Page

Tag tecnologia

Conflito entre sócios é uma das principais causas de mortalidade entre as startups

Em média, 25% das PMEs no Brasil fecham suas portas com apenas dois anos de atividade, sendo que com cinco anos este índice aumenta para mais de 50%, de acordo com dados do Sebrae. Os principais motivos são baixos lucros, alto endividamento e principalmente baixo nível de gestão empresarial. Entre as startups, estudos mostram que 74% fecham as portas após cinco anos de abertura – e uma das principais causas de mortalidade dessas empresas é o conflito entre sócios, seja pelo desacordo entre os papéis ou até mesmo pela distribuição das cotas relacionados ao negócio.

Para fugir deste cenário, que pode prejudicar a imagem da startup perante investidores, uma boa alternativa é apostar em ajuda jurídica especializada. Pedro Schaffa, sócio-fundador da SBAC Advogados – escritório especializado em startups e PMEs -, explica que uma consultoria pode orientar os empreendedores no início da jornada com questões burocráticas, além de prever possíveis adversidades no caminho.

De acordo com o especialista “uma consultoria especializada conhece os problemas comuns às startups e atuando de forma preventiva, sendo capaz de elaborar um contrato que proteja a empresa e os sócios de possíveis contratempos”.

Schaffa listou algumas dicas para a parceria entre os sócios se manter de forma saudável durante todas as etapas do negócio:

1 – Estude o mercado

A falta de estudo sobre o mercado, afinidade com o segmento de atuação, concorrência, fornecedores e público-alvo é um erro bastante comum entre os empreendedores que não conseguem se manter no mercado. Ao abrir uma sociedade, vale levar em conta se os dois sócios estão focados nos mesmos objetivos, com expectativas alinhadas e interesses em comum para evitar dores de cabeça no futuro.

2- Crie um acordo entre os sócios

Segundo Pedro Schaffa, o ideal é preparar um Acordo entre Sócios logo no início da jornada empreendedora, a fim de evitar qualquer problema na relação dos fundadores da empresa. “Este documento deve, preferencialmente, ser negociado junto com a abertura da sociedade (contrato social), pois é muito mais difícil negociá-lo com a empresa em andamento”, afirma o advogado.

3 – Defina os papéis

Entre as funções do Acordo de Sócios estão as questões de governança, ou seja, explicar qual sócio é responsável por qual área da empresa, como cada um se dedicará a suas funções. Isso irá ajudar também a prever questões relacionadas à venda da empresa – determinando a proteção do minoritário e a proteção do majoritário.

Além disso, o documento deve conter cláusulas informando como a empresa se relacionar com parentes dos sócios e ter uma previsão de punição para sócios inadimplentes com suas obrigações sociais.

Tags, , , , , ,

TI especializada para o varejo de vizinhança: caminho para o crescimento

Por Leonardo Barros

Mesmo diante de inúmeras invasões cibernéticas registradas no último ano, as quais afetaram mais de 1,1 mil computadores no Brasil somente durante o mega ataque ocorrido em maio de 2017, o quesito segurança ainda é um fator de segunda ordem. E este cenário não é diferente no setor de varejo supermercadista, que deve se atentar ao tema.

Mola propulsora da economia varejista, o foco do setor de supermercados é se preocupar, e com toda razão, com as vendas, que representam a performance do negócio. Tudo é ágil neste segmento: a logística da mercadoria, o buraco na gôndola, a compra do produto, o giro do estoque, a promoção do mês, dia e hora. É um volume de informações massivamente surpreendente que passa pelos sistemas destes estabelecimentos.

Ressaltando o que foi citado acima, supermercado em sua essência é feito para comprar, vender e propiciar melhores experiências aos seus usuários. Já a gestão da vulnerabilidade da segurança é com a TI. A regra é clara.

Em redes maiores, com infraestruturas mais robustas, há uma equipe dedicada para cuidar do banco de dados, da segurança dessa ou daquela tecnologia que roda em nuvem. Mas sabemos que em mercados menores, os famosos mercadinhos de vizinhança, a situação é outra.

Outrora pequenos armazéns de secos e molhados, esses mercadinhos de bairros foram crescendo com o passar do tempo e ganhando cada vez mais adeptos. Sendo assim, é hora destas lojas começarem a dividir as incumbências. Enquanto elas olham para dentro de casa e focam em atividades mais estratégicas, pensando em táticas e ações para fidelizar os seus clientes, por exemplo, na outra ponta deve entrar o fornecedor terceirizado de TI, modalidade que tem total aderência com a linha de negócios destes estabelecimentos, além de combinar produtividade, crescimento saudável e melhores práticas de segurança cibernética.

Com a terceirização da TI, a primeira medida a ser tomada é o armazenamento na nuvem, que permite a estes estabelecimentos o acesso aos seus arquivos remotamente em caso de pane no servidor principal. Ademais, com uma infraestrutura de TI atualizada, é possível vislumbrar aumento de produtividade, pois um ambiente bem dimensionado e bem assistido contribui para que a empresa nunca pare.

Sem contar a redução de custos, uma vez que minimiza a necessidade constante de mão de obra especializada para suportar a operação. Soma-se tudo isso à segurança dos dados, assunto que nos trouxe aqui e que deve chamar a atenção do setor no quesito de considerar as informações um patrimônio mais importante de uma empresa, por isso ressalto que os dados devem estar seguros.

Dado isso, fique certo de que deixando a sua TI a cargo de especialistas dedicados, as chances de um ciberataque, podendo ocasionar paradas bruscas em toda a operação do estabelecimento, serão mínimas e as possibilidades do seu negócio ter um bom andamento e gerar uma imagem totalmente positiva ao seu cliente, serão maiores. É uma conta em que todos saem ganhando.

Leonardo Barros é diretor executivo da Reposit, provedora de soluções completas em gerenciamento de dados, especializada no atacado distribuidor e varejo.

Tags, , , , , ,

EqSeed prorroga até 20 de maio inscrições para startups captarem até R$2 milhões cada no segundo semestre

A EqSeed, plataforma que conecta startups a investidores, prorrogou até 20 de maio seu processo de seleção de startups. A fintech está selecionando empresas interessadas em participar de rodadas individuais de investimento para captar entre R$ 300 mil e R$ 2 milhões cada no segundo semestre de 2018. Serão escolhidas até dez startups e as inscrições devem ser feitas por meio do site www.eqseed.com/captar. A expectativa da plataforma é que cerca de mil empresas apliquem para o processo seletivo.

“Estamos recebendo muitas propostas interessantes e por isso decidimos oferecer mais uma semana. Mais de 2 mil startups já aplicaram para nossos processos de seleção de empresas, e dessas empresas somente as 18 consideradas as mais promissoras foram selecionadas para efetuar suas rodadas de investimento pela plataforma. Esse rigor na avaliação, afinal o índice de aprovação é de 1%, é o que garante a qualidade das empresas, e que, por sua vez, atrai os investidores para construam seus portfolios de investimento em startups conosco”, afirma Greg Kelly, sócio-fundador da fintech.

No que diz respeito ao perfil das empresas potencialmente selecionáveis, Kelly explica que a plataforma procura por startups já com um produto ou serviço pronto e tração nos seus mercados.”Procuramos escalabilidade e disrupção nos modelos de negócios, que são os alicerces das startups que tendem a se transformar nas próximas empresas de grande porte no médio e longo prazo. Também avaliaremos em detalhe a equipe, seu plano de negócios e mercado alcançável, além de um due diligence, verificando se a empresa não tem pendências ou dívidas. Startups de qualquer setor que atendam aos pré-requisitos do processo podem concorrer”, explica.

Investimentos em franca expansão

A EqSeed vive um momento de intenso crescimento, principalmente após se tornar a primeira plataforma de investimentos em startups aprovada pela Comissão de Valores Mobiliários em janeiro desse ano. Entre outros vários indicadores, a empresa ultrapassou a marca dos R$ 5 milhões investidos e registrou crescimento de 20% na sua base de investidores somente em 2018, base que hoje conta com mais de 12 mil investidores pessoa jurídica e pessoa física. O ticket médio dos investidores na plataforma superou R$ 11 mil em todas as rodadas nos últimos 12 meses.

O último processo de seleção, do primeiro semestre de 2018, já confirmou 8 rodadas de investimento, sendo que 4 já foram concluídas (Housed, DinDin, Allugator, Kokar), duas estão abertas (GreenAnt e Sirius), e mais duas estão por iniciar ainda no primeiro semestre. Agora, a empresa busca até 10 startups para rodadas no segundo semestre. Dessa forma, a meta total somente em 2018 é totalizar R$ 12 milhões investidos em até 20 rodadas de investimento.

“As rodadas de investimento na EqSeed são concluídas em somente 9-60 dias dado nosso foco intenso na qualidade das empresas selecionadas, e a reputação que isso em torno gera com os nossos investidores. Ainda, com a aprovação da plataforma pela CVM, o investidor agora pode investir em startups e empresas em expansão de maneira segura e confiável. Por isso que cada vez mais empresários, executivos, professionais e até investidores pessoas jurídicas estão construindo suas carteiras de investimentos em startups via EqSeed.”, finaliza.

Tags, , , , , , , ,

Entender o comportamento do consumidor tornou-se ponto-chave no eCommerce

Por Juan D’Antiochia, Gerente Geral da Worldpay para a América Latina

O comércio eletrônico tem conquistado a América Latina por ser uma maneira prática e rápida de comprar produtos com segurança. De acordo com o Relatório Global Payments 2017 da Worldpay1, o crescimento global do eCommerce deverá ser de 11% até 2021 e a América Latina é uma das regiões de destaque.

Os consumidores estão entusiasmados com a possibilidade das compras online e, ao mesmo tempo, as empresas estão investindo para oferecer opções e preços competitivos. O setor varejista nunca esteve tão dinâmico, como demonstrou a notícia divulgada recentemente sobre o início da venda de eletrônicos pela Amazon. As empresas estão aprendendo a ir além – desenvolvendo um profundo conhecimento sobre o perfil de cada consumidor e suas preferências no momento da compra online.

As marcas estão usando o eCommerce para obter mais vendas de novos clientes, à medida que mais e mais brasileiros se sentem confortáveis com as compras on-line. Assim, existem dois tipos de comportamentos: compras transacionais puras e compras experienciais. A primeira, compras puramente transacionais, reflete os consumidores que procuram pelos menores preços e não se importam com o processo ou com a loja em que ele está comprando– e este tem sido um comportamento comum levando-se em consideração o crescimento dos sites comparativos de preços no país. O segundo grupo, compras com experiência, está relacionado aos consumidores que priorizam todo o processo e que ofereça simplicidade, transparência e uma jornada personalizada durante as compras.

Para garantir a relevância e a fidelidade dos clientes, as empresas que operam online no Brasil podem implantar uma série de técnicas, tais como: oferecer alertas para notificar o consumidor quando um produto estiver disponível ou aplicar descontos especiais para compradores on-line pela primeira vez. Estes são os tipos de benefícios já oferecidos pelas empresas e apreciados pelos consumidores em muitas lojas físicas, mas, nos próximos anos, deve ocorrer mais investimento na experiência de compra geral e uma menor distinção entre lojas online e off-line.

Grandes redes varejistas, que começaram seus negócios em lojas físicas, estão de olho no aumento de seus ganhos ao investir exponencialmente no comércio eletrônico e se adaptar às compras com experiência. Considerando que os consumidores estão cada vez mais conectados, é essencial que as empresas melhorem seus processos de gerenciamento de métodos de pagamento com o intuito de oferecer uma experiência personalizada de compra.

Segundo o Relatório Global Payments da Worldpay, o método mais popular de pagamento no Brasil são os cartões de crédito (61%), seguidos pelos boletos bancários (15%) . Mas existe uma tendência que as e-wallets e os pagamentos contactless aumentem suas participações no mercado, assim como sua popularidade, porque deixam os pagamentos via smartphone mais fáceis e seguros. O mCommerce no Brasil deverá atingir US$ 10,1 bilhões até 2021 devido à alta penetração de smartphones – com 1.3 dispositivo móvel per capita, de acordo com a Worldpay.

Um outro levantamento conduzido pela Abcomm e Atlas2 indicou que as compras com smartphones cresceram 9% no primeiro semestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano passado. Os jovens, entre 25 e 34 anos, são o grupo com maior penetração de dispositivos móveis (38%), apesar do perfil ter mudado bastante nos últimos anos, com os adultos aumentando o tempo de permanência para compras online, e utilizando os smartphones para isso.

Os comerciantes precisam estar preparados para essa nova onda no comércio eletrônico no Brasil, adaptando seus sites para a versão móvel e oferecendo os métodos de pagamento preferidos dos clientes. As compras com experiência são uma nova oportunidade para converter vendas, estar perto dos consumidores e conquistar novos negócios!

1 Global Payments Report 2017 da Worldpay

2 Pesquisa “E-commerce Radar 2017” da Abcomm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) e Atlas

Tags, , , , , , , , ,

Grandes companhias brasileiras se unem para lançar hub de inovação em Curitiba

Barigui, Rumo e Bosch são as idealizadoras do projeto Distrito – Spark CWB, que busca fomentar o desenvolvimento de novas tecnologias e crescimento de startups no país

A tecnologia vem transformando o mundo como o conhecemos e novos comportamentos estão moldando as empresas e produtos do futuro. Pensando em oferecer oportunidades para empreendedores, investidores e empresas a fim de contribuir com as constantes mudanças do mercado, os grupos Conglomerado Financeiro Barigui, Rumo e Bosch se uniram para lançar o Spark CWB Curitiba, parte do ecossistema Distrito, que é um hub de inovação para startups, corporações e investidores.

Com sede em Curitiba (PR), o objetivo do projeto é difundir a inovação de forma compartilhada, atraindo e apoiando startups, corporações e investidores que buscam crescer e alcançar retornos exponenciais.

Empresas com as melhores tecnologias e produtos estarão presentes em um espaço compartilhado de 1.050m² no novo prédio da FAE Business School para disseminar e desenvolver novas ideias, fortalecendo o ecossistema de inovação de Curitiba e do país no processo de operação e gestão de negócios. Entre os parceiros do projeto, já estão confirmadas empresas como Google, Microsoft, IBM, Amazon, Coca-Cola, Claro, Ambev, entre outras.

Investindo em inovação

O Conglomerado Financeiro Barigui tem um forte viés em inovação, prova disso é que, em 2016, o grupo paranaense lançou sua própria fintech, a Bcredi, que chegou ao mercado para descomplicar a oferta de crédito imobiliário no Brasil, oferecendo juros mais baixos na modalidade com garantia, maior prazo de pagamento e rápida aprovação em um processo 100% online.

Hoje, a fintech já é o maior player de crédito imobiliário do país e também será uma das startups residentes do Distrito. “Temos como preocupação o constante investimento em tecnologia, que atualmente é essencial para acompanhar as novas demandas do mercado. Por isso, fazer parte de um projeto que vai fomentar cada vez mais a evolução e desenvolvimento das corporações brasileiras é uma grande oportunidade”, comenta Maria Teresa Fornea, diretora executiva do Conglomerado Financeiro Barigui e cofundadora da Bcredi.

A Rumo, maior operadora de ferrovias do Brasil, está desenvolvendo dentro do seu plano estratégico uma política de inovação aberta. Neste contexto, o espaço surge como uma oportunidade para agregar novos valores para a companhia, focado no aumento da eficiência operacional e diminuição de custos.

“É uma prática de integração que vai possibilitar aumentar as chances de sucesso no desenvolvimento de projetos. A ferrovia vive um momento especial no Brasil, as possibilidades de expansão da malha ferroviária e o desenvolvimento de novas tecnologias na engenharia ferroviária e de automação estão sendo trabalhadas constantemente para otimizar a logística”, destaca o diretor de tecnologia da Rumo, Roberto Rubio Potzmann.

A Bosch, uma líder global no fornecimento de tecnologias e serviços, iniciou sua história de sucesso no Brasil em 1954 na cidade de São Paulo. Atualmente, a empresa oferece produtos e serviços para as áreas de Soluções para Mobilidade, Tecnologia Industrial, Bens de Consumo e Energia e Tecnologia Predial. Mundialmente, o Grupo Bosch emprega cerca de 402.000 colaboradores e gerou vendas de 78.1 bilhões de Euros em 2017.

A inovação faz parte do DNA da Bosch desde a sua fundação e é a base para o crescimento futuro da organização. Em todo o mundo, o Grupo Bosch emprega cerca de 62.500 colaboradores na área de pesquisa e desenvolvimento em 125 localidades, já no Brasil a empresa investe cerca de 3,3% do seu faturamento em P&D. Cada vez mais a Bosch mira no intraempreendedorismo e no ecossistema de startups para poder inovar com agilidade e conseguir disponibilizar inovações para uma vida conectada, aprimorando a qualidade de vida com produtos e serviços inovadores em todo mundo.

Tags, , , , , , , , ,

Bancos devem investir na capacitação da força de trabalho para novas tecnologias e oportunidades de crescimento via Inteligência Artificial

Ainda que os líderes de bancos reconheçam que tecnologias inteligentes estejam reformulando a base dos serviços bancários e possam transformar as experiências dos clientes, poucos planejam aumentar os investimentos na requalificação da força de trabalho, o que facilitaria a adoção dessas tecnologias no curto prazo, diz estudo da Accenture (NYSE: ACN).

Com base em duas pesquisas – uma com 100 executivos bancários e outra com 1.300 funcionários não executivos do setor – o relatório Future Workforce Survey – Banking: Realizing the Full Value of AI (em Português, Força de Trabalho do Futuro – Setor Bancário: Compreendendo Todo o Potencial da IA), prevê que, se os bancos investirem em Inteligência Artificial (IA) e na colaboração entre homens e máquinas no mesmo ritmo das empresas de alto desempenho, seus lucros podem crescer 34% e os níveis de emprego em 14% até 2022.

“À medida que a IA ganha novas nuances, o seu papel dentro dos bancos consegue ir além da automatização, chegando a impulsionar as capacidades humanas”, diz Alan McIntyre, diretor executivo global e líder de Banking da Accenture. “É importante que os bancos interessados nos benefícios da IA empreguem a ‘inteligência aplicada’ – uma combinação entre tecnologia e talento humano – em todas as áreas de seus principais negócios. Para chegar a esse ponto, eles precisam do comprometimento dos mais altos níveis de liderança e da compreensão que esta evolução exigirá uma mudança drástica em suas forças de trabalho”.

De acordo com o estudo, 76% dos 100 executivos de alto escalão entrevistados afirmam que tecnologias inteligentes serão um ponto crítico para a diferenciação de suas empresas no mercado e 39% acreditam que esta será a tecnologia por trás de qualquer inovação que venha a ser implantada ao longo dos próximos três anos.

Embora os bancos reconheçam que acertar a medida na colaboração entre homem e máquina é um dos principais desafios, poucos agem para descobrir o real valor da combinação de pessoas e máquinas inteligentes. Por exemplo, executivos do setor bancário acreditam que, em média, apenas um em cada quatro funcionários está pronto para trabalhar com IA. Além disso, apenas 3% afirmam que suas empresas planejam aumentar significativamente os investimentos na recapacitação de seus funcionários ao longo dos próximos três anos.

“A falta de comprometimento dos bancos com qualificações e requalificações de seus funcionários, para que estejam prontos para colaborar com tecnologias inteligentes, prejudicará significativamente a capacidade de implantação e a obtenção dos benefícios oferecidos por elas”, afirma McIntyre. “A única forma dos bancos tirarem proveito do uso da inteligência aplicada é garantindo que os dados e sistemas sejam projetados para serem justos, transparentes e confiáveis – e as pessoas são essenciais para treinar estas máquinas e fazer com que se chegue a esse nível de inteligência artificial responsável.

Mais de um quarto (28%) dos 1.300 funcionários não executivos do setor afirma passar mais da metade do seu dia trabalhando com tecnologias inteligentes. No geral, os funcionários demonstram otimismo em relação ao impacto da IA: dois terços (67%) acreditam que ela irá ajudar na conciliação entre vida pessoal e profissional e mais da metade (57%) espera um aumento nas perspectivas de carreira.

A pesquisa também sugere a existência de uma base forte para apoiar o aumento dos investimentos em habilidades de IA. Entre os executivos de alto escalão, 67% acreditam que suas empresas criarão mais empregos ao longo dos próximos três anos por meio da Inteligência Artificial.

“Os bancos – na verdade, todas as empresas de serviços financeiros – têm muito trabalho a fazer antes de poderem determinar a melhor maneira de empregar ferramentas inteligentes”, afirma Andrew Woolf, líder de Talent & Organization na prática de Financial Services da Accenture. “Uma boa forma de começar seria traçando uma estratégia que abranja a empresa toda e que seja focada na inteligência aplicada, repensando como o trabalho é feito hoje e determinando quais passos precisam ser tomados para passar a um estado de colaboração avançada, onde os humanos ajudam a inteligência artificial a ajudá-los.”

Tags, , , , , ,

Ascenty inicia construção de novo data center em Jundiaí

A Ascenty, empresa líder no mercado de data center com foco na América Latina, anuncia a construção de uma segunda unidade no município de Jundiaí, a nona da empresa no Brasil. A primeira fase projeto conta com um aporte de R$150 milhões e deverá ser concluída no primeiro semestre de 2019.

“Jundiaí é um polo de negócios, industrial e logístico de importância nacional, que nos oferece uma excelente infraestrutura e localização, por isso, apostamos na construção de mais uma unidade no município. O data center Jundiaí 2 está estrategicamente localizado ao lado da unidade Jundiaí 1, o que permite uma ampliação das oportunidades aos clientes”, comenta Roberto Rio Branco, diretor institucional e marketing da Ascenty.

O novo investimento da companhia está em linha com o crescimento do mercado e visa atender a demanda das empresas por infraestrutura de qualidade. De acordo com o Gartner, os investimentos com sistemas de data center devem crescer 3,7% em 2018. A Ascenty atua no segmento com o modelo de colocation, que oferece aos clientes a infraestrutura necessária (espaço, refrigeração, energia elétrica, segurança predial etc.) para que eles montem e operem seus centros de dados.

“Neste ano, iniciaremos a construção de seis novas unidades no Brasil. O mercado continua com forte demanda por data centers de classe mundial, com alta conectividade e baixa latência, um dos diferenciais das ofertas da Ascenty”, afirma Roberto.

Com oito anos de mercado, a Ascenty oferece uma infraestrutura segura e totalmente redundante, certificada pelos principais órgãos internacionais. Todas as unidades da empresa possuem sistema de distribuição tri-bus (três linhas de energia estável atendendo cada módulo) e sistemas de diesel que permitem aos geradores uma autonomia de mais de 48 horas sem reabastecimento. No quesito segurança física, existe um monitoramento 24×7 com detecção automática de movimento em alta definição, além de uma equipe de segurança própria altamente capacitada.

Além disso, os data centers da companhia estão interconectados por redes de fibra óptica proprietárias, com mais de 4.500 km de extensão. Todas as unidades possuem certificações Tier III do Uptime Institute e TR3 da TÜV Rheinland, que atestam a qualidade da infraestrutura.

Tags, , , , , ,

Startup facilita a gestão de reembolsos de viagens corporativas

A rotina de quem trabalha no mercado financeiro pode ser bastante estressante e tensa. Dados da Previdência Social mostram que, no último ano, no Brasil, mais de 199 mil empregados foram afastados dos seus cargos por motivos de saúde, sendo que os atuantes no mercado financeiro lideram esse ranking.

Quando se trabalha em uma consultoria financeira, essa rotina pode se tornar ainda mais tensa. Além da preocupação com a saúde financeira dos seus clientes, esses profissionais precisam também se organizar com as visitas aos clientes, gerenciando todo o processo de reembolso de despesas como alimentação, hospedagem, entre outros gastos.

Vivendo neste cenário quase que diariamente, os empreendedores Bruno Pain e Thiago Campaz, que trabalharam por mais de cinco anos como consultores financeiros no setor de Agronegócios, se uniram para criar uma solução mais tecnológica, simples e menos burocrática para otimizar o processo de reembolso de viagens corporativas.

“A gente trabalhava muito e viajava com frequência para atender clientes e um dia pensamos que, com o auxílio da tecnologia, poderíamos criar algo para otimizar todos esses processos – escanear notas e preencher relatórios. Isso ajudaria não só os funcionários, mas também a empresa, gerando economia de tempo e também dinheiro”, explica Bruno Pain, co-fundador e diretor do VExpenses.

Os empreendedores apresentaram a ideia a dois colegas que possuíam conhecimento técnico e que poderiam viabilizar a criação da plataforma imaginada. Leandro Martins e Káliman Borges gostaram do projeto e aceitaram o desafio.

Assim nasceu o VExpenses, um aplicativo que vem ajudando empresas de diversos segmentos a ganhar mais agilidade e ter mais transparência na prestação de contas com seus clientes e colaboradores. O app facilita o reembolso e a gestão das despesas como deslocamentos, custos e pagamentos em geral. A plataforma já conta com clientes espalhados por todo o Brasil e na América Latina.

Facilidade em um clique

O VExpenses funciona assim: após uma despesa, o funcionário tira foto do recibo com a câmera do celular e o sistema identifica automaticamente os dados, atualizando o responsável da área com relatórios para o monitoramento e aprovação das despesas. Com a tecnologia, é possível fazer análises, limitar despesas, visualizar de forma rápida o gasto médio dos funcionários e controlar o cartão corporativo. Outra vantagem é aumentar a produtividade. Pesquisa da ferramenta mostrou que – com uso do app – é possível reduzir em 88% o tempo gasto pela empresa com estas tarefas.

Tempo é dinheiro

Ainda de acordo com Pain, a tecnologia não substitui o profissional que antes era responsável por organizar os reembolsos, mas sim otimiza e automatiza esses processos, fazendo com que ele tenha mais tempo para se dedicar a outras tarefas, podendo pensar em nossas estratégias que poderão gerar mais negócios para a empresa. “Era muito chato ter que, após uma viagem cansativa, separar todos os comprovantes de despesas, digitalizar esses documentos e, ainda, colocar um por um em uma planilha. Para os funcionários, percebemos que era um tempo perdido em que ele poderia estar se dedicando a tarefas mais produtivas”.

Diminuição de fraudes

Outra grande aplicação do app é no controle de fraudes. Segundo a consultoria de gestão Hands on Solution, as empresas perdem cerca de 8% de seu faturamento em desvios e o reembolso é uma das maneiras mais fáceis de adulterar processos. Com o uso do app, é possível fazer comparativos, tendências e fiscalizar os gastos.

Tags, , , , , , , ,

iFood apresenta novo COO

Henrique Iwamoto chegou para integrar o time como novo COO do iFood. Com experiência em empresas de tecnologia e startups, assumeas áreas Comercial, Marketing e Operações. Seu objetivo é potencializar o crescimento da empresa e posicionar o iFood como um parceiro estratégico para os restaurantes.

“Um dos grandes desafios será manter o crescente sucesso que acompanha o iFood desde seu lançamento. Crescer 120% ao ano é um resultado incrível e ao mesmo tempo desafiador. Como COO, preciso analisar o que já foi feito para então olhar para frente e entender o que precisamos melhorar para manter esses resultados”, comenta Henrique.

O executivo é formado em Engenharia Mecânica pelo Mackenzie e fez MBA na Ibmec. Desde sua graduação atua em tecnologia, tendo desempenhado funções em Marketing, Business Development, Operações, Produto e na área de Investimentos, em empresas como Submarino, B2W, Oppa, Groupalia, W7 Ventures e Walmart.com.

“Apesar de já ter passado por outras empresas e startups, trabalhar no iFood é inspirador e desafiador. Estou muito confiante nos resultados. Temos um time muito motivado, todos demonstram paixão pelo o que fazem e têm o perfil empreendedor. A cultura de startup é muito presente. Isso faz a diferença no fim do dia e estou muito feliz em fazer parte dessa história de sucesso”, ressalta o executivo.

Tags, , , , , , , ,

Bradesco divulga finalistas da 4ª edição do inovaBra startups e anuncia novidades no programa

O Bradesco anuncia os finalistas da 4ª edição do programa inovaBra startups, criado para descobrir projetos inovadores que tenham soluções aplicáveis ou com possibilidade de adaptação no setor de produtos e serviços financeiros.

São elas:

Segurize – Santos (SP): Plataforma de indicação de clientes para produtos de seguros que utiliza o conceito de marketing de indicação atrelado a recompensas.

MaxxMobi – Salvador (BA): Plataforma de multiatendimento ao cliente feito por Whatsapp e Telegram.

Dualk – São Paulo (SP): Plataforma capaz de vender microsseguros de forma integrada entre canais online para bancarizados e off-line para desbancarizados.

Banib – Sorocaba (SP): Plataforma para o ramo imobiliário que permite interatividade entre o cliente e o imóvel.

Rankdone – São Paulo (SP): Plataforma de processos de recrutamento com API que utiliza ATS (applicant tracking system).

Dataholics – São Paulo (SP): Plataforma de tecnologia para captação de informações para credit scoring.

PhdRisk – Maringá (PR): Plataforma de análise de crédito que utiliza Inteligência Artificial.

As sete finalistas seguem para a fase de concepção do projeto, na qual receberão orientação para atender a uma necessidade real do Banco. Elas terão apoio no desenvolvimento do produto ou serviço e adaptação da solução ao ambiente do Bradesco. Ao final do programa, as empresas terão a possibilidade de comercializar seus produtos para o Banco, que poderá ainda ser um investidor estratégico.

A 4ª edição do InovaBra Startups recebeu 1.517 inscrições de todo o Brasil. Desde 2015, quando foi lançado, o programa contou com a inscrição de cerca de 3200 empresas, sendo que 30 chegaram à etapa final, concluindo com sucesso a formatação do Produto Mínimo Viável (MVP) de suas soluções. Dessas, oito startups já foram contratadas pelo Banco para serem parceiras estratégicas e duas estão em análise. Três empresas já receberam aporte do inovaBra Venture: Rede Frete Fácil, Semantix e R3.

Novo formato

Desde 2015 o Bradesco vinha lançando uma única chamada pública anual para receber as inscrições das startups interessadas em participar do programa. A partir de junho deste ano, as inscrições poderão ser feitas a qualquer tempo pelo site www.inovabra.com.br/startups e uma vez por mês o Bradesco fará a triagem das candidaturas.

“Esse universo é muito dinâmico e percebemos que seria necessário dar uma resposta mais rápida às startups. A procura pelo programa sempre foi grande ao longo do ano e não fazia sentido manter os interessados aguardando até o início de uma nova edição para apresentar suas propostas”, comenta Luca Cavalcanti, diretor-executivo do Bradesco.

A seleção acontecerá de forma mais rápida, porém as etapas permanecem as mesmas: um time de triagem faz uma pré-avaliação das startups, de acordo com critérios pré-estabelecidos, e as direcionam para o polo adequado. Em seguida, uma comissão verifica a viabilidade e a qualidade da solução para a área de negócio. Uma vez validada a solução, acontecem os workshops de imersão, momento de interação da startup com a área de negócio para avaliar como a solução pode agregar valor ao Banco. A última etapa será a aprovação da startup pelos executivos do Bradesco.

Concepção do projeto

Esta etapa não teve sua duração alterada. Por cerca de seis meses, as startups recebem orientação e podem testar suas soluções com situações reais do Banco. Com o programa, o Bradesco consegue estabelecer parcerias para acelerar o processo de entrega de experiências inovadoras aos seus clientes. Como contrapartida, oferece a possibilidade das startups escalarem seus negócios rapidamente, uma vez que as soluções podem ser distribuídas para os 69 milhões de clientes do Bradesco, em mais de 60 mil pontos de atendimento, além de 55 sites de internet e 62 aplicativos móveis.

Co-inovação

Além disso, com a inauguração do inovaBra habitat, espaço de co-inovação do Bradesco, o convívio com startups é diário e as oportunidades de ingressarem no programa podem surgir a qualquer momento.

Já as provas de conceito das soluções passam a ser desenvolvidas no inovaBra lab, laboratório colaborativo cujo principal objetivo é acelerar o desenvolvimento de inovações do Banco juntamente com parceiros de tecnologia. “A integração de todos os programas inovaBra implantados recentemente vai acelerar todo o processo de inovação no Bradesco”, completa Cavalcanti.

Os interessados em participar do inovaBra startups devem apresentar projetos inovadores em qualquer segmento que tenham soluções aplicáveis ou com possibilidade de adaptação ao segmento financeiro, principalmente relacionados a produtos e serviços, atendimento, canais digitais, meios de pagamento, seguros, e que enderecem desafios nos seguintes temas: pagamentos, algoritmos, segurança, engajamento de clientes, gerenciamento financeiro, plataformas de investimentos, crowdfunding, customização massificada, IOT, blockchain e inteligência artificial.

Mais informações em www.inovabra.com.br/startups.

Tags, , , , , , , ,

Conheça 6 startups que ajudam as empresas a contratar e reter colaboradores

Segundo uma pesquisa realizada pela IBM com seis mil executivos, 66% dos CEOs acreditam que a tecnologia vai gerar valor significativo ao RH, por estar sendo adotada pelas empresas de pequeno, médio e grande porte para reduzir e otimizar gastos nos processos, engajar colaboradores e ainda, diminuir riscos de erro humano, entre outras dificuldades enfrentadas pelo setor do departamento pessoal.

Ao perceberem essa oportunidade de negócio, as HRTechs, startups de soluções digitais para RH, trouxeram mudanças para o segmento oferecendo soluções e facilidades com o melhor custo e benefício para o mercado.

Segue abaixo algumas startups e seus benefícios que podem ajudar as empresas a contratar e reter melhor seus colaboradores:

Convenia: Software na nuvem de Gestão de Pessoas para PMEs, primeira plataforma de automação para o setor de RH que centraliza as informações dos colaboradores. Controlar férias, benefícios, administrar desligamentos, contratações e rotinas do departamento pessoal é um grande desafio para as empresas. Além disso, a startups oferece para o mercado soluções de gestão de benefícios. A empresa faz a venda de benefícios tradicionais como seguros saúde, vida, dental, previdência e opera um clube de vantagens próprio que oferece descontos para os funcionários de empresas clientes em mais de 300 estabelecimentos por todo o país.

Gupy: O sistema de recrutamento e seleção com inteligência artificial ajuda a empresa a estruturar seus processos seletivos, engajar todos os envolvidos e acertar nas contratações, em apenas alguns cliques. Por meio de Inteligência Artificial, e seus robôs programados para coletam informações, preferências e movimentações dos candidatos dentro do software para entender e conectar a empresa que mais combina com o aquele determinado perfil profissional.

Talent Brand: Startup de recrutamento e seleção de candidatos, Talent aposta no mercado de HRTech com soluções de big data e hunting automatizado para encontrar os melhores profissionais de marketing, relacionamento e vendas mais apropriados para empresas de tecnologia.

2XS: Boutique de recrutamento para alta gerência, presidência e vagas estratégicas de liderança. É uma executive search que trabalha do lado do cliente, aconselhando, encontrando e se aproximando dos melhores profissionais do mercado para auxiliar grandes empresas a encontrar a nova liderança. A empresa desenha soluções de recrutamento a partir do zero e de forma personalizada de acordo com as principais qualidades que as empresas parceiras estão buscando nos candidatos e assim, traçam a melhor estratégia para encontrar os profissionais que melhor se encaixam na vaga solicitada.

Love Mondays: Plataforma em que os profissionais avaliam as empresas onde trabalham, e por meio dessas avaliações é possível buscar a empresa ideal. Dessa forma é possível ter conhecimento dos salários e da satisfação dos colaboradores em cada uma das empresas disponíveis no banco de dados. De forma divertida, ela é considerada um instrumento muito legal de avaliação da empresa, além de ser uma ferramenta que avalia os salários de forma muito saudável.

Pin People: Solução de people analytics ajuda empresas a conhecer melhor suas pessoas ao longo da sua jornada – de candidatos a colaboradores -, permitindo uma tomada de decisão mais alinhada à estratégia/cultura organizacional e o aumento de engajamento, produtividade e retenção. A plataforma permite mapear as características de cada pessoa para saber qual empresa mais combina com ela. Além disso, pode ser usado tanto por quem busca empregos quanto por empresas que precisam recrutar novos funcionários.

Tags, , , , , , , ,

Finep aprova investimento de R$ 18,5 milhões em startups selecionadas em programa

A Finep vai investir R$ 18,5 milhões em 19 startups (média de R$ 973 mil em cada), como resultado da rodada inicial do primeiro edital do programa Finep Startup. Após visita técnica e due diligence de 25 finalistas, a financiadora autorizou o aporte nas seguintes empresas: Byond; Fitbank; GeekSys; Incentivendas; Kokku; Mainô; Marina Tecnologia; Meerkat; Metha Soluções; NeuroUP; Oktagon; Omics; Optimale; Pragas.com; Projeta Sistemas; Prosumir; @Tech; Treevia Forest Technologies; e VM9.

A operação será concluída depois de análise jurídica e assinatura do contrato de investimento. Caso apresentem resultados promissores, as propostas selecionadas poderão receber nova injeção de recursos no futuro.

“Trata-se de uma iniciativa inédita no país, em que a Finep compartilha com o empreendedor o risco inerente aos estágios iniciais de desenvolvimento de empresas nascentes de base tecnológica. Por isso, está pautada em um processo de seleção robusto (foram 503 propostas submetidas somente na primeira rodada). A inovação é condição necessária para a escolha da empresa, mas não suficiente: as startups precisam atender a uma demanda real de mercado e estar ancoradas em um modelo de negócios viável e escalável”, explica Raphael Braga, gerente do departamento de Empreendedorismo e Investimento em Startups da Finep.

Os temas de maior destaque entre as 19 startups qualificadas foram Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), Fintech e Agritech, com quatro aprovadas em cada categoria – cerca de 60% do total. As demais empresas atuam nas áreas de Economia Criativa – jogos eletrônicos (2), Energia (2), Biotecnologia (1), Cidades Sustentáveis (1) e Petróleo (1). São Paulo é o estado com o maior número de propostas selecionadas (6 empresas). Na sequência, aparecem Rio de Janeiro (4), Rio Grande do Sul (3) e Pernambuco (2). Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina estão representados com uma startup cada.

A segunda rodada de investimentos da primeira chamada do programa, em andamento, recebeu 366 inscrições. Desse total, 75 startups foram classificadas para a etapa seguinte, uma banca de avaliação presencial realizada entre os dias 17 e 19 de abril, em São Paulo. O resultado final e o início das visitas técnicas às sedes das empresas aprovadas estão previstos para o dia 25 de maio.

Para mais detalhes sobre o Finep Startup, acesse: www.finep.gov.br/apoio-e-financiamento-externa/programas-e-linhas/finep-startup

Confira abaixo a lista das 19 startups aprovadas para investimento na 1ª rodada do programa, em ordem alfabética:

– Byond (Estado: SC / Tema: IoT)

Incubada na Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), a Byond atua no setor de automação industrial baseada em IoT. A startup pretende explorar uma tendência de mercado (Indústria 4.0), oferecendo serviços de rastreamento e monitoramento de estoques e de produção. Site: http://getbyond.com/

– Fitbank (Estado: SP / Tema: Fintech)

A startup paulista atua com gestão de tesouraria e meio de pagamentos. Sua solução automatiza todas as rotinas de tesouraria de uma empresa sem a necessidade de atividades manuais e integra aos principais sistemas de gestão e controle (ERPs) e aos grandes bancos de forma transparente, simples e barata. Site: http://www.fitbank.com.br/

– GeekSys (Estado: SP / Tema: IoT)

Startup fundada por dois jovens engenheiros, a GeekSys utiliza soluções de inteligência para aumentar a eficiência e conversão do varejo físico a partir da captura e análise, em tempo real, do comportamento dos consumidores. Empresa foi pioneira ao disseminar no país o conceito de Store Performance Management. Site: http://www.geeksysgroup.com/pt-br/

– Incentivendas (Estado: RJ / Tema: Fintech)

A empresa atua no setor de varejo e serviços por assinatura. Desenvolveu plataforma que gerencia o processo de incentivos: vendedores acessam via aplicativo e recebem cartão para recebimento do prêmio. Clientes são as empresas, que usufruem de maior gestão, informação em tempo real, compliance e relatórios gerenciais. Site: http://www.incentivendas.com.br/

– Kokku (Estado: PE / Tema: Economia Criativa – Jogos Eletrônicos)

A startup pernambucana oferece serviços de Arte 2D/3D, desenho de UI/UX (user interface e user experience), Animação e Programação para o setor de jogos. A inovação está no processo de desenvolvimento de código e de arte. A empresa busca automatizar e otimizar o processo de desenvolvimento para obter resultados mais robustos tecnicamente e maior margem de lucratividade. Site: http://www.kokkuhub.com/home/

– Mainô (Estado: RJ / Tema: Fintech)

A startup carioca desenvolveu um software de gestão, no modelo SaaS, para empresas importadoras atacadistas e varejistas. Solução automatiza os processos de emissão de Notas Fiscais, gestão de estoque, cobranças (faturamento) e atendimento de obrigações fiscais acessórias. Site: http://www.maino.com.br/

– Marina Tecnologia (Estado: RS / Tema: Petróleo)

A startup atua no setor de petróleo e gás e desenvolve anéis de vedação de perfluorelastomero (FFKM) com elevada resistência térmica e química. Formulados com cargas especiais, formam uma composição química eficiente, que atende aos padrões de normas internacionais do setor. É a única empresa brasileira que fabrica anéis de vedação com essas características. Site: http://www.marinatecnologia.com.br/

– Meerkat (Estado: RS / Tema: Fintech)

A startup atua no setor de Tecnologia da Informação – Visão Computacional. Desenvolveu tecnologia proprietária para reconhecimento facial, detecção de logos e objetos, reconhecimento de caracteres e detecção de fraudes. Site: http://www.meerkat.com.br/

– Metha Soluções (Estado: PR / Tema: Energia)

Startup atua no setor de geração de energia renovável. Desenvolveu a Micro Central Hidrelétrica (MCH), unidade de geração de energia hidráulica capaz de operar em situações de baixa disponibilidade de água, com captação a fio d’água (rios e riachos, sem reservatórios) ou de água sob pressão (tubulação industrial, vertedouros de grandes hidrelétricas, etc.). Primeira solução com arranjo tecnológico voltado para minigeração, maximizando as eficiências de cada componente. Site: http://methasolucoes.com.br/

– NeuroUP (Estado: PE / IoT)

A startup trabalha com equipamentos médicos e oferece alternativa para diagnóstico e tratamento da cefaléia crônica, em especial aquela classificada como tensional, causada por bruxismo e DTM (Disfunção Temporomandibular). Desenvolveu uma solução baseada na técnica de biofeedback – treinamento do paciente para controlar conscientemente algumas de suas funções corporais – suportada por um conjunto composto por hardware (vestível), software e base de dados. Site: http://neuroup.com.br/

– Oktagon (Estado: RJ / Tema: Economia Criativa – Jogos Eletrônicos)

A startup carioca utiliza aplicações de Deep Learning e Machine Learning para prestação de serviço de Liveops (etapa pós-lançamento) para grandes produtores de jogos eletrônicos, principalmente em mobile. As técnicas tornam o serviço assertivo, automatizado, escalável e único no mercado. Site: http://oktagongames.com/

– Omics (Estado: SP / Tema: Biotecnologia)

A empresa de Biotech pretende disponibilizar um tratamento eficaz à base de células-tronco, numa forma resfriada. Realiza o isolamento, cultivo, expansão e criopreservação das células-tronco alogênicas e autólogas para aplicação clínica em cães e equinos no processo de terapia celular regenerativa. A inovação está na forma de apresentação do produto, com células prontas para aplicar por até 48h. Através do seu processo, também conseguem disponibilizar a maior dose de células do mercado. Site: http://www.omicsbiotecnologia.com.br/

– Optimale (Estado: MS / Tema: Cidades Sustentáveis)

A startup atua com gestão de águas (Smart Water Management). Desenvolveu uma solução inovadora plug and play para gestão inteligente de água, com uso de algoritmos que transformam dados brutos em informações para a tomada de decisão (ex: alertar sobre anomalias na rede, estimar perdas em tempo real, identificar áreas de vazamentos e apontar tendências – predição). Site: http://www.optimale.com.br/

– Pragas.com (Estado: SP / Tema: Agritech)

A startup oferece soluções para controle químico e biológico. A Pragas.com® fornece organismos-alvo, insumos biológicos, materiais e suprimentos de apoio à pesquisa, além da prestação de serviços em experimentação agrícola. É a primeira empresa a oferecer em território nacional insumos de alta qualidade para pesquisa biológica. Site: http://pragas.com.vc/

– Projeta Sistemas (Estado: ES / Tema: Agritech)

Atuando no setor de pecuária, a startup utiliza tecnologia de Visão Computacional aliada à Estatística e Modelagem Matemática para prover um método prático e rápido de pesagem animal, sem estresse. Para isso, criou um software que se baseia em imagens 3D para reconstruir a volumetria de bois, usando algoritmos especialmente desenvolvidos. Site: http://www.projetasistemas.com.br/

– Prosumir (Estado: RS / Tema: Energia)

O produto oferecido pela Prosumir é uma turbina a vapor compacta que executa a mesma função operacional da válvula redutora, aproveitando o desperdício de energia (perda de carga) para a geração de energia elétrica, sem o consumo extra de combustível. Promove eficiência energética e redução de custo operacional. Trata-se de uma tecnologia proprietária. Site: http://www.prosumir.com.br/

– @Tech – Inovação Tecnológica para a Agropecuária (Estado: SP / Tema: Agritech)

A startup desenvolveu plataformas de inteligência de informações de mercado para a maximização do lucro de produtores e frigoríficos, através de sensores cada vez mais sofisticados para descrever e monitorar em tempo real o processamento dos animais in vivo e post-mortem. Site: http://www.techagr.com/

– Treevia Forest Technologies (Estado: SP / Tema: Agritech)

Criou um sistema integrado de monitoramento florestal. A plataforma inteligente, em nuvem e oferecida em modelo SaaS, utiliza de sensores IoT para medição em tempo real de dados como produtividade na fazenda, risco de incêndio e resultados de inventário florestais, além de analytis e apresentação inteligente. Site: http://treevia.com.br/

– VM9 (Estado: RJ / Tema: IoT)

Desenvolvedora e fornecedora de software e serviços para instituições públicas e privadas, direcionada aos mercados nacional e internacional de tecnologias inteligentes. A inovação criada pela startup consiste na transformação de um ativo intangível da empresa, desenvolvido para indústria cimenteira (CAD Browser), num ativo relevante como solução para cidades inteligentes: um visualizador de dados diversos em ambiente georreferenciado. Site: http://www.vm9it.com/

Tags, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Investimentos dos bancos em tecnologia somam R$ 19,5 bilhões em 2017, com crescimento acima da média mundial

Os investimentos e despesas em tecnologia no Brasil feitos pelo setor financeiro em 2017 somaram R$ 19,5 bilhões, um aumento de 5% em relação ao ano anterior. Em dólares, a alta (também afetada pela forte variação cambial do período) foi de 15%, acima da média mundial de 3,6% segundo dados da Gartner. Esse resultado é uma das novidades da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2018 da FEBRABAN, realizada pela Deloitte, divulgada hoje. O estudo, já em sua 26ª edição, traz uma radiografia e tendências do comportamento do setor financeiro no que se refere aos investimentos e uso da tecnologia, bem como a relação dos consumidores com os canais de atendimento.

Quando comparado a outros setores, o setor financeiro compartilha a liderança dos investimentos em tecnologia com o governo, que, historicamente, é o segmento de mercado que mais investe nessa área. As transações bancárias em 2017 somaram 71,8 bilhões, com alta de 10% ante os 65,4 bilhões de 2016. “A indústria bancária brasileira segue robusta, madura e comprometida com os avanços tecnológicos presentes na sociedade”, afirma Gustavo Fosse, diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da FEBRABAN.

Todo esse processo vem sendo reforçado pelo alto volume de recursos destinados pelos bancos ao setor. Os investimentos com software, que avançaram 15% em relação a 2016, representam metade do orçamento dos bancos em tecnologia. Hardware consumiu 32% dos investimentos, e telecom, 18%.

O executivo chama atenção para o desempenho do mobile banking, que reflete “o investimento maciço da indústria em usabilidade e oferta de novos serviços”. Os números desta 26ª edição da Pesquisa comprovam: as transações com movimentação financeira por aplicativos de celular saltaram 70%, impulsionadas pelo crescimento do pagamento de contas (+85%), transferências/DOC/TED (+45%), contratação de crédito (+ 141%) e investimentos/aplicações (+42%).

No total, foram realizadas 25,6 bilhões de transações através do canal mobile no último ano – alta de 38% em relação a 2016 – o equivalente a 35% de um universo de 71,8 bilhões de operações. A participação do mobile no total das transações bancárias cresceu 3,5 vezes em relação a 2011, confirmando-se como o preferido dos brasileiros para realizar operações bancárias.

Se os números envolvendo o mobile são expressivos, o fato é que ointernet banking também registrou avanço, modesto, porém significativo, no consolidado geral: foram 15,8 bilhões de transações (+2%) por esse meio. O número de transações com movimentação financeira aumentou 6%, de 3,4 bilhões de operações em 2016 para 3,6 bilhões em 2017. Juntos, mobile e internet banking contabilizam 5,3 bilhões de operações com movimentação financeira em 2017. No geral, os dois canais têm 58% de participação no total das operações (com ou sem movimentação financeira).

Não há dúvidas de que a indústria bancária vem atuando como indutora no uso dos meios digitais. Um item apontado pela Pesquisa foi o maior ritmo de adoção de agências pelo conceito digital, com atendimentos por meio de chats, telefone, e-mail ou videoconferência. O número dessas agências triplicou em relação a 2016: são 373 agências em 2017, ante 101 do ano anterior.

Canais tradicionais

Em 2017, o número de agências tradicionais teve uma ligeira queda. Em função das recentes aquisições, os bancos eliminaram as sobreposições existentes na rede bancária. Além disso, com o avanço dos meios digitais, as agências passam por uma readequação do seu modelo tradicional de negócio e adquirem um papel mais consultivo, com funcionários preparados para atender as novas necessidades e questionamentos trazidos pelos clientes.

O número de postos especializados de atendimento bancário (PABs) teve um leve aumento, de 3%, em 2017, enquanto o número de postos de atendimento eletrônico (PAEs) teve um movimento oposto, com uma leve queda de 6%. Assim, como nos anos anteriores, a rede de ATMS também teve uma ligeira queda em 2017.

A Pesquisa e a metodologia adotada

Realizada há 26 anos pela FEBRABAN, em 2018, a Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária foi desenvolvida em parceria com a Deloitte e contou

com a participação de 24 bancos, que representam 91% dos ativos dessa indústria no País. O estudo foi feito por meio de um questionário online aplicado às instituições financeiras, entrevistas com especialistas, consolidação de dados públicos e também com pesquisas internacionais da Deloitte, para ampliar e aprofundar a análise dos dados.

“Os resultados da Pesquisa da Deloitte destacam que o DNA de transformação digital dos bancos consiste na exploração constante de novas tecnologias, tendo um objetivo em comum: uma melhor experiência para os clientes”, finaliza Paschoal Pipolo Baptista, sócio-lider de Banking & Capital Markets da Deloitte.

Para conferir a apresentação completa da pesquisa, acesse esse link. O relatório completo será lançado no CIAB FEBRABAN 2018, que acontecerá entre os dias 12 e 14 de junho (mais informações em www.ciab.org.br).

Tags, , , , , , , ,

Stefanini promove Hackathon em Porto Alegre

A Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, promoverá a 2ª edição do evento HACK W/ STEFANINI, que acontecerá nos dias 19 e 20 de maio de 2018, na unidade da empresa localizada na Tecnopuc, em Porto Alegre (RS). O desafio terá duração de 24 horas com foco na área de banking. As inscrições estão abertas para Desenvolvedores, Designer de UX/UI e Scrum Master, que tenham mais de 18 anos.

Os inscritos devem responder de forma criativa a questão: Como melhorar um dos principais processos de banking utilizando pelo menos um dos seguintes temas: Criptomoedas, Blockchain, Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Realidade Virtual, Realidade Aumentada, Cibersegurança, Machine Learning, Deep Learning e/ou Data Science (Big Data/Analytics).

Os interessados na maratona devem realizar as inscrições – individuais ou em grupo – pelo site. Para os grupos, o ideal é que tenham pelo menos dois desenvolvedores e um designer UX, considerando que os desafios exigirão soluções práticas. Quem se inscrever individualmente não precisa se preocupar, pois todos serão reorganizados e distribuídos em equipes.

Todas as soluções apresentadas serão analisadas pelo júri técnico do evento, que avaliará os seguintes critérios: alinhamento ao desafio, inovação, design e usabilidade. O prêmio será no valor de R$5.000,00 (cinco mil reais) para a equipe vencedora do hackathon.

“Estamos sempre na busca de profissionais de tecnologia – programador, designer, empreendedor ou gerente de projetos – capazes de trazer novos conceitos e práticas que envolvam a transformação digital. Precisamos nos consolidar cada vez mais em um ecossistema de inovação para continuar se destacando no mercado”, afirma Marco Stefanini, fundador e CEO da Stefanini.

Durante o evento, os participantes receberão instruções detalhadas sobre o tema do desafio e os meios que poderão ser utilizados para desenvolver a solução. Também haverá mentores que poderão auxiliar durante a maratona e sanar eventuais dúvidas.

Tags, , , , , ,

Dell Technologies anuncia investimentos em inovação e atualização do portfólio de soluções das sete empresas do grupo

A Dell Technologies anuncia durante o Dell Technologies World – evento global da empresa, realizado em Las Vegas (Estados Unidos) entre 30 de abril e 3 de maio – um conjunto de soluções inovadoras para os data centers modernos, voltados a ajudar os clientes a alcançarem seus objetivos de prever e construir seu futuro digital, além de apresentar as novas iniciativas da empresa para impulsionar o desenvolvimento de tecnologias emergentes, que vão impulsionar o progresso humano.

“Durante o Dell Technologies World compartilhamos com nossos parceiros e clientes a nossa visão da tecnologia como a impulsionadora do progresso humano em todo o mundo”, afirmou Michael Dell, presidente e CEO da Dell Technologies. “Apresentamos durante o evento como, em maior e menor escala, nossos clientes estão usando a tecnologia para mudar o mundo para melhor, seja por meio de processos ou de uma indústria totalmente reinventados. Acreditamos na tecnologia para resolver nossos maiores desafios, e estamos progredindo mais rápido do que nunca”, completa Dell.

Ponto único para construir um futuro digital

A transformação digital está mudando fundamentalmente a maneira com que todas as empresas, de todos os setores, são criadas e operam. O Dell Technologies World reflete a crescente necessidade dos profissionais de TI contar com um ponto único com uma infraestrutura essencial para construir seu futuro digital, transformar a TI e proteger seu ativo mais importante: as informações.

Ao longo da semana, durante o evento, a Dell Technologies apresenta uma série de anúncios significativos, destacando as principais prioridades de negócios e estendendo o portfólio mais abrangente e inovador do setor – que vai da borda ao núcleo, passando pela nuvem – para ajudar os clientes a atingirem mais rapidamente os objetivos almejados. Reunidos, os especialistas da Dell, Dell EMC, Pivotal, RSA, Secureworks, Virtustream e VMware realizam demonstrações do ecossistema conectado de infraestrutura, aplicativos, dispositivos e segurança de TI que podem viabilizar uma transformação real das empresas e organizações.

Dell Technologies Advantage

A Dell Technologies está investindo em novos programas, incentivos e soluções projetados para acelerar o fornecimento de Transformações Digitais, de TI, Segurança e Força de Trabalho aos seus clientes a partir de seus parceiros de canal, que poderão aprimorar seus recursos de vendas de soluções de todo o portfólio das sete empresas do grupo.

Embora cada empresa do grupo continue a ter seu próprio programa independente, os recursos e as certificações de valor agregado da nova estrutura aumentam a capacidade de fornecer resultados de negócios positivos e de forma mais fácil e eficiente em todo o portfólio da Dell Technologies.

Dell Technologies Institute e Dell Technologies Capital

A empresa anuncia também o Dell Technologies Institute, um grupo de pesquisa virtual dedicado a acelerar a exploração de tecnologias emergentes que impulsionam o progresso humano. O Dell Technologies Institute colaborará com a Intel e a Singularity University para patrocinar o Grand Global Challenges, um programa de reconhecimento e inovação que traz empresas que usam tecnologias exponenciais para impactar positivamente a humanidade em escala global, bem como para iniciar pesquisas que explorem de que modo as tecnologias emergentes redefinirão nossas vidas, nosso trabalho e nossa economia até 2030.

A Dell Technologies Capital, braço de investimento de risco da Dell Technologies, apresenta forte impulso de incentivo um ano após o anuncio para o mercado. De maio de 2017 a abril de 2018, foram completados 24 investimentos e realizados novos como parte de sua taxa média de investimentos de US$ 100 milhões/ano. Desde 2012, a Dell Technologies Capital fez 81 aportes focados em startups em estágio inicial que abrangem uma ampla gama de áreas de tecnologia. No ano passado, um terço dos novos investimentos se concentraram em inteligência artificial (IA) e aprendizado de máquina (ML), além de outros focados em segurança, infraestrutura de próxima geração e outras áreas de tecnologia estratégicas para a família de empresas Dell Technologies.

A empresa destaca que dos 24 investimentos mais recentes 11 empresas já deixaram o portfólio de investimentos, incluindo três empresas “unicórnios” (avaliadas em mais de US$ 1 bilhão) que abriram capital nos últimos oito meses. A Dell Technologies Capital foi o primeiro investidor institucional da Zscaler (NASDAQ: ZS), pioneira na transformação da segurança de rede para a era da nuvem; a startup abriu o capital em março de 2018. A Dell Technologies Capital investiu no MongoDB (NASDAQ: MDB), que abriu o capital em outubro de 2017 e recentemente na DocuSign (NASDAQ: DOCU). Esses IPOs tiveram uma avaliação coletiva de mercado superior a US$ 11 bilhões, destacando a capacidade da equipe de identificar oportunidades de investimento antecipado e ajudar a criar startups de sucesso.

“Nossos clientes estão respondendo à potência de nossa empresa gerando bons resultados no início de 2018”, afirmou Jeff Clarke, vice-presidente de produtos e operações da Dell Technologies. “Atualmente, temos a maior participação de mercado global em áreas cruciais, como servidores e armazenamento. Esperamos aumentar nossa participação de mercado global de PCs pelo 21º trimestre consecutivo e obter participação em servidores e armazenamento quando forem divulgados números definitivos da participação de mercado destes segmentos em 2018. Além disso, estamos apresentando atualizações empolgantes em nosso portfólio no evento deste ano, que devem impulsionar essa liderança e a transformação digital dos clientes, resultando, por fim, em melhores resultados de negócios”, resume Clarke.

Tags, , , , , ,

Prezi supera 100 milhões de usuários

A Prezi, empresa desenvolvedora do software de apresentações dinâmicas e interativas, acaba de ultrapassar a marca de 100 milhões de usuários em todo mundo. Com isso, as apresentações realizadas por meio do programa da Prezi alcançaram mais de 3,5 bilhões de visitas. O segmento que registrou o maior crescimento entre os clientes da Prezi foi o de negócios, especialmente os profissionais de vendas e marketing, que tem buscado uma maneira mais visual, informal e atraente para maximizar o desempenho das apresentações de suas propostas, projetos, campanhas etc.

“Nossa comunidade mundial está criando e compartilhando seus ‘prezis’ em números recordes. A apresentação de maneira mais coloquial é fundamental para o sucesso de nossos clientes e é por isso que nos preocupamos em ajudá-los a se destacar em um mundo cada vez mais ‘superlotado’ de conteúdo. Prezi ajuda os usuários a atingirem seus objetivos junto aos diferentes públicos que eles queiram atingir”, disse Peter Arvai, CEO e co-fundador da Prezi.
Para mais informações sobre os clientes que usam o Prezi, visite: https://prezi.com/customers/

Nova sede e mudança no comando das finanças

A Prezi, que iniciou suas atividades em 2009, na Hungria, hoje tem unidades localizadas em São Francisco (EUA), Budapest (Hungria) e Riga (Letônia) e conta 330 empregados em todo mundo. Agora, para melhor acomodar o crescimento da equipe, a companhia ocupa uma nova área em São Francisco, ao mesmo tempo em que também amplia o quadro de executivos com a contratação de Narayan Menon como diretor financeiro. Narayan conta com mais de 20 anos de experiência em cargos de liderança na área financeira e operacional.

Segundo Peter Arvai essa contratação é importante para o momento da empresa. “Estamos muito satisfeitos em ter um executivo como Narayan em nossa equipe, com vasta experiência em estratégia financeira, planejamento e execução nas melhores empresas de tecnologia como Cisco, Skype, Microsoft e Intuit ajudarão a Prezi a se posicionar o próximo nível de crescimento”.

Tags, , , , ,

Toronto é escolhida como sede da Collision Tech Conference até 2021

A Collision Tech Conference, um dos eventos de tecnologia que mais vem crescendo e ganhando relevância para o setor na América do Norte, acaba de anunciar que migrará para Toronto, onde realizará suas três próximas edições anuais, após ter passado por Las Vegas e Nova Orleans. Esta mudança aproveita o momento da região de Toronto como centro de inovação e tecnologia, e a força de diversidade e inclusão de Ontário e do Canadá.

Em sua quinta edição, a Collision passou de 5 mil para 25 mil participantes em 2018. Criada pela equipe do Web Summit, o maior e mais influente evento de tecnologia do mundo, a Collision atrai CEOs das maiores empresas do mundo, além de fundadores de startups, investidores e jornalistas de mais de 120 países. A conferência de 2019 será realizada no Centro Enercare, que fica localizado no Exhibition Place, de 20 a 23 de maio de 2019.

“Este é um momento especial para o Canadá e para Toronto”, afirma Paddy Cosgrave, CEO da Web Summit. “Há tanta energia na cidade, uma atmosfera tão aberta, cosmopolita e global. Grandes empresas estão sendo iniciadas e talentos incríveis estão saindo da região”, completa.

Para que esta parceria fosse concluída, o governo federal, da província e também municipal, em conjunto com a Tourism Toronto e o Exhibition Place, se uniram para colaborar com o projeto. Espera-se que 90 mil participantes venham a Toronto durante as próximas três conferências, gerando um impacto econômico de C$ 147 milhões.

A região de Toronto concentra a maior concentração de empresas de tecnologia do Canadá e a terceira maior da América do Norte. O setor emprega 401 mil pessoas em 18 mil empresas. O crescimento do setor de tecnologia regional ultrapassou o de Nova York e São Francisco, combinados, em 2016. Com base nessa taxa de crescimento, Toronto terá mais empregos tecnológicos do que o Vale do Silício dentro de dois anos.

“Com uma rica história de inovação, Ontário é o local ideal para a conferência Collision. Temos institutos importantes de inteligência artificial e computação quântica, e nossa cultura de startup é de alto nível, com incubadoras em praticamente todas as universidades e faculdades. A Collision de 2019 será como nenhuma outra e estamos ansiosos para mostrar ao mundo o que Ontário tem a oferecer”, comemora Reza Moridi, Ministro de Pesquisa, Inovação e Ciência da província.

Tags, , , , , ,

Comércio Móvel no Brasil: WhatsApp e Facebook entram no ranking dos aplicativos mais usados

O mais recente levantamento do Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre o uso de aplicativos e sites no comércio móvel no Brasil aponta o WhatsApp e Facebook pela primeira vez no ranking dos serviços mais usados para compras online. Entre os aplicativos e sites mobile, o WhatsApp aparece em sexto lugar, citado por 8% desse grupo, e o Facebook Messenger em décimo-primeiro, apontado por 5%. A liderança continua com o Mercado Livre (31%), seguido pela Americanas.com (21%).

Quando perguntados se já encomendaram algum produto ou serviço especificamente através do WhatsApp e/ou do Facebook Messenger, o resultado indica que o uso desses dois aplicativos de mensageria para compras no Brasil é maior do que se imaginava: 57% dos internautas brasileiros com smartphone afirmam que já encomendaram produtos ou serviços através do WhatsApp e 42% já o fizeram pelo Facebook Messenger.

A pesquisa também apurou que 74% dos internautas brasileiros com smartphone já fizeram compras de bens físicos através de apps ou sites móveis, 1% menos que a pesquisa anterior de setembro de 2017. O número de pessoas que afirma fazer compras com mais frequência pelo smartphone do que pelo desktop é um pouco menos, 63%, mas, ainda assim, mostra que o m- Commerce vem superando os seus desafios.

Roupas, eletrodomésticos, refeições, cosméticos

Os produtos e serviços adquiridos por meio do smartphone entre 1.438 consumidores móveis consultados, a liderança está com a compra de roupas, que passou de 42% (em setembro de 2017) para 51% agora em março. Os eletrodomésticos caíram de 50% para 47% no mesmo período. Na terceira posição aparecem as refeições, que subiu de 27% para 37%. Cosméticos e itens de higiene também cresceram: de 29% para 33%. A aquisição de livros se manteve em ambas as pesquisas: 32%.

O grau de satisfação com as compras realizadas pelo smartphone também foi consultada: 38% afirmam estar muito satisfeitos sendo que 54% são os satisfeitos. Os indiferentes somam 15%, e os insatisfeitos e muito insatisfeitos totalizam juntos 2% dos 1.438 consumidores móveis entrevistados.

Quando aos meios de pagamento utilizados, 31% prefere boleto bancário (o mesmo número da pesquisa anterior), mas o número de pessoas que preferem o cartão de crédito subiu de 52% para 59%. As carteiras digitais tiveram uma queda acentuada: de 14% de setembro do ano passado para 8% seis meses depois. Outros meios de pagamento são agora preferidos por 2% dos compradores mobile, contra 3% do levantamento do ano passado.

Segundo Fernando Paiva, editor do Mobile Time e coordenador de conteúdo da pesquisa, “a aparição do WhatsApp e Facebook reflete o esforço das empresas de Mark Zuckerberg em atrair marcas para dentro de suas plataformas, assim como seu estímulo ao chamado ‘comércio conversacional’, com uma API para bots no Facebook Messenger, seguindo tendência vinda da Ásia. Além disso, inúmeros estabelecimentos comerciais de pequeno porte e profissionais liberais já usavam as duas plataformas de mensageria para a oferta de seus produtos e serviços antes mesmo da disponibilização de ferramentas oficiais para tanto”, afirma ele.

O relatório da pesquisa inclui informações completas sobre as categorias de produtos mais adquiridos pelo smartphone; as funcionalidades mais apreciadas pelos brasileiros em apps de comércio móvel; e a popularidade de serviços O2O (Online 2 Offline) no celular, como solicitação de corrida de táxi/carro particular, delivery de comida e hospedagem.

O Panorama Mobile Time/Opinion Box – Comércio Móvel no Brasil é uma pesquisa independente produzida por uma parceria entre o site de notícias Mobile Time e a empresa de soluções de pesquisas Opinion Box, disponível para download gratuito no site www.panoramamobiletime.com.br.

Tags, , , , ,