Tag smpartphones

Claro, Ericsson e Qualcomm demonstram nova tecnologia para Internet das Coisas

A Claro, a Ericsson e a Qualcomm Technologies, uma subsidiaria da Qualcomm Incoporated, anunciam que completaram hoje uma demonstração pioneira fim-a-fim da tecnologia LTE IoT Cat-M1 (eMTC), desenvolvida para suportar aplicações no segmento de IoT – Internet das Coisas. Trata-se do primeiro teste público de Cat-M1 realizado em rede comercial na América do Sul.

A iniciativa ajudará na continuidade na liderança tecnológica em LTE IoT da Claro e da Embratel, preparando a operadora para desenvolver aplicações com uso da tecnologia Cat-M1 em sua rede.

No teste, foi utilizado o equipamento de telemedição de energia elétrica (RMT 5.0) da M2M Telemetria, que utiliza o módulo de conectividade Cat-M1 (ME910) da Telit, com o poder de conectividade do modem MDM9206 da Qualcomm Technologies e o produto da Ericsson Massive IoT Radio Access Network.

Outro teste foi realizado com uma solução de gerenciamento de frotas desenvolvida pela Ericsson, utilizando o módulo de conectividade Cat-M1 (BG-96) da Quectel, integrado com o mesmo modem de LTE IoT MDM9206 da Qualcomm Technologies. A Claro continuará testando outros dispositivos e aplicações para Cat-M1 em sua rede.

As três companhias pretendem trabalhar juntas em novos testes também no padrão LTE IoT Cat NB-1, que permite conexão de sensores com baixo consumo de banda, baixa latência e baixo consumo de energia. As novas tecnologias de IoT, como Cat-M1 e NB1, e a evolução das redes LTE até o 5G, definem uma base sólida para reduzir a complexidade e o consumo de energia na conexão massiva de dispositivos através de redes móveis, expandindo a cobertura e a diversidade de aplicações.

Entre as aplicações de IoT típicas com Cat-M1 incluem relógios inteligentes (smart watches) ou pulseiras fitness com serviços de comunicação de voz integrados, dispositivos de rastreamento de animais (pets), terminais de ponto de vendas (POS), máquinas de vendas (vending machines) e rastreamento de veículos com suporte a chamadas de emergência (carros conectados).

“As tecnologias Cat-M1 e NB-IoT provêm vantagens importantes em relação a conectividade de dispositivos com baixo custo, além de outras vantagens como maior tempo útil de bateria, cobertura estendida e suporte a novos casos de uso. Os testes pioneiros em conjunto com a Ericsson e a Qualcomm Technologies mostram que ambas empresas tem a habilidade de suportar novos serviços e tecnologias de IoT para a Claro e que estamos trazendo para o Brasil tudo de mais moderno que é desenvolvido nessas tecnologias”, diz André Sarcinelli, diretor de engenharia da Claro.

“Vamos expandir nossas ofertas de IoT para o mercado corporativo, garantindo conectividade com alta performance e capilaridade, sempre à frente nas novas tecnologias e modelos de negócio relacionados com dispositivos e sensores conectados”, diz Ney Acyr Rodrigues, Diretor de Negócios IoT da Embratel.

“Hoje, a maior parte da receita de IoT das operadoras é proveniente da conectividade machine-to-machine (M2M), mas nos próximos cinco anos esta receita virá de outras plataformas, aplicações e serviços. Este teste garante que a Claro Brasil possa capturar novas fontes de receitas e continuar entregando a melhor experiência a seus clientes. É importante que o mercado esteja atento ao fato de que o IoT muda a forma como trabalhamos e baseado em nossos estudos, acreditamos que o potencial seja de mais de 200 bilhões de reais até 2025”, analisa Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson no Brasil.

Rafael Steinhauser, Latin America President, Qualcomm Technologies, disse: “LTE IoT e sua contínua evolução para o 5G dará suporte a massificação de IoT, que requer cobertura estendida e maior tempo útil de bateria, em comparação às soluções atuais baseadas em 2G/GSM e LTE. Nosso modem para IoT – MDM9206 multimodo LTE, desenhado para suportar LTE Cat-M1, NB-IoT (NB-1) e E-GPRS e bandas de RF globais, traz muitos avanços, melhorias e otimizações ao LTE como a redução da complexidade aos dispositivos de IoT, dispositivos de mais baixo custo e com suporte a anos de tempo útil de bateria, suportando assim as necessidades das operadoras e de seus clientes.

Tags, , , , , , ,

Tecnologia móvel vai agregar US$ 1 trilhão à economia norte-americana até 2020, revela estudo da GSMA

O setor de telefonia móvel da América do Norte vai valer quase US$ 1 trilhão por ano para a economia da região até 2020, de acordo com um novo estudo da GSMA. O novo relatório, “The Mobile Economy: North America 2016” (A Economia Móvel: América do Norte 2016), prevê que o papel pioneiro da região da América do Norte em áreas como o 5G, Internet das Coisas (IoT), cidades inteligentes e carros conectados verá o setor responder por 4,5% (US$ 1 trilhão) do PIB regional projetado até o final da década, acima dos 3,6% (US$ 710 bilhões) do ano passado. O relatório foi publicado pelo evento “GSMA Mobility Live! – América do Norte” que acontece em Atlanta, de 1 a 2 de novembro, em colaboração com o Metro Atlanta Chamber.

“Graças aos bilhões de dólares em investimentos feitos por operadoras móveis em suas redes em anos recentes, a América do Norte é líder no uso e adoção de dispositivos móveis, caracterizados por enormes níveis de consumo de dados móveis”, disse Michael O’Hara, diretor de Marketing na GSMA. “A decisão recente dos EUA de identificar a abrir o espectro de serviços 5G – ao lado de sua liderança no mercado de IoT – confirmou que a região é um dos mercados móveis mais avançados do mundo e que está liderando a próxima onda de inovação móvel.”

Grande adoção do uso de smartphones e do 4G motivando a explosão do fluxo de dados móveis

A América do Norte é um dos mercados móveis mais amadurecidos do mundo e isso se reflete em suas altas taxas de penetração de assinantes e forte aceitação de banda larga móvel e smartphones. Havia 284 milhões de assinantes exclusivos de telefonia móvel1 na região no final de 2015 (equivalente a 79% da população), um número que deverá aumentar para 315 milhões (85% da população) até 2020.

Os smartphones representam 75% das conexões móveis da região2, a maior taxa de adoção de smartphones a nível mundial, enquanto mais de metade das conexões estão sendo realizadas em redes 4G. Esta situação está promovendo o enorme crescimento do uso de dados, principalmente devido aos serviços de vídeo. Calcula-se que o streaming de vídeo em redes 4G representará mais de três quartos do consumo de dados até 2020. A Cisco estima que até o final da década, o consumo de dados por assinante na América do Norte chegará a quase 9 GB por mês, superior aos cerca de 2 GB por assinante por mês em 2015.

Um crescente contribuinte para a economia da América do Norte

A indústria móvel norte-americana apresentou uma contribuição total de US$ 710 bilhões para a economia da América do Norte em termos de valor agregado no ano passado, equivalente a 3,6% do PIB anual da região3. Em 2020, espera-se que esse número aumente para quase US$ 1 trilhão (4,5% do PIB), uma vez que a região experimenta um forte crescimento da produtividade devido à rápida adoção de novas tecnologias móveis, como as comunicações máquina a máquina (M2M) e o aumento da digitalização do setor e dos serviços.

O setor também apoiou direta e indiretamente mais de 2,3 milhões de empregos na região em 2015 e fez uma contribuição fiscal para os governos da região de US$ 82 bilhões. Isto está além dos US$ 46 bilhões obtidos através de leilões de espectro nos EUA e Canadá durante o ano.

Operadoras que promovem a Internet das Coisas

O relatório destaca várias áreas onde a região da América do Norte está motivando a inovação móvel, particularmente na Internet das Coisas. Ele observa que havia mais de 60 milhões de conexões M2M de celulares na região no final de 2015, respondendo por quase 15% do total de conexões móveis e com previsão de 30% até 2020. Os dispositivos de IoT também estão sendo conectados por diversas tecnologias que não são de celulares; novas redes de baixa potência de área ampla (LPWA), por exemplo, estão sendo implantadas na América do Norte, utilizando tanto o espectro licenciado quanto o não licenciado. As operadoras na região, incluindo a AT&T e Verizon Wireless estão adotando o padrão LTE-M para utilizar a infraestrutura do 4G para os serviços de LPWA.

As operadoras, os órgãos governamentais e vários outros participantes do setor também estão colaborando para a implantação de novos serviços para ajudar a realizar o potencial das cidades inteligentes na América do Norte, enquanto as operadoras promovem o desenvolvimento de redes e aplicativos móveis 5G. A tecnologia e indústrias automotivas da América do Norte também estão liderando o desenvolvimento dos setores de carros conectados e de carros autônomos e autodirigidos.

“Enquanto o crescimento de assinantes e smartphones está amadurecendo, as operadoras de telefonia móvel da América do Norte estão procurando conectar agora uma crescente variedade de outros dispositivos, desde carros até aviões não tripulados, e promover a aplicação da Internet das Coisas”, acrescentou O’Hara. “A região é o lar de muitas das empresas mais inovadoras no ecossistema móvel mais abrangente, e fluxos de capital de risco para o setor móvel continuam a apresentar um crescimento saudável. O setor também se beneficiou de um ambiente regulatório, em geral favorável, como evidenciado pelos esforços de normalização e ao se facilitar a primeira onda de implementações 5G.”

O novo relatório “The Mobile Economy: North America 2016” é de autoria da GSMA Intelligence, a divisão de pesquisa da GSMA. Para acessar o relatório integral e infográficos relacionados, visite: http://www.gsma.com/mobileeconomy/northamerica/

Tags, , , , , ,

Estudo da IDC aponta recorde de vendas de smartphones no Brasil no segundo trimestre de 2014

A IDC Brasil, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e conferências com as indústrias de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, divulga os dados consolidados do mercado de celulares no Brasil no 2º trimestre de 2014. De acordo com o estudo Mobile Phone Tracker Q2, foram vendidos 17.9 milhões de aparelhos entre os meses de abril e junho, sendo 13.3 milhões de smartphones (75%) e 4.6 milhões de feature phones (25%). Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve aumento de 22% nas vendas de smartphones e queda de 16% nas vendas de feature phones. “O resultado do segundo trimestre para smartphones ficou acima da nossa previsão e representa um recorde de vendas não só no Brasil, mas no mundo inteiro. É a primeira vez que o País entra nesse patamar de 13 milhões e o mundo ultrapassa a marca de 300 milhões de smartphones vendidos. A expectativa é o bom momento persistir e um novo recorde ser batido nos próximos dois trimestres de 2014”, afirma Leonardo Munin, analista de mercado da IDC Brasil.

Os dados confirmam que a instabilidade vista em outros segmentos da TI e o baixo crescimento da economia não afetaram a categoria de smartphones. Para o analista da IDC Brasil, existem quatro fatores que explicam o momento: aumento do portfólio de produtos aliado à queda nos preços por parte dos fabricantes, um maior investimento dos canais em cima desta categoria – principalmente o varejista, a inclusão deste dispositivo na MP do Bem e a prorrogação da isenção de impostos para smartphones por parte do governo, e o fator principal que é o usuário com um desejo cada vez maior em estar conectado de onde ele estiver.

Dos aparelhos vendidos no 2º trimestre, mais de 90% são Android e o ticket médio ficou em R$ 700.

Será o fim dos feature phones?
Leonardo Munin não acredita no fim dos celulares sem sistema operacional, porém, ressalta que cada vez menos modelos estarão disponíveis no varejo nos próximos anos. Para 2018, por exemplo, a IDC Brasil projeta que essa categoria de dispositivo não chegue a 5% do volume total do mercado. Até o final do ano, a previsão é que 3/4 das vendas sejam de smartphones e apenas 1/4 de feature phones. Para ele, a chegada de produtos com preços mais atrativos e com configuração mais potente está acelerando a migração de feature phones para smartphones. A título de comparação, em 2013, dos celulares vendidos 53% eram smartphones e 47% feature phones. Para esse ano, a projeção é de 75% de smartphones e 25% de feature phones. Historicamente, as vendas de smartphones no Brasil sempre vinham atrás da média da América Latina e mundial. “Desde o terceiro trimestre de 2013, no entanto, ocorre uma inversão e hoje a participação de smartphones no mercado de celulares no Brasil é maior tanto da média da região como da média mundial”, afirma o analista.

Crescimento dos phablets
Segundo o analista da IDC Brasil, o smartphone com tela acima de 5 polegadas, o chamado phablet, também já caiu no gosto dos brasileiros. “Os aparelhos inteligentes estão se tornando cada vez mais um ‘computador de bolso’ e, quanto maior a tela, mais cômodo é para o usuário navegar pela internet, ler conteúdos, assistir vídeos e jogar”. A tendência dos phablets pode ser confirmada pelo crescimento das vendas: 128 mil aparelhos em 2012, cerca de 2.2 milhões em 2013 e, para 2014, a expectativa é que as vendas cheguem perto dos 5 milhões de dispositivos.

Acompanhe a IDC no Twitter: http://twitter.com/idcbrasil

Tags, , ,