Tag profissionais de TI

Perfil do profissional brasileiro de TI é tema de estudo do Observatório Softex

A escolaridade no setor de TI vem evoluindo e hoje 73% dos profissionais que atuam em setores econômicos tipicamente de TI (Core TI)* possuem curso superior completo. Se considerados profissionais com mestrado e doutorado, são 74%. Essa é uma das conclusões do estudo “Persona TI – Caracterização do Profissional de TI no Brasil”, elaborado pelo Observatório Softex.

O levantamento aponta que também é alta a escolaridade dos profissionais de TI in House**, com 65% deles possuindo curso superior completo (67% somando mestrado e doutorado), e destaca o crescimento das vagas de TI na região Sul, que passa a responder por 15% de participação no mercado total. São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais concentram 62%, cabendo a São Paulo a maior participação: 42%.

No universo Core TI, as principais ocupações dos profissionais são analistas de sistemas, técnicos em programação e técnicos em operação e monitoração de computadores, atuando nas áreas de desenvolvimento de programas, consultoria em TI e suporte. A jornada de trabalho desses profissionais varia entre 31 e 40 horas semanais e 65% estão na faixa etária entre 25 e 39 anos (40% estão entre 30 e 39 anos). As micro e pequenas empresas empregam 42% desses profissionais e as grandes 41%. A remuneração média é de R% 5.955,79 (valor de 2017 atualizado em 1º de janeiro de 2019) e 60% têm menos de três anos na organização em que trabalham.

O profissional de TI in House está presente principalmente nas áreas de comércio, nas indústrias de transformação e em atividades administrativas. As empresas de grande porte absorvem 50% desses profissionais e a remuneração média é de R$ 6.726,78, podendo chegar a mais do dobro em setores-chaves da economia, como o de mineração no qual a média se aproxima dos R$ 14.326,25 (valor de 2017 atualizado em 1º de janeiro de 2019). Em relação à faixa etária, 61% têm entre 25 e 39 anos (41% entre 30 e 39 anos). A jornada de trabalho de 63% desses profissionais situa-se entre 41 e 44 horas semanais e o tempo no emprego de 49% deles é de menos de três anos na organização.

“O estudo apresenta diversos outros dados, detectando, por exemplo, uma tendência de crescimento de programas customizados ou sob encomenda e apontando que as empresas estão cada vez mais trazendo a tecnologia para dentro delas”, comenta Diônes Lima, vice-presidente executivo da Softex.

Ele destaca ainda o aumento do número de cargos diretivos, como os de gerência, apontando para uma leitura da TI mais orgânica e estruturada. “Não só é possível registrar esse fortalecimento da TI brasileira ao longo dos anos, mas também detectar a crescente importância da inovação para esse segmento”, conclui Diônes Lima.
A versão completa do estudo Persona TI está disponível para consulta gratuita no endereço www.softex.br/inteligencia/

* Core TI – Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda; desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis e não-customizáveis; consultoria em TI; suporte técnico, manutenção e outros serviços em TI; tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços e hospedagem; portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet.

** TI In-House – Outros setores que não aqueles considerados tipicamente de TI

Tags, , , , ,

Dicas essenciais para carreira promissora na área de TI

Quando o assunto é carreira em TI, a CINQ Technologies acredita ser importante aliar desenvolvimento de carreira por meio de aquisição de conhecimento, bem como soft skills; que é possível empreender dentro das organizações (intraempreendedorismo), bem como criando o seu próprio negócio; e que a área de Tecnologia perpassa o presente e futuro das empresas, sendo que a transformação digital e adoção de tecnologias disruptivas como IoT (Internet of Things), Big Data, Inteligência Artificial etc. tornam-se cada vez mais importantes para aumento da performance das empresas.

Com base nos três temas (carreira, empreendedorismo e tecnologia), verificamos os tópicos que mais foram enfatizados em cada uma das trilhas e, assim, chegamos a 3 dicas essenciais para carreira promissora na área de TI:

1. No âmbito de carreira, a dica é ter um propósito que te faça acordar cedo todos os dias com energia para fazer acontecer e, tendo isso claro (qual é sua missão de vida e como isso está linkado com sua trajetória na área de TI), será mais fácil buscar evolução de conhecimentos técnicos e ter inteligência emocional para saber lidar com os desafios cotidianos;

2. Na área de empreendedorismo, a chave é desafiar-se e esses desafios podem acontecer por meio do aprendizado de novas tecnologias e linguagens de programação; tirando certificações de TI; buscando novos aprendizados comportamentais como comunicação efetiva (cursos de oratória com o intuito de falar melhor em público e fazer-se entender); liderança (cursos de Scrum Master, de coaching), dentre outros;

3. No campo da tecnologia, a sugestão é utilizar métodos ágeis de desenvolvimento, pois os mesmos garantem entregas contínuas ao cliente, além de trazer engajamento de time.

De acordo com Nôga Simões, Coordenadora de Marketing e Inovação da CINQ, “os profissionais de TI precisam cada vez mais aliar competências técnicas a comportamentais, afinal, segundo Daniel Goleman – para o bem ou para o mal, quando são as emoções que dominam, o intelecto não pode nos conduzir a lugar nenhum”.

Neste sentido, demanda-se cada vez mais profissionais que sejam bons aprendizes; captem conceitos rapidamente; se ajustem aos diferentes contextos e situações; pensadores independentes; capazes de tomar decisões; apaixonados por tecnologia e que sejam bastantes comprometidos com resultados. Se você se encaixa nesse perfil, a CINQ possui mais de 40 oportunidades para atuação na área de TI: https://www.cinq.com.br/vagas/

A CINQ Technologies é uma empresa global de Tecnologia da Informação presente em Curitiba, Ponta Grossa, São Paulo e Miami, com atuação em projetos inovadores e de missão crítica no Brasil, na América do Norte e na Europa. A CINQ também possui 10 anos de cultura ágil, é eleita há 7 anos consecutivos como uma das melhores empresas para trabalhar pelo GPTW e está entre as TOP 200 PME’s que mais crescem no Brasil (Pesquisa Deloitte e Revista Exame – 2008, 2009, 2010, 2014, 2018).

Tags, , , , , , , ,

Profissionais de TI são os freelancers mais procurados pelas empresas

Um estudo realizado pela Workana, plataforma de trabalho freelance com atuação em toda a América Latina, revela que as categorias mais contratadas para trabalhos freelancers estão relacionadas com o mercado digital, como é o caso de TI e Programação (30%) e Design e Multimídia (28%). De acordo com a consultoria americana IDC, existem cerca de 250 mil postos de trabalho para profissionais de tecnologia no Brasil, um setor que movimentou US$ 38 bilhões só em 2017.

Segundo Guillermo Bracciaforte, cofundador da Workana, os profissionais freelancers são uma alternativa para cobrir essa demanda, já que podem prestar seus serviços para empresas de todo o mundo. “Como não há a preocupação de ser alocado, o mesmo profissional pode trabalhar para mais de uma organização e não necessariamente estar próximo à ela”.

A lista continua com Marketing e Vendas 33%, Tradução e Conteúdos 10%, Finanças e Administração 5%, Suporte Administrativo 3%, Jurídico 2% e Engenharia e Manufatura 2%. A pesquisa ainda mostra o ticket médio de cada categoria, o que representa em sua maioria projetos de curto prazo (68% do total de projetos publicados na Workana). Veja a lista abaixo:

  1. Tradução e conteúdos – R$ 175

  2. Design & Multimídia – R$ 390

  3. TI e Programação – R$ 950

  4. Marketing e Vendas – R$ 460

  5. Suporte Administrativo – R$ 370

  6. Finanças e Administração – R$ 660

  7. Engenharia e manufatura – R$ 980

  8. Jurídico – R$ 720

De acordo com o cofundador da plataforma, a tendência é que a modalidade siga crescendo, já que em 2017 a atividade apresentou um aumento de 80% em comparação com o ano anterior e 2018 deve manter a mesma porcentagem. “Os profissionais vêm encontrando no trabalho freelance uma oportunidade de ampliar sua atuação profissional, além de obter uma renda extra”, explica.

Já para as empresas, Bracciaforte destaca a vantagem de ter à disposição profissionais qualificados e experientes, que podem desempenhar um papel importante para as empresas em necessidades pontuais. “A contratação freelance atua como mais uma ferramenta para os micro e pequenos empreendedores que buscam crescer e se tornar mais competitivos, pois alia excelentes profissionais de diversas áreas ao mesmo tempo que otimiza os custos”, finaliza.

Tags, , , ,

Profissionais de TI: como ter sucesso na recolocação profissional

Não é novidade que os processos seletivos vêm se tornando mais extensos, com uma análise mais cuidadosa de perfis e cada vez mais etapas a serem cumpridas para se chegar ao candidato “perfeito” para determinada vaga. Considerando este cenário de maior dificuldade na conquista de um cargo, a Contratado, plataforma de marketplace de talentos, preparou algumas dicas para que os profissionais da área da tecnologia tenham êxito durante um processo de recolocação profissional.

Prepare seu currículo com cuidado

O ideal é que o currículo seja organizado em uma página. Currículos de duas páginas estão cada vez mais raros no mercado, e os empregadores consideram a capacidade de síntese e priorização do candidato como parte da avaliação. É importante atentar à objetividade e boa escrita.

As habilidades a serem destacadas em cada descrição das experiências são de suma importância. E deve-se notar: essas habilidades devem estar relacionadas com a vaga de interesse. É como se o candidato devesse pensar sempre no que cada atividade, de cada uma das experiências anteriores, tem de atrativo para essa nova oportunidade.

O campo de experiência profissional deve ser dividido por empresa, e não por cargo. Por exemplo: se o candidato mudou de cargo na mesma empresa, isso não precisa ser colocado como outra experiência. Outro ponto importante é ser bem descritivo ao relatar as experiências profissionais, pois, em diferentes empresas, o mesmo cargo pode prever responsabilidades e rotinas diferentes.

Saiba como é o processo de seleção típico de desenvolvedor/programador

Após a seleção de currículos, a fase inicial parte de uma primeira conversa o entrevistador, que fala sobre a empresa e sobre a vaga, abordando a experiência do profissional – há casos em que esta primeira conversa não é presencial, mas por telefone ou videoconferência.

Caso o candidato siga para a próxima fase, os recrutadores aplicam uma prova técnica para testar suas habilidades. Por fim, superadas as fases anteriores, o concorrente à posição faz uma entrevista pessoalmente com o líder da equipe, que deve bater o martelo da decisão.

Esse processo pode ser bastante variável, dependendo do porte da empresa e da urgência da vaga.

Lembre-se de que cada empresa tem uma forma de selecionar seus candidatos

Empresas maiores tendem a ter processos mais longos e burocráticos, com maior número de etapas e entrevistas presenciais obrigatórias, o que aumenta sensivelmente o tempo de duração dos processos seletivos. Já empresas menores e start-ups geralmente têm processos mais rápidos e dinâmicos, quase sempre administrados pela pessoa responsável pela vaga. Neste caso, utiliza-se bastante aplicativos de videoconferência e telefone em virtude da maior agilidade na hora de realizar uma entrevista.

Prepare-se para cada uma das etapas

Estudar sobre a empresa é essencial para se preparar para uma entrevista. Pesquise quais são seus valores, seu posicionamento de mercado, busque saber sobre a impressão de seus funcionários acessando o site e o Linkedin da companhia, que são fonte de informações bem ricas.

Exercite oralmente seu discurso para se expressar de forma clara e objetiva diante do entrevistador, além de treinar suas habilidades técnicas em sites e programas específicos. Tenha em mente que um projeto/trabalho anterior que você tenha realizado pode ser mais relevante para conquistar a vaga, então identifique alguns pontos importantes do projeto para salientar durante a entrevista.

Esteja pronto para as perguntas mais frequentes de uma entrevista técnica

Lembre-se que elas variam conforme o foco e habilidades do candidato e também de acordo com o projeto que tem a vaga em aberto. É comum perguntarem de projetos anteriores, dos quais o candidato tenha participado ou que ele tenha liderado, que queiram saber com quais linguagens e frameworks ele possui mais experiência e facilidade de uso.

Também é comum questionarem como o candidato se sente em relação a ter que aprender uma nova linguagem ou tecnologia.

Vista-se e porte-se adequadamente

A vestimenta varia de acordo com os valores e cultura de cada empresa e área. Grandes empresas geralmente pedem uma vestimenta formal, enquanto start-ups, por exemplo, prezam pela informalidade e não se importam se o candidato vai à entrevista de tênis. De qualquer forma, o candidato deve se atentar à regras comuns de etiqueta, ser objetivo e transparente com a empresa, de forma que ambas as partes possam mostrar os seus perfis da melhor maneira. Caso não tenha certeza qual é o perfil da empresa, opte pelo tradicional: vá de roupa social.

Tags, , ,

Por que é tão difícil encontrar alguns profissionais de TI?

O mercado de TI está bastante aquecido e as contratações não param de acontecer. Essa afirmação é, ao mesmo tempo, verdadeira e falsa, pois reflete a demanda por profissionais de áreas relacionadas à tecnologia, mas esbarra na dificuldade de encontrar profissionais qualificados e que atendam às necessidades das empresas.

De acordo com a Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), em 2016 havia 50 mil postos de trabalhos aguardando profissionais qualificados para suprir essas vagas, que vão desde estagiário a consultores e programadores.

Grande parte das companhias que precisam de profissionais de TI relata que há vagas que simplesmente não são preenchidas, seja por falta de capacitação dos candidatos, por inflexibilidade, ausência de domínio do inglês, entre outros fatores. Uma pesquisa da consultoria de TI One Choice Consulting identificou as vagas de TI que têm mais carência de bons profissionais.

“Temos diversas vagas para Desenvolvedores FrontEnd, Programador JAVA, Desenvolvedor Clipper, Desenvolvedor Ruby on Rails, Programador Dot Net, Consultor Segurança da Informação e Arquiteto Java”, conta Gabriel Silva, CEO da One Choice Consulting, que valida tecnicamente os profissionais por meio de ferramentas antiplágio e permite que o cliente encontre-o e feche a contratação em até um dia, se ambas as partes estiverem de acordo.

“O que percebemos no mercado é que, embora haja muitas vagas, poucas pessoas têm a capacidade de preencher todos os requisitos e encontram problemas na parte técnica”, complementa Gabriel, citando que, a cada dez profissionais avaliados na plataforma da One Choice Consulting, apenas dois são aprovados. “O nível de exigência dessas vagas costuma ser alto e, por isso mesmo, os salários em geral são bem satisfatórios”, diz.

Além das vagas, em si, serem difíceis de preencher, há também a questão de localização. Segundo a One Choice Consulting, as regiões mais críticas são Recife, Porto Alegre e São Paulo. “Além de não encontrarmos candidatos com capacitação técnica qualificada para as vagas, temos o problema de déficit em algumas áreas de conhecimento e falta de domínio do inglês, que é fundamental na área de TI”, adiciona Gabriel.

Atualmente, as áreas que mais demandam profissionais nas empresas de TI são as de engenheiro de software, tecnologia de desenvolvimento de sistemas, games, computação gráfica 3D, tecnologia na construção de softwares, gerenciamento de engenharia web, redes e sistemas para a internet.

Tags, , , , , , , , ,

Em quem os profissionais de TI podem confiar?

Por Patrick Hubbard

Confiança não se ganha, se conquista.

Tenho pensado muito nisso desde que o Relatório de tendências de TI da SolarWinds para 2017: Retrato de uma organização de TI híbrida revelou falta de confiança na era da TI híbrida entre os profissionais de TI e seus provedores de serviço de nuvem (CSP). Na verdade, a pesquisa descobriu que a maioria dos profissionais de TI brasileiros (74%) não confia muito em seus CSPs.

Essa falta de confiança é proveniente em grande parte do fato de que os profissionais de TI têm menos controle e, sem as ferramentas adequadas, menos visibilidade da infraestrutura de nuvem, mas mesmo assim aceitam os tíquetes da central de ajuda quando algo dá errado (acrescente a esse problema de controle um histórico raro mas memorável de grandes interrupções na nuvem pública).

Embora essa falta de controle tenha um papel importante no grau de confiança do relacionamento entre a TI e o CSP, há outro motivo para o problema: os profissionais de TI não confiam nos CSPs simplesmente porque não dominam totalmente a evolução da tecnologia. O gerenciamento de TI por contrato de nível de serviço já é extenuante o suficiente e ainda mais difícil de enfrentar quando não há nenhum diagrama na (maior parte da) caixa preta da nuvem.

No entanto, o relacionamento de um profissional de TI com seu CSP não é apenas um relacionamento mutuamente benéfico, é um relacionamento necessário no mundo da TI híbrida em que vivemos atualmente. Para tirar o máximo proveito desse relacionamento e promover a confiança, recomendamos as seguintes práticas:

Educação contínua: Para muitos profissionais de TI habituados a monitorar e gerenciar a infraestrutura no local, a nuvem é um território desconhecido. Dessa forma, é crucial que os profissionais de TI obtenham conhecimento suficiente para verificar a tecnologia e ganhar confiança.

Visibilidade em ambientes locais e de nuvem: A capacidade de consolidar e correlacionar dados para oferecer visibilidade e insights sobre dados no datacenter e na nuvem permite que os profissionais de TI trabalhem com os CSPs de forma mais proativa para identificar e corrigir as áreas com problemas e reduzir o tempo médio até a resolução.

Controle sobre o processo de tomada de decisão: Considerando a mudança no modo como a tecnologia de nuvem é vendida para as empresas, os profissionais de TI devem obter mais conhecimento para ganhar confiança e demonstrar entusiasmo com o gerenciamento. Ao obter conhecimento sobre tecnologia de nuvem, eles retomam a função de consultores confiáveis e, como resultado, a empresa os inclui em decisões de compra importantes.

Recentemente, como uma maneira divertida de comparar a confiança que os profissionais de TI têm em seus CSPs e a confiança que têm em indivíduos ou grupos com os quais se relacionam, entrevistamos a comunidade de profissionais de TI da SolarWinds, a THWACK®, para saber em quem eles mais confiam. Não foi surpresa nenhuma descobrir que eles também não confiam em meteorologistas, prestadores de serviços de saúde, vendedores de carros e taxistas, e que as pessoas em que eles mais confiam são eles mesmos, suas equipes e seus familiares.

Veja a seguir alguns comentários dos entrevistados:

“Confio totalmente na equipe de bombeiros voluntários porque ninguém mais é louco o bastante para entrar em um prédio em chamas comigo.”

“Confio totalmente na minha equipe de operações de rede porque eles nunca me deixam na mão e sempre fazem um bom trabalho!”

“Confio totalmente na minha família. Ajudamos uns aos outros custe o que custar. Família é para isso.”

“Confio totalmente na minha equipe de DevOps para melhorar o departamento de TI, ser mais eficiente e ajudar literalmente qualquer pessoa que tenha um problema, dia e noite.”

Patrick Hubbard, Head Geek™ da SolarWinds

Tags, , ,

As qualidades essenciais de um profissional de TI moderno – Por Leon Adato

Apesar de ainda ser reconhecido por profissionais atuantes na área há dez anos, o papel do profissional de TI mudou. À medida que as funções de TI tradicionais e baseadas em silos (como administradores de rede, armazenamento, sistemas, bancos de dados e outros) assumem novas responsabilidades, os profissionais de TI não podem mais ser meros especialistas. A capacidade de aprender rapidamente novos conceitos e habilidades de TI continua sendo mais importante do que ser especialista em qualquer tecnologia específica. Agora, espera-se que os profissionais de TI implementem novas tecnologias e tendências (como contêineres, arquiteturas sem servidor e IoT), enquanto trabalham com provedores de serviço da nuvem e atuam como contatos para líderes empresariais. Além de tudo isso, os profissionais de TI ainda gerenciam tecnologias e infraestruturas tradicionais, como servidores locais, redes, bancos de dados e virtualização que, mesmo com todas essas mudanças, ainda têm o seu lugar.

Isso sem falar das evoluções contínuas em segurança, com a constante ameaça de ataques e violações de dados. Atualmente, os profissionais de TI devem redobrar a atenção, já que tudo (desde redes locais a provedores de nuvem) pode ser explorado quando os protocolos de segurança não estão funcionando corretamente.

Por causa disso, os profissionais de TI modernos devem ter uma noção de todas as suas redes e sistemas, seja no local ou na nuvem, além de compreensão integral da pilha de aplicativos, a fim de tomar decisões rápidas e bem-informadas para garantir o desempenho ideal.

Veja a seguir os principais fatores para se tornar um profissional de TI bem-sucedido:

Evolução constante

À medida que o DevOps se integra à empresa, trazendo com ele mudanças de cultura, habilidades e fluxo de trabalho, cabe aos profissionais de TI acompanhar essa tendência. A colaboração é o elemento central de uma cultura e mentalidade de DevOps bem-sucedida, e como o objetivo final é fornecer ao usuário final o melhor desempenho em aplicativos, a abordagem de silos não funciona. Em outras palavras, não há mais uma equipe de banco de dados. Não há mais uma equipe de rede. Não há mais uma equipe de armazenamento. Temos somente a equipe de TI que, no fim das contas, é a responsável pelo desempenho dos aplicativos – essa é a parte complicada para qualquer empresa moderna. Isso exige transparência, visibilidade, um conjunto consistente de ferramentas de monitoramento e trabalho em equipe. Dividir silos entre equipes tradicionais de data center e alinhá-los a metas de desempenho de usuários finais ajudará as organizações a se prepararem para integrar e gerenciar equipes de desenvolvimento e operações durante o processo.

Apesar de o DevOps não ser mais algo tão recente, sua adoção ainda não é certa para a maioria. Além da adoção continuada de uma cultura de DevOps, a introdução de novas tecnologias baseadas em máquinas exigirá que os profissionais de TI continuem se concentrando em desenvolver novos conjuntos de habilidades e certificações para operar e gerenciar data centers de última geração. Os profissionais de TI modernos devem determinar não só qual equipe ou administrador precisará ser responsável pela implantação e manutenção dessa tecnologia, mas também que padrões de monitoramento devem ser aplicados, quais protocolos de segurança devem ser seguidos e assim por diante.

Para a empresa, o mais importante é que os aplicativos funcionem bem o tempo todo, pois cada uma delas, bem como seus componentes, depende dos aplicativos. Quando há uma queda no desempenho do aplicativo ou uma interrupção, a empresa se atrasa ou para de operar totalmente. O profissional de TI moderno deve ser capaz de escolher tecnologias que realmente melhorem os negócios e adotá-las completamente com as habilidades adequadas quando atingirem o nível adequado de maturidade.

Segurança nunca é demais

As ameaças de segurança cibernética e seus resultados mais comuns, as violações de dados, devem ser sempre uma prioridade para o profissional de TI. A cada ano que passa, a ameaça de violações corporativas só faz aumentar, e essas grandes perdas de dados das empresas acabam virando notícia. Pode parecer um conselho batido, mas é essencial tomar todas as precauções e medidas de segurança disponíveis. Além do mais, os dados das organizações nunca foram tão valiosos quanto agora.

Como resultado, muitos especialistas em segurança preveem aumentos exponenciais no volume, na gravidade e na visibilidade das violações de dados, particularmente para grandes corporações, a partir de 2017. A menos que algo mude.

Parte dessa transformação exige que a segurança seja realmente responsabilidade de todos. Isso não quer dizer que a empresa não deve contratar especialistas em segurança, mas que cada profissional de TI deve se responsabilizar por garantir a segurança dos dados e da infraestrutura da organização e tornar isso uma prioridade.

Aceitar a TI híbrida como a nova realidade

A TI híbrida— a manutenção de alguns aplicativos e infraestruturas no local ao aproveitar serviços baseados em nuvem para outros —está em constante evolução. Para a maioria das empresas, ela já uma realidade que não pode mais ser evitada, como há alguns anos. Na verdade, de acordo com o Relatório de tendências em TI da SolarWinds para 2016, 98% dos profissionais de TI brasileiros disseram que adotar tecnologias de nuvem é importante para o sucesso de suas organizações, mas 64% afirmaram que é improvável que toda a infraestrutura das organizações seja migrada para a nuvem.

Os profissionais de TI devem aceitar e se preparar para o sucesso nesta nova realidade. Isso começa ao estabelecer o foco no usuário final e na orientação para serviços. O objetivo principal da TI moderna é oferecer uma qualidade de serviço superior aos usuários finais, a fim de garantir a produtividade dos negócios. Com esse propósito, a minimização dos atritos entre silos departamentais acelera atualizações, mudanças e implantações, bem como o tempo de resolução de problemas, o que proporciona uma experiência melhor ao usuário final.

Em seguida, se faz necessário otimizar a visibilidade e ter uma fonte única da verdade em todo o ambiente de TI, incluindo tanto elementos locais quanto os da nuvem. A normalização de métricas, alertas e outros dados coletados de aplicativos e de cargas de trabalho, independentemente do local, permitirá uma abordagem mais eficaz para a correção, solução de problemas e otimização.

Em terceiro lugar, aplicar o monitoramento como disciplina. No mundo da TI híbrida, repleto de novas complexidades, o monitoramento não pode mais ser algo secundário. Ao estabelecer o monitoramento como uma função de TI essencial (ou, em outras palavras, o monitoramento como uma disciplina), as organizações podem se beneficiar de uma estratégia de TI preventiva, ao mesmo tempo em que aperfeiçoam o desempenho, os custos e a segurança da infraestrutura.

Por fim, enfatizar o desenvolvimento ou o aprimoramento de competências e conhecimentos técnicos fundamentais. Para serem bem-sucedidos no mundo da TI híbrida, os profissionais de TI da atualidade precisam ir além dos papéis tradicionais e se tornar especialistas em múltiplas áreas, transitando por diversos domínios. As mais importantes competências e conhecimentos que os profissionais de TI precisam desenvolver ou aprimorar para serem bem-sucedidos no gerenciamento de ambientes de TI híbrida incluem: arquiteturas orientadas a serviços, automação, gerenciamento de fornecedores, migração de aplicativos, arquiteturas distribuídas, ferramentas e métricas de gerenciamento e monitoramento de TI híbrida e API.

Conclusão

Os profissionais de TI nunca foram tão importantes para o sucesso comercial como agora. Mas, para que possam realmente aderir a essa nova função, eles devem entender tudo o que pode contribuir para o sucesso hoje e no futuro: ser capazes de evoluir (conforme demonstrado pelo movimento de DevOps), aceitar a segurança como elemento fundamental do trabalho (independente das responsabilidades que eles possuem no momento) e adquirir as habilidades e conhecimentos necessários para gerenciar a nova realidade de infraestrutura: a TI hibrida.

Leon Adato, gerente técnico da SolarWinds

Tags, , , ,

56% dos profissionais de TI no Brasil pretendem buscar um novo emprego este ano, aponta pesquisa

O segmento da Tecnologia da Informação parece ter sido pouco afetado pela crise econômica. Bem requisitados, os profissionais de TI pretendem se movimentar no mercado de trabalho neste ano. É o que aponta o barômetro de TI elaborado pela Page Personnel, uma das maiores empresas globais de recrutamento especializado de profissionais de suporte à gestão, parte do PageGroup.

De acordo com os dados do levantamento, 56% dos consultados avaliam buscar uma nova oportunidade de trabalho nos próximos 12 meses. Os principais motivos para essa mudança são a falta de possibilidade de crescimento na empresa, o salário abaixo do mercado e as companhias com gestão conservadora. A pesquisa mostra que oito em cada dez profissionais consultados estão empregados atualmente.

Para Ricardo Haag, diretor da Page Personnel, o segmento está na contramão do mercado e os profissionais estão bem valorizados. ”A eficiência, inovação e avanço tecnológico que a área pode agregar para todo tipo de negócio tornam os executivos de T.I cobiçados. Em uma eventual movimentação, esse cenário puxa a remuneração deles para cima”. A pesquisa consultou 1100 executivos de cargos de suporte à gestão no primeiro trimestre deste ano.

Benefícios e flexibilidade de horário são os aspectos que mais atraem no setor

A remuneração não é o principal motivador para o profissional de TI aceitar uma proposta de trabalho. Os aspectos mais atrativos, ao analisar uma mudança de emprego, são o pacote de benefícios, o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional e a flexibilidade e horário. Outros pontos que também atraem são plano de carreira estruturado e a oportunidade de atuar fora do país.

“A maioria dos profissionais que compõem o mercado da tecnologia da informação é da geração Y, logo, já era esperado uma mudança nas prioridades e aspirações de carreira de público. Nascidos na era digital, eles buscam feedbacks, desenvolvimento e, principalmente, o que os inspira na sua postura e história profissional”, pontua Haag.

Perfil do gestor ideal

A pesquisa também apontou quais são as características ideais de um gestor da área de TI no país. Segundo os consultados, os superiores devem ser inspiradores, abertos ao diálogo e ter dinamismo nas tarefas do dia a dia. Entretanto, porém, esse público não gosta de trabalhar com lideranças de perfil político, amigo (que compartilha assuntos pessoais) e cauteloso.

Perfil bem avaliado

Inspirador: posiciona-se como exemplo e busca fomentar as melhores práticas de trabalho para o time

Aberto: posiciona-se de igual para igual, e interage com o time aberto para diálogo

Dinâmico: que levanta o ritmo de produção do time, e mantém o ambiente acelerado e/ou estimulante

Perfil mal avaliado

Político: que evita debates e apazigua/concilia relações

Amigo e companheiro: que seja aberto e compartilhe questões pessoais

Cauteloso: que toma as decisões mediante análises e costuma não arriscar

“De modo geral, esses jovens profissionais possuem um bom relacionamento com o gestor, no entanto, não o vê como exemplo e sente falta de dinamismo e comportamento motivacional. Esse conflito de gerações deve ser encarado com naturalidade no mercado de trabalho”, ressalta Haag.

Perfil do profissional de TI no Brasil

– Possui idade média entre 25 e 35 anos, predominantemente do sexo masculino (87%)

– Educação superior básica: mais de 40% não cursou além da graduação

– 63% possui inglês avançado e/ou fluente, e mais da metade afirma ter alguma noção de espanhol

– Desenvolvimento e Aplicações, assim como Infraestrutura e Sistemas, são as áreas com maior expertise no mercado brasileiro.

Captura de Tela 2016-06-13 às 14.34.27

Os setores mais povoados do mercado são Consultorias de Tecnologia e a Indústria

Captura de Tela 2016-06-13 às 14.35.10

Tags, , , ,

Profissionais de TI com foco em soluções capazes de gerar resultados financeiros estão em alta

Guia Salarial 2016 da Robert Half destaca a tendência do crescimento de oportunidades para os profissionais de Big Data
O ano de 2016 será desafiador para os executivos de tecnologia da informação, que se sentirão pressionados pelas empresas a propor iniciativas que afetem de forma positiva os resultados financeiros do negócio. A boa notícia é que, paralelamente à essa responsabilidade, cresce a valorização deste profissional como parte da estratégia das companhias.

De acordo com a edição 2016 do Guia Salarial da Robert Half, o novo cenário implica a saída de cena de profissionais introvertidos para dar espaço àqueles que tenham facilidade de circulação entre as áreas, entendendo os problemas da empresa de maneira ampla e, consequentemente, trazendo melhorias para os resultados finais. “Dentro deste contexto, segue valorizado o analista de negócios, capaz de se comunicar na linguagem do usuário e de TI, sendo o elo entre as linhas de negócio e os desenvolvedores”, explica Fábio Saad, gerente sênior da Robert Half.

A expectativa é de que, nos próximos anos, cresça o número de oportunidades aos profissionais especializados em Big Data. “Grande parte das empresas está dando os primeiros passos na estruturação de uma estratégia eficaz que seja capaz de lidar com a enormidade de dados disponíveis e questões relacionadas à segurança dessas informações”, ressalta Saad.

O processo de formalização de mão de obra continua, assim como vinha acontecendo em 2015. As empresas estão internalizando profissionais ou trabalhando somente com terceirizados ou temporários que operam no regime CLT, de forma a atender a legislação para esta condição.

Quanto à remuneração em tecnologia, a maior valorização apontada pelo Guia Salarial da Robert Half é para o cargo de gerente de sistemas em empresas de grande porte. A previsão é de incremento de 8,3% para 2016 e variação entre R$ 14 mil e R$ 25 mil.

Panorama da área de Tecnologia

• Onde estão as oportunidades – empresas de médio porte

• Cargos mais demandados – gerente de tecnologia, analista de infraestrutura, analista de negócios e consultor funcional ERP

• Perfil valorizado – inglês fluente, perfil mais interativo, bom relacionamento interpessoal, certificações em linguagens de programação, bacharelado em Ciências da Computação ou Tecnologia

• Maior valorização salarial (de 2015 para 2016) – para o cargo de Gerente de Sistemas, com previsão de incremento salarial de 8,3% para 2016 e variação entre R$ 14 mil e R$ 25 mil, em empresas de grande porte.

Há vagas – Os especialistas da Robert Half ressaltam que sempre vão existir oportunidades no mercado de trabalho. Em cenários positivos as companhias se expandem. Em momentos mais difíceis, as empresas passam por reestruturações. Dessa forma, os profissionais devem focar os esforços em se qualificar para a vaga pretendida, com o objetivo de se destacar entre os candidatos que a almejam. Lembrando que o inglês fluente ainda é uma grande deficiência no mercado.

Tags, , , , , , , ,

Quais características os profissionais de TI devem ter para encantar os recrutadores?

Por Ana Claudia S. Reis*

Mesmo com o turbulento período de crise e a recessão que o País atravessa, alguns setores continuam mantendo índices satisfatórios de contratação. O mercado de TI é uma das áreas que segue aquecida e operando intensamente.

As vagas da área de TI sempre foram motivo de debates, visto que esse setor no Brasil já sofreu muito com os gaps nas contratações. A demanda sempre foi alta e a mão de obra não cobria a procura. Faltavam profissionais qualificados para vagas não tão comuns. Há não muito tempo, acompanhamos até a migração de mão de obra de fora do País para suprir essa necessidade.

Com o passar dos anos e com a aceleração do ensino e preparo de profissionais especializados, o cenário vem adquirindo uma nova perspectiva – bem mais otimista que em outros setores. As empresas de tecnologia que desembarcam no Brasil, ou até mesmo as nacionais, já possuem em seu comando profissionais com excelente formação e experiência. Porém, mais do que um bom curso preparatório, vivência na área, fluência em outras línguas e um bom currículo, o profissional de TI deve apresentar características que transcendam a todos esses requisitos, tais como:

1. Conhecimento

Entre as características que nós buscamos nesses profissionais está a paixão pela tecnologia e a constante sede de aprendizado e conhecimento. Pode parecer óbvio, mas um candidato que sabe demonstrar que tem conhecimento e expertise para aplicá-lo, já no momento da entrevista, pode ganhar alguns pontos em relação aos seus concorrentes.

2. Domínio sobre o negócio

Mais do que o conhecimento de suas funções específicas, as empresas desejam profissionais cada vez mais conscientes sobre o negócio da companhia. Por isso, é interessante que os candidatos possuam domínio sobre a organização como um todo, e não apenas no que diz respeito à sua área. Integrar as áreas da empresa pode agilizar a entrega dos projetos, o que é um ponto positivo ao profissional.

3. Comunicação

Outra característica importante é ter alta capacidade de comunicação. Uma boa comunicação no momento da entrevista é imprescindível, e também pode ser a chance para o sucesso e crescimento dentro da empresa, já que o profissional poderá atuar em parceria com outras lideranças. Ruídos podem comprometer projetos e acarretar danos difíceis de reverter.

4. Ser o administrador das mudanças

A tecnologia é o campo da transformação e, por isso, os processos da área de TI mudam com frequência. Quem atua nessa área deve estar preparado para administrar as mudanças que acontecem com o dia a dia. Ser ousado e propor alterações na rota também são sinais de que o profissional pensa além, e pode auxiliar no crescimento da empresa.

5. Ser o rei do Big Data

Big Data é um dos assuntos mais comentados nos últimos tempos. Um profissional com formação e estratégia para administrar e analisar os dados de uma empresa ou mercado se sobressai em relação aos demais aspirantes à vaga. A formação no conceito sobre o tema deve ser exemplar, e a experiência em governança de dados, imprescindível.

6. Poder de decisão

Mais do que uma boa formação acadêmica, o profissional deve apresentar forte poder de resolução e controle. Uma visão ampla sobre o negócio ajudará exatamente na tomada de decisões, que terão muito mais chances de serem assertivas.

7. Relacionamento

Não é somente o que o profissional diz sobre si mesmo que levamos em consideração. O que o mercado diz sobre sua trajetória profissional pode traduzir quem o candidato é ajudando o recrutador a definir os traços de sua personalidade e comportamento. Por isso, manter um bom relacionamento é de extrema importância, e, portanto, essa é uma característica muito valorizada nesse profissional.

8. Inovação

O novo perfil do profissional de TI pede uma pessoa muito mais arrojada, pouco presa às estruturas conhecidas dentro desse setor. Ele deve possuir visão empreendedora, criando novos portfólios de serviços para a empresa e melhorando os serviços já ofertados. Inovação deve sair do papel e ir para a prática na mão desse profissional. Para isso, o domínio da equipe é também fundamental.

*Ana Claudia S. Reis é sócia da The Caldwell Partners, uma das principais empresas de recrutamento e seleção de altos executivos do mercado.

Tags, , , ,

Saiba quem são os grandes profissionais de tecnologia do Brasil

Blogueira da PSafe analisa e comenta cenário de CEOs Brasileiros

O Brasil não é muito conhecido por incentivar o empreendedorismo. Muito pelo contrário. A quantidade de burocracias e impostos costumam dificultar e muito a vida dos empresários. Por isso mesmo, aqueles que conseguem se destacar em solo tupiniquim merecem reverência. Muitos começaram do nada, com uma simples ideia, e hoje ocupam cargos de importância ou são donos de grandes corporações.

Romero Rodrigues
Romero Rodrigues é fundador do Buscapé Company e membro do conselho da Fundação Endeavor. É também o CEO global de Comparação de Preços do grupo sul-africano Naspers, que comprou 91% de sua empresa em 2009 por US$ 342 milhões, o maior negócio da internet no Brasil depois do estouro da bolha pontocom.

Para muitos, é o brasileiro mais influente da internet, com 100 solicitações de amizade por dia no Facebook. O grupo que ele lidera conta atualmente com mais de mil funcionários.

Bel Pesce
Bel Pesce é fundadora da FazINOVA, escola de empreendedorismo e habilidades. Aos 26 anos, já escreveu três livros, foi considerada uma das “100 pessoas mais influentes do Brasil”, pela Revista Época, eleita um dos “30 jovens mais promissores do Brasil”, pela Revista Forbes, e entrou na seleta lista dos “10 líderes brasileiros mais admirados pelos jovens”, da Cia. de Talentos.
Bel estudou no renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), trabalhou em grandes empresas, como Microsoft, Google e Deutsche Bank, e morou no Vale do Silício, onde respirou empreendedorismo, liderou equipes e fundou empresas. Ela se tornou um grande sucesso em 2012, com o lançamento de “A Menina do Vale”, que rapidamente se tornou um fenômeno de vendas.

Marco DeMello
O carioca Marco DeMello, de 44 anos, é CEO da PSafe Tecnologia e do Grupo Xangô. Começou a programar com 12 anos, fez segundo grau técnico no Instituto de Tecnologia ORT e se formou em Engenharia de Computação na PUC-Rio. Depois saiu do Brasil para fazer um curso de extensão no MIT (Cambridge) e Executive MBA na Wharton School of Business.

DeMello foi o pioneiro em comunicação via vídeo pela internet em 1996 nos Jogos Olímpicos de Atlanta, com a criação de um CODEC inovador que permitiu os fãs falarem via vídeo com os atletas na Vila Olímpica com conexão discada. Ele também trabalhou diretamente com Bill Gates durante os “anos embriônicos” da internet, e foi o responsável pela aquisição e escalonamento da Hotmail na Microsoft, no fim de 1996.

Além disso, Marco foi o arquiteto de segurança do Windows XP SP3 (Springboard), que se tornou a versão mais segura e mais instalada do OS até o lançamento do Windows 7. O executivo ainda inovou no mercado de mídia norte-americano com a plataforma Malibu.

No Brasil, fundou e escalonou a PSafe no Brasil, ajudando a torná-la a maior empresa de segurança online latino-americana, com o aplicativo brasileiro para Android de maior sucesso de todos os tempos, e com o maior número de usuários satisfeitos.

Diego Torres Martins
O jovem paulistano Diego Torres Martins, 30 anos, é dono da Acesso Digital e criou o chamado de “Google” interno para empresas. Ele reuniu scanners e softwares de digitalização de diferentes fornecedores, além de investir em um datacenter para armazenar arquivos eletrônicos.

Com isso, começou a oferecer o pacote combinado para empresas de diferentes ramos de atividade copiarem e indexarem todos os documentos. Está entre as 20 empresas pequenas e médias que mais crescem no Brasil e, ao mesmo tempo, em primeiro lugar na lista de 2013 das Melhores Empresas Para Trabalhar no Brasil na categoria “Médio Porte – Nacionais”.

Marcel Fukayama
Dono da CDI Global, Marcel Fukayama foi eleito em 2014 pela revista “Forbes Brasil” um dos 30 brasileiros até 30 anos que está “reinventando o país e assumindo as rédeas do futuro”. Em 2001, o paulistano de 29 anos abriu uma das primeiras lan houses de São Paulo, para democratizar a internet, numa época em que o celular e o acesso residencial não eram tão comuns. Em 2003, criou o Aula Digital, primeiro programa de alfabetização que usava as lans e que, durante cinco anos, contemplou anualmente mais de 300 crianças de creches e escolas municipais de São Paulo. Até que, em 2008, conheceu Rodrigo Baggio, fundador do CDI (Comitê para Democratização da Internet), ONG que já beneficiou mais de 1,5 milhão de pessoas.

Marcel também foi selecionado pela Skoll Foundation entre 12 empreendedores sociais de destaque no mundo, com menos de 30 anos.

Claudio Emanuel de Menezes
Claudio Emanuel de Menezes é líder no segmento de software para leasing. Sua empresa, a Disoft, foi fundada em 1984 com a proposta de ser uma empresa diferente, que compartilhasse motivação e socializasse resultados.

A Disoft conta com 120 funcionários. Pela sexta vez consecutiva está na lista das melhores empresas de TI para se trabalhar.

Fabio Coelho
Fabio Coelho é o presidente do Google no Brasil. Engenheiro civil capixaba, com MBA em marketing e planejamento estratégico, o empresário passou mais de 25 de seus 50 anos em posições gerenciais, em empresas como Gillette, Pepsico, Citibank e AT&T.
O executivo já foi alvo de muitas polêmicas no que diz respeito à liberdade na rede. Em 2012, foi detido pela Polícia Federal por se negar a tirar do YouTube vídeos que supostamente caluniavam um candidato a prefeito de Campo Grande. De lá para cá, Fabio tem se tornado uma espécie de porta-voz da tese de que ainda é possível navegar anonimamente na internet.

por Ana Clara Nogueira

Tags, , , , , , , , , , , , , , , ,

Área de TI busca gestores

Fonte: Gazeta do Povo

Vagas de emprego que demoram meses para serem preenchidas tem sido a dificuldade das empresas de Tecnologia da Informação (TI) que atuam no Paraná. O motivo: a soma de um mercado aquecido com a demanda por profissionais com competências gerenciais. A procura é por quem tem boa bagagem técnica, mas também saiba trabalhar em equipe.

A mudança de perfil dos profissionais desejados pelo mercado já se reflete nos salários pagos em Curitiba. O cargo de gerente de projetos de TI, função que exige essencialmente liderança de equipes e criatividade, teve a maior média salarial entre os contratados para os principais cargos da área de janeiro a abril deste ano, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego: R$ 3.404,45. O dado reflete apenas o salário-base inicial dos contratados – o mercado paranaense tem pagado pelo menos o dobro disso, calculam as empresas – mas serve de termômetro para a nova exigência profissional.

Leia a reportagem completa.

Tags, ,