Tag mobilidade urbana

Uber lança segunda edição de hackathon de mobilidade

Uma ideia inovadora, surgida em um fim de semana intenso de programação, pode render uma solução para a mobilidade das cidades, uma boa quantia em dinheiro ou, até, uma vaga de desenvolvedor em uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Essa é a ideia por trás do Uber Hack, o hackathon (ou maratona de desenvolvimento) promovido pela Uber no Brasil.

Pelo segundo ano seguido, a Uber vai percorrer algumas das principais cidades do país fazendo um convite para a comunidade apaixonada por tecnologia: repensar ou criar projetos urbanos de mobilidade a partir de modelos que podem, inclusive, estar integrados ao aplicativo da Uber.

Os hackathons serão realizados entre maio e julho, em cinco etapas: Porto Alegre, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Após cerca de 30 horas de criação, a equipe vencedora de cada etapa será escolhida por uma banca julgadora formada por especialistas da Uber, do mercado e membros do poder público local, e levará para casa R$ 10 mil, além de R$ 5 mil em créditos Uber.

Além disso, recrutadores da Uber vão acompanhar todas as etapas do desafio. “Quando, em agosto do ano passado, nós anunciamos a criação do primeiro Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Uber na América Latina, nós nos comprometemos em buscar talentos de todo o Brasil para preencher as vagas abertas. O Uber Hack vai nos ajudar nessa missão: conhecer de perto as pessoas que estão dispostas a pensar o futuro da mobilidade e ver se elas têm o que é preciso para fazer parte do time da Uber no Brasil”, explica Marcello Azambuja, diretor do Centro de Desenvolvimento Tecnológico.

Uma das participantes da etapa de Porto Alegre do Uber Hack em 2018, Larissa Coronet, hoje é coordenadora de marketing na empresa. “Quando eu participei do Uber Hack, não imaginava um dia trabalhar na Uber. Participei porque sou apaixonada por tecnologia e queria testar meus conhecimentos. Mas lá, conhecendo os mentores e toda a equipe da Uber que ajudou no hackathon, eu vi que era uma empresa em que eu realmente gostaria de trabalhar”, relembra Larissa.

Mesmo não tendo vencido o desafio, Larissa se candidatou a uma vaga na empresa alguns meses depois e, durante o processo de seleção, foi reconhecida. “Um dos entrevistadores lembrava de mim do Uber Hack, pois eu tinha apresentado o projeto da minha equipe. Então aquilo acabou me dando uma visibilidade e uma experiência que foram super importantes para a minha seleção”, conta.

“Queremos, mais uma vez, abrir as portas para ideias inovadoras, reafirmando o nosso compromisso com o futuro das cidades, mas com foco nas pessoas que vão criar esse futuro, pensando em uma mobilidade cada vez mais confiável e acessível a todos”, complementa Azambuja.

As inscrições para a primeira etapa, que acontece em Porto Alegre, estarão abertas de 30 de abril a 12 de maio de 2019, pelo uber.com/uberhack. O regulamento completo do Uber Hack e os prazos de inscrições das demais etapas também já estão disponíveis no site.

Etapas do Uber HACK:

18 e 19 de maio: Porto Alegre
25 e 26 de maio: Recife
1 e 2 de junho: São Paulo
29 e 30 de junho: Rio de Janeiro

6 e 7 de julho: Belo Horizonte

Tags, , ,

Cabify anuncia Cristiano Soares como novo Head of Sales no Brasil

A Cabify, plataforma inteligente de mobilidade, anuncia Cristiano Soares como novo Head de Sales (diretor de Vendas) da empresa no Brasil. O executivo é formado em Gestão Comercial pela Universidade de Itaúna, pós-graduado em Marketing Estratégico pela Fundação Dom Cabral e está finalizando seu Mestrado em Administração e Negócios pela FIA – Fundação Instituto de Administração.

Cristiano Soares foi fundador e CEO da Vaniday, marketplace de serviços de beleza que recebeu investimento de R$ 55 milhões durante sua gestão, e co-fundador da Glym – ambas startups investidas da Rocket Internet e reconhecidas por sua inovação. Antes de se juntar ao time de Cabify, o executivo também teve passagens por áreas de vendas de organizações como Unimed, ADCOS e a alemã eGentic.

“A Cabify apoia-se nos pilares de experiência, qualidade e segurança, diferenciais que queremos continuar a levar para os clientes corporativos, que já somam mais de três mil em todo o Brasil. Por isso, estamos sempre investindo em tecnologia e inovação, desenvolvendo melhorias na plataforma corporativa”, explica o novo Head de Sales da Cabify no Brasil.

Recentemente, a Cabify renovou toda sua plataforma corporativa, trazendo uma série de novidades e melhor gestão dos custos e corridas para os mais de 50 mil empresas clientes ao redor do mundo. No Brasil, em 2017, a Cabify Empresas cresceu 115 vezes se analisado o volume de negócios em relação a 2016 e aumentou em 30 vezes o número de clientes, permitindo o acesso a serviços de mobilidade urbana com segurança, qualidade e economia de mais de 30% às empresas atendidas.

A Cabify conta com um rigoroso processo de cadastramento de motoristas parceiros. Os veículos devem ter no mínimo 5 anos, são vistoriados e há exigência de uma série de documentos para o cadastramento em na plataforma – que são conferidos presencialmente – além de necessidade de exames toxicológicos e atestados de antecedentes criminais. A empresa oferece ainda sessões informativas para os motoristas parceiros cadastrados na plataforma, onde recebem informações com dicas de atendimento de qualidade, de segurança e questões técnicas e tecnológicas da plataforma.

A Cabify começou a operar no Brasil em junho de 2016, em São Paulo, e está presente em mais sete cidades do país – Campinas (SP), Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS)

Tags, , , ,

Bossa Nova investe na Startup YetGo, líder do segmento de Mobilidade Urbana do Norte do Brasil

A famosa Startup de mobilidade urbana da região Norte do Brasil, a YetGo que foi lançada em 2016, acaba de receber uma rodada de investimento SEED da Bossa Nova Investimentos, a maior micro Venture Capital do Brasil em número de investimentos e empresa referência na América Latina.

Liderada pelos investidores Pierre Schurmann e João Kepler, a Bossa Nova investiu em uma participação proporcional a 15% da YetGo. “O aporte deste capital de uma Venture Capital como a Bossa Nova que é gerida por empreendedores que investem, é um grande marco na história de nossa empresa, pois valida nosso Product Market fit e nos abre portas para o mundo, nos colocando sobre os holofotes do mercado como um todo”, afirma Gervásio Moreno, CEO da YetGo.

A YetGo é lider de mercado no norte do Brasil: Pará, Amazonas e Amapá e no Nordeste opera no Ceará, Maranhão e Bahia. Com esse aporte, reforça sua participação regional e inicia seu plano de expansão com operações em alguns estados do sul e sudeste, dentre eles: Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Santa Catarina, Espírito Santo e São Paulo.

“2018 é um ano de crescimento, estamos ultrapassando as fronteiras nacionais e iniciando as operações também em Santiago no Chile e, no próximo mês já preparando nossa entrada na Europa por meio de Portugal” comemora Morgado

“Hoje a YetGo consegue brigar pelo segundo lugar no número de chamadas no Brasil, e com este aporte irá consolidar suas operações atraindo mais serviços e negócios para a startup”, explica João Kepler. “Um dos modelos que serão adotados é atender todas as startup da rede Bossa além de empresas parceiras das startups, ou seja, um grande mercado se encontra a vista através dessa rodada de investimentos”, diz kepler.

No final de 2017, a YetGo alterou seu modelo de negócio para uma cobrança mensal fixa ao motorista, o que de maneira disruptiva gerou um grande impacto positivo no negócio. “Tivemos excelente aceitação por parte de motoristas, devido aos altos valores pagos no modelo de cobrança percentual dos concorrentes, o que nos possibilitou gerar um fluxo financeiro saudável aos nossos parceiros e também a prática de um preço justo para nossos usuários”, comemora Morgado.

Pierre Schurmann, manager partner da Bossa Nova, comenta que a Bossa Nova já investe em startups de mobilidade urbana e no setor autotech em startups como a Vai.Car, a CarGuru, a AutoMobi , a Insta Carro, a Payparking e também a Credere e agora o investimento na YetGo vai ampliar e consolidar a entrada da Bossa Nova neste segmento.

Tags, , , , , , , , , , ,

Cabify e Argo fecham parceria com foco no setor corporativo

A Cabify, plataforma inteligente de mobilidade urbana, firmou parceria com a Argo Solutions, líder brasileira em tecnologia para gestão de viagens e despesas corporativas. A integração vai permitir que os clientes da Argo tenham disponíveis, em uma única tela, todas as informações necessárias para chamar um motorista parceiro da Cabify e outras de sua viagem corporativa.

O usuário pode solicitar o serviço corporativo da Cabify por meio da Moov, solução da Argo que reúne diversos serviços de mobilidade. A Moov disponibiliza informações certificadas sobre o deslocamento, como valores, tempo de espera, disponibilidade e tipos de veículos oferecidos. O usuário também pode gerar recibos integrados com a plataforma e o sistema de sua empresa, tornando o processo de comprovação de despesas automático.

“A integração da Cabify com a plataforma da Argo gera uma experiência e facilidade para os colaboradores das empresas. Estamos cada vez mais investindo no mercado corporativo, tanto que já temos mais de 3 mil empresas utilizando nossos serviços no Brasil”, pontua Jordana Souza, Growth Manager Brasil na Cabify.

“É muito importante termos uma empresa como a Cabify integrada à nossa plataforma, bem como é fundamental que a ferramenta de gestão garanta a visualização de todas as despesas da viagem ou deslocamento profissional. Desta forma, o Argo Moovi permite o gerenciamento das corridas feitas com a Cabify”, explica Gabriel Barreiros, COO da Argo Solutions.

A Cabify está presente no Brasil desde junho de 2016 e atua em oito cidades do país – São Paulo (SP), Santos (SP), Campinas (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS). A empresa ainda possui uma parceria com a Multiplus, que rende pontos a todos os clientes cadastrados na rede de fidelidade que usarem os serviços da Cabify no Brasil.

Tags, , , , , ,

Cabify anuncia Fernando Matias como novo Diretor Geral do Brasil

A Cabify, plataforma inteligente de mobilidade, anuncia o Fernando Matias como novo Diretor Geral Brasil da Cabify (Country Manager). O executivo substitui Daniel Bedoya, que iniciou a operação da Cabify no país e assume como COO (Chief Operating Officer) Global da Cabify.

Matias é formado em Relações Internacionais pela UNESP e possui MBA pela Berlin School of Creative Leadership. O novo Diretor Geral Brasil da Cabify também teve passagens pela Amcham e Souza Cruz. Em 2015, assumiu o cargo de Diretor de Marketing na Easy e um ano depois, se tornou CEO da operação Brasil.

“Para 2018, vamos nos posicionar de forma estratégica, investindo nos pilares de experiência e qualidade, posicionando nossa marca neste sentido, buscando aumentar a fidelidade de nossos usuários e motoristas parceiros, além de continuarmos a expandir nosso serviço dentro das cidades onde já atuamos”, explica o novo Diretor Geral Brasil da Cabify.

Recentemente, a Maxi Mobility Inc, holding da Cabify e da Easy, anuncia aporte de mais de meio bilhão de Reais (US$ 160 milhões) para expandir as operações em seus atuais mercados. O grupo opera plataformas de mobilidade como serviço (MaaS) de alta qualidade para empresas e usuários particulares em mais de 130 cidades e 14 países na América Latina e Península Ibérica.

No Brasil, a Cabify começou a operar em junho de 2016. Atualmente, está presente em 8 cidades – Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Santos (SP) e São Paulo (SP). A empresa ainda possui uma parceria com a Multiplus, que rende pontos a todos os clientes cadastrados na rede de fidelidade que usarem os serviços da Cabify no Brasil.

Tags, , , , , ,

Movile e 99 se unem em parceria de serviços de táxi

O Rapiddo, primeiro marketplace de aplicativos da América Latina, acaba de anunciar parceria com a 99, uma das empresas especializadas em transporte particulares mais famosas do Brasil, e passa a integrar serviço de táxi e carros particulares no aplicativo. Além de ampliar o acesso ao consumo mobile, a novidade permite que o consumidor pague suas corridas com cashback recebido de algum outro serviço anteriormente utilizado no app.

A ideia de reunir, em um único aplicativo, vários tipos de serviços já é amplamente conhecida em países como a China (com o WeChat) e Índia (com a PayTM). E no Brasil, que ainda dá seus primeiros passos na nova tendência, o Rapiddo se tornou a primeira empresa a implementar o conceito. Conhecido como um “superaplicativo”, a plataforma integra em um só lugar diversos serviços muito utilizados em smartphones, porém com a vantagem de ocupar o espaço de apenas um aplicativo. Entre os serviços estão: recarga de celular, cupons de descontos, notícias, pedido de comida e, agora, táxi e carros particulares.

De acordo com Mauro Piazza, CEO do Rapiddo, as duas empresas, grandes potências tecnológicas no Brasil, uniram forças com o objetivo de ampliar o acesso ao consumo mobile no país. “Ainda há muito para conquistar quando se fala em consumo mobile por aqui. Para isso, estamos reunindo os melhores players de cada segmento para oferecer a praticidade de ter diversos serviços em um único app, oferecendo diversas vantagens como cashback e outros benefícios que ajudam o usuário a economizar todos os dias, sem ocupar espaço e com consumo muito baixo do pacote de dados”, explica o CEO.

Para a 99, a parceria é mais uma oportunidade de dar mais facilidade para que as pessoas possam pedir um carro pelo celular de forma fácil, rápida e eficiente. “Estamos sempre pensando em como melhorar o dia a dia dos usuários, por isso estamos muito felizes de participar desta ferramenta. Esse tipo de aplicativo é uma tendência mundial e para nós faz todo sentido participar desse movimento”, finaliza Cauê Albuquerque, gerente de Novos Negócios B2B da 99.

A funcionalidade de pedir táxi ou carros particulares já está disponível e os usuários podem fazer seus pedidos clicando no ícone da 99 dentro do Rapiddo. Para outras informações sobre o Rapiddo, acesse: www.rapiddo.com

Tags, , , , , , , ,

5 setores nos quais IoT deve crescer em 2018 no Brasil

Fotos Editadas. Escritório.

Por Werter Padilha

Início de ano é época de identificar tendências, setores com maiores perspectivas de crescimento e de investimentos, seja por parte de empresas, governos e consumidores. Para essas análises, contamos com informações fornecidas por diferentes e conceituadas consultorias. Segundo dados da IDC, o gasto mundial com Internet das Coisas (IoT) deverá chegar a US$ 772,5 bilhões em 2018, um aumento de 14,6% em relação aos US$ 674 bilhões gastos até o fim de 2017.

As taxas de crescimento continuarão altas nos próximos anos, pois as tecnologias de IoT podem ser exploradas em incontáveis setores e, em princípio, não existem fronteiras para elas – da casa inteligente à indústria 4.0. Entretanto, é preciso analisar também a dinâmica desses mercados para identificar quais desses setores estão mais maduros para adoção de IoT em larga escala, dispostos a investir nessa transformação digital e a explorar os dados produzidos pelos dispositivos – um caminho em direção ao futuro que precisa ter início e continuidade.

IoT demanda análise, planejamento, estratégia, investimento e retorno sobre os recursos aportados, pois não basta conectar dispositivos ou pessoas por meio de uma rede, seja pública ou privada. O fluxo contínuo de informações gerado pelos dispositivos e tecnologias de IoT deve auxiliar as pessoas, organizações e governos a alcançarem seus objetivos, seja a redução de desperdícios e de custos operacionais, o aumento das vendas, oferta de novas experiências ao cliente, mais qualidade de vida, mais eficiência na gestão, a melhora na competitividade ou qualquer outro objetivo específico.

Tendo em vista essa necessidade de analisar a maturidade dos setores e as tendências, relaciono abaixo 5 setores nos quais a adoção de IoT deverá crescer em 2018 no Brasil, explorando o potencial das novas tecnologias, a evolução das plataformas de IoT, a ampliação de cloud, o uso crescente dos softwares de analytics e business intelligence e as boas perspectivas abertas pela divulgação do Plano Nacional de IoT e de outros projetos e políticas já em andamento no país. São eles:

1. Indústria de hardware e software para IoT

De acordo com o IDC, o hardware vai atrair um volume significativo de investimentos, considerando a necessidade de construção da infraestrutura de IoT, com a aquisição e instalação de sensores, beacons, tags de RFID, gateways e soluções, entre outros equipamentos e programas, que proporcionam inteligência, identificação e rastreabilidade às coisas. São os investimentos para criação da infraestrutura capaz de gerar e suportar o tráfego de dados, conforme a base instalada de dispositivos conectados se expande exponencialmente.

2. Indústria – manufaturas em geral e de base

Na modernização dos processos na manufatura, a IoT é parte fundamental na evolução da automação industrial para o conceito de Indústria 4.0 e o Brasil está em busca de recuperar o atraso e a perda de competitividade internacional. A conectividade passa a contribuir para a criação de processos de produção mais flexíveis e traz impactos que vão muito além da redução das falhas no chão de fábrica. A escolha da indústria como uma das verticais prioritárias do Plano Nacional de IoT, o programa da FIESP e ABDI em andamento, chamado “Rumo à Indústria 4.0”, entre outras iniciativas para difusão de conhecimento sobre tecnologias digitais que devem ser incorporadas à produção, indicam que trata-se de um tema prioritário e estratégico para o Brasil, como já acontece na Alemanha, China e Coreia do Sul.

3. Agronegócio

Pesquisa realizada por uma empresa global de serviços e soluções de tecnologia da informação e comunicação, aponta que o agronegócio é um dos setores mais avançados no Brasil na adoção de IoT, ou seja, já está sintonizado com o uso de tecnologias para melhorar a eficiência tanto da produção, quanto de transporte, logística e armazenamento. O agronegócio é um dos setores nacionais mais competitivos internacionalmente e para manter esta posição, os empresários e o governo estão dispostos a ampliar os investimentos na adoção de novas tecnologias para gestão de frota, para coleta de dados dos equipamentos agrícolas, monitoramento de dados de clima e solo, entre outras informações, para fazer com que o país avance no ranking de produção mundial de alimentos.

4. Saúde e gestão hospitalar

Saúde é outro setor priorizado pelo Plano Nacional de IoT e que tem iniciativas em andamento em consultórios médicos, centros de diagnóstico e hospitais públicos e privados. Hoje em dia, as tecnologias digitais na saúde têm contribuído tanto para o diagnóstico e tratamento de pacientes quanto na administração hospitalar e gestão de ativos. Uma das apostas é a telemedicina, conceito que envolve o armazenamento e monitoramento remoto de sinais vitais de pacientes por meios de dispositivos. Podemos considerar ainda a popularização dos wearables (como relógios, pulseiras e tênis), que monitoram a frequência cardíaca, tempo de sono e outros sinais vitais.

5. Mobilidade urbana e trânsito

Dentro das diferentes áreas trabalhadas pelo conceito de Cidades Inteligentes, a IoT pode ser vista como chave para a melhoria do trânsito e da mobilidade urbana nas médias e grandes cidades, ajudando a mensurar o tamanho do problema, quantificar o número de automóveis em uma rua, propor rotas e priorizar investimentos. O Brasil já tem um Projeto do MCTIC, que pretende integrar sistemas de monitoramento ao Plano Nacional de IoT, que visa criar soluções em áreas como mobilidade urbana, segurança e transporte de cargas. Vários estados da federação estão investindo em semáforos inteligentes e transporte público conectado.

Acreditamos que empresas, governo, instituições de pesquisa e consumidores vão se manter mobilizados na adoção e disseminação do uso de equipamentos conectados à internet, pois a sinergia permitirá a criação de um ambiente no Brasil capaz de alavancar o investimento em IoT nos 5 setores citados – indústria de hardware e software, agronegócio, saúde, indústria e mobilidade urbana – e em outras áreas atrativas, como varejo e logística.

Werter Padilha, CEO da Taggen Soluções de IoT, coordenador do Comitê de IoT da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software, e membro do comitê do Plano Nacional de Internet das Coisas, projeto desenvolvido pelo BNDES e o Ministério das Ciências, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC).

Tags, , , , , , , , , , , , , ,