Tag PSafe

PSafe alerta: novo golpe do WhatsApp promete pacote de dados gratuito

A PSafe, empresa desenvolvedora do aplicativo DFNDR, identificou um novo golpe que está circulando pelo WhatsApp. Trata-se de um link que faz uma falsa promessa de pacote de dados móveis de diversas empresas de telefonia e foi acessado mais de 20 mil vezes até o momento.

Ao abrir o link recebido pelo app de mensagens, o usuário faz um breve cadastro com seu nome, número de celular e operadora e é induzido a compartilhar o falso benefício com 10 amigos. Ao realizar os compartilhamentos, o site malicioso faz dois direcionamentos: um sugere que o usuário inclua seu número de telefone novamente, só que desta vez o cadastro é para um serviço de SMS pago – que efetua cobranças indevidas; o outro direcionamento é para baixar um app falso, que pode infectar o smartphone e deixá-lo vulnerável a outros tipos de crime ou prejuízo financeiro.

Para que os usuários de Android não se tornem vítimas deste tipo de cibercriminosos, o gerente de Segurança da PSafe, Emilio Simoni, reforça a necessidade de ter um antivírus certificado com a função ‘antiphishing’ instalado no smartphone, que avisará o usuário se o link clicado é confiável ou não, permitindo, assim, uma navegação mais segura. Além disso, “é importante que o usuário tenha um comportamento preventivo na internet, desconfiando de links recebidos via redes sociais e chats, mesmo de conhecidos”, completa o especialista.

Confira algumas capturas de tela do golpe:

Tags, , ,

Varejo quadruplica investimento em mídia mobile no primeiro semestre de 2017

O comércio varejista parece ter encontrado na publicidade mobile nativa uma opção para potencializar vendas e aumentar suas perspectivas de crescimento. De acordo com a PSafe, o setor quadruplicou seu investimento em nesse tipo de anúncio nos últimos seis meses. A empresa de segurança digital é o terceiro maior inventário de mídia mobile Android do Brasil, segundo a comScore.

De olho no mercado mundial de apps, que movimenta mais de US$ 51 bilhões e deverá praticamente dobrar até 2020 – chegando a US$ 101 bilhões, segundo a consultoria eMarketer –, o setor tem direcionado seus esforços de publicidade para atingir os usuários de smartphones, dispositivo preferido de cerca de 70% dos brasileiros, segundo a Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro e o Instituto Ipsos.

“A publicidade nativa mobile já é uma realidade e tem se mostrado a forma mais efetiva de atingir o consumidor durante a sua jornada em dispositivos móveis. Nos EUA, ela já representa mais da metade dos investimentos gastos pelos anunciantes para atingir seus públicos estratégicos. No Brasil, as empresas também já estão percebendo a importância de atuar nessa plataforma para potencializar seus resultados” diz Fernanda Ribeiro, diretora comercial da PSafe.

Além do varejo, a PSafe identificou que outros importantes segmentos que movimentam a economia do país têm aumentando seus investimentos em publicidade nativa. De acordo com a companhia, os setores de telecomunicações, automobilismo e bancário duplicaram seus valores em anúncios em aplicativos, aproveitando o fato de 88% do tempo dedicado ao uso de smartphones ser voltado para interação com apps, segundo a consultoria eMarketer LATAM.

A diretora comercial da PSafe ressalta que, para se destacar da concorrência, a companhia tem se apropriado de alguns diferenciais para entregar valor real aos clientes: “entre os nossos diferenciais, estão o inventário próprio, coisa que a maioria dos nossos concorrentes não possui. Além disso, entregamos uma mídia contextualizada para cada usuário, pois somos mais que um sistema de segurança. Em momento algum, interrompemos a navegação do nosso usuário, já que as publicidades são apresentadas apenas após a realização de alguma ação específica. Isso faz com que consigamos nos destacar como um ativo premium no mercado de mídia mobile”, completa a executiva

Setor / Faturamento com anúncios Jan vs Jun 2017

Varejo + 342,1%

Telecomunicações + 134,2%

Automóveis + 131,6%

Instituições financeiras + 101,6%

Tags, , , , , ,

As startups que se destacam em meio à crise

Em meio a uma grave recessão econômica que, ao que tudo indica, deve permanecer em 2016, o Brasil parece hoje um país arisco à inovação, e a novos investimentos. Felizmente, no entanto, esta é uma realidade distante do mercado de tecnologia, no qual o contínuo crescimento da base de usuários de internet, do consumo online e do número de aportes financeiros vêm impulsionando cada vez mais o desempenho de startups promissoras.

Na visão de Anderson Thees, sócio do fundo brasileiro de capital de risco Redpoint eventures, este é um movimento que deve se manter. “O Brasil possui hoje somente metade de sua população conectada à Internet. Ao mesmo tempo em que essas pessoas vão consumir cada vez mais utilizando as ferramentas digitais, a outra metade dos brasileiros irá, gradualmente, acessar a rede nos próximos anos”, explica. Thees lembra que o e-commerce e os serviços via web vêm crescendo cerca de 20% ao ano e que o Brasil já é hoje o quinto maior mercado de internet móvel no mundo.

Desde 2010, a América Latina como um todo presenciou um aumento de 800% no montante de investimentos de venture capital (capital de risco) em startups, totalizando hoje cerca de US$ 650 milhões. Somente neste ano, no Brasil, os investimentos já superaram a marca de US$ 150 milhões, um número ainda mais expressivo se levada em consideração a grande valorização cambial em 2015.

Tamanho resultado vem impulsionando o crescimento das empresas em estágio inicial. Um bom exemplo é a Viajanet. A empresa focada na venda on-line de passagens aumentou seu faturamento em 40% em relação a 2014. Este aumento foi possível graças ao crescimento da procura por passagens internacionais, resultado de várias promoções das empresas aéreas.

“Mesmo com o aumento do dólar, o preço médio em reais ficou cerca de 30% mais barato em alguns trechos para os Estados Unidos, gerando demanda em plena crise. Chegamos a mais que dobrar nossa venda de passagens aéreas internacionais”, diz Alex Todres, um dos fundadores da Viajanet.

Situação parecida ocorre com a Minuto Seguros. A corretora especializada na venda de seguros pela internet vem aproveitando a grande procura de apólices para carros usados, que bate recordes mensais consecutivos. A empresa explora um mercado que ainda tem muito a oferecer. De acordo com o órgão regulador SUSEP e estatísticas da Fenabrave e Anfavea, no Brasil só 15 milhões de veículos, do total de 45 milhões, são segurados.

“Do lançamento do site, em dezembro de 2011, até hoje, a empresa vem dobrando de tamanho a cada ano. Esperamos chegar ao fim de 2016 com mais 100 pessoas na operação, além dos 300 que temos atualmente”, diz o CEO da empresa, Marcelo Blay. A meta para 2015 é ampliar o volume de vendas em 100%.

Mas, talvez, o caso mais emblemático da pujança deste mercado seja o da PSafe. De 2014 para 2015, a companhia praticamente dobrou o número de downloads de seu aplicativo PSafe Total Android, atingindo a marca de 52 milhões de apps baixados. Neste período, a empresa atingiu ainda o valor de mercado de R$ 1 bilhão, sendo a primeira empresa de mobile app da América Latina a bater tal cifra. Em breve, a expansão também será geográfica, com a abertura de um escritório no México.

“Para a PSafe, internet rápida e segura é um bem público, similar à água potável e à energia, e direito do cidadão. Por isso, estamos desenvolvendo um projeto que envolve a instalação de redes seguras e gratuitas de Wi-Fi em estabelecimentos e transportes habilitados, chamado SafeWifi. Atualmente, a iniciativa já está disponível em mais de 500 bares e restaurantes de São Paulo e em fase piloto em 250 táxis na capital paulista. A expectativa é ampliar o escopo do projeto para o Rio de Janeiro e para outras capitais brasileiras em 2016”, conta Marco DeMello, CEO da PSafe.

Tags, , , , , , ,

As tecnologias que podem substituir as senhas

view.aspx

 

 

 

 

 

 

 

Qual é a senha mais segura para acessar seus aparelhos e serviços na internet? A resposta é difícil de ser respondida. Atualmente, há o consenso de que as senhas com caracteres diferentes, e com letras maiúsculas e minúsculas são a melhor forma de manter a privacidade a salvo. Há, porém, novas formas de acesso surgindo: a biometria, o reconhecimento fácil e até dos olhos. Todas elas, porém, têm sua eficácia contestada.

A Microsoft, por exemplo, acredita que a biometria é o futuro. Com o uso de senhas cada vez mais discutido, a empresa está se mexendo para ir além no Windows 10. A sua principal aposta é se juntar à aliança FIDO (Fast Identity Online) e adicionar suporte para a tecnologia de biometria no seu novo sistema, com lançamento previsto ainda para 2015.

De acordo com a companhia, “fazer a transição de senhas para uma forma de identidade mais forte é um dos maiores desafios enfrentados na computação online, e acreditamos que a autenticação FIDO, que é objeto de muita discussão, seja o caminho para o sucesso”.
Com o Windows 10, os aparelhos da Microsoft e serviços parceiros de Saas (software as a service) suportados pela autenticação Azure Active Directory podem ser acessados por meio de uma solução de autenticação de dois fatores de nível corporativo. Isto é, sem uma senha.

A aliança FIDO lançou a versão 1.0 e final das especificações de seus dois padrões: o biométrico e outro relacionado à autenticação em dois fatores, em janeiro deste ano, com apoio do Google, do Paypal, da Samsung e de outros gigantes da tecnologia. A elaboração da versão 2.0, por sua vez, ainda está em fase inicial, mas a Microsoft já deu a entender que as formas como implementará biometria em seu sistema terão certa influência nos projetos.

Biometria sofre muitas críticas
As fabricantes de smartphones Apple, Samsung e HTC já lançaram produtos que reconhecem os donos pela ponta dos dedos. E, diante da grande frequência com que escândalos sobre invasões de contas e roubos de identidades se repetem, as empresas extrapolam e pesquisam características supostamente únicas do nosso corpo como “arma” para proteger conteúdos digitais.

Mas, apesar de muitos apostarem na eficácia da biometria, outros tantos são críticos ferrenhos do sistema. Segundo especialistas, a biometria esbarra num problema semelhante ao das tradicionais senhas, mas com um agravante. Ambos os sistemas guardam as informações dos usuários em servidores. Quando estes são invadidos ou comprometidos, você possui a opção de mudar sua senha e voltar a acessar o serviço. O que não é possível com a biometria, já que você não pode mudar suas impressões digitais.
Outro problema da biometria seria a invasão de privacidade. Por exemplo, ao deixar sua impressão digital num banco, numa loja ou qualquer outro estabelecimento, você também está deixando toda a sua história. E ainda pior: a impressão digital pode ser coletada para tentativas de invasões e fraudes nas suas contas.

Seja como for, a biometria, se vingar, vai precisar vencer a desconfiança de muita gente, e fornecer soluções para os problemas apresentados por especialistas.

Outras tendências de acessos, também contestadas
Em pré-venda nos EUA, a pulseira Nymi é capaz de transformar batimentos cardíacos em senhas. Ela promete tornar o processo de autenticação digital mais seguro e prático. Contudo, cardiologistas questionam sua eficácia.

Desenvolvido pela companhia Bionym e previsto para chegar ao mercado ainda este ano, por um preço inicial de US$ 79, o acessório mede o eletrocardiograma (ECG) do usuário e o utiliza como login automático em serviços e dispositivos, como e-mail e smartphone. Para isso, utiliza sinal Bluetooth, e, de acordo com o seu site oficial, é capaz de funcionar mesmo que o ritmo cardíaco do usuário esteja alterado por estresse ou medicação, já que analisa o formato da onda do ECG, e não o seu ritmo, apenas uma vez, quando a pulseira é colocada.
Médicos dizem, contudo, que o uso do eletrocardiograma como sistema de identificação é duvidoso, já que existem diferentes padrões. Assim, o ECG não funciona como uma impressão digital.

Reconhecimento facial poderia ser burlado com foto
O Google é uma das empresas que mais batalha para implementar a segurança biométrica em seu sistema operacional Android. A versão Ice Cream Sandwich (4.0) tinha a opção de desbloqueio do aparelho por reconhecimento facial, mas a técnica foi considerada falha, pois especialistas demonstraram que ela poderia ser burlada com o uso de uma fotografia em alta resolução do dono.

Para tentar resolver esse problema, a empresa inseriu na atualização seguinte, a Jelly Bean, a possibilidade de requisitar um piscar de olhos para o desbloqueio.

Reconhecimento de íris pode ser o caminho
Já a Intel apresentou um protótipo de smartphone com tecnologia de segurança inspirada em filmes: o reconhecimento de íris. O aparelho usa a câmera frontal para analisar traços únicos dos olhos. O sistema, apesar de ser apenas um conceito, está pronto para ser incorporado aos produtos no futuro.

Quem está mais perto de lançar um smartphone com reconhecimento de íris é a marca chinesa ViewSonic, que pode comercializar o primeiro aparelho do mundo com essa novidade tecnológica, ainda em 2015.

O scanner de íris, no canto superior do painel do ViewSonic V55, é protegido por um pequeno componente de deslizamento. Assim como as impressões digitais, após a íris ser mapeada no aparelho, a ação poderá ser bloqueada apenas pelo proprietário do dispositivo que passou pelo mapeamento. Com o scanner de íris, é possível permitir que o usuário bloqueie arquivos de vídeos, fotos e outros componentes.

Dessa forma, se o dispositivo foi entregue a alguém que não seja o proprietário do aparelho, esses arquivos são protegidos. Segundo a empresa, com a tecnologia é muito difícil (praticamente impossível) falsificar o padrão da íris de um olho, ao contrário das impressões digitais.

por Ana Clara Nogueira, da  PSafe Tecnologia

Tags, , , , , , ,

Os perigos por trás de sites de conversão de arquivos

Ferramentas online são uma ótima forma para converter arquivos em diversas extensões, sem necessariamente ter o software instalado no computador. Você já deve estar acostumado a usar sites para transformar arquivos PDF em JPEG ou docx em doc, mas saiba que alguns destes serviços podem esconder plug-ins que deixam a máquina mais lenta.

A praticidade destes sites é indiscutível, mas é preciso tomar alguns cuidados para a simplicidade não se tornar um tormento posteriormente. Um dos principais problemas apresentados é a instalação de adwares, programa que mostra publicidade indesejada em páginas da internet e até mesmo no próprio sistema operacional.

Outro problema bastante comum é que ao fazer a conversão de um arquivo online o usuário passa a receber spam via e-mail. Isso acontece porque algumas dessas ferramentas, para receber o arquivo convertido, exigem que seja informado um e-mail válido.

A maioria destes serviços é gratuita, mas alguns possuem uma versão paga que fornece mais recursos. Destes que tem um modelo pago, alguns ainda inserem uma marca d’água no meio do arquivo.

Ferramentas grátis para converter seus arquivos online de forma segura

PDF2JPG.net – uma dos sites mais simples para converter arquivos PDF em JPEG. Não precisa colocar e-mail, já que o site cria um link de download na própria página.

Zamzar – o mais completo deles. Suporta cerca de 1.200 tipos de arquivos diferentes e os converte em várias extensões. Precisa digitar e-mail para receber o link de download.

PDFtoWord – ferramenta simples, além de converter PDF para Word é possível converter PDF em Excel e PDF em PowerPoint. Precisa digitar o e-mail para receber o link de download, mas tem uma opção para não receber spam.

Cuidados

– Não instale nenhum arquivo .exe deste tipo de site ou enviados por e-mail;
– Baixe PSafe Total para bloquear qualquer tipo de adware ou vírus;

Dica de navegação

– Use o Psafe Internet para navegar sem anúncios invasivos, ele possui sistema adblock, que impede que propagandas possam ser usadas para distribuir alguma ameaça e blindam você contra boa parte dos perigos online.

Tags, , , ,

Como proteger o seu roteador de ataques

Quem possui roteador wireless pode ser alvo de hackers que invadem sistemas para roubar informações sigilosas de usuários. Casos assim são bastante comuns, mas só ocorrem se a rede for desprotegida. Cada vez mais provedores oferecem promoções que incluem roteadores Wi-Fi. Porém, em alguns casos, as redes sem fio estão expostas e podem ser acessadas por qualquer pessoa. Você pode dificultar a ação desses criminosos tomando algumas precauções.

Quando lidamos com roteadores, sabemos que cada um é de um jeito, porém todos seguem uma mesma linha de raciocínio. Primeiro, acesse a página de configuração de seu roteador. Cada aparelho tem um manual de instruções específico que indica como fazer esse caminho. Caso não o tenha em mãos, busque na internet o manual da marca e modelo do seu roteador.

Você deve abrir a opção relacionada a wireless (que também pode ser WLan e Wi-Fi) e trocar o nome de sua rede. Normalmente, o campo que contém esta informação é o SSID, que já vem preenchido com o nome da marca de seu aparelho.

Em seguida, é preciso ativar uma forma de criptografia dos dados. Ou seja, os dados que circulam em sua rede serão seguros, pois mesmo que sejam interceptados por dispositivos de terceiros eles não serão decifráveis. Os roteadores fornecem as formas de criptografia e as mais conhecidas são WEP, WPA e WPA2. Ative uma delas.

Outra atitude importante a se tomar é desativar a exibição do nome da rede. Se ele está escondido, é muito mais difícil que seja atacada. A única desvantagem desta abordagem é que, sempre que algum amigo quiser usar sua rede, ele deverá procurar pelo nome.
Também é fundamental revisar periodicamente se há atualizações disponíveis para o firmware do roteador, já que elas corrigem erros críticos de segurança. O processo de atualização não demora tanto tempo e pode evitar ataques a vulnerabilidades desconhecidas.
E, claro, use uma senha forte e que seja trocada regularmente. Evite usar senhas com datas e sequências de números, pois estas são mais fáceis de serem descobertas.

O que é DNS e os ricos de vírus
DNS significa Domain Name System, ou Sistema de Nomes de Domínios. É um computador com uma espécie de banco de dados que relaciona o endereço “nominal” de um site, como www.psafe.com, com o endereço real onde está a página na rede, para poder acessá-la. Esse “endereço real” é dado pelo número de IP (Internet Protocol).

Existem duas formas de acessar uma página na internet: pelo nome de domínio ou pelo endereço IP dos servidores nos quais ela está hospedada. Para que você não precise digitar a sequência de números no navegador sempre que quiser visitar um site, o DNS faz o trabalho pesado de traduzir as palavras que compõem a URL para o endereço IP do servidor.

Cada servidor possui um endereço IP único, logo, cada domínio leva a um IP específico. Por isso, não é possível ter dois sites diferentes com URLs iguais. Do contrário, diversos endereços diferentes poderiam encaminhar você para o mesmo site.

Para se conectar à internet, existem dois protocolos padrões: o IPV4 e o IPV6. O segundo, mais atualizado, está presente na maioria das máquinas desde o Windows XP. O objetivo é gradativamente substituir a versão anterior, IPV4, que suporta “somente” quatro bilhões de IPs no mundo todo, número que a cada dia diminui com o crescimento da web.

Uma ameaça brasileira
Foi descoberto recentemente um ataque criado por criminosos brasileiros, que tem como objetivo mudar as configurações DNS de roteadores domésticos, usando ameaças com base na web. Nestes ataques, os servidores DNS alterados e configurados no dispositivo de rede direcionam os usuários a páginas de phishing de bancos brasileiros, com objetivo de roubar credenciais financeiras de contas e senhas.

Os ataques voltados a roteadores, porém, estão longe de ser uma novidade. Somente entre os anos de 2011 e 2012, no Brasil, uma série de ataques remotos afetou mais de quatro milhões de modens DSL. O ataque explorava uma vulnerabilidade remota e mudava as configurações DNS.

Proteção é a melhor garantia
Como os hackers estão sempre reinventando os malwares, a única solução para se manter seguro com a sua rede é ter um antivírus eficiente e sempre atualizado no seu dispositivo.

O PSafe Total cuida da segurança de sua rede Wi-Fi, conferindo o nível de proteção da senha do roteador e possíveis falhas de segurança DNS. Assim, rapidamente, você determina a saúde do seu computador ou equipamento portátil.

Tags,

Saiba como escapar do phishing

O golpe do phishing é um dos mais comuns na internet há alguns anos. Essa fraude tem o objetivo de “pescar” informações e dados pessoais importantes, através de mensagens falsas. Com isso, os criminosos podem conseguir nomes de usuários e senhas de um site qualquer, e obter dados de contas bancárias e cartões de crédito.

A ilegalidade acontece de forma bastante simples. Os criminosos virtuais se aproveitam de conversas falsas em sites, programas e aplicativos de mensagens instantâneas e e-mails, fazendo os usuários clicarem em links maliciosos. Também existem páginas inteiras construídas para imitar sites de bancos e outras instituições. A ideia é sempre a mesma, independentemente da técnica usada: roubar informações confidenciais de pessoas ou empresas.

Para não cair em armadilhas como essa, o internauta precisa estar muito atento e prevenido. Para isso, a PSafe além de oferecer produtos capazes de impedir o problema, como o PSafe Total (Windows e Android) e o navegador seguro PSafe Internet, preparou algumas dicas para você evitar o phishing. Boa leitura e atenção!

Uma maneira comum de “pescar” vítimas é a criação de URLs extensas que dificultam a identificação por parte do usuário.
Um exemplo simples pode ser: secure.nomedoseubanco.com.br/internetbanking/eud=651656JFYDHJJUHGRedirectto:maisalgumacoisa.dominiofalso.com
Nele, o usuário pode dar atenção apenas ao início da URL e acreditar que está na região segura do site do seu banco, quando, na verdade, está em um subdomínio do website “dominiofalso.com”.

Use o truque da ‘senha errada’
Se você tiver a menor dúvida quanto ao site que está acessando, e achar que, por alguma razão, poderia não ser o do seu banco, use o truque do “falso positivo”. No momento em que o site lhe pedir a senha pela primeira vez, coloque uma senha propositalmente errada. Se o sistema aceitar o que você digitou, sem parar a navegação e dizer que a senha está errada, significa que você pode estar nesse falso domínio e sendo vítima de uma tentativa de golpe.
Isso porque o verdadeiro site do banco teria verificado a senha e informado que está errada, pedindo para digitar a senha novamente. O site falso não faz o mesmo, pois o objetivo dele é justamente lhe roubar a senha.

Golpistas usam proxy
Todo cuidado é pouco, já que um código malicioso simples basta para ser executado no computador da vítima. Esse código irá alterar as configurações do navegador de internet para usar o proxy definido pelo golpista. O proxy é configurado para entrar em ação somente nos sites dos bancos – sites comuns não passam pelo intermediário, garantindo o acesso normal à web.

Quando um site bancário é acessado, porém, o proxy toma conta. Em vez de direcionar o usuário ao site verdadeiro, ele envia uma página falsa ao navegador. Qualquer informação enviada ao site malicioso é repassada aos criminosos, que poderão realizar a fraude com os dados da vítima.

Como não existe a necessidade de um código malicioso permanecer em execução no computador o tempo todo, não existe queda de desempenho perceptível. Em muitos casos, o código é executado a partir de applets Java colocados em sites legítimos. O usuário, que não desconfia do problema, aceita e a configuração é trocada com um único clique.

Protocolo SSL auxilia contra ataques
Os servidores e os navegadores da internet contam com o protocolo SSL (Secure Sockets Layer) para ajudar os usuários a protegerem seus dados durante a transferência, por meio de um canal criptografado, de modo exclusivo para as comunicações privadas pela internet pública. Cada certificado SSL consiste em um par de chaves, além de informações de identificação verificadas.

Quando um navegador (ou cliente) da web aponta para um site protegido, o servidor compartilha a chave pública com o cliente para estabelecer um método de criptografia e uma chave de sessão única. O cliente confirma que reconhece o emissor do certificado SSL e que confia nele. Esse processo é chamado de “handshake de SSL” e inicia uma sessão segura que protege a privacidade e a integridade das mensagens.

Cuidado com o golpe no aplicativo do Facebook
Outro método que não é muito novo é constantemente usado no Facebook. O criminoso cria um subdomínio no próprio aplicativo. Projetado semelhantemente ao Facebook (Facebook Page Verification) e usando a logo de segurança da rede social.

A página de phishing pede aos usuários para entrar na URL do site e que a vítima digite seu login e senha do Facebook. Uma vez digitados, o hacker registra as informações.

Outros cuidados básicos devem ser tomados. Assim, você diminui o risco de ter seus dados expostos. Troque regularmente suas senhas. Para cada conta de e-mail, rede social ou qualquer tipo de login, use senhas distintas. Nunca as repita.

Lembre-se também de manter um antivírus eficiente e sempre atualizado, tanto no seu PC quanto em dispositivos móveis. O antivírus da PSafe, por exemplo, protege todos os seus aparelhos e ainda reconhece endereços falsos criados para ataques de phishing. Assim, fica mais fácil se proteger.

Quem usa PCs por um longo período acaba acumulando ferramentas e programas que vão deixando a máquina cada vez mais lenta. Mas, nem todos são do seu interesse e alguns nem chegam a ser utilizados, e ocupam espaço e prejudicam o desempenho de suas atividades.

Tags, ,