Tag NETSCOUT

Arbor Networks e Jigsaw colaboram para aprimorar Mapa de Ataques Digitais

A Arbor Networks Inc., divisão segurança da NETSCOUT (NASDAQ: NTCT), em conjunto com a Jigsaw, empresa integrante da Alphabet, controladora do Google (NASDAQ: GOOGL), anuncia uma nova versão, aprimorada, do Mapa de Ataques Digitais, que oferece uma visualização on-line dos ataques de negação de serviço (DDoS – Distributed Denial of Service) em todo o mundo.

A Jigsaw tem como foco identificar ações de censura na web e mitigar as ameaças de ataques digitais, combatendo a violência extremista e protegendo as pessoas do ódio e do assédio on-line. Uma das maneiras mais fáceis de silenciar alguém na web é um ataque DDoS. Esses ataques visam esgotar os recursos de acesso a uma determinada rede, aplicativo ou serviço, impedindo o seu uso. Os ataques DDoS tornam-se cada vez mais comuns em razão do desenvolvimento de ferramentas “do-it-yourself “e de serviços oferecendo esses ataques a baixo custo. Muitas vezes, eles estão diretamente relacionados a acontecimentos do mundo real, como conflitos políticos.

Aprimorando o Mapa de Ataques Digitais (Digital Attack Map)

O Mapa de Ataques Digitais utiliza dados do sistema Atlas (Arbor Threat Level Analisys System), uma rede de monitoramento de ameaças de alcance global. O ATLAS examina atualmente 140Tbps de dados de tráfego anônimo, proveniente de mais de 330 provedores de serviço, em todo o mundo, que são clientes da Arbor. Isso representa cerca de um terço do tráfego mundial de dados na Internet. Dessa forma, a Arbor encontra-se em posição ímpar no que diz respeito a fornecer inteligência relativa a ataques DDoS, malware e botnets que ameaçam infraestrutura de Internet e disponibilidade da redes.

Os dados apresentados no Mapa de Ataques Digitais são uma amostragem aleatória de menos de um por cento dos ataques observados pelo sistema ATLAS, e mostram as tendências verificadas em ataques significativos. A Jigsaw traduz as informações do ATLAS em visualizações on-line que permitem explorar as tendências atuais e históricas de ataques DDoS, consultar ataques por país, e – em atualizações diárias – relacionar os ataques DDoS a notícias e acontecimentos do mundo real.

O que há de novo?

• Uma mudança na arquitetura do sistema ATLAS possibilita agora que o Mapa de Ataques Digitais apresente uma amostra baseada em um volume de dados 20 vezes maior que a versão anterior;

• Com a nova arquitetura do sistema, os dados passam a ser processados por streaming em tempo real e não mais baseado em processamento por lotes armazenados, assegurando assim sua atualidade e precisão.

“Os ataques DDoS estão crescendo em um ritmo alarmante em termos de tamanho, frequência e complexidade. Eles são a principal ameaça à disponibilidade de redes, aplicativos e serviços on-line. O Mapa de Ataques Digitais apresenta parte do conjunto de dados captados pelo sistema ATLAS, traduzidos em informação visual pelos engenheiros da Jigsaw para que todas as pessoas possam tomar conhecimento dos ataques DDoS ocorridos em todo o mundo ou em países específicos. O trabalho da Jigsaw é importante no sentido de educar o público sobre a ameaça que representam os ataques DDoS, e ficamos muito felizes com a apresentação de nossos dados nesse Mapa”, comenta Brian McCann, Presidente da Arbor Networks.

Para mais informações, visite DigitalAttackMap.com

Tags, , , , , , , , ,

Relatório Anual da Arbor Networks sobre Segurança da Infraestrutura Global revela ambiente de ameaças contínuas

A Arbor Networks Inc., divisão de segurança da NETSCOUT (NASDAQ: NTCT), divulga seu 11º Relatório Anual sobre Segurança da Infraestrutura Global (WISR – Worldwide Infrastructure Security Report), com informações recolhidas diretamente da comunidade mundial de operações de segurança sobre uma ampla gama de questões, que vão desde detecção de ameaças e resposta a incidentes até aspectos relativos a equipes, orçamentos e relacionamento com parceiros. Pela primeira vez, as organizações empresariais, governamentais e educacionais representaram quase metade dos participantes; 52% dos participantes são provedores de serviço. O relacionamento de longa data da Arbor com seus clientes e sua reputação como consultora e provedora de soluções é o que torna possível este relatório anual.

“Um ambiente de ameaças em constante evolução é um fato reconhecido pelos participantes da pesquisa”, observa o Chief Security Technologist da Arbor Networks, Darren Anstee. “Este relatório oferece amplas informações sobre os problemas enfrentados cotidianamente pelos operadores de rede em todo o mundo. Ele lembra que a tecnologia é apenas uma parte da história, uma vez que segurança é um esforço humano, com adversários competentes de ambos os lados. Graças às informações de operadores de rede em todo o mundo, podemos oferecer informações sobre pessoas e processos, proporcionando uma imagem muito mais rica e nítida sobre o que ocorre nas linhas de frente”.

As cinco principais tendências em ataques DDoS

Mudança na motivação dos ataques: No ano de 2015, a principal motivação não foi hacktivismo ou vandalismo, mas “criminosos demonstrando capacidade de ataque”, algo normalmente associado a tentativas de extorsão.

O tamanho dos ataques continua crescendo: O maior ataque registrado foi de 500 Gbps, havendo também ataques de 450 Gbps, 425 Gbps e 337 Gbps. Em 11 anos desta pesquisa, o tamanho do maior ataque cresceu mais de 60 vezes.

Ataques complexos em ascensão: 56% dos participantes relataram ataques multivetor direcionados à infraestrutura, aplicações e serviços simultaneamente, contra 42% no ano anterior; 93% relataram ataques DDoS na camada de aplicação. Agora, o serviço mais comumente visado pelos ataques em camada de aplicação é o DNS (em vez de HTTP).

Nuvem sob ataque: Dois anos atrás, 19% dos participantes observaram ataques direcionados aos seus serviços baseados na nuvem. Os números cresceram para 29% em 2014 e para 33% agora. De fato, 51% dos operadores de data center observaram ataques DDoS saturarem sua conectividade à Internet. Houve também um grande aumento no número de data centers que observaram ataques a partir de servidores dentro de suas redes: 34%, comparando-se a 24% no ano anterior.

Falhas nos firewalls durante ataques DDoS:Mais da metade dos participantes empresariais relataram falha de firewall resultante de um ataque DDoS, em comparação a um terço no ano anterior. Firewalls em linha encarregados de verificar o estado das conexões aumentam a superfície de ataque, sendo provavelmente as primeiras vítimas de um ataque DDoS, tendo sua capacidade de monitorar conexões esgotadas. E, uma vez que estão em linha, podem também contribuir para maior latência na rede.

As cinco principais tendências em ameaças avançadas

Foco em melhores respostas: 57% das empresas buscam implementar soluções para acelerar os processos de resposta a incidentes. Entre os provedores de serviços, um terço reduziu o tempo necessário para descobrir uma Ameaça Persistente Avançada (APT) em sua rede para menos de uma semana, e 52% declararam que seu tempo entre descoberta e contenção foi reduzido para menos de um mês.

Melhor planejamento: Em 2015 aumentou a proporção de empresas participantes que desenvolveram planos formais de resposta a incidentes e dedicaram recursos para responder a esses incidentes: 75%, contra dois terços no ano anterior.

Invasores em foco: A proporção de participantes empresariais observando invasores maliciosos subiu para 17% (em comparação a 12% no ano anterior). Quase 40% dos participantes empresariais ainda não têm uma solução implementada para monitorar dispositivos BYOD em sua rede. A proporção dos que relatam incidentes de segurança relacionados ao BYOD dobrou para 13%, contra 6% no ano anterior.

A questão das equipes: Houve uma queda significativa na proporção de participantes que buscam aumentar suas equipes internas para melhorar a prontidão e resposta a incidentes, de 46% para 38%.

Crescente dependência de suporte externo: A falta de recursos internos levou a um aumento no outsourcing de serviços gerenciados e de suporte, com 50% das empresas tendo contratado uma organização externa para a resposta a incidentes. Essa proporção está 10% acima do percentual relacionado aos provedores de serviços. Entre os provedores de serviços, 74% relataram ter observado maior demanda dos clientes por serviços gerenciados.

Escopo da pesquisa

354 respostas, contra 287 para o relatório anterior, de um mix de provedores de serviço Tier 1 e Tier 2/3, hospedagem, serviços móveis, empresas e outros tipos de operadores de redes de todo o mundo.
Consistentemente com os anos anteriores, a maioria das respostas (52%) veio dos provedores de serviços.

Pela primeira vez nos 11 anos de história desta pesquisa, quase metade dos participantes (48%) pertence a outros tipos de organização, proporcionando uma perspectiva mais diversificada quanto aos diversos tipos de redes. Essa porcentagem é maior que os 40% de 2014 e 25% de cinco anos atrás.
As organizações empresariais estão muito bem representadas, com 38% do total de participantes. Os outros participantes não provedores de serviços são instituições governamentais (6%) e educacionais (4%).

Os dados desta pesquisa cobrem o período de novembro de 2014 a novembro de 2015.

Tags, ,