Tag mhealth

Saúde e mHealth: uma parceria cheia de benefícios para pacientes e profissionais da saúde

O Brasil já é o quinto maior país do mundo em quantidade de linhas telefônicas móveis – são mais de 250 milhões em todo território, utilizadas por pouco mais de 200 milhões de pessoas. Dispositivos móveis, como smartphones e tablets, já são uma realidade e uma “necessidade” na vida de grande parte da população, que vê em aplicativos como WhatsApp e Facebook Messenger seus grandes parceiros do dia a dia.

Esse tipo de comunicação também tem ganhado cada vez mais adeptos em áreas específicas da sociedade, como o segmento da saúde. Segundo dados da Cello Health Insight – agência inglesa especializada neste mercado -, nove entre dez médicos já utilizam dispositivos móveis e aplicativos de conversa para dialogar com os pacientes. “Isso ocorre porque estes profissionais, assim como outros cidadãos, já estão habituados ao uso de celulares para fins pessoais em sua rotina diária. Incorporar essa prática profissionalmente garante comodidade e agilidade na relação com pacientes, além de facilitar a troca de informações entre seus colegas de trabalho”, destaca José Antônio Gasque Júnior, gerente de Marketing – Novos Produtos da Pixeon

Não é apenas o uso de aplicativos de mensagens instantâneas que ganha destaque em instituições de saúde, o uso da tecnologia na área, que recebe o nome de mobile health, ou mHealth, está cada dia mais presente em hospitais, laboratórios e clínicas de diagnóstico. “As aplicações mobile aliadas às tendências tecnológicas melhoram o setor da saúde, pois trazem mais facilidade de acesso às informações do paciente e asseguram maior eficiência no trabalho dos profissionais da saúde, pois o processo se torna mais ágil, sem desprezar a segurança das informações”, explica Rogério Pires, diretor de Tecnologia e Serviços da Pixeon.

Com a crescente utilização de dispositivos móveis, diversas soluções estão sendo apresentadas ao mercado da saúde, um bom exemplo é o beira-leito. A ferramenta permite ao profissional acessar, enquanto está com o paciente, as informações mais importantes de seu histórico em um smartphone ou tablete, seja na emergência ou UTI. Também permite que estes profissionais efetivem a ronda de pacientes acamados de forma mais segura, realizando os procedimentos prescritos no prontuário eletrônico do paciente – PEP. Além disso, a solução garante tratamento mais seguro, principalmente na aplicação de medicamentos pelos profissionais de enfermagem.

A mobilidade no mundo

No cenário internacional também é crescente a demanda e a utilização de dispositivos móveis no mercado da saúde. Atualmente, existem grandes aportes em todo o mundo para o desenvolvimento de soluções que envolvem a mobilidade para atendimento a pacientes. A organização Startup Health estima que os investimentos globais cheguem a US$ 5 bilhões.

Já a consultoria PricewaterhouseCoopers, em estudo realizado para mapear os principais benefícios da mobilidade aplicada à saúde, destacou três pontos principais: (1) aproximação entre médico e paciente, uma vez que melhora o fluxo de comunicação entre eles e possibilita um tratamento mais ágil; (2) maior facilidade no processo de consulta remota do médico ao prontuário, garantindo acesso global de todas as informações relevantes de seu estado de saúde; (3) ganhos econômicos e de eficiência às instituições, uma vez que o médico pode utilizar soluções para tomada rápida de decisões clínicas ou troca de informações entre outros médicos de forma muito mais ágil.

A mobilidade é um grande salto para a melhoria operacional de instituições de saúde. “Saber o que conseguimos fazer com o mobile health é gratificante. O paciente faz o agendamento e acessa seus exames on-line, e os profissionais de saúde também podem acompanhar os indicadores dos pacientes. Assim, é mais eficiência às instituições e qualidade de vida aos pacientes e profissionais da saúde”, finaliza Pires.

Tags, , , , ,