Tag Michael Page

Nove em cada dez profissionais pretendem trabalhar em uma startup, revela pesquisa

Nove em cada dez profissionais estão dispostos a trocar o tradicional ambiente corporativo por uma startup. É o que revela pesquisa exclusiva realizada pela Michael Page, empresa líder mundial em recrutamento executivo de média e alta gerência, parte do PageGroup. De acordo com o levantamento da consultoria, sete em cada dez executivos estão dispostos a abrir mão de parte do salário para ter mais flexibilidade de horário e por acreditarem em uma maior qualidade de vida para atuarem em novos modelos de negócio.

“As startups estão vindo com propostas inovadoras e isso tem chamado muito a atenção de executivos que atuam no mercado tradicional. Além de modelos disruptivos e dinâmicos, essas empresas oferecem a possibilidade de profissionais se destacarem e crescerem junto com elas. É um tipo de desafio que tem despertado o interesse de muitos executivos, de olho não apenas em remuneração, mas em outros aspectos, como flexibilidade de horários e em estruturas mais enxutas e menos hierarquizadas. Tem sido um diferencial na hora de atrair grandes talentos do mercado”, analisa Genis Fidelis, gerente da Michael Page.

A pesquisa foi realizada em março deste ano contando com a participação de cerca de 1000 executivos de alta e média gerência para entender a relação desse público com as startups.

O levantamento também procurou saber se os profissionais estariam dispostos a responder para um presidente de startup mais novo que eles. De acordo com 96% dos respondentes, eles se sentiriam bem em lidar com essa questão ante 4% contrários à subordinação de um presidente mais jovem.

A pesquisa buscou entender dos executivos se o perfil profissional deles estava adequado para trabalhar em uma startup. Foram 94% os que se julgaram apropriados para embarcar em um novo modelo de negócios enquanto 6% informaram que não possuem as características ideais para vagas desse gênero.

Outros aspectos foram identificados no levantamento. Oito em cada dez respondentes julgaram-se aptos tecnicamente a liderar um projeto de startup. Há um grupo de 63% apostando que ainda há muito o que acontecer no mercado de startups. E, ainda, 54% creditam que há preconceito dos executivos de startups com profissionais de idade mais avançada.

“Essa pesquisa traz revelações importantes sobre a disposição dos profissionais em atuar num modelo de startup e como eles imaginam que são percebidos pelos líderes dessas empresas. São informações reveladoras e que podem apontar novas tendências no recrutamento e seleção de candidatos”, destaca Genis Fidelis.

Contratação de executivos em startups cresce 50%

As startups não têm poupado esforços para atrair profissionais qualificados. De acordo com dados da Michael Page, a procura por analistas, especialistas, coordenadores e gerentes cresceu 50% até março deste ano frente o mesmo período do ano anterior. Ainda de acordo com a consultoria, os cargos mais demandados foram Customer Hapiness, Marketing de Performance, Marketing de Transformação Digital e User Experience.

“As startups querem profissionais orientados ao desafio e à inovação. Buscam pessoas dedicadas ao negócio e orientadas ao resultado. Os executivos com boa formação técnica, de bons relacionamentos e perfil analítico, são os mais desejados por essas empresas”, explica o consultor. O salário médio para executivos de porte gerencial desses níveis está em torno de R$ 18 mil.

O consultor explica ainda que, para aqueles que ainda pretendem migrar para esse universo, há alguns cargos que devem ser mais demandados nos próximos anos. “Há expectativa de alta demanda para posições mais sêniores como gerentes sêniores de canais digitais, gerentes sêniores de UX e Customer Success Managers”, conclui.

Tags, , , , , , , ,

Michael Page aponta as profissões que estarão em alta em 2016

As posições que tendem absorver novas atribuições e funções dentro das organizações, expandindo o escopo de trabalho, aliado à consolidação das ações de otimização de custos e eficiência, movimentarão o mercado de trabalho em 2016. É o que aponta pesquisa realizada pela Michael Page, empresa líder mundial em recrutamento executivo de média e alta gestão, parte do PageGroup. A consultoria indica, a partir de análises de mercado, as posições que estarão em alta a partir do próximo ano.

“Diante das incertezas macroeconômicas, as empresas estão priorizando profissionais que possuem larga experiência e, de fato, consigam agregar valor e eficiência ao negócio. O executivo que entender este momento e se colocar à disposição para absorver uma nova função ou dar apoio em mais de uma área, pode se destacar facilmente dentro da companhia”, afirma o Henrique Bessa, diretor da Michael Page.

Confira abaixo as onze posições listadas, quais são suas atribuições, e o cenário das respectivas áreas que impulsionarão as contratações em 2016:

1) Gerente/Coordenador de Infraestrutura

O que faz: É responsável por toda a gestão de infraestrutura de TI – telecomunicações, suporte (service desk) e data center.
Perfil: Formação em sistemas/ciência da informação e pós-graduação na área é um diferencial
Por que estará em alta em 2016: Infraestrutura de TI afeta diretamente a eficiência operacional da empresa, além de trazer reduções de custos. Eficiência e custos são dois dos principais objetivos das empresas no próximo ano.

Salário: Entre R$ 12 mil e R$ 16 mil

2) Gerente/Coordenador de Plataformas Mobile e Web

O que faz: Lidera equipe de desenvolvedores de aplicativos, ferramentas web, visa aproximar o usuário da marca/empresa.
Perfil: Para web, conhecimento no desenvolvimento em Java, Groovy, DevOps, entre outras tecnologias. Para mobile, conhecimentos IOS e Android, principalmente.

Por que estará em alta em 2016: Hoje existe uma tendência na maioria dos setores da economia (incluindo financeiro, varejo, bens consumo, entre outros) da migração do ponto de venda e do relacionamento com clientes para plataformas on-line e de e-commerce.
Salário: Entre R$ 9 mil e R$ 11 mil

3) Gerente Tributário

O que faz: Garante que a sua empresa está em dia com as obrigações fiscais, dá suporte as áreas internas em consultoria tributária e mantém foco no estudo de incentivos, regimes especiais e novas legislações com o objetivo de reduzir a carga tributária e aumentar a eficiência do negócio.

Perfil: Formação em Contábeis ou Direito, com especializações em direito tributário e bom domínio do inglês. Passagem por consultorias big 4(four) é um diferencial.

Por que estará em alta em 2016: Com o atual governo mirando aumentar a arrecadação dos impostos, somado as frequentes alterações na legislação brasileira e novos projetos em fase de implementação (ex: e-Social), a expectativa da Michael Page é que esta área continue em alta no radar das empresas.

Salário: Entre R$ 12 mil e R$ 17 mil

4) Controller

O que faz: Acompanha toda a operação da empresa sob o ponto de vista financeiro, cria relatórios e indicadores, além de liderar os relatórios dos números para a matriz e/ou acionistas

Perfil: Graduado em Ciências Contábeis, Administração de Empresas ou Economia (para estas duas últimas formações, é fundamental desenvolver base contábil técnica ao longo da carreira)

Por que estará em alta em 2016: O cenário incerto da economia brasileira demandará maior precisão de informações e fará com que as matrizes (ou acionistas) fiquem mais próximas às operações em nosso país. Como consequência, o Controller será mais exigido e exposto a estes controladores, com relação à indicadores e relatórios gerenciais completos e detalhados.

Salário: Entre R$ 16 mil e R$ 21 mil

5) Gerente de Tesouraria (com foco em operações estruturadas)

O que faz: Responsável em fazer a gestão e controle da estrutura de capital das empresas. Possui ampla bagagem de relacionamento bancário de médio/longo prazo, e de projeção e controle do fluxo de caixa das organizações.

Perfil: Graduado Ciências Contábeis, Administração de Empresas, Economia ou Engenharia, normalmente com MBA em Finanças Corporativas e/ou Investments.

Por que estará em alta em 2016: É um profissional que poderá baratear o “custo de captação” das empresas, melhorar o nível de relacionamento bancário, trazer operações mais engenhosas sob ponto de vista contábil financeiro, com grande foco em queda de alavancagem. Com o novo cenário de câmbio poderá proteger a organização de exposições indevidas, além de poder facilitar ou melhorar negócios em âmbito internacional.

Salário: Entre R$ 16 mil e R$ 25 mil

6) Head do Departamento Jurídico

O que faz: É o responsável por toda e qualquer demanda jurídica da empresa. Atua tanto no consultivo como na gestão do contencioso, em todas as frentes. O consultivo é basicamente interno, enquanto o contencioso é terceirizado para os escritórios. Essa terceirização deve ser gerida de perto, com acompanhamento dos processos e orientação ao traçar as estratégias a serem seguidas, já que o jurídico interno é quem melhor pode traduzir para o escritório que lhe atende a realidade da empresa. Será responsável também pelo orçamento da área e gestão de equipe.

Perfil: Generalista, com foco em Consultivo. Inglês indispensável. Habilidade em gerir escritórios. Facilidade em relacionamento com as outras áreas de negócio. Saber como transitar entre as áreas da empresa é hoje algo considerado essencial para este profissional. Perfil de liderança para exercer uma boa gestão de sua equipe.

Por que estará em alta em 2016: No cenário atual, considerando o momento de recessão em que o Brasil está passando, as empresas têm tomado uma postura de corte de custos e consequente redução de pessoal. Com isso, profissionais em cargos executivos com alto custo, além de profissionais muito especializados, tem sido substituídos, dando espaço para profissionais com menos experiência de mercado, portanto com menor custo, e mais generalistas, concentrando todas as demandas em um único profissional. As demandas de maior especificidade, acabam sendo terceirizadas ainda mais nesta conjuntura.

Salário: Entre R$ 10 mil e R$ 15 mil

7) Gerente de Contencioso de Volume

O que faz: É responsável por liderar operações que lidam com um alto volume de processos. Faz a gestão da contingência processual, analisando e administrando os riscos de cada carteira, traça estratégias para melhor rentabilidade e também faz a gestão das equipes que atuam nestas células.

Perfil: Mais do que a habilidade técnica, este profissional terá que ter um perfil híbrido, pois deve conciliar a questão técnica com a habilidade administrativo-financeira de gerir um alto volume de processos. Deve ser um bom desenvolvedor de estratégia para aumentar rentabilidade, ter foco em resultados com grande eficiência e com isso garantir a manutenção dos clientes.

Por que estará em alta em 2016: Com a atual conjuntura político-econômica, aumenta-se o volume de processos de uma maneira geral. O foco está na área cível, ações de recuperação de créditos e indenizatórias; também a área trabalhista será bastante demanda, em vista do alto volume de demissões/rescisões que ocorreram neste último ano.

Salário: Entre R$ 9 mil e R$ 14 mil

8) Advogado Sênior/Gerente na área de M&A

O que faz: Normalmente compõe a área jurídico-consultiva da empresa ou escritório. É responsável pela elaboração desde ao atos societários mais simples aos mais complexos, que compõem as operações de M&A.
Perfil: Habilidade técnica e experiência em execução de fusões. Inglês indispensável, já que muitas das operações envolvem investidores estrangeiros.

Por que estará em alta em 2016: Com a atual conjuntura político-econômica e a alta do dólar, a tendência é de que investidores estrangeiros façam aquisições de empresas nacionais que estão desvalorizadas. Assim, a expectativa do profissional desta área deve ser positiva tendo em vista o alto volume de M&A esperado no pipeline dos próximos meses.
Salário: Entre R$ 11 mil e R$ 17 mil

9) Gerente de Inteligência de Mercado

O que faz: Gerencia as atividades relacionadas à inteligência de mercado, envolvendo análise de dados sobre concorrência, consumidores, tendências e cenários, com o objetivo de definir políticas e processos e subsidiar informações as áreas de Marketing, Comunicação e Comercial na busca por oportunidades de crescimento e inovação.

Perfil: Profissionais é bastante analítico e com raciocínio lógico diferenciado, sempre atualizado em relação a tendências, inovações e práticas do mercado.

Por que estará em alta: Devido crescimento ínfimo de PIB 2014/2015 e estímulos cada vez maiores por novos hábitos de consumo, as empresas tem demandado cada vez mais por profissionais sêniores e com um papel mais próximo à finanças criando e valorizando a área de Business Intelligence, avaliando não só as mudanças dos hábitos dos consumidores mas sim os impactos financeiros que estas informações obtidas na hora certa podem gerar nas empresas. Áreas como inteligência de mercado e customer insight são áreas que devem crescer em 2016.
Salário: Entre R$ 10 mil e R$ 15 mil

10) – Gerente de Marketing Digital

O que faz: Realiza gestão da estratégia digital, atua com prospecção de leads e vendas, faz análise de mercados e tendências além do suporte consultivo gerencial, identifica as novas oportunidades de produtos, serviços, informações e soluções através do digital.
Perfil: Profissionais com conhecimento em usabilidade e experiência do usuário e compra de mídia online, conseguem garantir mais e melhores acessos ao site e assim, melhorar a taxa de conversão e vendas dos sites. Ter cursos técnicos e atuações com passagens sólidas nas empresas ajudam a tornar esse profissional um destaque nesse mercado.

Por que estará em alta: Em um momento onde o digital ganha bastante espaço no mercado, o profissional de marketing com conhecimento em online se destaca por conhecer os processos e ferramentas para esse tipo de público.
Salário: Entre R$ 10 mil e R$ 14 mil

11) Gerente de Logística

O que faz: Controla, organiza e garante a integridade do estoque, faz a gestão de toda a equipe operacional, contrata serviço de manutenção e operação, além de transporte in bound e out bound, podendo se envolver com questões ligadas às atividades aduaneiras.
Perfil: Ideal um Engenheiro de Produção com Pós Graduação em Logística.

Por que estará em alta: Em momento de reestruturações nas empresas, a área de Logística ganha destaque por ter um grande custo concentrado nela. Ter o profissional correto liderando esse departamento, traz para empresas novas avaliações de fretes, armazenagens, estudos de terceirização onde conseguem diminuir os custos e garantir a qualidade em todos os elos da cadeia logística. O profissional que tem experiência estratégica e tática em logística, e possui certificações em melhoria contínua, se destacam no mercado.
Salário: Entre R$ 10 mil e R$ 15 mil

Tags, , , , ,

Retenção e desenvolvimento de executivos são as prioridades dos líderes de RH brasileiros, aponta pesquisa

A instabilidade econômica do país influência diretamente na decisão e nas ações dos líderes RH das empresas em relação ao quadro de funcionários. Executivos brasileiros apostam na retenção de profissionais enquanto os mexicanos priorizam o treinamento e desenvolvimento de executivos e, os argentinos, a remuneração e os benefícios. É o que aponta o barômetro global de RH da Michael Page, uma das maiores consultorias globais especializadas em recrutamento e seleção.

A pesquisa, que consultou 2.572 líderes de recursos humanos de mais de 65 países dos cinco continentes, indica que a prioridade dos RHs brasileiros é a retenção de talentos (46%), seguido de treinamento de executivos (39%) e desempenho de gestão (36%). A média global, que compara com países de outros continentes, desses quesitos são 26%, 33% e 28%, respectivamente.

”A conjuntura econômica atual acaba refletindo nos planos de curto e médio prazo das companhias. Como estamos atravessando um momento difícil, os executivos da empresas de capital nacional estão investindo na retenção e no desenvolvimento dos talentos para atravessar essa fase de instabilidade. No México, embora os objetivos sejam os mesmos, a economia e o mercado de trabalho local estão em plena expansão”, explica o Ricardo Rocha, gerente executivo da Michael Page.

Ainda de acordo com os números do levantamento, na Argentina, os executivos priorizam a renumeração e os benefícios (49%) além do clima de trabalho (49%), bem acima da média global que é de 18% para ambos os tópicos. Já no México a realidade está mais próxima do Brasil, os mexicanos também pretendem investir no treinamento e no desenvolvimento dos profissionais (41%) e retenção de talentos (38%).

“Apesar das incertezas da economia global, o mercado de trabalho argentino possui uma dinâmica diferente. As companhias estão passando por um processo de consolidação de gestão, o que impacta nas políticas de RH. As empresas estão analisando o cenário interno de suas estruturas e investindo em renumeração e benefícios além do clima organizacional, para assegurar os seus talentos”, avalia o executivo da Michael Page.

Confira no gráfico as principais prioridades dos RHs do Brasil, México e Argentina:

brasil

México

argentina

Argentina

argentina_2

Prioridade do RH por região

regio

Estratégico

7 em cada 10 diretores de RH no Brasil se reportam para o CEO

O barômetro da Michael Page mensurou também o quanto a área de recursos humanos das companhias é vista como estratégica e que pode agregar valor ao negócio. De acordo com os indicadores, 72% dos líderes de recursos humanos no Brasil se reportam diretamente para o executivo número da empresa, o CEO. A média global desse indicador é de 63%.

A Argentina concentra a maior porcentagem da América Latina nesse quesito. 85% dos diretores portenhos respondem para o board das companhias. Já no México, o mesmo indicador representa apenas 63% dos consultados no levantamento.

“As empresas já perceberam que é fundamental os líderes de RH trabalharem alinhado com os cargos de decisão e liderança. Quanto mais forte essa sinergia dentro da organização, melhor serão os resultados alcançados pelas companhias”, explica Rocha.

Mensuração

Principais indicadores de resultados do RH

Desempenho do colaborador, rotatividade, recrutamento eficiente e engajamento são os principais indicadores de resultados mensurados pela departamento RH das empresas brasileiras. Esses índices também refletem a realidade de México e Argentina.

Veja o gráfico completo:

indicadores

No México, 50% dos RHs pretendem contratar

De acordo com os dados da Michael Page, 50% os líderes mexicanos pretendem aumentar o quadro de funcionários nos próximos 12 meses. Já no Brasil, apenas 38% almejam contratar para o ano que vem, enquanto na Argentina, a porcentagem desse item é ainda menor, somente 29%.

México

mxico_1

Brasil

brasil_1

Argentina

argentina_3

Tags, , ,

Pesquisa da Michael Page com 500 executivos avalia confiança no mercado de trabalho em 2015

view.aspx

 

 

 

 

 

 

Apesar de um cenário macroeconômico mais restritivo, pesquisa da Michael Page com 500 executivos posicionados entre média e alta gerência e com remuneração fixa mensal entre R$10 mil e R$ 35 mil, demonstra que 51% destes profissionais estão confiantes quanto ao mercado de trabalho em 2015.
Para João Marco Frederico, diretor executivo da Michael Page, o indicador reflete o baixo índice de desemprego registrado no país. Em janeiro, o indicador ficou em 6,8%, segundo o IBGE, menor patamar da série histórica. “São profissionais bem qualificados, que se movimentam facilmente no mercado. Sabem que se por um lado não há ampliação de novas vagas, há espaço para substituições”, afirma o executivo.
Plano de carreira
A pesquisa da Michael Page detectou que 38% dos profissionais pretendem se arriscar a mudar de emprego ao longo de 2015. Deste universo, 21% almejam um salto ainda maior: mudar de setor. “São profissionais alocados em setores mais duramente atingidos pelo momento econômico, como setor automotivo, Oil&Gas e construção”, pondera Frederico.

Para 41% dos profissionais, porém, a prioridade para 2015 é acumular experiências no emprego atual. 12% dos profissionais entrevistados dizem ter como prioridade a busca de crescimento nas empresas onde já trabalham, enquanto outros 10% irão investir em aperfeiçoamento acadêmico.

Horizonte
O levantamento também procurou identificar os planos de contratações das empresas este ano e identificou que 37% das companhias pretendem expandir o quadro de funcionários em 2015.
Embora 63% das empresas declarem, no levantamento, que não pretendem ampliar os quadros, haverá demanda por pessoal para substituição e reposição de executivos. “Devemos ter um ano fortemente marcado por substituição de profissionais, afinal, com uma economia fraca, cresce as metas e os parâmetros de eficiência”, analisa Frederico.

Tags, , , ,

Engajamento é a ferramenta de gestão mais importante para CEOs e profissionais de RH atualmente, aponta pesquisa

Diretores de Recursos Humanos e CEOs compartilham da mesma percepção para as empresas atingirem resultados positivos. É o que aponta pesquisa da Michael Page, empresa líder mundial em recrutamento executivo de média e alta gestão, realizada com mais de 400 profissionais do setor e CEOs.

De acordo com os dados do levantamento, 30% dos profissionais de RH consultados consideram o engajamento a principal ferramenta de gestão para conseguir resultados positivos nas empresas. A mesma pergunta feita apenas para CEOs alcançou aderência de 41% dos entrevistados.

Já remuneração e talent management são lembrados por 21% e 20%, respectivamente, dos executivos de RH. Já para os CEOs, os mesmos fatores representam 24% e 23%.

Conforme a pesquisa, employer branding corresponde a 17% das melhores práticas de gestão para os executivos de RH, enquanto que para os CEOs apenas 6%. Já as ferramentas e ações de treinamento, para os profissionais de RH representaram 12% e para o alto escalão somente 6%.

“É fundamental para o RH participar efetivamente das decisões estratégicas desde a sua concepção, para um melhor planejamento do desenvolvimento organizacional e consequente desenvolvimento das equipes de alta performance. A área de Recursos Humanos ainda sofre com o não alinhamento e falta de informação, o que cria uma pressão exacerbada, que poderia ser evitada com um melhor fluxo de comunicação nas corporações. A pesquisa mostra que há uma leve evolução, mas que a proximidade entre RH´s e CEOs precisa aumentar.” – avalia Sérgio Sabino, Diretor de Marketing e Planejamento Comercial do Michael Page na América Latina.

Treinamento e gestão do conhecimento é o grande desafio do gestor de RH

Ainda de acordo com os dados da pesquisa, 22% dos gestores de recursos humanos consideram que treinamento e gestão do conhecimento é o grande desafio do setor. Já 20% e 19% dos consultados estão preocupados com retenção de talento e remuneração, respectivamente. 16% apontam transformação cultural e desenvolvimento de liderança como desafios de gestão. 13% acreditam em atração de talentos e 10% em assessment e coaching.

Tags, , , , , , ,