programas de treinamento podem precisar ser revisados e atualizados para incluir melhorias, identificadas por meio de uso em larga escala ou padrões de uso não capturados nos planos originais.

6. Forneça ferramentas de apoio contínuas – Mesmo com todo o tempo e recursos investidos em treinamento, os funcionários provavelmente voltarão aos velhos hábitos e precisarão de apoio contínuo para mudar a maneira como operam. Certifique-se de que todo grupo de usuários tenha suporte regular para manter a nova metodologia de trabalho.

7. Olhe além da linha de chegada – A gestão da mudança é um esforço de longo prazo, que necessita de um acompanhamento regular das principais partes interessadas após a conclusão do projeto, demonstrando assim o compromisso contínuo com a mudança da transformação digital, e a importância de suas opiniões.

A transformação digital em qualquer empresa pode se tornar mais complicada quando há o envolvimento de muitas pessoas – especialmente quando a mudança é de toda a organização. Priorizar e planejar o gerenciamento de mudanças logo no início dará a você as ferramentas para resolver os problemas à medida que forem surgindo, antecipando-os e neutralizando-os antes do prazo.

Paul Whitelam, Vice-presidente sênior de marketing global da ClickSoftware, líder no fornecimento de soluções para a gestão automatizada e otimização da força de trabalho e serviços em campo.

Tags, , , , ,